Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids"

Transcrição

1 Sumário Aids: a magnitude do problema A epidemia no Brasil Característica do Programa brasileiro de aids Resultados de 20 anos de luta contra a epidemia no Brasil Tratamento Prevenção Direitos humanos Desafi os futuros: metas para o combate à aids de 2003 a 2006 Promover a eqüidade Promover a universalidade Promover a sustentabilidade

2 2 Aids: a magnitude do problema A aids matou no mundo mais de 3 milhões de pessoas em 2002, e estima-se que 5 milhões contraíram o HIV ao longo de um ano, elevando para 42 milhões o número de pessoas que vivem com o vírus. Deste total, mais de 24 milhões das pessoas infectadas pelo HIV encontram-se na África, 17 milhões são mulheres e quase 13 milhões são adolescentes ou crianças. Cerca de 6 milhões de pessoas precisariam tomar os medicamentos anti-retrovirais. Apenas 300 mil pessoas têm acesso ao tratamento, sendo que 135 mil no Brasil. A epidemia no Brasil 597 mil pessoas infectadas pelo HIV na faixa etária de 15 a 49 anos (0,65% da população) óbitos ao ano (segunda causa de óbitos entre homens jovens e quarta causa entre mulheres) óbitos desde municípios do País com casos de aids (66% dos municípios no País). Cerca de casos novos de aids por ano (incidência de 15 casos por 100 mil/hab). País notifi ca 21 mil casos de aids / ano A aids reduziu em 3 meses a expectativa de vida do brasileiro. Tendências da epidemia: heterossexualização, feminização, interiorização e pauperização. Características do Programa Brasileiro de DST e Aids A resposta brasileira à epidemia de aids caracteriza-se: Pela precocidade: a primeira resposta do governo se dá na Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo, em 1983, quando a aids ainda não tinha nome. Dois anos depois foi criado o Programa Nacional de DST e Aids pelo Ministério da Saúde. Pela participação da sociedade civil: a resposta começa a ser elaborada, em 1983, a partir da demanda social e em conjunto com a própria sociedade civil organizada. Por manter articuladas as ações de prevenção, tratamento e garantia dos Direitos Humanos.

3 3 Resultados de 20 anos de luta contra a epidemia no Brasil Tratamento Governo garante tratamento a 100% das pessoas com aids. Total de 135 mil pacientes com acesso aos antiretrovirais em Sobrevida da pessoa com aids cresce 12 vezes: de 5 para 58 meses. Cai em 50% a mortalidade das pessoas com aids no País. Ao todo, 90 mil mortes são evitadas. País evita 358 mil internações em 5 anos. Cai custo de tratamento do paciente com aids. Redução é de 54% entre 1997 a País economiza U$2,2 bilhões com a assistência a pessoas com aids entre 1996 a US$ 1,23 bilhão economia com internação e tratamento de doenças oportunistas US$ 960 milhões economia com redução de preços de medicamentos. Brasil fabrica 8 dos 15 medicamentos usados no tratamento. Os genéricos para aids são até 80% mais baratos que os medicamentos de marca. Prevenção Brasil evita 600 mil novas infecções pelo HIV: em 1992, o Banco Mundial estima que na virada do século haveria 1,2 milhão de pessoas infectadas pelo HIV no Brasil. Chegamos ao ano 2000 com menos da metade estimada. A cada ano, menos brasileiros são diagnosticados com aids. País evitou 58 mil casos entre 1994 e Uso consistente do preservativo é de 58% entre pessoas com parceiros eventuais e 11% entre pessoas com parceria fi xa. Compra e distribuição de preservativos crescem mais de 15 vezes nos últimos 10 anos. Redução da infecção pelo HIV em grupos vulneráveis: Profi ssionais do sexo: cai de 18% para 6,1% em (Índice menor que o Canadá, 15%, e Tailândia,19%) Homossexuais: cai de 10,8%, em 1999, para 4,7%, em Usuários de Drogas Injetáveis: representavam 21,4% dos casos de aids, em 1994, e, em 2000, passam a representar 11,4%. Direitos Humanos O governo, em parceria com a sociedade civil, incluiu nas políticas públicas voltadas às pessoas vivendo com HIV/AIDS e grupos mais vulneráveis à epidemia, o acesso à justiça, à saúde e ao trabalho digno e benefícios sociais, em ações voltadas à redução do estigma e discriminação, promovendo a inclusão social e a garantia dos direitos humanos. Governo desenvolve projetos em parceria com a Sociedade Civil entre 1999 e Investimento de U$S 31 milhões.

4 Desafios futuros: metas para o combate à aids de 2003 a 2006

5 5 Promover a eqüidade Respeitar as diferenças para que todos tenham direitos iguais. Regional A epidemia estabiliza no Sudeste e no Centro- Oeste e cresce no Norte, Nordeste e no Sul. Reduzir o crescimento da epidemia em todo o país, priorizando as ações nas regiões mais afetadas e reduzindo as diferenças regionais. Priorizar Norte, Nordeste e Sul e diminuir diferenças regionais. por INCIDÊNCIA Sul Sudeste 15 C. Oeste 10 Nordeste Norte Fontes: CN-DST/AIDS MORTALIDADE por Sudeste 10 Sul 5 C. Oeste Norte Nordeste Fontes: CN-DST/AIDS

6 6 De gênero Epidemia cresce 9 vezes mais entre mulheres que entre homens. Queda de mortalidade por aids é menor entre mulheres. Aprimorar a abordagem para a prevenção e tratamento entre as mulheres. Masculino Feminino Queda de mortalidade é menor entre mulheres (por hab)

7 7 Social População de menor renda e menor escolaridade estão mais expostas à aids. Promover a inclusão de populações de baixa renda nas ações de controle da epidemia. % % Para as populações vulneráveis Grupos estigmatizados, de difícil acesso e excluídos são mais vulneráveis à epidemia. Risco de contrair o HIV nessas populações é entre 8 e 12 vezes maior que entre a população em geral. Promover a inclusão de populações vulneráveis. Populações mais expostas ao HIV % de infectados % de infectados Cobertura (prevenção) 2001/2002 Presos 20 (1997) - 65% Profissionais do Sexo 17,8 (1996) 6,1 (2000) - Usuários de Drogas Injetáveis Homens que Fazem Sexo com Homens 49,5 (1996) 7 Salvador (2000) 11% 10,8 (1999) 4,7 (2001) 52%

8 8 Apoio às pessoas vivendo com HIV e Aids e Direitos Humanos As pessoas vivendo com HIV e aids são protagonistas da resposta brasileira à epidemia. Isso se deve à parceria estabelecida entre governo e sociedade civil e é um importante diferencial para a garantia do acesso ao tratamento, assistência, diagnóstico e monitoramento da doença. Fortalecer a rede social de apoio para ampliar a inclusão das pessoas com HIV e aids. Diminuir o estigma e a discriminação.

9 9 Promover a universalidade A saúde é dever do estado e direito do cidadão. Preservativos O uso do preservativo aumentou mais de 15 vezes em 10 anos. Mas ainda é preciso ampliar seu uso. Cerca de 85% dos casos de aids no Brasil são de transmissão sexual e o uso do preservativo entre jovens na primeira relaçâo sexual é de 55%. O uso é maior entre as pessoas que mantém relaçôes com parceiros eventuais: Homem parceria eventual - 78,2% de uso Mulher parceria eventual - 68% Homem parceria estável - 34,6% Mulher parceria estável - 34,9% Atualmente, são consumidos quase 700 milhões de preservativos ao ano. Apesar disso, é preciso aumentar o consumo de preservativos no País. Elevar o volume de preservativos disponibilizados em todo o país, de 700 milhões/ano para 1,2bilhão/ano. Para isso, propõe-se: Implantar o preservativo social, por meio da redução de impostos, ampliação dos pontos de venda e distribuição e definição de preço máximo ao consumidor. Distribuir preservativos na rede pública de educação, numa parceria entre os Ministérios da Saúde e de Educação. Aumentar o volume de compra e de distribuição de preservativos pelo setor público. Aumenta consumo de preservativos no País Comercializado Distribuição Pública Usuários de drogas injetáveis USO DO PRESERVATIVO EM POPULAÇÕES VULNERÁVEIS ,1% 62,9% - Homossexuais 67% - 70% Profissionais do sexo - 67,3% (com clientes) - FONTE: CN-DST/AIDS

10 10 Tratamento s Em todo o País existem 889 unidades de saúde que oferecem assistência às pessoas vivendo com HIV e aids. Ao todo, 135 mil pessoas, 100% das que necessitam de tratamento anti-retroviral, recebem os medicamentos. Para manter essa política, há um forte esforço do governo na redução dos custos dos medicamentos, seja com a produção de genéricos, seja com a negociação com laboratórios. Com o tratamento economizou-se R$ 2 bilhões nos gastos com internações hospitalares e doenças oportunistas. Os Níveis de resistência primária ao tratamento de aids no Brasil são um dos menores no mundo, as taxas de adesão ao tratamento são altas, mas ainda há o que melhorar, principalmente em relação à qualidade da assistência prestada nos serviços de saúde. São necessárias ações para manter a política de distribuição universal dos medicamentos. Manter todos as conquistas na área de tratamento por meio da redução de preços de medicamentos e desenvolvimento tecnológico para produção nacional. Garantir o acesso universal aos medicamentos anti-retrovirais e de infecções oportunistas. Alterar Decreto Presidencial para permitir a importação de medicamentos patenteados no Brasil e a compra segundo a lei n Proceder a licença compulsória, caso necessário. Melhorar qualidade de serviço: ampliar de 76% para 100% os serviços que atendem todos os requisitos de qualidade. Ampliar a rede de assistência nas regiões Norte e Nordeste. Taxa de resistência primária aos anti-retrovirais é menor no Brasil

11 11 Cai o custo do tratamento por paciente. Aumenta o gasto global do Ministério da Saúde com anti-retrovirais Gastos do Ministério da Saúde com anti-retrovirais 3 medicamentos importados consomem 63% do orçamento

12 12 Prevenção da transmissão do HIV da mãe para o filho Cresce, a cada ano, o acesso das gestantes HIV + ao tratamento com AZT para evitar a infecção com HIV pelo recém-nascido. Ainda assim, das 17 mil gestantes HIV+/ano, menos de 6 mil/ano conhecem seu status sorológico e recebem o tratamento adequado. A taxa de cobertura é de cerca de 33%. Garantir que, 100 % das gestantes soropositivas tenham acesso ao diagnóstico e ao tratamento da aids. Quase 6 mil gestantes HIV+ tratadas por ano 5.923

13 13 Diagnóstico Cresce a demanda pelo diagnóstico do HIV no Brasil, mas ainda existem entre 300 e 400 mil pessoas infectadas que não sabem que têm o vírus da aids. Em média, no Brasil, o diagnóstico é realizado entre 4 a 5 anos após a infecção. 30% da população brasileira fez o diagnóstico. A cada ano são feitos 1,8 milhões de testes. Aumentar em 1,5 vezes (de 1,8 milhão de testes/ano para 4,5 milhões de testes/ano) o diagnóstico do HIV. Quantos já se testaram Características de quem não se testou

14 14 Promover a Sustentabilidade Descentralização das ações com participação social s Atualmente, 158 municípios em todo o País já estão aptos a receber recursos específi cos para aids por meio de repasse direto do Fundo Nacional de Saúde para o Fundo Municipal de Saúde. Outros 253 municípios deverão se habilitar para essa modalidade de incentivo. Intensificar a descentralização das ações, reforçando a rede municipal de saúde por meio de transferência de recursos. Ampliar em 170% o número de municípios que recebem recursos para ações contra aids. Melhorar a qualidade da gestão em saúde nos estados e municípios. Promover a participação da sociedade civil e o controle social por ela exercido em todas as esferas do governo, mas, prioritariamente, a participação e o controle na esfera local. Nova política de financiamento garante cobertura de 91% dos casos de aids Abrangência: 411 Municípios 27 estados Cobertura: 94 milhões hab (54%) 193 mil casos aids (91%) Valor: R$ 100 milhões ano

15 15 Apoio à sociedade civil s O Ministério da Saúde apóia projetos da Sociedade Civil Organizada nas áreas de Prevenção, Assistência, Direitos Humanos e Ativismo Garantir o repasse de recursos para ações da sociedade civil na nova modalidade de incentivo para ações de aids, baseado no resultado e na visibilidade do uso do recurso público Apoiar o movimento social para garantir maior participação da sociedade nos Conselhos Municipais e Estaduais de Saúde. Política internacional para o fortalecimento do eixo Sul-Sul a) Participação brasileira na defi nição de acordos internacionais em fóruns como Organização Mundial de Saúde, Organização Mundial do Comércio, Unaids etc. b) Processo de cooperação bilateral: reforçar o repasse de experiências e tecnologias para o controle da epidemia entre os países em desenvolvimento (eixo Sul-Sul), por meio de: Ampliar a cooperação no eixo Sul-Sul ampliar projetos demonstrativos para acesso a medicamentos em países do hemisfério sul (5 países da América Latina e 5 países da África) Transfererir tecnologia para implantação de fábricas de medicamentos em países do hemisfério Sul. Regulamentar o parágrafo 6 da Declaração de Doha.

16 16 Síntese das metas e ações 1) Ampliar em 170% o número de municípios que recebem recursos para ações contra a aids Enquanto a epidemia está estabilizada nas regiões Sudeste e Centro-Oeste, tanto a incidência quanto a mortalidade continuam aumentando nas regiões Sul, Norte e Nordeste. Repasse de recursos aos 26 estados e 411 municípios com maior incidência de aids (política de incentivo). Até 2002, apenas 150 municípios recebiam recursos específicos para ações em aids. Ação vai garantir cobertura de 91,42% dos casos de aids no Brasil. Cobertura até 2002 era de 70%. Valor total do repasse: R$ 100 milhões/ano. 10% dos recursos irão direto para ONG que trabalham com DST/aids Apoiar o movimento social para garantir maior participação da sociedade nos Conselhos Municipais e Estaduais de Saúde. 2) Reduzir número de casos de aids de 15 para 10/100 mil habitantes/ano Ampliando o consumo de preservativo; Ampliando diagnóstico do HIV; Ampliando diagnóstico e tratamento das DST na Rede de Atenção Básica; Garantido assistência à pessoa soropositiva. Garantir o repasse de recursos para ações da sociedade civil na nova modalidade de incentivo para ações de aids, baseado no resultado e na visibilidade do uso do recurso público 3) Dobrar o uso de preservativos no País, passando de 550 mil para 1,2 bilhão Implantar o preservativo social com: Redução de impostos; Ampliação dos pontos de venda; Definição do preço máximo ao consumidor (entre 0,20 e 0,25 centavos). Implantar fábrica de preservativos (Acre) garantindo ampliação da produção nacional e desenvolvimento sustentável para a região. Garantir acesso ao preservativo masculino a adolescentes de 15 a 19 anos, sexualmente ativos, da rede pública de ensino fundamental e médio Estimativa de cobertura: adolescentes Projeto experimental em cinco cidades: Curitiba, São Paulo, São José do Rio Preto, Rio Branco e Xapuri Início: agosto de 2003 Ampliar em 33% a distribuição gratuita de preservativos (dos 300 milhões/ano atuais para 400 milhões/ano). 4) Priorizar população de baixa renda, mulheres, jovens e população vulnerável MULHERES: a epidemia cresce 9 vezes mais entre as mulheres Fortalecer as ações de prevenção com enfoque também no homem. Objetivo: reduzir as transmissões heterossexuais; promover a autonomia da mulher e a participação do homem nas questões de saúde sexual e reprodutiva; Garantir acesso ao preservativo feminino às mulheres mais vulneráveis às DST/aids em todas as regiões do país; Intensificar ações nos serviços de saúde da mulher. POPULAÇÕES VULNERÁVEIS: risco de infecção entre 8 e 12 vezes maior que na população em geral Promover a inclusão de presos, profissionais do sexo, usuários de drogas injetáveis, homens que fazem sexo com homens com políticas de atenção integral à saúde através do SUS; Ampliar parceria com ONG e intensificar ações interministerais (Justiça, Promoção Social, Educação, Direitos Humanos, Trabalho)

17 17 etc...); Incorporar o conceito de Redução de Danos nas Políticas Públicas de Saúde e aprimorar as estratégias de atuação. BAIXA RENDA: A epidemia cresce mais nos que possuem menos de oito anos de estudo Implantação do preservativo social Inclusão das ações de DST/Aids na atenção básica Direcionamento das campanhas de prevenção para os segmentos mais pobres da população Ampliar a rede social de apoio às pessoas vivendo com HIV/Aids JOVENS: O jovem permanece como um dos grupos mais vulneráveis da epidemia Garantir acesso ao preservativo masculino a adolescentes de 15 a 19 anos, sexualmente ativos, da rede pública de ensino fundamental e médio ( pessoas) Parceria com o MEC para ampliar o número de escolas com programas continuados de sexualidade e prevenção das DST/Aids e gravidez Fortalecer a política dirigida a meninos e meninas em situação de vulnerabilidade social e os que estão cumprindo medidas sócioeducativas Elaborar Diretrizes do Ministério da Saúde para promover a assistência, promoção e prevenção junto aos adolescentes soropositivos 6) Reduzir em 30% a taxa de mortalidade: de 6,31 para 4,42/ habitantes/ano Calcula-se que até 2006, 193 mil pessoas com aids estarão em tratamento. Melhorar qualidade dos serviços que atendem pessoas com aids. Ampliar o diagnóstico precoce, garantindo o acesso da pessoa HIV+ à assistência preventiva, retardando o desenvolvimento da aids. Garantir acesso aos remédios para infecções oportunistas Ampliar a rede de assistências nas regiões norte e nordeste Fortalecer a rede social de apoio para ampliar a inclusão das pessoas com HIV e aids. 7) Garantir o acesso universal aos anti-retrovirais Garantir a sustentabilidade da política de distribuição gratuita dos anti-retrovirais com a redução de preços dos medicamentos Grupo de negociação com Abbott, Merck e Roche para redução dos medicamentos Efavirenz, Nelfinavir e Lopinavir (que consomem 63% do 573 milhões previsto para 2003 para a compra de remédios) Ampliar a fabricação local de medicamentos anti-retrovirais Intensificar as ações para a regulamentação do artigo 6º da Conferência de Doha, que garante o direito de importação e exportação de medicamentos genéricos 5) Diagnóstico do HIV: aumentar em 1,5 vezes o número de exames realizados/ano Estima-se que existam 600 mil pessoas infectadas pelo HIV em todo o País. Destas, entre 300 e 400 mil pessoas não sabem que são soropositivas. Já está em curso a campanha Fique Sabendo, que pretende mobilizar toda a sociedade para aumentar em 1,5 vezes o número de testes/ano. A próxima campanha de aids, em outubro,focalizará a necessidade do diagnóstico do HIV 8) 100% de tratamento para gestantes HIV+ Estima-se que existam 17 mil gestantes HIV+ ao ano no Brasil. Cerca de 30% recebem tratamento ou 6 mil gestantes HIV+ ao ano. Melhorar qualidade do pré-natal, ampliando o diagnóstico das gestantes soropositivas. Investir R$ 17 milhões em testes rápidos de diagnóstico do HIV e da sífilis em todas as maternidades brasileiras; garantir o suprimento de leite fórmula infantil às crianças filhas de mães soropositivas, por seis meses; (portaria 822 de 27/03/03)

POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS

POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS RESULTADOS, AVANÇOS E PERSPECTIVAS A Epidemia Prevenção Diagnóstico Assistência e Tratamento Sustentabilidade e

Leia mais

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO Ministério da Saúde TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO E ELIMINAÇÃO Brasília - DF 2014 Ministério da Saúde TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV E SÍFILIS: ESTRATÉGIAS PARA REDUÇÃO

Leia mais

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Letícia Legay Vermelho*, Luíza de Paiva Silva* e Antonio José Leal Costa** Introdução A transmissão vertical, também denominada materno-infantil,

Leia mais

POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002

POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002 POLÍTICA BRASILEIRA DE AIDS PRINCIPAIS RESULTADOS E AVANÇOS 1994 2002 PREVENÇÃO ASSISTÊNCIA E TRATAMENTO DIREITOS HUMANOS COOPERAÇÃO INTERNACIONAL DESAFIOS PREVENÇÃO Mais de 30 campanhas de massa para

Leia mais

REDE NACIONAL DE ADOLESCENTES E JOVENS VIVENDO COM HIV/AIDS

REDE NACIONAL DE ADOLESCENTES E JOVENS VIVENDO COM HIV/AIDS REDE NACIONAL DE ADOLESCENTES E JOVENS VIVENDO COM HIV/AIDS Manuela Estolano Coordenadora Nacional Rede Nacional de Adolescentes e Jovens Vivendo com HIV/Aids REDE NACIONAL DE ADOLESCENTES E JOVENS VIVENDO

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PERNAMBUCO

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PERNAMBUCO PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PERNAMBUCO OBJETIVO GERAL DO PLANO ESTADUAL Enfrentar a epidemia do HIV/aids e das DST entre gays, outros HSH

Leia mais

Plano Operacional. para Redução da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis. Brasil

Plano Operacional. para Redução da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis. Brasil Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Secretaria de Assistência à Saúde Plano Operacional para Redução da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis Brasil 2007 2007 Ministério da Saúde É

Leia mais

Roteiro para consolidação do Plano de Ação / Rio de Janeiro. Metas Atividades Parceria s. fóruns e

Roteiro para consolidação do Plano de Ação / Rio de Janeiro. Metas Atividades Parceria s. fóruns e Roteiro para consolidação do Plano de Ação / Rio de Janeiro Contexto de vulnerabilidade -Complexidade da vivência da sexualidade (subjetividades); -Fragilidade da gestão do sistema de saúde (descontinuidade

Leia mais

Conferência Temática da Saúde Integral da População Negra no Estado do PR. Curitiba, 28-06-2013

Conferência Temática da Saúde Integral da População Negra no Estado do PR. Curitiba, 28-06-2013 Conferência Temática da Saúde Integral da População Negra no Estado do PR Curitiba, 28-06-2013 A POPULAÇAO NEGRA NO BRASIL E A LUTA PELA CIDADANIA Quilombos e Movimentos Sociais (movimentos de mulheres

Leia mais

SAÚDE DA MULHER, MORTALIDADE MATERNA E REDUÇÃO DE DANOS. Novembro de 2008

SAÚDE DA MULHER, MORTALIDADE MATERNA E REDUÇÃO DE DANOS. Novembro de 2008 PARAÍBA NEGO SAÚDE DA MULHER, MORTALIDADE MATERNA E REDUÇÃO DE DANOS Novembro de 2008 Atenção Básica Conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e coletivo, que abrangem a promoção e a proteção da

Leia mais

AIDS NÃO TEM CARA. A DOENÇA ESTÁ SEMPRE CAMISINHA É A ÚNICA PROTEÇÃO.

AIDS NÃO TEM CARA. A DOENÇA ESTÁ SEMPRE CAMISINHA É A ÚNICA PROTEÇÃO. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DAS DST/HIV/AIDS E HEPATITES VIRAIS CARNAVAL 2011 AIDS NÃO TEM CARA. A DOENÇA ESTÁ SEMPRE

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS GOIÁS

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS GOIÁS PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS GOIÁS OBJETIVOS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS E PARCERIAS Estimular 80% da população de gays, HSH e travestis do

Leia mais

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO SATO, Camila Massae 1 Palavras-chave: Idoso, AIDS, conhecimento Introdução A população idosa brasileira

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS ACRE

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS ACRE PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS ACRE OBJETIVOS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS E PARCERIAS CRONOGRAMA (PRAZO) Realizar reuniões com Conselhos de Saúde,

Leia mais

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida UNAIDS/ONUSIDA Relatório para o Dia Mundial de Luta contra AIDS/SIDA 2011 Principais Dados Epidemiológicos Pedro Chequer, Diretor do UNAIDS no Brasil

Leia mais

Apresentação. Objetivos do Programa

Apresentação. Objetivos do Programa Diálogo Jovem 0 Índice Assunto Pagina Apresentação 2 Objetivos do Programa 2 Resultados esperados 3 Demandas do Programa 3 Por que investir 4 Origem dos Recursos 5 Metodologia 6 Roteiro do Primeiro encontro

Leia mais

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB Elizângela Samara da Silva 1, Anna Marly Barbosa de Paiva 2, Adália de Sá Costa

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

A evolução e distribuição social da doença no Brasil

A evolução e distribuição social da doença no Brasil A evolução e distribuição social da doença no Brasil Por Ana Maria de Brito Qualquer epidemia é o resultado de uma construção social, conseqüência do aparecimento de uma doença com características biomédicas,

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS SERGIPE

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS SERGIPE PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS SERGIPE METAS ATIVIDADES PARCERIAS EXECUSSÃO CRONOGRAMA - Articular através da criação de uma rede via internet

Leia mais

Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS)

Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) PORTARIA Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2012 Rio de Janeiro, 19 / 06 / 2013 1 - Introdução 2 - Objetivos 3 - Coleta dos Dados 4 - Instrumentos de Coleta 5 - Temas abordados 6 - Universo da Pesquisa 7 - Análise

Leia mais

DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária. Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo

DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária. Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo DST/Aids e Rede Básica : Uma Integração Necessária Programa Estadual de DST/AIDS de São Paulo DST/AIDS E ATENÇÃO BÁSICA O Sistema Único de Saúde ( SUS ) preconiza a descentralização,hierarquização e territorialização

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS DISTRITO FEDERAL

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS DISTRITO FEDERAL PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS DISTRITO FEDERAL Objetivo 1: Contribuir para a redução das vulnerabilidades às DST, hepatites e HIV/aids,

Leia mais

FILANTROPIA ESTADUAL / 2011 SEJA UM DEMOLAY TRANSFORMADOR

FILANTROPIA ESTADUAL / 2011 SEJA UM DEMOLAY TRANSFORMADOR FILANTROPIA ESTADUAL / 2011 SEJA UM DEMOLAY TRANSFORMADOR ORDEM DeMOLAY Este Manual foi desenvolvido pela Secretaria Estadual de Filantropia do GCEMG Brasil, para apoiar os Capítulos jurisdicionados ao

Leia mais

1. Garantir a educação de qualidade

1. Garantir a educação de qualidade 1 Histórico O Pacto pela Juventude é uma proposição das organizações da sociedade civil, que compõem o Conselho Nacional de Juventude, para que os governos federal, estaduais e municipais se comprometam

Leia mais

FECHADO PELO GESTOR. Secretaria Estadual de Saúde - Minas Gerais-MG IDENTIFICAÇÃO DO GESTOR PÚBLICO DO SUS ÓRGÃO RESPONSÁVEL PELA GESTÃO DO SUS

FECHADO PELO GESTOR. Secretaria Estadual de Saúde - Minas Gerais-MG IDENTIFICAÇÃO DO GESTOR PÚBLICO DO SUS ÓRGÃO RESPONSÁVEL PELA GESTÃO DO SUS Atual condição de Gestão do SUS: Gestão Plena IDENTIFICAÇÃO DO GESTOR PÚBLICO DO SUS Situação do estado quanto a elaboração de Plano Diretor de Regionalização conforme a NOAS 2002: Encontra-se habilitado

Leia mais

Responsabilidades dos Gestores do SUS em Assistência Farmacêutica

Responsabilidades dos Gestores do SUS em Assistência Farmacêutica Responsabilidades dos Gestores do SUS em Assistência Farmacêutica Nara Soares Dantas Membro do GT de Saúde da PFDC/MPF Procuradora da República na Bahia 1) APRESENTAÇÃO O Grupo de Trabalho de Saúde da

Leia mais

Objetivo 2 Ampliar e qualificar o acesso integral e universal à prevenção das DST/HIV/aids para Gays, outros HSH e Travestis.

Objetivo 2 Ampliar e qualificar o acesso integral e universal à prevenção das DST/HIV/aids para Gays, outros HSH e Travestis. Histórico 1º semestre de 2008 Elaboração do Plano Nacional de Enfrentamento da Epidemia de Aids e das DST entre gays, hsh e travestis Agos/08 Oficina Macro Sudeste para apresentação do Plano Nacional Set/08

Leia mais

Encaminhamentos Resultantes dos Encontros Regionais OPMs. Abril e Maio de 2014

Encaminhamentos Resultantes dos Encontros Regionais OPMs. Abril e Maio de 2014 Encaminhamentos Resultantes dos Encontros Regionais OPMs Abril e Maio de 2014 1. Criação do Ministério de Políticas para as Mulheres 1.1. Fortalecer o processo de implementação das políticas para as mulheres;

Leia mais

Informes do Departamento

Informes do Departamento Informes do Departamento Reunião ampliada CAMS/CNAIDS/CAPDA Local: Nobile LakeSide Hotel, Brasília/DF Data: 30 e 31 de outubro de 2012 Fique Sabendo - Mobilização Nacional de Ampliação da Testagem para

Leia mais

V Relatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Marcelo Neri SAE/PR

V Relatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Marcelo Neri SAE/PR V Relatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Marcelo Neri SAE/PR Objetivos do Milênio 1. Acabar com a fome e a miséria ODM 1 META A Global: Até 2015, reduzir a pobreza

Leia mais

Projeto RI-VIDA Rede de Integração para a Vida Projeto de prevenção de DST s, HIV/AIDS e Hepatites

Projeto RI-VIDA Rede de Integração para a Vida Projeto de prevenção de DST s, HIV/AIDS e Hepatites Projeto RI-VIDA Rede de Integração para a Vida Projeto de prevenção de DST s, HIV/AIDS e Hepatites Apoio: Centro de Referência e Treinamento DST/AIDS Secretaria de Estado da Saúde VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO

Leia mais

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1

Resumo do Perfil epidemiológico por regiões. HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 SAÚDE 1 Resumo do Perfil epidemiológico por regiões HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 Resumo do perfil epidemiológico por regiões SAÚDE 1 HIV e Aids no Município de São Paulo 2014 APRESENTAçÃO Hoje, no

Leia mais

A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO.

A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO. PROJETO DE LEI Nº 461/2007 Institui no Estado do Espírito Santo o Programa de Orientação em Saúde e Atendimento Social à Gravidez Precoce e Juvenil destinado a Crianças, Adolescentes e Jovens Gestantes

Leia mais

Prevenção. Alianças. Direitos. Assistência. HIV/AIDS + TRABALHO Diretrizes para os empregadores. www.oit.org/aids OIT/AIDS

Prevenção. Alianças. Direitos. Assistência. HIV/AIDS + TRABALHO Diretrizes para os empregadores. www.oit.org/aids OIT/AIDS HIV/AIDS + TRABALHO Diretrizes para os empregadores Prevenção Assistência Direitos Alianças Como utilizar o Repertório de Recomendações Práticas da OIT sobre o HIV/Aids e o Mundo do Trabalho e seu Manual

Leia mais

O QUE SÃO OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM)

O QUE SÃO OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) O QUE SÃO OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) Durante a reunião da Cúpula do Milênio, realizada em Nova Iorque, em 2000, líderes de 191 nações oficializaram um pacto para tornar o mundo mais

Leia mais

ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra a AIDS

ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra a AIDS Carta ANAIDS 1º de Dezembro - Dia Mundial de Luta contra a AIDS Cada um tem sua cara e a aids também tem... A ANAIDS Articulação Nacional de Luta Contra Aids - colegiado que reúne os Fóruns de ONG Aids

Leia mais

O modelo lógico para um protocolo de atendimento à gestante. Gabriele dos Anjos e Isabel Rückert - FEE

O modelo lógico para um protocolo de atendimento à gestante. Gabriele dos Anjos e Isabel Rückert - FEE O modelo lógico para um protocolo de atendimento à gestante Gabriele dos Anjos e Isabel Rückert - FEE Apresentar os resultados da elaboração do modelo lógico para uma política de saúde. Trata-se da iniciativa

Leia mais

Plano de Enfrentamento da Epidemia da Aids e das DST entre Gay, HSH e Travestis - Curitiba

Plano de Enfrentamento da Epidemia da Aids e das DST entre Gay, HSH e Travestis - Curitiba Plano de Enfrentamento da Epidemia da Aids e das DST entre Gay, HSH e Travestis - Curitiba Coordenação de DST e Aids Municipal da Saúde janeiro de 2009 1. Implementação e levantamento de pesquisas para

Leia mais

PROGRAMA DE SAÚDE NA ESCOLA

PROGRAMA DE SAÚDE NA ESCOLA PROGRAMA DE SAÚDE NA ESCOLA 1 INTRODUÇÃO O Programa Saúde na Escola PSE foi instituído pelo Decreto Presidencial Nº. 6.286/2007 como uma política intersetorial Ministério da Saúde e Educação na perspectiva

Leia mais

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade Introdução Há cerca de 20 anos, a Secretaria de Saúde de um grande município começou a desenvolver e implantar iniciativas relacionadas à Alimentação

Leia mais

ROBERTO REQUIÃO 15 GOVERNADOR COLIGAÇÃO PARANÁ COM GOVERNO (PMDB/PV/PPL)

ROBERTO REQUIÃO 15 GOVERNADOR COLIGAÇÃO PARANÁ COM GOVERNO (PMDB/PV/PPL) ROBERTO REQUIÃO 15 GOVERNADOR COLIGAÇÃO PARANÁ COM GOVERNO (PMDB/PV/PPL) PROPOSTAS PARA SAÚDE Temos plena convicção de que uma ambulância com destino à capital não pode ser considerada como um tratamento

Leia mais

Seminário - Saúde, Propriedade Intelectual e Mídia DESAFIOS NO ACESSO A TRATAMENTOS PARA CRIANÇAS

Seminário - Saúde, Propriedade Intelectual e Mídia DESAFIOS NO ACESSO A TRATAMENTOS PARA CRIANÇAS Seminário - Saúde, Propriedade Intelectual e Mídia DESAFIOS NO ACESSO A TRATAMENTOS PARA Alexandre Magno Recife, 16 de outubro de 2010 Todos Todos juntos juntos pelas pelas crianças crianças DESAFIOS NO

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL RELATÓRIO FINAL TEMA CENTRAL Saúde e Qualidade de Vida: Política de Estado e Desenvolvimento DIRETRIZES PROPOSTAS PELAS OFICINAS TEMÁTICAS PARA COLOMBO, BIÊNIO 2007-2009, APROVADAS

Leia mais

Hélio Vasconcellos Lopes

Hélio Vasconcellos Lopes HIV/AIDS no Município de Santos e dados brasileiros Hélio Vasconcellos Lopes Coordenador do Programa Municipal DST/AIDS/Hepatites da Secretaria Municipal de Saúde Professor titular da Faculdade de Medicina

Leia mais

As tendências do Sistema Único de Saúde FGV 2009 1693 A Cidade de Curitiba 1916 2009 316 anos Missão da SMS Planejar e executar a política de saúde para o Município de Curitiba, responsabilizando- se pela

Leia mais

PROJETO DE LEI 01-00453/2014 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB), Andrea Matarazzo (PSDB), José Américo (PT) e Marta Costa (PSD)

PROJETO DE LEI 01-00453/2014 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB), Andrea Matarazzo (PSDB), José Américo (PT) e Marta Costa (PSD) Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo PROJETO DE LEI 01-00453/2014 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB), Andrea Matarazzo (PSDB), José Américo (PT) e Marta Costa (PSD) Autores

Leia mais

NOTA TÉCNICA 55 2011

NOTA TÉCNICA 55 2011 Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com transtornos mentais e com necessidades decorrentes do uso prejudicial de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do SUS. Minuta de portaria: Institui a Rede

Leia mais

UNGASS/2016 CONTRIBUIÇÕES PARA O CONAD/MJ ABRAMD - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA MULTIDISCIPLINAR DE ESTUDOS SOBRE DROGAS

UNGASS/2016 CONTRIBUIÇÕES PARA O CONAD/MJ ABRAMD - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA MULTIDISCIPLINAR DE ESTUDOS SOBRE DROGAS UNGASS/2016 CONTRIBUIÇÕES PARA O CONAD/MJ ABRAMD - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA MULTIDISCIPLINAR DE ESTUDOS SOBRE DROGAS Encaminhado por Maria Fátima Olivier Sudbrack Presidente da ABRAMD mfosudbrack@gmail.com

Leia mais

LEI Nº 2.143, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013.

LEI Nº 2.143, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. LEI Nº 2.143, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. Estabelece princípios e diretrizes para a Política Municipal de Incentivo ao Desenvolvimento na Primeira Infância, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

JOVEM HOMOSSEXUAL substituir por JOVENS GAYS, LÉSBICAS, BISSEXUAIS E TRANSGÊNEROS (GLBT) ou por JUVENTUDE E DIVERSIDADE SEXUAL

JOVEM HOMOSSEXUAL substituir por JOVENS GAYS, LÉSBICAS, BISSEXUAIS E TRANSGÊNEROS (GLBT) ou por JUVENTUDE E DIVERSIDADE SEXUAL JOVEM HOMOSSEXUAL substituir por JOVENS GAYS, LÉSBICAS, BISSEXUAIS E TRANSGÊNEROS (GLBT) ou por JUVENTUDE E DIVERSIDADE SEXUAL OBJETIVOS E METAS 1. Prover apoio psicológico, médico e social ao jovem em

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Prevenção Total

Mostra de Projetos 2011. Prevenção Total Mostra Local de: Dois Vizinhos Categoria do projeto: Projetos finalizados. Cidade: Marmeleiro Contato: lucianiberti@yahoo.com.br Autor (es): Luciani Aparecida Berti Mostra de Projetos 2011 Prevenção Total

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA Objetivo estratégico do MS relacionado ao envelhecimento

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

Direito à Educação. Parceria. Iniciativa. Coordenação Técnica. Apoio

Direito à Educação. Parceria. Iniciativa. Coordenação Técnica. Apoio Direito à Educação Apoio Parceria Coordenação Técnica Iniciativa Objetivos Refletir sobre: O que é Direito à Educação e como chegamos até aqui Garantia do direito à educação no Brasil Papel atual do Gestor

Leia mais

Homens, cuidado, sexuais e reprodutivos

Homens, cuidado, sexuais e reprodutivos Homens, cuidado, saúde e direitos sexuais e reprodutivos Inclusão do homem para mudanças no paradigma de gênero Muitos dos problemas relacionados às sexualidade dos jovens estão ancorados na prática do

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS RIO GRANDE DO SUL

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS RIO GRANDE DO SUL PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS RIO GRANDE DO SUL Criar dados sobre a população de gays, HSH e das travestis. Encaminhamentos (SINAN x campos

Leia mais

Agenda de Compromissos dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Governo Federal e Municípios

Agenda de Compromissos dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Governo Federal e Municípios Agenda de Compromissos dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Governo Federal e Municípios 2013-2016 Apresentação Uma agenda de compromissos serve para registrar o que deve ser feito e estipular prazos

Leia mais

PARECER COREN-SP 031/2013 CT PRCI n 101.092 Tickets nºs 290.315, 293.537 e 299.887 Revisão e atualização em julho de 2015

PARECER COREN-SP 031/2013 CT PRCI n 101.092 Tickets nºs 290.315, 293.537 e 299.887 Revisão e atualização em julho de 2015 PARECER COREN-SP 031/2013 CT PRCI n 101.092 Tickets nºs 290.315, 293.537 e 299.887 Revisão e atualização em julho de 2015 Ementa: Realização de teste de gravidez e informação do resultado. 1. Do fato Auxiliares

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL 8 JEITOS DE MUDAR O MUNDO

RESPONSABILIDADE SOCIAL 8 JEITOS DE MUDAR O MUNDO RESPONSABILIDADE SOCIAL 8 JEITOS DE MUDAR O MUNDO EXPEDIENTE Antes de começar qualquer ação, responda: - Que problema vocês querem resolver? - Quem vai participar? - Quem vai ser beneficiado? - Como

Leia mais

PNE: análise crítica das metas

PNE: análise crítica das metas PNE: análise crítica das metas Profa. Dra. Gilda Cardoso de Araujo Universidade Federal do Espírito Santo Ciclo de Palestras do Centro de Educação 2015 Metas do PNE Contexto Foram 1.288 dias de tramitação,

Leia mais

NORMAS MUNICIPAIS ÍNDICE

NORMAS MUNICIPAIS ÍNDICE NORMAS MUNICIPAIS ÍNDICE BELÉM-PA LEI ORDINÁRIA DE BELÉM-PA, Nº 8455, de 02 de outubro de 2005 Dispõe sobre a obrigação das locadores de vídeos, do município de Belém de afixarem cartazes com informações

Leia mais

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro

MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro MS divulga retrato do comportamento sexual do brasileiro Notícias - 18/06/2009, às 13h08 Foram realizadas 8 mil entrevistas com homens e mulheres entre 15 e 64 anos. A análise das informações auxiliará

Leia mais

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas,

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS CEARÁ

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS CEARÁ PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS CEARÁ OBJETIVOS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS E PARCERIAS CRONOGRAMA MONITORAMENTO INDICADOR Incluir anualmente,

Leia mais

OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO E A UNIÃO GERAL DOS TRABALHADORES

OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO E A UNIÃO GERAL DOS TRABALHADORES OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO E A UNIÃO GERAL DOS TRABALHADORES os ODM e a UGT PARTE 1 - BREVE HISTÓRICO PARTE 2 - SÍNTESE PARTE 1 - BREVE HISTÓRICO 3 COMO TUDO COMEÇOU? Em setembro de 2000,

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Ações para enfrentamento da AIDS nos jovens e adolescentes.

Mostra de Projetos 2011. Ações para enfrentamento da AIDS nos jovens e adolescentes. Mostra de Projetos 2011 Ações para enfrentamento da AIDS nos jovens e adolescentes. Mostra Local de: Paranavaí Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa:

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

Cenário Epidemiológico do Estado de Alagoas

Cenário Epidemiológico do Estado de Alagoas Cenário Epidemiológico do Estado de Alagoas Situação epidemiológica da AIDS em Alagoas 1 Registro de caso Total de casos Nº de óbitos Até 06.2010 1986 3842 949 (fonte MS/SVS/Departamento de DST/Aids e

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 Projeto Troca

Mostra de Projetos 2011 Projeto Troca Mostra de Projetos 2011 Projeto Troca Mostra Local de: Campo Mourão Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Prefeitura Municipal de Campo Mourão Cidade: Campo Mourão Contato:

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 7.670, DE 2006

PROJETO DE LEI N.º 7.670, DE 2006 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N.º 7.670, DE 2006 Dispõe sobre a veiculação gratuita de informação educativa sobre o câncer pelas emissoras de rádio e televisão. Autor: Deputado

Leia mais

Economia Política da Prevenção e Tratamento das DST e Aids

Economia Política da Prevenção e Tratamento das DST e Aids IV Congresso Brasileiro de Prevenção das DST e AIDS Economia Política da Prevenção e Tratamento das DST e Aids Sérgio Francisco Piola Belo Horizonte, 7 de novembro de 2006. O Programa Brasileiro tem tido

Leia mais

Por que esses números são inaceitáveis?

Por que esses números são inaceitáveis? MANIFESTO DAS ONGS AIDS DE SÃO PAULO - 19/11/2014 AIDS: MAIS DE 12.000 MORTOS POR ANO NO BRASIL! É DESUMANO, É INADMISSÍVEL, É INACEITÁVEL. PRESIDENTE DILMA, NÃO DEIXE O PROGRAMA DE AIDS MORRER! Atualmente,

Leia mais

A gestão regionalizada das Redes de Atenção Luís s Carlos Casarin Ministério da Saúde Secretaria de Atenção àsaúde -SAS

A gestão regionalizada das Redes de Atenção Luís s Carlos Casarin Ministério da Saúde Secretaria de Atenção àsaúde -SAS A gestão regionalizada das Redes de Atenção Luís s Carlos Casarin Ministério da Saúde Secretaria de Atenção àsaúde -SAS DESAFIO DESAFIO Extensão: 8.547.403,5 Km² (dimensão continental) População: 190.732.694

Leia mais

HIV/TB Desafios. MD Teresinha Joana Dossin Infectologista HNSC / Hospital Sanatório Partenon

HIV/TB Desafios. MD Teresinha Joana Dossin Infectologista HNSC / Hospital Sanatório Partenon HIV/TB Desafios MD Teresinha Joana Dossin Infectologista HNSC / Hospital Sanatório Partenon AIDS no Brasil De 1980 até junho de 2011, o Brasil tem 608.230 casos de AIDS registrados Em 2010, taxa de incidência

Leia mais

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 GESTÃO PÚBLICA Garantir ampla participação popular na formulação e acompanhamento das políticas públicas; Criação do SOS Oprimidos, onde atenda desde pessoas carentes

Leia mais

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL Autonomia econômica das mulheres Autonomia econômica das mulheres se refere à capacidade das mulheres de serem provedoras de seu próprio sustento,

Leia mais

METAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

METAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL METAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Meta 01. Universalizar, até 2016, o atendimento escolar da população de 04 a 5 anos de idade e ampliar, a oferta de educação infantil em creches de forma a atender a 50% da população

Leia mais

MORTALIDADE POR AIDS EM SÃO PAULO: DEZOITO ANOS DE HISTÓRIA

MORTALIDADE POR AIDS EM SÃO PAULO: DEZOITO ANOS DE HISTÓRIA MORTALIDADE POR AIDS EM SÃO PAULO: DEZOITO ANOS DE HISTÓRIA Bernadette Waldvogel 1 Lilian Cristina Correia Morais 1 1 INTRODUÇÃO O primeiro caso brasileiro conhecido de morte por Aids ocorreu em 1980,

Leia mais

8 Jeitos de Mudar o Mundo

8 Jeitos de Mudar o Mundo 8 Jeitos de Mudar o Mundo No dia 8 de setembro de 2000, a Organização das Nações Unidas (ONU) sintetizou uma série de acordos internacionais firmados em diversas cúpulas mundiais e desenvolveu a Declaração

Leia mais

Prevenção. Alianças. Direitos. Assistência. HIV/AIDS + TRABALHO Diretrizes para. os sindicatos. www.oit.org/aids OIT/AIDS

Prevenção. Alianças. Direitos. Assistência. HIV/AIDS + TRABALHO Diretrizes para. os sindicatos. www.oit.org/aids OIT/AIDS HIV/AIDS + TRABALHO Diretrizes para os sindicatos Prevenção Assistência Direitos Alianças Como utilizar o Repertório de Recomendações Práticas da OIT sobre o HIV/Aids e o Mundo do Trabalho e seu Manual

Leia mais

Caderneta da Gestante

Caderneta da Gestante Caderneta da Gestante * A assistência pré-natal se constitui em cuidados e condutas que visam o bom desenvolvimento da gestação e o parto de um recém-nascido saudável. Entre as ações para qualificação

Leia mais

TESTAGEM CONVENCIONAL VOLUNTÁRIA PARA HIV: PERFIL E COMPORTAMENTO DE PESSOAS COM PARCEIRO FIXO

TESTAGEM CONVENCIONAL VOLUNTÁRIA PARA HIV: PERFIL E COMPORTAMENTO DE PESSOAS COM PARCEIRO FIXO TESTAGEM CONVENCIONAL VOLUNTÁRIA PARA HIV: PERFIL E COMPORTAMENTO DE PESSOAS COM PARCEIRO FIXO Nelise Coelho 1 ; Janete Lane Amadei 2 ; Eliane Aparecida Tortola 3 ; Marta Evelyn Giasante Storti 3 ; Edilson

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PARÁ

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PARÁ PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PARÁ Objetivo 1 - Garantir ações de enfrentamento do HIV/DST/aids para gays, outros HSH e travestis, do ponto

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE E A UNA-SUS

EDUCAÇÃO EM SAÚDE E A UNA-SUS EDUCAÇÃO EM SAÚDE E A UNA-SUS MÔNICA MACHADO DUARTE Núcleo de Políticas Públicas em Educação - Doutoranda Orientador: Prof. Dr. Cleiton de Oliveira Introdução A pesquisa em desenvolvimento tem como objeto

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DO ESTADO DE SAÚDE PROJETO DE AÇÃO: IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DE SAÚDE DO ADOLESCENTE

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DO ESTADO DE SAÚDE PROJETO DE AÇÃO: IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DE SAÚDE DO ADOLESCENTE GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DO ESTADO DE SAÚDE PROJETO DE AÇÃO: IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DE SAÚDE DO ADOLESCENTE Curitiba Outubro/2010 DADOS INSTITUCIONAIS SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE: Carlos

Leia mais

Clipping Eletrônico - Sexta-feira dia 17/07/2015

Clipping Eletrônico - Sexta-feira dia 17/07/2015 Clipping Eletrônico - Sexta-feira dia 17/07/2015 Jornal A Crítica Cidades Pág. C5 17 de Julho de 2015. Jornal A Crítica Cidades Pág. C5 17 de Julho de 2015. Jornal Em Tempo Dia a Dia pág. C3 17 de Julho

Leia mais

FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA (UNICEF)

FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA (UNICEF) 1 FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA (UNICEF) Representante do UNICEF no Brasil: Sr. Gary Stahl SEPN 510, Bloco A 2º andar Brasília, DF 70750-521 Telefone: (61) 3035 1900 Fax: (61) 3349 0606 E-mail:

Leia mais