ÍNDICE DOROTHEA WERNECK A ATUAÇÃO DA CAMEX E AS PERSPECTIVAS DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO ROBERTO GIANNETTI DA FONSECA...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE DOROTHEA WERNECK...5 2 A ATUAÇÃO DA CAMEX E AS PERSPECTIVAS DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO ROBERTO GIANNETTI DA FONSECA..."

Transcrição

1 APRESENTAÇÃO A política externa de um país só é legitima e, portanto, eficaz, se refletir as aspirações da sociedade que representa. Por esse motivo, atento ao crescimento e à diversidade dos interesses do Brasil, o Itamaraty tem buscado instituir diversos canais de diálogo com a Nação, com vistas a melhor representar os interesses do País na esfera de suas relações externas. Paralelamente, é importante que o diplomata brasileiro, sobre quem recai a responsabilidade primária de defender os interesses do País no exterior, esteja permanentemente atualizado sobre a realidade do País e sobre as demandas dos diversos setores representativos de nossa vida política, cultural e econômica. Na área do comércio exterior, muitas iniciativas vêm sendo tomadas com essa dupla finalidade. Prioridade absoluta do Governo Fernando Henrique Cardoso, o aumento das exportações brasileiras constitui elemento crucial para a manutenção da estabilidade macroeconômica e para a criação das condições necessárias ao desenvolvimento sustentado do País. A expansão do conhecimento nesta área bem como a adoção de um programa de trabalho moderno e uniforme na promoção do comércio e dos investimentos são, assim, tarefas necessárias e urgentes da diplomacia brasileira. Perfeitamente sintonizado com esses imperativos, o Departamento de Promoção Comercial do Itamaraty tem-se empenhado em aumentar a interação com outras agências públicas e privadas diretamente envolvidas neste esforço comum do Governo e da sociedade civil. Ao mesmo tempo, tem procurado realizar apreciável esforço de capacitação dos diplomatas e técnicos servindo em nossas Embaixadas e Consulados no exterior, de modo a dotá-los dos instrumentos necessários ao atendimento das demandas dos empresários brasileiros. A presente coletânea foi consolidada a partir de ciclo de apresentações que, por iniciativa do Departamento de Promoção Comercial, reuniu no Itamaraty, ao longo de 2001, expressivo elenco de autoridades públicas e privadas dedicadas ao esforço de promoção da imagem do Brasil e de sua oferta exportável. Constitui, portanto, um exemplo claro de diplomacia dinâmica, voltada ao diálogo e, por conseguinte, aberta às contribuições que possa receber dos mais variados segmentos do setor exportador brasileiro. Ao entregar ao público esta coletânea, o faço na certeza de que, além do enriquecimento que representa em termos de conhecimento para o profissional da diplomacia, despertará igualmente o interesse do leitor em geral, mormente daquele que se inicia ou já atua no esforço de promoção das exportações brasileiras e na construção de uma imagem positiva do Brasil no exterior. Luiz Felipe de Seixas Correa Secretário-Geral das Relações Exteriores. 16 de novembro de 2001

2 2

3 ÍNDICE 1 OS PROGRAMAS DA AGÊNCIA DE PROMOÇÃO DAS EXPORTAÇÕES APEX DOROTHEA WERNECK A ATUAÇÃO DA CAMEX E AS PERSPECTIVAS DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO ROBERTO GIANNETTI DA FONSECA BNDES-EXIM - MECANISMOS DE FINANCIAMENTO E APOIO ÀS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS RENATO SUCUPIRA PROEX E OUTRAS SOLUÇÕES DE APOIO E FINANCIAMENTO À EXPORTAÇÃO MARIA IZILDA FERREIRA E DR. SEBASTIÃO MARTINS FERREIRA JÚNIOR SEGURO DE CRÉDITO À EXPORTAÇÃO JOSÉ CARLOS GOUVEIA DANELLE A SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTERIOR SECEX LYTHA SPÍNDOLA O SETOR EXTERNO DA ECONOMIA BRASILEIRA ALTAMIR LOPES O PROGRAMA DE GERAÇÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS DO BANCO DO BRASIL PGNI DELMAR SCHMIDT ANÁLISE DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO E O SETOR DO AGRONEGÓCIO PAULO SAMICO A SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO E SUA INSERÇÃO NO CONTEXTO DAS RELAÇÕES ECONÔMICAS INTERNACIONAIS REGINALDO ARCURI

4 11- EXPORTE FÁCIL FÁBIO VIEIRA CESAR A IMAGEM DO BRASIL NO EXTERIOR CÉLIA BELÉM CHIAVONE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) OPORTUNIDADES E DESAFIOS DA NOVA LEI DE INFORMÁTICA VANDA SCARTEZINI A PROMOÇÃO DO TURISMO NO BRASIL CAIO DE CARVALHO AVALIAÇÃO DE RISCO-PAÍS LIZA SCHINELER MERCADOS INTERNACIONAIS DO AÇÚCAR E ÁLCOOL LUIZ CARLOS CORRÊA CARVALHO A FIEMG E O SETOR EXPORTADOR MINEIRO STEFAN BODGAN SALEJ A FIEBA E O SETOR EXPORTADOR DA BAHIA JOSÉ DE FREITAS MASCARENHAS A INDÚSTRIA AERONÁUTICA BRASILEIRA: EMBRAER MAURÍCIO BOTELHO OFF SET CONTRAPARTIDAS COMERCIAIS FERNANDO ANTONIO FERNANDES CIMA E CLÁUDIO MIGUEL BARRETO VIANA A FINDES E O SETOR EXPORTADOR DO ESPÍRITO SANTO FERNANDO ANTONIO VAZ

5 1 OS PROGRAMAS DA AGÊNCIA DE PROMOÇÃO DAS EXPORTAÇÕES APEX Dra. Dorothea Werneck Diretora-Executiva da Agência de Promoção das Exportações - APEX Palestra proferida no dia 13/09/2000 O DPR inaugurou ciclo de palestras sobre temas relacionados ao comércio exterior. O objetivo é aumentar a interatividade entre o Departamento e outras agências, bem como possibilitar a seus funcionários contato direto com autoridades atuantes na área de promoção comercial. A primeira palestrante convidada foi a Diretora-Executiva da APEX, Dra. Dorothea Werneck. Em virtude de diretriz que tracei no sentido de aumentar a interação entre o DPR, outras agências de comércio exterior, empresariado e entidades da sociedade civil com interesse na matéria, bem como de proporcionar aos funcionários da Casa contato direto com autoridades atuantes na área, o DPR deu início a ciclo de palestras sobre temas afetos a comércio exterior, financiamento, investimentos e administração da dívida interna e externa. A primeira palestrante foi a Diretora-Executiva da APEX, Dra. Dorothea Werneck, que fez exposição sobre os programas daquela agência no dia 13 de setembro corrente. Em linhas gerais, a Dra. Werneck sublinhou: a) A APEX foi criada em novembro de 1997 com o objetivo de apoiar a implementação da política de promoção comercial das exportações traçada pela CAMEX. b) Os valores da Agência são a parceria e o profissionalismo as parcerias estão consolidadas com Ministérios (e o DPR/MRE é um dos principais parceiros), Bancos (BNDES, BB, Banco do Nordeste), com instituições que apoiam as exportações, e com as Associações de Classe que são executoras dos projetos apoiados pela APEX, e o profissionalismo (na preparação de material de divulgação, na participação de eventos como feiras e missões, no compromisso com os importadores, dentre outros) permite construir uma imagem sólida e respeitada do Brasil no mercado internacional. c) A meta da APEX é aumentar as exportações do País seja em volume exportado pelas empresas que já exportam, seja ampliando o número de empresas exportadoras (83% das empresas que hoje não exportam sua produção teriam interesse em atuar no mercado externo). Para tanto, é importante diversificar os mercados de destino e os produtos exportados, 5

6 buscando nichos de mercado e a inserção de produtos nacionais, aí computados os chamados mercados étnicos. d) É importante a difusão da marca Brasil associada às marcas setoriais, de modo a dar credibilidade ao sistema exportador brasileiro como um todo. Além de fazer conhecido o produto brasileiro, a marca setorial tem funcionado como indutora da parceria entre os empresários, como um sinal de organização do segmento especialmente nas feiras internacionais, além de reduzir os custos de divulgação dos produtos das empresas na medida em que elas utilizam as marcas setoriais ao lado da sua própria marca. e) É importante divulgar os êxitos do esforço exportador brasileiro em mercados mais competitivos, seja para melhorar a imagem do Brasil, seja para aumentar o entusiasmo e a autoconfiança dos potenciais exportadores nacionais. f) foco do trabalho da APEX está no aumento das exportações de produtos com maior valor agregado e com qualidade. Quando se fala de valor agregado, destaca-se a importância do design ao lado da tecnologia e são enormes as nossas vantagens decorrentes da criatividade dos brasileiros. g) Dentre as atividades apoiadas pela APEX a que tem obtido melhores resultados é a vinda de importadores e de formadores de opinião ao Brasil. Tais iniciativas, além de propiciarem excelente relação custo-benefício em termos da realização de negócios, geram um volume de mídia espontânea que demandaria um volume de recursos inexistente nos orçamentos da APEX e dos setores. Estas iniciativas são viabilizadas em parceria com as nossa Embaixadas, e um bom exemplo é o apoio da Embaixada em Londres para promoção do setor moveleiro. A exposição da Dra. Werneck confirmou a criatividade e a eficiência das iniciativas da APEX, cuja parceria com o DPR pretende estreitar. Confirmou também a importância de reforçar a atuação do DPR na área de inteligência e informação, área em que, pela natureza e estrutura do serviço exterior, possui o Itamaraty considerável vantagem comparativa em relação a outros atores ligados à promoção comercial. 6

7 2 A ATUAÇÃO DA CAMEX E AS PERSPECTIVAS DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO Dr. Roberto Giannetti da Fonseca Secretário-Executivo da Câmara de Comércio Exterior - CAMEX Palestra proferida no dia 27/11/2000 Inicialmente, o Dr. Giannetti lembrou que a Câmara de Comércio Exterior foi criada no ano de 1995, pelo Governo Fernando Henrique Cardoso, com a finalidade precípua de atuar na coordenação interministerial das atividades de comércio exterior, tema multidisciplinar e com grande interface com o setor privado. Nesse contexto, foi lançado, no ano de 1998, o Programa Especial de Exportações (PEE), novo instrumento de gestão e de interação do setor público-privado, que ora contempla 61 setores produtivos, responsáveis por cerca de 90% da pauta exportadora, e 15 gerências temáticas, das quais duas sob a responsabilidade direta do Itamaraty: acesso a mercados e, mais recentemente, inteligência comercial. Como resultado de uma série de reuniões com os gerentes setoriais e temáticos do PEE, bem como com setores específicos do Governo federal e do setor privado, foi possível à Câmara identificar as principais dificuldades, bem como delinear algumas propostas e recomendações para o setor exportador, as quais constituem o fundamento do Programa Especial de Exportações Antes de abordar as medidas tópicas do programa de ação para 2001 (que qualificou de processo e não de pacote, como vem sendo veiculado pela mídia), o Secretário Executivo da CAMEX teceu algumas considerações sobre a situação do comércio exterior brasileiro e os motivos que levam o Governo a novo enfoque na promoção das exportações. Nesse sentido, recordou que o crescimento da economia brasileira em 2000 provocou considerável aumento das importações, conseqüência, entre outros fatores, da modernização do parque industrial brasileiro, da introdução de maior conteúdo tecnológico na produção nacional (no caso, por exemplo, dos telefones celulares, o índice de importação é de 70 a 80%), do aprofundamento dos processos de integração regional e da abertura comercial, assim como da constatação de que, ao aumento da renda, corresponde elevação ainda maior da importação (ou seja, o PIB em 2000 cresce a uma média de 4%, enquanto as importações a uma taxa de 14%). Dessa situação decorre a necessidade de que o crescimento das exportações supere o das importações, sem que para tanto sejam utilizadas medidas artificiais tais como subsídios, incentivos fiscais ou mesmo protecionismos tradicionais, tendo em vista as restrições impostas pela OMC. O objetivo do programa é, portanto, o de gerar saldos crescentes na balança comercial, de modo a garantir equilíbrio dinâmico nas contas externa, ou seja, mediante a redução do déficit em transações correntes (atualmente 7

8 de 4,1% do PIB), tendo como pano de fundo uma economia que crescerá, de forma sustentada, a pelo menos 4% ao ano. Segundo Roberto Giannetti da Fonseca, são as seguintes as diretrizes que orientaram o Programa Especial de Exportações de 2001: I) a redução dos custos de exportação; II) estratégias empresariais; e III) difusão da cultura exportadora. Considerações especiais foram feitas às estratégias empresariais, uma vez que, a partir de recente estudo conduzido pela FUNCEX, constatou-se que a grande lacuna de competitividade nacional encontra-se não na fase da produção em si (suficientemente competitiva), mas na fase da pré e pós-produção. A primeira seria afetada pelas deficiências no planejamento estratégico, na pesquisa de mercado, no desenvolvimento do produto, na organização e método, na contratação de fornecedores, entre outros fatores. A segunda seria comprometida, principalmente, por deficiências de marketing, distribuição, logística (sobretudo transporte), financiamento de vendas e vendas propriamente ditas. Ainda nesse contexto, Roberto Giannetti destacou que o Governo vem examinando um programa de indução à substituição competitiva das importações, por meio do estímulo ao investimento privado em setores com alta propensão a importar ( downstream na cadeia produtiva). O Secretário Executivo da CAMEX agrupou as medidas do programa de 2001 em elenco de sete pontos principais: I. Redução dos custos de exportação; II. Aumento da base exportadora; III. Aprimoramento e atualização da pauta exportadora; IV. Agregação de valor à produção exportável; V. Aumento da capacidade produtiva exportável; VI. Agressivo programa de promoção comercial e de acesso a mercados; VII. Internacionalização de empresas brasileiras. A redução dos custos de exportação envolve custos de logística, financeiros e tributários. No caso dos primeiros, as soluções encaminhadas são as seguintes: - criação do reporto programa de estímulo à modernização, reaparelhamento e atualização tecnológica dos portos brasileiros. As concessionárias de terminais portuários poderão ser beneficiadas com desoneração tributária e financiamento para aquisição de máquinas, equipamentos e bens de informática, necessários à adequação da operação dos portos aos padrões internacionais. Os equipamentos indicados pelas companhias que administram os portos poderão se beneficiar da desoneração fiscal por um período de dois anos; - interiorização de entrepostos aduaneiros e portos secos em regiões estratégicas (medida que beneficiará, sobretudo, operações de draw back ); - dinamização do sistema aduaneiro; e - criação de documento fiscal único para o transporte multimodal, medida em discussão no âmbito de um fórum de logística, uma vez que depende de negociações com os Estados, para definir aspectos referentes à cobrança do ICMS. 8

9 Quanto à redução dos custos financeiros, destacam-se, entre outras medidas: - dinamização do seguro de crédito à exportação aumento do limite de cobertura (de 85% para 90%, no caso de riscos comerciais, e de 90% para 95%, no caso de riscos políticos) e revisão dos limites de risco- país (em fase bastante adiantada de discussão). Está sendo, ademais, proposto para o próximo ano, a expansão do Fundo de Garantia à Exportação em R$ 500 milhões, o que permitirá garantir operações até o valor total de R$ 7 bilhões, além de suprir, em certa medida, lacuna deixada pelas restrições ao uso do Convênio de Pagamentos e Créditos Recíprocos da ALADI (CCR); - ação ampliada do BNDES-Exim o Banco pretende destinar 25% de seu orçamento anual para o financiamento das exportações; - implantação do sistema de exportação em consignação a possibilidade de exportação nessa categoria seria relevante, uma vez que os produtos poderão ser estocados por até 180 dias no exterior, enquanto o exportador brasileiro negocia o fechamento da operação. O estoque de produtos em locais estrategicamente posicionados visa a garantir a rápida distribuição a grandes e tradicionais consumidores; - criação de fundos de investimentos em empresas exportadoras - INVEX-, com participação do BNDES-Par e equity funds privados, com vistas à crescente capitalização das empresas exportadoras; - aumento do orçamento do PROEX-financiamento e, sobretudo, PROEXequalização para o ano de 2001; - reformulação do mecanismo de Fundo de Aval (FGCP), com recursos do BNDES instrumento que visa a permitir maior acesso ao crédito por parte dos micro e pequenos exportadores; e - novas regras do pré-embarque especial do BNDES-Exim. No que respeita à diminuição dos custos tributários, cumpre mencionar as seguintes medidas: - redução a zero da alíquota de 15% de imposto de renda sobre remessas ao exterior para fins de reembolso de despesas de promoção comercial - essa medida, antiga reivindicação da classe exportadora, teve grande repercussão, por seu caráter simbólico, e deverá estar sendo implementada já nos próximos dias; - regulação e implementação de aeroportos aduaneiros industriais pretende-se criar complexos industriais destinados ao processamento de produtos exportáveis em áreas contíguas a aeroportos, livres de barreiras aduaneiras. Os insumos nacionais vendidos a esses complexos terão os benefícios dos produtos exportados e os componentes importados para complementar o produto final não recolherão tarifas aduaneiras. O projeto deve começar pelos aeroportos de Confins (Belo Horizonte) e São José dos Campos (São Paulo); - difusão e implementação de novas EADI s Industriais (Estações Aduaneiras do Interior) em pontos estratégicos, bem como ampliação da abrangência do sistema a criação de recintos isentos de controle aduaneiro tende a incentivar investimentos estrangeiros produtivos; - implementação do controle informatizado de operações de draw back ( draw back eletrônico ); e 9

10 - implementação do SISCOMEX-Exportação, em ambiente Windows e com acesso via Internet, tornando-o cada vez mais user friendly. 10. Quanto ao segundo item do Programa, o aumento da base exportadora, propõem-se: - o fortalecimento do PEE Nacional e de sua coordenação com os PEEs estaduais, já implementados em 9 estados, com projeto de ampliação para 10 novos estados em 2001; - APEX: apoio à formação e ampliação de consórcios de pequenas e médias empresas (PME s), inclusive com a adequação de legislação para a criação de cooperativas de exportação; - lançamento do PROGEX Nacional - ampliação, em nível nacional, do Programa de Apoio Tecnológico à Exportação (PROGEX) do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT). O programa, que tem por objetivo a melhoria da qualidade e padronização de produtos de acordo com especificações e normas técnicas internacionais, está com lançamento previsto para os próximos dias; - apoio à expansão do Programa de Geração de Negócios Internacionais (PGNI) do Banco do Brasil; - difusão da cultura exportadora; - implementação do Exporte Fácil (entre outros programas especiais, como o SIMPLEX e o Export-Card ) - o Exporte Fácil, medida recentemente lançada pelos Correios, pretende abrir o mercado externo para pequenos exportadores. As vendas, no valor de até US$10 mil por remessa, passam a estar dispensadas de Registro de Exportação (RE). Quanto ao terceiro item do PEE 2001, aprimoramento e atualização da pauta exportadora, foram indicadas as seguintes medidas: - programa de captação de investimentos dirigidos a setores dinâmicos; - programa de exportação de serviços, visando, inclusive, o aproveitamento de oportunidades de negócios financiados por organismos internacionais, a exemplo do Banco Inter-Americano de Desenvolvimento (BID). Trata-se de setor bastante dinâmico para o incremento das exportações e que passará a contar, igualmente, com maior apoio financeiro por parte do BNDES; - programa de substituição de importações de matérias-primas e componentes nas cadeias produtivas. No que diz respeito ao quarto item do Programa, agregação de valor à produção exportável, entre outras soluções, propõem-se: - atuação nas cadeias produtivas a partir das decisões emanadas dos fóruns de competitividade, coordenados pelo MDIC, e por meio do estímulo ao investimento e apoio de financiamento do BNDES; - medidas tarifárias o estabelecimento de imposto de exportação sobre produtos primários. A medida tem por fim conferir maior grau de elaboração à pauta de exportação, por meio da imposição de tarifas sobre a exportação de produtos de menor valor agregado. Exemplo recente é o caso do couro wet blue, via-à-vis o tratamento tarifário aplicado à exportação de calçados; 10

11 - diferencial mercadológico - seleção e certificação de produtos brasileiros de qualidade internacional ex: ISO, Selo Verde, marca Brasil, etc. Quanto ao programa marca Brasil, iniciativa com lançamento previsto para os próximos dias, a idéia é conferir certificação de qualidade a alguns produtos nacionais; - reexame da fórmula de crédito presumido do PIS/COFINS - criação de três cadeias produtivas de curto, médio e longo prazo de elaboração dos produtos, para servir de base ao ressarcimento do PIS/Cofins (tributos sociais). As empresas de cadeia produtiva mais curta terão um percentual de devolução de crédito presumido menor do que a praticada atualmente, uma vez que os custos também são menores. As empresas de cadeia produtiva mais longa, por sua vez, terão direito a créditos maiores. A medida deve entrar em vigor em meados de Com relação ao quinto item do Programa, aumento da capacidade produtiva exportável, foram apontadas as seguintes iniciativas: - o INVEX (Fundo de Investimentos em empresas exportadoras); - o Programa de Financiamento à expansão e modernização industrial (MDIC e BNDES); - a expansão da produção agrícola e do setor de agronegócios (Ministério da Agricultura e do Abastecimento, Banco do Brasil e BNDES). No que tange ao sexto item do PEE 2001, agressivo programa de promoção comercial e de acesso a mercados, foram destacados, entre outros elementos: - crescente coordenação de atividades entre CAMEX, MRE/DPR e APEX; - as contribuições da Gerência Temática de Inteligência Comercial (MRE/DPR); - o portal brasileiro de comércio exterior (c-brasil, BrazilTradeNet e APEX); - o estabelecimento de MERCOSUR Centers, espaço para a exposição de produtos e divulgação de aspectos diversos da União Aduaneira (produtos, gastronomia, manifestações culturais, etc.). Projeto-piloto será desenvolvido na Baviera, Alemanha; - o apoio à promoção, no exterior, de produtos de qualidade certificada, bem como de empresas de excelência; - avanço nas negociações dos acordos bilaterais de preferências tarifárias e nos acordos regionais; - disponibilização de estatísticas de comércio exterior para o setor privado. No tocante ao sétimo item do Programa, internacionalização de empresas brasileiras, salientam-se, entre outras iniciativas: - o apoio do BNDES-Exim e do Banco do Brasil à criação de empresas no exterior o número de empresas brasileiras com padrão desejável de internacionalização é ainda bastante tímido, o que se comprova pelo pequeno contingente de empresas multinacionais brasileiras; - a sala do exportador, espaço disponibilizado pelo Banco do Brasil em algumas de suas agências no exterior; - as vendas na modalidade DDP ( delivery duty paid ) diretamente ou através de trading companies brasileiras estabelecidas no país importador, por meio de exportação em consignação, inclusive viabilizando exportações via e-commerce. 11

12 O Secretário-Executivo concluiu sua apresentação destacando que a capacidade de crescimento sustentado do país depende fundamentalmente da expansão contínua e acelerada das exportações brasileiras, de forma a reduzir gradativamente a restrição externa ao crescimento, mediante a queda da relação entre o déficit em conta corrente e o PIB para cerca de 3,0%, já em 2002, o que supõe um crescimento médio de 4,5% ao ano no período. Seria importante destacar, ainda, que, no contexto do lançamento oficial do Programa, durante o XX ENAEX, algumas medidas específicas receberam amplo destaque da mídia, constituindo o que se convencionou denominar os 11 pontos do Governo de estímulo às exportações: i. programa de reaparelhamento e informatização dos portos - REPORTO; ii. criação de documento fiscal único para o transporte multimodal; iii. dinamização do seguro de crédito à exportação; iv. ação ampliada do BNDES-Exim; v. redução a zero da alíquota de 15% de imposto de renda sobre remessas ao exterior para fins de reembolso de despesas de promoção comercial; vi. implantação do sistema de exportação em consignação; vii. reexame da fórmula de crédito presumido do PIS/COFINS; viii. regulação e implementação de aeroportos aduaneiros industriais; ix. lançamento do Exporte Fácil ; x. lançamento do PROGEX nacional; xi. lançamento do programa marca Brasil. Conforme se pode depreender da apresentação do Sr. Giannetti, e consoante a idéia de contínuo aperfeiçoamento do esforço exportador, novas medidas prioritárias já estão sendo incorporadas ao programa da Câmara. O Itamaraty, por sua capilaridade e interface externa, tem, portanto, importante papel a desempenhar, em funções que complementam e subsidiam a ação da CAMEX, conforme destacou o Secretário. Além das atividades já desempenhadas, e no contexto dos novos desafios à frente da gerência de inteligência comercial do PEE, o Diretor-Geral do DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO COMERCIAL DO MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES destacou ao Secretário a possibilidade de divulgação sistemática no exterior de oportunidades de investimentos em setores prioritários, entre outras atribuições, que poderia ser uma das contribuições específicas deste Ministério, enquanto a Rede INVESTE BRASIL se estrutura e se concentra, inicialmente, na divulgação de oportunidades na área de infra-estrutura ( Avança Brasil ). Caberia, por fim, salientar que o lançamento oficial do programa de estímulo às exportações, para além de seus efeitos práticos, e independentemente do maior ou menor grau de eficiência de suas propostas, teve o grande mérito de mobilizar os principais agentes econômicos em prol de uma política definida de comércio exterior. O apoio do Governo federal às medidas demonstra disposição crescente de definir prioridades de desenvolvimento, bem como de empreender mudanças estruturais que 12

13 demandarão sustentado esforço pró-ativo e que em muito extrapola medidas paliativas, como, por exemplo, as tradicionais desvalorizações cambiais. 13

14 14

15 3 BNDES-EXIM - MECANISMOS DE FINANCIAMENTO E APOIO ÀS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS Dr. Renato Sucupira Diretor do BNDES-Exim Palestra proferida no dia 14/12/2000 Inicialmente, o Dr. Renato Sucupira destacou que o Banco Nacional e Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), criado em 1952, é uma empresa pública federal (100% das ações detidas pela União) vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, da Indústria e do Comércio Exterior (MDIC). Principal fonte de recursos oficiais para projetos e financiamentos de longo prazo, o Banco possui ativos de cerca de US$ 49,5 bilhões, patrimônio líquido em torno de US$ 6 bilhões, e contabiliza desembolsos de aproximadamente US$ 11 bilhões (1999). A título comparativo, e com relação ao mesmo período, o Banco Mundial e o BID apresentaram, respectivamente, as seguintes cifras: US$ 231 e US$ 59 bilhões de ativos totais; cerca de US$ 28 e US$ 11 bilhões de patrimônio liquido; e US$ 18 e US$ 6 bilhões de desembolsos realizados. O BNDES é, ainda, um dos grandes parceiros do BID e um dos maiores repassadores de recursos daquele Banco. Quanto à estrutura do sistema BNDES, mencionou que o Banco possui duas subsidiárias: a BNDESPAR, especializada na capitalização de empresas brasileiras e no desenvolvimento do mercado de capitais nacional e a FINAME. Esta última foi constituída, inicialmente, com o propósito de promover o desenvolvimento e a modernização do parque industrial nacional, por meio de financiamento para aquisição de máquinas e equipamentos (FINAME, FINAME Agrícola e BNDES Automático); entretanto, a partir de 1991, passou a financiar também a comercialização de bens de capital - crédito posteriormente ampliado para a exportação de serviços e outros produtos -, por meio da linha BNDES-Exim. O BNDES-Exim é hoje, portanto, um dos principais braços da FINAME, e tende a adquirir futuramente personalidade jurídica própria, com status de Agência de Crédito a Exportação. A dimensão adquirida pelo BNDES-Exim ao longo dos últimos anos pode ser aferida por sua crescente participação nos desembolsos totais do Sistema BNDES. A título ilustrativo, no ano de 1996, o BNDES-Exim respondeu por 4% dos desembolsos totais do Banco, percentual elevado para 12,5%, em 1998, 19,1%, em 1999, e que deve alcançar 23% este ano. Para o ano de 2001, a expectativa é de que essa participação chegue a 25%. Em termos de exportações brasileiras, os desembolsos do BNDES-Exim responderam, em 1996, por 0,8% do total exportado, percentual elevado para 4%, em 1998, 4,4%, em 1999, e deve alcançar cerca de 5,3% das exportações este ano, o que representa cerca US$ 3 bilhões de desembolsos. Trata-se, 15

16 segundo destacou o Dr. Renato Sucupira, de apoio significativo num país como o Brasil, em que o apoio do Governo mostra-se ainda instrumental para o suporte e estímulo à atividade exportadora. Para fins comparativos, mencionou que, este ano, o Eximbank americano financiou cerca de 1% das exportações daquele país (desembolsos de cerca de US$ 13,1 bilhões), percentual razoável para um país que, pelo grau de sofisticação de seu mercado financeiro, pode contar com o suporte complementar dos bancos privados. Entre os objetivos precípuos da linha de financiamento BNDES-Exim estão: o oferecimento de linhas de crédito à exportação, para bens e serviços de maior valor agregado, em condições competitivas com linhas similares oferecidas no mercado internacional; o aumento da base exportadora do país; e à manutenção e expansão da oferta de emprego no país (cabe lembrar que uma das principais fontes de recursos do BNDES é o Fundo de Assistência ao Trabalhador - FAT): cada US$ 1 bilhão em exportações gera cerca de 22 mil empregos diretos e 68 mil indiretos, segundo estimativas do Banco. Praticamente todos os produtos brasileiros são elegíveis para a linha de crédito BNDES-Exim, inclusive serviços. Há algumas exceções, como é o caso dos produtos primários, que já contam com estruturas de financiamento tradicionais (exemplo da celulose, grãos, açúcar e álcool, minérios e suco de laranja, etc.). Quanto ao perfil dos desembolsos, o valor médio global das operações realizadas durante o ano de 1999 foi de cerca de US$1,3 milhão, valor que, excluídas as operações de vendas da EMBRAER, cai para US$ 700 mil. No que tange aos desembolsos por país/região (ano referência de 1999), verifica-se uma clara concentração nos Estados Unidos (50,2% do volume total) e na América do Sul, com destaque para Argentina (10,6%) e Equador (6,1%). Quanto ao número de operações por país, a Argentina ocupa a primeira posição (44,8%), seguida de Estados Unidos (15,4%), Bolívia (12%) e Equador (4,8%). Sem descartar o importante mercado americano e, sobretudo, sul-americano, no qual predomina a exportação de bens de capital e de maior valor agregado, há grande interesse do BNDES em buscar diversificar sua atuação em outras regiões do mundo, até como forma de globalizar suas operações e ampliar sua competitividade. Entre as linhas de financiamento oferecidas pelo BNDES-Exim, destacam-se: - financiamento pré-embarque: financiamento à produção do bem a ser exportado (capital de giro) para embarques pré-determinados. Visa a amparar principalmente a produção de bens de longo ciclo de produção e cuja venda para o exterior já tenha sido negociada com o importador; - financiamento pré-embarque especial: para a expansão da capacidade produtiva de bens para exportação (financia o volume incremental). Nessa modalidade, as empresas exportadoras projetam a ampliação de suas vendas para os próximos doze meses, em comparação ao último ano (período-base), acréscimo este que constituíra o valor máximo a ser financiado. Como o objetivo desse financiamento é expandir o montante das exportações, as 16

17 empresas que cumprirem integralmente as metas por elas fixadas, pagarão menor taxa de juros e poderão ter maior prazo para amortização; - financiamento pós-embarque: trata-se de linha que tende a demandar mais recursos (no ano de 1999, respondeu por cerca de 55,2% dos desembolsos realizados). Visa a financiar a comercialização de bens e serviços exportados. Pode adquirir o perfil de crédito ao exportador, via refinanciamento ("supplier's credit"), ou crédito ao comprador ("buyer's credit"). Neste último caso, em que operações de maior grau de complexidade são negociadas diretamente com o importador, destacam-se a linha de financiamento para aeronaves, a modalidade "project financing" - assunção de risco do empreendimento, como no caso do Projeto Barracuda para exploração de petróleo na Bacia de Campos, RJ -, e o modelo "multisourcing" ou de cofinanciamento para projetos diversos - caso da concorrência internacional da Hidrelétrica de Três Gargantas, na China, ou do fornecimento de ônibus para Cuba. Cumpre esclarecer, ainda, que as linhas de financiamento do BNDES- Exim podem ser conjugadas entre si, e com outros instrumentos de crédito - como o PROEX (Banco do Brasil), seja na modalidade financiamento, seja equalização, ou, ainda, o ACC (Adiantamento sobre Contrato de Câmbio), que constitui uma antecipação de recursos ao exportador -, desde que sejam complementares e não haja superposição de benefícios. A título exemplificativo, as operações de exportação amparadas no BNDES-Exim pós-embarque também poderão ser beneficiadas pelas modalidades préembarque e pré-embarque especial, encadeamento no ACC, e possível enquadramento no PROEX equalização. No que tange às condições gerais dos financiamentos concedidos, o Dr. Renato Sucupira destacou que o BNDES financia ate 100% do valor total da exportação. Nesse item, em especial, mencionou que as agências de crédito estrangeiras costumam financiar até 85% das exportações, mas, como recurso complementar, cobrem ate 15% dos gastos locais. No que tange ao índice de nacionalização dos bens exportáveis, o mesmo deve ser igual ou superior a 60%, embora casos excepcionais possam ser autorizados pela diretoria da FINAME. Quanto aos prazos de financiamento, o limite para a modalidade pré-embarque é de 30 meses e para a modalidade pósembarque, 12 anos. Trata-se, na verdade, de simples balizadores, uma vez que esses limites poderão ser extrapolados, quando necessário, com vistas a manter a competitividade internacional das empresas brasileiras. No caso da participação de consórcio brasileiro na licitação da Hidrelétrica de Três Gargantas, na China, por exemplo, o prazo de financiamento foi estendido a 20 anos. Os custos dos financiamentos BNDES-Exim são compostos, de modo geral, pela taxa de juros LIBOR ("London Interbank Offered Rate"), mais variação cambial, ou TJLP (taxa de juros de longo prazo), ambas acrescidas de "spread" de cerca de 1% ao ano. As garantias são negociadas caso a caso. Entre as opções disponíveis destacam-se: a garantia de instituições financeiras brasileiras e estrangeiras habilitadas; o uso, hoje restrito, do Convênio de Pagamentos e Créditos Recíprocos (CCR), no âmbito da 17

18 ALADI; o Fundo de Aval (FGPC), que facilita crédito para micro, pequenas e médias empresas; e o Seguro de Crédito a Exportação (SBCE), que permite a cobertura de riscos comerciais, até 90%, e políticos, até 95%. Há, ademais, a possibilidade de o BNDES vir a arcar diretamente com o risco do importador ou exportador, de acordo com o perfil da operação. Cabe, por fim, salientar que as operações de financiamento do BNDES são realizadas em parceria com instituições nacionais e estrangeiras habilitadas, conferindo capilaridade compatível com os objetivos do BNDES. Entre as principais medidas em processo de estudo ou implementação por parte do Banco, foram mencionadas o reforço da capacidade operacional da SBCE, que poderá canalizar grande parte das operações então cursadas via CCR; a modernização do Fundo de Aval; o financiamento pré-embarque para fornecedores de insumos para bens exportáveis; o apoio à internacionalização de empresas exportadoras brasileiras, inclusive com o financiamento de investimentos no exterior ("overseas investments"); a ênfase em cadeias e produtos com maior densidade tecnológica; e a substituição competitiva das importações. Quanto a este item, em especial, há o propósito de buscar atrair e concentrar investimentos em setores em que o Brasil é potencialmente competitivo, como no caso da telefonia, até como forma de equilibrar o balanço das empresas e, numa etapa posterior, tornar competitiva a exportação desses produtos. Nesse sentido, as gerências setoriais do BNDES encontram-se envolvidas em estudos para viabilizar projetos dentro desse escopo. O BNDES pretende, ainda, proceder à revisão dos limites de crédito para países da América Latina, uma vez que vem assumindo riscos, a seu ver, excessivos e que extrapolam os limites de sua atuação. Outro ponto importante salientado pelo Dr. Renato Sucupira é a necessidade de uma crescente coordenação entre os principais órgãos de financiamento à exportação (BNDES e Banco do Brasil). Há, evidentemente, diferenças básicas na atuação de ambas as instituições: o BNDES possui maior margem de manobra na análise das operações, seus desembolsos não impactam diretamente o orçamento do Tesouro, como na eventualidade de sinistro, e a competitividade de seus financiamentos pode ser incrementada pela equalização de taxas de juros oferecidas pela linha PROEX equalização, entre outros pontos. Não obstante, uma visão única de Governo se impõe, entre outras razões, para a devida avaliação do nível aceitável de exposição do país com relação aos seus parceiros comerciais, e ainda como política de Governo para focalizar determinadas regiões ou priorizar produtos e cadeias produtivas que conduzam a uma inserção internacional crescentemente competitiva e sustentada do país. Por fim, o Dr. Renato Sucupira destacou a importância de estreitar a parceria entre o BNDES e o MRE, a fim de promover cada vez mais o Brasil como parceiro confiável e rentável. Os Seminários de divulgação do BNDES-Exim, concluídos com êxito nos últimos dois anos, e que contaram com o apoio do Itamaraty, serão realizados novamente durante o próximo ano. Entre os países preliminarmente selecionados, figuram o México, escolhido uma vez mais pelo incremento de comércio esperado, a Costa 18

19 Rica, por seu efeito irradiador na América Central, a China, com vistas ao acesso ao mercado asiático, a Argentina e, ainda, possivelmente, a África do Sul. Nesse sentido, o Diretor do BNDES-Exim pretende discutir um plano conjunto de trabalho com o Departamento de Promoção Comercial do Ministério das Relações Exteriores, já no início do próximo ano, a fim de definir o formato dos seminários e o apoio do Itamaraty às iniciativas do Banco. 19

20 20

Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros

Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros 2015 Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros Sumário Introdução... 2 O Programa PROEX... 2 PROEX Financiamento... 3 Mais Alimentos Internacional... 4 PROEX Equalização...

Leia mais

Financiamentos à exportação de bens e serviços através de instituições financeiras credenciadas, nas modalidades:

Financiamentos à exportação de bens e serviços através de instituições financeiras credenciadas, nas modalidades: Linhas de Apoio à Exportação do BNDES Financiamentos à exportação de bens e serviços através de instituições financeiras credenciadas, nas modalidades: Pré-embarque: financia a produção de bens a serem

Leia mais

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior O governo brasileiro possui definida uma política voltada para o comércio internacional, onde defende os interesses das empresas nacionais envolvidas,

Leia mais

Financiamentos ao Comércio Exterior e Apoio aos Negócios Internacionais

Financiamentos ao Comércio Exterior e Apoio aos Negócios Internacionais Financiamentos ao Comércio Exterior e Apoio aos Negócios Internacionais Diretoria de Negócios Internacionais Setembro/2013 Banco do Brasil. Do Brasil para o mundo. Do mundo para o Brasil O Banco do Comércio

Leia mais

0267 - Subvenção Econômica para Promoção das Exportações PROEX (Lei nº 10.184, de 2001)

0267 - Subvenção Econômica para Promoção das Exportações PROEX (Lei nº 10.184, de 2001) Programa 2024 - Comércio Exterior Número de Ações 14 0027 - Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9.818, de 1999) Esfera: 10 - Orçamento Fiscal

Leia mais

Linha BNDES Exim Automático

Linha BNDES Exim Automático Linha BNDES Exim Automático Ajudando sua empresa a exportar mais através da rede de bancos credenciados do BNDES no exterior Como incrementar as exportações da minha empresa oferecendo mais prazo de pagamento

Leia mais

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES: PROEX

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES: PROEX PROGRAMA DE FINANCIAMENTO ÀS EXPORTAÇÕES: PROEX PROEX FINANCIAMENTO FINALIDADE: Proporcionar e apoiar o exportador brasileiro na comercialização com o exterior de bens e serviços em condições de financiamento

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

Avaliação dos Resultados

Avaliação dos Resultados MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E PEQUENAS DE PEQUENO PORTE Questionário para Identificação dos Gargalos

Leia mais

Diretoria de Comércio Exterior

Diretoria de Comércio Exterior Diretoria de Comércio Exterior Rede de atendimento no País 15.212 pontos Banco do Brasil rede de atendimento Rede de TAA 39.417 terminais Agências no exterior 42 dependências em 23 países 1.471 Bancos

Leia mais

O BNDES mais perto de você. abril de 2009

O BNDES mais perto de você. abril de 2009 O BNDES mais perto de você abril de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Apoio ao mercado

Leia mais

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro.

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 1 1 2 2 3 2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 2004-06: recuperação econômica, com direcionamento do aumento da arrecadação federal

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO Medidas Fiscais da Política Industrial 2 Redução de Tributos Equalização de taxas de Juros Simplificação de Operações Redução do

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

O BNDES Mais Perto de Você. julho de 2009

O BNDES Mais Perto de Você. julho de 2009 O BNDES Mais Perto de Você julho de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Subsidiárias BNDESPar

Leia mais

Destaques Estratégicos: projetos e iniciativas. PDP julho/09 DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS PROMOÇÃO DAS EXPORTAÇÕES

Destaques Estratégicos: projetos e iniciativas. PDP julho/09 DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS PROMOÇÃO DAS EXPORTAÇÕES Destaques Estratégicos: projetos e iniciativas DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS PROMOÇÃO DAS EXPORTAÇÕES Exportações Objetivos: (i) aumentar o nº de empresas exportadoras; (ii) diversificar

Leia mais

SEGURO DE CRÉDITO À EXPORTAÇÃO. São Paulo, 2 de dezembro de 2014.

SEGURO DE CRÉDITO À EXPORTAÇÃO. São Paulo, 2 de dezembro de 2014. SEGURO DE CRÉDITO À EXPORTAÇÃO São Paulo, 2 de dezembro de 2014. Seguro de Crédito à Exportação (SCE) Finalidade: Garantir as operações de crédito à exportação contra riscos comerciais, políticos e extraordinários

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE COMPLEXO SERVIÇOS

PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE COMPLEXO SERVIÇOS Programas para fortalecer a competitividade PROGRAMAS PARA FORTALECER A COMPETITIVIDADE COMPLEXO SERVIÇOS Legenda: branco = PDP original Amarelo = modificação posterior ao lançamento da PDP Vermelho =

Leia mais

Rede CIN CIN MS. Centro Internacional de Negócios FIEMS

Rede CIN CIN MS. Centro Internacional de Negócios FIEMS Rede CIN CIN MS Centro Internacional de Negócios FIEMS O que é a REDE CIN? Coordenada pela Confederação Nacional da Indústria - CNI, e criada com o apoio da Agência Nacional de Promoção de Exportações

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

EQ PS -Fortaleza. Program as de incentivo do BN D ES à Indústria Nacionalde Software. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

EQ PS -Fortaleza. Program as de incentivo do BN D ES à Indústria Nacionalde Software. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social EQ PS -Fortaleza Program as de incentivo do BN D ES à Indústria Nacionalde Software Marcio Wegmann masil@bndes.gov.br Depto. Indústria Eletrônica Área Industrial Princípios Norteadores da Atuação do BNDES

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010

Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto de 2010 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior Integração Produtiva Brasil/Argentina Setor de Lácteos Cândida Maria Cervieri SECEX/MDIC Brasília, 03 de agosto

Leia mais

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE

A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO DO GOVERNO FEDERAL E A MACROMETA DE AUMENTAR O INVESTIMENTO PRIVADO EM P&D ------------------------------------------------------- 3 1. O QUE É A PDP? ----------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Destaque Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é sócio fundador de Amaro, Stuber e Advogados Associados, e ADRIANA MARIA GÖDEL é advogada

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

O papel do Banco do Brasil na exportação de produtos agropecuários. Maicon Bertuol

O papel do Banco do Brasil na exportação de produtos agropecuários. Maicon Bertuol O papel do Banco do Brasil na exportação de produtos agropecuários Maicon Bertuol Passo Fundo, 26/05/2011 Vantagens da Exportação diversificação de mercados e de riscos; melhoria da qualidade e produtividade;

Leia mais

Reunião do Grupo Técnico do Siscoserv com setores de serviços

Reunião do Grupo Técnico do Siscoserv com setores de serviços Reunião do Grupo Técnico do Siscoserv com setores de serviços Cenário do comércio exterior de serviços: Déficits crescentes na conta de serviços do balanço de pagamentos Carência de informações detalhadas

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO Fórum do Planalto 03/07/2008 O momento e as tendências Fundamentos macroeconômicos em ordem Mercados de crédito e de capitais em expansão Aumento do emprego

Leia mais

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014

BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada. Outubro de 2014 BNDES Financiamento à Indústria de Base Florestal Plantada Outubro de 2014 Agenda 1. Aspectos Institucionais 2. Formas de Atuação 3. Indústria de Base Florestal Plantada 1. Aspectos Institucionais Linha

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES

PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES NOVO STATUS DO COMÉRCIO EXTERIOR NOSSAS EXPORTAÇÕES NÃO REFLETEM O TAMANHO DA ECONOMIA BRASILEIRA PIB EXPORTAÇÃO DE BENS PAÍSES US$ bilhões Part. % PIB mundial US$ bilhões

Leia mais

Medidas de Incentivo à Competitividade. Min. Guido Mantega 05 de Maio de 2010

Medidas de Incentivo à Competitividade. Min. Guido Mantega 05 de Maio de 2010 Medidas de Incentivo à Competitividade Min. Guido Mantega 05 de Maio de 2010 Devolução mais rápida de créditos tributários federais por exportações Devolução de 50% dos créditos de PIS/Pasep, Cofinse IPI

Leia mais

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos Atualizada em 29/04/2015 Capital de Giro BB Capital de Giro Mix Pasep Recebíveis Antecipação de Crédito Lojista ACL Financiamento de Investimentos BB Crédito Empresa BB Giro Empresa Flex BB Giro Cartões

Leia mais

Ações Orçamentárias 0027 Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9.

Ações Orçamentárias 0027 Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à Exportação (Lei nº 9. Programa 0412 Desenvolvimento do Comércio Exterior e da Cultura Exportadora Numero de Ações 19 Ações Orçamentárias 0027 Cobertura das Garantias Prestadas pela União nas Operações de Seguro de Crédito à

Leia mais

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas As MPE s como eixo central de cadeias produtivas Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Madrid Outubro 2012 MPEs Importância, Desafios e Contribuições

Leia mais

órgão nacional interveniente no comércio internacional

órgão nacional interveniente no comércio internacional MDIC órgão nacional interveniente no comércio internacional CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: KEEDI, Samir. ABC DO COMÉRCIO EXTERIOR. São Paulo: Aduaneiras, 2007. www.desenvolvimento.gov.br

Leia mais

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Programa Automotivo Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Gestor: Paulo Sérgio Bedran Diretor do Departamento de Indústrias de Equipamentos de Transporte

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

A CAMEX e a Facilitação de Comércio

A CAMEX e a Facilitação de Comércio CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria-Executiva A CAMEX e a Facilitação de Comércio Ministério das Comunicações 18 de novembro 2009, São Paulo SP. MARIA FÁTIMA B. ARRAES DE OLIVEIRA Assessora Especial

Leia mais

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito A importância do crédito para as pequenas e médias empresas Condicionantes da oferta de crédito Distribuição de empresas por porte MICRO PEQUENA MÉDIA GRANDE 0,4% 0,7% 6,2% Micro e Pequenas empresas 98,9%

Leia mais

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica Desafios para a Indústria Eletroeletrônica 95 O texto aponta as características das áreas da indústria eletroeletrônica no país e os desafios que este setor tem enfrentado ao longo das últimas décadas.

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam 3.1 Cosméticos Diagnóstico Os países desenvolvidos dominam o mercado mundial do setor de cosméticos, perfumaria e artigos

Leia mais

Conjuntura do Comércio Exterior - Crise Mundial

Conjuntura do Comércio Exterior - Crise Mundial BANCO DO BRASIL S/A Gerência Regional de Apoio ao Comércio Exterior Belo Horizonte MG Conjuntura do Comércio Exterior - Crise Mundial América do Norte Miami Nova Iorque Chicago Los Angeles Washington México

Leia mais

$VVRFLDomR%UDVLOHLUDGH 7HFQRORJLDGH/X] 6tQFURWURQ$%7/X6. 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGHH SDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV

$VVRFLDomR%UDVLOHLUDGH 7HFQRORJLDGH/X] 6tQFURWURQ$%7/X6. 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGHH SDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV $VVRFLDomR%UDVLOHLUDGH 7HFQRORJLDGH/X] 6tQFURWURQ$%7/X6 'HPRQVWUDo}HVILQDQFHLUDVHP GHGH]HPEURGHHGHH SDUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV 3DUHFHUGRVDXGLWRUHVLQGHSHQGHQWHV 17 de janeiro de 2003 Aos Administradores

Leia mais

A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras

A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras Guido Mantega Presidente - BNDES 25 o ENAEX- Novembro/2005 www.bndes.gov.br 1 Inserção do Brasil na Globalização

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo.

DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. DECRETO Nº 4.732, DE 10 DE JUNHO DE 2003. Dispõe sobre a Câmara de Comércio Exterior - CAMEX, do Conselho de Governo. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos

Leia mais

Feira Internacional da Amazônia Manaus - AM

Feira Internacional da Amazônia Manaus - AM O BNDES Mais Perto de Você Feira Internacional da Amazônia Manaus - AM 25 de novembro de 2009 Como apoiamos Operações Diretas Contratadas t diretamente t com o BNDES Operações Indiretas Instituições i

Leia mais

Política de comércio exterior brasileira. Welber Barral

Política de comércio exterior brasileira. Welber Barral Política de comércio exterior brasileira. Welber Barral Agosto de 2013 Efeitos da taxa de câmbio: Trilema: inflação, taxa de juros, taxa de câmbio Redução do superávit comercial e déficit estrutural em

Leia mais

PROSOFT. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES

PROSOFT. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação PROSOFT Agosto / 2008 1 Definições:

Leia mais

Estrutura do Comércio Internacional Brasileiro

Estrutura do Comércio Internacional Brasileiro Estrutura do Comércio Internacional Brasileiro 1 Rápido Panorama da Globalização no Brasil Enquanto o restante do mundo abria as fronteiras e integrava as respectivas economias em blocos econômicos, o

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

MANUAL DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE INVESTIMENTOS IPEA - INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA MANUAL DE INVESTIMENTOS PROPOSTA DE COLETA E CADRASTRAMENTO DE INFORMAÇÕES SOBRE INTENÇÕES DE INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS (Segunda Versão) Luciana Acioly

Leia mais

Produtos e Serviços. Convênio. Banco do Brasil S.A. e ABIMAQ

Produtos e Serviços. Convênio. Banco do Brasil S.A. e ABIMAQ Produtos e Serviços Convênio Banco do Brasil S.A. e ABIMAQ 2 Prezadas Associadas, As informações aqui tratadas foram disponibilizadas pelo Banco do Brasil e orientam sua empresa como obter os benefícios

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

Financiamento ao comércio exterior e apoio aos negócios internacionais

Financiamento ao comércio exterior e apoio aos negócios internacionais Financiamento ao comércio exterior e apoio aos negócios internacionais Bento Gonçalves RS Novembro de 2012 Participação de mercado (janeiro a outubro de 2012) Grandes números Adiantamento sobre Contrato

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores

Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes 18

Leia mais

Operador Econômico Autorizado - OEA

Operador Econômico Autorizado - OEA Operador Econômico Autorizado - OEA 26.08.15 Operador Econômico Autorizado - OEA Agenda 00:00 Quem Somos O que é OEA? Benefícios Fases de Implementação Requisitos Projeto Piloto - Fase 1 01:30 Fase 2 OEA

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização, no exterior, de bens

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Novembro 2009 DEPARTAMENTO REGIONAL NORDESTE - DENOR O que apoiamos Projetos de investimento em indústria, comércio e serviços aumento da capacidade

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014

Plano BrasilMaior 2011/2014 Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda de Ações para a Competitividade dos Pequenos Negócios Dimensões do Plano Brasil Maior -Quadro Síntese Dimensão Estruturante:

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo

Leia mais

Financiamento a Investimentos BNDES PROMINP/Angra dos Reis 7 a 8 de agosto de 2003 Nova Estrutura Organizacional Conselho de Administração Auditoria Presidente Carlos Lessa Vice-Presidente Darc Costa Gabinete

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Doutrina

REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Doutrina REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Doutrina Walter Douglas Stuber e Márcia Maria de Marino Torres WALTER DOUGLAS STUBER é Advogado, Sócio-Fundador do Escritório Amaro, Stuber e Advogados Associados, Representante

Leia mais

Senado Federal. O BNDES e o Apoio ao Setor de Software

Senado Federal. O BNDES e o Apoio ao Setor de Software Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática O BNDES e o Apoio ao Setor de Software Alan Fischler Área Industrial Depto das Industrias de TICs 11/04/2012 Brasília

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Classificação: Ostensivo Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Capítulo I - REGULAMENTO 1. OBJETIVO Apoiar, na fase pós-embarque, a comercialização,

Leia mais

NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO

NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO NOVA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO PRODUTIVO Política de Desenvolvimento Produtivo Elevar dispêndio em P&D Meta: 0,65% PIB Ampliar Investimento Fixo Meta: 21% PIB Posição 2007: 17,6% Macrometas 2010 Dinamização

Leia mais

Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore

Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore Condições de Financiamento Luiz Marcelo Martins (luizmarcelo@bndes.gov.br) Março 2011 Crescimento Brasileiro e Investimentos Crescimento

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

11º Encontro Técnico de Alto Nível: Compostagem

11º Encontro Técnico de Alto Nível: Compostagem 11º Encontro Técnico de Alto Nível: Compostagem São Paulo / SP 02 de outubro de 2015 Mercado Brasileiro de Fertilizantes Situação atual do mercado nacional de fertilizantes minerais: altamente dependente

Leia mais

Workshop Financiamento às Infraestruturas, à Agricultura e Agro-indústria. Luanda, 26.05.2014

Workshop Financiamento às Infraestruturas, à Agricultura e Agro-indústria. Luanda, 26.05.2014 Workshop Financiamento às Infraestruturas, à Agricultura e Agro-indústria Luanda, 26.05.2014 Agenda 1. Cenário Internacional 2. Formas de apoio 3. Estratégia de atuação na África Depto. de Suporte a Operações

Leia mais

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil

Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil ANAIS DA 65ª REUNIÃO ANUAL DA SBPC RECIFE, PE JULHO/2013 Ciência, Tecnologia e Indústria para um novo Brasil Glauco Arbix Somente a inovação será capaz de reverter o quadro de estagnação da economia brasileira,

Leia mais

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA O objetivo específico deste concurso consiste em conceder apoios financeiros a projetos

Leia mais

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL DAS AMÉRICAS Washington D. C - março 2014 NOME CLASSIFICAÇÃO CATEGORIA TEMA PALAVRAS-CHAVE REDE SOCIAL EMPRESARIAL : CONNECT AMERICAS PRÁTICA INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

2013 Inventta Todos os direitos reservados.

2013 Inventta Todos os direitos reservados. Agenda Quem Somos Gerindo a Inovação nas Empresas Estímulos Governamentais à Inovação Resultados da pesquisa FDC/Inventta Conclusões O GRUPO A Inventta é uma consultoria especializada em gestão da inovação,

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Outubro 2009 BH COPA 2014 Agenda Resumo Institucional Os Projetos que Apoiamos Formas de Atuação Condições de Financiamento Fechamento Agenda Resumo

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

Paulo Sérgio Sodré. Departamento de Credenciamento e Financiamento

Paulo Sérgio Sodré. Departamento de Credenciamento e Financiamento 1 Paulo Sérgio Sodré Departamento de Credenciamento e Financiamento Máquinas áqu as e equipamentos equ pa e tos 2 BNDES Missão Promover o desenvolvimento sustentável e competitivo da economia brasileira,

Leia mais

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA ASSUNTOS TRATADOS Cartilha sobre produtos e serviços bancários para Micro e Pequenos Empresários Apresentação dos cases de sucesso e fracasso no setor da Construção Civil Notícias sobre o Fórum Permanente

Leia mais

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA MINISTÉRIO DA CULTURA ECONOMIA DA CULTURA UM SETOR ESTRATÉGICO PARA O PAÍS Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec A produção, a circulação e o consumo de bens e

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES. ABIMAQ fevereiro de 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES. ABIMAQ fevereiro de 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ fevereiro de 2014 Principais Linhas para o setor de BK FINAME: produção e comercialização de máquinas, equipamentos, bens de informática

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE www.ucp.fazenda.gov.br PROGRAMAS EM ANDAMENTO Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM

Leia mais

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Noções básicas de Comércio Exterior Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Regimes Aduaneiros É o conjunto de procedimentos ou regras previstas em lei para efetivar uma importação

Leia mais

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 Propostas para os candidatos Desde as eleições de 1994, a CNI apresenta à sociedade e aos candidatos sugestões para melhorar o desempenho da economia. Propostas

Leia mais

O BNDES Mais Perto de Você

O BNDES Mais Perto de Você O BNDES Mais Perto de Você Rio de Janeiro - RJ 11 de março de 2010 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Federal Principal fonte de crédito de longo

Leia mais

9.4. Benefícios creditícios

9.4. Benefícios creditícios 9.4. Benefícios creditícios CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: FORTUNA, Eduardo. Mercado Financeiro Produtos e Serviços. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1996. VAZQUEZ, José Lopes.

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL Departamento de Planejamento, Pesquisa e Desenvolvimento - DPD Diretoria de Engenharia 1 ÍNDICE 1 PÚBLICO ALVO... 3 2 FINALIDADE...3 3 FUNDAMENTOS...

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

REDEPETRO RN. Grandes Compradores, pequenos fornecedores. M.Sc. Gutemberg Dias

REDEPETRO RN. Grandes Compradores, pequenos fornecedores. M.Sc. Gutemberg Dias REDEPETRO RN Grandes Compradores, pequenos fornecedores M.Sc. Gutemberg Dias MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NO BRASIL 5 milhões de empresas formais (99% das empresas formais) e 10 milhões de informais;

Leia mais

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas.

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. Definição: Mercado de Câmbio Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. O mercado de Câmbio de TAXAS LIVRES opera com o dólar comercial. TAXAS FLUENTES opera com o dólar flutuante

Leia mais