Cargo: Classe: Nível: Desenvolvimento de Atividade: CRITÉRIO ESCALA DESCRIÇÃO AVALIAÇÃO O (10) B (8,5) R (7,0) I (5,5) B (8,5) prazos determinados.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cargo: Classe: Nível: Desenvolvimento de Atividade: CRITÉRIO ESCALA DESCRIÇÃO AVALIAÇÃO O (10) B (8,5) R (7,0) I (5,5) B (8,5) prazos determinados."

Transcrição

1 1 ANEXO V - FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO CARGO COMISSIONADO FUNÇÕES GERENCIAIS O= Ótimo B= Bom R= Regular I= Insuficiente ( ) Servidor Efetivo ( ) Servidor Comissionado A CONHECIMENTO Grau de conhecimento para a realização de suas tarefas. B PRODUÇÃO Quantidade de trabalho executado normalmente. C PRODUTIVIDADE Produzir com o uso racional dos recursos disponíveis, evitando desperdícios e a elevação de custos. Possui amplo conhecimento para a realização de todas as suas tarefas, sendo capaz desenvolvidas. Possui amplo conhecimento necessário para a realização de suas tarefas, sendo capaz de reconhecer-lhes a importância e relacioná-las com as demais atividades desenvolvidas, porém deixa de antever algumas lacunas que não chegam a prejudicar a execução do trabalho. Possui conhecimento suficiente para a realização de suas tarefas, sendo capaz desenvolvidas, porém deixa de antever algumas lacunas que chegam a prejudicar, eventualmente, a execução do trabalho. Possui conhecimento limitado para a realização de suas tarefas, deixando de antever lacunas que freqüentemente prejudicam a execução do trabalho. Executa todas as tarefas impostas, cumprindo todos os prazos determinados. Executa todas as tarefas impostas, descumprindo, eventualmente, alguns dos prazos determinados. Executa quase todas as tarefas impostas, descumprindo, eventualmente, alguns dos prazos determinados. Não executa as tarefas impostas, em quantidade suficiente, ou descumpre freqüentemente os prazos determinados. É extremamente eficiente e eficaz na realização de suas tarefas. É eficiente e eficaz na realização de suas tarefas. É razoavelmente eficaz na realização de suas tarefas. É freqüentemente ineficiente e ineficaz na realização de suas tarefas.

2 2 ANEXO V - FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO CARGO COMISSIONADO FUNÇÕES GERENCIAIS ( ) Servidor Efetivo ( ) Servidor Comissionado ESCA- DESCRIÇÃO LA D E F G QUALIDADE RELACIONAMENTOS INICIATIVA MOTIVAÇÃO/ INTERESSE Grau de exatidão, correção e clareza nos trabalhos executados. Competência e habilidade para manter com superiores, colegas e clientes relacionamentos eficazes e mutuamente satisfatórios. Agir independente, sem instruções específicas, resolvendo problemas ou situações com presteza. Demonstrar entusiasmo pelo trabalho, satisfação pessoal e boas expectativas. Realiza suas tarefas com extrema exatidão, correção e clareza. Realiza suas tarefas com exatidão, correção e clareza. Realiza suas tarefas com razoável exatidão, correção e clareza. Realiza suas tarefas com inexatidão, incorreção ou pouca clareza. É hábil em estabelecer e manter relacionamentos interpessoais. sabe administrá-las bem, de modo a não deixar transparecer estas limitações. sabe administrá-las razoavelmente; eventualmente deixa transparecer estas limitações. É inábil em manter relacionamentos interpessoais. Age sempre proativamente, antecipando soluções nas mais diversas situações. Age freqüentemente de forma proativa, antecipando soluções. Age eventualmente de forma proativa, antecipando soluções. Raramente age de forma proativa. Está sempre motivado e estimulado para a realização de suas tarefas. Está freqüentemente motivado e estimulado para a realização de suas tarefas. Está eventualmente motivado e estimulado para a realização de suas tarefas. Está raramente motivado e estimulado para a realização de suas tarefas. AVALIAÇÃO

3 3 ANEXO V - FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO CARGO COMISSIONADO FUNÇÕES GERENCIAIS ( ) Servidor Efetivo ( ) Servidor Comissionado H RESPONSABILIDADE Capacidade de responder por suas obrigações. I J LIDERANÇA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Habilidade em fazer com que as pessoas realizem suas tarefas com entusiasmo. Define e ordena suas atividades em tarefas lógicas e práticas entrosadas para atingir seus objetivos. É extremamente comprometido com suas obrigações, respondendo, integralmente, É freqüentemente comprometido com suas obrigações, respondendo, integralmente, É eventualmente comprometido com suas obrigações, respondendo, parcialmente, É raramente comprometido com suas obrigações, nem sempre respondendo É extremamente hábil em fazer com que as pessoas realizem as suas tarefas. É freqüentemente hábil em fazer com que as pessoas realizem as suas tarefas. É razoavelmente hábil em fazer com que as pessoas realizem as suas tarefas. É inábil em fazer com que as pessoas realizem as suas tarefas. Realiza suas atividades de forma extremamente planejada, ordenada, lógica e prática. Realiza suas atividades de forma suficientemente planejada, ordenada, lógica e prática. Realiza freqüentemente suas atividades de forma extremamente planejada, ordenada, lógica e prática. Raramente realiza suas atividades de forma planejada, ordenada, lógica e prática. Resultado da avaliação: Pontos Avaliador: Visto do (a) Avaliador (a):

4 4 ANEXO V - FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NÍVEL SUPERIOR E MÉDIO/TÉCNICO O= Ótimo B= Bom R= Regular I= Insuficiente A CONHECIMENTO Grau de conhecimento para a realização de suas tarefas. B PRODUÇÃO Quantidade de trabalho executado normalmente. C PRODUTIVIDADE Produzir com o uso racional dos recursos disponíveis, evitando desperdícios e elevação de custos. Possui amplo conhecimento para a realização de todas as suas tarefas, sendo capaz desenvolvidas. Possui conhecimento necessário para a realização de suas tarefas, sendo capaz desenvolvidas, porém deixa de antever algumas lacunas que não chegam a prejudicar a execução do trabalho. Possui conhecimento suficiente para a realização de suas tarefas, sendo capaz desenvolvidas, porém deixa de antever algumas lacunas que chegam a eventualmente prejudicar a execução do trabalho. Possui conhecimento limitado para a realização de suas tarefas, deixando de antever lacunas que freqüentemente prejudicam a execução do trabalho. Executa todas as tarefas impostas, cumprindo todos os prazos determinados. Executa todas as tarefas impostas, descumprindo eventualmente alguns dos prazos determinados. Executa quase todas as tarefas impostas, descumprindo eventualmente alguns dos prazos determinados. Não executa as tarefas impostas em quantidade suficiente ou descumpre, freqüentemente, os prazos determinados. É extremamente eficiente e eficaz na realização de suas tarefas. É eficiente e eficaz na realização de suas tarefas. É razoavelmente eficaz na realização de suas tarefas. É freqüentemente ineficiente e ineficaz na realização de suas tarefas.

5 5 ANEXO V - FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NÍVEL SUPERIOR E MÉDIO/TÉCNICO ESCA- DESCRIÇÃO LA D E F G QUALIDADE RELACIONAMENTOS INICIATIVA MOTIVAÇÃO/ INTERESSE Grau de exatidão, correção e clareza nos trabalhos executados. Competência e habilidade para manter com superiores, colegas e clientes relacionamentos eficazes e mutuamente satisfatórios. Agir independente, sem instruções específicas, resolvendo problemas ou situações com presteza. Demonstrar entusiasmo pelo trabalho, satisfação pessoal e boas expectativas futuras. Realiza suas tarefas com extrema exatidão, correção e clareza. Realiza suas tarefas com exatidão, correção e clareza. Realiza suas tarefas com razoável exatidão, correção e clareza. Realiza suas tarefas com inexatidão, incorreção ou pouca clareza. É hábil em estabelecer e manter relacionamentos interpessoais. sabe administrá-las bem, de modo a não deixar transparecer estas limitações. sabe administrá-las razoavelmente; eventualmente deixa transparecer estas limitações. É inábil em manter relacionamentos interpessoais. Age sempre proativamente, antecipando soluções nas mais diversas situações. Age freqüentemente de forma proativa, antecipando soluções. Age eventualmente de forma proativa, antecipando soluções. Raramente age de forma proativa. Está sempre motivado e estimulado para a realização de suas tarefas. Está freqüentemente motivado e estimulado para a realização de suas tarefas. Está eventualmente motivado e estimulado para a realização de suas tarefas. Está raramente motivado e estimulado para a realização de suas tarefas. AVALIAÇÃO

6 6 ANEXO V - FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NÍVEL SUPERIOR E MÉDIO/TÉCNICO H RESPONSABILIDADE Capacidade de responder por suas obrigações. K M RECEPTIVIDADE À INOVAÇÃO CRIATIVIDADE Acessível à inovação de métodos, de processos e de ferramentas de trabalho. Capacidade de inovação a partir dos recursos disponíveis, enriquecendo a rotina de trabalho. É extremamente comprometido com suas obrigações, respondendo, integralmente, É freqüentemente comprometido com suas obrigações, respondendo, integralmente, É eventualmente comprometido com suas obrigações, respondendo, parcialmente, É raramente comprometido com suas obrigações, nem sempre respondendo Adapta-se completamente às inovações, inter-relacionando os métodos, os processos e o uso das ferramentas de trabalho. Adapta-se suficientemente às inovações, inter-relacionando os métodos, os processos e o uso das ferramentas de trabalho. Adapta-se com freqüência às inovações, tendo dificuldades para inter-relacionar os métodos, os processos e o uso das ferramentas de trabalho. É resistente a inovações. É competente para gerar idéias e soluções novas, contribuindo para o desenvolvimento do trabalho. É suficientemente competente para gerar idéias e soluções novas, contribuindo para o desenvolvimento do trabalho. É razoavelmente competente para gerar idéias e soluções novas, não contribuindo com freqüência para o desenvolvimento do trabalho. Possui pouca competência para gerar idéias e soluções novas. Resultado da avaliação: Pontos Avaliador: Visto do (a) Avaliador (a):

7 7 ANEXO V - FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NÍVEL BÁSICO O= Ótimo B= Bom R= Regular I= Insuficiente A CONHECIMENTO Grau de conhecimento para a realização de suas tarefas. B PRODUÇÃO Quantidade de trabalho executado normalmente. C PRODUTIVIDADE Produzir com o uso racional dos recursos disponíveis, evitando desperdícios e elevação de custos. Possui amplo conhecimento para a realização de todas as suas tarefas, sendo capaz desenvolvidas. Possui conhecimento necessário para a realização de suas tarefas, sendo capaz desenvolvidas, porém deixa de antever algumas lacunas que não chegam a prejudicar a execução do trabalho. Possui conhecimento suficiente para a realização de suas tarefas, sendo capaz desenvolvidas, porém deixa de antever algumas lacunas que chegam a eventualmente prejudicar a execução do trabalho. Possui conhecimento limitado para a realização de suas tarefas, deixando de antever lacunas que freqüentemente prejudicam a execução do trabalho. Executa todas as tarefas impostas, cumprindo todos os prazos determinados. Executa todas as tarefas impostas, descumprindo eventualmente alguns dos prazos determinados. Executa quase todas as tarefas impostas, descumprindo eventualmente alguns dos prazos determinados. Não executa as tarefas impostas em quantidade suficiente ou descumpre, freqüentemente, os prazos determinados. É extremamente eficiente e eficaz na realização de suas tarefas. É eficiente e eficaz na realização de suas tarefas. É razoavelmente eficaz na realização de suas tarefas. É freqüentemente ineficiente e ineficaz na realização de suas tarefas.

8 8 ANEXO V - FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NÍVEL BÁSICO ESCA- DESCRIÇÃO LA D E F G QUALIDADE RELACIONAMENTOS INICIATIVA MOTIVAÇÃO/ INTERESSE Grau de exatidão, correção e clareza nos trabalhos executados. Competência e habilidade para manter com superiores, colegas e clientes relacionamentos eficazes e mutuamente satisfatórios. Agir independente, sem instruções específicas, resolvendo problemas ou situações com presteza. Demonstrar entusiasmo pelo trabalho, satisfação pessoal e boas expectativas. Realiza suas tarefas com extrema exatidão, correção e clareza. Realiza suas tarefas com exatidão, correção e clareza. Realiza suas tarefas com razoável exatidão, correção e clareza. Realiza suas tarefas com inexatidão, incorreção ou pouca clareza. É hábil em estabelecer e manter relacionamentos interpessoais. sabe administrá-las bem, de modo a não deixar transparecer estas limitações. sabe administrá-las razoavelmente; eventualmente deixa transparecer estas limitações. É inábil em manter relacionamentos interpessoais. Age sempre proativamente, antecipando soluções nas mais diversas situações. Age freqüentemente de forma proativa, antecipando soluções. Age eventualmente de forma proativa, antecipando soluções. Raramente age de forma proativa. Está sempre motivado e estimulado para realização de suas tarefas. Está freqüentemente motivado e estimulado para a realização de suas tarefas. Está eventualmente motivado e estimulado para a realização de suas tarefas. Está raramente motivado e estimulado para a realização de suas tarefas. AVALIAÇÃO

9 9 ANEXO V - FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NÍVEL BÁSICO H RESPONSABILIDADE Capacidade de responder por suas obrigações. L M COMPREENSÃO CRIATIVIDADE Capacidade de aprendizagem, grau de apreensão de problemas, fatos e situações. Capacidade de inovação a partir dos recursos disponíveis, enriquecendo a rotina de trabalho. É extremamente comprometido com suas obrigações, respondendo, integralmente, É freqüentemente comprometido com suas obrigações, respondendo, integralmente, É eventualmente comprometido com suas obrigações, respondendo, parcialmente, É raramente comprometido com suas obrigações, nem sempre respondendo Possui excelente capacidade e agilidade de raciocínio, sendo capaz de relacionar fatos e problemas, assenhoreando-se das informações. Possui suficiente capacidade e agilidade de raciocínio, sendo capaz de relacionar fatos e problemas, assenhoreando-se das informações. Possui razoavelmente capacidade e agilidade de raciocínio, tendo eventualmente dificuldade de relacionar fatos e problemas. Possui pouca capacidade e agilidade de raciocínio. É competente para gerar idéias e soluções novas, contribuindo para o desenvolvimento do trabalho. É suficientemente competente para gerar idéias e soluções novas, contribuindo para o desenvolvimento do trabalho. É razoavelmente competente para gerar idéias e soluções novas, não contribuindo com freqüência para o desenvolvimento do trabalho. Possui pouca competência para gerar idéias e soluções novas. Resultado da avaliação: Pontos Avaliador: Visto do (a) Avaliador (a):

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional:

Leia mais

Questionário para área Operacional

Questionário para área Operacional Questionário para área Operacional Pontualidade Chega no horário e cumpre os horários estipulados pela empresa, além de respeitar o cronograma do setor no atendimento às solicitações de serviços. Zelo

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO SERVIDOR AVALIADO IDENTIFICAÇÃO DA CHEFIA IMEDIATA. BOM 7 ou 8. REGULAR 5 ou 6

IDENTIFICAÇÃO DO SERVIDOR AVALIADO IDENTIFICAÇÃO DA CHEFIA IMEDIATA. BOM 7 ou 8. REGULAR 5 ou 6 2013/2014 IDENTIFICAÇÃO DO SERVIDOR AVALIADO IDENTIFICAÇÃO DA CHEFIA IMEDIATA 1 - ASSIDUIDADE/PONTUALIDADE: Comparecimento com regularidade e exatidão ao lugar onde tem de desempenhar suas tarefas em horário

Leia mais

RESOLUÇÃO SEPLAG N.º 16, DE 22 DE MARÇO DE 2004.

RESOLUÇÃO SEPLAG N.º 16, DE 22 DE MARÇO DE 2004. RESOLUÇÃO SEPLAG N.º, DE DE MARÇO DE 00. * Publicada no Minas Gerais, em de março de 00. Define a metodologia e os procedimentos da Avaliação Especial de Desempenho do servidor público civil em estágio

Leia mais

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE A ESTRUTURA DA GESTÃO DE PROJETOS Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br IMPORTÂNCIA DO GERENCIAMENTO DE PROJETO Gerenciamento de Projetos GP é o caminho para atingir

Leia mais

PERFIL DA VAGA: ASSESSORA DA PRESIDÊNCIA. Posição Hierárquica: equivalente à dos subordinados ao Diretor Presidente, todos Gerentes do Instituto

PERFIL DA VAGA: ASSESSORA DA PRESIDÊNCIA. Posição Hierárquica: equivalente à dos subordinados ao Diretor Presidente, todos Gerentes do Instituto O Instituto Akatu é uma organização não governamental sem fins lucrativos que trabalha pela conscientização e mobilização da sociedade para o Consumo Consciente. PERFIL DA VAGA: Subordinação: ao Diretor

Leia mais

RELATÓRIO PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL

RELATÓRIO PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 16ª REGIÃO SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E ESTATÍSTICA RELATÓRIO PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2011 1 - INTRODUÇÃO O Tribunal Regional do Trabalho

Leia mais

POR QUE AS EMPRESAS NÃO DEVEM INVESTIR EM PROGRAMAS DE INCLUSÃO?

POR QUE AS EMPRESAS NÃO DEVEM INVESTIR EM PROGRAMAS DE INCLUSÃO? POR QUE AS EMPRESAS NÃO DEVEM INVESTIR EM PROGRAMAS DE INCLUSÃO? A temática da inclusão, no mercado de trabalho, tem suscitado vários debates nos mais diversos espaços de discussão organizados por empresas,

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Este material resulta da reunião de fragmentos do módulo I do Curso Gestão Estratégica com uso do Balanced Scorecard (BSC) realizado pelo CNJ. 1. Conceitos de Planejamento Estratégico

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DE PROFESSOR. Professor: Data / / Disciplina:

QUESTIONÁRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DE PROFESSOR. Professor: Data / / Disciplina: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA de São Paulo, Campus Avançado de Matão, base em Sertãozinho Relatório de Avaliação Interna RELATÓRIO DA AVALIAÇÃO INTERNA DO CAMPUS AVANÇADO DE MATÃO

Leia mais

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO

ÍNDICE 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. GLOSSÁRIO DE TERMINOLOGIAS ADOTADAS 3. ABORDAGEM CONCEITUAL DO MODELO DE GESTÃO DO DESEMPENHO 4. OBJETIVOS DA GESTÃO DO DESEMPENHO 5. BENEFÍCIOS ESPERADOS DO MODELO 6. DIRETRIZES

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL A Agência de Certificação Ocupacional (ACERT) é parte integrante da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS/FUNÇÕES

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS/FUNÇÕES ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS/FUNÇÕES - Monitor de Marcenaria, Monitor de Artesanato, Monitor de Música e/ou Violão e Monitor de Patinação e/ou Dança Ministrar aulas teóricas e práticas, conforme a atividade

Leia mais

EMPREENDEDORISM O. CCE Características do Comportamento Empreendedor. Prof. Cícero Wilrison Alves Carneiro

EMPREENDEDORISM O. CCE Características do Comportamento Empreendedor. Prof. Cícero Wilrison Alves Carneiro EMPREENDEDORISM O CCE Características do Comportamento Empreendedor Prof. Cícero Wilrison Alves Carneiro Eng Mecânico e de Segurança do Trabalho Especialista em Gestão Empresarial 1. Estabelecimento de

Leia mais

INDICADORES PARA A QUALIDADE NA GESTÃO ESCOLAR E ENSINO

INDICADORES PARA A QUALIDADE NA GESTÃO ESCOLAR E ENSINO INDICADORES PARA A QUALIDADE NA GESTÃO ESCOLAR E ENSINO Heloísa Lück Coordenadora Nacional da RENAGESTE-CONSED Diretora Educacional do CEDHAP Centro de Desenvolvimento Humano Aplicado - Curitiba Professora

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

EXPECTATIVAS COM RELAÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

EXPECTATIVAS COM RELAÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EXPECTATIVAS COM RELAÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Novos tempos para o Poder judiciário; Sucesso total; Acredito que o seminário plantou a semente de pensar a estrutura do ambiente em que se trabalha

Leia mais

Formulário de Pesquisa Institucional Clubes de Lions do Distrito LC 1 Para a Gestão 2013/2014 do Governador CL Fernando da Silva Mota e DM e CaL Vera

Formulário de Pesquisa Institucional Clubes de Lions do Distrito LC 1 Para a Gestão 2013/2014 do Governador CL Fernando da Silva Mota e DM e CaL Vera Formulário de Pesquisa Institucional Clubes de Lions do Distrito LC 1 Para a Gestão 2013/2014 do Governador CL Fernando da Silva Mota e DM e CaL Vera Maria da Costa Mota Objetivo da Pesquisa Instiitucional:

Leia mais

Valores & Princípios. Grupo Freudenberg

Valores & Princípios. Grupo Freudenberg Valores & Princípios Grupo Freudenberg C o n d u ta e C o m p o r ta m e n t o C o n d u ta e C o m p o r ta m e n t o Nossos Princípios & Conduta e Comportamento 3 Os Nossos Princípios e o documento de

Leia mais

NBA 40 - CONTROLE DE QUALIDADE DAS AUDITORIAS REALIZADAS PELOS TRIBUNAIS DE CONTAS

NBA 40 - CONTROLE DE QUALIDADE DAS AUDITORIAS REALIZADAS PELOS TRIBUNAIS DE CONTAS NBA 40 - CONTROLE DE QUALIDADE DAS AUDITORIAS REALIZADAS PELOS TRIBUNAIS DE CONTAS INTRODUÇÃO (Issai 40 - Introdução) 1. A NBA 40 tem como objetivo ajudar os Tribunais de Contas a elaborar, estabelecer

Leia mais

Gerência de Projetos - Introdução

Gerência de Projetos - Introdução Especialização em Gerência de Projetos de Software Gerência de Projetos - Introdução Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Gerência de Projetos de Software 2009 Faculdade de Computação

Leia mais

INSTRUMENTOS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

INSTRUMENTOS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO GERÊNCIA DE GESTÃO E AVALIAÇÃO DA REDE DE ENSINO INSTRUMENTOS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO GOIÂNIA 2010 SEDUC/GO Matrícula

Leia mais

Questionário do (a) estagiário (a)

Questionário do (a) estagiário (a) Questionário do (a) estagiário (a) Caro Estagiário, A lei n 11.788/2008 dispõe que a instituição de Ensino deve exigir do educando o Relatório de Atividades de Estágio em prazo não superior a 06 meses,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA RECEBA MAIS QUE TECNOLOGIA

CÓDIGO DE ÉTICA RECEBA MAIS QUE TECNOLOGIA CÓDIGO DE ÉTICA RECEBA MAIS QUE TECNOLOGIA Código de Ética e de Responsabilidade Social Propósitos A ACE Schmersal tem uma atuação corporativa pautada em valores éticos e morais. Estes mesmos valores regem

Leia mais

sistema de gestão do desempenho e potencial Directório de Competências e de Perfis Profissionais

sistema de gestão do desempenho e potencial Directório de Competências e de Perfis Profissionais SGDP sistema de gestão do desempenho e potencial :: Directório de Competências e de Perfis Profissionais :: Directório de Competências e de Perfis Profissionais ÍNDICE Competências Inovação e Criatividade

Leia mais

A COMUNICAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E OS PARADIGMAS DO PENSAMENTO SISTÊMICO

A COMUNICAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E OS PARADIGMAS DO PENSAMENTO SISTÊMICO A COMUNICAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E OS PARADIGMAS DO PENSAMENTO SISTÊMICO Adm. Marlene Carnevali, PMP, PMI_RMP 1 Adm. Marlene Carnevali, PMP, PMI-RMP marlene@prorisks.com.br www.prorisks.com.br Neste artigo

Leia mais

Avaliação de Desempenho

Avaliação de Desempenho Manual de SPRH/maio/2011 Apresentação... 03 1 O que é?... 04 2 Por que avaliar?... 04 3 Quais os objetivos da?... 04 4 Quem será avaliado?... 05 5 Quem será o avaliador?... 06 6 O que será avaliado?...

Leia mais

WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS

WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS WORKSHOP MELHORIA DE PROCESSOS Superintendência de Planejamento e Gestão Escritório de Processos Organizacionais Goiânia, 27 de maio de 2009 Objetivos: WORKSHOPS DE MELHORIA DE PROCESSOS Promover o mapeamento,

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva

PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO. Prof. Msc Milene Silva PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO Prof. Msc Milene Silva Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista, desenvolvimentista e críticas. Função

Leia mais

(ANEXO 4) * ESTÁGIO PROBATÓRIO FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL SERVIDOR PAR

(ANEXO 4) * ESTÁGIO PROBATÓRIO FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL SERVIDOR PAR (ANEXO 4) * ESTÁGIO PROBATÓRIO FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL SERVIDOR PAR DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome do Servidor Estagiário: Cargo do Servidor Estagiário: Período de Estágio Probatório:

Leia mais

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012

GESPÚBLICA. Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 GESPÚBLICA Brasília ǀ 25 de Setembro de 2012 Resultados Decisões Estratégicas Informações / Análises O PROCESSO DE GESTÃO ESTRATÉGICA Ideologia Organizacional Missão, Visão,Valores Análise do Ambiente

Leia mais

O que a Postura Consultiva tem a ver com Você

O que a Postura Consultiva tem a ver com Você O que a Postura Consultiva tem a ver com Você Marcelo Egéa M* O que é postura consultiva Criar e sustentar uma marca é um trabalho que exige o máximo de todos na empresa. Alguns têm contato direto com

Leia mais

Modelo de Gestão Estratégica para Resultados da SEFAZ

Modelo de Gestão Estratégica para Resultados da SEFAZ Modelo Estratégica para Resultados da SEFAZ Treinamento Gestores Conhecendo nosso Modelo Maio 2015 Modelo Estratégico para Resultados Assuntos previstos para esta oficina... Aprofundar no conceito de Gestão

Leia mais

Grupo de Educação Especial

Grupo de Educação Especial Grupo de Educação Especial Critérios Gerais de Avaliação 2015/2016 De acordo com o Despacho normativo n.º 24-A/2012, artigo 8.º (ponto 10): 10 A informação resultante da avaliação sumativa dos alunos do

Leia mais

Netiqueta Regras de convivência na Internet

Netiqueta Regras de convivência na Internet São alguns modelos de conduta que irão facilitar o relacionamento com os colegas e professor e contribuir para uma aprendizagem colaborativa e efetiva. O termo inglês NET (significa REDE ) e o termo ETIQUETA

Leia mais

ANEXO I. AUTO-AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE (formulário preenchido pelo professor avaliado)

ANEXO I. AUTO-AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE (formulário preenchido pelo professor avaliado) ANEXO I AUTO-AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE (formulário preenchido pelo professor avaliado) Nome do docente: Matrícula: Regime de Trabalho: Campus Universitário: Departamento: Função/Titulação: Cargo

Leia mais

Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. 14.1. Treinamento é investimento

Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. 14.1. Treinamento é investimento Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas 14.1. Treinamento é investimento O subsistema de desenvolver pessoas é uma das áreas estratégicas do Gerenciamento de Pessoas, entretanto em algumas organizações

Leia mais

PMI Espírito Santo. Política de Voluntariado. Diretoria de Filiação e Voluntariado

PMI Espírito Santo. Política de Voluntariado. Diretoria de Filiação e Voluntariado PMI Espírito Santo Política de Voluntariado Diretoria de Filiação e Voluntariado Índice 1. Introdução...3 2. O Trabalho Voluntário...4 3. O PMI-ES e o Trabalho Voluntário...4 4. Expectativas do PMI-ES

Leia mais

SUMÁRIO RELAÇÃO DE PONTUAÇÃO.3 01 AVALIAÇÃO DOS COORDENADORES PELA DIREÇÃO.4 02 AVALIAÇÃO DO CORPO DOCENTE PELOS COORDENADORES.21 14.22 14.

SUMÁRIO RELAÇÃO DE PONTUAÇÃO.3 01 AVALIAÇÃO DOS COORDENADORES PELA DIREÇÃO.4 02 AVALIAÇÃO DO CORPO DOCENTE PELOS COORDENADORES.21 14.22 14. SUMÁRIO RELAÇÃO DE PONTUAÇÃO...3 01 AVALIAÇÃO DOS COORDENADORES PELA DIREÇÃO......4 02 AVALIAÇÃO DO CORPO DOCENTE PELOS COORDENADORES...5 03 AVALIAÇÃO DA DIREÇÃO PELA COORDENAÇÃO...6 04 AVALIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS

Leia mais

PROCESSO CONSULTA Nº 31/2013 PARECER CONSULTA Nº 7/2014

PROCESSO CONSULTA Nº 31/2013 PARECER CONSULTA Nº 7/2014 PROCESSO CONSULTA Nº 31/2013 PARECER CONSULTA Nº 7/2014 Solicitante: DR. R. C. M. R. CRM/GO XXXX Conselheiro Parecerista: DR. JOÃO ANASTÁCIO DIAS Assunto: Competência Técnica e Legal de Servidor não médico

Leia mais

(ANEXO 4) ESTÁGIO PROBATÓRIO FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL SERVIDOR PAR ORIENTAÇÕES

(ANEXO 4) ESTÁGIO PROBATÓRIO FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL SERVIDOR PAR ORIENTAÇÕES (ANEXO 4) ESTÁGIO PROBATÓRIO FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL SERVIDOR PAR DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome do Servidor Estagiário: Cargo do Servidor Estagiário: Período de Estágio Probatório:

Leia mais

Creche Municipal Pequeno Príncipe

Creche Municipal Pequeno Príncipe DESCRIPCIÓN DE LA INSTITUCIÓN UBICACIÓN GEOGRÁFICA Região: Centro Oeste Município: Porto dos Gaúchos MT Título da experiência: Construindo sua identidade no universo da brincadeira Autoras: Claudiane Eidt

Leia mais

Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015]

Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015] Correntes de Participação e Critérios da Aliança Global Wycliffe [Versão de 9 de maio de 2015] Introdução As Organizações da Aliança Global Wycliffe desejam expressar a unidade e a diversidade do Corpo

Leia mais

8.1 Planejar o Gerenciamento da Qualidade SAÍDAS

8.1 Planejar o Gerenciamento da Qualidade SAÍDAS Plano de Gerenciamento da Qualidade Descreve como as políticas de qualidade de uma organização serão implementadas. Como a equipe de gerenciamento do projeto planeja cumprir os requisitos de qualidade

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DAS COMUNICAÇÕES PRINCÍPIOS E DIRETRIZES JUNHO, 2013. Sumário 1. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA

Leia mais

Recepção de novos servidores: orientações para gestores. DP, DDRH e PRODIRH UFG/2015

Recepção de novos servidores: orientações para gestores. DP, DDRH e PRODIRH UFG/2015 Recepção de novos servidores: orientações para gestores DP, DDRH e PRODIRH UFG/2015 1 Recepção de novos servidores: orientações para gestores Livia Psicóloga - DDRH 2 Qual o verdadeiro sentido da existência

Leia mais

POLÍTICA DE SAÚDE E SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA

POLÍTICA DE SAÚDE E SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DE SAÚDE E SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA Política de SAÚDE E SEGURANÇA Política de SAÚDE E SEGURANÇA A saúde e a segurança dos nossos funcionários fazem

Leia mais

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE A ESTRUTURA DA GESTÃO DE PROJETOS Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br SUMÁRIO Importância do Gerenciamento de Projetos. Benefícios do Gerenciamento de Projetos Gerenciamento

Leia mais

PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2012.2

PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2012.2 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO (PSD-G) 2012.2 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional, que sejam capazes de transformar

Leia mais

Implantação da Qualidade nos Serviços de Referência

Implantação da Qualidade nos Serviços de Referência Supremo Tribunal Federal Implantação da Qualidade nos Serviços de Referência LILIAN JANUZZI VILAS BOAS GESTÃO DA QUALIDADE Conceito: Modelo gerencial que incentiva as organizações a analisar os requisitos

Leia mais

(ANEXO 5) * ESTÁGIO PROBATÓRIO FORMULÁRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL SERVIDOR ESTAGIÁRIO

(ANEXO 5) * ESTÁGIO PROBATÓRIO FORMULÁRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL SERVIDOR ESTAGIÁRIO (ANEXO 5) * ESTÁGIO PROBATÓRIO FORMULÁRIO DE AUTOAVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL SERVIDOR ESTAGIÁRIO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome do Servidor Estagiário: Cargo do Servidor Estagiário: Período de Estágio

Leia mais

Publicado Edital de Processo Seletivo para cargo comissionado na Anvisa

Publicado Edital de Processo Seletivo para cargo comissionado na Anvisa Publicado Edital de Processo Seletivo para cargo comissionado na Anvisa A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulga Edital do Processo Seletivo destinado ao preenchimento do cargo em comissão

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 0 2014 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL CLAUDINO FRANCIO FACULDADE CENTRO MATO-GROSSENSE SORRISO/MT Portaria Nº 004/2015 Dispõe sobre Relatório Apresentado pela Comissão Própria

Leia mais

Resultado da Avaliação das Disciplinas

Resultado da Avaliação das Disciplinas Avaliação Curso Direito Imobiliário Registral Aplicado aos Bens Públicos DISCIPLINAS: 1- Propriedade e demais direitos reais 2- Modos de aquisição e perda da propriedade e demais direitos reais CARGA HORÁRIA:

Leia mais

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE CHEFE DA SEÇÃO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE CHEFE DA SEÇÃO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL MATRIZ DE COMPETÊNCIAS DE CHEFE DA SEÇÃO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CHEFE DA SEÇÃO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (F-5) Área: Administrativa Unidade: Secretaria de Gestão de Pessoas ATIVIDADE PRINCIPAL Responsável por

Leia mais

INFORMATIVO. Carreiras reestruturadas e concursos públicos realizados para. uma melhor prestação de serviços

INFORMATIVO. Carreiras reestruturadas e concursos públicos realizados para. uma melhor prestação de serviços INFORMATIVO GESTÃO DE PESSOAS 2013-2016 Maio - 2016 Carreiras reestruturadas e concursos públicos realizados para uma melhor prestação de serviços uma sociedade cada vez mais complexa e dinâmica exige

Leia mais

Instruções. Formulário de Gerenciamento de Estágio Probatório

Instruções. Formulário de Gerenciamento de Estágio Probatório Instruções Formulário de Gerenciamento de Estágio Probatório 1. O instrumento de gerenciamento do estágio probatório está dividido em Dimensões (constituídas por Fatores) e Comportamentos, de acordo com

Leia mais

PRIORIDADES EM SERVIÇOS E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO. Professora Andréia Ribas rp_andreiaribas@hotmail.com

PRIORIDADES EM SERVIÇOS E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO. Professora Andréia Ribas rp_andreiaribas@hotmail.com PRIORIDADES EM SERVIÇOS E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Professora Andréia Ribas rp_andreiaribas@hotmail.com Organização Processo de estabelecer relações entre as pessoas e os recursos disponíveis tendo em vista

Leia mais

I Encontro de Integração dos Servidores da Defensoria Pública com foco no atendimento Humanizado - Área metropolitana. Data: 11/02/2011 Outros comentários (pontos fortes e melhorias que poderão ser feitas)

Leia mais

Project Management Institute Código de Ética e Conduta Profissional Traduzido por Mauro Sotille, PMP

Project Management Institute Código de Ética e Conduta Profissional Traduzido por Mauro Sotille, PMP Project Management Institute Código de Ética e Conduta Profissional Traduzido por, PMP CAPÍTULO I. VISÃO E APLICABILIDADE 1.1 Visão e Propósito Como profissionais de gerenciamento de projetos, nós estamos

Leia mais

Belém PA, Maio 2012. Categoria: Pesquisa e Avaliação. Setor Educacional: Educação Universitária. Macro: Sistemas e Instituições de EAD

Belém PA, Maio 2012. Categoria: Pesquisa e Avaliação. Setor Educacional: Educação Universitária. Macro: Sistemas e Instituições de EAD 1 A QUALIDADE DOS CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA: CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS E BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UAB Belém PA, Maio 2012 Categoria: Pesquisa e Avaliação

Leia mais

PRINCÍPIOS CORPORATIVOS

PRINCÍPIOS CORPORATIVOS PRINCÍPIOS CORPORATIVOS Os princípios corporativos do grupo Witzenmann Witzenmann GmbH Östliche Karl-Friedrich-Str. 134 75175 Pforzheim Telefone +49 7231 581-0 Fax +49 7231 581-820 wi@witzenmann.com www.witzenmann.de

Leia mais

Treinamento. Roteiro da Teleaula. Roteiro da Teleaula. Gestão de RH. Prof: Roberto Huck

Treinamento. Roteiro da Teleaula. Roteiro da Teleaula. Gestão de RH. Prof: Roberto Huck Gestão de RH Prof: Roberto Huck Treinamento Roteiro da Teleaula 1. Cenário atual; 2. Conceito de Treinamento e Desenvolvimento; 3. Desenvolvimento de Pessoas e Desenvolvimento Organizacional; 4. Mútuo

Leia mais

ANEXO I-A FICHA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO GRUPO GERENCIAL ANO: 1. Identificação AVALIADO Nome: Matrícula: Cargo: AVALIADOR Nome: Matrícula: Cargo:

ANEXO I-A FICHA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO GRUPO GERENCIAL ANO: 1. Identificação AVALIADO Nome: Matrícula: Cargo: AVALIADOR Nome: Matrícula: Cargo: ANEXO I-A FICHA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO GRUPO GERENCIAL ANO: 1. Identificação AVALIADO Unidade de Lotação: Local de Trabalho: AVALIADOR 2. Realização da avaliação 3. Período da Avaliação Pela chefia imediata

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. 1 Elaborar cuidadosamente o planejamento da organização e assegurar que o mesmo seja executado.

ADMINISTRAÇÃO I. 1 Elaborar cuidadosamente o planejamento da organização e assegurar que o mesmo seja executado. 3 PAPEL DOS GERENTES Os gerentes são os protagonistas do processo administrativo. Eles são responsáveis por coordenar o trabalho dos outros funcionários da empresa. Não existe apenas um modelo administrativo,

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência.

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência. KIT_PEDA_EST_MEIO_5:FERIAS_5_6 09/12/28 15:07 Page 1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 5 Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência ISBN

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 3 Criação, Estruturação, Montagem e Gerenciamento de uma Equipe de Projeto

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 3 Criação, Estruturação, Montagem e Gerenciamento de uma Equipe de Projeto Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 3 Criação, Estruturação, Montagem e Gerenciamento de uma Equipe de Projeto Tópicos Abordados Criação, Estruturação e Gerenciamento de uma Equipe de Projeto. O Papel

Leia mais

PESQUISA TÉCNICA COORDENAÇÃO DAS LICENCIATURAS DIVERSAS 2010.2

PESQUISA TÉCNICA COORDENAÇÃO DAS LICENCIATURAS DIVERSAS 2010.2 PESQUISA TÉCNICA COORDENAÇÃO DAS LICENCIATURAS DIVERSAS 2010.2 JUSTIFICATIVA PARA A PESQUISA: Demandas recorrentes de professores e equipe técnica sobre a falta de identidade dos alunos das Licenciaturas

Leia mais

O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001

O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001 O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001 Alexandre Nixon Soratto, Msc. (INMETRO) ansoratto@inmetro-sc.gov.br Gregório Varvakis, PhD. (UFSC) grego@egc.ufsc.br Resumo

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE CONSERVATÓRIO REGIONAL DE GAIA Ano Letivo 2013 2014 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Regulamento Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento de Avaliação de Desempenho aplica-se a todos os docentes com

Leia mais

5.4.3 EDUCAÇÃO INFANTIL ATENDIMENTO EM CRECHES

5.4.3 EDUCAÇÃO INFANTIL ATENDIMENTO EM CRECHES 5.4.3 EDUCAÇÃO INFANTIL ATENDIMENTO EM CRECHES Foi realizada auditoria operacional com o objetivo de avaliar a qualidade do serviço prestado pelo Governo do Distrito Federal na área de educação, por meio

Leia mais

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Avaliação de: Sr. João Vendedor Preparada por: Consultor Caliper consultor@caliper.com.br Data: Copyright 2012 Caliper & Tekoare. Todos os direitos

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA IFSP/CJO

MANUAL DE ORIENTAÇÕES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA IFSP/CJO MANUAL DE ORIENTAÇÕES DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA IFSP/CJO Campos do Jordão 2015 SUMÁRIO 1 - APRESENTAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 3 a) Definição... 3 b) Legislação...

Leia mais

PROJETO LÍNGUA DE FORA

PROJETO LÍNGUA DE FORA DESCRIÇÃO PROJETO LÍNGUA DE FORA O, de responsabilidade dos professores da disciplina de estágio supervisionado das línguas espanhola, francesa e inglesa, corresponde a 50 horas de estágio, das 200 horas

Leia mais

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional:

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

Competências organizacionais

Competências organizacionais GESTÃO DO PROCESSO JUDICIAL Capacidade de coordenar e controlar as atividades processuais, entregando com eficiência e presteza a tutela jurisdicional. EXCELÊNCIA NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Capacidade para

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE DILERMANDO DE AGUIAR/RS

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE DILERMANDO DE AGUIAR/RS UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE DILERMANDO DE AGUIAR/RS Vagner Hörz - Universidade Federal de Santa Maria-UFSM. Maiara Talgatti - Universidade Federal

Leia mais

Cultura do Planejamento Estratégico e Gestão do Desempenho

Cultura do Planejamento Estratégico e Gestão do Desempenho Cultura do Planejamento Estratégico e Gestão do Desempenho Alexandre Kalil Pires Gerente de Projeto - SEGES/MP A Função do Planejamento Estratégico Construir, junto a alta administração, um consenso sobre

Leia mais

Ética no exercício da Profissão

Ética no exercício da Profissão Titulo: Ética no exercício da Profissão Caros Colegas, minhas Senhoras e meus Senhores, Dr. António Marques Dias ROC nº 562 A nossa Ordem tem como lema: Integridade. Independência. Competência. Embora

Leia mais

Programa SEBRAE de Excelência em Gestão

Programa SEBRAE de Excelência em Gestão Programa SEBRAE de Excelência em Gestão Junho de 2013 Fundação Nacional da Qualidade FNQ - Projeto PSEG 2012 - slide 2 Direitos Reservados Objetivo Implantar o Modelo de Excelência da Gestão da FNQ em

Leia mais

Processos Administrativos de Compras

Processos Administrativos de Compras Processos Administrativos de Compras INTRODUÇÃO A função compras é um segmento essencial do Departamento de Materiais e Suprimentos, que tem pôr finalidade suprir as necessidades de materiais ou serviços

Leia mais

RESOLUÇÃO SESQV Nº 006 DE 15 DE SETEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO SESQV Nº 006 DE 15 DE SETEMBRO DE 2011. RESOLUÇÃO SESQV Nº 00 DE 15 DE SETEMBRO DE 011. Estabelece as metas e indicadores de desempenho e fixa critério de distribuição da gratificação variável da Secretaria Especial de Envelhecimento Saudável

Leia mais

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL?

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? 1 de 7 ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? Jéssica Alves de Oliveira Maria José dos Santos Chagas Tatiane de Fátima Silva Seixas RESUMO: De uma maneira geral, existe, por parte

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO(A) SERVIDOR(A) AVALIADO(A) IDENTIFICAÇÃO DA CHEFIA IMEDIATA

IDENTIFICAÇÃO DO(A) SERVIDOR(A) AVALIADO(A) IDENTIFICAÇÃO DA CHEFIA IMEDIATA Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas Diretoria de Desenvolvimento de Pessoas Divisão de Acompanhamento Funcional e Formação Permanente Setor de Acompanhamento

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO

Leia mais

IX Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NO PROGRAMA ADOLESCENTE APRENDIZ DA PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA

IX Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NO PROGRAMA ADOLESCENTE APRENDIZ DA PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA 1 IX Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NO PROGRAMA ADOLESCENTE APRENDIZ DA PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA KOLACHINSKI, Silvia Regina¹ smasaprendiz@hotmail.com NADAL, Isabela²

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 Semana de Tecnologia Gerenciamento de Projetos Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 ferreiradasilva.celio@gmail.com O que é um Projeto? Projeto é um "esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA 1 MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria do Tesouro Nacional TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de um consultor especializado no desenvolvimento de programas voltados à promoção da saúde e da qualidade de vida

Leia mais

Comportamento de grupos. Caso Uma Equipe Desunida. Trabalho em equipe

Comportamento de grupos. Caso Uma Equipe Desunida. Trabalho em equipe Agenda Comportamento de grupos Caso Uma Equipe Desunida Trabalho em equipe 1 Fundamentos do comportamento de grupos 1 Aula 6 Grupos e Equipes de Trabalho Ref.: Robbins, caps. 7 e 8 Definição Um grupo é

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO EM MATEMÁTICA Manual do Professor Módulo 2 Números Racionais, Operações e Resolução de Problemas

PROJETO DE RECUPERAÇÃO EM MATEMÁTICA Manual do Professor Módulo 2 Números Racionais, Operações e Resolução de Problemas PROJETO DE RECUPERAÇÃO EM MATEMÁTICA Manual do Professor Módulo 2 Números Racionais, Operações e Resolução de Problemas Prezado(a) Professor(a) Este manual de orientações tem a finalidade de sugerir um

Leia mais

TEXTO PRODUZIDO PELA GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE

TEXTO PRODUZIDO PELA GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE TEXTO PRODUZIDO PELA GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE Avaliação institucional: potencialização do processo ensino e aprendizagem A avaliação institucional é uma prática recente

Leia mais

O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO CURSO ON-LINE CONTABILIDADE PARA PROFISSIONAIS NÃO CONTADORES

O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO CURSO ON-LINE CONTABILIDADE PARA PROFISSIONAIS NÃO CONTADORES 1 O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO CURSO ON-LINE CONTABILIDADE PARA PROFISSIONAIS NÃO CONTADORES 100-TC-B5 05/2005 Daniela Karine Ramos Ilog Tecnologia, dadaniela@gmail.com B - Conteúdos

Leia mais

Definição: O escopo de um projeto descreve todos os seus produtos, os serviços necessários para realizá-los e resultados finais esperados. Descreve também o que é preciso fazer para que alcance seus objetivos

Leia mais

GUIA DO PARTICIPANTE

GUIA DO PARTICIPANTE Curso Aprofundamento para INSPAC Submódulo Operações Aeronáuticas e Aeroportuárias Orientações Gerais GUIA DO PARTICIPANTE A Gerência Técnica de Capacitação - GTCA da Superintendência de Gestão de Pessoas

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais para

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS ESTUDO DA INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO NA MOTIVAÇÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS YARA DE MATOS MENDES 1, WEMERTON LUÍS EVANGELISTA 2, MYRIAM ANGÉLICA DORNELAS 3, RITA DE CÁSSIA DA SILVA COSTA 4 RESUMO

Leia mais