QUESTIONÁRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DE PROFESSOR. Professor: Data / / Disciplina:

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUESTIONÁRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DE PROFESSOR. Professor: Data / / Disciplina:"

Transcrição

1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA de São Paulo, Campus Avançado de Matão, base em Sertãozinho Relatório de Avaliação Interna RELATÓRIO DA AVALIAÇÃO INTERNA DO CAMPUS AVANÇADO DE MATÃO A CPA composta pelos membros eleitos em maio/2011: Representante docente: Janete Werle de Camargo Liberatori Representante discente: Ana Luiza Diniz Felipe Representante técnico administrativo: Alexandre Cestari Representante da sociedade civil: Claudionice Bellintani disponibilizou em junho/2011 um questionário com 33 questões para o corpo discente, 39 para o corpo docente e 09 para o corpo técnico administrativo, que contemplaram as dimensões estabelecidas pela Lei n /04, artigo 3. Os questionários foram enviados via para serem preenchidos e retornados à subcomissão deste campus. O convite ao preenchimento destes foi realizado verbalmente em todas as salas de aula e por aos professores e técnicos administrativos. Os questionários e os resultados obtidos são apresentados a seguir. AVALIAÇÃO REALIZADA PELOS DOCENTES QUESTIONÁRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DE PROFESSOR Professor: Data / / Disciplina: INSTRUÇÕES I - As frases a seguir refletem algumas formas que podem descrever o modo de ensinar dos professores. Assinale em cada item como você julga que este é descritivo do seu modo de ensinar. Procure verificar se cada item descreve seu comportamento e não como você gostaria de ser.

2 Quando Estou Ensinando Eu: Pouco descritivo Medianamente Bem descritivo descritivo 1. Discuto outros pontos de vista diferentes do meu 2. Destaco as implicações contrastantes das várias teorias 3. Discuto desenvolvimentos mais recentes do assunto 4. Cito referências a respeito dos pontos mais interessantes 5. Enfatizo a compreensão dos conceitos Quando Estou Ensinando Eu: Pouco descritivo Medianamente Bem descritivo descritivo 6. Explico o mais claramente possível 7. Estou bem preparado 8. Apresento aulas que são fáceis de acompanhar 9. Sumarizo os pontos principais 10. Defino os objetivos em cada aula 11. Identifico o que acho ser importante 12. Encorajo a discussão entre alunos 13. Incentivo os alunos a compartilhar suas experiências e conhecimentos 14. Encorajo os alunos a criticar meus pontos de vista 15. Sei quando os alunos estão me compreendendo ou não Quando Estou Ensinando Eu: Pouco descritivo Medianamente Bem descritivo descritivo 17. Sei quando os alunos estão confusos ou entediados 18.Tenho um interesse genuíno em relação aos alunos 19.Presto auxílio pessoal aos alunos com dificuldade no curso 20.Relaciono-me com os alunos como seres humanos 21.Mostro-me acessível aos alunos fora da sala de aula 22.Tenho um estilo interessante de apresentar as aulas 23.Sou entusiasmado pelo assunto que ensino 24.Procuro variar o tom e a velocidade de voz 25.Tenho interesse e preocupação pela qualidade do meu ensino 26.Motivo os alunos a fazer tudo com a melhor qualidade possível Quando Estou Ensinando Eu: Pouco descritivo Medianamente Bem descritivo descritivo 27.Dou exercícios e tarefas que sejam interessantes e estimulantes 28.Dou os testes e exames que representam sínteses de parte do curso 29.Dou testes e exames que permitam aos alunos demonstrar seus conhecimentos e

3 habilidades 30.Mantenho os alunos informados de seu progresso II - No bloco a seguir você vai opinar sobre a avaliação dos alunos a respeito do seu curso. Em cada item você terá como opções: nem sempre útil, um pouco útil, muito útil, não se aplica. Qual foi a utilidade das avaliações dos alunos para que você melhorasse: Nem Sempre Útil UM Pouco Útil Muito Útil Não Se Aplica 31.O conteúdo e materiais do curso ( ) 32.Os exercícios e as provas ( ) 33.A estrutura ou organização do ( ) curso 34.Os métodos e abordagens ( ) adotados para ensinar III - Neste bloco você irá opinar sobre o nível de satisfação com o curso que ministrou no último semestre. Escolha uma única opção Muito insatisfeito, necessita muitas melhorias ( ) 3.2. De modo geral satisfeito, necessita poucas melhorias ( ) 3.3. Muito satisfeito, não há o que alterar ( ) IV - Neste bloco você irá opinar sobre o seu nível de satisfação em relação à turma que acaba de realizar o seu curso. Indique qual a nota de cada item abaixo variando de 1 para baixo desempenho até 5 para um alto desempenho. Muito Baixo Muito Alto 4.1. Meu nível de satisfação com essa turma O nível de interesse dos alunos do curso O nível de aproveitamento/performance dos alunos do curso V - Neste bloco você (se desejar) poderá acrescentar sugestões de itens a serem inseridos nas próximas avaliações. AVALIAÇÃO REALIZADA PELOS ALUNOS

4 QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO - CPA Prezado Aluno: O objetivo deste instrumento é colher informações dos alunos com relação ao andamento das disciplinas, do curso e da estrutura do Instituto Federal de São Paulo, campus Avançado de Matão. Leia atentamente cada item de avaliação e instruções para preenchimento das grades de resposta. INTRUÇÃO DE PREENCHIMENTO: Para responder aos questionários de avaliação docente e de avaliação de disciplina, identifique o código da disciplina, nome da disciplina, nome do professor. Atribua um grau a cada item de avaliação conforme a seguinte escala. 5 Ótimo 4 Muito Bom 3 Bom 2 Regular 1 Insuficiente 0 Não sei Nome da Disciplina: Código da Disciplina: ITENS DE AVALIAÇÃO DA DISCIPLINA 1. Sobre o planejamento da disciplina: O plano de ensino da disciplina representa um contrato de trabalho entre professor e alunos dando a estes condições de organizarem-se antecipadamente para as tarefas que serão exigidas ao longo do semestre. Geralmente contém: Objetivos, conteúdos, sistema de avaliação, atividades a serem realizadas. O plano de ensino foi apresentado e contém os itens essenciais. 2. Sobre o desenvolvimento geral da disciplina: 2.1. A totalidade dos conteúdos previstos para a disciplina foi desenvolvida Os objetivos de aprendizagem da disciplina foram alcançados A disciplina contribuiu como desenvolvimento da capacidade intelectual do aluno, não se restringindo à memorização A carga horária total da disciplina foi cumprida e bem aproveitada A disciplina incluiu exercícios, trabalhos práticos e de laboratório (se for o caso), e outros A disciplina usou efetivamente os conhecimentos exigidos como pré-requisitos (identifique no verso os que não foram usados) Estou satisfeito com o que aprendi na disciplina. ITENS DE AVALIAÇÃO DOCENTE 1. Demonstrou segurança na exposição dos conteúdos, expondo-os com clareza e destacando aspectos importantes da matéria. 2. Enriqueceu as aulas com resultados de pesquisa e/ou material atualizado. 3. Desenvolveu as aulas com objetividade, utilizando recursos e procedimentos apropriados. 4. Incentivou a participação dos alunos, acatando o seu questionamento crítico e suas contribuições. 5. Exigiu raciocínio crítico dos alunos. 6. Estabeleceu um relacionamento positivo com os alunos, mostrando-se disponível para atendê-los sempre que possível. 7. Apresentou e deixou claros os procedimentos e critérios de avaliação, com os alunos. 8. Utilizou instrumentos (provas, trabalhos, etc) de avaliação compatíveis com os conhecimentos, habilidades e atitudes desenvolvidas na disciplina. 9. Analisou com os alunos os resultados das avaliações e esclareceu as dúvidas. 10.Estabeleceu relações entre conteúdos de sua disciplina e os conteúdos das demais disciplinas que compõem o todo da profissão. AUTO AVALIAÇÃO

5 1. Dediquei à disciplina todo esforço e energia de que sou capaz. 2. Frequentei as aulas com concentração e interesse. 3. Complementei o conteúdo passado em aula com pesquisa em livros e outras fontes de informação. AVALIAÇÃO DO CURSO 1. O curso oferecido é compatível com a necessidade de profissionais na região. 2. Este curso contribui para o desenvolvimento da comunidade. 3. Existe a necessidade de novos cursos para atender esta região. Coloque suas sugestões no verso desta folha. 4. O curso oferece incentivo à pesquisa. 5. Existe a oferta de bolsas de iniciação científica neste campus. AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA OFERECIDA PELO CAMPUS 1. A biblioteca está atendendo a necessidade das disciplinas que estão sendo cursadas. 2. O ambiente físico para as aulas é adequado. 3. Os laboratórios atendem as aulas práticas com eficiência. 4. Os equipamentos presentes nos laboratórios são aplicáveis para as práticas desenvolvidas. 5. Existem equipamentos que não estão funcionando. 6. Você se sente seguro dentro do IFSP campus Avançado de Matão. 7. A equipe administrativa é suficiente para atender a necessidade do campus. CURSO: DATA: / /. AVALIAÇÃO REALIZADA PELO CORPO ADMINISTRATIVO QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO - CPA Prezado Técnico-Administrativo: O objetivo deste instrumento é colher informações dos servidores do corpo técnico-administrativo com relação ao andamento de suas atividades e da estrutura do Instituto Federal de São Paulo, campus Avançado de Matão. Leia atentamente cada item de avaliação e instruções para preenchimento das grades de resposta. INTRUÇÃO DE PREENCHIMENTO: Para responder aos questionários atribua um grau a cada item de avaliação conforme a seguinte escala. 5 Ótimo 4 Muito Bom 3 Bom 2 Regular 1 Insuficiente 0 Não sei ITENS DE AVALIAÇÃO DE ATIVIDADES 1. As atividades desenvolvidas estão dentro das atribuições para seu cargo. 2. As orientações recebidas são suficientes e claras para o desempenho de suas atividades. 3. O IFSP oferece incentivos para participação em cursos de capacitação e pós graduação.

6 ITENS DE AVALIAÇÃO DA ESTRUTURA FÍSICA DO CAMPUS 2.1. O espaço físico para desenvolvimento de suas atividades é adequado Existem equipamentos suficientes para desempenho de seu trabalho Você se sente seguro dentro do campus Está satisfeito com a função que vem desempenhando no IFSP. 3. Auto-avaliação: Dedico ao meu trabalho todo esforço e energia de que sou capaz. Procuro colaborar com a equipe sempre que sou solicitado DATA: / /. As respostas aos questionários foram analisadas pela subcomissão CPA deste campus e são apresentadas na forma gráfica para facilitar a leitura. Corpo docente Os resultados das primeiras 33 questões que mostram a auto avaliação dos docentes e são apresentados na figura (%) Questões pouco descritivo medianamente descritivo bem descritivo não se aplica Figura 1: Auto avaliação docente. Observamos que para questões como estar preparado para as aulas, explicar o mais claramente possível o assunto, saber quando os alunos estão compreendendo o conteúdo e o respeito aos alunos como seres humanos são itens bem descritivos para todos os docentes, mostrando a plena consciência de cada docente que respondeu a este questionário com relação a sua função no IFSP.

7 As respostas das questões relacionadas ao nível de satisfação de cada docente com o curso que ministrou no último semestre foram unânimes e mostraram um grupo de modo geral satisfeito, sugerindo apenas a necessidade de poucas melhorias. O bloco onde os docentes opinaram sobre o seu nível de satisfação em relação à turma que acabou de realizar o seu curso envolveu questões relacionadas ao nível de satisfação com a turma, ao interesse dos alunos com o curso e ao aproveitamento dos alunos do curso. Os professores deram notas para cada item, variando de 1 para baixo desempenho até 5 para alto desempenho. A figura 2 mostra estes resultados. Questões muito alto alto médio baixo muito baixo (%) Figura 2: Nível de satisfação dos docentes. Corpo discente As respostas dos alunos são apresentadas abaixo na forma de gráficos para melhor visualização dos resultados, de acordo com cada bloco de questões. Foi feito uma média das respostas dadas pelos alunos para cada questão e disciplina e os resultados são apresentados a seguir. A grande maioria dos alunos optou por não responder este questionário e esta opção foi aceita por não termos estrutura para impressão dos questionários de forma a solicitarmos as respostas em sala de aula. Aguardamos que enviassem via e a aceitação foi baixa, apenas 6% dos discentes retornaram nossa solicitação. Para a próxima avaliação gostaríamos de trabalhar com questionários os impressos de forma a termos um resultado mais representativo.

8 Os itens planejamento e desenvolvimento da disciplina foram avaliados através de 8 questões onde os alunos deram notas de 0 a 5, sendo: 5 Ótimo 4 Muito Bom 3 Bom 2 Regular 1 Insuficiente 0 Não sei A figura 3 apresenta os resultados deste item questão 1 questão 2 questão 3 questão 4 questão 5 questão 6 questão 7 questão 8 Figura 3: Planejamento e desenvolvimento da disciplina. O corpo discente também respondeu questões relacionadas aos docentes com os quais tiveram aulas neste semestre 01/2011. Suas respostas seguiram a mesma orientação do primeiro item e estão na figura Série1 Série2 Série3 Série4 Série5 Série6 Série7 Série8 Série9 Série10 Figura 4: Avaliação docente.

9 A auto avaliação dos discentes é apresentada na figura 5, seguindo a mesma orientação dos itens anteriores Série1 Série2 Série3 Figura 5: Auto avaliação discente. A avaliação do curso pelos alunos é apresentada na figura 6, respondendo as questões conforme orientação dada nos outros itens acima citados. questão 5 questão 4 questão 3 questão 2 questão 1 Figura 6: Avaliação do curso Avaliação O último item avaliado pelos discentes foi com relação a estrutura do campus e suas respostas estão apresentadas na figura 7.

10 questão 7 questão 6 questão 5 questão 4 questão 3 questão 2 questão Avaliação Figura 7: Avaliação da estrutura do campus. 5 Corpo técnico administrativo A avaliação da equipe técnica administrativa foi realizada respondendo a questionários seguindo a escala: 5 Ótimo 4 Muito Bom 3 Bom 2 Regular 1 Insuficiente 0 Não sei Com relação ao desenvolvimento das atividades de trabalho dos administrativos as respostas por estes dadas são apresentada na figura 8. questão 3 questão 2 questão Avaliação Figura 8: Atividades técnica administrativa.

11 Também foi avaliada pelos administrativos a estrutura física do campus e as respostas são apresentadas na figura 9. questão 4 questão 3 questão 2 questão Avaliação Figura 9: Estrutura física do campus. Foi realizada também uma auto avaliação pela equipe técnica administrativa conforme resultados apresentados na figura 10. questão 2 questão Avaliação Figura 10: Auto avaliação dos administrativos. Os dados coletados para compor este relatório estão arquivados no IFSP campus avançado de Matão.

12 Matão, 20 de julho de Janete Werle de Camargo Liberatori Representante docente Presidente Cláudia Sgorlon Diretora do Campus Avançado Matão

FATEGÍDIO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

FATEGÍDIO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FATEGÍDIO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL T. OTONI, DEZEMBRO DE 2010 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 4 2 METODOLOGIA DA PESQUISA... 9 3 FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO...12 4 CONCLUSÃO...

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 068/2009

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 068/2009 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 068/2009 Estabelece Critérios e Procedimentos para a Avaliação do Desempenho Docente nos Cursos de Graduação da UnC. O Reitor da Universidade do Contestado no uso de suas atribuições,

Leia mais

CAMPUS BRUMADO DEPEN / COTEP P L A N O D E E N S I N O-APRENDIZAGEM. Manual de instruções. Prezado Professor e prezada Professora,

CAMPUS BRUMADO DEPEN / COTEP P L A N O D E E N S I N O-APRENDIZAGEM. Manual de instruções. Prezado Professor e prezada Professora, CAMPUS BRUMADO DEPEN / COTEP P L A N O D E E N S I N O-APRENDIZAGEM Manual de instruções Prezado Professor e prezada Professora, Apresentamo-lhes o modelo de Plano de Ensino-Aprendizagem para o Ensino

Leia mais

SUMÁRIO RELAÇÃO DE PONTUAÇÃO.3 01 AVALIAÇÃO DOS COORDENADORES PELA DIREÇÃO.4 02 AVALIAÇÃO DO CORPO DOCENTE PELOS COORDENADORES.21 14.22 14.

SUMÁRIO RELAÇÃO DE PONTUAÇÃO.3 01 AVALIAÇÃO DOS COORDENADORES PELA DIREÇÃO.4 02 AVALIAÇÃO DO CORPO DOCENTE PELOS COORDENADORES.21 14.22 14. SUMÁRIO RELAÇÃO DE PONTUAÇÃO...3 01 AVALIAÇÃO DOS COORDENADORES PELA DIREÇÃO......4 02 AVALIAÇÃO DO CORPO DOCENTE PELOS COORDENADORES...5 03 AVALIAÇÃO DA DIREÇÃO PELA COORDENAÇÃO...6 04 AVALIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA. Relatório da Auto Avaliação Institucional 2014

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA. Relatório da Auto Avaliação Institucional 2014 COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA Relatório da Auto Avaliação Institucional 2014 1 FACULDADE SENAI CETIQT COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO O SENAI CETIQT, atento ao seu compromisso com a excelência de ensino,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO MANUAL DO AVALIADOR Avaliar é fazer análise e ter a oportunidade de rever, aperfeiçoar, fazer de forma diferente, sempre em busca de eficácia e resultados. Gartner & Sánchez As

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO. Projeto Monitoria CAp 2014

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO. Projeto Monitoria CAp 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE EDUCAÇÃO COLÉGIO DE APLICAÇÃO Projeto Monitoria CAp 2014 1. Definição O Projeto Monitoria CAp é uma ação institucional que abre mais um espaço de aprendizagem

Leia mais

GUIA DO PARTICIPANTE

GUIA DO PARTICIPANTE Curso Aprofundamento para INSPAC Submódulo Operações Aeronáuticas e Aeroportuárias Orientações Gerais GUIA DO PARTICIPANTE A Gerência Técnica de Capacitação - GTCA da Superintendência de Gestão de Pessoas

Leia mais

FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2014 REFERENTE A 2013

FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2014 REFERENTE A 2013 FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2014 REFERENTE A 2013 ELABORADO DE ACORDO COM O MODELO DO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - COMISSÃO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CONAES/INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS JUNHO/2011 CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. Os cursos de Pós Graduação Lato Sensu da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais 5.1. Conclusões A presente dissertação teve o objetivo principal de investigar a visão dos alunos que se formam em Administração sobre RSC e o seu ensino. Para alcançar esse objetivo,

Leia mais

Formulário de Pesquisa Institucional Clubes de Lions do Distrito LC 1 Para a Gestão 2013/2014 do Governador CL Fernando da Silva Mota e DM e CaL Vera

Formulário de Pesquisa Institucional Clubes de Lions do Distrito LC 1 Para a Gestão 2013/2014 do Governador CL Fernando da Silva Mota e DM e CaL Vera Formulário de Pesquisa Institucional Clubes de Lions do Distrito LC 1 Para a Gestão 2013/2014 do Governador CL Fernando da Silva Mota e DM e CaL Vera Maria da Costa Mota Objetivo da Pesquisa Instiitucional:

Leia mais

PADRÕES DE QUALIDADE OUTUBRO 2000

PADRÕES DE QUALIDADE OUTUBRO 2000 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICA DO ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE FARMÁCIA PADRÕES

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA

DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA DESCRIÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO DA INICIATIVA Como é sabido existe um consenso de que é necessário imprimir qualidade nas ações realizadas pela administração pública. Para alcançar esse objetivo, pressupõe-se

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA FACULDADES INTEGRADAS IPITANGA - UNIBAHIA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL CORPO DISCENT APRESENTAÇÃO 1. A Avaliação Institucional com o corpo discente é parte do processo de

Leia mais

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA N.4/2014 PROCEDIMENTO DE OBSERVAÇÃO DE AULA

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA N.4/2014 PROCEDIMENTO DE OBSERVAÇÃO DE AULA Faculdade Adventista da Bahia Assessoria Pedagógica BR-101, km 197, Capoeiruçu Caixa Postal 18 Cachoeira BA CEP: 44.300-000 Brasil e-mail: selcr25@gmail.com ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA N.4/2014 PROCEDIMENTO

Leia mais

Belém PA, Maio 2012. Categoria: Pesquisa e Avaliação. Setor Educacional: Educação Universitária. Macro: Sistemas e Instituições de EAD

Belém PA, Maio 2012. Categoria: Pesquisa e Avaliação. Setor Educacional: Educação Universitária. Macro: Sistemas e Instituições de EAD 1 A QUALIDADE DOS CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA: CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS E BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UAB Belém PA, Maio 2012 Categoria: Pesquisa e Avaliação

Leia mais

PLANO DE ENSINO - 1S - 2011 - FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS

PLANO DE ENSINO - 1S - 2011 - FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS PLANO DE ENSINO - 1S - 2011 - FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO: Curso Superior de Tecnologia em Negócios Imobiliários TURNO: Noturno DISCIPLINA: Gestão Mercadológica de Vendas SEMESTRE: 3º semestre

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEISDA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BACABAL FEBAC Credenciamento MEC/Portaria: 472/07 Resolução 80/07

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BACABAL FEBAC Credenciamento MEC/Portaria: 472/07 Resolução 80/07 BACABAL-MA 2012 PLANO DE APOIO PEDAGÓGICO AO DOCENTE APRESENTAÇÃO O estímulo à produção intelectual do corpo docente é uma ação constante da Faculdade de Educação de Bacabal e para tanto procura proporcionar

Leia mais

DAS ORIENTAÇÕES E MODELO DE PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL- PAES IFAM

DAS ORIENTAÇÕES E MODELO DE PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL- PAES IFAM . DAS ORIENTAÇÕES E MODELO DE PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL- PAES IFAM 1 CAPA Título do projeto de intervenção, linha de ação dos Programas Integrais da PAES- IFAM contemplada, campus

Leia mais

REGULAMENTO DA MONITORIA DOS CURSOS SUPERIORES

REGULAMENTO DA MONITORIA DOS CURSOS SUPERIORES REGULAMENTO DA MONITORIA DOS CURSOS SUPERIORES Considerando o artigo 84 da LDB nº 9.394/96 o qual estabelece que: Os discentes da educação superior poderão ser aproveitados em tarefas de ensino e pesquisa

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 0 2014 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL CLAUDINO FRANCIO FACULDADE CENTRO MATO-GROSSENSE SORRISO/MT Portaria Nº 004/2015 Dispõe sobre Relatório Apresentado pela Comissão Própria

Leia mais

Padrões de Qualidade e Roteiro para Avaliação dos Cursos de Graduação em Artes Visuais (Autorização e Reconhecimento)

Padrões de Qualidade e Roteiro para Avaliação dos Cursos de Graduação em Artes Visuais (Autorização e Reconhecimento) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ARTES VISUAIS Padrões de Qualidade e Roteiro

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SERTANEJA Estado do Paraná

PREFEITURA MUNICIPAL DE SERTANEJA Estado do Paraná LEI COMPLEMENTAR Nº 53/2014 DE 29 DE AGOSTO DE 2014 Súmula: DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DE CARGOS DE PROVIMENTO EFETIVO DE PROFESSOR EM CAMPOS ESPECIFICOS NOS TERMOS DA LEI COMPLEMENTAR MUNICIPAL Nº 029/2010,

Leia mais

PLANEJAMENTO DE ATIVIDADES EM CURSOS PRESENCIAIS E SEMIPRESENCIAIS Ricardo Carvalho Rodrigues Faculdade Sumaré rieli@rieli.com

PLANEJAMENTO DE ATIVIDADES EM CURSOS PRESENCIAIS E SEMIPRESENCIAIS Ricardo Carvalho Rodrigues Faculdade Sumaré rieli@rieli.com 1 PLANEJAMENTO DE ATIVIDADES EM CURSOS PRESENCIAIS E SEMIPRESENCIAIS Ricardo Carvalho Rodrigues Faculdade Sumaré rieli@rieli.com 1. Cenário no Brasil: o aspecto legal A Lei de Diretrizes e Bases da Educação,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE CURSINHOS POPULARES DO IFSP EDITAL Nº 593, DE 28 DE OUTUBRO DE 2015

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE CURSINHOS POPULARES DO IFSP EDITAL Nº 593, DE 28 DE OUTUBRO DE 2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE CURSINHOS POPULARES DO IFSP EDITAL Nº 593, DE 28 DE OUTUBRO DE 2015 O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), por meio de sua Pró-reitoria de

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Atualização do Regimento de 2012 Porto Alegre, março de 2015 Faculdade de Tecnologia de Porto Alegre Av. Julio de Castilhos,

Leia mais

PORTARIA C. FARM - 02/2004 Coordenadoria do Curso de Farmácia REGULAMENTO DE MONITORIA

PORTARIA C. FARM - 02/2004 Coordenadoria do Curso de Farmácia REGULAMENTO DE MONITORIA PORTARIA C. FARM - 02/2004 Coordenadoria do Curso de Farmácia O coordenador do Curso de Farmácia, tendo em vista deliberação do Colegiado de Curso e a Resolução CONSU 02/2004, de 29 de abril de 2004, resolve:

Leia mais

MANUAL DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR TI - INTEGRADOR FAN CEUNSP

MANUAL DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR TI - INTEGRADOR FAN CEUNSP MANUAL DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR TI - INTEGRADOR FAN CEUNSP Salto 2010 MANUAL DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR TI / INTEGRADOR 0 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 TRABALHO INTERDISCIPLINAR (TI)... 3 ORGANIZAÇÃO...

Leia mais

Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Economia

Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Economia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ECONOMIA Padrões de Qualidade para Cursos

Leia mais

Questionário do (a) estagiário (a)

Questionário do (a) estagiário (a) Questionário do (a) estagiário (a) Caro Estagiário, A lei n 11.788/2008 dispõe que a instituição de Ensino deve exigir do educando o Relatório de Atividades de Estágio em prazo não superior a 06 meses,

Leia mais

Pró-Reitoria Acadêmica Coordenadoria de Graduação Serviço de Apoio ao Estudante GUIA DO MONITOR

Pró-Reitoria Acadêmica Coordenadoria de Graduação Serviço de Apoio ao Estudante GUIA DO MONITOR Pró-Reitoria Acadêmica Coordenadoria de Graduação Serviço de Apoio ao Estudante GUIA DO MONITOR 2008 SUMÁRIO 1 Introdução 2 O que é Monitoria 2 Quem é o Monitor do Cesupa 2 Competências e Deveres do Monitor

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Seleção de Bolsista Professor-Tutor para o Curso de Especialização em Saúde da Família

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Seleção de Bolsista Professor-Tutor para o Curso de Especialização em Saúde da Família UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Seleção de Bolsista Professor-Tutor para o Curso de Especialização em Saúde da Família A Coordenação do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Saúde da Família,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ARTICULAÇÃO PEDAGÓGICA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA Curitiba, 13 de março de 2015. Orientação referente aos Programas de Ampliação

Leia mais

Gestão em Sistemas de Saúde

Gestão em Sistemas de Saúde INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão em Sistemas de Saúde Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Aprovado no dia XX/XX/2013 Pró diretoria de

Leia mais

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES 1 PPA-UFCG PROGRAMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES (MAPAS VIVOS DA UFCG) 2 DIMENSÃO MISSÃO E PDI MAPAS VIVOS DE

Leia mais

Instruções para visita da Secretaria Municipal de Educação às escolas

Instruções para visita da Secretaria Municipal de Educação às escolas Instruções para visita da Secretaria Municipal de Educação às escolas Prezado participante, Como já explicado, iniciamos agora a etapa de diagnóstico do processo de desenvolvimento do Plano Municipal de

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS - APS

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS - APS REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS - APS O presente Regulamento normatiza as Atividades Práticas Supervisionadas (APS) nos cursos de graduação da Faculdade Shalom de Ensino Superior,

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE PARTE A (a preencher pelo coordenador do departamento curricular ou pelo conselho executivo se o avaliado for coordenador de um departamento curricular)

Leia mais

EDITAL DE EXTENSÃO Nº 15/2015 CHAMADA INTERNA PARA REALIZAÇÃO DE SEMANAS ACADÊMICAS

EDITAL DE EXTENSÃO Nº 15/2015 CHAMADA INTERNA PARA REALIZAÇÃO DE SEMANAS ACADÊMICAS EDITAL DE EXTENSÃO Nº 15/2015 CHAMADA INTERNA PARA REALIZAÇÃO DE SEMANAS ACADÊMICAS A PROEX torna pública a segunda chamada interna de inscrições de propostas para realização de Semanas Acadêmicas, que

Leia mais

Avaliação Consolidada do Curso de Administração. 2008/1 a 2011/1

Avaliação Consolidada do Curso de Administração. 2008/1 a 2011/1 Avaliação Consolidada do Curso de Administração 2008/1 a 2011/1 Avaliações A Equipe de Avaliação elaborou um relatório consolidado das avaliações realizadas pelos estudantes, mediante questionários, desde

Leia mais

1.1. ANÁLISE DOS DADOS 1.1.1. AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA: respondida por alunos, professores e coordenadores

1.1. ANÁLISE DOS DADOS 1.1.1. AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA: respondida por alunos, professores e coordenadores 1.1. ANÁLISE DOS DADOS 1.1.1. AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL INTERNA: respondida por alunos, professores e coordenadores No primeiro semestre de 2013 o questionário aplicado na Avaliação Interna passou por algumas

Leia mais

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE GENÉTICA Planejamento Estratégico 2012-2016 Março de 2012 2 Planejamento Estratégico DEPARTAMENTO DE GENÉTICA 1. Missão O Departamento

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DAS PLANILHAS PLANOS DE AÇÃO

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DAS PLANILHAS PLANOS DE AÇÃO MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA PREENCHIMENTO DAS PLANILHAS PLANOS DE AÇÃO OBSERVATÓRIO ESCOLAR OE CENTRO PAULA SOUZA Coordenadoria do Ensino Médio e Técnico Cetec Grupo de Supervisão educacional GSE [Este manual

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE DE RIO VERDE CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2011 2012 FACULDADE DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 1 Dimensão 2 - Acadêmico avaliando professor 1 - O professor comparece

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO SERVIDOR AVALIADO IDENTIFICAÇÃO DA CHEFIA IMEDIATA. BOM 7 ou 8. REGULAR 5 ou 6

IDENTIFICAÇÃO DO SERVIDOR AVALIADO IDENTIFICAÇÃO DA CHEFIA IMEDIATA. BOM 7 ou 8. REGULAR 5 ou 6 2013/2014 IDENTIFICAÇÃO DO SERVIDOR AVALIADO IDENTIFICAÇÃO DA CHEFIA IMEDIATA 1 - ASSIDUIDADE/PONTUALIDADE: Comparecimento com regularidade e exatidão ao lugar onde tem de desempenhar suas tarefas em horário

Leia mais

RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 54/2009/CONEPE Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular do

Leia mais

PESQUISA CPA Curso de Administração

PESQUISA CPA Curso de Administração PESQUISA CPA Curso de Administração Perfil socioeconômico do Aluno Trabalha e Estuda Trabalha Sim Não 56,7% Estado Civil Trabalha Solteiro Casado União II Quanto ao Curso Conhecimento da matriz Curricular

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO POR MEIO DA WEB

ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO POR MEIO DA WEB ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO POR MEIO DA WEB 1 Com finalidade de auxiliar nas respostas às perguntas formuladas ou de esclarecer alguma dúvida sobre questões que não foram expressas

Leia mais

Questionário para área Operacional

Questionário para área Operacional Questionário para área Operacional Pontualidade Chega no horário e cumpre os horários estipulados pela empresa, além de respeitar o cronograma do setor no atendimento às solicitações de serviços. Zelo

Leia mais

Lançada pela Fundação Schlumberger em 2004, a Universidade para o Futuro cresceu para se tornar uma comunidade de 142 mulheres em 43 países.

Lançada pela Fundação Schlumberger em 2004, a Universidade para o Futuro cresceu para se tornar uma comunidade de 142 mulheres em 43 países. Próxima sessão de concessão de bolsas de estudo A sessão de concessão de bolsas de estudo de 2011 abrirá para inscrições a partir de 15 de setembro de 2010. Formulários de orientação e inscrição estarão

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ESTÁGIO DOCENTE (PED) CENTRO UNIVERSITÁRIO MONTE SERRAT UNIMONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ESTÁGIO DOCENTE (PED) CENTRO UNIVERSITÁRIO MONTE SERRAT UNIMONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ESTÁGIO DOCENTE (PED) CENTRO UNIVERSITÁRIO MONTE SERRAT UNIMONTE Junho /2011 1. Introdução Atualmente a UNIMONTE oferece cursos de pós-graduação nas áreas de Saúde, Educação,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA EM CURSOS SUPERIORES E SUBSEQUENTES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA EM CURSOS SUPERIORES E SUBSEQUENTES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS OSÓRIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA ACADÊMICA

Leia mais

PROJETO INTEGRADO DE ENERGIA E AMBIENTE

PROJETO INTEGRADO DE ENERGIA E AMBIENTE CURSO DE ENGENHARIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E AMBIENTE NORMAS GERAIS PARA O COMPONENTE CURRICULAR PROJETO INTEGRADO DE ENERGIA E AMBIENTE Profa. Cristine Schwanke PROJETO INTEGRADO DE ENERGIA E AMBIENTE

Leia mais

NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO DE PSICOPEDAGOGIA

NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO DE PSICOPEDAGOGIA NORMAS GERAIS DE ESTÁGIO DE PSICOPEDAGOGIA I - APRESENTAÇÃO Este manual destina-se a orientação dos procedimentos a serem adotados durante o estágio supervisionado. Procuramos ser objetivos e práticos

Leia mais

Trabalhando em equipes e resolvendo problemas: a aplicação do PBL em sala de aula

Trabalhando em equipes e resolvendo problemas: a aplicação do PBL em sala de aula Trabalhando em equipes e resolvendo problemas: a aplicação do PBL em sala de aula Prof. Ana Cláudia Fleck Coordenadora da Academia de Professores da ESPM-Sul São Paulo, 17 de junho de 2015. Agenda Introdução

Leia mais

Regulamento Projeto interdisciplinar

Regulamento Projeto interdisciplinar Regulamento Projeto interdisciplinar 1 Apresentação O presente manual tem como objetivo orientar as atividades relativas à elaboração do Projeto Interdisciplinar (PI). O PI é o estudo sobre um tema específico

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE AMERICANA TRABALHO INTERDISCIPLINAR DO 2º PERÍODO PITEX

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE AMERICANA TRABALHO INTERDISCIPLINAR DO 2º PERÍODO PITEX TRABALHO INTERDISCIPLINAR DO 2º PERÍODO PITEX 1S2013 CURSO DE PRODUÇÃO TÊXTIL 2º SEMESTRE FACULDADE DE TECNOLOGIA DE AMERICANA I. OBJETIVOS O objetivo geral deste projeto interdisciplinar é propiciar aos

Leia mais

Universidade Federal da Integração Latino Americana MANUAL DO ESTAGIÁRIO

Universidade Federal da Integração Latino Americana MANUAL DO ESTAGIÁRIO Universidade Federal da Integração Latino Americana MANUAL DO ESTAGIÁRIO MANUAL DO ESTAGIÁRIO PROGRAD - Pró-Reitoria de Graduação DEAC - Divisão de Estágios e Atividades Complementares Sumário 1. Apresentação...

Leia mais

Tutorial 7 Fóruns no Moodle

Tutorial 7 Fóruns no Moodle Tutorial 7 Fóruns no Moodle O Fórum é uma atividade do Moodle que permite uma comunicação assíncrona entre os participantes de uma comunidade virtual. A comunicação assíncrona estabelecida em fóruns acontece

Leia mais

Proposta de Curso de Especialização em Gestão e Avaliação da Educação Profissional

Proposta de Curso de Especialização em Gestão e Avaliação da Educação Profissional Proposta de Curso de Especialização em Gestão e Avaliação da Educação Profissional A Educação Profissional analisada sob a ótica de sua gestão e de sua avaliação de modo a instrumentalizar gestores educacionais

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO

MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO ADMINISTRAÇÃO 1 SUMÁRIO Lista de Anexos... 3 1. APRESENTAÇÃO... 4 2. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL... 5 3. DEFINIÇÕES... 5 4. OBJETIVOS... 6 5. PLANEJAMENTO E COMPETÊNCIAS...

Leia mais

Política de Formação da SEDUC. A escola como lócus da formação

Política de Formação da SEDUC. A escola como lócus da formação Política de Formação da SEDUC A escola como lócus da formação A qualidade da aprendizagem como objetivo estratégico A qualidade de uma escola é o resultado da qualidade da relação de ensino e aprendizagem

Leia mais

Lucia Maria Sá Barreto de Freitas

Lucia Maria Sá Barreto de Freitas RESOLUÇÃO DO CONSEPE Nº 12/2010 Aprova o Regulamento das Atividades de Estágio do Curso de Engenharia de Produção da FSSS e dá outras Providências. A PRESIDENTE DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-

Leia mais

REGULAMENTO PROJETO INTEGRADOR DE DISCIPLINAS

REGULAMENTO PROJETO INTEGRADOR DE DISCIPLINAS REGULAMENTO PROJETO INTEGRADOR DE DISCIPLINAS 1º/2014 REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DE DISCIPLINAS Cursos Superiores de Tecnologia da FIPP/Unoeste Das Disposições Preliminares O Projeto Integrador

Leia mais

MANUAL DO PIM Programa de Integração com o Mercado

MANUAL DO PIM Programa de Integração com o Mercado MANUAL DO PIM Programa de Integração com o Mercado Curitiba 2015 Manual do PIM Regras Gerais 2 S U M Á R I O 1. O QUE É O PIM... 3 2. OBJETIVOS DO TRABALHO DE APLICAÇÃO TECNOLÓGICA... 3 3. CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Resultado da Avaliação das Disciplinas

Resultado da Avaliação das Disciplinas Avaliação Curso Direito Imobiliário Registral Aplicado aos Bens Públicos DISCIPLINAS: 1- Propriedade e demais direitos reais 2- Modos de aquisição e perda da propriedade e demais direitos reais CARGA HORÁRIA:

Leia mais

Disciplina Duração Vagas

Disciplina Duração Vagas UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Edital 4 - Seleção de Bolsista Professor-Tutor para o Curso de Especialização em Educação Especial Deficiência Auditiva/Surdez A Coordenação do Curso de

Leia mais

Estágio Supervisionado Educação Básica - Matemática

Estágio Supervisionado Educação Básica - Matemática Estágio Supervisionado Educação Básica - Matemática Não se pretende que o estágio se configure como algo com finalidade em si mesmo, mas sim que se realize de modo articulado com o restante do curso. Para

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO...

RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO... Roteiro para elaboração de relatório parcial de estágio RELATÓRIO PARCIAL REFERENTE À ETAPA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NO CURSO Estudante: Orientador: Local / / SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 3 REFERÊNCIAS Identificação

Leia mais

FACULDADE DE HORTOLÂNDIA Ato de Recredenciamento: Port. 673, 25/05/2011, D.O.U, de 26/05/2011, Seção 1, págs. 18/19

FACULDADE DE HORTOLÂNDIA Ato de Recredenciamento: Port. 673, 25/05/2011, D.O.U, de 26/05/2011, Seção 1, págs. 18/19 INSTITUTO EDUCACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO Faculdade de Hortolândia REGULAMENTOS DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO SUPERIOR DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Hortolândia 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

PROFESSORES DE CIÊNCIAS E SUAS ATUAÇÕES PEDAGÓGICAS

PROFESSORES DE CIÊNCIAS E SUAS ATUAÇÕES PEDAGÓGICAS PROFESSORES DE CIÊNCIAS E SUAS ATUAÇÕES PEDAGÓGICAS PIAIA, Thaís; RICHTER, Luciana Iniciação Científica - Curso de Ciências Biológicas financiado pelo Programa PEIPSM/UFSM Universidade Federal de Santa

Leia mais

CPA Comissão Própria de Avaliação

CPA Comissão Própria de Avaliação CPA Comissão Própria de Avaliação AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Avaliação do Curso e da Faculdade VISÃO DISCENTE ÍNDICE. Quesitos avaliados pelos Discentes.... Resultados...0. Média Geral FATECE AVALIAÇÃO DOS

Leia mais

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento.

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento. PROGRAMA DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS FUNDEP REGULAMENTO PARA CADASTRAMENTO DE PROJETOS UFMG A Fundep//Gerência de Articulação de Parcerias convida a comunidade acadêmica da UFMG a cadastrar propostas de acordo

Leia mais

Atividades Complementares Curso de Gestão em Recursos Humanos

Atividades Complementares Curso de Gestão em Recursos Humanos Atividades Complementares Curso de Gestão em Recursos Humanos APRESENTAÇÃO As Atividades Complementares (AC) são práticas curriculares de caráter independente, interdisciplinar e transversal que visam

Leia mais

Escola Secundária José Saramago Mafra. Cursos Profissionais. Guião para os Professores

Escola Secundária José Saramago Mafra. Cursos Profissionais. Guião para os Professores Escola Secundária José Saramago Mafra Cursos Profissionais Guião para os Professores Ano letivo 2015-2016 1 2 Cursos profissionais e matriz curricular Coordenadora dos cursos profissionais e coordenadora

Leia mais

Um currículo de alto nível

Um currículo de alto nível Não existe uma única versão de um currículo que possa ser comprado pronto e usado eficazmente em qualquer escola do mundo. Um currículo verdadeiramente deverá estar enraizado em seu próprio contexto, e

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA FACULDADE DE APUCARANA FAP Regulamento do Curricular Supervisionado do Curso de Graduação em Pedagogia - Licenciatura Faculdade de

Leia mais

Questionário. Desenvolvimento Profissional dos Professores

Questionário. Desenvolvimento Profissional dos Professores Questionário Desenvolvimento Profissional dos Professores Com este questionário pretende-se contribuir para o conhecimento de algumas dimensões do desenvolvimento profissional dos professores portugueses,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO ESTATÍSTICA BÁSICA NO CURSO DE TÉCNICO INTEGRADO DE SEGURANÇA DO TRABALHO Fabíola Nascimento dos Santos Paes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco fabiola.paes@gmail.com Dorghisllany

Leia mais

MANUAL MONITORIA. Juazeiro do Norte 2015

MANUAL MONITORIA. Juazeiro do Norte 2015 Juazeiro do Norte 2015 MANUAL DA MONITORIA Faculdade de Juazeiro do Norte FJN Rua São Francisco, 1224 Bairro São Miguel CEP 63.010-210 Juazeiro do Norte/CE 2 Diretor Geral José Marcondes Macêdo Landim

Leia mais

SESI-SP EMBAIXADORES DO ESPORTE Formação de Multiplicadores e Líderes Escolares

SESI-SP EMBAIXADORES DO ESPORTE Formação de Multiplicadores e Líderes Escolares SESI-SP EMBAIXADORES DO ESPORTE Formação de Multiplicadores e Líderes Escolares Introdução O SESI-SP entende o Esporte como uma ferramenta para a transformação social de crianças e adolescentes, oportunizando

Leia mais

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE GEOGRAFIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE GEOGRAFIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE GEOGRAFIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 03 de Abril de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: GEOGRAFIA PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ACOMPANHAMENTO DA CARREIRA PROFISSIONAL E AVALIAÇÃO DO CURSO/UFSCar PELOS EGRESSOS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO SÃO CARLOS

RELATÓRIO FINAL DE ACOMPANHAMENTO DA CARREIRA PROFISSIONAL E AVALIAÇÃO DO CURSO/UFSCar PELOS EGRESSOS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO SÃO CARLOS RELATÓRIO FINAL DE ACOMPANHAMENTO DA CARREIRA PROFISSIONAL E AVALIAÇÃO DO CURSO/UFSCar PELOS EGRESSOS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO SÃO CARLOS Amostragem Amostra n População N Total de respondentes Engenharia

Leia mais

OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA

OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA OS SABERES PROFISSIONAIS PARA O USO DE RECURSOS TECNOLÓGICOS NA ESCOLA Suzana Marssaro do Santos - suzanamarsaro@hotmail.com Priscila Moessa Bezerra - p-moessabezerra@hotmail.com Célia Regina de Carvalho

Leia mais

Padrões de Qualidade para Cursos de Comunicação Social

Padrões de Qualidade para Cursos de Comunicação Social MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Padrões de Qualidade

Leia mais

SELEÇÃO 2016/1 PROCESSO SELETIVO PARA CURSOS DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FICs) PRESENCIAIS

SELEÇÃO 2016/1 PROCESSO SELETIVO PARA CURSOS DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FICs) PRESENCIAIS EDITAL Nº 010/CCEI, DE 04 DE NOVEMBRO DE 2015. SELEÇÃO 2016/1 PROCESSO SELETIVO PARA CURSOS DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FICs) PRESENCIAIS DA ABERTURA O DIRETOR-GERAL DO CAMPUS CEILÂNDIA DO INSTITUTO

Leia mais

Curso de Odontologia

Curso de Odontologia Curso de Odontologia Prezado aluno, Parabéns! Você foi eleito representante de sua turma. Isso demonstra o seu interesse em contribuir com os seus colegas e o Curso de Odontologia do Centro Universitário

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA COMO UM INSTRUMENTO DAS POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: UMA EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA COMO UM INSTRUMENTO DAS POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: UMA EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ 1 EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA COMO UM INSTRUMENTO DAS POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE: UMA EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL ALEMÃO OSWALDO CRUZ São Paulo SP 05/2015 Tatiana Barbosa da Silva Hospital Alemão Oswaldo

Leia mais

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS

LICENCIATURA EM MATEMÁTICA. IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS LICENCIATURA EM MATEMÁTICA IFSP Campus São Paulo AS ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS O componente curricular denominado Atividades Acadêmico-Científico- Culturais foi introduzido nos currículos

Leia mais

PROJETO LÍNGUA DE FORA

PROJETO LÍNGUA DE FORA DESCRIÇÃO PROJETO LÍNGUA DE FORA O, de responsabilidade dos professores da disciplina de estágio supervisionado das línguas espanhola, francesa e inglesa, corresponde a 50 horas de estágio, das 200 horas

Leia mais

Monitoria como instrumento para a melhoria da qualidade do ensino em Farmacotécnica

Monitoria como instrumento para a melhoria da qualidade do ensino em Farmacotécnica Monitoria como instrumento para a melhoria da qualidade do ensino em Farmacotécnica MORAIS, W. A. 1 ; SOARES, D. S. 2 ; BARBOZA, I. R. 3 ; CARDOSO, K. O. A 4 ; MORAES, D. A. 5 ; SOUZA, F. V. A 6. Resumo

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA EDUCACIONAL

GESTÃO DEMOCRÁTICA EDUCACIONAL GESTÃO DEMOCRÁTICA EDUCACIONAL Nanci Cunha Vilela Rost ; Amanda Carvalho ; Edimara Soares Gonçalves ; Juliane Rocha de Moraes BILAC, Faculdade de pedagogia Bilac, graduação em Pedagogia, nancirost@hotmail.com

Leia mais

RELATÓRIO PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL

RELATÓRIO PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 16ª REGIÃO SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E ESTATÍSTICA RELATÓRIO PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL 2011 1 - INTRODUÇÃO O Tribunal Regional do Trabalho

Leia mais

MANUAL DE MONITORIA ACADÊMICA DA FESAR

MANUAL DE MONITORIA ACADÊMICA DA FESAR MANUAL DE MONITORIA ACADÊMICA DA FESAR Elaborado por: Georgia Miranda Tomich Coordenadora de Pesquisa e Extensão da FESAR Redenção 2014 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 JUSTIFICATIVA...3 PROGRAMA DE MONITORIA...4

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA Credenciamento: Decreto Publicado em 05/08/2004 Recredenciamento: Decreto Publicado em 15/12/2006

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA Credenciamento: Decreto Publicado em 05/08/2004 Recredenciamento: Decreto Publicado em 15/12/2006 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA (Ato de Aprovação: Resolução do Reitor Nº 53/2010 de 30/04/2010) Art. 1º O Estágio Supervisionado é uma parte do currículo

Leia mais

1ª EDIÇÃO DO PRÊMIO EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO PROFESSOR NOTA 10 REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I

1ª EDIÇÃO DO PRÊMIO EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO PROFESSOR NOTA 10 REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I Das Disposições Gerais 1ª EDIÇÃO DO PRÊMIO EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO PROFESSOR NOTA 10 REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I Art. 1º - O Prêmio Experiências de Sucesso 2015 Professor Nota 10, é uma promoção da Secretaria

Leia mais