CODIGO. PROCESSO CIVIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CODIGO. PROCESSO CIVIL"

Transcrição

1 CODIGO. DE PROCESSO CIVIL

2 PROCESSO CIVIL ANNOTADO FPI DIA8 Fl3ZKE3E-

3 LIVRO 111. oo rnocwso nrs RELAÇÕES - TITULO 1 ht..i:obk." Nas Relaçijes de e Porto haverã duas secr$%, cada iima das qnaes Bri uma ~ss50 WF semana, orr mais qmdo a affluemia do serviço o 9xigi.r. 5 i.q fia Relaqlict dos Ap~res haverâ si) uma que teri d w ass7i~s Wr smana. tj 9.. Qaandn for sanctificada ou feriado ri dia dwhdo para sessão, esta hra lopr no dia seguinte, ou no xu,anwr se o dia ~gnirite tambm Wr sanclicado ou fenãdo. Art. f:023.' 0s jnizes das R&ç-ti de Li&m e Poria ser-20, em cada afim, distnhihs i mrk pelas dnãs wqks bzendo-i-s~ o sorteio em sesszo extra~~rclinãria do tribmal plem m ultimo dia util de apsh.. $.i.o Pan este fim serão lobs os jnias numemaos pela ordem da sua anti$nidade e, wtrand~ ern uma um as ssphe.m comspondenb a esses numem, o pmsidonte tirad a uma e uma tmtãs esph~ras qnãnios f m os juizes qw8 devem mpr ama secção.

4 $ 2.O 0s juizes a p m assim &ar a mte hmrãú a m i m secção, s cm a wgnnda. ~ 3 : Q u a m h n o ~ dnusjubs ~ r piissiun ~micciwar no mesmo procasso, ms t e m r" o artigo f : 1 O7 P, g 9.q ham sorteio si, enare eii88, de d o prtencendo a dimws seq-&s. 4.' O presidem, quando tirar da unia cada uma das Bspbem ler4 o mera em voz alta, s o arda-ai6r io- &a rmh +m -em, ieri o nmw Pjoiz a pm e h ~~)msponde. 8 Em formarwba a lish dos jnkes que hão da -r d a m a das durante o amo judieãai gaardanbse a ordem da antiguidade entre os juizes da mesm s~ig2i0, ama copia d'estã lista, submipb pelo ~-~ e srssigmh peh presidente, ~r-h -6ada poria do UiM ã fiablicada na fdba sal -te o mis de s%terribm. D ka De tudo lavrh o guarda-mbr um arrta, qne #r8 mipado pio p~sideate e pek juizes preremks.. abertas peio reskh~,pb~~-preside~ na ialtad'eb, ou, aa ai& dl imboa. pnlo juiz mais antigo Qus que a& %rem premntes. Art. IXl27.' Cada juiz hscre~era o serr mme no lim para e w destina&, e a hwdpçio wr6 mwrada por um termo, sacri;pb peb guarda-inix e rab- peb pm sldenk3 &da&se n'elle a nomes das inmiptos. Art. 1:028."0s trabalhos meçarão pala distdmiflo, perante o presihnte, juizes, guarda-m6r e +-r. #iw. O $=umh-i~or 8 obrigado a levar os feia i disnir&ao na primeira sssáo seguinte a saa W pena de swp~nssrismporaria a arbitrlo do prssidenk, - não eiicedendo a tms mezes.. o & ii I:=.* h prs- a dp 799,- ~?!<I;I:R~~.+ que? pi& dr -g y msum.o.a-~ do 6.p- Thbdmz 4% amo 0 ar- 64p n4 tp 8,mpir& ao gu& dn maue do lmasae & distribuiqb que *me para EJmr, u piniri r a ~nrduht ~ 8Pa W- pela &ta de omith 1.d n'm* mas por B T ~ U W ~ ~ dodiam~ -1: 6 * C l : W c E. - & ao -&ma da ün remo ' raw de Judp por d v O a5okediralh&tr~mg~ pmtasoartipl;lba) Art. i:o29.' Para a dj&ibuiçh hmra as $e.$aiab~ clasm: 4? Appdlaçks Eiveis ; 2.' AppelLaç+m em pwsm cúrnmerciaer; 3." em pmaos crimimw ; 4.' AppoUpTies nas causas em qae br parte a fazenda " Aggmvos e cartas tbskmnabaveis; 8." Caaaas de we a conhece ern primgra e d-

5 ,,. 9.4": I& p&s serão c l a s m por um d& juizes d,jj'm Ctivá -O, a quem o guarda-mbrrw ap~senw ante5 Z &sttilnii*. 5 i)"pr$dmt~ dksignar;r O jub oujuizes p háo de dempdm,em' wniço, por tnrno em ead3 rner. Vfd.nohao " 15Kq Q t a m ~ d j, Z i L m m ~ * ~ e m I L d o r ~ r ~ dib, PO$ qnw1 i ap$wreia aa dia Gea h arcp l:mq++, L:NP.- micq l:~l;:..- e Bens 43 o I:oGX presenh Ladigri nar termoa!slsi421demai&de1s8p. AR i:w.* A distribui~3o seri. feita segmh a precedencia dos juizes e dos escrivies. sem nunca se alterar essa ordem sob msponsabilidade d6 presidente. 3 RNM. Nas RelaçGes em houver mais de uma secção, <u pocersoa seno distribui% indirtioctamettls por todos os pias como se houvesse um sb secção. Art. 1:03f.* hhmerados o$ roces= de cada classe, entrarão em uma urna aa esp r leras correspd~nks aos nnmem qrie houver para distribuir, e o presidente, tirandoas a um 8 ma, lera em voz alta o numero que sair; o guarda-m6r leri o appellido do jtiiz e do e$r;rivão a quem couber, sewtidc a $na ordem, e escceveri no rosto do pmce$$o O appellido d'esse juiz e o do eacrivao, Iavranda w livro respectivo 0 awnt0 wmpeknte. S i." O mesmo ss practícsra snccessivamente em cada classe. 9 3." Havendo em qualquer classe nm unisn processo para distribuir, entrar50 aâ urna quatro espheras com os m m s cormspadenks am quatro prirndms juiz5 qne se segnirem ao Ultimo wntemplado na distribuicio d'essa classe, e o niimero qne sair dmigoarzi o juiz a qmrn O prowao. fica dislribuidú. AF~. f:039.o O juiz que tiver feito a clas~iftcação Miaar8 nota dos numeros que forem mhindo, e ceveri o 1im da distribnição, sendwlhe este apresetilado pelo guarda-mbr, oonjuncbmeate com os processos, depois de terminada a distrjibniçao, e o juiz, achando que eb esta conforme, a e mbricara, Art. i:033p Se, no acto da distribtição, mstar que o juiz a quam o p,mssa foi distribuido esta impedido, serã ARTIGOS 1 ;.3&+0 '4 1ãp Peita segnnda distribuipo pelos j~z6-3 da fi&($va secçio. $ mim. O memo se nbssrvara,, gaa$&.: Q!mpedim&k. sobretier depois da distribiiiçzo. Art. 4:03SP Nos feilos julgados por *'i; se o impedimenlo do primeiro relaior cessm aniwde. harw vencimento, o processa ira wnclnsú a elle e aw juizes que ss lhe seguirem, ficando assim em.figor a primei& dishibuição, contando-se sempre e para todos 05 effeiws as tenções ja.. proferidas. AI?. 4:035-b Nm feiios que hnn~erem de ser jnlgados em conferencia, deixaril de ser ceiãtor ~.jnlz a qaem o pm cesso tirer prtelicido na segunda distribuicio, logo que cesse o impedimento do primeiro relatar, e a este e aos juizes que se lhe seguirem ir$.o mesmo processo wncluso o ~jztu, 5t: ainda o não ti+-erem pusü~, ak se para *rem complctnr o numero legal, mniand&se sempre s para t&os os ereitos os i-isbs lançados w feito, e pchs respectivos juizes ser8 ã causa julgada a finai. 1Tjd.ariigoi 1:035.0,1:M.b, 1M.q 5 r,*, l:066pi 1:089.h, 1:101.* 8 l'é:o'difihiqzr, hnb na ReiqSo mrm na SII~~IMJ ~ i b d de Justi~a, que dtsisigna o datvr pua daffsir aoe rkmw prept&uu da caum r& ao julgamento, e pua wsidir a ueeaquer qne lioaverem de vwifiw-m na CODUULS, d e do tribmd, srtigas l:iis:, 1:101.* e l:lbl.o, Q tnbeun dos enialnmentoa e rialnrios judiciw4 grti~s 3.* n.0 A* c 12.0 o.* 5.q e hmbern nos pwsm jul40~ em wnf-tia fszw a qmipiio do Lto que 4 vi& dm jiiiaas nbjmttos nh dispensa, na qual mencime com ida n ~uuciaiiv, RIM wm tnds rr cla~rs B fidelidade, as daa &ri&, oos pmh de direito e de htq objecta do debate, e o reamo L iwaa. Mw nas cnuu jutgadtw por tenpões a oompetente, tido o LCwrGm para ddcrir ao iwum e a qnnxqwr outm terio~s. P O juiz cm quem se mcer o feito, desempmhado, na aaa alta on impedimaato, o primitkoreiator se d o 6cm -vãn idb, ou qualqaer do$ jnizeh vencdorss psl ordcm do vem5 prwm na falta ou d'mte ~rtign 1;0t;6.D, como TA jg pa direito velho. I)= decie6ea do relatcir pidc reclaniar-se para o tribanãl dmtri, de cinm dias, oas temoo do Lreh eommnh artigo W.*, ia 6m de =rem t~nfirmudns ou alkradas pr amrdh em deremia: c dos &ia?odhm h Edyü~, cnngrmstarlos on revo~tmin~ b dtspch (o relatar, cabe mum do aggravo pars o Supremo Tdbunal de JwtipL 31ãa n'mte. como em qdqiier outro mqidm~eq nãb baata. apm ~ & t a r 0 reqaerirnentd dentro do pma E p- dbin d'k~ gps dmtro dos cinw dias seja entregue m o de4path0 ad ~ cri~b h prbcesm para cate o ajunctgr aos antoe, porqiib, dm q d b não 4 ãg~esentido n~ cariari4, nh faz p d & pem, dhp&dia E pwk

6 y s e m m p ~ i e par, im rwtricia ma juizes da secgk a da Sishibui p impedimeub do relnhr ; e por k~ lhe XD pmasq qoe mr o ai impdimmto, no atado em que wtimrpm per 'ulgado par eiie e juizes immediska, aalw m p e aa terqh OU m ji ssuiptau, que IB oanpaxs ~ r os n e L s, m o TD~~B a ystqam adjanctd impcdih, M mar o wn hpdimsri~ antea de haer rmtirw%to, 1:08.ls e 1:M8: Nh c w pdm n 'utidkçh do h#k datm p ww 4 impedimmto &I s&, nem a jmkdieçlo da par o impdhsoto do terceiro, eh, q d o hower mais de m a distebaigh pvimria, pr ter mbrevindo tsmh impdimmto m juis i um mbe em wgunda distribuiçh h --a d&hp s. pledmde ds s~ asa o eu Imptdimdo, o mitim rel~tor~ Pmhida a d h &d rha!*r a. nova diatnii h- daaim alido BO hibmai, nim ipi d ~ jubw l qcie T~&~~IppC%kOqS~~~~COmW8899jnk?+p.a julgara embargos lildã*, vdbndo cm pmmm lagrrr o jmr 'a quem por Qstcibuig m& o meu de?&h, b~ ddp pmb fea vmcknb, e, na cnaci de ter Ycado vmcido, o primi-. j6z a h h iendorem, a & a fnh qiis tirou b de ser lei o reiatarpra 08 inc;d~tga pwm &igo 1:- 64 qiioado M iec* da dwhhi& não boarm nmm de mia ne-rio pura fazer muimaib 4 que as morre 868 jaa da cmh, wrmewda do immedisto, 9 awdmdapmm m, w que 17,d& tiver,&em mg lop.wtip 1:W.'; e altera& a callaeqh dos juizes em rirhh do h i o annub 6em &c h au- oa8ejspurteriç&s ou em wnf+ smia ozento, que se ia relao na pow*~ib&= mrea ~aa~~jbpf~rlaae6ai~i~twijb Sf 1; e %*, h-bb ahr novn di3fabaiqj.k hds hoje w &-tem n *a prahiea de temm 9*) pr&amtl da para noaa je=, qua &a prowâumta s- kmm bpiloeesaq ~ d o f s i t w o 6apresqae u ~ ~ ~ ~sigasramo8ccprdbo{omnquaiisem~h1~~aeeiramps. ~! i r r r i ~ proc~o,. o repuh-ae w m t a legihq psm a ~ i. ~ ~ i b ~ & ~ m O p r a r r c i ~ ~ w r m r ~ o ~... p dily a& da dishihipm. bj, impda a tsda o c w nuliidade inaanavsla a imtemrne do jaz, wuh s dihb ' b, porque m i fslb sbsdeia d* W b i q b nt? 8 dia e ~asupp.id~~. ~y4&dep~&* mmus artrgp lmn L* ka, pta uefi d p da ~ prcmidgs& h psrmk ~adig6 ab t h m à n A acco ppt h'~l1rn t- ti..i& 'w q~ pela didribaiçzo I& pdhm e, apar G intea h-tr.+b cio pnw a qe pb ia qgidaa as ndl~diclrn suppnva a inter-se publico nl cmmmte que matens cid ssja jda or 9 2 wdtrnemiai, rrs mabris cocmemid j& &il, & "i,&* I barente que i," 0- em jgp juiz Be tenhs mp:encia m k &a-w... B& de& de asr vaiido o da l?&$k par ter sido 16 d o OR a&* por job ~mtido, m par as &larar que tem de juw. que Siliia foi b b m vencido, mr vez 9ue haja veociutsst4 b$, nm por hllsr a declarsçb 48 daxado de dgnw atpm hjuizga prdw pi-mde 3 3: do mtip Ak prova m conma reputam-e -dentes d jwbb qae &terrim h0 feito, pela qresamp~go de que campkiam a.obriw de ge omtiíimmm de 8aa ~ ~&diq& i, pmo qnc jh 3s j lia iuirrri i * jinmm+o h rriuorno por%;& &Q ieu impedimmto, nem da ma mhtihiie$o or nova +h+çh 5 ~m h I ~~SF wmaicitem- a mipo ds j n ~ p mm a~ rmpctksa funqirm 6 o presidsntp. dispensado de filatu, -' egl~oqdtmjb~hmnoito,pwqner~~w ate Bde qnsinuw juiz de eitnyi m~wm * ei~c exercendo dshnihva nu inhrinrmmte ss M e u L pmdmte a&m, I.I)dlP %Posta Delpda 6 ~e iniervem no? jdgambaf08, e mtrs nit drahh$~ wm~ QB d- mes, o egldwtq pmbmdo, alb doa emdumsnba pxiratim da ue ae por qu* am+w lhe -bem decreta de lfde jdho de 1& art i g o 3 5. * ; s n i u i ~ l a ç ã e a 9 i j N w a h e d e ~ ~ ~ ~ hagáea de jaie, a re que *a nmgo a s de&& h nm, a i~rnrr&gh u i r n p n b rgn b s juizes &- v~ deaetm de 1. de &m de 1% e de 14 de n~~embro de 1818, 1 Gada dz 3eiiqG.o de lx&a, 2.. raa 38, 1 AcmdW do Sn-o Ribud de9itiç.a fl8%jd0 de 14 de d m h & 1E%, 6 31 de fevereiro, de 2.5 de nov~~~bru d e l S S ~, ~ ~ d o s ~ ~, l. 61&eXmaww ~ ~ a ~ 3 9 mo %%83 e o.* 61 27% e 3.~- o:& Acw s d* 11 de maio de 1W c do Sa remo Triw & dsatiqa de 7 de nbvembro ds IR%+ L& & i%-, n-*%, de 32 de outnbbro de 1895, e Bolh F+íhu+ I.*mm, np 9, ~ L. Amwdbdoh TnbmddeJnsti~delOdejaabitobe amiq~-lm,ps $13. '%B% f 8%; drn * Ebkh h Z%wm, 4" mno, L- 141, p~g. lwi

7

8 ao relatar, im termos do $ antecedente, alã $e tompletar o hmm le a4 contanhse o$ vis& antsriom, e no julgamento hlerviia oa joim qas rjrsrem visto o pmcessb e os mais h nemsaarios da ~ qãin da relatar. Ertl disposibo r applicavd aos processos cmrnei~iaes e crinihaes, - qwdo o juiz relatar mudar de seafgo. N* jdgsmnto dw mbsz si& que - fsllecido o relstor, QU mti.s~&hisdcm%=g.o,iathw~d~ee &W Pb WhtCS, ZmLB W im h w uiw tsncimunte, nc aeqb 6 d ~ s 1, r *to o m- l:l&l* que 6 o appdim~el, e nâo o srtigo 1:M*, pque a artigo 1:MLe &s e- uo tiido 1.O do livra relativd ao pmcaiui asar EahçGw qu~se ins~f~v%:--genies-, e &materis dos & s 4 re+ no tit& %, que aeinwwe: -do$ ~ ~. - só 9. nwa &kibui&.ao ~&o h b, rindo I& hr desimpedido a dm dos jiiizea mrtse. 2 Art. 4:CikI." S; bllwr, antes do julgmmm fioal, aipm'dos jnizes que tiver FistQ O ~COC~S~O, não ~e mtari para ereiio algunr o visto d'slb; e a mesmo se observar&,. quando o juiz dehar de pertencer ao tribunal p apioseitação, demissão ou 110i.o despacho, e bem assim no aso de eusão são. 3 naico. FJII qnalqaer d'eçhs hypotheses 6~ai.a sem effeitri a tençao proferida. Art. I:Diif,* O j~ a quem o processo fw di$tribudo h a sendo o relatm, mpetiiudo-ihe deferir a todos 9s m s at& ao jvlgarriecito. p mim. A pam, qw.~ considerar agravada coen qualqner despacho do mlat~r, poder5.requbwr, no P v de cim dias, que elle apresenid ri pracssso em sessao para o despacho ser drmado ou alterado por amrdio de mnfmci a. - 1 Amado d0-6n ri TYlinnal de b 18 do ' ' r lass,~i.~dr&ez- -y1d.sd~~~crrimde~t&"- a Am& da h ma hb-l drsu$+ deldde j& de ~SS, ~a~tlins h 6, I> nan 1, psg. 11, a Amor& do hpmw Tribmd de J ~ Ç de B 10 & julho de

9 1:043." Tendo de wr remeitido o pmçm para outra Rclação, por Idta de juizes, nas terms do artigo 39.', 4.' s %.', a remessa será afdenada por accordáo de GOn- LmCia. j I.' As tenges que bourer oo prucesw sabsistirão, para iodos os Meltos. 9 2.' 0 juiz a qnem o processo for dislribuido & ois da mmew ficari sendo o relatar, e m iocidentes que so! revierem serão decididos por dle e pela4 jnks que ia Ilie seguirem. Art i:obl.' Decidindo-se qne a appella$ãb, re&biba nos dons effeib, 315 dena sel-o no devoiutivti, os, j&es mandarão passar.trâskidú,,que bahari ã primeira instancia, a Brn de se emntar a sentença. f nnico. Ble traslado pderi ser extrahido a mquerimento da park, e conteri m as peças indicadas no artigo 9W0 e ri accordb. Art. t:088.n Decidindo-se que a sentença ou despacho não admittia recurso, baixar8 o processo i primeira Inslan-. cia sem ficar a Welwçã~ iraslak algum. Art. i:091." ~ibtribilido O prcicessa, o escrivão o autuari e, depois de feito ri preparo quando tenha lagar, fal-&ha uibduso ao juiz relaioih. $ 4.' O relator, lago que receber o pro~sso, examinara se ha n'elle algum aggraw interposb do despacha que rmben a appellaçso e, har-endm, levara a processo a coerencia para decidir o aggrai.~ Wr ires votos conformes, com ris juizes segaintes que wtir~erem'present na sessão. 5 2.O De~dinRo-se que n mcum wmpeteng era a de oggrai-o, 0 proce$$o seguiri cama agp-ro, sendo relatur ci juiz a qiicm estiver distribuido, dambse baks na classe em que foi dis~ribuido e camgand~$& na ocimpeknte. Art. i:oiz." Se, Apesar de não; ha~er aggravo no auto do pmsso, alpn dos juizes entender qi~e I recurm competente era o de aggrao, e não o de app~ilàçh, on quando entender que a sentença w o despacho não admiltia recurso algnm, le.i.sra -6 procesm ii conferencia para se decidir eas qnestão por ãccoibdb, nos lermos artigo antecedents, h- hrrindo os juizes quc ja tiverem telicionado e 03 seguintes, ale haver vencimento. Art. i:046,b Decidind~se qiie a appellafl~, recebida só no effeito deoluti~ci, devia scl-o em ambos os effeims, os juixes maridarão passar ordem para ser snspensa a exemçs4 SeAna primeira instancia liver ficado traslado. $ vorco. Bla ordem sú poderã ser expedida a requerimento de algum iniemssadú, e nada mais conteri alkm da aulnaçã~, aulenca ou de~patibr, em recurs4 e awrd20. Art, 4:&9.Q 0 juiz a quem o processo for distribuido nomeara advogado a qnalquer das partes, quando horrrer necessidade d'i$$o nas termos do f3.*, e mandari dar ~isla mioisterio pubiicu quando accessoria ou principalmente deva inkmir na cansa, para aliegarem por sscripm Dpraso da vidia serã de dez dia3 Oar? o$ -rrentes a de outros dez para os recorridos. $ f." Quando houver mais de um recomnb on mais de ' um wc~rndo. e tiverem wostitiiidù differenles advogados, cada um d'esies Cei-6 rista por dez dias. aos adrqadm constitalíios m nomeados, e ao g 3: Todas asvaesque quslqaer dos advogados ajnn~iar aignm doczirne~ito, dar-se-ha novarnem vista a cada um dos outros por cinco dias. O Mim mandando der nova vkb, nbb iioicamenh d parktraria, e %I s cuda um das mhm sd~gadm, desde que pdpw d'eliea ajwae Lmrn dommerito, habiiitb~ 0 oppimo ou o appellsnte, dde que tenb comparte na caw* mm quem as wmbh, ehrnisnr a dcrnmdil. Foi a wmmisscio r-ra quem inhoduio. L bgo no $ei&+n?hn rajecb, esta wrthrina pae repetiu oo baicq o qual appxrm pel~ primeira sez no sco alãnm rqjecto. O anwtor d~ bd* em 4mhs oa &ns pmjech mm& a bic- $miç:v da arti o í21.o da Xov. hf Jud, que, no casa de onp ju~wbur no>uos%menu, d i pwte m ~ ~ a m o o prowscr com vista, *mim como na rimeira instanch e no din TOE!% jilizo &S embargm d p& dmkwiu L dw &umjiurceoa a fid, artigns 21ãh e Xb pkie ir at6 so nburdo a isteqwetaçio dm leia.,mni d o pdjsiniew neaw nom vista, de& que se jm&m dowmerih, pmio Tom m 2

10 que nzo apwv&tem cansa, e aejm para d m m o~&&pmce=m NZo t preciso ajuab mva prcunra$o na ia& wior, qmdo a wtww mmmíbrr nk temhs d na wmsq sbds 9 R*, pomo exigia-a Nm. R+ Jnd. artigo 7%~, e ma 'Bens prwmba pqectpa r wimnid rei.~4ú1% ijm n d aw artigos 13?, e 400..) Art. 4:W." Sendo o recurso de appellacão iútirposia de sentença qm tiver auclmigado a separagi0 dos wnjuges, rião havera atlegaflea escriplas e o processo serã continnado aos advogados e ao rainisteno pubiico, nos termos do arügo intbc8dmq, sii para o examinarem o riato- 5 nnim. Quando o prema Ibe f~r qualquer dos advogados ajuciar docnmentos, e n'ase caso dar-ss-ha noramente vish a cada am dos outros por cinco dias. {Vld. nota ao arügv P65.~) AI%. i:oti.q hpraentando-se, depois de minntadri o w- cara, alguma carta que de~a ser attendida nos tem5 do arãigo dar-se-ba n0mmenb i.islâ por cincci dias a cada iim dos advogados que tiver minutado, % mito, Se o julgamento tiser de ser revisto, por se apresentar a carta depois 8e publicado o awrd&, dar-se-hr egaakenb vista 20s advqados e ao rniniãierio poblieo, snhishndo ã primeira distribuição, e iinbmindo dos primeim juizes 0s que esdivemm desimpedidos. Art. i:!x8.o Teodb o jnk de primeira instaacia deixado de julgar a cansa, por qualquer molivo. a Relação, w entender q e esse motim riao obsta a que se conh%a do pedido, julgar4 a causa.mmo deveria ter feito aquelle juiz. _ %L, ke Não pide ojuir aba*-ae &aimente de fiar, nem o pmes-w mia inhir -da instaricia sem na pnmerra se ter mferido Lohm i nunaa Ilu, ie Umr tie- ac ~ & & t o m ~ t o na illeg%midadedssprk+ ou ns ineptidh da ps inicid, pn m.qtidq~ & motivo mig6 den i hibmd%&mda &eu. e aa &TO não o- i. julgamento I W o da, que0t84 mbem da materia da ca- &veria bsr feito oj~b, wra a~ ddongaa e dmpaa4 de h- o p m w ao tribmal &feriar apw de cmn em preceito principio da lei d t u c i d que S t a i m daa4 imww para o p~l:.ri=mto das c- 3: I rieaaoarbitriodabs]ação julp a csussi,~~ mmdwbsizar aprmmaonojaixdeprba~a mdmm&&&$&-a; emgde revogar a dt6& L.faci? e?* a ma&& 1, &uqn& WP prs- rempr pmw0 O $- e mnhmremqmidadofnnbo da CBWL 9 tmmbem appliuavd a pro6& da ar- da sii ' ú aaiiw m- muiiclbq B,LB tambw gs wtf~ admiiirshati&, wima oi tem mwh.tsmeate dec1&& mdtado &pr?mo~ri~ AWhtivut e et& C camas crim* dm precáim w ~ ~ snov+ s, Bef. Jnd mügu l:l&.*, c m qoaatoji E jdww ue, atrnãllada um prwcam haar em mime remma audiewik dohudodaca~ebede+&momh de julgamento, não & i. b h r oat wlgam s. j- *imprmedmte sml- Lidade 4 $A u Em. Ref. Jpd, att;p 8 8. a.ns R&&, cbmo dsvena te^ kto o ]are & pninem i-- p d o s nuliihde ez5sti.a sh* u * ou pa nn de m, on par mw qnaiqm motivo, ddsa~s spplicevd &* ~8 caadsu8 esta Art. 11:WP4 &ra nulh o ecmrdão proferido sobw materia da competericia de wtra trihhal. unicri. Quando a Relação ti~er mpeknda para cmbemr da mama b cansa, a soá juhsdim fi~b~4 pmqada, se não for irriqngnada das allegar pela prinjeh *e. a+ ar+ 8.0 e BBOP) Kh pwmttis a HOV. W- Snd, WP, degar a.emjdg= e d d d e pa iawrnpnrni. de juind~w em.+ de =-&r a wuaa 4 juiz ep0l +s aen&enç?s +huhr?e das o- nas m a & em que nso intm~lee~ o mindmo pabh~, EIAS ss partsir nãv tirewm anh e s 8 d o ou oppdeto a a artigo?%.a, L E8l& para ande ipoom te m tivao remmiar. qoe rem&= r feita pn. r e g *_ dsde

11 Xl ARTIGO 1:m.~ ts% contra bdaa aa''d&&w proferi& wn insbcia, quer no foro oiãim'o, quer *o foro wp8pccisl sieeptã m milik. P& -0 pide wr deduzida cm eswo da cwia s. inaompekncia em rado da materia, c aw $ ~r aprgc4da pelos juizes, indapendentmmk dv ret4imehq qmtb nh Bido em jd$o s dwisgo; mae 8 pm~süa juriadiqh da Rdqh parã mnhccer das qnwtiieq em que n;cp tem sompetencis quarito 6s BB nenhuma. daa * e opposer essa quando allw pela primeite ver como em primeira ktancia é p+ a jariebisçãa do juie, competente quanta á matmie e incompetente 9-t0 de pei- 6B 06 ~nteres~~dos nb redamamm nos termoa d ~ s s* mp e 307.' Apm~nrada portasto amhw praferida em tribunal eztmqeiw, ou wmrm h oa rtqumimento para wdicto de janedxy80, ou rs& ddr perdks c dhai mtra juiz de direitm de primela 0. magisersão do ministerio puwiw perante Edqh ue & sejst a do dishicto, h de dia conhwr da çaum, 6% ncnbum!u.iiiip%s Ibe iinpugur i ~oroyetenria quando dlepr p& pim m vi* hhr-aa de nulidade mppsrd, contra a q d W a parte pme miamar. drt. 1:05&.O 1É insanavelmente nuilo ri accordão: i." Quando for larradw contra o ~encido; 2." Quando for lavrado sem o oecessario vencimento; 3.a Quando nlo campráhender todo a objecto do recurso; 1.O Qumdo comprehilrider mais do que o objecto do W- curso: ~.~'~uando julgar albm do pedido subm que versar o recurso. 8 i.* -4 nulidade sera rcstricaa ao awrdão, e amullado este, quer por meio de embargos, quer por meio de m- 'cessb de revista, seri reformado pelm mesmos juizes o pelos mais que forem necessarios, subsislhdo sempre a primeira djstribniq ' 0 que vai dispto nu arligo d:i&5.q i: egualmente appiicavd quando o ãwrdiir for annnllado pelo Supremo Tribmai do Justiça; mas, n'sste cam, se a nuiiidade provier de não ter o accordão cúmprehendido iodo o objecto do Wmrsci, de ter wmprehendidú mais do que esse objecta, ou de ter jnlgado alam do pedido, as juizes sb poder80 tencionar sobre o objecto do remrsc, nos precisos termos em que o Snpremo Tribunal o Liver definido, 5 3.9e o acconi3o annullado tiver sido pr~ferdo em opnfersncia, ser& refo~mado tmbem em Mnferencia, inter- ~mdo ris mesmos juizes e os mais que forem necessari~s ati! haver vencimeo~o sobre o ubjecto do recurso nos precisos &mos em qne o Supremo Tribunal o liver definido. 3.i+" -4t1oullado o amrdão, quer por meio de embargos quer por meio de concessão de rerissa, nzo se admittiac nows allegafias- (Vid. nota ao mtiga c o anip 1:lG.n) Para cmimtcr a accordw e~mprehendido em qdqu~s h ai&- mnks numem do?.l%, ha o meio de embar*, e -bem o de r8vl4t.n x ã causa emder'u d ~ dda a hlqno. Se i nuliida& prom de wit emtario M ~rekido o mrdh, e s wncl& 4 wnttanã aos fundam&ml, rolta Q proww ao jmiz, oiu! o íi~ara, hmar nqw acoord8o, e wderir d r 4 a r&-"o, 6; o jaka~o nb &prehd$u todo o objecto do r-o, va as dgam doa juiesa d &m be tcn~i~w evbre parte do pedldldo, VU~~S O procmo ao3 rne~ios j&es para declararm ou addibnarem mas tm "ss no pmw amissq, e squc at& ha~ereucimcnk, dgo I:l&p $$ e 8.b; mas não podem \-atar iiorn reformar o RU vob % veacidos qandt~ foi. aundlado o aawd5o por ter nidm do pedida, ou p r ter ~~rnprehendidu mais do que o objecto do rdcarao, ar- novo ot;p-1:145* Representam catas diipmiç~s p& nielhmrneato wbs u di- &ta dho, odc a mnulinçfp do a?&, qualquer qnc hie o motiro. mnka outra vw s decls& intcir~ djlldiee, e BB wnfrnwaiam de ioiw M aahs aos intereseador para cileprem. Posto que s ienhsmn h paw %ia pmittido ogp~ maia d0 que uma camada de embgo5, widerri-se m o pruneim para O efsitú dc ser atwh com emb- o m o ~~ardãu no# twnma h dp 1;lG.~ g 5.- antros fbmm os fandwtmtw dos ârnbu&s, coe a irrmmge- 4. ou qndqugr outro mo+ivo d o prci-lsto Ti0 wp, %m;iz%k.a d.ep.4 nwcw m k p a conbn o no- -rdfo, ristos oe prcásos bn& do 8 :? do Mh L nrillidde a dimrdascir gimplesmenta m mwo. que a& Dertente s talo3 osinues renwh 1:195O, po& jb ae.bl. i:&5b.o Publicado qualqler accordão, podem as artes requerer no praw de vinte e quatro hors. H {eclare alguma obscuridade on ambigoibde p3iwb- r X~wrdáo Gupreoio Tribmal de Justlq~ de 19 de j~ho de 1M7, 730k&m das rrhnam, 2.0 =no? n.' 84 paj e Ac~rdbo do Siiptmb Tnbund d.e Joshga e 83 de outubro de 1SB9, DoboePm &B T&I~QE~. 1P B ~ O ni, 14% pag 935..

12 tnra Eonteaha, e podem egualmeut~ pedir pe # altere a decisão qwn1d a castas e mulcra, observand&$e o qna 8ca dispo& rn $i I.* e 3+* dq artigo 98kD 3 mim. ESI~ I]B 8 ido ser& decldidd em mnferemia. Art * ks Relaç&$ n w ficar8 'traslado algum, qm o processo baixe a primeira instancia, qner suba em recurso de revista. Art, Haveri em cada mrtorirs um liim de registo que sra numerado e mbricado pelo presidente, e coa temo de aberhm e eocerrarneoio assignado por eoe, wm deelaraçio do amem de Palhas. $ 4.O Os escriváes copiario oa farb copiar, n'esb livro, tcdos o$ accordw6 e tenções, no praso de dez dias a. coritar da pblicaçãn, dcclaraado os nomes dak partes, 3 f.* A eofas copias applicavsl o que 6ca rlispostu no $ mito do arw Bi.", s na pmsm ;ortihafi Q escriu% qne o regiaio se efleclum. 8 3.* Quando o actordão passar em julgado na sepula inskocia, 0 sscriuão assim o nertificarh li registo, no pra~ de h'bas. # 6." O esc~iv30, que deixar de fager estes seri condemado em todas as custas do pressrr da teforma dos autos, se estes se desenca&barem+ 3.!Lv O dario devido peio regísto entrara em regra de Cust8s. TITULO I1 DO JTTQAMZNTO POR T Art. 1:W8.n Serão julgados por mfles os rmmris de bppellação interposu osas causas cireis. i.* Rmbido O pwssd com as afierapaes. o escrivão - fal+ha logo sonclnso ao jaia relabr. %."e e$& jniz entender que o processo ngo est8 nos termos de Ser jdgâdù a final, por falta de ach ou diiigacia a que deva proceder-se, não tencionar& e leval-eha A confererrciã para com OS.juizes seguintes se decidir srn accordão. por tre rotos conformes, b que for do jmtip.. g 3.O Quando, depois de haver alguma kençh no processo, for proposta a necessidade de qnalguer diligeocia p- algum dos juizss Wnles, esse que a pmpwer leual-dxi i coafmncia, e com OS que jd tiverem tebcionada, e os mais que forem ne~ssãrios, decidirão em acmrd8o por tres veios wnformes. 15.' íkliheraltz a necessidade da diiigecia, mandar-*ha prcicsder a ella, fechadas e Iacrgdas as teane9 que hower no processo, e o j& que a tiser prqpoçto lavrari o aixirdão no papel fechado e lado.!$ Resul~endo-se qae a diligeacia nzo e necsssaria, hnar-se-ha acccirdão cm qae isso 38 declare, e os juizes squhks nzo podeno sirscitx a moia duvida, % aqndlã p e tiver lembrado a&wa poderá &pois sascitar batra. 6." Satisleita a dilipncia, o escrivão fari o processo. mcluço ao juiz qw tiver lavrado 0 accordzo, a por nmii amordão se dekrmioari que sejam sbertás as m s e que o prwe~~~ volte aos juizes que tiverem tencionadii, para que, em vista do resultado da diligewb, posam reformar, acrescentar, modificar oueon6mar as snas

13 . M m w r:w do minieterio publih, de.; mnil o% s do te?kmuoh, -o jk E julp r, que n90 ser ordenada or quem ardmar a inqairi*, e qas pelo art' o $0?4 tem 10 ar no dia & depia termim& ou nu dia g=a o juh $e prinieira -ãi a~ãim. 60h s a&essidnde dk diiigeacia, w~mo w caw L sm o prímeito opiaib wbre qualqoer incidmte, que ri20 respeite immediabr mente b csw priocipi, o juiz que her vciicfmento artigo 2:06Ln, chaimh a ~Eilr o propobtnk, oa quc jt tiverem tmucsd$ e os mais que forem nec~eraih Kh vai 4 çonfcrenci+ wmo ã proposta para procdsr a. qudqucr to OU dili.g~11ús, O incidente nuliidade j e 6 jhigada, n$o ~ b juizes a que JA Rncfonaram, rnas artigo l:ml.nz, par tem$& em scpirri*, a -te% dn qmçt.go prihtipal, pata não IL jutgar EXU p~eso~mpcita de ridlo, aeiu primeiro 6e resolver s mpeib da nullidadk 3n de conhecer-se ds nullibnde ma temm do 1.-IEI.a, e neo m iwm& do artigo 283.-, a6 appiicrvsl inahntia*, pwto que imbus mandem ecmhecw ant& de hido da nuitidade i=%%.u pia mriliidide, uppre.6e naindo su p~i~el; ou bin " o pm- prtm ier rsformdri quluida insnppar$ mino ma seu dois rimeiros projecta declars~a a earnmis& rwhm E Lsatmdida a nunidsde mi o proemo *os mesmoa jnhcs que teriam da j~lpr, 84 td nnkdade do beii~esrs &h 1wanbb ijb m imidmte de p.m5a$w1 ou de iscouipsterieia, ou de outra gualqnet asturega, que affeck a caus principal, b que mrrs oe juiaef %?plbtes ate haver vncimto. sem rúltar aos rinmiorce, cqjw votos nem a9 menõs podem xr colitwk coma crnitrarim ou Eavw~vair, pprqne ah apreciarum r questh dcbsixa de drnilhante + d a, Yrn qmii:o j4 sa Bnh~ jrrlgdo o mntraiiü. f oisbpe y r n o Codp. como jh dipitnguim a Bm. Pof. Jud. *E 7fa- a im.4 c a Ici de 16 de junho C& 1 Gedip mtm : a'g&~dents de nuliidade, e qdqwr ouh que a$ rcspkite imrnediatamente eo 0%-&a prmci af, com r dsemça de que 4 em~m resoivtb em cqnf-a~ o inciduite, e pia ad;%% 16 de jnianh~ M a tâmbm,sm jalpdo pm tengl;&. Segtmdo a Iei de 16 dc junho de 1835 u 13.9 nos julgados prir teqeea. derii O uibmo juiz Imar w auh~aonfeiewiq logo qie hvese ren~aentm qum'm ao objecto pacipa4 p m mm oe jnieeii P3uçed~es, c wm O& ue&rinrrbeq que fo5a.m peciaoe, ddir pm w d k o qtrtdyr in&rlen* sabic que ainda o50 houvesse vencimento ' ou qw d e ow o pinicim i propor, dw q-dc A mgwia do6 I AmmdZo do Supremo Tribunal de ~WtiFa de de abril de 1W, B&&t &I %-, 4.' -no, nhd 161, pag A&&o do Snjwemu Tniuursl de Justiça de 3 de fe~c~ira de 188V, X)ia4'o dá Gmenq np de 18 de &8*to de ISSO. 3 A~rdãm do Supremo Tribunal de Jsatiçn dc 13 de fevereiro de 188% dc, Gootnap, n,' '*O, de 18 de nowmbrri de :db do Sopmo.Tnbunril de Jushga de 28 de m w b 1% s de fi de jsuiciro de 1W, Bdh &a X h? 1.. m o, n.* 4 pag. 61, L-rLn-ia do G4urr&o, n.* 209: de 16 de se&m de lm5. juiza pa~messe que oa incidente*; ~ l mira a impkacia de- um dwidid,ws por tençges. 3% se pmcbc s mb pt qw e4 ha do Imar os wfe-' remia o&* m qitm se cmuzp B fpit~+ m o dizia ri comiris80 ieiima no =a sw~ido pmjejecto uti,mci i61.5 ou vj& pe+ VP ~MI CQII~WI'TM v artis 1;Ufi.q qnmdo for a primeiro de opininih sobre incickut~ quc ohn rckpeie d sauna principal, s poqe 1150 h ' de pracedef do rnemo nrdo qlidqwr dce onbwi juizes qanndo houver jfc algnms twclo nri proeesm, como na hppthe do g 3.0 do p- sente artimp.., B3o sc refere o I ioljblu, de terto, a incidentes, ooaw oa de jms ou de reridirncritoa, que dizwee sxhmhm a cauua riricipd? e pua eztrsrtlios que foasm, n% haria mão.prn serem ferados conferencia. pelo altim juiz a fazer ~encimnto, e nh plo pendtimo, por cktmplo. Julgada wia 9~ R desnateasidade de qnslqum diligmtia, nenhnm jui mais +de sustikil-h assim como nb piide Q biz que nynp vez 1eTmt.O~ duvkhann. $ir8 ttn~hb, %viir n o i nullidadee quando lhe roltem porventura os snh, risto O arrip 1:M1.*, que did~ mpmdue wm menoc clrcreza o que P lei de 16: de junh de 1655 diyunha no artigo.??? unico ash~rn redigido; -0 juia que urna. VCB t&&nar nuliles nn fmi do artip T%.* 6s NW. &i ~ud. / t bgv mm+ de todm w y d t a t nof&o, c se ate lhe ~ o l h para dizer a~bre o prinu' ai nw termos do do mesmo artigo na] pderii.tais tmctar d iini1idades.- ' dir o da No. Ref. Jad. impedia M julzes de lcink iiullidsdsn &a rexqus os autos lhe3 fmiemawelusos parahciomri mu ta- e bntm eram abuflos, que foi nemmn~ deelarw n~ lei de ili dc juiilio do 1855 em eeimos decisivos e p-pt0riq pus o juiz faria lo&-u inmiç6o de todas ae nuliidades que ~ncmtbasc no fmt~ qumdo gclcgim&p v= tfvlçimãsq c na'&&& maia trnctar umdo I e r tas= o prowso para djzm sbbm o principalhhiczm-r e iuimnm-sc as scrrdh qne ordenam quuyer ;40t05 OR diligericia-5 lacrando-se na tc*ç&s powmhrsji proferi e d'dleri cabe recmo de aggm psra o Supremo li-ibund de Js3- liga: mas se publicain 03 I I W V mbre ~ ~ ~ nullidades senh tim o accnrd~o fina[, s #eiles conhece o Supremo Triba~~ai de Jvatiça no jukmmito do fundo da -um, ainda quedo sejam wr-ena comprehcndido& no de RWBR Pelo systcms do -r do C ~ dficava i o juia com a. teir* em er, fechada e Iamda wrn o sm xlb particular, e.- a data em que mtrc- o p m w mo cartario, wm B 1s-r nas auto& e o juir, em terceiro lagsr, depois de escripa a sm tmgk,'chsvn h co&resfia.xj que mtcriormmte ti~eem' TOMO m a em prercqa de tadw se abdem e lerem as ten* que ficririam abel-tss C juo- WA h11t.04 w h~ux-cgge vendments em m pontos da m s e n'nlflm dns fundarmnfos, e hm* O &Ccorda, ainda que a l dos ~ wqcion~ter faitataae! ãquelle qnc as outra& de entre si moolhesem, ou lems os autos quandu as eatcndwr =ia con~eniente da a escrever logo aui, para em coiifmcin, nn m~3mn uc& marcada, sm apreeentndi L mia&, 1 ma. 6eriph nw autm depia de xppr~rsda ou emendada a pot todos & uada no kibonal: m no domicilio de cada um; E na w achsnde ~c,&mcs em tdvs os pontos, e pelo menos n'dgum doa hdamentodoo 06 tm wtas, q i n o procwm rr novm jvise> qne e==vw'iam h06 Batm = ma ah! bver vmbnw, ptmbn-

14 da-l A dp d ã o tio mesm mwlo que se ao abrir dss w- houve ~rn-oeimeiih. Eale evideubemmtk d&&dn no in& de obrigar todas os fnkw ao e*- minndaso dm aato~, deamimva o jui - msato sem satlafazer ao h do Ieskih, rqns a jaix pdl f& a ~sicrar com o ien wo a teaç& qnax a ~ smw paras contft rsueja, OU c a ~ e m ~ a mino&, e Gwad-R s~ar jnk Oo p m w 'de T T~&L oorrem ciaw juisw, e 0% jsi$ados m sanfereneia 1:169~ Wa Snpauo Tnbami de 3u# nenhum ha *& m a m em rmicl in&n&; mas p6de hv4r incids~tka a rdmr em wnferpatia, mesmo nas jnlpmtas m vis artiga I:16& rqaerúamt, lu )ieicr n migi*iio &m, i hdqmternenie de +eqa&eaqo- mm ani nu ciiiu qne el j.g%?e M. i:lrrsgl4 O juiz rdatqr, depois de satisfeitas as dilipncias que forem necessãtias, escreveri no pmsso a SIM fenqão e passa1-o-b ao juiz seguinte, e aste aa irrimediato. 5 I-" Cada nm dos juizes declarara esyeci6cadameate na tmçi\o 05 fãodameatos do $eu mto, airrda qne se cwforme' com o anterior, assiglari e datara coq O dia, mem e amo em pae pazsac ú processo ao juiz sguinte. - $ 9.' O cankiido das 8q&s é secreto a18 a pnmicaçãú do amrdzo. g I.* - {Vi& doe ao artigo 95.~ (Rd. nota sn artii l(lo-0) Ari.!:O&O.P Começado o feitci a t.cirinar, s6 6s &rir& a mndasão, ã requerimento da parte, para se ajmctar algama carta qne de~a ser atkndida nus teruicis do artigo 84.D 5 4.' Apresentada a rarta a0 j~ie que tirer o processo, 8Ue o levar8 i confe~ncia para se decidir por aiccsordãrz se a carta Nda ser adraittida, e, no caso ahuativo, fechadas e Iaeradas as tenç&s, dar-ae-ha de uma vista As partes, d%~dbse depois o que fica disposto no.$6.* do artigo 1 :mo $3.0 A habilitação ~ poderi ter logar depois da pubii-. cacão do amrdão, suspensos os seus effeitos. w a ~ ~ m e nde tparte n nad p6ds ser aberta, agik srajunq& de dps earh no% t m da artip UL*, ou ara jofg-to dã dwia&+ co&h on ~a~ dg6s 1;1h.* e 1:125P, Nos seu# doia primeimri pmj- con-a oammissão ~vkhru, em um do rctente dgq o seguinte :-Se a* pwh grebeadçr c&ar on dmistjr, estanda o feita a ~ ~E~wLBP, o jma quem U m sido distribuido mmdd wmir a 0ut-a pcrrte, e mm a rewigosta o escrir-3o apresentarã o reqnerimerito to jjai rn podm de quem O fcih, para este o levar Q oonfemwia; e 8hi ee decidir par #c wtm eombmmtr mdandc-ie fechar e Iamar aa rjaucbr aos outos c regaerimehtm e rema, *do W i z pm WQrdt4 a ~ ~ & cnd3eãa o n - o Codi ~ ~ c eah o materis u m~ cqituio eibp&d artigo6 i:ieeo e r:i& g 2.. Fd nota ao a dp 349.0) hrt. 1:001" Se algum dos juizes -&nknder que na pm 'wsso ha ouliibde i~opprivsl, sgmente tencionara sobre nuliidade, s os juizes seguinies tencionãrzo restrictamente a respeitod'dla ate haver tres volos oonformes.,$ i,' Vmeendwe pela nilllidade, e: bavendo ji alma lsnç~o wbre o mwseimento do objecto priucipal, seri esta fechada e lacrada, e lavrar-se-ha accordb aa mformidade do vencido. 5 S.* Vencendo-se contra a nuliidade, lavrar-wha amrda desses lermos, e tencionario sobre o objecto principal os juizes que o de~eriarn julgar, como se n20 hauvess8 &te incidente. (Via. nota ao ariip l:w.*) Art. i:m2.0 Estando im edido, por mis de pninze dias. algum dos jdzes oe tirer tencionar no prmeso, pssarh esta ao jaiz irem 3 iato; más se, antes de hy8r venmmmto, cessar o impdimento do juiz, voltar-lhe-ha o pmso para tencionar. Art. 1:083." Harãndo tres votos confomw na mfifirmaou revogam da sentenga, o jniz qw ber ~encimento

15 Iama o amrdão e o Isrará a conferencia paca ser assigliado pelos jnizes que beram =ieocimeaio Tornando 0s jnims dirersos Inudsmentw para votar pela tmürrnaeáo ou revugaçãk sii haveri ~eneiwento quando haja uinwrdancia de ires loaos, pelo menos, ern algum dos fundamentos. $ LOSe ou Ires lirimeiros forem em parte concordes e emparte discordes, ira ci prmsço aos juizes sepioies para que tencionem sii ua parte em que houver dir-ergeocia, a16 haver tqs ~om$ dormes, e *aquele em quan se Temer a deusão rai'rari o awordão.. $ 3.O O awrdao seri publicado peio juiz que o tiver Iarrado,,na mesma sessão em que for assignado, e, se a1 ym dos juizes vcnndows deixar de asignar o accordão par não eslar presedle, o jniz que Q lavrar ar& pssa dwlaraflo. 5 4.' A falta de assigriatum de qualquer juiz on da deciaraciío do seu rolo, nos termos $este artigo, o20 8 nuilidade estando a accordão lavrado conforme u venbdn; mas qualquer das partes pderh wqnerer o suliprimerib dessa falta, rio pram de íinte e qustni horas. aitiw.do wctm C* G37~ m& causas jnlg* em conferencia. Hoje pm&m,tanto em materia dvei visto o prescn* Ccdi$b, m o em materis commw, srtigo 8:. np 2: dn deed com força de lei de* üe jmho de 1P20. t;b p r m trec~otor mnfimea, qaw pma reuo.ar, qnm ppsra cmfimr. S%P~ ~ribrrrial Adrniriishtim, regutaulhfo de 12 de 18%. srtiga s u~ jilg*miob. dos recmmr dgilang nay%$ vw* Me demw de 12 de jnncirv de 1W. C que bmsm dois votm eonfomca em algum dos fnndammtos para h e r mcimerrtn. Além d'iw an iunlcrris ci~al, exeptaando w reenriw eleitoma,e, em virtode de lei es ecial, rs w cartas Wateniuuliaveis m virhrde da pmtimi forense, nsdurn iiemrm 4 jnigsdo e m 0 visto de &a j&% qauiido cm materia crime, no iakresse da cderidade sep&as, mas Pam +&o de wrto da bãs adininiatsaçb da 'ustiça, se d- mitte csms,jnlgilmenio $6 com D dstu do reltar, jorisprudsiids siodx ultirnânimt~. âoceitc na lei de 15 d'abril dc 1%G,. risiig 6.' $ mim A exigmíis dw tres wtae conformes. pelo maios n'd um dw fnndamenbs, trinta sobre s ewncis di que&, m o sofre q~lqnsc daa pntoa oap.tfw&das, bds-ae em que niio i reai o ~encimenb, quando o acmrdo 8 por motivo differente, como w am qots )nm++, outro ph irnpmcdeiki pdilo. e nitm pie E de pioya; mas demom o julphtnto dos procesm8. e fari mu;taa rem preecer 6 minoriii mbra a maioria- porque bda o mmdo 1 t r juizeq ~ n'dgum doa msrnentl. para inuiiliw aa mteag6~ sakr;nmca.aunlqu*r pae neja riwu numero, se ertw n8o bwet aocbrdo num, yeb mema, dm fundmmtos. ~dvc-st? em c&rdmci& a divmgi+.is wbre cestas, parque & reapcils aos fmhentns hri cama, ariw 1:OEL-.4rt. t:n,k." Se o juir; que ber vencimento for o pri& de opinião sobre qualquer incidente, que zi%i regpila immediabmenb a q!iestão principal, n30 prwra o prueasso ao juia segilinie, mas Iwal-o-ha 4 wnferenda, para ser cidido pelos que tencionaram e plos mguintes ai& barer wncimento. Art. 1:13X'i.~ HaiPendo nas &~iie$ di.vecrgencia respeito" de custas, será eçse ponto resolvido a final em conlerencia, vaiando os juizes seguintes, % os que tiverem tencionado não fierem vencimento. Art. f:0813.' O jniz que fizer vencimento ficara seodo ri relatoc paca Idos os iutidentes qae br)u%r ; na sua Rlh m inipedimento, ser~iri de rslator apelle a pem O pr& cesso foi distribuido, não tendo sido vencido, ou, no caso tmtrariii, o primeirui yue liver feito vencimento, e, sendo esle impedido, tari as sues ~exs o seguinte na ordem do renc,heot.o. F;d. mia w artigo l:wb.*)

16 TITULO 111 DO SLTLIGBMEflTO EM COHFEREKCIA hl. i:og5.0 Ser20 julgados em wnferencia por Ires votos mfomes: 3." Os aggravw; 8.O Os recursos i com; 3.O Os coaflictos; #.O As appeiiaçfies inmposhs das'$eu&nws que tirefim auctmisado a separação dos wnjups; 5.' -4s reris8es de wnteocas de tribiinaes exbangeiros; 8.O As babil'itafies e qeaesqner ontw incidentes. EeqtasYido a CBW prâviatsc n'cbe a i14 &um e de emmecio, Wan as ontrm &o por -8. W h ae refers &i' nomeadamente ds art~ temtmnnhare.iaia, que &O -em $Li&& em mnfmncia, e qu inpmiica não comam.a Ta% tilrr. +que o h d'dac d unicamente obter que se.wwam os m a - vos, que os pmdidsnks dis Rda$w Sir r si podem mandar e m - 7- attiga i:ci%.*, a pqae r6o y~eaa& setu iididi d. p<.ta E rmdads que as cartírs teihmnuhaw & WbuIdas na clsaaa dos aggr~vo~, tanto na &l tamo ha SnpremoRibunslde Jus%s, 1:m.e n.< 3.0 e r, nd L*, que pelahra~. EM. Jnd. P- 741 % mim, e pela lei 2.4 de 19 bs h e m h de IW, aram jdga daa como o a r m, qsá ;tapala~t~ d4 h.* 6.0 do artigo :-e qamgwr uulrat &a-, arecem wmphflpdel-as, e que noe bois em sactor &iw, c- nas do* +me prqjwtas #?!,h rniwr~ a nip arrespondente ir artigo 1:W da í'd de Rbmsm kv3 ux+im :-a sggxsw, ewliiths% jus* D TWM. A w w e Y habilt.pie8 e pua. ver ~ w m ~ s ~ wg, julgadas e em s wnf-cia. - Todavia o dgo 1:&3? nb extge fodmea nm de espie algums para a jul~m~tcm das.cartas t&annnharei de c& porque ti+ ii1timo pm~ecb da wmmimb foi s&- tuido pda redqh, que hoje aã enconb no Mig4 o % ~ Ch Q a# era dido asim : - E ~ q gconhecd o aggm~o em -%a csdtewtemmhav*, od aubb ü8 auto8 qua& for carta d 'k- &-a dmde que pelo ultimo pmje& & CO&&O &ara a carta arm apmm para ue mmdai. escrever o a$grava, s nh para rn SX+ r h m do agg~3.50, ma p~derp BHigir-tr~ por dogk do que aueeede com ir com qnant0 a carnmbdu wcomasse~ iltimb prtj- &&itaad6 nwi ~rtigoe 1:WY nq 7.4 I:OB?.* i X'ZMf n+* 3: do igo, exsctameute eukm ma Srtip 'Iad n.0 6.q, ZMP e G5l: n.* n&do W. * Oe oom+rn* em rn uqd*, L* 9 5.O artigo 8% pm cinw jaizea dips 1 :071.a $ Ia4, ~:WP e l:qm.*, quanto brim treã d o s mfmm8s pwi8 a decido- e d e e 5iio h ~ntenyw qee tm+ nspaao a sqam& h. mjrtgee, oomb &i que a tenhrrm arichm~ida. NP Jielap8o e na Snprem TribaPral de JUE+ d a w jul porarti rroi tmnig do arti o M. 4 wnio quanx N, cwe c a p ~ i d = - ~ wef*asir, ~ m 8%&vmenb & confz~w aa q~8sd0 queridas m>s &mo$ dm ssbim 0 BPPp gae ~6 baíf8m o&receado-s embs c t hsbiliw ZWB %mba da arti o wgunda jb apli%os em s abts m *fendo artr$p ao hfw sm M o o ~ a.5~ s hsbiliw dedusida intikta dá aaapa no Criburid augsrior, qm seja hg-3 'dgab, qum em m o doa tribmws i&ima por ter Zxad~, 2 sempre jdda em W- PYcrbc'q wmo em mnfmcia &julgados tdw w orihw iacidob&icgi menos a anã ci& que di+ em primkro ria enumm- <Io an -Lu mo ~*, e que r P$L tum. prescriptoa ao artigo I:== art' w.d,coma#itderita, ao ama~-w mnw. Act. 1:M8P Esmdo requerida, riu sendo,prop+la +r algm dos jaima, a necessidade de qnalqnst d~ligencla, mra esse incidente resolvido na conlerencia. 5 unico. Vencendese a necessidade da dilipncia, lavrarss-ba accctrdão mandando pmeber a ella, adiaodwse o jrrigamenta, e satisfeita a dilige~ia, o pmww ira no~amente a& jniees para o i-isto. Art. I:0gS.' Os am&~)a.ss~áo lavrados p& juiz relatar, excepto se ficar vencido, e ri'este caso seriio lavrados pelo primeiro jtih do$ q18 tiverem feiw iwncimenlo.

17

18 -, ~IO o m-iigo 1i176.0 si dadophy do Ieghhdò para a R o ag w pmxm a +r no jdgamr& doa embmgoa.?p (BG o psimeiro projecto de c*rnmi~io r*n~ra rto dgo amm- ~pondpnte ao ar* 1:liS." djxia assim:-0s grsvoã e cartns t&mmhnv~o, IogO depbs bs preparados s dish%doa, irga m- clws MV r-r, e ser20 julgados na se&& seguinte, cui conhen- cia par tres V& conforme$-; s o pibjcjcct0 definitivo do auctor Q Codiga assim -DE nmvm e cmts ~satemunbiws se& julgadse m mni~acia c-mfomie m P C seguintes-, s na m e GLVa preminy8&~kdej s wgmk IIO mntcr doa aggra~w. Aa~"4Wep do juigsmmto d'&a remmpúk sh a~ rn-ae na blgpo C no ~upremli Tribund de $&iça, isto 6, &i jnlgadoâ do wma r& n'm e ntbm.ro tribd e- mcotsm; mas oã $'fim doa acmdh do Supremo Tribriasl de Jmtip que apem mc n%o podem aquipw-ae rroa dw mdbs da Edn+b qas jdg~, sem bi exprwn que assim detmninc. Nem o preceim do sittip lidih\ que regula os &eim de dwi- &-a wbreagpvvo na Rei+, quc n,b dmimlmtbnwa, e- ria applkar-se a egaaea dc~isijes do tjiiprmo Tribunal 8e duatiw que, por con-ts e unifiwme prntica, admittem sulkgrrs, c que. p i b nso produem e&ib em quanto I& mt& prsjudiudo &e remmo. PJk pode:.mel+ c- 'dos m primeira hatmcia os acmdfm do Suprema ~nbaaal irnrdqwis Bb julgãmcot4 pba Rel& az~pto gaândo re~hern sobrc d m c formalidadca ~ do pmso pdacs- Boc em primeira instsocia, que os autos b&m logo &i p m se poct?d= fi *dorma do proceaao. A Hovissims IUhr111r Judicid, que do remdteçia s-da re- Pi94 mem admittia embargos ma aecbrdãas do Sngrernd Tribd de urrtir;a, inuarrr~fies dwids lr5 de 19 dc dcrcmbro de 1843, permimi4 ao mmutado rcqus. tomedida a rcv~h, s $upm~b da com a mmpetmte mrtidsa do ~~~~: c a crioimiaaaa80 * ~ + f l n6 ~ sen prim~imxajecb miiprra no ar* 515.' e 1- pinte pmeito :- Cmc ida s reriat8 a aecapã~ p~w, 04 i* aeguh~d~ a natarem da deti& rofekida, jnnctsndo.w MI p+ a- ama &i& do wrdiín da &plemo Sribimd.- Mas logo no w p d projecto ~ niminon aquda preceito sem em a* alguma pbrmittit a exem$a doe acwr6gae do Snpmo Tn-!mall que nb recnbidsrn rob~ tc-a e Lndidrdts pmamadm an rin~áirn- hnskrncis, mtea do julgmentop 1yqb. i8.mat. minishrid, depois amrer6 e ni 1.1 de 19 de.de- - semh ds lw, wjaa d;r õm param am I preem% Wpia. ma o do artigv 5 ~ ~ % i ~ f& (a rg1+6* Liíe-psã.) p l memm ~ fiind8m&00 pr qnc j& %i cconcedida, ali decidida pd~ Supr-o Tribd dc daatiça em rec~ks mrtidaa, applimdo a ao fscbo, como rier $i,+. E *'&e wm ~a m o trihbl se tdmhe &mw?p phm se &r ó y- ; a pelo &reito rigente o kibarirrl auperiar de pcm s mann m e~undo rmw, que jnlp & plena, faz 1 9 a. devi& sppliçaçk do direito ao fktw ja ado pmvado pcln pxi~ieiir~ conseih* dc guerra, ie zefomia a de c rwsvmida, Cãdigo de Jhatiça Militar, wiip 39b.n & h ~ d do % Gopremo 'i'ibund de Jwti a de 16 de nwernbro pag. ia de 1~~ h -, z.**no, eb, Eúau.~ s s s o P ~, d ~ ~ q w o Supnm r= zvjee em mrista Ii que rn? de- ae erirahiase mkqa prur e salstihimm b n- tgdo 8 S.* do ariigo 5.* da p piwb pelo, que &em snm- n no 2.0 do srt?ga 5.ods I de i3 de de 1843, ~ DOE quinta tem; -Se tiver oe mmaa fabmmtoar qu~ 19, foi concedida, #&pelo Supremo Tribd de Justi.a aeci daem OUqòea reunidasi e, &o riammeute mnecdids, a r poe ibr wmmdda a enw se wnfmarb com c &ti& du Sair- Tríhãl de Jus*& sob$ o pnto de direito jdgdb por ate apptid o Leim rn facto, eác entc;riomtnte ksh~erjalgado- - Campre -se pia I mrdk da IMgIo: wbre -AVO em face de &i& q d h moga desph & j6z ds pri4eika iwhlleia 4 aos prqw.06 mty, quer wnãrrnsto~v qw m ~ w cb d depachw de primeira irrstanua qmda o r e m não *ugm eobre appelh$ em faw de brcbpbada ou nos 8uWor1- -8 l:i)ll1.o s 1:05L.*, o r h qrmndo soa ende a mmrg?ih p % sido mebida no &h dewlati~o, a qne dena =ma- %da em ambos os egeitorr wtigo I :8~; e nb w mfew o artigo i.h*these ds &Iqh wnhar, em ree de rwagar, o despeho de pemek imtancis, raodo o d e ein ~eparadq pqw - krda, ainda mesmo que a pnrb ris teoba aaquecida da o requwer R&çb, nem o h para snspd di ~SWP* q o m for ~ recebido no bevolnti~~ o rwurso 4e evi$lp n'dp d~ -E prescriphs nri srtip 1.;X5U5Uo, rque elh rev&, e 4 figai, nem a poiitica &m mais de danei=. l'orbm,tdvcir idh de queabeh~$ da 4 -do que ds, tm o Supremrr 'fiburiai de Justiça dpm im decidido que tambevi ws ffgpmm devem &r ounipridc=a o# seas W&B por urna simpb ~ ~ f i OOmb d h 08 da Eda+r, hdrnd0-& iiib sdgo l:l'is.*, que &h& d applica w ~ o a appell*,, t % h s i&iemmharei% E C O D % C ~ de ~ juriadicçw, cw brmm p m que er vbsmsm no juzgm&dperp)nb rwr a* OoãlO o0 n'sst8 c- C dezde go ieqai~e.i a &&L iem eonbqw do recnreo, mediante c nqh nos %na# do &ip 806? Msa o Suprema Tribunal de Juatip não mandarpimar h- A miqh doa artjp 1 :li2~, X:IT5.* e i:f76.~ a& w mnfmde com a da srtigo~ I:IiS.*, 1:17ka e 1:17TT4 Fio eentrebif~ j$ rim applicar o preceito do digo ati a d&ijües prnf&dss em &ta 2, clom idrw$o aberta do artigo 1:1m.*, que apenss se refere b appellesa, ww, cartas í%&amu.uhg

19 & e mnflictae de jsriiidic* s que nh podls refmir-se L &r cn'os krmos da julpmentú ti&* pte~~ripkra ws nri&w 1:lW & 1:17l.d, +peque, aioda applica.d+&e em tudo epm todo ao Supramo Tribnnal o que eata dibptb p;u& B. R&& aha miam ae~ ezmmtxii~ r. em rerkta mim b. 1 ~ c& nim Fe na d d 6 de Relaçgo sobre appellaç;ec 68 do cxemitam p r ai=ples edd8a, nvw ma e &ente nas pwpriw autos, on no hukdo. Art. i :070.* Os rwrws i corda, inkrpafm dus bispos, memputas, vigarios graes ou de qiiaesquer anm~dades ecclesiastieas diocesanas e das Relafles, logo depois de distribuidos e preparados, ir30 mnelws ao juiz relatrir, e esu mandari intimar a auchridade mlesiatica para, no praa de cirico dias, responder e remetter cam a resposta os suuis qne deram origem ao recurso. 8 1." A intimação xra feita pelo juiz de bireizci do domi- Ejlio da auctoridade mleçiastiw, no prasu de vinte dias, e no acro d'ella Iara enf.regar ao intimado uma copia da petição de recurso e dos documenlas, que Ihe %ri eniiada da Relação. Nas comarcas em qne liouver mais de um juiz, a iatimação será feita por aquede que a rdator designar O 0 auto da iatirnaçso wra lavrado por um dos eàcri- '-+ás$ do juiz de direilo, e assignado pelo mesmo juiz e pelo intimado nn duas tesf.emmhex. 5 3.' O juiz de direih, 'logo que receber a resposta s os. auto$, Par-lhe-ha ajunctar o auto da inlirnam0 e remeiler& tudo fechado ao juiz relatar, egnalmente wmetaeri o auto da intirnação s csr~idão tia falta de apresenla~o da resposta e dos aiiros, quando a aactaridade eulesiastica nb os entregar no praw desigaadu. 8 BP IVid. nok ao 779.~1 $$ i." em Art. t:07i.0 Recebido o auto da intimação, wm a resposia a 03 autos ou sem dbs, o juiz Pelator mandar6 dar vista, nos temas do artigo 1:040.', As paries e ao mhisterio pnb ~ ~. $ L0 Recebido o prooes~ com as ò escrivso fal-o-ha cooeluço ao j& relator B aos quatm ~egilind- para o visto, e depois ser4 proposto em wnferencia para ]algamanto* $ 5.O Ainda que ús autos não Wrn sido rernettidm, o recurw ser8 decidido 93 0s inizes entenderem que np prb cesso ba os elementos suifiaenles par% isso. g 3: As decis'ies serão iomadas por tres wtoa oo~formes, intersindo tres, PB!CI menos, do$ juizes que &ivewrn visto o pmesso. pia. m ~iw ~rn.*~ Art. 1:078.* Se a ancbridade e&siastica não reraolter os autos ou deixar de cumprir o acwrdão no praso que lhe ror designada, os juizes toaodarão prder mir JIa 6s Lmqoralidader, sequestrmh os bens e reodini~k ma lhe pemneewm e declanndo suspwso qualqua vgncamen~ que receba pelos wtms do estado, Mm prejuim do pme dimeuto criminal que ppsa ter logar. 5 uniem Dri despacho qne mandar pmdsr As tempralidades dar-se-ba irista ao mlnisbrio pabliw), s eslerewtter6 aa gbsrno uma certidão da deci$áo proferida. Art. 1:079," pmsça estahkcido n'este ~capitnlo 6 applicaiel As appellaç-w h satrtenpaç am que os juizes de direiio tierem decidido os recursos a corfia, úrnittindo-se porh a intimação a anctoridade ealãsbtica. wmo o DOS C D N F L r ~ ~ Art. 3. Os wnilictris, positivos ua negativos, entre os juizes de direito ou entre as wuas ancbridades judiciacs de diversas comrc'cas do mamo digtricto, serão decididos pda respscti~a Relaqão.

20 g mim. Tanto o rninisterio pub1im irno qoalqner dos interessád&- pbrle w!icilar a decisão do corinicio, por meio de requerimento em que espmifica~ os actas que o cwstittiem, ajudtlando logo documentos cumproi-átivos. (Vid. rwta ao artiga i7tp), r Art. 3:08i+' Distribuido 0 feii?, o reiator mandari immdiatamente passar ordem para que as auct~~idades em codicto pxiliva sobreestejam no andamento dos rcspectiws pmcessos. g unim. O midisterir, publico promover& o mmprimenko d'was ordens, qne se ajunctwzo aos processos sobre que versar o confliclo... Art. i:1sb2? Pasada a ord~m, ou nzo hayendo fnndame~rto para se expedir, a relatur mandari dar vista por nnb e pualro horas ao minisleno pnblicíi e com a resgcista d'sile emrl o processo a conferencia para por accordão se man d em ousir as auctoridades em mníliclu, desigarido-m o praw dentro do qual devem responder. 8 I.' O ministerio nb1im perante a remetlerd aos sens respectivos f elegâdris a urdem para os juizes resportderern, e por inhnenção d'elles serão dei-ol~idas as respstas pae se ajuncurb ao processo. 5 2,' Os juizes eserererão a sua respmta na carta de ordm, e com esta poderão remeiter queequer certidões do processo. $ 3,VFindo o praw designado pan se apresentarem a$ respostas, % jancb a carta ou O omcio participando a entrega d'elia, dar-se-ha vis& ao rnhislsrio puhlico e aus interessados que tiverem ajunctado pmcur4çk, por cinto dias a cada um, e o processo segairi os mais termos wmo aggravo. Art. 1:083.' Decidido definitimmeate o cririflicto, o mini.4terici publiw remelbera certidão da -detis% aos seus respectivos delegados, para que a façam cumprir, Pld. PO WtQp 77q Iins IIiTEAPOSTAS DAS SEKmSCXS QGE TLVERCU AUCMItIãXDO A SEPARA$& DOS OONYCGEB Art. 4:rnb.F Llisttibullid~ e prepatado O processo, ter30 vista os advogados dar parles e o minisrerio publim, nos termos do I:UStJ?, e em seguida irh conclnw ao juiz relabr e qratro seguiales, para o visto..krt. 4:DSlj.o I) julgamento ieri logar em conferencia, e no dia Dara elle desi~nado sera à càw previamente dism- Lida em' sessáo sarera. 1.O O despacho que designar dia s%rã intimado, e o julgamenm n%o se adlara por falta de mmparecimento dos ãdvogados. 5 2.' Feido o relabrio pelo juiz relator, brzo a palavra os advcigados da$ partes, cmepnda pelo do appedanle e. podendo cada um d'ellen replicar uma sii vez, e por ultimo ieri a palavra o midisteriu publico. I Art. i:ü&." O julgamento nau poder5 vedficar-se sem me esteiam aresentes tres, pelo menos, dos jnizes qu8 ti- GrSm ~ kto i prowim. I.' As detisfies serãli iurnadas em conlerened por Ires votos wnformes, intervindo, quando nmssarih 03 jaizes seguintes que estiverem presentes, at4 haver veocirnmb. % O accordão, que decidir a appellaç34 não mntera relatorio, nem sera fundamenudo, e sb d~hrsra se anetorisa w nio a sepamçig mencionando a cansa d'ella e os nomes das parks, e sra publicado na Mesma sessão. Art, 1:087." As sentenps proferidas por tribunaes extrageiros, a qiie se refere o artip 31.0 do Codigo Civil, não serão errequiveis no reino sem estarern revistas e commadas p r algum das Relações, com mdiencia das partes

Politiska riktlinjer, avsnitt 2 En stنndigt f rنnderlig vنrld

Politiska riktlinjer, avsnitt 2 En stنndigt f rنnderlig vنrld Politiska riktlinjer, avsnitt 2 En stنndigt f rنnderlig vنrld i~éé هê pلا o~ا cêëن~ضëëي نن~êة aلëيêلâي vêâ~هاة cêةاê~ض~هاةë êâ~هاة M m~êيلëي êةنëةه _لر~ننيلننâ~éليةنOلêلâينلهàةêه~ T OT _لر~نن _لر~نن نêا~ضOEâ~éليةنOFKاçإ

Leia mais

'!"( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, ".6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # )

'!( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, .6 )) -2 7! 6))  ) 6 #$ ))! 6) 8 9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) !" #$%&& #% 1 !"# $%& '!"( )*+%, ( -. ) #) /)01 01)0) 2! ' 3.!1(,,, " 44425"2.6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 4442$ ))2 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) 44425"2 ))!)) 2() )! ()?"?@! A ))B " > - > )A! 2CDE)

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

! $&% '% "' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 / " ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',!

! $&% '% ' ' '# ' %, #! - ' # ' ' * '. % % ' , '%'# /%, 0! .!1! 2 /  ') # ' + 7*' # +!!! ''+,!'#.8.!&&%, 1 92 '. # ' '!4'',! "#$%% $&% '% "' ' '# '"''%(&%') '*'+&%'# ),'#+# ' %, # - ' # ' "%'''' ' * '. % % ', '%'# ''''') /%, 0.1 2 / " ') 33*&,% *"'",% '4'5&%64'' # ' + 7*' # + "*''''' 12''&% '''&")#'35 ''+,'#.8.&&%, 1 92 '. #

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Tabela de Vinculação de pagamento Manteve o mesmo nome DDM SIAFI-TABELA-VINCULA-PAGAMENTO

Tabela de Vinculação de pagamento Manteve o mesmo nome DDM SIAFI-TABELA-VINCULA-PAGAMENTO Segue abaixo dados das DDMs que mudaram para o PCASP, tanto as que mudaram de nome como as que mantiveram o mesmo nome. Para estas, os campos que serão excluídos (em 2015) estão em vermelho e os campos

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Gabarito - Química - Grupo A

Gabarito - Química - Grupo A 1 a QUESTÃO: (1,5 ponto) Avaliador Revisor A estrutura dos compostos orgânicos começou a ser desvendada nos meados do séc. XIX, com os estudos de ouper e Kekulé, referentes ao comportamento químico do

Leia mais

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12 R A M F A R A N D O L E 12 ru e d e R ib e a u v illé 6 7 7 3 0 C H A T E N O IS R e s p o n s a b le s d u R e la is : B ie g e l H. - R o e s c h C. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : * * * * * * * * *

Leia mais

! " ! % #! $% & % '() *$! +, ) *$-.) +,) */ 0 *$+1).-+,) */2.+%3 4 5 ) ' & -))) 6 *$ 7 5 8*$

!  ! % #! $% & % '() *$! +, ) *$-.) +,) */ 0 *$+1).-+,) */2.+%3 4 5 ) ' & -))) 6 *$ 7 5 8*$ xfghdfgh!" # ! " $$! % #! $% & % '() *$! +, ) *$-.) +,) */ 0 *$+1).-+,) */2.+%3 4 5 ) ' & -))) 6 *$ 7 5 8*$ &! '! -! 95,()!! +)- *$ - :! ' ')!0 ') );!4 ' -! ',*$!7 < )) 6 +=!>? @ ) *$!)2 3 ) - :! -), "

Leia mais

! "#" $ %&& ' ( )%*)&&&& "+,)-. )/00*&&& 1+,)-. )/00*&2) (5 (6 7 36 " #89 : /&*&

! # $ %&& ' ( )%*)&&&& +,)-. )/00*&&& 1+,)-. )/00*&2) (5 (6 7 36  #89 : /&*& ! "#" %&& ' )%*)&&&& "+,)-. )/00*&&& 1+,)-. )/00*&2) 3 4 5 6 7 36 " #89 : /&*& #" + " ;9" 9 E" " """

Leia mais

Versão 2. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Versão 2. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Física e Química A Versão Teste Intermédio Física e Química A Versão Duração do Teste: 90 minutos 30.05.01 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/004, de 6 de março Na folha de

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe A H,0 Li 7,0 Na 2,0 9 K 9,0 7 Rb 85,5 55 Cs,0 87 Fr (22) 2 2A Be 9,0 2 Mg 2,0 20 Ca 0,0 8 Sr 88,0 56 Ba 7,0 88 Ra (226) Elementos de Transição B B 5B 6B 7B 8B B 2B 5 6 7 A A 5A 6A 7A 78,5 8,0 8,0 86,0

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

RELÉS 24V CA / CC 24 240V CA/CC 3RR21 41-1AA30 3RR21 41-1AW30 3RR21 42-1AA30 3RR21 42-1AW30

RELÉS 24V CA / CC 24 240V CA/CC 3RR21 41-1AA30 3RR21 41-1AW30 3RR21 42-1AA30 3RR21 42-1AW30 Reles de Monitoramento de Corrente SIRIUS Os reles de monitoramento de corrente supervisionam não apenas os motores ou outras cargas, mas adicionam facilidades para o monitoramento da corrente ideal do

Leia mais

LINHA MERCEDEZ-BENZ. REF. Nº ORIGINAL APLICAÇÃO Nº de Pás. RI-001 3432007124 608/708/812/912/914/Toyota 6

LINHA MERCEDEZ-BENZ. REF. Nº ORIGINAL APLICAÇÃO Nº de Pás. RI-001 3432007124 608/708/812/912/914/Toyota 6 CAMINHÕES/ÔNIBUS LINHA MERCEDEZ-BENZ RI-001 3432007124 608/708/812/912/914/Toyota 6 RI-001-1 3432007124 608/708/812/912/914/Toyota 7 RI-001-2 3432007124 608/708/812/912/914/Toyota 8 RI-002 3442057006 1113

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA 1 2 3 4 5 6 7 1 1 1, 00 2 3 4 Li Be 6, 94 9, 01 11 12 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 K Ca 39, 10 40, 08 37 38 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 Cs Ba 132, 91 137, 33 87 88 Fr Ra 223,

Leia mais

ano Literatura, Leitura e Reflexão m e s t re De quem e a vez? José Ricardo Moreira

ano Literatura, Leitura e Reflexão m e s t re De quem e a vez? José Ricardo Moreira S 1- Litt, Lit Rflxã 3- t D q vz? Jé Rid Mi Cpítl 1 P gt Td é di pfit p l: U liv lgl, d lid. E t d di fz d! P Hê: U di vô lá íti, vid hitói d tp q l id gt. P Hit: Ah, di d ihd, it l, it ág, it hi! P L:

Leia mais

Verifique se este Caderno contém 12 questões discursivas, distribuídas de acordo com o quadro a seguir:

Verifique se este Caderno contém 12 questões discursivas, distribuídas de acordo com o quadro a seguir: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Se, em qualquer outro local deste Caderno, você assinar, rubricar, escrever

Leia mais

Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores)

Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores) Sólidos covalentes C, diamante C, grafite Si, Ge, SiO 2, ZnS, etc. PF s e dureza elevados Insolúveis Isolantes (ou semicondutores) Sólidos covalentes TEV: rede 3D de ligações covalentes C, diamante (sp

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

Siemens AG 2009 SIRIUS SENTRON SIVACON. Catálogo LV 90 2009. Baixa Tensão Corte, protecção e comando. Answers for industry.

Siemens AG 2009 SIRIUS SENTRON SIVACON. Catálogo LV 90 2009. Baixa Tensão Corte, protecção e comando. Answers for industry. SIRIUS SENTRON SIVACON Catálogo LV 90 2009 Baixa Tensão Corte, protecção e comando Answers for industry. Interruptores de corte em carga, sistemas de barramentos SENTRON 8US Introdução Tipo 3NP 1 3K 3NJ4

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

UNICAMP 2012 (2ª Fase)

UNICAMP 2012 (2ª Fase) 1. Re so lu ção (se rá con si de ra do ape nas o que es ti ver den tro des te es pa ço). a)...in te res se do pú bli co (L1): Tra ta-se de um subs tan ti vo pos to que de ter mi na do pe lo ar ti go o,

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

Entidades autorizadas a exercer a atividade de transporte de doentes e respetivos veículos

Entidades autorizadas a exercer a atividade de transporte de doentes e respetivos veículos Tipo de entidade Rótulos de Linha 3101 Cruz Vermelha Portuguesa - Delegação De Aldreu 96-46-HD 37-36-XP 66-NX-49 75-IS-24 78-32-MM 3102 Cruz Vermelha Portuguesa - Delegação De Amares 25-98-LI 03-88-QU

Leia mais

2 UKWELI % &' (! $ ' ')#&' &'!* 2-../ 1! '2344&567839:;&3...7< 8(==>?3@.A-.:-B.;;9 !7$9.>:B:?>3:3>3 6822 3, F &I &5

2 UKWELI % &' (! $ ' ')#&' &'!* 2-../ 1! '2344&567839:;&3...7< 8(==>?3@.A-.:-B.;;9 !7$9.>:B:?>3:3>3 6822 3, F &I &5 2 UKWELI!" #$ % ' (! $ ' ')#' '!*!"#$ %' (+,-./ 1!)* +,,# $ %-... "/- 2-../ 1! '2344567839:;3...7< 5178 8(==>?3@.A-.:-B.;;9 >(CDC E(FFFC!7$9.>:B:?>3:3>3 G (+CH (IF7!F2 5 (EJ2 6822 3, F I 5 Índice 4 5!"#7

Leia mais

Cleber Giorgetti Assessoria e Consultoria. Business & Strategy Marketing & Sales Products & Services Technology & Innovation

Cleber Giorgetti Assessoria e Consultoria. Business & Strategy Marketing & Sales Products & Services Technology & Innovation Cb Gg A C B & Sgy Mkg & S P & Sv Thgy & v Qm Sm N m 2002, mp v x mp çm bjv gó, m m f óg, pb-h m mpv. Apçã hm é gó q vé xpê 20 f, q xm pçõ gã m pçõ m: G Tg, Avy, L Thg, B Lb, AT&T, SD T,. R m p m gó g,

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 1 1 1 H 1, 00 2 3 4 2 Li 6, 94 Be 9, 01 11 12 3 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 4 K 39, 10 Ca 40, 08 37 38 5 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 6 Cs 132, 91 Ba 137, 33 87 88 7 Fr Ra 223, 02 226, 03 CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619

CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619 CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 CRIADOR TELEFONE GAIOLA ANEL SEXO NOMENCLATURA VALOR OBS ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619 1 IB-105-40-13 FM CN OP AM MF IN 100,00 BANCO: 2 BB-3992-44-11

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO

GLOSSÁRIO PREV PEPSICO GLOSSÁRIO PREV PEPSICO A T A A ABRAPP Aã Aã I Aí I R ANAPAR A A M A A A Lí Aá S C é ç í ê çõ 13ª í ã. Açã B E F Pê P. Cí ê, ã ê. V Cê Aã P ( á). N í, - I R P Fí (IRPF), S R F, à í á, ( 11.053 2004), çã.

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico

Alencar Instalações. Resolvo seu problema elétrico Alencar Instalações Resolvo seu problema elétrico T r a b a lh a m o s c o m : Manutenção elétrica predial, residencial, comercial e em condomínios Redes lógicas Venda de material elétrico em geral. Aterramentos

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI

REFORMA POLÍTICA. Capítulo VI REFORMA POLÍTICA Capítulo VI REFORMA QUE O GOVERNO LULA E O CONGRESSO NACIONAL DEVEM PRIORIZAR [espontânea e única, em %] Pe so 1 0 0 % Re fe rê ncia s a re form a s Re form a Agrá ria 7 Re form a Tra

Leia mais

7 * ": ) : : I* 5 6 7 < : # G I9 9 4 M N O* P " 7 "! M * : : # M

7 * : ) : : I* 5 6 7 < : # G I9 9 4 M N O* P  7 ! M * : : # M 7 ": ) : : I 5 6 7 < : # G I9 9 4 M N O P " 7 "! M : : # M # Q 7 97 8 ! # # I ) H3"K # : R : : 9 M ) # 9# Q ; : 9 : IM Q ; 9M O H8 7B3B K : 9 ) 4 4; 9 < : ) 9 # : M :!# ; : N : " 3 S T! S U # I T S # H3"K

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

"# # $ % & ' (' ) * + ', -#(

# # $ % & ' (' ) * + ', -#( WinPto v9.0 ! "# # $ % & ' (' ) * + ', -#( -#". / 0 00 1 02 " '3' 0 ' 0 "# 3 4 ' 2 1 2 & ( 5 64 7 8 95 14 8 4:5 5 '; < 9 50 "#! 5 4 5* $%( 5 & ( (&=9 0 1/ < 9 2 4: > 64 " 4 (" * 9? @ *5 @ ; ) *5 $.% 4

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010 UNICAMP 2010 - GEOGRAFIA 13. Ob serve o gráfico abaixo e responda às questões: a) Indi que a(s) re gião(ões) do glo bo com ta xa de es pe ran ça de vi da ao nas cer in fe ri or à mé dia mun di al, nos

Leia mais

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL Carlos Bernardo González Pecotche RAUMSOL A Herança de Si Mesmo Editora Logosófica A HerAnçA de Si Mesmo Ao publicar o presente tra balho, o autor levou em conta a repercussão que ele pode alcançar no

Leia mais

Programa Copa do Mundo 2014

Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Programa Copa do Mundo 2014 Gerente do Programa: Mario Queiroz Guimarães Neto Rede do Programa: Rede de Cidades Objetivo do Programa: Organizar com excelência os eventos FIFA

Leia mais

! " #! $! %! " & ' ( )!! " * + " *, %

!  #! $! %!  & ' ( )!!  * +  *, % ! " #! $! % "! &' ( )!! " * + " *, % ! " # $ %!"#$%#&'()%#*&+ *', #%!-").%",')/&%001 #2% '.32"!'.)%#%2'%%4"'&)'#.)* *.'*#' 2)%#&"'&)' *'!&%5'/65*#'& &*#78% 2*5#%#2)'29:* #;!')*

Leia mais

! &! $ '()*+,-./01234435 #78!99

! &! $ '()*+,-./01234435 #78!99 1 ! ""#$ %! &! $ '()*+,-./01234435 634432 #78!99 #:;&9 2 !" # " $!" %" # $ &'()*+(,$$#% -.*/0(1)2)3425 3 Marcelo O. Coutinho de Lima 4 )*+, 9 82 "! 9!2 $ $ $?$@; *7 A> =" " ); B$" 9 $

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O A B O R T O : U M A Q U E S T Ã O M O R A L, L E G A L, C U L T U R A L E E C O N Ô M I C A C U R I T I B A

Leia mais

ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1

ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1 ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1 Eládio Torret Rocha Ju iz de Direito do TJSC SUMÁRIO: 1. Intro du ção; 2. A im pren sa e a li mi ta

Leia mais

!"#"$%& '( &)*$+,-& '( +!,& ".!(,()/"'& "& (."!/"0()/& '( (&1!"23" '& ()/!& '( 34)*3", +0")",( "/+!"3,'" )35(!,3'"'( ('(!"$ '&,.6!

!#$%& '( &)*$+,-& '( +!,& .!(,()/'& & (.!/0()/& '( (&1!23 '& ()/!& '( 34)*3, +0),( /+!3,' )35(!,3''( ('(!$ '&,.6! !"#"$%& '( &)*$+,-& '( +!,& ".!(,()/"'& "& (."!/"0()/& '( (&1!"23" '& ()/!& '( 34)*3", +0")",( "/+!"3,'" )35(!,3'"'( ('(!"$ '&,.6!3/& ")/& *&0&!(7+3,3/&."!*3"$."!" " &#/()8-& '& 1!"+ '( "*%"!($ (0 (&1!"23"!3()/"'&!!$9+'3&+3:;")&/($$3

Leia mais

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Belo Horizonte/MG, 21 de junho de 2010 Segmentação A s eg mentação es tá pres ente em todos os mercados, incluindo o mercado do turis mo;

Leia mais

Medicina. Prova Discursiva. Caderno de Prova. Instruções. Informações Gerais. Boa prova! 16/12/2012

Medicina. Prova Discursiva. Caderno de Prova. Instruções. Informações Gerais. Boa prova! 16/12/2012 Prova Discursiva Medicina 16/12/2012 Caderno de Prova Este caderno, com 16 páginas numeradas sequencialmente, contém 5 questões de Biologia e 5 questões de Química. A Classificação Periódica dos Elementos

Leia mais

Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de

Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de Ministério da Cultura Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional Departamento de Planejamento e Administração Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação!" !" $%& '( ) %) * +, - +./0/1/+10,++$.(2

Leia mais

SITUAÇÃO DE REVISÃO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA PARA OS MANUAIS ELABORADOS OU TRADUZIDOS PELA HELIBRAS (SRD 350)

SITUAÇÃO DE REVISÃO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA PARA OS MANUAIS ELABORADOS OU TRADUZIDOS PELA HELIBRAS (SRD 350) SITUAÇÃO DE REVISÃO DE DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA PARA OS MANUAIS ELABORADOS OU TRADUZIDOS PELA HELIBRAS (SRD 350) NOTAS IMPORTANTES 1. Documento atualizado mensalmente com o objetivo de ser o referencial do

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010 da Unicamp 010 ª fase - Física 1.01.010 UNICAMP 010 - FÍSICA Esta prova aborda fenômenos físicos em situações do cotidiano, em experimentos científicos e em avanços tecnológicos da humanidade. Em algumas

Leia mais

J u i n 2 0 0 9 L e ttr e d 'i n fo r m a ti o n n 1 9 E d i to r i al E p p u r si m u o ve «E t p o u r ta n t e l l e b o u g e» m u r m u r a G a l l i l é e s u r s o n c h a m p e s t l a r g e.

Leia mais

REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCH PIEDADE JUNHO/2007

REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCH PIEDADE JUNHO/2007 REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL JUNHO/27 VOLUME II ANEXOS ANEXO I DESENHOS... 1 Revisão do Plano de Controle Ambiental PCH Piedade Junho/27 ANEXO I DESENHOS Sigla PIE-CAN-2 PIE-ACE-2 PIE-RESG-1

Leia mais

UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA

UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA Pedro Diniz de Sousa Resumo Parte-se de uma definição do conceito de dramatização e da identificação das funções que o discurso dramático pode desempenhar

Leia mais

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de APRESENTAÇÃO O T r i b u n a l d e J u st i ç a d e S ã o P a u l o d e s e n v o l ve, d e s d e 2 0 0 7, o P r o j e to P a t e r n i d a d e R e s p o n s á v e l. S u a d i s c i p l i n a e s t á

Leia mais

Anatomia de ataques a servidores SIP

Anatomia de ataques a servidores SIP Anatomia de ataques a servidores SIP João M. Ceron, Klaus Steding-Jessen, Cristine Hoepers ceron@cert.br, jessen@cert.br, cristine@cert.br CERT.br Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS

IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS 1. Objetivo: 1. Esta rotina permite importar para o banco de dados do ibisoft Empresa o cadastro de pessoas gerado por outro aplicativo. 2. O cadastro de pessoas pode

Leia mais

SOLUÇÕES ELÉTRICAS APARELHAGENS DE EMBEBER

SOLUÇÕES ELÉTRICAS APARELHAGENS DE EMBEBER SOLUÇÕES ELÉTRICAS APARELHAGENS DE EMBEBER Preços de Peças Completas 2013/01/01 Interruptor Unipolar ANIMATO DG - Verde/Gelo 2 ACABAMENTOS BASE AQUARELLA ANIMATO BR - Branco GE - Gelo BB - Branco EE -

Leia mais

andréa del fuego os malaquias

andréa del fuego os malaquias andréa del fuego os malaquias 1 Serra Morena é ín gre me, úmi da e fértil. Aos pés de la vi vem os Malaquias, ja ne la com ta manho de porta, porta com autoridade de madeira escura. Corre, Adolfo! Donana

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

Missa Nossa Senhora do Brasil

Missa Nossa Senhora do Brasil é%0'.m> }JÍU Pe. José Alves Mssa Nossa Senhoa do Basl PARTTURA Paa 3 vozes guas e Assebléa (*) (*) A pate paa Assebléa é edtada sepaadaente " en cha A 10. Publcado pela: Cossão Aqudocesana de Músca Saca

Leia mais

Confira no mapa ao lado os Estados que obrigam a prestação da Carta Fiança / Fiança Bancária por parte da empresa

Confira no mapa ao lado os Estados que obrigam a prestação da Carta Fiança / Fiança Bancária por parte da empresa RR AP Confira no mapa ao lado os Estados que obrigam a prestação da Carta Fiança / Fiança Bancária por parte da empresa desenvolvedora do PAF-ECF. As Medidas Judiciais que desobrigam a prestação da Carta

Leia mais

Sumário. 4 caligrafia a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z

Sumário. 4 caligrafia a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z Escrever é sempre um prazer. neste livro você vai escrever com letras juntas umas das outras para formar cada palavra. Elas são chamadas letras cursivas ou manuscritas. prepare-se para deixar a sua letra

Leia mais

Artigo Inicial: 4 Artigo I ("A Semente é a Palavra de Deus"): 9 Artigo II ("Alvo de Contradição"): 20 Artigo III ("Novo Adão e Nova Eva"): 26 Artigo

Artigo Inicial: 4 Artigo I (A Semente é a Palavra de Deus): 9 Artigo II (Alvo de Contradição): 20 Artigo III (Novo Adão e Nova Eva): 26 Artigo 1 !" #!#!$" %&''() 2 Artigo Inicial: 4 Artigo I ("A Semente é a Palavra de Deus"): 9 Artigo II ("Alvo de Contradição"): 20 Artigo III ("Novo Adão e Nova Eva"): 26 Artigo IV ("São José"): 37 Artigo V ("Corpo

Leia mais

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s.

o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te s t o rn e m -s e a u tô no m o s. O r ie n ta ç õ e s In i ci ai s E u, R ic k N e ls o n - P e rs on a l & P rof e s s io n al C o a c h - a c re dito qu e o o bje tiv o f in a l d o C oa c h in g é fa z e r c o m qu e o s c lie n te

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

Missa Ave Maris Stella

Missa Ave Maris Stella Missa Av Maris Stlla Para coro a calla a quatro vozs SATB Notas sobr a comosição A rsnt comosição constituis a artir d um ordinário da missa m latim ara coro a quatro vozs a calla, sm divisi Sorano, Alto,

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO FUNDAÇÃO JORGE DUPRAT FIGUEIREDO DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO!"#$%#$&#&'()"** #+$*'$&,&"-%.$)%!$ '$/$&.&'& &01) *'& (&$&) )2"2*.)#34 7 89 HIJ( $"*&!$:%* $/$&.& ') ($#)0; $)

Leia mais

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA Filipe Carreira da Silva Resumo Este artigo tem por objectivo discutir a noção de esfera pública proposta por Jürgen Habermas. Para tanto,

Leia mais

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10

RESOLUÇÃO Matemática APLICADA FGV Administração - 24.10.10 VESTIBULAR FGV 2011 OUTUBRO/2010 RESOLUÇÃO DAS 10 QUESTÕES DE MATEMÁTICA APLICADA QUESTÃO 1 O gráfico no plano cartesiano expressa a alta dos preços médios de televisores de tela plana e alta definição,

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Regonguz. q=95. Guitarra/citara. Acordeom. Guitarra/citara. Acordeom. Guitarra/citara. Acordeom. Guitarra/citara. Acordeom. Guitarra/citara.

Regonguz. q=95. Guitarra/citara. Acordeom. Guitarra/citara. Acordeom. Guitarra/citara. Acordeom. Guitarra/citara. Acordeom. Guitarra/citara. Guitarra/citara q=95 Regonguz Thiago Amud Guitarra/citara 10 Guitarra/citara 16 Guitarra/citara 22 Guitarra/citara 28 m p gliss. 2 35 Guitarra/citara mp m 4 38 BOI Guitarra/citara 4 4 Voz 40 Re gon guz

Leia mais