TÍTULO AUTORES ÁREA TEMÁTICA Objetivo: DEDICATÓRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÍTULO AUTORES ÁREA TEMÁTICA Objetivo: DEDICATÓRIA"

Transcrição

1 TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DOS CATADORES DE PAPEL NO COMÉRCIO DE FEIRA DE SANTANA -BA AUTORES: Celso Luiz P. da Silva, Clairton Batista Vieira, Gilmar Matias P. Júnior, Wilson Dourado Lima, Maria de Fátima Nunesmaia (Profa. Orientadora) ÁREA TEMÁTICA: V Meio Ambiente. Objetivo: Trabalho monográfico apresentado à disciplina Ciências do Ambiente, como parte dos requisitos para avaliação e conclusão desta disciplina, do curso de Engenharia Civil da Universidade Estadual de Feira de Santana- Ba. DEDICATÓRIA Aos catadores ( Profissionais do Lixo ), pessoas humildes e dignas que realizam um papel de suma relevância no contexto ambiental, ainda que os mesmos e a sociedade em geral não se dêem conta deste fato. Sentimo-nos imensamente gratos.

2 1. INTRODUÇÃO A exclusão do homem da sociedade, causada pela falta de oportunidades de um trabalho digno, leva-o muitas vezes a sobreviver de maneira degradante, em condições de extrema pobreza. É o caso dos catadores, muitas vezes identificáveis como pessoas que migram para o centro das grandes cidades em busca de uma melhor qualidade de vida. No entanto, ao ingressarem na cidade, terminam por residir em locais de risco e de péssimas condições de vida. Além disso, como forma de garantia de sobrevivência, trabalham algumas vezes na Construção civil (setor caracterizado pela absorção de mão de obra desqualificada) e terminam absorvendo o trabalho informal de catação dos resíduos gerados pela população urbana. O município de Feira de Santana, localizado no Estado da Bahia, distante da capital, Salvador, aproximadamente 110 Km, tem um população de cerca de habitantes, que produzem diariamente uma média de 350 toneladas de lixo, dispostos num aterro nas proximidades do Bairro Nova Esperança, distante 6 km do centro da cidade. A reciclagem dos resíduos sólidos, tem se revelado como alternativa viável para minimizar a poluição ambiental, gerando renda aos catadores, por meio de comercialização destes resíduos. O presente trabalho foi desenvolvido nas ruas do centro da referida cidade e descreve a atividade realizada pelos catadores informais, a importância do trabalho desenvolvido por estes no que se refere aos benefícios ambientais gerados, bem como e dá sugestões de gerenciamento dos resíduos da cidade envolvendo a participação dos catadores. 2. MÉTODO DE PESQUISA Numa breve pesquisa realizada no mês de março de 2001, visitaram-se locais de concentração de resíduos, no centro da cidade. Nestes locais a pesquisa consistiu em entrevistar os catadores informais de forma estratégica, a fim de obter informações do tipo: carga coletada por dia, tipos de materiais coletados, transporte utilizado, locais de venda dos materiais, nível de instrução do catador, preço do material coletado, entre outras.

3 3. RESULTADOS 3.1. CATAÇÃO A atividade de catação é feita por carrinheiros, carrinheiros de mão e carroceiros. São chamados de carrinheiros os catadores que transportam os resíduos em carrinhos de ferro montados em duas rodas traseiras, com aproximadamente 0,80 m de largura, 1,20 m de comprimento e 0,60 m de altura. Os carroceiros e carrinheiros de mão utilizam a carroça e o carrinho-de-mão respectivamente no transporte dos materiais coletados. Os catadores realizam a coleta dos materiais de três maneiras bem distintas: Coleta de papel seco, papelão e/ou jornal, os catadores coletam os papelões das lojas do centro; Coleta de vários tipos de materiais recicláveis, o lixo acondicionado em sacos é disperso nas calçadas após a triagem feita pelos catadores; Coleta de metais não ferrosos, em especial as latinhas de bebidas. Os coletores informais trabalham principalmente com papel classificado para venda em papel branco, jornal, misto e papelão; metais não ferrosos; e plástico. O vidro e o ferro não são materiais relevantes já que possuem valores econômicos insignificantes REALIZAÇÃO DA VENDA Existem duas maneiras de venda: O catador transporta diariamente o material coletado até o depósito, onde realiza a venda. Neste grupo prevalece a agilidade e juventude do catador, possibilitando uma maior quantidade de carga por dia e tornando-o maior responsável pelo funcionamento dos depósitos; O catador estoca o material em sua própria residência por não possuir grande capacidade física, seja por ter idade avançada ou por

4 possuir um transporte pequeno (carrinho de mão) não permitido coletar uma quantidade diária significativa de material RESULTADOS DA PESQUISA CAMPO Numa estimativa feita com relação a um determinado depósito entrevistado no decorrer da pesquisa, nos faz acreditar que cerca de 800 a 1000 toneladas de lixo seco é coletado na cidade de Feira de Santana, por mês. O que nos dá uma quantidade aproximada de 25 a 33 toneladas por dia. 2 Estes números creditam benefícios ambientais à esta cidade, tais como: Diminuição do lixo destinado ao aterro sanitário; Menor gasto energético na utilização dos materiais no processo de reciclagem, visto que o processo primário exige maior consumo energético; Economia de matéria prima como: petróleo, árvores e minérios; Diminuição no meio ambiente de descartáveis e de difícil degradação: vidro, plástico e metais. Os coletores informais também trazem benefícios sob a ótica social e econômica. Este tipo de profissional, geralmente considerado inserido no grupo da população marginalizada, encontram no trabalho de catação, muitas vezes, a única fonte de renda. No entanto, verifica-se que estes são explorados pelos proprietários de depósitos exercem um trabalho monopolista criando um vínculo onde as vantagens dos catadores são mínimas ou inexistentes seu trabalho é pouco valorizado, ou seja, o material coletado é repassado por preços irrisórios não condizendo com o trabalho por estes exercidos. O quadro abaixo relata a média de preços dos materiais coletados nas ruas de Feira de Santana: O tempo estimado para o transporte do material coletado dos locais de catação aos depósitos é de 30 min a 1 hora. Dentre os catadores podemos perceber também a inexistência de rivalidades e a diferença de postura no 1 Um outro motivo para esta opção de venda é o fato de existir uma grande quantidade de coletores em uma mesma zona, diminuindo a quantidade de material coletado. 2 A cada tonelada de papel seco representa de 10 a 20 árvores que deixam de ser cortadas, isto é, os catadores poupam mensalmente um corte médio de árvores.

5 método de catação, ou seja, alguns demonstram sensibilidade ao não espalharem os materiais não valorizados. 4. SUGESTÕES PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS RECICLÁVEIS O principal objetivo deste projeto é apresentar sugestões para atividades de campo. Com base na realidade vista nas ruas de Feira de Santana percebemos a possibilidade de melhorar as condições de trabalho dos catadores, cuja atividade desenvolvida é de suma relevância, uma vez que os mesmos contribuem para o ciclo de reciclagem e preservação do meio ambiente. São elas: Cadastramento dos catadores informais por tipo de veículo utilizado durante a coleta dos materiais: carrinho, carroça ou carrinho-de-mão; Educação ambiental junto aos catadores orientando-os sobre a necessidade de coletar todo o lixo seco disposto em cada calçada; Educação ambiental junto aos lojistas sobre os catadores; Educação ambiental junto à população, incentivando a participar do dia do agente ambiental Slogan a ser atribuído aos catadores; Distribuição dos catadores por zona de trabalho; A cidade seria dividida em zonas, nas quais os catadores teriam área delimitada de trabalho; Construção de postos centrais de recolhimento estes postos funcionarão como galpões de reciclagem, ou seja, serão locais de triagem, pesagem, enfardamento e realização da venda dos materiais segregados; Compra de veículo para que a venda dos componentes recicláveis seja feita diretamente com a indústria a verba necessária para obtenção do veículo poderá ser alcançada por meio de campanhas junto à Prefeitura e empresários do comércio. 5. CONCLUSÕES De acordo com a pesquisa realizada constatou-se que os carrinheiros e catadores em geral encontram-se localizados nos principais aglomerados comerciais do centro da

6 cidade de Feira de Santana. A falta de um projeto estratégico que absorva de forma sistematizada os catadores, participantes diretos da reciclagem, tem permitido que sucateiros e depositários (atravessadores) obtenham lucro de catação contribui coma limpeza das ruas, melhorando o aspecto visual e ambiental da cidade. Desta forma podemos chegar às seguintes conclusões: A não existência de área própria à realização da triagem e do armazenamento dos materiais; a falta de trabalho em equipe e a impossibilidade atual de realizar a venda diretamente com a indústria ; têm contribuído no baixo preço dos materiais coletados; Estima-se que cerca de 25 toneladas diárias são coletadas pelos coletores informais; Os coletores, principalmente os carroceiros, também são responsáveis pela coleta de entulho; O material coletado nas ruas da cidade de Feira de Santana são vendidos pelos proprietários de depósitos em outros centros urbanos 3 ; Urge a necessidade de criação de uma parceria entre o Departamento de Limpeza Urbana e os catadores, no intuito de destinar um maior percentual de resíduos recicláveis à reciclagem, bem como acabar com o monopólio dos donos de depósitos junto aos coletores. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS II Simpósio Internacional de Qualidade Ambiental Gerenciamento de Resíduos e Certificação Ambiental Ana Cláudia Fernandes da Costa, MsC e Miguel Aloysio Sattler, PhD; Lixo municipal: manual de gerenciamento integrado / coordenação de Niza Silva Jardim...[et al.] Instituto de Pesquisas Tecnológicas CEMPRE São Paulo; Anais do Simpósio Internacional de destinação do lixo, realizado em Salvador, 28 a 30 de novembro de Um dos proprietários entrevistados vende o material coletado para a cidade de Minas Gerais, onde a reciclagem é uma atividade desenvolvida em larga escala.

MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA

MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA Patrícia Cristina de Lima Moreira (1) Assistente Social (UNIT), Assistente Social do Serviço

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS EM FEIRA DE SANTANA IDENTIFICAÇÃO DE ATORES SOCIAIS

GESTÃO DE RESÍDUOS EM FEIRA DE SANTANA IDENTIFICAÇÃO DE ATORES SOCIAIS 1 XXIX CONGRESO INTERAMERICANO DE INGENIERÍA SANITARIA Y AMBIENTAL (AIDIS) 22 al 27 de agosto de 2004 San Juan, Puerto Rico GESTÃO DE RESÍDUOS EM FEIRA DE SANTANA IDENTIFICAÇÃO DE ATORES SOCIAIS Maria

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

UNIDADES DE RECICLAGEM

UNIDADES DE RECICLAGEM SECRETARIA NACIONAL DE ASSUNTOS INSTITUCIONAIS SNAI DIRETÓRIO NACIONAL DO PT UNIDADES DE RECICLAGEM GESTÃO: MUNICÍPIO: FICHA DE IDENTIFICAÇÃO U.F.: 1989-1992 PORTO ALEGRE RS PREFEITO: Olívio Dutra ÓRGÃO

Leia mais

XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental

XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental III-032 - PROPOSTA ALTERNATIVA PARA A COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA CIDADE DE CAMPO GRANDE/MS, VALORIZANDO A PARTICIPAÇÃO DOS CATADORES. Ana Luzia de Almeida Batista Martins Abrão (1)

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere.

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. Março de 2015 DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA HISTÓRICO

Leia mais

PROJETO CAVALO DE LATA CICLO PALESTRAS ABRALATAS 2013 BELO HORIZONTE MG

PROJETO CAVALO DE LATA CICLO PALESTRAS ABRALATAS 2013 BELO HORIZONTE MG PROJETO CAVALO DE LATA CICLO PALESTRAS ABRALATAS 2013 BELO HORIZONTE MG O QUE É O CAVALO DE LATA? O Cavalo de Lata é um sonho antigo, que depois de muitas pesquisas e conversas informais, se torna cada

Leia mais

PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE IMPLEMENTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE IMPLEMENTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE IMPLEMENTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Enedina M. T. Silva (UFSM - PPGEP) Flavia Donel (UFSM) donel@bol.com.br Ana R. Wollmann (UFSM PPGEP) Jorge

Leia mais

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA

Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA 1 QUALIDADE DA COLETA E A NECESSIDADE DE UMA CONSCIÊNCIA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL NA CIDADE DE GOIANA Alex Maciel Gonzaga, Sean Conney Vieira da SILVA, & Flávia Pereira da SILVA RESUMO O consumismo da

Leia mais

ADESÃO DA POPULAÇÃO.

ADESÃO DA POPULAÇÃO. A Comlurb desenvolve desde 1993 um programa de coleta seletiva, inicialmente baseado na implantação de cooperativas de bairro, muitas das quais em operação até hoje. Num passo seguinte foi implantada a

Leia mais

Programa de Coleta Seletiva da Prefeitura do Campus 15 Anos de Parcerias Sustentáveis

Programa de Coleta Seletiva da Prefeitura do Campus 15 Anos de Parcerias Sustentáveis Programa de Coleta Seletiva da Prefeitura do Campus 15 Anos de Parcerias Sustentáveis Minimização O manejo ambientalmente saudável do resíduo sólido urbano deve ir além do simples depósito ou aproveitamento

Leia mais

PRODUTOS POTENCIALMENTE RECICLÁVEIS E SEU VALOR NOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES

PRODUTOS POTENCIALMENTE RECICLÁVEIS E SEU VALOR NOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES PRODUTOS POTENCIALMENTE RECICLÁVEIS E SEU VALOR NOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES Maria de Fátima Nunesmaia (*) Universidade Estadual de Feira de Santana/DTEC Benício de Melo Filho Universidade de Brasília/CDS

Leia mais

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO Série de procedimentos destinados a reduzir a quantidade ou o potencial poluidor dos

Leia mais

Município: São Pedro do Ivaí e-mail: nilsonmarquedeoliveira@seed.pr.gov.br Fone: (43) 3451 1241

Município: São Pedro do Ivaí e-mail: nilsonmarquedeoliveira@seed.pr.gov.br Fone: (43) 3451 1241 NRE: Ivaiporã Nome do Professor: Nilson Marques de Oliveira Município: São Pedro do Ivaí e-mail: nilsonmarquedeoliveira@seed.pr.gov.br Fone: (43) 3451 1241 Escola: Escola Estadual Vicente Machado Ensino

Leia mais

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA COOMSERC COOPERATIVA MISTA DE SERVIÇOS DO CABO DE SANTO AGOSTINHO

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA COOMSERC COOPERATIVA MISTA DE SERVIÇOS DO CABO DE SANTO AGOSTINHO PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA COOMSERC COOPERATIVA MISTA DE SERVIÇOS DO CABO DE SANTO AGOSTINHO Cabo de Santo Agostinho, 2010. ÍNDICE 1. Local do Projeto...2 2. Descrição do Projeto...2 3.

Leia mais

ambiente e para a saúde da comunidade, esta percepção não se tem traduzido em ações efetivas que possibilitem mudanças qualitativas na situação

ambiente e para a saúde da comunidade, esta percepção não se tem traduzido em ações efetivas que possibilitem mudanças qualitativas na situação GERENCIAMENTO DO LIXO NA CIDADE DE ESPERANÇA PB: UMA QUESTÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Joanilma dos Santos SILVA 1, Gabriele de OLIVEIRA 1, Aline Pereira RODRIGUES¹, Hellen Regina Guimarães da SILVA 1, Mário

Leia mais

III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL

III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL Maria de Fátima Nunesmaia(1)

Leia mais

CATADORES DE MATERIAL RECICLÁVEL DE CATU E OS SEUS DESAFIOS AO ASSOCIATIVISMO

CATADORES DE MATERIAL RECICLÁVEL DE CATU E OS SEUS DESAFIOS AO ASSOCIATIVISMO CATADORES DE MATERIAL RECICLÁVEL DE CATU E OS SEUS DESAFIOS AO ASSOCIATIVISMO Joana Fidelis da Paixão (*), Esaú Alisson Sousa Santos, Lizza Adrielle Nascimento Santos * Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

INICIO O morador de rua ainda é percebido como um vagabundo, que utiliza a caridade privada e a assistência governamental "espertamente", mas morador de rua é cidadão. É preciso ajudá-lo a encontrar meios

Leia mais

Coleta Seletiva de Lixo: análise da relação custo/benefício em Rio Claro (SP)

Coleta Seletiva de Lixo: análise da relação custo/benefício em Rio Claro (SP) Coleta Seletiva de Lixo: análise da relação custo/benefício em Rio Claro (SP) Ana Tereza Caceres Cortez UNESP, Rio Claro (SP), Brasil e-mail: atcortez@rc.unesp.br Introdução Um aumento na população mundial

Leia mais

individual foram agrupados em uma categoria somente. 2.1.2.2 Infra-estrutura

individual foram agrupados em uma categoria somente. 2.1.2.2 Infra-estrutura individual foram agrupados em uma categoria somente. 2.1.2.2 Infra-estrutura Todo o processo de amostragem, desde a descarga dos resíduos até a segregação dos componentes, foi realizado no CIRSURES em

Leia mais

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem 1) COMO FUNCIONA? O PROBLEMA OU SITUAÇÃO ANTERIOR Anteriormente, todos os resíduos recicláveis ou não (com exceção do papelão), ou seja, papel, plásticos, vidros,

Leia mais

Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades

Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades Experiências e estratégias para coleta e reciclagem de embalagens longa vida ABSTRACT O gerenciamento dos resíduos sólidos urbanos é uma das questões ambientais

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP SILVA V. L. da 1 ; SOUZA T. R. 1 ; RIBEIRO J. S. G. 1 ; CARDOSO C. F. 1 ; SILVA, C. V. da 2. 1 Discentes do Curso de Ciências Biológicas FAP 2

Leia mais

TRAÇOS DO PERFIL DOS CATADORES DEMATERIAIS RECICLÁVEIS DO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA/RS 1

TRAÇOS DO PERFIL DOS CATADORES DEMATERIAIS RECICLÁVEIS DO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA/RS 1 TRAÇOS DO PERFIL DOS CATADORES DEMATERIAIS RECICLÁVEIS DO MUNICÍPIO DE CRUZ ALTA/RS 1 SILVA, Enedina Maria Teixeira 2, VIRGOLIN, Isadora Cadore 3, ISRAEL, Ana Lúcia Pinheiro 4, VERISSIMO, Fabiane 5, GUMA,

Leia mais

PROGRAMA Goiânia, 2008

PROGRAMA Goiânia, 2008 PROGRAMA Goiânia, 2008 A Problemática dos Resíduos Sólidos Ambiental A Problemática dos Saúde Social Resíduos Sólidos A Problemática dos Resíduos Sólidos Gestão Geração Aterro Sanitário 1.200 ton./dia

Leia mais

A lei na prática. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Chegou a hora de assumir o importante papel na gestão do lixo. Cooperativas de catadores

A lei na prática. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Chegou a hora de assumir o importante papel na gestão do lixo. Cooperativas de catadores Política Nacional de Resíduos Sólidos Cooperativas de catadores A lei na prática Chegou a hora de assumir o importante papel na gestão do lixo Em vigor desde agosto de 2010, a nova lei sobre resíduos urbanos

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014

V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GERENCIAMENTO DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS DOMÉSTICOS EM ÁREA URBANA: ESTUDO DE CASO EM MUNICÍPIO DE PEQUENO PORTE Aline Ferrão Custodio Passini (*), Guilherme Barros,

Leia mais

TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS MATERIAIS RECICLÁVEIS NO LIXO URBANO DE UM BAIRRO EM GUARULHOS,SP.

TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS MATERIAIS RECICLÁVEIS NO LIXO URBANO DE UM BAIRRO EM GUARULHOS,SP. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS MATERIAIS RECICLÁVEIS NO LIXO URBANO DE UM BAIRRO EM GUARULHOS,SP.

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

Gari e Coletores de Lixo

Gari e Coletores de Lixo Gari e Coletores de Lixo Introdução O nome gari nasceu em homenagem ao empresário Aleixo Gary que em 11 de Outubro de 1876, assinou contrato com o Ministério Imperial para fazer o serviço de limpeza da

Leia mais

Programa Lixo e Cidadania

Programa Lixo e Cidadania Programa Lixo e Cidadania São Bernardo do Campo (SP) Elisabeth Grimberg e Sonia Lima in Segurança Alimentar e Nutricional: a contribuição das empresas para a sustentabilidade das iniciativas locais Fechar

Leia mais

- o movimento lixo e cidadania, envolvendo o catador de papel, a sociedade e o governo;

- o movimento lixo e cidadania, envolvendo o catador de papel, a sociedade e o governo; COLETA SELETIVA EM BETIM (MG) A coleta seletiva, como parte do processo de gestão de resíduos, é responsabilidade municipal. Porém, muitos municípios não a fazem ou fazem em pequenas proporções alegando

Leia mais

CAPÍTULO. Lixo. O efeito do lixo nas encostas 15. 1. Tipos de soluções para a coleta do lixo 15. 2

CAPÍTULO. Lixo. O efeito do lixo nas encostas 15. 1. Tipos de soluções para a coleta do lixo 15. 2 CAPÍTULO 15 Lixo O efeito do lixo nas encostas 15. 1 Tipos de soluções para a coleta do lixo 15. 2 259 15. 1 O efeito do lixo nas encostas LIXO na ENCOSTA DESLIZAMENTO CAUSADO por LIXO na ENCOSTA Adaptado

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ATRAVÉS DA RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DOMICILIARES NO MUNICÍPIO DE MOSSORÓ-RN

CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ATRAVÉS DA RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DOMICILIARES NO MUNICÍPIO DE MOSSORÓ-RN CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ATRAVÉS DA RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DOMICILIARES NO MUNICÍPIO DE MOSSORÓ-RN Romênia Gurgel Vieira romeniavieira@hotmail.com Mestranda do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Diagnóstico Socioambiental de Reciclagem

Diagnóstico Socioambiental de Reciclagem INTRODUÇÃO A atual carteira de Investimento Social Privado da Braskem, que reúne cerca de 70 projetos e iniciativas, alcança um leque diversificado de temas e regiões geográficas, beneficiando diversas

Leia mais

Jacqueline Rogéria Bringhenti Patricia Dornelas Bassani Manuela Mantovanelli da Mota

Jacqueline Rogéria Bringhenti Patricia Dornelas Bassani Manuela Mantovanelli da Mota COLETA SELETIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS EM CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA (ES). Jacqueline Rogéria Bringhenti Patricia Dornelas Bassani Manuela Mantovanelli da Mota INTRODUÇÃO Vitória

Leia mais

III-012 - ESTUDO PRELIMINAR SOBRE OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DA CIDADE DE ITAJUBÁ (MG): CARACTERIZAÇÃO FÍSICA NO PERÍODO DO INVERNO

III-012 - ESTUDO PRELIMINAR SOBRE OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DA CIDADE DE ITAJUBÁ (MG): CARACTERIZAÇÃO FÍSICA NO PERÍODO DO INVERNO III-012 - ESTUDO PRELIMINAR SOBRE OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DA CIDADE DE ITAJUBÁ (MG): CARACTERIZAÇÃO FÍSICA NO PERÍODO DO INVERNO Andriani Tavares Tenório e Silva (1) Engenheira Ambiental pela

Leia mais

Brasília,Ceilândia - DF QNM 28 Módulo B Fone: 3373-1810/7816-0019 www.recicleavida.com.br

Brasília,Ceilândia - DF QNM 28 Módulo B Fone: 3373-1810/7816-0019 www.recicleavida.com.br Brasília,Ceilândia - DF QNM 28 Módulo B Fone: 3373-1810/7816-0019 www.recicleavida.com.br O QUE É A ASSOCIAÇÃO RECICLE A VIDA A Recicle a Vida, é uma Associação de Catadores sem fins lucrativos, de direito

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Mestrado em Gestão Ambiental Disciplina: Análise de Processo e a Variável Ambiental Tema: Análise do Fluxo do Processo

Leia mais

COOPERATIVA MONÇÕES DE COLETA SELETIVA DE PORTO FELIZ Rua: Anita Garibaldi, nº694- Jd. Primavera- Tel: PROJETO RECICLANDO COM CIDADANIA

COOPERATIVA MONÇÕES DE COLETA SELETIVA DE PORTO FELIZ Rua: Anita Garibaldi, nº694- Jd. Primavera- Tel: PROJETO RECICLANDO COM CIDADANIA PROJETO RECICLANDO COM CIDADANIA LOCAL DA INSTALAÇÃO: Razão Social: Cooperativa de Reciclagem Monções Nome Fantasia: Cooperativa Monções CNPJ: 12.522.788/0001-85 Endereço: R: Anita Garibaldi, nº694- Jd.

Leia mais

ANEXO MODELO DE DIAGNÓSTICO

ANEXO MODELO DE DIAGNÓSTICO ANEXO MODELO DE DIAGNÓSTICO OBJETIVO DO DIAGNÓSTICO: Este modelo de diagnóstico contém alguns itens que poderão ser complementados com outras informações e tem o objetivo de possibilitar ao município a

Leia mais

A importância da coleta seletiva e do aterro sanitário para o município de Quarto Centenário

A importância da coleta seletiva e do aterro sanitário para o município de Quarto Centenário A importância da coleta seletiva e do aterro sanitário para o município de Quarto Centenário Regina da Silva Ferreira 1 regina-s-ferreira@hotmail.com Resumo: O presente trabalho teve como objetivo demonstrar

Leia mais

TÍTULO: A COLETA DO LIXO RECICLÁVEL E O SEU IMPACTO SOCIOAMBIENTAL NA CIDADE DE CATANDUVA

TÍTULO: A COLETA DO LIXO RECICLÁVEL E O SEU IMPACTO SOCIOAMBIENTAL NA CIDADE DE CATANDUVA TÍTULO: A COLETA DO LIXO RECICLÁVEL E O SEU IMPACTO SOCIOAMBIENTAL NA CIDADE DE CATANDUVA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA SOCIOAMBIENTAL DE UMA COOPERATIVA DE CATADORES DE RESÍDUOS SÓLIDOS: O CASO DA CARE DE ARACAJU-SE.

A IMPORTÂNCIA SOCIOAMBIENTAL DE UMA COOPERATIVA DE CATADORES DE RESÍDUOS SÓLIDOS: O CASO DA CARE DE ARACAJU-SE. A IMPORTÂNCIA SOCIOAMBIENTAL DE UMA COOPERATIVA DE CATADORES DE RESÍDUOS SÓLIDOS: O CASO DA CARE DE ARACAJU-SE. Tema: Resíduos Sólidos Autores: José Daltro Filho (1) Cristina Alves Rocha Luciana Godinho

Leia mais

VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO REUTILIZAÇÃO REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM

VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO REUTILIZAÇÃO REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM 1 VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM POLÍTICA DOS 3 R S: consiste na aplicação dos seguintes princípios, por ordem de prioridade: REDUÇÃO da quantidade de resíduos produzidos e

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 1.223/2013 DE 16 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CACHOEIRA ALTA, Estado de Goiás, por

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

RECICLAGEM: ECONOMIA X MEIO AMBIENTE

RECICLAGEM: ECONOMIA X MEIO AMBIENTE RECICLAGEM: ECONOMIA X MEIO AMBIENTE DANIELLE PATRÍCIA NASCIMENTO DE OLIVEIRA (IC) 1 ILTON SÁVIO BATISTA MARTINS (PG) 1 JACKSON DA SILVA SANTOS (PG) 1 KATIA LIDIANE DA SILVA (IC) 1 MARIA DO CÉU AZEVEDO

Leia mais

ANÁLISE DAS ATIVIDADES LABORAIS DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS ORGANIZADOS EM ASSOCIAÇÃO NO BAIRRO DE SANTA ROSA, CAMPINA GRANDE-PB

ANÁLISE DAS ATIVIDADES LABORAIS DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS ORGANIZADOS EM ASSOCIAÇÃO NO BAIRRO DE SANTA ROSA, CAMPINA GRANDE-PB Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ANÁLISE DAS ATIVIDADES LABORAIS DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS ORGANIZADOS EM ASSOCIAÇÃO NO BAIRRO DE SANTA ROSA, CAMPINA GRANDE-PB Maria aparecida de Souza, (*),

Leia mais

LOCALIZAÇÃO. 536 Km REGIÃO METROPOLITANA DO CARIRI

LOCALIZAÇÃO. 536 Km REGIÃO METROPOLITANA DO CARIRI LOCALIZAÇÃO 536 Km REGIÃO METROPOLITANA DO CARIRI UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Patrimônio Ecológico: MUNICÍPIO DO CRATO-CE Farias Brito Nova Olinda Caririaçu APA Área: 1.063.000 ha. Perímetro: 2.658,55 km.

Leia mais

Aline Costa do Nascimento 1 Gilson Batista de Oliveira 2 RESUMO

Aline Costa do Nascimento 1 Gilson Batista de Oliveira 2 RESUMO GESTÃO E POLÍTICA PÚBLICA PARA O DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO SOBRE OS PROGRAMAS DE RECICLAGEM DO LIXO URBANO NA CIDADE DE CURITIBA Aline Costa do Nascimento 1 Gilson Batista de Oliveira

Leia mais

COLETA SELETIVA VIDRO

COLETA SELETIVA VIDRO PROJETO COLETA SELETIVA VIDRO Florianópolis, 29 de abril de 2013 Assessoria Técnica - ASTE Departamento Técnico DPTE 2 1. CONTEXTUALIZAÇÃO As obrigações impostas pela Política Nacional de Resíduos Sólidos

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Quem somos: Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado

Leia mais

Sistema de coleta seletiva dos resíduos sólidos domiciliares produzidos na cidade de Aquidauana

Sistema de coleta seletiva dos resíduos sólidos domiciliares produzidos na cidade de Aquidauana Sistema de coleta seletiva dos resíduos sólidos domiciliares produzidos na cidade de Aquidauana Paulo Roberto Joia¹ & Maria do Socorro Ferreira da Silva¹, (¹UFMS/CPAQ) E-mail: rjoia@terra.com.br ¹UFMS/CPAQ,

Leia mais

Coleta Seletiva em Grandes Geradores: Parcerias para a Responsabilidade Socioambiental

Coleta Seletiva em Grandes Geradores: Parcerias para a Responsabilidade Socioambiental Título do Trabalho: Coleta Seletiva em Grandes Geradores: Parcerias para a Responsabilidade Socioambiental Tema: Resíduos Sólidos Apresentador Edinilson Ferreira dos Santos Graduando em Gestão de Cidades,

Leia mais

BOLSA RECICLAGEM. Lei Estadual n o 19.823/2011 Decreto n o 45.975/2012

BOLSA RECICLAGEM. Lei Estadual n o 19.823/2011 Decreto n o 45.975/2012 BOLSA RECICLAGEM Lei Estadual n o 19.823/2011 Decreto n o 45.975/2012 Lei Estadual nº 19.823 / 2011 Pagamento pelos serviços ambientais prestados pelas organizações de catadores de materiais recicláveis

Leia mais

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto.

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. REDUZIR REUTILIZAR RECUPERAR RECICLAR A redução deve ser adaptada por

Leia mais

TRIAGEM E PRODUTIVIDADE 1 NA SEPARAÇÃO DOS MATERIAIS (TRIAGEM)

TRIAGEM E PRODUTIVIDADE 1 NA SEPARAÇÃO DOS MATERIAIS (TRIAGEM) TRIAGEM E PRODUTIVIDADE 1 NA SEPARAÇÃO DOS MATERIAIS (TRIAGEM) Coordenação da Formação: Ailton Marques de Vasconcelos Graduação em Serviço Social PUC/SP Pós Graduando em Gestão Pública FESPSP e mail: sampaeqm@yahoo.combr

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

Descrever o procedimento para realização do gerenciamento de resíduos sólidos no Porto de Itajaí.

Descrever o procedimento para realização do gerenciamento de resíduos sólidos no Porto de Itajaí. 1 Objetivo Descrever o procedimento para realização do gerenciamento de resíduos sólidos no Porto de Itajaí. 2 Abrangência Este procedimento se aplica a todas as áreas e colaboradores enquadrados no perímetro

Leia mais

ESTUDO DA VALORAÇÃO ECONÔMICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES NO MUNICÍPIO DE RECIFE/PE

ESTUDO DA VALORAÇÃO ECONÔMICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES NO MUNICÍPIO DE RECIFE/PE ESTUDO DA VALORAÇÃO ECONÔMICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES NO MUNICÍPIO DE RECIFE/PE Diogo Henrique Fernandes da Paz (1) Discente de Engenharia Agrícola e Ambiental na Universidade Federal Rural de

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

08 a 13 de Julho de 2012 UEFS Feira de Santana - BA

08 a 13 de Julho de 2012 UEFS Feira de Santana - BA PERCEPÇÃO PÚBLICA ACERCA DO SANEAMENTO BÁSICO NO BAIRRO PEDRA DO LORDE, JUAZEIRO BA. Roberta Daniela da Silva Santos (1) Anne Kallyne dos Anjos Silva (2) Simone do Nascimento Luz (3) Marcello Henryque

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CAMPUS UBERABA GOMIDES, J.E. 1 ; SCHENKEL, C.A. 2 ; SOUSA, J.S. 3 1 Acadêmica do Curso Superior de

Leia mais

Do lixo ao valor. O caminho da Logística Reversa

Do lixo ao valor. O caminho da Logística Reversa Do lixo ao valor O caminho da Logística Reversa O problema do lixo A sociedade, hoje, vive com um grande desafio: o lixo. Calcula-se que, por dia, no Brasil, são gerados 1 Kg de resíduos por habitante.

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO

DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO Cinthia Martins dos SANTOS Programa de Pós Graduação em Engenharia do Meio Ambiente, Escola de Engenharia,

Leia mais

Projeto de Incentivo à Reciclagem

Projeto de Incentivo à Reciclagem Projeto de Incentivo à Reciclagem Boas Práticas em Meio Ambiente Apresentação: O objetivo do seguinte projeto tem a finalidade de auxiliar a implementação da Coleta Seletiva e posteriormente envio para

Leia mais

Preservação do meio ambiente

Preservação do meio ambiente Preservação do meio ambiente Introdução: Este texto, visando a preservação do ambiente em que vivemos, traz atitudes fáceis e práticas que você mesmo pode tomar para tornar o mundo um lugar mais agradável

Leia mais

11_1. Reciclagem e a Questão Social

11_1. Reciclagem e a Questão Social Centro de Ciências Humanas Letras e Artes Departamento de Geografia Curso de Especialização em Gestão Ambiental Urbana Disciplina: Gestão dos Resíduos Sólidos e Limpeza Urbana 11_1. Reciclagem e a Questão

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Resíduos Sólidos, Centrais de Triagem, Catadores, Cursos de Capacitação.

PALAVRAS-CHAVE: Resíduos Sólidos, Centrais de Triagem, Catadores, Cursos de Capacitação. III-456 - INFORMAÇÕES SOBRE AS DIFICULDADES ENFRENTADAS NAS CENTRAIS DE TRIAGEM OBTIDAS DE CATADORES DURANTE A REALIZAÇÃO DE CURSOS DE CAPACITAÇÃO: ESTUDO DE CASO EM CAXIAS DO SUL Matheus Poletto (1) Engenheiro

Leia mais

III-003 ANÁLISE DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM DUAS COMUNIDADES NO MUNICÍPIO DE BAURU - SP

III-003 ANÁLISE DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM DUAS COMUNIDADES NO MUNICÍPIO DE BAURU - SP III-003 ANÁLISE DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM DUAS COMUNIDADES NO MUNICÍPIO DE BAURU - SP Carlos Alberto Ferreira Rino (1) Engenheiro Químico (UNICAMP, 1990). Mestre em Engenharia Química (UNICAMP,

Leia mais

SEMA SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE SEMEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO E CULTURA PARCERIA - PREFEITURA MUNICIPAL DE ÁGUA DOCE DO NORTE

SEMA SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE SEMEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO E CULTURA PARCERIA - PREFEITURA MUNICIPAL DE ÁGUA DOCE DO NORTE SEMA SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE SEMEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO E CULTURA PARCERIA - PREFEITURA MUNICIPAL DE ÁGUA DOCE DO NORTE PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE ÁGUA DOCE DO NORTE

Leia mais

MAPEAMENTO DA ROTA DE COLETA SELETIVA DAS COOPERATIVAS DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS DO NATAL/RN

MAPEAMENTO DA ROTA DE COLETA SELETIVA DAS COOPERATIVAS DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS DO NATAL/RN MAPEAMENTO DA ROTA DE COLETA SELETIVA DAS COOPERATIVAS DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS DO NATAL/RN Rejane dos Santos Dantas¹; Robson Garcia da Silva²; rsdbiosl@bol.combr¹; robson.garcia@ifrn.edu.br²;

Leia mais

Realizado de 25 a 31 de julho de 2010. Porto Alegre - RS, 2010. ISBN 978-85-99907-02-3

Realizado de 25 a 31 de julho de 2010. Porto Alegre - RS, 2010. ISBN 978-85-99907-02-3 DIMENSÕES DE SUSTENTABILIDADE NOS PROGRAMAS DE COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Márcio José Celeri Doutorando em Geografia da UNESP/Rio Claro marcioceleri@yahoo.com.br Ana Tereza Cáceres Cortez Docente

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo.

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO - INTENSIVO 2º SIMULADO/2014 LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA

CURSO PREPARATÓRIO - INTENSIVO 2º SIMULADO/2014 LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CURSO PREPARATÓRIO - INTENSIVO 2º SIMULADO/2014 LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA.1. Nome do(a) Aluno(a): Turma: RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES 01) Verifique o total de folhas (13) deste Simulado. Ele contém 08

Leia mais

ANÁLISE DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM ARCOS- MG: POSTURA OPERACIONAL E PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO

ANÁLISE DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM ARCOS- MG: POSTURA OPERACIONAL E PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO ANÁLISE DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM ARCOS- MG: POSTURA OPERACIONAL E PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO Tatiane Castaño Valadares*, Fernando Vieira de Sousa FUNEDI/UEMG taticastanobiologia@gmail.com

Leia mais

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras Eduarda Ramires Silveira Evelyn Victória Cardoso Lopes Mel Suzane Santos Marques Voluntários Joyce Thaís Mendes Alves Sílvia Rocha Pena Rodrigues Luíza Almeida Dias de Carvalho

Leia mais

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte.

Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Custo do transporte de resíduos sólidos urbanos em cidade de pequeno porte. Luzenira Alves Brasileiro Universidade Estadual Paulista UNESP Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira FEIS Departamento de

Leia mais

uma responsabilidade de todos nós

uma responsabilidade de todos nós uma responsabilidade de todos nós Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico e Educação Ambiental Lixo, uma responsabilidade

Leia mais

Já foi o tempo em que podíamos considerar de lixo os resíduos sólidos urbanos

Já foi o tempo em que podíamos considerar de lixo os resíduos sólidos urbanos RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Já foi o tempo em que podíamos considerar de lixo os resíduos sólidos urbanos pois, com as palavras do Aurélio, lixo são coisas inservíveis, o que indica a sua inexistência, uma

Leia mais

4/10/2013. Sorocaba SP Parque Tecnológico. Sorocaba SP - Ciclovias. Sumário. Seminário Brasil-Japão Reciclagem de Resíduos Eletroeletrônicos

4/10/2013. Sorocaba SP Parque Tecnológico. Sorocaba SP - Ciclovias. Sumário. Seminário Brasil-Japão Reciclagem de Resíduos Eletroeletrônicos Sumário -SP Coleta Seletiva de Seminário Brasil-Japão Reciclagem de - Parceria Gislaine Vilas Boas PREFEITURA DE SOROCABA - SP Brasília, março 2013 - SP - SP Localizada a 100 km da capital paulista, com

Leia mais

Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP

Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP Resíduos Hospitalares e a sua Perigosidade Segurança a e Higiene na Produção e Tratamento de Resíduos Hospitalares Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP 1. Gestão de Resíduos O Tratamento dos RSH é um

Leia mais

Página 1 de 8-01/04/2014-5:59

Página 1 de 8-01/04/2014-5:59 PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 4 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Texto 1 LIXO NO LIXO Dá para

Leia mais

III-397 DIAGNÓSTICO DA COLETA E COMERCIALIZAÇÃO DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS REALIZADAS PELOS CATADORES DA CIDADE DE PASSO FUNDO/RS

III-397 DIAGNÓSTICO DA COLETA E COMERCIALIZAÇÃO DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS REALIZADAS PELOS CATADORES DA CIDADE DE PASSO FUNDO/RS III-397 DIAGNÓSTICO DA COLETA E COMERCIALIZAÇÃO DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS REALIZADAS PELOS CATADORES DA CIDADE DE PASSO FUNDO/RS Aline Pimentel Gomes (1) Engenheira Civil e Mestre em Engenharia pela Universidade

Leia mais

ESTUDO PARA INCLUSÃO SOCIOPRODUTIVA DE CATADORES NA COOPERATIVA COOPERAMÉRICA COOPERAMÉRICA - COOPERATIVA DE RECICLAGEM RIO AMÉRICA URUSSANGA - SC

ESTUDO PARA INCLUSÃO SOCIOPRODUTIVA DE CATADORES NA COOPERATIVA COOPERAMÉRICA COOPERAMÉRICA - COOPERATIVA DE RECICLAGEM RIO AMÉRICA URUSSANGA - SC ESTUDO PARA INCLUSÃO SOCIOPRODUTIVA DE CATADORES NA COOPERATIVA COOPERAMÉRICA COOPERAMÉRICA - COOPERATIVA DE RECICLAGEM RIO AMÉRICA URUSSANGA - SC SETEMBRO DE 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

As dificuldades da logística Reversa do Material Plástico no Brasil

As dificuldades da logística Reversa do Material Plástico no Brasil As dificuldades da logística Reversa do Material Plástico no Brasil A ABIPLAST representa as empresas de transformação de material plástico ( 3ª geração ) e as Industrias de Reciclagem de Material Plástico.

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE VIRGÍNIA MG Diagnóstico da Infraestrutura do Sistema de Coleta e Tratamento de Resíduos Sólidos no Setor de Mobilização 2, bairros Vargem Alegre, Serra Verde, Rio

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP LEI Nº 11.445/2007 LEI Nº 12.305/2010 1. OBJETIVOS - Realizar diagnósticos; - Elaborar propostas de intervenções; - Definir

Leia mais

Título completo: O Lixo Reciclável Como Fonte Sustentável De Renda E Qualidade De Vida: Soluções Para O Problema Do Lixo Nas Cidades

Título completo: O Lixo Reciclável Como Fonte Sustentável De Renda E Qualidade De Vida: Soluções Para O Problema Do Lixo Nas Cidades 1 Código de la comunicación: 59 Título completo: O Lixo Reciclável Como Fonte Sustentável De Renda E Qualidade De Vida: Soluções Para O Problema Do Lixo Nas Cidades Autores da Silva Szezerbicki, Arquimedes

Leia mais

III-115 - DIAGNÓSTICO DO SISTEMA DE COLETA SELETIVA IMPLANTADO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO

III-115 - DIAGNÓSTICO DO SISTEMA DE COLETA SELETIVA IMPLANTADO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO III-115 - DIAGNÓSTICO DO SISTEMA DE COLETA SELETIVA IMPLANTADO NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO Flávia Mancebo Tinelli Engenheira Civil/Sanitária e Especialista em Engenharia Sanitária e Ambiental pela UERJ.

Leia mais

APOIO E REAÇÕES AOS EQUIPAMENTOS DE ENTREGA VOLUNTÁRIA EM TOLEDO - PR

APOIO E REAÇÕES AOS EQUIPAMENTOS DE ENTREGA VOLUNTÁRIA EM TOLEDO - PR APOIO E REAÇÕES AOS EQUIPAMENTOS DE ENTREGA VOLUNTÁRIA EM TOLEDO - PR Tainara IankaMaas Acadêmica de Iniciação Científica do curso de Geografia da Unioeste, campus de Mal. C. Rondon-PR, Integrante do Laboratório

Leia mais

Dezoito anos catando papel em Belo Horizonte

Dezoito anos catando papel em Belo Horizonte Dezoito anos catando papel em Belo Horizonte José Aparecido Gonçalves, Fabiana G. de Oliveira e Diogo T. A. da Silva Na maioria das grandes cidades brasileiras, centenas de milhares de mulheres e homens

Leia mais

Município de Carangola. 1. Aspectos Gerais

Município de Carangola. 1. Aspectos Gerais Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Município de Carangola 1. Aspectos Gerais Além da sede, o município de Carangola possui 4 distritos. A população total

Leia mais

Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra. A Câmara Municipal das Lajes do Pico convida todos os munícipes a aderir à

Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra. A Câmara Municipal das Lajes do Pico convida todos os munícipes a aderir à Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra A Câmara Municipal das Lajes do Pico convida todos os munícipes a aderir à Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra, e a

Leia mais