ANEXO MODELO DE DIAGNÓSTICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO MODELO DE DIAGNÓSTICO"

Transcrição

1 ANEXO MODELO DE DIAGNÓSTICO OBJETIVO DO DIAGNÓSTICO: Este modelo de diagnóstico contém alguns itens que poderão ser complementados com outras informações e tem o objetivo de possibilitar ao município a realização de um relatório básico inicial sobre a situação do manejo (coleta e destino final) dos resíduos sólidos em uma localidade ou no município. Possibilita, numa segunda fase, a realização de um relatório preliminar (mais completo, incluindo dados mais técnicos) e, posteriormente, a realização de um plano diretor, de projetos de coleta e destino final do lixo e da criação ou modificação de uma estrutura de um Serviço de Limpeza Urbana. I. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O MUNICÍPIO 1. Município/localidade: Estado: 2. População total: Urbana: Rural: 3. Número de Imóveis: 3.1. Número de terrenos baldios: 3.2. Número do prédios residenciais : 3.3 Número de prédios comerciais: 3.4 Número de prédios industriais: 3.5 Número de prédios hospitalares: 4. Características do município: 4.1 Quais os dados/plantas que o município possui? Mapa geral do município - escala 1: ( ) Planta cadastral ou semi-cadastral ( ) Escala: Levantamento plani-altimétrico ( ) Planta com arruamento ( ) Planta com identificação e mapeamento dos logradouros com a prestação dos serviços de saneamento ( ) 4.2. Qual a principal causa de mortalidade infantil? 4.3. Número de óbitos por nascidos vivos: 4.4. A principal doença que gera internação hospitalar: 4.5. Quais são as festas ou eventos realizados no município? 5. Área total do município: km Área urbana: km Área rural: km2 6. Abastecimento de água: 6.1. O município tem seu próprio serviço de água? 6.2. O abastecimento de água é feita pelo estado? 6.3. Qual o percentual da população abastecida? % 7. Coleta de esgoto: 7.1. O município tem seu próprio serviço de esgoto?

2 7.2. O esgotamento sanitário é feito pelo esgoto? 7.3. Qual o percentual da população atendida? % 8. Limpeza urbana: 8.1. O município tem seu próprio serviço de limpeza urbana? Secretaria Municipal? Departamento da Prefeitura? Autarquia Municipal? 8.2. O serviço é feito por terceiros? 8.3. Parte é feito pela municipalidade e parte terceirizado? 8.4. Qual o percentual do lixo gerado que é coletado? % 8.5. Qual o percentual da população que tem lixo coletado? % 8.6. Não tem serviço de limpeza urbana ( ) 9. Qual o orçamento da prefeitura? R$, Qual o percentual destinado à limpeza pública urbana? % 11. O município cobra taxa de limpeza urbana? O montante respectivo à taxa é suficiente para cobrir os custos do serviço? 12. Quais as leis e códigos existentes no município? 13. A limpeza urbana é regulada por alguma lei? Qual? Existe regulamento para o acondicionamento do lixo? Qual tipo? Existe algum outro regulamento sobre o lixo? Qual? II. INFORMAÇÕES SOBRE A LIMPEZA PÚBLICA 14. Quais os serviços realizados pela limpeza urbana no município? ( ) Varrição ( ) Raspagem de ruas ( ) Capinação ( ) Limpeza de terrenos baldios ( ) Limpeza de sarjetas ( ) Limpeza de mercados

3 ( ) Limpeza de bocas de lobo (bueiros) ( ) Limpeza de praças e jardins ( ) Limpezas de feiras livres ( ) Coleta de animais mortos ( ) Podas de árvores ( ) Coletas especiais (móveis, etc.) ( ) Coleta de entulhos da construção civil ( ) Coleta do lixo industrial ( ) Coleta do lixo hospitalar ( ) Coleta do lixo residencial e comercial ( ) Limpeza dos matadouros ( ) Pintura de meio-fio ( ) Destino final (lixão, aterro, reciclagem) ( ) Limpeza de córregos Qual a freqüência e local de varrição ( ) Diária Locais: ( ) Duas vezes por semana Locais: ( ) Uma vez por semana Locais: ( ) Irregular Locais: ( ) Não tem coleta Locais: III. INFORMAÇÕES SOBRE A COLETA 15. Itinerário dos coletores (traçar itinerário dos veículos numa planta de tamanho reduzido): O itinerário foi definido por projeto técnico? 16. Freqüência da coleta e locais: ( ) Diária Locais: ( ) Duas vezes por semana Locais: ( ) Uma vez por semana Locais: ( ) Irregular Locais: 17. Horários da coleta: Residencial: Comercial: Industrial: Hospitalar: 18. Quantidade de lixo coletado por dia: Residencial: Toneladas ou m Comercial: Toneladas ou m Industrial: Toneladas ou m Hospitalar: Toneladas ou m Outro ( ): Toneladas ou m3 Qual? 19. Transporte (número e tipo de veículos utilizados na coleta): Os veículos utilizados são de uso exclusivo do serviço? 20. Equipamentos e utensílios pela limpeza urbana (número e tipo): 21. Existem catadores antes da coleta? Quantos? Eles são organizados em cooperativas ou associação?

4 Qual? O trabalho deles é incentivado pelo serviço de limpeza urbana? É desenvolvido algum tipo de trabalho social com eles? Qual? 22. Caracterização do lixo: Existe algum levantamento/estudo de caracterização do lixo? Quais os percentuais encontrados? Papel: % Vidro: % Plástico: % Metal: % Mat. orgânica: % Qual o maior gerador de lixo? Residência ( ) Comércio ( ) Indústria ( ) Outro ( ) Qual? 23. Existe no município algum programa direcionado para coleta seletiva? Em caso positivo, a população atendida corresponde satisfatoriamente? Existe coleta seletiva? Freqüência da coleta seletiva: Lixo seco: Duas vezes por semana ( ) Três vezes por semana ( ) Lixo orgânico: Duas vezes por semana ( ) Três vezes por semana ( ) Existe posto de entrega voluntária? O município tem estação de triagem para reciclagem de material? 24. Existe coleta diferenciada para o lixo hospitalar (Hospitais, clínicas, laboratórios, etc.)? Produção de lixo hospitalar? Toneladas ou m Destino final do lixo hospitalar: IV. INFORMAÇÕES SOBRE O DESTINO FINAL 25. Qual o destino final do lixo? ( ) Lixão/vazadouro a céu aberto ( ) Aterro controlado ( ) Aterro Sanitário ( ) Estação de triagem para reciclagem ( ) Estação de compostagem ( ) Incineração ( ) Nenhum ( ) Outro. Qual? Quais os equipamentos usados no destino final?

5 26. Existem catadores no destino final? Quantos? Eles são organizados em cooperativas ou associação? Qual? O trabalho deles é incentivado pelo serviço de limpeza urbana? É desenvolvido algum tipo de trabalho social com eles? Qual? 27. Locais utilizados pela população como destino final: ( ) Terrenos baldios ( ) Queima a céu aberto ( ) Córregos e rios ( ) Encostas ( ) Outro. Qual? V. DESCREVER OS PONTOS CRÍTICOS 28. Limpeza de logradouros: 29. Coleta: 30. Destino final: 31. Outro: Data: Responsável pelas informações: Qualificação: Cargo: Endereço: Tel.: Fax:

ANEXO 1 Diagnóstico Técnico Operacional de Limpeza Urbana Levantamento de Informações

ANEXO 1 Diagnóstico Técnico Operacional de Limpeza Urbana Levantamento de Informações ANEXO 1 Diagnóstico Técnico Operacional de Limpeza Urbana Levantamento de Informações Projeto: Responsável (is) pelo levantamento: 1. Informações Gerais 1.1 Município: Data: / / População total: População

Leia mais

GESTÃO DOS SISTEMAS DE LIMPEZA URBANA CONCEITOS

GESTÃO DOS SISTEMAS DE LIMPEZA URBANA CONCEITOS RESÍDUOS SÓLIDOS A palavra lixo é proveniente do latim lix, que significa cinza ou lixívia, ou do verbo lixare, que significa polir, desbastar, arrancar o supérfluo. GESTÃO DOS SISTEMAS DE LIMPEZA URBANA

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 8 b A Engenharia e o Meio Ambiente Parte II Edgar Aberto de Brito SEGUNDA PARTE Soluções para as novas diretrizes do tratamento de resíduos. Resíduos

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PGIRS Diretrizes para Implementação

PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PGIRS Diretrizes para Implementação AUDIÊNCIA PÚBLICA - PGIRS Engenheira Sanitarista Kátia Cristina de Souza Assessoria Técnica da Preifeitura de Cuiabá Cuiabá, 24 de Novembro de 2014 PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

Saneamento Básico Municipal

Saneamento Básico Municipal Saneamento Básico Municipal Apresentação COMISSÃO INTERNA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Componentes da Comissão Instituídos pela Portaria N 019/2015 e 031/2015. Carina Aparecida

Leia mais

Município de Juiz de Fora. 1. Aspectos Gerais

Município de Juiz de Fora. 1. Aspectos Gerais Município de Juiz de Fora 1. Aspectos Gerais Além da sede, Juiz de Fora possui quatro distritos. A população total do município, segundo a contagem do IBGE de 1996, é de 424.479 habitantes sendo que desses,

Leia mais

Município de Capanema - PR

Município de Capanema - PR LEI Nº. 1.557, DE 20 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre a política municipal de resíduos sólidos do Município de Capanema e dá outras providências. A Câmara Municipal de Capanema, Estado do Paraná, aprovou

Leia mais

Município de São João Nepomuceno. 1. Aspectos Gerais

Município de São João Nepomuceno. 1. Aspectos Gerais Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Município de São João Nepomuceno 1. Aspectos Gerais Além da sede, o município de São João Nepomuceno possui 4 distritos

Leia mais

III-179 DIAGNÓSTICO OPERACIONAL DO SISTEMA DE LIMPEZA URBANA DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE/RN

III-179 DIAGNÓSTICO OPERACIONAL DO SISTEMA DE LIMPEZA URBANA DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE/RN III-179 DIAGNÓSTICO OPERACIONAL DO SISTEMA DE LIMPEZA URBANA DE SÃO GONÇALO DO AMARANTE/RN Flaviane de Oliveira Silva (1) Tecnóloga em Meio Ambiente pelo CEFET/RN em 2003. Técnica em Controle Ambiental

Leia mais

POTENCIAL DA RECICLAGEM EM CUIABÁ E NO ESTADO DE MATO GROSSO

POTENCIAL DA RECICLAGEM EM CUIABÁ E NO ESTADO DE MATO GROSSO SEMINÁRIO PREPARATÓRIO À XII CONFERÊNCIA DAS CIDADES REGIÃO CENTRO-OESTE CUIABÁ, 02 DE SETEMBRO DE 2011 TEMA: POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POTENCIAL DA RECICLAGEM EM CUIABÁ E NO ESTADO DE MATO

Leia mais

Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos - Farroupilha -

Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos - Farroupilha - Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos - Farroupilha - 1ª Audiência Pública Convênio de cooperação técnica Prefeitura Municipal de Farroupilha/UCS Farroupilha, 14 de dezembro de 2013.

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: resíduos sólidos; composição gravimétrica; gestão; reintegração ambiental

RESUMO. Palavras chave: resíduos sólidos; composição gravimétrica; gestão; reintegração ambiental 1 AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA E POTENCIAL DE REINTEGRAÇÃO AMBIENTAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS NA CIDADE DE VIÇOSA, MINAS GERAIS (*) Marcos Alves de Magalhães 1, Adriana Barbosa Sales de Magalhães

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO SANTO ANTÔNIO DAS MISSÕES - RS BRASIL PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DAS MISSÕES Elaborado por: COMITE DE COORDENAÇÃO DO

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESíDUOS SóLIDOS DO MUNICíPIO DE RIBEIRÃO PIRES. Prefeitura Municipal da Estância Turística de Ribeirão Pires

PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESíDUOS SóLIDOS DO MUNICíPIO DE RIBEIRÃO PIRES. Prefeitura Municipal da Estância Turística de Ribeirão Pires Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos de Ribeirão Pires PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESíDUOS SóLIDOS DO MUNICíPIO DE RIBEIRÃO PIRES Realização Prefeitura Municipal da Estância

Leia mais

1) NOME DO PROJETO: Reciclando oportunidades - coleta seletiva como instrumento de sustentabilidade, trabalho e renda.

1) NOME DO PROJETO: Reciclando oportunidades - coleta seletiva como instrumento de sustentabilidade, trabalho e renda. 1) NOME DO PROJETO: Reciclando oportunidades - coleta seletiva como instrumento de sustentabilidade, trabalho e renda. 2) AUTORA DO PROJETO: Vanessa Maia de Amorim Evangelista Promotora de Justiça 1ª Promotoria

Leia mais

Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB

Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB Painel Cobertura e Qualidade dos Serviços de Saneamento Básico Zélia Bianchini Diretoria de Pesquisas 1 São Paulo, 08/10/2013

Leia mais

NORMA MUNICIPAL Nº. 054

NORMA MUNICIPAL Nº. 054 NORMA MUNICIPAL Nº. 054 Portaria Nº.054. de 05 de julho de 2001 Norma de Armazenamento Externo de Contêineres de Resíduos Sólidos ORIGEM: Gestão Diferenciada de Resíduos Sólidos PALAVRA CHAVE: Resíduos

Leia mais

III-075 - AVALIAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE PONTOS DE DESCARTE IRREGULAR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ - SC

III-075 - AVALIAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE PONTOS DE DESCARTE IRREGULAR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ - SC III-75 - AVALIAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE PONTOS DE DESCARTE IRREGULAR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ - SC Marlova Chaves Intini (1) Graduação em Oceanologia pela Fundação Universidade do Rio

Leia mais

Dimensão social. Habitação

Dimensão social. Habitação Dimensão social Habitação Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 235 39 Adequação de moradia Este indicador expressa as condições de moradia através da proporção de domicílios com condições

Leia mais

R. A. G. Battistelle, R. M. F. de Marco e A. A. Lopes

R. A. G. Battistelle, R. M. F. de Marco e A. A. Lopes QUANTIFICAÇÃO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM MUNICÍPIOS DO ESTADO DE SÃO PAULO-BRASIL R. A. G. Battistelle, R. M. F. de Marco e A. A. Lopes RESUMO De acordo com a Constituição

Leia mais

Seminário Sustentabilidade Local 2011. Gestão de Resíduos Sólidos em Teodoro Sampaio SP

Seminário Sustentabilidade Local 2011. Gestão de Resíduos Sólidos em Teodoro Sampaio SP Seminário Sustentabilidade Local 2011 Gestão de Resíduos Sólidos em Teodoro Sampaio SP Teodoro Sampaio - SP 21.386 habitantes Área da unidade territorial: 1.555,996 km² (IBGE, Censo 2010) Resíduos Sólidos

Leia mais

Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Meio Ambiente GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Meio Ambiente GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Meio Ambiente GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Seminário Ecoinnvacion Eima2013 9 a 10 de Julho de 2013 Edificio del

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA PROPOSIÇÃO DE ARRANJOS REGIONAIS DE MANEJO RESÍDUOS SÓLIDOS NO ESTADO DA BAHIA: AS OFICINAS DE PERCEPÇÃO JUNTA A ATORES SOCIAIS

ESTRATÉGIA PARA PROPOSIÇÃO DE ARRANJOS REGIONAIS DE MANEJO RESÍDUOS SÓLIDOS NO ESTADO DA BAHIA: AS OFICINAS DE PERCEPÇÃO JUNTA A ATORES SOCIAIS I COBESA ESTRATÉGIA PARA PROPOSIÇÃO DE ARRANJOS REGIONAIS DE MANEJO RESÍDUOS SÓLIDOS NO ESTADO DA BAHIA: AS OFICINAS DE PERCEPÇÃO JUNTA A ATORES SOCIAIS Maria Valéria Gaspar de Queiroz Ferreira Sandra

Leia mais

Art. 2º - Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. Gabinete do Prefeito, em 15 de dezembro de 2014

Art. 2º - Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. Gabinete do Prefeito, em 15 de dezembro de 2014 LEI Nº 320/2014 EMENTA: Aprova o Plano Municipal de Gerenciamento de Resíduos Sólidos do Município de Santa Filomena e das outras providências O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SANTA FILOMENA, ESTADO DE PERNAMBUCO,

Leia mais

DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CANHOBA/SE

DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CANHOBA/SE DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CANHOBA/SE Josiene Ferreira dos Santos Lima¹-Tecnóloga em Saneamento Ambiental. Aluna do Curso de Geografia (UFS). Pós-Graduanda em Gestão Ambiental e Desenvolvimento

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI Nº 3.907, DE 20 DE AGOSTO DE 2013. Institui a Política Municipal de Resíduos Sólidos de Vera Cruz RS e dá outras providências. ROSANE TORNQUIST PETRY, Prefeita Municipal de Vera Cruz, Estado do Rio

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE IBIPORÃ Estado do Paraná

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE IBIPORÃ Estado do Paraná A CÂMARA MUNICIPAL DE IBIPORÃ,, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte: L E I N 2.449/2011 SÚMULA: Institui a Política Municipal de Resíduos Sólidos de Ibiporã e dá outras providências.

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO MODELO TECNOLÓGICO COM AÇÕES PARA A REDUÇÃO DA DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS Construção de Galpões de Triagem

Leia mais

RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO.

RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI Nº 12.305/2010 DECRETO Nº 7.404/2010 O QUE MUDA COM A LEI 12.305/2010? Lixões a céu aberto e aterros

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP LEI Nº 11.445/2007 LEI Nº 12.305/2010 1. OBJETIVOS - Realizar diagnósticos; - Elaborar propostas de intervenções; - Definir

Leia mais

PROJETO PAPAMÓVEIS COLETA PROGRAMADA DE OBJETOS VOLUMOSOS NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA ES

PROJETO PAPAMÓVEIS COLETA PROGRAMADA DE OBJETOS VOLUMOSOS NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA ES PROJETO PAPAMÓVEIS COLETA PROGRAMADA DE OBJETOS VOLUMOSOS NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA ES Wagner Reis e Silva (1)* Biomédico Organização Santamarense de Educação e Cultura (OSEC-SP), Especialista em Saneamento

Leia mais

GRUPO III 1º BIMESTRE PROVA A

GRUPO III 1º BIMESTRE PROVA A Sistema de Ensino Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: MANHÃ Data: 22/4/2009 PROVA GRUPO GRUPO III 1º BIMESTRE PROVA A Nome: Turma: Valor da prova: 4,0 Nota: Cuidando do lixo Segundo dados

Leia mais

Regulação dos Serviços Públicos de Saneamento Básico e os Resíduos da Construção Civil

Regulação dos Serviços Públicos de Saneamento Básico e os Resíduos da Construção Civil Regulação dos Serviços Públicos de Saneamento Básico e os Resíduos da Construção Civil Lei n 4.285 de 26 de dezembro de 2008 Art. 5º São áreas de competência da ADASA: I recursos hídricos, compreendidos

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº 12.305/2010 - DECRETO NO. 7.404/2010

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº 12.305/2010 - DECRETO NO. 7.404/2010 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI Nº 12.305/2010 - DECRETO NO. 7.404/2010 BASE LEGAL Lei nº 12.305/2010 - Decreto No. 7.404/2010 Lei nº 11.445/2007 - Política Federal

Leia mais

Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo. Ariovaldo Caodaglio

Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo. Ariovaldo Caodaglio Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo Ariovaldo Caodaglio Município de São Paulo DADOS DEMOGRÁFICOS População (2010) 11.253.503 Densidade demográfica (hab./km²) 7.387,69 Território (Km²) 1.521,101

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS

PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS (Manual de acesso e preenchimento do Questionário Online) www.altouruguai.eng.br contato@altouruguai.eng.br ASSOCIAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO

Leia mais

Endereço: Praça Presidente Vargas, 25 CEP: 38610-000 Unaí MG

Endereço: Praça Presidente Vargas, 25 CEP: 38610-000 Unaí MG Estudo da viabilidade da Transferência para o SAAE do Sistema de Limpeza Urbana da Cidade de Unaí-MG Sérgio Bomfim Pereira Cargo: Diretor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Unaí - SAAE Engenheiro

Leia mais

ESTABELECE NORMAS PARA A LIMPEZA URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS E DE OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

ESTABELECE NORMAS PARA A LIMPEZA URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS E DE OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 7058 DE 08 DE JULHO DE 1992 ESTABELECE NORMAS PARA A LIMPEZA URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINAS E DE OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Campinas, sanciono

Leia mais

VI-003 SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA A PROBLEMÁTICA RESÍDUOS ORGÂNICOS: RESULTADOS ALCANÇADOS ATRAVÉS DE UMA REDE DE COOPERAÇÃO

VI-003 SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA A PROBLEMÁTICA RESÍDUOS ORGÂNICOS: RESULTADOS ALCANÇADOS ATRAVÉS DE UMA REDE DE COOPERAÇÃO VI-003 SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA A PROBLEMÁTICA RESÍDUOS ORGÂNICOS: RESULTADOS ALCANÇADOS ATRAVÉS DE UMA REDE DE COOPERAÇÃO Josanídia Santana Lima (1) Bióloga, Profa. Adjunto do Instituto de Biologia da

Leia mais

PROPOSTAS DE GOVERNO DEFENDIDAS PELA COLIGAÇÃO RENOVAÇÃO E INDEPENDÊNCIA EIXO TEMÁTICO: 1. EDUCAÇÃO, 2. SAÚDE, 3. MEIO AMBIENTE 4.

PROPOSTAS DE GOVERNO DEFENDIDAS PELA COLIGAÇÃO RENOVAÇÃO E INDEPENDÊNCIA EIXO TEMÁTICO: 1. EDUCAÇÃO, 2. SAÚDE, 3. MEIO AMBIENTE 4. PROPOSTAS DE GOVERNO DEFENDIDAS PELA COLIGAÇÃO RENOVAÇÃO E INDEPENDÊNCIA EIXO TEMÁTICO: 1. EDUCAÇÃO, 2. SAÚDE, 3. MEIO AMBIENTE 4. TRABALHO EDUCAÇÃO ESCOLAR - DIRETA PATRIMÔNIO HISTÓRICO: Recuperação dos

Leia mais

Relatório da Oficina sobre o Planejamento das Ações do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS AMAI

Relatório da Oficina sobre o Planejamento das Ações do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS AMAI Relatório da Oficina sobre o Planejamento das Ações do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS AMAI ABELARDO LUZ - SC Agosto de 2014 1 SUMÁRIO 1. Identificação 3 2. Objetivo da Atividade

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE IJUÍ PROPOSTA PRELIMINAR - 2007

PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE IJUÍ PROPOSTA PRELIMINAR - 2007 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE IJUÍ PROPOSTA PRELIMINAR - 2007 APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA A presente proposta articula um conjunto de sugestões, cenários e arranjos institucionais e sociais,

Leia mais

O Solo e a Nossa Saúde

O Solo e a Nossa Saúde O Solo e a Nossa Saúde A formação de lixo não é de hoje; Quantidades excessivas de lixo desde a Idade Média; Essa grande quantidade de lixo acaba gerando doenças e fazendo mal a nossa saúde; Atualmente,

Leia mais

CHECK LIST - LEVANTAMENTO DE CAMPO. Prestadores de Serviços

CHECK LIST - LEVANTAMENTO DE CAMPO. Prestadores de Serviços CHECK LIST LEVANTAMENTO DE CAMPO Prestadores de Serviços Data: 01) Informações sobre cada serviço prestado no gerenciamento de resíduos sólidos: Coleta Domiciliar Multirões Coleta da Capina Coleta Manual

Leia mais

PORTARIA Nº 453, DE 5 DE JUNHO DE 2012

PORTARIA Nº 453, DE 5 DE JUNHO DE 2012 MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE PORTARIA Nº 453, DE 5 DE JUNHO DE 2012 Aprova os critérios e os procedimentos básicos para aplicação de recursos orçamentários e financeiros, do programa

Leia mais

Seminário: Responsabilidade Compartilhada no Gerenciamento dos Resíduos Sólidos

Seminário: Responsabilidade Compartilhada no Gerenciamento dos Resíduos Sólidos Seminário: Responsabilidade Compartilhada no Gerenciamento dos Resíduos Sólidos REALIZAÇÃO: Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Colesta seletiva Consumidor Triagem Indústria Comercialização

Leia mais

COMPOSTAGEM DE RESÍDUS SÓLIDOS URBANOS

COMPOSTAGEM DE RESÍDUS SÓLIDOS URBANOS COMPOSTAGEM DE RESÍDUS SÓLIDOS URBANOS LICENCIAMENTO AMBIENTAL Procedimento 1 Licença Prévia 2 Licença de Instalação 3 Licença de Operação LICENCIAMENTO AMBIENTAL Legislação Resolução SEMA n 031/1998 Art.

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 441 ARTIGOS COMPLETOS...442

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 441 ARTIGOS COMPLETOS...442 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 441 ARTIGOS COMPLETOS...442 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011

Leia mais

Meio Ambiente discute soluções para lixo

Meio Ambiente discute soluções para lixo NIQUELÂNDIA Meio Ambiente discute soluções para lixo Euclides Oliveira A correta deposição do lixo produzido diariamente pelos moradores de Niquelândia, a operação adequada do aterro sanitário que dará

Leia mais

Prefeitura Municipal de Alta Floresta - MT

Prefeitura Municipal de Alta Floresta - MT PROJETO DE LEI 1.717/2014 SÚMULA: DISPÕE SOBRE A COLETA SELETIVA DE LIXO, COM O REAPROVEITAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS, RECICLÁVEIS OU REUTILIZÁVEIS, GERADOS NO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA/MT, E DÁ OUTRAS

Leia mais

Coleta seletiva de lixo e Reciclagem

Coleta seletiva de lixo e Reciclagem Etec. Prof. Mário Antônio Verza Coleta seletiva de lixo e Reciclagem Realização: CIPA Responsável CIPA: Micaiser Faria Silva (2015/2016) A reciclagem é o processo de reaproveitamento do lixo descartado,

Leia mais

III-012 - ESTUDO PRELIMINAR SOBRE OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DA CIDADE DE ITAJUBÁ (MG): CARACTERIZAÇÃO FÍSICA NO PERÍODO DO INVERNO

III-012 - ESTUDO PRELIMINAR SOBRE OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DA CIDADE DE ITAJUBÁ (MG): CARACTERIZAÇÃO FÍSICA NO PERÍODO DO INVERNO III-012 - ESTUDO PRELIMINAR SOBRE OS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DA CIDADE DE ITAJUBÁ (MG): CARACTERIZAÇÃO FÍSICA NO PERÍODO DO INVERNO Andriani Tavares Tenório e Silva (1) Engenheira Ambiental pela

Leia mais

9 Fórum de Saneamento e Meio Ambiente ASSEMAE ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO. Arnaldo Luiz Dutra Presidente Nacional

9 Fórum de Saneamento e Meio Ambiente ASSEMAE ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO. Arnaldo Luiz Dutra Presidente Nacional 9 Fórum de Saneamento e Meio Ambiente ASSEMAE ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO Arnaldo Luiz Dutra Presidente Nacional Belo Horizonte, 03 de Setembro de 2007 Penápolis, 26 de março

Leia mais

ILHA DE ITAPARICA - LEITURA PRELIMINAR DA DERROCADA AMBIENTAL (Salvador-Bahia - Brasil)

ILHA DE ITAPARICA - LEITURA PRELIMINAR DA DERROCADA AMBIENTAL (Salvador-Bahia - Brasil) XXIX CONGRESO INTERAMERICANO DE INGENIERÍA SANITARIA Y AMBIENTAL (AIDIS) 22 al 27 de agosto de 2004 San Juan, Puerto Rico ILHA DE ITAPARICA - LEITURA PRELIMINAR DA DERROCADA AMBIENTAL (Salvador-Bahia -

Leia mais

ANÁLISE DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM ARCOS- MG: POSTURA OPERACIONAL E PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO

ANÁLISE DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM ARCOS- MG: POSTURA OPERACIONAL E PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO ANÁLISE DA COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS EM ARCOS- MG: POSTURA OPERACIONAL E PARTICIPAÇÃO DA POPULAÇÃO Tatiane Castaño Valadares*, Fernando Vieira de Sousa FUNEDI/UEMG taticastanobiologia@gmail.com

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO

DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO Cinthia Martins dos SANTOS Programa de Pós Graduação em Engenharia do Meio Ambiente, Escola de Engenharia,

Leia mais

UNISAL ARTIGO PARA MOSTRA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL AMERICANA 2011

UNISAL ARTIGO PARA MOSTRA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL AMERICANA 2011 UNISAL ARTIGO PARA MOSTRA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL AMERICANA 2011 Autora: Profa. Dra. Melissa Furlan Cursos: Direito e Engenharia Ambiental Área de Pesquisa: Meio Ambiente Título do artigo: O destino

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

Missão. Quem somos: Promover o conceito de Gerenciamento Integrado do Resíduo Sólido Municipal; Promover a reciclagem pós-consumo;

Missão. Quem somos: Promover o conceito de Gerenciamento Integrado do Resíduo Sólido Municipal; Promover a reciclagem pós-consumo; Quem somos: Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo. Missão Promover o conceito de Gerenciamento

Leia mais

GOVERNO DO MUNICÍPIO DE SANTO AMARO DO MARANHÃO. Exercício 2013 R$

GOVERNO DO MUNICÍPIO DE SANTO AMARO DO MARANHÃO. Exercício 2013 R$ Unidade Gestora: 010.200 - PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO AMARO DO MARANHÃO - PREFEITURA 03 Essencial à Justiça 139.588,04 139.588,04 03.091 Defesa da Ordem Jurídica 139.588,04 139.588,04 03.091.004 Gestão

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Drenagem Urbana

Leia mais

Página, artigo, inciso Texto original Araraquara Rio Claro Há diversas palavras juntas, sem ---

Página, artigo, inciso Texto original Araraquara Rio Claro Há diversas palavras juntas, sem --- Página, artigo, inciso Texto original Araraquara Rio Claro Há diversas palavras juntas, sem --- espaço. Pág. 9, Art. 2º, XV b) resíduos sólidos recicláveis: os originários de atividades domésticas em imóveis,

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS S PNRS RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: S UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO MODELO TECNOLÓGICO COM AÇÕES A PARA

Leia mais

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia.

Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTEALEGRE ALEGRE DO MONTE DOSUL SUL Protegida pelas últimas ramificações da Serra da Mantiqueira, em pleno vale do Rio Camanducaia. MONTE ALEGRE DO SUL Área 110,306 km² População (estimativa para 2014)

Leia mais

LDO 2015 - Anexo de Metas e Prioridades Governo Municipal de Cantanhede Página : 001

LDO 2015 - Anexo de Metas e Prioridades Governo Municipal de Cantanhede Página : 001 Governo Municipal de Cantanhede Página : 001 -------------------------------------------------- Órgão: 01 - Câmara Municipal -------------------------------------------------- --------------------------------------------

Leia mais

Gari e Coletores de Lixo

Gari e Coletores de Lixo Gari e Coletores de Lixo Introdução O nome gari nasceu em homenagem ao empresário Aleixo Gary que em 11 de Outubro de 1876, assinou contrato com o Ministério Imperial para fazer o serviço de limpeza da

Leia mais

é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em

é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em Módulo: Responsabilidade Socioambiental Educador: Flavio Furtado. O que é compostagem? é o processo biológico de decomposição e de reciclagem da matéria orgânica contida em restos de origem animal ou vegetal

Leia mais

Gestão Sustentável de Resíduos. Superintendência de Limpeza Urbana Junho/2006

Gestão Sustentável de Resíduos. Superintendência de Limpeza Urbana Junho/2006 Gestão Sustentável de Resíduos Superintendência de Limpeza Urbana Junho/2006 Belo Horizonte / MG VENDA NOVA NORTE PAMPULHA NORDESTE NOROESTE LESTE OESTE CENTRO-SUL BARREIRO População: 2.350.564 (IBGE 2004)

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos

Política Nacional de Resíduos Sólidos São Paulo, 09 de Novembro 2011 Política Nacional de Resíduos Sólidos Responsabilidade Compartilhada entre Prefeituras, Empresas, Cidadãos e Catadores BRASIL ESTADO DE SÃO PAULO Região Metropolitana FONTE:

Leia mais

LEGISLAÇÃ ÇÃO O DISTRITAL

LEGISLAÇÃ ÇÃO O DISTRITAL LEGISLAÇÃ ÇÃO O DISTRITAL LEI Nº N 041, DE 13/09/89 - Dispõe e sobre a Política Ambiental do DF Art. 29. A coleta, transporte, tratamento e disposição final do lixo processar-se-ão em condições que não

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA DE LIXO O CASO DE IJUÍ/RS 1 Juliana Carla Persich 2, Sérgio Luís Allebrandt 3. 1 Estudo

Leia mais

MMA. D i r e t o r a d e A m b i e n t e U r b a n o S e c r e t a r i a d e Re c u r s o s H í d r i c o s e M e i o U r b a n o

MMA. D i r e t o r a d e A m b i e n t e U r b a n o S e c r e t a r i a d e Re c u r s o s H í d r i c o s e M e i o U r b a n o M INISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Zilda Maria Fa ria Veloso D i r e t o r a d e A m b i e n t e U r b a n o S e c r e t a r i a d e Re c u r s o s H í d r i c o s e M e i o U r b a n o POLÍTICA NACIONAL

Leia mais

Dimensão ambiental. Saneamento

Dimensão ambiental. Saneamento Dimensão ambiental Saneamento Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 135 18 Acesso a serviço de coleta de lixo doméstico Apresenta a parcela da população atendida pelos serviços de coleta

Leia mais

Proposta da ABIVIDRO para Logística Reversa de vidro março de 2013

Proposta da ABIVIDRO para Logística Reversa de vidro março de 2013 Proposta da ABIVIDRO para Logística Reversa de vidro março de 2013 Contexto e Desafios Criação da Política Nacional de Resíduos Sólidos Em ago.2010 o Presidente Lula sancionou a Lei 12.305 que estabelece

Leia mais

Eixo: LOGISTICA REVERSA

Eixo: LOGISTICA REVERSA PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTÂNCIA VELHA RESSANEAR PROJETO INTEGRADO DE SANEAMENTO BÁSICO E RESÍDUOS SÓLIDOS LEI 11.445/2007 Eixo: LOGISTICA REVERSA PLANO MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS

Leia mais

O ENGAJAMENTO DA INDÚSTRIA DE TINTAS NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

O ENGAJAMENTO DA INDÚSTRIA DE TINTAS NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS O ENGAJAMENTO DA INDÚSTRIA DE TINTAS NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Há muitos anos, a indústria de tintas, sob a liderança da ABRAFATI (Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas), pesquisa

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

Estado do Piauí PI Prefeitura Municipal de Castelo do Piauí Plano Municipal de Saneamento Básico

Estado do Piauí PI Prefeitura Municipal de Castelo do Piauí Plano Municipal de Saneamento Básico QUESTIONÁRIO-MOBILIZAÇÃO SOCIAL Nome: Endereço: Município: Bairro: CEP: Quanto tempo reside nessa localidade? 1. ÁGUA AGESPISA ( ) PIPA ( ) BICA COLETOR ( ) POÇO ( ) OUTROS Você limpa sua cisterna e ou

Leia mais

Educação ambiental e participação comunitária. Modelo de projeto (estruturação)

Educação ambiental e participação comunitária. Modelo de projeto (estruturação) Educação ambiental e participação comunitária Modelo de projeto (estruturação) A problemática da coleta seletiva 3.2. Concepção geral do sistema projetado 3.3. Objetivos gerais 3.4. Objetivos específicos

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA COMERCIAL 1. INTRODUÇÃO Este anexo objetiva apresentar as informações necessárias a orientar a LICITANTE quanto à apresentação e conteúdo da sua PROPOSTA

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS Programa de Pós-Graduação em Ciência Política

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS Programa de Pós-Graduação em Ciência Política UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS Programa de Pós-Graduação em Ciência Política Modelos institucionais para a limpeza urbana em São Paulo Samuel Ralize de Godoy

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS LEI 12.305/2010

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS LEI 12.305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS LEI 12.305/2010 I RESUMO EXECUTIVO O que muda com a Lei 12.305/2010? Lixões a céu aberto e aterros controlados ficam proibidos. A Lei, determina que todas as administrações

Leia mais

Normas Técnicas -RCD

Normas Técnicas -RCD Mestrado em Engenharia Civil NORMAS TÉCNICAS DE RCD Profa. Stela Fucale Normas Técnicas -RCD NBR15.112/04 Resíduosdeconstruçãoeresíduosvolumosos Áreasde transbordo e triagem Diretrizes para projeto, implantação

Leia mais

Plano Participativo de Gestão dos Resíduos Sólidos

Plano Participativo de Gestão dos Resíduos Sólidos Plano Participativo de Gestão dos Resíduos Sólidos Viçosa (MG) - 2010 Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Viçosa (SAAE) Prefeitura Municipal de Viçosa Plano Municipal de Saneamento Básico de Viçosa (PMSBV)

Leia mais

A gestão de resíduos sólidos domésticos no Brasil a par da experiência internacional

A gestão de resíduos sólidos domésticos no Brasil a par da experiência internacional Revista Economia & Tecnologia (RET) Seção: Tecnologia & Inovação Volume 8, Número 4, p. 57-66, Out/Dez 2012 A gestão de resíduos sólidos domésticos no Brasil a par da experiência internacional Adriana

Leia mais

III-006 PROPOSTA DE GESTÃO INTEGRADA E COMPARTILHADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS, PARA DOIS MUNICÍPIOS DE SERGIPE

III-006 PROPOSTA DE GESTÃO INTEGRADA E COMPARTILHADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS, PARA DOIS MUNICÍPIOS DE SERGIPE III-006 PROPOSTA DE GESTÃO INTEGRADA E COMPARTILHADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS, PARA DOIS MUNICÍPIOS DE SERGIPE José Daltro Filho (1) Engenheiro Civil (UFBA,1975); Doutor em Engenharia (Hidráulica/Saneamento-EESC-USP,

Leia mais

III-064 - ESTUDO PRELIMINAR DOS ATERROS DE ENTULHO DE CAMPO GRANDE

III-064 - ESTUDO PRELIMINAR DOS ATERROS DE ENTULHO DE CAMPO GRANDE III-064 - ESTUDO PRELIMINAR DOS ATERROS DE ENTULHO DE CAMPO GRANDE Jesner Marcos Escandolhero (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Mestrando em Tecnologias Ambientais pela

Leia mais

LEI ORDINÁRIA Nº 5.813 DE 3 DE DEZEMBRO DE 2008

LEI ORDINÁRIA Nº 5.813 DE 3 DE DEZEMBRO DE 2008 1 de 5 24/05/2010 13:31 LEI ORDINÁRIA Nº 5.813 DE 3 DE DEZEMBRO DE 2008 Cria o ICMS ecológico para beneficiar municípios que se destaquem na proteção ao meio ambiente e dá outras providências. (*) O GOVERNADOR

Leia mais

DECRETO Nº 728, DE 14 DE MARÇO DE 2016

DECRETO Nº 728, DE 14 DE MARÇO DE 2016 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 728, DE 14 DE MARÇO DE 2016 Regulamenta a Lei nº 9.498, de 19 de novembro de 2014, que dispõe sobre a cobrança de preço público decorrente da prestação de serviços de

Leia mais

de 2000; NBR 12235 Armazena mento de resíduos sólidos perigosos, de abril de 1992;

de 2000; NBR 12235 Armazena mento de resíduos sólidos perigosos, de abril de 1992; O Hospital Nossa Senhora do Carmo e a Secretaria Municipal de Saúde de Carmo, fizeram adesão ao Programa de Incentivo aos Hospitais do Interior PAHI para 2013. Para essa adesão tanto a unidade hospitalar

Leia mais

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra ESTADO DE MATO GROSSO

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra ESTADO DE MATO GROSSO LEI COMPLEMENTAR Nº 109/2006, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2006. INSTITUI A TAXA DE COLETA, REMOÇÃO E DESTINAÇÃO DO LIXO DOMICILIAR, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Tangará da Serra, Estado de

Leia mais

Lei n.º 3.273 de 6 de setembro de 2001. Dispõe sobre a Gestão do Sistema de Limpeza Urbana no Município do Rio de Janeiro.

Lei n.º 3.273 de 6 de setembro de 2001. Dispõe sobre a Gestão do Sistema de Limpeza Urbana no Município do Rio de Janeiro. Lei n.º 3.273 de 6 de setembro de 2001 Dispõe sobre a Gestão do Sistema de Limpeza Urbana no Município do Rio de Janeiro. Autor: Poder Executivo O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a

Leia mais

O que é o lixo? Pastilha elástica

O que é o lixo? Pastilha elástica O que é a INOVA-EM? A INOVA-EM é a empresa responsável pela qualidade da água que chega às nossas torneiras, pelo tratamento das águas que vão para o saneamento, pela recolha do lixo, limpeza urbana, manutenção

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL A entrada do processo é feita no protocolo da EMSURB localizada na portaria do Parque da Sementeira. Após a análise é fornecida a DECLARAÇÃO DE COMPROMETIMENTO

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL

SUSTENTABILIDADE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL SUSTENTABILIDADE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÚCLEO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL - NEA O NEA na Universidade São Judas constitui-se de um grupo de docentes, com atribuições acadêmicas de implementação e acompanhamento

Leia mais

Relatorio PAI 2015 - Unidade de Planejamento (PCU) - TOP 20. Relatório de Ações

Relatorio PAI 2015 - Unidade de Planejamento (PCU) - TOP 20. Relatório de Ações Relatorio PAI 2015 - Unidade de Planejamento (PCU) - TOP 20 Relatório de Ações Relatório emitido em: 25/05/2015 Eixo Temático: 09. INFRAESTRUTURA E SEGURANÇA Valor do Eixo Temático: R$ 36.150.00 Valor

Leia mais

RECICLA MOGI. Ação local. Resultado global.

RECICLA MOGI. Ação local. Resultado global. RECICLA MOGI Ação local. Resultado global. Mogi das Cruzes Mogi das Cruzes produz mais de 350 toneladas de lixo por dia Mogi das Cruzes produz mais de 350 toneladas de lixo por dia e recicla cerca de 1%

Leia mais