DOS DIREITOS DOS TRABALHADORES URBANOS E RURAIS. art. 7º da Constituição Federal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOS DIREITOS DOS TRABALHADORES URBANOS E RURAIS. art. 7º da Constituição Federal"

Transcrição

1 DOS DIREITOS DOS TRABALHADORES URBANOS E RURAIS art. 7º da Constituição Federal

2 ASPECTOS GERAIS 1) Os direitos trabalhistas previstos no art. 7º da CF, abrangem os trabalhadores urbanos e rurais; 2) A Constituição admite a existência de outros direitos além daqueles ali previstos: Além de outros que visem à MELHORIA DE SUA CONDIÇÃO SOCIAL

3 TRABALHADOR: CONCEITOS É um termo amplo que inclui todo aquele que vive do seu trabalho. Analisando o art. 7º da CF, depreende-se que está se referindo a empregado EMPREGADO: Toda pessoa física que prestar serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste e mediante salário (art. 3º da CLT) Portanto: TRABALHADOR = EMPREGADO

4 CONCEITOS TRABALHADOR URBANO: Toda pessoa física que prestar serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste e mediante salário (art. 3º da CLT) TRABALHADOR RURAL: é toda pessoa física que, em propriedade rural ou prédio rústico, presta serviço de natureza não eventual a empregador rural, sob a dependência deste e mediante salário. art. 2º Lei 5889/73) Prédio rústico é aquele que se dedica à lavoura, ou à exploração agrícola, pecuária, extrativa ou mista.

5 Parágrafo único: não possui os mesmos direitos dos demais trabalhadores (vide final deste resumo esquemático) CONCEITOS TRABALHADOR DOMÉSTICOS: é toda pessoa que presta serviços de natureza contínua e de finalidade nãolucrativa à pessoa ou à família, no âmbito residencial destas. Exemplos: empregado, cozinheiro, governanta, babá, lavadeira, faxineiro, vigia, motorista particular, jardineiro, acompanhante de idosos, caseiro. Obs: 1) prestação de serviço de natureza não lucrativa; 2) à pessoa física ou à família, no âmbito residencial das mesmas; 3) Continuadamente.

6 Nos termos do INCISO XXXIV, POSSUEM OS MESMOS DIREITOS DO TRABALHADOR COM VÍNCULO EMPREGATÍCIO. CONCEITOS TRABALHADOR AVULSO: é aquele que, sindicalizado ou não, presta serviço de natureza urbana ou rural a diversas empresas, sem vínculo empregatício, com a intermediação obrigatória do sindicato da categoria. Obs: o que caracteriza o trabalhador avulso é a intermediação do sindicado (ou similar). Do contrário, será um trabalhador contribuinte. Exemplos: ensacador de café, carregador de bagagem em porto etc.

7 GUARDE ISTO: CONFORME PREVISTO NO ART. 7º DA CF: São garantidos DIREITOS IGUAIS: Trabalhador urbano Trabalhador rural Trabalhador avulso São garantidos MENOS DIREITOS: Trabalhador doméstico Caput e inc. XXXIV Parágrafo único

8 A PROTEÇÃO CONTRA A DISCRIMINAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza... (art. 5º, caput) Inciso XXX Proibição de diferença de salários, de exercício de funções e de critério de admissão por motivo de sexo, idade, cor ou estado civil. O art. 461 da CLT determina: 1)Sendo idêntica a função 2)a todo trabalho de igual valor 3)prestado ao mesmo empregador 4)na mesma localidade 5)CORRESPONDERÁ IGUAL SALÁRIO 6)sem distinção de sexo, nacionalidade ou idade A Lei nº 9.029/95 previu como crime as práticas discriminatórias nas relações de emprego, por motivo de sexo, origem, raça, cor, estado civil, situação familiar ou idade.

9 A PROTEÇÃO CONTRA A DISCRIMINAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza... (art. 5º) Inciso XXX Proibição de diferença de salários, de exercício de funções e de critério de admissão por motivo de sexo, idade, cor ou estado civil. No caso da mulher existe até o incentivo: (Art. 7º) XX proteção do mercado de trabalho da mulher, mediante incentivos específicos, nos termos da lei Artigos 372 a 401 da CLT

10 A PROTEÇÃO CONTRA A DISCRIMINAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza... (art. 5º) Inciso XXXI Proibição de qualquer discriminação no tocante a salário e critérios de admissão do trabalhador portador de deficiência. Cita-se aqui que a Lei n /91 (art. 93), determina a reserva de vagas no local de trabalho para os deficientes.

11 A PROTEÇÃO CONTRA A DISCRIMINAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza... (art. 5º) Inciso XXXII Proibição de distinção entre trabalho manual, técnico e intelectual ou entre os profissionais respectivos Pode haver: 1) Salários diferenciados 2) Jornada de trabalho diferente O QUE ESTÁ SE VEDANDO: É a existência de duas ou mais legislações trabalhistas. Exemplo: numa empresa, o gerente, o torneiro mecânico e o gerente devem estar sujeitos ao mesmo regime jurídico aplicável à atividade econômica da empresa.

12 PROTEÇÃO CONTRA DESPEDIDA ARBITRÁRIA Inciso I Relação de emprego protegida contra despedida arbitrária ou sem justa causa, nos termos de lei complementar, que preverá indenização compensatória, dentre outros direitos. 1) Defende-se a relação de emprego e não a estabilidade; 2) A despedida arbitrária é aquela que não tem respaldo em lei; 3) Despedida sem justa causa é aquela feita pelo empregador sem motivo dado pelo empregado; 4) A justa causa está no art. 482 da CLT 5) As indenizações compensatórias são, entre outros: 40% FGTS, aviso prévio, férias proporcionais

13 SEGURO-DESEMPREGO E FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO Inciso II Segurodesemprego, em caso de desemprego involuntário. Observãções: 1) O SEGURO DESEMPREGO é uma assistência financeira temporária; 2) trabalhador desempregado sem justa causa - INVOLUNTÁRIO 3) auxiliá-lo na manutenção e na busca de emprego Inciso III Fundo garantia tempo serviço. de do de Observãções: 1) Recursos captados do setor privado e administrados pela CEF; 2) Via de regra, depósito dos empregadores 3) Ampara os trabalhadores, em casos como: Desemprego, doenças graves, catástrofes naturais, financiamento de imóveis

14 SALÁRIO E PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS DA EMPRESA 1) São vários direitos e garantias do trabalhador relacionadas ao seu salário; 2) O Salário mínimo deve ser (Inciso IV): a) fixado em lei b) nacionalmente unificado c) com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo d) sendo vedada sua vinculação para qualquer fim (ex: definir o valor da pensão com base no salário é proibido, embora todos os juízes o façam) f) e deve ser capaz de atender a necessidades vitais básicas do trabalhador e às de sua família como: Moradia, Alimentação, Educação, Saúde, Lazer Vestuário Higiene, Transporte Previdência social

15 SALÁRIO E PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS DA EMPRESA Piso salarial proporcional à extensão e à complexidade do trabalho. Inc. V Irredutibilidade do salário, salvo o disposto em convenção ou acordo coletivo. Inc. VI Garantia de salário, nunca inferior ao mínimo, para os que percebem remuneração variável. (ENTENDA COMISSÃO) Inc. VII Décimo terceiro salário com base na remuneração integral ou no valor da aposentadoria. Inc. VIII Remuneração do trabalho noturno superior à do diurno. Inc. IX Proteção do salário na forma da lei, constituindo crime sua retenção dolosa. Inc. X Participação nos lucros, ou resultados, desvinculada da remuneração, e, excepcionalmente, participação na gestão da empresa, conforme definido em lei. Inc. XI Salário-familia pago em razão do dependente do trabalhador de baixa renda nos termos da lei. Inc. XII

16 OBSERVAÇÃO IMPORTANTE Pode cair na prova que conforme previsão constitucional, em nenhuma hipótese poderá haver irredutibilidade do salário: MENTIRA SE HOUVER ACORDO OU CONVENÇAO COLETIVA DE TRABALHO PODE. ACORDO: SINDICATO X EMPRESA CONVENÇÃO: SINDICATO dos trabalhadores X SINDICATO patronal Detalhe: A Constituição reconhece a validade normativa de tais negociações. Vide: XXVI reconhecimento das convenções e acordos coletivos de trabalho.

17 SALÁRIO E PARTICIPAÇÃO NOS LUCROS DA EMPRESA Inciso XXIII Adicional de remuneração para as atividades penosas, insalubres ou perigosas, na forma da lei PENOSAS: atividades que trazem esgotamento, cansaço, demanda excessiva de força física e mental. INSALUBRES: atividades que exponham os empregados a agentes nocivos à saúde. Inciso XVI Remuneração do serviço extraordinário superior, no MÍNIMO, em cinquenta por cento à do normal PERIGOSAS: atividades que impliquem o contato permanente com inflamáveis, explosivos em condições de risco acentuado, eletricidade e radiação.

18 SITUAÇÕES EXTRAS - SALÁRIO Trabalho noturno Superior à do diurno Inc. IX Remuneração variável (Comissão) Nunca inferior ao Sal/Min. Inc. VII Férias anuais Pelo menos 1/3 a mais Inc. XVII 13º salário Base: remuneração integral ou valor da aposentadoria Inc. VIII Remuneração do serviço extraordinário Mínimo 50% superior Inc. XVI

19 PROTEÇÃO À ATIVIDADE DO TRABALHADOR JORNADA DE TRABALHO Inc. XIII Jornada de trabalho NORMAL: Diária: não superior a 08 horas Semanal: não superior a 44 horas. É facultada a compensação de horários e a redução da jornada, mediante acordo ou convenção coletiva de trabalho. Obs: se exceder o trabalhador tem direito à receber hora extra (art. 7º, XVI mínimo 50 %) Inc. XIV Jornada de SEIS HORAS para o trabalho realizado em TURNOS ININTERRUPTOS DE REVEZAMENTO, salvo negociação coletiva;

20 PROTEÇÃO À ATIVIDADE DO TRABALHADOR REPOUSO DEVIDO E LICENÇAS Inc. XV Repouso semanal remunerado, preferencialmente aos domingos. 1) O repouso é um direito 2) Mas, não é obrigatoriamente aos domingos 3) Deve ser remunerado Inc. XVIII licença à gestante, sem prejuízo do emprego e do salário, com a duração de cento e vinte dias Prorrogou-se para mais 60 dias (Lei Federal /08) Inc. XVII Gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, um terço a mais do que o salário normal Este percentual (1/3) é chamado de terço constitucional Inc. XIX Licenca-paternidade, nos termos fixados em lei 05 dias (art. 10, 1º da ADCT)

21 OUTROS DIREITOS E GARANTIAS Inc. XXI Aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, sendo no mínimo de trinta dias, nos termos da lei. Curiosidade: Lei /11. Mínimo de 01 ano no emprego: 30 dias A cada ano a mais: aumenta-se 3 dias Inc. XXII Redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, higiene e segurança Inc. XXV Assistência gratuita aos filhos e dependentes desde o nascimento até 5 (cinco) anos de idade em creches e pré-escolas Obs: 1) Do nascimento até 5 anos de idade (antes eram 6 anos) 2) em creches e pré-escolas 3) Os empregadores e o Estado deveriam patrocinar as creches Inc. XXVII Proteção em face da automação, na forma da lei Obs: substituição do trabalhador por máquinas

22 OUTROS DIREITOS E GARANTIAS Inc. XXVIII Seguro contra acidentes de trabalho, a cargo do empregador, sem excluir a indenização a que este está obrigado, quando incorrer em dolo ou culpa Inc. XXIX Ação, quanto aos créditos resultantes das relações de trabalho, com prazo prescricional de cinco anos para os trabalhadores urbanos e rurais, até o limite de dois anos após a extinção do contrato de trabalho. Obs: 1) O empregador deve contratar um seguroacidente 2) Ainda, sim se o acidente ocorrer por dolo ou culpa, o empregador deve indenizar o trabalhador 1) Trabalhador urbano e rural têm o mesmo prazo 2) ENTENDA: DEMITIDO em 2012 PODE IMPETRAR ação até 2014 PODERÁ RECEBER os créditos devidos desde 2009

23 PROIBIÇÕES NO CASO DOS MENORES (inciso XXXIII) MAIOR OU IGUAL A 16 ANOS E MENOR DE 18 ANOS MENOR DE 16 ANOS e A PARTIR DOS 14 ANOS NÃO PODE: 1) Trabalho noturno (entre 22 h às 05 h) 2) Trabalho perigoso 3) Trabalho insalubre NÃO PODE: Qualquer trabalho Salvo na condição de aprendiz

24 DIREITOS DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS (parágrafo único) Salário mínimo Inc. IV Irredutibilidade do salário Inc. VI Garantia de salário, nunca inferior ao mínimo, para os que percebem remuneração variável Inc. VII Décimo terceiro salário Inc. VIII Proteção do salário na forma da lei, constituindo crime sua retenção dolosa Inc. X Repouso semanal remunerado Inc. XV Duração do trabalho normal não superior a oito horas diárias e quarenta e quatro semanais Inc. XIII Remuneração do serviço extraordinário superior, no mínimo, em cinquenta por cento à do normal Inc. XVI

25 DIREITOS DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS (parágrafo único) Gozo de férias anuais remuneradas Inc. XVII Licença à gestante Inc. XVIII Licenca-paternidade Inc. XIX Aviso prévio Inc. XXI Redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, higiene e segurança Inc. XXII Aposentadoria Inc. XXIV Reconhecimento das convenções e acordos coletivos de trabalho Inc. XXVI Proibição de qualquer discriminação no tocante a salário e critérios de admissão do trabalhador portador de deficiências. Inc. XXXI Proibição de diferença de salários, de exercício de funções e de critério de admissão por motivo de sexo, idade, cor ou estado civil. Inc. XXX Proibição de trabalho noturno, perigoso ou insalubre a menores de dezoito e de qualquer trabalho a menores de dezesseis anos, salvo na condição de aprendiz, a partir de quatorze anos. Inc. XXXIII

26 DIREITOS DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS (parágrafo único) 1) E, atendidas as condições estabelecidas em lei 2) E, observada a simplificação do cumprimento das obrigações tributárias, principais e acessórias, decorrentes da relação de trabalho e suas peculiaridades 3) Tem, também, os direito previstos nos incisos I, II, III, IX, XII, XXV e XXVIII, Relação de emprego protegida contra despedida arbitrária ou sem justa causa, nos termos de lei complementar, que preverá indenização compensatória, dentre outros direitos. Seguro-desemprego, em caso de desemprego involuntário Fundo de garantia do tempo de serviço Remuneração do trabalho noturno superior à do diurno Salário-família pago em razão do dependente do trabalhador de baixa renda nos termos da lei Assistência gratuita aos filhos e dependentes desde o nascimento até 5 (cinco) anos de idade em creches e préescolas Seguro contra acidentes de trabalho, a cargo do empregador, sem excluir a indenização a que este está obrigado, quando incorrer em dolo ou culpa; Bem como, a sua integração à previdência social.

27 DIREITOS NÃO PREVISTOS PARA OS TRABALHADORES DOMÉSTICOS (parágrafo único) AQUELES PREVISTOS NOS INCISOS V, XI, XIV, XX, XXIII, XXVII, XXIX, XXXII Piso salarial proporcional à extensão e à complexidade do trabalho Jornada de seis horas para o trabalho realizado em turnos ininterruptos de revezamento, salvo negociação coletiva Adicional de remuneração para as atividades penosas, insalubres ou perigosas, na forma da lei Participação nos lucros, ou resultados, desvinculada da remuneração, e, excepcionalmente, participação na gestão da empresa, conforme definido em lei Proteção do mercado de trabalho da mulher, mediante incentivos específicos, nos termos da lei Proteção em face da automação, na forma da lei Ação, quanto aos créditos resultantes das relações de trabalho... Proibição de distinção entre trabalho manual, técnico e intelectual ou entre os profissionais respectivos

Direito Constitucional. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda

Direito Constitucional. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Direito Constitucional Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Direitos fundamentais de segunda geração Surgimento: necessidade de intervenção estatal em

Leia mais

AS MUDANÇAS NO ESTATUTO JURÍDICO DOS DOMÉSTICOS EC 72/13 Gáudio R. de Paula e José Gervásio Meireles

AS MUDANÇAS NO ESTATUTO JURÍDICO DOS DOMÉSTICOS EC 72/13 Gáudio R. de Paula e José Gervásio Meireles AS MUDANÇAS NO ESTATUTO JURÍDICO DOS DOMÉSTICOS EC 72/13 Gáudio R. de Paula e José Gervásio Meireles A aprovação do projeto de Emenda Constitucional 66/2012, e a subsequente edição da EC 72/13, relativo

Leia mais

PROFESSORA: Déborah Paiva. Prova: (FCC TST Analista Judiciário 2012)

PROFESSORA: Déborah Paiva. Prova: (FCC TST Analista Judiciário 2012) Direito do Trabalho: 41. A descaracterização de uma pactuada relação civil de prestação de serviços, desde que no cumprimento do contrato se verifiquem os elementos fáticos e jurídicos da relação de emprego,

Leia mais

PONTO CERTO OAB por ISADORA ATHAYDE E THIAGO ATHAYDE

PONTO CERTO OAB por ISADORA ATHAYDE E THIAGO ATHAYDE PONTO CERTO OAB por ISADORA ATHAYDE E THIAGO ATHAYDE O nosso item do edital de hoje será: EMPREGADO DOMÉSTICO Algo que devemos atentar de início é ao fato de não aplicarmos a CLT ao empregado doméstico,

Leia mais

Trabalho Doméstico: as mudanças e os impactos da nova lei. Zilma Aparecida da Silva Ribeiro Abril de 2013

Trabalho Doméstico: as mudanças e os impactos da nova lei. Zilma Aparecida da Silva Ribeiro Abril de 2013 Trabalho Doméstico: as mudanças e os impactos da nova lei Zilma Aparecida da Silva Ribeiro Abril de 2013 Legislação Aplicável * LEI Nº 5.859, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1972 * CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 7º, PARÁGRAFO

Leia mais

Professor André Vieira. Direitos Sociais. Curso de Oficial de Justiça de 1º Instância 1

Professor André Vieira. Direitos Sociais. Curso de Oficial de Justiça de 1º Instância 1 Direitos Sociais 01. NÃO é considerado um direito social, expressamente previsto na Constituição Federal Brasileira de 1988, a: a) Segurança; b) Educação; c) Livre concorrência; d) Saúde. 02. Os que percebem

Leia mais

RELAÇÃO DE EMPREGO DOMÉSTICO

RELAÇÃO DE EMPREGO DOMÉSTICO RELAÇÃO DE EMPREGO DOMÉSTICO FELIPE VASCONCELLOS CAVALCANTE Universidade Federal de Goiás UFG Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional e Recursos Humanos Departamento de Desenvolvimento de Recursos

Leia mais

EMPREGADO E EMPREGADOR

EMPREGADO E EMPREGADOR EMPREGADO E EMPREGADOR Empregado É toda pessoa física que presta serviços de natureza não eventual, a um empregador, sob sua dependência e mediante salário. São necessários cinco requisitos para se verificar

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO II DOS DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS CAPÍTULO II DOS DIREITOS SOCIAIS Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros

Leia mais

Relações do Direito do Trabalho com outros Ramos do Direito. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Relações do Direito do Trabalho com outros Ramos do Direito. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Relações do Direito do Trabalho com outros Ramos do Direito Introdução Para fins didáticos o estudo do Direito deve ser feito de forma fragmentada, pois tal separação não existe. "O Direito é único e não

Leia mais

NOTA À DÉCIMA PRIMEIRA EDIÇÃO

NOTA À DÉCIMA PRIMEIRA EDIÇÃO NOTA À DÉCIMA PRIMEIRA EDIÇÃO A elaboração desta edição fez-se necessária, essencialmente, em razão de duas mudanças havidas em nosso ordenamento constitucional, as quais, embora pontuais, são bastante

Leia mais

INFORMATIVO AS ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL A EMPREGADOS DOMÉSTICOS. Flavio Aldred Ramacciotti W W W. M F R A. C O M. B R

INFORMATIVO AS ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL A EMPREGADOS DOMÉSTICOS. Flavio Aldred Ramacciotti W W W. M F R A. C O M. B R INFORMATIVO AS ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL A EMPREGADOS DOMÉSTICOS Flavio Aldred Ramacciotti W W W. M F R A. C O M. B R ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 OS NOVOS DIREITOS... 4 DIREITOS DE EFICÁCIA IMEDIATA...

Leia mais

O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS

O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS O IMPACTO NA CONTABILIZAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS COM A ALTERAÇÃO DOS SEUS DIREITOS PELA PEC DAS DOMÉSTICAS Linha de pesquisa: Gestão Empresarial João Paulo dos Santos Ribeiro

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 Termo de CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si fazem, o Sindicato dos Empregados em Edifícios e em Empresas de Compra, Venda Locação e Administração de Imóveis

Leia mais

RENATA TIVERON DIREITO DO TRABALHO

RENATA TIVERON DIREITO DO TRABALHO RENATA TIVERON DIREITO DO TRABALHO TEORIA 657 Questões Gabaritadas da FCC por Tópicos (2013 2003) A apostila abrange o conteúdo programático cobrado nos concursos púbicos, organizados pela FCC, para diversos

Leia mais

Trabalhador Domestico

Trabalhador Domestico Trabalhador Domestico Trabalhador Domestico 3 Brasília/DF - 2013 Trabalhador Domestico Considera-se trabalhador doméstico aquele maior de 18 anos que presta serviços de natureza contínua (frequente,

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO (Aspectos Legais)

EMPREGADO DOMÉSTICO (Aspectos Legais) Le f is c L e g i s l a c a o F i s c a l CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE

Leia mais

REMÉDIOS CONSTITUCIONAIS REMÉDIOS CONSTITUCIONAIS JUDICIAIS

REMÉDIOS CONSTITUCIONAIS REMÉDIOS CONSTITUCIONAIS JUDICIAIS REMÉDIOS CONSTITUCIONAIS ADMINISTRATIVOS E JUDICIAIS Remédios constitucionais administrativos São a todos assegurados, independentemente do pagamento de taxas: Direito de petição: o direito de petição

Leia mais

Atualizações Jurisprudenciais 2012 Professoras Ana Paula Alvares e Simone Belfort

Atualizações Jurisprudenciais 2012 Professoras Ana Paula Alvares e Simone Belfort Na 2ª Semana do TST realizada no início do mês de setembro de 2012, algumas súmulas e orientações jurisprudências sofreram alterações e cancelamentos. Abaixo as alterações separadas por assunto em direito

Leia mais

Desde 2013, nove direitos já estavam valendo, como hora extra e jornada de trabalho de 8 horas diárias (veja mais detalhes abaixo).

Desde 2013, nove direitos já estavam valendo, como hora extra e jornada de trabalho de 8 horas diárias (veja mais detalhes abaixo). 02/06/2015 07h40 - Atualizado em 02/06/2015 13h01 Regulamentação dos direitos das domésticas é publicada Trabalhadoras terão adicional noturno, seguro-desemprego e mais 5 direitos. Emenda constitucional

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DE DIREITO CONSTITUCIONAL EMENDA CONSTITUCIONAL N. 72/2013 DOS DIREITOS SOCIAIS 1. INTRODUÇÃO 2. ENUMERAÇÃO DOS DIREITOS SOCIAIS

ATUALIZAÇÃO DE DIREITO CONSTITUCIONAL EMENDA CONSTITUCIONAL N. 72/2013 DOS DIREITOS SOCIAIS 1. INTRODUÇÃO 2. ENUMERAÇÃO DOS DIREITOS SOCIAIS Atualização - 1 ATUALIZAÇÃO DE DIREITO CONSTITUCIONAL EMENDA CONSTITUCIONAL N. 72/2013 DOS DIREITOS SOCIAIS 1. INTRODUÇÃO Os direitos sociais são direitos coletivos, passíveis de supressão ou alteração

Leia mais

CARTILHA TRABALHADOR DOMÉSTICO. Perguntas e Respostas TRABALHADOR DOMÉSTICO. 1 - Quem pode ser considerado trabalhador doméstico?

CARTILHA TRABALHADOR DOMÉSTICO. Perguntas e Respostas TRABALHADOR DOMÉSTICO. 1 - Quem pode ser considerado trabalhador doméstico? FICHA CATALOGRÁFICA CARTILHA TRABALHADOR DOMÉSTICO - Considera-se trabalhador doméstico aquele maior de 18 anos que presta serviços de natureza contínua (frequente, constante) e de finalidade não-lucrativa

Leia mais

CAPÍTULO I DO ÂMBITO DE APLICAÇÃO

CAPÍTULO I DO ÂMBITO DE APLICAÇÃO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que celebram Sindicato dos Auxiliares de Administração Escolar do Estado de Minas Gerais SAAE/MG, entidade sindical de primeiro grau, representativa da categoria profissional

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO Taciana Gimenes NOGUEIRA 1 Fabiana Souza PINHEIRO 2

EMPREGADO DOMÉSTICO Taciana Gimenes NOGUEIRA 1 Fabiana Souza PINHEIRO 2 EMPREGADO DOMÉSTICO Taciana Gimenes NOGUEIRA 1 Fabiana Souza PINHEIRO 2 RESUMO: O presente estudo vem a demonstrar a evolução do trabalhador doméstico no tempo e espaço, desde o inicio de seu reconhecimento

Leia mais

SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE ANÁPOLIS C/ EXTENSÃO DE BASE

SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE ANÁPOLIS C/ EXTENSÃO DE BASE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 CAPÍTULO I DAS PARTES CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO QUE ENTRE SI CELEBRAM, DE UM LADO O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE ANÁPOLIS

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO. O Art. 8º da CLT autoriza expressamente a aplicação dos princípios: 1.3. Presentação da condição mais benéfica: Súmula 51 TST

DIREITO DO TRABALHO. O Art. 8º da CLT autoriza expressamente a aplicação dos princípios: 1.3. Presentação da condição mais benéfica: Súmula 51 TST 1 DIREITO DO TRABALHO PONTO 1: Princípios de Direito do Trabalho PONTO 2: Relação de Emprego e Relação de Trabalho PONTO 3: Litisconsórcio passivo facultativo 1. PRINCÍPIOS DE 1. Proteção: Esse princípio

Leia mais

Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013

Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013 Departamento pessoal do Empregador doméstico PEC 66/2012 EC 72 /2013 A PEC n 66 de 2012 Veio com O OBJETIVO de alterar a redação do parágrafo único do art. 7º da Constituição Federal para estabelecer a

Leia mais

Empregados Domésticos

Empregados Domésticos Empregados Domésticos O que está valendo hoje? Dos direitos em vigor, destacamos: Salário mínimo: O salário mínimo nacional atual é de R$ 678,00. Há Estados em que existem leis estaduais garantindo um

Leia mais

A NOVA LEI DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS: Mudanças e Impactos na Sociedade brasileira

A NOVA LEI DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS: Mudanças e Impactos na Sociedade brasileira 0 SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO CIÊNCIAS CONTÁBEIS RAFAEL SANTANA MIRANDA A NOVA LEI DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS: Mudanças e Impactos na Sociedade brasileira Manhuaçu 2013 1 RAFAEL SANTANA MIRANDA

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL CRISTINA LUNA. Direitos e Garantias Fundamentais Sociais (Arts. 6º ao 11)

DIREITO CONSTITUCIONAL CRISTINA LUNA. Direitos e Garantias Fundamentais Sociais (Arts. 6º ao 11) Direitos e Garantias Fundamentais Sociais (Arts. 6º ao 11) (1) Art. 6º - São direitos sociais a educação a saúde a alimentação EC 64/2010 o trabalho a moradia EC 26/2000 o lazer a segurança a previdência

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2016/2017. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2016/2017. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2016/2017 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP004119/2016 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/04/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR016929/2016 NÚMERO DO PROCESSO: 46261.001272/2016-22 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 10 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001105/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 11/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029606/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46232.002321/2013-49

Leia mais

Questões fundamentadas Art. 6º ao 11 da CF

Questões fundamentadas Art. 6º ao 11 da CF 1 Para adquirir a apostila de 200 Questões Fundamentadas Dos Direitos Sociais Art. 6º a 11 da CF acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ESSA APOSTILA SERÁ ATUALIZADA ATÉ A DATA DO ENVIO. S U M

Leia mais

Contratos de trabalho por tempo determinado, previstos na CLT

Contratos de trabalho por tempo determinado, previstos na CLT Contratos de trabalho por tempo determinado, previstos na CLT O contrato de trabalho por prazo determinado é aquele cuja duração dependa de termo prefixado ou da execução de serviços específicos ou ainda

Leia mais

DURAÇÃO DO TRABALHO DURAÇÃO DO TRABALHO ART. 58, CLT. (Art. 7º, XIII, da CRFB/88 e ART. 58, CLT)

DURAÇÃO DO TRABALHO DURAÇÃO DO TRABALHO ART. 58, CLT. (Art. 7º, XIII, da CRFB/88 e ART. 58, CLT) Aula 4 Direito do Trabalho Duração do Trabalho. Férias. Repouso Semanal Remunerado. Maria Inês Gerardo DURAÇÃO DO TRABALHO (Art. 7º, XIII, da CRFB/88 e ART. 58, CLT) DURAÇÃO DO TRABALHO ART. 58, CLT Jornada

Leia mais

Regras de Aposentadorias e Pensões

Regras de Aposentadorias e Pensões Seguridade Social: A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e

Leia mais

CONVENÇAO COLETIVA DE TRABALHO 2006/2008

CONVENÇAO COLETIVA DE TRABALHO 2006/2008 CONVENÇAO COLETIVA DE TRABALHO 2006/2008 ABRANGENCIA EMPRESAS E EMPREGADOS NO COMERCIO EM GERAL DOS MUNICIPIOS DE BRASNORTE, JUINA, CASTANHEIRA, JURUENA, COTRIGUAÇU E ARIPUANÃ. Por este instrumento, de

Leia mais

Empregado Doméstico Normatização da Profissão

Empregado Doméstico Normatização da Profissão Empregado Doméstico Normatização da Profissão 3 DE JUNHO DE 2015 CONTSUL A Lei complementar nº150, publicada no DOU de 02.06.2015, dispôs sobre o trabalho doméstico no que tange ao contrato de trabalho,

Leia mais

3. Da relação de trabalho e da relação de emprego: requisitos e distinção.

3. Da relação de trabalho e da relação de emprego: requisitos e distinção. NOÇÕES DE DIREITO DO TRABALHO: 1. Dos princípios e fontes do Direito do Trabalho. 2. Dos direitos constitucionais dos trabalhadores (art. 7.º da CF/88). 3. Da relação de trabalho e da relação de emprego:

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 12 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001220/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR026338/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.004014/2013-31 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO Pelo presente instrumento, de um lado o Sindicato dos Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Estado de Alagoas, estabelecido na Rua Prof. José da Silveira Camerino, 930,

Leia mais

2 - Quais são os direitos que entraram em vigor imediatamente após a publicação da Emenda Constitucional n.º 72, de 2013?

2 - Quais são os direitos que entraram em vigor imediatamente após a publicação da Emenda Constitucional n.º 72, de 2013? TRABALHADOR DOMÉSTICO 1 - Quem pode ser considerado trabalhador doméstico? Resposta: É considerado trabalhador doméstico aquele que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não lucrativa à

Leia mais

(Concessionários e Distribuidores de Veículos de São José, Biguaçú, Palhoça e Santo Amaro da Imperatriz)

(Concessionários e Distribuidores de Veículos de São José, Biguaçú, Palhoça e Santo Amaro da Imperatriz) CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2008/2009 (Concessionários e Distribuidores de Veículos de São José, Biguaçú, Palhoça e Santo Amaro da Imperatriz) Termo de Convenção Coletiva de Trabalho que entre si

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001498/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 02/08/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR039452/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.012508/2013-39 DATA DO PROTOCOLO: 01/08/2013 ACORDO COLETIVO

Leia mais

Curso Resultado Um novo conceito em preparação para concursos! CRFB/88. Atualizada em 02 de dezembro de 2015.

Curso Resultado Um novo conceito em preparação para concursos! CRFB/88. Atualizada em 02 de dezembro de 2015. Um novo conceito em preparação para concursos! CRFB/88 Atualizada em 02 de dezembro de 2015. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia

Leia mais

TRT Tribunal Regional do Trabalho RONDÔNIA e ACRE Concurso Público- 2015 Técnico Judiciário/Administrativa. Conteúdo

TRT Tribunal Regional do Trabalho RONDÔNIA e ACRE Concurso Público- 2015 Técnico Judiciário/Administrativa. Conteúdo Conteúdo Dos Princípios e Fontes do Direito do Trabalho. Dos Direitos Constitucionais dos Trabalhadores (art. 7º da CF/88). Da Relação de Trabalho e da Relação de Emprego: requisitos e distinção. Dos Sujeitos

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2012/2013

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2012/2013 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2012/2013 Que entre si celebram, de um lado, E de outro lado, SIMARJ SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS EMPRESAS DE TRANSPORTE AÉREO DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO, com sede

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. Convenção Coletiva De Trabalho 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000317/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 28/02/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR010344/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.000931/2014-28 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR002867/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/07/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR042429/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46319.000707/2015-28 DATA

Leia mais

Projeto de Lei (Do Senhor Roberto Alves) Dispõe sobre a Regulamentação da. Profissão de Modelo de Passarela.

Projeto de Lei (Do Senhor Roberto Alves) Dispõe sobre a Regulamentação da. Profissão de Modelo de Passarela. Projeto de Lei (Do Senhor Roberto Alves) Dispõe sobre a Regulamentação da Profissão de Modelo de Passarela. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta lei estabelece requisitos para o exercício da profissão

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Fetquim) CLÁUSULAS PARA DISCUSSÃO CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º

Leia mais

Aula 2 - Princípios de Direito do Trabalho: da proteção, da

Aula 2 - Princípios de Direito do Trabalho: da proteção, da Aula 2 - Princípios de Direito do Trabalho: da proteção, da irrenunciabilidade dos direitos trabalhistas, da primazia da realidade, da continuidade da relação empregatícia e outros A História do Direito

Leia mais

ORIGEM: Consultoria Legislativa TIPO DE TRABALHO: INFORMAÇÃO FIQUE POR DENTRO ASSUNTO: Trabalho Doméstico

ORIGEM: Consultoria Legislativa TIPO DE TRABALHO: INFORMAÇÃO FIQUE POR DENTRO ASSUNTO: Trabalho Doméstico DIRETORIA LEGISLATIVA CONSULTORIA LEGISLATIVA ORIGEM: Consultoria Legislativa TIPO DE TRABALHO: INFORMAÇÃO FIQUE POR DENTRO ASSUNTO: Trabalho Doméstico CONSULTORA: Beatriz Rezende Marques Costa DATA: abril

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008 CODESC Companhia de Desenvolvimento do Estado de Santa Catarina ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2007/2008 Pelo presente instrumento, de um lado a COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DO ESTADO DE SANTA CATARINA CODESC,

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS Estado do Paraná

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS Estado do Paraná SECRETARIA EXECUTIVA LEI Nº 3.336, DE 30 DE AGOSTO DE 2006 Dispõe sobre a criação de empregos públicos para a execução dos Programas de Saúde da Família e Agentes Comunitários de Saúde. A CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DA VIVO PARA ACORDO COLETIVO 2008/2009. CAPíTULO I DAS CONDIÇÕES ECONÔMICAS

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DA VIVO PARA ACORDO COLETIVO 2008/2009. CAPíTULO I DAS CONDIÇÕES ECONÔMICAS PAUTA DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DA VIVO PARA ACORDO COLETIVO 2008/2009 CAPíTULO I DAS CONDIÇÕES ECONÔMICAS Cláusula Primeira - Reajuste Salarial A Empresa reajustará em 1º de outubro/2008, os

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2009/2011

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2009/2011 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO - 2009/2011 Que entre si celebram, de um lado, E de outro lado, SINDICATO DOS AEROVIÁRIOS DE PORTO ALEGRE, com sede na Rua Augusto Severo, 82 - Porto Alegre RS, CEP 90.240-480,

Leia mais

1. Conceito. Jornada de trabalho é o tempo em que o empregado permanece à disposição do empregador, trabalhando ou aguardando ordens.

1. Conceito. Jornada de trabalho é o tempo em que o empregado permanece à disposição do empregador, trabalhando ou aguardando ordens. 1. Conceito. Jornada de trabalho é o tempo em que o empregado permanece à disposição do empregador, trabalhando ou aguardando ordens. Art. 4º. Considera-se como de serviço efetivo o período em que o empregado

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA 2009/2010 Convenção Coletiva de Trabalho que firmam entre si, de um lado, o SINDICATO DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO DO ESTADO DA BAHIA - SINEPE-BA, com sede a Av. Antônio Carlos Magalhães,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029594/2015 DATA E HORÁRIO DA TRANSMISSÃO: 21/05/2015 ÀS 15:50 SINDICATO DOS EMP NO COM DE CONSELHEIRO LAFAIETE, CNPJ n. 19.721.463/0001-70,

Leia mais

Produção: Fundação Republicana Brasileira Diagramação: Joshua Fillip

Produção: Fundação Republicana Brasileira Diagramação: Joshua Fillip Produção: Fundação Republicana Brasileira Diagramação: Joshua Fillip Uma produção da Fundação Republicana Brasileira 2013 O Congresso Nacional promulgou, no dia 2 de abril, a Proposta de Emenda à Constituição

Leia mais

(Empregados no Comércio Varejista de São José, Biguaçú e Palhoça - 2008/2009)

(Empregados no Comércio Varejista de São José, Biguaçú e Palhoça - 2008/2009) CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO (Empregados no Comércio Varejista de São José, Biguaçú e Palhoça - 2008/2009) Termo de CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que entre si fazem, o SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO PESSOAL DA CS BRASIL DATA-BASE 01.07.2011 VIGÊNCIA 01.07.2011 A 30.06.2012

PAUTA DE REIVINDICAÇÃO PESSOAL DA CS BRASIL DATA-BASE 01.07.2011 VIGÊNCIA 01.07.2011 A 30.06.2012 PAUTA DE REIVINDICAÇÃO PESSOAL DA CS BRASIL DATA-BASE 01.07.2011 VIGÊNCIA 01.07.2011 A 30.06.2012 CLÁUSULA 1ª - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente Acordo Coletivo de Trabalho no

Leia mais

TRABALHADOR DOMÉSTICO

TRABALHADOR DOMÉSTICO TRABALHADOR DOMÉSTICO Guia SESI-FIEMG dos Direitos e Deveres do Trabalhador Doméstico Edição 1.0 Outubro de 2015 1 SUMÁRIO O EMPREGADO DOMÉSTICO... 3 DIREITOS DO EMPREGADO DOMÉSTICO... 3 PRINCIPAIS PONTOS

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PEC DAS DOMÉSTICAS. Emenda Constitucional nº 72, de 2 de abril de 2013.

GUIA INFORMATIVO PEC DAS DOMÉSTICAS. Emenda Constitucional nº 72, de 2 de abril de 2013. 1 GUIA INFORMATIVO PEC DAS DOMÉSTICAS Emenda Constitucional nº 72, de 2 de abril de 2013. Altera a redação do parágrafo único do art. 7º da Constituição Federal para estabelecer a igualdade de direitos

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação)

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação) PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PATRONAL 2015 (Federação) CLÁUSULAS PARA DISCUSSÃO CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência da presente Convenção Coletiva de Trabalho no período de 1º

Leia mais

TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO

TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2010 Salário-de-contribuição (R$) INSS até 1.040,22 8,00% de 1.040,23 até 1.733,70 9,00% de 1.733,71 até 3.467,40

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2007 / 2008 2008 / 2009. Enfermeiros

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2007 / 2008 2008 / 2009. Enfermeiros CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2007 / 2008 2008 / 2009 Enfermeiros O SINDICATO DOS ENFERMEIROS DO ESTADO DE MINAS GERAIS, CNPJ nº 21.854.005/0001-51, portador de Carta Sindical expedida pelo MTb (cópia

Leia mais

Empregados domésticos. Mudanças decorrentes da Emenda Constitucional nº 72.

Empregados domésticos. Mudanças decorrentes da Emenda Constitucional nº 72. Empregados domésticos. Mudanças decorrentes da Emenda Constitucional nº 72. Empregado doméstico, como bem conceitua Volia Bomfim Cassar, 1 é toda pessoa física que trabalha de forma pessoal, subordinada,

Leia mais

GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral

GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral Emprego Doméstico: Evolução ou Precarização? (2004-2014) Resumo: O presente

Leia mais

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 PARTE A Módulo I Acordos/Convenções Internacionais 1. Declaração Universal dos Direitos Humanos Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de

Leia mais

Mesa da Câmara dos Deputados

Mesa da Câmara dos Deputados Mesa da Câmara dos Deputados 55ª Legislatura 2015-2019 Presidente Eduardo Cunha 1º Vice-Presidente Waldir Maranhão 2º Vice-Presidente Giacobo 1º Secretário Beto Mansur 2º Secretário Felipe Bornier 3º Secretário

Leia mais

Supermercados e Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios de São José, Biguaçu e Palhoça.

Supermercados e Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios de São José, Biguaçu e Palhoça. SINDICATO DOS EMPREGADOS NO COMÉRCIO DE SÃO JOSÉ E REGIÃO Fundado em 09/08/1999 CNPJ: 03.392.229/0001-07 Base Territorial: São José, Biguaçu, Antonio Carlos, Governador Celso Ramos e São Pedro de Alcântara.

Leia mais

De (Regulamento Original) Para (Regulamento Proposto) Justificativa

De (Regulamento Original) Para (Regulamento Proposto) Justificativa CAPÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETO DO OBJETO Art. 1º Este Regulamento estabelece os direitos e as obrigações dos Instituidores, dos Participantes, dos Beneficiários e do Fundo de Pensão Multipatrocinado da

Leia mais

A seguir, na íntegra, o teor das cláusulas que foram mantidas pelo acórdão:

A seguir, na íntegra, o teor das cláusulas que foram mantidas pelo acórdão: CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 01.07.2007 A 30.06.2009 (conforme decisão judicial em dissídio coletivo acórdão TRT 24ª Região no processo nº. 179/2007-000-24-00-9-DC.0 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO entre

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO - Principais tipos de relação de trabalho

DIREITO DO TRABALHO - Principais tipos de relação de trabalho ROTEIRO DE AULAS - PARTE 4 DIREITO DO TRABALHO - Principais tipos de relação de trabalho Relação de Trabalho Autônomo: - Trabalhador autônomo é pessoa física que exerce por conta própria uma atividade

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SRT00355/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/11/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR056083/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46000.007397/2014-75 DATA

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal FÉRIAS Cód.: FER Nº: 55 Versão: 10 Data: 01/02/2016 DEFINIÇÃO Período de descanso remunerado com duração prevista em lei. REQUISITOS BÁSICOS 1. Servidor efetivo: - Possuir 12 (doze) meses de efetivo exercício

Leia mais

CAPÍTULO I - VIGÊNCIA E ABRANGÊNCIA CAPÍTULO II - REMUNERAÇÃO E PAGAMENTO

CAPÍTULO I - VIGÊNCIA E ABRANGÊNCIA CAPÍTULO II - REMUNERAÇÃO E PAGAMENTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, QUE ENTRE SI FAZEM, DE UM LADO O SINDICATO DOS CONDUTORES DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS E TRABALHADORES EM TRANSPORTES DE CARGAS EM GERAL E PASSAGEIROS NO MUNICÍPIO DO RIO DE

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2.002/2.003 (Empregados em Empresas de Conservação de Elevadores)

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2.002/2.003 (Empregados em Empresas de Conservação de Elevadores) CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2.002/2.003 (Empregados em Empresas de Conservação de Elevadores) O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM TURISMO, HOSPITALIDADE E DE HOTÉIS, RESTAURANTES, BARES E SIMILARES DA

Leia mais

PARÁGRAFO ÚNICO: Os empregados admitidos após setembro de 2004 terão reajustes proporcionais ao número de meses trabalhados.

PARÁGRAFO ÚNICO: Os empregados admitidos após setembro de 2004 terão reajustes proporcionais ao número de meses trabalhados. , SINDICATO DOS EMPREGADOS EM EMPRESAS DE COMPRA, VENDA, LOCAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE IMÓVEIS RESIDENCIAIS E COMERCIAIS NO ESTADO DE GOIÁS. Fundada em 21/07/1983 - Reconhecido em: 03/01/1988 - (D.O.U.) 14/10/1988

Leia mais

Parágrafo Único: A presente condição não se aplica aos menores aprendizes.

Parágrafo Único: A presente condição não se aplica aos menores aprendizes. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR043980/2013 JOHN DEERE BRASIL LTDA, CNPJ n. 89.674.782/0010-49, neste ato representado(a) por seu Gerente, Sr(a). EDISON LUIS HAUSER e por

Leia mais

Direito da Seguridade Social Dr. João Soares da Costa Neto, Procurador da Fazenda Nacional e Professor

Direito da Seguridade Social Dr. João Soares da Costa Neto, Procurador da Fazenda Nacional e Professor Direito da Seguridade Social Dr. João Soares da Costa Neto, Procurador da Fazenda Nacional e Professor 1 DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL REGIMES DE PREVIDÊNCIA SOCIAL 2 Regime Geral de Previdência Social

Leia mais

Convenção Coletiva de Trabalho 2016/2016

Convenção Coletiva de Trabalho 2016/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000921/2016 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/05/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023133/2016 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.002652/2016-61 DATA DO PROTOCOLO: 24/05/2016 Convenção Coletiva

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL 1 de 7 28/12/2015 17:24 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2016/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC003175/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/12/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR081080/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 47620.002006/2015-72

Leia mais

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB

Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB AULA 10: Seguro Desemprego : art. 7º, II da CRFB Amparo legal: art. 7º, II da CRFB. * urbanos e rurais: Lei nº 7.998/90, Lei nº 8.900/94 e Resolução do CODEFAT 467/05. * domésticos: artigo 6º-A da Lei

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR051914/2014 DATA E HORÁRIO DA TRANSMISSÃO: 09/10/2014 ÀS 10:57 SANTA CASA DE MISERICORDIA DE RESENDE, CNPJ n. 31.460.017/0001-55, neste ato

Leia mais

Noções de Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos

Noções de Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Noções de Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Direitos Humanos Criada durante o pós Guerra ( 2ª Guerra Mundial), em 1946 e aprovada em 1948 pela Assembléia Geral das Nações Unidas;

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001991/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/09/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR031479/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.011147/2014-94 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002589/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 13/11/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR059137/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.024961/2014-07 DATA DO

Leia mais

CARTILHA DO SUBSÍDIO

CARTILHA DO SUBSÍDIO CARTILHA DO SUBSÍDIO Cléa da Rosa Pinheiro Vera Mirna Schmorantz A Direção do SINAL atenta às questões que dizem com a possibilidade de alteração da estrutura remuneratória das carreiras de Especialista

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 Page 1 of 6 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RN000247/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR026524/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46217.003899/2011-49 DATA

Leia mais

Conceito: Jornada de trabalho é a quantidade de labor (trabalho) diário do empregado.

Conceito: Jornada de trabalho é a quantidade de labor (trabalho) diário do empregado. 1 JORNADA DE TRABALHO Conceito: Jornada de trabalho é a quantidade de labor (trabalho) diário do empregado. Art. 58 - A duração normal do trabalho, para os empregados em qualquer atividade privada, não

Leia mais

ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA. Alexandre Corrêa

ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA. Alexandre Corrêa ATUALIZAÇÃ ÇÃO TRABALHISTA Alexandre Corrêa ATUALIZAÇÃ ÇÃO O TRABALHISTA PROGRAMA EMPREGADO DOMÉSTICO (Aspectos Legais) EMPREGADO DOMÉSTICO A Lei 5859/72 regulamentada pelo Decreto 71885/73 tornou reconhecida

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO. Fundamentação Legal e Normativa INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL RESOLUÇÃO Nº 637, DE 26 DE OUTUBRO 1998

CONTRIBUIÇÃO. Fundamentação Legal e Normativa INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL RESOLUÇÃO Nº 637, DE 26 DE OUTUBRO 1998 Página 1 de 18 CONTRIBUIÇÃO Fundamentação Legal e Normativa INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL RESOLUÇÃO Nº 637, DE 26 DE OUTUBRO 1998 O Presidente do Instituto Nacional do Seguro Social -INSS, no uso

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO que fazem, na forma abaixo, de um lado, o SINDICATO DOS HOSPITAIS E ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA - SINDHOSBA e,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR061795/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46219.010162/2010-81 DATA DO PROTOCOLO: 27/10/2010 SINDICATO DOS EMPREGADOS EM CASAS DE DIVERSOES DE SAO

Leia mais

Pessoa ou família que admite a seu serviço empregado doméstico (Decreto nº 71.885/1973, art. 3º, II).

Pessoa ou família que admite a seu serviço empregado doméstico (Decreto nº 71.885/1973, art. 3º, II). FONTE: www.iobonlineregulatorio.com.br EMPREGADO DOMÉSTICO: Considera-se doméstico o empregado que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não lucrativa a pessoa ou família, no âmbito residencial

Leia mais