Planejando a migração para Software Livre

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Planejando a migração para Software Livre"

Transcrição

1 Planejando a migração para Software Livre

2 Definição: Migração (subs): Movimento de determinado ambiente ou plataforma operacional para outro. Para muitos esta palavra é sinônimo de dores de cabeça... :)

3 Existe uma receita prática para migração?

4 Não, porém existem procedimentos e metodologias que permitem que o processo de migração se dê de forma segura causando o mínimo de trauma possível.

5 Mas se está tudo funcionando, por que migrar?

6 Afinal, que podemos chamar de "migração de sucesso"? Podemos dizer que um caso de migração foi bem sucedido quando não apenas é feita a substituição de uma plataforma por outra, mas sim quando esta traz consigo melhorias no ambiente, tais como novas funcionalidades, mais segurança, estabilidade, aumento de produtividade, redução de paradas para manutenção, redução de custos e o principal: tornar a vida do usuário mais simples. :)

7 Antes de começar... "Se conheces o inimigo e conheces a ti mesmo, não precisas de temer o resultado de cem batalhas. Se conheces a ti mesmo, mas não conheces o inimigo, por cada vitória sofrerás também uma derrota. Se não conheces a ti mesmo nem conheces o inimigo, perderás todas as batalhas" Sun Tzu, A Arte da Guerra

8 Alguns aspectos importantes... - É realmente possível migrar? - Existe documentação da infra-estrutura atual? - Existe o domínio da tecnologia a ser utilizada? - Dispomos de recursos humanos necessários?

9 Usuário, o centro de tudo: O usuário não deve ser visto como um problema, mas sim como a parte mais importante de todo o processo de migração. Seu sucesso dependerá única e exclusivamente dele e por isso este deve ser visto como o ponto central deste processo.

10 Tipos possíveis de migração: Podemos classificar o processo de migração basicamente em dois tipos: aquele em que existe um impacto direto nas nas atividades e tarefas quotidianas dos usuários - o qual se dá muitas vezes pela falta de planejamento - e aquele que não causa impacto. Não existe mágica, nem receita. A palavra chave para isso se chama "Organização". :)

11 Situações possíveis de migração: - Serviços de rede - Aplicações legadas - Bancos de dados - Servidores de aplicação - Ambiente Desktop e aplicações - Suíte de Aplicativos Office

12 É possível também que durante o processo de migração sejam necessárias mudanças estruturais na arquitetura física da rede. Muitas vezes se faz necessária a implementação de serviços (e consequentemente servidores...) com a finalidade de trazer melhorias ao ambiente (aumento de performance, maior escalabilidade, segurança, entre outros). Estes tipo de mudança geralmente traz consigo a necessidade da implementação de serviços em alta-disponibilidade para garantir o funcionamento de sistemas críticos.

13 Estágios do processo migratório: - Definição de objetivos - Levantamento de ambiente - Estudo de viabilidade - Busca e escolha de soluções adequadas - Homologação das soluções escolhidas - Implementação de um projeto piloto - Redação do projeto de migração - Implementação do projeto - Realização de testes e correção de erros - Treinamento de usuários - Documentação de procedimentos e ambiente - Organização de estrutura de suporte

14 Definição de objetivos: Existe um ditado que diz que "Antes de partir é preciso saber onde se quer chegar". O ponto de partida em um processo de migração é definir o que deverá ser migrado, e como se dará este processo. Vários fatores devem ser levados em conta neste ponto, tais como se a migração é realmente viável - e não uma utopia - e se realmente vale a pena migrar, tendo em vista os possíveis problemas que poderão ocorrer e os custos do processo.

15 Levantamento de ambiente: O levantamento detalhado do ambiente deve ser feito para que exista um melhor entendimento sobre a situação. É importante analisar o ambiente e entendê-lo em suas partes assim como um todo. Podemos considerar este passo como um dos mais importantes de todo o processo, visto que um pequeno detalhe que seja esquecido ou deixado de lado pode tornar o projeto completamente inviável.

16 Deve ser feito um levantamento detalhado de: - Hardware utilizado em servidores e estações de trabalho - Impressoras e outros dispositivos utilizados - Topologia das redes envolvidas no processo - Equipamentos de conectividade utilizados - Política de segurança atual - Sistemas operacionais utilizados - Serviços de rede utilizados - Aplicações de uso geral utilizadas - Aplicações legadas ou sistemas de uso específico - Tipos de documentos utilizados e mantidos por usuários - Base de usuários e outras informações importantes - Rotinas diárias dos usuários do ambiente - Rotinas diárias dos administradores

17 O levantamento das rotinas diária dos usuários e de administradores de rede é de vital importância, visto que com base nestas informações serão modelados o futuro ambiente de trabalho e também treinamentos. É importante salientar que um bom entendimento da rotina de usuários e administradores ajudará na hora da definição de quais soluções a serem adotadas, e que quando menor forem as mudanças no ambiente, menor será o impacto causado por este na rotina diária dos usuários. Lembre-se sempre que o usuário é o ponto central de todo o processo, e que o seu sucesso depende dele! :)

18 Estudo de viabilidade: Antes de continuar, deve ser feita uma análise minunciosa dos dados levantados, com a finalidade de descobrir se realmente é possível migrar. Deve-se levar em conta todos os possíveis riscos e problemas que poderão ocorrer em decorrência da migração, e qual será o impacto causado por esta na rotina diária dos usuários, fator que pode reduzir a produtividade do ambiente. Um processo de migração pode trazer consigo diversos riscos que devem ser avaliados pois em grande parte dos casos poderão ocorrer problemas diversos* e possíveis paradas deverão ser levadas em conta. O planejamento deverá prever estas situações para que estas não tragam danos ao ambiente. * Popularmente conhecido como Lei de Murphy

19 Busca e escolha de soluções adequadas: - Pesquisa por soluções livres - Pesquisa por soluções proprietárias - Escolha de soluções (preferencialmente mais de uma) - Verificar questões de licenças de software

20 Homologação das soluções escolhidas: - Análise de soluções encontradas - Testes de homologação para verificar a mais adequada

21 Implementação de um projeto piloto: Deve ser feita em um ambiente menor do que o real. Tem como finalidade servir para a detecção de possíveis erros que possam vir à acontecer e para corrigí-los antes da implementação do projeto propriamente dito. Neste ponto deve ser feito um acompanhamento das tarefas e rotinas do ambiente de testes para verificar se os objetivos iniciais podem ser cumpridos, e se vale a pena prosseguir.

22 Redação do projeto de migração: Tendo como base a experiência adquirida no projeto piloto, deve-se redigir um projeto detalhado especificando fases e definindo metas. O projeto deverá estipular também o cronograma de implantação, checkpoints e testes, que deverão ser seguidos durante a implementação. Um projeto dividido em fases torna a implementação mais simples e segura. É necessário especificar um checklist para o final de cada fase do projeto assim como um para sua conclusão.

23 Implementação do projeto: Após a elaboração do projeto de migração é hora de colocá-lo em prática. É importante que a implementação obedeça todos os detalhes especificados no projeto pois todos os passos definidos por este serão decisivos para o sucesso da migração.

24 Realização de testes e correção de erros: Durante a implementação do projeto são previstos checkpoints e testes de funcionamento para que possíveis erros sejam verificados e corrigidos. Ao término de cada fase deve ser realizado o checklist, com a finalidade de verificar se todos os passos especificados foram cumpridos corretamente e se o objetivo inicial foi alcançado.

25 Treinamento de usuários e administradores: Após a implementação é chegada a hora de começar a trabalhar no novo ambiente. Por mais que se queira, é praticamente impossível que um ambiente seja reproduzido em todos os detalhes. Sempre algo irá mudar e por isso se faz necessário que os usuários e administradores sejam devidamente treinados e instruídos sobre o funcionamento do novo ambiente. Dependendo da infra-estrutura disponível (local para treinamento, material didático, instrutores, disponibilidade de horários, etc) esta fase do projeto pode ser executada em paralelo com outras. Neste caso, a maior vantagem é que não se faz necessário que o usuário pare suas atividades para ser treinado e consequentemente que não ocorra uma redução na produção.

26 Documentação de procedimentos e ambiente: É muito importante que durante a implementação cada fase seja detalhadamente documentada, assim como ao término do projeto sejam escritos documentos com referência explicando como o ambiente funciona. Essa documentação será utizada por aqueles que irão manter o novo ambiente e deve sempre ser mantida e atualizada sempre que uma nova mudança seja feita no futuro.

27 Organização de estrutura de suporte: A mudança de ambiente necessitará de uma reestruturação no sistema de suporte. Dependendo o tamanho do ambiente se faz necessária a organização de uma equipe para tratar de problemas específicos do processo de transição entre os ambientes antigo e o novo. Um recurso interessante que pode ser facilmente implementado é a uma Intranet e a elaboração de uma documentação online para usuários e administradores.

28 O que pode causar problemas? - Erros durante o levantamento de ambiente. - Utilização de softwares sem prévia homologação - Falhas durante a análise e elaboração do projeto - Falhas de dimensionamento de recursos de hardware - Problemas de aceitação por parte de usuários - Problemas com o software legado - Problemas com terceiros durante a implantação

29 Um processo de migração sem planejamento pode causar: - Gastos desnecessários - Paradas desnecessárias - Diminuição de produtividade - Falhas de segurança - Perda de tempo - Demissões dos responsáveis* * Neste caso pode ser você...

30 Algumas dicas úteis: - Ser o mais detalhista possível durante o levantamento de informações - Tomar muito cuidado com dimensionamentos de hardware e serviços - Utilizar apenas soluções homologadas durante a migração - Acompanhar o trabalho dos usuários para entender sua realidade - Elaborar um projeto e tentar segui-lo sempre que possível - Obedecer metodologia na implementação de projetos - Consultar a opinião de outras pessoas em caso de decisões difíceis

31 Qual sequência de migração poderia ser sugerida? - Aplicações - Servidores e serviços de rede - Suite de Aplicativos Office - Sistema Operacional para estações Desktop

32 Considerações finais... Lembre-se que nada serve para tudo. Esta apresentação foi foi desenvolvida com a finalidade de servir como referência para a explanação de procedimentos necessários para a elaboração de um plano de migração para um ambiente genérico. É provável que esta apresentação possa servir para diversos ambientes, porém haverão casos em que isso não seja possível, sendo necessário que algumas alterações sejam feitas nos passos e procedimentos descritos ao longo desta.

33 Perguntas?

34 Agradecimentos: Empresas/Órgãos Públicos: - Conectiva S/A - INMETRO RJ - Netcom Soluções em Informática - Prefeitura Municipal de Caxias do Sul Aos amigos: - Fábio Olivé Leite - Rodrigo Missiagia - Vagner Farias - Marcos Polidoro - Luis Claudio Gonçalves - Marcelo Martins - Rodrigo Stulzer - Marcelo Gondin - Nielsen de Moraes

35 Leonardo Menezes Vaz

36 Muito obrigado por sua atenção!

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4. Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5 Por: Fabio Pozzebon Soares Página 1 de 11 Sistema ProJuris é um conjunto de componentes 100% Web, nativamente integrados, e que possuem interface com vários idiomas,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARÁ MPCM CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2015

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARÁ MPCM CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2015 DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO 1 / 5 ANEXO 03 INFORMAÇÕES DOS CARGOS 1. CARGOS DE NÍVEL MÉDIO Cargo 01 Técnico em Administração Realizar atividades que envolvam a aplicação das

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário

Ministério do Desenvolvimento Agrário Capítulo 1 Ministério do Desenvolvimento Agrário Instituição: Sítio: Caso: Responsável: Palavras- Chave: Ministério do Desenvolvimento Agrário www.mda.gov.br Plano de Migração para Software Livre Paulo

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS

CATÁLOGO DE SERVIÇOS Partner MASTER RESELLER CATÁLOGO DE SERVIÇOS SUPORTE TÉCNICO in1.com.br Explore Mundo! seu Conteúdo 1 - Objetivo 2 - Serviços prestados por meio do contrato de manutenção e suporte anual 2.1 - Primeira

Leia mais

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Tema: Apresentador: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Objetivo desta palestra será resolver as seguintes questões: Porque fazer um PDTI? Quais os benefícios

Leia mais

2. O que informatizar?

2. O que informatizar? A INFORMÁTICA NO CONSULTÓRIO MÉDICO No fascículo anterior, comentamos como a gestão de custos, mesmo sendo feita de maneira simplista, auxilia o consultório a controlar e avaliar seus resultados, permitindo

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração. Aula 07 - ACI Prof. Arlindo Neto

FTAD Formação Técnica em Administração. Aula 07 - ACI Prof. Arlindo Neto FTAD Formação Técnica em Administração Aula 07 - ACI Prof. Arlindo Neto COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Conhecer os passos para implantação de um sistema de gestão empresarial ERP e SIG SIG

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Migração para Software Livre

Migração para Software Livre Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES Migração para Software Livre Sistemas de Software

Leia mais

Como preparar minha empresa para o esocial?

Como preparar minha empresa para o esocial? 1 Como preparar minha empresa para o esocial? SUMÁRIO Introdução Você sabe o que é o esocial? Como está sua empresa? Os pontos mais importantes para se adequar 3.1 - Criar um comitê 3.2 - Mapear os processos

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PGFN Departamento de Gestão Corporativa - DGC Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação - CTI CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA Infraestrutura

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação REGIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE TI MAPEAMENTO DE PROVIDÊNCIAS INICIAIS Março/2014 V 1.1 REGIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE TI MAPEAMENTO

Leia mais

CURSO: Superior de Tecnologia em Gestão Comercial Disciplina: Sistemas de Informação no Varejo Período Letivo: 3º Semestre Professora: Mariana Alves

CURSO: Superior de Tecnologia em Gestão Comercial Disciplina: Sistemas de Informação no Varejo Período Letivo: 3º Semestre Professora: Mariana Alves TI CURSO: Superior de Tecnologia em Gestão Comercial Disciplina: Sistemas de Informação no Varejo Período Letivo: 3º Semestre Professora: Mariana Alves Fuini Pergunta 3: o que a TI abrange e como ela é

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS

IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS CICLO DE VIDA DE PROJETOS (viabilidade até a entrega / iniciação ao encerramento) RELEVÂNCIA SOBRE AS AREAS DE CONHECIMENTO FATORES IMPACTANTES EM PROJETOS

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo da Unidade Documentação. Suporte e Treinamento Melhoria Continua. Suporte e Manutenção do Software O desenvolvimento de um sistema termina

Leia mais

Migrar Sem Medo, Casos de Sucesso em Belém - Pa

Migrar Sem Medo, Casos de Sucesso em Belém - Pa Palestra: Palestrante: Migrar Sem Medo, Casos de Sucesso em Belém - Pa Walter Alves - Colaborador do Projeto kernel_ptbr / Firefox; - Mestrando em Sistemas Distribuídos - UFPA/PPGEE; - Consultor e Instrutor

Leia mais

O custo da infra-estrutura no

O custo da infra-estrutura no O custo da infra-estrutura no projeto de redes de computadores José Maurício dos Santos Pinheiro Professor do Centro Universitário de Volta Redonda UniFOA Professor da Escola Técnica Pandiá Calógeras ETPC

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Nº 002/2015. Objeto: TI SECURE WEB GATEWAY, SERVIÇO DE INSTALAÇÃO E TREINAMENTO

CONSULTA PÚBLICA Nº 002/2015. Objeto: TI SECURE WEB GATEWAY, SERVIÇO DE INSTALAÇÃO E TREINAMENTO CONSULTA PÚBLICA Nº 002/2015 TI SECURE WEB GATEWAY, SERVIÇO DE INSTALAÇÃO E TREINAMENTO ESCLARECIMENTOS AOS QUESTIONAMENTOS APRESENTADOS PELAS EMPRESAS INTERESSADAS País: BRASIL Nome do Projeto: PLANO

Leia mais

Câmara Livre. Câmara M. Timóteo. Cristiano L. Campos clcampos@gmail.com

Câmara Livre. Câmara M. Timóteo. Cristiano L. Campos clcampos@gmail.com Câmara Livre Câmara M. Timóteo Cristiano L. Campos clcampos@gmail.com Agradecimento Ao mano Ishida e Carneirinho; Aos colegas de trabalho: Haroldo; Luciano Taveira; Maiza; Marco Aurélio. Aos colegas do

Leia mais

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil.

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil. Virtualização Meu nome: Nome de guerra: Meu e-mail: Marcos Vinicios Bueno Marques Professor Cidão marcos@cidao.com.br Quem sou? Professor e coordenador de cursos de TI do Senac Informática em Porto Alegre,

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Líder em Soluções Samba 4 no Brasil

Líder em Soluções Samba 4 no Brasil Apresentação Líder em Soluções Samba 4 no Brasil A Vantage TI conta uma estrutura completa para atender empresas de todos os segmentos e portes, nacionais e internacionais. Nossos profissionais dedicam-se

Leia mais

PORTARIA N Nº 189 Rio de Janeiro, 17 de Abril de 2013.

PORTARIA N Nº 189 Rio de Janeiro, 17 de Abril de 2013. PORTARIA N Nº 189 Rio de Janeiro, 17 de Abril de 2013. ACRESCENTA À ARQUITETURA DE PADRÕES TECNOLÓGICOS DE INTEROPERABILIDADE -, NO SEGMENTO DISPOSITIVOS DE ACESSO, O PADRÃO TECNOLÓGICO CONFIGURAÇÃO MÍNIMA

Leia mais

1. Introdução. Saiba mais

1. Introdução. Saiba mais 1. Introdução Gestão de Sistemas de Informação Aula 3 -Planejamento e desenvolvimento de sistemas de informação Prof: Cleber A. de Oliveira Para a adequada compreensão deste conteúdo, é preciso que estejam

Leia mais

Planejar, administrar, desenvolver e implementar banco de dados e sistemas integrados de informacao.

Planejar, administrar, desenvolver e implementar banco de dados e sistemas integrados de informacao. PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000053 - ENGENHARIA DA COMPUTACAO Nivel: Superior Area Profissional: INFORMATICA Area de Atuacao: BANCO DE DADOS/INFORMATICA Planejar, administrar,

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Capítulo 10: Desenvolvendo Soluções para as Empresas com a Tecnologia da Informação 10-1 Sistemas de Informação e as decisões gerenciais na era da Internet James A. O'Brien Saraiva S/A Livreiros Editores,

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Versão 2.0 Escritório de Gerenciamento de Projetos - EGP Superintendência da Gestão Técnica da Informação SGI Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Ciência da Computação Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Taciana Lima Lourenço Silva Schuenemann Estudo de Viabilidade Clínica médica

Leia mais

Especificações da oferta Remote Infrastructure Monitoring

Especificações da oferta Remote Infrastructure Monitoring Visão geral do Serviço Especificações da oferta Remote Infrastructure Monitoring Este serviço oferece o Dell Remote Infrastructure Monitoring ("Serviço" ou "Serviços" RIM), como apresentado mais especificamente

Leia mais

FRIMESA REDUZ CUSTO E COMPLEXIDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE AMBIENTE COM SOLUÇÕES BASEADAS EM TECNOLOGIAS OPEN SOURCE. Case de Sucesso.

FRIMESA REDUZ CUSTO E COMPLEXIDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE AMBIENTE COM SOLUÇÕES BASEADAS EM TECNOLOGIAS OPEN SOURCE. Case de Sucesso. junho/2012 Case de Sucesso FRIMESA REDUZ CUSTO E COMPLEXIDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE AMBIENTE COM SOLUÇÕES BASEADAS EM TECNOLOGIAS OPEN SOURCE PERFIL Fundada em 1977, a Frimesa é resultado da união de cinco

Leia mais

Soluções em Documentação

Soluções em Documentação Desafios das empresas no que se refere à documentação de infraestrutura de TI Realizar e manter atualizado o inventário de recursos de Hardware e software da empresa, bem como a topologia de rede Possuir

Leia mais

Capítulo 1. Exército Brasileiro. Exército Brasileiro. 1.1 Plano de Migração para Software Livre no Exército. www.exercito.gov.br. 1.1.

Capítulo 1. Exército Brasileiro. Exército Brasileiro. 1.1 Plano de Migração para Software Livre no Exército. www.exercito.gov.br. 1.1. Capítulo 1 Exército Brasileiro Instituição: Sítio: Caso: Responsável: Palavras- Chave: Exército Brasileiro www.exercito.gov.br Plano de Migração para Software Livre no Exército Brasileiro Coronel Carlos

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Conceito de Computador Um computador digital é

Leia mais

Desenvolvimento de Soluções de e-business. Objetivos do Capítulo

Desenvolvimento de Soluções de e-business. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Utilizar o processo de desenvolvimento de sistemas delineado neste capítulo e o modelo de componentes de SI, do Capítulo 1, como estrutura de solução de problemas de sistemas de informação.

Leia mais

IMPLANTAÇÃO GARANTIDA. Mais retorno com menos investimento

IMPLANTAÇÃO GARANTIDA. Mais retorno com menos investimento 1 IMPLANTAÇÃO GARANTIDA Mais retorno com menos investimento ANTES DE IRMOS PARA A PAUTA 4LINUX NÃO É SÓ: OS PROFISSIONAIS DA 4LINUX SÃO CONHECIDOS COMO: CONSultor + InsTRUTOR = CONSTRUTOR É PARA TODO O

Leia mais

Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade

Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade Nove erros comuns que devem ser evitados ao selecionar e implementar uma solução de mobilidade Introdução Introdução A empresa de pesquisa IDC prevê que mais da metade dos trabalhadores usarão ferramentas

Leia mais

Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração

Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração WHITE PAPER Liderança e tecnologia: uma comparação do custo total de propriedade de Comunicações unificadas e Colaboração Patrocinado pela Cisco Systems, Inc setembro de 2013 Resumo executivo As empresas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec: Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Projeto: Implantação de Sistema Objetivo

Projeto: Implantação de Sistema Objetivo Projeto: Implantação de Sistema Objetivo Permitir ao aluno o contato com sistemas de informação gerenciais e com algumas fases de implantação de sistemas, como, análise do sistema, definição da matriz

Leia mais

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1, Tiago Piperno Bonetti 1, Ricardo Germano 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

Soluções em Mobilidade

Soluções em Mobilidade Soluções em Mobilidade Soluções em Mobilidade Desafios das empresas no que se refere a mobilidade em TI Acesso aos dados e recursos de TI da empresa estando fora do escritório, em qualquer lugar conectado

Leia mais

Tiago Eugenio de Melo

Tiago Eugenio de Melo "TCO: Reduzindo custos com Software Livre*" Tiago Eugenio de Melo *original elaborado por Marcelo de Jesus Ferreira1 Por que usar Software (Livre )? 2 Software livre x Software gratuito 3 4 Medidas quantitativas

Leia mais

Nova plataforma de colaboração proporciona ROI e outros ganhos significativos à Chesf

Nova plataforma de colaboração proporciona ROI e outros ganhos significativos à Chesf Nova plataforma de colaboração proporciona ROI e outros ganhos significativos à Chesf Perfil A Companhia Hidro Elétrica do São Francisco Chesf tem a missão de produzir, transmitir e comercializar energia

Leia mais

RESULTADO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO COM OS SISTEMAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Período de realização: 18 de novembro a 10 de dezembro de 2010

RESULTADO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO COM OS SISTEMAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Período de realização: 18 de novembro a 10 de dezembro de 2010 RESULTADO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO COM OS SISTEMAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Período de realização: 18 de novembro a 10 de dezembro de 2010 RELEMBRANDO O PERFIL DOS RESPONDENTES DISPONIBILIDADE

Leia mais

PORTARIA Nº 178 DE 25 DE OUTUBRO DE 2012.

PORTARIA Nº 178 DE 25 DE OUTUBRO DE 2012. PORTARIA Nº 178 DE 25 DE OUTUBRO DE 2012. Acrescenta a arquitetura de padrões tecnológicos de Interoperabilidade - e- PINGRIO, no segmento recursos tecnológicos o padrão tecnológico sistemas operacionais

Leia mais

II Semana de Informática - CEUNSP. Segurança da Informação Novembro/2005

II Semana de Informática - CEUNSP. Segurança da Informação Novembro/2005 II Semana de Informática - CEUNSP Segurança da Informação Novembro/2005 1 Objetivo Apresentar os principais conceitos sobre Segurança da Informação Foco não é técnico Indicar onde conseguir informações

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP

Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP Uma nova visão no Gerenciamento da Aplicação INDICE 1. A Union IT... 3 2. A importância de gerenciar dinamicamente infra-estrutura,

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1

Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos- Versão 1.1 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.1 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011 1.0 Versão

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS. Walter André de Almeida Pires. Silveira

PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS. Walter André de Almeida Pires. Silveira PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS 1. Identificação Curso Técnico em Informática Unidade São José Coordenador da S.A Walter André de Almeida Pires Unidade(s) Curricular(es) Envolvida(s)

Leia mais

Módulo Imobiliária. Proposta comercial

Módulo Imobiliária. Proposta comercial Módulo Imobiliária Proposta comercial Data: 24/10/2012 Página 1/6 Índice 1 Apresentação... 3 2 O Projeto... 3 3 Desenvolvimento do projeto... 4 4 Âmbito de intervenção do cliente... 4 5 Compromissos da

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO Nº XXXXXXX

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO Nº XXXXXXX < Nome do órgão/entidade> TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO Nº XXXXXXX Página 1 de 6 1. DO OBJETO (Informar o que essencialmente você pretende adquirir. Ainda não é o detalhamento da configuração). Ex.: Aquisição

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS PROFESSOR: Itair Pereira da Silva DISCENTES: Maria das Graças João Vieira Rafael Vitor ORGANOGRAMA PRESIDENTE GERENTE

Leia mais

1. P03 Dispositivos de Acesso. Configuração Mínima de Softwares para Estações de Trabalho P03.001

1. P03 Dispositivos de Acesso. Configuração Mínima de Softwares para Estações de Trabalho P03.001 1. IDENTIFICAÇÃO Padrão Segmento Código P03.001 Revisão v. 2014 2. PUBLICAÇÃO Órgão IplanRio Diretoria DOP Diretoria de Operações Setor GSA - Gerência de Suporte e Atendimento 1 de 6 epingrio@iplanrio.rio.rj.gov.br

Leia mais

Gerência e Administração de Redes

Gerência e Administração de Redes Gerência e Administração de Redes IFSC UNIDADE DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE DE TELECOMUNICAÇÕES! Prof. Tomás Grimm Agenda! Apresentação da disciplina! Introdução! Tipos de Gerência! Ferramentas

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

Assuntos relacionados ao departamento de TI que requer suporte para encontrar uma solução

Assuntos relacionados ao departamento de TI que requer suporte para encontrar uma solução Assuntos relacionados ao departamento de TI que requer suporte para encontrar uma solução Procedimentos a serem seguidos pela diretoria, gerentes e funcionários. As informações serão passadas para os gerentes

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital

Gustavo Noronha Silva. Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital Gustavo Noronha Silva Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES junho / 2003 Gustavo Noronha Silva Projeto de Pesquisa: Impactos

Leia mais

SERVIÇOS COMPLETOS DE SUPORTE PARA O ORACLE EXALOGIC ELASTIC CLOUD

SERVIÇOS COMPLETOS DE SUPORTE PARA O ORACLE EXALOGIC ELASTIC CLOUD SERVIÇOS COMPLETOS DE SUPORTE PARA O ORACLE EXALOGIC ELASTIC CLOUD PRINCIPAIS RECURSOS E BENEFÍCIOS SUPORTE COMPLETO PARA OS SISTEMAS EXALOGIC DA ORACLE. RECURSOS Acesso ilimitado e ininterrupto (24x7)

Leia mais

Implantação das Políticas de Segurança da Informação na Unimed Barbacena

Implantação das Políticas de Segurança da Informação na Unimed Barbacena Implantação das Políticas de Segurança da Informação na Unimed Barbacena Motivações 42% das organizações afirmam que a segurança está entre seus principais problemas. Isso não é uma surpresa se considerarmos

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

O último suporte para o Windows Server 2003 é este folheto.

O último suporte para o Windows Server 2003 é este folheto. O último suporte para o Windows Server 2003 é este folheto. 14 de julho de 2015: um dia de mudança para a sua empresa. Na data referida, a Microsoft termina o suporte para os seus servidores Windows 2003/R2.

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE

CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE CARACTERIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE NOS PROJETOS DE INCLUSÃO DIGITAL E AS AVALIAÇÕES DE USABILIDADE Luciara Wanglon Afonso 1 Daniele Pinto Andres 2 RESUMO Este artigo tem por objetivo apresentar algumas questões

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

Principais inovações baseadas em nuvem Relatório de início rápido do SAP HANA Enterprise Cloud para [Nome do cliente]

Principais inovações baseadas em nuvem Relatório de início rápido do SAP HANA Enterprise Cloud para [Nome do cliente] Principais inovações baseadas em nuvem Relatório de início rápido do SAP HANA Enterprise Cloud para [Nome do cliente] [Data] Página 1 de 10 DECLARAÇÃO DE CONFIDENCIALIDADE E EXCEÇÕES DA SAP Este documento

Leia mais

ANEXO II PERFIL DOS TÉCNICOS E ANALISTAS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER

ANEXO II PERFIL DOS TÉCNICOS E ANALISTAS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER PERFIL DOS TÉCNICOS E ANALISTAS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER 1. FORMAÇÃO, CONHECIMENTO E HABILIDADES EXIGIDAS 1.1. PERFIL DE TÉCNICO EM INFORMÁTICA: 1.1.1.DESCRIÇÃO DO PERFIL: O profissional desempenhará

Leia mais

Grupo de Estudos ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI - ITSM. Gerenciamento de Release

Grupo de Estudos ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI - ITSM. Gerenciamento de Release Grupo de Estudos ITIL Gerenciamento de Serviços de TI - ITSM Gerenciamento de Release Agenda Missão Descrição Conceitos básicos Principais Atividades Entradas / Saídas Diagrama do Processo Principais Benefícios

Leia mais

Requisitos do Sistema

Requisitos do Sistema PJ8D - 017 ProJuris 8 Desktop Requisitos do Sistema PJ8D - 017 P á g i n a 1 Sumario Sumario... 1 Capítulo I - Introdução... 2 1.1 - Objetivo... 2 1.2 - Quem deve ler esse documento... 2 Capítulo II -

Leia mais

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para:

Curso de Educação Profissional Técnica de Nível Médio Subseqüente ao Ensino Médio, na modalidade a distância, para: INSTITUIÇÃO: IFRS CAMPUS BENTO GONÇALVES CNPJ: 94728821000192 ENDEREÇO: Avenida Osvaldo Aranha, 540. Bairro Juventude. CEP: 95700-000 TELEFONE: (0xx54) 34553200 FAX: (0xx54) 34553246 Curso de Educação

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

ANEXO III DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA

ANEXO III DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC 001/2007 1 ANEXO III DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA ESTABELECE, RESPONSABILIDADES DIVERSAS, TIPOS E HORÁRIO DE COBERTURA DE SUPORTE, E DEMAIS RESPONSABILIDADES DA CONTRATADA RELATIVAS

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

Qual servidor é o mais adequado para você?

Qual servidor é o mais adequado para você? Qual servidor é o mais adequado para você? Proteção de dados Tenho medo de perder dados se e o meu computador travar Preciso proteger dados confidenciais Preciso de acesso restrito a dados Acesso a dados

Leia mais

Departamento de Tecnologia da Informação

Departamento de Tecnologia da Informação Departamento de Tecnologia da Informação Objetivos O DTI é o departamento responsável por toda a arquitetura tecnológica do CRF- SP, ou seja, compreende todo o conjunto de hardware/software necessário

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 2 Arquitetura de Data Center Ambientes Colaborativos A história dos sistemas

Leia mais

Padrões de Atendimento de Serviços da empresa

Padrões de Atendimento de Serviços da empresa Padrões de Atendimento de Serviços da empresa Softland Sistemas seguinte documento (abreviado para PAS) apresenta os padrões de serviços prestados pela Softland Sistemas Versão 1.0 06 de janeiro de 2010

Leia mais

fornecendo valor com inovações de serviços de negócios

fornecendo valor com inovações de serviços de negócios fornecendo valor com inovações de serviços de negócios A TI é grande. Tantos bits no universo digital quanto estrelas em nosso universo físico. é arriscada. Dois terços dos projetos de TI estão em risco,

Leia mais

Projeto Final de Engenharia de Computação

Projeto Final de Engenharia de Computação Orientações para Desenvolvimento do Projeto Final de Engenharia de Computação compilado por: Noemi Rodriguez texto baseado em: Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final, de Simone Barbosa

Leia mais

Plano de Gerência de Configuração

Plano de Gerência de Configuração Plano de Gerência de Configuração Objetivo do Documento Introdução A aplicação deste plano garante a integridade de códigos-fonte e demais produtos dos sistemas do, permitindo o acompanhamento destes itens

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETE Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área Profissional: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnico em Informática Qualificação:

Leia mais

ARQUITETURA TRADICIONAL

ARQUITETURA TRADICIONAL INTRODUÇÃO Atualmente no universo corporativo, a necessidade constante de gestores de tomar decisões cruciais para os bons negócios das empresas, faz da informação seu bem mais precioso. Nos dias de hoje,

Leia mais

Seção I: Desenvolvimento de Soluções de e-business

Seção I: Desenvolvimento de Soluções de e-business CAPÍTULO 10.I Desenvolvimento de Soluções de e-business VISÃO GERAL DO CAPÍTULO A finalidade deste capítulo é apresentar as abordagens tradicionais a de prototipagem e a do usuário final para o desenvolvimento

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Redes de Computadores 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Redes de Computadores 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Redes de Computadores 2011-1 RESTRUTURAÇÃO DE REDE DE UMA USINA ELEVATÓRIA DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2013-IPPLAN ANEXO 2 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2013-IPPLAN ANEXO 2 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS PREFEITURA MUNICIPAL CONCURSO PÚBLICO - EDITAL 001/2013-IPPLAN ANEXO 2 ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS Cargo de Nível Médio Agente Administrativo Contribuir com o correto fluxo de atividades, informações e materiais

Leia mais

ANEXO II PERFIL DOS ANALISTAS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER 1. FORMAÇÃO, CONHECIMENTO E HABILIDADES EXIGIDAS:

ANEXO II PERFIL DOS ANALISTAS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER 1. FORMAÇÃO, CONHECIMENTO E HABILIDADES EXIGIDAS: PREGÃO PRESENCIAL Nº 001/2009 1 ANEXO II PERFIL DOS ANALISTAS, FORMAÇÃO E ATIVIDADES A DESENVOLVER 1. FORMAÇÃO, CONHECIMENTO E HABILIDADES EXIGIDAS: 1.1. FORMAÇÃO ACADÊMICA EXIGIDA PARA TODOS OS PERFIS

Leia mais

QUESTIONAMENTO(S) ACERCA DO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 22/2015 - BNDES. Em resposta aos questionamentos formulados, o BNDES esclarece:

QUESTIONAMENTO(S) ACERCA DO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 22/2015 - BNDES. Em resposta aos questionamentos formulados, o BNDES esclarece: QUESTIONAMENTO(S) ACERCA DO EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO AA Nº 22/2015 - BNDES Prezado(a) Senhor(a), Em resposta aos questionamentos formulados, o BNDES esclarece: 1. Sobre o item 18.1. A prestação do serviço

Leia mais

Análise de Risco em Ambientes Corporativos na Área de Tecnologia da Informação

Análise de Risco em Ambientes Corporativos na Área de Tecnologia da Informação Análise de Risco em Ambientes Corporativos na Área de Tecnologia da Informação RESUMO Um tema que vem sendo muito discutido é a governança em TI (Tecnologia da informação), no entanto existem muitos métodos

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais