16º ENCONTRO TÉCNICO DO DEPARTAMENTO DE ESTRADA E RODAGEM DO PARANÁ 26 DE JULHO CURITIBA - PR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "16º ENCONTRO TÉCNICO DO DEPARTAMENTO DE ESTRADA E RODAGEM DO PARANÁ 26 DE JULHO CURITIBA - PR"

Transcrição

1

2 16º ENCONTRO TÉCNICO DO DEPARTAMENTO DE ESTRADA E RODAGEM DO PARANÁ 26 DE JULHO CURITIBA - PR 1 - AVALIAÇÃO DE PAVIMENTOS 2 - PROCEDIMENTOS 3 - EQUIPAMENTO 4 - VANTAGENS 5 - VÍDEO Palestrantes: Eng. Joel Silveira, M.Sc. Prof. Kelvin C.P. Wang., PhD International Consulting

3 AVALIAÇÃO DE PAVIMENTOS Avaliação funcional: está relacionada com a determinação das condições da superfície e como essa condição influencia no conforto ao rolamento. Para essa avaliação são determinados alguns índices referentes à superfície: Perfil Longitudinal do Pavimento International Roughness Index (IRI)

4 AVALIAÇÃO DE PAVIMENTOS Avaliação funcional: está relacionada com a determinação das condições da superfície e como essa condição influencia no conforto ao rolamento. Para essa avaliação são determinados alguns índices referentes à superfície: Perfil Transversal do Pavimento - Trilhas de roda

5 AVALIAÇÃO DE PAVIMENTOS Avaliação funcional: está relacionada com a determinação das condições da superfície e como essa condição influencia no conforto ao rolamento. Para essa avaliação são determinados alguns índices referentes à superfície: Defeitos da superfície

6 AVALIAÇÃO DE PAVIMENTOS Avaliação estrutural: tem como objetivo avaliar a capacidade de resposta das camadas estruturais frente às solicitações impostas pelas cargas provenientes do tráfego.

7 AVALIAÇÃO DE PAVIMENTOS Métodos destrutivos Extração de corpo de prova Poço de sondagem Abertura de trincheiras

8 AVALIAÇÃO DE PAVIMENTOS Métodos não destrutivos FWD Viga Benkelman GPR

9 PROCEDIMENTOS ATUAIS NO BRASIL No Brasil, 60% das cargas e 96% da população se deslocam por uma extensa malha rodoviária com cerca de km em que apenas Km são pavimentadas. (Fonte: Instituto Pavimentar e SENAI)

10 PROCEDIMENTOS ATUAIS NO BRASIL Os danos provocados pelas cargas e pelo meio ambiente são cumulativos e fazem com que a rodovia tenha uma queda continuada na sua serventia. A manutenção da rodovia passa a ser então a maior atividade de todos os departamentos de estrada, de vias urbanas e de aeroportos. (Fonte: Instituto Pavimentar e SENAI)

11 NORMAS DNIT DNIT 006/2003 PRO: Avaliação objetiva da superfície de pavimentos flexíveis e semirrígidos. DNIT 007/2003 PRO: Levantamento para avaliação da condição de superfície de subtrecho homogêneo de rodovias de pavimentos flexíveis e semi-rígidos para gerência de pavimento e estudo e projetos DNIT 008/2003 PRO : Levantamento visual contínuo para avaliação da superfície de pavimentos flexíveis e semi-rígido DNIT 060/2004 PRO: Pavimento rígido inspeção visual DNIT 062/2004 PRO: Pavimento rígido avaliação objetiva DNIT 062/2004 PRO: Pavimento rígido avaliação subjetiva

12 NORMAS DNIT

13 PROCEDIMENTOS INTERNACIONAIS Nos Estados Unidos e na Europa, por exemplo, os procedimentos de avaliação de pavimentos são na maioria automáticos ou semiautomáticos, auxiliados com sistemas de tecnologia da informação.

14 SCAN VIAS 3D

15 SCAN VIAS 3D Sistema de Visualização do Pavimento em 3D Sensores a laser de última geração integrados ao computador para coleta de imagens, sistema de armazenamento, sistema de deslocamento linear e softwares de controle. Imagens da superfície do pavimento em 3D Resolução de 1mm em qualquer direção.

16 SCAN VIAS 3D Sistema de Irregularidade Longitudinal Perfilômetro de alta velocidade Medida Internacional Roughnes Index (IRI) nas duas trilhas de roda. Envio de dados ao sistema Superfície do pavimento e veículo em movimento CT-Vias Centro Tecnológico de infraestrutura Viária

17 SCAN VIAS 3D

18 Sistema de posicionamento Linear (PSA) SCAN VIAS 3D Cabo de energia GPS Computador Painel de Controle Gabinete de energia O sistema de Posicionamento Linear é composto pelos seguintes equipamentos: Medidor de Distância (DMI) Sistema de Posicionamentos Globais (GPS) Georeferenciado e seus componentes

19 SCAN VIAS 3D Sistema de imagens panorâmicas O Scan Vias 3D está equipado com uma câmera de alta definição que registra imagens do percurso. Este recurso possibilita visualizar imagens da via de forma integrada ao software do Sistema de Visualização do Pavimento. Exemplo de imagens obtidas: Placas de sinalização Obras de arte Drenagem Construções próximas a via

20 SCAN VIAS 3D Sistema de imagens panorâmicas A foto a cima ilustra como o analista visualiza no sistema a imagem panorâmica que está integrada ao software do Sistema de Visualização do Pavimento

21 CT5 SISTEMA WEB - AMBIENTES AMBIENTE INTERNO CTVIAS AMBIENTE OPERAÇÕES CTVIAS AMBIENTE CLIENTES AMBIENTE SITE CTVIAS

22 Slide 21 CT5 CADA CAIXA É REPRESENTADA POR UMA COR, CADA COR REPRESENTA UM AMBIENTE QUE SERÁ DEMOSNTRADO NO SLIDE. O PUBLICO DEVERA SABER QUE: COR AMARELA: REPRESENTA O AMBINTE INTERNO DO CTVIAS. COR AZUL: AMBIENTE DE OPERAÇÕES DO CTVIAS (LABORATORISTAS, DIRETORES, OPERADORES, SUPERVISORES, OBRAS ETC...) A COR VERDE: REPRESENTA O AMBIENTE WEB DO CTVIAS, , SITE, SISTEMA WEB, ETC... A COR VERMELHA: REPRESENTA OS CLIENTES, INVESTIDORES, PARCEIROS DO CTVIAS). CT-VIAS; 27/06/2012

23 CT4 LOGISTICA DAS INFORMAÇÕES MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO Scan Vias 3D

24 Slide 22 CT4 ESTE SLIDE ILUSTRA A LOGISTICA DE DADOS DO CTVIAS CT-VIAS; 27/06/2012

25 INPUT / OUTPUT DADOS / RELATÓRIOS SISTEMA WEB CTVIAS CLIENTES / PARCEIROS Cliente 1 Cliente 2 Cliente 3 Cliente 4 OPERAÇÕES AVALIAÇÃO CONTROLE CO REDE INTERNA CTVIAS

26 Sistema Multimídia de Informações Viárias SCAN VIAS 3D Edição e validação dos defeitos do pavimento identificados automaticamente pelo Scan Vias 3D Mapas georreferenciados Sistema de banco de dados para armazenamento e gerenciamento das informações Visualização dos relatórios via web Personalização dos relatórios de acordo com as necessidades dos clientes

27 VANTAGENS DESTA TECNOLOGIA 100% do trecho avaliado Segurança dos operadores e também dos usuários da via Identificação, tipificação e localização de defeitos de forma automática e semiautomática Cobertura total da faixa de rolamento (4m) com precisão de 1 mm em qualquer direção Coleta de dados igual à velocidade regulamentar da via Alta produtividade Repetibilidade

28 VANTAGENS DESTA TECNOLOGIA Imagens nítidas, sem interferência de áreas com sombra (Coleta de imagens em 2D e 3D utilizando lasers de última geração) Possibilidade de coleta de dados tanto durante o dia quanto a noite Uniformidade dos resultados Confiabilidade nos resultados obtidos Possibilidade de desenvolvimento de Sistema de Gerenciamento de Pavimentos Atende aos procedimentos nacionais: DNIT 006/2003 PRO e DNIT 008/2003 PRO Atende aos protocolos internacionais: Texas DOT s, World Bank s CI, UK SCANNER e MicroPaver

29 SISTEMA DE ACESSO A RELATÓRIOS Acesso on-line aos relatórios do projeto através de um sistema web.

30 SCAN VIAS 3D

31 SCAN VIAS 3D

32 SCAN VIAS 3D

33 RELATÓRIO DNIT 006/2003 PRO

34 Prof. Kelvin C.P. Wang, PhD International Consulting

35 AUTOMATED CRACKING RESULT

36 COMPARISION: MANUAL & AUTO RESULTS

37 US EXPERIENCES INITIAL RESEARCH IN THE US: 1995 FIRST DIGITAL HIGHWAY DATA SYSTEM: D AREA DIGITAL IMAGES -> 2D LINESCAN DIGITAL IMAGES -> 3D 1MM VIRTUAL PAVEMENT SURFACE US USERS US FEDERAL AVIATION ADMINISTRATION (FAA); US FEDERAL HIGHWAY ADMINISTRATION (FHWA); CITY OF LOS ANGELES; LOUISIANA DOT; ARKANSAS DOT; CHINA; SOUTH AFRICA; DENMARK; MANY CITIES & MUNICIPALITIES CTVias: SOUTH AMERICA

38 VIDEOS

39 OBRIGADO!

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E PESQUISA COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE INVESTIMENTOS. DNIT www.dnit.gov.br

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E PESQUISA COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE INVESTIMENTOS. DNIT www.dnit.gov.br DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E PESQUISA COORDENAÇÃO GERAL DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE INVESTIMENTOS BREVE HISTÓRICO SISTEMA DE GERÊNCIA DE PAVIMENTOS O SISTEMA DE GERÊNCIA DE PAVIMENTOS (SGP) É UM CONJUNTO

Leia mais

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR)

Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Veículo de Diagnóstico de Rodovias (VDR) Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) Ministério dos Transportes (MT) Para cobrir os 55 mil km de rodovias federais eram precisos 18 meses

Leia mais

Quem utiliza nossas tecnologias

Quem utiliza nossas tecnologias Empresa A VELSIS foi criada com o objetivo de oferecer soluções de alta tecnologia para a área de ITS (Intelligent Transportation System), fornecendo uma completa linha de produtos para soluções de mobilidade.

Leia mais

Amberg Rail Mais Eficiente. Mais Flexível. Mais Abrangente.

Amberg Rail Mais Eficiente. Mais Flexível. Mais Abrangente. Amberg Rail Mais Eficiente. Mais Flexível. Mais Abrangente. Parceiro: Amberg Rail Por mais de 25 anos, a empresa suíça Amberg Technologies, com atuação mundial, tem sido uma das principais fornecedoras

Leia mais

33 a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO FLORIANÓPOLIS/SC

33 a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO FLORIANÓPOLIS/SC 33 a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO FLORIANÓPOLIS/SC APLICAÇÃO DE RECICLAGEM A FRIO COM ESPUMA DE ASFALTO NA RESTAURAÇÃO DA BR-29 NO TRECHO ENTRE ELDORADO DO SUL E PORTO ALEGRE Marcelo Archanjo Dama 1 Fernando

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG

AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG - SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS PROJETO EXECUTIVO DE RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS NA RODOVIA

Leia mais

Diretoria de Planejamento e Pesquisa

Diretoria de Planejamento e Pesquisa Veículo de Diagnóstico de Rodovias Maior eficiência e economia para o Sistema de Gerenciamento de Pavimento da malha rodoviária federal Coordenação Geral de Planejamento e Programação de Investimentos

Leia mais

Geotecnologias no planejamento ambiental de trilhas em unidades de conservação

Geotecnologias no planejamento ambiental de trilhas em unidades de conservação Geotecnologias no planejamento ambiental de trilhas em unidades de conservação Msc. Hélio Beiroz Sistema LABGIS hbeiroz@labgis.uerj.br www.labgis.uerj.br Definições Geotecnologias Conjunto de tecnologias

Leia mais

Palestra sobre os softwares: AFSoft, GeoFieldere Sacam Desenvolvimento e aplicação de tecnologias.

Palestra sobre os softwares: AFSoft, GeoFieldere Sacam Desenvolvimento e aplicação de tecnologias. Palestra sobre os softwares: AFSoft, GeoFieldere Sacam Desenvolvimento e aplicação de tecnologias. Orientador: Lúcio A. C. Jorge Palestrante: Agostinho B. R. da Silva Introdução Embrapa Instrumentação

Leia mais

Reabilitação e Reforço de Estruturas

Reabilitação e Reforço de Estruturas Mestrado em Engenharia Civil 2011 / 2012 Reabilitação e Reforço de Estruturas Aula 06: Métodos de inspecção e diagnóstico. 6.2. Aplicação da tecnologia laser scanning à reabilitação do espaço construído.

Leia mais

XXX Congreso Internacional ITS ARGENTINA. Eng. Civil Chequer Jabour Chequer, M.Sc Presidente do ITS Brasil

XXX Congreso Internacional ITS ARGENTINA. Eng. Civil Chequer Jabour Chequer, M.Sc Presidente do ITS Brasil XXX Congreso Internacional ITS ARGENTINA Eng. Civil Chequer Jabour Chequer, M.Sc Presidente do ITS Brasil 3 al 6 Noviembre Buenos Aires Argentina 2014 ATIVIDADES PLANEJADAS E EXECUTADAS PELO BRASIL 1.0

Leia mais

GT LOCATION RASTREAMENTO VIA CÉLULA

GT LOCATION RASTREAMENTO VIA CÉLULA GT LOCATION RASTREAMENTO VIA CÉLULA Esta tecnologia torna possível o rastreamento de veículos como, autos, motos, caminhões, tratores, pick ups, embarcações, conforme a área de cobertura, que ao ser acionado

Leia mais

CBCR 2005 BRASVIAS EXPO

CBCR 2005 BRASVIAS EXPO RECICLAGEM DE PAVIMENTOS ASFÁLTICOS A FRIO IN SITU RIO DE JANEIRO RJ SETEMBRO DE 2005 Reciclagem a Frio in situ do Revestimento Asfáltico RIO DE JANEIRO RJ SETEMBRO DE 2005 Concessionária INTERVIAS Poder

Leia mais

Avaliação de um Modelo de Desempenho de Pavimentos em Rodovia da Região Oeste do Paraná

Avaliação de um Modelo de Desempenho de Pavimentos em Rodovia da Região Oeste do Paraná Avaliação de um Modelo de Desempenho de Pavimentos em Rodovia da Região Oeste do Paraná Heliana Barbosa Fontenele (FAG Faculdade Assis Gurgacz) E-mail: heliana@fag.edu.br Leandro Martins Kalinoski (CCL

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG

AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG - SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG - SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS PROJETO EXECUTIVO DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS

Leia mais

POTENCIALIDADES DO AEROLEVANTAMENTO NO MEIO URBANO

POTENCIALIDADES DO AEROLEVANTAMENTO NO MEIO URBANO POTENCIALIDADES DO AEROLEVANTAMENTO NO MEIO URBANO ANTONIO JORGEFURQUIM Eng. Cartógrafo http://fotosefotos.com AEROFOTOGRAMETRIA Voo Apoiado (GPS/IMU) AEROFOTOGRAMETRIA ADS 52 Câmera Digital Grande Formato

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM SISTEMA DE DRENAGEM PROFUNDA NA RODOVIA BR116 TRECHO ALÉM PARAÍBA-TERESÓPOLIS RJ

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM SISTEMA DE DRENAGEM PROFUNDA NA RODOVIA BR116 TRECHO ALÉM PARAÍBA-TERESÓPOLIS RJ UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM SISTEMA DE DRENAGEM PROFUNDA NA RODOVIA BR116 TRECHO ALÉM PARAÍBA-TERESÓPOLIS RJ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Distribuidor: Geomaks Comércio de Geossintéticos

Leia mais

Infra-Estruturas Viárias:

Infra-Estruturas Viárias: Design e Inovação Infra-Estruturas Viárias: Um Sistema de Gestão Inovador AUTORES: Maria da Conceição M. Azevedo, Professora da FE da Universidade Católica Portuguesa, Directora da CAeMD Paulo Fonseca,

Leia mais

IMPORTÂNCIA DE DETALHAMENTO DE PROJETOS EM OBRAS QUE UTILIZAM MND. ESTEIO - Engenharia e Aerolevantamentos Eng. Marcos de Castro Leal

IMPORTÂNCIA DE DETALHAMENTO DE PROJETOS EM OBRAS QUE UTILIZAM MND. ESTEIO - Engenharia e Aerolevantamentos Eng. Marcos de Castro Leal IMPORTÂNCIA DE DETALHAMENTO DE PROJETOS EM OBRAS QUE UTILIZAM MND ESTEIO - Engenharia e Aerolevantamentos Eng. Marcos de Castro Leal Histórico APRESENTAÇÃO Fundada em 1969, a ESTEIO Engenharia e Aerolevantamentos

Leia mais

USO DO INFOAMBIENTE COMO FERRAMENTA PARA CARACTERIZAÇÃO DOS LOCAIS ONDE FORAM IDENTIFICADAS ADVERTÊNCIAS AMBIENTAIS

USO DO INFOAMBIENTE COMO FERRAMENTA PARA CARACTERIZAÇÃO DOS LOCAIS ONDE FORAM IDENTIFICADAS ADVERTÊNCIAS AMBIENTAIS Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 USO DO INFOAMBIENTE COMO FERRAMENTA PARA CARACTERIZAÇÃO DOS LOCAIS ONDE FORAM IDENTIFICADAS ADVERTÊNCIAS AMBIENTAIS Adriano Peixoto Panazzolo*, Chaiana Teixeira, Daniela

Leia mais

APLICAÇÃO DO SENSORIAMENTO REMOTO NA REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS NO RIO GRANDE DO SUL

APLICAÇÃO DO SENSORIAMENTO REMOTO NA REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS NO RIO GRANDE DO SUL APLICAÇÃO DO SENSORIAMENTO REMOTO NA REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS NO RIO GRANDE DO SUL Eng. Flavio José Piccinini piccinini@agergs.rs.gov.br Adm. Eduardo D Avila Leal leal@agergs.rs.gov.br

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA Anexo II.9 Especificações do Sistema de Monitoramento da Frota PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA ÍNDICE 1 OBJETIVOS... 2 2 ESPECIFICAÇÃO BÁSICA... 2 2.1 Aquisição de Dados Monitorados do Veículo...

Leia mais

Projeto DNIT PNCT. Panorama do projeto. (Modelo de trabalho, dificuldades e resultados) Velsis Sistemas e Tecnologia Viária

Projeto DNIT PNCT. Panorama do projeto. (Modelo de trabalho, dificuldades e resultados) Velsis Sistemas e Tecnologia Viária Projeto DNIT PNCT Panorama do projeto (Modelo de trabalho, dificuldades e resultados) Velsis Sistemas e Tecnologia Viária 1 Sediada em Curitiba PR, às margens da BR 277, a VELSIS atua no segmento de ITS

Leia mais

DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE POUSO E DECOLAGEM

DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE POUSO E DECOLAGEM DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE POUSO E DECOLAGEM OACI - SEMINÁRIO INTERNACIONAL Santa Cruz de La Sierra - Bolívia 22 à 27 JUL 2002 Julio E. Velasco Ardúz Engenheiro Civil AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO

Leia mais

Introdução. Aeroporto de São José dos Campos Professor Urbano Ernesto Stumpf

Introdução. Aeroporto de São José dos Campos Professor Urbano Ernesto Stumpf Aeroporto de São José dos Campos Professor Urbano Ernesto Stumpf Estudo de Caso Levantamentos de FWD e para Avaliação Estrutural dos Pavimentos Introdução Necessidade de conhecer a condição estrutural

Leia mais

Consultoria Acústica Industrial e Urbana

Consultoria Acústica Industrial e Urbana Consultoria Acústica Industrial e Urbana A LCS Consultoria Acústica foi criada com a finalidade específica de prestar um serviço especializado em assuntos relacionados com o ruído industrial e urbano.

Leia mais

Fiscalização da Qualidade dos Serviços Prestados pela Concessionária do Pólo de Vacaria (Contrato 18/2013- AGERGS Pavesys).

Fiscalização da Qualidade dos Serviços Prestados pela Concessionária do Pólo de Vacaria (Contrato 18/2013- AGERGS Pavesys). Fiscalização da Qualidade dos Serviços Prestados pela Concessionária do Pólo de Vacaria (Contrato 18/2013- AGERGS Pavesys). Relatório Mensal nº 01 Março 2014 PAVESYS ENGENHARIA 1 ÍNDICE 1. Introdução...

Leia mais

ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL

ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL Anexo VI -fls.1/7 ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL Serão apresentados a seguir os conceitos, requisitos e especificações básicas do Sistema de Monitoramento e Controle

Leia mais

PAINEL DIGITAL SUNDOW WEB - COMPLETO * SD40

PAINEL DIGITAL SUNDOW WEB - COMPLETO * SD40 RUA SIGFREDO DAY, 50 - SOBRELOJA CIC CEP 81.170-650 CURITIBA PR FONE / FAX: (41)3014-3536. E-MAIL: vendas@guster.com.br INSTRUMENTOS AUTOMOTIVOS MONITORAMENTO DE VEÍCULOS RASTREADORES GPS - TRAVAS PAINEL

Leia mais

Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma

Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma Sensores e Satélites Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma plataforma estável à distância do objeto

Leia mais

Gestão de riscos - Utilização de monitoramento preditivo online na gestão de riscos na frota de vagões da EFC

Gestão de riscos - Utilização de monitoramento preditivo online na gestão de riscos na frota de vagões da EFC Gestão de riscos - Utilização de monitoramento preditivo online na gestão de riscos na frota de vagões da EFC Paulo Sergio Costa 1 *, Giovanni Augusto Ferreira Dias 1, Diego Freitas 1, Fábio Assunção 1,

Leia mais

Contagem da População 2015

Contagem da População 2015 Contagem da População 2015 A nossa realidade Um país de dimensões continentais com 8.515.767 km 2, caracterizado por uma diversidade de paisagens ímpar, dos pampas gaúchos até a floresta Amazônica, com

Leia mais

Projetos de Captação, Coleta e Queima de Biogás em Aterros Sanitários. Maio/2014

Projetos de Captação, Coleta e Queima de Biogás em Aterros Sanitários. Maio/2014 Projetos de Captação, Coleta e Queima de Biogás em Aterros Sanitários Maio/2014 1 SUMÁRIO 1. Apresentação; 2. Fundação; 3. Áreas de atuação; 4. Práticas comuns para captação do biogás; 5. A experiência

Leia mais

V JORNADAS LUSO-BRASILEIRAS DE PAVIMENTOS: POLÍTICAS E TECNOLOGIAS

V JORNADAS LUSO-BRASILEIRAS DE PAVIMENTOS: POLÍTICAS E TECNOLOGIAS RELAÇÃO ENTRE DEFLEXÕES MEDIDAS COM VIGA BENKELMAN E FALLING WEIGHT DEFLECTOMETER: ESTUDO DE CASO DURANTE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GERÊNCIA DE PAVIMENTOS DO DER-SP Dario Ramos Coordenador de Projetos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS DA REDE FUNDAMENTAL DE ESTRADAS DE ANGOLA

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS DA REDE FUNDAMENTAL DE ESTRADAS DE ANGOLA REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CONSTRUÇÃO AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS DA REDE FUNDAMENTAL DE ESTRADAS DE ANGOLA AUTORIA: MANUEL J. C. MOLARES D ABRIL & TERESINHA BERNARDA GASPAR

Leia mais

Resumo. Palavras-chave. Corrosão das armaduras; Reação álcali agregado; Patologia.

Resumo. Palavras-chave. Corrosão das armaduras; Reação álcali agregado; Patologia. Investigação dos Agentes Causadores de Corrosão nas Armaduras em Pontes de Concreto na Região do Curimataú Oriental Paraibano. Túlio Raunyr Cândido Felipe 1, Maria das Vitorias do Nascimento 2, Weslley

Leia mais

RELATÓRIO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 042.212/2012-0

RELATÓRIO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO TC 042.212/2012-0 GRUPO I CLASSE V PLENÁRIO TC-042.212/2012-0 Natureza: Relatório de Auditoria Responsáveis: Jorge Ernesto Pinto Fraxe (Diretor Geral do DNIT) e Terrabrás Terraplenagens do Brasil S.A. Unidade: Departamento

Leia mais

CERTIFICADO DE ESTUDOS ESPECIAIS EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES

CERTIFICADO DE ESTUDOS ESPECIAIS EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES CERTIFICADO DE ESTUDOS ESPECIAIS EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES 3º STT0618 Transporte Aéreo 2 3º STT0625 Introdução à Engenharia de Transportes 2 5º STT0610 Logística e Transportes 2 5º STT0616 Geomática

Leia mais

SERVIÇO RTK-REDE. Aplicação do método relativo na técnica RTK EM REDE. Eng. Weber Neves Gerente Técnico Regional

SERVIÇO RTK-REDE. Aplicação do método relativo na técnica RTK EM REDE. Eng. Weber Neves Gerente Técnico Regional SERVIÇO RTK-REDE Aplicação do método relativo na técnica RTK EM REDE Eng. Weber Neves Gerente Técnico Regional A Alezi Teodolini Sede em São Paulo e 25 Representantes Comerciais distribuídos pelo Brasil.

Leia mais

Centro de Controle e Comando

Centro de Controle e Comando AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL SOLUÇÕES CORPORATIVAS CENTRO DE CONTROLE E MONITORAMENTO SOFTWARE E SISTEMAS PERSONALIZADOS e Comando Operacional Logístico Monitoramento 1 PROJETOS COMPLETOS Desenvolvimento completo

Leia mais

Topografia de Alto Desempenho

Topografia de Alto Desempenho Topografia de Alto Desempenho Estações de Alta Tecnologia Eng. Rodrigo Eger Gerente de Produtos Santiago & Cintra www.santiagoecintra.com.br Introdução A Topografia Hoje... Cada vez mais necessitamos:

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

TABELA DE PREÇOS UNITÁRIOS PROJETOS data-base: MAIO/14

TABELA DE PREÇOS UNITÁRIOS PROJETOS data-base: MAIO/14 1- ESTUDO TRÁFEGO 1.1 16 h e cálculo nº n) - tráfego baixo 1500 un 3.093,57 1.3 24 h e cálculo nº n) - tráfego baixo

Leia mais

O DNIT e o Investimento em Infraestrutura de Transportes

O DNIT e o Investimento em Infraestrutura de Transportes O DNIT e o Investimento em Infraestrutura de Transportes Adailton Cardoso Dias Diretor de Pesquisa e Planejamento Brasília 06 de Outubro de 2015 Infraestrutura Federal Rodovias* % km Pavimentadas 53,8

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO 1. INTRODUÇÃO Atualmente a tecnologia vem se desenvolvendo cada vez mais rápido para suprir as necessidades da população.

Leia mais

Bases de Dados Geoespaciais: Conceitos e Tendências. Paulo Costa Paulo.fernando.costa@vale.com

Bases de Dados Geoespaciais: Conceitos e Tendências. Paulo Costa Paulo.fernando.costa@vale.com Paulo Costa Paulo.fernando.costa@vale.com Sumário Dados e informações Base de dados Normatização dos Dados Banco de dados único Interoperabilidade de dados Tendências DADOS E INFORMAÇÕES Dados são observações

Leia mais

Radares de Velocidade. Número de vias 49. Número de pontos com infra-estrutura 137. Número de pontos com equipamento em operação (rodízio)

Radares de Velocidade. Número de vias 49. Número de pontos com infra-estrutura 137. Número de pontos com equipamento em operação (rodízio) A multifuncionalidade apresentada na utilização dos equipamentos eletrônicos nas vias de Campinas. José Vieira de Carvalho; Atílio André Pereira; Jeany Lúcia da Silva Oliveira. EMDEC Empresa Municipal

Leia mais

ILUMINAÇÃO PÚBLICA ARELSA BRASIL Soluções para gestão de iluminação e integração dos demais serviços públicos

ILUMINAÇÃO PÚBLICA ARELSA BRASIL Soluções para gestão de iluminação e integração dos demais serviços públicos ILUMINAÇÃO PÚBLICA ARELSA BRASIL Soluções para gestão de iluminação e integração dos demais serviços públicos SMART CITY A cidade do futuro Smart City é o conceito de cidade moderna e sustentável, onde

Leia mais

Eng. Luiz Dalbelo Gerente de Vendas Santiago & Cintra www.santiagoecintra.com.br. VANT e Suas Aplicações

Eng. Luiz Dalbelo Gerente de Vendas Santiago & Cintra www.santiagoecintra.com.br. VANT e Suas Aplicações Eng. Luiz Dalbelo Gerente de Vendas Santiago & Cintra www.santiagoecintra.com.br VANT e Suas Aplicações Soluções existentes Cobertura Pequena Baixa Aéreo e LIDAR VANT Alta Satélites Flexibilidade & Atualização

Leia mais

Estudo sobre a Deformabilidade da Camada de Base da nova Pista de Pouso e Decolagem do Aeroporto de Guarulhos/SP

Estudo sobre a Deformabilidade da Camada de Base da nova Pista de Pouso e Decolagem do Aeroporto de Guarulhos/SP Estudo sobre a Deformabilidade da Camada de Base da nova Pista de Pouso e Decolagem do Aeroporto de Guarulhos/SP Ana Carolina da Cruz Reis Instituto Militar de Engenharia, Rio de Janeiro, Brasil, anakkrol@gmail.com

Leia mais

Auto Gerenciamento utilizando a Web ou Celular

Auto Gerenciamento utilizando a Web ou Celular Auto Gerenciamento utilizando a Web ou Celular O FreeTrack é um sistema inovador de Rastreamento e Monitoramento de Frotas, carros, caminhões e motocicletas onde sua criação propõem uma solução econômica,

Leia mais

Extinção do Departamento Nacional de Estradas de Rodagem - DNER

Extinção do Departamento Nacional de Estradas de Rodagem - DNER Programa 0225 GESTÃO DA POLÍTICA DE TRANSPORTES Objetivo Apoiar o planejamento, avaliação e controle dos programas na área de transportes. Público Alvo Governo Ações Orçamentárias Indicador(es) Órgão(s)

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO OPÇÕES DE PIVÔ PIVÔS ZIMMATIC BY LINDSAY ADEQUADOS PARA QUALQUER ÁREA Você pode acoplar componentes e acessórios para construir seu próprio sistema. Com Zimmatic, você escolhe seu

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro. Projeto Web Grupo Águas do Brasil Flavia Garcia

17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro. Projeto Web Grupo Águas do Brasil Flavia Garcia 17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro Projeto Web Grupo Águas do Brasil Flavia Garcia Sites Corporativos São a vitrine da sua empresa. É a imagem do seu negócio para o mundo; Clientes e parceiros examinam

Leia mais

Diagnóstico da gestão das redes semafóricas

Diagnóstico da gestão das redes semafóricas Apóio: Diagnóstico da gestão das redes semafóricas Ausência de uma visão estratégica da importância das redes Semafóricas e os impactos (positivos ou negativos) nas vidas das pessoas e das empresas; Serviços

Leia mais

205 - MONTAGEM DA BASE DE DADOS GEORREFERENCIADA ASSOCIADA AO BANCO DE DADOS CONVENCIONAL DA FAZENDINHA AGROECOLÓGICA KM 47 1

205 - MONTAGEM DA BASE DE DADOS GEORREFERENCIADA ASSOCIADA AO BANCO DE DADOS CONVENCIONAL DA FAZENDINHA AGROECOLÓGICA KM 47 1 Uso e Conservacao dos Recursos Naturais Monferrer 205 - MONTAGEM DA BASE DE DADOS GEORREFERENCIADA ASSOCIADA AO BANCO DE DADOS CONVENCIONAL DA FAZENDINHA AGROECOLÓGICA KM 47 1 Eli Lino de Jesus 2 ; Ricardo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DE ANÁPOLIS: um estudo de caso PIBIC/2010-2011

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DE ANÁPOLIS: um estudo de caso PIBIC/2010-2011 AVALIAÇÃO DA ÁREA DE DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DE ANÁPOLIS: um estudo de caso PIBIC/2010-2011 Walleska Alves De Aquino Ferreira 1 Escola de Engenharia Civil / UFG walleskaaquino@gmail.com

Leia mais

A seguir são apresentadas as etapas metodológicas da Pesquisa CNT de Rodovias.

A seguir são apresentadas as etapas metodológicas da Pesquisa CNT de Rodovias. Metodologia A Pesquisa CNT de Rodovias propõe-se a avaliar a situação das rodovias brasileiras a partir da perspectiva dos usuários da via. As características - pavimento, sinalização e geometria - são

Leia mais

ANEXO II INFORMAÇÕES BÁSICAS DOS CURSOS. Modalidade Subseqüente

ANEXO II INFORMAÇÕES BÁSICAS DOS CURSOS. Modalidade Subseqüente Serviço Público Federal Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Campus Belém Processo Seletivo Técnico Subseqüente 2012/2 ANEXO II INFORMAÇÕES BÁSICAS DOS CURSOS

Leia mais

Mindset Webcasting. Mindset Comunicação e Marketing. Conheça a solução completa da Mindset para transmissão de áudio, vídeo e dados pela Internet.

Mindset Webcasting. Mindset Comunicação e Marketing. Conheça a solução completa da Mindset para transmissão de áudio, vídeo e dados pela Internet. Mindset Webcasting Mindset Comunicação e Marketing Conheça a solução completa da Mindset para transmissão de áudio, vídeo e dados pela Internet. O que é webcast? Webcast é a captura e transmissão via internet

Leia mais

Darwin Portal. Documentação Darwin Portal

Darwin Portal. Documentação Darwin Portal Darwin Portal Documentação Darwin Portal Versão 2.0.0 Outubro/2015 1. Introdução... 2 2. Darwin Portal, Requisitos de Acesso e Visão Geral... 2 3. My Darwin... 6 3.1. Operação... 6 3.2. Veículo... 7 3.3.

Leia mais

Kit Laboratório de Robótica Escolar 411 PLUS

Kit Laboratório de Robótica Escolar 411 PLUS CNPJ 56.233.497/0001-42 0 CNPJ 56.233.497/0001-42 1) Melhor Custo x Benefício do Mercado Brasileiro. 2) Peças e Componentes para diversos usos. 3) Manual de Referência do Software Modelix System Starter.

Leia mais

Consiste num sistema de recolha de dados de imagem e LIDAR (Light Detection and Ranging) montado num veículo

Consiste num sistema de recolha de dados de imagem e LIDAR (Light Detection and Ranging) montado num veículo O que é um Sistema de Mobile Mapping? Consiste num sistema de recolha de dados de imagem e LIDAR (Light Detection and Ranging) montado num veículo O que faz um Sistema de Mobile Mapping? Captura exata

Leia mais

FOTOGRAMETRIA DIGITAL. Rogério Mercandelle Santana Universidade Federal de Viçosa Departamento de Solos

FOTOGRAMETRIA DIGITAL. Rogério Mercandelle Santana Universidade Federal de Viçosa Departamento de Solos FOTOGRAMETRIA DIGITAL Rogério Mercandelle Santana Universidade Federal de Viçosa Departamento de Solos O que é Fotogrametria? A Fotogrametria é, segundo a American Society for Photogrammetry and Remote

Leia mais

Field Commander Afixado na torre final

Field Commander Afixado na torre final Monitoramento Remoto Controle total da sua operação de irrigação Field Commander é a nova geração do sistema de monitoramento remoto do pivô. Um avançado sistema que conta com um GPS que se comunica através

Leia mais

7 ALL América Latina Logística S.A.

7 ALL América Latina Logística S.A. 7 ALL América Latina Logística S.A. Este capítulo irá abordar as características operacionais da Empresa ALL América Latina Logística S.A., cujas principais atividades encontram-se na região do Sul de

Leia mais

OBRAS PÚBLICAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA: AÇÕES DA UNIDADE DE CONTROLE INTERNO DO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

OBRAS PÚBLICAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA: AÇÕES DA UNIDADE DE CONTROLE INTERNO DO PODER EXECUTIVO ESTADUAL OBRAS PÚBLICAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA: AÇÕES DA UNIDADE DE CONTROLE INTERNO DO PODER EXECUTIVO ESTADUAL A Auditoria Geral do Estado constitui-se como órgão superior de controle interno no âmbito do Poder

Leia mais

1. LOGIN 2. OPÇÕES DE SISTEMAS 3. MENU SUPERIOR

1. LOGIN 2. OPÇÕES DE SISTEMAS 3. MENU SUPERIOR SUMÁRIO Apresentação...2 1. Login...3 2. Opções de sistemas...3 3. Menu superior...3 4. Painel Geral...4 4.1. Visualização de Veículos...5 4.2. Percurso...6 5. Suporte...7 APRESENTAÇÃO O Georast é uma

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA COMPILAÇÃO E MAPEAMENTO DE IMOVEIS RURAIS

TERMO DE REFERENCIA PARA COMPILAÇÃO E MAPEAMENTO DE IMOVEIS RURAIS SERVIÇOS DE GEORREFERENCIAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS PARA FINS DE ELABORAÇÃO DE CADASTRO AMBIENTAL RURAL CAR NO MUNICÍPIO DE RIO CLARO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 1. Contextualização A The Nature Conservancy

Leia mais

Gerenciamento de Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico: a experiência do LSCAD/FACOM/UFMS. Ricardo R. Santos ricardo@facom.ufms.

Gerenciamento de Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico: a experiência do LSCAD/FACOM/UFMS. Ricardo R. Santos ricardo@facom.ufms. Gerenciamento de Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico: a experiência do LSCAD/FACOM/UFMS Ricardo R. Santos ricardo@facom.ufms.br LSCAD Foco nas áreas de sistemas embarcados, eletrônica (digital

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL

ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL 1. INTRODUÇÃO E REFERENCIAL TEÓRICO A área de geoprocessamento

Leia mais

Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP.

Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP. Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP. VANTAGENS DAS SOLUÇÕES DE VIGILÂNCIA DIGITAL IP É verdade que o custo de aquisição das câmeras digitais IP, é maior que o custo de aquisição das câmeras

Leia mais

CONSULTORIA E SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA GESTÃO INTELIGENTE DE REDES Julho 2015

CONSULTORIA E SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA GESTÃO INTELIGENTE DE REDES Julho 2015 CONSULTORIA E SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA GESTÃO INTELIGENTE DE REDES Julho 2015 1 Sumário Quem Somos Produtos e Soluções Descrição do Produto Contato 2 Quem somos BRSIG é uma empresa de Gestão de Informações

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PARA ESTUDOS E PROJETOS CREMA

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PARA ESTUDOS E PROJETOS CREMA DEPARTAMENTO AUTÔNOMO DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE GESTÃO E PROJETOS INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PARA ESTUDOS E PROJETOS CREMA DIRETORIA DE GESTÃO E PROJETOS NOVEMBRO/2013 1/63 GOVERNADOR DO ESTADO TARSO

Leia mais

De acordo com o nível de Governo, os órgãos rodoviários classificam-se em: Federais, Estaduais e Municipais.

De acordo com o nível de Governo, os órgãos rodoviários classificam-se em: Federais, Estaduais e Municipais. 2. A ORGANIZAÇÃO RODOVIÁRIA De acordo com o nível de Governo, os órgãos rodoviários classificam-se em: Federais, Estaduais e Municipais. Esfera Federal de Governo DNIT - Departamento Nacional de Infra-estrutura

Leia mais

Pós-Graduação em Ciências e Tecnologias na Educação Tópicos de Física Artigo: Inclinações das ruas e das estradas

Pós-Graduação em Ciências e Tecnologias na Educação Tópicos de Física Artigo: Inclinações das ruas e das estradas Pós-Graduação em Ciências e Tecnologias na Educação Tópicos de Física Artigo: Inclinações das ruas e das estradas Fernando Lang da Silveira - Instituto de Física da UFRGS Quem é o Fernando Lang da Silveira?

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: LECTRON INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução /Normativa, 2010 EMENTA

Leia mais

LANTERNAS PARA SINALIZAÇÃO NÁUTICA

LANTERNAS PARA SINALIZAÇÃO NÁUTICA LANTERNAS PARA SINALIZAÇÃO NÁUTICA = BLEST DO BRASIL - SEGURANÇA AQUAVIÁRIA = FICHA TÉCNICA ATUALIZAÇÃO - JANEIRO 2013 1) FABRICANTE: Razão Social: BLEST COMÉRCIO DE COMPONENTES ELETRÔNICOS LTDA. Nome

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO Antonio A. de Carvalho, Raphael C. S. B. Suita, Ivan C. da Silva, João M. A. Rebello Universidade Federal do Rio

Leia mais

GT BLOCK LBS RASTREAMENTO VIA CÉLULA COM BLOQUEADOR

GT BLOCK LBS RASTREAMENTO VIA CÉLULA COM BLOQUEADOR GT BLOCK LBS RASTREAMENTO VIA CÉLULA COM BLOQUEADOR Esta tecnologia torna possível o sistema de anti sequestro, rastreamento, escuta e bloqueio de veículos conforme a área de cobertura, que ao ser acionado,

Leia mais

ANEXO II AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO N.º 50/2005 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS COMPONENTES DE CADA ELEVADOR DA ANATEL.

ANEXO II AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO N.º 50/2005 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS COMPONENTES DE CADA ELEVADOR DA ANATEL. ANEXO II AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO N.º 50/2005 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS COMPONENTES DE CADA ELEVADOR DA ANATEL. PAINEL DE CONTROLE Responsável pelo processamento, interfaceamento e monitoração de todos

Leia mais

ANEXO II SISTEMA DE PAINÉIS DE MENSAGENS VARIÁVEIS FIXOS. 1. Os painéis de mensagem variável - fixos deverão:

ANEXO II SISTEMA DE PAINÉIS DE MENSAGENS VARIÁVEIS FIXOS. 1. Os painéis de mensagem variável - fixos deverão: ANEXO II SISTEMA DE PAINÉIS DE MENSAGENS VARIÁVEIS FIXOS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1. Os painéis de mensagem variável - fixos deverão: a) Ser projetados para implantação externa junto às vias de tráfego,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DE GOIÁS

MINISTÉRIO PÚBLICO DE GOIÁS MINISTÉRIO PÚBLICO DE GOIÁS SUPERINTENDÊNCIA DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E ADMINISTRAÇÃO DE DADOS GEOPROCESSAMENTO PERGUNTAS E RESPOSTAS AGOSTO 2009 1. O QUE É GEOPROCESSAMENTO? Geoprocessamento

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2007

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2007 Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2007 IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 13101/2007-8 Ano Orçamento: 2007 UF: SP Nome do PT: OBRAS RODOVIÁRIAS EMERGENCIAIS (CRÉDITO

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO Rafael Ribeiro Rocha

RELATÓRIO DE ESTÁGIO Rafael Ribeiro Rocha INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Rafael Ribeiro Rocha Fortaleza, Ceará, 10 de abril de 2009 FOLHA DE APROVAÇÃO Relatório Final de Estágio

Leia mais

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal

Sistema de localização e bloqueio veicular por célula de comunicação Objetivo Principal de comunicação Objetivo Principal Prover uma solução de baixo custo para Identificação, localização, bloqueio e recuperação de veículos roubados ou procurados, através de micro circuitos embarcados de

Leia mais

Multimedidor Portátil MPK

Multimedidor Portátil MPK [1] Introdução O Multimedidor Portátil é um instrumento que facilita a análise de instalações elétricas em campo com alta flexibilidade. A solução é composta de: Multimedidor: Instrumento digital microprocessado,

Leia mais

COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO

COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO Vivian Lúcia Bittencourt Drumond Universidade Presidente Antônio Carlos Rodovia MG 368 KM 12 Colônia Rodrigo Silva Barbacena Minas Gerais Brasil viviandrumond@yahoo.com.br

Leia mais

Instalação e uso da placa XYZ XYZ

Instalação e uso da placa XYZ XYZ Instalação e uso da placa XYZ XYZ Fabricada para trabalhar com diversos programas de controle encontrados na internet, a placa XYZ comanda dois ou três motores de passo diretamente através da porta paralela.

Leia mais

Solução de Segurança patrimonial com a tecnologia RFID(*)

Solução de Segurança patrimonial com a tecnologia RFID(*) Solução de Segurança patrimonial com a tecnologia RFID(*) (*) - RFID Identificação por Rádio Freqüência Usa antenas que lêem e gravam informações em chips, para monitoramento de ativos pessoas ou objetos

Leia mais

PrinciPais FUnciOnaLiDaDEs DO robô

PrinciPais FUnciOnaLiDaDEs DO robô PrinciPais FUnciOnaLiDaDEs DO robô 1. Feed em tempo real das câmaras a bordo do robô Uma das principais características do introbot é a sua capacidade de operação em locais remotos, podendo os mesmos ser

Leia mais

SISTEMAS AVANÇADOS DE DETEÇÃO DE ARMADURAS EM ESTRUTURAS E EDIFICIOS DE BETÃO SÉRIE PROFOMETER PM MODELO PM-600 E PM-630

SISTEMAS AVANÇADOS DE DETEÇÃO DE ARMADURAS EM ESTRUTURAS E EDIFICIOS DE BETÃO SÉRIE PROFOMETER PM MODELO PM-600 E PM-630 SISTEMAS AVANÇADOS DE DETEÇÃO DE ARMADURAS EM ESTRUTURAS E EDIFICIOS DE BETÃO SÉRIE PROFOMETER PM MODELO PM-600 E PM-630 Generalidades: Os novos sistemas de deteção de armaduras da série PM da Proceq empregam

Leia mais

DELIMITAÇÃO E PLANEJAMENTO DE DEMARCAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO

DELIMITAÇÃO E PLANEJAMENTO DE DEMARCAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO PROJETO DE PROTEÇÃO DA MATA ATLÂNTICA EM SANTA CATARINA (PPMA/SC) DELIMITAÇÃO E PLANEJAMENTO DE DEMARCAÇÃO DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO TABULEIRO RELATÓRIO TÉCNICO DE DELIMITAÇÃO 03FAT0206R00 CURITIBA

Leia mais

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as

Em qualquer processo produtivo, deve-se garantir que as Confiabilidade, calibração e definições importantes para os instrumentos de medir Os instrumentos de medição são os dispositivos utilizados para realizar uma medição e no âmbito da metrologia legal são

Leia mais

Planos de Manutenção de Via Permanente Baseado em Inspeção sem Contato

Planos de Manutenção de Via Permanente Baseado em Inspeção sem Contato Planos de Manutenção de Via Permanente Baseado em Inspeção sem Contato 2 de 10 Resumo do Trabalho O Plano de Manutenção de Via Permanente Baseado em Inspeção sem Contato é uma forma inédita de inspeção

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA CONCEPA LAPAV

PROJETO DE PESQUISA CONCEPA LAPAV PROJETO DE PESQUISA CONCEPA LAPAV Estudo de Desempenho de Pavimento Experimental com objetivo de validar método racional de dimensionamento de Pavimentos flexíveis RELATÓRIO FINAL Porto Alegre Março de

Leia mais

Situação do Desenvolvimento do Projeto/Avaliação Projeto Tecnológico e Midiático na EE Ernesto Solon Borges

Situação do Desenvolvimento do Projeto/Avaliação Projeto Tecnológico e Midiático na EE Ernesto Solon Borges Situação do Desenvolvimento do Projeto/Avaliação Projeto Tecnológico e Midiático na EE Ernesto Solon Borges Município/Escola Bandeirantes/ Ernesto Solon Borges Ações desenvolvidas (maio a novembro/2013)

Leia mais

TTT 2012 - VI Conferência Brasileira sobre Temas de Tratamento Térmico 17 a 20 de Junho de 2012, Atibaia, SP, Brasil

TTT 2012 - VI Conferência Brasileira sobre Temas de Tratamento Térmico 17 a 20 de Junho de 2012, Atibaia, SP, Brasil ESTRATÉGIAS DE CONTROLE PARA FORNO DE TRATAMENTO TÉRMICO A. A. Alcantara E. A. Tannuri (3) (1), (2) (1) Sun Metais Ltda. Rua Brasiliense, 79 Santo Amaro CEP 04729-110 - São Paulo - SP - alexaalcantara@gmail.com

Leia mais