TRANSFORMAÇÃO DE VAGÃO TRADICIONAL DE LASTRO DE BRITA EM VAGÃO AUTOMÁTICO DE ACIONAMENTO HIDRÁULICO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRANSFORMAÇÃO DE VAGÃO TRADICIONAL DE LASTRO DE BRITA EM VAGÃO AUTOMÁTICO DE ACIONAMENTO HIDRÁULICO"

Transcrição

1 TRANSFORMAÇÃO DE VAGÃO TRADICIONAL DE LASTRO DE BRITA EM VAGÃO AUTOMÁTICO DE ACIONAMENTO HIDRÁULICO

2 RESUMO: A modernização do vagão Hopper de brita do sistema de Metrô englobou a mudança de sua estrutura de acionamento das comportas antigas, operadas manualmente, através de volantes e inclusão de unidade vibratória com peneiras, para permitir a seleção e o reaproveitamento da brita ainda em condições de uso na superestrutura da via permanente ferroviária. O uso do vagão permitiu um acréscimo de 14% na produtividade da operação de troca de lastro.

3 1. Histórico Como componente da superestrutura da via permanente, o lastro de pedras britadas tem como finalidade garantir a estabilidade da linha, possibilitar a rápida drenagem das águas pluviais e garantir a segurança no tráfego de trens, que é fator primordial nas empresas de transporte de passageiros, principalmente em linhas de Metrô, onde velocidade e aceleração são fatores de crucial importância. A vida útil do lastro é influenciada pelas cargas por eixo dos veículos, velocidades de tráfego e a periodicidade com que a manutenção é praticada. O trabalho de substituição de lastro pode ser feito de forma manual utilizando um grande número de operários, com um tempo enorme de serviço para um único trecho de via ou utilizando uma máquina auto-propulsora denominada desguarnecedora de lastro, que devido ao seu sistema operacional com esteiras horizontais, não é aplicável a ferrovias onde a energia elétrica de tração dos trens é transmitida através de um trilho condutor chamado de terceiro trilho. No caso dos Metrôs, ferrovias pequenas que operam dentro dos grandes centros urbanos, diferentemente das ferrovias com catenárias, o trilho condutor energia elétricas para os motores dos trens, ficam sempre adjacente aos trilhos de rolamento, Desse modo o tratamento do lastro tornou-se um problema de difícil solução o que levou a equipe de Estruturas da Gerência de Engenharia de Manutenção a estudar e promover profundas melhorias em um vagão, tornando-o totalmente automatizado, para o caso do tratamento do lastro velho e reposição de lastro novo. 2. Tratamento do lastro 2.1. A operação tradicional de troca do lastro de brita A operação de troca de brita é realizada no período noturno, após a operação comercial, visto que as linhas principais são formadas por duas vias que ficam em tráfego constante, não possibilitando a liberação de trechos para serviços de manutenção durante o dia. O período disponível para a manutenção é de aproximadamente 3 horas diárias, o que exige alta eficiência em todas as etapas do processo. O processo é composto basicamente por três fases: Desguarnecimento 1, reguarnecimento 2 e socaria 3. 1 Desguarnecimento: Processo de retirada da brita da via 2 Reguarnecimento: Processo onde a brita é recolocada na via para recompor o lastro ferroviário 3 Socaria: Processo onde a brita é empurrada para baixo dos dormentes e compactada para elevar a resistência mecânica do lastro à passagem do trem.

4 Figura 1 Distribuição das etapas para a operação de troca de brita A modernização do vagão Hopper de brita é parte do processo de otimização da operação de troca de lastro, que visa elevar a capacidade horária de troca de brita. O comboio utilizado no serviço é formado por uma esteira transportadora inclinada, vagão Hopper, trackmobile ou caminhão de linha e vagão plataforma com placas laterais, para o acondicionamento de brita retirada da via e sem condição de ser reutilizada. Desguarnecimento: O desguarnecimento é realizado manualmente, a- través de operadores que, utilizando garfos metálicos, também chamados de gadanhos, retiram a brita do leito da via e a lançam sobre a moega da esteira de brita, que por sua vez encaminha a brita para o vagão plataforma. Essa brita é descartada. Reguarnecimento: O vagão plataforma, carregado de brita nova é estacionado sobre o trecho desguarnecido, e então os operários lançam com os garfos a brita nova sobre o trecho. Socaria semi-mecanizada: Após o deslocamento do vagão plataforma, é realizada a socaria semi-mecanizada no trecho, através de pés de pato acoplados a moto-vibradores. O processo completo possui rendimento aproximado de 3,07m³/h com a utilização de um efetivo de 10 pessoas O Vagão Hopper de brita, tradicional

5 Figura 2 - Vagão Hopper de brita antes da modernização vendo-se na cabeceira um volante de acionamento das comportas Figura 3 Esteira transportadora inclinada acoplada a vagão plataforma O vagão Hopper de brita, adquirido em leilão de patrimônios baixados da Rede Ferroviária Federal RFFSA possuía dois compartimentos individuais, cujo objetivo era de armazenar e descarregar brita na via. A descarga era feita através de comportas localizadas na parte inferior do veículo, acionadas mecanicamente através de um sistema de volantes e correntes. O vagão caiu em desuso em função da dificuldade de ser operado, visto que, quando carregado de brita, o acionamento mecânico de abertura e fechamento das comportas demandava grande esforço humano e baixa velocidade de trabalho, além da dificuldade de descarregar parcialmente um reservatório, gerando excesso de brita na via A nova operação de troca de lastro com a modernização do vagão Hopper de brita

6 Figura 3 - Vagão Hopper modernizado vendo na parte superior a peneira de brita e a direita o conjunto moto gerador hidráulico, para acionamento automático da comportas Para a otimização do processo de troca de brita, foi necessário aperfeiçoar os três processos citados em 2.1: Desguarnecimento, reguarnecimento e socaria. Para a otimização dos processos de desguarnecimento e reguarnecimento, é que foi desenvolvida a modernização do vagão Hopper de brita, como descrito abaixo. Desguarnecimento: Das duas células originais do vagão Hopper, uma foi destinada exclusivamente à brita rejeitada após o peneiramento e a outra à brita a ser utilizada para o reguarnecimento. Isto tornou possível a reutilização de brita retirada da via ainda em condições de uso e assim o vagão plataforma, que fazia parte do comboio, pode ser disponibilizado para outras utilizações pelo Departamento de Manutenção. Peneira vibratória: Sobre o vagão de brita, foi instalado um sistema composto por duas peneiras, uma de malha máxima (2 ½ 63,5mm) e outra de malha mínima de(1/2-12,7mm) da faixa granulométrica utilizável para lastro ferroviário. Com isso, a brita retirada da via é lançada com a esteira transportadora sobre as peneiras onde é peneirada e selecionada para o compartimento de descarte ou de reutilização, conforme sua granulometria. Essa medida permitiu uma redução na aquisição e consumo de brita na ordem de 50%

7 Figura 4 Detalhe da Peneira Vibratória instalada na parte superior do vagão Hopper, vendo-se em primeiro plano a malha que retém brita acima da faixa e em segundo plano a malha de 12,7mm. Acionamento das comportas: O acionamento mecânico, das comportas, por meio de volantes operados pelo homem, foi substituído por um sistema de dois pistões hidráulicos por comportas, que são controlados remotamente para abertura e fechamento. Essa mudança está permitindo a redução dos tempos de abertura e fechamento, substancial redução do esforço físico ao operar o sistema e viabilizou a execução de descargas parcial do reservatório de brita reaproveitáveis. Com o controle remoto, o próprio operador pode controlar visualmente a quantidade de brita descarregada. No painel de controle remoto o operador tem a possibilidade de, além de comandar o acionamento das comportas, também operar as esteiras vibratórias, ligar/desligar o motor gerador embarcado e ligar/desligar os faróis auxiliares que permite toda a funcionalidade do vagão Hopper de brita. Produtividade: O vagão Hopper modernizado está permitindo um expressivo aumento da produtividade do processo de reguarnecimento de brita, o que está gerando individualmente um aumento da produtividade no processo de troca de lastro na ordem de 14%

8 Figura 5 - Produtividade da operação de reguarnecimento Figura 6 - Comparativo do volume de lastro trocado para 3 horas de trabalho com os processos antigo e atual

9 Figura 7 Painel de controle remoto embarcado para acionamento de todos os sistemas do vagão Figura 8 - Detalhe de um dos reservatórios de brita e das peneiras

10 Figura 9 - Detalhe de uma das comportas mostrando os pistões e dutos de acionamento hidráulico Figura 10 Detalhe de uma das cabeceiras do vagão com o motor gerador, a central hidráulica e faróis auxiliares

11 3. Conclusão Depois de vencidas todas as etapas do trabalho que desenvolvemos em conjunto com os técnicos do Departamento de Manutenção da Via Permanente que englobou o acompanhamento das diversas etapas, in loco, dos trabalhos ao longo das linhas, o projeto de melhorias com a reforma do vagão e as novas etapas já com o dinamismo que caracterizou as melhorias, foi feita a avaliação econômica/financeira, que levou em conta os custos operacionais, os custo de aquisição de lastro de brita, e o capital despendido no projeto com modernização, concluimos que o trabalho de substituição de 1 metro cúbico de lastro que custava R$ 395,00 hoje em dia está custando R$ 344,00. Desse modo, considerando a produtividade diária obtida com a melhoria do método de trabalho, dentro de uma jornada de 3 horas/noite trabalhando 20 dias/mês a economia anual obtida está projetada em R$43.080,40 e apenas para se fazer uma comparação, levando-se em conta que o comprimento da linha 2 do Metrô RJ a céu aberto é de 40 quilômetros de vias singelas, a economia que se obterá para cada rodada de substituição de lastro da linha inteira é da ordem de R$ ,00

Disjuntor a Vácuo uso Interno

Disjuntor a Vácuo uso Interno Disjuntor a Vácuo uso Interno D27 - U 1 Sumário 1. Aplicação... 3 2. Condições Normais de Serviço... 4 3. Principais Parâmetros Técnicos... 4 4. Estrutura e Operação do Disjuntor... 5 4.1. Estrutura Geral:...

Leia mais

correas UNIPLY Funcionamento das Correias Elevadoras Componentes de um Elevador de Correias a Canecas Referências:

correas UNIPLY Funcionamento das Correias Elevadoras Componentes de um Elevador de Correias a Canecas Referências: Funcionamento das Correias Elevadoras Componentes de um Elevador de Correias a Canecas Os elevadores de correias a caçambas são os equipamentos mais comuns e econômicos para o movimento vertical de materiais

Leia mais

PALESTRA TÉCNICA. Superestrutura Ferroviária. Engº HELIO SUÊVO RODRIGUEZ 13/11/2012 00

PALESTRA TÉCNICA. Superestrutura Ferroviária. Engº HELIO SUÊVO RODRIGUEZ 13/11/2012 00 PALESTRA TÉCNICA Superestrutura Ferroviária Engº HELIO SUÊVO RODRIGUEZ 13/11/2012 00 SUMÁRIO I - INTRODUÇÃO II - A MALHA FERROVIÁRIA DO BRASIL III - MANUAL BÁSICO DE ENGENHARIA FERROVIÁRIA IV - SUPERESTRUTURA

Leia mais

Detector de Cauda Automatizado - DCA

Detector de Cauda Automatizado - DCA Detector de Cauda Automatizado - DCA Apresentação FCA A Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) é uma empresa movida pela paixão de cerca de 3200 mil empregados, transportando as riquezas do Brasil e o trabalho

Leia mais

Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução

Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução Artigo publicado na revista Lumiere Electric edição nº 166 Aplicações de investimentos dentro das empresas sempre são questionadas

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA REDUÇÃO DE FRATURAS DE TRILHOS EM TÚNEIS

ESTRATÉGIA PARA REDUÇÃO DE FRATURAS DE TRILHOS EM TÚNEIS ESTRATÉGIA PARA REDUÇÃO DE FRATURAS DE TRILHOS EM TÚNEIS 2 RESUMO As fraturas de trilho são eventos indesejáveis a operação e a manutenção de uma ferrovia. Além de causar a interrupção da circulação de

Leia mais

COLETIVA DE IMPRENSA FEIRA INTERMODAL SOUTH AMERICA PERSPECTIVAS DO PAÍS NO SETOR FERROVIÁRIO

COLETIVA DE IMPRENSA FEIRA INTERMODAL SOUTH AMERICA PERSPECTIVAS DO PAÍS NO SETOR FERROVIÁRIO COLETIVA DE IMPRENSA FEIRA INTERMODAL SOUTH AMERICA PERSPECTIVAS DO PAÍS NO SETOR FERROVIÁRIO Vicente Abate - Presidente da ABIFER São Paulo, 4 de abril de 2013 ABIFER, há 35 anos ABIFER NOSSA MISSÃO Fomentar

Leia mais

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais.

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais. GARFO (Comprimento X Largura X Bitola) (mm): 100D7: 1.200 X 200 X 70 / 1.500 X 200 X 75 / 1.650 X 200 X 75 1.800 X 200 X 75 / 2.100 X 200 X 75 / 2.400 X 200 X 75 120D7: 1.200 X 200 X 75 / 1.500 X 200 X

Leia mais

ANEXO II AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO N.º 50/2005 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS COMPONENTES DE CADA ELEVADOR DA ANATEL.

ANEXO II AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO N.º 50/2005 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS COMPONENTES DE CADA ELEVADOR DA ANATEL. ANEXO II AO EDITAL DE PREGÃO AMPLO N.º 50/2005 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS COMPONENTES DE CADA ELEVADOR DA ANATEL. PAINEL DE CONTROLE Responsável pelo processamento, interfaceamento e monitoração de todos

Leia mais

PROTEÇÃO PARA CONTAMINAÇÃO DE LASTRO REGIÃO DE CARREGAMENTOS

PROTEÇÃO PARA CONTAMINAÇÃO DE LASTRO REGIÃO DE CARREGAMENTOS PROTEÇÃO PARA CONTAMINAÇÃO DE LASTRO REGIÃO DE CARREGAMENTOS - 1 - RESUMO Em regiões de carregamento, principalmente pontos de carga de minérios, existe uma grande contaminação do lastro ferroviário. Esta

Leia mais

Mais automóveis e menos espaço. Essa é a equação em quase todas as cidades. Por esta razão, os sistemas de estacionamento robotizados, que aproveitam

Mais automóveis e menos espaço. Essa é a equação em quase todas as cidades. Por esta razão, os sistemas de estacionamento robotizados, que aproveitam Mais automóveis e menos espaço. Essa é a equação em quase todas as cidades. Por esta razão, os sistemas de estacionamento robotizados, que aproveitam o espaço disponível mais eficientemente, são uma alternativa

Leia mais

SISTEMA T-TRACK. A nova geração em Tecnologia Ferroviária

SISTEMA T-TRACK. A nova geração em Tecnologia Ferroviária SISTEMA T-TRACK A nova geração em Tecnologia Ferroviária O que é o Sistema Tubular Track? 1/5 O Sistema TUBULAR TRACK é uma Tecnologia de Via Permanente Ferroviária de Fixação Direta (sem lastro), na qual

Leia mais

Inspiro a nova geração de metrôs da Siemens para o trânsito de massa

Inspiro a nova geração de metrôs da Siemens para o trânsito de massa Papel de fundo Inspiro a nova geração de metrôs da Siemens para o trânsito de massa Os desafios do futuro são claros: fluxos de tráfego nas áreas metropolitanas devem ser otimizados, sistemas de transporte

Leia mais

NORMA BRASILEIRA. Accessibility in highway transportation

NORMA BRASILEIRA. Accessibility in highway transportation NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15320 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Acessibilidade à pessoa com deficiência no transporte rodoviário Accessibility in highway transportation Palavras-chave:

Leia mais

Dados técnicos Guindaste sobre esteiras HS 895 HD

Dados técnicos Guindaste sobre esteiras HS 895 HD Dados técnicos Guindaste sobre esteiras HS 895 HD Dimensões Máquina básica com carro inferior R 9760 3650 10000 5480 3675 2445 1810 3950 1610 1700 7945 9360 3975 1720 R 6360 1100 6800 620 17380 Peso operacional

Leia mais

ISF-215: PROJETO DE SUPERESTRUTURA DA VIA PERMANENTE APARELHOS DE MUDANÇA DE VIA

ISF-215: PROJETO DE SUPERESTRUTURA DA VIA PERMANENTE APARELHOS DE MUDANÇA DE VIA 1. OBJETIVO ISF-215: PROJETO DE SUPERESTRUTURA DA VIA PERMANENTE APARELHOS DE MUDANÇA DE VIA Definir o tipo e características dos aparelhos de mudança de via a serem colocados nas concordâncias de duas

Leia mais

FROTA - SISTEMA DE CONTROLE DE ATIVOS FERROVIÁRIOS

FROTA - SISTEMA DE CONTROLE DE ATIVOS FERROVIÁRIOS FROTA - SISTEMA DE CONTROLE DE ATIVOS FERROVIÁRIOS Márcio José Camargo Rosalia Naomi Oyakawa 20ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA PRÊMIO TECNOLOGIA E DESENVOLVIMENTO METROFERROVIÁRIOS Categoria 3

Leia mais

Um macaco hidráulico é necessário para elevar um automóvel de 1000 kgf através do bombeamento manual.

Um macaco hidráulico é necessário para elevar um automóvel de 1000 kgf através do bombeamento manual. Um macaco hidráulico é necessário para elevar um automóvel de 1000 kgf através do bombeamento manual. Com os dados abaixo, calcular a força F1 necessária para elevar o automóvel e quantas vezes o operador

Leia mais

MOINHOS GRANULADORES

MOINHOS GRANULADORES MOINHOS GRANULADORES DESDE 1980 Fundada em 1980 sediada em Farroupilha, RS em uma área própria de 15.000m², com área construída de 2.250 m², a Mecanofar mantém mais de 3.500 máquinas no mercado de transformação.

Leia mais

3º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2014

3º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2014 3º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2014 PERGUNTA 01: O ANEXO D.9 Saúde e Segurança (pag. 99) do ANEXO D SERVIÇOS RELATIVOS AO ATENDIMENTO AMBENTAL do ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

C 47 C 75. As desguarnecedoras. la passion du rail

C 47 C 75. As desguarnecedoras. la passion du rail As desguarnecedoras la passion du rail 2ST As desguarnecedoras Qualidade e precisão Apresentação O grupo MATISA produziu vários modelos de forma sem comprometer a qualidade. Os conceitos Vários modelos

Leia mais

Depto. Engenharia Industrial Estudo sobre a Mobilidade Sustentável Diretrizes para o Município do Dr. Madiagne Diallo, Prof. Coordenador do Laboratório de Apoio à Decisão Coordenador de Assessoria Técnica

Leia mais

Minirrotatória. Um projeto simples e eficiente para redução de acidentes

Minirrotatória. Um projeto simples e eficiente para redução de acidentes Minirrotatória Um projeto simples e eficiente para redução de acidentes Introdução A minirrotatória é um dispositivo de segurança utilizado em cruzamento não muito movimentado, para organizar a circulação

Leia mais

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS 8.1 - Motores de Corrente Contínua 8.2 - Motores de Corrente Alternada 8.3 - Motores Especiais 8.4 - Exercícios Propostos Na natureza a energia se encontra distribuída sob

Leia mais

COMITÊ DE MANUTENÇÃO Renovação e expansão da frota de trens da CPTM Tecnologia embarcada e conforto aos usuários em mais 65 Trens (520 carros)

COMITÊ DE MANUTENÇÃO Renovação e expansão da frota de trens da CPTM Tecnologia embarcada e conforto aos usuários em mais 65 Trens (520 carros) COMITÊ DE MANUTENÇÃO Renovação e expansão da frota de trens da CPTM Tecnologia embarcada e conforto aos usuários em mais 65 Trens (520 carros) HENRY MUNHOZ Gerente de Engenharia de Manutenção da CPTM DADOS

Leia mais

Manual de Operação. Balança UR10000 LIGHT 300/100

Manual de Operação. Balança UR10000 LIGHT 300/100 Manual de Operação Balança UR10000 LIGHT 300/100 1 - INTRODUÇÃO Este equipamento foi projetado para atender aos mais rigorosos requisitos de precisão em pesagem, possuindo componentes de altíssima qualidade,

Leia mais

ISF 214: PROJETO DE SUPERESTRUTURA DA VIA PERMANENTE ACESSÓRIOS

ISF 214: PROJETO DE SUPERESTRUTURA DA VIA PERMANENTE ACESSÓRIOS 1. OBJETIVO ISF 214: PROJETO DE SUPERESTRUTURA DA VIA PERMANENTE ACESSÓRIOS Definir o tipo e características dos acessórios metálicos a serem utilizados no assentamento e fixação dos trilhos aos dormentes

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA: HIGIENE OCUPACIONAL IV Aula 60 VENTILAÇÃO LOCAL EXAUSTORA Parte I da Aula 60

Leia mais

NICOLAU BELLO / REBECA P. RICO PROFISSIONAIS DA ÁREA SEGURANÇA Email:- nicobelo@hotmail.com

NICOLAU BELLO / REBECA P. RICO PROFISSIONAIS DA ÁREA SEGURANÇA Email:- nicobelo@hotmail.com NICOLAU BELLO / REBECA P. RICO PROFISSIONAIS DA ÁREA SEGURANÇA Email:- nicobelo@hotmail.com 1 GRÚA TORRE Definição GRÚA TORRE.- Máquina que se emprega para a elevação de cargas, por meios de um gancho

Leia mais

Normas Técnicas -RCD

Normas Técnicas -RCD Mestrado em Engenharia Civil NORMAS TÉCNICAS DE RCD Profa. Stela Fucale Normas Técnicas -RCD NBR15.112/04 Resíduosdeconstruçãoeresíduosvolumosos Áreasde transbordo e triagem Diretrizes para projeto, implantação

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 1

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 1 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 1 Índice 1. Introdução...3 1.1. O que é um Computador?... 3 1.2. Máquinas Multiníveis... 3 2 1. INTRODUÇÃO 1.1 O QUE É UM COMPUTADOR? Para estudarmos como um computador

Leia mais

APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE

APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE AGILDE Ribeira de Santa Natália Concelho de Celorico de Basto Acesso rodoviário Açude Canal e conduta forçada Câmara de carga Central hidroeléctrica O aproveitamento hidroeléctrico

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Medeiros EXERCÍCIOS NOTA DE AULA IV Goiânia - 2014 EXERCÍCIOS 1. Uma partícula eletrizada positivamente é

Leia mais

Nova Geração de Britadores. Britadores cônicos HP3

Nova Geração de Britadores. Britadores cônicos HP3 Nova Geração de Britadores Britadores cônicos HP3 2 2 Apresentação do produto Britadores cônicos HP3 Desempenho Produtivo Não há escolha melhor que um britador cônico quando se trata de... Elevada produtividade,

Leia mais

TCM 60/80 TCM 60 R GP 89

TCM 60/80 TCM 60 R GP 89 TCM 60/80 TCM 60 R GP 89 Os trens de construção la passion du rail Os trens de construção TCM 60 Precisão com alto rendimento TCM 60 R TCM 60/80 TCM 60 R Introdução Os trens de construção permitem a construção

Leia mais

Figura 6.1 - Ar sangrado do compressor da APU

Figura 6.1 - Ar sangrado do compressor da APU 1 Capítulo 6 - SANGRIA DE AR 6.1 - Finalidade e características gerais A finalidade da APU é fornecer ar comprimido para os sistemas pneumáticos da aeronave e potência de eixo para acionar o gerador de

Leia mais

OBTENÇÃO DE AREIA ARTIFICIAL A PARTIR DE FINOS DE PEDREIRA ANÁLISE DE ENSAIOS

OBTENÇÃO DE AREIA ARTIFICIAL A PARTIR DE FINOS DE PEDREIRA ANÁLISE DE ENSAIOS OBTENÇÃO DE AREIA ARTIFICIAL A PARTIR DE FINOS DE PEDREIRA ANÁLISE DE ENSAIOS Luiz Henrique de Oliveira Bispo Bolsista de Inic. Científica, Eng. Química, UFRJ Salvador Luiz Matos de Almeida Orientador,

Leia mais

BENEFICIAMENTO DE SEMENTES. Silvio Moure Cicero. 1. Importância

BENEFICIAMENTO DE SEMENTES. Silvio Moure Cicero. 1. Importância 16 BENEFICIAMENTO DE SEMENTES 1. Importância Silvio Moure Cicero Em programas de produção de sementes, o processamento representa a etapa final pela o qual o lote poderá adquirir a qualidade que possibilite

Leia mais

Inversores de Frequência Aplicados em Processos de Mineração Trazem Ganho de Produtividade, Economia de Energia e Manutenção Reduzida.

Inversores de Frequência Aplicados em Processos de Mineração Trazem Ganho de Produtividade, Economia de Energia e Manutenção Reduzida. Inversores de Frequência Aplicados em Processos de Mineração Trazem Ganho de Produtividade, Economia de Energia e Manutenção Reduzida. Eng. Cristian Benedet Tezza - cristian@weg.net WEG AUTOMAÇÃO Av. Prefeito

Leia mais

Índice de Aferição de Acessibilidade Física

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Área de Aproximação à porta Interfere na faixa livre mínima? (faixa livre mín=0,90m) Há área de manobra para cadeira de rodas? (raio mínimo=de 1,20m a 1,50m) Dimensões da área frontal à porta Dimensões

Leia mais

NORMA TÉCNICA MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE CPRH N 2.004

NORMA TÉCNICA MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE CPRH N 2.004 NORMA TÉCNICA MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE CPRH N 2.004 MEDIÇÃO DE VAZÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS ESCOAMENTO LIVRE 1 OBJETIVO Esta Norma fixa as condições exigíveis para a indicação

Leia mais

Empilhadeiras. Orientação: Fernando Gabriel Eguia Pereira Soares

Empilhadeiras. Orientação: Fernando Gabriel Eguia Pereira Soares Empilhadeiras Elaboração: Guido Alves Slavec RA: 200937 Antônio Carlos de Souza Leme RA: 200008 Allan Spagnolo Benites RA: 110050 Felipe Saturnino Tonheiro Carlos RA: 200407 Sandro Aparecido Pereira Faria

Leia mais

NEW HOLLAND BB9OOO BB9O8O

NEW HOLLAND BB9OOO BB9O8O NEW HOLLAND BB9OOO BB9O8O 2 3 LIDERANÇA MUNDIAL NÃO É MERA COINCIDÊNCIA. Com parceiros do setor, a New Holland foi responsável por algumas das principais inovações e lançamentos que garantiram a ela a

Leia mais

ÍNDICE. Esperamos que nosso transportador de carga Tracionário, proporcione agilidade e segurança em seu trabalho.

ÍNDICE. Esperamos que nosso transportador de carga Tracionário, proporcione agilidade e segurança em seu trabalho. Esperamos que nosso transportador de carga Tracionário, proporcione agilidade e segurança em seu trabalho. Para que nosso produto tenha um resultado positivo, é de fundamental importância que o Manual

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO Antonio A. de Carvalho, Raphael C. S. B. Suita, Ivan C. da Silva, João M. A. Rebello Universidade Federal do Rio

Leia mais

Rev. Modificação Data Autor. Especialidade: Autor: CREA / UF Rubrica. Sítio TERMINAL DE PASSAGEIROS. ELETRÔNICA / SDAI Especificação do Documento

Rev. Modificação Data Autor. Especialidade: Autor: CREA / UF Rubrica. Sítio TERMINAL DE PASSAGEIROS. ELETRÔNICA / SDAI Especificação do Documento 02 REVISÃO MAR/13 01 REVISÃO JAN/13 00 EMISSÃO INICIAL SET/12 Rev. Modificação Data Autor Especialidade: Autor: CREA / UF Rubrica 1 - Arquitetura 2 - Estruturas 3 - Hidrossanitárias 4 - Elétrica 5 - Eletrônica

Leia mais

CONVERSOR DE TORQUE PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO

CONVERSOR DE TORQUE PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO CONVERSOR DE TORQUE PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO Em matérias anteriores, conhecemos algumas noções básicas do funcionamento de uma transmissão automática, com seus componentes principais, informando ao técnico

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS Katrine Krislei Pereira Engenharia Civil CEATEC krisleigf@hotmail.com Resumo:

Leia mais

Fundamentos de Automação. Atuadores e Elementos Finais de Controle

Fundamentos de Automação. Atuadores e Elementos Finais de Controle Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Atuadores

Leia mais

Acordo de Cooperação Técnico Científico CEPEFER ( Brasil ) e TRANSURB TECHNIRAIL ( Bélgica )

Acordo de Cooperação Técnico Científico CEPEFER ( Brasil ) e TRANSURB TECHNIRAIL ( Bélgica ) Acordo de Cooperação Técnico Científico CEPEFER ( Brasil ) e TRANSURB TECHNIRAIL ( Bélgica ) Simulação de Manutenção de Material Rodante e Via Permanente Simulação de CCO e Condução de Trens e Locomotivas

Leia mais

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Rodrigo Cézar Kanning rckanning@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

AULA 25 UNIDADE 3 MÁQUINAS ELÉTRICAS. Prof. Ademir Nied, Dr. Eng. Elétrica dee2an@joinville.udesc.br

AULA 25 UNIDADE 3 MÁQUINAS ELÉTRICAS. Prof. Ademir Nied, Dr. Eng. Elétrica dee2an@joinville.udesc.br Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Curso de Graduação em Engenharia Elétrica AULA 25 UNIDADE 3 MÁQUINAS ELÉTRICAS Prof. Ademir Nied, Dr. Eng. Elétrica dee2an@joinville.udesc.br

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PENEIRA DESAGUADORA - ZL EQUIPAMENTOS.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PENEIRA DESAGUADORA - ZL EQUIPAMENTOS. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PENEIRA DESAGUADORA - ZL EQUIPAMENTOS. 1. DESCRIÇÃO. As peneiras desaguadoras de livre oscilação linear dirigida, projetadas e fabricadas pela ZL Equipamentos, foram especialmente

Leia mais

1 ATUADORES HIDRÁULICOS

1 ATUADORES HIDRÁULICOS 1 ATUADORES HIDRÁULICOS Danniela Rosa Sua função é aplicar ou fazer atuar energia mecânica sobre uma máquina, levando-a a realizar um determinado trabalho. Aliás, o motor elétrico também é um tipo de atuador.

Leia mais

Aula 1. Expedição e Distribuição Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior

Aula 1. Expedição e Distribuição Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior Aula 1 Expedição e Distribuição Prof.Msc.Levi Pinto de Miranda Júnior Distribuição Física No Mercado existem dois Visão interna de Movimentação de Produto Modelagem do Armazenamento de um produto WMS

Leia mais

WTM AVES. Os vagões de transporte. la passion du rail

WTM AVES. Os vagões de transporte. la passion du rail Os vagões de transporte la passion du rail Os vagões de transporte Rápido e econômico é um vagão de transporte de AMV (Aparelho de Mudança de Via). Sua concepção permite transportar todos os tipos de AMV,

Leia mais

MANUAL DO PROPRIETÁRIO

MANUAL DO PROPRIETÁRIO MANUAL DO PROPRIETÁRIO v.01 AVISO IMPORTANTE! ESPECIFICAÇÕES FAZER UMA DESCARGA E RECARGA COMPLETA A CADA 90 DIAS. Modelo: Motor: Potência: AUTONOMIA: Velocidade máxima: Autonomia: Tempo de recarga: Bateria:

Leia mais

NOTA TÉCNICA INSTALAÇÃO E SINALIZAÇÃO DE LOMBAS REDUTORAS DE VELOCIDADE

NOTA TÉCNICA INSTALAÇÃO E SINALIZAÇÃO DE LOMBAS REDUTORAS DE VELOCIDADE 1 - Introdução A construção de vias públicas com o objectivo primordial de maximizar o escoamento de grandes volumes de tráfego e o conforto dos ocupantes dos veículos, aliada aos progressos da industria

Leia mais

A ECONOMIA COM A NACIONALIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS METRÔ- FERROVIÁRIOS

A ECONOMIA COM A NACIONALIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS METRÔ- FERROVIÁRIOS A ECONOMIA COM A NACIONALIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS METRÔ- FERROVIÁRIOS Com o advento das implantações dos Metrôs subterrâneos no Brasil, nos anos 70, os técnicos viram-se pela primeira vez diante da necessidade

Leia mais

Índice. TERMODIN Componentes Termodinâmicos Ltda. Rua Rio de Janeiro, 528 CEP 06530-020 Fazendinha Santana do Parnaíba SP Fone/Fax: (11) 4156-3455 2

Índice. TERMODIN Componentes Termodinâmicos Ltda. Rua Rio de Janeiro, 528 CEP 06530-020 Fazendinha Santana do Parnaíba SP Fone/Fax: (11) 4156-3455 2 Catálogo geral de ventiladores axiais 1 Índice 1- Fundamentos 3 2- Curvas características 4 3- Fórmulas relativas ao ventiladores centrífugos 5 4- Nomenclatura 6 5- Características construtivas 6 6- Dimensões

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros Instrução Técnica Nº 027/2010 EM REVISÃO Armazenamento em Silos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

SOLUÇÕES INOVADORAS INTRODUÇÃO ABER, empresa fundada na Maia (Porto - Portugal) em 1972, oferece uma vasta gama de equipamentos direccionados ao sector óleo-hidráulico e sistemas de elevação. Actualmente,

Leia mais

Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil

Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil Caracterização Geotécnica do Fosfogesso Produzido pelo Complexo Industrial de Uberaba da Fosfertil Alexandre Gonçalves Santos Fertilizantes Fosfatados S. A., Araxá, Minas Gerais, Brasil Paulo César Abrão

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO DA PERDA DE CARGA EM UMA UNIDADE PILOTO DE TRANSPORTE PNEUMÁTICO EM FASE DILUÍDA

TÍTULO: ESTUDO DA PERDA DE CARGA EM UMA UNIDADE PILOTO DE TRANSPORTE PNEUMÁTICO EM FASE DILUÍDA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ESTUDO DA PERDA DE CARGA EM UMA UNIDADE PILOTO DE TRANSPORTE PNEUMÁTICO EM FASE DILUÍDA CATEGORIA:

Leia mais

ENGENHARIA DE TRANSPORTES

ENGENHARIA DE TRANSPORTES ENGENHARIA DE TRANSPORTES INTRODUÇÃO Conceito: A engenharia de transportes que se relaciona com o projeto geométrico, planejamento e a operação do tráfego de estradas e vias urbanas, suas redes, os seus

Leia mais

SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA

SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFERENTE À CONSTRUÇÃO DE MURO NA ÁREA DE LIMITE DA TAM - TERMI- NAL DE ÁGUA DE MENINOS E ANTIGA CONTE- NOR NO PORTO ORGANIZADO DE SALVADOR- BA. COORDENAÇÃO

Leia mais

Colhedora de cana A4000

Colhedora de cana A4000 Colhedora de cana A4000 Inovação sem limites. Uma marca registrada da case ih. A Case IH é referência mundial no segmento sucroenergético. Com mais de 50 anos de conhecimento e experiência no setor, a

Leia mais

Manipulador de dormentes rodoferroviário

Manipulador de dormentes rodoferroviário Manipulador de dormentes rodoferroviário Clerildo Vieira¹, Decio Vincenzi²*, Helder Torres³ 1 Engenharia Ferroviária Railway Engineering - Vale S.A. Praça João Paulo Pinheiro, s/n,35010-330 Governador

Leia mais

REDUÇÃO DA RAZÃO LINEAR DE CARREGAMENTO PARA AUMENTO DA GRANULOMETRIA DO MATERIAL DESMONTADO EM ROCHAS ALTERADAS

REDUÇÃO DA RAZÃO LINEAR DE CARREGAMENTO PARA AUMENTO DA GRANULOMETRIA DO MATERIAL DESMONTADO EM ROCHAS ALTERADAS REDUÇÃO DA RAZÃO LINEAR DE CARREGAMENTO PARA AUMENTO DA GRANULOMETRIA DO MATERIAL DESMONTADO EM ROCHAS ALTERADAS Carla Ferreira Vieira Martins Engenheira de Minas DNPM INTRODUÇÃO Os testes de carregamento

Leia mais

Manual de instalação e utilização da caixa separadora de água e óleo SULFILTROS

Manual de instalação e utilização da caixa separadora de água e óleo SULFILTROS Manual de instalação e utilização da caixa separadora de água e óleo SULFILTROS Atenta as necessidades de mercado a SULFILTROS desenvolveu a S A O que atende as exigências da NBR 14.605 Posto de Serviço

Leia mais

TORRE TELESCÓPICA AUTO SUPORTADA DE 18 METROS TORRE TEMPORÁRIA TRANSPORTÁVEL COMPACTA SBF INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA.

TORRE TELESCÓPICA AUTO SUPORTADA DE 18 METROS TORRE TEMPORÁRIA TRANSPORTÁVEL COMPACTA SBF INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA. TORRE TELESCÓPICA AUTO SUPORTADA DE 18 METROS TORRE TEMPORÁRIA TRANSPORTÁVEL COMPACTA SBF INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA. PRODUTO SBF TTAS-18 DESCRITIVO TÉCNICO 1.1. Finalidade da Torre A Torre Telescópica Auto

Leia mais

Caracterização do Fino do Rejeito de Lastro Ferroviário para Emprego em Pavimentação

Caracterização do Fino do Rejeito de Lastro Ferroviário para Emprego em Pavimentação Caracterização do Fino do Rejeito de Lastro Ferroviário para Emprego em Pavimentação Bárbara Elis P. Silva Instituto Militar de Engenharia, Rio de Janeiro, Brasil, babi.elis@gmail.com Antônio Carlos R.

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO ORIENTAÇÕES SOBRE A PROVA DISCURSIVA

Leia mais

Há mais de 10 anos, a OMNI CS faz um trabalho diferenciado no campo da mineração e tratamento mineral.

Há mais de 10 anos, a OMNI CS faz um trabalho diferenciado no campo da mineração e tratamento mineral. 2 A Empresa Há mais de 10 anos, a OMNI CS faz um trabalho diferenciado no campo da mineração e tratamento mineral. Isso mostra porque, hoje é uma referência no mercado nacional, com clientes em vários

Leia mais

Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas

Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas Decreto Estadual nº 45.765, de 4 de maio de 2001 Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO,

Leia mais

cintiademarcosantos@gmail.com

cintiademarcosantos@gmail.com ECOEFICIÊNCIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA NA CONSTRUÇÃO DE UM CONJUNTO DE CASAS DE ALTO PADRÃO NA CIDADE DE PELOTAS/RS Cíntia de Marco Santos Instituto Federal Sul-rio-grandense,

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Laboratório de tecnologia de manufatura - uma experiência aplicada ao ensino da engenharia de produção Wilson de Castro Hilsdorf (FEI) wicastro@fei.edu.br Alexandre Augusto Massote (FEI) massote@fei.edu.br

Leia mais

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. Soluções para Agronegócio

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. Soluções para Agronegócio Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Soluções para Agronegócio Visão Geral Eficiência e produtividade em todas as safras? Conte com a WEG. Para nós, produtividade e eficiência

Leia mais

Interseções. Lastran/Ufrgs

Interseções. Lastran/Ufrgs Interseções Lastran/Ufrgs 1 Noções Gerais Interseção é o local onde 2 ou mais vias se interceptam. Local de grande número de acidentes: 53% dos acidentes em vias rurais; 78% dos acidentes em vias urbanas;

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Pavimentação Asfáltica

MEMORIAL DESCRITIVO Pavimentação Asfáltica PREFEITURA MUNICIPAL DE GALVÃO ESTADO DE SANTA CATARINA MEMORIAL DESCRITIVO Pavimentação Asfáltica Rua Manoel Lustosa Martins Julho 2015 MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Execução de pavimentação asfáltica sobre

Leia mais

Kit Laboratório de Robótica Escolar 411 PLUS

Kit Laboratório de Robótica Escolar 411 PLUS CNPJ 56.233.497/0001-42 0 CNPJ 56.233.497/0001-42 1) Melhor Custo x Benefício do Mercado Brasileiro. 2) Peças e Componentes para diversos usos. 3) Manual de Referência do Software Modelix System Starter.

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA FIXAÇÃO DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS AO LONGO DAS RODOVIAS SOB A RESPONSABILIDADE DO DEINFRA

INSTRUÇÕES PARA FIXAÇÃO DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS AO LONGO DAS RODOVIAS SOB A RESPONSABILIDADE DO DEINFRA INSTRUÇÕES PARA FIXAÇÃO DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS AO LONGO DAS RODOVIAS SOB A RESPONSABILIDADE DO DEINFRA Estas instruções regulamentam e estabelecem condições para a fixação de engenhos publicitários

Leia mais

aos elementos de transmissão

aos elementos de transmissão A U A UL LA Introdução aos elementos de transmissão Introdução Um motorista viajava numa estrada e não viu a luz vermelha que, de repente, apareceu no painel. Mais alguns metros, o carro parou. O motorista,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 27/2010 Armazenamento em silos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

SITUAÇÃO FÍSICA PARA CONCESSÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS

SITUAÇÃO FÍSICA PARA CONCESSÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS SITUAÇÃO FÍSICA PARA CONCESSÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS Instruções de preenchimento: Para preenchimento desta ficha sugere-se a participação das equipes Comercial, Manutenção, TI, Meio ambiente, Operações

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA GRUAS TORRE 2 DESCRIÇÃO As gruas torre são máquinas utilizadas para elevação de cargas (por meio de um cabo), e transporte dentro de um raio

Leia mais

NOÇÕES ELEMENTARES SOBRE LOCOMOTIVAS E VIA PERMANENTE Adilson A. Andrade. Foto nº 1: Loco MX620 nº 2702 da Ferroeste

NOÇÕES ELEMENTARES SOBRE LOCOMOTIVAS E VIA PERMANENTE Adilson A. Andrade. Foto nº 1: Loco MX620 nº 2702 da Ferroeste NOÇÕES ELEMENTARES SOBRE LOCOMOTIVAS E VIA PERMANENTE Adilson A. Andrade Foto nº 1: Loco MX620 nº 2702 da Ferroeste 1 APRESENTAÇÃO O objetivo deste pequeno texto é fornecer alguma informação sobre locomotivas

Leia mais

Troca Tela Hidráulico. Banheira de Inox de 3.0 ou 5.0m. Sensor de pressão no cabeçote (1 estágio);

Troca Tela Hidráulico. Banheira de Inox de 3.0 ou 5.0m. Sensor de pressão no cabeçote (1 estágio); Extrusora LDA - SJP Extrusora LDD - SJP Extrusora LDF - SJP Extrusoras para Laboratório YD 30 SJSL 20 Extrusora de Alta Performance SJSL 63 Ventoinha de Transporte LCF - 3 a 5 Secador de Espaguete CF -

Leia mais

2 INSTRUMENTAÇÃO E SEGURANÇA DE BARRAGENS

2 INSTRUMENTAÇÃO E SEGURANÇA DE BARRAGENS 2 INSTRUMENTAÇÃO E SEGURANÇA DE BARRAGENS 2.1. Introdução O interesse crescente pela segurança de barragens tem levado, em um número apreciável de países, à implementação de normas e critérios específicos

Leia mais

Kit de Máquinas Elétricas Rotativas - XE801 -

Kit de Máquinas Elétricas Rotativas - XE801 - T e c n o l o g i a Kit de Máquinas Elétricas Rotativas - XE801 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. INTRODUÇÃO Kit de Máquinas Elétricas Rotativas -

Leia mais

DESMONTE HIDRÁULICO. Monitor hidráulico. Boletim 2-150 1 INTRODUÇÃO

DESMONTE HIDRÁULICO. Monitor hidráulico. Boletim 2-150 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A água a alta pressão e alta velocidade, proveniente de um tanque elevado ou de uma bomba centrífuga,levada contra a base de um banco por meio de um monitor, constitui o sistema de desmonte

Leia mais

Método utiliza blocos de EPS no aterro de viaduto em Jundiaí, interior de São Paulo

Método utiliza blocos de EPS no aterro de viaduto em Jundiaí, interior de São Paulo Método utiliza blocos de EPS no aterro de viaduto em Jundiaí, interior de São Paulo Em substituição ao aterro feito com terra, tecnologia está sendo executada pela Rota das Bandeiras, empresa do grupo

Leia mais

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário:

(73) Titular(es): (72) Inventor(es): (74) Mandatário: (11) Número de Publicação: PT 105304 (51) Classificação Internacional: F24D 17/00 (2006) (12) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO (22) Data de pedido: 2010.09.23 (30) Prioridade(s): (43) Data de publicação

Leia mais

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações

Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações ID-4.044 Compartilhamento de Infraestrutura de Rede de Distribuição Aérea com Redes de Telecomunicações Diretoria de Engenharia Gerência de Serviços Técnicos ELABORADO: Luiz Eduardo R. Magalhães Gerência

Leia mais

BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Eng. Carlos Alberto Alvarenga Solenerg Engenharia e Comércio Ltda. Rua dos Inconfidentes, 1075/ 502 Funcionários - CEP: 30.140-120 - Belo Horizonte -

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS Página 1 GRUPO RESPONSÁVEL PELA ELA- BORAÇÃO DO PROJETO: REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS PROJETO INSPECIONADO: DATA DA INSPEÇÃO: AUTOR DESTE CHECKLIST MARCOS LUÍS ALVES DA SILVA Sistema de instalações

Leia mais

FÓRUM DE LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO PARANAENSE. Prof. Dr. José Vicente Caixeta Filho Diretor da ESALQ/USP Coordenador do Grupo ESALQ LOG

FÓRUM DE LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO PARANAENSE. Prof. Dr. José Vicente Caixeta Filho Diretor da ESALQ/USP Coordenador do Grupo ESALQ LOG FÓRUM DE LOGÍSTICA DO AGRONEGÓCIO PARANAENSE Diretor da ESALQ/USP Coordenador do Grupo ESALQ LOG Curitiba, 21 de novembro de 2011 ESTRUTURA DESTA APRESENTAÇÃO background referencial teórico para a precificação

Leia mais

NR-19 EXPLOSIVOS (119.000-8)

NR-19 EXPLOSIVOS (119.000-8) NR-19 EXPLOSIVOS (119.000-8) 19.1 Depósito, manuseio e armazenagem de explosivos. 19.1.1 Explosivos são substâncias capazes de rapidamente se transformarem em gases, produzindo calor intenso e pressões

Leia mais

Implantação de plano de contingência no caso de perda do CCO da EFC

Implantação de plano de contingência no caso de perda do CCO da EFC ARTIGO Implantação de plano de contingência no caso de perda do CCO da EFC Cassio Miranda¹, Eggo Pinheiro¹, Francinaldo Santos¹, Joel Saraiva², Theo Laguna³ 1 Departamento de Automação e Telecomunicações,

Leia mais

(72) Inventor(es): (74) Mandatário: (54) Epígrafe: GERADOR DE ENERGIA DAS CORRENTES MARÍTIMAS E FLUVIAIS

(72) Inventor(es): (74) Mandatário: (54) Epígrafe: GERADOR DE ENERGIA DAS CORRENTES MARÍTIMAS E FLUVIAIS (11) Número de Publicação: PT 105069 A (51) Classificação Internacional: F03B 13/12 (2006.01) F03B 13/10 (2006.01) (12) FASCÍCULO DE PATENTE DE INVENÇÃO (22) Data de pedido: 2010.04.26 (30) Prioridade(s):

Leia mais