Introdução. Aeroporto de São José dos Campos Professor Urbano Ernesto Stumpf

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução. Aeroporto de São José dos Campos Professor Urbano Ernesto Stumpf"

Transcrição

1 Aeroporto de São José dos Campos Professor Urbano Ernesto Stumpf Estudo de Caso Levantamentos de FWD e para Avaliação Estrutural dos Pavimentos Introdução Necessidade de conhecer a condição estrutural da pista Homologação do PCN Projetar recuperação / adequar a novas aeronaves Dificuldades operacionais para ensaios (liberação de pista) Emprego de técnicas de ensaios não-destrutivos (NDT) FWD Falling Weight Deflectometer 1 Ground Penetrating Radar 2 Estudo de Caso Objetivo Colocar a planta Conhecer o comportamento estrutural do pavimento de um aeroporto de forma confiável empregando ensaios não destrutivos (FWD e ) de forma a minimizar as interferências e a realização de ensaios destrutivos (sondagens) 3 4

2 Procedimento (1/2) Levantamento dos dados históricos Movimento operacional no aeroporto (mix de aeronaves) Histórico do pavimento Levantamentos Não Destrutivos Reconhecimento e diagnóstico das camadas estratigráficas dos pavimentos das pistas () Determinação das bacias de deflexão sob cargas dinâmicas (FWD) 5 Procedimento (2/2) Tratamento Preliminar dos Dados Levantados Determinação da Aeronave Crítica Definição dos pontos de sondagem Execução de sondagens rotativas, atividade posteriormente complementada com furos de sondagens adicionais do tipo janela e ensaios de lab. Inspeção de campo (visual) Tratamento final de dados Cálculo dos valores de PCN das pistas 6 Sistema de Referência (1/2) Sistema de Referência (2/2) 7 8

3 Movimento Operacional Mix de Aeronaves: Aeronave Pousos Decolagens Brasília Embraer Piper Uirapuru Bandeirante Sêneca Fokker Embraer C42B Ikarus Embraer T27 Tucano Embraer Embraer Cessna T26 Xavante Embraer Aero Boero Cessna Caravan Boeing Boeing Total Levantamentos de Campo 10 Levantamentos de Campo Georradar () 11 Características Produtividade Qualidade Usos diversos Determinar vazios e umidade Localizar armadura Localizar espessura de camadas Determinar segmentos homogêneos Identificar homogeneidade e falhas Mapeamento do subsolo (jazidas, contaminação) 12

4 Funcionamento do Radar Voltagem Antena Raios Refletidos 1 Superfície Asfalto 2 Base Uma Leitura do Pulso Refletido (picos de voltagem e formato dos mesmos permitem a distinção de interfaces refletivas) 3 Sub-base Tempo (ns.) Radar (Formato de Onda) Seção Transversal do Pavimento Esquema de levantamento Conjunto de Leituras do Pulso Refletido: RADARGRAMA 15 16

5 Vantagens Precisão de dados Investigação não-destrutiva Dados contínuos Múltiplas aplicações Ampla utilização Limitações Limitação no lev. de campo chuva Possíveis interferências - ondas e ruídos Dificuldade em materiais condutivos Necessita evolução tecnológica (software) para reduzir custo das análises Levantamentos de Campo Falling Weight Deflectometer (FWD) FWD Permite a identificação do comportamento do pavimento face à solicitação dinâmica de carga, possibilitando a determinação dos parâmetros elásticos in-situ das camadas que constituem o pavimento. 19

6 FWD FWD Características do FWD: Ensaios não destrutivos Sem interferência do operador Aplicação de cargas dinâmicas Controle de cargas até 8 tf (e registro de valores) Registro de deflexões em diversos pontos (bacias) Flexibilidade no posicionamento dos geofones Possibilidade de estudar a transferência de carga Demonstração hoje a tarde!!! Sondagens Levantamentos de Campo Rotativas Sondagens Janela Levantamentos de Campo 23 24

7 Resultados - Resultados Resultados - Rodovia: Pista de Pouso e Decolagem Sentido: Cabeceira 15 - Cabeceira 33 Resultados - FWD Condição Deflectométrica ao Longo do Trecho Zona de pavimento degradado Deflexão (0,01 mm) Posição (km) 27 Eixo Esquerdo Eixo Direito Bordo Esquerdo Bordo Direito 28

8 Critérios rios de Avaliação Critérios rios de Avaliação Pavement Classification Number (PCN) Número que expressa a capacidade estrutural relativa de um pavimento de um aeródromo, em termos de uma carga de roda equivalente Critérios rios de Avaliação Critérios rios de Avaliação FWD Bacia de Deflexão Módulos de Resiliência Estrutura Típica Espessura (cm) Módulo de Elasticidade (kgf/cm 2 ) CBUQ Base Estratigrafia Sondagens Carga de Roda Simples Equivalente PCN Sub-base Subleito Parâmetros Deflexão (x10-2 mm) Mix de Aeronaves Aeronave Crítica e Op. Eq. Df 1 < 51 Df 1 -Df 4 < Df 7 < 9 32

9 Critérios rios de Avaliação Retroanálise ELMOD 5: Dados do pavimento (espessuras e materiais) Estimam-se módulos para as camadas Comparam-se valores deflectométricos reais com medidos Comparativo das Bacias de Deflexão Afastamento da carga (cm) Diagnóstico dos Pavimentos 10 Deflexão (0,01mm) Medido Calculado Deflectometria Perfil Deflectométrico Pista de Pouso e Decolagem Deflectometria Perfil Deflectométrico Pista de Pouso e Decolagem Df1 (0,01 mm) Df4-Df1 (0,01 mm) ,00 0,50 1,00 1,50 2,00 2,50 3,00 Km 0 0,00 0,50 1,00 1,50 2,00 2,50 3,00 Km Df1-Df4-4,1 tf - Eixo Direito Df1-Df4-4,1 tf - Eixo Esquerdo Df1-Df4-4,1 tf - Bordo Direito Df1-4,1 tf - Eixo Direito Df1-4,1 tf - Eixo Esquerdo Df1-4,1 tf - Bordo Direito Df1-4,1 tf - Bordo Esquerdo previsto 35 Df1-Df4-4,1 tf - Bordo Esquerdo previsto 36

10 50 Deflectometria Perfil Deflectométrico Pista de Pouso e Decolagem Deflectometria Resumo dos levantamentos deflectométricos: Df7 (0,01 mm) 30 Parâmetros Pista de Referência (x10-2 mm) Pouso Df 1 56,1 51 Df 1 -Df 4 43, Df 7 4, ,00 0,50 1,00 1,50 2,00 2,50 3,00 Km Df7-4,1 tf - Eixo Direito Df7-4,1 tf - Eixo Esquerdo Df7-4,1 tf - Bordo Direito Df7-4,1 tf - Bordo Esquerdo previsto Módulos de Resiliência Módulos de Resiliência Perfil dos Módulos de Resiliência Pista de Pouso e Decolagem Módulo de Resiliência (kgf/cm²) Módulo de Elasticidade Espessura Material (kgf/cm 2 ) (cm) Medidos Referência CBUQ Base Sub-base Subleito Posição (m) CBUQ Base Subbase Subleito 39

11 Fotos Inspeção TécnicaT Aeronave Critica 41 Aeronave Crítica: Embraer operações eq. Aeronave Peso Máximo de Decolagem Operações Anuais Espessura Embraer 1 Brasília ,78 Embraer ,49 Piper Uirapuru ,44 Embraer 110 Bandeirante ,51 Sêneca ,75 Fokker ,39 Embraer ,61 C42B Ikarus ,61 Embraer ,93 T27 Tucano ,15 Embraer ,85 Embraer ,26 Cessna ,61 T26 Xavante ,15 Embraer ,01 Aero Boero ,10 Cessna Caravan ,95 Boeing ,68 Boeing ,11 42 Cálculo do PCN Em síntese foram utilizados os seguintes parâmetros nos cálculos em questão: Aeronave crítica: Embraer 190; Resumo do PCN PCN- Anos Pista de Pouso e Decolagem Operações equivalentes anuais: 1.301; Operações por cobertura (P/C): 3,48; Horizonte: anos. PCN Posição (km) 43 Bordo Direito Bordo Esquerdo Eixo Direito Eixo Esquerdo PCN - anos 44

12 Resumo do PCN Local Pista de Pouso Táxi Paralela Inicial KM Final PCN 0 1,6 9/F/A/X/T 1,6 2,1 15/F/A/X/T 2,1 2,6 12/F/A/X/T 2,6 2,9 18/F/A/X/T 0 1,8 15/F/A/X/T 1,8 2,2 31/F/A/X/T 2,2 2,6 14/F/A/X/T 2,6 3,2 28/F/A/X/T Táxi B 0 0,15 13/F/A/X/T Táxi C 0 0,15 15/F/A/X/T Táxi D 0 0,15 19/F/A/X/T Pátio 0 0,15 17/R/A/X/T Conclusões Tipo de Pavimento: Flexível (F) ou Rígido (R); Capacidade de Suporte do Subleito: A, B, C ou D, definidos a partir do módulo de resiliência do subleito; Pressão dos Pneus: W, X, Y ou Z, de acordo com a norma 150/ do FAA; Método de Avaliação: Avaliação da aeronave (V) ou Estudo Técnico (T) Conclusões Agradecimentos Aplicabilidade do procedimento foi efetiva Quantidade de levantamentos destrutivos reduzidos Maior quantidade de dados (representatividade) Infraero ALACPA 47 48

Estudo sobre a Deformabilidade da Camada de Base da nova Pista de Pouso e Decolagem do Aeroporto de Guarulhos/SP

Estudo sobre a Deformabilidade da Camada de Base da nova Pista de Pouso e Decolagem do Aeroporto de Guarulhos/SP Estudo sobre a Deformabilidade da Camada de Base da nova Pista de Pouso e Decolagem do Aeroporto de Guarulhos/SP Ana Carolina da Cruz Reis Instituto Militar de Engenharia, Rio de Janeiro, Brasil, anakkrol@gmail.com

Leia mais

IMPORTÂNCIA DE DETALHAMENTO DE PROJETOS EM OBRAS QUE UTILIZAM MND. ESTEIO - Engenharia e Aerolevantamentos Eng. Marcos de Castro Leal

IMPORTÂNCIA DE DETALHAMENTO DE PROJETOS EM OBRAS QUE UTILIZAM MND. ESTEIO - Engenharia e Aerolevantamentos Eng. Marcos de Castro Leal IMPORTÂNCIA DE DETALHAMENTO DE PROJETOS EM OBRAS QUE UTILIZAM MND ESTEIO - Engenharia e Aerolevantamentos Eng. Marcos de Castro Leal Histórico APRESENTAÇÃO Fundada em 1969, a ESTEIO Engenharia e Aerolevantamentos

Leia mais

33 a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO FLORIANÓPOLIS/SC

33 a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO FLORIANÓPOLIS/SC 33 a REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO FLORIANÓPOLIS/SC APLICAÇÃO DE RECICLAGEM A FRIO COM ESPUMA DE ASFALTO NA RESTAURAÇÃO DA BR-29 NO TRECHO ENTRE ELDORADO DO SUL E PORTO ALEGRE Marcelo Archanjo Dama 1 Fernando

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG

AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG - SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS PROJETO EXECUTIVO DE RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS NA RODOVIA

Leia mais

16º. Encontro Técnico DER/PR A Importância da Reciclagem e das Soluções Sustentáveis em Pavimentação

16º. Encontro Técnico DER/PR A Importância da Reciclagem e das Soluções Sustentáveis em Pavimentação 16º. Encontro Técnico DER/PR A Importância da Reciclagem e das Soluções Sustentáveis em Pavimentação Profa. Dra. Liedi Bariani Bernucci Professora Titular Coordenadora do Laboratório de Tecnologia de Pavimentação

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG

AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG - SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS AUDIÊNCIA PÚBLICA RODOVIA BR-381/MG - SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO ESTADO DE MINAS GERAIS PROJETO EXECUTIVO DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS

Leia mais

Quando, no DER/RJ, decidimos investir em novas tecnologias rodoviárias, optamos pela implementação da pavimentação com

Quando, no DER/RJ, decidimos investir em novas tecnologias rodoviárias, optamos pela implementação da pavimentação com Quando, no DER/RJ, decidimos investir em novas tecnologias rodoviárias, optamos pela implementação da pavimentação com ASFALTO ADICIONADO COM GRANULADO DE BORRACHA IN SITU. Procuramos uma rodovia estadual

Leia mais

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL VIAS DE COMUNICAÇÃO. Luís de Picado Santos (picsan@civil.ist.utl.pt)

MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL VIAS DE COMUNICAÇÃO. Luís de Picado Santos (picsan@civil.ist.utl.pt) MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL VIAS DE COMUNICAÇÃO Luís de Picado Santos (picsan@civil.ist.utl.pt) Pavimentos de Infraestruturas de Transportes Dimensionamento expedito 1/14 1 Acções (tráfego)

Leia mais

CBCR 2005 BRASVIAS EXPO

CBCR 2005 BRASVIAS EXPO RECICLAGEM DE PAVIMENTOS ASFÁLTICOS A FRIO IN SITU RIO DE JANEIRO RJ SETEMBRO DE 2005 Reciclagem a Frio in situ do Revestimento Asfáltico RIO DE JANEIRO RJ SETEMBRO DE 2005 Concessionária INTERVIAS Poder

Leia mais

Pavimentos Aeroportuários Implementação e Métodos de Inspecção e Ensaio

Pavimentos Aeroportuários Implementação e Métodos de Inspecção e Ensaio Pavimentos Aeroportuários Implementação e Métodos de Inspecção e Ensaio Caracterização e Reabilitação de Pavimentos Aeroportuários APVP EDUARDO FUNG Coordenador de Projectos da COBA e Director Técnico

Leia mais

Nova Tecnologia para Reabilitação de Pisos e Pavimentos de Concreto 18ª REUNIÃO DE PAVIMENTAÇÃO URBANA RPU

Nova Tecnologia para Reabilitação de Pisos e Pavimentos de Concreto 18ª REUNIÃO DE PAVIMENTAÇÃO URBANA RPU Nova Tecnologia para Reabilitação de Pisos e Pavimentos de Concreto 18ª REUNIÃO DE PAVIMENTAÇÃO URBANA RPU Eng. José Vanderlei de Abreu Agenda 1 Patologia e suas definições 2 Ciclo de vida de uma pavimentação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS DA REDE FUNDAMENTAL DE ESTRADAS DE ANGOLA

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS DA REDE FUNDAMENTAL DE ESTRADAS DE ANGOLA REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CONSTRUÇÃO AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS DA REDE FUNDAMENTAL DE ESTRADAS DE ANGOLA AUTORIA: MANUEL J. C. MOLARES D ABRIL & TERESINHA BERNARDA GASPAR

Leia mais

V JORNADAS LUSO-BRASILEIRAS DE PAVIMENTOS: POLÍTICAS E TECNOLOGIAS

V JORNADAS LUSO-BRASILEIRAS DE PAVIMENTOS: POLÍTICAS E TECNOLOGIAS RELAÇÃO ENTRE DEFLEXÕES MEDIDAS COM VIGA BENKELMAN E FALLING WEIGHT DEFLECTOMETER: ESTUDO DE CASO DURANTE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GERÊNCIA DE PAVIMENTOS DO DER-SP Dario Ramos Coordenador de Projetos

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO Rafael Ribeiro Rocha

RELATÓRIO DE ESTÁGIO Rafael Ribeiro Rocha INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL-AERONÁUTICA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Rafael Ribeiro Rocha Fortaleza, Ceará, 10 de abril de 2009 FOLHA DE APROVAÇÃO Relatório Final de Estágio

Leia mais

ESTUDO DA EQUIVALÊNCIA OPERACIONAL ENTRE EQUIPAMENTOS DEFLECTOMÉTRICOS - ESTUDO DE CASO EM RODOVIA LOCALIZADA EM OURO BRANCO-MG

ESTUDO DA EQUIVALÊNCIA OPERACIONAL ENTRE EQUIPAMENTOS DEFLECTOMÉTRICOS - ESTUDO DE CASO EM RODOVIA LOCALIZADA EM OURO BRANCO-MG ESTUDO DA EQUIVALÊNCIA OPERACIONAL ENTRE EQUIPAMENTOS DEFLECTOMÉTRICOS - ESTUDO DE CASO EM RODOVIA LOCALIZADA EM OURO BRANCO-MG Luiz Henrique Costa Gomes Universidade Federal de Ouro Preto Cláudio Ângelo

Leia mais

Klaus Machado Theisen Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil, theisenkm@yahoo.com.br

Klaus Machado Theisen Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil, theisenkm@yahoo.com.br METODOLOGIA DE EMPREGO DE SOFTWARES DE RETROANÁLISE DE BACIAS OBTIDAS VIA FALLING WEIGHT DEFLECTOMETER (FWD) CONSIDERANDO CASOS DE CARREGAMENTO COM EIXO PADRÃO Klaus Machado Theisen Universidade Federal

Leia mais

DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE POUSO E DECOLAGEM

DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE POUSO E DECOLAGEM DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE POUSO E DECOLAGEM OACI - SEMINÁRIO INTERNACIONAL Santa Cruz de La Sierra - Bolívia 22 à 27 JUL 2002 Julio E. Velasco Ardúz Engenheiro Civil AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO

Leia mais

INSPECÇÃO E AVALIAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO

INSPECÇÃO E AVALIAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO INSPECÇÃO E AVALIAÇÃO DE ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO António Costa Instituto Superior Técnico AVALIAÇÃO DO ESTADO DA ESTRUTURA Identificação das anomalias e caracterização da segurança e do estado de deterioração

Leia mais

AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO

AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO PAINEL: MATERIAIS ALTERNATIVOS AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO ROSÂNGELA MOTTA Laboratório de Tecnologia de Pavimentação Departamento de Engenharia de Transportes

Leia mais

TABELA DE PREÇOS UNITÁRIOS PROJETOS data-base: MAIO/14

TABELA DE PREÇOS UNITÁRIOS PROJETOS data-base: MAIO/14 1- ESTUDO TRÁFEGO 1.1 16 h e cálculo nº n) - tráfego baixo 1500 un 3.093,57 1.3 24 h e cálculo nº n) - tráfego baixo

Leia mais

13/06/2014 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA INTRODUÇÃO. Introdução. Prof. Ricardo Melo

13/06/2014 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA INTRODUÇÃO. Introdução. Prof. Ricardo Melo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA Prof. Ricardo Melo

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Leonardo de Jesus Alexandre Determinação do PCN e Projeto de Reforço do Pátio Militar da Base Aérea de Salvador (BASV) Trabalho de Graduação 2008 Civil CDU 625.8 Leonardo

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. * escavação dos materiais constituintes do terreno natural até o greide de terraplenagem indicado no projeto;

MEMORIAL DESCRITIVO. * escavação dos materiais constituintes do terreno natural até o greide de terraplenagem indicado no projeto; MEMORIAL DESCRITIVO Município: Piratini/RS Local da obra: Rua 24 de Maio, Rua Princesa Isabel e Rua Rui Ramos. Área total: 12.057,36 m² 1) Introdução: O presente Memorial Descritivo tem por finalidade

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO

SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES PTR 2388 TRANSPORTE E MEIO AMBIENTE SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO 14/ABR/2016 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES RECICLAGEM

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE GUARATINGUETÁ

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE GUARATINGUETÁ unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE GUARATINGUETÁ JONAS HENRIQUE TEIXEIRA ALGUMAS METODOLOGIAS DE AVALIAÇÃO DE PAVIMENTOS DE BAIXO VOLUME DE TRÁFEGO Guaratinguetá 2012

Leia mais

Ensaios Geotécnicos Material do subleito os ensaios estão apresentados no quadro 01

Ensaios Geotécnicos Material do subleito os ensaios estão apresentados no quadro 01 PROCEDIMENTO PARA DIMENSIONAR PAVIMENTAÇÃO EM VIAS DE TRÁFEGO LEVE E MUITO LEVE DA PMSP PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO/P01 1 Introdução Apresenta-se os procedimentos das diretrizes para o dimensionamento

Leia mais

INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O

INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O PROJETO DE FUNDAÇÕES O SOLO, NUM PROBLEMA DE FUNDAÇÕES DEVE SER ACEITO TAL COMO SE APRESENTA Para um projeto de fundações bem elaborado, deve-se conhecer: -os tipos de

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS EXECUTIVOS PARA CONSTRUÇÃO DE CAMADA ESPESSA DE BASE CIMENTADA

AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS EXECUTIVOS PARA CONSTRUÇÃO DE CAMADA ESPESSA DE BASE CIMENTADA AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS EXECUTIVOS PARA CONSTRUÇÃO DE CAMADA ESPESSA DE BASE CIMENTADA Amanda Helena Marcandali da Silva José Mario Chaves arteris Ana Luisa Aranha Liedi Legi Bariani Bernucci Kamilla

Leia mais

ESTUDOS PARA APLICAÇÃO DE SMA (STONE MATRIX ASFALT) NAS OBRAS DE REFORMA E AMPLIAÇÃO DO AEROPORTO DE ARACAJU/SE.

ESTUDOS PARA APLICAÇÃO DE SMA (STONE MATRIX ASFALT) NAS OBRAS DE REFORMA E AMPLIAÇÃO DO AEROPORTO DE ARACAJU/SE. ESTUDOS PARA APLICAÇÃO DE SMA (STONE MATRIX ASFALT) NAS OBRAS DE REFORMA E AMPLIAÇÃO DO AEROPORTO DE ARACAJU/SE. Autor 1: Fábio Rangel Queiroz Ramos, Mestrando, UFOP Empresa Brasileira de Infraestrutura

Leia mais

16º ENCONTRO TÉCNICO DO DEPARTAMENTO DE ESTRADA E RODAGEM DO PARANÁ 26 DE JULHO CURITIBA - PR

16º ENCONTRO TÉCNICO DO DEPARTAMENTO DE ESTRADA E RODAGEM DO PARANÁ 26 DE JULHO CURITIBA - PR 16º ENCONTRO TÉCNICO DO DEPARTAMENTO DE ESTRADA E RODAGEM DO PARANÁ 26 DE JULHO CURITIBA - PR 1 - AVALIAÇÃO DE PAVIMENTOS 2 - PROCEDIMENTOS 3 - EQUIPAMENTO 4 - VANTAGENS 5 - VÍDEO Palestrantes: Eng. Joel

Leia mais

Engº Pery C. G. de Castro Setembro/2009 1. INTRODUÇÃO

Engº Pery C. G. de Castro Setembro/2009 1. INTRODUÇÃO Engº Pery C. G. de Castro Setembro/009. INTROUÇÃO Quando sobre um pavimento existente se coloca uma camada de concreto asfáltico, prémisturado ou macadame asfáltico, além de melhorar as condições da superfície

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA

PROJETO BÁSICO DE ENGENHARIA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE FONTOURA XAVIER SECRETARIA DO PLANEJAMENTO LOCAL: AVENIDA 25 DE ABRIL ASSUNTO: PROJETO DE CAPEAMENTO ASFÁLTICO ÁREA TOTAL: 4.935,75 m² PROJETO BÁSICO

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA ANTI-PROPAGAÇÃO DE TRINCAS NA RODOVIA-386 TRECHO TABAÍ-CANOAS

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA ANTI-PROPAGAÇÃO DE TRINCAS NA RODOVIA-386 TRECHO TABAÍ-CANOAS APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA ANTI-PROPAGAÇÃO DE TRINCAS NA RODOVIA-386 TRECHO TABAÍ-CANOAS Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Fernando Spinelli Alves AGOSTO 1997

Leia mais

CASOS PRÁTICOS DE ADEQUAÇÕES ESTRUTURAIS E FUNCIONAIS DE OAE s. Eng. Júlio Timerman

CASOS PRÁTICOS DE ADEQUAÇÕES ESTRUTURAIS E FUNCIONAIS DE OAE s. Eng. Júlio Timerman CASOS PRÁTICOS DE ADEQUAÇÕES ESTRUTURAIS E FUNCIONAIS DE OAE s Eng. Júlio Timerman Estrutura da apresentação Introdução Panorama de Concessões Rodoviárias no Estado de São Paulo Patologias Típicas em OAEs

Leia mais

RESTAURAÇÃO DO PAVIMENTO DA RODOVIA NACIONAL Nº5 E Nº7 COM UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM BUENOS AIRES ARGENTINA

RESTAURAÇÃO DO PAVIMENTO DA RODOVIA NACIONAL Nº5 E Nº7 COM UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM BUENOS AIRES ARGENTINA RESTAURAÇÃO DO PAVIMENTO DA RODOVIA NACIONAL Nº5 E Nº7 COM UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM BUENOS AIRES ARGENTINA Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Arq. Alberto Dal Farra Eng. Luiz

Leia mais

ETS-03/2013 PAVIMENTOS PERMEÁVEIS COM REVESTIMENTO ASFALTICO POROSO - CPA

ETS-03/2013 PAVIMENTOS PERMEÁVEIS COM REVESTIMENTO ASFALTICO POROSO - CPA 1. OBJETIVO O objetivo desta Especificação Técnica é a definição dos critérios de dimensionamento e execução de pavimentos permeáveis com revestimento em Concreto Asfáltico Poroso CPA (Camada Porosa de

Leia mais

Autores: Roberto Okabe (1) e Debora S. Carvalho (2)

Autores: Roberto Okabe (1) e Debora S. Carvalho (2) A UTILIZAÇÃO DO GEORADAR (GPR) COMO FERRAMENTA DE ENSAIO NÃO DESTRUTIVO (END) PARA LOCALIZAÇÃO DA MANTA DE IMPERMEABILIZAÇÃO E VERIFICAÇÃO DA ESPESSURA DO CONCRETO NUM BLOCO TESTE Autores: Roberto Okabe

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DO VALE DO IPOJUCA FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA - FAVIP CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DO VALE DO IPOJUCA FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA - FAVIP CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DO VALE DO IPOJUCA FACULDADE DO VALE DO IPOJUCA - FAVIP CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REABILITAÇÃO DE PAVIMENTO FLEXÍVEL PELOS MÉDOTOS DO DNIT (DNER PRO-11 E PRO-26) Ricardo César Gusmão

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Projeto: Capeamento asfáltico Município: Fontoura Xavier / RS

MEMORIAL DESCRITIVO. Projeto: Capeamento asfáltico Município: Fontoura Xavier / RS ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO Projeto: Capeamento asfáltico Município: Fontoura Xavier / RS Local: Rua Pedro Azelin da Silva Trecho: Entre a Rua 09 de Julho e a Rua Ernesto Ferreira Maia Área: TRECHO 01:

Leia mais

Sistema de Previsão e Simulação Hidrológica do Iguaçu em Escala Horária (SISPSHI-HOR) Homero Buba

Sistema de Previsão e Simulação Hidrológica do Iguaçu em Escala Horária (SISPSHI-HOR) Homero Buba Sistema de Previsão e Simulação Hidrológica do Iguaçu em Escala Horária (SISPSHI-HOR) Homero Buba Características do Sistema Modelo hidrológico Sacramento Modificado, implementado na forma semi-distribuída;

Leia mais

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/102/imprime31630.asp Foto 1 - Pavimento de asfalto deteriorado

http://www.revistatechne.com.br/engenharia-civil/102/imprime31630.asp Foto 1 - Pavimento de asfalto deteriorado 1 de 6 01/11/2010 22:15 Como Construir Whitetopping Foto 1 - Pavimento de asfalto deteriorado Owhitetopping é uma técnica de recuperação de pavimentos asfálticos deteriorados (foto 1). A superfície recebe

Leia mais

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento. Camadas do pavimento

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento. Camadas do pavimento Universidade Federal da Paraíba Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Laboratório de Geotecnia e Pavimentação ESTUDOS GEOTÉCNICOS Prof. Dr. Ricardo Melo PAVIMENTO Estrutura construída após

Leia mais

ESTUDO DE CASO 3 AEROPORT AEROPOR O DE T GUARULHOS

ESTUDO DE CASO 3 AEROPORT AEROPOR O DE T GUARULHOS ESTUDO DE CASO 3 AEROPORTO DE GUARULHOS Objetivos Apresentar a resolução de exercícios propostos aplicando os conhecimentos relacionados com o objetivo de expressar valores numéricos à capacidade de pista

Leia mais

V JORNADAS LUSO-BRASILEIRAS DE PAVIMENTOS: POLÍTICAS E TECNOLOGIAS

V JORNADAS LUSO-BRASILEIRAS DE PAVIMENTOS: POLÍTICAS E TECNOLOGIAS Isaac Eduardo Pinto MONITORAMENTO DA RECICLAGEM COM ESPUMA DE ASFALTO NA RODOVIA BA-535, CAMAÇARI - BAHIA Engenheiro Civil, Mestre em Engenharia Civil em Infra-estrutura de Engenharia de Transportes -

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P02 PREPARO DO SUBLEITO DO PAVIMENTO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. TERRAPLENAGEM... 3 4. COMPACTAÇÃO

Leia mais

UTILIZAÇÃO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA ANTI-REFLEXÃO DE TRINCAS NO RECAPEAMENTO DA RODOVIA BR-040 NOVA LIMA MG

UTILIZAÇÃO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA ANTI-REFLEXÃO DE TRINCAS NO RECAPEAMENTO DA RODOVIA BR-040 NOVA LIMA MG UTILIZAÇÃO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA ANTI-REFLEXÃO DE TRINCAS NO RECAPEAMENTO DA RODOVIA BR-040 NOVA LIMA MG Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Distribuidor: Bimig Comércio e Representação

Leia mais

RECICLAGEM DE PAVIMENTO COM ESPUMA DE ASFALTO

RECICLAGEM DE PAVIMENTO COM ESPUMA DE ASFALTO RECICLAGEM DE PAVIMENTO COM ESPUMA DE ASFALTO Conteúdo Obra de Referência Objetivo Fresagem / Reciclagem O Processo A Execução Consumo de Materiais e Produção Estratégia de Abastecimento da Obra. Conteúdo

Leia mais

TIAGO BOTELHO Rev. Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo. Especialidades: Autores do Documento: CREA UF Matrícula Aprovo

TIAGO BOTELHO Rev. Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo. Especialidades: Autores do Documento: CREA UF Matrícula Aprovo 00 EMISSÃO INICIAL MAIO / 2012 TIAGO BOTELHO Rev. Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo Especialidades: Autores do Documento: CREA UF Matrícula Aprovo 1 - Infraestrutura Tiago Cardoso Botelho 48.541

Leia mais

BR-290/BR-116/RS Ponte sobre o Rio Guaíba Pista Dupla com 3 Faixas Porto Alegre, Eldorado do Sul

BR-290/BR-116/RS Ponte sobre o Rio Guaíba Pista Dupla com 3 Faixas Porto Alegre, Eldorado do Sul CARACTERIZAÇÃO DE SOLOS MOLES DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE E SUAS MELHORIAS COM ADIÇÃO DE CAL V WORKSHOP DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO NAS CONCESSÕES Apresentação Lélio A. T. Brito, MSc., CONCEPA

Leia mais

GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS

GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS Pavimento x outras obras civis Edifícios: Área de terreno pequena, investimento por m 2 grande FS à ruptura grande Clima interfere muito pouco no comportamento estrutural

Leia mais

Avaliação de um Modelo de Desempenho de Pavimentos em Rodovia da Região Oeste do Paraná

Avaliação de um Modelo de Desempenho de Pavimentos em Rodovia da Região Oeste do Paraná Avaliação de um Modelo de Desempenho de Pavimentos em Rodovia da Região Oeste do Paraná Heliana Barbosa Fontenele (FAG Faculdade Assis Gurgacz) E-mail: heliana@fag.edu.br Leandro Martins Kalinoski (CCL

Leia mais

Ensaios para Avaliação das Estruturas

Ensaios para Avaliação das Estruturas ENSAIOS PARA INSPEÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO Prof. Eliana Barreto Monteiro Ensaios para Avaliação das Estruturas Inspeção visual Ensaios não destrutivos Ensaios destrutivos Ensaios para Avaliação das

Leia mais

Pavimentação - base de macadame hidráulico

Pavimentação - base de macadame hidráulico MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 Centro Rodoviário, Parada de Lucas Rio de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NA RESTAURAÇÃO DO PAVIMENTO DA AVENIDA PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS BELO HORIZONTE MG

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NA RESTAURAÇÃO DO PAVIMENTO DA AVENIDA PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS BELO HORIZONTE MG UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NA RESTAURAÇÃO DO PAVIMENTO DA AVENIDA PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS BELO HORIZONTE MG Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Leonardo de Carvalho Thimotti

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P10 BASE DE SOLO CIMENTO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...4 2. DESCRIÇÃO...4 3. MATERIAIS...5 3.1 CIMENTO...5 3.2 SOLO...5 3.3 ÁGUA...6

Leia mais

Prof. Engº Pery C. G. de Castro. Revisado em outubro de 2009 PARTE - I INTRODUÇÃO

Prof. Engº Pery C. G. de Castro. Revisado em outubro de 2009 PARTE - I INTRODUÇÃO Prof. Engº Pery C. G. de Castro Revisado em outubro de 2009 PARTE - I INTRODUÇÃO 1 CONCEITO DE RECICLAGEM DE PAVIMENTOS É um processo que visa a melhorar as características de rolamento e a estrutura do

Leia mais

6200 Métodos geofísicos

6200 Métodos geofísicos 6200 Métodos geofísicos 1 Geofísica aplicada à detecção da contaminação do solo e das águas subterrâneas Os métodos geofísicos são técnicas indiretas de investigação das estruturas de subsuperfície através

Leia mais

Dissertação de Mestrado APLICAÇÃO DE SMA (STONE MATRIX ASPHALT) EM PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS - ESTUDO DE CASO: AEROPORTO DE ARACAJU-SE.

Dissertação de Mestrado APLICAÇÃO DE SMA (STONE MATRIX ASPHALT) EM PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS - ESTUDO DE CASO: AEROPORTO DE ARACAJU-SE. Dissertação de Mestrado APLICAÇÃO DE SMA (STONE MATRIX ASPHALT) EM PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS - ESTUDO DE CASO: AEROPORTO DE ARACAJU-SE. AUTOR: FÁBIO RANGEL QUEIROZ RAMOS ORIENTADOR: Prof. Dr. Antonio Carlos

Leia mais

Reabilitação de subestruturas de vias férreas. Eduardo Fortunato

Reabilitação de subestruturas de vias férreas. Eduardo Fortunato Reabilitação de subestruturas de vias férreas. Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) Modernização de Linhas Férreas Análises técnicas e

Leia mais

Fiscalização da Qualidade dos Serviços Prestados pela Concessionária do Pólo de Vacaria (Contrato 18/2013- AGERGS Pavesys).

Fiscalização da Qualidade dos Serviços Prestados pela Concessionária do Pólo de Vacaria (Contrato 18/2013- AGERGS Pavesys). Fiscalização da Qualidade dos Serviços Prestados pela Concessionária do Pólo de Vacaria (Contrato 18/2013- AGERGS Pavesys). Relatório Mensal nº 01 Março 2014 PAVESYS ENGENHARIA 1 ÍNDICE 1. Introdução...

Leia mais

Plano Diretor e Geral do Aeroporto e Requisitos para Aprovação do Projeto

Plano Diretor e Geral do Aeroporto e Requisitos para Aprovação do Projeto Plano Diretor e Geral do Aeroporto e Requisitos para Aprovação do Projeto Definições: Acostamento: faixa lateral nas pistas ou pátios com revestimento tal que evite a ingestão pelas turbinas de materiais

Leia mais

O número N pode ser calculado pela seguinte expressão:

O número N pode ser calculado pela seguinte expressão: O CÁLCULO DO NÚMERO N Um dos fatores que influem no dimensionamento dos pavimentos flexíveis é o trafego que solicitará determinada via durante sua vida útil de serviço. As cargas que solicitam a estrutura

Leia mais

MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL

MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL Este manual tem como objetivo guiar os operadores dos aeródromos participantes do projeto piloto de indicadores

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 32 2 Revisão Bibliográfica A revisão bibliográfica do presente trabalho abrange vários tópicos tendo em vista que a pesquisa envolveu assuntos diversos, materiais distintos, equipamentos e instrumentações

Leia mais

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental INVESTIGAÇÃO GEOTÉCNICA DE ESPESSURA DE PAVIMENTO FLEXÍVEL COM GPR NO CÂMPUS DA UEG-CCET-GO Ediana Carvalho da Silveira 1 ; Antônio Lázaro

Leia mais

JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO

JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO Introdução JUNTAS EM PISOS INDUSTRIAIS DE CONCRETO Há, na literatura técnica, uma grande lacuna no que se refere ao projeto de juntas. Com o objetivo de reduzir esta deficiência, este trabalho apresenta

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA AUTOMATIZADO PARA INSPEÇÃO ULTRA-SÔNICA EM CASCO DE NAVIO Antonio A. de Carvalho, Raphael C. S. B. Suita, Ivan C. da Silva, João M. A. Rebello Universidade Federal do Rio

Leia mais

INFLUÊNCIA DA FORÇA DE ENSAIO NA AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DE PAVIMENTOS POR MÉTODOS NÃO DESTRUTIVOS.

INFLUÊNCIA DA FORÇA DE ENSAIO NA AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DE PAVIMENTOS POR MÉTODOS NÃO DESTRUTIVOS. INFLUÊNCIA DA FORÇA DE ENSAIO NA AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DE PAVIMENTOS POR MÉTODOS NÃO DESTRUTIVOS. Ana Machado 1, Simona Fontul 2 e Ana Cristina Freire 3 1 Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade

Leia mais

43ª RAPv REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO

43ª RAPv REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO 43ª RAPv REUNIÃO ANUAL DE PAVIMENTAÇÃO E 17º ENACOR ENCONTRO NACIONAL DE CONSERVAÇÃO RODOVIÁRIA Maceió, AL 29 de julho a 1º de agosto de 2014 ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ADERÊNCIA DA PISTA DE POUSO E DECOLAGEM

Leia mais

1. Estudos Preliminares

1. Estudos Preliminares BRT - CORREDORES CAMPO GRANDE, OURO VERDE E PERIMETRAL ANEXO II.C - PLANILHA DE QUANTITATIVO Item Código/Fonte Descrição Unid. Form. Escalas Quant 1. Estudos Preliminares 1.1 Corredor Campo Grande 1.1.1

Leia mais

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE ROCHAS - ESPECIFICAÇÕES GERAIS

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE ROCHAS - ESPECIFICAÇÕES GERAIS PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE - ESPECIFICAÇÕES GERAIS Revisão n.º 1 2 3 4 5 7 Data 18/03/11 Responsável Heber 1/14 INDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ELEMENTOS

Leia mais

Figura 2.1 Localização de uma APU em aeronave e seu sistema pneumático

Figura 2.1 Localização de uma APU em aeronave e seu sistema pneumático 1 Capítulo 2 - Seleção do local para a APU Os passos que devem ser dados desde a concepção de uma aeronave são: 1) No Planejamento: Admitir que a seleção e a instalação da APU são tão importantes quanto

Leia mais

APLICAÇÃO DE GEO-RADAR EM INVESTIGAÇÃO DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS: ESTUDO DE CASOS EM ESTRUTURAÇÃO ESTRATIGRÁFICA E EM DEGRADAÇÃO

APLICAÇÃO DE GEO-RADAR EM INVESTIGAÇÃO DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS: ESTUDO DE CASOS EM ESTRUTURAÇÃO ESTRATIGRÁFICA E EM DEGRADAÇÃO APLICAÇÃO DE GEO-RADAR EM INVESTIGAÇÃO DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS: ESTUDO DE CASOS EM ESTRUTURAÇÃO ESTRATIGRÁFICA E EM DEGRADAÇÃO Adelir J. Strieder LPM Departamento de Engenharia de Minas PPGEM EE UFRGS

Leia mais

Dimensionamento do Número Mínimo de Furos de uma Campanha de Sondagem

Dimensionamento do Número Mínimo de Furos de uma Campanha de Sondagem Dimensionamento do Número Mínimo de Furos de uma Campanha de Sondagem Nós reconhecemos o perfil do seu terreno. A Versal Engenharia e Consultoria Ltda., através de sua Divisão Geotécnica (DG), oferece

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SORRISO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SORRISO Responsável Técnico: CREA/RNP 121120804-4 Unidade Total da Preço da Direto (%) 1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES R$ 16.364,43 74209/001 1.1 Placa de obra em chapa de aço galvanizado m2 12,50 R$ 389,02 24,11% R$

Leia mais

ITEM DESCRIÇÃO UNID. QUANT.

ITEM DESCRIÇÃO UNID. QUANT. I - SERVIÇOS PRELIMINARES SP (LOTES 1 A 9) ETE 1 (CY. 06 / 000.92 / 2369 / 00) PLANO DE DOCUMENTAÇÃO GERAL NAS ETAPAS DE ESTUDO 1 PRELIMINAR EP, PROJETO BÁSICO PB E PROJETO EXECUTIVO PE 1.1 Plano de Documentação

Leia mais

Critérios de Avaliação Fabril. Artefatos de Concreto para uso no SEP (Sistema Elétrico de Potência)

Critérios de Avaliação Fabril. Artefatos de Concreto para uso no SEP (Sistema Elétrico de Potência) Critérios de Avaliação Fabril Artefatos de Concreto para uso no SEP (Sistema Elétrico de Potência) O presente subitem tem como objetivo orientar fabricantes de artefatos de concreto para redes de distribuição

Leia mais

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA ENTECA 2003 303 ANÁLISE DE DESEMPENHO DE TIJOLO DE SOLO CIMENTO PARA HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL CONSIDERANDO-SE AS PRINCIPAIS PROPRIEDADES REQUERIDAS PARA O TIJOLO E O PROCESSO DE PRODUÇÃO EMPREGADO.

Leia mais

DAS PISTAS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS, BRASIL OBJETIVOS ROTEIRO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS

DAS PISTAS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS, BRASIL OBJETIVOS ROTEIRO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS MANUTENÇÃO DE PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS DAS PISTAS DO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS, BRASIL AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO/GUARULHOS VI SEMINÁRIO ALACPA DE PAVIMENTOS AEROPORTUÁRIOS

Leia mais

Curso de Tecnologia de Pavimentos de Concreto. Módulo 2 Projeto e Dimensionamento dos Pavimentos

Curso de Tecnologia de Pavimentos de Concreto. Módulo 2 Projeto e Dimensionamento dos Pavimentos Curso de Tecnologia de Pavimentos de Concreto Módulo 2 Projeto e Dimensionamento dos Pavimentos Fundamento da mecânica dos pavimentos e da ciência dos pavimentos rígidos Projetar uma estrutura que dê conforto,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q.

MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q. MEMORIAL DESCRITIVO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA C.B.U.Q. Inter.: PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CATANDUVA. 1. PESQUISA: Os logradouros contemplados com a pavimentação asfáltica deverão ser objeto de análise

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

PRÉ MISTURADOS. À FRIO (P.M.Fs) 15/06/02 Departamento Técnico

PRÉ MISTURADOS. À FRIO (P.M.Fs) 15/06/02 Departamento Técnico PRÉ MISTURADOS À FRIO (P.M.Fs) 15/06/02 Departamento Técnico Conteúdo Definição Usos Características da técnica Materiais: ligantes asfálticos/agregados Tipos de PMF s Composição da mistura Faixas granulométricas:

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO N 04/2008 ANÁLISE DA AÇÃO DE ALTAS TEMPERATURAS EM PAINEL EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS VAZADOS

RELATÓRIO TÉCNICO N 04/2008 ANÁLISE DA AÇÃO DE ALTAS TEMPERATURAS EM PAINEL EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS VAZADOS RELATÓRIO TÉCNICO N 04/2008 ANÁLISE DA AÇÃO DE ALTAS TEMPERATURAS EM PAINEL EM ALVENARIA DE BLOCOS CERÂMICOS VAZADOS - Pauluzzi Produtos Cerâmicos LTDA - Porto Alegre - Fevereiro de 2008. RELATÓRIO TÉCNICO

Leia mais

DNIT. Pavimentos flexíveis Base de solo melhorado com cimento - Especificação de serviço /2009 NORMA DNIT - ES

DNIT. Pavimentos flexíveis Base de solo melhorado com cimento - Especificação de serviço /2009 NORMA DNIT - ES DNIT /2009 NORMA DNIT - ES Pavimentos flexíveis Base de solo melhorado com cimento - Especificação de serviço MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA

Leia mais

UtilityScan TM. Sistema GPR de Localização e Mapeamento de Tubulações e Cabos Subterrâneos. Escolha de Alvos. Extrema Mobilidade.

UtilityScan TM. Sistema GPR de Localização e Mapeamento de Tubulações e Cabos Subterrâneos. Escolha de Alvos. Extrema Mobilidade. UtilityScan TM Sistema GPR de Localização e Mapeamento de Tubulações e Cabos Subterrâneos O UtilityScan é o padrão da indústria de radar de penetração no solo, no tocante à localização de cabos e tubos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM SISTEMA DE DRENAGEM PROFUNDA NA RODOVIA BR116 TRECHO ALÉM PARAÍBA-TERESÓPOLIS RJ

UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM SISTEMA DE DRENAGEM PROFUNDA NA RODOVIA BR116 TRECHO ALÉM PARAÍBA-TERESÓPOLIS RJ UTILIZAÇÃO DE GEOTÊXTIL BIDIM EM SISTEMA DE DRENAGEM PROFUNDA NA RODOVIA BR116 TRECHO ALÉM PARAÍBA-TERESÓPOLIS RJ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Distribuidor: Geomaks Comércio de Geossintéticos

Leia mais

Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação

Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação Mariana Santos de Siqueira Departamento de Engenharia Civil, Universidade de Pernambuco,

Leia mais

PAVIMENTAÇÃO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PADRONIZADOS...

PAVIMENTAÇÃO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PADRONIZADOS... 1/25 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 11 RETIRADA DE PAVIMENTOS, GUIAS E SARJETAS... 2 12 EXECUÇÃO DE PAVIMENTOS, GUIAS E SARJETAS... 3 13 RECOMPOSIÇÃO DE

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PARA ESTUDOS E PROJETOS CREMA

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PARA ESTUDOS E PROJETOS CREMA DEPARTAMENTO AUTÔNOMO DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE GESTÃO E PROJETOS INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PARA ESTUDOS E PROJETOS CREMA DIRETORIA DE GESTÃO E PROJETOS NOVEMBRO/2013 1/63 GOVERNADOR DO ESTADO TARSO

Leia mais

02 REVISÃO 26.06.2013 Eng. Bruno Moreno Campos

02 REVISÃO 26.06.2013 Eng. Bruno Moreno Campos 02 REVISÃO 26.06.2013 Eng. Bruno Moreno Campos 01 REVISÃO 10.06.2009 Eng. Rommel / 26600/D-MG 00 EMISSÃO INICIAL, ATUALIZAÇÕES E SUBST.: GE.01/435.75/00894/02 21.08.2008 Eng. Rommel / 26600/D-MG Rev. Modificação

Leia mais

ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA

ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA 1 ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BOA VISTA PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA URBANA LOCALIZAÇÃO: Avenida Jacob Wagner Sobrinho NOVA BOA VISTA / RS JUNHO DE 2013 1 2 1.0 INTRODUÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO

CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO ROTAER 2-1 CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO 2-1 Utilização de Aeródromos a. Nenhum aeródromo civil poderá ser utilizado por aeronaves civis se não estiver devidamente registrado ou homologado e, ainda, divulgado

Leia mais

Análise de Percolação em Barragem de Terra Utilizando o Programa SEEP/W

Análise de Percolação em Barragem de Terra Utilizando o Programa SEEP/W Análise de Percolação em Barragem de Terra Utilizando o Programa SEEP/W José Waldomiro Jiménez Rojas, Anderson Fonini. Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Estudo da. de Reflexão em. Semi-rígidos

Estudo da. de Reflexão em. Semi-rígidos INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Rafael Ribeiro Rocha Estudo da Prevenção de Trincas de Reflexão em Pavimentos Semi-rígidos Trabalho de Gradua ação 2009 Civil CDU 625.8:656.71 Rafael Ribeiro Rocha

Leia mais

0 JAN/2013 - - - - 3 - O PONTO CHAVE INDICA A AMARRAÇÃO AOS DETALHES APRESENTADOS PARA " DESCIDAS D AGUA". 1 - DIMENSÕES EM cm.d

0 JAN/2013 - - - - 3 - O PONTO CHAVE INDICA A AMARRAÇÃO AOS DETALHES APRESENTADOS PARA  DESCIDAS D AGUA. 1 - DIMENSÕES EM cm.d 1 - DIMENSÕES EM cm.d 2 - AJUSTAR NA OBRA A ZONA DE CONTATO DA ENTRADA COM A DESCIDA D ÁGUA TIPO RÁPIDO EM MEIO - CANA DE CONCRETO OU CALHA METÁLICA 3 - O PONTO CHAVE INDICA A AMARRAÇÃO AOS DETALHES APRESENTADOS

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA MEMORIAL DESCRITIVO É OBRIGATÓRIO A EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE CONTROLE TECNOLÓGICO DAS OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA, SENDO INDISPENSÁVEL À APRESENTAÇÃO DO LAUDO TÉCNICO DE CONTROLE TECNOLÓGICO E DOS RESULTADOS

Leia mais

PREMISSAS DE PROJETO E DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS URBANOS DE CONCRETO ENGº MARCOS DUTRA DE CARVALHO

PREMISSAS DE PROJETO E DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS URBANOS DE CONCRETO ENGº MARCOS DUTRA DE CARVALHO Pavimentos de Concreto nas Cidades: A solução para as vias de tráfego intenso, em especial os corredores de ônibus PREMISSAS DE PROJETO E DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS URBANOS DE CONCRETO ENGº MARCOS DUTRA

Leia mais

ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL)

ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL) ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL) 1. RELATÓRIO DE SONDAGEM 1.1 Objetivos O presente relatório tem por objetivo descrever os critérios e procedimentos adotados na execução dos serviços de sondagem geotécnica

Leia mais