Simulador Virtual para Treinamento em Visão de Máquina com LabVIEW

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Simulador Virtual para Treinamento em Visão de Máquina com LabVIEW"

Transcrição

1 Simulador Virtual para Treinamento em Visão de Máquina com LabVIEW "Esse ambiente pode ser usado para simular e explorar as possibilidades e alcances de uma solução empregando visão de máquina, testar a idéia e imediatamente implementar um protótipo físico, economizando tempo de desenvolvimento. " - Professor João E. Kogler Jr, Laboratório de Imagens, Visão e Estruturas Espaciais da Faculdade SENAC de Ciências Exatas e Tecnologia O desafio: Prover treinamento eficaz e eficiente para engenheiros da indústria aerospacial capacitando-os a desenvolverem aplicações de visão de máquina. Os participantes do curso têm formações técnicas distintas e diferentes habilidades não dispõem de conhecimento prévio sobre visão de máquina, não usam uma linguagem de programação comum a todos e têm diferentes habilidades em programação. A solução: Desenvolver um ambiente interativo de ensino baseado em produtos da National Instruments integrando através do LabVIEW um modelo de realidade virtual em Java3D e um sistema de álgebra computacional proporcionando simulação realística, rapidez na prototipagem e teste de propostas de solução de problemas com visão de máquina. O ambiente permite explorar a geometria, a ótica, a aquisição de dados e a lógica de programação em um nível de detalhe que pode ser selecionado de acordo com as necessidades. Autor(es): Professor João E. Kogler Jr - Laboratório de Imagens, Visão e Estruturas Espaciais da Faculdade SENAC de Ciências Exatas e Tecnologia Eng Fabio R. Miranda - Laboratório de Imagens, Visão e Estruturas Espaciais da Faculdade SENAC de Ciências Exatas e Tecnologia 1/26

2 2/26

3 3/26

4 4/26

5 5/26

6 6/26

7 7/26

8 8/26

9 9/26

10 10/26

11 11/26

12 12/26

13 13/26

14 14/26

15 15/26

16 16/26

17 17/26

18 18/26

19 19/26

20 20/26

21 21/26

22 22/26

23 Resumo Desenvolvemos um ambiente de ensino de visão de máquina compreendendo três partes: (i) um modelo de mundo tri-dimensional virtual acoplado a (ii) uma bancada de testes experimental com instrumentos reais e (iii) um sistema de álgebra computacional. O estudante pode simular diversos aspectos de uma aplicação que emprega visão de máquina prototipando suas idéias no mundo virtual, no qual ele pode posicionar iluminação e câmeras virtuais, capturar imagens teste com essas câmeras e processá-las com LabVIEW. Os elementos desse cenário virtual também podem ter seus parâmetros ajustados através do LabVIEW. O sistema de álgebra computacional ajuda o aluno a explorar aspectos da matemática envolvida na aplicação e se encontra também integrado ao LabVIEW. A bancada de testes experimental, baseada em um controlador PXI da National Instruments, permitirá ao aluno desenvolver um protótipo tal qual simulado virtualmente e testar prontamente toda a lógica controlada via LabVIEW. Requisitos Técnicas de visão de máquina podem ser aplicadas ao controle dimensional de manufatura de peças e componentes e à montagem do produto. Os problemas nesse domínio de aplicação envolvem o uso de informação tri-dimensional que em grande parte encontra-se geometricamente modelada a priori tanto para as peças individuais quanto para os conjuntos montados. Entretanto, alguns aspectos da montagem devem ser decididos e ajustados durante o processo de fabricação e em muitas situações existem uma grande dependência do uso de gabaritos manufaturados. Aplicar visão de máquina para automatizar esses procedimentos requer um entendimento profundo de modelagem geométrica e de análise de imagens, de modo a realizar o registro das imagens (bidimensionais) com o modelo de CAD (tri-dimensional) e realizar medidas que guiarão os processos de montagem. Uma empresa atuando na indústria aeroespacial vendo-se diante da necessidade de aplicar técnicas de visão de máquina para resolver uma série de problemas e desafios apresentados durante a montagem de aeronaves optou por treinar engenheiros sênior no desenvolvimento dessas aplicações. Após o processo de treinamento eles deveriam ser capazes de detectar e modelar geometricamente os problemas, selecionar câmeras, iluminação e parte óticas, desenvolver algoritmicamente a solução, implementá-la e testá-la. O IMAQ Vision da National Instruments é a opção mais adequada para prototipação e implementação da solução, graças à facilidade com que pode ser usado e ao seu excelente desempenho e eficiência. Entretanto, um conhecimento adequado de teoria de visão de máquina e processamento de imagens é necessário para se desenvolver aplicações sofisticadas como essas e os engenheiros da empresa deveriam ser capacitados nessa área. Nós, do Laboratório de Imagens, Visão e Estruturas Espaciais, da Faculdade SENAC, ofereceremos à empresa alguns cursos cobrindo os seguintes tópicos: Técnicas experimentais de imageamento Visão de Máquina tri-dimensional baseada em modelos Metodologias de processamento de imagens Análise de imagens e formas Análise visual de movimentos Para alcançar os requisitos desse programa em um tempo solicitado de em torno de 300 horas de curso, desenvolvemos um ambiente de ensino e treinamento muito eficiente empregando LabVIEW e componentes NI-IMAQ, PXI e NI-Motion Control. Atendendo aos requisitos Montou-se uma sala de aulas dotada de um laboratório com computadores executando LabVIEW 6i, IMAQ Vision, Java com Biblioteca Java3D e MathCAD 2000 Professional. Esse conjunto de aplicações de software foi integrado através do LabVIEW empregando mecanismos de comunicação entre componentes baseado em ActiveX. As atividades de treinamento em laboratório envolvem a construção de modelos geométricos 3D em um ambiente virtual simulando as situações reais encontradas na fábrica, utilizando um simulador / modelador implementado com Java3D, constituído dos seguintes componentes: (i) modelos 3D de objetos importados a partir de arquivos em VRML, (ii) câmeras virtuais e (iii) iluminação virtual. A aplicação em Java é controlada a partir do LabVIEW empregando ActiveX e sua interação com o modelo imita a situação que será implementada na bancada de testes real com câmeras e iluminação físicos, cujos parâmetros são ajustados a partir do LabVIEW. As câmeras virtuais são usadas para capturar imagens da situação simulada com o modelo virtual imitando a situação real com câmeras reais. As imagens obtidas virtualmente são transferidas a um instrumento virtual em LabVIEW e nele são processadas, extraindo-se então as informações necessárias para auxiliar o processo de montagem da aeronave. Esse simulador virtual permite que os alunos treinem confortavelmente com uma situação idêntica à real, com baixo custo e livre de acidentes, promovendo uma prototipagem rápida e eficiente da solução antes de construir o sistema real de imageamento. Por exemplo, um estudante poderia construir um objeto virtual, animá-lo de movimento seguindo uma trajetória préscrita e rastreá-lo com uma câmera virtual, estimando parâmetros e variáveis do movimento tal qual seria feito na situação real, com a vantagem de que como ele conhece as características prescritas do movimento, o aluno pode testar a exatidão de sua solução. Todos os procedimentos, desde a geração da trajetória prescrita, o controle da câmera virtual e o processo de filtragem adaptativa são realizados via LabVIEW. Além do simulador virtual, o laboratório provê uma bancada de testes flexível onde são empregadas câmeras e iluminação reais colocadas em torno de um modelo físico para testar a solução anteriormente simulada em uma situação real. As câmeras, iluminação e objetos são movimentados por motores controlados através de um sistema de controle de movimento PXI, da National Instruments. O controlador PXI comunica-se com os computadores do professor e dos estudantes através de uma rede local, permitindo que o software de controle desenvolvido com o simulador virtual possa agora controlar o protótipo físico. Todos os movimentos e situações simulados virtualmente poderão agora ser avaliados fisicamente através dessa bancada. Os estudantes podem ter acesso aos dados da aplicação rodando no controlador PXI exportados através de data sockets pelo LabVIEW. Essa estrutura, mostrada esquematicamente na Figura 1, está presentemente sendo construída. Para testar sua viabilidade e eficácia quanto ao processamento das imagens, utilizamos correntemente um computador com uma placa de aquisição de imagens coloridas PCI-1411 da National Instruments, no lugar do sistema PXI. Para possibilitar ao professor e aos alunos a exploração didática dos detalhes da matemática envolvida na modelagem e controle do processo, provemos um sistema de álgebra computacional utilizando o produto MathCAD, que permite que as expressões matemáticas e procedimentos sejam manipulados em uma forma idêntica à de um livro texto de matemática. As expressões são interativas e suas variáveis e parâmetros podem ser modificados pelo instrumento virtual em LabVIEW através de uma conexão via ActiveX. A Figura 2 mostra a conexão entre essas aplicações, integradas pelo LabVIEW utilizando ActiveX. A Figura 3 mostra um exemplo do instrumento virtual controlando o movimento da câmera. Com esse VI pode-se obter uma imagem instantânea da cena e processá-la via LabVIEW. Suponha-se que no meio desse processamento alguém deseje examinar e explorar detalhes matemáticos de algum operador atuando sobre a imagem, digamos, uma filtragem por convolução com um dado núcleo. O professor poderá então executar um by-pass do módulo IMAQ que executa a convolução, desviando os dados para a aplicação de álgebra computacional e nela simular todos os passos matemáticos e procedimentos da convolução, enviando a seguir os resultados desse processo de volta ao LabVIEW, como mostrado na Figura 4. Note-se que esse procedimento é feito apenas com objetivos didáticos, uma vez que o módulo IMAQ do LabVIEW apresenta desempenho superior ao MathCAD ao executar a aplicação real. Conclusão A utilidade e eficácia dessa abordagem estão em prover uma forma eficiente e de grande relação custo-benefício para ensinar e aprender técnicas avançadas de visão de máquina e análise de imagens. Esse ambiente pode ser usado para simular e explorar as possibilidades e alcances de uma solução empregando visão de máquina, testar a idéia e imediatamente implementar um protótipo físico, economizando tempo de desenvolvimento. Author Information: Professor João Kogler Jr Laboratório de Imagens, Visão e Estruturas Espaciais da Faculdade SENAC de Ciências Exatas e Tecnologia Brazil Informações do autor: Professor JoãoE. Kogler Jr Laboratório de Imagens, Visão e Estruturas Espaciais da Faculdade SENAC de Ciências Exatas e Tecnologia Brasil 23/26

24 Diagrama da bancada para testar fisicamente a solução Componentes do simulador e sua conexão com a aplicação real na bancada. A inteface do simulador. A janela de Java3D à esquerda da janela do painel do vi do LabVIEW é um viewport de um mundo virtual tri-dimensonal simulado. 24/26

25 O componente de álgebra computacional. Interface do componente Java3D acoplado ao vi em LabVIEW. A Informações legais Esse estudo de caso (esse "estudo de caso") foi desenvolvido por um cliente da National Instruments ("NI"). ESSE ESTUDO DE CASO É FORNECIDO "COMO ESTÁ", SEM GARANTIAS DE QUALQUER NATUREZA E SUJEITO A DETERMINADAS RESTRIÇÕES, COMO ESTABELECIDO DE FORMA MAIS ESPECÍFICA NOS TERMOS DE USO DA NI.COM ( (http://ni.com/legal/termsofuse/unitedstates/us/)). 25/26

26 26/26

Reconhecimento de imagem com uso de veículo autônomo. 1/5 www.ni.com

Reconhecimento de imagem com uso de veículo autônomo. 1/5 www.ni.com Reconhecimento de imagem com uso de veículo autônomo "Este artigo aborda o desenvolvimento de um veículo autônomo, que utiliza o reconhecimento de imagens para se locomover até um determinado objeto, identificado

Leia mais

Engenharia de Software. Tema 1. Introdução à Engenharia de Software Profa. Susana M. Iglesias

Engenharia de Software. Tema 1. Introdução à Engenharia de Software Profa. Susana M. Iglesias Engenharia de Software Tema 1. Introdução à Engenharia de Software Profa. Susana M. Iglesias Sistemas Computacionais Automatiza ou apóia a realização de atividades humanas (processamento da informação)

Leia mais

Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios

Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios Empresas e outras organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus

Leia mais

Sensor de Imagem Química para Detecção e Análise de Gases. 1/5 www.ni.com

Sensor de Imagem Química para Detecção e Análise de Gases. 1/5 www.ni.com Sensor de Imagem Química para Detecção e Análise de Gases "Diante do desafio de monitorar a emissão de gases em aplicações como controle ambiental, atmosferas potencialmente explosivas ou nocivas à saúde

Leia mais

Apostila da disciplina Introdução à Engenharia de Software Professor: Sandro Melo Faculdades São José Curso de Tecnologia de Sistemas de Informação

Apostila da disciplina Introdução à Engenharia de Software Professor: Sandro Melo Faculdades São José Curso de Tecnologia de Sistemas de Informação Capítulo 1: Software e Engenharia de Software O que é? E quem produz? Porque é importante? Quais são as fases? Qual o resultado? Como avaliar? Arcabouço: processo, conjunto de métodos e ferramentas. 1.1

Leia mais

"O LabVIEW envia e recebe dados do DAQ e o DAQ atua sobre os sensores e atuadores do reator." - Eleilson S. Silva,

O LabVIEW envia e recebe dados do DAQ e o DAQ atua sobre os sensores e atuadores do reator. - Eleilson S. Silva, Automação De Um Sistema De Tratamento De Lodos Ativados Por Batelada "O LabVIEW envia e recebe dados do DAQ e o DAQ atua sobre os sensores e atuadores do reator." - Eleilson S. Silva, O desafio: Automatizar

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS

IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS IMPLEMENTAÇÃO DE ALGORITMOS DE APRENDIZADO MULTI- AGENTE EM UM TIME DE FUTEBOL DE ROBÔS Aluno: Maurício Pedro Silva Gonçalves Vieira Orientador: Karla Figueiredo Introdução Uma partida de futebol robótico

Leia mais

A utilização da Web no apoio ao ensino de Desenho na Arquitetura

A utilização da Web no apoio ao ensino de Desenho na Arquitetura A utilização da Web no apoio ao ensino de Desenho na Arquitetura HARRIS, Ana Lúcia Nogueira de Camargo (1) Av. Prof. Almeida Prado trav.2 n o 271 Cidade Universitária 05508-900 São Paulo SP Tel.: (011)

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 28 Revisão para a Prova 2 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 28-28/07/2006 1 Matéria para a Prova 2 Gestão de projetos de software Conceitos (Cap. 21) Métricas (Cap.

Leia mais

Modelagem e Simulação

Modelagem e Simulação AULA 8 Modelagem e Simulação Modelagem Processo de construção de um modelo; Capacitar o pesquisador para prever o efeito de mudanças no sistema; Deve ser próximo da realidade; Não deve ser complexo. Tipos

Leia mais

Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento de 4ª geração Terceirização

Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento de 4ª geração Terceirização Prof. Ricardo José Pfitscher Material elaborado com base em: José Luiz Mendes Gerson Volney Lagemann Introdução Ciclo de vida tradicional de desenvolvimento Prototipagem Pacotes de software Desenvolvimento

Leia mais

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW Ciclo de Vida Aula 2 Revisão 1 Processo de Desenvolvimento de Software 1 O Processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades, parcialmente ordenadas, com a finalidade de obter um produto

Leia mais

Sistemas Inteligentes. Aula: Agentes Inteligentes Flávia Barros & Patricia Tedesco

Sistemas Inteligentes. Aula: Agentes Inteligentes Flávia Barros & Patricia Tedesco Sistemas Inteligentes Aula: Agentes Inteligentes Flávia Barros & Patricia Tedesco 1 Ao final desta aula a gente deve... Entender o que é um Agente Racional (inteligente)? Distinguir entre os vários tipos

Leia mais

Programação Orientada a Objeto

Programação Orientada a Objeto Programação Orientada a Objeto Classes, Atributos, Métodos e Objetos Programação de Computadores II Professor: Edwar Saliba Júnior 1) Java é uma linguagem orientada a objetos. Para que possamos fazer uso

Leia mais

Ambiente de Simulação Virtual para Capacitação e Treinamento na Manutenção de. Disjuntores de Subestações de Energia Elétrica,

Ambiente de Simulação Virtual para Capacitação e Treinamento na Manutenção de. Disjuntores de Subestações de Energia Elétrica, Ambiente de Simulação Virtual para Capacitação e Treinamento na Manutenção de Disjuntores de Subestações de Energia Elétrica Prof. Dr. Lineu Belico dos Reis EPUSP Resumo: O informe técnico apresenta a

Leia mais

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem

Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Título: Controle de um sistema Bola- Barra com realimentação através de imagem Autores: Caio Felipe Favaretto, Henrique Corrêa Ramiro, Rômulo de Oliveira Souza e Marcelo Barboza Silva Professor orientador:

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais

Por que você precisa da Orisol

Por que você precisa da Orisol Por que você precisa da Orisol Maquinário Orisol para fabricação de calçados: Globalização, conceito, tecnologia e benefícios. Fabricação e Globalização: A fabricação de calçados é uma tradição milenar

Leia mais

Introdução à Engenharia

Introdução à Engenharia Introdução à Engenharia Modelagem e Simulação (Técnicas e Ferramentas Utilizadas) Edgar Brito Introdução Técnicas e ferramentas de modelagem e simulação, são utilizadas para facilitar e visualizar projetos

Leia mais

TEORIA DOS JOGOS E APRENDIZADO

TEORIA DOS JOGOS E APRENDIZADO TEORIA DOS JOGOS E APRENDIZADO DE MÁQUINA Estudos Iniciais André Filipe de Moraes Batista Disciplina de Aprendizagem de Máquina UFABC 2010 TEORIA DOS JOGOS Ramo da matemática aplicada estuda situações

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 10ª Série Automação Industrial Engenharia Elétrica A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio

Leia mais

Perguntas. Que todo usuário deveria fazer antes de comprar um software CAD de baixo custo. Por Robert Green, proprietário da Robert Green Consulting

Perguntas. Que todo usuário deveria fazer antes de comprar um software CAD de baixo custo. Por Robert Green, proprietário da Robert Green Consulting Perguntas Que todo usuário deveria fazer antes de comprar um software CAD de baixo custo Por Robert Green, proprietário da Robert Green Consulting 5 perguntas que todo usuário deveria fazer antes de comprar

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Unidade II 3 MODELAGEM DE SISTEMAS 1 20 A fase de desenvolvimento de um novo sistema de informação (Quadro 2) é um momento complexo que exige um significativo esforço no sentido de agregar recursos que

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA ANEXO II DO EDITAL N. 002/GR/UNIR/2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA ANEXO II DO EDITAL N. 002/GR/UNIR/2013 ANEXO II DO EDITAL N. 002/GR/UNIR/2013 DESCRIÇÃO SUMÁRIA DOS CARGOS/NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO E - SUPERIOR ADMINISTRADOR: Planejar, organizar, controlar e assessorar as organizações nas áreas de recursos

Leia mais

COMANDO REMOTO DE ROBÔS INDUSTRIAIS

COMANDO REMOTO DE ROBÔS INDUSTRIAIS Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 20 a 23 2008. COMANDO REMOTO DE ROBÔS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 11 APRESENTAÇÃO Nesta aula serão discutidos os conceitos relacionados

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA Rafael R. Silva¹, João P. T. Lottermann¹, Mateus Rodrigues Miranda², Maria Alzira A. Nunes² e Rita de Cássia Silva² ¹UnB, Universidade de Brasília, Curso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RAPID APPLICATION DEVELOPMENT Disciplina: Modelagem a Programação Orientada a Objetos

Leia mais

SUMÁRIO. Motivação Contextualização Objetivo Desenvolvimento. Aplicação Discussão Conclusão Perguntas. Hardware Software

SUMÁRIO. Motivação Contextualização Objetivo Desenvolvimento. Aplicação Discussão Conclusão Perguntas. Hardware Software SUMÁRIO Motivação Contextualização Objetivo Desenvolvimento Etapas de preparação Hardware Software Aplicação Discussão Conclusão Perguntas MOTIVAÇÃO Interesse em novas tecnologias Interesse no desenvolvimento

Leia mais

JAVA Express com Lógica

JAVA Express com Lógica JAVA Express com Lógica Sobre a KTEC A KTEC Escola de Tecnologia oferece uma série de cursos, para os que procuram uma base sólida no aprendizado, com foco nas boas práticas que fazem a diferença no mercado

Leia mais

Laboratório Virtual de Sistema de Controle Via Web em Labview. 1/6 www.ni.com

Laboratório Virtual de Sistema de Controle Via Web em Labview. 1/6 www.ni.com Laboratório Virtual de Sistema de Controle Via Web em Labview "Utilizou-se o Labview 8.6 para criar a VI, uma placa de aquisição da NI e uma webcam para poder acessar e visualizar a planta." - Fernando

Leia mais

Uma análise qualitativa RESUMO

Uma análise qualitativa RESUMO Mostra Nacional de Iniciação Científica e Tecnológica Interdisciplinar III MICTI Fórum Nacional de Iniciação Científica no Ensino Médio e Técnico - I FONAIC-EMT Camboriú, SC, 22, 23 e 24 de abril de 2009

Leia mais

A INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL COMO FORMA DE INTEGRAÇÃO ENTRE A TEORIA E PRÁTICA NO ENSINO DE MEDIDAS ELÉTRICAS

A INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL COMO FORMA DE INTEGRAÇÃO ENTRE A TEORIA E PRÁTICA NO ENSINO DE MEDIDAS ELÉTRICAS A INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL COMO FORMA DE INTEGRAÇÃO ENTRE A TEORIA E PRÁTICA NO ENSINO DE MEDIDAS ELÉTRICAS Cesar Ramos Rodrigues - cesar@ieee.org Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Tecnologia,

Leia mais

Ferramenta para detecção de fadiga em motoristas baseada no monitoramento dos olhos

Ferramenta para detecção de fadiga em motoristas baseada no monitoramento dos olhos Ferramenta para detecção de fadiga em motoristas baseada no monitoramento dos olhos Rafael Dattinger Acadêmico Dalton Solano dos Reis - Orientador Roteiro Introdução/Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 CONCEITO DE PARADIGMAS DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PARADIGMAS DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO

1 INTRODUÇÃO 1.1 CONCEITO DE PARADIGMAS DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO PARADIGMAS DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO 1 INTRODUÇÃO 1.1 CONCEITO DE PARADIGMAS DE LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO Desde o seu surgimento, o manuseio da computação é baseado em linguagens de programação. Ela permite que sejam construídos aplicativos

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Software. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr

Metodologia de Desenvolvimento de Software. Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr Metodologia de Desenvolvimento de Software Prof. M.Sc. Sílvio Bacalá Jr Objetivos Discutir aspectos de Engenharia de Software Aplicar um método de desenvolvimento para especificação e projeto de software

Leia mais

ESTEREOSCOPIA INTRODUÇÃO. Conversão de um par de imagens (a)-(b) em um mapa de profundidade (c)

ESTEREOSCOPIA INTRODUÇÃO. Conversão de um par de imagens (a)-(b) em um mapa de profundidade (c) ESTEREOSCOPIA INTRODUÇÃO Visão estereoscópica se refere à habilidade de inferir informações da estrutura 3-D e de distâncias da cena de duas ou mais imagens tomadas de posições diferentes. Conversão de

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 PROPOSTA DE UMA ARQUITETURA DE INTERFACE DE SOFTWARE PARA GERAÇÃO DE NOTAS MUSICAIS PARA DETECÇÃO DE OBSTÁCULOS MAGNA CAETANO DA SILVA 1, GABRIEL DA SILVA 2 RESUMO Para realização deste trabalho foi realizada

Leia mais

Planificação de. Aplicações Informáticas B

Planificação de. Aplicações Informáticas B Escola básica e secundária de Velas Planificação de Aplicações Informáticas B Ano letivo 2011/2012 1- Introdução à Programação Planificação de Aplicações Informáticas B Unidade Sub-Unidades Objetivos Conteúdos

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO Utilitário ConfigXpress no CA IdentityMinder a minha solução de gerenciamento de identidades pode se adaptar rapidamente aos requisitos e processos de negócio em constante mudança? agility

Leia mais

Síntese de voz panorama tecnológico ANTONIO BORGES

Síntese de voz panorama tecnológico ANTONIO BORGES Síntese de voz panorama tecnológico ANTONIO BORGES Quase todos nós vamos precisar de óculos um dia (a menos que a tecnologia médica promova a substituição deste artefato por alguma outra coisa tecnológica,

Leia mais

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA NÚCLEO DE EMPREENDIMENTOS EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ARTES NECTAR.

ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA NÚCLEO DE EMPREENDIMENTOS EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ARTES NECTAR. ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA NÚCLEO DE EMPREENDIMENTOS EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ARTES NECTAR. OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA CONSTRUÇÃO DO PORTAL E AQUISIÇÃO DE SOFTWARE DE GESTÃO DE

Leia mais

BIOSYS: sistema de captura e armazenamento de imagens para exames oftalmológicos em biomicroscópios - Fase 1 1

BIOSYS: sistema de captura e armazenamento de imagens para exames oftalmológicos em biomicroscópios - Fase 1 1 BIOSYS: sistema de captura e armazenamento de imagens para exames oftalmológicos em biomicroscópios - Fase 1 1 Hélton José Oliveira Fernandes 2 ; Paulo Cesar Rodacki Gomes 3 INTRODUÇÃO O presente descreve

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Terminologia Básica Utilizada em de Sistemas Terminologia Básica Uma série de termos

Leia mais

Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado

Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado Renan Azevedo Engenheiro de Produto de Teste e Medição -Américas Aprenda as melhores práticas para construir um completo

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no mundo e no Brasil.

Leia mais

Computador E/S, Memória, Barramento do sistema e CPU Onde a CPU Registradores, ULA, Interconexão interna da CPU e Unidade de controle.

Computador E/S, Memória, Barramento do sistema e CPU Onde a CPU Registradores, ULA, Interconexão interna da CPU e Unidade de controle. Introdução Os principais elementos de um sistema de computação são a unidade central de processamento (central processing unit CPU), a memória principal, o subsistema de E/S (entrada e saída) e os mecanismos

Leia mais

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Prof. Dr. Luis Paulo Leopoldo Mercado Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de Alagoas Conteúdos

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SIG Aula N : 11 Tema: Como desenvolver e

Leia mais

CA Mainframe Chorus for Storage Management Versão 2.0

CA Mainframe Chorus for Storage Management Versão 2.0 FOLHA DO PRODUTO CA Mainframe Chorus for Storage Management CA Mainframe Chorus for Storage Management Versão 2.0 Simplifique e otimize suas tarefas de gerenciamento de armazenamento, aumente a produtividade

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Como Desenvolver Sistemas de Informação Capítulo 11 Pág. 337 2

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1ª Série Programação Estruturada I A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

O Estado da Prática Profissional em Engenharia de Software na Cidade de Lavras/MG e Proposta de um Portal Web visando relacionamento e capacitação 1.

O Estado da Prática Profissional em Engenharia de Software na Cidade de Lavras/MG e Proposta de um Portal Web visando relacionamento e capacitação 1. O Estado da Prática Profissional em Engenharia de Software na Cidade de Lavras/MG e Proposta de um Portal Web visando relacionamento e capacitação 1. André Luiz Zambalde Universidade Federal de Lavras

Leia mais

TÍTULO: SIMULADOR DE SUSPENSÃO AUTOMOTIVA - SSA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: SIMULADOR DE SUSPENSÃO AUTOMOTIVA - SSA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SIMULADOR DE SUSPENSÃO AUTOMOTIVA - SSA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

Leia mais

ANÁLISE DE SOFTWARE EDUCATIVO NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Palavras chave: Software Educativo; Construção do Conhecimento; Aprendizagem.

ANÁLISE DE SOFTWARE EDUCATIVO NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Palavras chave: Software Educativo; Construção do Conhecimento; Aprendizagem. ANÁLISE DE SOFTWARE EDUCATIVO NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Débora Janaína Ribeiro e Silva Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba debora_jr10@yahoo.com.br Resumo Este trabalho teve como

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

NO ESTUDO DE FUNÇÕES

NO ESTUDO DE FUNÇÕES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA SEMANA DA MATEMÁTICA 2014 UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES GRÁFICOS NO ESTUDO DE FUNÇÕES PIBID MATEMÁTICA 2009 CURITIBA

Leia mais

O Processo de Engenharia de Requisitos

O Processo de Engenharia de Requisitos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA O Processo de Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 2o.

Leia mais

36 Anais da Semana de Ciência e Tecnologia, Ouro Preto, v. 4, p. 1 120, 2012.

36 Anais da Semana de Ciência e Tecnologia, Ouro Preto, v. 4, p. 1 120, 2012. CONTROLE À DISTÂNCIA DE UM MOTOR UTILIZANDO RECURSOS DE VISÃO COMPUTACIONAL Matheus Henrique Almeida Nascimento 1, Gean Carlo Neves Correa 2, Cristiano Lúcio Cardoso Rodrigues 3 e Sílvia Grasiella Moreira

Leia mais

O desafio: Criar um sistema para alimentar um módulo de GPS, adquirir e processar dados, além de exibir a latitude e longitude no Google Earth.

O desafio: Criar um sistema para alimentar um módulo de GPS, adquirir e processar dados, além de exibir a latitude e longitude no Google Earth. Usando LabVIEW para adquirir dados de GPS "Usando o LabVIEW, nós desenvolvemos com sucesso um sistema de aquisição de dados de GPS, com o objetivo de utilizá-lo como plataforma de aprendizagem para entender

Leia mais

Fazer engenharia. Alunos de graduação preparados para inovar com as soluções de ensino da NI. ni.com

Fazer engenharia. Alunos de graduação preparados para inovar com as soluções de ensino da NI. ni.com Fazer engenharia Alunos de graduação preparados para inovar com as soluções de ensino da NI National Instruments Nossa missão Equipamos engenheiros e cientistas com sistemas que aceleram a produtividade,

Leia mais

Adquirindo dados de medição para sua pesquisa com LabVIEW e CompactDAQ

Adquirindo dados de medição para sua pesquisa com LabVIEW e CompactDAQ Adquirindo dados de medição para sua pesquisa com LabVIEW e CompactDAQ Apresentado por National Instruments Necessidades de um pesquisador Obter resultados específicos com um determinado orçamento Necessidade

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação AUTOMAÇÃO Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Conceitos iniciais Automação é todo um ferramental

Leia mais

Nesta seção apresentamos protótipos que desenvolvemos com o objetivo de levantar os requesitos necessários para um sistema para apresentações

Nesta seção apresentamos protótipos que desenvolvemos com o objetivo de levantar os requesitos necessários para um sistema para apresentações 3 Protótipos Nesta seção apresentamos protótipos que desenvolvemos com o objetivo de levantar os requesitos necessários para um sistema para apresentações multimídia distribuídas. Os protótipos auxiliaram

Leia mais

Preparando-se para o exame Certified LabVIEW Associate Developer (CLAD)

Preparando-se para o exame Certified LabVIEW Associate Developer (CLAD) Preparando-se para o exame Certified LabVIEW Associate Developer (CLAD) Renan Azevedo Engenheiro de marketing técnico da National Instruments Agenda Visão geral do programa de certificação da National

Leia mais

Avaliação de Desempenho

Avaliação de Desempenho Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação Avaliação de Desempenho 4a. Aula Técnicas de Avaliação de Desempenho Modelagem Marcos

Leia mais

Virtual Box. Guia. Instalação E Utilização. Criado por Wancleber Vieira wancleber.vieira@ibest.com.br

Virtual Box. Guia. Instalação E Utilização. Criado por Wancleber Vieira wancleber.vieira@ibest.com.br Virtual Box Guia De Instalação E Utilização 1 Sumário Instalação do Linux Ubuntu através de um gerenciador de Máquinas Virtuais 1.1 Introdução, 3 1.2 Instalação do Virtual Box, 3 1.3 Configuração do Virtual

Leia mais

Guia do Professor. Festa de Aniversário: Primeiros Passos na Matemática

Guia do Professor. Festa de Aniversário: Primeiros Passos na Matemática Guia do Professor Festa de Aniversário: Primeiros Passos na Matemática Introdução As pessoas com Deficiência Mental apresentam limitações no funcionamento intelectual e no comportamento adaptativo manifestos

Leia mais

Kit de Robótica Modelix - Programa Mais Educação 2015

Kit de Robótica Modelix - Programa Mais Educação 2015 CNPJ 56.233.497/0001-42 1 CNPJ 56.233.497/0001-42 O que é Robótica Educacional? É uma metodologia de ensino que tem como objetivo fomentar no aluno a investigação e materialização dos conceitos aprendidos

Leia mais

Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas

Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas Resumo A construção de dispositivos controlados através do computador, como ferramenta educacional associado ao trabalho com

Leia mais

Componentes Básicos de um escritório para SIG

Componentes Básicos de um escritório para SIG Componentes Básicos de um escritório para SIG Componentes Informática Programas de aplicações Recursos humanos Componentes Informática Programas de aplicações Recursos humanos Componente de informática

Leia mais

Rodrigo Schneiater. Construindo sistemas de testes adaptáveis para Hardware-in-the-Loop (HIL) com tecnologia FPGA

Rodrigo Schneiater. Construindo sistemas de testes adaptáveis para Hardware-in-the-Loop (HIL) com tecnologia FPGA Construindo sistemas de testes adaptáveis para Hardware-in-the-Loop (HIL) com tecnologia FPGA Rodrigo Schneiater Engenheiro de Vendas, National Instruments Sistemas de controle embarcado Controle em malha

Leia mais

Maya Live. M aya. por Gustavo L. Braga

Maya Live. M aya. por Gustavo L. Braga M aya por Gustavo L. Braga Maya Live Quando fazemos uma animação de algum elemento virtual que deve ser aplicado a uma cena capturada, temos o grande desafio de ambientar este elemento na cena. Este desafio,

Leia mais

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone 2004 142 ARQTEXTO 5 A REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone O uso do projeto auxiliado por computador (CAD) em arquitetura é cada vez mais corrente, através do projeto 2D e 3D de

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE DOCENTE PROFESSOR CELSO CANDIDO QUALIDADE DE SOFTWARE Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Conhecimentos: o Web Designer; o Arquitetura

Leia mais

Projeto e implementação de um sistema de controle em malha fechada para transmissão hidrostática usando o sistema Field Point da NI

Projeto e implementação de um sistema de controle em malha fechada para transmissão hidrostática usando o sistema Field Point da NI Projeto e implementação de um sistema de controle em malha fechada para transmissão hidrostática usando o sistema Field Point da NI "A implementação do sistema SCADA usando Field Point e interface LabVIEW,

Leia mais

Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético

Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético C. Penna, A. P. C. Paraguassu, C. M. Matos ENERSUL; I. S. Escobar

Leia mais

Sistema Datachk. Plano de Projeto. Versão <1.0> Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s

Sistema Datachk. Plano de Projeto. Versão <1.0> Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s Plano de Projeto Versão Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s 2010 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores 07/04/2010 1.0 Criação da primeira versão do Plano

Leia mais

Projeto: TE Conhecer, aprender, saber...

Projeto: TE Conhecer, aprender, saber... Colégio Pe. João Bagozzi Formação de Educadores Tecnologias da Informação e da Comunicação - TICs http://blog.portalpositivo.com.br/ticbagozzi Projeto: TE Conhecer, aprender, 1 Objetivos e Atividades:

Leia mais

Realidade Virtual & Ensino a Distância. Cássio Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br

Realidade Virtual & Ensino a Distância. Cássio Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br Realidade Virtual & Ensino a Distância Cássio Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br Sumário 1. RV - Conceitos e Principais Características 2. RV Imersiva e Não Imersiva 3. Tipos de Sistemas de RV 4. RV na

Leia mais

Sequor: uma ferramenta para rastreamento ocular

Sequor: uma ferramenta para rastreamento ocular UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA Sequor: uma ferramenta para rastreamento ocular Proposta de Trabalho de Graduação Aluno: Gabriel José Barreto

Leia mais

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware)

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware) Computador Digital SIS17 - Arquitetura de Computadores (Parte I) Máquina que pode resolver problemas executando uma série de instruções que lhe são fornecidas. Executa Programas conjunto de instruções

Leia mais

Tutorial de Instalação do OpenCV 2.3

Tutorial de Instalação do OpenCV 2.3 Tutorial de Instalação do OpenCV 2.3 Escrito por: Lucas Grassano Lattari (llattari@ic.uff.br) O OpenCV (Open Computer Vision) é uma biblioteca multiplataforma, totalmente livre para o uso acadêmico e comercial,

Leia mais

O USO DA REALIDADE VIRTUAL NO ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA

O USO DA REALIDADE VIRTUAL NO ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA O USO DA REALIDADE VIRTUAL NO ENSINO DE GEOMETRIA DESCRITIVA Fábio Gonçalves Teixeira fabio@orion.ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Departamento de Expressão Gráfica da Faculdade de Arquitetura

Leia mais

STC SAD Profº Daniel Gondim

STC SAD Profº Daniel Gondim STC SAD Profº Daniel Gondim Roteiro Sistemas de Trabalhadores do Conhecimento (STC) Conceitos Aplicações Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) Conceitos Aplicações Sistemas de Trabalhadores do Conhecimento

Leia mais

A maneira como você coleta, gerencia e utiliza as informações determina se você vai vencer ou perder

A maneira como você coleta, gerencia e utiliza as informações determina se você vai vencer ou perder A maneira como você coleta, gerencia e utiliza as informações determina se você vai vencer ou perder Bill Gates CTSDigital Treinamentos de Informática Sandromir Almeida Experiência de 13 anos treinando

Leia mais

Siga o seu próprio caminho

Siga o seu próprio caminho Siga o seu próprio caminho Learning Pathways acquire Learning Nós criamos soluções de ensino para nossos clientes que abordam os conceitos de gerenciamento de informações geocientíficas e a utilização

Leia mais

Game Programming Basic

Game Programming Basic ESCOLA DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA AVANÇADA 3D E 2D 1 Game Programming Basic Formação em O treinamento de programação básica para jogos tem a duração de 6 meses. Durante o treinamento, o aluno terá contato com

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

Monitoramento e Registro de Perfis de Temperatura em Depósitos de Óleos

Monitoramento e Registro de Perfis de Temperatura em Depósitos de Óleos Monitoramento e Registro de Perfis de Temperatura em Depósitos de Óleos "Também realizaram-se demonstrações dos diferentes métodos à distância por meio de rede local o que mostra a eficiência da aplicação

Leia mais

Uma cena em extinção. Número de robôs que lucram investindo no mercado financeiro cresce e mostra que a economia pende cada vez mais para o virtual

Uma cena em extinção. Número de robôs que lucram investindo no mercado financeiro cresce e mostra que a economia pende cada vez mais para o virtual Finanças Uma cena em extinção Número de robôs que lucram investindo no mercado financeiro cresce e mostra que a economia pende cada vez mais para o virtual Ana Paula Baltazar Beto Barata/AE Se o desafio

Leia mais

Os Tempos da Máquina. Gabriel Menotti

Os Tempos da Máquina. Gabriel Menotti Os Tempos da Máquina Gabriel Menotti A parte mais evidente das Máquinas do Tempo são as fotografias. É por meio desses elementos que o projeto de Andrei Thomaz se dá prontamente ao olhar. Um público acostumado

Leia mais

Implementação de um módulo simulador de robôs baseado em Unity3D para o SimBot - Simulador de Robôs para Lego NXT.

Implementação de um módulo simulador de robôs baseado em Unity3D para o SimBot - Simulador de Robôs para Lego NXT. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ Curso de Bacharelado em Ciência da Computação UNIOESTE - Campus de Cascavel MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Introdução. Capítulo. 1.1 Considerações Iniciais

Introdução. Capítulo. 1.1 Considerações Iniciais Capítulo 1 Introdução 1.1 Considerações Iniciais A face humana é uma imagem fascinante, serve de infinita inspiração a artistas há milhares de anos. Uma das primeiras e mais importantes habilidades humanas

Leia mais

ESTIMATIVAS. Referências. Este material foi traduzido e adaptado de: Engenharia de Sofware 7a. Edição Ian Sommerville

ESTIMATIVAS. Referências. Este material foi traduzido e adaptado de: Engenharia de Sofware 7a. Edição Ian Sommerville ESTIMATIVAS Referências 2 Este material foi traduzido e adaptado de: Engenharia de Sofware 7a. Edição Ian Sommerville Tom de Marco 3 Questões Fundamentais 4 Quanto esforço é necessário para completar uma

Leia mais

Figura 5.1.Modelo não linear de um neurônio j da camada k+1. Fonte: HAYKIN, 2001

Figura 5.1.Modelo não linear de um neurônio j da camada k+1. Fonte: HAYKIN, 2001 47 5 Redes Neurais O trabalho em redes neurais artificiais, usualmente denominadas redes neurais ou RNA, tem sido motivado desde o começo pelo reconhecimento de que o cérebro humano processa informações

Leia mais

Medição tridimensional

Medição tridimensional A U A UL LA Medição tridimensional Um problema O controle de qualidade dimensional é tão antigo quanto a própria indústria, mas somente nas últimas décadas vem ocupando a importante posição que lhe cabe.

Leia mais

Orientação a Objeto e UML Questões 2014 Prof. Felipe Leite

Orientação a Objeto e UML Questões 2014 Prof. Felipe Leite Orientação a Objeto e UML Questões 2014 Prof. Felipe Leite Pessoal, fiz uma coletânea das questões mais recentes de concursos públicos de TODO o Brasil de várias bancas diferentes sobre os assuntos Orientação

Leia mais

MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Unidade III MODELAGEM DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Ciclo de Vida de Sistemas Engenharia de Software Aplicações de Software Diagramação de Software Ciclo

Leia mais

Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados

Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados Disciplina: Engenharia de Software Tópico: Introdução Prof. Rodolfo Miranda de Barros rodolfo@uel.br Grandes verdades sobre o desenvolvimento e

Leia mais