O ENSINO DE ASTRONOMIA PELA PRÁTICA DO CALENDÁRIO DA VIDA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ENSINO DE ASTRONOMIA PELA PRÁTICA DO CALENDÁRIO DA VIDA"

Transcrição

1 O ENSINO DE ASTRONOMIA PELA PRÁTICA DO CALENDÁRIO DA VIDA FERREIRA, Rosa Hoepers SEEDPR NICARETTA, Giselle Marquette SEEDPR BUENO, Marco Aurelio Pereira SEEDPR Eixo Temático: Didática: Teorias,Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo O Ensino de Astronomia vai além de ensinar conceitos e passar conhecimentos sobre os corpos celestes e/ou explicar a razão de seus movimentos. Está presente neste ensino a história da humanidade. A astronomia tem relação direta com ritmos biológicos, ritos religiosos, atividades econômicas como a agricultura e a pesca. Neste trabalho se apresenta o Calendário da Vida que tem como base os conhecimentos dos povos antigos, principalmente dos povos indígenas. Esta prática tem como base nos relógios de sol construídos pelos índios brasileiros, onde utilizavam uma estrutura chamada de gnômon. O trabalho pedagógico com o Calendário da Vida resgata a experiência empírica e a construção do trabalho científico. Este calendário é organizado na forma de uma mandala, com um espantalho como ponteiro e utilizando flores, horta, plantas medicinais. Entre os conteúdos que podem ser trabalhados a partir deste calendário estão os movimentos de rotação, translação, dias e noites, estações do ano, precessão dos equinócios e nutação. Além de trabalhar estes conceitos o calendário da vida trabalha de maneira interdisciplinar temas como a relação da inclinação do eixo da Terra, a incidência da luz solar com a biodiversidade. A própria construção da mandala já demonstra a possibilidade do trabalho interdisciplinar, não apenas com as disciplinas chamadas de afins, mas com a maioria das disciplinas, pois a Astronomia está presente na história da humanidade desde os povos da antiguidade, na cultura dos povos indígenas brasileiros e também está hoje nas pesquisas científicas e faz parte dos conhecimentos necessários para a pesquisa espacial. Palavras-chave: Astronomia, Calendário da Vida, Interdisciplinariedade

2 12414 Introdução A Astronomia tem feito parte da história da humanidade desde o seu inicio, e segundo alguns autores, mencionada em pinturas rupestres. Partindo deste princípio o Ensino de Astronomia se mostra fundamental para entender tanto o funcionamento da vida do planeta Terra como todo o processo histórico da humanidade. Este trabalho aborda uma prática relacionada com a criação dos calendários e relógios do sol, neste caso o projeto é Calendário da Vida que propõe uma demonstração empírica dos movimentos do Planeta Terra. Este calendário consiste num jardim circular, dividido de acordo com as estações do ano da região sul, onde foram semeadas espécies para cada período, ou seja, primavera, verão, outono e inverno; além de flores foram semeadas plantas medicinais e hortaliças de modo a formar uma mandala. O Calendário da Vida pode fazer parte de práticas pedagógicas tanto para as disciplinas de Ciências e Geografia, mas também para trabalhar de maneira interdisciplinar, estabelecendo relações com história, cultura e sociedade, além de trabalhar conhecimentos das disciplinas da Educação Básica. A montagem do Calendário da Vida resgata uma das técnicas mais simples e antigas para entender e estudar astronomia: a do relógio do sol. Desenvolvimento A Astronomia pode ser considerada uma das ciências mais antiga. A observação do céu está entre as primeiras atividades de interesse do homem pela necessidade de medir o tempo. Os povos primitivos projetaram o seu primeiro calendário com base nas fases da Lua, segundo Danhoni, 2011, Na História da Astronomia, a observação dos movimentos celestes e a utilização dos dados obtidos como marcadores de tempo foi sempre uma questão lapidar. Dos relógios solares, variando dos gnomos (vara espetadas no chão), relógios equatoriais, horizontais e verticais, aos modelos de relógios estrelares ou noturnos, o homem da mais remota antiguidade observava o céu com um objetivo prático. Já estudos sobre Astronomia além de buscar respostas como os dias e as noites acontecem; porque há semanas, meses e ano; o que são as marés; porque a lua aparece diferente no céu; também estuda os ritos, ritmos e práticas religiosas de povos e sociedades

3 12415 diferentes. Atualmente as pesquisas científicas incluem temáticas que vão desde a etnoastronomia 1 a pesquisa espacial. A Etnoastronomia pesquisa e discute o conhecimento empírico da astronomia de diversos povos. O relógio do sol, por exemplo, é um dos elementos estudados dos povos indígenas do Brasil, que na confecção de seus relógios, utilizavam uma haste cravada verticalmente no solo, chamada gnômon. Esta haste, segundo Afonso, da qual se observa a sombra projetada pelo Sol, sobre um terreno vertical, sendo considerado o mais simples e antigo instrumento utilizado na astronomia. Um tipo de gnômon indígena, que temos encontrado no Brasil, em diversos sítios arqueológicos, é constituído de uma rocha, pouco trabalhada artificialmente, com cerca de 1,50 metros de altura, aproximadamente em forma de tronco de pirâmide e talhada para os quatro pontos cardeais. Ele aponta verticalmente para o ponto mais alto do céu (chamado zênite), sendo que as suas faces maiores ficam voltadas para a linha norte-sul e as menores para a leste-oeste. Em volta do gnômon indígena há rochas menores (seixos) que formam uma circunferência e três linhas orientadas para a s direções dos pontos cardeais e do nascer e do pôr-do-sol nos dias do início de cada estação do ano (solstícios e equinócios) Em geral, o zênite é o domínio do deus maior da etnia considerada; os pontos cardeais são os domínios dos quatro deuses que o auxiliaram na criação do mundo e de seus habitantes; os pontos colaterais são domínios das esposas desses deuses. Chamamos esse monumento de rochas, constituído pelo gnômon e pelos seixos,de Observatório Solar Indígena, devido à sua relação com os movimentos aparentes do Sol (AFONSO, 2009). Os conhecimentos empíricos que os indígenas possuem em relação sobre a astronomia mostram uma ligação direta com a biodiversidade local e as necessidades de sobrevivência. Deste modo, o estudo dos conceitos da etnoastronomia e o estabelecimento da relação com disciplinas escolares demonstra a importância histórica, social e cultural do Ensino de Astronomia no contexto pedagógico e no cotidiano escolar. Metodologia 1 Etnoastronomia: também chamada de Astronomia Cultural, termo relacionado ao estudo da astronomia de determinados grupos e/ou etnias.

4 12416 A organização do Calendário da Vida pelas duas etapas: sendo a primeira a pesquisa teórica e bibliográfica, estabelece relação com as Diretrizes Curriculares Estaduais 2 DCEs do Estado do Paraná, principalmente na disciplina de Ciências, uma vez que esta disciplina trabalha com os conceitos da Astronomia, a segunda etapa é a prática da construção e a observação do calendário. Após a pesquisa e a discussão de quais conceitos seriam selecionados o Calendário da Vida foi construído com base nos relógios de Sol indígenas, utilizando a forma de uma mandala, que é uma linha fechada em círculo que simboliza o Universo. O mostrador são as linhas horárias e o como ponteiro, que recebe a luz solar um pino na forma de um espantalho. Figura 1: Mandala do Calendário da Vida. Fonte: Rosa Hoepers Para que este calendário funcione, a mandala precisar estar posicionada de acordo com os pontos norte e sul. Estes são os primeiros conceitos a serem discutidos com os alunos, pois para que o ponteiro, na forma de espantalho, funcione corretamente, o posicionamento do calendário precisa receber as marcações dos pontos norte e sul que direciona a sombra no mostrador, podendo visualizar o movimento aparente do Sol, de leste para oeste, mostrando as horas. 2 Diretrizes Curriculares Estaduais da Secretaria de Estado da Educação.

5 12417 A prática acontece logo em seguida, onde os alunos percebem que a Terra se movimenta de oeste para leste, acabam tendo a impressão de que o movimento é do Sol, de leste para oeste. É possível neste momento, como, por exemplo, fazer a analogia com o movimento de um carro, pois quando, ao passearmos de carro e olharmos pela janela a paisagem, temos a sensação de que é ela que passa no sentido contrário do carro. Este exemplo pode auxiliar o professor trabalhar com o movimento de Rotação de modo com que o aluno entenda o movimento da Terra em torno do seu próprio eixo, e que a duração deste movimento é aproximadamente 24 horas de oeste para leste e com isto gera os dias e as noites. Outro modo de utilizar o calendário é de realizar uma análise do percurso da Terra durante 24 horas, podemos verificar três grandes momentos: o amanhecer que é sentido pelo início da iluminação, parte da Terra vai passando da luz para a sombra e novamente da sombra para a luz. O anoitecer é o inverso. Meio dia é o ponto mais em frente do Sol (ponto mais alto do Sol no céu), e meia noite da outra face da Terra, esse lugar está no meio da região da sombra. O dia e a noite regula o ciclo da vida na Terra. Observações das posições aparentes do Sol, da Lua e dos agrupamentos das estrelas (constelações), permitiram conhecer, com certa precisão, as unidades de tempo convenientes para descrever os ciclos da agricultura e para ajudar na orientação das viagens marítimas. A medição do tempo deste a Antiguidade, está ligada ao movimento da Terra (BOCZKO E LEISTER, 2006). Já o movimento de Translação pode ser trabalhado a partir do questionamento sobre como ocorre o ano. Para demostrar este movimento pelo Calendário da Vida utiliza as estações do ano, pois quando se completa o círculo, passa pelas quatro estações e completa um ano. A explicação sobre como acontecem as diferentes estações do ano pelo professor pode ser feita a partir da órbita da Terra em torno do Sol, relacionando o fato da órbita ser elíptica e de haver um eixo de inclinação no planeta. Para compreender esse movimento, o professor pode fazer um levantamento de eventos ou datas que ocorrem durante um período, e parecem que elas repetem a cada 365 dias, a data de aniversário o primeiro dia do ano, férias escolares, datas comemorativas de cada região, as flores e as frutas também florescem em épocas diferentes, mas sempre no mesmo período do ano.

6 12418 Outro fator importante para ser trabalhado com os alunos é o fato de sentirmos calor e frio em diferentes épocas do ano. Questões como porque em determinado período sentimos muito frio e em outros sentimos calor? E porque isso acontece? Estas diferenças estão relacionadas com A maneira como os raios de Sol incidem sobre cada região da Terra durante o ano determina o clima e o aspecto de cada região (CANIATO,2007). Trabalhar a relação entre a incidência de raios solares, tipo de clima e aspecto de uma região, pode ir além de uma discussão sobre movimento de Translação, mas, pode possibilitar uma discussão interdisciplinar a partir de um conceito básico do Ensino de Astronomia. A Terra gira em torno de si mesma e paralelamente ao redor do Sol e o tempo que ela leva para fazer este giro e/ou volta é observado pelos povos antigos pela paisagem celeste. A cada época o céu vai mudando as suas constelações. Deste modo, é possível explicar para o aluno que depois desse tempo determinado, de um ano, a paisagem celestial volta a se repetir, e que no hemisfério sul, podemos observar que a constelação de escorpião nos meses de Inverno (que parece um ponto de interrogação) e no Verão a constelação de Orion (com as três Marias). Enquanto a Terra gira sobre si mesma, ela também se movimenta ao redor do Sol. Em um ano ela faz uma grande volta ao redor do sol. Ao mesmo tempo em que completa a volta ela faz 365 voltas mais um ¼ de volta(mais precisamente 365,249) (CANIATO,2007). As estações do ano podem iniciar o trabalho pedagógico sobre as variações climáticas que dependem da região do planeta, bem como a discussão sobre Equinócios e Solstícios, onde o primeiro acontece nos dias 21/03 e 23/09 e o segundo ocorre nos dias 22/12 e 21/03, onde a diferença do eixo de inclinação da Terra interfere na quantidade de luz e calor recebido do sol. A incidência dos raios solares no equinócio não favorece nenhum dos hemisférios. Mas nos solstícios de verão favorece o hemisfério em que ocorre, assim como nos

7 12419 solstícios de inverno desfavorece o hemisfério em que ocorre. No hemisfério favorecido a incidência tende a ser mais vertical(canalle e MATSUURA, 2007). Outro momento importante é o trabalho com os conceitos de Precessão dos Equinócios e Nutação, que aparecem pouco no âmbito escolar, pois se refere a pequena oscilação do eixo da Terra, onde o movimento cíclico do eixo de rotação da Terra em torno de um eixo perpendicular ao plano da órbita da Terra. Seu período é de cerca de anos, fazendo com que as estações do ano comecem, aproximadamente, a cada anos, numa constelação zodiacal diferente. Ao mesmo tempo em que o eixo de rotação da Terra precessiona, ele balança, com períodos máximos de cerca de 19 anos. Esse balanço é denominado Nutação. São as força de maré, da Lua e do Sol, a atração gravitacional dos outros planetas e a distribuição não uniforme de massa da Terra as principais responsáveis pela precessão e nutação (BOCZKO E LEISTER, 2006). O trabalho pedagógico com o Calendário da Vida pode ser planejado para todo o ano letivo, pois pode estabelecer relações com vários conteúdos e de maneira interdisciplinar. De acordo com a DCE de Ciências, 2008, A Astronomia tem um papel importante no Ensino Fundamental, pois é uma das ciências de referência para os conhecimentos sobre a dinâmica dos corpos celestes. Numa abordagem histórica traz as discussões sobre o geocentrismo e o heliocentrismo, bem como sobre os métodos científicos, conceitos e modelos explicativos que envolveram tais discussões. Além disso, os fenômenos celestes são de grande interesse dos estudantes porque por meio deles buscam-se explicações alternativas para acontecimentos regulares da realidade, como o movimento aparente do sol, as fases da lua, as estações do ano, as viagens espaciais, entre outros. Além de discutir os conceitos relacionados com a dinâmica dos corpos celestes, o ensino de Astronomia por meio da prática do calendário estabelece relações com vários conteúdos dependendo do recorte que o professor estabelecer em seu planejamento, pode ser alterado ao perceber que, a partir das práticas com o calendário, os alunos levantam questões, estabelecem relações com saberes do cotidiano e conteúdos tanto da disciplina que trabalha diretamente como o conteúdo de outras disciplinas. Deste modo a Astronomia pode estar presente como conteúdo em uma determinada disciplina, porém possui a característica de ser um conteúdo interdisciplinar.

8 12420 Considerações Finais O projeto Calendário da Vida é uma demonstração empírica dos movimentos do Planeta Terra que pode ser utilizado dentro da prática pedagógica do professor, resgatando não apenas técnicas simples para entender e estudar astronomia, mas unindo o conhecimento dos povos antigos com a ciência ensinada hoje. Este calendário tem como base o relógio do sol dos povos indígenas do Brasil, e uma organização na forma de uma mandala posicionada de acordo com os pontos cardeais. A forma com que a mandala é organizada, os elementos que definem a sua localização possibilita também ao professor trabalhar conceitos de trabalho científico na prática, ou seja, estabelecendo hipóteses, objetivos, justificativas e abrindo o diálogo entre a teoria e a prática. Com a montagem e observação deste calendário é possível demonstrar aos alunos, por exemplo: os movimentos da Terra, as estações do ano que determinam o nosso modo de vida, nossos costumes, nossa alimentação, nossa moradia e até mesmo o nosso vestuário entre outros conceitos. A Astronomia vai além do ensino de conceitos, da pesquisa científica e espacial, mas mostra como o conhecimento dos povos antiguidade está presentes até hoje, por exemplo, na agricultura, na pesca e nos ritos religiosos, sendo assim, o Ensino de Astronomia se faz não apenas importante, mas necessário para a prática pedagógica e para o processo de ensino e de aprendizagem. Em toda e qualquer cultura, imaginamos o Universo governado por algo parecido com nosso próprio sistema político. Poucos acham a similaridade suspeita" Carl Sagan REFERÊNCIAS BOCZKO, R. LEISTER N.V. Astronomia Clássica. in FRIAÇA, A.C.S. et al (Org). Astronomia: Uma Visão Geral do Universo. São Paulo: EDUSP, P35-48.

9 12421 CANALLE, J.B.G. MATSUURA.O.T. Astronomia: formação continuada de professores. Brasília: AEB, CANIATO, R.. O Céu. Campinas: Átomo, CANIATO, R.. (Re)Descobrindo a Astronomia. Campinas: Átomo, CANIATO, R.. A Terra em que Vivemos: texto e atividades. Campinas: Átomo, DANHONI, M.C.NEVES.(Org). Astronomia e Cosmologia: fatos, conjecturas e refutações. Maringá: EDUEM, PARANÁ. Diretrizes Curriculares da Educação Básica. Ciências, Curitiba: SEED, 2008, p SAGAN, Carl. Os Planetas. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1969.

A Escola e o Relógio de Sol Resumo

A Escola e o Relógio de Sol Resumo Universidade Federal de São Carlos Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Departamento de Matemática A Escola e o Relógio de Sol Resumo Autora: Raquel Duarte de Souza Orientador: Prof. Dr. José Antônio

Leia mais

APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA INTERDISCIPLINAR NA CONFECÇÃO DE UM RELÓGIO SOLAR NASCIMENTO, FLÁVIO BORGES*; NASCIMENTO, TATIANE S.

APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA INTERDISCIPLINAR NA CONFECÇÃO DE UM RELÓGIO SOLAR NASCIMENTO, FLÁVIO BORGES*; NASCIMENTO, TATIANE S. APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA INTERDISCIPLINAR NA CONFECÇÃO DE UM RELÓGIO SOLAR NASCIMENTO, FLÁVIO BORGES*; NASCIMENTO, TATIANE S. XAVIER**; *Secretaria de Educação do município de Monte Mor-SP; Colégio Salesiano

Leia mais

Aula 5 NOÇÕES BÁSICAS DE GEODÉSIA E ASTRONOMIA DE POSIÇÃO. Antônio Carlos Campos

Aula 5 NOÇÕES BÁSICAS DE GEODÉSIA E ASTRONOMIA DE POSIÇÃO. Antônio Carlos Campos Aula 5 NOÇÕES BÁSICAS DE GEODÉSIA E ASTRONOMIA DE POSIÇÃO META Mostrar as normas básicas de posicionamento e direção terrestre e apresentar formas de orientação que auxiliam na localização. OBJETIVOS Ao

Leia mais

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB VII Olimpíada Brasileira de Astronomia VII OBA - 2004 Gabarito do nível 3 (para alunos da 5ª à 8ª série)

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB VII Olimpíada Brasileira de Astronomia VII OBA - 2004 Gabarito do nível 3 (para alunos da 5ª à 8ª série) SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB VII Olimpíada Brasileira de Astronomia VII OBA - 2004 Gabarito do nível 3 (para alunos da 5ª à 8ª série) Questão 1) (1 ponto) Como você já deve saber o sistema solar

Leia mais

ASTRONOMIA INDÍGENA. Germano B. Afonso (CNPq/UEMS) planetarioindigena@hotmail.com

ASTRONOMIA INDÍGENA. Germano B. Afonso (CNPq/UEMS) planetarioindigena@hotmail.com Anais da 61ª Reunião Anual da SBPC - Manaus, AM - Julho/2009 ASTRONOMIA INDÍGENA Germano B. Afonso (CNPq/UEMS) planetarioindigena@hotmail.com Os conhecimentos astronômicos empíricos dos indígenas, relativos

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 1 ESFERA CELESTE E O SISTEMA DE COORDENADAS Esfera Celeste. Sistema de Coordenadas. Coordenadas Astronómicas. Sistema Horizontal. Sistema Equatorial Celeste. Sistema Equatorial Horário. Tempo

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais- IFSULDEMINAS Universidade

Leia mais

Movimentos da Terra PPGCC FCT/UNESP. Aulas EGL 2016 João Francisco Galera Monico unesp

Movimentos da Terra PPGCC FCT/UNESP. Aulas EGL 2016 João Francisco Galera Monico unesp Movimentos da Terra PPGCC FCT/UNESP Aulas EGL 2016 João Francisco Galera Monico Terra Movimentos da Terra Cientificamente falando, a Terra possui um único movimento. Dependendo de suas causas, pode ser

Leia mais

02- Agrupamento de estrelas que juntas formam figuras imaginárias. R.: 03- Ciência que estudo os corpos celestes. R.:

02- Agrupamento de estrelas que juntas formam figuras imaginárias. R.: 03- Ciência que estudo os corpos celestes. R.: PROFESSOR: EQUIPE DE CIÊNCIAS BANCO DE QUESTÕES - CIÊNCIAS 5º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== De acordo com as dicas, responda: 01- Foi

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação Ciências 6 o ano Unidade 1 5 Unidade 1 Nome: Data: 1. Marque V nas alternativas verdadeiras e F nas falsas. Em relação ao Universo, ao Sistema Solar e à Terra, podemos afirmar

Leia mais

Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores

Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores 1 Conhecer a influência do sol, terra e lua nas estações do ano (exs: culturas, flores, frutos, árvores, entre outros) 2 Conhecer

Leia mais

MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA

MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA PREFEITURA MUNICIPAL DE BETIM SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SEMED DIVISÃO PEDAGÓGICA 2010 MATRIZ BÁSICA DO REFERENCIAL CURRICULAR DE BETIM 1 CICLO- GEOGRAFIA 06 ANOS 07 ANOS 08 ANOS COMPETÊNCIAS HABILIDADES

Leia mais

Movimentos da Terra e suas consequências

Movimentos da Terra e suas consequências Movimentos da Terra e suas consequências Movimentos da Terra A Terra descreve, como todos os outros planetas principais do Sistema Solar: Movimento de rotação movimento em torno de si própria, em volta

Leia mais

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB IV Olimpíada Brasileira de Astronomia IV OBA Gabarito da Prova de nível I (para alunos de 1ª à 4ª série)

SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB IV Olimpíada Brasileira de Astronomia IV OBA Gabarito da Prova de nível I (para alunos de 1ª à 4ª série) SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB IV Olimpíada Brasileira de Astronomia IV OBA Gabarito da Prova de nível I (para alunos de 1ª à 4ª série) GABARITO NÍVEL 1 (Cada questão vale 1 ponto sendo que cada

Leia mais

A OBSERVÇÃO NOTURNA, UMA METODOLOGIA NÃO-FORMAL PARA O ENSINO DA FÍSICA

A OBSERVÇÃO NOTURNA, UMA METODOLOGIA NÃO-FORMAL PARA O ENSINO DA FÍSICA A OBSERVÇÃO NOTURNA, UMA METODOLOGIA NÃO-FORMAL PARA O ENSINO DA FÍSICA Francele R. O. Silva 1, Fabricia F. Gonzaga 2, Francisco C. R. Fernandes³ 1/3 Universidade do Vale dos Paraíba - UNIVAP / Faculdade

Leia mais

ENSINO MÉDIO 01 - PLANETA TERRA FORMA E MOVIMENTO

ENSINO MÉDIO 01 - PLANETA TERRA FORMA E MOVIMENTO ENSINO MÉDIO 01 - PLANETA TERRA FORMA E MOVIMENTO QUESTÃO 01 - Sobre as características gerais dos movimentos terrestres, julgue os itens: a) É incorreto dizer que o Sol nasce a leste e se põe a oeste,

Leia mais

CONFECÇÃO E USO DE RELÓGIOS SOLARES COMO FERRAMENTAS LÚDICASE PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE CONCEITOS GEOGRÁFICOS

CONFECÇÃO E USO DE RELÓGIOS SOLARES COMO FERRAMENTAS LÚDICASE PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE CONCEITOS GEOGRÁFICOS CONFECÇÃO E USO DE RELÓGIOS SOLARES COMO FERRAMENTAS LÚDICASE PEDAGÓGICAS PARA O ENSINO DE CONCEITOS GEOGRÁFICOS Dener Pereira SANTOS, Alessandro MARTINS, Hildeu Ferreira da ASSUNÇÃO, Campus Jataí, Universidade

Leia mais

A ROSA DOS VENTOS O MOVIMENTO DO SOL PONTOS CARDEAIS PONTOS COLATERAIS. Todo o Escuteiro deve saber orientar-se no campo.

A ROSA DOS VENTOS O MOVIMENTO DO SOL PONTOS CARDEAIS PONTOS COLATERAIS. Todo o Escuteiro deve saber orientar-se no campo. A ROSA DOS VENTOS Todo o Escuteiro deve saber orientar-se no campo. O primeiro passo para o domínio das técnicas de orientação é o conhecimento da Rosa dos Ventos. A Rosa dos Ventos é constituída por 4

Leia mais

BOLETIM PRESENÇA ANO II, nº 03, 1995

BOLETIM PRESENÇA ANO II, nº 03, 1995 BOLETIM PRESENÇA ANO II, nº 03, 1995 U N I R A ASTRONOMIA E O ENSINO DE 1º E 2º GRAUS SANDRA KELLY DE ARAÚJO * Resumo: Astronomia ou Cosmologia no Brasil perdeu o caráter de disciplina e passou a constituir

Leia mais

Abril Educação Astronomia Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota:

Abril Educação Astronomia Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Abril Educação Astronomia Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Questão 1 Complete as lacunas: Os astros não estão fixos, mas realizam vários movimentos no espaço. Sua trajetória é chamada.

Leia mais

NOTAS SOBRE COSMOLOGIA E GESTÃO DO CONHECIMENTO

NOTAS SOBRE COSMOLOGIA E GESTÃO DO CONHECIMENTO NOTAS SOBRE COSMOLOGIA E GESTÃO DO CONHECIMENTO SANJAY VASHIIST ALUNO DO CURSO DE FILOSOFIA DA UFJF. W.W.W.SANJAYMX@YAHOO.COM.MX O esforço de compreender o cosmo tem sido uma das inquietações inerentes

Leia mais

Traçando os caminhos

Traçando os caminhos A UU L AL A Traçando os caminhos Hoje vamos aprender a traçar o caminho entre dois lugares. Já sabemos como encontrar no mapa um lugar que procuramos. Agora, é preciso decidir qual a melhor maneira de

Leia mais

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS

OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS OFICINA DE JOGOS MATEMÁTICOS E MATERIAIS MANIPULÁVEIS Mais informações: Site PIBID: http://www.pibid.ufrn.br/ Site LEM/UFRN: http://www.ccet.ufrn.br/matematica/lemufrn/index.html E-mail do LEM/UFRN: lem2009ufrn@yahoo.com.br

Leia mais

O Q U E É U M REL Ó G I O DE S O L? Relógio de Sol é um instrumento que determina as divisões. do dia através do movimento da sombra de um objecto, o

O Q U E É U M REL Ó G I O DE S O L? Relógio de Sol é um instrumento que determina as divisões. do dia através do movimento da sombra de um objecto, o O Q U E É U M REL Ó G I O DE S O L? Relógio de Sol é um instrumento que determina as divisões do dia através do movimento da sombra de um objecto, o gnómon, sobre o qual incidem os raios solares e que

Leia mais

Sistemas de coordenadas e tempo. 1 Sistema de coordenadas horizontal local

Sistemas de coordenadas e tempo. 1 Sistema de coordenadas horizontal local José Laurindo Sobrinho Grupo de Astronomia da Universidade da Madeira Fevereiro 2014 Sistemas de coordenadas e tempo 1 Sistema de coordenadas horizontal local O sistema de coordenadas horizontal local

Leia mais

As aventuras do Geodetetive 4: As quatro estações. Série Matemática na Escola. Objetivos. As aventuras do Geodetetive 4 1/16

As aventuras do Geodetetive 4: As quatro estações. Série Matemática na Escola. Objetivos. As aventuras do Geodetetive 4 1/16 As aventuras do Geodetetive 4: As quatro estações. Série Matemática na Escola Objetivos 1. Mostrar como os movimentos de translação e de rotação da Terra determinam as estações do ano e a variação da duração

Leia mais

ASTRONOMIA, SOMBRAS E OUTROS CONHECIMENTOS CIENTÍFICOS NO ENSINO MÉDIO

ASTRONOMIA, SOMBRAS E OUTROS CONHECIMENTOS CIENTÍFICOS NO ENSINO MÉDIO ASTRONOMIA, SOMBRAS E OUTROS CONHECIMENTOS CIENTÍFICOS NO ENSINO MÉDIO Guilherme Cândido 1 ; Letícia Gabriela de Campos 2 ; Angelo Augusto Frozza 3 RESUMO A verticalização das construções traz diversos

Leia mais

ELEMENTOS DA ASTRONOMIA Na ANTIGUIDADE a observação dos astros e a interpretação religiosa mantiveram uma ligação praticamente una.

ELEMENTOS DA ASTRONOMIA Na ANTIGUIDADE a observação dos astros e a interpretação religiosa mantiveram uma ligação praticamente una. ELEMENTOS DA ASTRONOMIA Na ANTIGUIDADE a observação dos astros e a interpretação religiosa mantiveram uma ligação praticamente una. Os povos primitivos já utilizavam símbolos representando os corpos celestes

Leia mais

Forças Gravitacionais Diferenciais e Sistema Solar

Forças Gravitacionais Diferenciais e Sistema Solar Introdução à Astrofísica Forças Gravitacionais Diferenciais e Sistema Solar Rogemar A. Riffel Derivação da força diferencial A força gravitacional diferencial é a diferença entre as forcas exercidas em

Leia mais

ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091

ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 INTRODUÇÃO Trata-se de um modelo científico de trabalho, representando o Sol, a Terra e a Lua, e mostrando como estes se relacionam entre si. Foi concebido para mostrar

Leia mais

Coordenadas Geográficas e Projeções Cartográficas. Prof. Bruno

Coordenadas Geográficas e Projeções Cartográficas. Prof. Bruno Coordenadas Geográficas e Projeções Cartográficas Prof. Bruno Paralelos Linhas Imaginárias que cortam o mundo no sentido horizontal Latitude É a medida do ângulo dos Paralelos. Varia de 0 a 90 graus, de

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Produto Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 3 ESTAÇÕES DO ANO E INSOLAÇÃO SOLAR. Movimento Anual do Sol e as Estações do Ano. Estação em diferentes latitudes. Insolação Solar. Recapitulando a aula anterior: Capítulo 2 Trigonometria Esférica

Leia mais

Como surgiu o universo

Como surgiu o universo Como surgiu o universo Modelos para o universo Desde os tempos remotos o ser humano observa o céu, buscando nele pistas para compreender o mundo em que vive. Nessa busca incansável, percebeu fenômenos

Leia mais

EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA

EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA Rogério Santos Grisante 1 ; Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: A prática da expressão corporal na disciplina de Artes Visuais no Ensino Fundamental II pode servir

Leia mais

Movimentos da Terra. 4) Número de aulas: São seis etapas que serão divididas em aulas a critério do professor.

Movimentos da Terra. 4) Número de aulas: São seis etapas que serão divididas em aulas a critério do professor. Movimentos da Terra 1) Objetivo Geral Aplicar os conhecimentos sobre os movimentos da Terra e da Lua para o cotidiano, e mais especificamente, para a economia de energia elétrica como o horário de verão

Leia mais

Respostas - Exercícios de rotação e translação

Respostas - Exercícios de rotação e translação Respostas - Exercícios de rotação e translação 1) "Durante a minha vida inteira me fiz essas perguntas: Existe vida além da Terra? Se existe, como se parece? De que é feita? Os seres de outros mundos se

Leia mais

A ASTRONOMIA E A EDUCAÇÃO: UMA MEDIDA

A ASTRONOMIA E A EDUCAÇÃO: UMA MEDIDA XVI SIMPÓSIO N ACIONAL DE ENSINO DE F ÍSICA 1 A ASTRONOMIA E A EDUCAÇÃO: UMA MEDIDA Francisco Sebastião Lopes de Moura (fslmoura@dea.inpe.br) André Muniz Marinho da Rocha (arocha@ipv.cta.br) Antônio Carlos

Leia mais

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Parte 3/5: 8. Projeções ortogonais 9. Terceira Vista 10. Tipos

Leia mais

DANÇANDO COM A ROSA DOS VENTOS

DANÇANDO COM A ROSA DOS VENTOS DANÇANDO COM A ROSA DOS VENTOS Juliana Alves Dias Universidade do Estado do Amazonas Bolsista Pibid de Geografia/CAPES alves-juliana@outlook.com Marcela Vieira Pereira Mafra Universidade do Estado do Amazonas

Leia mais

O mundo lá fora oficinas de sensibilização para línguas estrangeiras

O mundo lá fora oficinas de sensibilização para línguas estrangeiras O mundo lá fora oficinas de sensibilização para línguas estrangeiras Ligia Paula Couto (Universidade Estadual de Ponta Grossa) Introdução Este artigo relatará a experiência de um grupo de alunos e professores

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 1ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 6º Turma: Data: Nota: Professor(a): Élida Valor da Prova: 65 pontos Orientações gerais: 1) Número de

Leia mais

Palavras-chave: Historiografia; Paraná; Regime de Historicidade; História Regional

Palavras-chave: Historiografia; Paraná; Regime de Historicidade; História Regional Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1280 OS HISTORIADORES, SEUS LUGARES E SUAS REGIÕES: A PRODUÇÃO HISTORIOGRÁFICA DA UNICENTRO SOBRE A REGIÃO PARANAENSE Darlan Damasceno Universidade Estadual de Londrina Resumo.

Leia mais

Planetário de pobre. Introdução. Materiais Necessários. Vamos simular e entender o movimento da abóbada celeste com uma montagem simples e barata.

Planetário de pobre. Introdução. Materiais Necessários. Vamos simular e entender o movimento da abóbada celeste com uma montagem simples e barata. dução Vamos simular e entender o movimento da abóbada celeste com uma montagem simples e barata. Retirado de Rodolfo Caniato, O Céu, ed. Ática, 1990. Cadastrada por Lucas Assis Material - onde encontrar

Leia mais

PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO

PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO Apresentação da Disciplina O Ensino Religioso busca a valorização do pluralismo e a diversidade cultural. Sendo assim ele faz parte dos patrimônios

Leia mais

Oficina de CNII/EF Material do Aluno. Tema: Sistema Solar. Prezado Aluno,

Oficina de CNII/EF Material do Aluno. Tema: Sistema Solar. Prezado Aluno, Tema: Sistema Solar Prezado Aluno, Nesta oficina, você desenvolverá atividades que abordam a constituição do Sistema Solar, os movimentos dos astros, os fenômenos celestes e sua relação com o planeta Terra.

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE ACOMPANHAMENTO DOS PROGRAMAS INSTITUCIONAIS NÚCLEO DE ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR

SUPERINTENDÊNCIA DE ACOMPANHAMENTO DOS PROGRAMAS INSTITUCIONAIS NÚCLEO DE ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR SUPERINTENDÊNCIA DE ACOMPANHAMENTO DOS PROGRAMAS INSTITUCIONAIS NÚCLEO DE ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA GERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR 2ª AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DO 5º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 2012 CIÊNCIAS

Leia mais

ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NAS IMEDIAÇÕES DA CIDADE DE SANTA CECÍLIA PB

ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NAS IMEDIAÇÕES DA CIDADE DE SANTA CECÍLIA PB ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NAS IMEDIAÇÕES DA CIDADE DE SANTA CECÍLIA PB Roseana Barbosa da Silva Graduada em Geografia, Universidade Estadual do Vale do Acaraú UVA/UNAVIDA E-mail: roseanabsilva@gmail.com.br

Leia mais

MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO: TRABALHANDO E DISCUTINDO OS JOGOS BOOLE.

MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO: TRABALHANDO E DISCUTINDO OS JOGOS BOOLE. MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO: TRABALHANDO E DISCUTINDO OS JOGOS BOOLE. Marivete Girelli Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Campus de Foz do Iguaçu mariveteg@hotmail.com Renata Camacho

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

O Ensino da Astronomia

O Ensino da Astronomia O Ensino da Astronomia Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) indicam o estudo da Astronomia no 3o e 4o ciclos do Ensino Fundamental, na área de Ciências Naturais, no eixo temático "Terra e Universo"

Leia mais

CLIMA da REGIÃO de GOIÂNIA

CLIMA da REGIÃO de GOIÂNIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ARTES E ARQUITETURA "Escola Professor Edgar Albuquerque Graeff" CLIMA da REGIÃO de GOIÂNIA Prof. António Manuel C. P. Fernandes maio - 2002 APRESENTAÇÃO O

Leia mais

ASTRONOMIA FUNDAMENTAL EDUCATIVA

ASTRONOMIA FUNDAMENTAL EDUCATIVA ASTRONOMIA FUNDAMENTAL EDUCATIVA Elso DRIGO FILHO 1 Thierry Gregory Gil CHANUT 2 Resumo: O presente trabalho trata do ensino de conceitos de Astronomia voltado às Escolas Públicas de São José do Rio Preto,

Leia mais

Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP

Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP Proposta de Ensino de Geografia para o 3º ano do ensino fundamental rede de Escolas Municipais de Presidente Prudente SP Willian Henrique Martins Faculdade de Ciência e Tecnologia UNESP Email: willteenspirit@hotmail.com

Leia mais

UNIDADE II Processos de medição de ângulos e distâncias.

UNIDADE II Processos de medição de ângulos e distâncias. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS - FESO CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA CCT CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Profª Drª Verônica Rocha Bonfim Engª Florestal

Leia mais

ENSINO DE FÍSICA E MATEMÁTICA PARA DEFICIENTES VISUAIS: RESULTADOS PRELIMINARES

ENSINO DE FÍSICA E MATEMÁTICA PARA DEFICIENTES VISUAIS: RESULTADOS PRELIMINARES ENSINO DE FÍSICA E MATEMÁTICA PARA DEFICIENTES VISUAIS: RESULTADOS PRELIMINARES Vanderleia Baldo 1 ; Maíra Adriana HIllesheim 2 ; Marines Dias Gonçalves 3 ; Angelisa Benetti Clebsch 4 INTRODUÇÃO A partir

Leia mais

Eclipse e outros fenômenos

Eclipse e outros fenômenos Eclipse e outros fenômenos Oficina de CNII/EF Presencial e EAD Todos os dias vários fenômenos ocorrem ao nosso redor, muito próximo de nós. Alguns são tão corriqueiros que nem percebemos sua ocorrência.

Leia mais

Nivelamento Desenho Técnico

Nivelamento Desenho Técnico Módulo: Nivelamento Desenho Técnico Natanael Gomes da Costa Júnior Curso: FTST - FORMAÇÃO TÉCNICA EM SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO DE NIVELAMENTO DESENHO TÉCNICO Sumário Sumário...2 Competências a serem

Leia mais

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br A U A UL LA O céu Atenção Aquela semana tinha sido uma trabalheira! Na gráfica em que Júlio ganhava a vida como encadernador, as coisas iam bem e nunca faltava serviço. Ele gostava do trabalho, mas ficava

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA

SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA SISTEMAS DE 18 COORDENADAS UTILIZADOS EM ASTRONOMIA NÁUTICA E NAVEGAÇÃO ASTRONÔMICA 18.1 CONCEITOS FUNDAMENTAIS Conforme visto no capítulo anterior, para determinar a posição de qualquer ponto na superfície

Leia mais

G E O G R A F I A DIRETRIZES GERAIS

G E O G R A F I A DIRETRIZES GERAIS G E O G R A F I A DIRETRIZES GERAIS Estuda-se Geografia para aprender a pensar de forma original, criativa e crítica, a partir da própria realidade espacial, que não se limita ao próximo e imediato, mas

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL: SUBESTRATÉGIA METACOGNITIVA DE PLANEJAMENTO

EDUCAÇÃO INFANTIL: SUBESTRATÉGIA METACOGNITIVA DE PLANEJAMENTO EDUCAÇÃO INFANTIL: SUBESTRATÉGIA METACOGNITIVA DE PLANEJAMENTO BATISTA, Giovani de Paula PUCPR giovanip_batista@hotmail.com GUENO, Renata UFPR renata_gueno@hotmail.com PORTILHO, Evelise Maria Labatut PUCPR

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS DAS FASES DA LUA: Uma forma significativa no Ensino Fundamental

ATIVIDADES PRÁTICAS DAS FASES DA LUA: Uma forma significativa no Ensino Fundamental ATIVIDADES PRÁTICAS DAS FASES DA LUA: Uma forma significativa no Ensino Fundamental Denise Amaral 1 Everton Lüdke 2 Resumo: Este trabalho descreve atividade que aborda a ocorrência das fases da Lua. A

Leia mais

www.enemdescomplicado.com.br

www.enemdescomplicado.com.br Exercícios de Física Gravitação Universal 1-A lei da gravitação universal de Newton diz que: a) os corpos se atraem na razão inversa de suas massas e na razão direta do quadrado de suas distâncias. b)

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS EMENTAS DO CURSO DE GEOGRAFIA CURRÍCULO NOVO, A PARTIR DE 2011 NÍVEL I 15359-04 Epistemologia da Geografia Introdução ao campo teórico da Geografia. Construção de uma Base Teórica e Epistemológica dos

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN DISCIPLINA : MUNDO NATURAL OBJETIVOS GERAIS Demonstrar interesse e curiosidade pelo mundo social e natural,

Leia mais

SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO PARA JARDINS E GRAMADOS. José Giacoia Neto

SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO PARA JARDINS E GRAMADOS. José Giacoia Neto SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO PARA JARDINS E GRAMADOS José Giacoia Neto Eng. Agrícola. M.Sc. em Irrigação e Drenagem Universidade Federal de Viçosa - MBA Executivo Internacional em Gestão Comercial Fundação Getúlio

Leia mais

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Avaliação Sumativa - Ciências Físico - Químicas 11.º Ano - Ano Lectivo 09/10

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Avaliação Sumativa - Ciências Físico - Químicas 11.º Ano - Ano Lectivo 09/10 Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Avaliação Sumativa - Ciências Físico - Químicas 11.º Ano - Ano ectivo 09/10 Duração da Actividade: 90 minutos Data: 04/ 12 / 09 Responda com clareza às questões

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

QUADRO DE EQUIVALENTES, CONTIDAS E SUBSTITUTAS DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO

QUADRO DE EQUIVALENTES, CONTIDAS E SUBSTITUTAS DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO 28380 Antropologia Teológica A 1 34 28380 Antropologia Teológica A 1 34 A partir de conceitos teológicos, estimula o aluno a problematizar e analisar, criticamente, Equivalente Estuda a cultura humana,

Leia mais

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL Márcio Henrique Laperuta 1 Rodrigo Santos2 Karina Fagundes2 Erika Rengel2 UEL- Gepef-Lapef-PIBID RESUMO

Leia mais

As atividades econômicas realizadas pelas pessoas costumam ser agrupadas em três setores.

As atividades econômicas realizadas pelas pessoas costumam ser agrupadas em três setores. SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: 03 / 2 / 205 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): TURMA: N.º: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Médio Etec: PROFESSOR MARIO ANTONIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Área de conhecimento: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: GEOGRAFIA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Área de conhecimento: Ciências humanas e suas tecnologias. Componente Curricular: geografia Série:

Leia mais

Prof. Franco Augusto

Prof. Franco Augusto Prof. Franco Augusto Astros São corpos que giram no espaço, classificados de acordo com a luminosidade. Iluminados ou opacos não possuem luz própria, recebendo luz das estrelas. São os planetas, asteroides,

Leia mais

Para explicar o equilíbrio existente nesse conjunto organizado de astros a Astrofísica propôs:

Para explicar o equilíbrio existente nesse conjunto organizado de astros a Astrofísica propôs: O SISTEMA SOLAR Para entendermos o mecanismo do "SISTEMA TERRA" temos que ter noções básicas de um contexto mais amplo: o espaço cósmico, onde se processam, entre outros milhares, o "SISTEMA SOLAR". UNIVERSO

Leia mais

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota 1 UMC Engenharia Mecânica Expressão Gráfica 2 Prof.: Jorge Luis Bazan. Desenho Básico Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Em desenho técnico damos o nome de cota ao conjunto de elementos gráficos introduzidos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Astronomia, Metodologia, Ensino, Software livre

PALAVRAS-CHAVE: Astronomia, Metodologia, Ensino, Software livre DESENVOLVIMENTO DE UMA METODOLOGIA DE ENSINO DE ASTRONOMIA COM O USO DE SOFTWARE LIVRE FILHO, Valdinei Bueno Lima 1, PRADO, Valdiglei Borges 2, SOARES, Fabrízzio Alphonsus A. M. N. 3, MARTINS, Alessandro

Leia mais

AS IDEIAS DOS ALUNOS SOBRE TEMAS CIENTÍFIGOS: VALE A PENA LEVA.LAS A SÉRIO?

AS IDEIAS DOS ALUNOS SOBRE TEMAS CIENTÍFIGOS: VALE A PENA LEVA.LAS A SÉRIO? AS IDEIAS DOS ALUNOS SOBRE TEMAS CIENTÍFIGOS: VALE A PENA LEVA.LAS A SÉRIO? Creso Franco Pesquisa de opinião pública realizada recentemente na Inglaterra mostrou que cerca de 50% dos jovens adultos entrevistados

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL BIJAMIM TAVARES DA SILVA DO 3º ANO.

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL BIJAMIM TAVARES DA SILVA DO 3º ANO. EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO FUNDAMENTAL I DA ESCOLA ESTADUAL BIJAMIM TAVARES DA SILVA DO 3º ANO. Eliete Alves Barcelo 1 Priscylla Karoline Menezes 2 Introdução A utilização dos recursos naturais de forma

Leia mais

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br Educação Inclusiva Direito à Diversidade O Ensino comum na perspectiva inclusiva: currículo, ensino, aprendizage m, conheciment o Educação Inclusiva Direito à Diversidade Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

Projeto para o Ensino de Astronomia aos Alunos do Ensino Fundamental e Médio.

Projeto para o Ensino de Astronomia aos Alunos do Ensino Fundamental e Médio. Projeto para o Ensino de Astronomia aos Alunos do Ensino Fundamental e Médio. Clayton Dantas se Sá Evandro Furlan Franciscatto Luiz Antonio Genorazzo Índice Índice... 2 Introdução.... 3 O projeto...3 Aspectos

Leia mais

O GEOPROCESSAMENTO E O PLANEJAMENTO TERRITORIAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS ESCOLAS ESTADUAIS EM CAMPINA GRANDE-PB

O GEOPROCESSAMENTO E O PLANEJAMENTO TERRITORIAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS ESCOLAS ESTADUAIS EM CAMPINA GRANDE-PB O GEOPROCESSAMENTO E O PLANEJAMENTO TERRITORIAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS ESCOLAS ESTADUAIS EM CAMPINA GRANDE-PB Erbeth Yuri dos Santos Nascimento¹, Antônio Pereira

Leia mais

JUSTIFICATIVA VISÕES DO LUGAR: REPRESENTAÇÃO DE MEMÓRIA E DE HISTÓRIA DE CATALÃO EM PESQUISAS

JUSTIFICATIVA VISÕES DO LUGAR: REPRESENTAÇÃO DE MEMÓRIA E DE HISTÓRIA DE CATALÃO EM PESQUISAS VISÕES DO LUGAR: REPRESENTAÇÃO DE MEMÓRIA E DE HISTÓRIA DE CATALÃO EM PESQUISAS HISTÓRICAS DO CURSO DE HISTÓRIA DO CAC UFG, NO PERÍODO DE 1995 A 2001. Jaciely Soares da Silva, UFG/CAC; jacielysoares@hotmail.com

Leia mais

DESCRITORES DAS PROVAS DO 1º BIMESTRE

DESCRITORES DAS PROVAS DO 1º BIMESTRE PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO DESCRITORES DAS PROVAS DO 1º BIMESTRE CIENTISTAS DO AMANHÃ Descritores 1º Bimestre

Leia mais

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 4 o ano Ensino Fundamental Data da entrega: 17/04/2015. Nome: n o :

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 4 o ano Ensino Fundamental Data da entrega: 17/04/2015. Nome: n o : Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 4 o ano Ensino Fundamental Data da entrega: 17/04/2015 Nome: n o : Créditos distribuídos: 8,0 Créditos obtidos: 1) A personagem Gabriela, que conta a história do planetário,

Leia mais

S is t emas de. R. Boczko IAG - USP

S is t emas de. R. Boczko IAG - USP S is t emas de Coordenadas em As t ronomia 16 07 03 R. Boczko IAG - USP Dia Movimento diurno aparente do Sol Meio-dia Zênite Nascer PS Horizonte Ocaso PN Movimento Sol de Rotação da Terra PS Sol Sol Estrela

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA MELHORIA DO ENSINO

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA MELHORIA DO ENSINO A MODELAGEM MATEMÁTICA NA MELHORIA DO ENSINO (1) José Hélio Henrique de Lacerda; (2) Maria Claudia Coutinho Henrique; (3) Davis Matias Oliveira. (1) Universidade Estadual da Paraíba, heliohlacerda@gmail.com

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE GEOGRAFIA/ 2ª Avaliação 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO - PRIMEIRO TRIMESTRE 2013

LISTA DE EXERCÍCIOS DE GEOGRAFIA/ 2ª Avaliação 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO - PRIMEIRO TRIMESTRE 2013 QUESTÕES DISCURSIVAS LISTA DE EXERCÍCIOS DE GEOGRAFIA/ 2ª Avaliação 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO - PRIMEIRO TRIMESTRE 2013 21. Podemos dizer que o espaço geográfico é o espaço astronômico ou sideral, o Universo?

Leia mais

Movimento Aparente dos Astros e Descrição do Céu

Movimento Aparente dos Astros e Descrição do Céu Movimento Aparente dos Astros e Descrição do Céu Fatos observados desde a antiguidade: Existem 5 astros ou estrelas errantes, posteriormente denominados planetas, que percorrem rapidamente o céu sobre

Leia mais

Autor: (C) Ángel Franco García. Ptolomeu e Copérnico. Os planetas do Sistema Solar. Os satélites. Atividades

Autor: (C) Ángel Franco García. Ptolomeu e Copérnico. Os planetas do Sistema Solar. Os satélites. Atividades Nesta página eu apenas traduzi podendo ter introduzido, retirado ou não alguns tópicos, inclusive nas simulações. A página original, que considero muito boa é: Autor: (C) Ángel Franco García O Sistema

Leia mais

A FORMAÇÃO DO CONHECIMENTO EM DIREITOS HUMANOS PARA A EDUCAÇÃO

A FORMAÇÃO DO CONHECIMENTO EM DIREITOS HUMANOS PARA A EDUCAÇÃO A FORMAÇÃO DO CONHECIMENTO EM DIREITOS HUMANOS PARA A EDUCAÇÃO Resumo Jaderson Felisberto Valério 1 - PUCPR Reginaldo Rodrigues da Costa 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e

Leia mais

São partes integrantes do respectivo projeto as seguintes atividades:

São partes integrantes do respectivo projeto as seguintes atividades: REDESCOBRINDO A ASTRONOMIA: UMA NOVA JANELA PARA O CÉU DO CERRADO SANTOS, Dener Pereira.; MARTINS, Alessandro.; PRADO, Valdiglei Borges.; LIMA, Thiago Oliveira. 1 Palavras-chaves: Divulgação científica,

Leia mais

Componente curricular: Topografia e Cartografia. Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli

Componente curricular: Topografia e Cartografia. Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli Componente curricular: Topografia e Cartografia Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli 1. Introdução a Topografia. 1.1. Definição. Como seria uma cidade se os donos de propriedades

Leia mais

ENSINO DA MATEMÁTICA EM DIFERENTES ESPAÇOS ESCOLARES

ENSINO DA MATEMÁTICA EM DIFERENTES ESPAÇOS ESCOLARES ENSINO DA MATEMÁTICA EM DIFERENTES ESPAÇOS ESCOLARES Resumo Luana Cristina Pauliv de Araújo Scheleider 1 - PUCPR Francielle Leiroz Rodrigues 2 - PUCPR Lucas Andrei das Neves 3 - PUCPR Grupo de Trabalho

Leia mais

O XADREZ COMO FERRAMENTA MULDISCIPLINAR

O XADREZ COMO FERRAMENTA MULDISCIPLINAR O XADREZ COMO FERRAMENTA MULDISCIPLINAR Lindsay Franciane da Costa Melo Reis * RESUMO O presente projeto busca proporcionar uma ação multidisciplinar através do xadrez na Escola de ensino Fundamental Santa

Leia mais

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004-

Topografia. Conceitos Básicos. Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- Topografia Conceitos Básicos Prof.: Alexandre Villaça Diniz - 2004- 1 ÍNDICE ÍNDICE...1 CAPÍTULO 1 - Conceitos Básicos...2 1. Definição...2 1.1 - A Planta Topográfica...2 1.2 - A Locação da Obra...4 2.

Leia mais