Classificação Linear de Caprinos Leiteiros

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Classificação Linear de Caprinos Leiteiros"

Transcrição

1 Classificação Linear de Caprinos Leiteiros Silvio Doria de Almeida Ribeiro 1,2,3 e Anamaria Cândido Ribeiro 1,2,4 1 Dr, Professor do CREUPI - Espírito Santo do Pinhal SP 2 Consultor da Capritec 3 4 Introdução O objetivo da maioria dos e criadores de caprinos leiteiros é o retorno econômico da atividade. Para isso, devem ter cabras saudáveis, produtivas e bem conformadas, capazes de produzir de forma eficiente por longo tempo. A conformação funcional é indispensável para que esse objetivo seja atingido, daí sua importância econômica nos programas de melhoramento. A vida produtiva das cabras é influenciada pela sua conformação funcional com reflexos no aumento de tempo de permanência no rebanho e diminuição na taxa de descarte involuntário. Portanto, uma avaliação de conformação funcional criteriosa auxilia na produção e aumenta a longevidade, com reflexo direto no desempenho econômico da atividade (RIBEIRO, 1997). A Classificação Linear consiste em atribuir notas a diferentes características, com valores que vão de 1 a 50, no sistema americano, e de 1 a 9, no sistema francês. Esses valores devem ser suficientes para detectar as diferenças entre os animais e caracterizar de forma precisa e acurada cada característica considerada. Há três critérios para a definição das características a serem avaliadas: deve ter valor econômico, aumentando a longevidade (reduzindo a taxa de descarte) ou aumentando a produção, a herdabilidade da característica deve ser de no mínimo 0,15, e a avaliação deve ter uma repetibilidade aceitável entre os avaliadores, o que exige que o critério de avaliação da característica seja descrito de forma suficientemente precisa. Cada característica é avaliada individualmente, e não como uma parte de um grupo de características, com a nota sendo atribuída de um extremo biológico ao outro, daí a denominação Linear. Esse método vem sendo cada vez mais utilizado, pois permite uma avaliação objetiva e um melhor direcionamento do melhoramento para tipo. Um dos objetivos primários do programa de classificação linear é identificar e enfatizar características associadas com a longevidade dos animais. Há estudos que avaliam as relações entre as características lineares de tipo e a produção de leite e vida produtiva de gado Holandês. A correlação genética entre produção de leite e características leiteiras de gado holandês, por exemplo, é de 0,52 (SHORT, 1992). WEIGEL et al. (1998) em seu estudo concluíram que o comprimento da vida produtiva está positivamente correlacionado com muitas características de produção e lineares de tipo. Histórico As avaliações de tipo iniciaram-se com as exposições de animais. Os principais problemas eram a política e a variação entre juízes e regiões. Em 1922 ocorreu a primeira tentativa de padronização. As características de conformação (tipo) têm sido registradas para o gado Holandês desde Inicialmente, os programas de classificação foram delineados para descrever a conformação física dos animais e eram apenas utilizados para animais registrados. O valor final desta classificação (escore final) e de 4 categorias principais (aparência geral,

2 características leiteiras, capacidade corporal e sistema mamário) eram registradas para cada vaca. Em 1967 as categorias descreviam 11 características. A Classificação Linear foi desenvolvida no final dos anos 70, e a maioria das associações de criadores de bovinos leiteiros americanos iniciou seu uso no início dos anos 80. A partir de 1976 passaram a coletar também as informações de vacas sem registro. Em 1983 foi introduzida uma escala biológica contínua para pontuação (SHORT, 1992). Foi assim que iniciou-se a ênfase no ganho genético através da classificação dos animais. Esta classificação tornou possível avaliar os pontos fortes e fracos dos reprodutores, de forma objetiva. O Sistema Norte-Americano de Avaliação Linear de Caprinos Leiteiros É o sistema utilizado pela American Dairy Goat Association. São consideradas 13 características primárias e 1 secundária que são usadas pelo classificador para avaliar a conformação funcional. São adicionadas 8 áreas a avaliação: cabeça, espádua, membros anteriores, membros posteriores, pés, linha de dorso e garupa e textura de úbere que são pontuados como excelente, muito bom, bom para mais, bom, aceitável e fraco. São ainda incluídos dois campos para a inserção de informações complementares. A última parte é a avaliação do animal em 4 categorias (aparência geral, característica leiteira, capacidade corporal e sistema mamário) avaliados como descrito acima e um escore final em uma escala de 100 pontos. Vale ressaltar que, para elaborar o sumário de bodes, são utilizadas apenas as informações lineares e o escore final As características primárias são aquelas consideradas de importância econômica e com variação suficiente para permitir a sua seleção. São elas: a. Forma Estatura: é a distância vertical do solo à cernelha. O tamanho da cabra está diretamente relacionado com a quantidade de leite que a cabra é capaz de produzir, independente da eficiência dessa produção. Nesse item, 26 polegadas correspondem a 5 pontos, 30 polegadas a 25 pontos e 34 polegadas, 45 pontos. Portanto, cada polegada corresponde a 5 pontos. b. Forma Força: é avaliada considerando-se a largura e profundidade do tórax, a largura do maxilar e estrutura óssea. Está relacionada à capacidade de sustentar alta produção e a uma boa condição de saúde. c. Forma - Caracterização Leiteira: é avaliada considerando-se a angulosidade, a forma dos ossos, a abertura e o arqueamento das costelas, o comprimento e a estrutura do pescoço, a definição e a angulosidade da cernelha, a profundidade e o arqueamento do flanco, a curvatura do posterior, musculosidade e feminilidade, o refinamento, a delicadeza e textura da pele, a altura e forma da área do escudo. Varia de arredondada e grosseira a angulosa e cortante.

3 d. Estrutura - Ângulo da Garupa: considera-se o ângulo dos ílios para os ísquios. Está relacionada à facilidade de parto, drenagem do trato reprodutivo, comprimento do úbere, força do ligamento anterior e profundidade do úbere. e. Estrutura - Largura da Garupa: é a distância entre os íleos. Está relacionada à facilidade de parto e é um indicador da largura do corpo e do potencial para largura do úbere f. Estrutura - Pernas, visão lateral: é medida através do ângulo do jarrete. Está relacionada à durabilidade das pernas e pés.

4 g. Úbere - Ligamento anterior: observa-se a resistência dos ligamentos laterais à parede do corpo e varia de extremamente solto a extremamente forte e aderido. h. Úbere - Altura do úbere posterior: é avaliado medindo-se a distância entre a vulva e o ligamento posterior. É um indicativo da capacidade potencial para produção, afetando a capacidade do úbere; também está relacionado com a capacidade do úbere em manter a sua forma e posição através de lactações sucessivas. i. Úbere - Arco do úbere posterior: considera a largura e o formato do ligamento do úbere posterior. É um indicativo da capacidade de produção e afeta a capacidade do úbere e a capacidade de manter a sua forma e posição ao longo das lactações.

5 j. Úbere - Ligamento suspensório médio: é avaliado medindo-se a distância do piso do úbere ao ligamento suspensório médio. É o suporte primário para o úbere. Afeta a produção mantendo as tetas protegidas e o úbere elevado, reduzindo o potencial de injúria. k. Úbere Profundidade: é avaliada pela distância entre o piso do úbere e os jarretes. É necessária uma certa profundidade para que o úbere tenha volume, mas profundidade em excesso torna o úbere mais suscetível a injúrias e a mastite. l. m. Úbere - Posição da teta: é analisada dividindo-se cada metade do úbere em 3 partes. Está relacionada a facilidade de ordenha e a susceptibilidade a injúrias

6 n. Úbere - Diâmetro das tetas: é medida na região de inserção da teta no úbere. É uma característica relacionada a facilidade de ordenha. As características secundárias são aquelas que estão sendo avaliadas para obtenção de dados para verificação da adequação ou não de sua inclusão dentre as características primárias. Encontra-se nessa categoria o úbere posterior, vista lateral, que é a forma do úbere da teta ao ligamento posterior, vista de lado e indica a capacidade do úbere posterior São adicionadas 8 avaliações: cabeça, espádua, membros anteriores, membros posteriores, pés, linha de dorso e garupa e textura de úbere, pontuados como excelente, muito bom, bom para mais, bom, aceitável e fraco. Também são incluídos dois campos para a inserção de informações complementares. As categorias principais (aparência geral, características leiteiras, capacidade corporal e sistema mamário) são pontuadas como descrito para as categorias estruturais. A etapa final é a determinação do escore final do animal. O Sistema Francês de Avaliação Linear de Caprinos Leiteiros O sistema francês naturalmente segue os mesmos princípios básicos. As razões para o uso de uma nova tabela de pontuação foram apresentadas em 1994, sendo colhidos dados durante três anos. Em 1997, 29 técnicos classificadores visitaram 955 criações e examinaram mais de cabras, com pontuações servindo em prioridade à qualificação das cabras (mães de bodes ou não) e mais de 3000 pontuações das filhas dos bodes doadores de sêmen, úteis para conhecer os parâmetros genéticos dos caracteres morfológicos de modo a efetuar uma indexação assim como para permitir a evolução da tabela de pontuação. Foram consideradas as seguintes características:

7 a. Desenvolvimento: perímetro torácico, linha de dorso e ângulo da garupa; b. Aprumos: visão posterior dos aprumos traseiros, ângulo de jarrete; c. Úbere: volume do úbere anterior, altura de implantação das tetas, profundidade do úbere; d. Tetas: forma, tamanho, inclinação, implantação e orientação; e. Úbere posterior: força do ligamento médio e largura da implantação. Considerações Finais A classificação linear é uma avaliação objetiva, consistente e com um bom embasamento técnico e científico, permitindo um progresso genético compatível com os anseios dos produtores de caprinos leiteiros. Esse tipo de avaliação já é utilizada em países com uma caprinocultura leiteira reconhecidamente desenvolvida, como França e Estados Unidos, devendo ser considerada sua implantação no Brasil. Literatura Consultada AMERICAN DAIRY GOAT ASSOCIATION. Linear appraisal system for dairy goats. Spindale, NC NORMAN, H.D., POWELL, R. L. WRIGHT, J. R. E PEARSON R. E. Phenotypic Relationship of Yield and Type Scores from First Lactation with Herd Life and Profitability. J Dairy Sci 79: RIBEIRO, S.D.A. Caprinocultura: criação racional de caprinos. São Paulo: Nobel, p. SHORT, T. H. e LAWLOR, T. J. Genetic Parameters of Conformation Traits, Milk Yield, and Herd Life in Holsteins. J Dairy Sci 75: WEIGEL, K. A., LAWLOR JR., T. J., VANRADEN e P. M. E WIGGANS, G. R.Use of Linear Type and Production Data to Supplement Early Predicted Transmitting Abilities for Productive Life. J Dairy Sci 81:

RAÇA HOLANDESA MODERNIZA E ATUALIZA SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA CONFORMAÇÃO DAS VACAS (Classificação para Tipo )

RAÇA HOLANDESA MODERNIZA E ATUALIZA SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA CONFORMAÇÃO DAS VACAS (Classificação para Tipo ) RAÇA HOLANDESA MODERNIZA E ATUALIZA SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA CONFORMAÇÃO DAS VACAS (Classificação para Tipo ) Por: Altair Antonio Valloto; Méd.Vet.; Superintendente da APCBRH Presidente do Conselho Deliberativo

Leia mais

Avaliação e Seleção de Caprinos

Avaliação e Seleção de Caprinos Avaliação e Seleção de Caprinos Dr. Cláudio José Araújo da Silva Eng. Agrônomo Dr. Odilei Rogério Prado Méd. Veterinário Laboratório de Produção e Pesquisa em Ovinos e Caprinos LAPOC 2013 AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO VII DA RAÇA E DA SUA CLASSIFICAÇÃO PARA FINS DE REGISTRO

CAPÍTULO VII DA RAÇA E DA SUA CLASSIFICAÇÃO PARA FINS DE REGISTRO CAPÍTULO VII DA RAÇA E DA SUA CLASSIFICAÇÃO PARA FINS DE REGISTRO Artigo 23 - Para o Serviço de Registro Genealógico denominam-se Bovinos da Raça Holandesa, os bovinos de qualquer idade, sexo ou variedade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DE DOM PEDRITO CURSO ZOOTECNIA. Aula - Morfologia externa de vacas leiteiras

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DE DOM PEDRITO CURSO ZOOTECNIA. Aula - Morfologia externa de vacas leiteiras UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DE DOM PEDRITO CURSO ZOOTECNIA Aula - Morfologia externa de vacas leiteiras Prof. Luciane Rumpel Segabinazzi Bovinocultura de Leite I 2/2015 EZOOGNÓSIA: É o ramo da

Leia mais

Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial

Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial Ronaldo Lazzarini Santiago 1 INTRODUÇÃO As fazendas Calciolândia e Colonial, de Gabriel Donato de Andrade, sempre foram a referência na seleção do

Leia mais

Co-financiados no âmbito da Medida 10 - Programa AGRO UNIÃO EUROPEIA FUNDOS ESTRUTURAIS

Co-financiados no âmbito da Medida 10 - Programa AGRO UNIÃO EUROPEIA FUNDOS ESTRUTURAIS Co-financiados no âmbito da Medida 10 - Programa AGRO UNIÃO EUROPEIA FUNDOS ESTRUTURAIS Manual de Classificação Morfológica Manual de Classificação Morfológica Porquê a Classificação Morfológica? A classificação

Leia mais

Estudo dos efeitos de ambiente sobre as características lineares de tipo em rebanhos bovinos da raça Holandesa

Estudo dos efeitos de ambiente sobre as características lineares de tipo em rebanhos bovinos da raça Holandesa Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.56, n.4, p.522-528, 2004 Estudo dos efeitos de ambiente sobre as características lineares de tipo em rebanhos bovinos da raça Holandesa [Study of environmental effects on

Leia mais

PROVAS DEZEMBRO 2014 EUA MUDANÇA DE BASE GENÉTICA

PROVAS DEZEMBRO 2014 EUA MUDANÇA DE BASE GENÉTICA PROVAS DEZEMBRO 2014 EUA MUDANÇA DE BASE GENÉTICA O grande ajuste da base genética que ocorre nos EUA a cada 5 anos foi feito com a prova de Dezembro 2014. A referência da base foi atualizada para vacas

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DAS PROVAS DE REPRODUTORES LEITEIROS

INTERPRETAÇÃO DAS PROVAS DE REPRODUTORES LEITEIROS AZ042 Bovinocultura de Leite Aula 14 INTERPRETAÇÃO DAS PROVAS DE REPRODUTORES LEITEIROS Prof. Rodrigo de Almeida Entendendo as Provas de Touros Canadenses Informações de Produção Provas de produção Baseado

Leia mais

Como estimar peso vivo de novilhas quando a balança não está disponível? Métodos indiretos: fita torácica e hipômetro

Como estimar peso vivo de novilhas quando a balança não está disponível? Métodos indiretos: fita torácica e hipômetro Como estimar peso vivo de novilhas quando a balança não está disponível? Métodos indiretos: fita torácica e hipômetro Introdução O principal objetivo nos sistemas de criação de novilhas leiteiras é conseguir

Leia mais

GESTÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE GCQ

GESTÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE GCQ ASSOCIAÇÃO PARANAENSE DE CRIADORES DE BOVINOS DA RAÇA HOLANDESA PROGRAMA DE ANÁLISE DE REBANHOS LEITEIROS DO PARANÁ Convênio APCBRH/UFPR GESTÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE GCQ MANUAL GESTÃO DE CONTROLE DE

Leia mais

Inseminação Artificial Aplicada ao Melhoramento Genético Animal

Inseminação Artificial Aplicada ao Melhoramento Genético Animal Inseminação Artificial Aplicada ao Melhoramento Genético Animal Equipe de pesquisadores MGA/ CNPGL: Maria Gabriela C.D. Peixoto Rui da Silva Verneque João Cláudio do Carmo Panetto Frank Ângelo Tomita Bruneli

Leia mais

REGULAMENTO DE EXPOSIÇÕES DA RAÇA SIMENTAL CAPÍTULO I CAPÍTULO II

REGULAMENTO DE EXPOSIÇÕES DA RAÇA SIMENTAL CAPÍTULO I CAPÍTULO II REGULAMENTO DE EXPOSIÇÕES DA RAÇA SIMENTAL CAPÍTULO I Art. 1º As Exposições Municipais, Regionais, Estaduais, Nacionais e Internacionais, têm por finalidade reunir os trabalhos zootécnicos de desenvolvimento

Leia mais

Estudo de Características Lineares de Tipo em Gado Holandês em Confinamento Total no Distrito Federal

Estudo de Características Lineares de Tipo em Gado Holandês em Confinamento Total no Distrito Federal R. Bras. Zootec., v.27, n.5, p.906-915, 1998 Estudo de Características Lineares de Tipo em Gado Holandês em Confinamento Total no Distrito Federal Concepta McManus 1, Moacir G. Saueressig 2 RESUMO - O

Leia mais

Kit Embrapa de Ordenha Manual para Caprinos Leiteiros. Instruções de montagem e utilização

Kit Embrapa de Ordenha Manual para Caprinos Leiteiros. Instruções de montagem e utilização Kit Embrapa de Ordenha Manual para Caprinos Leiteiros Instruções de montagem e utilização Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Caprinos e Ovinos Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Entendendo os Resultados

Entendendo os Resultados Entendendo os Resultados Clarifide são marcadores de DNA que predizem o potencial genético de cada animal. Clarifide Dairy é um painel de 6.000 marcadores (6K) para 30 características de produção, saúde

Leia mais

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Importância Produtividade do rebanho => obter sucesso

Leia mais

Selecionando para Melhorar as Carcaças do Gado de Corte:

Selecionando para Melhorar as Carcaças do Gado de Corte: Selecionando para Melhorar as Carcaças do Gado de Corte: Leonardo Campos 1 e Gabriel Campos 2 O professor e pesquisador norte-americano R.A. Bob Long, colunista da revista Angus Journal e autor do Sistema

Leia mais

COMO SÃO FEITOS OS TESTES DE PROGENIE (PROVAS DE TOUROS) Reginaldo Santos, André Bruzzi Corrêa

COMO SÃO FEITOS OS TESTES DE PROGENIE (PROVAS DE TOUROS) Reginaldo Santos, André Bruzzi Corrêa COMO SÃO FEITOS OS TESTES DE PROGENIE (PROVAS DE TOUROS) Reginaldo Santos, André Bruzzi Corrêa Av. Edilson Lamartine Mendes, 613 38045-000 Uberaba, MG E-mail: brasil@altagenetics.com.br O primeiro passo

Leia mais

MANUAL DE JULGAMENTO

MANUAL DE JULGAMENTO MANUAL DE JULGAMENTO Barbacena, 21 de março de 2012. Introdução A Ezoognósia ou Exterior é o ramo da Zootecnia que estuda a conformação externa dos animais domésticos, apreciando as belezas e defeitos,

Leia mais

Manual. do Produtor. de bezerro de corte

Manual. do Produtor. de bezerro de corte Manual do Produtor de bezerro de corte INTRODUÇÃO 02 A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracterizase como um período fundamental no processo de produção. As técnicas

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO

MELHORAMENTO GENÉTICO MELHORAMENTO GENÉTICO Mudança do material hereditário do rebanho de forma a capacitá-lo para produzir leite, mais economicamente em um determinado ambiente. Genética é a ciência que estuda a variação e

Leia mais

Efeito das Taxas de Descarte sobre Medidas Econômicas de Vacas Leiteiras em Kentucky 1

Efeito das Taxas de Descarte sobre Medidas Econômicas de Vacas Leiteiras em Kentucky 1 Efeito das Taxas de Descarte sobre Medidas Econômicas de Vacas Leiteiras em Kentucky 1 Anamaria Cândido Ribeiro 2,3,5, Alan Jack McAllister 4, Sandra Aidar de Queiroz 5,6 RESUMO - Foram utilizadas 19.565

Leia mais

Caprinos e ovinos em São Paulo atraem argentinos

Caprinos e ovinos em São Paulo atraem argentinos Caprinos e ovinos em São Paulo atraem argentinos Andréa Leda Ramos de Oliveira Ojima (andrea@iea.sp.gov.br) Luiza Maria Capanema Bezerra (luizamcb@aptaregional.sp.gov.br) Alessandra Ligia Ramos de Oliveira

Leia mais

CAPRICORNIUS - SISTEMA PARA GERENCIAMENTO DE REBANHO CAPRINO

CAPRICORNIUS - SISTEMA PARA GERENCIAMENTO DE REBANHO CAPRINO CAPRICORNIUS - SISTEMA PARA GERENCIAMENTO DE REBANHO CAPRINO VICTOR DIAS VALENTIM 1 MARCELO TEIXEIRA RODRIGUES 2 JUGURTA LISBOA FILHO 3 RESUMO Um Sistema de Informação, denominado Capricornius, atualmente

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=340>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Manejo e comportamento reprodutivo de cabras 1 Victor Costa e Silva 2 1 Parte da monografia

Leia mais

CÃO DE GADO TRANSMONTANO

CÃO DE GADO TRANSMONTANO CÃO DE GADO TRANSMONTANO ORIGEM: Trás-os-Montes - Portugal UTILIZAÇÃO: Cão de guarda e protecção de gado ovino e caprino CLASSIFICAÇÃO: 2º Grupo, secção II Molossóides BREVE RESENHA HISTÓRICA: A origem

Leia mais

Publicado on line em animal.unb.br em 13/10/2010. Bovino Curraleiro

Publicado on line em animal.unb.br em 13/10/2010. Bovino Curraleiro INCT: Informação Genético-Sanitária da Pecuária Brasileira SÉRIE TÉCNICA: GENÉTICA Publicado on line em animal.unb.br em 13/10/2010 Bovino Curraleiro Maria Clorinda Soares Fioravanti 1, Raquel Soares Juliano

Leia mais

AVALIAÇÕES DE OBJETIVOS ECONÔMICOS PARA GADO DE LEITE, DE CORTE E DE DUPLA APTIDÃO NO BRASIL. Anibal Eugênio Vercesi Filho, Fernando Enrique Madalena

AVALIAÇÕES DE OBJETIVOS ECONÔMICOS PARA GADO DE LEITE, DE CORTE E DE DUPLA APTIDÃO NO BRASIL. Anibal Eugênio Vercesi Filho, Fernando Enrique Madalena AVALIAÇÕES DE OBJETIVOS ECONÔMICOS PARA GADO DE LEITE, DE CORTE E DE DUPLA APTIDÃO NO BRASIL Anibal Eugênio Vercesi Filho, Fernando Enrique Madalena Departamento de Zootecnia, Escola de Veterinária da

Leia mais

Efeito do Ajustamento da Produção de Leite para Período de Serviço Anterior sobre os Valores Genéticos de Bovinos da Raça Holandesa

Efeito do Ajustamento da Produção de Leite para Período de Serviço Anterior sobre os Valores Genéticos de Bovinos da Raça Holandesa Rev. bras. zootec., 30(2):383-387, 2001 Efeito do Ajustamento da Produção de Leite para Período de Serviço Anterior sobre os Valores Genéticos de Bovinos da Raça Holandesa Nilson Milagres Teixeira 1, William

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 1. Padrão FCI 44 19/12/2001

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 1. Padrão FCI 44 19/12/2001 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 1 Padrão FCI 44 19/12/2001 Padrão Oficial da Raça PASTOR DE BEAUCERON BERGER DE BEAUCE (BEAUCERON) CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

Produção de Bovinos - Tipo Carne

Produção de Bovinos - Tipo Carne Produção de Bovinos - Tipo Carne Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com.) Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com.) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com)

Leia mais

Qualidade do leite e manejo de ordenha Composição do Leite

Qualidade do leite e manejo de ordenha Composição do Leite Qualidade do leite e manejo de ordenha Composição do Leite 1 O QUE PODE AFETAR A COMPOSIÇÃO DO LEITE? RAÇA MANEJO MASTITE ESTRESSE ALIMENTAÇÃO Mastite Doença que mais causa prejuízos econômicos na cadeia

Leia mais

AÇÕES RESPONSÁVEIS PELA QUEDA DA QUALIDADE DE LEITE NO CAMPO. Cristiane de Sousa Lima 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Dayana de Jesus Lodi 3

AÇÕES RESPONSÁVEIS PELA QUEDA DA QUALIDADE DE LEITE NO CAMPO. Cristiane de Sousa Lima 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Dayana de Jesus Lodi 3 37 AÇÕES RESPONSÁVEIS PELA QUEDA DA QUALIDADE DE LEITE NO CAMPO Cristiane de Sousa Lima 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Dayana de Jesus Lodi 3 Resumo: A elevada procura pela qualidade dos produtos

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias Departamento de Zootecnia Código da Disciplina: ZOO 05453 Disciplina: Bovinocultura de Leite PROGRAMA DA DISCIPLINA CAMPUS: Alegre CURSO:

Leia mais

Publicado on line em animal.unb.br em 13/10/2010. Cavalo Crioulo. Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG.

Publicado on line em animal.unb.br em 13/10/2010. Cavalo Crioulo. Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG. INCT: Informação Genético-Sanitária da Pecuária Brasileira SÉRIE TÉCNICA: GENÉTICA Publicado on line em animal.unb.br em 13/10/2010 Cavalo Crioulo Concepta McManus 1,2, Samuel Paiva 3, Helder Louvandini

Leia mais

Avaliação de Carcaça por Ultrassom e sua Aplicação Prática.

Avaliação de Carcaça por Ultrassom e sua Aplicação Prática. ISSN 1983-0475 Avaliação de Carcaça por Ultrassom e sua Aplicação Prática. Qual é a Importância desta Tecnologia para o Produtor. 48 O Circular Técnica Bagé, RS Agosto, 015 Autores Marcos Jun-Iti Yokoo

Leia mais

Parâmetros Genéticos

Parâmetros Genéticos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL Parâmetros Genéticos 1. INTRODUÇÃO Os parâmetros genéticos são

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. GRUPO 11 Padrão CBKC NR 10. Padrão Oficial da Raça TOY FOX TERRIER

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. GRUPO 11 Padrão CBKC NR 10. Padrão Oficial da Raça TOY FOX TERRIER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA GRUPO 11 Padrão CBKC NR 10 Padrão Oficial da Raça TOY FOX TERRIER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Classificação CBKC: Grupo 11 - Raça não reconhecida pela FCI.

Leia mais

Fatores Genéticos e de Ambiente Sobre o Intervalo de Partos de Cabras Leiteiras no Semi-Árido Nordestino

Fatores Genéticos e de Ambiente Sobre o Intervalo de Partos de Cabras Leiteiras no Semi-Árido Nordestino Fatores Genéticos e de Ambiente Sobre o Intervalo de Partos de Cabras Leiteiras no Semi-Árido Nordestino José Lindenberg Rocha Sarmento 1, Edgard Cavalcanti Pimenta Filho 2, Maria Norma Ribeiro 3, Cláudio

Leia mais

Avaliação do desempenho de um rebanho leiteiro comercial usuário de sistema informatizado

Avaliação do desempenho de um rebanho leiteiro comercial usuário de sistema informatizado Avaliação do desempenho de um rebanho leiteiro comercial usuário de sistema informatizado M. A. R. de Freitas 1, M. M. Guilhermino*, I. B. M. Sampaio 2 e S. F. Grossi 3 Estação Experimental de Zootecnia

Leia mais

FAZENDA LEITEIRA: DO SONHO À PRODUTIVIDADE

FAZENDA LEITEIRA: DO SONHO À PRODUTIVIDADE BEM-ESTAR ESTAR NA FAZENDA LEITEIRA: DO SONHO À PRODUTIVIDADE Marcelo Simão da Rosa Escola Agrotécnica Federal de Muzambinho Muzambinho/MG (mrosa@eafmuz.gov.br) Grupo de Estudos e Pesquisas em Etologia

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação quantitativa de características produtivas e medidas lineares em rebanho leiteiro da raça Holandesa Rodrigo Zaiden Taveira 1, Osvaldo

Leia mais

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

LABRADOR RETRIEVER. CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale. GRUPO 8 Padrão FCI N o 122 12/01/2011

LABRADOR RETRIEVER. CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale. GRUPO 8 Padrão FCI N o 122 12/01/2011 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 8 Padrão FCI N o 122 12/01/2011 Padrão Oficial da Raça LABRADOR RETRIEVER M.Davidson, illustr. NKU Picture Library Esta

Leia mais

Correlações genéticas e fenotípicas entre características de tipo e produção de leite em bovinos da raça Holandesa

Correlações genéticas e fenotípicas entre características de tipo e produção de leite em bovinos da raça Holandesa Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.56, n.4, p.529-535, 2004 Correlações genéticas e fenotípicas entre características de tipo e produção de leite em bovinos da raça Holandesa [Genetic and phenotypic correlations

Leia mais

CRIAÇÃO DE CABRAS LEITEIRAS

CRIAÇÃO DE CABRAS LEITEIRAS CRIAÇÃO DE CABRAS LEITEIRAS PRINCIPIOS E RECOMENDAÇÕES ATIVIDADE CAPRINOCULTURA LEITEIRA É UM DOS RAMOS QUE MAIS TEM SE DESENVOLVIDO NO PAÍS, SENDO UMA OPÇÃO VIÁVEL AO PEQUENO PRODUTOR DE LEITE DE VACA,

Leia mais

MELHORAMENTO ANIMAL II Código: DP0034. Prof. Eduardo Brum Schwengber

MELHORAMENTO ANIMAL II Código: DP0034. Prof. Eduardo Brum Schwengber MELHORAMENTO ANIMAL II Código: DP0034 Prof. Eduardo Brum Schwengber I EMENTA Principais programas de melhoramento genético utilizados nas diferentes criações de animais domésticos: Melhoramento de bovinos

Leia mais

AULA DE RUFIÕES. Prof. Emerson Antonio Contesini Disciplina de Técnica Cirúrgica Faculdade de Veterinária - UFRGS

AULA DE RUFIÕES. Prof. Emerson Antonio Contesini Disciplina de Técnica Cirúrgica Faculdade de Veterinária - UFRGS AULA DE RUFIÕES Prof. Emerson Antonio Contesini Disciplina de Técnica Cirúrgica Faculdade de Veterinária - UFRGS DEFINIÇÃO É o animal utilizado para controle de matrizes no estro, com machos preparados

Leia mais

PADRÃO DA RAÇA INDUBRASIL

PADRÃO DA RAÇA INDUBRASIL 58 1 - APARÊNCIA GERAL 1.1 - Estado Geral Sadio e vigoroso. 1.2 - Desenvolvimento Bom, de acordo com a idade. Médio Tamanho e peso reduzidos, em relação à idade. 1.3 - Constituição, Ossatura e Musculatura

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA GRUPO 2. Padrão FCI 225 23/06/1987

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA GRUPO 2. Padrão FCI 225 23/06/1987 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 2 Padrão FCI 225 23/06/1987 Padrão Ofi cial da Raça FILA BRASILEIRO Espaço reservado para uma fi gura representativa da

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. CARACTERÍSTICAS EXTERIORES DO BOVINO DE LEITE

1. INTRODUÇÃO 2. CARACTERÍSTICAS EXTERIORES DO BOVINO DE LEITE Produção de Bovinos Tipo Leite Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com.) Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com.) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1.

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. Fédération Cynologique Internationale. GRUPO 3 Padrão FCI N o 3 11/05/2005. Padrão Oficial da Raça TERRIER

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. Fédération Cynologique Internationale. GRUPO 3 Padrão FCI N o 3 11/05/2005. Padrão Oficial da Raça TERRIER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 3 Padrão FCI N o 3 11/05/2005 Padrão Oficial da Raça KERRY BLUE TERRIER 2 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Filiada à

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 2. Padrão FCI 183 11/08/2000 ZWERGSCHNAUZER

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 2. Padrão FCI 183 11/08/2000 ZWERGSCHNAUZER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 2 Padrão FCI 183 11/08/2000 Padrão Oficial da Raça SCHNAUZER MINIATURA ZWERGSCHNAUZER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA

Leia mais

CONHECIMENTO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PARA O FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR

CONHECIMENTO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PARA O FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR CONHECIMENTO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PARA O FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR CONHECIMENTO, TECNOLOGIA TECNOLOGIA E INOVAÇÃO E INOVAÇÃO PARA O PARA FORTALECIMENTO O DA AGRICULTURA DA AGRICULTURA FAMILIAR

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5. Padrão FCI 195 09/06/1999. Padrão Ofi cial da Raça

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5. Padrão FCI 195 09/06/1999. Padrão Ofi cial da Raça CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5 Padrão FCI 195 09/06/1999 Padrão Ofi cial da Raça VOLPINO ITALIANO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Filiada à Fédération

Leia mais

GRUPO 1 Padrão FCI N o 287 05/12/2012

GRUPO 1 Padrão FCI N o 287 05/12/2012 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 1 Padrão FCI N o 287 05/12/2012 Padrão Oficial da Raça AUSTRALIAN CATTLE DOG Esta ilustração não representa necessariamente

Leia mais

GRUPO 11 Padrão CBKC NR 06

GRUPO 11 Padrão CBKC NR 06 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA GRUPO 11 Padrão CBKC NR 06 Padrão Oficial da Raça BULLDOG AMERICANO AMERICAN BULLDOG CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Classificação CBKC: Grupo 11 - Raça não reconhecida

Leia mais

TRABALHADOR NA ORDENHA MANUAL

TRABALHADOR NA ORDENHA MANUAL TRABALHADOR NA ORDENHA MANUAL CONSELHO DELIBERATIVO DO SENAR Presidente do Conselho Deliberativo João Martins da Silva Júnior Secretário Executivo Daniel Klüppel Carrara Chefe do Departamento de Educação

Leia mais

Cabras leiteiras em condomínio: renda para o produtor

Cabras leiteiras em condomínio: renda para o produtor Comunidade Cabras leiteiras em condomínio: renda para o produtor Daniel Maia Nogueira e Francisco Nilton de Menezes Cavalcanti A criação de cabras está ligada ao homem desde o início da civilização e teve

Leia mais

BRACO DE BOURBON NAIS

BRACO DE BOURBON NAIS CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 7 Padrão FCI 179 29/03/2006 Padrão Ofi cial da Raça BRACO DE BOURBON NAIS BRAQUE DU BOURBONNAIS CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

PADRÃO DA RAÇA GUZERÁ

PADRÃO DA RAÇA GUZERÁ 9 52 1 - APARÊNCIA GERAL 1.1 - Estado Geral Sadio e vigoroso. 1.2 - Desenvolvimento Bom, de acordo com a idade. Médio Tamanho e peso reduzidos, em relação à idade. 1.3 - Constituição, Ossatura e Musculatura

Leia mais

Comunicado101 Técnico On line

Comunicado101 Técnico On line Comunicado101 Técnico On line Instruções técnicas para uso da ordenha mecânica em cabras leiteiras ISSN 1676-7675 Sobral, Ce Dezembro, 2009 Lea Chapaval Introdução Com um plano de Boas Práticas Sanitárias

Leia mais

GRUPO 2 Padrão FCI N o 50 06/11/1996

GRUPO 2 Padrão FCI N o 50 06/11/1996 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 2 Padrão FCI N o 50 06/11/1996 Padrão Oficial da Raça T E R R A (NEWFOUNDLAND) N O V A 2 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA

Leia mais

Instalações para pequenos ruminantes. Profª Maiana Visoná de Oliveira

Instalações para pequenos ruminantes. Profª Maiana Visoná de Oliveira Instalações para pequenos ruminantes Profª Maiana Visoná de Oliveira Sistemas de criação Irão influenciar diretamente as instalações; Extensivo Semi - extensivo Intensivo Aprisco Bem estar Viabilidade

Leia mais

19/03/2013. ASPECTO x ESTADO DE SAÚDE. Órgãos reprodutores. Órgãos reprodutores

19/03/2013. ASPECTO x ESTADO DE SAÚDE. Órgãos reprodutores. Órgãos reprodutores ASPECTO x ESTADO DE SAÚDE Avaliação do exterior de Caprinos - Escolha de reprodutores - Determinação da idade - Avaliação pelo Tipo Prof. Dr. Marlos Castanheira Pelagem: fina, brilhante e macia. Pele:

Leia mais

RANKING PARANAENSE DE CRIADORES DE OVINOS 2015. CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art 1º - O Ranking paranaense de criadores de ovinos tem como objetivo:

RANKING PARANAENSE DE CRIADORES DE OVINOS 2015. CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art 1º - O Ranking paranaense de criadores de ovinos tem como objetivo: RANKING PARANAENSE DE CRIADORES DE OVINOS 2015 CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art 1º - O Ranking paranaense de criadores de ovinos tem como objetivo: I promover as raças registradas pela ARCO, bem como os Criadores

Leia mais

INOVAÇÕES NA AGRICULTURA FAMILIAR: ESTUDO DE CASO EM PROPRIEDADES RURAIS LEITEIRAS NO PARANÁ

INOVAÇÕES NA AGRICULTURA FAMILIAR: ESTUDO DE CASO EM PROPRIEDADES RURAIS LEITEIRAS NO PARANÁ INOVAÇÕES NA AGRICULTURA FAMILIAR: ESTUDO DE CASO EM PROPRIEDADES RURAIS LEITEIRAS NO PARANÁ Fernanda Mattioda (UTFPR) fermattioda@yahoo.com.br Juliana Vitoria Messias Bittencourt (UTFPR) julianavitoria@utfpr.edu.br

Leia mais

7. Projeto. 7. 1 Introdução 21/05/2015. Cobertura da Expansão do Shopping Iguatemi Fortaleza (2015) Projeto da Carpinteria Estruturas de Madeira, SP

7. Projeto. 7. 1 Introdução 21/05/2015. Cobertura da Expansão do Shopping Iguatemi Fortaleza (2015) Projeto da Carpinteria Estruturas de Madeira, SP 21/05/2015 7. Projeto www.pinterest.com Cobertura da Expansão do Shopping Iguatemi Fortaleza (2015) Projeto da Carpinteria Estruturas de Madeira, SP arcoweb.com.br 1 21/05/2015 5000 m2 A maior obra de

Leia mais

GRUPO 9 Padrão FCI N o 65 06/04/1998

GRUPO 9 Padrão FCI N o 65 06/04/1998 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 9 Padrão FCI N o 65 06/04/1998 Padrão Oficial da Raça MALTÊS (MALTESE) 2 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Filiada à

Leia mais

WOLFHOUND IRLANDÊS. CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale. GRUPO 10 Padrão FCI N o 160 02/04/2001

WOLFHOUND IRLANDÊS. CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale. GRUPO 10 Padrão FCI N o 160 02/04/2001 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 10 Padrão FCI N o 160 02/04/2001 Padrão Oficial da Raça WOLFHOUND IRLANDÊS (IRISH WOLFHOUND) 2 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE

Leia mais

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br QUEM SOMOS Localizada em Montes Claros, norte de Minas Gerais, a BIOCAMPO Assistência Veterinária foi fundada em 2010 e atua na área de Reprodução Bovina.

Leia mais

Manual de Usuário. (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000)

Manual de Usuário. (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000) AUTOMATIZADORES PARA PORTAS DE ENROLAR IMPORTAÇÃO E SUPORTE TÉCNICO NA INSTALAÇÃO Manual de Usuário (Y-200, Y-300, Y-400, Y-500, Y-550, Y- 600, Y-700, Y-850, Y-1200, Y-1500 e Y- 2000) SAC: 55 + 11 3088

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UnB FACULDADE UNB PLANALTINA - FUP

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UnB FACULDADE UNB PLANALTINA - FUP UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UnB FACULDADE UNB PLANALTINA - FUP RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESTUDO DO COMPOST BADDED PARCK BARN PARA POSSÍVEL INSTALAÇÃO NA FAZENDA SÃO LUCAS WESLEY PEREIRA DA COSTA

Leia mais

Bovinocultura de Leite

Bovinocultura de Leite V e t e r i n a r i a n D o c s Bovinocultura de Leite Introdução Historia da pecuária leiteira Até o início dos anos 90, o preço de leite era controlado pelo governo, e o produtor achava o preço do leite

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO Ricardo Dias Signoretti 1 Na prática, o período seco e transição (pré-parto) constituem-se num desafio aos técnicos e produtores de leite, que devem ficar atentos

Leia mais

Modelo SOLO900 SOLO700 TOPO700. Carga máx. 3000 kg o par 3000 kg o par 3000 kg o par. 726 mm. 702 mm (linha superior) ( 702 mm)

Modelo SOLO900 SOLO700 TOPO700. Carga máx. 3000 kg o par 3000 kg o par 3000 kg o par. 726 mm. 702 mm (linha superior) ( 702 mm) Barras de Pesagem Beckhauser Manual do Usuário Conheça seu equipamento em detalhes e saiba como aproveitar todo seu potencial no manejo. Leia atentamente este Manual antes de utilizar o produto e antes

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE PRODUÇÕES PARCIAIS E TOTAIS DE LEITE EM UM REBANHO BUBALINO

CORRELAÇÃO ENTRE PRODUÇÕES PARCIAIS E TOTAIS DE LEITE EM UM REBANHO BUBALINO CORRELAÇÃO ENTRE PRODUÇÕES PARCIAIS E TOTAIS DE LEITE EM UM REBANHO BUBALINO LUCAS FAVORETTO RASSI, VIVIANE CAMPOS ARAUJO, BRENO DE FARIA E VASCONCELLOS, FERNANDO XAVIER NASCENTE, VINICIUS GOULART SCHWABACHER,

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES NT-3020 CARRO MACA FOWLER HIDRÁULICO COM ELEVAÇÃO DE ALTURA (HI- LOW) REGISTRO M.S.: CADASTRO ANVISA N. 80215699002 NOTA! ESTE CARRO MACA É DESTINADO AO USO MÉDICO HOSPITALAR PARA

Leia mais

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR FCA-UNESP-FMVZ INTRODUÇÃO CONCEITOS BÁSICOS CENÁRIO DADOS MERCADO DO BOI CONSIDERAÇÕES FINAIS CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Evoluir é democratizar o conhecimento. Melhoramento genético: investimento com retorno garantido

Evoluir é democratizar o conhecimento. Melhoramento genético: investimento com retorno garantido Evoluir é democratizar o conhecimento Uma das características mais marcantes do ser humano é a de registrar o conhecimento. Isso nos diferenciou e proporcionou nossa rápida evolução em relação a outras

Leia mais

O sucesso do Gir Leiteiro

O sucesso do Gir Leiteiro O sucesso do Gir Leiteiro The success of Dairy Gir Por/Text Silvio Pinheiro Queiroz 50_Animal Business-Brasil Sumário Fruto de rigoroso e persistente trabalho de seleção genética, o Gir Leiteiro vem alcançando

Leia mais

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite Árvore da informação do agronegócio do leite identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite 1. Introdução Claudio Nápolis Costa 1 A exposição dos mercados dos diversos países às pressões

Leia mais

Aula 04 Conformação de Vacas Leiteiras. Universidade Federal do Paraná Bovinocultura de Leite Prof. Dr. Rodrigo de Almeida

Aula 04 Conformação de Vacas Leiteiras. Universidade Federal do Paraná Bovinocultura de Leite Prof. Dr. Rodrigo de Almeida Aula 04 Conformação de Vacas Leiteiras Universidade Federal do Paraná Bovinocultura de Leite Prof. Dr. Rodrigo de Almeida Vaca Holandesa True Type Ever-Green-View My 1326-ET EX-92 4-05 365 32.804 1267

Leia mais

Calandra de 4 Rolos modelo VRM

Calandra de 4 Rolos modelo VRM Calandra de 4 Rolos modelo VRM Sumário Construção de Máquinas é nossa Profissão com Criatividade e Paixão. Nós da HAEUSLER 3 Calandra de 4 Rolos 4 Particularidades da Calandra de 4 Rolos HAEUSLER Modelo

Leia mais

Sistemas de produção e sua representatividade na produção de leite do Brasil. Brazilian milk production systems and its representativeness

Sistemas de produção e sua representatividade na produção de leite do Brasil. Brazilian milk production systems and its representativeness Sistemas de produção e sua representatividade na produção de leite do Brasil Brazilian milk production systems and its representativeness Stock, L.A.; Carneiro, A.V. 1 ; Carvalho, G.R. 1 ; Zoccal, R. 1

Leia mais

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

Avaliação produtiva da Fazenda Portal da Bela Vista situada no município de Piumhi, MG

Avaliação produtiva da Fazenda Portal da Bela Vista situada no município de Piumhi, MG VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Mostra de Extensão Avaliação produtiva da Fazenda Portal da Bela Vista situada no município de Piumhi, MG Alan Dhan COSTA LIMA¹, Samuel PIASSI

Leia mais

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira Nestlé EM CAMPO Eficiência e qualidade na produção leiteira Período de transição Cuidados no pré e pós-parto garantem a boa condição reprodutiva e produtiva Ano 2 Número 12 Nov./Dez. 2015 Nestlé EM CAMPO

Leia mais

sistemas automatizados para alimentação: futuro na nutrição de precisão

sistemas automatizados para alimentação: futuro na nutrição de precisão matéria da capa sistemas automatizados para alimentação: futuro na nutrição de precisão Texto: Sandra G. Coelho Marcelo Ribas Fernanda S. Machado Baltazar R. O. Júnior Fotos: Marcelo Ribas O avanço tecnológico

Leia mais

PADS 2013 PROVA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SENEPOL 2013

PADS 2013 PROVA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SENEPOL 2013 PADS 2013 PROVA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SENEPOL 2013 1. Introdução A PADS 2013, a ser promovida e organizada pelo Núcleo de Melhoramento da Raça Senepol sob supervisão técnica do GENEPLUS - Programa

Leia mais