BKPML: Uma Proposta para Padronização e Interoperabilidade de Backup de Dados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BKPML: Uma Proposta para Padronização e Interoperabilidade de Backup de Dados"

Transcrição

1 BKPML: Uma Proposta para Padronização e Interoperabilidade de Backup de Dados Namedin P. T. Júnior CIN - Universidade Federal de Pernambuco Recife, Brasil Roberto S. M. Barros CIN - Universidade Federal de Pernambuco Recife, Brasil Resumo O Atual modelo de negócios de uma empresa moderna está cada vez mais dependente das tecnologias de informação. Com isso, é necessário manter os dados protegidos através de uma cópia segurança (backup). Esta dependência gera grandes concorrências entre fornecedores de sistemas, que, a cada dia, lançam novidades propondo inúmeras vantagens competitivas. Por esse motivo, é cada dia mais comum presenciar empresas que adotam mais de um SGBD para armazenamento dos dados, gerando ambientes heterogêneos e dificultando a interoperabilidade dos dados. SGBDS de mercado utilizam arquivos de backup em formatos proprietários impossibilitando que outros SGBDS possam manipular esses arquivos. Esse artigo propõe o desenvolvimento de uma estrutura, baseada em XML, para padronizar arquivos de backup, denominada BKPML. Seu objetivo é remover a dependência dos arquivos de backup de seu ambiente de origem, possibilitando que qualquer SGBD possa utilizar esses arquivos para manipulação dos dados, mantendo a integração entre os sistemas e a interoperabilidade dos dados. Palavras chave - ambientes heterogêneos, interoperabilidade, padronização, XML, SGBD, backup de dados. I. INTRODUÇÃO Os Sistemas de Informação estão se tornando o elemento central do processo inovador, capaz de diminuir, unir e eliminar várias de suas etapas, e trazer a interação com clientes para um patamar mais elevado de qualidade, serviço e padronização, além de permitir a detecção de macro tendências com extrema velocidade [18] [21]. De acordo com [23], as constantes necessidades das empresas para adoção de sistemas podem ocorrer de acordo com as suas necessidades ou até mesmo sob a crescente demanda de novos produtos apoiados por tecnologias mais modernas que oferecem inúmeras vantagens competitivas em relação ao mercado. Neste cenário de crescentes evoluções tecnológicas e necessidades empresarias, é cada vez mais comum presenciar empresas que adotam diversos sistemas de informação para atender um ou mais setores como administrativo, financeiro, contábil entre outros. Sistemas muitas vezes apoiados por diferentes Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBDS), desenvolvidos por diferentes fornecedores e sob diferentes tecnologias. De acordo com [16], os arquivos gerados por esses sistemas são destinados a bloquear a informação, evitando o acesso aos dados por outros sistemas, dificultado ou até mesmo impossibilitando a interoperabilidade entre os dados, levando ao caótico cenário dos ambientes heterogêneos. De uma forma geral, os problemas relacionados à interoperabilidade de dados estão fortemente relacionados aos arquivos em formatos proprietários. Em contrapartida, temos os formatos abertos destinados a manter a transparência dos dados e suas especificações disponíveis publicamente, assim como os formatos Java Script Object Notation (JSON) [9] e Commaseparated values (CSV) [2]. Extensible Markup Language (XML) [25] neste contexto é utilizada para desenvolvimento de padrões/formatos abertos de acordo com as necessidades existentes. Tendo em vista as dificuldades enfrentadas para interoperabilidade de dados de diferentes SGBDS e os problemas oriundos de formatos proprietários, este artigo apresenta a backup Markup Language (BKPML), uma proposta de formato aberto para backup de dados de SGBD, baseada na linguagem XML. Esse padrão tem por objetivo desvincular a dependência dos dados e objetos mantidos nos SGBD de seu ambiente de origem, possibilitando que os mesmos possam ser manipulados por diversos SGBD, ou até mesmo serem transferidos para formatos secundários como CSV, JSON, XML, YAML Ain t Markup Language (YAML) [28] e XLS. Para implementação desta proposta, foi necessário o desenvolvimento de uma ferramenta denominada BKPML Manager, responsável pela configuração, geração, restauração e migração de backups de dados e objetos em formato BKPML para diversos SGBDS. Para evitar incompatibilidade entre sistemas, a BKPML Manager foi desenvolvida para ser acessada pela Internet, utilizando para isso um navegador como Internet Explorer [8] ou Mozilla Firefox [5]. No final do desenvolvimento, foram realizados testes em um ambiente real para testar as funcionalidades da ferramenta, o tempo levado para backup, restauração e migração de dados neste formato, bem como verificar a aceitabilidade deste formato por terceiros. O restante deste artigo está dividido em quatro seções. A seção 2 destina-se a apresentar os padrões e frameworks utilizados para desenvolvimento, manipulação e validação do padrão BKPML. Na seção 3 será apresentado o padrão BKPML bem como a taxonomia desenvolvida para o mesmo. A seção 4 destina-se a apresentar a ferramenta BKPML Manager e os resultados obtidos dos testes realizados em um ambiente real. Por fim, a seção 5 apresenta as conclusões.

2 II. PADRÕES E frameworks UTILIZADOS Esta seção destina-se a apresentar os padrões e frameworks utilizados para desenvolvimento, manipulação e validação do formato BKPML. A BKPML é baseada na linguagem XML, no entanto, foram utilizados alguns padrões para facilitar o uso deste novo formato. O padrão utilizado para desenvolvimento da taxonomia da BKPML foi o XML Schema, que é uma linguagem baseada em XML para definição de regras de validação de documentos. A utilização deste padrão garante que os documentos gerados sigam as regras necessárias para desenvolvimento dos mesmos [26]. O padrão Document Object Model (DOM) [24] é uma interface que provê uma série de objetos para manipulação de documentos XML. DOM foi utilizado para geração e leitura dos arquivos BKPML, para isso, foi utilizado o framework DOM4J [4] que é uma Aplication Program Interface (API) que implementa o padrão DOM em Java. A validação da estrutura BKPML ficou sob responsabilidade do Xerces [27], que é um framework desenvolvido pela APACHE que implementa os padrões DOM e SAX [19] para manipulação e validação de arquivos XML. A grande vantagem da utilização deste framework é que este implementa métodos que possibilitam a validação de um documento XML a partir do seu XML Schema sem grandes esforços. III. O PADRÃO BKPML A BKPML é uma linguagem eletrônica, baseada em XML, que objetiva desvincular a dependência dos dados mantidos em arquivos de backup de formato proprietário. A BKPML, com o apoio de uma aplicação, possibilita que os arquivos em formato BKPML possam ser restaurados em qualquer SGBD. Outra vantagem é a possibilidade de transformar os arquivos BKPML em arquivos secundários. De uma forma geral, a BKPML facilita a manipulação dos dados de acordo com as necessidades do usuário. SGBDS proprietários como oracle [15], sqlserver [20], mysql [13], entre outros, realizam as operações de armazenamento e restauração dos dados em plataformas proprietárias. Esses dados, quando transferidos para arquivos de backup em formato fechado, só poderão ser restaurados no seu ambiente de origem, não podendo ser manipulados em outros ambientes. Com arquivos em formato BKPML, esses dados tornamse independentes de aplicação, o que facilita a manipulação dos dados por outros sistemas. É importante ressaltar que as vantagens propostas pela BKPML serão obtidas a partir do uso da ferramenta BKPML Manager, a ser vista mais adiante. Restaurar ou migrar dados para diversos SGBDS a partir dos arquivos de backup possibilita a redução dos custos envolvidos em tais processos, pois, com a padronização desses arquivos, os dados poderão ser restaurados diretamente para o SGBD de destino. Além disso, é importante ressaltar que as propostas existentes para padronização de dados, como em [16], limitamse apenas a objetos do tipo tabela. Já a BKPML suporta, além de objetos de tipo tabela, objetos como: view, grant, index, trigger e method. A. Taxonomia da BKPML A taxonomia define as regras utilizadas para formação dos documentos BKPML, assim como os elementos e tipos de dados obrigatórios para representação dos objetos que compõem essa estrutura, bem como as relações entre cada elemento que resultam no objeto final. A taxonomia da BKPML é composta de um dicionário, que fornece as definições padrões para representação dos objetos e dados, construídos através de uma estrutura hierárquica. O desenvolvimento da estrutura geral da BKPML e o grau de relação entre cada um dos objetos, foram baseados na organização utilizada pelos SGBDS. O primeiro elemento desta estrutura, ou elemento raiz, foi denominado como BKPML. Este elemento contém as informações gerais dos arquivos de backup em formato BKPML como nome do arquivo e a data de geração. SchemaDB é o segundo elemento que compõe a estrutura BKPML, ele é responsável por guardar as informações referentes ao SGBD e ao esquema onde se encontram os objetos a serem recuperados. As informações/atributos que compõem esse elemento são: nome do esquema e nome do SGBD de origem. O elemento Objects é responsável por manter todos os objetos suportados pela BKPML. A Figura 1 apresenta a estrutura hierárquica da BKPML. Figura 1. Estrutural da BKPML A estrutura da BKPML é composta por nove elementos principais. Além dos elementos supracitados, os elementos que representam os objetos suportados pela estrutura são: Table- Object, IndexObject, ViewObject, GrantObject, TriggerObject e MethodObject. O elemento TableObject é responsável por manter as informações referentes aos dados e metadados de um objeto tabela. Este elemento é composto por um atributo e dois elementos principais. O atributo name é responsável por manter o nome da tabela copiada, o elemento Columns é responsável por manter as informações referentes à estrutura da tabela como: nome da coluna, tipo de dados, tamanho da coluna, entre outras, e o elemento Records é responsável por manter os dados pertencentes a tabela copiada. É importante ressaltar que, para melhor organização dos dados, os mesmos são

3 representados utilizando o padrão JSON, ou seja, cada linha de registro é representada nesta estrutura como um objeto JSON. Isso facilita a recuperação e processamento das informações de forma rápida e simples. O elemento IndexObject é responsável por manter os dados básicos que compõem a estrutura padrão deste objeto. A sintaxe deste tipo de objeto pode variar de SGBD para SGBD, por esse motivo, os elementos que compõe essa estrutura foram baseados em sua sintaxe básica, comum a qualquer banco de dados. Este elemento é composto por dois atributos e três elementos. Os atributos kind e type referem-se a que tipo de índice (index, primary, unique) se deseja criar, e qual o método de indexação do índice (Btree, Hash, Rtree). Já os elementos index name, index table e index field mantêm as informações básicas que compõem esse objeto. O elemento ViewObject possui a sintaxe mais simples da estrutura, esta estrutura é composta por dois elementos. O primeiro é o elemento name, que representa o nome da visão copiada, e o elemento query, que se refere à consulta a ser apresentada pela visão quando executada. O elemento GrantObject define privilégios para acesso de um objeto a um usuário ou grupo. A estrutura deste objeto é composta de três elementos, são eles: privilege, object e user. O elemento privilege mantém os privilégios concedidos, esse elemento pode suportar mais de um privilégio. O elemento object refere-se ao objeto a ser concedido o privilégio. O elemento user mantém o nome do usuário ou grupo que receberá o privilégio. O elemento TriggerObject mantém os dados básicos para criação de um gatilho a ser associado a uma tabela, que será disparado antes ou depois de um determinado evento. A estrutura deste objeto é composta por cinco elementos que a definem, são eles: name, que representa o nome do gatilho, time, que é o tempo em que o gatilho será executado, event, que define qual evento está relacionado a este gatilho, object, que se refere à tabela a qual o gatilho será armado, e body, que se refere ao bloco de comandos a ser executado pelo gatilho quando disparado. O elemento MethodObject consiste em unificar duas estruturas: função e procedimento. Esta estrutura é composta por quatro elementos name, parameter, result e body. O elemento name representa o nome do objeto a ser mantido pela estrutura. O elemento parameter refere-se aos parâmetros pertencentes a esse objeto. O elemento result, refere-se ao retorno de valores e o elemento body, refere-se ao bloco de comando a ser executado pelo método. Além desses elementos, esta estrutura possui o atributo type, responsável por definir o tipo de objeto mantido, procedimento ou função. A Figura 2 apresenta o exemplo de um documento em formato BKPML. Maiores detalhes sobre o desenvolvimento da taxonomia da BKPML, bem como de todos os objetos que a constituem, estão disponíveis em [14]. Além disso, o código completo da taxonomia da BKPML também está disponível [1]. Figura 2. Documento em formato BKPML IV. ESTUDO DE CASO - BKPML Manager Para melhor usufruir das vantagens oferecidas pela BKPML, foi necessário o desenvolvimento de uma ferramenta responsável por gerenciar as principais funcionalidades propostas pela BKPML. Tais funcionalidades são: gerar backups de dados em formato BKPML, restaurar/migrar esses arquivos para diversos SGBDS, e transformar os arquivos BKPML para arquivos secundários. Além disso, esta ferramenta facilita o uso destas funcionalidades através de uma interface simples e de fácil utilização. Para permitir a implementação destas funcionalidades, foi necessário o desenvolvimento de um módulo de cadastros de todas as informações básicas necessárias para geração da estrutura da BKPML e dos objetos suportados por ela. Esta seção se dispõe a apresentar de forma sucinta os principais cadastros necessários para se utilizar as principais funcionalidades, conforme descritas acima. Tais cadastros foram divididos em SGBDS, armazenamento, mapeamento, tipos por SGBD e objetos por SGBD. O cadastro de SGBDS destina-se a relacionar todos os SGBDS que serão utilizados nas funcionalidades de backup, restauração e migração. O cadastro de armazenamento é utilizado para listar todos os repositórios de dados que serão utilizados para armazenar os arquivos BKPML. Esses repositórios são classificados em local ou em nuvens. No tipo local os dados são armazenados em servidores locais. Já ô tipo em nuvens é utilizado o serviço Simple Storage Service (S3) da Amazon Webservices para armazenamento dos dados. O cadastro de mapeamento é utilizado para informar à ferramenta onde buscar os metadados dos objetos em um determinado SGBD. Os cadastros de tipos e objetos por SGBD

4 são utilizados apenas para validação dos dados da BKPML. A. arquitetura A BKPML Manager é baseada em uma arquitetura Web, composta por um cliente web gráfico responsável por enviar requisições para o servidor de aplicação (Servlet Container) TOMCAT6.0 [22], e se comunicar com um banco de dados MYSQL5.0 através do framework hibernate3.0 [7], responsável pelo gerenciamento das requisições de acesso aos dados da BKPML Manager. Por utilizar uma arquitetura Web, foi utilizado o padrão Model View Controller (MVC) [7] para dividir a arquitetura do projeto em camadas, facilitando o uso e manutenção dos mesmos. A camada modelo é responsável por manter todos os modelos dos objetos (classes bean) utilizados pela BKPML. Como a BKPML Manager utiliza o framework hibernate3.0, estes modelos passam a ser conhecidos como classes de entidade. A camada de visão é responsável por manter e gerenciar as telas de entrada e saída de dados. Nesta camada, foram utilizadas as tecnologias Java Server Page (JSP) [10], Hipertext Markup Language (HTML) [12] para formatação e apresentação dos dados, e a JavaServer Pages Standard Tag Library (JSTL) [11] para comunicação entre as camadas de visão e controle. A camada de controle mantém toda a lógica utilizada nas funcionalidades de backup, restauração, transformação e migração de dados. Para desenvolvimento deste módulo, foram utilizados os padrões de projeto Decorator [6], Strategy [6] e Data Access Object (DAO) [3] para organizar os processos e facilitar e reutilização das funcionalidades quando necessário. O padrão Decorator foi utilizado para facilitar a utilização do processo de geração dos arquivos de backup em formato BKPML, o padrão Strategy foi utilizado no processo de transformação dos dados para arquivos secundários, e o padrão DAO foi utilizado para organizar o acesso aos dados de forma padronizada. A arquitetura da BKPML Manager é dividida em três camadas, conforme Figura 3. Figura 3. Arquitetura da BKPML Manager B. Cadastro e execução de backup de dados Para dar início ao processo de backup de dados, deve-se primeiro cadastrar todas as ações de backup para os objetos desejados. Depois, a tela de execução de backup de dados deverá estar preenchida com a lista de todos os backups disponíveis para execução. No cadastro de ações são realizadas todas as configurações de um backup de dados. Em resumo, uma ação é um backup não executado, uma vez que o mesmo possui todas as informações necessárias para isso. Para o cadastro das ações, deve-se informar o SGBD e o objeto a ser copiado, o repositório dos dados, a data e hora de execução, e a frequência de execução do backup. No caso do objeto ser do tipo tabela, faze-se necessário informar também a query para extração dos dados. Após isso, o cadastro dos dados poderá ser confirmado. A Figura 4 apresenta a tela de cadastro de ações. Figura 4. tela de cadastro de ações de backup A tela de cadastro de ações não é responsável pela execução dos backups de dados, mas sim pelo cadastro dos mesmos. Quando o cadastro de uma ação é finalizado, o mesmo é enviado para uma lista de backups a serem executados pela funcionalidade de backup de dados. A tela de execução de backup é constituída apenas de uma lista de ações que poderão ser executadas mediante o clique no botão de execução, disponível para cada elemento da lista. Quando executadas, essas ações são submetidas ao ciclo de processamento de backup, composto pelos seguintes passos. O processo gerar BKPML solicita as informações de dados e metadados de um objeto, e gera a estrutura BKPML de acordo com a taxonomia definida. Após isso, o processo de criptografia e compactação dos dados são executados. E por fim, o hash do arquivo final é extraído e o arquivo enviado para o local de armazenamento selecionado. C. Restauração e transformação de arquivos BKPML O processo de restauração dos dados é responsável por recuperar os dados de um arquivo BKPML para diversos SGBDS, ou realizar a transformação dos mesmos para arquivos secundários. É importante ressaltar que esta funcionalidade destina-se a manipular apenas arquivos BKPML de objetos de tipo tabela, os demais objetos ficam sob responsabilidade da funcionalidade de migração de dados complexos. A tela utilizada para esta tarefa é constituída de uma lista de todos os backups realizados pela ferramenta. Para realizar a restauração dos dados para um SGBD, o usuário deverá informar o SGBD desejado e, no campo formato, selecionar a opção transferência. Após isso, o botão de

5 execução do item desejado deverá ser pressionado. O processo de transformação assume os mesmos passos, com diferença no campo formato. Neste campo o usuário deverá informar o tipo de transformação desejada. Após isso, o botão de execução do registro desejado deverá ser pressionado para início deste processo. A Figura 5 apresenta a tela de restauração de dados. estrutura fica sob responsabilidade do SGBD, que retornará um erro caso a sintaxe não esteja de acordo com seus padrões. A alteração da sintaxe dos objetos pode ser realizada utilizando os métodos Buscar sintaxe Equivalente e Alterar, disponíveis na parte inferior da área de edição. Para utilização desses métodos, o usuário deverá selecionar o tipo ou sintaxe e clicar no botão Buscar Sintaxe Equivalente. Se a sintaxe ou tipo estiverem cadastrados devidamente, a sintaxe correspondente será enviada para a caixa de texto, localizada ao lado do botão pressionado. Após isso, o botão alterar deverá ser pressionado para substituição do tipo ou sintaxe selecionado. E. Resultados Obtidos Figura 5. D. Migração de dados complexos tela de restauração e transformação de dados A funcionalidade de migração de dados complexos é utilizada quando o objeto a ser migrado refere-se a um objeto complexo. De acordo com a ferramenta, um objeto complexo é aquele que necessita de análise visual e alteração manual em sua estrutura para que a restauração possa ser efetivada. A ferramenta considera como objeto complexo os objetos: visão, índice, permissão, gatilho e método. O único tipo de objeto que não é considerado complexo é o objeto tabela, visto anteriormente. A tela de migração de dados funciona como um editor para adaptação da estrutura dos objetos complexos. Esta tela é composta pelas funcionalidades carregar objeto, responsável pela transformação dos objetos mantidos nos arquivos BKPML para sua sintaxe padrão SQL, com exceção dos objetos do tipo método e gatilho. Para esses objetos, seus metadados são transferidos para uma sintaxe definida pela própria ferramenta. A Figura 6 apresenta a tela de migração de dados complexos. Figura 6. tela de migração de dados complexos Após a sintaxe de um objeto ser carregada para a tela de edição, o usuário deverá adaptar a mesma para a sintaxe correspondente do SGBD selecionado. Após isso, o botão Submeter Comando deverá ser pressionado para que o objeto possa ser transferido. Toda validação de sintaxe, tipos e Os testes realizados na ferramenta BKPML Manager foram feitos em um ambiente real, cedido por uma empresa de consultoria situada na cidade de Manaus, a knowhow consultoria. O objetivo desta primeira fase de testes consistiu em procurar erros no módulo de cadastros básicos e nas funcionalidades. Além disso, foram verificados o tempo de processamento levado por essas funcionalidades em relação aos objetos concedidos pela empresa. A partir dos resultados obtidos nesta primeira fase, pode-se concluir que o módulo de cadastro e funcionalidades gerou resultados satisfatórios quanto ao tempo de processamento. Em relação aos erros, os identificados foram corrigidos e a ferramenta preparada para a segunda fase de testes. Como os testes da primeira fase foram realizados com uma baixa quantidade de dados, sentiu-se a necessidade de testar as funcionalidades principais quanto a grandes volumes de dados, para isso, a empresa cedeu um computador com as seguintes configurações: processador Intel DUAL CORE 2.1 GHZ com 2GB de RAM e HD de 200GB. Neste computador, foi configurado o ambiente para execução da ferramenta, bem como o SGBD POSTGRES8.4 [17] com uma tabela criada para realização desse teste. Após isso, foi necessário desenvolver um sistema para inserção de dados aleatórios na tabela de testes. No final de cada execução desse sistema, a ferramenta BKPML Manager era executada para gerar os arquivos de backup dos dados armazenados. De acordo com os resultados obtidos, foi possível perceber que o tempo para geração dos arquivos BKPML foi relativamente rápido, tornando aceitável o uso da ferramenta para geração de arquivos com grandes volumes de dados. Já ôs testes relativos ao processo de restauração, foi possível notar que os tempos obtidos são mais elevados, mas no entanto aceitáveis. A partir desses resultados, foi possível estimar que, para 1 Gygabyte de informação ou de registros, a BKPML Manager levaria em média 17hs de processamento para restaurar todos esses dados, ou seja, um tempo pouco eficiente para volumes de dados muito grandes. Apesar de ser uma ferramenta estudantil e em fase de constantes mudanças e aprimoramentos, as principais funcionalidades como: backup de dados, transformação, restauração e migração de objetos complexos obtiveram bons resultados, mas que ainda assim precisam ser aprimorados.

6 V. CONCLUSÃO Este trabalho apresentou uma estrutura padrão em formato aberto, baseado em XML, desenvolvida para desvincular a dependência dos dados de backup em formato fechado, permitindo a manipulação desses entre diversos SGBDS. Mais especificamente, esse formato vislumbra auxiliar projetos de migração de dados em relação às dificuldades enfrentadas. Após o desenvolvimento deste padrão, foi necessário o desenvolvimento de um protótipo para validação dos arquivos BKPML, denominado BKPML Manager. A BKPML Manager foi desenvolvida para gerar e validar arquivos de backup em formato BKPML, bem como para auxiliar a restauração, transformação e migração dos dados para diversas plataformas de SGBDS, ou para arquivos secundários. Além disso, esta ferramenta possibilita o armazenamento dos dados em nuvens, utilizando o serviço S3 da Amazon webservice para armazenamento dos dados. Após o desenvolvimento da BKPML Manager, foram realizados testes para verificação do desempenho da ferramenta e das funcionalidades desenvolvidas. No final dos testes, foram apresentadas as conclusões sobre os resultados obtidos. As principais contribuições deste trabalho foram: O desenvolvimento de um formato aberto para padronização de backup de dados; O desenvolvimento de uma ferramenta para auxiliar o formato BKPML e proporcionar aos projetos de backup e migração de dados maior flexibilidade quanto à manipulação dos dados em qualquer plataforma de SGBD; Facilitar a portabilidade e manipulação dos dados através da transformação dos mesmos para arquivos secundários; Desenvolvimento de uma estrtuura em XML para backup de dados que não se limita apenas a objetos de tipo tabela; Para trabalhos futuros este artigo propõe: Aumentar o poder de expressividade da BKPML para atender a mais objetos como Roles e Packages; Desenvolvimento de um framework Open Source para ser acoplado em sistemas que desejam utilizar a BKPML como formato padrão dos arquivos de backup; Desenvolvimento de uma estrutura XML para manter o mapeamento de tipos, sintaxe, objetos e das propriedades dos objetos dos SGBDS, reduzindo o número de cadastros realizados; Desenvolvimento de um mecanismo para quebrar um arquivo BKPML muito grande em arquivos menores, facilitando a leitura dos mesmos e evitando problemas como estouro de memória. XLink neste processo poderia ser utilizado para ligar de forma correta a ordem dos arquivos, evitando problemas quanto a restauração e perda de dados. [3] DAO, S. (2011). DAO Reference. corej2eepatterns/patterns/dataaccessobject.html. acessado em fev/2011 [4] DOM4J. (2011). DOM4J official site. acessado em [5] Firefox, M.(2010). Firefox reference and download. acessado [6] GAMMA, E., JOHNSON, R., VLISSIDES, J., andhelm, R.(1995). PADRÕES DE PROJETO. ARTMED EDITORA S.A, Santana - PortoAlegre - RS. [7] Gonçalves, E. (2007). Desenvolvendo Aplicações WEB com JSP, Servlets, JSF, Hibernate, EJB e AJAX. Editora Moderna, Rio de Janeiro-RJ. [8] Internet Explorer, M.(2010). site oficial. acessado [9] JSON(2010).Json specication. acessado [10] JSP,S.(2010).Java server pages. acessado [11] JSTL, S. (2010). Javaserver pages standard tag lib. acessado [12] Markup, W. (2010). Hipertext markup language. acessado [13] MYSQL. (2011). MYSQL Site Oficial. acessado em [14] Namedin, P. T. J. (2011). backup Markup Language (BKPML): Uma Proposta para Padronização e Interoperabilidade de backup de Dados/PE. Masters thesis, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil. acessado em [15] Oracle. (2011). Oracle Official site. acessado em [16] Oumtanaga, S., Lambert, K. T., Tiémoman, K., Pierre, T., and Florent, D.N. (2007). Use xml format like a model of data backup. International Journal of Computer and Information Engineering. [17] POSTGRES. (2011). Site Oficial. acessado em [18] Quinn, J. B., Baruch, J. J., and Zien, K. A.(1997). Innovation explosion: using intellect and software to revolutionize growth strategies. FreePress, NewYork. [19] SAX. (2011). About SAX. acessado em [20] SQLServer. (2011). microsoft SQLServer. acessado em fev/2011 [21] Terra, J. C. C.(2005). Gestão do Conhecimento: O Grande Desafio Empresarial. Artmed Editora S.A, Rio de janeiro - RJ. [22] Tomcat, A. (2010). Tomcat. acessado em [23] Voas, J. and Zhang, J. (2009). Cloud computing: New wine or just a new bottle? IT Professional. [24] W3C DOM. (2011). Document Object Model. acessado em [25] W3C XML (2011). Extensible Markup Language. acessado em [26] W3C XMLSchema (2011). XML Schema. acessado [27] Xerces,A.(2010).Xerces reference. acessado [28] YAML(2010).Yaml specication. acessado em REFERÊNCIAS [1] BKPML (2011). XML Schema da BKPML. acessado em [2] Creativyst (2011). The Comma Separated Value (CSV) File Format. acessado em

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Banco de Dados de Músicas Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Definição Aplicação Web que oferece ao usuário um serviço de busca de músicas e informações relacionadas, como compositor, interprete,

Leia mais

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCE-557 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério.

Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério. EDSON GONÇALVES Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério. AGRADECIMENTOS Primeiramente gostaria de agradecer

Leia mais

Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate

Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate Desenvolvimento de aplicação web com framework JavaServer Faces e Hibernate Tiago Peres Souza 1, Jaime Willian Dias 1,2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil tiagop_ti@hotmail.com 2 Universidade

Leia mais

WebApps em Java com uso de Frameworks

WebApps em Java com uso de Frameworks WebApps em Java com uso de Frameworks Fred Lopes Índice O que são frameworks? Arquitetura em camadas Arquitetura de sistemas WEB (WebApps) Listagem resumida de frameworks Java Hibernate O que são frameworks?

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

SCC-0263. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCC-0263. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCC-0263 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD. Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins

GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD. Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins GERADOR DE CÓDIGO JSP BASEADO EM PROJETO DE SGBD Acadêmico: Maicon Klug Orientadora: Joyce Martins Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento do trabalho Conclusão Extensões

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

Namedin Pereira Teles Júnior

Namedin Pereira Teles Júnior Backup Markup Language (BKPML): Uma Proposta para Interoperabilidade e Padronização de Backup de Dados Por Namedin Pereira Teles Júnior Dissertação de Mestrado Universidade Federal de Pernambuco posgraduacao@cin.ufpe.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Informatização de farmácias publicas utilizando software livre.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Informatização de farmácias publicas utilizando software livre. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Informatização de farmácias publicas utilizando software livre. MURILO NUNES ELIAS FLORIANÓPOLIS SC 2007/2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN

SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SISTEMA GERENCIAL TRATORPLAN SIGET Fabrício Pereira Santana¹, Jaime William Dias¹, ², Ricardo de Melo Germano¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil fabricioblack@gmail.com germano@unipar.br

Leia mais

Aplicabilidade: visão geral

Aplicabilidade: visão geral CURSO BÁSICO SAXES 2 Aplicabilidade: visão geral BI Comércio Indústria nf-e Serviços Software house Enterprise Business Bus Banco financeiro Instituição Sindicato ERP html Casos 3 6 Customização: importação

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Relatório Apresentação Java Server Pages Adolfo Peixinho nº4067 Nuno Reis nº 3955 Índice O que é uma aplicação Web?... 3 Tecnologia Java EE... 4 Ciclo de Vida de uma Aplicação

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC Felipe Moreira Decol Claro 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipe4258@hotmail.com, kessia@unipar.br

Leia mais

Padrões de Projeto WEB e o MVC

Padrões de Projeto WEB e o MVC Padrões de Projeto WEB e o MVC Padrões de Projeto WEB e o MVC O que são padrões? "Cada padrão descreve um problema que ocorre freqüentemente em seu ambiente, e então descreve o cerne da solução para aquele

Leia mais

Módulo 6: Linguagem de Programação IV 6.1. Introdução 6.2. Bases de Dados 6.2.1. Visão Estrutural 6.2.2. SGBD: Sistema de Gestão de Bases de Dados

Módulo 6: Linguagem de Programação IV 6.1. Introdução 6.2. Bases de Dados 6.2.1. Visão Estrutural 6.2.2. SGBD: Sistema de Gestão de Bases de Dados Curso Profissional de Técnico de Multimédia 12ºAno Disciplina: Sistemas de Informação Módulo 6: Linguagem de Programação IV 6.1. Introdução 6.2. Bases de Dados 6.2.1. Visão Estrutural 6.2.2. SGBD: Sistema

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS 1 de 6 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSOS BURITREINAMENTOS MANAUS-AM MARÇO / 2015 2 de 6 PACOTES DE TREINAMENTOS BURITECH A Buritech desenvolveu um grupo de pacotes de treinamentos, aqui chamados de BuriPacks,

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software Anna Carla Mohr Verner Helder Eugenio dos Santos Puia Florianópolis,

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização do Desenvolvimento Tecnológico na UERJ

Leia mais

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes Microsoft.NET Lirisnei Gomes de Sousa lirisnei@hotmail.com Jair C Leite jair@dimap.ufrn.br Desenvolvimento Baseado em Componentes Resolução de problemas específicos, mas que podem ser re-utilizados em

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB)

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) RELATÓRIO DE ENTREGA DO PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) PARA A ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PMGIRS PARA OS MUNICÍPIOS DE NOVO HORIZONTE, JUPIÁ, GALVÃO,

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO RDB2LOD

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO RDB2LOD GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO APLICATIVO RDB2LOD Em sua versão inicial, o aplicativo RDB2LOD foi desenvolvido para instalação e execução em ambiente de máquina virtual Java, e oferece suporte aos SGBDs

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

Introdução a Servlets

Introdução a Servlets Linguagem de Programação para Web Introdução a Servlets Prof. Mauro Lopes 1-31 21 Objetivos Iniciaremos aqui o estudo sobre o desenvolvimento de sistemas web usando o Java. Apresentaremos nesta aula os

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma

Leia mais

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca

Associação Carioca de Ensino Superior Centro Universitário Carioca Desenvolvimento de Aplicações Web Lista de Exercícios Métodos HTTP 1. No tocante ao protocolo de transferência de hipertexto (HTTP), esse protocolo da categoria "solicitação e resposta" possui três métodos

Leia mais

MULTIACERVO - VERSÃO 17.*

MULTIACERVO - VERSÃO 17.* MULTIACERVO - VERSÃO 17.* MANUAL PARA CONVERSÃO DA VERSÃO 16.* PARA 17.* CONTEÚDO: A) Procedimentos comuns para todas as arquiteturas B) Procedimentos exclusivos arquitetura Cliente/Servidor MS-SQL-SERVER

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES Hugo Henrique Rodrigues Correa¹, Jaime Willian Dias 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil hugohrcorrea@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural

Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Resumo: Perguntas a fazer ao elaborar um projeto arquitetural Sobre entidades externas ao sistema Quais sistemas externos devem ser acessados? Como serão acessados? Há integração com o legado a ser feita?

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

Programação WEB (JSP + Banco Dados) Eng. Computação Prof. Rodrigo Rocha http://www.materialdeaula.com.br

Programação WEB (JSP + Banco Dados) Eng. Computação Prof. Rodrigo Rocha http://www.materialdeaula.com.br Programação WEB (JSP + Banco Dados) Eng. Computação Prof. Rodrigo Rocha http://www.materialdeaula.com.br JSP (Java Server Pages) - JavaServer Pages (JSP) - Tecnologia de programação serverside - Permite

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

DWR DIRECTED WEB REMOTING

DWR DIRECTED WEB REMOTING DWR DIRECTED WEB REMOTING Vamos ver nesse artigo um pouco sobre o Frameworks Ajax para Java, o DWR. Vamos ver seus conceitos, utilidades, vantagens, algumas práticas e fazer o passo a passo para baixar,

Leia mais

MULTIACERVO - VERSÃO 19.* MANUAL PARA CONVERSÃO DA VERSÃO 18.* PARA 19.*

MULTIACERVO - VERSÃO 19.* MANUAL PARA CONVERSÃO DA VERSÃO 18.* PARA 19.* MULTIACERVO - VERSÃO 19.* MANUAL PARA CONVERSÃO DA VERSÃO 18.* PARA 19.* CONTEÚDO: A) Procedimentos comuns para todas as arquiteturas B) Procedimentos exclusivos arquitetura com sgbd SqlServer C) Procedimentos

Leia mais

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br 1. Abordagem geral Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br Em primeiro plano, deve-se escolher com qual banco de dados iremos trabalhar. Cada banco possui suas vantagens,

Leia mais

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge. Projeto Demoiselle Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.net Palestrantes: Antônio Carlos Tiboni Luciana Campos Mota 20/07/2009

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código Igor Steinmacher 1, Éderson Fernando Amorim 1, Flávio Luiz Schiavoni 1, Elisa Hatsue Moriya Huzita 1 1 Departamento de Informática

Leia mais

PROGRAMAÇÃO SERVIDOR PADRÕES MVC E DAO EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

PROGRAMAÇÃO SERVIDOR PADRÕES MVC E DAO EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 PROGRAMAÇÃO SERVIDOR EM SISTEMAS WEB PADRÕES MVC E DAO Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Compreender o conceito de Padrões de Projeto Compreender o Padrão MVC Conhecer o princípio de alguns dos

Leia mais

Unidade 8: Padrão MVC e DAO Prof. Daniel Caetano

Unidade 8: Padrão MVC e DAO Prof. Daniel Caetano Programação Servidor para Sistemas Web 1 Unidade 8: Padrão MVC e DAO Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar a teoria por trás dos padrões na construção de aplicações Web. INTRODUÇÃO Nas aulas anteriores

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

Visual Library: Uma Biblioteca para Criação de Ferramentas de Modelagem Gráfica

Visual Library: Uma Biblioteca para Criação de Ferramentas de Modelagem Gráfica Visual Library: Uma Biblioteca para Criação de Ferramentas de Modelagem Gráfica Tiago A. Gameleira 1, Raimundo Santos Moura 2, Luiz Affonso Guedes 1 1 Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Leia mais

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br CLOUD COMPUTING Andrêza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing

Leia mais

Daniel Paulo de Assis

Daniel Paulo de Assis Daniel Paulo de Assis Brasileiro, solteiro, 32 anos Rua Dr. Seng, 100 Bela Vista - São Paulo SP Telefone: (11) 9-4991-5770 / (18) 9-9119-2006 E-mail: daniel@dpassis.com.br WebSite: dpassis.com.br Linkedin:

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Sumário Agradecimentos... 19 Sobre.o.autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo.1..Bem-vindo.ao.MySQL... 22

Sumário Agradecimentos... 19 Sobre.o.autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo.1..Bem-vindo.ao.MySQL... 22 Sumário Agradecimentos... 19 Sobre o autor... 20 Prefácio... 21 Capítulo 1 Bem-vindo ao MySQL... 22 1.1 O que é o MySQL?...22 1.1.1 História do MySQL...23 1.1.2 Licença de uso...23 1.2 Utilizações recomendadas...24

Leia mais

Documento de Projeto de Sistema

Documento de Projeto de Sistema Documento de Projeto de Sistema 1 IFES / Serra Projeto: Gerenciador de Pelada - Oasis Registro de Alterações: Versão Responsável Data Alterações 0.1 Eduardo Rigamonte, Geann Valfré, João Paulo Miranda,

Leia mais

MULTIACERVO - VERSÃO 18.* MANUAL PARA CONVERSÃO DA VERSÃO 17.* PARA 18.*

MULTIACERVO - VERSÃO 18.* MANUAL PARA CONVERSÃO DA VERSÃO 17.* PARA 18.* MULTIACERVO - VERSÃO 18.* MANUAL PARA CONVERSÃO DA VERSÃO 17.* PARA 18.* CONTEÚDO: A) Procedimentos comuns para todas as arquiteturas B) Procedimentos exclusivos arquitetura com sgbd MS-SQL-SERVER C) Procedimentos

Leia mais

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi XML e Banco de Dados de Internet Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi Motivação Diversas aplicações Web utilizam Fontes de Dados (BD); Arquitetura Cliente-Servidor (2

Leia mais

Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs

Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs Diferenças entre Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados para GIS - SGBDs O objetivo deste documento é fazer uma revisão bibliográfica para elucidar as principais diferenças entre os SGBDs, apontando

Leia mais

CA Business Service Insight

CA Business Service Insight CA Business Service Insight Guia do Business Relationship View 8.2 A presente documentação, que inclui os sistemas de ajuda incorporados e os materiais distribuídos eletronicamente (doravante denominada

Leia mais

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Sistema de Bancos de Dados Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados # Definições # Motivação # Arquitetura Típica # Vantagens # Desvantagens # Evolução # Classes de Usuários 1 Nível 1 Dados

Leia mais

Desenvolvimento em três camadas com PHP 5, MVC e AJAX

Desenvolvimento em três camadas com PHP 5, MVC e AJAX Desenvolvimento em três camadas com PHP 5, MVC e AJAX Almir Neto almirneto@gmail.com Otávio Calaça otaviocx@gmail.com http://phpendo.blogspot.com CoNaPHP CONISLI 2008 http://www.conaphp.com.br/ São Paulo,

Leia mais

19/05/2009. Módulo 1

19/05/2009. Módulo 1 ASP.NET Módulo 1 Objetivo Mostrar os conceitos fundamentais da plataforma Microsoft.Net e suas ferramentas; Apresentar os conceitos fundamentais de aplicações web e seus elementos; Demonstrar de forma

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Kassius Vargas Prestes

Kassius Vargas Prestes Kassius Vargas Prestes Agenda 1. Introdução Web Services 2. XML, SOAP 3. Apache Tomcat 4. Axis 5. Instalação Tomcat e Axis 6. Criação de um Web Service 7. Criação de um cliente Baixar http://www.inf.ufrgs.br/~kvprestes/webservices/

Leia mais

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com Cloud Computing Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing O

Leia mais

MÓDULO Programação para Web 2

MÓDULO Programação para Web 2 MÓDULO Programação para Web 2 Sistemas Web na JEE OBJETIVO DO MÓDULO Arquitetura Web em aplicações JEE Conceitos iniciais Desenvolvimento Web Aplicações web tornam-se mais e mais importantes Mais e mais

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR - PROCON/SP MANUAL DE INSTALAÇÃO DO SISTEMA

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR - PROCON/SP MANUAL DE INSTALAÇÃO DO SISTEMA MANUAL DE INSTALAÇÃO DO SISTEMA 1. INTRODUCÃO Este manual tem como objetivo orientar o usuário durante o processo de instalação do SIGA Sistema Global de Atendimento. 2 de 27 2. PRÉ-REQUISITOS DE INSTALAÇÃO

Leia mais

DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s

DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s Dio Rafael Jacobs 1, Juliano Varella de Carvalho 1 1 Centro Universitário Feevale Instituto de Ciência Exatas e Tecnológicas Novo

Leia mais

Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP

Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP Use a Cabeça! FREEMAN, Eric e Elisabeth. HTML com CSS e XHTML BASHMAN, Brian / SIERRA Kathy / BATES, Bert. Servlets & JSP Software cliente: browser e outros Protocolo HTTP Infraestrutura de transporte

Leia mais

SuporteNativoa XML no

SuporteNativoa XML no SuporteNativoa XML no Gerenciamento de Dados e Informação Suporte Nativo a XML no Oracle Fernando Fonseca Ana Carolina Robson Fidalgo 2 Oracle & XML Habilita uma fonte confiável para XML Apresenta flexibilidade

Leia mais

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Gerência de Configuração

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicação Windows Mobile Acessando um WebService

Desenvolvimento de Aplicação Windows Mobile Acessando um WebService Faculdade de Negócios e Administração de Sergipe Disciplina: Integração Web Banco de Dados Professor: Fábio Coriolano Desenvolvimento de Aplicação Windows Mobile Acessando um WebService Professor: Fabio

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 6.1 ARQUIVOS E REGISTROS De um modo geral os dados estão organizados em arquivos. Define-se arquivo como um conjunto de informações referentes aos elementos

Leia mais

Uma Proposta de Sistema de Informação para o Gerenciamento de Serviços de Telessaúde

Uma Proposta de Sistema de Informação para o Gerenciamento de Serviços de Telessaúde Uma Proposta de Sistema de Informação para o Gerenciamento de Serviços de Telessaúde Autores: Fabrício da Costa Dias, Eduardo Ribas Pinto, Alexandre José Henrique de Oliveira Luna, Marcello Ramalho de

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 10 Persistência de Dados

Leia mais

ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS

ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS ARQUITETURA DO SISTEMA ERP PEGASUS Elaborado por: Bruno Duarte Nogueira Arquiteto de Software Data: 05/03/2012 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Tecnologias... 3 2.1. Web Tier... 3 2.1.1. Facelets 1.1.14...

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE NoSQL Banco de Dados Não Relacional ALUNO: Heitor Oliveira Silva PROFESSOR ORIENTADOR:

Leia mais

Facilidade e flexibilidade na web

Facilidade e flexibilidade na web Facilidade e flexibilidade na web palavras-chave: acessibilidade, usabilidade, web 2.0 Tersis Zonato www.tersis.com.br Web 2.0 o termo de marketing x a nova forma de conhecimento Web 2.0 O conceito começou

Leia mais

GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN 1984 3801)

GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN 1984 3801) GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN 1984 3801) UTILIZAÇÃO DE APLICATIVOS BASE E CALC DO PACOTE BROFFICE.ORG PARA CRIAÇÃO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE PEQUENO PORTE Wílson Luiz Vinci 1 Marcelo Gonçalves

Leia mais

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br SISTEMA GERENCIADOR

Leia mais

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos Web Services Integração de aplicações na Web Integração de Aplicações na Web Interoperação entre ambientes heterogêneos desafios diversidade de componentes: EJB, CORBA, DCOM... diversidade de linguagens:

Leia mais

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2 Introdução a SQL 2 Leitura Obrigatória ELMASRI,

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais