A Interdisciplinaridade na Clínica do Autismo: onde está o sujeito?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Interdisciplinaridade na Clínica do Autismo: onde está o sujeito?"

Transcrição

1 1 A Interdisciplinaridade na Clínica do Autismo: onde está o sujeito? Introdução Este trabalho tem como objetivo apresentar discussões preliminares da pesquisa em andamento na Universidade Federal do Pará (UFPA) intitulada Psicanálise na Interdisciplinaridade: análise das demandas dos profissionais para atuação do psicólogo no tratamento do autismo e das síndromes neurológicas da infância. Forjada a partir da experiência e dos resultados de outra pesquisa desenvolvida anteriormente sobre a Psicanálise, o Sujeito e a Instituição, na Clínica-Escola da UFPA, o projeto atual tem como foco possibilitar uma escuta que abranja a estrutura, a organização e o funcionamento do Serviço Caminhar, desenvolvido no Ambulatório de Desenvolvimento do Hospital Universitário Betina Ferro (UBFS), que atende crianças com síndromes neurológicas graves, incluindo, além disso, também aquelas que são diagnosticadas como autistas, com o objetivo de envolver o atendimento psicoterapêutico às crianças e seus cuidadores. Pretendemos, em primeiro lugar, investigar e analisar as demandas dos profissionais inseridos no Serviço Caminhar, surgidas durante a pesquisa anterior, visando a atuação do psicólogo em atividades de assistência, ensino e pesquisa no Hospital Universitário. Isso possibilitará a posterior construção de projetos clínicos de natureza clínica interventiva, que articulem assistência, ensino e pesquisa, aumentando as chances de resolubilidade dos problemas diagnosticados e, consequentemente, a qualidade dos serviços oferecidos. Por outro lado, vislumbramos na demanda dos profissionais a necessidade de desenvolver uma pesquisa em torno da temática de crianças com disfunções neurológicas graves e crianças diagnosticadas como autistas inseridas em trabalhos institucionais e que recebem atendimento multiprofissional. Estes dois aspectos nos motivam a fazer um trabalho aliando pesquisa e atendimento. Acreditamos que essa proposta venha fertilizar a compreensão de achados clínicos à luz da psicanálise e implementar ações a partir dos resultados da pesquisa anterior, pois pretendemos também observar a equipe e propor ações que permitam que um trabalho interdisciplinar se firme como rotina. Seguindo a argumentação de que nas fronteiras entre saberes situados em diferentes áreas, a clínica nesses casos pode ser apreendida de modo complexo,

2 2 apostamos na efetivação de um projeto de pesquisa que, tomando como referencial epistemológico-metodológico a interdisciplinaridade, vise à construção de estratégias de intervenção, no campo da saúde mental, junto a crianças com graves entraves ao seu desenvolvimento. Particularmente nos interessa investigar as questões implicadas com a constituição subjetiva destes sujeitos e seu tratamento. Na pesquisa mencionada acima, nosso foco foi a clínica psicanalítica na interface com a medicina e com o campo da saúde a partir do recorte metodológico do sintoma no corpo. Esta clínica é concebida como atravessada por práticas discursivas interdisciplinares e temos nos empenhado em demonstrar a importância de destacar os pontos de convergência e divergência entre os campos em questão e, sobretudo, como afirmam Winograd e Sollero-de-Campos (2011), a importância da manutenção de seus contornos epistemológicos. Segundo as autoras, o diálogo não deve conduzir à hibridação, mas à interlocução, onde os campos de saber devem manter suas identidades, suas metodologias e seus objetos específicos, a fim de preservar a riqueza que a variedade de pontos de vista impõe à pesquisa e à construção de conhecimento sobre o psiquismo (pag. 253). Nessa perspectiva, as pesquisas nas instituições em geral e no Hospital Bettina Ferro em particular, fizeram surgir várias questões relativas às dificuldades de sustentação do trabalho clínico nesses espaços, particularmente no que se refere aos limites e a competência de cada uma das especificidades de tratamento. Enquanto a medicina oferece uma resposta, mesmo que em forma de um diagnóstico a ser encaminhado para outro especialista, a psicanálise convoca o paciente a falar sobre o que ele acha que tem. Ressaltamos que os resultados demandaram investigação no sentido de pensar estratégias de intervenção em equipe, onde cada profissional tem uma explicação própria para o mal que acomete o paciente. Em relação à presença da psicologia no hospital, conforme pudemos observar, ela está mais vinculada ao discurso da ciência e da pedagogia, ou seja, de forma atrelada ao significante educação, determinando rotinas de atendimento desenvolvidas por alguns setores da clínica, no intuito de proporcionar o bem-estar do paciente. Nossa proposta é fazer uma interlocução com os médicos e demais profissionais, procurando-os para discutir os casos e seus tratamentos, visando incluir o tratamento psicológico. Pensamos que isso é possível a partir de reuniões de discussão de casos e oferta de escuta aos familiares das crianças na Clinica de Psicologia, caso seja necessário.

3 3 Isso, de certa forma, terá um efeito sobre os tratamentos dos pacientes e família, pois ao serem convocados a falar, eles se implicam e se responsabilizam pelo tratamento. Se partirmos de uma resposta ou de um diagnóstico, só conseguimos estancar a fala e evitar qualquer questionamento sobre seu sofrimento, pois o paciente já tem descritas as características de seu mal, formulado pelo saber médico. Constatamos ainda que, ao receberem explicações por parte dos profissionais, principalmente um diagnóstico, constituem laços com o saber da medicina e, portanto, pela via do Discurso do Mestre, que é aquele ao qual os médicos, de um modo geral, estão afiliados. A posição do médico diante do doente é de quem possui um saber sobre a doença. Em nome do bem-estar, apresenta, em seu discurso, significantes como proteção, assistência e prevenção e acaba por se colocar como agente do saber que move a verdade, nos moldes do que Lacan ( /1992) identifica com o discurso do mestre. Esse discurso faz calar o sujeito, sua história singular e seu saber próprio a respeito de sua condição desejante. Como fazer furo no saber médico para permitir ao sujeito construir um saber sobre a sua verdade é a questão que nos move a propor o desdobramento da pesquisa que fizemos no Hospital Bettina Ferro. Na conclusão, restos de indagações que levantamos ao longo do nosso trabalho permanecem: Como se dão os encontros e desencontros entre o discurso médico e o discurso psicanalítico? Como podemos pensar a direção do tratamento no espaço coletivo? Além disso, outras surgem das tentativas de responder com a pesquisa intervenção na abordagem do sofrimento: que idéias embasam as noções sobre saúde e doença, sobre o sofrimento humano, sobre a forma de abordá-lo? Estariam incluídas aí as questões subjetivas? Como é possível a ocorrência de um trabalho interdisciplinar que transcenda a teoria para de fato se tornar uma rotina que venha atender as necessidades de tratamento? Resolvemos responder à medida que desenvolvemos o trabalho clínico psicoterapêutico com os pacientes e familiares inseridos no Serviço Caminhar, atendimento proposto ao término da pesquisa anterior. Este Serviço funciona desde 2002 no HUBFS, contando com uma equipe multidisciplinar na qual o psicólogo está inserido e onde de fato observamos a possibilidade de um trabalho articulado. O objetivo deste serviço é diagnosticar e realizar acompanhamento clínico em crianças de até 12 anos de idade com alterações de crescimento e desenvolvimento, síndromes genéticas, epilepsias, autismo, ataxias e mucopolissacaridoses. Vislumbramos ai um solo interessante para realizar o diálogo entre psicanálise e medicina, pois a

4 4 coordenadora da equipe e a coordenadora do setor de atendimentos a autistas, demandaram um trabalho com os pacientes e seus familiares. Assim, embora a pesquisa no HUBFS nos tenha confrontado com uma instituição que é referência nas áreas de Oftalmologia, Otorrinolaringologia e Crescimento e Desenvolvimento Infantil, esta última, onde o Projeto Caminhar está inserido, nos permitirá observar alguns dos conjuntos de processos psíquicos em operação nesses casos, bem como considerar e elaborar as particularidades técnicas desse tipo de atendimento. Ressaltamos, entretanto, que nossas pesquisas possibilitaram avanços em investigações teóricas em diversas frentes, que nos autorizam a trabalhar em outras especialidades onde sujeitos afetados pela angústia são atravessados em seus corpos. Outro aspecto que nos faz propor a pesquisa intervenção é que o Hospital Bettina, embora conte com equipes multidisciplinares em seus setores, a prática entre vários descrita pro Abreu (2008) acaba por não funcionar, principalmente pela inexistência de discussões de casos, onde os profissionais possam dar impressões acerca do caso advindas de sua escuta. Os profissionais entrevistados relataram não existir discussões de casos em nenhum setor do Hospital Bettina Ferro, entendendo discussão de caso no sentido de um grupo multidisciplinar reunir-se e debater um caso em comum, conforme explica Andrade (2005). Ao contrário disso, os técnicos atuam de acordo com a sua especificidade, com o seu entendimento sobre o caso, a partir de um saber pronto. Em contrapartida, foi relatado um movimento informal de consulta entre profissionais, sempre que há uma intercorrência (um caso fora do comum). Excetuando esses casos, o contato é via prontuário ou em programas como o Caminhar. A proposta de atendimento no local da pesquisa e não apenas na Clínica de Psicologia é fruto da constatação de que os encaminhamentos à psicologia são raros, a não ser em casos de nervosismo exacerbado que impeça um procedimento cirúrgico. Mais raros ainda são os encaminhamentos para centros externos de psicologia como a Clínica de Psicologia da UFPA e o Hospital de Clínicas. O fato de existir, segundo os profissionais, uma demanda reprimida de encaminhamentos para núcleos externos nos motiva a fazer um trabalho aliando pesquisa e atendimento clínico. Ressaltamos ainda que participamos do GT da ANPEPP Dispositivos Clínicos em saúde Mental, cujo foco é pesquisar equipamentos e dispositivos clínicoinstitucionais na saúde mental, tomando a filosofia da clínica ampliada como norteadora

5 5 das investigações que já se constituem em intervenções e vice-versa. Isso nos orienta em nossas pesquisas. À procura do sujeito na instituição: por uma ética da psicanálise De início, pode-se colocar a seguinte questão: qual o lugar da psicanálise na instituição? Se considerarmos que o discurso do mestre moderno é o que impera como modelo de trabalho nesse contexto, tem-se que a lógica é a da eficácia produtiva: trabalhar mais, em menos tempo (BITTENCOURT, 2013). Assim, indaga-se: como a psicanálise se inseriu nesse campo, já que opera pela via contrária a esse discurso, se ocupando do particular de cada sujeito, enquanto que as políticas públicas visam o universal? E como pensar no caso específico desse tratamento com crianças? Para tanto, é necessário analisar, historicamente, essa entrada. As criadoras de serviços para o atendimento de crianças com graves comprometimentos, que eram consideradas débeis, foram alunas de Freud. A primeira a ocupar o lugar de diretora de um centro para adolescentes foi Hermine Von Hug Helmutt, nomeada pelo próprio pai da psicanálise. Além disso, temos como precursoras dessa abordagem, Melanie Klein e Anna Freud, ocupadas, respectivamente, com a psicose infantil e com a perspectiva educativa, o que teve grande influência sobre a psiquiatria infantil. Os hospitais-dia criados na Europa na década de 1960, em sua maior parte na França, tinham o objetivo de tratar crianças psicóticas em um lugar institucional que serviria como uma substituição da mãe, ocupando a função de continente materno, a partir da abordagem de Donald Winnicott, denotando que o objetivo era pedagógico e adaptativo. Esse foi o período de surgimento da antipsiquiatria, pois, já que deu-se início a ideia de que o psicótico sofria de repressão social, essa perspectiva pretendeu promover a liberdade dos pacientes. Assim, evitava-se a internação, pois a causa da patologia era fruto da sociedade. Esse movimento foi fortemente influenciado pela psicanálise, especialmente pelo ensino de Lacan, pois manteve a prática de apresentação de pacientes em hospitais psiquiátricos, sempre mantendo proximidade com estas instituições. No entanto, a tentativa de suprir a mãe suficientemente boa somou-se a primazia da introdução dessas crianças no registro do simbólico, desconsiderando o que havia de

6 6 real na estrutura e que é constitutivo do sujeito. Assim, esses profissionais direcionavam o seu tratamento na tentativa de estabelecer uma lei que não se inscreveu, de instituir regras, com a pretensão de também substituir um lugar paterno, iniciando-se uma ideologia da palavra, de acordo com Bittencourt (2013), muito por conta da banalização da psicanálise. Além disso, o psicanalista começou a ser posicionado no lugar de analista da instituição, isto é, daquele que iria ouvir o sintoma coletivo da equipe, esquecendo-se de dar lugar ao singular do sintoma de cada um. Lacan tentou subverter essa prática, lembrando-nos que a escuta dos psicóticos deveria estar associada ao discurso analítico, ou seja, que o inconsciente deve ser escutado sempre considerando o laço social determinado pela psicanalise, conforme apresenta em Televisão (1974/2003). Assim, como bem colocou, não devemos recuar diante da psicose. Em Notas sobre a criança (1968/2003 apud BITTENCOURT, 2013), Lacan pontua que o desejo do sujeito não pode se fundir com o que se esperar em uma comunidade, pois ocorre uma transmissão irredutível que depende, primordialmente, do casal parental. Aqui, Lacan pretende conversar com analistas que estavam acometidos pelo desejo de promover uma coalescência entre a mãe e a criança. Além disso, ele introduz a importante relação entre o sujeito do significante e o campo do gozo, situando o sujeito como objeto do gozo do Outro. Esse texto nos traz a conclusão de uma jornada sobre a psicose infantil. Esse escrito está em diálogo com o Seminário O avesso da psicanálise ( /1992), onde o analista formaliza sua teoria dos discursos, apresentando o discurso como aparelhado pelo gozo, situando o sujeito no laço social. Pode-se destacar o discurso do mestre, formalizado nesse Seminário, como aquele que prevalece na instituição, no caso do recorte de nosso trabalho, a instituição que trabalha com crianças psicóticas ou com graves comprometimentos no desenvolvimento, e que não oferece uma escuta a esses sujeitos, de modo a silenciá-los com medicações e intervenções norteadas pelo furor sanandi. O discurso analítico opera pela restauração do real em jogo para o sujeito psicótico, um sujeito a supor. É uma ética pautada pelo desejo do analista, que subverte a lógica da instituição e só assim pode se inserir, propondo outra direção ao tratamento de crianças psicóticas, ao ouvir o inconsciente deste sujeito que não está no laço social, mas está na linguagem. O analista pode dirigir o tratamento no sentido de permitir a esse sujeito uma suplência, como por exemplo, a escrita, a arte ou até mesmo um sintoma, (Bittencourt,

7 7 2013) como secretário de um gozo que precisa ser cingido pelo próprio analisante, mesmo que a instituição não ofereça um lugar para a psicanálise, a qual, mesmo diante desse contexto, se insere por um ato decidido de cada analista. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BITTENCOURT, M. V. Qual o lugar da psicanálise na instituição? In: O que tem a dizer o psicanalista sobre o autismo? Caderno de Stylus /AFCL-Brasil, n. 2, Rio de Janeiro, LACAN, J. ( ). O seminário - livro 17: o avesso da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, p. (1974). Televisão. In:. Outros escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, pp

PRÁTICAS ADAPTATIVAS, POLÍTICAS PÚBLICAS E O LUGAR DA PSICANÁLISE NO TRATAMENTO DO AUTISMO

PRÁTICAS ADAPTATIVAS, POLÍTICAS PÚBLICAS E O LUGAR DA PSICANÁLISE NO TRATAMENTO DO AUTISMO PRÁTICAS ADAPTATIVAS, POLÍTICAS PÚBLICAS E O LUGAR DA PSICANÁLISE NO TRATAMENTO DO AUTISMO Ana Elizabeth Araujo Luna Roseane Freitas Nicolau O presente trabalho é fruto de uma experiência realizada no

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quarta-feira 10/6 10h30-12h Mesa-redonda Saúde mental e psicanálise

Leia mais

A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1. Selma Correia da Silva 2

A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1. Selma Correia da Silva 2 A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1 Selma Correia da Silva 2 Neste trabalho pretendemos discutir a articulação do discurso da Psicanálise com o discurso da Medicina, destacando

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL

Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL QUANDO A CLÍNICA ENCONTRA A ESCOLA: O TRATAMENTO DO AUTISMO E AS SAÍDAS POSSÍVEIS DE UMA INCLUSÃO Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL Rua Divinópolis, 318/201,

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações PSICOLOGIA APLICADA A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações Os níveis de intervenção vão desde

Leia mais

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão:

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão: proteção do meio ambiente, e convênio firmado para viabilização do pagamento de bolsa a acadêmica Letícia Croce dos Santos. As atividades executadas no projeto de extensão compreendem dentre outras iniciativas:

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

PLANO DE CURSO. Código: Carga Horária: 80h (Teoria: 60h; Prática: 20h) Créditos: 04 Pré-requisito(s): ------ Período: VII Ano: 2015.

PLANO DE CURSO. Código: Carga Horária: 80h (Teoria: 60h; Prática: 20h) Créditos: 04 Pré-requisito(s): ------ Período: VII Ano: 2015. PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Assistência de Enfermagem em Saúde Mental Professor: Tito Lívio Ribeiro E-mail: thitolivio@gmail.com Código: Carga

Leia mais

8 Andréa M.C. Guerra

8 Andréa M.C. Guerra Introdução A loucura sempre suscitou curiosidade, temor, atração. Desde a época em que os loucos eram confinados em embarcações errantes, conforme retratado na famosa tela Nau dos loucos, de Hieronymus

Leia mais

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe

O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe 1378 O Trabalho do Assistente Social no Contexto Hospitalar em Porto Alegre: Uma Análise na Perspectiva do Trabalho em Equipe V Mostra de Pesquisa da Pós- Graduação Cristiane Ferraz Quevedo de Mello 1,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta *

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * ARTIGOS A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * Raquel Moreira Pádova ** Introdução A questão que analiso neste trabalho, se refere à atuação do psicólogo nos grupos de pré-consulta

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

PROJETO TERAPÊUTICO PARA AS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS: RELATO DE EXPERIÊNCIA

PROJETO TERAPÊUTICO PARA AS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS: RELATO DE EXPERIÊNCIA PROJETO TERAPÊUTICO PARA AS RESIDÊNCIAS TERAPÊUTICAS: RELATO DE EXPERIÊNCIA Fabiana Camara 1 A partir da experiência de supervisão em dois, dos 22 SRTs pertencententes à rede de saúde mental da prefeitura

Leia mais

O ACOMPANHAMENTO TERAPÊUTICO DE UMA CRIANÇA AUTISTA DE QUATRO ANOS DE IDADE: ANGÚSTIAS E DESAFIOS. Resumo

O ACOMPANHAMENTO TERAPÊUTICO DE UMA CRIANÇA AUTISTA DE QUATRO ANOS DE IDADE: ANGÚSTIAS E DESAFIOS. Resumo O ACOMPANHAMENTO TERAPÊUTICO DE UMA CRIANÇA AUTISTA DE QUATRO ANOS DE IDADE: ANGÚSTIAS E DESAFIOS Carlos Frederico de Macedo Coelho [*] Resumo O presente trabalho tem como objetivo discutir o Acompanhamento

Leia mais

A triagem como instrumento de comunicação entre Psicanálise e Psiquiatria

A triagem como instrumento de comunicação entre Psicanálise e Psiquiatria A triagem como instrumento de comunicação entre Psicanálise e Psiquiatria Thaís Augusto Gonçales Zanoni thaisagz.psi@gmail.com Psicóloga. Especialista em Saúde Mental, Psicopatologia e Psicanálise pela

Leia mais

Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América

Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América Entrevistada: Elisa Alvarenga Diretora Geral do IPSM-MG e Presidente da FAPOL (Federação Americana de Psicanálise de Orientação Lacaniana). E-mail:

Leia mais

Considerações acerca da transferência em Lacan

Considerações acerca da transferência em Lacan Considerações acerca da transferência em Lacan Introdução Este trabalho é o resultado um projeto de iniciação científica iniciado em agosto de 2013, no Serviço de Psicologia Aplicada do Instituto de Psicologia

Leia mais

DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA

DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA Priscila Rodrigues da Silva * Prof. Ms. Clovis E. Zanetti ** RESUMO: A doença renal crônica é considerada

Leia mais

Mesa -Título: Pesquisa, Clínica e Ensino: A Psicanálise na Universidade

Mesa -Título: Pesquisa, Clínica e Ensino: A Psicanálise na Universidade Mesa -Título: Pesquisa, Clínica e Ensino: A Psicanálise na Universidade Coordenador: Prof. Doutor Ademir Pacelli Ferreira - Instituto de Psicologia - UERJ 2) A Clínica Psicanalítica no Campo da Saúde Mental:

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Faculdade de Ciências Humanas e da Saúde Curso de Psicologia Núcleo 3.2 Saúde Mental (2014)

Pontifícia Universidade Católica de São Paulo Faculdade de Ciências Humanas e da Saúde Curso de Psicologia Núcleo 3.2 Saúde Mental (2014) Núcleo 3.2 Saúde mental: política e clinica ampliada DEPARTAMENTOS ENVOLVIDOS: Psicologia do Desenvolvimento e Psicologia Social COORDENADOR: Maria Claudia Tedeschi Vieira PROFESSORES: Deborah Sereno Elisa

Leia mais

ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL

ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL ESTIMULAR BRINCANDO: DESENVONVIMENTO DE BRINQUEDO, FERRAMENTA DE AUXILIO LÚDICO-EDUCATIVO NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFANTIL INTRODUÇÃO Amara Holanda Fabiane Romana Fernanda Oliveira Karen Trage Máuren Mássia

Leia mais

Eixo Temático: Educação

Eixo Temático: Educação Título: ESTAGIÁRIO NA ESCOLA: TECENDO LAÇOS E CONSTRUINDO SAÚDE Nome do Autor: Maria Isabel Ramos da Silva. Instituição: ONG Tempo de Crescer TCER E-mail: isabelrs76@gmail.com Resumo A Tempo de Crescer

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: CCBS - 040 Curso: PSICOLOGIA Disciplina: Núcleo Temático: SUPERVISÃO DE ESTÁGIO ESPECÍFICO EM PSICOTERAPIA BREVE DO ADOLESCENTE I Professores: Cristine Lacet Lourdes Santina Tomazella

Leia mais

Campus Governador Lamenha Filho - Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL.

Campus Governador Lamenha Filho - Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL. NÚCLEO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR NAISST REGIMENTO INTERNO Capítulo I Das Disposições Preliminares Art 1º. Este Regimento Interno estabelece e disciplina a estruturação e o

Leia mais

Psicanálise e instituição social: é possível uma prática psicanalítica no CRAS? Patrícia do Socorro Nunes Pereira 1 Roseane Freitas Nicolau 2

Psicanálise e instituição social: é possível uma prática psicanalítica no CRAS? Patrícia do Socorro Nunes Pereira 1 Roseane Freitas Nicolau 2 CRAS? Psicanálise e instituição social: é possível uma prática psicanalítica no Patrícia do Socorro Nunes Pereira 1 Roseane Freitas Nicolau 2 Este trabalho discute as possibilidades de operar com o saber

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: Enfermagem em Atenção à Saúde Mental Código: ENF- 210 Pré-requisito: ENF

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 010/2010

RESOLUÇÃO CFP Nº 010/2010 RESOLUÇÃO CFP Nº 010/2010 Institui a regulamentação da Escuta Psicológica de Crianças e Adolescentes envolvidos em situação de violência, na Rede de Proteção O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

a. Do estagiário em psicoterapia psicanalítica ao psicanalista em formação.

a. Do estagiário em psicoterapia psicanalítica ao psicanalista em formação. a. Do estagiário em psicoterapia psicanalítica ao psicanalista em formação. b. Germano Almeida Faria Fortunato Pereira Rua São Francisco Xavier, 263. Bairro Tubalina, Uberlândia-MG. 38412-080 c. Graduado

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR Fátima Grave Ortiz é assistente social, mestre e doutora em Serviço Social pela UFRJ. É professora da Escola de Serviço Social da mesma universidade, e compõe

Leia mais

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Trabalho apresentado na IV Jornada de Saúde Mental e Psicanálise na PUCPR em 21/11/2009. A prática da psicanálise em ambulatório de saúde mental pode

Leia mais

Os princípios da prática analítica com crianças

Os princípios da prática analítica com crianças Os princípios da prática analítica com crianças Cristina Drummond Palavras-chave: indicação, tratamento, criança, princípios. As indicações de um tratamento para crianças Gostaria de partir de uma interrogação

Leia mais

Autismo e Deficiência Intelectual.

Autismo e Deficiência Intelectual. Autismo e Deficiência Intelectual. Wagner Ranna. Pediatra. Psiquiatra. Psicanalista. Professor de Psicossomática Psicanalítica do SEDES. Psiquiatra CAPS Infantil da Lapa/PMSP/CRSCO/STS Lapa. Ex-professor

Leia mais

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos:

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos: Clínica Psicológica da UFPE Plano Institucional de Estágio Supervisionado Apresentação A Clínica Psicológica é uma entidade pública, ligada ao Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco,

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

PSICOTERAPIA INFANTIL

PSICOTERAPIA INFANTIL PSICOTERAPIA INFANTIL Claudia Ribeiro Boneberg 1 Demarcina K. Weinheimer 2 Ricardo Luis V. de Souza 3 Ramão Costa 4 Me. Luiz Felipe Bastos Duarte 5 1 TEMA Psicoterapia psicanalítica infantil 1.1 DELIMITAÇÃO

Leia mais

Crianças autistas e seus familiares: peculiaridades relacionais e afetivas a partir do atendimento em serviço de saúde paulistano

Crianças autistas e seus familiares: peculiaridades relacionais e afetivas a partir do atendimento em serviço de saúde paulistano Crianças autistas e seus familiares: peculiaridades relacionais e afetivas a partir do atendimento em serviço de saúde paulistano Primeiro autor Rosa Maria Monteiro López Antropóloga, Bacharel em Ciências

Leia mais

INFÂNCIA E ILUSÃO (PSICO)PEDAGÓGICA

INFÂNCIA E ILUSÃO (PSICO)PEDAGÓGICA DE LAJONQUIÈRE, L INFÂNCIA E ILUSÃO (PSICO)PEDAGÓGICA ESCRITOS DE PSICANÁLISE E EDUCAÇÃO São Paulo, Vozes, 1999 Renata Petri "A educação é impossível!" É assim que se inicia esse livro de Leandro de Lajonquière,

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

Direção do tratamento no atendimento de crianças com autismo e sindromes neurológicas

Direção do tratamento no atendimento de crianças com autismo e sindromes neurológicas Direção do tratamento no atendimento de crianças com autismo e sindromes neurológicas Patrícia do Socorro Nunes Pereira 1 Roseane Freitas Nicolau 2 Apresantamos discussões sobre a direção do tratamento

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Hospital Universitário Programa de Avaliação de Desempenho (PROADES) Segunda Fase

Universidade Federal de Juiz de Fora Hospital Universitário Programa de Avaliação de Desempenho (PROADES) Segunda Fase Universidade Federal de Juiz de Fora Hospital Universitário Programa de Avaliação de Desempenho (PROADES) Segunda Fase Registro de reuniões setoriais Setor: Serviço Social Unidade Dom Bosco Data: 29.05.2009

Leia mais

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Jovanka de Freitas S. Limeira Psicóloga Setor Socioeducacional Caruaru 2014 APRESENTAÇÃO O presente projeto sugere

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO

FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO FREUD: IMPASSE E INVENÇÃO Denise de Fátima Pinto Guedes Roberto Calazans Freud ousou dar importância àquilo que lhe acontecia, às antinomias da sua infância, às suas perturbações neuróticas, aos seus sonhos.

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PSICOLOGIA (Currículo iniciado em 2009):

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PSICOLOGIA (Currículo iniciado em 2009): EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PSICOLOGIA (Currículo iniciado em 2009): ABORDAGENS TEÓRICO-METODOLÓGICAS DA PSICOLOGIA CONTEMPORÂNEA I C/H 102 (0829/I) Diferentes linhas de intervenção teórico-metodológicas

Leia mais

TÍTULO: AUTORES Instituição de Ensino Superior: E-mails: Área Temática: A Reforma Psiquiátrica Brasileira

TÍTULO: AUTORES Instituição de Ensino Superior: E-mails: Área Temática: A Reforma Psiquiátrica Brasileira TÍTULO: A CLÍNICA DA PSICOSE: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA ENTRE A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA, A PSICANÁLISE E A REFORMA PSIQUIÁTRICA AUTORES: Margarida Maria Elia Assad Cleide Pereira Monteiro João Mendes de

Leia mais

Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS

Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS Samyra Assad Abrir o Iº Colóquio sobre Psicanálise e Educação é, dar início não somente aos trabalhos que a partir de agora se seguirão,

Leia mais

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo

Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar. Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS. Resumo Comunicação para Todos Em Busca da Inclusão Social e Escolar Communication for All - In Search of the Social and Pertaining to School Inclusion Centro Universitário Feevale, Novo Hamburgo, RS Carolina

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

Seminário do 16º COLE vinculado: 10

Seminário do 16º COLE vinculado: 10 Kelly Cristina Ducatti da Silva. Doutoranda UNICAMP/Campinas-SP, Professora do Ensino Fundamental (Prefeitura Municipal de Bauru) e Docente UNESP/BAURU kellyducatti@hotmail.com RELATO DE EXPERIÊNCIA: UM

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1

UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 UMA ANÁLISE DAS TESES E DISSERTAÇÕES NO PORTAL DA CAPES: A EDUCAÇÃO ESPECIAL EM FOCO 1 Mary Ellen Silva Santos Angélica Marcelino Diana Araújo Souza Nathália Araújo Patrícia Alves Ivania Reis 2 RESUMO

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Profa. Me. Michele Costa

ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Profa. Me. Michele Costa ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES Profa. Me. Michele Costa CONVERSAREMOS SOBRE Formação de Professores Continuação do diálogo sobre o professor de educação infantil.

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PARANÁ GOVERNO DO ESTADO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS - DPPE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PDE Anexo I Professor PDE FORMULÁRIO DE ACOMPANHAMENTO

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA

SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA SAÚDE MENTAL NA RODA :A SENSIBILIZAÇÃO DOS TRABALHADORES DA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA Romaldo Bomfim Medina Jr 1 Luciane Silva Ramos 2 Fernanda Franceschi de Freitas 3 Carmem Lúcia Colomé Beck 4 O movimento

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA INSCRIÇÃO DE TRABALHOS:

ORIENTAÇÕES PARA INSCRIÇÃO DE TRABALHOS: ORIENTAÇÕES PARA INSCRIÇÃO DE TRABALHOS: Início: 10/03/2014 Término: 30/05/2014 INFORMAÇÔES GERAIS: 1) Todo participante do congresso poderá inscrever trabalhos. 2) O link para inscrições de trabalhos

Leia mais

MANIFESTO DE ENTIDADES BRASILEIRAS DE PSICANÁLISE. indissociáveis entre si: a análise pessoal, os cursos teóricos e a supervisão dos casos clínicos.

MANIFESTO DE ENTIDADES BRASILEIRAS DE PSICANÁLISE. indissociáveis entre si: a análise pessoal, os cursos teóricos e a supervisão dos casos clínicos. MANIFESTO DE ENTIDADES BRASILEIRAS DE PSICANÁLISE Há cerca de 90 anos a formação de psicanalistas está baseada em três atividades complementares e indissociáveis entre si: a análise pessoal, os cursos

Leia mais

AT NA ESCOLA: UM DISPOSITIVO POSSÍVEL?

AT NA ESCOLA: UM DISPOSITIVO POSSÍVEL? 1 Autora: Juliana Ribeiro Câmara Lima Eixo Temático: AT e instituição de educação Pertinência Institucional: IECE- Instituto Educacional Casa Escola Domicílio: R Raimundo Chaves, 1652. Casa H 03, Candelária,

Leia mais

Sociedade Civil Sem Fins Lucrativos CNPJ 02.879.848 / 0001-68 Av. Suiça, 99 Piracicaba SP CEP 13416-280 (19) 3433-2568 associacaolivre@yahoo.com.

Sociedade Civil Sem Fins Lucrativos CNPJ 02.879.848 / 0001-68 Av. Suiça, 99 Piracicaba SP CEP 13416-280 (19) 3433-2568 associacaolivre@yahoo.com. ALTERIDADE E ÉTICA EM PSICANÁLISE Realização Associação Livre Instituto de Cultura e Psicanálise Sociedade Civil Sem Fins Lucrativos CNPJ 02.879.848 / 0001-68 Av. Suiça, 99 Piracicaba SP CEP 13416-280

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL

O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL Página 1 de 5 O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL Leandro Nunes 1 Primeiramente, gostaria de me posicionar e anunciar de que campo da ciência psicológica vou estruturar meu argumento. No entanto afirmo que me

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

1 Hospital Universitário Lauro Wanderley, UFPB.

1 Hospital Universitário Lauro Wanderley, UFPB. TÍTULO:TRABALHO CRIATIVO NUMA EXPERIÊNCIA EM UM AMBULATÓRIO PSIQUIÁTRICo AUTORES: Margarida Maria Elia Assad 1 Cleide Pereira Monteiro 2 João Mendes de Lima Júnior 3 Alzira Edjane da Nóbrega Xavier, Elizabeth

Leia mais

RESENHA CRITICAL REVIEW

RESENHA CRITICAL REVIEW CAMPOS, R. O. Psicanálise & Saúde Coletiva: Interfaces. São Paulo: Hucited, 2012, 172 p. A autora é médica, formada pela Universidad Nacional de Rosario (UNR), na Argentina, pós-graduada, no Brasil, pelo

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO EXTERNO PROJETO QUIXOTE 2012

EDITAL PROCESSO SELETIVO EXTERNO PROJETO QUIXOTE 2012 EDITAL PROCESSO SELETIVO EXTERNO PROJETO QUIXOTE 2012 A Associação de Apoio ao AAPQ faz saber que realizará processo seletivo para contratação de: 02 Psiquiatras 01Farmacêutico 01 Assistentes Social 01

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO

AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO AS RELAÇÕES ENTRE O BRINCAR E A MÚSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A PARTIR DE UMA NOVA CONCEPÇÃO DE SUJEITO Igor Guterres Faria¹ RESUMO: Este estudo é parte integrante do projeto de pesquisa de iniciação científica

Leia mais

GRADE E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO/ DATAS E HORÁRIOS. C/H: 8 horas. Data/horário: 29/06 e 30/06 das 18:30 às 22:30 (2ª e 3ª)

GRADE E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO/ DATAS E HORÁRIOS. C/H: 8 horas. Data/horário: 29/06 e 30/06 das 18:30 às 22:30 (2ª e 3ª) GRADE E CONTEÚDO PROGRAMÁTICO/ DATAS E HORÁRIOS MÓDULO I: PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO C/H: 8 horas. Data/horário: 29/06 e 30/06 das 18:30 às 22:30 (2ª e 3ª) 04/07 das 8 às 16h (sábado). Bibliografia

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS A sistematização que segue refere-se aos pontos trabalhados pelo grupo, no sentido de ativar a reflexão de questões que seriam tratadas no Encontro Estadual dos Trabalhadores do SUAS, realizado dia 16

Leia mais

A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE

A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE Autores: Gleici Kelly de LIMA, Mário Ferreira RESENDE. Identificação autores: Bolsista IN-IFC; Orientador IFC-Videira. Introdução Qual seria

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR

TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR TÍTULO: PERCEPÇÃO DE MÃES EM RELAÇÃO À INCLUSÃO ESCOLAR DE SEUS FILHOS DIAGNOSTICADOS COM AUTISMO EM ESCOLA REGULAR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

-RESUMOS DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL DA FASF LUZ - 2013

-RESUMOS DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL DA FASF LUZ - 2013 -RESUMOS DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL DA FASF LUZ - 2013 Monografias e Artigos (Ordem Alfabética dos Alunos, Orientador (a), Título e Resumo) Ana Cristina Fonseca

Leia mais

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE DIRETORIA GERAL DE REGULAÇÃO DO SISTEMA GERÊNCIA DE ATENÇÃO BÁSICA Recife em Defesa da Vida Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Derdic / PUC-SP

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Derdic / PUC-SP RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2010 Missão 03 Valores Institucionais 03 Escola Especial de Educação Básica 04 Clínica de Audição, Voz e Linguagem Prof. Dr. Mauro Spinelli

Leia mais

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as

Saúde M ent en al t --Álco Ál o co l o le Dro Dr g o as Saúde Mental-Álcool e Drogas Atenção Básica O nosso modelo tem como proposta a superação da lógica hospitalocêntrica, pressupondo a implantação de serviços substitutivos ao hospital psiquiátrico, quer

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL

CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL CORRELAÇÃO ENTRE PSICOTERAPIA BREVE EM GRUPOS E INDIVIDUAL Ana Paula Fernandes de Lima Larissa de Medeiros Luana Ferreira Maristela Oliveira. Carla Villwock Resumo: O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

P - ÁREA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL

P - ÁREA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL P - ÁREA PROFISSIONAL SERVIÇO SOCIAL P 41 - SERVIÇO SOCIAL EM ASSISTÊNCIA A PACIENTES PORTADORES DE HIV/AIDS Titulação: Aprimoramento Supervisora: Susan Marisclaid Gasparini Dirigido aos profissionais

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

Assistência na Fase Final da Vida e Luto: Assistência à Família. Ana Paula M. Bragança dos Santos Assistente Social/INCA

Assistência na Fase Final da Vida e Luto: Assistência à Família. Ana Paula M. Bragança dos Santos Assistente Social/INCA Assistência na Fase Final da Vida e Luto: Assistência à Família Ana Paula M. Bragança dos Santos Assistente Social/INCA De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) "Cuidados Paliativos consistem

Leia mais

SES CIAPS ADAUTO BOTELHO CAPS INFANTIL

SES CIAPS ADAUTO BOTELHO CAPS INFANTIL SES CIAPS ADAUTO BOTELHO CAPS INFANTIL RELATÓRIO DE NOVE ANOS DE ATIVIDADES 2002-2011 CUIABÁ, MARÇO DE 2012. Introdução/Desenvolvimento: O CAPSi (Centro de Atenção Psicossocial Infanto-Juvenil/CAPS Infantil)/CIAPS

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

1 Nesta dissertação, será utilizada a sigla CDA para situar o local onde o trabalho foi desenvolvido.

1 Nesta dissertação, será utilizada a sigla CDA para situar o local onde o trabalho foi desenvolvido. 1 Introdução As demências, principalmente a do tipo Alzheimer, vêm despertando interesse no meio acadêmico. Os diferentes saberes como a Medicina, a Psicologia, a Antropologia, a Sociologia entre outros,

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais