A QUESTÃO DA EDUCAÇÃO ENTRE OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO NORDESTE DO BRASIL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A QUESTÃO DA EDUCAÇÃO ENTRE OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO NORDESTE DO BRASIL"

Transcrição

1 A QUESTÃO DA EDUCAÇÃO ENTRE OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA NO NORDESTE DO BRASIL Anderson Paulino da Silva 1 André Augusto P. Brandão 2 Salete da Dalt 3 Resumo: Este trabalho examina a relação entre educação e pobreza, analisando os impactos das condicionalidades do Programa Bolsa Família sobre o perfil educacional das famílias atendidas no nordeste. O estudo é parte de uma investigação, coordenada pelo DataUFF, com base numa amostra de entrevistas semi-estruturadas. As conclusões confirmam dados apontados por outras pesquisas sobre os impactos do PBF na escolaridade das crianças e adolescentes, paralelamente a expansão da rede escolar de ensino fundamental. Além disso, avança nas discussões sobre o fortalecimento da cidadania e aumento da escolarização das famílias, a partir de sua inserção na política de transferência de renda. Palavras-chave: Pobreza, transferência de renda, educação. 1 Docente. Universidade Federal Fluminense. 2 Docente. Universidade Federal Fluminense. 3 Docente. Universidade Federal Fluminense. 1

2 1- INTRODUÇÃO Este artigo examina a relação entre educação e pobreza, considerando os possíveis impactos das condicionalidades estabelecidas pelo Programa Bolsa Família (PBF) sobre o perfil educacional das famílias atendidas. A base de dados da pesquisa é composta por 841 questionários semi-estruturados aplicados junto aos beneficiários do Programa na região nordeste do Brasil. O estudo faz parte de uma investigação de abrangência nacional, coordenada pelo Núcleo de Pesquisas Sociais da Universidade Federal Fluminense (DataUFF). Neste recorte, a pesquisa apresenta os dados preliminares referentes às entrevistas realizadas em 2008 nas capitais e municípios do interior selecionados a partir de uma amostra probabilística. Dados do Ministério do Desenvolvimento Social dão o Nordeste brasileiro como a região que concentra a maior quantidade de benefícios pagos pelo Programa Bolsa-Família em nível nacional, 58,9%, percentual bem acima das estimativas de famílias pobres na região, 46,9% A DISTRIBUIÇÃO DOS RECURSOS EDUCACIONAS NAS FAMÍLIAS Entre os representantes legais de benefícios entrevistados na região nordeste, a participação das mulheres é de 97%. Destas, 99,1% são mães, sendo que 27,6% delas declararam-se mães solteiras; se considerarmos as beneficiárias que se declararam separadas e viúvas, esse percentual se eleva para 44,9% dos lares atingidos pelo PBF no nordeste. A relação entre a natalidade das famílias e nível de escolaridade dos responsáveis legais pode ser nitidamente percebido pela tabela a seguir. Gráfico 1 - Média de filhos por famílias, segundo o grau escolar dos responsáveis pelo PBF 4 Relatório de Avaliação do TCU sobre o Programa Bolsa Família- Sumário Executivo. Brasília: TCU,

3 Analfabeto/sem instrução Primário completo Segundo grau incompleto Superior incompleto Fonte: DataUFF - Pesquisa de Avaliação do Programa Bolsa Família, 2009 Como se pode observar, a média de filhos gerados para cada família decresce conforme se eleva a escolaridade da pessoa responsável legal pelo PBF (vale ressaltar que a mudança na trajetória do gráfico nos maiores níveis de escolaridade deve ser atribuída a perda de significância nos números, como será demonstrado na tabela a seguir). A média de crianças nascidas por família encontrada pela pesquisa foi de 3,4, o que representa quase o dobro da média nacional. No entanto, nas famílias em que o responsável pelo benefício não detém qualquer grau escolar esta média sobe para acima de 6, condição na qual, segundo a teoria do capital social, é mais difícil a transmissão da herança cultural. Contudo, a situação é agravada ainda pelo baixo grau de escolaridade das famílias, que podemos ver na tabela abaixo. Tabela 1 Escolaridade dos responsáveis pelos domicilio atendidos pelo PBF (%) Até que série estudou Freqüência (%) Analfabeto/sem instrução 77 9,2 Primário incompleto ,4 Primário completo ou ginásio incompleto ,1 Primeiro grau completo 82 9,8 Segundo grau incompleto 90 10,7 3

4 Segundo grau completo ,7 Superior incompleto 8 1,0 Superior completo 3 0,4 NS/NR 7 0,8 Total ,0 Fonte: DataUFF - Pesquisa de Avaliação do Programa Bolsa Família, 2009 A maioria dos responsáveis pelo benefício possui escolaridade inferior ao ensino fundamental (62,7%). Apenas 14,7% concluíram o ensino médio e um número muito pequeno (1,4%) chegou a alcançar o ensino superior. Em referencia ao ano de termino da coleta dos dados, constatamos que os beneficiários já estavam fora da escola, em média, há 13 anos. A situação dos responsáveis pelo domicilio de beneficiários não é diferente. Em alguns aspectos a condição escolar até se agrava. Tabela 2 Escolaridade dos responsáveis pelo domicilio atendidos pelo PBF (%) Escolaridade do(a) responsável pelo domicilio Freqüência (%) Analfabeto/sem instrução 53 12,4 Primário incompleto ,2 Primário completo 78 18,3 Primeiro grau completo 77 18,1 Segundo grau incompleto 29 6,8 Segundo grau completo 42 9,9 Superior completo 1 0,2 NS/NR 13 3,1 Total ,0 Fonte: DataUFF - Pesquisa de Avaliação do Programa Bolsa Família, A comparação entre estas duas tabela demonstra um percentual de analfabetos entre os chefes de domicílios que supera em 3,2 pontos percentuais o valor encontrado entre os responsáveis legais. Igualmente também vemos reduzir se o número dos que concluíram a escola básica (9,9%). A uniformidade no nível cultural nas famílias, associada ao quadro de urgências materiais, deve ser interpretada como uma difícil condição para o sucesso escolar das 4

5 crianças provenientes das camadas mais pobres, que tenderiam a repetir a trajetória familiar. Dentre as motivações encontradas para o abandono precoce da escola pelos responsáveis, a mais citada foi a dificuldade de conciliar a rotina dos estudos com o trabalho (33%); a segunda opção mais citada foi a falta de vontade de continuar (17%) e a terceira, a gravidez (13,1%). Tabela 3 Motivos de abandono da escola pelos beneficiários do PBF Motivo pelo qual abandonou a escola* Precisava trabalhar ,7% Falta de vontade para continuar ,6% Gravidez 99 13,1% Problemas na família 79 10,4% Casou-se 36 4,8% Precisava tomar conta dos irmãos 29 3,8% Problemas de saúde 26 3,4% A escola era muito distante 25 3,3% Condições Financeiras 21 2,8% Outros 54 7,1% Total ,0% Fonte: DataUFF - Pesquisa de Avaliação do Programa Bolsa Família, 2009 *Apenas respostas validas Chama atenção nos números observados a pouca menção a dificuldades de acesso a escola (3,3%), o que sinaliza para a confirmação da tendência a universalização da rede de ensino fundamental no Brasil desde a década de 1970, coincidentemente com a consolidação do processo de industrialização e urbanização do país. A gravidez entre adolescentes e jovens em idade escolar é outro fenômeno recente da dinâmica social que apresenta um impacto considerável como indicador de evasão escolar. Quanto às duas principais alegações citadas pelos entrevistados, pode-se dizer que se complementam mutuamente. Da carência de recursos materiais que leva ao ingresso precoce no mercado de trabalho formam-se as disposições pessoais que se manifestam na forma de desinteresse pela escola. 5

6 Tabela 4 Grau de escolaridade segunda a faixa de idade (%) Idade - faixas * Até que série estudou Primeiro Segundo Segundo Analfabeto/sem Primário Primário Superior Superior grau grau grau instrução incompleto completo incompleto completo NS/NR completo incompleto completo Total anos 0,0 16,1 32,3 19,4 12,9 19,4 0,0 0,0 0,0 100, anos 1,8 16,2 33,8 12,9 15,8 18,7 0,4 0,0 0,4 100, anos 6,9 22,6 29,9 10,1 11,1 15,3 2,4 0,7 1,0 100, anos 15,1 29,5 30,8 6,2 5,5 11,0 0,0 0,7 1,4 100,0 55 anos ou mais 30,6 39,8 18,4 2,0 2,0 6,1 0,0 0,0 1,0 100,0 Total 9,2 23,4 30,1 9,8 10,7 14,7 1,0 0,4 0,8 100,0 Fonte: DataUFF - Pesquisa de Avaliação do Programa Bolsa Família, A descrição dos dados revela ainda os esforços para erradicação do analfabetismo empreendidos pelos governos nas últimas décadas. É nulo o índice de analfabetos na faixa que se estende até os 24 anos. Na faixa seguinte, ate 34 anos, o percentual de analfabetos registrados pela pesquisa e de 1,8%. Por outro lado, os números também revelam as dificuldades dos programas de alfabetização em atingir a população em idade adulta e a terceira idade. A taxa de analfabetismo na faixa de idade de anos e de 15,1% e dobra entre as pessoas acima de 55 anos de idade (30,6%). Proporcionalmente, apenas 6,1% das pessoas acima de 55 anos chegaram alcançar este grau de escolaridade. Tabela 5 Taxa De Freqüência Escolar Por Faixa De Idade (%) Idade Taxa de Freqüência , , ,9 Fonte: DataUFF - Pesquisa de Avaliação do Programa Bolsa Família, 2009 A taxa de cobertura escolar observada entre os jovens na faixa etária de 7 até 15 anos de idade que pertenciam a famílias beneficiárias do PBF do nordeste brasileiro alcança 95,4% do total dos entrevistados. 6

7 Não é seguro afirmar essa informação como uma indicação de impacto do programa, na medida em que as condicionalidades da educação concorrem com a forte expansão das redes de ensino no Brasil no período, especialmente ao nível do ensino fundamental. Essa alegação é referida num relatório recente divulgado pelo IBGE sobre os impactos dos programas de transferência de renda sobre a realidade das famílias atendidas por programas sociais. Segundo aponta este relatório, a taxa de freqüência à escola das crianças de 7 a 14 anos nas famílias beneficiárias do nordeste é de 97,3%, superior em um ponto percentual a taxa observada nas famílias não beneficiárias (IBGE, 2008). Avaliação positiva nos indicadores de freqüência e evasão escolar das crianças são também referidas na pesquisa realizada por Oliveira et alii (2007). De acordo com o argumento desses autores, as exigências do Programa têm por efeito uma redução nos custos do investimento educacional pelas famílias. Contudo, os autores apontam índices de retenção das crianças beneficiadas pelo PBF na comparação com o grupo de crianças não beneficiarias. Ressalvam, no entanto, que a melhora nos outros indicadores deve resultar num futuro próximo na melhora da progressão escolar das crianças. Dados oficiais do Ministério do Desenvolvimento Social, responsável pela gestão do PBF, apontam um crescimento de 48,6% para 74,6% nos indicadores de alunos com freqüência superior a 85% nas aulas, o que confirma os efeitos de continuidade do Programa. Nesta pesquisa, a confirmação dos impactos positivos no aumento da freqüência escolar através do PBF pode ser vista nos números a seguir: Tabela 6 Crianças fora da escola antes do recebimento do PBF Crianças fora da escola antes do PBF Percentual Sim 26% Não 72% NS/NR 2% Fonte: DataUFF - Pesquisa de Avaliação do Programa Bolsa Família, Sinalizando o PBF como um marco, podemos notar que 26% dos entrevistados informaram que havia crianças da família fora da escola antes de receberem o beneficio do Bolsa Família. Vale ressaltar que, para além das crianças e adolescentes que, obrigatóriamente passam a freqüentar a escola após o PBF, do total de 7

8 entrevistados, apenas 13% dos responsáveis legais e 6% dos chefes de domicílios informaram ter retomado os estudos após ter ingressado no PBF. Obrigações com a criação dos filhos e a própria sobrevivência são barreiras concretas a efetivação deste projeto Por outro lado, 45% dos responsáveis legais e 26% dos chefes de domicílios afirmaram que pensaram em voltar a estudar após ingressarem no Bolsa Família. Entretanto, devemos notar que este suposto interesse parte de expectativas de escolarização que podemos afirmar serem bastante modestas. Tabela 7 - Expectativas de escolarização dos beneficiários do PBF (%) Idade*escolaridade Inferior ao Ensino Médio Ensino Medio Ensino Superior NS/NR Total anos 9,7 51,6 32,3 6,5 100, anos 8,6 54,7 18,3 18,3 100, anos 14,2 47,6 15,6 22,6 100, anos 15,1 36,3 9,6 39,0 100,0 55 anos ou mais 14,3 24,5 9,2 52,0 100,0 Total 12,4 45,4 15,3 26,9 100,0 Fonte: DataUFF - Pesquisa de Avaliação do Programa Bolsa Família, Em sua maioria os entrevistados informaram acreditar que chegariam ao ensino médio (45,4%). Um percentual bastante inferior (15,3%) acreditou que chegaria ao ensino superior. O mais surpreendente nesta questão é o percentual de não respostas (26,9%), que é revelador do grau de incertezas que tangenciam a vida dessas famílias. A escassez de capital informacional sobre as regras de funcionamento e a extensão do sistema escolar ( Souza e Silva, 2003) é outro dado que deve pesar nas opções desses agentes. Desagregando os dados da tabela pelas coortes de idade, observamos novamente as diferenças geracionais que, mais que a renda auferida no Programa, pesa também a expansão das redes de ensino no pais (Castro, 1998). Enquanto 52,0% das pessoas acima de 55 anos não souberam ou não responderam a questão, o mesmo se deu com apenas 6,5% dos jovens, sendo que 32,5% destes afirmaram que chegariam ao ensino superior. 8

9 Entretanto, devemos argumentar que essa transformação nas expectativas somente produzira mudanças mais concretas se for acompanhada de mudanças qualitativas no nível das escolas freqüentadas pelas parcelas mais pobres da população. 3 - CONCLUSÃO A definição de certas condicionalidades para o acesso a programas sociais torna-se um fato gerador de criticas na medida em que a assistência se afirma na sociedade brasileira como um direito constitucional (Oliveira et. alii). Por outro lado, temos a confirmação a partir de varias fontes dos avanços obtidos a partir da entrada em vigor do Programa, principalmente no que diz respeito às taxas de matricula e regularidade da presença das crianças pobres nas escolas. Entretanto, alem de questões relativas a qualidade dos serviços ofertadas pelas escolas, é preciso que se leve em conta ainda a existência de intangíveis barreiras que apartam pobres não apenas das oportunidades sociais, mas também do convívio com setores mais amplos da sociedade. Neste termos, atacar a pobreza é superar problemas estruturais que comprometem a vida social e a cidadania no Brasil. Bibliografia BOURDIEU, Pierre. Escritos de Educação. Petrópolis: Vozes, CASTRO, Maria Helena G. Avaliação do sistema educacional brasileiro Tendências e Perspectivas. Brasília: INEP, LAHIRE, Bernard. Sucesso Escolar nos meios populares. São Paulo: Atica, HASENBALG, Carlos. A distribuição de recursos familiares. In. HASENBALG e VALLE SILVA, Nelson (orgs.). Origens e Destinos: desigualdades sociais ao longo da vida. Rio de Janeiro: Topbooks, OLIVEIRA et alii. Primeiros resultados da analise da linha de base da pesquisa de avaliação de impacto do Programa Bolsa Família. In. VAITSMAN, Jeni e Paes-Sousa, ROMULO 9

10 (orgs.). Avaliação de Políticas e Programas do MDS resultados. Brasília: SAGI/MDS,

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53

BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 CAPÍTULO6 BOLSA FAMÍLIA Relatório-SÍNTESE. 53 Aspectos de gênero O Programa Bolsa Família privilegia como titulares as mulheres-mães (ou provedoras de cuidados), público que aflui às políticas de assistência

Leia mais

O Programa Bolsa Família: 12 anos de inclusão e cidadania no Brasil Desenho, Instrumentos, Evolução Institucional e Impactos

O Programa Bolsa Família: 12 anos de inclusão e cidadania no Brasil Desenho, Instrumentos, Evolução Institucional e Impactos O Programa Bolsa Família: 12 anos de inclusão e cidadania no Brasil Desenho, Instrumentos, Evolução Institucional e Impactos Brasília, 10 de maio de 2016 O que é? A quem se destina? Qual sua dimensão?

Leia mais

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Fundação Euclides da Cunha FEC/Data UFF Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério

Leia mais

Perfil Educacional SEADE 72

Perfil Educacional SEADE 72 Perfil Educacional A análise da situação educacional do Estado de Santa Catarina fundamentase nos indicadores de instrução da população (taxa de analfabetismo para 1991), de escolarização (taxa líquida

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

erradicar a pobreza extrema e a fome

erradicar a pobreza extrema e a fome objetivo 1. erradicar a pobreza extrema e a fome Para a Declaração dos Direitos Humanos toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem-estar, inclusive

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS

PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS Márcio de Souza Pires, Dr.¹ A educação mundial é fortemente analisada e acompanhada por importantes instituições, em busca de avanços no

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS.

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. Fernando Toledo Ferraz - ferraz@cybernet.com.br Departamento de Engenharia de Produção Myriam Eugênia R.

Leia mais

Plano Nacional de Educação. Programa Bolsa Família e MDS

Plano Nacional de Educação. Programa Bolsa Família e MDS Plano Nacional de Educação COORDENAÇÃO GERAL DE INTEGRAÇÃO E ANÁLISE DE INFORMAÇÕES Departamento de Condicionalidades x Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Ministério do Desenvolvimento Social e

Leia mais

Título: Formação e Condições de Trabalho do Professor Municipal da Região Sul do Brasil: implicações com a qualidade da educação

Título: Formação e Condições de Trabalho do Professor Municipal da Região Sul do Brasil: implicações com a qualidade da educação Título: Formação e Condições de Trabalho do Professor Municipal da Região Sul do Brasil: implicações com a qualidade da educação Magda Vianna de Souza 1 Marta Sisson de Castro 11 Palavras-chave: ensino

Leia mais

Tendências Recentes na Escolaridade e no Rendimento de Negros e de Brancos

Tendências Recentes na Escolaridade e no Rendimento de Negros e de Brancos capítulo 29 Tendências Recentes na Escolaridade e no Rendimento de Negros e de Brancos Sergei Suarez Dillon Soares* Natália de Oliveira Fontoura* Luana Pinheiro* 1 INTRODUÇÃO * Os autores Sergei Suarez

Leia mais

Geografia da Evasão: novos desafios no contexto do projeto cursinho pré-vestibular. IDEAL da FCT/UNESP

Geografia da Evasão: novos desafios no contexto do projeto cursinho pré-vestibular. IDEAL da FCT/UNESP Geografia da Evasão: novos desafios no contexto do projeto cursinho pré-vestibular IDEAL da FCT/UNESP Fernanda Bomfim Soares ¹ Universidade Estadual Paulista Campus Presidente Prudente fbs.geo@gmail.com

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Histórico. Com o final da Segunda Guerra Mundial, tem. sofre um freio em seu crescimento global. O final da Velha Ordem Mundial entre os anos

Histórico. Com o final da Segunda Guerra Mundial, tem. sofre um freio em seu crescimento global. O final da Velha Ordem Mundial entre os anos Histórico As iniciadas no século XV, são consideradas como o marco inicial da (capitalismo comercial). O fenômeno segue crescendo com o período do Neocolonialismo europeu na Ásia e na África. Paralelamente

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR

Leia mais

5 Análise dos indicadores educacionais do Brasil

5 Análise dos indicadores educacionais do Brasil 5 Análise dos indicadores educacionais do Brasil A fome de instrução não é menos deprimente que a fome de alimentos. Um analfabeto é um espírito subalimentado. Saber ler e escrever, adquirir uma formação

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

Principais tendências do mercado de trabalho da região metropolitana de Curitiba RMC 2003 a 2007 1

Principais tendências do mercado de trabalho da região metropolitana de Curitiba RMC 2003 a 2007 1 Principais tendências do mercado de trabalho da região metropolitana de Curitiba RMC 2003 a 2007 1 Eron José Maranho 2 À luz de alguns indicadores gerados pela Pesquisa Mensal de Emprego PME para o período

Leia mais

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação ET CAV/SP/SEPLAN nº 06/2013 Acesso ao ensino superior em Mato

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

Sistema de cotas na Uerj - uma análise quantitativa dos dados de ingresso

Sistema de cotas na Uerj - uma análise quantitativa dos dados de ingresso Ano 1, n. 2, 2008 Seção Artigos 03/10/2008 Sistema de cotas na Uerj - uma análise quantitativa dos dados de ingresso Stella Amadei Stella Amadei é psicóloga e Coordenadora Acadêmica do Departamento de

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome O Brasil assume o desafio de acabar com a miséria O Brasil assume o desafio de acabar com a

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA E AS MUDANÇAS NO DESENHO DO BOLSA FAMÍLIA

O BRASIL SEM MISÉRIA E AS MUDANÇAS NO DESENHO DO BOLSA FAMÍLIA O BRASIL SEM MISÉRIA E AS MUDANÇAS NO DESENHO DO BOLSA FAMÍLIA Rafael Guerreiro Osorio e Sergei S. D. Soares O Programa Bolsa Família é uma transferência de renda mensal do governo federal para famílias

Leia mais

O que é Programa Rio: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher? Quais suas estratégias e ações? Quantas instituições participam da iniciativa?

O que é Programa Rio: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher? Quais suas estratégias e ações? Quantas instituições participam da iniciativa? Destaque: Somos, nós mulheres, tradicionalmente responsáveis pelas ações de reprodução da vida no espaço doméstico e a partir da última metade do século passado estamos cada vez mais inseridas diretamente

Leia mais

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* O idoso brasileiro no Mercado de Trabalho 30 1- Introdução A análise da participação do idoso nas atividades econômicas tem um caráter diferente das análises tradicionais

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS Letícia Luana Claudino da Silva Discente de Psicologia da Universidade Federal de Campina Grande. Bolsista do Programa de Saúde. PET/Redes

Leia mais

O APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL E INTELECTUAL DA REDE OPERÁRIA CALÇADISTA NA REGIÃO DE FRANCA-SP

O APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL E INTELECTUAL DA REDE OPERÁRIA CALÇADISTA NA REGIÃO DE FRANCA-SP 255 O APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL E INTELECTUAL DA REDE OPERÁRIA CALÇADISTA NA REGIÃO DE FRANCA-SP Glenda Roberta Pereira (Uni-FACEF) Prof. Dr. Daniela de Figueiredo Ribeiro (Uni-FACEF) INTRODUÇÃO Ao

Leia mais

Artigo. nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social

Artigo. nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social Artigo nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social Por Cibele Yahn de Andrade Pesquisadora do Núcleo de Estudos de Políticas Públicas (NEPP) da Unicamp. Doutoranda

Leia mais

G o v e r n o d e M i n a s G e r a i s. Panorama da Situação da Infância e da Adolescência em Minas Gerais

G o v e r n o d e M i n a s G e r a i s. Panorama da Situação da Infância e da Adolescência em Minas Gerais anorama da Situação da Infância e da Adolescência em Minas Gerais 1 2 Sumário Apresentação... 4 resença da Infância e Adolescência em Minas Gerais... 6 Educação... 13 A evolução da educação no público

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2006 (Do Sr. Ricardo Santos e outros) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2006 (Do Sr. Ricardo Santos e outros) O Congresso Nacional decreta: 1 PROJETO DE LEI Nº, DE 2006 (Do Sr. Ricardo Santos e outros) Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Nacional Pró-Infância Brasileira e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Artigo

Leia mais

Risco Social na Região Metropolitana do Rio de Janeiro:

Risco Social na Região Metropolitana do Rio de Janeiro: Risco Social na Região Metropolitana do Rio de Janeiro: Um quadro sobre as condições socioeconômicas das crianças e jovens 1995-2003 *. André Urani, Érica Amorim, Juliana Speranza, Mauricio Blanco - IETS

Leia mais

Universalizar a educação primária

Universalizar a educação primária Universalizar a educação primária META 2 terminem um ciclo completo de ensino. Garantir que, até 2015, todas as crianças, de ambos os sexos, Escolaridade no Estado de São Paulo O aumento sistemático das

Leia mais

A educação no Rio de Janeiro

A educação no Rio de Janeiro A educação no Rio de Janeiro Simon Schwartzman Na década de 90, em todo o Brasil, o acesso à educação melhorou, e o Rio de Janeiro não ficou atrás. Antes, não havia escolas suficientes para todas as crianças.

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

Perfil Municipal - Natal (RN)

Perfil Municipal - Natal (RN) Caracterização do Território Área: 169,9 km² Densidade Demográfica: 4.175,5 hab/km² Altitude da Sede: 30 m Ano de Instalação: 1.599 Distância à Capital: 0,0 km Microrregião: Natal Mesorregião: Leste Potiguar

Leia mais

4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação

4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação 4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação A desigualdade, em suas várias formas, é um fenômeno bastante antigo nas sociedades e reflete sempre uma relação de poder, na medida em que representa um padrão

Leia mais

A medida da lei de cotas para o ensino superior

A medida da lei de cotas para o ensino superior Versão 2, 1/12/2008 A medida da lei de cotas para o ensino superior Simon Schwartzman Qual o verdadeiro alcance da lei de cotas para o ensino superior aprovada pelo Congresso Nacional no Dia da Consciência

Leia mais

Sinproja, Jaboatão dos Guararapes, PE. 27 de maio de 2011

Sinproja, Jaboatão dos Guararapes, PE. 27 de maio de 2011 Projeto de Lei 8035 / 2010 Plano Nacional de Educação 2011-2020 Sinproja, Jaboatão dos Guararapes, PE 27 de maio de 2011 Paulo Rubem Santiago - Deputado Federal PDT - PE www.paulorubem.com.br Titular da

Leia mais

Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br

Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br Natal 29/02/2012 1 Considerações Gerais; Principais conceitos demográficos; Gráficos de indicadores sociais; Estrutura das populações mundiais:

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

Determinantes da queda recente no grau de desigualdade de renda no Brasil

Determinantes da queda recente no grau de desigualdade de renda no Brasil Determinantes da queda recente no grau de desigualdade de renda no Brasil Ricardo Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IPEA) Samuel Franco (IPEA) Brasília, Abril de 2006 1. A evolução da distribuição de renda

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Barreiros / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Barreiros / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Barreiros / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,40% ao ano, passando de 39.151 para 40.732 habitantes.

Leia mais

Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico

Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico introdução A Armadilha do Crédito Fundiário do Banco Mundial Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico abrangente sobre os programas do Banco Mundial para o campo no Brasil. O estudo foi realizado pela

Leia mais

Lacunas tema ticas, diferenças conceituais e demandas

Lacunas tema ticas, diferenças conceituais e demandas Lacunas tema ticas, diferenças conceituais e demandas Após cada instituição produtora ter apontado as lacunas de informação em suas bases de dados, foi feito um segundo esforço para identificação de lacunas,

Leia mais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Os oito anos do Plano Real mudaram o Brasil. Os desafios do País continuam imensos, mas estamos em condições muito melhores para enfrentálos.

Leia mais

Perfil Municipal - Florianópolis (SC)

Perfil Municipal - Florianópolis (SC) Caracterização do Território Área: 436,5 km² Densidade Demográfica: 760,1 hab/km² Altitude da Sede: 3 m Ano de Instalação: 1.726 Distância à Capital: 0,0 km Microrregião: Florianópolis Mesorregião: Grande

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Cabo de Santo Agostinho / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Cabo de Santo Agostinho / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Cabo de Santo Agostinho / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 1,93% ao ano, passando de 152.836

Leia mais

Prova de qualidade. Sistema de gestão do SESI Por um Brasil Alfabetizado faz a diferença EDUCAÇÃO

Prova de qualidade. Sistema de gestão do SESI Por um Brasil Alfabetizado faz a diferença EDUCAÇÃO Prova de qualidade Sistema de gestão do SESI Por um Brasil Alfabetizado faz a diferença Algumas ações simples, mas de grande eficiência, podem explicar por que alunos do SESI Por um Brasil Alfabetizado

Leia mais

CRESCIMENTO POPULACIONAL. Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros

CRESCIMENTO POPULACIONAL. Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros CRESCIMENTO POPULACIONAL Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros O que é Crescimento Populacional? O crescimento populacional é a mudança positiva do número de indivíduos de uma população dividida por

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do

Leia mais

Transferência de Renda no Brasil: Prestação Continuada. Tatiana Britto Senado Federal

Transferência de Renda no Brasil: Prestação Continuada. Tatiana Britto Senado Federal Transferência de Renda no Brasil: o Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada Tatiana Britto Senado Federal Do que estamos tratando? Benefício de Prestação Continuada (BPC) Início: 1995 Público-alvo:

Leia mais

MATRIZ DOS INDICADORES

MATRIZ DOS INDICADORES MATRIZ DOS INDICADORES 1. DEMOGRAFIA Indicador: População infantojuvenil, de 0 a 19 anos, por sexo e cor/raça, residente nos setores urbano e rural. Definição: apresenta o número total de crianças e adolescentes,

Leia mais

JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO

JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO JONATHAN ROCHA GUIMARÃES Avaliar a Política de Trabalho e juventude torna-se de extrema importância na medida em que representa um

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL

PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL PESQUISA DE AVALIAÇÃO QUANTITATIVA DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL FICHA TÉCNICA Instituição executora: Fundação Euclides da Cunha / Núcleo de Pesquisas, Informações e Políticas Públicas

Leia mais

Relatório Técnico da Palestra: Diagnóstico da Situação Educacional no Espírito Santo

Relatório Técnico da Palestra: Diagnóstico da Situação Educacional no Espírito Santo GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO SEP INSTITUTO JONES DOS SANTOS NEVES IJSN NOTA TÉCNICA 31 Relatório Técnico da Palestra: Diagnóstico da Situação Educacional

Leia mais

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Escola Nacional de Administração Pública - ENAP Curso: Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Professor: José Luiz Pagnussat Período: 11 a 13 de novembro de 2013 Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento

Leia mais

SEMINÁRIO: OS MOVIMENTOS SOCIAIS NA LUTA POR CRECHES E PELOS 10% DO PIB PARA A EDUCAÇÃO

SEMINÁRIO: OS MOVIMENTOS SOCIAIS NA LUTA POR CRECHES E PELOS 10% DO PIB PARA A EDUCAÇÃO SEMINÁRIO: OS MOVIMENTOS SOCIAIS NA LUTA POR CRECHES E PELOS 10% DO PIB PARA A EDUCAÇÃO ORGANIZAÇÃO: MOVIMENTO MULHERES EM LUTA E SETORIAL DE MULHERES CSP-CONLUTAS/SJCampos APOIO: SINDMETAL E ILAESE SÃO

Leia mais

Título: Características do trabalho por conta própria no Brasil

Título: Características do trabalho por conta própria no Brasil Área 4 Economia e Movimentos Sociais: mercado de trabalho e sindicalismo; política agrária e movimentos sociais no campo; economia solidária; desigualdade étnico-racial e de gênero; movimento estudantil

Leia mais

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das Comentários dos resultados As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das despesas das famílias e da distribuição dessas despesas, segundo os diversos itens adquiridos ou pagos, possibilitam

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília IE - Departamento de Estatística Avaliando o Impacto do Programa Bolsa Família no Trabalho Infantil e Frequência Escolar Infantil: Uma Abordagem de Regressão Descontínua Ana Paula

Leia mais

ACESSO, PERMANÊNCIA E (IN) SUCESSO: UM ESTUDO DOS ESTUDANTES DOS CURSOS SUPERIORES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CATARINENSE

ACESSO, PERMANÊNCIA E (IN) SUCESSO: UM ESTUDO DOS ESTUDANTES DOS CURSOS SUPERIORES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CATARINENSE ACESSO, PERMANÊNCIA E (IN) SUCESSO: UM ESTUDO DOS ESTUDANTES DOS CURSOS SUPERIORES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CATARINENSE Autores : Gabriel Moura BRASIL; Sônia Regina de Souza FERNANDES Identificação

Leia mais

Sumário Executivo PESQUISA DOMICILIAR COM OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

Sumário Executivo PESQUISA DOMICILIAR COM OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Sumário Executivo PESQUISA DOMICILIAR COM OS BENEFICIÁRIOS DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Pólis Pesquisa Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Leia mais

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense Nº 23 Março 2012 Perfil da Raça da População Cearense Análise a partir dos dados do Censo Demográfico 2010 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

INCT Observatório das Metrópoles. Acesso às tecnologias digitais no Brasil Metropolitano Documento preliminar

INCT Observatório das Metrópoles. Acesso às tecnologias digitais no Brasil Metropolitano Documento preliminar INCT Observatório das Metrópoles Acesso às tecnologias digitais no Brasil Metropolitano Documento preliminar As mudanças desencadeadas pelo avanço da tecnologia digital hoje, no Brasil, não tem precedentes.

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Censo Demográfico 2010 Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 2012 As presentes publicações dão continuidade à divulgação dos resultados do Censo Demográfico 2010

Leia mais

Ao longo dos anos 90, ocorreram diversas mudanças no mercado de trabalho

Ao longo dos anos 90, ocorreram diversas mudanças no mercado de trabalho RIO DE JANEIRO: TRABALHO E SOCIEDADE -Ano 1-Nº 1 JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO DO RIO DE JANEIRO* 1. Introdução DANIELLE CARUSI MACHADO** Ao longo dos anos 90, ocorreram diversas mudanças no mercado de

Leia mais

A Importância da Gestão do Pronatec como Estratégia de Inclusão Social e Produtiva

A Importância da Gestão do Pronatec como Estratégia de Inclusão Social e Produtiva A Importância da Gestão do Pronatec como Estratégia de Inclusão Social e Produtiva Belo Horizonte, outubro de 2015 Estratégias do Plano Mapa da Pobreza Aumento das capacidades e oportunidades Garantia

Leia mais

UM OLHAR SOBRE A JUVENTUDE BRASILEIRA DESDE A PERSPECTIVA PARTICIPATIVA

UM OLHAR SOBRE A JUVENTUDE BRASILEIRA DESDE A PERSPECTIVA PARTICIPATIVA UM OLHAR SOBRE A JUVENTUDE BRASILEIRA DESDE A PERSPECTIVA PARTICIPATIVA Cristiane Sander 1 RESUMO: A juventude brasileira em sua grande maioria vem de um processo histórico de exclusão social, política

Leia mais

Perfil Municipal - Queimada Nova (PI)

Perfil Municipal - Queimada Nova (PI) Caracterização do Território Área: 1.438,4 km² Densidade Demográfica: 5,8 hab/km² Altitude da Sede: 410 m Ano de Instalação: 1.993 Distância à Capital: 416,7 km Microrregião: Alto Médio Canindé Mesorregião:

Leia mais

RESULTADOS DO ENEM 2014

RESULTADOS DO ENEM 2014 RESULTADOS DO ENEM 2014 Boletim IDados da Educação nº 2015-02 Dezembro 2015 RESULTADOS DO ENEM 2014 Boletim IDados da Educação Dezembro 2015 APRESENTAÇÃO O Boletim IDados da Educação é uma publicação do

Leia mais

O papel das empresas e o lucro. 20 de Setembro de 2009

O papel das empresas e o lucro. 20 de Setembro de 2009 O papel das empresas e o lucro 1 20 de Setembro de 2009 O papel das empresas e o lucro Roberta Atherton Magalhães Dias No ano de 2005, a Futura realizou uma pesquisa que avaliava, na percepção dos capixabas,

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL: fim de um ciclo expansionista? Eloísa Vidal (UECE) Leandro Costa (IPECE) Sofia Lerche Vieira (UECE, coord.)

ENSINO FUNDAMENTAL: fim de um ciclo expansionista? Eloísa Vidal (UECE) Leandro Costa (IPECE) Sofia Lerche Vieira (UECE, coord.) ENSINO FUNDAMENTAL: fim de um ciclo expansionista? Eloísa Vidal (UECE) Leandro Costa (IPECE) Sofia Lerche Vieira (UECE, coord.) Artigo sumário Introdução: recorte metodológico (Ensino Fundamental) e bases

Leia mais

Situação do Trabalho Infantil no Distrito Federal

Situação do Trabalho Infantil no Distrito Federal Situação do Trabalho Infantil no Distrito Federal SEPLAN Situação do Trabalho Infantil no Distrito Federal Brasília Junho, 2012 Companhia de Planejamento do Distrito Federal Codeplan SAIN Projeção H Ed.

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Formação de Professores, Políticas Públicas, PIBID, Ensino de Física. Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN

PALAVRAS CHAVE: Formação de Professores, Políticas Públicas, PIBID, Ensino de Física. Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A EDUCAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PIBID 1 NA FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social

Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social Relatório brasileiro sobre desenvolvimento social LUIZ FELIPE LAMPREIA OPRESENTE RELATÓRIO sobre desenvolvimento social foi elaborado pelo Governo Brasileiro no âmbito do processo preparatório da Cúpula

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 RESULTADOS DA PNAD 2011 EDUCAÇÃO Apresentação 2 Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento (Seplan) José Sergio Gabrielli

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

PERFIL DAS PESSOAS E FAMÍLIAS NO CADASTRO ÚNICO EM CAMPINAS

PERFIL DAS PESSOAS E FAMÍLIAS NO CADASTRO ÚNICO EM CAMPINAS PERFIL DAS PESSOAS E FAMÍLIAS NO CADASTRO ÚNICO EM CAMPINAS VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência e Inclusão Social Julho de 2015 Introdução O presente estudo visa

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NO ENSINO SUPERIOR: um estudo sobre o perfil dos estudantes usuários dos programas de assistência estudantil da UAG/UFRPE José Albuquerque Constantino 1 Joselya Claudino de Araújo

Leia mais

Orientadora: Profª Drª Telma Ferraz Leal. 1 Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPE.

Orientadora: Profª Drª Telma Ferraz Leal. 1 Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPE. A CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES SOCIAIS DOS AFRO-DESCENDENTES NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS IMPLICAÇÕES DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA MOURA, Dayse Cabral de 1 UFPE mouradayse@yahoo.com.br

Leia mais

30 de setembro de 2010. Caderno: Ladeira dos Tabajaras

30 de setembro de 2010. Caderno: Ladeira dos Tabajaras 30 de setembro de 2010 Caderno: Ladeira dos Tabajaras Pesquisa nas favelas com Unidade de Polícia Pacificadora da cidade do Rio de Janeiro _Ladeira dos Tabajaras 2010 _ 2 _ > Rio de Janeiro 30 de setembro

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

TRAÇOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA EM SÃO LUÍS- MA: UM DIAGNÓSTICO DO PERFIL SOCIOCULTURAL E EDUCACIONAL DE ALUNOS DAS ESCOLAS PARCEIRAS DO PIBID.

TRAÇOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA EM SÃO LUÍS- MA: UM DIAGNÓSTICO DO PERFIL SOCIOCULTURAL E EDUCACIONAL DE ALUNOS DAS ESCOLAS PARCEIRAS DO PIBID. TRAÇOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA EM SÃO LUÍS- MA: UM DIAGNÓSTICO DO PERFIL SOCIOCULTURAL E EDUCACIONAL DE ALUNOS DAS ESCOLAS PARCEIRAS DO PIBID. Resumo Alcenir Amorim de Sousa 1 1 Instituto Federal de educação

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO: CONCEPÇÕES E A CONSTRUÇÃO DE SABERES DOS LICENCIANDOS EM MÚSICA NA CIDADE DE NATAL/RN

PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO: CONCEPÇÕES E A CONSTRUÇÃO DE SABERES DOS LICENCIANDOS EM MÚSICA NA CIDADE DE NATAL/RN PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO: CONCEPÇÕES E A CONSTRUÇÃO DE SABERES DOS LICENCIANDOS EM MÚSICA NA CIDADE DE NATAL/RN Gislene de Araújo Alves Universidade Federal do Rio Grande do Norte gislene_artes@hotmail.com

Leia mais