RESULTADOS DO ENEM 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESULTADOS DO ENEM 2014"

Transcrição

1 RESULTADOS DO ENEM 2014 Boletim IDados da Educação nº Dezembro 2015

2 RESULTADOS DO ENEM 2014 Boletim IDados da Educação Dezembro 2015

3 APRESENTAÇÃO O Boletim IDados da Educação é uma publicação do IDados, uma unidade do Instituto Alfa e Beto dedicada à análise de dados e de evidências sobre a educação brasileira, com o objetivo de informar e lançar questões para debate entre os diversos públicos responsáveis e/ou comprometidos com a melhoria da Educação. A segunda edição deste Boletim apresenta a análise dos dados preliminares do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) mais precisamente, a análise do documento ENEM por Escola, divulgado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Enfatizamos se tratar de dados preliminares uma vez que o Inep ainda não divulgou os microdados referentes ao exame do ano em questão, o que seria essencial para análises mais profundas. A título de esclarecimento, registramos que no momento da nossa análise (dezembro/2015) o Inep ainda não havia divulgado os dados consolidados do ENEM 2015, sendo conhecidas apenas as notas individuais dos candidatos bem como informações gerais sobre participação. No entanto, apesar da defasagem dos dados, os resultados de exames desta natureza raramente apresentam poucas mudanças significativas entre diferentes aplicações, daí por que as questões aqui levantadas servem para balizar o debate sempre atual sobre este tema. Este Boletim IDados de Educação está dividido em sete partes. Em cada uma das seis primeiras partes, um aspecto do ENEM é explicado e refletido criticamente. A última parte apresenta uma série de questões levantadas ao longo do texto, com o objetivo de suscitar debates pela comunidade empresarial, acadêmica, mídia e a sociedade em geral. Para conferir todas as edições do Boletim IDados da Educação, acesse: 3

4 RESUMO EXECUTIVO 1. Onde estavam matriculados os participantes do ENEM 2014? 4. Como se comparam os 30 melhores alunos das escolas das redes estaduais e municipais? Pouco mais da metade dos participantes do ENEM 2014 já havia concluído o Ensino Médio em anos anteriores. Apenas 24% cursavam o último ano do Ensino Médio. Os outros tinham um nível de educação igual ou inferior ao penúltimo ano do Ensino Médio. Dos 24% que estavam concluindo o Ensino Médio, aproximadamente 27% estavam matriculados na rede privada, que contém 22% das matrículas no último ano do E.M. e que portanto está super-representada. 2. Como foi o desempenho global dos alunos em 2014? As médias das provas das diferentes disciplinas são muito parecidas e fortemente correlacionadas. Esse dado sugere que qualquer uma das provas é razoavelmente capaz de prever o desempenho dos alunos em todas as outras provas. As notas das escolas das redes privadas são consistentemente superiores às notas das redes estaduais, com uma diferença em torno de 1,5 desvio padrão. Esses resultados foram muito parecidos com os de Quantos alunos atingiram cada nível de desempenho? As notas foram classificadas pelo Inep em 5 níveis de desempenho. Entre 16% e 45% dos alunos das redes estaduais atingiram os níveis mais altos (3 ou mais) dependendo da prova. Essas porcentagens Os 30 melhores alunos das escolas das redes privadas têm notas entre 1,08 e 1,26 desvios padrão acima das redes estaduais. As notas dos 30 melhores alunos das redes estaduais é inferior à média geral dos alunos das redes privadas. 5. Qual é a relação entre o nível socioeconômico e o desempenho das escolas? Em qualquer faixa de classificação do nível socioeconômico os alunos das escolas privadas dessa mesma faixa obtêm melhores resultados do que os das escolas públicas. Ou seja: o fato de que os alunos das redes privadas têm, na média, nível socioeconômico mais elevado que os das redes estaduais não é suficiente para explicar as diferenças de desempenho. Além disso, os dados analisados sugerem que as escolas privadas parecem possuir melhores elementos para promover a equidade, especialmente nos níveis mais baixos da distribuição, e muito particularmente no nível socioeconômico médio baixo.. 6. Existe relação entre gastos e desempenho dos alunos nas redes estaduais? Os dados analisados sugerem que não existe uma relação significativa entre gastos e desempenho. Estados que apresentam gastos mais elevados não obtiveram necessariamente médias mais altas no ENEM ficam entre 52% e 81% no caso das redes privadas.

5 1. ONDE ESTAVAM MATRICULADOS OS PARTICIPANTES DO ENEM 2014? A Figura 1.1 apresenta o total de matrículas no Ensino Médio em Ela mostra que do total de alunos, apenas 27,55% estavam no último ano, vs. 40,50% no primeiro ano, o que indica uma elevada taxa de perda de alunos. A figura também mostra a distribuição dos alunos por rede, sendo 84,66% da matrícula nas redes estaduais, 12,90% nas redes privadas e o restante na rede federal e nas redes municipais. FIGURA MATRÍCULAS NO ENSINO MÉDIO: TOTAL, POR SÉRIES E REDES Já a Figura 1.2. mostra que do total de 8,7 milhões de alunos inscritos no ENEM apenas 71,01% foram avaliados, sendo que destes apenas 23,98% estavam concluindo o ensino médio em FIGURA TOTAL DE ALUNOS INSCRITOS, AVALIADOS E DE CONCLUINTES NO ANO 5

6 Os Quadros 1.1. e 1.2. referem-se apenas aos alunos efetivamente avaliados em 2014, e nos permitem identificar a taxa de participação dos alunos das diferentes redes. O Quadro 1.1. apresenta a quantidade de escolas, de alunos matriculados no último ano do ensino médio e, desses, dos alunos efetivamente avaliados. Pode-se inferir que apenas 71,8% ( / ) dos alunos matriculados no último ano do ensino médio foram avaliados. Esse quadro também nos permite inferir que aproximadamente 88% dos alunos não avaliados eram de escolas estaduais. QUADRO ESCOLAS, MATRÍCULAS E ALUNOS AVALIADOS POR REDE DE ENSINO O Quadro 1.2. complementa e desagrega a informação acima, no nível de escola. Ele nos permite observar que a taxa de participação dos alunos das diferentes redes na Prova é muito desigual: é superior a 85% nas redes federal e privada e de aproximadamente 67% nas escolas da rede estadual. QUADRO ALUNOS MATRICULADOS, AVALIADOS E TAXA DE PARTICIPAÇÃO POR REDE DE ENSINO 6

7 Combinando os resultados desses quadros e figuras cabe ressaltar: A maioria dos participantes do ENEM não são alunos concluintes do ensino médio: eles são uma minoria. Isso sugere que o ENEM se tornou essencialmente um instrumento de seleção para o Ensino Superior. A representatividade das escolas públicas no exame é muito reduzida, o que sugere que estamos comparando o universo dos alunos de escolas privadas (e federais) com uma amostra de alunos das escolas estaduais. Possivelmente essa amostra exclui a maioria dos alunos mais fracos. Isso, por sua vez, sugere que o desempenho real das escolas de ensino médio pode ser ainda inferior ao indicado pelas notas do ENEM. 7

8 2. COMO FOI O DESEMPENHO GLOBAL DOS ALUNOS EM 2014? O Quadro 2.1 apresenta as médias de desempenho das escolas estaduais e privadas nas 5 provas do ENEM: Redação (RED), Linguagens e Códigos (LC), Matemática (MAT), Ciências Humanas (CH), Ciências da Natureza (CN). As médias das diferentes provas dentro de cada rede são muito parecidas, e a correlação entre as médias é muito elevada, variando de 0,759 a 0,936. Isso significa que qualquer uma das provas é razoavelmente capaz de prever o desempenho dos alunos nas demais provas, sugerindo que a mesma avaliação poderia ser feita com menos recursos. Da mesma forma, a diferença entre os alunos da rede pública e privada é consistente, sempre em torno de 1,4 desvio padrão. A menor diferença é na prova de Matemática (1,39 DP) e a maior na prova de Redação (1,46 DP). Isso significa que a grande maioria dos alunos da rede pública se situa abaixo da média dos alunos das escolas privadas. Essa diferença se torna mais clara quando examinamos o desvio padrão das duas redes. Na prova de Redação, o desvio padrão de ambas é próximo e muito elevado. Nas demais provas o desvio padrão da rede privada é muito maior do que na rede pública é o dobro em Matemática e Ciências Naturais. Isso sugere que a diversidade de desempenho dos alunos das escolas privadas é muito grande, mas, apesar disso, suas médias continuam muito superiores às dos alunos das redes públicas. 8

9 QUADRO RESULTADO DAS ESCOLAS ESTADUAIS E PRIVADAS NAS 5 PROVAS DO ENEM Nota: DP global= desvio padrão de todas as escolas estaduais e privadas. As correlações indicadas são as mais altas e mais baixas entre todos os possíveis pares de provas (exemplo: LC x MAT, CH x CN) nas duas redes. Todas as correlações entre pares de provas são significativas no nível 0,01. A Figura 2.1 compara as notas do Quadro 2.1 com as de Tanto em 2013 quanto em 2014, os resultados das escolas da rede privada são consistentemente melhores do que os da rede estadual. Ambas as redes obtiveram resultados piores em Matemática em A queda na rede estadual foi de 37 pontos, 4 pontos a mais do que na rede privada, aumentando ainda mais a diferença entre as redes. Houve uma queda na nota de Redação na rede estadual, ao passo que a nota na rede privada melhorou. Consequentemente, a diferença entre as duas redes passou de 105 pontos em 2013 para 145 pontos em

10 FIGURA COMPARAÇÃO DAS NOTAS NO ENEM DE 2013 E 2014 REDES ESTADUAIS E PRIVADAS 10

11 3. QUANTOS ALUNOS ATINGIRAM CADA NÍVEL DE DESEMPENHO? Os resultados dos alunos podem ser desagregados em 5 níveis de desempenho, o nível 5 é o mais elevado. O Quadro 3.1 apresenta a porcentagem de alunos em cada nível de desempenho nas 5 provas nas redes estadual e privada. O Quadro 3.2 apresenta a percentagem de alunos nos níveis 3, 4, e 5. Se considerarmos o nível 3 como o mínimo adequado para concluir o Ensino Médio (pelo menos 600 pontos na prova de Redação e 550 nas demais provas), aproximadamente 20% dos alunos avaliados das redes estaduais estariam aptos a concluir o Ensino Médio e prosseguir estudos. No entanto se considerarmos o total de alunos matriculados no último ano do E.M. nas redes estaduais, isso significa que apenas cerca de 10% dos alunos das redes estaduais atingem níveis satisfatórios ao final do Ensino Médio. Chama a atenção a concentração de alunos nos níveis mais altos na prova de Ciência Humanas (45% nas redes estaduais e 81% nas redes privadas). Uma possível explicação é que essas provas requerem mais habilidades intelectuais gerais, que dependem do nível intelectual do aluno e seu ambiente do que conhecimentos específicos, que dependem mais da qualidade do ensino e do esforço de aprendizagem. QUADRO PERCENTAGEM DE ALUNOS EM CADA NÍVEL DE DESEMPENHO 11

12 QUADRO PERCENTAGEM DE ALUNOS NOS NÍVEIS 3, 4 E 5 Fonte: MEC/inep. Elaboração: IDados - Instituto Alfa e Beto Nota: DP=desvio padrão do número de alunos nos 3 níveis, por rede e por disciplina. A Figura 3.1 mostra a distribuição das notas de Redação nas escolas das redes Estadual e Privada. A maioria (pouco mais de três quartos) das escolas da rede estadual não consegue atingir uma média de 500 pontos, e apenas 4 das 8990 escolas estaduais avaliadas atingem uma média superior a 700. Na rede privada, aproximadamente 93% das escolas atingem uma média superior a 500 pontos e 549 das 6215 escolas superam os 700 pontos. Aproximadamente metade das escolas privadas tem média acima do ponto de corte do Nível 3 (600 pontos). Menos de 2% das escolas da rede estadual conseguem superar essa média. FIGURA DISTRIBUIÇÃO DAS NOTAS DE REDAÇÃO DAS ESCOLAS DAS REDES ESTADUAIS E PRIVADAS 12

13 4. COMO SE COMPARAM OS 30 MELHORES ALUNOS DAS ESCOLAS DAS REDES ESTADUAIS E MUNICIPAIS O Quadro 4.1 compara o desempenho dos 30 melhores alunos das escolas das redes estadual e privada. Há uma enorme diferença entre os 30 melhores alunos das duas redes as diferenças variam de 1,08 a 1,26 desvio padrão. O desvio padrão é maior em Matemática e Ciências, matérias normalmente consideradas mais difíceis e mais decisivas para ingresso em instituições mais competitivas de ensino superior. A média dos 30 melhores alunos das redes públicas é inferior à média do conjunto dos alunos das escolas privadas em todas as provas. QUADRO COMPARAÇÃO DA MÉDIA DOS 30 MELHORES ALUNOS DE CADA PROVA Nota: DP = desvio padrão dos 30 melhores considerando escolas estaduais e privadas 13

14 5. QUAL É A RELAÇÃO ENTRE O NÍVEL SOCIOECONÔMICO E O DESEMPENHO DAS ESCOLAS? O Quadro 5.1 apresenta o desempenho por nível socioeconômico nas redes estaduais e privadas. A unidade de análise do quadro é a escola, ou seja, a média não é ponderada pelo número de alunos. QUADRO DESEMPENHO POR NÍVEL SOCIOECONÔMICO NAS REDES ESTADUAIS E PRIVADAS Nota: O ganho se refere ao nível imediatamente inferior. 14

15 Em qualquer nível socioeconômico, os alunos das escolas privadas obtêm melhores resultados do que os das escolas públicas. Isso sugere que há um efeito escola ou efeito do ambiente da escola privada sobre o desempenho dos alunos. O efeito é menor para os alunos de nível socioeconômico baixo nos demais níveis é consistentemente maior, superior a 0,55 desvio padrão. A diferença de ganhos dentro de cada rede também chama a atenção: nas redes estaduais, o ganho entre os níveis muito baixo e baixo é de 10,48 pontos (o menor ganho) e de 25,42 pontos (entre os níveis médio alto e alto ). Nos níveis intermediários é de 16,26 a 17,19 pontos. Na rede privada o ganho entre baixo e médio baixo é de 36,45 pontos, entre médio alto e alto é de 25,05 pontos, e entre alto e muito alto é de 40,47 pontos. Isso sugere que a rede privada parece oferecer oportunidades que beneficiam mais os alunos situados nos extremos da distribuição (exceto no caso de alunos de nível muito baixo que não se encontram em escolas privadas da amostra do ENEM). Os dados sugerem que as escolas privadas parecem possuir melhores elementos para promover a equidade, especialmente nos níveis mais baixos da distribuição, especialmente no nível socioeconômico médio baixo. Os dados também sugerem a hipótese que os alunos de nível socioeconômico mais elevado poderiam estar desempenhando muito abaixo de seu potencial seja por falta de estímulos do meio seja devido a incentivos perversos. 15

16 6. EXISTE RELAÇÃO ENTRE GASTOS E DESEMPENHO DOS ALUNOS NAS REDES ESTADUAIS? QUADRO CUSTO ALUNO (R$) DA REDE ESTADUAL POR UF E DESEMPENHO NAS PROVAS OBJETIVAS Nota Quadro 6.1: ISE_UF é o Índice Socioeconômico das escolas da rede estadual de cada UF. Este índice é uma média ponderada do ISE de cada escola divulgado na base de dados disponibilizada pelo Inep. Os dados são de 2014, excluindo as 5 exceções: (*) MG, RN, RR: dados de 2013 / (**) AL, RS: dados de

17 O Quadro 6.1. ordena as U.F. em função do custo/aluno, mostra o custo por aluno das redes estaduais de cada U.F., o ranking, a nota média de seus alunos nas provas objetivas escolas estaduais, a nota média nas provas objetivas das escolas privadas, a diferença entre as redes estaduais e privadas e o ISE_UF. Este índice é uma média ponderada do índice socioeconômico de cada escola divulgado na base de dados disponibilizada pelo Inep. A Figura 6.1 ilustra o que foi mostrado no Quadro 6.1 e que pode ser confirmado estatisticamente: não existe relação significativa entre gastos e desempenho. O D.F., ponto fora da curva, é uma exceção: com um gasto 3 vezes superior à média obtém o segundo desempenho, mas muito próximo a pelo menos 5 outras redes estaduais com notas superiores a 490 FIGURA RELAÇÃO ENTRE GASTO POR ALUNO E DESEMPENHO NAS PROVAS OBJETIVAS DO ENEM NAS REDES ESTADUAIS. A Figura 6.2 mostra que a forte relação entre o Índice socioeconômico da U.F. e desempenho nas provas demonstrado na análise das escolas na seção anterior se mantém na análise agregada das redes estaduais. O coeficiente de correlação é 0,794, e é significativo no nível 0,

18 FIGURA RELAÇÃO ENTRE DESEMPENHO NAS PROVAS OBJETIVAS DO ENEM NAS REDES ESTADUAIS E ÍNDICE SOCIOECONÔMICO. A Figura 6.3. mostra que o nível socioeconômico das UF não tem correlação com a diferença de desempenho entre os alunos de escolas estaduais e privadas em cada unidade. FIGURA RELAÇÃO ENTRE O ÍNDICE SOCIOECONÔMICO E A DIFERENÇA DESEMPENHO ENTRE AS REDES ESTADUAIS E PRIVADAS 18

19 A análise de regressão realizada com base nos dados do ISE_UF e o custo por aluno como variáveis independentes para explicar a nota média nas provas. O resultado (R2 =0,647) confirma o impacto forte e significativo do ISE e fraco e não-significativo do custo por aluno. A conclusão é clara: para explicar o desempenho dos alunos da rede estadual, o nível socioeconômico dos alunos importa e o custo por aluno e o Indice SE de cada U.F. não importam. 19

20 7. QUESTÕES PARA DEBATE 1. Eficiência e custos. A maioria dos participantes do ENEM é formada por pessoas que já concluíram o Ensino Médio, apenas 24% dos participantes são concluintes. Portanto o objetivo real da Prova parece ser o de selecionar alunos para o ensino superior. Dado o alto grau de correlação entre os resultados das provas e os elevados custos dos testes, especialmente da prova de Redação, não seria o caso de utilizar meios mais baratos, mais eficientes e igualmente eficazes para (a) atingir os mesmos objetivos e (b) permitir maior diversificação nas opções de prova que os alunos fazem e (c) dar respostas mais rápidas para alunos e universidades organizarem seus planos de vida? 2. Representatividade. Os dados aqui analisados sugerem que há um problema de representatividade dos alunos da rede estadual, o que, por sua vez, compromete a validade dos resultados. A hipótese mais plausível é que os alunos que não compareceram, em sua grande maioria, teriam notas ainda inferiores aos que fizeram a prova. Que fatores impedem uma maior representatividade e que políticas e normas poderiam ser alteradas para tornar mais transparente a participação dos alunos das redes estaduais no ENEM? 3. Ensino público, ensino privado. Os dados sugerem que há um efeito associado às escolas privadas, nas quais alunos de mesmo nível socioeconômico logram melhores resultados. Que fatores promoveriam essa melhoria? Em que medida esses fatores poderiam ser reproduzidos em escolas públicas? Uma pergunta associada, que merece investigação: em que medida as atuais regras do sistema de cotas estariam desestimulando estudantes talentosos a se refugiar em escolas públicas para se esforçar menos? 4. Diversificação do Ensino Médio. A projeção dos dados da Prova Brasil e análises como a aqui feitas sugerem que pelo menos durante muitos anos se é que jamais - o Brasil não terá contingente de alunos devidamente preparados para enfrentar os desafios de um Ensino Médio acadêmico. Cabe indagar e debater: por que o país não adota estratégias de Ensino Médio diversificado, como ocorre nos demais países industrializados? Não seria esta uma estratégia mais adequada para promover a equidade e eficiência da educação? 20

21 5. Acesso aos microdados. Apesar da Lei de Acesso à informação, o acesso aos dados e microdados do ENEM (e dos demais testes do Inep) padece de vários problemas. O primeiro se refere à forma de apresentação normalmente o MEC/Inep divulga os dados e divulga press releases à imprensa antes de torná-los disponíveis para os pesquisadores. O segundo se refere à falta de um calendário e, em consequência, da incerteza e demora na divulgação dos mesmos. O terceiro se refere às restrições de acesso a dados individuais causada pela regulamentação daquele órgão. Como o país poderia avançar nessas áreas, a exemplo do que ocorre nos países industrializados? 21

22 DADOS UTILIZADOS Os Quadros 1.1, 1.2, 2.1, 3.1, 3.2, 4.1 e 5.1, e as Figuras 2.1, e 3.1, foram elaborados com base nos dados divulgados na planilha disponibilizada no link O critério de inclusão de escolas e alunos pode ser encontrado na nota disponível no link: inep.gov.br/educacao_basica/enem/nota_tecnica/2014/nota_explicativa_enem_2014_por_escola.pdf. Na Figura 1.1 foram utilizados os dados divulgados na Sinopse Educação Básica, disponível no link: Na Figura 1.2 foram utilizados os dados divulgados no link: CE_d9Q0&p_p_lifecycle=0&p_p_state=normal&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-2&p_p_ col_pos=2&p_p_col_count=3&_56_instance_d9q0_groupid=10157&p_r_p_ _articleid=143028&p_r_p_ _id= No Quadro 5.1: - As escolas para as quais o NSE não consta na planilha do Inep foram excluídas. - A Média analisada corresponde à média aritmética das 5 provas. - A categoria Geral considera escolas de todas as dependências administrativas. - O DP (desvio padrão) considera as escolas das redes estaduais e privadas. - O baixo número de escolas estaduais de nível socioeconômico muito alto e de escolas privadas de nível muito baixo não permite uma análise estatística adequada, portanto estas escolas foram excluídas da análise Os dados utilizados no Quadro 6.1 e nas Figuras 6.1, 6.2 e 6.3 foram obtidos nas seguintes fontes: - Planilha de Resultado por Escolas: - Site do FNDE/Sistema SIOPE - Relatórios Estaduais/Demonstrativo da Função Educação: - Consulta de Matrículas no site do Inep: - O cálculo do custo total foi feito somando as despesas pagas, as sub-funções do Ensino (excluindo o Ensino Superior), e os custos com inativos. O número de alunos utilizado para chegar ao custo por aluno corresponde ao total de matrículas na rede estadual. 22

23 COMO CITAR ESTE BOLETIM IDados Boletim IDados da Educação Rio de Janeiro: Instituto Alfa e Beto. 23

24

Educação baseada em evidências

Educação baseada em evidências Educação baseada em evidências Textos para discussão Resultados do ENEM 2013 Texto 2015-01 Abril 2015 APRESENTAÇÃO Textos para discussão do apresentam dados, análise e evidências para informar o público

Leia mais

Artigo. nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social

Artigo. nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social Artigo nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social Por Cibele Yahn de Andrade Pesquisadora do Núcleo de Estudos de Políticas Públicas (NEPP) da Unicamp. Doutoranda

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NOTA EXPLICATIVA ENEM 2013 POR ESCOLA 1 - RESULTADOS DO ENEM 2013

Leia mais

Mestre em Economia/UFMT e Gestor Governamental (SEPLAN/MT). Email: edmarvieira@seplan.mt.gov.br.

Mestre em Economia/UFMT e Gestor Governamental (SEPLAN/MT). Email: edmarvieira@seplan.mt.gov.br. Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação ET CAV/SP/SEPLAN nº 10/2013 Educação: o desafio da

Leia mais

Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes. Relatório da IES

Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes. Relatório da IES Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior ENADE 2009 Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes Relatório da IES Universidade Federal de Ouro Preto no município: OURO PRETO SUMÁRIO Apresentação...

Leia mais

Brasil avança em duas áreas da Matemática

Brasil avança em duas áreas da Matemática PISA 2003 - BRASIL O Brasil mostrou alguns avanços na segunda edição do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa). Foi o que mais cresceu em duas das áreas avaliadas da Matemática, melhorou

Leia mais

VAGAS OCIOSAS NO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO. Silvana Santos Almeida 1 RESUMO

VAGAS OCIOSAS NO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO. Silvana Santos Almeida 1 RESUMO VAGAS OCIOSAS NO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Silvana Santos Almeida 1 RESUMO A proposta desse artigo é elencar as possíveis causas para a existência das vagas ociosas nas instituições de ensino superior

Leia mais

Experiência: Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb)

Experiência: Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) Experiência: Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) Gabinete da Presidência Responsável: Reynaldo Fernandes, Presidente

Leia mais

Perfil Educacional SEADE 72

Perfil Educacional SEADE 72 Perfil Educacional A análise da situação educacional do Estado de Santa Catarina fundamentase nos indicadores de instrução da população (taxa de analfabetismo para 1991), de escolarização (taxa líquida

Leia mais

ÁREA PARA ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 45 julho 2002 POUPANÇA PÚBLICA VALE EM AÇÃO : PERFIL DOS COMPRADORES COM RECURSOS DO FGTS

ÁREA PARA ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 45 julho 2002 POUPANÇA PÚBLICA VALE EM AÇÃO : PERFIL DOS COMPRADORES COM RECURSOS DO FGTS INFORME-SE ÁREA PARA ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO - AFE nº 45 julho 2002 POUPANÇA PÚBLICA VALE EM AÇÃO : PERFIL DOS COMPRADORES COM RECURSOS DO FGTS Em março de 2002, os trabalhadores puderam usar, pela

Leia mais

PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS

PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS PANORAMA MUNDIAL DA EDUCAÇÃO E O BRASIL: CENÁRIOS E PERSPECTIVAS Márcio de Souza Pires, Dr.¹ A educação mundial é fortemente analisada e acompanhada por importantes instituições, em busca de avanços no

Leia mais

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das Comentários dos resultados As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das despesas das famílias e da distribuição dessas despesas, segundo os diversos itens adquiridos ou pagos, possibilitam

Leia mais

REQUERIMENTO Nº /2015 - CDR

REQUERIMENTO Nº /2015 - CDR REQUERIMENTO Nº /2015 - CDR Requeremos, nos termos do art. 93, Inciso II, do Regimento Interno do Senado Federal, ouvido o Plenário, a realização de Audiência Pública Conjunta das Comissões de Desenvolvimento

Leia mais

Análise da oferta e da qualidade dos cursos de Administração na educação superior brasileira

Análise da oferta e da qualidade dos cursos de Administração na educação superior brasileira Elisabeth Cristina Drumm Formada em Administração, Especialista em Gestão Empresarial, Mestre em Processos e Manifestações Culturais. Professora da Urcamp. Análise da oferta e da qualidade dos cursos de

Leia mais

A medida da lei de cotas para o ensino superior

A medida da lei de cotas para o ensino superior Versão 2, 1/12/2008 A medida da lei de cotas para o ensino superior Simon Schwartzman Qual o verdadeiro alcance da lei de cotas para o ensino superior aprovada pelo Congresso Nacional no Dia da Consciência

Leia mais

A REGULAMENTAÇÃO DA EAD E O REFLEXO NA OFERTA DE CURSOS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A REGULAMENTAÇÃO DA EAD E O REFLEXO NA OFERTA DE CURSOS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A REGULAMENTAÇÃO DA EAD E O REFLEXO NA OFERTA DE CURSOS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Autor(a): Alessandra Barbara Santos de Almeida Coautor(es): Alessandra Barbara Santos de Almeida, Gliner Dias Alencar,

Leia mais

MINAS, IDEB E PROVA BRASIL

MINAS, IDEB E PROVA BRASIL MINAS, IDEB E PROVA BRASIL Vanessa Guimarães 1 João Filocre 2 I I. SOBRE O 5º ANO DO EF 1. O IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) foi criado há um ano pelo MEC e adotado como indicador da

Leia mais

Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil

Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil Pisa 2012: O que os dados dizem sobre o Brasil A OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) divulgou nesta terça-feira os resultados do Programa Internacional de Avaliação de Alunos,

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

textos para discussão

textos para discussão Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa textos para discussão 1/ O impacto da Lei de Cotas nos estados: um estudo preliminar Flávio Carvalhaes IESP-UERJ João Feres Júnior IESP-UERJ Verônica

Leia mais

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar INTERFACE DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DO CENSO ESCOLAR SÁ, Michele Aparecida de¹ ¹Doutoranda em Educação Especial - UFSCar CIA, Fabiana² ²Professora Adjunta

Leia mais

CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL E DESEMPENHO LOGÍSTICO. Paulo Roberto Guedes (junho de 2015)

CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL E DESEMPENHO LOGÍSTICO. Paulo Roberto Guedes (junho de 2015) CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL E DESEMPENHO LOGÍSTICO Paulo Roberto Guedes (junho de 2015) Como já comentado por diversas vezes, há pelo menos três grandes problemas a ser resolvidos no Brasil, para que a logística

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO DESEMPENHO DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NO ENADE

A EVOLUÇÃO DO DESEMPENHO DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NO ENADE A EVOLUÇÃO DO DESEMPENHO DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NO ENADE Vanderli Fava de Oliveira (UFJF ) vanderli@acessa.com Marcos Vinicius de Oliveira Costa (UFJF ) marcos.vinicius@engenharia.ufjf.bru O objetivo

Leia mais

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014

REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 NOTAS CEMEC 01/2015 REDUÇÃO DA TAXA DE POUPANÇA E AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS: 2010-2014 Carlos A. Rocca Lauro Modesto Santos Jr. Fevereiro de 2015 1 1. Introdução No Estudo Especial CEMEC de novembro

Leia mais

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Por Allan J. Albrecht Proc. Joint SHARE/GUIDE/IBM Application Development Symposium (October, 1979), 83-92 IBM Corporation, White Plains, New York

Leia mais

REEXAMINADO PELO PARECER CNE/CEB Nº7/2007 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

REEXAMINADO PELO PARECER CNE/CEB Nº7/2007 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO REEXAMINADO PELO PARECER CNE/CEB Nº7/2007 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Fórum Estadual dos Conselhos Municipais de Educação do UF: RS Rio Grande do Sul ASSUNTO: Consulta

Leia mais

A explosão de participantes no Enem X Estagnação do Ensino Superior

A explosão de participantes no Enem X Estagnação do Ensino Superior CNE A explosão de participantes no Enem X Estagnação do Ensino Superior - Março 2015 - João Vianney Doutor em Ciências Humanas PPGICH-UFSC Diretor do Blog do Enem www.blogdoenem.com.br Consultor Hoper

Leia mais

Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou bastante no Brasil. Em 1998, 97% das

Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou bastante no Brasil. Em 1998, 97% das INFORME-SE BNDES ÁREA PARA ASSUNTOS FISCAIS E DE EMPREGO AFE Nº 48 NOVEMBRO DE 2002 EDUCAÇÃO Desempenho educacional no Brasil: O que nos diz a PNAD-2001 Entre 1998 e 2001, a freqüência escolar aumentou

Leia mais

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA O Fórum das universidades públicas participantes do PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA vem, por meio desta, defender

Leia mais

1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em

1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em 1. O Novo Plano Nacional de Educação (2011 2020) O antigo Plano Nacional de Educação terminou sua vigência em 2010 e o Novo Plano encontra-se em discussão na Câmara dos Deputados (PL 8.035/2010). Até o

Leia mais

Discurso: Avaliação dos resultados das políticas públicas de educação em MT

Discurso: Avaliação dos resultados das políticas públicas de educação em MT Discurso: Avaliação dos resultados das políticas públicas de educação em MT Senhor presidente, Senhores e senhoras senadoras, Amigos que nos acompanham pela agência Senado e redes sociais, Hoje, ocupo

Leia mais

1 POLÍTICA PÚBLICA DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: UM OLHAR SOBRE A UTILIZAÇÃO DO ENEM/SISU NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA

1 POLÍTICA PÚBLICA DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: UM OLHAR SOBRE A UTILIZAÇÃO DO ENEM/SISU NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA 1 POLÍTICA PÚBLICA DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: UM OLHAR SOBRE A UTILIZAÇÃO DO ENEM/SISU NA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA 1. Introdução Janete dos Santos Universidade Federal da Bahia sajanetes@gmail.com

Leia mais

ENSINO SUPERIOR: PRIORIDADES, METAS, ESTRATÉGIAS E AÇÕES

ENSINO SUPERIOR: PRIORIDADES, METAS, ESTRATÉGIAS E AÇÕES ENSINO SUPERIOR: PRIORIDADES, METAS, ESTRATÉGIAS E AÇÕES Introdução Paulo Speller 1 Nos anos recentes, diversos países vem debatendo a possibilidade de promoverem alterações em seus sistemas de educação

Leia mais

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013

Contexto. Educação para o mundo do trabalho. Por Mozart Neves Ramos - Todos Pela Educação em 01/03/2013 META NACIONAL 11 - Educação Profissional- Triplicar as matrículas da Educação Profissional Técnica de nível médio, assegurando a qualidade da oferta e pelo menos 50% da expansão no segmento público. Contexto

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

Sistema de cotas na Uerj - uma análise quantitativa dos dados de ingresso

Sistema de cotas na Uerj - uma análise quantitativa dos dados de ingresso Ano 1, n. 2, 2008 Seção Artigos 03/10/2008 Sistema de cotas na Uerj - uma análise quantitativa dos dados de ingresso Stella Amadei Stella Amadei é psicóloga e Coordenadora Acadêmica do Departamento de

Leia mais

GUIA DE CERTIFICAÇÃO. Exame Nacional do Ensino Médio. Brasília-DF. Guia de Certificação Exame Nacional do Ensino Médio Enem

GUIA DE CERTIFICAÇÃO. Exame Nacional do Ensino Médio. Brasília-DF. Guia de Certificação Exame Nacional do Ensino Médio Enem GUIA DE CERTIFICAÇÃO Exame Nacional do Ensino Médio Brasília-DF MAIO/2015 Guia de Certificação Equipe técnica Diretoria de Avaliação da Educação Básica Alexandre André dos Santos Alessandro Borges Tatagiba

Leia mais

Universalizar a educação primária

Universalizar a educação primária Universalizar a educação primária META 2 terminem um ciclo completo de ensino. Garantir que, até 2015, todas as crianças, de ambos os sexos, Escolaridade no Estado de São Paulo O aumento sistemático das

Leia mais

A educação no Rio de Janeiro

A educação no Rio de Janeiro A educação no Rio de Janeiro Simon Schwartzman Na década de 90, em todo o Brasil, o acesso à educação melhorou, e o Rio de Janeiro não ficou atrás. Antes, não havia escolas suficientes para todas as crianças.

Leia mais

E-learning para servidores públicos de nível médio

E-learning para servidores públicos de nível médio 554.ART 04 24.06.05 19:13 Page 113 E-Learning para servidores públicos de nível médio E-learning para servidores públicos de nível médio Silvio Miyazaki* Marcelo Amaral Gonçalves de Mendonça** RESUMO Analisar

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Infantil

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Infantil Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Infantil Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

O FINANCIAMENTO DAS IFES BRASILEIRAS E O CUSTO DO ALUNO EM FHC E LULA Nelson Cardoso Amaral UFG

O FINANCIAMENTO DAS IFES BRASILEIRAS E O CUSTO DO ALUNO EM FHC E LULA Nelson Cardoso Amaral UFG O FINANCIAMENTO DAS IFES BRASILEIRAS E O CUSTO DO ALUNO EM FHC E LULA Nelson Cardoso Amaral UFG Resumo O estudo calcula o custo médio dos alunos das IFES no período FHC (1995-2002) e no período LULA (2003-2009)

Leia mais

Cenários Transformadores para a Educação Básica no Brasil

Cenários Transformadores para a Educação Básica no Brasil RELATÓRIO FINAL Cenários Transformadores para a Educação Básica no Brasil Preparado pelo Instituto Reos JUNHO 2015 CONVOCADORES FINANCIADORES Capítulo 2 CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA C2 17 CAPÍTULO 2

Leia mais

ACESSO, PERMANÊNCIA E (IN) SUCESSO: UM ESTUDO DOS ESTUDANTES DOS CURSOS SUPERIORES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CATARINENSE

ACESSO, PERMANÊNCIA E (IN) SUCESSO: UM ESTUDO DOS ESTUDANTES DOS CURSOS SUPERIORES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CATARINENSE ACESSO, PERMANÊNCIA E (IN) SUCESSO: UM ESTUDO DOS ESTUDANTES DOS CURSOS SUPERIORES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CATARINENSE Autores : Gabriel Moura BRASIL; Sônia Regina de Souza FERNANDES Identificação

Leia mais

Índice. 1. Cursos Presenciais...3. 2. Cursos de Presença Flexível...3

Índice. 1. Cursos Presenciais...3. 2. Cursos de Presença Flexível...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 2 Índice 1. Cursos Presenciais...3 1.1. Do 1º ao 5º (4ª Série) Anos do Ensino Fundamental... 3 1.2. Do 6º (5ª Série) ao 9º (8ª Série) Anos do Ensino Fundamental... 3 1.3. Do 1º ao 3º Ano

Leia mais

Desigualdade Entre Escolas Públicas no Brasil: Um Olhar Inicial

Desigualdade Entre Escolas Públicas no Brasil: Um Olhar Inicial 29 Desigualdade Entre Escolas Públicas no Brasil: Um Olhar Inicial Gabriel Barreto Correa (*) Isabel Opice (**) 1 Introdução Não é novidade que o Brasil apresenta, além de índices educacionais muito baixos

Leia mais

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento.

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento. PROGRAMA DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS FUNDEP REGULAMENTO PARA CADASTRAMENTO DE PROJETOS UFMG A Fundep//Gerência de Articulação de Parcerias convida a comunidade acadêmica da UFMG a cadastrar propostas de acordo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 019/2016-UAB-UEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 019/2016-UAB-UEM EDITAL Nº 019/2016-UAB-UEM A Coordenadora da UAB da Universidade Estadual de Maringá, no uso das atribuições, TORNA PÚBLICO: A abertura de inscrições do processo seletivo para contratação e formação de

Leia mais

O Sr. ÁTILA LIRA (PSB-OI) pronuncia o seguinte. discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores. Deputados, estamos no período em que se comemoram os

O Sr. ÁTILA LIRA (PSB-OI) pronuncia o seguinte. discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores. Deputados, estamos no período em que se comemoram os O Sr. ÁTILA LIRA (PSB-OI) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, estamos no período em que se comemoram os vinte anos de promulgação da Constituição Cidadã de

Leia mais

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR

Leia mais

Pesquisa de Índice de Aprovação de Governos Executivos

Pesquisa de Índice de Aprovação de Governos Executivos Rio de Janeiro, 8 de Maio de 2012 Pesquisa de Índice de Aprovação de Governos Executivos I INTRODUÇÃO. O Conselho Federal de Estatística - CONFE dentro de suas atribuições e objetivando contribuir para

Leia mais

IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL

IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL IMPACTOS DAS DISTORÇÕES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL Brasília, Novembro/ 2013 Unidade de Políticas Públicas NOTA TÉCNICA IMPACTOS DAS DISTORÇOES DO ICMS NOS ESTADOS E DISTRITO FEDERAL Este estudo

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE ESTUDANTES PÚBLICO ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ENSINO SUPERIOR

CARACTERIZAÇÃO DE ESTUDANTES PÚBLICO ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ENSINO SUPERIOR CARACTERIZAÇÃO DE ESTUDANTES PÚBLICO ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NO ENSINO SUPERIOR JOSILENE APARECIDA SARTORI ZAMPAR 1 TÂNIA MARIA SANTANA DE ROSE 2 Universidade Federal de São Carlos UFSCar INTRODUÇÃO

Leia mais

Diagnóstico da escolarização de crianças e adolescentes no Brasil

Diagnóstico da escolarização de crianças e adolescentes no Brasil Diagnóstico da escolarização de crianças e adolescentes no Brasil Alceu R. Ferraro(1) Objetivo e metodologia. O presente texto sintetiza os resultados do diagnóstico da escolarização de crianças e adolescentes

Leia mais

Aglomerações Industriais Especializadas no Brasil

Aglomerações Industriais Especializadas no Brasil Projeto de Pesquisa Arranjos e Sistemas Produtivos Locais e as Novas Políticas de Desenvolvimento Industrial e Tecnológico Aglomerações Industriais Especializadas no Brasil João Saboia (Instituto de Economia

Leia mais

A finalidade dos testes de hipóteses paramétrico é avaliar afirmações sobre os valores dos parâmetros populacionais.

A finalidade dos testes de hipóteses paramétrico é avaliar afirmações sobre os valores dos parâmetros populacionais. Prof. Janete Pereira Amador Introdução Os métodos utilizados para realização de inferências a respeito dos parâmetros pertencem a duas categorias. Pode-se estimar ou prever o valor do parâmetro, através

Leia mais

Pedagogia Estácio FAMAP

Pedagogia Estácio FAMAP Pedagogia Estácio FAMAP # Objetivos Gerais: O Curso de Graduação em Pedagogia da Estácio FAMAP tem por objetivo geral a formação de profissionais preparados para responder às diferenciadas demandas educativas

Leia mais

Índice PÁGINA CAPÍTULO ANEXOS 1. DIRETRIZES PARA O ENADE/2004 DE AGRONOMIA... 1 2. DISTRIBUIÇÃO DOS CURSOS E DOS ESTUDANTES... 14

Índice PÁGINA CAPÍTULO ANEXOS 1. DIRETRIZES PARA O ENADE/2004 DE AGRONOMIA... 1 2. DISTRIBUIÇÃO DOS CURSOS E DOS ESTUDANTES... 14 Índice CAPÍTULO PÁGINA 1. DIRETRIZES PARA O ENADE/2004 DE AGRONOMIA... 1 2. DISTRIBUIÇÃO DOS CURSOS E DOS ESTUDANTES... 14 3. ANÁLISE DA PROVA... 23 4. IMPRESSÕES SOBRE A PROVA... 60 5. DISTRIBUIÇÃO DOS

Leia mais

Universidade Federal do Ceará

Universidade Federal do Ceará Universidade Federal do Ceará EDUCAÇÃO ESPECIAL: PRODUÇÃO DE MATERIAL PARA AUXILIO NA DETECÇÃO DE ALUNOS COM ALTAS HABILIDADES EM GEOGRAFIA Autores: Ivna Carolinne Bezerra Machado (e-mail - ivna_machado@hotmail.com)

Leia mais

CAPACIDADE INSTITUCIONAL DE ATENDIMENTO PROTEGIDO

CAPACIDADE INSTITUCIONAL DE ATENDIMENTO PROTEGIDO CAPACIDADE INSTITUCIONAL DE ATENDIMENTO PROTEGIDO Em sistemas educacionais federativos, como o brasileiro, estados e municípios, além da União, dispõem de autonomia política e responsabilidade pela gestão

Leia mais

QUEM SÃO OS CANDIDATOS AOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. Ramon Martinez Ribeiro Neto 1. Gilberto de Andrade Martins 2

QUEM SÃO OS CANDIDATOS AOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO. Ramon Martinez Ribeiro Neto 1. Gilberto de Andrade Martins 2 V S E M E A D P E S Q U I S A Q U A N T I T A T I V A E N S I N O QUEM SÃO OS CANDIDATOS AOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Ramon Martinez Ribeiro Neto 1 Gilberto de Andrade Martins 2 RESUMO

Leia mais

A IMAGEM INSTITUCIONAL DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO DECORRENTE DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR

A IMAGEM INSTITUCIONAL DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO DECORRENTE DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR 3 A IMAGEM INSTITUCIONAL DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO A IMAGEM INSTITUCIONAL DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO DECORRENTE DO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR

Leia mais

FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2014 REFERENTE A 2013

FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2014 REFERENTE A 2013 FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2014 REFERENTE A 2013 ELABORADO DE ACORDO COM O MODELO DO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - COMISSÃO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CONAES/INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE INGLÊS 2016.1 DO PORTO DIGITAL

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE INGLÊS 2016.1 DO PORTO DIGITAL REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE INGLÊS 2016.1 DO PORTO DIGITAL Parque Tecnológico 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo de Gestão do Porto

Leia mais

ANÁLISES E APONTAMENTOS ACERCA DAS RESERVAS DE VAGAS PARA ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS ADOTADAS NO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS IFG

ANÁLISES E APONTAMENTOS ACERCA DAS RESERVAS DE VAGAS PARA ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS ADOTADAS NO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS IFG Processos de Seleção ANÁLISES E APONTAMENTOS ACERCA DAS RESERVAS DE VAGAS PARA ALUNOS DE ESCOLAS PÚBLICAS ADOTADAS NO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS IFG 2010/2-2011/2 GOIÂNIA JUNHO DE 2012 MEC MINISTÉRIO DA

Leia mais

PROPOSTA PARA INCENTIVO À FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NO BRASIL

PROPOSTA PARA INCENTIVO À FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NO BRASIL PROPOSTA PARA INCENTIVO À FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS NO BRASIL Roberto Leal Lobo e Silva Filho O Brasil vem se projetando internacionalmente e seu desenvolvimento o incluiu na sigla do grupo conhecido como

Leia mais

ENADE EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DOS ESTUDANTES

ENADE EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DOS ESTUDANTES ENADE EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DOS ESTUDANTES FACULDADE DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SENA AIRES P R O F E S S O R F R A N C I S C O D E A S S I S B A T I S T A D A S I L V A M E S T R E E M E D U C A Ç Ã

Leia mais

definido, cujas características são condições para a expressão prática da actividade profissional (GIMENO SACRISTAN, 1995, p. 66).

definido, cujas características são condições para a expressão prática da actividade profissional (GIMENO SACRISTAN, 1995, p. 66). A CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES PROFISSIONAIS DE ESTUDANTES DE PEDAGOGIA Rita de Cássia de Alcântara Braúna UFV/MG - rbrauna@ufv.br Agência Financiadora: FAPEMIG e CNPq Introdução Pesquisas na área da formação

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011/02

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011/02 Curso de Bacharelado em ENFERMAGEM COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2011/02 DISCENTES: CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS: Desempenho docente, Coordenação do

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO: DA EDUCAÇÃO BÁSICA AO ENSINO SUPERIOR

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO: DA EDUCAÇÃO BÁSICA AO ENSINO SUPERIOR ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO: DA EDUCAÇÃO BÁSICA AO ENSINO SUPERIOR Ana Lucia Lima da Costa Pimenta Monteiro Prefeitura Municipal de Biguaçu anamonteiro1970@hotmail.com INTRODUÇÃO: As políticas

Leia mais

IMPLANTANDO O ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE ESTADUAL DE ENSINO

IMPLANTANDO O ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE ESTADUAL DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA A GARANTIA DO PERCURSO ESCOLAR DO ALUNO NA CONVIVÊNCIA DOS DOIS REGIMES DE ENSINO: ENSINO FUNDAMENTAL COM DURAÇÃO DE OITO ANOS E ENSINO FUNDAMENTAL COM DURAÇÃO DE NOVE ANOS. IMPLANTANDO

Leia mais

Manual do Estágio Supervisionado. Sistemas de Informação / 4º. ano Estágio Supervisionado. Profa. Eunice G. de Siqueira Sumário

Manual do Estágio Supervisionado. Sistemas de Informação / 4º. ano Estágio Supervisionado. Profa. Eunice G. de Siqueira Sumário Manual do Sistemas de Informação / 4º. ano Profa. Eunice G. de Siqueira Sumário SUMÁRIO 1. Introdução 3 2. O que é o 3 2.1 Fundamentação legal do 4 2.2 Áreas de atuação 4 3. A sistemática da disciplina

Leia mais

Goiás e seu reflexo na sociedade

Goiás e seu reflexo na sociedade Os dados do Censo Escolar da Educação Básica de 2013, divulgado recentemente, apontaram a diminuição do número de matrículas em Goiás tendo como referência o ano de 2010. Notadamente, os decréscimos ocorreram

Leia mais

Opinião N13 O DEBATE SOBRE AÇÕES AFIRMATIVAS NO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL E NA ÁFRICA DO SUL 1

Opinião N13 O DEBATE SOBRE AÇÕES AFIRMATIVAS NO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL E NA ÁFRICA DO SUL 1 Opinião N13 O DEBATE SOBRE AÇÕES AFIRMATIVAS NO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL E NA ÁFRICA DO SUL 1 GRAZIELLA MORAES SILVA 2 O debate sobre ações afirmativas no Brasil é geralmente tratado como uma questão

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE-FURG PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE-FURG PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE-FURG PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Av. Itália, Km8 Campus Carreiros Rio Grande, RS Brasil 96201-900 fone: 53.32336772 e-mail:prograd@furg.br

Leia mais

UENF é a melhor do Rio

UENF é a melhor do Rio Jornal: Cidade: Data: Página: Seção: O Globo, Extra Rio de Janeiro 7/12/2012 WEB UENF é a melhor do Rio Com a maioridade atingida em 2011, já que está apenas com 19 anos, a Universidade Estadual do Norte

Leia mais

RAIO X DO ENSINO MÉDIO ATRAVÉS DO ENEM

RAIO X DO ENSINO MÉDIO ATRAVÉS DO ENEM RAIO X DO ENSINO MÉDIO ATRAVÉS DO ENEM CARMO, Erinaldo Ferreira 1 - UFPE OLIVEIRA, Érica Patrícia Barbosa de 2 - UFPE XIMENES, Lavinia de Melo e Silva 3 - UFPE SILVA, Fernanda Maria da 4 - UFPE BRANDÃO,

Leia mais

META NACIONAL 12: elevar a taxa bruta de matrícula na educação superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por

META NACIONAL 12: elevar a taxa bruta de matrícula na educação superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por META NACIONAL 12: elevar a taxa bruta de matrícula na educação superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população de 18 (dezoito) a 24 (vinte e quatro)

Leia mais

OLIMPÍADAS CIENTÍFICAS COMO FERRAMENTA DE DIFUSÃO DO CONHECIMENTO E APRENDIZAGEM AOS ALUNOS DO MUNICÍPIO DE AREIA/PB

OLIMPÍADAS CIENTÍFICAS COMO FERRAMENTA DE DIFUSÃO DO CONHECIMENTO E APRENDIZAGEM AOS ALUNOS DO MUNICÍPIO DE AREIA/PB OLIMPÍADAS CIENTÍFICAS COMO FERRAMENTA DE DIFUSÃO DO CONHECIMENTO E APRENDIZAGEM AOS ALUNOS DO MUNICÍPIO DE AREIA/PB Eduardo Felipe da Silva Santos 1 ; Vanessa Maria Dantas Pedrosa 2 ; João Felipe da Silva

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens

Leia mais

Nº 55 Fevereiro / 2014 OS RESULTADOS DO ENEM E A RESPONSABILIZAÇÃO DAS REDES ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO UMA CONTRIBUIÇÃO METODOLÓGICA.

Nº 55 Fevereiro / 2014 OS RESULTADOS DO ENEM E A RESPONSABILIZAÇÃO DAS REDES ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO UMA CONTRIBUIÇÃO METODOLÓGICA. Nº 55 Fevereiro / 2014 OS RESULTADOS DO ENEM E A RESPONSABILIZAÇÃO DAS REDES ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO UMA CONTRIBUIÇÃO METODOLÓGICA Elaboração: GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

Palavras-chave: política educacional, escola ciclada, formação continuada.

Palavras-chave: política educacional, escola ciclada, formação continuada. ESCOLA CICLADA: O IMPACTO APÓS UMA DÉCADA DE IMPLANTAÇÃO Liamara Glória de Almeida Silva (UFMT) Marineth Benedita S. Corrêa (UFMT) Renata Weima P. Costa (UFMT) RESUMO O presente trabalho é parte integrante

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TOMADA DE CONTAS ANUAL AGREGADA TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 71000.002060/2007-90

Leia mais

GOVERNO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social Projeto Estruturador Poupança Jovem

GOVERNO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social Projeto Estruturador Poupança Jovem 1º Relatório da Comissão de Acompanhamento e Avaliação Trimestral do Termo de Parceria celebrado entre Secretaria de Desenvolvimento Social SEDESE e o Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento

Leia mais

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* O idoso brasileiro no Mercado de Trabalho 30 1- Introdução A análise da participação do idoso nas atividades econômicas tem um caráter diferente das análises tradicionais

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 059/2012-UAB-UEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB EDITAL Nº 059/2012-UAB-UEM EDITAL Nº 059/2012-UAB-UEM A Coordenadora da UAB da Universidade Estadual de Maringá, no uso das atribuições, TORNA PÚBLICO: A abertura de inscrições do processo seletivo para contratação de TUTOR (PRESENCIAL)

Leia mais

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº. 36/2015 TANGARÁ DA SERRA GESTÃO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº. 36/2015 TANGARÁ DA SERRA GESTÃO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC/AR/MT, torna público para conhecimento dos interessados que se encontram abertas às inscrições para candidatos ao cargo abaixo relacionado para ser contratado

Leia mais

REGULAMENTO DA 2ª FENACEB FEIRA NACIONAL DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

REGULAMENTO DA 2ª FENACEB FEIRA NACIONAL DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica REGULAMENTO DA 2ª FENACEB FEIRA NACIONAL DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA I - CONCEITO, DENOMINAÇÃO, REALIZAÇÃO Art. 1º A 2ª Feira Nacional de Ciências

Leia mais

O QUE DOCENTES E DISCENTES DO IFNMG CAMPUS SALINAS SABEM SOBRE OS PROGRAMAS DO GOVERNO VINCULADOS AO EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO (ENEM)

O QUE DOCENTES E DISCENTES DO IFNMG CAMPUS SALINAS SABEM SOBRE OS PROGRAMAS DO GOVERNO VINCULADOS AO EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO (ENEM) O QUE DOCENTES E DISCENTES DO IFNMG CAMPUS SALINAS SABEM SOBRE OS PROGRAMAS DO GOVERNO VINCULADOS AO EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO (ENEM) Vailton Afonso da Silva Geovânia Silva Santos Instituto Federal

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE À ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO

PROPOSTAS PARA O COMBATE À ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE À ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO 2 PROPOSTAS PARA O COMBATE À ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO Nos últimos anos, várias medidas adotadas

Leia mais

GUIA DE CERTIFICAÇÃO Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos - ENCCEJA

GUIA DE CERTIFICAÇÃO Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos - ENCCEJA GUIA DE CERTIFICAÇÃO Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos - ENCCEJA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS

Leia mais

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 José Cechin Superintendente Executivo Carina Martins Francine Leite Nos últimos meses, vários relatórios publicados por diferentes instituições

Leia mais

AS POLÍTICAS DE ESCOLARIZAÇÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA ANÁLISE DOS INDICADORES EDUCACIONAIS BRASILEIROS

AS POLÍTICAS DE ESCOLARIZAÇÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA ANÁLISE DOS INDICADORES EDUCACIONAIS BRASILEIROS AS POLÍTICAS DE ESCOLARIZAÇÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA ANÁLISE DOS INDICADORES EDUCACIONAIS BRASILEIROS José Geraldo Silveira Bueno Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

Área: 1.551.690km 2. 1. População

Área: 1.551.690km 2. 1. População Área: 1.551.690km 2 1. População Capitais Habitantes* Aracaju SE 461.534 Fortaleza CE 2.141.402 João Pessoa PB 597.934 Maceió AL 797.759 Natal RN 712.317 Recife PE 1.422.905 Salvador BA 2.443.107 São Luís

Leia mais

DESCRITIVO DO PROCESSO SELETIVO PARA O CARGO DE ELETRICISTA DE MANUTENÇÃO

DESCRITIVO DO PROCESSO SELETIVO PARA O CARGO DE ELETRICISTA DE MANUTENÇÃO DESCRITIVO DO PROCESSO SELETIVO PARA O CARGO DE ELETRICISTA DE MANUTENÇÃO O presente documento é uma divulgação oficial de todos os critérios e procedimentos estabelecidos pelo SESC para este processo

Leia mais

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9. EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA 9.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO INDÍGENA 9.1.1 Objetivos gerais A Constituição Federal assegura às comunidades indígenas o direito de uma educação escolar diferenciada e a utilização

Leia mais

O enigma do ENADE Simon Schwartzman

O enigma do ENADE Simon Schwartzman Versão 21-mai-05 O enigma do ENADE Simon Schwartzman Os resultados do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes, publicados pelo Ministério da Educação recentemente para 13 áreas de conhecimento, mostrou

Leia mais