UMA ABORDAGEM PARA A GERÊNCIA DAS MODIFICAÇÕES E DA CONFIGURAÇÃO EM UM AMBIENTE INTEGRADO PARA O DESENSOLVIMENTO E GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA ABORDAGEM PARA A GERÊNCIA DAS MODIFICAÇÕES E DA CONFIGURAÇÃO EM UM AMBIENTE INTEGRADO PARA O DESENSOLVIMENTO E GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE"

Transcrição

1 INPE TDI/1078 UMA ABORDAGEM PARA A GERÊNCIA DAS MODIFICAÇÕES E DA CONFIGURAÇÃO EM UM AMBIENTE INTEGRADO PARA O DESENSOLVIMENTO E GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE Martha Adriana Dias Abdala Dissertação de Mestrado do Curso de Pós-Graduação em Computação Aplicada, orientada pelo Dr. Nilson Sant Anna, aprovada em 29 de junho de INPE São José dos Campos 2006

2 Abdala, M. A. D. Uma abordagem para a gerência das modificações e da configuração em um ambiente integrado para o desenvolvimento e gestão de projetos de software / M. A. D. Abdalla. São José dos Campos: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), p.; - (INPE TDI/1078) 1.Gerenciamento da configuração. 2.Engenharia de software. 3.Ambientes de engenharia de software. 4.Processos. 5.Modelos. I.Título.

3

4

5 Mudar e mudar para melhor são duas coisas diferentes. Provérbio alemão.

6

7 A meus pais, ANDRÉ MIGUEL ABDALA e MARIA DAS DÔRES DIAS ABDALA.

8

9 AGRADECIMENTOS Ao Senhor Jesus, o Autor da minha Fé: Não tenho palavras para agradecer Tua bondade... Nunca me deixes esquecer que tudo o que tenho, tudo o que sou, o que vier a ser, vem de Ti, Senhor. Ao meu orientador, Prof. Dr. Nilson Sant Anna, agradeço pela oportunidade proporcionada e pelos conhecimentos transmitidos. Aos meus colegas e amigos, em especial ao Carlos Lahoz e à Luciana Burgareli, pelas discussões técnicas e também pelo apoio, incentivo e pela paciência que tiveram comigo: muito obrigada. Meus agradecimentos à equipe da SESIS, em especial à Roberta Panzera, e à estagiária Juliana que, com suas contribuições no desenvolvimento do protótipo, enriqueceram este trabalho. Minha gratidão ao Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, INPE, aos seus professores e ao Instituto de Aeronáutica e Espaço, IAE, pela oportunidade desta realização profissional. Finalmente, aos meus familiares minha gratidão pelo apoio recebido, sem o qual não teria chegado até aqui. Bessa, A. P. V., em Nos braços do Pai, IBL, 2002.

10

11 RESUMO Organizações responsáveis pelo Programa Espacial Brasileiro, o INPE, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, e o IAE, Instituto de Aeronáutica e Espaço, vêm procurando entender e melhorar os processos empregados no desenvolvimento de software, de maneira a alcançar alta qualidade e confiabilidade nos produtos desenvolvidos. No INPE, a necessidade da adoção de novos paradigmas baseados nos processos de software levou à proposta de um ambiente integrado para o apoio ao desenvolvimento e gestão de projetos de software para o controle de satélites. Dentre estes processos, os da Gerência das Modificações e da Configuração de Software (GCS) são aqueles que visam minimizar os problemas que as modificações trazem durante o desenvolvimento e a manutenção do software, de maneira a garantir a integridade dos produtos gerados. Este trabalho de dissertação de mestrado apresenta uma abordagem utilizada para a definição e a modelagem dos processos da GCS para este ambiente integrado. A modelagem dos processos da GCS e o suporte automatizado deste ambiente apresentam-se como facilitadores para a definição e a efetiva implantação destes naquelas organizações.

12

13 AN APPROACH TO THE CHANGE AND CONFIGURATION MANAGEMENT IN AN INTEGRATED ENVIRONMENT FOR SOFTWARE PROJECTS DEVELOPMENT AND MANAGEMENT ABSTRACT The National Institute for Space Research (INPE), and the Aeronautics and Space Institute (IAE), organizations responsible for the Brazilian Space Program, are trying to understand and improve the processes employed in software development, in order to obtain software products that are reliable and of higher quality. At INPE, the necesssity to adopt new paradigms based on software development processes led to a proposal of an integrated environment to support the development and management of the satellite control software project. Among the processes to be supported by the environment, the Software Change and Configuration Management (SCM) processes are those which purpose is to minimize the problems that changes cause during software development and maintenance, so that the integrity of the generated products may be assured. This dissertation presents an approach used to define and model the SCM processes to this process-centered integrated environment. The process modeling and the automated support provided by this environment are presented as the factors that will facilitate the definition and effective implementation of the SCM process in those organizations.

14

15 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... Pág. LISTA DE TABELAS... CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Objetivo Motivação As Modificações no Software A Utilização de Técnicas de Modelagem de Processo A GCS e os Padrões e Modelos Qualidade A GCS no Ambiente Integrado e o Suporte ao Processo A GCS e o Desenvolvimento de Software no Setor Aeroespacial Brasileiro Esboço Geral CAPÍTULO 2 A GERÊNCIA DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE A Natureza e Complexidade de um Produto de Software A Gerência da Configuração de Software - Definições e Atividades As Atividades da GCS Implementação do Processo Identificação da Configuração Controle da Configuração Relato da S ituação da Configuração Avaliação da Configuração Gerenciamento da Liberação e Entrega Conceitos Básicos da GCS Item de Configuração de So ftware Configuração- base Desenvolvimento de Software Baseado em Configuração- base... 47

16 2.3.4 Distribuições Informações Sobre os Itens de Configuração: Metadados Repositórios e Bibliotecas de Software Controle de Versões Linhas de Desenvolvimento Variantes e Desenvolvimento Paralelo Operações de Acesso às Versões no Repositório Agregações Breve Histórico da Gerência da Configuração de Software Áreas de Funcionalidade da GCS A GCS e os Requisitos do Projeto Políticas e Modelos da GCS Política de Check In/Check Out Política de Composição Mecanismos da GCS O Estado Atual da GCS As Ferramentas de GCS CAPÍTULO 3 MODELAGEM, PADRÕES E AMBIENTES CENTRADOS EM PROCESSO DE SOFTWARE Processos de Software, Modelos de Processos e Ambientes Centrados em Processos A Técnica de Modelagem de Processos Elementos de um Processo de Software As Linguagens de Modelagem de Processos Os propósitos das PMLs Abordagens para a Modelagem de Processos A Linguagem de Modelagem de Processo SPEM Arquitetura da Modelagem Elementos da Linguagem SPEM A notação SPEM Padrões de Processos de Software e Modelos de Maturidade A Gerência da Configuração de Software em Padrões e Modelos de Maturidade... 98

17 A GCS e o Padrão ISO/IEC A GCS no Modelo ISO/IEC A Maturidade da GCS O Ambiente Integrado para Apoio ao Desenvolvimento e Gestão de Projetos de Software Definições e Conceitos Caracterização do Ambiente Integrado Arquitetura Lógica do Ambiente A Arquitetura Física Ciclo de Vida do Processo no Ambiente A Fase de Planejamento do Processo A Fase de Execução do Processo A Fase de Avaliação do Processo O Serviço de Coordenação de Processos de Software As Gerências no Ambiente integrado Os Requisitos para a Gerência das Modificações e da Configuração no Ambiente Integrado CAPÍTULO 4 A MODELAGEM DO PROCESSO DA GERÊNCIA DAS MODIFICAÇÕES E DA CONFIGURAÇÃO Histórico e Desenvolvimento do Trabalho O Escopo do Processo da GCS Estratégias para a Definição e Modelagem do Processo da GCS A Modelagem do Processo da GCS Papéis e Responsabilidades no Processo da GCS As Atividades do Processo da GCS Os Produtos do Processo da GCS O Processo de Definição das Estratégias Organizacionais da GCS Objetivos e Requisitos Básicos do Processo Papéis, Responsabilidades e Produtos Envolvidos no Processo Atividades do Processo O Processo de Planejamento da GCS

18 Objetivos e Requisitos Básicos do Processo Papéis, Responsabilidades e Produtos Envolvidos no Processo Atividades do Processo O Pacote Definição do Gerenciamento e Relações com o Ambiente de Projeto O Pacote Descrição das Atividades da GCS O Pacote Definição da Condução das Tarefas, Fases e Marcos da GCS O Pacote Descrição de Ferramentas, Técnicas e Métodos O Pacote Definição de Linhas de Desenvolvimento Paralelo O Pacote Definição do Ambiente da GCS O Processo de Gerenciamento da Configuração Objetivos e Requisitos Básicos do Processo Papéis, Responsabilidades e Produtos Envolvidos no Processo Atividades do Processo O Pacote Identificação da Configuração O Pacote Armazenamento e Controle dos Itens de Configuração A Definição de Trabalho Armazenar Item de Configuração para Produção A Definição de Trabalho Liberar It em de Configuração para Produção A Definição de Trabalho Liberar Item de Configuração para Utilização O Pacote Relato da Situação da Configuração O Processo Gerenciamento das Solicitações de Modificação Objetivos e Requisitos Básicos do Processo Papéis, Re sponsabilidades e Produtos Envolvidos no Processo Atividades do Processo Atividade Identificar e Registrar a Solicitação de Modificação Atividade Avaliar Impacto da Modificação Atividade Identificar Atividades de Verificação/Validação Atividade Aprovar Modificação Atividade Agendar Modificação Atividade Desenvolver Produto Atividade Avaliar Produto de Trabalho Atividade Revisar Modificação Implementada Atividade Relatar Situação das Modificações

19 CAPÍTULO 5 O SUPORTE AUTOMATIZADO AO PROCESSO DA GERÊNCIA DAS MODIFICAÇÕES E DA CONFIGURAÇÃO Os Requisitos para a GCS no Ambiente Integrado Gerenciamento do Processo da GCS Desenvolvimento de Software Baseado em Configurações- base Suporte ao ciclo de vida do item de configuração Suporte ao controle de versões Biblioteca da GCS Política Check- in/checkout e Composição Política de Liberação Suporte ao Ciclo de Vida de uma Solicitação de Modificação Integração com a Garantia do Produto A Implementação do Protótipo Change and Configuration Management no Ambiente Integrado Os Requisitos do Protótipo Definir Estratégias da GCS Planejar a GCS Gerenciar Configurações- base Caso de Uso Descrever Item de Configuração Caso de Uso Criar Configurações- base Caso de Uso Liberar IC para Modificação Caso de Uso Incorporar Modificações nas Configurações- base Caso de Uso Obter IC para Utilização Caso de Uso Obter Situação da Configuração e das Modificações Registrar Distribuição de Configuração- base Gerenciar Solicitações de Modificação Caso de Uso Abrir Solicitação de Modificação Caso de Uso Avaliar Modificação Caso de Uso Agendar Modificação Caso de Uso Registrar Implementação da Modificação Caso de Uso Registrar Verificação da Qualidade Caso de Uso Revisar Modificação Implementada

20 5.3 Os Recursos do Ambiente Necessários para os Processos Os Recursos da Ca mada de Armazenamento e Acesso Os Recursos da Camada de Serviços Os Recursos da Camada de Interação com o Us uário CAPÍTULO 6 CONCLUSÕES A modelagem de processos Processo e melhoria de processo Recomendações e Trabalhos futuros REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR APÊNDICE A A UTILIZAÇÃO DO SPEM NA MODELAGEM DE PROCESSOS 255 APÊNDICE B EXERCÍCIO DE MODELAGEM - PROCESSO DE GERENCIAMENTO DAS MODIFICAÇÕES APÊNDICE C TELAS DO PROTÓTIPO CHANGE AND CONFIGURATION MANAGEMENT

21 LISTA DE FIGURAS 2.1 Atividades da GCS Modelo de Desenvolvimento Genérico Visão Geral dos Metadados dos Itens de Configuração Controle de Versões de um Arquivo Linhas de Desenvolvimento Desenvolvimento Paralelo e União Agregações Áreas de Funcionalidade da GCS Check-out e Check-in A Política de Composição Elementos e Relacionamentos de um Modelo de Processo Níveis de Capacidade e Atributos de Processo A Camada Conceitual do Ambiente e-webproject Arquitetura Três Camadas para Aplicações Web Ciclo de Vida do Processo Auditar Produto Fase de Planejamento Os Estados de um Processo em Execução O Processo da GCS O Processo de Definição das Estratégias Organizacionais da GCS O Gerente das Modificações e da Configuração e os Produtos do Processo de Definição das Estratégias Organizacionais da GCS O Processo de Planejamento da GCS O Gerente das Modificações e da Configuração e os produtos do processo de Planejamento da GCS O Pacote de Gerenciamento e Relações como o Ambiente de Projeto O Pacote de Descrição das Atividades da GCS O Pacote de Definição da Condução das Tarefas, Fases e Marcos da GCS Pacote de Definição da Utilização de Ferramentas, Técnicas e Métodos Pacote de Definição de Linhas de Desenvolvimento Paralelo Pág.

22 4.11 Pacote de Definição do Ambiente da GCS O Processo Gerenciamento da Configuração O Responsável pela GCS e os Produtos do Processo de Gerenciamento da Configuração O Responsável pelo Produto e os Produtos do Processo de Gerenciamento da Configuração Os Gerentes da Qualidade e Projeto e os Produtos do Processo de Gerenciamento da Configuração O Cliente da GCS e os Produtos do Processo de Gerenciamento da Configuração O Pacote de Identificação da Configuração A Definição de Trabalho do Armazenamento e Controle dos Itens de Configuração Diagrama de atividades da Definição de Trabalho de Armazenar Item de Configuração para Produção Diagrama de Atividades da Definição de Trabalho de Liberar Item de Configuração para Produção Diagrama de Atividades da Definição de Trabalho de Liberar Item de Configuração para Utilização Interna Diagrama de Atividades da Definição de Trabalho de Liberar Item de Configuração para Utilização Interna Diagrama de Atividades da Definição de Trabalho de Liberar Item de Configuração para Utilização Externa O Pacote Relato da Situação da Configuração O Processo de Gerenciamento das Solicitações de Modificação O Responsável pela GCS e os Produtos do Processo de Gerenciamento das Solicitações de Modificação O GCC e os Produtos do Processo de Gerenciamento das Solicitações de Modificação Diagrama de Atividades do Processo de Gerência das Solicitações de Modificação Avaliação e Aprovação de uma SM Diagrama de Atividades do Processo de Gerência das Solicitações de Modificação Encaminhamento para Implantação e Fechamento de SM

23 5.1 Diagrama de Contexto do protótipo Change and Configuration Management Diagrama de Casos de Uso da Definição das Estratégias da GCS Diagrama de Casos de Uso do Planejamento da GCS Ciclo de Vida de um Item de Configuração Diagrama de Casos de Uso do Gerenciamento das Configurações-base Ciclo de Vida de uma Solicitação de Modificação (SM) Diagrama de Casos de Uso do Gerenciamento das Solicitações de Modificação A.1 Comparação entre Fluxos de Trabalho C.1 Tela de Trabalho do Usuário C.2 Tela de Acesso do Gerente das Modificações e da Configuração C.3 Tela Inicial das Atividades do Gerente das Modificações e da Configuração C.4 Tela de Convenção para Identificação Única para Documentos C.5 Tela de Convenções para Formação dos GCCs C.6 Tela Referente à Lista de Projetos Instanciados C.7 Tela de Escolha de Membros para o GCC-Des C.8 Tela de Acesso dos Envolvidos com a GCS C.9 Tela Inicial da Atividade de Gerenciamento das Solicitações de Modificação C.10 Tela de Acompanhamento das SMs C.11 Tela de Abertura da SM C.12 Tela de Acompanhamento das SM com o Status atualizado para Aberta C.13 Tela Inicial das Atividades do GCC C.14 Tela de Acompanhamento das SMs Encaminhadas para Avaliação C.15 Tela de Avaliação da Modificação C.16 Tela de Acompanhamento das SM com o Status Atualizado para Aprovada para Implementação C.17 Tela Inicial da Atividade de Agendar SM C.18 Tela da Atividade Agendar SM C.19 Tela Inicial das Atividades do Cliente da GCS C.20 Tela Inicial do Registro da Implementação da Modificação C.21 Tela da Atividade Registro da Implementação da Modificação C.22 Tela Inicial do Registro da Aprovação da Modificação pela Qualidade C.23 Tela da Atividade Registro da Aprovação pela Qualidade

24 C.24 Tela Inicial do Fechamento da SM C.25 Tela de Fechamento da SM C.26 Registro de Histórico das Modificações C.27 Registro de Solicitação de Liberação C.28 Lista de Composição

25 LISTA DE TABELAS Pág. 2.1 Exemplos de Configuração-base Níveis de Abstração da Modelagem de Processos Principais Ícones e Estereótipos do SPEM Categorias e Grupos de Processo do Padrão ISO/IEC Papéis e Responsabilidades da GCS A GCS nos Padrões e no Modelo Proposto

26

27 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Nos últimos 20 anos o software conquistou um papel essencial e crítico na sociedade, cada vez mais dependente de sistemas computadorizados. Hoje em dia qualquer serviço ou produto contém ou faz uso de algum software. À medida que mais e mais funcionalidades são exigidas dos produtos de software estes se tornam mais complexos, aumentando assim a dificuldade para desenvolvê-los e testá-los (Fuggeta, 2000). O software pode ser ainda um elemento crítico dentro de um sistema maior. Um erro ou defeito que venha a conter pode causar perdas não só financeiras, como também de vidas humanas, como no caso de aplicações de software no controle de aeronaves, trens e metrô, e também das aplicações aeroespaciais. Diante disto, tem aumentado a preocupação dos pesquisadores e desenvolvedores em entender e melhorar a qualidade do software produzido.uma das principais direções tomadas pela pesquisa na área de Engenharia de Software é aquela voltada para o estudo e melhoria dos processos através dos quais o software é desenvolvido. Segundo essa abordagem, há uma correlação direta entre a qualidade do processo empregado na construção do software e a qualidade do produto resultante desse processo. A área de pesquisa que trata destas questões é referenciada pelo termo processo de software (Fuggetta, 2000). A área de pesquisa em processo de software surgiu como disciplina ainda nos anos 80, tendo sido apresentada em uma série de eventos e workshops. Desde então, muitos outros eventos, publicações e instituições foram criados para tratar do assunto. Entres estas instituições estão o Software Engeneering Institute (SEI), nos EUA, e o European Software Institute (ESA), na Europa. Organismos internacionais de padronização também têm centrado esforços no processo de software, como o International Organization for Standardization/ International Electrotechnical Commission (ISO/IEC), com os padrões 25

28 12207 (atividades do ciclo de vida do software) (ISO/IEC 12207, 1995) e (determinação da capacidade de processo de software) (ISO/IEC , 2003) derivado do modelo de maturidade organizacional Software Process Improvement and Capability determination (SPICE) (SPICE, 1995). No Brasil, nota-se nos últimos anos um interesse crescente pelo assunto por parte de universidades, indústria e organizações governamentais, nos vários eventos de Engenharia de Software e também em eventos realizados na área de processo de software, como o SIMPROS, Simpósio Internacional de Melhoria de Processo de Software, um fórum para intercâmbio de informações e conhecimento na prática de melhoria de processo de software. No Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), a necessidade da adoção desses novos paradigmas para o desenvolvimento de software levou à proposta de um ambiente integrado para o apoio ao desenvolvimento e para a gestão de projetos de software para controle de satélites (Sant'Anna, 2000), que evoluiu para o e-webproject 1, referenciado neste trabalho como Ambiente ou Ambiente Integrado. Esse Ambiente consiste de um conjunto integrado de ferramentas para apoiar as atividades e tarefas do desenvolvimento e gestão do processo de construção de software. Utiliza a abordagem de processos do modelo SPICE (atual ISO/IEC 15504) para o desenvolvimento de projetos de software, integra todos os processos necessários de forma adequada à visão de objetos e está organizado em áreas de negócio, proporcionando apoio eficiente à gerência de projetos. Entre as características do Ambiente, pode-se destacar: o trabalho cooperativo centrado no processo; o conceito de ambiente ativo ou capacidade de forçar o fluxo de trabalho (workflow); a integração das equipes de trabalho, a utilização de tecnologia para controle 1e-WebProject é um produto registrado pela SESIS, Sistemas de Engenharia de Software, cujo desenvolvimento é apoiado pelo Programa de Capacitação de Recursos Humanos (RHAE) do CNPq. 26

29 dos processos envolvidos no desenvolvimento de software; e a disponibilidade de um conjunto de serviços oferecidos pela WEB/Internet para os vários participantes do processo (desenvolvedores, gerentes, clientes), que podem trazer como benefícios a obtenção de ganhos de produtividade e qualidade do software. O Ambiente oferece suporte a categorias de gerenciamento estabelecidas pelo Project Management Institute (PMI) (PMI, 1996), às quais foram acrescentadas outras para atender melhor às necessidades específicas de projetos de software, como a Gerência das Modificações e da Configuração de Software (GCS). Caberá ao Ambiente prover o apoio necessário de maneira a que cada gerência desempenhe com sucesso suas atividades. O processo de gerenciamento das modificações e da configuração, dentre os vários processos empregados no desenvolvimento de software, é aquele que fornece as técnicas, os métodos e procedimentos para manter a integridade do produto de software durante todo seu ciclo de vida, através do controle sistemático de suas modificações e de seu armazenamento controlado, bem como do relato da situação do produto a todos os envolvidos no seu desenvolvimento. Essas atividades ajudam a eliminar inconsistências e redundância de trabalho, aumentando assim a qualidade do produto e a produtividade dos desenvolvedores. 1.1 Objetivo Esta dissertação tem por objetivo apresentar uma abordagem para a definição e modelagem do processo da Gerência da Configuração de Software para o Ambiente Integrado, nomeado, neste ambiente, como Gerência das Modificações e da Configuração de Software. Esta abordagem leva em consideração os processos da Gerência da Configuração e das Solicitações de Modificação propostos nos padrões e modelos de processo (ISO/IEC 12207, 1995) e (ISO/IEC , 2003) e em padrões específicos para a GCS (IEEE 828, 1998). Também são consideradas as funcionalidades da disciplina de Gerência da Configuração de Software, descritas na literatura, como na abordagem prática apresentada 27

30 em (Hass, 2002) e as diretrizes propostas em (Sant'Anna, 2000), para definir e modelar os processos e atividades essenciais desta Gerência que devem ser incorporados em uma organização desenvolvedora de software de maneira a minimizar os problemas que surgem durante o ciclo de vida de desenvolvimento do software devido às modificações. Através do recurso da prototipação será possível apresentar a funcionalidade deste modelo e ainda identificar os recursos do Ambiente necessários para apoiá-lo. 1.2 Motivação As Modificações no Software O software é mutável por natureza. Um produto de software passa por várias transformações durante o seu ciclo de vida: parte de uma abstração ou idéia, até chegar a ser código executável por uma máquina, que atenda ao propósito para o qual foi construído. Modificações são, portanto, inerentes ao software, e inevitáveis em todo o seu ciclo de desenvolvimento. Elas podem ocorrer também devido à correção de erros, à incorporação de novas tecnologias e para atendimento a novos requisitos funcionais. Controlar as modificações feitas no software é uma atividade crítica, pois modificação não gerenciada é, sem dúvida, uma das causas de falha em entregar sistemas no tempo certo e dentro do orçamento. O gerenciamento da configuração, portanto, ajuda a proteger os investimentos no desenvolvimento de software por meio do controle das modificações nele feitas, garantindo, por exemplo, que uma modificação errada possa ser revertida sem afetar a integridade de todo o sistema. Também fornece uma estrutura básica para suporte a todo o processo de engenharia de software através da configuração e controle dos subprodutos deste processo, durante o desenvolvimento e após a entrega do produto. A GCS fornece as técnicas, os métodos e os procedimentos para manter o histórico do produto, para 28

31 identificá-lo e localizar cada versão do produto, e controlar suas modificações. A GCS pode ajudar, ainda, na coordenação e na comunicação entre os membros da equipe de desenvolvedores, através do uso de um repositório comum de configurações e do suporte a modificações (Van Brunt, 1996) A GCS e os Padrões e Modelos de Qualidade Dada a importância da GCS, padrões e modelos de processo de software, como o ISO/IEC e ISO/IEC 12207, exigem o controle das modificações nos produtos através do gerenciamento da configuração. A GCS no Ambiente Integrado visa atender à necessidade de se manter o controle sobre a configuração e sobre as modificações do produto de software cujo desenvolvimento será apoiado pelo Ambiente, como recomendam estes padrões e modelos de processo de software. Segundo a abordagem proposta neste trabalho, um escopo mínimo para a GCS no Ambiente Integrado pode ser definido pelas atividades e práticas básicas dos padrões de processo que, se realizadas pelas organizações desenvolvedoras de software, resultam no cumprimento dos propósitos da GCS e, conseqüentemente, contribuem para que melhores níveis de qualidade dos produtos de software sejam obtidos nessas organizações. Como nesses padrões as atividades e práticas básicas que a GCS deve realizar são apresentadas em linhas gerais, ou seja, o padrão declara o que o processo deve fazer, e não detalhes de como fazer para que o processo seja implantado, é preciso então definir o processo da GCS, detalhar suas práticas básicas e descrever as maneiras como estas devem ser implementadas A Utilização de Técnicas de Modelagem de Processo Para os pesquisadores da área de processo de software, a principal causa dos problemas é justamente a falta de um processo de desenvolvimento claramente definido e efetivo. 29

32 Entender e definir um processo de software não é tarefa trivial. A primeira contribuição da área de pesquisa de processo de software foi justamente o aumento da percepção de que desenvolver software é um processo complexo (Fuggeta, 2000). Por isso, sem uma definição clara do processo, sua implantação efetiva pode ser comprometida. Desta forma, a definição e a modelagem dos processos da GCS, tendo ainda o suporte automatizado de um ambiente integrado para sua execução, apresentam-se como facilitadores para a efetiva implantação destes em uma organização desenvolvedora de software A GCS no Ambiente Integrado e o Suporte ao Processo A GCS deve ser parte integrante de um ambiente completo de engenharia de software (Sharon e Anderson, 1997). O Ambiente Integrado permite que as atividades de manutenção da integridade do produto, como seu armazenamento controlado e o acompanhamento das modificações, sejam integradas mais facilmente ao processo de desenvolvimento e à cultura de uma organização. Outra vantagem de se ter a GCS integrada ao Ambiente é a facilidade da utilização, por outras gerências, das informações que ela fornece. Como exemplo, temos a informação da situação da configuração do produto, que pode ser utilizada pela Gerência de Projeto para acompanhamento do progresso de desenvolvimento do projeto. A incorporação da idéia de suporte ao processo nas ferramentas e ambientes de gerenciamento de configuração de software tem sido alvo de pesquisas nos últimos anos, tendo surgido várias abordagens baseadas em atividades. O objetivo dessas abordagens é fornecer capacidades de modelagem poderosas e mecanismos associados de maneira que os usuários possam definir e controlar seus próprios processos de gerência de configuração (Estublier, 2002; Estublier et al, 1997). 30

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração Durante o processo de desenvolvimento de um software, é produzida uma grande quantidade de itens de informação que podem ser alterados durante o processo Para que

Leia mais

Modelagem do Processo de Gerenciamento da Configuração de Software para um Ambiente Integrado

Modelagem do Processo de Gerenciamento da Configuração de Software para um Ambiente Integrado Modelagem do Processo de Gerenciamento da Configuração de Software para um Ambiente Integrado Martha A. D. Abdala Centro Técnico Aeroespacial (CTA) martha@iae.cta.br Resumo Os processos utilizados na engenharia

Leia mais

Atividades da Engenharia de Software GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE. Atividades da Engenharia de Software. Processo de Desenvolvimento de

Atividades da Engenharia de Software GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE. Atividades da Engenharia de Software. Processo de Desenvolvimento de SCE186-ENGENHARIA DE SOFTWARE Módulo 1 Atividades da Engenharia de GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE Profª Rosely Sanches rsanches@icmc.usp.br 2003 DEFINIÇÃO CONSTRUÇÃO SOFTWARE PRODUTO MANUTENÇÃO

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática

Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática www.asrconsultoria.com.br Mini-Curso Gerência de Configuração Visão prática Copyright ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade 1 Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Resumo. 1. Introdução. Abstract. 2. Motivação

Resumo. 1. Introdução. Abstract. 2. Motivação Um Estudo para a Definição de Processos das Gerências da Qualidade e da Configuração em um Ambiente Integrado para Apoio ao Desenvolvimento e Gestão de Projetos de Software Abdala, Martha A. D.; Lahoz,

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Fundamentos de Gestão de TI

Fundamentos de Gestão de TI Fundamentos de Gestão de TI Tópico V Transição de Serviço (ITIL V3) José Teixeira de Carvalho Neto transição de serviço transição de serviço Objetivo: orientar e coordenar o desenvolvimento e a implantação

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS)

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Definição Geral: Disciplina de Compiladores Prof. Jorge Bidarra (UNIOESTE) A especificação de requisitos tem como objetivo

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

MOD9 Processos de Transição de Serviços

MOD9 Processos de Transição de Serviços Curso ITIL Foundation MOD9 Processos de Transição de Serviços Service Transiction Professor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot.com 1 Curso ITIL Foundation Transição significa

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

Feature-Driven Development

Feature-Driven Development FDD Feature-Driven Development Descrição dos Processos Requisitos Concepção e Planejamento Mais forma que conteúdo Desenvolver um Modelo Abrangente Construir a Lista de Features Planejar por

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

Gerência de Configuração. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br

Gerência de Configuração. Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br Gerência de Configuração Professor: Dr. Eduardo Santana de Almeida Universidade Federal da Bahia esa@dcc.ufba.br Introdução Mudanças durante o desenvolvimento de software são inevitáveis: os interesses

Leia mais

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Francisco Xavier Freire Neto 1 ; Aristides Novelli Filho 2 Centro Estadual de Educação Tecnológica

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Gerenciamento de Configuração de Software

Gerenciamento de Configuração de Software Gerenciamento de Configuração de Software Prof. Ricardo Argenton Ramos [Baseado na apresentação do prof. Masiero ICMC-USP] Contexto para Gerência de Configuração 2 Problema dos Dados Compartilhados Desenvolvedor

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com 1 Information Technology Infrastructure Library 2 O que é o? Information Technology Infrastructure Library é uma biblioteca composta por sete livros

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO. Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Risk Tecnologia Coleção Risk Tecnologia SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO Requisitos e Diretrizes para a Integração de Sistemas de Gestão PAS 99:2012 Aplicável às Atuais e Futuras Normas ISO 9001, ISO 14001,

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Gerência de Configuração de Software Introdução

Gerência de Configuração de Software Introdução Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Ciência da Computação Processo de Engenharia de Software II Gerência de Configuração de Software Introdução Rafael Leonardo Vivian {rlvivian.uem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.

TI Aplicada. Aula 02 Áreas e Profissionais de TI. Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti. TI Aplicada Aula 02 Áreas e Profissionais de TI Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Gerenciamento de Configuração de Software

Gerenciamento de Configuração de Software FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU Jessé de Souza da Silva, José Arnaldo de Oliveira Almeida, Gabriel Pereira da Silva Gerenciamento de Configuração de Software Uma Abordagem Conceitual João Pessoa 2015 FACULDADE

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 03 In a calm sea every man is a pilot. Engenharia de Software I Aula 3 Gerenciamento de

Leia mais

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 VANT-EC-SAME Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 17/0/07 1.0 Versão Inicial Douglas Moura Confidencial VANT-EC-SAME, 2007

Leia mais

CCE 876 - Engenharia de Software. Introdução à Engenharia de Software

CCE 876 - Engenharia de Software. Introdução à Engenharia de Software CCE 876 - Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Objetivos Introduzir a Engenharia de Software e explicar sua importância. Introduzir os conceitos principais relacionados à Engenharia

Leia mais

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Apresentação Programa MPS.BR Reutilização no MPS.BR Gerência de reutilização Desenvolvimento para reutilização

Leia mais

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr.

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Novatec Sumário Agradecimentos... 17 Sobre o autor... 18 Prefácio... 19 Capítulo 1 Desenvolvimento de software para o valor de negócios... 20 1.1 Qualidade

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Gerência de Configuração. Profº Rômulo César

Gerência de Configuração. Profº Rômulo César Gerência de Configuração Profº Rômulo César Gerência de Configuração Cenário Atual Projetos cada vez mais complexos em relação ao tamanho, sofisticação e tecnologias envolvidas Grandes equipes geograficamente

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

Tópicos. Engenharia de Software: Uma Visão Geral

Tópicos. Engenharia de Software: Uma Visão Geral Tópicos 2 3 Engenharia de Software: Uma Visão Geral SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 A importância do Software Software Aplicações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO ESTRATÉGIA CICLO PDCA CICLO PDCA 09/04/2015 GESTÃO DE ESCOPO GERENCIAMENTO DE PROJETOS ACT UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL PLANEJAMENTO 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS SUBMETIDA E APROVADA A PROPOSTA DO PROJETO PROCESSO DE PLANEJAMENTO GESTÃO DE Processo fundamental

Leia mais

TC 045 Gerenciamento de Projetos

TC 045 Gerenciamento de Projetos TC 045 Gerenciamento de Projetos Escopo Tempo Figura: D. Randa (2012) NAYARA SOARES KLEIN nayaraklein@gmail.com ANO: 2013 Escopo: s.m. Finalidade; alvo; intento; propósito. Dicionário Aurélio Escopo do

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 03 Profissões de TI Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http:// Papéis... Um papel é uma definição abstrata de um conjunto de atividades executadas e dos respectivos

Leia mais

Uso da Gestão de Configuração de Software pelas Organizações em Busca de Certificação

Uso da Gestão de Configuração de Software pelas Organizações em Busca de Certificação Uso da Gestão de Configuração de Software pelas Organizações em Busca de Certificação Carlos Eduardo Sanches da Silva, Dr. (UNIFEI) sanches@iem.efei.br Dalton Péricles de Almeida (UNIFEI) dalton.almeida@ig.com.br

Leia mais

GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Objetivo Apresentar a GC (Gerencia de Configuração) no contexto da Engenharia de Software Mostrar a importância da GC no controle

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Profª Dra. Ana Paula Gonçalves Serra Engenharia de O Processo Uma Visão Genérica Capítulo 2 (até item 2.2. inclusive) Engenharia de - Roger Pressman 6ª edição McGrawHill Capítulo

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TIC. ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3

Gerenciamento de Serviços de TIC. ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3 Gerenciamento de Serviços de TIC ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3 Agenda O que é serviço de TIC? O que é Qualidade de Serviços de TIC? O que é Gerenciamento de Serviços de TIC? ISO IEC/20.000-2005 ITIL versão

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Requisitos de Ferramentas de Gerenciamento de Configuração

Requisitos de Ferramentas de Gerenciamento de Configuração Requisitos de Ferramentas de Gerenciamento de Configuração Viviane Nogueira Pinto de Oliveira 1 1Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Av. Antônio Carlos, 6627 CEP

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

Garantia da Qualidade de Software

Garantia da Qualidade de Software Especialização em Gerência de Projetos de Software Garantia da Qualidade de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto de Ciências Exatas e Naturais

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Capítulo 25. Gerenciamento de Configuração. Engenharia de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D.

Capítulo 25. Gerenciamento de Configuração. Engenharia de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D. Capítulo 25 Gerenciamento de Configuração slide 624 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Tópicos abordados Gerenciamento de mudanças Gerenciamento de versões Construção de sistemas

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor

15/09/2015. Gestão e Governança de TI. Modelo de Governança em TI. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor. A entrega de valor Gestão e Governança de TI Modelo de Governança em TI Prof. Marcel Santos Silva PMI (2013), a gestão de portfólio é: uma coleção de projetos e/ou programas e outros trabalhos que são agrupados para facilitar

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português

SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português 1 de 7 28/10/2012 16:47 SIMULADO: Simulado 3 - ITIL Foundation v3-40 Perguntas em Português RESULTADO DO SIMULADO Total de questões: 40 Pontos: 0 Score: 0 % Tempo restante: 55:07 min Resultado: Você precisa

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATA62 - Engenharia de Software I Comparação entre Ferramentas de Gerência de Projeto Salvador 2009.1 MATA62

Leia mais

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4. Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5 Por: Fabio Pozzebon Soares Página 1 de 11 Sistema ProJuris é um conjunto de componentes 100% Web, nativamente integrados, e que possuem interface com vários idiomas,

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

Engenharia de Sistemas de Computador

Engenharia de Sistemas de Computador Engenharia de Sistemas de Computador Sistema é um conjunto ou disposição de elementos que é organizado para executar certo método, procedimento ou controle ao processar informações. Assim, o que é um Sistema????????

Leia mais

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante 1 - Q193183 ( Prova: FCC - 2011 - TRT - 19ª Região (AL) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação / Engenharia de Software / Análise de Requisitos; Engenharia de Requisitos; ) De acordo com Sommerville,

Leia mais

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO

ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO ITIL V3 (aula 2) AGENDA: GERENCIAMENTO DE MUDANÇA GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO GERENCIAMENTO DE CONFIGURAÇÃO Gerência de Mudanças as Objetivos Minimizar o impacto de incidentes relacionados a mudanças sobre

Leia mais

SENAC GO. Gestão da Tecnologia da Informação. Tópicos especiais em administração. Professor Itair Pereira da Silva. Alunos: Eduardo Vaz

SENAC GO. Gestão da Tecnologia da Informação. Tópicos especiais em administração. Professor Itair Pereira da Silva. Alunos: Eduardo Vaz SENAC GO Gestão da Tecnologia da Informação Tópicos especiais em administração Professor Itair Pereira da Silva Alunos: Eduardo Vaz Jalles Gonçalves COBIT COBIT (CONTROL OBJETIVES FOR INFORMATION AND RELATED

Leia mais

Gerenciamento de Problemas

Gerenciamento de Problemas Gerenciamento de Problemas O processo de Gerenciamento de Problemas se concentra em encontrar os erros conhecidos da infra-estrutura de TI. Tudo que é realizado neste processo está voltado a: Encontrar

Leia mais