Entraves às exportações brasileiras limitam o crescimento das vendas ao exterior

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Entraves às exportações brasileiras limitam o crescimento das vendas ao exterior"

Transcrição

1 propostas de política comercial Entraves às exportações brasileiras limitam o crescimento das vendas ao exterior Marcelo Souza Azevedo O Brasil não pode cair na armadilha de acreditar que o mercado consumidor brasileiro é suficiente para garantir a competitividade e capaz de impulsionar, sozinho, o crescimento da indústria nacional. Primeiramente, embora o mercado brasileiro seja um dos dez maiores do mundo, representa apenas 4% da demanda mundial. Mas talvez ainda mais relevante seja o fato que a participação no comércio internacional e nas redes globais de valor induz o aumento da produtividade e a capacidade de inovação da indústria por conta das economias de escala, troca de conhecimento e acesso a mercados consumidores mais maduros e sofisticados. É necessário também destacar que nas últimas décadas a atividade industrial vem passando por transformações significativas: a manufatura está gradativamente deixando de ser uma atividade local e passando a ser global. Empresas e até mesmo países se especializam não na fabricação de bens, mas de etapas do processo produtivo. Essa fragmentação da produção redesenhou o mapa da produção industrial. Países sem um parque industrial estruturado e integrado, mas capazes de produzir a baixo custo e entregar em pouco tempo, têm agora a oportunidade de participar de cadeias globais de valor. Países mais desenvolvidos podem se concentrar em etapas de pesquisa e desenvolvimento de novos produtos. Nesse cenário, como se insere o Brasil? Embora tenha a sétima economia mundial, o Brasil só figura como o 22º colocado no ranking de países exportadores. Marcelo Souza Azevedo é da Gerência-Executiva de Política Econômica da Confederação Nacional da Indústria CNI. 40 RBCE - 119

2 E, ao se analisar somente as manufaturas, a situação é ainda mais desfavorável: ocupamos o 29º lugar. As vendas externas brasileiras representam pouco mais de 1% do total mundial, participação que cai para 0,7% no caso dos manufaturados. Por que esse desempenho? Os resultados da pesquisa Entraves às Exportações Brasileiras, realizada pela Confederação Nacional da Indústria, mostram que as empresas exportadoras brasileiras não enfrentam apenas uma, mas uma série de dificuldades no processo exportador. OITO EM CADA DEZ EMPRESAS EXPORTADORAS ENCONTRAM PROBLEMAS PARA EXPANDIR AS EXPORTAÇÕES 83,6% dos empresários consultados na pesquisa Entraves às Exportações Brasileiras identificaram dificuldades à expansão das vendas externas. A taxa de câmbio (que se encontrava em R$ 2,10/US$ no momento da pesquisa) foi apontada como o principal obstáculo para o crescimento das exportações, assinalado por 46,3% dos empresários que encontram dificuldades. A elevada assinalação desse problema mostra o quão fundamental se torna a superação de todos os outros problemas para o setor exportador. Como a valorização do câmbio reduz a competitividade dos produtos exportados, qualquer redução de custo, seja na produção, seja na logística, seja no processo exportador, torna-se fundamental. Gráfico 1 PRINCIPAIS ENTRAVES À EXPANSÃO DAS EXPORTAÇÕES* (EM %) Taxa de câmbio Burocracia alfandegária / aduaneira Burocracia tributária Greves na movimentação e liberação de cargas Frete internacional Tributos e ressarcimento de créditos tributários Adequação de produtos e processos Barreiras tarifárias ao produto no mercado de destino Operações portuárias e/ou aeroportuárias Acesso ao financiamento das exportações Financiamento da produção Barreiras técnicas ao produto no mercado de destino Transporte interno Serviços de apoio à promoção das exportações Exigências/adequações no canal de comercialização Seguro de crédito Manuseio/embalagem/armazenagem fora do aeropot. Outros BUROCRACIA É UM DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS A SE ENFRENTAR O segundo principal entrave para a expansão das exportações é a burocracia alfandegária e aduaneira, assinalado por 44,4% dos empresários que encontram dificuldade para exportar. Explorando mais o problema da burocracia, a pesquisa revela que 78,9% das empresas afirmaram que algum processo alfandegário/ aduaneiro afeta negativamente as operações de exportação. Esse percentual aumenta de acordo com a participação das exportações no faturamento da empresa, alcançando 88,7% no caso das empresas cujas exportações respondem por mais de 50% do faturamento. O processo alfandegário/ aduaneiro que mais afeta negativamente as exportações é a liberação de cargas 3,6 * Percentual sobre total de empresas que identifi cam difi culdades para a expansão das exportações. 5,4 9,0 8,4 9,7 12,9 12,9 12,0 15,9 18,5 18,4 17,6 20,4 23,0 28,3 27,2 44,4 46,3 (desembaraço aduaneiro), assinalado por 58,9% das empresas afetadas negativamente por processos alfandegários/aduaneiros. O pagamento de honorários e taxas aduaneiras ficou no segundo lugar. O ranking completo encontra-se no Gráfico 2. As empresas são fiscalizadas por, em média, 4,3 órgãos anuentes/ intervenientes/ fiscalizadores durante o processo de exportação. O principal problema das empresas ao lidar com esses órgãos é o número excessivo de documentos exigidos, assinalado por 53,3% das empresas cujas operações de exportação são impactadas negativamente por processos alfandegários/ aduaneiros. O problema é maior, sobretudo, entre as empresas de menor porte, que muitas vezes têm um grupo limitado de profissionais voltados para lidar com essas questões. RBCE

3 Como a valorização do câmbio reduz a competitividade dos produtos exportados, qualquer redução de custo, seja na produção, seja na logística, seja no processo exportador, torna-se fundamental Gráfico 2 PROCESSOS CUJA BUROCRACIA ALFANDEGÁRIA/ADUANEIRA MAIS IMPACTAM NEGATIVAMENTE AS EXPORTAÇÕES (EM %)* Liberação de cargas/desembaraço aduaneiro Pagamento de honorários e taxas aduaneiras Processamento de documentos e parametrização Inspeção aduaneira de mercadoriais 34,7 38,9 38,5 58,9 Inspeção física de mercadorias 27,4 Obtenção de anuencia pelos órgãos competentes 25,6 Obtenção de certificados fitossanitários 13,3 Outros 2,0 * Percentual sobre total de empresas cujas operações de exportação são impactadas negativamente por algum processo alfandegário/aduaneiro. Gráfico 3 IMPACTO NEGATIVO NAS EXPORTAÇÕES DE EMPRESAS FISCALIZADAS (EM %)* Número excessivo de documentos exigidos 53,3 Baixa agilidade na análise/resposta 41,9 Demora na vistoria/inspeção 37,8 Falta de coordenação/comunicação entre os outros órgãos 25,4 Baixa capacidade de atendimento 17,7 Repetição de documentos exigidos entre os outros órgãos 12,8 Dificuldade de agendamento de vistorias/inspeções Horários de atendimento insuficientes Baixa divulgação das normas e exigências Falta de transparência Defasagem tecnológica Necessidade de deslocamentos Prazos inexequíveis para atendimento das exigências Outros 9,2 9,2 9,0 7,7 6,1 4,4 4,1 4,4 * Percentual sobre total de empresas cujas operações de exportação são impactadas negativamente por algum processo alfandegário/aduaneiro. Em seguida, a baixa agilidade na análise resposta, assinalado por 41,9% das empresas e demora na vistoria/inspeção, assinalado por 37,8% das empresas são, respectivamente, o segundo e terceiro procedimentos que mais atrapalham o processo exportador. Esses problemas ganham importância de acordo com o porte das empresas. A baixa agilidade de resposta é o principal problema 42 RBCE - 119

4 para as grandes empresas, assinalado por 60,9% delas. SISTEMA TRIBUTÁRIO REDUZ COMPETITIVIDADE E CRIA BUROCRACIA O sistema tributário prejudica a atividade exportadora de duas formas. Primeiro, com a burocracia tributária, considerada o terceiro principal entrave enfrentado pelas empresas para expandir suas exportações (assinalado por 28,3% das empresas). Em segundo lugar, os tributos em si e os problemas enfrentados pelas empresas quando procuram receber ressarcimento de créditos tributários (entrave assinalado por 20,4% das empresas). Praticamente a totalidade das empresas consultadas (98,1%) afirmam que pelo menos um imposto entre o IPI, ICMS, PIS/ Cofins, INSS e o ISS afetam negativamente a competitividade externa de seus produtos. 39,9% das empresas consultadas na pesquisa afirmam que esse impacto é grande. Mesmo os tributos que possuem mecanismos de ressarcimento afetam a competitividade porque são demorados e ineficientes. Pouco mais de um terço das empresas exportadoras consultadas (34,3%) possuem créditos tributários de PIS/COFINS, IPI e/ou ICMS acumulados e não ressarcidos por um período superior a três meses. O percentual é crescente de acordo com o porte e, principalmente, com a participação das exportações na receita da empresa. Para as empresas predominantemente exportadoras (acima de 50% do faturamento representado por exportação) são 58,8% (PIS/Cofins), 43,3% (IPI) e 54,6% (ICMS). A maioria das empresas com créditos acumulados conhece Gráfico 4 DIFICULDADES ENFRENTADAS NOS MECANISMOS DE RESSARCIMENTO - PIS/COFINS E IPI (EM %) Demora no ressarcimento dos créditos em espécie Demora na homologação dos pedidos de compensação Impossibilidade da transferência dos créditos para terceiroso Dificuldades na apuração (no cálculo) do crédito a ser ressarcido Não recebimento do ressarcimento dos créditos em espécie Impossibilidade da transferência dos créditos para empresas do mesmo grupo Outras Percentual sobre total de empresas com créditos acumulados e não ressarcidos por mais de três meses, que conhecem os mecanismos e enfrentam difi culdades para utilizá-los. Gráfico 5 DIFICULDADES ENFRENTADAS NOS MECANISMOS DE RESSARCIMENTO - ICMS (EM %) Dificuldades para transferência dos créditos para terceiros Não recebimento do ressarcimento dos créditos em espécie Demora no ressarcimento dos créditos em espécie Dificuldades para transferência dos créditos para outra empresa do mesmo grupo Outras Percentual sobre total de empresas com créditos acumulados e não ressarcidos por mais de três meses, que conhecem os mecanismos e enfrentam difi culdades para utilizá-los. os mecanismos de ressarcimento (88,3% conhecem o mecanismo de PIS/Cofins e IPI, 89,8% conhecem o mecanismo do ICMS). Contudo, uma minoria das empresas que conhece o mecanismo não encontra dificuldades no seu uso: apenas 13,0% das empresas que conhecem o mecanismo e têm créditos acumulados no caso do PIS/Cofins e IPI e 16,4% no caso do ICMS. 4,1 8,2 13,3 14,3 22,7 21,6 25,8 44,9 42,9 49,5 47,4 63,3 Essas dificuldades que as empresas vêm enfrentando nos mecanismos de ressarcimento geram longos períodos de espera às vezes infrutíferos para o recebimento de créditos. Um terço das empresas leva mais de um ano para reaver seus créditos, enquanto mais de um quarto das empresas nunca recebeu os créditos solicitados. RBCE

5 Investimentos na melhoria da infraestrutura portuária, portanto, trariam o maior benefício para a indústria, mesmo considerando as empresas que hoje não utilizam esse modal Gráfico 6 TEMPO MÉDIO PARA USUFRUIR DE CRÉDITOS APÓS SOLICITAÇÃO DE RESSARCIMENTO - PIS/COFINS E IPI* 21,6 10,5 10,5 25,7 8,2 7,0 Nunca recebi Até 2 meses De dois a seis meses De seis a 12 meses 6 De 12 a 24 meses 7 Mais de 24 meses 16,4 * Percentual sobre total de empresas com créditos acumulados e não ressarcidos por mais de três meses. Gráfico 7 TEMPO MÉDIO PARA USUFRUIR DE CRÉDITOS APÓS SOLICITAÇÃO DE RESSARCIMENTO - ICMS* 16,1 14,2 14,2 25,2 8,4 6,5 Nunca recebi Até 2 meses De dois a seis meses De seis a 12 meses 6 De 12 a 24 meses 7 Mais de 24 meses 15,5 * Percentual sobre total de empresas com créditos acumulados e não ressarcidos por mais de três meses. GANHOS COM INVESTIMENTOS NA INFRAESTRUTURA SERIAM SIGNIFICATIVOS Outro problema com o qual as empresas exportadoras precisam lidar é a infraestrutura. As condições atuais da infraestrutura brasileira, de forma geral, mais atrapalham do que ajudam as empresas exportadoras. Foram investigadas cinco modalidades de infraestrutura ligadas ao transporte de mercadorias (portos, rodovias, aeroportos, ferrovias e hidrovias), além de energia elétrica e telecomunicações. Das modalidades de infraestrutura ligadas ao transporte, também há resultados considerando somente as respostas das empresas que utilizam a modalidade, seja no transporte interno de suas mercadorias, seja no externo. Os resultados seguem nas Tabelas 1 e 2. Apenas em telecomunicações, o percentual de empresas que afirma que as condições da infraestrutura ajudam a exportar supera a proporção 44 RBCE - 119

6 Tabela 1 IMPACTO DAS CONDIÇÕES ATUAIS DE INFRAESTRUTURA (%) Condições atuais Atrapalha Nem atrapalha, nem ajuda Ajuda Portos 46,2 25,0 17,8 11,0 Rodovias 45,5 30,2 17,4 6,9 Energia elétrica 28,2 41,3 13,6 16,9 Aeroportos 25,5 40,4 17,2 16,9 Ferrovias 22,5 55,2 1,9 20,3 Hidrovias 13,5 60,1 1,7 24,7 Telecomunicações 13,0 40,1 26,8 20,2 Tabela 2 IMPACTO DAS CONDIÇÕES ATUAIS DE INFRAESTRUTURA - SOMENTE EMPRESAS QUE UTILIZAM MODALIDADE ESPECÍFICA DE INFRAESTRUTURA NO TRANSPORTE INTERNO E/OU EXTERNO (EM %) Condições atuais Atrapalha Nem atrapalha, nem ajuda Ajuda Ferrovias 66,7 19,0 4,8 9,5 Portos 58,2 15,5 22,1 4,2 Rodovias 46,7 30,3 17,5 5,5 Aeroportos 32,5 30,1 32,5 4,8 Hidrovias 20,0 70,0 0,0 10,0 Tabela 3 EFEITOS DE MELHORIA DA INFRAESTRUTURA NA COMPETITIVIDADE Aumento da competitividade com melhorias nas: Média (0-10) Todas empresas Ran- -king Somente empresas que utilizam a modalidade específica Média (0-10) Ranking Portos 6,60 1 7,63 1 Rodovias 5,92 2 5,98 4 Energia elétrica 5, Aeroportos 5,03 4 6,75 3 Telecomunicações 4, Ferrovias 3,64 6 7,14 2 Hidrovias 1,85 7 2,57 5 que afirmou que atrapalham. No caso de aeroportos, entre as empresas que utilizam o modal, o percentual que afirmou que as condições da infraestrutura atrapalham é igual a que afirma que atrapalham. Em todas as outras modalidades de infraestrutura destacando as ferrovias o percentual de empresas que afirma que as condições da infraestrutura atrapalham supera o percentual que afirma que as condições ajudam. A pesquisa também mostra o impacto positivo que uma melhoria nas modalidades de infraestrutura exerceria sobre a competitividade das exportações da indústria. As empresas foram instadas a indicar a intensidade do impacto sobre a competitividade de suas exportações de uma melhoria em cada uma das diferentes modalidades pesquisadas. Foram atribuídas notas de 0, 2, 4, 6, 8 ou 10, onde zero significa que o impacto seria nulo, dois significa que o impacto seria muito pequeno e dez significa que o impacto seria muito grande. A Tabela 3 mostra as notas médias (ponderadas pelas frequências relativas de respostas), tanto do total da indústria quanto das empresas que utilizam a infraestrutura para o escoamento dos produtos (novamente, energia elétrica e telecomunicações ficam fora dessa segunda análise). Investimentos na melhoria da infraestrutura portuária, portanto, trariam o maior benefício para a indústria, mesmo considerando as empresas que hoje não utilizam esse modal. Os portos receberam uma nota média elevada (6,6 pontos), nota que se eleva para 7,6 pontos quando considerados somente as empresas que utilizam os portos no transporte de suas mercadorias. A nota atribuída às ferrovias (7,14 ao se considerar as empresas que utilizam o modal) também merece destaque. RBCE

7 MAIS DA METADE DAS EMPRESAS QUE UTILIZAM PORTOS NO ESCOAMENTO DE SUAS EXPORTAÇÕES ENFRENTAM PROBLEMAS NAS OPERAÇÕES PORTUÁRIAS Dada a importância dos portos como forma de saída dos produtos do território brasileiro (46% das empresas e 82,7% do valor exportado), os problemas nas operações portuárias têm grande impacto nas exportações. Uma em cada oito empresas que utilizam portos para o transporte interno e/ou externo de seus produtos encontram problemas significativos nos portos. Os problemas são vários: seis diferentes problemas foram apontados por pelo menos um quinto dos respondentes, como se pode ver no Gráfico 8. A principal dificuldade são as greves dos trabalhadores envolvidos no processo de movimentação e liberação de cargas, assinalada por 56,5% das empresas que utilizam portos e encontram entraves. A burocracia dos órgãos intervenientes na liberação da carga é a segunda principal dificuldade, assinalada por 52,7% das empresas. Em seguida, a falta de navios/espaço em navio (32,3%). Outros três problemas foram assinalados por mais de 20% das empresas: infraestrutura de acesso ao complexo portuário, a capatazia (THC) e a armazenagem de cargas no porto. É PRECISO NÃO SÓ ENFRENTAR CUSTOS, MAS IMPEDIR O DESPERDÍCIO DE TEMPO A pesquisa mostra que existe muito para ser feito para se eliminar os entraves à exportação. Os resultados explicitam que as empresas exportadoras não estão preocupadas somente com Gráfico 8 PRINCIPAIS DIFICULDADES QUE AFETAM AS EXPORTAÇÕES NAS OPERAÇÕES PORTUÁRIAS* (EM %) Greves de trabalhadores envolvidos no processo de movimentação e liberação de cargas Burocracia de órgãos públicos intervenientes na liberação da carga Falta de navios / espaço em navios Infraestrutura de acesso ao complexo portuário Capatazia/ THC Armazenagem de cargas no porto Estadia do navio / operação portuária Tempo de movimentação da carga no porto Custo de mão de obra Mão-de-obra avulsa Roubo/furto de carga no porto Outra Percentual sobre total de empresas que utilizam portos para escoar a produção (transporte interno e/ou externo) e encontram problemas signifi cativos nos portos. 1,2 0,4 0,8 11,2 13,5 18,1 23,8 26,9 29,2 32,3 52,7 56,5 os impactos dos entraves nos custos das empresas. Há uma preocupação também com a influência desses entraves sobre o tempo. Esse é o fator a ser solucionado para o País buscar maior inserção em cadeias globais de produção. O compromisso com a entrega, não só com preços competitivos, mas com a garantia de pontualidade em prazos curtos, sem imprevistos, é fundamental. Melhorar a infraestrutura e atacar a burocracia significa eliminar os principais entraves à expansão das exportações e reduzir o tempo desperdiçado no processo exportador. É preciso buscar um equilíbrio entre as necessidades de controle de entrada e saída de mercadorias e as necessidades de agilidade pelas empresas. Para tal é necessário promover a melhor interação entre os órgãos fiscalizadores, com vistas a simplificar e racionalizar os procedimentos aduaneiros. Há um excesso de documentos e uma baixa agilidade na análise de toda a documentação. A redução no número de documentos permite aos órgãos fiscalizadores otimizar o uso de recursos para casos realmente relevantes. É também preciso buscar incessantemente a desburocratização tributária. Não é apenas uma questão de se buscar a desoneração da exportação. Também é necessário promover uma melhoria dos mecanismos de ressarcimento, atualmente demorados e ineficientes. Em um mundo cada vez mais competitivo não há espaço para custos desnecessários, burocracia excessiva ou insegurança jurídica. 46 RBCE - 119

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades Pesquisa Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008 Entraves e Prioridades Renato Fonseca Brasília, 1 de outubro de 2008 Apresentação 1. Amostra 2. Entraves à expansão das exportações 3. Tributação

Leia mais

pesquisa os problemas da empresa exportadora brasileira Brasília, 2008

pesquisa os problemas da empresa exportadora brasileira Brasília, 2008 pesquisa os problemas da empresa exportadora brasileira 2008 Brasília, 2008 pesquisa os problemas da empresa exportadora brasileira 2008 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI PRESIDENTE ARMANDO DE QUEIROZ

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014 Logística, Supply Chain e Infraestrutura Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura Autores Paulo Tarso Vilela de Resende Paulo Renato de Sousa Bolsistas Fapemig

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Ano 2 Número 1 agosto de www.cni.org.br burocracia e a indústria brasileira Burocracia eleva custos e atrasa a entrega de obras e serviços 85% das empresas consideram

Leia mais

Carga Tributária e seus Efeitos na Economia

Carga Tributária e seus Efeitos na Economia Carga Tributária e seus Efeitos na Economia Jorge Lins Freire Presidente da Federação das Indústrias do Estado da Bahia Congresso do Conselho de Contribuintes do Ministério da Fazenda Brasília, 14 de setembro

Leia mais

60 especial. sondagem

60 especial. sondagem Indicadores CNI sondagem especial Uso de Tecnologia na Indústria da Construção 80% das empresas da construção investirão em nos próximos cinco anos Custos de aquisição são o principal obstáculo à inovação

Leia mais

2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística

2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística 2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística O Grande Desafio do Supply Chain e da Logística: o limite da Infraestrutura Brasileira 23 e 24 DE MARÇO HILTON MORUMBI SÃO PAULO, Brasil WTG-World Trade

Leia mais

81% das empresas utilizam capital próprio como. 48% das empresas não perceberam redução nos. 68% das empresas afirmaram que os prazos dos

81% das empresas utilizam capital próprio como. 48% das empresas não perceberam redução nos. 68% das empresas afirmaram que os prazos dos 81% das empresas utilizam capital próprio como principal fonte de financiamento. 48% das empresas não perceberam redução nos juros. 68% das empresas afirmaram que os prazos dos empréstimos não se alteraram.

Leia mais

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso Secretário-Executivo do Conselho de Infraestrutura da Confederação Nacional da Indústria CNI Brasília, 4 de maio de 2011 1 Qualidade

Leia mais

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim.

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 3º trimestre/2014 das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% das indústrias gaúchas avaliam que o número de tributos

Leia mais

O DESAFIO BRASILEIRO

O DESAFIO BRASILEIRO O DESAFIO BRASILEIRO 1 Principais desafios do comércio mundial para o Brasil O comércio global brasileiro por meio de contêineres principal motor para a globalização do país está crescendo cerca de 4%

Leia mais

OBSTÁCULOS TRIBUTÁRIOS AO CRESCIMENTO

OBSTÁCULOS TRIBUTÁRIOS AO CRESCIMENTO OBSTÁCULOS TRIBUTÁRIOS AO CRESCIMENTO TRIBUTAÇÃO, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E CIDADANIA EDUCAÇÃO FISCAL NO CONTEXTO SOCIAL RAZÕES DA CARGA TRIBUTÁRIA. DESENVOLVIMENTO E CONTROLE SOCIAL DO GASTO PÚBLICO

Leia mais

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS I NOVAS SOLUÇÕES DE CONSULTAS.... 2 A) RECEITA DE VENDA DE MERCADORIAS DESTINADAS AO CONSUMO OU À INDUSTRIALIZAÇÃO NA ZONA FRANCA DE MANAUS, INCLUSIVE DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS,

Leia mais

A A Mineração e o Novo Cenário Socioeconômico Painel 3: A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais José de Freitas Mascarenhas Vice-Presidente e Presidente do Coinfra (CNI) Belo

Leia mais

José de F. Mascarenhas Presidente do Conselho de Infraestrutura da CNI

José de F. Mascarenhas Presidente do Conselho de Infraestrutura da CNI José de F. Mascarenhas Presidente do Conselho de Infraestrutura da CNI Os nós da infraestrutura OS CENÁRIOS CONSIDERADOS Patinando na infraestrutura deficitária Atingindo a velocidade de cruzeiro Para

Leia mais

Eficiência Tributária

Eficiência Tributária Eficiência Tributária Cenário Tributário Brasileiro Características negativas: Tributação excessiva Multiplicidade de tributos e de Obrigações Acessórias Tributação em cascata (tributo incide sobre outros

Leia mais

Reforma Tributária ria e Política de Desenvolvimento Regional Cuiabá,, Agosto 2007 Reuniões com Governadores Natureza das reuniões anteriores: Governadores de diferentes regiões do país e dirigentes das

Leia mais

PLANEJAMENTO E PROJETO: AS FERRAMENTAS ESSENCIAIS PARA CONSTRUIR UM BRASIL MELHOR

PLANEJAMENTO E PROJETO: AS FERRAMENTAS ESSENCIAIS PARA CONSTRUIR UM BRASIL MELHOR PLANEJAMENTO E PROJETO: AS FERRAMENTAS ESSENCIAIS PARA CONSTRUIR UM BRASIL MELHOR Contribuições da Arquitetura e da Engenharia de Projetos para os candidatos ao Governo Federal Agosto de 2010 O Brasil

Leia mais

Impacto do Custo Brasil na competitividade sistêmica e FEVEREIRO DE 2010

Impacto do Custo Brasil na competitividade sistêmica e FEVEREIRO DE 2010 Grupo II Impacto do Custo Brasil na competitividade sistêmica e setorial da indústria brasileira de bens de capital FEVEREIRO DE 2010 1 Objetivo O presente trabalho se propõe a mensurar o Custo Brasil,

Leia mais

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR)

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) Pontos Lei Geral Como é hoje 1 Alcance da Lei A lei do Simples está voltada para os tributos federais. Os sistemas de tributação

Leia mais

Medidas de Incentivo à Competitividade. Min. Guido Mantega 05 de Maio de 2010

Medidas de Incentivo à Competitividade. Min. Guido Mantega 05 de Maio de 2010 Medidas de Incentivo à Competitividade Min. Guido Mantega 05 de Maio de 2010 Devolução mais rápida de créditos tributários federais por exportações Devolução de 50% dos créditos de PIS/Pasep, Cofinse IPI

Leia mais

AÇÕES INSTITUCIONAIS NO SETOR SUCROENERGÉTICO

AÇÕES INSTITUCIONAIS NO SETOR SUCROENERGÉTICO AÇÕES INSTITUCIONAIS NO SETOR SUCROENERGÉTICO Elizabeth Farina Diretora Presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar Araçatuba, 13 de dezembro de 2013 130 associados; 60% da cana-de-açúcar, etanol

Leia mais

Apresentação Comissão de Assuntos Econômicos CAE/ Senado Federal. Foco Educação

Apresentação Comissão de Assuntos Econômicos CAE/ Senado Federal. Foco Educação Apresentação Comissão de Assuntos Econômicos CAE/ Senado Federal Foco Educação Brasília, 18 de junho de 2013 Uma visão de futuro: Mapa Estratégico da Indústria COMPETITIVIDADE COM SUSTENTABILIDADE AMBIENTE

Leia mais

Importação I. Prof. Richard Allen de Alvarenga. Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo Comércio Exterior Prof. Me. Richard Allen de Alvarenga.

Importação I. Prof. Richard Allen de Alvarenga. Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo Comércio Exterior Prof. Me. Richard Allen de Alvarenga. Importação I Prof. Richard Allen de Alvarenga Histórico Destaque no início dos anos 1990 (Era Collor) Normas específicas de controle da inflação; Criação de instrumentos de importação; Abastecimento e

Leia mais

Resumo do Estudo da Oxford Economics sobre o Impacto Econômico do projeto Hub Nordeste Brasil, encomendado pelo Grupo LATAM

Resumo do Estudo da Oxford Economics sobre o Impacto Econômico do projeto Hub Nordeste Brasil, encomendado pelo Grupo LATAM Resumo do Estudo da Oxford Economics sobre o Impacto Econômico do projeto Hub Nordeste Brasil, encomendado pelo Grupo LATAM Data da divulgação do estudo 17/09/2015 CONTEXTO A consultoria Oxford Economics,

Leia mais

DRAWBACK IMPORTAÇÃO APRESENTAÇÃO BRACELPA

DRAWBACK IMPORTAÇÃO APRESENTAÇÃO BRACELPA DRAWBACK IMPORTAÇÃO APRESENTAÇÃO BRACELPA 21 DE OUTUBRO DE 2009 Por Evandro Ap. Moreira DRAWBACK IMPORTAÇÃO O QUE É? O regime aduaneiro especial de drawback, instituído em 1966 pelo Decreto Lei nº 37,

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

Estratégia de política econômica para recuperação do crescimento. Nelson Barbosa Ministro do Planejamento Março de 2015

Estratégia de política econômica para recuperação do crescimento. Nelson Barbosa Ministro do Planejamento Março de 2015 Estratégia de política econômica para recuperação do crescimento Nelson Barbosa Ministro do Planejamento Março de 2015 1 Reequilíbrio macro e crescimento O crescimento sustentado depende do aumento do

Leia mais

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 3 Número 01 dezembro de 2011 www.cni.org.br Investimentos realizados em 2011 Indústria investe cada vez mais com o objetivo

Leia mais

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DA INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA BRASILEIRA

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DA INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA BRASILEIRA DESAFIOS E PERSPECTIVAS DA INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA BRASILEIRA Fernando S. Marcato 23.03.2015 Três pontos principais... Gargalos da infraestrutura constituem um dos maiores entraves ao crescimento sustentado

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre o responsável pela proposta. Nome : Identidade: Órgão Emissor: CPF: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone: FAX: E-mail Formação Profissional: Atribuições

Leia mais

Faculdade Morumbi Sul Alexandra Lisboa Samanta Rocha Neriane Bianchi Édipo Chaves Leandro Silva Rafael Carvalho Francis Bitaraes

Faculdade Morumbi Sul Alexandra Lisboa Samanta Rocha Neriane Bianchi Édipo Chaves Leandro Silva Rafael Carvalho Francis Bitaraes Faculdade Morumbi Sul Alexandra Lisboa Samanta Rocha Neriane Bianchi Édipo Chaves Leandro Silva Rafael Carvalho Francis Bitaraes DRAWBACK O que é? Objetivos. NORMAS Disciplina as aquisições de matérias-primas,

Leia mais

63 ESPECIAL SONDAGEM

63 ESPECIAL SONDAGEM Indicadores CNI SONDAGEM 63 ESPECIAL Tributação Indústria reprova sistema tributário brasileiro Número elevado de tributos, complexidade e instabilidade de regras lideram as avaliações negativas A tributação

Leia mais

2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística

2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística 2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística O Grande Desafio do Supply Chain e da Logística: o limite da Infraestrutura Brasileira 23 E 24 DE MARÇO HILTON MORUMBI SÃO PAULO, Brasil WTG-World Trade

Leia mais

Sistema Público de Escrituração Digital

Sistema Público de Escrituração Digital INTRODUÇÃO PIS/PASEP E COFINS SISTEMÁTICA DA NÃO-CUMULATIVIDADE AS DIFICULDADES Não é um regime pleno de não-cumulatividade, como o IPI e o ICMS. O legislador preferiu listar as operações geradoras de

Leia mais

Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor. Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail.

Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor. Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail. Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail.com Algumas Questões Estamos no caminho correto do desenvolvimento

Leia mais

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento A Reforma Tributária e o Desenvolvimento Por que a Reforma Tributária é Fundamental? Acelera o crescimento econômico Torna o crescimento mais sustentável É a reforma econômica mais importante Reforma Tributária

Leia mais

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa):

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Pesquisa Industrial Anual Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Aluguéis e arrendamentos Despesas com

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indicadores CNI SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indústria da construção aprofunda deterioração A indústria da construção continua a se deteriorar. O índice de nível de atividade e o número de empregados

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Ampliação e aperfeiçoamento dos mecanismos de desoneração tributária dos sistemas de logística reversa e estudo de impacto econômico da desoneração Estudo preparado para

Leia mais

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Denise Deckers do Amaral 1 - Economista - Assessora Técnica - Empresa de Planejamento e Logística - EPL, Vice Presidente da Associação

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Problemas e prioridades para 2016 28 Corrupção é o principal problema do país Saúde continua sendo a prioridade para as ações do governo A corrupção e a

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria Importância da formação do preço. A intensificação da concorrência entre as marcenarias, indústria de móveis em série e lojas de móveis modulares exige, por parte dos Marceneiros, a apuração eficaz das

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO José Roberto Santana Alexandre Ripamonti Resumo: Com a globalização da economia, as empresas, enfrentam

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 40 Discurso na solenidade de sanção

Leia mais

Segregação de Receitas: Substituição Tributária, Tributação Monofásica

Segregação de Receitas: Substituição Tributária, Tributação Monofásica Anexo I Comércio A partir de 01.01.2015 TABELAS DO SIMPLES NACIONAL VIGENTES A PARTIR DE 01.01.2015 RESOLUÇÃO CGSN 94 DE 29.11.2011 (Art. 25 A e Anexo I) Art. 25 A. O valor devido mensalmente pela ME ou

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Ano 2 Número 3 novembro de 2012 www.cni.org.br DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS Maioria das empresas apoia a extensão da medida ao setor 68% das empresas veem

Leia mais

POSITIVO INFORMÁTICA RESULTADOS 2T15. 17 de agosto de 2015

POSITIVO INFORMÁTICA RESULTADOS 2T15. 17 de agosto de 2015 POSITIVO INFORMÁTICA RESULTADOS 2T15 17 de agosto de 2015 Seção I Destaques & Conjuntura Positivo Informática registra crescimento de 3,1% na receita líquida no varejo no 2T15 Mesmo em um trimestre de

Leia mais

100% das empresas tem sua competitividade. 93% das empresas identificam o excesso de. 64% das empresas apontam o aumento no custo do

100% das empresas tem sua competitividade. 93% das empresas identificam o excesso de. 64% das empresas apontam o aumento no custo do 100% das empresas tem sua competitividade afetada pela burocracia. 93% das empresas identificam o excesso de obrigações legais como o principal problema. 64% das empresas apontam o aumento no custo do

Leia mais

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas A valorização do real e as negociações coletivas As negociações coletivas em empresas ou setores fortemente vinculados ao mercado

Leia mais

Transformando Crise em Oportunidade

Transformando Crise em Oportunidade ESTUDOS E PESQUISAS Nº 478 Transformando Crise em Oportunidade Otávio M. Azevedo * XXV Fórum Nacional (Jubileu de Prata 1988/2013) O Brasil de Amanhã. Transformar Crise em Oportunidade. Rio de Janeiro,

Leia mais

Contabilidade Básica do Terceiro Setor. Benildo Rocha Costa

Contabilidade Básica do Terceiro Setor. Benildo Rocha Costa Contabilidade Básica do Terceiro Setor Benildo Rocha Costa O que é o terceiro setor? Terceiro Setor é um termo usado para fazer referência ao conjunto de sociedades privadas ou associações que atuam no

Leia mais

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento A Reforma Tributária e o Desenvolvimento Ministro da Fazenda Guido Mantega 27 de fevereiro de 2008 1 Por que a Reforma Tributária é Fundamental? Acelera o crescimento econômico Torna o crescimento mais

Leia mais

PESQUISA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Minas Gerais. Ano 6. Nº 1. Março 2016

PESQUISA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Minas Gerais. Ano 6. Nº 1. Março 2016 PESQUISA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Minas Gerais Ano 6. Nº 1. Março 2016 Recessão econômica impacta os investimentos O ano de 2015 foi marcado por incertezas econômicas e crise política que contribuíram

Leia mais

Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA

Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA 3 º Encontro Empresarial Brasil-UE Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA Estocolmo, 6 de outubro de 2009 A Confederação de Empresas Suecas (SN), O BUSINESSEUROPE e a Confederação

Leia mais

Ministério da Fazenda. Reforma Tributária. Seminário Internacional sobre o Projeto de Reforma Tributária. Brasília Março de 2009

Ministério da Fazenda. Reforma Tributária. Seminário Internacional sobre o Projeto de Reforma Tributária. Brasília Março de 2009 Reforma Tributária Seminário Internacional sobre o Projeto de Reforma Tributária Brasília Março de 2009 1 O PROJETO DE REFORMA TRIBUTÁRIA RIA 2 Objetivos da Reforma Tributária ria A proposta de Reforma

Leia mais

Carteira de projetos prioritários para 2014. Propostas a serem entregues aos presidenciáveis. Mapa Estratégico DA INDÚSTRIA 2013-2022

Carteira de projetos prioritários para 2014. Propostas a serem entregues aos presidenciáveis. Mapa Estratégico DA INDÚSTRIA 2013-2022 Carteira de projetos prioritários para 2014 Propostas a serem entregues aos presidenciáveis Mapa Estratégico da Indústria 2013-2022 OBS: AJUSTAR TAMANHO DA LOMBADA COM O CÁLCULO FINAL DO MIOLO. Mapa Estratégico

Leia mais

A agenda que está na mesa: A agenda do ICMS e do PIS-Cofins

A agenda que está na mesa: A agenda do ICMS e do PIS-Cofins A agenda que está na mesa: A agenda do ICMS e do PIS-Cofins Fórum Estadão Brasil Competitivo Bernard Appy outubro de 2012 Relevância da agenda PIS e Cofins ICMS Relevância da agenda PIS e Cofins ICMS Relevância

Leia mais

Departamento da Indústria da Construção Deconcic

Departamento da Indústria da Construção Deconcic Responsabilidade com o Investimento Planejamento de obras com previsibilidade Manuel Carlos de Lima Rossitto 23 de outubro de 2015 Departamento da Indústria da Construção Deconcic O Deconcic reúne mais

Leia mais

A influência da Tecnologia da Informação e Telecomunicação na Contabilidade - A Era do Contador Digital

A influência da Tecnologia da Informação e Telecomunicação na Contabilidade - A Era do Contador Digital A influência da Tecnologia da Informação e Telecomunicação na Contabilidade - A Era do Contador Digital Núcleo Interdisciplinar de Estudos Independentes Brayan Christian B. de Oliveira Abril 2012 Introdução

Leia mais

Relatório de Pesquisa. Março 2013

Relatório de Pesquisa. Março 2013 Relatório de Pesquisa SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Março 2013 SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Pesquisa realizada pela CNDL e SPC Brasil. Foram ouvidos em todo o país 615 varejistas.

Leia mais

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO PLANO DE CONTAS O plano de Contas normalmente é composto de cinco grupos. ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

Leia mais

REVISTA CONTEÚDO COMÉRCIO INTERNACIONAL: UM ESTUDO DAS PRINCIPAIS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELAS EMPRESAS BRASILEIRAS NO COMÉRCIO EXTERIOR 1

REVISTA CONTEÚDO COMÉRCIO INTERNACIONAL: UM ESTUDO DAS PRINCIPAIS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELAS EMPRESAS BRASILEIRAS NO COMÉRCIO EXTERIOR 1 COMÉRCIO INTERNACIONAL: UM ESTUDO DAS PRINCIPAIS DIFICULDADES ENCONTRADAS PELAS EMPRESAS BRASILEIRAS NO COMÉRCIO EXTERIOR 1 Leibi Roque 2 RESUMO O presente artigo tem como propósito identificar os principais

Leia mais

GT3: Visão do setor de iluminação sobre a necessidade de incentivos Econômico e Financeiros para a implantação e gestão da PNRS.

GT3: Visão do setor de iluminação sobre a necessidade de incentivos Econômico e Financeiros para a implantação e gestão da PNRS. Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica para logística reversa de lâmpadas mercuriais GT3: Visão do setor de iluminação sobre a necessidade de incentivos Econômico e Financeiros para a implantação e

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES DO BRASIL

TELECOMUNICAÇÕES DO BRASIL TELECOMUNICAÇÕES DO BRASIL EVENTO MOBILIZAÇÃO EMPRESARIAL: PIS COFINS SIMPLIFICAÇÃO OU AUMENTO? EDUARDO LEVY CURITIBA, 23 DE NOVEMBRO DE 2015 Números do Setor de Telecomunicações 275 milhões de celulares

Leia mais

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL Uma análise do período 2000 2011 Abril de 2012 A competitividade da ind. de transformação e de BK A evolução do período 2000 2011, do:

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

O ideal ainda é a alma de todas as realizações. Getúlio Vargas

O ideal ainda é a alma de todas as realizações. Getúlio Vargas O ideal ainda é a alma de todas as realizações Getúlio Vargas PLANO DIRETOR DE TURISMO ESTUDO DE VIABILIDADE DE HOTÉIS CENTRO DE EXCELÊNCIA DE MODALIDADE OLIMPICA PLANO DE MOBILIDADE & ACESSIBILIDADE ABIH-SP

Leia mais

Não Incidência das Contribuições Sociais

Não Incidência das Contribuições Sociais Exportação Não Incidência das Contribuições Sociais O PIS/Pasep e a COFINS não incidirão sobre as receitas decorrentes das operações de: Exportação de mercadorias para o exterior; Prestação de serviços

Leia mais

COMERCIO EXTERIOR. Visão Macro da Exportação

COMERCIO EXTERIOR. Visão Macro da Exportação Visão Macro da Exportação COMÉRCIO INTERNACIONAL É o intercâmbio de bens e serviços entre países Tem como finalidade satisfazer necessidades, circular e distribuir as riquezas entre os países COMÉRCIO

Leia mais

WHITEPAPER EXPORTE MAIS COM A AJUDA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

WHITEPAPER EXPORTE MAIS COM A AJUDA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO WHITEPAPER EXPORTE MAIS COM A AJUDA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ONDE HÁ CRISE HÁ OPORTUNIDADES ATUALMENTE EMPRESAS PASSAM POR DIFICULDADES EM GARANTIR O CRESCIMENTO QUANDO VOLTADO SOMENTE AO MERCADO INTERNO.

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato de máquinas têxteis; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O setor representado pela ABIMAQ gera mais

Leia mais

Cartilha Básica Sobre Tributação e Aplicação em Drogarias

Cartilha Básica Sobre Tributação e Aplicação em Drogarias BIG AUTOMAÇÃO Cartilha Básica Sobre Tributação e Aplicação em Drogarias Sumário Índice de Figuras... 3 Histórico de Revisões... 4 Introdução... 5 Imposto... 5 Taxa... 5 Contribuição... 5 Tributos... 5

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA FLORICULTURA BRASILEIRA

CARACTERIZAÇÃO DA FLORICULTURA BRASILEIRA Hoje a floricultura é um dos principais segmentos do agronegócio no Brasil. A qualidade das flores, a crescente competitividade e o crescimento do segmento são percebidos quando observa-se que muitos estados

Leia mais

Automotive Logistics 2014. Making the Connections. Gustavo Bonini Coordenador da Comissão de Logística ANFAVEA

Automotive Logistics 2014. Making the Connections. Gustavo Bonini Coordenador da Comissão de Logística ANFAVEA Automotive Logistics 2014 Making the Connections Gustavo Bonini Coordenador da Comissão de Logística ANFAVEA Novembro/ 2014 Mapa da Indústria Catalão / Anápolis - GO Manaus - AM Horizonte - CE (Ford) Goiana

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

Agenda. Cenário atual enfrentado pelo exportador. O programa do próximo governo. Política comercial: agenda pendente.

Agenda. Cenário atual enfrentado pelo exportador. O programa do próximo governo. Política comercial: agenda pendente. Agenda Cenário atual enfrentado pelo exportador O programa do próximo governo Política comercial: agenda pendente Parte da resposta Cenário Atual Problemas internos Entraves operacionais Infraestrutura

Leia mais

Im portação Fo x 1/23

Im portação Fo x 1/23 Importação Fox 1/23 Índice 1.INTRODUÇÃO... 3 1.1. Quais os tributos que incidem sobre a importação de produtos e serviços no Brasil?... 3 2.CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS... 5 2.1. 2.2. 2.3. 2.4. 2.5. 2.6.

Leia mais

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo:

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo: PROVA BACHAREL PRIMEIRO EXAME DE SUFICIÊNCIA 2014. TESE PARA RECURSOS Questão 1 De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito

Leia mais

Informações e orientações para organização do processo decisório

Informações e orientações para organização do processo decisório Informações e orientações para organização do processo decisório Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, Dr. Eng. Prod (Dep. Economia) WILHELM@FURB.BR Prof. Maurício C. Lopes, Msc. Eng. Prod. (Dep. Computação) MCLOPES@FURB.BR

Leia mais

3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas

3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas 3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas, 2004. SILVA, Luiz Augusto

Leia mais

Bernard Appy LCA Consultores. TRIBUTOS E ENCARGOS SOBRE A ELETRICIDADE: Impactos sobre a Eficiência Econômica

Bernard Appy LCA Consultores. TRIBUTOS E ENCARGOS SOBRE A ELETRICIDADE: Impactos sobre a Eficiência Econômica Bernard Appy LCA Consultores TRIBUTOS E ENCARGOS SOBRE A ELETRICIDADE: Impactos sobre a Eficiência Econômica Roteiro EFEITOS DO MODELO DE TRIBUTAÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL A estrutura tributária

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS SENADO FEDERAL AUDIÊNCIA MEDIDA PROVISÓRIA 595 MARÇO 2013 Enfrentamento dos gargálos logísticos Programa rodoviário Programa

Leia mais

Tema 12. Competitividade empresarial

Tema 12. Competitividade empresarial Tema 12. Competitividade empresarial Competitividade é um conceito amplo que integra três dimensões: - a empresarial, cujo foco principal está na gestão; - a estrutural, que enfatiza as cadeias e os arranjos

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016 A Sondagem industrial, realizada junto a 154 indústrias catarinenses no mês de dezembro, mostrou

Leia mais

ESTUDO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SETOR DE CABOTAGEM NO BRASIL. WORKSHOP Nº2: Revisão do diagnóstico e dos incentivos à Cabotagem

ESTUDO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SETOR DE CABOTAGEM NO BRASIL. WORKSHOP Nº2: Revisão do diagnóstico e dos incentivos à Cabotagem ESTUDO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SETOR DE CABOTAGEM NO BRASIL WORKSHOP Nº2: Revisão do diagnóstico e dos incentivos à Cabotagem Brasília, 11 Junho 2015 Índice A. Objetivos da reunião B. Explicação da metodologia

Leia mais

o GUIA definitivo do Microempreendedor Individual

o GUIA definitivo do Microempreendedor Individual o GUIA definitivo do Microempreendedor Individual sumário >> Introdução... 3 >> Você sabe o que é MEI?... 5 >> Quais as vantagens em ser um MEI?... 11 >> Quais as responsabilidades do MEI?... 14 >> Como

Leia mais

AUTOMOTIVE LOGISTICS 2013 GUSTAVO BONINI

AUTOMOTIVE LOGISTICS 2013 GUSTAVO BONINI AUTOMOTIVE LOGISTICS 2013 GUSTAVO BONINI AGENDA 1. Logistica Integrada e Competitiva 2. Comissão de Logística ANFAVEA 2.1. Lei dos Portos 2.2. Investe SP AGENDA 1. Logistica Integrada e Competitiva 2.

Leia mais

Como consultar o histórico de pagamentos

Como consultar o histórico de pagamentos Histórico de Pagamentos Como consultar o histórico de pagamentos O histórico de pagamentos registra todos os pagamentos feitos no estabelecimento para todos os tipos de vendas. Pode ser considerado uma

Leia mais

Otimizada para Crescimento:

Otimizada para Crescimento: Quinta Pesquisa Anual de Mudança na Cadeia de Suprimentos RESUMO REGIONAL: AMÉRICA LATINA Otimizada para Crescimento: Executivos de alta tecnologia se adaptam para se adequar às demandas mundiais INTRODUÇÃO

Leia mais

A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil

A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil 1. INTRODUÇÃO Ivan Tomaselli e Sofia Hirakuri (1) A crise financeira e econômica mundial de 28 e 29 foi principalmente um resultado da

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

A Finep mais abrangente

A Finep mais abrangente _O MOVIMENTO Saiba mais sobre as novas propostas de atuação da Finep, na ENTREVISTA com Glauco Arbix entre outros objetivos, ele quer que a agência seja reconhecida como instituição financeira pelo Banco

Leia mais

Resultados Consolidados

Resultados Consolidados 1ª Consulta aos associados para identificar as dificuldades enfrentadas para exportar e sobre temas de comércio exterior Resultados Consolidados Equipe de Assuntos de Comércio Exterior Maio de 2012 Total

Leia mais

Sondagem sobre Burocracia

Sondagem sobre Burocracia Sondagem sobre Burocracia Indústria Brasileira sofre com burocracia excessiva As empresas industriais brasileiras são obrigadas a conviver com uma burocracia excessiva no cumprimento de diversas obrigações

Leia mais

Comparação dos Custos na Realidade de uma Startup Importadora. de Importação por Santos e por Itajaí e seu Impacto Financeiro

Comparação dos Custos na Realidade de uma Startup Importadora. de Importação por Santos e por Itajaí e seu Impacto Financeiro Sistemas Produtivos e Desenvolvimento Profissional: Desafios e Perspectivas Comparação dos Custos na Realidade de uma Startup Importadora de Importação por Santos e por Itajaí e seu Impacto Financeiro

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 Torna públicas as teses e diretrizes para a elaboração de uma Política Nacional de Empreendedorismo e Negócios PNEN, e dá outras providências. O MINISTRO DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

renda fixa? seu dinheiro É hora de apostar na #92 Tudo indica que os juros deverão voltar a subir para controlar a inflação

renda fixa? seu dinheiro É hora de apostar na #92 Tudo indica que os juros deverão voltar a subir para controlar a inflação #92 É hora de apostar na renda fixa? Tudo indica que os juros deverão voltar a subir para controlar a inflação seu dinheiro a sua revista de finanças pessoais Para quê moeda? Brasileiros utilizam cada

Leia mais

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já A Sombra do Imposto Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já Expediente A Sombra do Imposto Cartilha produzida pelo Sistema Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná).

Leia mais