UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM METODOLOGIAS PARA OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Um estudo de caso Por: Aline Costa da Cunha Orientador Prof. Nelsom Magalhães Rio de Janeiro 2011

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE INTEGRADA AVM METODOLOGIAS PARA OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Um estudo de caso Apresentação de monografia à Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Gestão de Projetos Por: Aline Costa da Cunha

3 3 AGRADECIMENTOS à empresa na qual trabalho, aos professores deste curso

4 4 DEDICATÓRIA dedica-se à minha família: pai, mãe, e irmãs

5 5 RESUMO Qualidade e otimização de processos são assuntos recorrentes no mundo de negócios, onde se procura melhorar cada vez mais os produtos oferecidos a fim de atender às expectativas dos clientes e exigências do mercado. O objetivo deste estudo é verificar se há alguma ferramenta da qualidade que seja mais eficaz para otimização do processo analisar contratos de investimento de PJ enquadrados nos Programas subsidiados pelo Governo. Para a realização deste trabalho foram efetuadas as etapas de descrição do processo utilizando a metodologia BPM; apresentação das ferramentas da qualidade e possíveis aplicações tendo como base a literatura consultada e em seguida aplicou-se as ferramentas Diagrama de Pareto e Matriz de Prioridade. Conforme previsto em publicações, observou-se que as ferramentas podem e devem ser utilizadas em conjunto, visto que são complementares e auxiliam na otimização do processo como um todo. Porém, foi identificado neste estudo, que apesar de as ferramentas possuírem um grande leque de abrangência, para que se alcance melhores resultados, é sugerido selecionar e aplicar aquelas que mais se adequem ao processo a ser analisado.

6 6 METODOLOGIA O presente trabalho será baseado no estudo de caso de setor de uma Instituição Financeira destinada a analisar os contratos enviados por toda sua rede de agências em âmbito nacional, que visam pleitear recursos subsidiados pelo BNDES para investimentos PJ. O objetivo deste setor é centralizar os contratos para verificar a conformidade, tendo como base as Normas internas e principalmente as Normas do BNDES e submetê-los à análise daquela Instituição quando o enquadramento estiver correto. Será feita a descrição do processo analisar contratos de investimento de PJ enquadrados nos Programas subsidiados pelo Governo utilizando o BPM e a verificação dos pontos críticos será efetuada através da aplicação de ferramentas da Qualidade. As fontes das metodologias e ferramentas serão obtidas por meio de referências de livros, artigos científicos e sites institucionais.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 08 CAPÍTULO I - Descrição do processo 10 CAPÍTULO II - Ferramentas da Qualidade 23 CAPÍTULO III Estudo de caso 46 CONCLUSÃO 53 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA 54 ÍNDICE 56

8 8 INTRODUÇÃO O atual crescimento da divulgação de programas do governo destinado a investimentos com custo subsidiado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem proporcionado um aumento da procura destes recursos pelas empresas de todo o país. O apoio do BNDES se dá por meio de financiamentos a projetos de investimentos, aquisição de equipamentos e exportação de bens e serviços. Os Programas atualmente em vigência são bastante atrativos em função de ter longo prazo de pagamento, incluir carência e a taxa de juros ser reduzida e fixa. Como normalmente estes recursos são repassados às empresas solicitantes indiretamente através das Instituições Financeiras (IF s) credenciadas, há também um aumento na concorrência entre essas Instituições financeiras por este mercado. Tendo em vista que os recursos são limitados e o grau de conformidade exigido para as solicitações é elevado, torna-se essencial que as IF s invistam na otimização do processo de análise dos contratos submetidos a estes programas com o objetivo de elevar a possibilidade de garantir os recursos e repassá-los aos seus clientes. As IF s precisam efetuar a análise com agilidade, sem prejuízo da aderência às normas de conformidade (compliance) e com isso evitar retrabalho, recusa ou até aplicação de penalidades. Dentro deste contexto, o presente estudo visa analisar as principais metodologias utilizadas para otimização de processos e verificar se há alguma que seja mais eficaz a ser aplicada na empresa objeto do estudo de caso, que servirá de ilustração para o desenvolvimento das etapas de descrição do

9 9 processo, identificação de pontos críticos e sugestão de melhorias, porém não haverá implantação do novo processo. No Capítulo I, será descrito o processo analisar contratos de investimento de pessoa jurídica (PJ) enquadrados nos Programas subsidiados pelo Governo com recursos do BNDES utilizando a metodologia BPM. No Capítulo II, o foco será na descrição das ferramentas básicas e gerenciais (novas) da Qualidade utilizadas na verificação de pontos críticos dos processos. As metodologias utilizadas na otimização de processos relacionadas aos pontos críticos serão abordadas no Capítulo III, onde serão aplicadas algumas ferramentas citadas no capítulo anterior através de um estudo de caso.

10 10 CAPÍTULO I DESCRIÇÃO DO PROCESSO Com a crescente competitividade no mundo dos negócios, as empresas procuram cada vez mais ser um diferencial no mercado para conquistar e manter consumidores, sendo obrigadas a rever constantemente seus produtos e processos. 1.1 Processos de negócios Processo pode ser definido como um encadeamento de atividades executadas dentro de uma companhia ou organização, que transformam entradas em saídas e que tem por finalidade transformar, montar, manipular e processar insumos para produzir bens e serviços que serão disponibilizados para clientes (Baldam et al, 2008; Cruz, 2000). Conforme Cruz (2000) a principal necessidade empresarial atualmente é organizar e documentar processos, o que se torna mais relevante quando a conformidade é requerida e expressa em regras externas à organização, como complementa Baldam et al.(2008). A importância dos processos é ratificada por Madison (2005 apud Neto, 2008) ao relacionar a causa de 85% dos problemas nas organizações a processos, mecanismos de controle e estrutura mal elaborados e apenas 15% às pessoas. Desta forma, para funcionar de maneira eficaz, as empresas devem ser capazes de identificar e gerir suas numerosas atividades interligadas (Barbará, 2006 apud Amaral, 2008) e ignorar o sistema de processos pode ser

11 11 arriscado tendo em vista que é o eixo de alinhamento do desempenho e do atingimento dos objetivos da empresa (Smith, 2009). A gestão por processos preceitua que a resolução dos problemas seja efetuada mediante a identificação dos problemas nos processos existentes e para isso se torna cada vez mais relevante a participação humana para rever, alterar e monitorar os processos que deverão ser continuamente otimizados. (Smith & Fingar, 2003 apud Baldam et al, 2008). A tecnologia vem então ao encontro desta necessidade de melhoria contínua para auxiliar na eficiência e automação dos processos. 1.2 Business Process Management BPM Conforme Baldam et al (2008), empresas em geral tem manifestado o interesse no BPM como forma de resolver ou contribuir de maneira acentuada na solução de uma série de problemas organizacionais Definição Business Process Management BPM- É a disciplina de modelar, automatizar, gerenciar e otimizar processos de negócios através de seu ciclo de vida com propósito de lhes agregar valor. (Khan,2003 apud Baldam et al, 2007) além de permitir que clientes mapeiem graficamente processos de negócios, como o de emissão e retirada de faturas, transformando este mapa visual numa aplicação e gerenciam as mudanças no fluxo de trabalho (Workflow) até que suas solicitações estejam concluídas (Computerworld apud Cruz, 2008) Para Cruz (2008), o BPM tem duas linhas de pesquisa e concepção distintas, mas complementares entre si: a ORGANIZACIONAL e a

12 12 FERRAMENTAL. A primeira refere-se a teorias, normas, políticas e metodologias pertinentes a análise, desenho, redesenho, modelagem, organização, implantação, gerenciamento e melhoria de processos de negócio, enquanto que a segunda trata do ferramental (TI) necessário para operacionalizar o primeiro grupo, o do conceito BPM e todos os seus elementos. E desta forma define: Business Process Management é o conjunto formado por metodologias e tecnologias cujo objetivo é possibilitar que processos de negócio integrem, lógica e cronologicamente, clientes, fornecedores, parceiros, influenciadores, funcionários e todo e qualquer elemento com que eles possam, queiram ou tenham que interagir, dando à organização visão completa e essencialmente integrada do ambiente interno e externo das suas operações e das atuações de cada participante em todos os processos de negócio. (Cruz, 2008, pág.67) Empresas e BPM O conceito de BPM tem sido utilizado por diversas organizações com o intuito de mapear, acompanhar e melhorar seus processos, uma vez que tem como característica a agilidade e flexibilidade imprescindíveis para que os produtos tenham um ciclo de vida menor, além de possibilitar ajustes e alterações tempestivas voltados para a melhoria contínua. Em empresas globais é necessário que haja a otimização e racionalização das atividades operacionais (Jain, 2011). Ao que tudo indica, o BPM surge com a possibilidade real de transformar mudanças necessárias na forma como o trabalho é realizado nas empresas em processos otimizados, analisados e validados de maneira a proporcionar mudanças mais rápidas diante do mercado competitivo (Neto, 2008).

13 13 Como o BPM objetiva a otimização e automação dos processos de negócio, este provê ferramentas, tecnologias e métodos, utilizados em conjunto pelas áreas de TI e Negócio (Wahli et al, 2006) e com isso, permite que as dificuldades entre estas áreas sejam minimizadas, de forma que os gestores possam definir, controlar e otimizar os processos com mais agilidade e a área de TI tenha condições de atender e incorporar alterações na estrutura mais tempestivamente (Neto, 2008). Assim, o BPM aumenta a satisfação dos clientes internos e externos, pois possibilita que as informações sejam obtidas de forma mais rápida e fácil devido à melhoria no tempo do ciclo dos processos e do monitoramento, já que as ocorrências não se perdem ao longo do caminho, assim, ações preventivas e corretivas são gerenciadas com maior celeridade (Amaral et al., 2008). Além de viabilizar a inserção de mais pontos de controle com o objetivo de reduzir a exposição ao risco (Vain, 2011). Com o BPM, a transformação das organizações deixa de ser uma arte imprecisa e de resultados imprevisíveis, tornando-se uma disciplina administrativa e de engenharia, com indicadores predefinidos, porém passíveis de alterações (Baldam et al, 2008). O BPM consegue ir além da automação do fluxo de trabalho e da modelagem gráfica dos processos, pois também envolve a monitoração dos processos enquanto executados e uma integração de ponta a ponta, englobando as tarefas humanas e as operações automatizadas, e desta forma proporciona por mudanças significativas na forma como os processos de negócio devem ser otimizados e gerenciados (Leite e Rezende, 2007 apud Oliveira et al., 2010; Brodbeck e Gallina, 2007 apud Oliveira et al., 2010). O BPM aproveita todos os benefícios advindos das metodologias, ferramentas e tecnologias dos ciclos anteriores (qualidade total e reengenharia) para implantar, gerenciar e melhorar processos de maneira

14 14 madura, sendo denominado, em função disto, terceira onda (Neto, 2008). Assim, BPM não se trata de modismo, nem tão pouco uma nova onda de reengenharia de processos, pois não preconiza ruptura nem traumas, pois é voltado para a melhoria contínua dos processos (Zaniol et al., 2008) Ciclos de vida do BPM Apenas definir ou desenhar um processo não é suficiente para q a organização tenha os benefícios da gestão por processos. É preciso q todo o ciclo de vida de um processo seja gerenciado para obter uma maximização de resultados de maneira contínua e constante (Neto, 2008). Diversos autores propõem modelos para orientar a gerenciamento de processos, que normalmente assumem a forma cíclica, ou seja, ações que se repetem nas fases posteriores, sendo então denominados Ciclos de BPM (Baldam et al., 2008). A seguir serão apresentados os ciclos de BPM conforme os modelos de Baldam et al.(2008) e Cruz (2008). No modelo proposto por Baldam et al (2008), o ciclo é composto de 4 etapas e pode ser aplicado a um processo em particular ou a uma gestão integrada de todo o feixe de processos da organização, existentes ou futuros. Etapa1: Planejamento do BPM são definidas as atividades de BPM que contribuirão para o alcance das metas organizacionais, como verificação dos pontos de falha nos processos que causam dano à organização, definição de planos de ação para implantação, definição dos processos que necessitam de ação imediata. Etapa 2: Modelagem e otimização dos processos - atividades que permitem gerar informações sobre o processos atual e/ou sobre a proposta de processos futuro; documentar processos; prover dados de integração entre processos; empregar metodologias para otimizar os processos; fazer

15 15 simulações, inovações e redesenhos; gerar especificações par implementação, para configuração e customização, para execução e controle. Etapa 3: Execução de processos - visa garantir a implantação e execução dos processos através de atividades como implantação dos planos de transferência de tecnologia, treinamentos, ajuste de equipamentos e softwares, acompanhamento do processos implantado, monitoramento e controle da execução de instâncias do processo. Etapa 4: Controle e análise de dados são realizadas atividades relacionadas ao controle geral do processo mediante recursos como uso de indicadores, métodos estatísticos, diagrama da causa e efeito, que vão gerar informações para posteriormente realimentar as atividades de otimização e planejamento. Abaixo, segue a representação do ciclo de BPM supracitado: Figura 1: Ciclo do BPM adotado por Baldam et al., 2008, pág. 56

16 16 De acordo com Cruz (2008), dentro do BPM há um grande ciclo de vida que se subdivide em vários outros ciclos, cada um deles ligado a um aspecto do conjunto BPM. O início do ciclo de vida do BPM se dá a partir do momento que a organização decide mapear seus processos e conhecê-los por meio da documentação detalhada de cada um dos elementos que deles fazem parte. Cabe ressaltar que uma das primeiras preocupações da empresa deve ser a de ter uma metodologia para a realização do trabalho de análise, desenho, redesenho, modelagem organização, implantação, gerenciamento e melhoria de processos de negócios, não sendo admitida a iniciação sem uma metodologia, por mais simples que seja. Fases da metodologia tempo variável: Análise inicial das necessidades (ou problema): é o início do conhecimento do projeto, onde são comunicados seus requisitos e características (extensão, duração, custo e objetivo), além de ser necessário ter o conhecimento das expectativas do cliente e o que deve ser entregue no final dos trabalhos. Enfim, captar as informações úteis para que se realize uma proposta com menor grau de incerteza e com o cuidado necessário para que o projeto não se torne um fracasso. Documentação, desenho e análise do processo atual: nessa fase o processo que já existe é documentado a fim de que suas condições de execução e operação sejam melhoradas. Processos sem controle são todos os que existem, produzem bens ou serviços, mas não são formalmente conhecidos porque não são documentados. A documentação e desenho do processo têm como objetivo de que seja formalmente conhecido, analisado e entendido por todos que têm responsabilidade com o produto produzido. Caso

17 17 o processo não exista, esta fase não é executada, passando assim da fase anterior para a próxima fase. Análise, redesenho ou modelagem do novo processo: é efetuado o desenho do novo processo com melhorias ou totalmente novo. Implantação do novo processo: ocorre quando da implantação do novo processo, as pessoas são treinadas e acompanhadas para garantir que o que foi projetado e criado seja efetivamente executado e operacionalizado. Segue abaixo o ciclo de vida geral do BPM: Figura 2: Ciclo de vida geral do Business Process Management. Fonte: Cruz, 2008, pág Business Process Maturity Model BPMM As organizações e/ou setores podem apresentar estágios diferenciados de evolução do BPM. Desta forma, para mensurar o estágio em que se encontram em relação a sua orientação aos processos de negócios pode ser utilizado um Modelo de Maturidade.

18 18 Na literatura são encontrados diversos modelos de maturidade, porém a seguir serão apresentados os pontos em comum dos 5 estágios do Business Process Maturity Model propostos por Paulk et al. apud Baldam, 2008 (baseado no CMM- Capability Maturity Model) e Curtis e Alden apud Neto, 2008 e Harmon apud Neto, O estágio inicial se caracteriza pela inexistência de um modelo de gestão por processos, ou possui poucas tentativas não coordenadas e não estruturadas de BPM. Normalmente as pessoas não são conscientes de que fazem parte de processos e comumente a carga de trabalho alocada para unidade de negócios envolve decisões sem nenhum tipo de embasamento nos processos inter-relacionados, há alto nível de intervenção manual e retrabalho e os esforços são individuais, sem uma visão global. No segundo nível de maturidade já há um progresso em relação ao anterior e já apresenta as primeiras experiências com BPM, e primeiras documentações de processos. Os funcionários de determinados setores já executam atividades consistentes e padronizadas. Há um controle em nível local dos processos. O desenvolvimento das capacidades de BPM e expansão de funcionários com a visão de processos dentro da organização ocorrem no terceiro estágio. Há um gerenciamento dos processos de negócios que envolvem atividades de setores diferentes da empresa, mas nem todos os processos encontram-se mapeados. São feitas sessões de treinamento, as ferramentas de BPM são mais elaboradas, além de ser aplicada uma combinação de diferentes métodos e ferramentas de gerenciamento. O controle dos processos, como análises estatísticas, é implantado no quarto estágio, onde a organização se beneficia de ter firmemente implantado o BPM. Propósitos do BPM encontram-se plenamente integrados à estratégia

19 19 e a posição do BPM está plenamente formal e designada. São mescladas perspectivas de negócios e TI. No último estágio, o BPM será parte integrante do gerenciamento estratégico e operacional, e as proposta de melhoria permitirão que as capacidades atuais da empresa sejam maximizadas a fim de atingir os objetivos estratégicos. É fixado um ciclo de BPM Business Process Model and Notation BPMN O Business Process Model and Notation (BPMN- versão 2.0) é um padrão de notação gráfica desenvolvido por Object Management Group (OMG) e tem como objetivo facilitar o entendimento do processo pelos usuários do negócio, como gestores, técnicos e a área de TI, além de padronizar a linguagem de representação dos processos e seu fluxo de atividades. O modelo propõe a visualização dos processos baseado no formato de fluxogramas, que utiliza formas e ícones devidamente formalizados e identificados para determinada representação, proporcionando o reconhecimento e a compreensão de todos os envolvidos. É importante ressaltar que paralelamente à criação de um mecanismo simples e compreensível, o BPMN encontra-se preparado para atender à complexidade inerente aos processos de negócios. A forma encontrada para conciliar estes dois aspectos foi a organização de aspectos gráficos da notação em categorias específicas, o que simplifica o reconhecimento dos tipos básicos e o entendimento de um diagrama BPMN pelo leitor. A versão atual do BPMN apresenta diversos elementos gráficos que permitem combinar a leitura, flexibilidade e expansiblidade dos processos (OMG, 2011).

20 20 No estudo de caso objeto desta monografia, será confeccionado um fluxograma simplificado para descrever o processo analisar contratos de investimento de PJ enquadrados nos Programas subsidiados pelo Governo, e para isso serão utilizados apenas os elementos básicos da modelagem BPMN. Desta forma, para possibilitar o entendimento do diagrama no próximo item, segue abaixo tabela contendo apenas as figuras que serão utilizadas. Elemento Descrição Notação Evento Um Evento é algo que ocorre durante o curso de um processo. Estes eventos indicam o fluxo do processo e usualmente possuem uma causa (gatilho) ou um impacto (resultado). Três tipos são possíveis: início (inicia o processo), intermediário e final (finaliza o processo). Tarefa (atômica) Portal (gateway) Uma tarefa é uma atividade de pouca abrangência (atômica). É usada quando o trabalho no processo não será mais detalhado em níveis inferiores de detalhamento gráfico. É usado para controlar a divergência ou convergência de múltiplas seqüências de fluxos. Determinará a geração de ramificações, bifurcações e uniões de diversos caminhos do fluxo. Seqüência de fluxo normal Refere-se ao fluxo originado a partir de um evento e continua através de atividades até o evento final, não dependente de condições. Figura 3: Tabela adaptada BPMN 2.0. Fonte: OMG, 2011, p Descrição do Processo analisar contratos de investimento de PJ enquadrados nos Programas subsidiados pelo Governo

21 21 Para que se tenha êxito na gestão de processos, é importante o entendimento detalhado dos processos existentes e a previsão correta dos resultados das mudanças nesses processos. Conforme Cruz (2008), a documentação de qualquer processo pode ser feita em três níveis de detalhamento distintos, mas complementares e o que vai determinar o nível de profundidade do trabalho é motivo para o qual se está realizando o levantamento e documentação do processo. O primeiro nível de detalhamento da documentação de um processo tem como finalidade conhecê-lo por meio do mapeamento das suas atividades, papéis funcionais e padrões de medição e controle de desempenho. Não há necessidade de descer a detalhes exigidos pelos outros dois níveis. da família ISO. O segundo nível está relacionado à adoção de alguma norma, como as No terceiro nível, é exigido que o detalhamento seja mais minucioso, pois se refere à implantação de softwares Perfil da empresa objeto do estudo de caso Na empresa objeto do presente estudo não há Gestão por processos e conseqüentemente a também não há utilização dos conceitos do BPM, sendo então enquadrada no nível 1 do BPMM. A finalidade nesta etapa é desenhar o processo analisar contratos de investimento de PJ enquadrados nos Programas subsidiados pelo Governo utilizando a linguagem proposta pelo BPMN, porém de forma simplificada e com nível 1 de detalhamento, apenas mapeando suas atividades. O referido processo é desenvolvido por uma Centralizadora de uma instituição financeira

22 22 que visa verificar a conformidade dos contratos enviados pela sua rede previamente ao envio ao BNDES Fluxo de atividades do processo analisar contratos de investimento de PJ enquadrados nos Programas subsidiados pelo Governo Solicitante Centralizadora Analista 1 Analista 2

23 23 CAPÍTULO II FERRAMENTAS DA QUALIDADE As ferramentas da Qualidade vêm ao longo do tempo sendo intensamente difundidas e aplicadas por empresas de todo mundo, principalmente em função da exigência do mercado. Essas ferramentas são utilizadas com diversas finalidades como melhorias de produto e serviços e atendimento às normas e legislações vigentes. 1.1 Ferramentas básicas da Qualidade Na década de 60, com o mercado voltado principalmente para produção em larga escala, surgiram as sete ferramentas básicas da qualidade, que tinham como foco aperfeiçoar os produtos industrializados através do controle das variações apresentadas, detecção dos problemas e respectivas causas. Com base nos resultados encontrados, eram propostas ações para evitar os resultados indesejáveis e otimizar a produção, proporcionando então a melhoria da qualidade. Apesar de inicialmente permanecerem restritas às áreas de produção, estas ferramentas se difundiram para outros setores e são aplicadas até hoje em dia em empresas que atuam em diversos ramos Estratificação- coleta de dados Processo que permite a obtenção de dados numéricos ou não, de maneira que sejam facilmente utilizáveis e verificados.

24 24 É utilizado quando precisar coletar dados baseados em observações, medições e contagem para iniciar uma ação de melhoria. Consiste em elaborar uma folha de verificação adequada, na qual os dados serão registrados, coletar as informações de desejadas através desta folha, estratificar os dados coletados e separá-los em categorias ou grupos. Muito utilizada no estudo das caudas, quando estratifica-se os dados até se chegar a raiz do problema. (Meira, 1999) Folha de verificação Uma lista de verificação serve para a observação sistemática de fenômenos, permitindo uma visualização da existência dos diversos fatores envolvidos e seus padrões de comportamento (Daychouw, 2007) e é usada para verificar se um conjunto de etapas necessárias foi executado. As listas de verificação variam de simples a complexas com base nos requisitos e nas práticas do processo. Muitas organizações têm listas de verificação padronizadas disponíveis para garantir a consistência em tarefas realizadas com freqüência (PMBOK, 2008). Consiste em tabelas ou planilhas usadas para facilitar a coleta e análise de dados de determinado problema. O uso de folhas de verificação economiza tempo, eliminando o trabalho de se desenharem figuras ou escreverem números repetitivos. Além disso, elas evitam comprometer a análise de dados (Daychouw, 2007). É o primeiro passo em qualquer atividade de qualidade, seja no caso de dados de rejeição ou de entradas para gráficos de Pareto ou causa- efeito. Principalmente os dados estatísticos devem se colocados na planilha, pois, por vezes, simplesmente sua ordenação e organização já induzem a uma solução ou a uma conclusão (Paranhos Filho, 2007).

25 Diagrama de Pareto O diagrama de Pareto, ou gráfico de Pareto, é um tipo de histograma, ordenado por freqüência de ocorrência. Mostra quantos defeitos foram gerados por tipo ou categoria de causa identificada. A ordem de classificação é usada para direcionar a ação corretiva. Os diagramas de Pareto estão conceitualmente relacionados com a Lei de Pareto, que afirma que em geral um número relativamente pequeno de causas é responsável pela maioria dos defeitos ou problemas (PMBOK, 2008). Tem sua origem no século XVI e resultou dos estudos do italiano Vilfredo Pareto, que demonstrou a sua constatação de que cerca de 80% da riqueza mundial estava nas mãos de 20% da população. Essa proporção (80/20) ocorre com freqüência também na análise de várias situações de muitas operações (Paranhos Filho, 2007). Essa regra é conhecida como o princípio 80/20, onde 80% dos problemas se devem a 20% das causas. Os diagramas de Pareto também podem ser usados para resumir vários tipos de dados visando análises 80/20 (PMBOK, 2008). Análises desse tipo levaram à conclusão de que existem, em várias circunstâncias, poucos itens vitais e muitos itens triviais, de modo que a classificação deles, na forma de um gráfico, auxilia na análise e visualização dos que são prioritários (Paranhos Filho, 2007), pois facilita o estabelecimento de prioridades, uma vez que permite determinar a importância relativa de problemas ou causas e identificar os mais relevantes para priorizar e orientar as ações de melhoria (Meira, 1999).

26 26 Deve-se abordar em primeiro lugar as causas que estão gerando o maior número de defeitos (PMBOK, 2008), já que ao concentrar os esforços em alguns problemas vitais, estes, uma vez resolvidos, têm grande impacto. A simples classificação dos defeitos por categoria estimula o gestor a perguntar por que ocorreu cada defeito, o que pode levar a soluções (idéias) para evitá-las. Tais estatísticas descritivas são fáceis de entender e podem levar a muitos aperfeiçoamentos, mesmo quando manipuladas por pessoal sem o conhecimento estatístico ou matemático, pois a estratificação é a ferramenta mais importante do gerente. Ainda que seja simples, essa técnica exige treinamento, não porque seja difícil de entender, mas porque o hábito da pesquisa da causa lógica, em conjunto com essa ferramenta, deve ser incutido em todos os níveis da organização (Paranhos Filho, 2007). Para elaborar um diagrama de Pareto, primeiramente deve ser definido o problema e em sequência, coletar os dados sobre o problema, estratificar esses dados por categorias/tipos, calcular as freqüências relativas de cada categoria ou tipo, listar as categorias/tipos em ordem decrescente de freqüência e fazer uma tabela. Com base nos dados da tabela, é construído um gráfico sobre a freqüência de cada categoria (Meira, 1999). Figura 4: Diagrama de Pareto. Fonte: Viola, 2011, p. 43

27 Diagrama de causa e efeito Ishikawa Originalmente proposto pelo engenheiro químico Kaoru Ishikawa em 1943 e aperfeiçoado nos anos seguintes, é também conhecido como Diagrama de causa e efeito ou diagrama de espinha de peixe. É uma representação gráfica que permite organizar informações, possibilitando a identificação das possíveis causas de um determinado efeito (problema), ilustrando como diversos fatores podem estar ligados a problemas ou efeitos potenciais e permitindo a percepção das relações entre causas e efeitos que intervêm em qualquer processo. (Meira, 1999; PMBOK, 2008; Daychouw, 2007). O diagrama de causa-efeito ou diagrama de Ishikawa serve para direcionar o processo de resolução de problemas, separando as causas do efeito indesejado que é o problema (Paranhos Filho, 2007). A nomenclatura espinha de peixe é devida à sua forma básica similar a uma espinha de peixe. Todas as fases ou operações vão concorrendo para uma espinha dorsal, uma após a outra, em sequência lógica. Permite estruturar hierarquicamente as causas de determinado problema ou sua oportunidade de melhoria, bem como seus efeitos sobre a qualidade. Permite também estruturar qualquer sistema que necessite de resposta de forma gráfica e sintética. As causas ou fatores são representados como setas que concorrem para o efeito (problema) que está sendo estudado. As causas ou fatores complexos podem se decompostos em seus mínimos detalhes (causas primárias e secundárias), sem com isso perder a visão de conjunto.

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008 1 Sumário 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Introdução...3 Ferramentas da Qualidade...4 Fluxograma...5 Cartas de Controle...7 Diagrama de Ishikawa...9 Folha de Verificação...11 Histograma...13 8. 9. 10. Gráfico de

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre CONCEITOS CONCEITOS Atividade Ação executada que tem por finalidade dar suporte aos objetivos da organização. Correspondem

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Criando EAP. Planejando a qualidade. Criando a Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho.

Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. Gestão de Pessoas CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 5.Mapeamento e análise de processos organizacionais. Indicadores de Desempenho. AULA 07 - ATPS Prof. Leonardo Ferreira 1 A Estrutura Funcional X Horizontal Visão

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Diferença entre a visão departamental e visão por processos.

Diferença entre a visão departamental e visão por processos. GESTÃO POR PROCESSOS Diferença entre a visão departamental e visão por processos. A visão por processos é conhecida desde a época medieval com a atuação dos artesãos responsáveis por todas as etapas do

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS

FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS Priscila Pasti Barbosa 1, Sheila Luz 2, Fernando Cesar Penteado 3, Generoso De Angelis Neto 4, Carlos

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

MACROPROCESSOS É um conjunto de processos que correspondem a uma função da organização.

MACROPROCESSOS É um conjunto de processos que correspondem a uma função da organização. GESTÃO POR PROCESSOS Prof. WAGNER RABELLO JR PROCESSO Conjunto de recursos e atividades interrelacionadas que transforma insumos (entradas) em serviços ou produtos (saídas); GESTÃO DE PROCESSO OU GESTÃO

Leia mais

MÓDULO 7 Ferramentas da Qualidade

MÓDULO 7 Ferramentas da Qualidade MÓDULO 7 Ferramentas da Qualidade Os modelos de Qualidade Total apresentam uma estrutura teórica bem consistente, pois: não há contradições entre as suas afirmações básicas; há uma estrutura bem definida

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO Auxiliam no: controle dos processos; identificação os problemas ou desvios; objetivo de avaliar e analisar; Facilitando a tomada de decisão. Coleta de dados confiáveis: a ferramenta

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação.

Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação. Product Lifecycle Management [PLM] Comprometa-se com a inovação. SoftExpert PLM Suite é uma solução que oferece os requisitos e as habilidades necessárias que as empresas precisam para gerenciar com êxito

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Melhorias de Processos de Engenharia de Software

Melhorias de Processos de Engenharia de Software Melhorias de Processos de Engenharia de Software CMMI 1 Profa. Reane Franco Goulart O que é CMMI? O Capability Maturity Model Integration (CMMI) é uma abordagem de melhoria de processos que fornece às

Leia mais

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001 Capítulo 8 Gerenciamento da Qualidade do Projeto O Gerenciamento da Qualidade do Projeto inclui os processos necessários para garantir que o projeto irá satisfazer as necessidades para as quais ele foi

Leia mais

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br

Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com. Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Adm. Vinicius Braga admviniciusbraga@gmail.com Prof. Msc. Wilane Carlos da Silva Massarani wilane@cercomp.ufg.br Objetivos Contextualização Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Case APESC. Assessoria de Desenvolvimento Organizacional

Case APESC. Assessoria de Desenvolvimento Organizacional Case APESC Assessoria de Desenvolvimento Organizacional PROGRAMA Assessoria de Desenvolvimento Organizacional DO Gestão de Processos na APESC Metodologia Novo Olhar Benefícios e desafios Sistema de Gestão

Leia mais

Conceitos de Processos & BPM

Conceitos de Processos & BPM http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte I Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

GESTÃO POR PROCESSOS

GESTÃO POR PROCESSOS GESTÃO POR PROCESSOS O que é um Processo: Uma série de ações que produz um resultado que agrega valor ao produto ou serviço. Gestão de Processos: Conjunto de ações sistemáticas, baseadas em fatos e dados

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015

BPMN. Business Process Modeling Notation. Leandro C. López Agosto - 2015 BPMN Business Process Modeling Notation Leandro C. López Agosto - 2015 Objetivos Conceitos Boas práticas de modelagem Elementos do BPMN Tipos de processos Apresentar os conceitos e elementos da notação

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Parte 10. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento de Riscos em Projetos Parte 10 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Introdução ao BPM e CBOK. Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR

Introdução ao BPM e CBOK. Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR Introdução ao BPM e CBOK Decanato de Planejamento e Orçamento DPO Diretoria de Processos Organizacionais - DPR BPM CBOK O Guia para o Gerenciamento de Processos de Negócio - Corpo Comum de Conhecimento

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Decidir como medir cada característica. Definir as características de qualidade. Estabelecer padrões de qualidade

Decidir como medir cada característica. Definir as características de qualidade. Estabelecer padrões de qualidade Escola de Engenharia de Lorena - EEL Controle Estatístico de Processos CEP Prof. MSc. Fabrício Maciel Gomes Objetivo de um Processo Produzir um produto que satisfaça totalmente ao cliente. Conceito de

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte I Agenda Processos CMMI Definição Histórico Objetivos Características Representações

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA 1. Introdução A apresentação dos Projetos de Inovação e Melhoria - PIM pelos Escalões/Divisões possui os seguintes objetivos: a. Estimular os Escalões e Divisões do Cmdo

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos?

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Gestão de processos significa que há processos sendo monitorados, mantidos sob controle e que estão funcionando conforme foi planejado.

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software. Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães

A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software. Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães Agenda Contextualização da Qualidade Dificuldades na construção de software Possíveis soluções

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior E-mail: egpjunior@gmail.com Information Technology Infrastructure Library ITIL ITIL é um acrônimo de Information Technology Infraestruture Library. Criado em

Leia mais

Operação do Sistema Logístico

Operação do Sistema Logístico Operação do Sistema Logístico Prof. Ph.D. Cláudio F. Rossoni Engenharia Logística II Objetivo Entender que, possuir um excelente planejamento para disponibilizar produtos e serviços para os clientes não

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

Gerenciamento de Projeto

Gerenciamento de Projeto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Projeto Engenharia de Software 2o. Semestre/ 2005

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

BPM X Workflow. Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio

BPM X Workflow. Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio Business Process Management BPM ou Modelagem de Processos de negócio Metodologia Conjunto de práticas Controle, gerenciamento e integração dos processos Permite a análise, definição, execução, monitoramento

Leia mais

Automação de Processos de Governança de TI. As diversas Gerações da Gestão Organizacional. A Quarta Geração é a da Gestão de Processos

Automação de Processos de Governança de TI. As diversas Gerações da Gestão Organizacional. A Quarta Geração é a da Gestão de Processos Automação de Processos de Governança de TI Autor: Omar Mussi A Governança Corporativa vem sendo adotada pelas organizações para atender às necessidades de um mercado cada vez mais competitivo e para enfrentar

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Fevereiro/2014 AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão

Leia mais

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011

Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 06/04/2011 Melhoria Contínua PDCA/SDCA e suas ferramentas 6/4/211 PRODUTIVIDADE O que é o melhoria contínua? Quando se tem o Gerenciamento da Rotina implantado temos a melhoria tipo escada sempre melhorando o resultado

Leia mais

Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos

Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos 1 Objetivo Nivelar informações e conceitos sobre mapeamento de processos na UFABC. O que é um processo?? É um conjunto de atividades

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS Atualizado em 21/12/2015 GESTÃO DE PROCESSOS Um processo é um conjunto ou sequência de atividades interligadas, com começo, meio e fim. Por meio de processos, a

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações

A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações A Importância da Visão Sistêmica para a Introdução dos Sistemas Informatizados nas Organizações Carlos Campello Introdução Nos dias atuais existe a necessidade de constantes modificações das estratégias

Leia mais

BPMN - Business Process Modeling and Notation

BPMN - Business Process Modeling and Notation BPMN - Business Process Modeling and Notation AGENDA Notação Conceito Visão Geral da Notação BPMN Notação BPMN no Escritório de Processos NOTAÇÃO - CONCEITO Segundo o dicionário: Ação de indicar, de representar

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA Profa. Lérida Malagueta Estratégia competitiva Já conhecemos os conceitos sobre a teoria da decisão estratégica e de como competem e cooperam: Os decisores As empresas

Leia mais

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI

Secretaria de Gestão Pública de São Paulo. Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Secretaria de Gestão Pública de São Paulo Guia de Avaliação de Maturidade dos Processos de Gestão de TI Objetivos As empresas e seus executivos se esforçam para: Manter informações de qualidade para subsidiar

Leia mais