Resumo da lição Os alunos aprenderão os princípios básicos de máquinas simples e explorarão usos do diaa-dia.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resumo da lição Os alunos aprenderão os princípios básicos de máquinas simples e explorarão usos do diaa-dia."

Transcrição

1 Máquinas simples Fornecido pelo TryEngineering - Clique aqui para dar seu feedback sobre esta lição Foco da lição Máquinas simples: seus princípios e usos. Resumo da lição Os alunos aprenderão os princípios básicos de máquinas simples e explorarão usos do diaa-dia. Máquinas simples são simples porque a maioria delas possui apenas uma parte móvel. Trabalho é feito somente quando algo é movido (deslocado) por uma força (de empurrar ou puxar). Máquinas não reduzem a quantidade de trabalho que fazemos, mas podem deixá-lo mais fácil. Faixa etária 8-14, embora possa ser adaptada para estudantes mais velhos. Objetivos Ser capaz de identificar máquinas simples e seu uso na vida diária. Construir uma máquina simples. Definir trabalho como um objeto sendo movido uma certa distância por uma força. Resultados esperados para os alunos Como resultado das atividades, os estudantes devem desenvolver uma compreensão de: Como a posição e o movimento dos objetos podem ser alterados empurrando ou puxando. A quantidade deste deslocamento está diretamente relacionada à força com que se puxa ou empurra. Máquinas simples: introdução Máquinas simples são simples porque a maioria delas possui apenas uma parte móvel. Quando você combina máquinas simples, obtém como resultado máquinas complexas, tais como um cortador de grama, um carro e mesmo um aparador de pêlos do nariz! Uma máquina é definida como qualquer dispositivo que torna o trabalho mais fácil. Em ciência, trabalho significa fazer algo se mover. É importante saber que, quando usa uma máquina simples, você está, na verdade, realizando a mesma quantidade de trabalho ele só parece mais fácil. Uma máquina simples reduz a quantidade de esforço necessário para mover alguma coisa, mas você acaba tendo que mover essa coisa uma distância maior para conseguir realizar o mesmo trabalho. Assim, existe uma compensação de energia quando se usa máquinas simples. Máquinas simples Página 1 de 16

2 Máquinas simples: introdução (continuação) O que trabalho significa em ciências? Todas as máquinas simples exigem energia humana para funcionar. Trabalho tem um significado especial em ciências. Trabalho é feito somente quando algo é movido. Por exemplo, quando você empurra uma parede, não está fazendo trabalho, porque não a move. O trabalho consiste de duas partes. Uma é a quantidade de força (de tração - puxar - ou impulsão - empurrar) necessária para fazer o trabalho. A outra é a distância pela qual a força é aplicada. A fórmula do trabalho é: trabalho = força X distância Força significa puxar ou empurrar um objeto de forma que ele se movimente. Distância é o quanto o objeto se move. Assim, o trabalho realizado é a força exercida multiplicada pela distância de movimentação. Quando dizemos que uma máquina facilita fazer um trabalho, queremos dizer que seu uso resulta em fazer menos força para realizar a mesma quantidade de trabalho. Além de nos permitir aumentar a distância ao longo da qual aplicamos uma força menor, as máquinas também nos permitem mudar a direção e o sentido de uma força aplicada. Máquinas não reduzem a quantidade de trabalho que fazemos, mas podem deixá-lo mais fácil. Tipos de máquinas simples Consulte o material impresso. Atividades da lição Três materiais impressos para o aluno são fornecidos, para leitura antes da atividade: Introdução a máquinas simples. Tipos de máquinas simples. O que é trabalho? (folha de trabalho). São fornecidas quatro atividades para os estudantes. Estas coisas são máquinas? A experiência do lançamento de moedas. Faça seu próprio plano inclinado. Você é o engenheiro: solução de problemas com máquinas simples. Recursos/Materiais Consulte as folhas de trabalho do aluno e documentos de recursos do professor anexos. Alinhamento a grades curriculares Consulte a folha de alinhamento curricular anexa. Máquinas simples Página 2 de 16

3 Recursos na internet TryEngineering (). Museu virtual do IEEE (www.ieee-virtual-museum.org). Padrões para a Educação Tecnológica da Associação Internacional de Educação de Tecnologia (www.iteawww.org/taa/pdfs/listingofstlcontentstandards.pdf). Compêndio McREL de Padrões e Marcas de Referência (www.mcrel.org/standardsbenchmarks). Uma compilação dos padrões atuais do currículo K-12 (ensino fundamental e médio) dos EUA, em formatos pesquisável e navegável. Padrões Educacionais de Ciência dos EUA (www.nsta.org/standards). Leituras recomendadas What Are Inclined Planes? (Looking at Simple Machines), de Helen Frost. Editora: Pebble Books; (janeiro de 2001) ISBN: Simple Machines (Starting With Science), de Adrienne Mason, Deborah Hodge, the Ontario Science Centre. Editora: Kids Can Press; (março de 2000) ISBN: Science Experiments With Simple Machines (Science Experiments), de Sally Nankivell-Aston, Dorothy Jackson. Editora: Franklin Watts, Incorporated; (setembro de 2000) ISBN: Janice VanCleave's Physics for Every Kid : 101 Easy Experiments in Motion, Heat, Light, Machines, and Sound, de Janice VanCleave. John Wiley & Sons. ISBN: Atividade escrita opcional Identificar exemplos de máquinas simples em casa. Escrever um ensaio (ou parágrafo, dependendo da idade) sobre como as máquinas simples tornam a vida mais fácil para alguém da família. Referências Mike Ingram e voluntários de Chattanooga, Seção do Tennessee, EUA do IEEE URL: Máquinas simples Página 3 de 16

4 Máquinas simples Para professores: Alinhamento a grades curriculares Nota: Todos os planos de aula deste conjunto são alinhados ao National Science Education Standards dos EUA, produzidos pelo National Research Council e endossados pela National Science Teachers Association e, se aplicável, ao Standards for Technological Literacy da International Technology Education Association. Padrões Educacionais de Ciências dos EUA, séries K-4 (idades de 4 a 9 anos) CONTEÚDO PADRÃO B: ciências físicas Como resultado das atividades, os estudantes devem desenvolver uma compreensão de: Propriedades de objetos e materiais. Posição e movimentos dos objetos. CONTEÚDO PADRÃO E: ciência e tecnologia Como resultado das atividades, os estudantes devem desenvolver: Habilidades de distinguir entre objetos naturais e objetos feitos pelo homem. CONTEÚDO PADRÃO G: história e natureza da ciência Como resultado das atividades, os estudantes devem desenvolver uma compreensão de: Ciência como um esforço humano. Padrões Educacionais de Ciências dos EUA, 5ª a 8ª séries (idades de 10 a 14 anos) CONTEÚDO PADRÃO B: ciências físicas Como resultado das atividades, os estudantes devem desenvolver uma compreensão de: Movimentos e forças. Transferência de energia. CONTEÚDO PADRÃO G: história e natureza da ciência Como resultado das atividades, os estudantes devem desenvolver uma compreensão de: Ciência como um esforço humano. História da ciência. Padrões para a Educação Tecnológica - todas as idades Tecnologia e sociedade Padrão 5: Os estudantes desenvolverão uma compreensão da influência da tecnologia no meio ambiente. Padrão 7: Os estudantes desenvolverão uma compreensão da influência da tecnologia na história. Projeto Padrão 10: Os estudantes desenvolverão uma compreensão do papel da busca de erros, pesquisa e desenvolvimento, invenção e inovação e experimentação na solução de problemas. Máquinas simples Página 4 de 16

5 Máquinas simples Para professores: Estas coisas são máquinas? Notas do professor: Uma gangorra é um exemplo de alavanca de primeira classe (ou interfixa). O ponto de apoio, ou fulcro, fica em algum ponto entre a força aplicada e a carga. Este tipo de alavanca (primeira classe) possui três partes: o ponto de apoio ou fulcro, o braço de esforço, onde a força ou trabalho é aplicado, e o braço de resistência, onde o objeto a ser movido é colocado. Notas do professor: O pé-de-cabra também é uma alavanca, mas é uma alavanca de segunda classe, ou inter-resistente (se você usar a ponta correta do péde-cabra, mostrada na figura). Uma alavanca de segunda classe é aquela onde as forças de esforço e resistência estão do mesmo lado do ponto de apoio, ou fulcro. Para arrancar um prego com a ponta certa do pé-de-cabra mostrado, o fulcro é a ponta, a cabeça do prego aplica uma força de resistência e a extremidade oposta é o esforço ou trabalho. Outro exemplo de uma alavanca classe dois é um carrinho de mão. Notas do professor: A rampa para cadeira de rodas é um plano inclinado. Embora a distância pela rampa seja maior do que a distância vertical, menos força é necessária.. Use a fórmula para verificar como a quantidade de trabalho seria a mesma. Notas do professor: O parafuso é, na verdade, outro tipo de plano inclinado. Ele é basicamente um plano inclinado enrolado ao redor de um cilindro. Notas do professor: Uma vara de pescar é um exemplo muito bom de alavanca de terceira classe, ou interpotente. Nesta classe de alavancas, o braço de força fica entre o fulcro e o braço de carga. Devido a essa disposição, uma força relativamente grande é exigida para mover a carga. Isso é compensado pelo fato de que é possível produzir a movimentação da carga por uma longa distância com um movimento relativamente pequeno do braço de força. Pense em uma vara de pescar. Devido a essa relação, normalmente usamos alavancas desta classe quando desejamos produzir grandes movimentos em uma carga pequena ou, usando uma velocidade relativamente baixa do braço de força, transferir uma alta velocidade ao braço de carga. Quando um jogador de tênis ou beisebol rebate a bola, uma alavanca de terceira classe está em ação. O ombro age como fulcro em ambos os casos e as mãos fornecem a força (fazendo com que o braço se torne parte da alavanca). A carga (ou seja, a bola) é movida na extremidade da raquete ou bastão. Exemplos de alavancas de terceira classe: vara de pescar, pinça, um braço levantando um peso, uma pessoa usando uma vassoura, uma raquete de tênis, uma pá. Máquinas simples Página 5 de 16

6 Para professores: Tabela de recursos Máquinas simples MÁQUINAS SIMPLES ALAVANCA O QUE É Uma barra rígida que se apóia sobre um suporte chamado de ponto de apoio ou fulcro COMO ELA NOS AJUDA A TRABALHAR Levantar e mover cargas EXEMPLOS Cortador de unhas, pá, quebra-nozes, gangorra, pé-decabra, cotovelo, pinças, abridor de garrafas PLANO INCLINADO Uma superfície oblíqua que conecta um nível inferior a um nível superior Mover coisas para cima e para baixo Escorregador, escada, rampa, escada rolante, ladeira RODA E EIXO Uma roda com uma vara, chamada de eixo, passando através do seu centro: ambas as partes se movem em conjunto Levantar e mover cargas Maçaneta de porta, apontador de lápis, bicicleta ROLDANA Uma roda sulcada com uma corda ou cabo ao redor dela Mover coisas para cima, para baixo ou transversalmente Varão de cortina, guincho, persianas, mastro de bandeira, guindaste Tipicamente, as máquinas se destinam a reduzir a quantidade de força exigida para mover um objeto. Mas, nesse processo, a distância é aumentada. Uma rampa para cadeira de rodas é um exemplo de fácil visualização dessa relação. Embora a quantidade de esforço e força seja reduzida, a distância efetiva é significativamente aumentada. Assim, a quantidade de trabalho real é a mesma. Embora a aplicação típica de máquinas seja reduzir o esforço ou força, existem aplicações importantes de máquinas onde não há tal vantagem (ou seja, a força não é reduzida) ou existe, na verdade, uma diminuição da vantagem (isto é, a força é aumentada). O melhor exemplo de uma máquina que não oferece vantagem é uma roldana simples ou única. Uma roldana simples apenas muda o sentido da força sendo feita. Um puxador de persiana é um exemplo. Máquinas simples Página 6 de 16

7 Recurso do professor Máquinas simples O que é trabalho? (Solução da folha de trabalho do aluno) Trabalho é o produto da força exercida sobre um objeto pelo deslocamento do objeto em função dessa força. A fórmula para descrever isso é: trabalho = força X distância O trabalho é medido em joules, J (em homenagem a James Prescott Joule). A força é medida em newtons, N (em homenagem a Sir Isaac Newton). (A fórmula da força é massa x aceleração. Assim, a força da gravidade deve ser levada em conta quando se usa a massa de um objeto para se calcular o trabalho. A força deve ser medida em kg.m/sec 2 ou newtons. Para alunos mais novos, podemos usar simplesmente a massa, ou kg, como 'força'. No caso de alunos mais velhos, deve ser calculado o peso real, em newtons.) A distância é medida em metros, m. Nesta equação, no entanto, a força só conta se ela for na direção e sentido na qual o objeto está se movendo. Por exemplo, considere que você pegue um cavalo pesado e levante-o sobre sua cabeça, para atravessar um rio. Quando tiver terminado de cruzar o rio, o único trabalho que você fez foi levantar o cavalo. Cruzar o rio segurando o cavalo não acrescentou nada à quantidade de trabalho que você fez. Tenha em mente que aplicar uma força a um objeto nem sempre é igual a trabalho sendo feito. Ao sentar em uma bicicleta você aplica força ao assento, mas nenhum trabalho está sendo feito, porque sua força no assento não está causando deslocamento. Porém caso aplique força a uma cadeira, levantando-a do chão, sua força produz deslocamento na direção do movimento e trabalho é realizado. A distância que um objeto se move é outro fator a ser considerado quando se calcula o trabalho. Para que uma bola (por exemplo) se mova uma certa distância em relação à sua posição original, realiza-se trabalho. E a distância é direcional. Isso significa que, se você mover um objeto uma direção positiva, terá feito trabalho positivo. Se o mover em uma direção negativa, terá feito trabalho negativo. Pergunta para o aluno A: Uma garota de 45 kg senta em um banco de 8 kg. Quanto trabalho é feito sobre o banco? Solução: Nenhum. A garota aplica uma força de (45) newtons sobre o banco, mas ela não faz com que ele se mova. Assim, a distância que o banco se desloca é zero e, sendo o trabalho = força x distância, (45)(0) = 0. (para alunos mais velhos, a força deve ser calculada como a massa vezes a aceleração da gravidade, de 9,8 m/s 2 ) Máquinas simples Página 7 de 16

8 Pergunta para o aluno B: Um garoto de 40 kg levanta um dragão de 30 kg 2 metros acima do chão. Quanto trabalho o garoto realizou levantando o dragão? Solução: O garoto aplica uma força que resulta no dragão se mover uma distância de 2 metros. Portanto, trabalho = força x distância, ou seja, trabalho = (30)(2) = 600 newton metros ou joules (1 newton metro = 1 joule). (novamente, para alunos mais velhos a força deve ser calculada como a massa vezes a aceleração da gravidade, de 9,8 m/s 2 ) Máquinas simples Página 8 de 16

9 Recurso do aluno Máquinas simples O que é trabalho? - folha de trabalho do aluno Trabalho é o produto da força exercida sobre um objeto pelo deslocamento do objeto em função dessa força. A fórmula para descrever isso é: trabalho = força X distância O trabalho é medido em joules, J (em homenagem a James Prescott Joule). A força é medida em newtons, N (em homenagem a Sir Isaac Newton). A distância é medida em metros, m. Nesta equação, no entanto, a força só conta se ela for na direção e sentido na qual o objeto está se movendo. Por exemplo, considere que você pegue um cavalo pesado e levante-o sobre sua cabeça, para atravessar um rio. Quando tiver terminado de cruzar o rio, o único trabalho que você fez foi levantar o cavalo. Cruzar o rio segurando o cavalo não acrescentou nada à quantidade de trabalho que você fez. Tenha em mente que aplicar uma força a um objeto nem sempre é igual a trabalho sendo feito. Ao sentar em uma bicicleta você aplica força ao assento, mas nenhum trabalho está sendo feito, porque sua força no assento não está causando deslocamento. Porém caso aplique força a uma cadeira, levantando-a do chão, sua força produz deslocamento na direção do movimento e trabalho é realizado. A distância que um objeto se move é outro fator a ser considerado quando se calcula o trabalho. Para que uma bola (por exemplo) se mova uma certa distância em relação à sua posição original, realiza-se trabalho. E a distância é direcional. Isso significa que, se você mover um objeto uma direção positiva, terá feito trabalho positivo. Se o mover em uma direção negativa, terá feito trabalho negativo. Pergunta para o aluno A: Uma garota de 45 kg senta em um banco de 8 kg. Quanto trabalho é feito sobre o banco? Lembre-se de que trabalho = força x distância. Dica: Neste caso, a força é 45 x 8. Qual é a distância? Qual é o trabalho? Pergunta para o aluno B: Um garoto de 40 kg levanta um dragão de 30 kg 2 metros acima do chão. Quanto trabalho o garoto realizou levantando o dragão? Lembre-se de que trabalho = força x distância. Dica: Neste caso, a força é 40 x 30. Qual é a distância? Qual é o trabalho? O que precisamos incluir? Máquinas simples Página 9 de 16

10 Recurso do aluno Máquinas simples Introdução a máquinas simples. Máquinas simples são simples porque a maioria delas possui apenas uma parte móvel. Quando você combina máquinas simples, obtém como resultado máquinas complexas, tais como um cortador de grama, um carro e mesmo um aparador de pêlos do nariz! Lembre-se de que uma máquina é qualquer dispositivo que torna o trabalho mais fácil. Em ciência, trabalho significa fazer algo se mover. É importante saber que, quando usa uma máquina simples, você está, na verdade, realizando a mesma quantidade de trabalho - ele só parece mais fácil. Uma máquina simples reduz a quantidade de força necessária para mover alguma coisa, mas o que você precisa aumentar para continuar realizando o mesmo trabalho? O que quer dizer trabalho? Todas as máquinas simples exigem energia humana para funcionar. Trabalho tem um significado especial em ciências. Trabalho é feito somente quando algo é movido. Por exemplo, quando você empurra uma parede, não está fazendo trabalho, porque não a move. O trabalho consiste de duas partes. Uma é a quantidade de força (de tração - puxar - ou impulsão - empurrar) necessária para fazer o trabalho. A outra é a distância pela qual a força é aplicada. A fórmula do trabalho é: trabalho = força X distância Força significa puxar ou empurrar um objeto de forma que ele se movimente. Distância (deslocamento) é o quanto o objeto se move. Assim, o trabalho realizado é a força exercida multiplicada pela distância de movimentação. Quando dizemos que uma máquina facilita fazer um trabalho, queremos dizer que seu uso resulta em fazer menos força para realizar a mesma quantidade de trabalho. Além de nos permitir aumentar a distância ao longo da qual aplicamos uma força menor, as máquinas também nos permitem mudar a direção e o sentido de uma força aplicada. Máquinas não reduzem a quantidade de trabalho que fazemos, mas podem deixá-lo mais fácil. Como? Máquinas simples Página 10 de 16

11 Recursos do aluno Máquinas simples Tipos de máquinas simples Existem quatro tipos de máquinas simples, que forma a base de todas as máquinas mecânicas: Alavanca Experimente tentar arrancar um mato firmemente enraizado da terra. Usando só as suas mãos, pode ser difícil, até mesmo doloroso. Mas com uma ferramenta, como uma pá, você deve vencer a batalha. Qualquer ferramenta que solta algo é uma alavanca. Uma alavanca é um braço que pivota (ou gira) em torno de um fulcro (ou ponto de apoio). Pense na unha do martelo que você usa para tirar pregos que estejam pregados. É uma alavanca. Trata-se de um braço curvo que se apóia em um ponto da superfície. À medida que você gira o braço curvo, ela solta o prego da superfície. E é um trabalho duro! Existem três tipos de alavancas: o Alavanca de primeira classe (ou interfixa) - Quando o fulcro fica entre o braço de força e o braço de alavanca, a alavanca é descrita como sendo de primeira classe. Na verdade, diversos de nós já estão familiarizados com este tipo de alavanca. Um exemplo clássico é a gangorra. o Alavanca de segunda classe (ou inter-resistente) - Na alavanca de segunda classe, o braço de carga fica entre o fulcro e o braço de força. Um bom exemplo deste tipo de alavanca é o carrinho de mão. o Alavanca de terceira classe (ou interpotente) - Na alavanca de terceira classe, o braço de força fica entre o fulcro e o braço de carga. Devido a essa disposição, uma força relativamente grande é exigida para mover a carga. Isso é compensado pelo fato de que é possível produzir a movimentação da carga por uma longa distância com um movimento relativamente pequeno do braço de força. Pense em uma vara de pescar. Plano inclinado Um plano é uma superfície nivelada. Por exemplo, uma tábua lisa é um plano. Só que se o plano estiver horizontalmente sobre o chão, não é provável que ele o ajude a realizar trabalho. Mas quando esse plano é inclinado, ou formando uma ladeira, ele pode ajudá-lo a mover objetos através de distâncias. E isso é trabalho! Um plano inclinado comum é uma rampa. Levantar uma caixa pesada até o porta-malas de uma perua ou caçamba de uma caminhonete é muito mais fácil se você puder empurrar a caixa através de uma rampa - uma máquina simples. Cunha Além de usar a parte plana de um plano inclinado, você também pode usar as bordas pontudas, para realizar outros tipos de trabalho. Por exemplo, você pode usar as bordas para forçar a separação de coisas. Então, o plano inclinado é uma cunha. E uma cunha é, na verdade, um tipo de plano inclinado. A lâmina de um machado é uma cunha. Pense na ponta da lâmina. Ela é a borda de uma superfície inclinada lisa. Isso é uma cunha! Máquinas simples Página 11 de 16

12 Recursos do aluno Tipos de máquinas simples (continuação) Parafuso Agora, pegue um plano inclinado e enrole-o ao redor de um cilindro. Sua borda aguçada se torna outra ferramenta simples: o parafuso. Coloque um parafuso de metal ao lado de uma rampa e é meio difícil perceber as semelhanças, mas o parafuso é, na verdade, apenas outro tipo de plano inclinado. Como o parafuso o ajuda a realizar trabalho? Cada volta de um parafuso de metal o ajuda a mover um pedaço de metal através de um objeto de madeira (ou outro material). Roda e eixo Uma roda é um disco circular preso a uma vara central, chamada de eixo. O volante de um carro é uma roda e eixo. A parte onde colocamos nossas mãos e aplicamos força (torque) é chamada de roda, que gira o eixo, menor. A chave de fenda é outro exemplo de roda e eixo. Afrouxar um parafuso bem apertado apenas com as mãos pode ser impossível. O cabo grosso é a roda e a haste de metal é o eixo. Quanto maior é o cabo, menos força é necessária para girar o parafuso. Roldana Em vez de um eixo, a roda também pode girar uma corda ou cabo. Esta variação da roda e eixo é a roldana. Em uma roldana, um cabo envolve uma roda. À medida que a roda gira, o cabo se move em um sentido. Agora, se prender um gancho à corda, você pode usar a rotação da roda para levantar e baixar objetos. Em um mastro de bandeira, por exemplo, uma corda é colocada em uma roldana. Na corda normalmente há dois ganchos. A corda gira ao redor da roldana e baixa os ganchos, onde você pode prender uma bandeira. Então, basta puxar a corda e a bandeira é levada até o topo do mastro. Máquinas simples Página 12 de 16

13 Máquinas simples Folha de trabalho do aluno Estas coisas são máquinas? Examine os desenhos abaixo e tente determinar se eles ilustram máquinas simples. Veja se você consegue descobrir que tipo de máquina simples eles podem ser: alavanca de primeira classe (interfixa), alavanca de segunda classe (inter-resistente), alavanca de terceira classe (interpotente), plano inclinado. Notas: Notas: Notas: Notas: Notas: Máquinas simples Página 13 de 16

14 Máquinas simples Folha de trabalho do aluno A experiência do lançamento de moedas Propósito: Descobrir onde empurrar uma alavanca para obter o melhor levantamento. Materiais: Régua. Lápis. Duas moedas grandes. Procedimento: Coloque o lápis sob a régua e uma moeda sobre uma das extremidades da régua. Solte uma outra moeda de uma altura de 30 cm, de forma que ela atinja a régua mais ou menos na marca de 8 cm. Observe a que altura a segunda moeda é lançada no ar. Repita o procedimento de soltar a moeda, mas solte-a sobre a outra extremidade da régua, da mesma altura. Observe a que altura a segunda moeda é lançada. Perguntas: O que aconteceria se você colocasse um objeto de diâmetro maior do que o lápis sobre a régua? Faça a seguinte experiência: Mova o lápis para vários pontos diferentes debaixo da régua e então repita a experiência. Como seus resultados foram diferentes/iguais? Máquinas simples Página 14 de 16

15 Máquinas simples Folha de trabalho do aluno Faça seu próprio plano inclinado Objetivos: Demonstrar que um parafuso é um plano inclinado. Materiais: Papel. Lápis. Fita adesiva. Lápis de cera. Procedimento: Dê a cada estudante um pedaço de papel recortado na forma de um triângulo reto e peça para que eles pintem o lado mais longo. Prenda, com fita adesiva, um dos lados sem cor do triângulo no lápis. Enrole o triângulo ao redor do lápis e prenda a ponta com fita adesiva. O triângulo é enrolado em espiral. Detalhes da lição: Explique o que são planos inclinados e mostre exemplos de vários planos, incluindo como eles tornam a vida mais fácil ou reduzem o trabalho. Máquinas simples Página 15 de 16

16 Máquinas simples Folha de trabalho do aluno: Você é o engenheiro! Solução de problemas com máquinas simples Instruções Você é o engenheiro! Trabalhe em equipe para criar um plano que use máquinas simples para ajudar um cachorro grande com problemas nas costas para entrar na caçamba de uma caminhonete ou porta-malas de um utilitário esportivo. O cachorro não consegue pular por conta própria e é pesado demais para que o dono o levante. Passo um: Desenhem a solução ou máquina de sua equipe no quadro abaixo. Passo dois: Façam um modelo operacional do seu projeto, usando objetos que vocês podem encontrar em sua sala de aula ou que usaram em folhas de trabalho anteriores desta lição. Não se preocupem se o seu modelo não ficar em escala e não possa realmente suportar o peso de um cachorro de verdade - os engenheiros trabalham em escalas diferentes o tempo todo! Passo três: Em equipe, debatam e pensem em duas outras situações onde a solução que vocês criaram poderia ser útil para pessoas ou outros animais. Listem-nas abaixo: Passo quatro: Apresentem seu desenho, modelo, exemplo de problemas semelhantes e sua solução à turma. Máquinas simples Página 16 de 16

Testes de túnel de vento

Testes de túnel de vento Fornecido pelo TryEngineering - Foco da lição Esta lição enfoca os testes em túnel de vento que engenheiros de várias áreas usam quando desenvolvem produtos como aeronaves, automóveis e até mesmo edifícios.

Leia mais

Fornecido pelo TryEngineering - www.tryengineering.org

Fornecido pelo TryEngineering - www.tryengineering.org Fornecido pelo TryEngineering - Foco da lição A lição se concentra em como os engenheiros têm de avaliar diversos fatores estruturais, econômicos e ambientais quando movem um prédio. Resumo da lição A

Leia mais

Projetos de dispensadores

Projetos de dispensadores Projetos de dispensadores Fornecido pelo TryEngineering - Foco da lição A lição enfoca como os engenheiros têm de projetar objetos para atender às necessidades dos usuários, enquanto também levam em conta

Leia mais

Equilíbrio rotacional: uma questão de balanço

Equilíbrio rotacional: uma questão de balanço Fornecido pelo TryEngineering - Clique aqui para dar seu feedback sobre esta lição Foco da lição Demonstrar o conceito de equilíbrio rotacional. Nota: Este plano de aula foi criado exclusivamente para

Leia mais

Máquina de chicletes interativa Fornecido pelo TryEngineering

Máquina de chicletes interativa Fornecido pelo TryEngineering Máquina de chicletes interativa Fornecido pelo TryEngineering Foco da lição Os alunos exploram a energia potencial e a energia cinética, trabalhando em equipes para projetar e construir uma máquina de

Leia mais

Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido

Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido Página 1 de 10 Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido 8.1 - Equilíbrio: Um corpo pode estar em equilíbrio das seguintes formas: a) Equilíbrio estático - É aquele no qual o corpo está em

Leia mais

Conservação da Energia II

Conservação da Energia II Conservação da Energia II Objetivo Contexto O objetivo deste experimento é mostrar a transformação da Energia Potencial Gravitacional em Energia Cinética, ilustrando a Conservação da Energia Mecânica.

Leia mais

Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido

Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido 132Colégio Santa Catarina Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido 132 Unidade VIII: Estática e Equilíbrio de um corpo rígido 8.1 - Equilíbrio: Um corpo pode estar em equilíbrio das seguintes

Leia mais

Desafio da torre alta

Desafio da torre alta Fornecido pelo TryEngineering - Foco da lição A lição enfoca o crescimento de edifícios altos e suas estruturas. Os alunos trabalham em equipes para desenvolver, com materiais limitados, a torre mais alta

Leia mais

Carros de corrida a elástico

Carros de corrida a elástico Carros de corrida a elástico Fornecido pelo TryEngineering - Foco da lição O foco desta lição é o projeto de carrinhos com propulsão a elástico. Equipes de estudantes constroem carrinhos movidos a elástico,

Leia mais

Fornecido pelo TryEngineering - www.tryengineering.org Clique aqui para dar seu feedback sobre esta lição

Fornecido pelo TryEngineering - www.tryengineering.org Clique aqui para dar seu feedback sobre esta lição Fornecido pelo TryEngineering - Clique aqui para dar seu feedback sobre esta lição Foco da lição A lição se concentra em problemas enfrentados por engenheiros civis, inclusive carga crítica e como reforçar

Leia mais

Fornecido pelo TryEngineering - www.tryengineering.org Clique aqui para dar seu feedback sobre esta lição

Fornecido pelo TryEngineering - www.tryengineering.org Clique aqui para dar seu feedback sobre esta lição Fornecido pelo TryEngineering - Clique aqui para dar seu feedback sobre esta lição Foco da lição A lição enfoca o conceito de fluxo de elétrons, através da demonstração de circuitos elétricos em uma lanterna,

Leia mais

Projete uma barragem

Projete uma barragem Fornecido pelo TryEngineering - Foco da lição A lição enfoca os diferentes usos de barragens e como elas são projetadas. Os estudantes trabalham em equipe para desenvolver um sistema de represamento de

Leia mais

Subindo e descendo com engenharia

Subindo e descendo com engenharia Fornecido pelo TryEngineering - Foco da lição A lição enfoca a por trás dos elevadores. Equipes de estudantes exploram os princípios e os requisitos da viagem vertical e então projetam e constroem um elevador

Leia mais

Um momento, por favor

Um momento, por favor Um momento, por favor A UU L AL A Outro domingo! Novo passeio de carro. Dessa vez foi o pneu que furou. O pai se esforça, tentando, sem sucesso, girar o parafuso da roda. Um dos filhos então diz: Um momento,

Leia mais

Experimente os números binários!

Experimente os números binários! Experimente os números binários! Fornecido pelo TryEngineering - Foco da lição A lição enfoca como funciona o código binário e aplicações do binário para engenheiros de computação. A lição oferece ao estudante

Leia mais

Fornecido pelo TryEngineering - www.tryengineering.org Clique aqui para dar seu feedback sobre esta lição

Fornecido pelo TryEngineering - www.tryengineering.org Clique aqui para dar seu feedback sobre esta lição Fornecido pelo TryEngineering - Clique aqui para dar seu feedback sobre esta lição Foco da lição A lição enfoca como anemômetros são projetados para medir a velocidade do vento e como os projetos mudaram

Leia mais

Trabalhando com rodas d'água

Trabalhando com rodas d'água Trabalhando com rodas d'água Fornecido pelo TryEngineering - Foco da lição A lição enfoca como rodas d'água geram energia. Equipes de alunos projetam e constroem uma roda d'água funcional usando produtos

Leia mais

E n v i a n d o a b a t a t a f r i t a

E n v i a n d o a b a t a t a f r i t a E n v i a n d o a b a t a t a f r i t a Fornecido pelo TryEngineering - Foco da lição A lição enfoca o projeto de embalagens que atendam às necessidades de transporte seguro de um produto. Os estudantes

Leia mais

Aula: 20.2 Conteúdos: Máquinas

Aula: 20.2 Conteúdos: Máquinas Aula: 20.2 Conteúdos: Máquinas 2 Habilidades: Identificar as máquinas simples 3 Energia Potencial Elástica A energia potencial elástica é a da energia que uma mola, elástico ou qualquer material que consiga

Leia mais

Projeto de dispositivos adaptativos

Projeto de dispositivos adaptativos Fornecido pelo TryEngineering - Clique aqui para dar seu feedback sobre esta lição Foco da lição Esta lição se concentra na engenharia de dispositivos ou assistivos, tais como aparelhos protéticos, cadeiras

Leia mais

Ponte de palitos. Fornecido pelo TryEngineering - www.tryengineering.org

Ponte de palitos. Fornecido pelo TryEngineering - www.tryengineering.org Fornecido pelo TryEngineering - Foco da lição A lição enfoca como as pontes são projetadas e construídas para suportar pesos, sendo também duráveis e, em alguns casos, agradáveis esteticamente. Os estudantes

Leia mais

Engenharia nos esportes

Engenharia nos esportes Fornecido pelo TryEngineering - Foco da lição A lição enfoca como princípios da engenharia aeroespacial tiveram impacto no desenho da bola de golfe, bem como em equipamentos usados em outros esportes.

Leia mais

Trabalhando com energia eólica

Trabalhando com energia eólica Trabalhando com energia eólica Fornecido pelo TryEngineering - Clique aqui para dar seu feedback sobre esta lição Foco da lição A lição enfoca como a energia eólica pode ser gerada, tanto em grande quanto

Leia mais

Construa uma roda-gigante

Construa uma roda-gigante Fornecido pelo TryEngineering - Foco da lição A lição enfoca a engenharia por trás das rodas-gigantes. Equipes de estudantes explorarão a engenharia por trás da London Eye, explorarão a história das rodasgigantes

Leia mais

Fornecido pelo TryEngineering - www.tryengineering.org Clique aqui para dar seu feedback sobre esta lição

Fornecido pelo TryEngineering - www.tryengineering.org Clique aqui para dar seu feedback sobre esta lição Fornecido pelo TryEngineering - Clique aqui para dar seu feedback sobre esta lição Foco da lição A lição enfoca o projeto de painéis de energia solar e sua aplicação em calculadoras padrão. Ela explora

Leia mais

Nanoimpermeabilização

Nanoimpermeabilização Fornecido pelo TryEngineering - Foco da lição A lição enfoca o impacto que a nanotecnologia teve no projeto e no desenvolvimento de muitos itens do dia-a-dia, de tintas a tecidos. Os estudantes aprendem

Leia mais

www.aliancaprevestibular.com

www.aliancaprevestibular.com Professor Gleytton Figueiredo Disciplina Física I Lista nº 02 Assuntos EQUILÍBRIO E LEIS DE NEWTON 01- (UERJ- 2001) As figuras abaixo mostram dois tipos de alavanca: a alavanca interfixa (I) e a alavanca

Leia mais

Tudo sobre motores elétricos

Tudo sobre motores elétricos Tudo sobre motores elétricos Fornecido pelo TryEngineering - Clique aqui para dar seu feedback sobre esta lição Foco da lição Motores elétricos: seus princípios e usos cotidianos. Nota: Este plano de aula

Leia mais

FIS-14 Lista-05 Setembro/2012

FIS-14 Lista-05 Setembro/2012 FIS-14 Lista-05 Setembro/2012 1. A peça fundida tem massa de 3,00 Mg. Suspensa em uma posição vertical e inicialmente em repouso, recebe uma velocidade escalar para cima de 200 mm/s em 0,300 s utilizando

Leia mais

UNIDADE NO SI: F Newton (N) 1 N = 1 kg. m/s² F R = 6N + 8N = 14 N F R = 7N + 3N = 4 N F 2 = 7N

UNIDADE NO SI: F Newton (N) 1 N = 1 kg. m/s² F R = 6N + 8N = 14 N F R = 7N + 3N = 4 N F 2 = 7N Disciplina de Física Aplicada A 2012/2 Curso de Tecnólogo em Gestão Ambiental Professora Ms. Valéria Espíndola Lessa DINÂMICA FORÇA: LEIS DE NEWTON A partir de agora passaremos a estudar a Dinâmica, parte

Leia mais

Desenhar e fazer um saco para doces mais perfeito

Desenhar e fazer um saco para doces mais perfeito um saco para doces mais perfeito Formação dada pela TryEngineering - Clique aqui para nos dar o seu feedback sobre esta aula. Objetivo da aula Demonstrar como as diferenças do modelo do produto podem afetar

Leia mais

FÍSICA 9ºano 3º Trimestre / 2013 BATERIA DE EXERCÍCIOS

FÍSICA 9ºano 3º Trimestre / 2013 BATERIA DE EXERCÍCIOS FÍSICA 9ºano 3º Trimestre / 2013 BATERIA DE EXERCÍCIOS TRABALHO E ENERGIA 1. Uma empilhadeira elétrica transporta do chão até uma prateleira, a uma altura de 6 m do chão, um pacote de 60 kg. O gráfico

Leia mais

Colégio Estadual Dr. Xavier da Silva EF e EM. PIBID - FÍSICA Disciplina: Física 1º Ano EM Turma:A Atividade Experimental Conteúdo: Colisões

Colégio Estadual Dr. Xavier da Silva EF e EM. PIBID - FÍSICA Disciplina: Física 1º Ano EM Turma:A Atividade Experimental Conteúdo: Colisões Colégio Estadual Dr. Xavier da Silva EF e EM. PIBID - FÍSICA Disciplina: Física 1º Ano EM Turma:A Atividade Experimental Conteúdo: Colisões Aluno(a): Nº: Data: / /2014 INTRODUÇÃO: a) Se você pudesse escolher

Leia mais

MOMENTO DE UMA FORÇA (TORQUE)

MOMENTO DE UMA FORÇA (TORQUE) MOMENTO DE UMA FORÇA (TORQUE) 0 UFRS- A figura a seguir representa uma alavanca constituída por uma barra homogênea e uniforme, de comprimento de 3m, e por um ponto de apoio fixo sobre o solo. Sob a ação

Leia mais

Medidas elétricas I O Amperímetro

Medidas elétricas I O Amperímetro Medidas elétricas I O Amperímetro Na disciplina Laboratório de Ciências vocês conheceram quatro fenômenos provocados pela passagem de corrente elétrica num condutor: a) transferência de energia térmica,

Leia mais

Capítulo 3 A Mecânica Clássica

Capítulo 3 A Mecânica Clássica Capítulo 3 A Mecânica Clássica AMecânica Clássica é formalmente descrita pelo físico, matemático e filósofo Isaac Newton no século XVII. Segundo ele, todos os eventos no universo são resultados de forças.

Leia mais

ROTEIRO DIÁRIO SEQUÊNCIA DAS ATIVIDADES/ ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS. Vinheta do Projeto. Aula: 15 Teleaula: 55 Título: Alavancas 13:01h às13:05h 4 min.

ROTEIRO DIÁRIO SEQUÊNCIA DAS ATIVIDADES/ ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS. Vinheta do Projeto. Aula: 15 Teleaula: 55 Título: Alavancas 13:01h às13:05h 4 min. Componente Curricular: Ciências Série/Ano Letivo: 9º ano/2014 Professor Ministrante: Giselle Palmeira e Silone Guimarães Carga Horária: 5 horas/aula Data: 27/03/2014 Aula: 15 Teleaula: 55 Título: Alavancas

Leia mais

Código: FISAP Disciplina: Física Aplicada Preceptores: Marisa Sayuri e Rodrigo Godoi Semana: 05/11/2015 14/11/2015

Código: FISAP Disciplina: Física Aplicada Preceptores: Marisa Sayuri e Rodrigo Godoi Semana: 05/11/2015 14/11/2015 Código: FISAP Disciplina: Física Aplicada Preceptores: Marisa Sayuri e Rodrigo Godoi Semana: 05/11/2015 14/11/2015 1) Certo dia, uma escaladora de montanhas de 75 kg sobe do nível de 1500 m de um rochedo

Leia mais

Física Geral. Série de problemas. Unidade II Mecânica Aplicada. Departamento Engenharia Marítima

Física Geral. Série de problemas. Unidade II Mecânica Aplicada. Departamento Engenharia Marítima Física Geral Série de problemas Unidade II Mecânica Aplicada Departamento Engenharia Marítima 2009/2010 Módulo I As Leis de movimento. I.1 Uma esfera com uma massa de 2,8 10 4 kg está pendurada no tecto

Leia mais

Programa de Retomada de Conteúdo - 3º Bimestre

Programa de Retomada de Conteúdo - 3º Bimestre Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Regular. Rua Cantagalo 313, 325, 337 e 339 Tatuapé Fones: 2293-9393 e 2293-9166 Diretoria de Ensino Região LESTE 5 Programa de Retomada de Conteúdo

Leia mais

EQUILÍBRIO DO CORPO EXTENSO

EQUILÍBRIO DO CORPO EXTENSO EQUILÍBIO DO COPO EXTENSO Questão - A barra a seguir é homogênea da seção constante e está apoiada nos pontos A e B. Sabendo-se que a reação no apoio A é A = 00KN, e que F = 0KN e F = 500KN, qual é o peso

Leia mais

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da

1ª LISTA DE DINÂMICA E ESTÁTICA. está inicialmente em repouso nas coordenadas 2,00 m, 4,00 m. (a) Quais são as componentes da Universidade do Estado da Bahia UNEB Departaento de Ciências Exatas e da Terra DCET I Curso de Engenharia de Produção Civil Disciplina: Física Geral e Experiental I Prof.: Paulo Raos 1 1ª LISTA DE DINÂMICA

Leia mais

Patrulha da poluição

Patrulha da poluição Fornecido pelo TryEngineering - Foco da lição Esta lição enfoca dispositivos que são usados para detectar a poluição do ar. Equipes de estudantes constroem detectores de poluição do ar para ambientes abertos,

Leia mais

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão III

Prof. Rogério Porto. Assunto: Cinemática em uma Dimensão III Questões COVEST Física Mecânica Prof. Rogério Porto Assunto: Cinemática em uma Dimensão III 1. Um atleta salta por cima do obstáculo na figura e seu centro de gravidade atinge a altura de 2,2 m. Atrás

Leia mais

1 Momento ou torque de uma força

1 Momento ou torque de uma força Introdução Estivemos, até aqui, analisando o movimento translacional dos corpos. Isso porque os corpos que estudamos eram pontos materiais, e estes não são dotados de movimentos de rotação. Caso desejemos

Leia mais

FIS-14 Lista-09 Outubro/2013

FIS-14 Lista-09 Outubro/2013 FIS-14 Lista-09 Outubro/2013 1. Quando um projétil de 7,0 kg é disparado de um cano de canhão que tem um comprimento de 2,0 m, a força explosiva sobre o projétil, quando ele está no cano, varia da maneira

Leia mais

Dinâmica do movimento de Rotação

Dinâmica do movimento de Rotação Dinâmica do movimento de Rotação Disciplina: Mecânica Básica Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: O que significa o torque produzido por uma força;

Leia mais

Leis de Newton INTRODUÇÃO 1 TIPOS DE FORÇA

Leis de Newton INTRODUÇÃO 1 TIPOS DE FORÇA Leis de Newton INTRODUÇÃO Isaac Newton foi um revolucionário na ciência. Teve grandes contribuições na Física, Astronomia, Matemática, Cálculo etc. Mas com certeza, uma das suas maiores contribuições são

Leia mais

Mecânica 2007/2008. 6ª Série

Mecânica 2007/2008. 6ª Série Mecânica 2007/2008 6ª Série Questões: 1. Suponha a=b e M>m no sistema de partículas representado na figura 6.1. Em torno de que eixo (x, y ou z) é que o momento de inércia tem o menor valor? e o maior

Leia mais

9) (UFMG/Adap.) Nesta figura, está representado um bloco de peso 20 N sendo pressionado contra a parede por uma força F.

9) (UFMG/Adap.) Nesta figura, está representado um bloco de peso 20 N sendo pressionado contra a parede por uma força F. Exercícios - Aula 6 8) (UFMG) Considere as seguintes situações: I) Um carro, subindo uma rua de forte declive, em movimento retilíneo uniforme. II) Um carro, percorrendo uma praça circular, com movimento

Leia mais

F-128 Física Geral I 2 o Semestre 2012 LISTA DO CAPÍTULO 2

F-128 Física Geral I 2 o Semestre 2012 LISTA DO CAPÍTULO 2 Questão 1 Um motorista de um carro que vai 52 km/h freia, desacelera uniformemente e para em 5 segundos. Outro motorista, que vai a 34 km/h, freia mais suavemente, e para em 10 segundos. Represente em

Leia mais

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 11 EQUILÍBRIO: DO PONTO MATERIAL E CORPO EXTENSO REVISÃO

FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 11 EQUILÍBRIO: DO PONTO MATERIAL E CORPO EXTENSO REVISÃO FÍSICA - 1 o ANO MÓDULO 11 EQUILÍBRIO: DO PONTO MATERIAL E CORPO EXTENSO REVISÃO Fixação F 1) (CESGRANRIO) A figura a seguir mostra uma peça de madeira, no formato de uma forca, 2 utilizada para suspender

Leia mais

Exercícios 6 Aplicações das Leis de Newton

Exercícios 6 Aplicações das Leis de Newton Exercícios 6 plicações das Leis de Newton Primeira Lei de Newton: Partículas em Equilíbrio 1. Determine a intensidade e o sentido de F de modo que o ponto material esteja em equilíbrio. Resp: = 31,8 0,

Leia mais

DINÂMICA DO PONTO MATERIAL

DINÂMICA DO PONTO MATERIAL DINÂMICA DO PONTO MATERIAL 1.0 Conceitos Forças se comportam como vetores. Forças de Contato: Representam o resultado do contato físico entre dois corpos. Forças de Campo: Representam as forças que agem

Leia mais

Instruções de Instalação do Rack

Instruções de Instalação do Rack Instruções de Instalação do Rack Revise a documentação fornecida com o gabinete do rack para obter informações de segurança e cabeamento. Antes de instalar o servidor em um gabinete do rack, revise as

Leia mais

FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33

FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33 2 1 100 1 132 1 000 FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33 1. Coloque a caverna do meio sobre o picadeiro a frente da traverssa. Para o barco de 5,2 m a caverna 2, para os barcos maiores a caverna 3. 2. Alinhe

Leia mais

1ª LISTA DE REVISÃO SOBRE ESTÁTICA DO CORPO EXTENSO Professor Alexandre Miranda Ferreira

1ª LISTA DE REVISÃO SOBRE ESTÁTICA DO CORPO EXTENSO Professor Alexandre Miranda Ferreira 1ª LISTA DE REVISÃO SOBRE ESTÁTICA DO CORPO EXTENSO Professor Alexandre Miranda Ferreira www.proamfer.com.br amfer@uol.com.br 1 Em uma experiência, a barra homogênea, de secção reta constante e peso 100

Leia mais

2 LISTA DE FÍSICA SÉRIE: 1º ANO TURMA: 2º BIMESTRE NOTA: DATA: / / 2011 PROFESSOR:

2 LISTA DE FÍSICA SÉRIE: 1º ANO TURMA: 2º BIMESTRE NOTA: DATA: / / 2011 PROFESSOR: 2 LISTA DE FÍSICA SÉRIE: 1º ANO TURMA: 2º BIMESTRE DATA: / / 2011 PROFESSOR: ALUNO(A): Nº: NOTA: Questão 1 - A cidade de São Paulo tem cerca de 23 km de raio. Numa certa madrugada, parte-se de carro, inicialmente

Leia mais

Tutorial de Física. Carga Elétrica e Lei de Coulomb.

Tutorial de Física. Carga Elétrica e Lei de Coulomb. Tutorial de Física Carga Elétrica e Lei de Coulomb. 1. Interações Elétricas. A. Pressione um pedaço de fita adesiva, de cerca de 15 a 20cm de comprimento, firmemente em uma superfície lisa sem tinta, por

Leia mais

Série 1º ANO. Colégio da Polícia Militar de Goiás - Hugo. MAT Disciplina: FISICA Professor: JEFFERSON. Aluno (a): Nº

Série 1º ANO. Colégio da Polícia Militar de Goiás - Hugo. MAT Disciplina: FISICA Professor: JEFFERSON. Aluno (a): Nº Polícia Militar do Estado de Goiás CPMG Hugo de Carvalho Ramos Ano Letivo - 2015 Série 1º ANO Lista de Exercícios 4º Bim TURMA (S) ABC Valor da Lista R$ MAT Disciplina: FISICA Professor: JEFFERSON Data:

Leia mais

Mais aplicações das Leis de Newton

Mais aplicações das Leis de Newton Mais aplicações das Leis de Newton Disciplina: Física Geral I Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: A natureza dos diversos tipos de força de atrito

Leia mais

Máquinas simples de cozinha

Máquinas simples de cozinha Máquinas simples de cozinha Fornecido pelo TryEngineering - Foco da lição A lição enfoca máquinas simples e como elas podem ser encontradas em muitos objetos de uso diário. Os estudantes exploram os diferentes

Leia mais

ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES E RESPECTIVOS ESPAÇOS PARA RESPOSTAS. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS

ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES E RESPECTIVOS ESPAÇOS PARA RESPOSTAS. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS ATENÇÃO ESTE CADERNO CONTÉM 10 (DEZ) QUESTÕES E RESPECTIVOS ESPAÇOS PARA RESPOSTAS. DURAÇÃO DA PROVA: 3 (TRÊS) HORAS A correção de cada questão será restrita somente ao que estiver registrado no espaço

Leia mais

AULA 4: Força e Equilíbrio

AULA 4: Força e Equilíbrio COLÉGIO PEDRO II CAMPUS HUMAITÁ II PROJETO UERJ-ENEM/2014 Prof. Carlos Frederico (Fred) AULA 4: Força e Equilíbrio 1. (UERJ - 2005) Uma caixa está sendo puxada por um trabalhador, conforme mostra a figura

Leia mais

Capítulo. Troca de ideias

Capítulo. Troca de ideias Capítulo 4 Trabalho e energia Troca de ideias [] Acessibilidade: um direito de todos! Neste capítulo estudaremos, entre outros assuntos, as chamadas máquinas simples. Entre elas nós temos a roda, a alavanca

Leia mais

joranulfo@hotmail.com http://ranulfofisica.blogspot.com/

joranulfo@hotmail.com http://ranulfofisica.blogspot.com/ 01. (UFPE/2006 Fís. 3) A figura representa a força aplicada na vertical, sobre uma chave de boca, por um motorista de caminhão tentando desatarraxar uma das porcas que fixa uma roda. O ponto de aplicação

Leia mais

Você acha que o rapaz da figura abaixo está fazendo força?

Você acha que o rapaz da figura abaixo está fazendo força? Aula 04: Leis de Newton e Gravitação Tópico 02: Segunda Lei de Newton Como você acaba de ver no Tópico 1, a Primeira Lei de Newton ou Princípio da Inércia diz que todo corpo livre da ação de forças ou

Leia mais

F-128 Física Geral I 2 o Semestre 2012 LISTA DO CAPÍTULO 9

F-128 Física Geral I 2 o Semestre 2012 LISTA DO CAPÍTULO 9 Questão 1: a) Ache as coordenadas do centro de massa (CM) da placa homogênea OABCD indicada na figura, dividindo-a em três triângulos iguais; b) Mostre que se obtém o mesmo resultado calculando o CM do

Leia mais

LISTA UERJ 2014 LEIS DE NEWTON

LISTA UERJ 2014 LEIS DE NEWTON 1. (Pucrj 2013) Sobre uma superfície sem atrito, há um bloco de massa m 1 = 4,0 kg sobre o qual está apoiado um bloco menor de massa m 2 = 1,0 kg. Uma corda puxa o bloco menor com uma força horizontal

Leia mais

Física Aplicada PROF.: MIRANDA. 2ª Lista de Exercícios DINÂMICA. Física

Física Aplicada PROF.: MIRANDA. 2ª Lista de Exercícios DINÂMICA. Física PROF.: MIRANDA 2ª Lista de Exercícios DINÂMICA Física Aplicada Física 01. Uma mola possui constante elástica de 500 N/m. Ao aplicarmos sobre esta uma força de 125 Newtons, qual será a deformação da mola?

Leia mais

Manual de utilização. No sentido inverso ao da marcha e no sentido da marcha Grupo 0+ - 1. Peso 0-18 kg. Idade 6m-4a

Manual de utilização. No sentido inverso ao da marcha e no sentido da marcha Grupo 0+ - 1. Peso 0-18 kg. Idade 6m-4a 1 26 27 34 35 16 2 4 3 Manual de utilização 5 6 8 9 7 10 11 12 13 14 15 28 29 36 31 17 30 37 No sentido inverso ao da marcha e no sentido da marcha Grupo 0+ - 1 19 20 21 23 Peso 0-18 kg 18 22 38 39 Idade

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Matemática e Física Coordenador da Área de Física LISTA 03. Capítulo 07

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Matemática e Física Coordenador da Área de Física LISTA 03. Capítulo 07 01 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Matemática e Física Coordenador da Área de Física Disciplina: Física Geral e Experimental I (MAF 2201) LISTA 03 Capítulo 07 1. (Pergunta 01) Classifique

Leia mais

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que A UU L AL A Ensaio de torção Diz o ditado popular: É de pequenino que se torce o pepino! E quanto aos metais e outros materiais tão usados no nosso dia-a-dia: o que dizer sobre seu comportamento quando

Leia mais

LISTA UERJ 1ª FASE LEIS DE NEWTON

LISTA UERJ 1ª FASE LEIS DE NEWTON 1. (Uerj 2013) Um bloco de madeira encontra-se em equilíbrio sobre um plano inclinado de 45º em relação ao solo. A intensidade da força que o bloco exerce perpendicularmente ao plano inclinado é igual

Leia mais

Caderno de Postura. Prof. Luiz Mello

Caderno de Postura. Prof. Luiz Mello Caderno de Postura Prof. Luiz Mello CADERNO DE POSTURA Este caderno de postura tem como objetivo demonstrar os principais pontos relacionados a maneira de como tocar violão e guitarra de uma maneira saudável,

Leia mais

Cartões de recurso pedagógico

Cartões de recurso pedagógico Cartões de recurso pedagógico Movimentações e habilidades 1. Movimentação - Sem bola 2. Adaptação à bola - Manipulação da bola 3. Movimentação - Com bola 4. Habilidades de lançamento - Rolamento 5. Habilidades

Leia mais

O Desafio do Robô Missões

O Desafio do Robô Missões O Desafio do Robô Missões ATENÇÃO ESTE MATERIAL É UMA TRADUÇÃO DO ORIGINAL EM INGLÊS DISPONIBILIZADO PELA FIRST ESTADOS UNIDOS. SOMENTE AS REGRAS CONTIDAS NESSE ARQUIVO E NO PORTAL WWW.APRENDERFAZENDO.ORG.BR

Leia mais

LISTA 04 Capítulo 09

LISTA 04 Capítulo 09 01 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Matemática e Física Coordenador da Área de Física Disciplina: Física Geral e Experimental I (MAF 2201) LISTA 04 Capítulo 09 1. (3E) Quais as coordenadas

Leia mais

sendo as componentes dadas em unidades arbitrárias. Determine: a) o vetor vetores, b) o produto escalar e c) o produto vetorial.

sendo as componentes dadas em unidades arbitrárias. Determine: a) o vetor vetores, b) o produto escalar e c) o produto vetorial. INSTITUTO DE FÍSICA DA UFRGS 1 a Lista de FIS01038 Prof. Thomas Braun Vetores 1. Três vetores coplanares são expressos, em relação a um sistema de referência ortogonal, como: sendo as componentes dadas

Leia mais

As leis de Newton e suas aplicações

As leis de Newton e suas aplicações As leis de Newton e suas aplicações Disciplina: Física Geral e Experimental Professor: Carlos Alberto Objetivos de aprendizagem Ao estudar este capítulo você aprenderá: O que significa o conceito de força

Leia mais

Capítulo 4 Trabalho e Energia

Capítulo 4 Trabalho e Energia Capítulo 4 Trabalho e Energia Este tema é, sem dúvidas, um dos mais importantes na Física. Na realidade, nos estudos mais avançados da Física, todo ou quase todos os problemas podem ser resolvidos através

Leia mais

3) Uma mola de constante elástica k = 400 N/m é comprimida de 5 cm. Determinar a sua energia potencial elástica.

3) Uma mola de constante elástica k = 400 N/m é comprimida de 5 cm. Determinar a sua energia potencial elástica. Lista para a Terceira U.L. Trabalho e Energia 1) Um corpo de massa 4 kg encontra-se a uma altura de 16 m do solo. Admitindo o solo como nível de referência e supondo g = 10 m/s 2, calcular sua energia

Leia mais

Centro de Massa. Curso: Engenharia Disciplina: complementos de Física Professor: Douglas Assunto: Centro de Massa E Momento de Inércia

Centro de Massa. Curso: Engenharia Disciplina: complementos de Física Professor: Douglas Assunto: Centro de Massa E Momento de Inércia Curso: Engenharia Disciplina: complementos de Física Professor: Douglas Assunto: Centro de Massa E Momento de Inércia Centro de Massa O centro de massa de um sistema de partículas é o ponto que se move

Leia mais

Revisão de Física Vestibular ITA 2011

Revisão de Física Vestibular ITA 2011 Vestibular ITA 011 Questão 1 Um cilindro oco, feito de material isolante, é fechado em uma das extremidades por uma placa metálica fixa e na outra por um pistão metálico bem ajustado livre para se mover.

Leia mais

Exercícios cinemática MCU, Lançamento horizontal e Oblíquo

Exercícios cinemática MCU, Lançamento horizontal e Oblíquo Física II Professor Alexandre De Maria Exercícios cinemática MCU, Lançamento horizontal e Oblíquo COMPETÊNCIA 1 Compreender as Ciências Naturais e as tecnologias a elas associadas como construções humanas,

Leia mais

Comprovação dos índices de refração

Comprovação dos índices de refração Comprovação dos índices de refração 1 recipiente de vidro; 1 bastão de vidro, e Glicerina. 1. Encha até a metade o recipiente com glicerina, depois basta afundar o bastão de vidro na glicerina e pronto!

Leia mais

Foto cortesia de Honda Motor Co., Ltd. Sistema de suspensão de braços triangulares superpostos no Honda Accord Coupe 2005

Foto cortesia de Honda Motor Co., Ltd. Sistema de suspensão de braços triangulares superpostos no Honda Accord Coupe 2005 Introdução Quando as pessoas pensam sobre o desempenho de um automóvel, geralmente vem à cabeça potência, torque e aceleração de 0 a 100 km/h. No entanto, toda a força gerada pelo motor é inútil se o motorista

Leia mais

Segurança, Equipamentos e Investigação Científica

Segurança, Equipamentos e Investigação Científica Segurança, Equipamentos e Investigação Científica Folha do Professor Resumo: O professor fará uma demonstração do que não se deve fazer no laboratório e os alunos tentarão adivinhar os erros. Em seguida,

Leia mais

Tânia observa um lápis com o auxílio de uma lente, como representado nesta figura:

Tânia observa um lápis com o auxílio de uma lente, como representado nesta figura: PROVA DE FÍSICA QUESTÃO 0 Tânia observa um lápis com o auxílio de uma lente, como representado nesta figura: Essa lente é mais fina nas bordas que no meio e a posição de cada um de seus focos está indicada

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo II Aula 03 1. Introdução A Mecânica de divide em Cinética e Estática. A Cinética estuda os movimentos e por sua vez se divide em Cinemática e Dinâmica.

Leia mais

CONSTRUINDO UMA PONTE TRELIÇADA DE PALITOS DE PICOLÉ

CONSTRUINDO UMA PONTE TRELIÇADA DE PALITOS DE PICOLÉ CONSTRUINDO UMA PONTE TRELIÇADA DE PALITOS DE PICOLÉ Objetivo do projeto. Neste projeto, você irá construir um modelo de ponte treliçada que já estará previamente projetada. Quando terminada a etapa construção,

Leia mais

DATA: / / 2014 VALOR: 20,0 pontos NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 1ª série EM TURMA: NOME COMPLETO:

DATA: / / 2014 VALOR: 20,0 pontos NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 1ª série EM TURMA: NOME COMPLETO: DISCIPLINA: Física PROFESSORES: Marcus Sant Ana / Fabiano Dias DATA: / / 2014 VALOR: 20,0 pontos NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 1ª série EM TURMA: NOME COMPLETO: Nº: I N S T R U Ç

Leia mais

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta

Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Aula 03: Movimento em um Plano Tópico 02: Movimento Circular Uniforme; Aceleração Centrípeta Caro aluno, olá! Neste tópico, você vai aprender sobre um tipo particular de movimento plano, o movimento circular

Leia mais

SÉRIE DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA CURSO DE ENSAIOS EM VOO (CEV)

SÉRIE DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA CURSO DE ENSAIOS EM VOO (CEV) SÉRIE DE EXERCÍCIOS DE FÍSICA CURSO DE ENSAIOS EM VOO (CEV) 1) As vezes, um fator de conversão pode ser deduzido mediante o conhecimento de uma constante em dois sistemas diferentes. O peso de um pé cúbico

Leia mais

no sentido inverso ao da marcha Manual de utilização Grupo Peso Idade 0+-1 0-18 kg 6m-4a

no sentido inverso ao da marcha Manual de utilização Grupo Peso Idade 0+-1 0-18 kg 6m-4a no sentido inverso ao da marcha Manual de utilização ECE R44 04 Grupo Peso Idade 0+-1 0-18 kg 6m-4a 1 Obrigado por escolher Besafe izi Kid. A BeSafe desenvolveu esta cadeira com muito cuidado, para proteger

Leia mais

Vamos relatar alguns fatos do dia -a- dia para entendermos a primeira lei de Newton.

Vamos relatar alguns fatos do dia -a- dia para entendermos a primeira lei de Newton. CAPÍTULO 8 As Leis de Newton Introdução Ao estudarmos queda livre no capítulo cinco do livro 1, fizemos isto sem nos preocuparmos com o agente Físico responsável que provocava a aceleração dos corpos em

Leia mais

UNOCHAPECÓ Lista 03 de exercícios Mecânica (lançamento de projéteis) Prof: Visoli

UNOCHAPECÓ Lista 03 de exercícios Mecânica (lançamento de projéteis) Prof: Visoli UNOCHAPECÓ Lista 03 de exercícios Mecânica (lançamento de projéteis) Prof: Visoli 1. A figura abaixo mostra o mapa de uma cidade em que as ruas retilíneas se cruzam perpendicularmente e cada quarteirão

Leia mais