SEGUROS. Nunca optámos por uma política de despedimentos. Quebras no seguro automóvel somam 150 milhões. Indemnizações pagas pelo FGA descem 10,4%

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGUROS. Nunca optámos por uma política de despedimentos. Quebras no seguro automóvel somam 150 milhões. Indemnizações pagas pelo FGA descem 10,4%"

Transcrição

1 SEGUROS DOSSIER MENSAL SOBRE O MERCADO SEGURADOR VidaEconómica ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DA VIDA ECONÓMICA Nº 1286, de 27 Fevereiro de 2009, E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE Nunca optámos por uma política de despedimentos Miguel Vilarinho, director da Rede de Agências da Fidelidade Mundial e Império Bonança, explica o investimento que a Caixa Seguros está a concretizar no Projecto Activaction para juntar as agências das duas seguradoras numa rede de 95 agências bimarca. O projecto deverá estar concluído em meados de Seguradoras apostam na Reforma 72% das panhias baixaram a produção em 2008 Quebras no seguro automóvel somam 150 milhões Lusitania lança Auto XS Corretora Lazam MDS pra no Brasil Indemnizações pagas pelo FGA descem 10,4% O Fundo de Garantia Automóvel (FGA) pagou no ano passado euros em indemnizações às vítimas de acidentes de viação em que o responsável não tinha seguro válido. As mortes na estrada custaram ao FGA euros, enquanto as indemnizações por danos corporais obrigaram ao pagamento de euros. Já os danos materiais custaram ao FGA euros em O ano 2005 foi positivo para o sector segurador. O ano 2008 foi ano de perdas para a grande maioria de panhias de a operar no Ramo Automóvel em Portugal. A generalidade dos operadores baixou a produção face a 2007 e fechou o ano quebras consideráveis. No total, as quebras registadas ultrapassam os 150 milhões de euros. Fidelidade Mundial, Tranquilidade, Lusitania, Sagres e BES Seguros registam quebras acima de dois dígitos em termos percentuais e viram a sua produção de seguro automóvel deixar escapar milhões, parativamente à produção de Só as cinco primeiras seguradoras do ranking de vendas de seguro automóvel caíram mais de 112 milhões de euros. Na Fidelidade Mundial, a quebra ultrapassou os 52 milhões. Na Tranquilidade chegou aos 26 milhões de euros. Do lado oposto deste quadro negro estão apenas cinco seguradoras, uma evolução ascendente Pedro Borralho acusa Seguradoras de política tarifária incoerente Seguro automóvel: maiores quebras de produção em 2008 Fonte: ISP Companhia Quebra face a 2007 Fidelidade Mundial Tranquilidade Axa Império Bonança Lusitania nas contas anuais do ramo automóvel. AIG Europe, Generali, Victoria, Liberty e Açoreana conseguiram registar performances positivas e a produção de 2008 no ramo automóvel foi superior à produção de Marsh apoia empresas na Austrália

2 2 sexta-feira, 27 Fevereiro de % das panhias baixaram a produção em 2008 Quebras no seguro automóvel somam 150 milhões Só nas cinco maiores panhias de que operam no ramo automóvel, o total de quebra de produção ultrapassou os 112 milhões de euros, a Fidelidade Mundial, do grupo CGD, e a Tranquilidade, do grupo BES, a liderarem as quebras. O ano 2008 tornou-se num ano negro para 18 panhias de e apenas cinco conseguiram subir a produção em A Fidelidade Mundial, seguradora líder de mercado e igualmente líder no Ramo Automóvel, bateu o recorde de quebra de produção em A panhia do grupo Caixa Geral de Depósitos registou uma quebra de 52,8 milhões de euros face àquilo que havia sido a produção de 2007 e detém agora uma quota de mercado de 18%. À Fidelidade Mundial juntam-se outras 17 panhias a operar no Ramo Automóvel, todas elas baixas na produção de Entre elas está a Império Bonança, do mesmo grupo, que cai 6,3% na produção de 2008, ou seja, regista uma quebra de quase 13 milhões de euros. E nem a Via Directa, que opera a marca OK! Tele- Seguro, também do grupo CGD, escapa ao ano horribilis e fecha 2008 uma quebra de quase 18 mil euros. A Tranquilidade, do grupo Espírito Santo, protagoniza a segunda maior quebra de produção do ano no Ramo Automóvel. Cai 26,6 milhões de euros na produção de 2008, fechando o ano menos 15,5% de produção que em Detém agora uma quota de mercado de 8% neste ramo. A AXA, terceiro operador no ranking automóvel, viu a produção de 2008 sofrer uma quebra superior a 16 milhões de euros, menos 7,9% que em E as quebras sucedem-se por quase toda a tabela do Ramo Automóvel. Apenas cinco panhias conseguiram fechar o ano sem baixar a produção. A AIG Europe encabeça esta lista, fruto de uma nova estratégia que passou a incluir o ramo automóvel no centro das atenções da seguradora. Generali, Victoria, Liberty e Açoreana fazem também a diferença e conseguem remar contra a maré, estancando as perdas neste ramo. São panhias que assumiram o abandono da agressividade ercial a que ficou votado o mercado segurador no ramo automóvel e que fazem questão de valer o seu preço pela qualidade do serviço. A estratégia parece ter sido vencedora e os resultados da produção de 2008 aí estão para o provar. Quando todas as outras registam quebras de produção, muitas delas gigantescas, estarão estas cinco panhias a demonstrar que não é preciso ercializar o seguro mais barato do mercado para conquistar a confiança dos seus clientes? Preços a descer A guerra de preços no seguro automóvel não eçou em 2008, mas agudizou-se ao longo de todo o ano passado. Antes disso, já a entrada em vigor da Lei das Cobranças, que transformou o não pagamento do prémio de seguro em anulação automática do contrato, havia aumentado a volatilidade das carteiras, muitos clientes a perceber que não dava trabalho algum anular o contrato a sua seguradora habitual, bastando não pagar o prémio por altura da sua renovação. Por essa altura, já a maior parte das panhias disponibilizava na internet simuladores virtuais que permitiam estimar o prémio de seguro para cada caso particular. Não tardou a que muitos clientes se munissem de argumentos para mudar de seguradora ou negociar uma redução do prémio para manutenção do contrato. E assim os preços médios praticados iam baixando, à medida que os clientes iam saltitando de seguradora em seguradora, ao sabor do preço mais barato, que todas as panhias se esforçavam por apresentar. O início de 2008 regista a entrada de dois novos operadores de venda exclusivamente directa no mercado segurador automóvel. No mesmo mês é lançada a Logo, detida pela Tranquilidade, e a N Seguros, detida pela Real. Um ano depois, a Logo anuncia ter conquistado 30 mil clientes e a N Seguros anuncia 45 mil clientes em carteira. Assumindo ercializar para o Ramo Automóvel a preços baixos, a N Seguros fecha 2008 uma produção de 5,7 milhões de euros e a Logo uma produção de 3,7 milhões. Juntas, as duas panhias detêm 0,5% do mercado. O canal de vendas por telefone e internet continua ainda a ser explorado pela Via Directa, cuja quota de mercado estabiliza em 2008 nos 1,9%, e pela Seguro Directo, que detém 1,4% do mercado. O ano ainda não tinha chegado ao fim e já algumas seguradoras anunciavam estar dispostas a inverter a tendência decrescente dos preços, mesmo sem esperar pelo ano novo. Temiam-se resultados desastrosos na produção de 2008 e na maior parte dos casos as perspectivas confirmaram-se. Agora, o mercado divide-se: de um lado estão aqueles que definitivamente encerraram as suas portas à guerra de preços e não mais estão dispostos a discutir tarifas ao cêntimo. Do outro estão aquelas que ainda conseguem suportar resultados o os de 2008, balançando-os resultados positivos em outros ramos. A dúvida reside agora em saber o Quebras de produção (em euros) que irá acontecer ao preço médio do seguro automóvel, já que se anuncia para 2009 a sua subida, tendo em conta os resultados de 2008, mas há também quem Companhia Quebra face a 2007 Fidelidade Mundial Tranquilidade Axa Império Bonança Lusitania Sagres Mapfre Allianz Zurich BES Seguros Ocidental Global Real CA Seguros Seguro Directo Groupama AMA Via Directa TOTAL Fonte: ISP - Produção Provisória Aumento de produção (em euros) AUMENTO de produção (em euros) Companhia Aumento face a 2007 AIG Europe Generali Victoria Liberty Açoreana TOTAL onte: ISP Produção Provisória acredite que ele permanecerá em baixa por mais algum tempo, sobretudo numa época em que os portugueses querem cortar custos no seu orçamento familiar. Lusitania lança Auto XS Para dar resposta aos clientes que procuram um seguro automóvel a preços baixos, a Lusitania lançou o Auto XS, um seguro que inclui a cobertura obrigatória de responsabilidade civil e as coberturas de assistência em viagem e protecção jurídica. Disponível para veículos ligeiros de passageiros ou de mercadorias, o Lusitania Auto XS abrange o capital mínimo obrigatório de 1,8 milhões de euros e ainda os danos causados pelo veículo seguro em toda a União Europeia e países limítrofes assinalados na Carta Verde. A cobertura de assistência em viagem pode ser accionada em Portugal ou no estrangeiro sem implicar o agravamento do prémio. Neste serviço estão incluídos, entre outros, a perda ou roubo de chaves e chaves trancadas dentro da viatura, a desempanagem, a substituição de roda em caso de furo de pneus ou o reboque do veículo para oficina em Portugal. Já a cobertura de protecção jurídica disponibiliza assistência jurídica em processos judiciais civis e penais em casos relacionados acidentes de viação envolvendo o veículo seguro. FGA paga 24,5 milhões em indemnizações O Fundo de Garantia Automóvel (FGA) pagou no ano passado euros em indemnizações às vítimas de acidentes de viação em que o responsável não tinha seguro válido. Deste valor, euros foram pagos a vítimas lesões corporais e euros foram pagos a vítimas danos materiais. Os restantes foram pagos por mortes na sequência de acidentes causados por veículos sem seguro válido. Desde 2003 que o Fundo de Garantia Automóvel não conseguia registar uma valor tão reduzido de indemnizações pagas. Em 2004, as indemnizações do FGA chegaram aos 26 milhões de euros e em 2006 ultrapassaram mesmo os 27 milhões de euros. A tendência decrescente é registada, pela primeira vez, em 2007, quando o valor total de indemnizações baixa ligeiramente (-0,92%), mas é reforçada em 2008, uma quebra de 10,4% face aos 27,3 milhões de euros pagos no ano anterior. De acordo o FGA, só em 2008 foram abertos 5200 novos processos, menos 315 que em Além de ter reduzido o valor total de indemnizações pagas, o FGA conseguiu também aumentar o valor de reembolsos conseguidos. Recorde-se que, apesar de o FGA pagar as indemnizações às vítimas de acidentes causados por veículos sem seguro válido,, os responsáveis pelos sinistros ficam obrigados a reembolsar o FGA juros. Assim,, em 2008, o FGA recuperou euros, o que representa um acréscimo de 14,6% face aos reembolsos registados no ano anterior.

3 sexta-feira, 27 Fevereiro de Fidelidade Mundial e Império Bonança lançam Programa Consciência Leve Seguradoras apostam na reforma Um prémio para investigações académicas, um índice sociológico, conferências e programas de televisão são algumas das acções previstas pelo grupo Caixa Geral de Depósitos para aumentar a sensibilização dos portugueses para a necessidade de poupar individualmente para a reforma. A Fidelidade Mundial e Império Bonança elegeram o tema da reforma o uma das bandeiras da sua operação em 2009 e lançaram o programa Consciência Leve, baseando-se no nome do Plano Poupança Reforma lançado pelo grupo Caixa Geral de Depósitos em Abril de Com novos clientes conquistados só em 2008 para o PPR Leve, o grupo entendeu ser hora de intensificar a sensibilização geral da sociedade para a importância da poupança individual para a reforma. Já conseguimos rejuvenescer a nossa base de clientes e 43% dos novos clientes conquistados em 2008 têm idade inferior a 40 anos, mas faltava-nos uma ambição de longo prazo. Pretendemos alicerçar mais este conceito na sociedade porque queremos ser uma referência neste mercado, justifica Jorge Magalhães Correia, presidente da Fidelidade Mundial e Império Bonança. O Programa Consciência Leve assenta na promoção de maior conhecimento sobre a reforma e na divulgação desta temática. Para promover conhecimentos sobre o tema, as seguradoras instituíram o Prémio Inovação Reforma, que oferece 50 mil euros ao melhor trabalho de investigação académica sobre reforma. Paralelamente, é criado o Índice Consciência Reforma, em parceria o ISCTE, avaliando anualmente a predisposição dos portugueses para poupar e consumir, medindo ambições, preocupações e montantes disponíveis para poupar. E serão ainda organizadas conferências dedicadas à reforma e à poupança individual. Já na vertente de divulgação, a Caixa Seguros prepara-se para estrear um programa de televisão dedicado à reforma, a que se juntarão acções junto das escolas e publicações especializadas. PPR para todo o ano Não é de hoje que as panhias de deitam olho ao tema da reforma, elegendo-o o uma prioridade das suas estratégias erciais. Atentas às notícias que dão conta de alterações nas formas de cálculo de reformas, na maior parte das vezes traduzidas em cortes nas expectativas dos cidadãos, as seguradoras desdobram-se em acções de sensibilização dos seus clientes para a necessidade da poupança individual, o forma de garantir uma velhice financeiramente tranquila. Ser uma seguradora referência no mercado da poupança para a reforma é hoje o discurso assumido pela Caixa Seguros, o já o era em 2007 pela AXA Portugal, quando apresentou os primeiros mediadores especialistas em sistemas privados de reforma. Nessa altura, a AXA já apresentava a terceira edição do Barómetro Reforma, estudo que avaliava as expectativas dos portugueses e outros povos europeus face à reforma. De resto, os planos poupança reforma apenas costumam ocupar um lugar cativo nas campanhas publicitárias das panhias de nos meses de Novembro e Dezembro, aguardando pelo tradicional aumento da procura destes produtos no final de cada ano. Mas os produtos do Ramo Vida a assumirem maior protagonismo nas vendas das seguradoras, o tema da Reforma deixa cada vez mais de estar relegado para os finais de ano e passa a ocupar grande parte do marketing das seguradoras, também elas cada vez mais empenhadas em aumentar a sensibilização da sociedade para o assunto e a explorar mais intensidade este mercado. A nossa maior responsabilidade... Aconselhar! Pedro Cardoso Vice-presidente da Direcção da APROSE Algumas seguradoras poderão ser arrastadas para situações de ruptura financeira grave, protelando o pagamento de sinistros Depois do terramoto financeiro do já apelidado Outubro negro, as consequências efectivas vão eçar a fazer-se sentir neste primeiro trimestre no sector segurador. Imagino que será nesta altura que as panhias de vão mostrar o quanto perderam os tais produtos financeiros tóxicos e a falência de algumas instituições em que participavam o accionistas, e do acerto da valorização da carteira de investimento imobiliário, para além da descida de prémios praticada pela generalidade do sector nas renovações dos negócios em Dezembro último. Tal situação pode, de um momento para o outro, arrastar algumas seguradoras para situações de ruptura financeira grave, protelando dessa forma o pagamento de sinistros, já que as garantias que as mesmas detêm o reservas para o risco em curso, auditadas pelas entidades de supervisão, parecem ser suficientes para a liquidação dos promissos assumidos. No entanto, o cliente ficará sempre prejudicado, dado o tempo que decorrerá até que tal garantia se converta em liquidez para pagamento de um sinistro. Por outro lado, a recolocação do risco a meio de um contrato, por motivo de uma falência surpresa seria outra situação muito plexa, situação esta a que o mercado segurador reagiu muito bem na Holanda, onde ocorreu tal facto, sendo que um colégio de seguradoras assumiu desde logo ser sem custo adicional para o tomador um pára-quedas para o risco em curso de uma seguradora em dificuldade de liquidez. Mas perguntar-me-ão qual a nossa responsabilidade enquanto mediadores? De facto, não detemos qualquer responsabilidade efectiva e directa, pois em primeiro lugar é a própria seguradora a responder pelo risco e depois, em caso extremo, o próprio Estado, através do órgão de supervisão respectivo. A nossa responsabilidade é somente moral e ética perante o haver aconselhado/apresentado determinada seguradora e determinado produto para colocação do risco e, por isso, teremos de ter respostas para dar e soluções alternativas que se apresentem válidas perante um cenário atípico. Cabenos então, na qualidade de conselheiros/consultores, apanhar a evolução dos ratings (valendo estes o que valem!), as publicações, a que temos acesso, das contas das seguradoras e dos rumores que por vezes circulam no mercado para incluir ou não na nossa escolha de apresentação para o cliente. De facto, a vantagem concorrencial eça a desenhar-se para os operadores da mediação, pois a sua independência levará a que o consumidor, num ambiente adverso, procure um mediador que se destaca pela sua independência, pela sua qualidade e integridade, exigindo simultaneamente um padrão elevado de transparência e protecção. Os dias em que o preço era a razão da mudança estão a ter o seu fim! PUB

4 4 sexta-feira, 27 Fevereiro de 2009 calendário de eventos da actividade seguradora março consulte online em aprose.pt Data Evento 28/02/09 Os desafios da profissão de perito em /03/09 Colóquio: Assimetria informativa no seguro 2/03/09 Curso: Agentes e corretores de 7/03/09 Conferência: Assédio moral - Uma realidade no local de trabalho? 11/03/09 Curso: Impactos fiscais da introdução do PCES 12 e 13/03/09 Formação em bate ao branqueamento de capitais 14/03/09 Conference: MultaQa Qatar /03/09 Curso: Agentes e corretores de 16 e 17/03/09 Curso: Avaliação de desempenho 19/03/09 CEA Motor Insurance 25 a Forinvest 27/03/09 Local Contactos e informações Organização Cidade Endereço Telefone Fax Web page Leiria Instituto Politécnico de CNPR cnpr.pt Leiria Lisboa R. Rodrigo Fonseca, 41 SPAIDA Lisboa Lisboa A indicar aos interessados Auditório do Hotel Roma PROFITECLA institutoprofitecla. institutoprofitecla. STAS stas.pt Lisboa R. Rodrigo Fonseca, 41 APS Lisboa R. Rodrigo Fonseca, 41 APS Doha, Qatar Sharq Village and Spa Newsquest globalreinsurance. Porto A indicar aos interessados PROFITECLA institutoprofitecla. Lisboa R. Rodrigo Fonseca, 41 APS Bélgica, Bruxelas Espanha, Valência Rue Wiertz 77 CEA eu Feira de Valência Instituto Valenciano de Finanzas feriavalencia. globalreinsurance. institutoprofitecla. cea.eu feriavalencia. Seguros um olho no burro Nos tempos que vão correndo e a crise económica mais ou menos instalada, assistimos, por parte da generalidade dos actores do mercado, à quase obrigação na revisão em baixa dos preços dos, especial incidência no seguro automóvel. Porque o sujeito ouviu na rádio, sabe pela vizinha ou porque até assistiu a uns pencudos ou narigudos num anúncio a dizerem quanto pouparam na alteração do seu seguro para a panhia xpto, motiva, quase que diríamos, uma histeria colectiva ou leilão de preços para ver quem faz ao mais baixo preço. No fundo, aceitam licitações, bastando para tanto a indicação da última oferta. Não estamos perante um caso de gravidez, mas daqui a nove meses, ou, para sermos mais precisos, em 1 de Dezembro entrarão em vigor os novos mínimos obrigatórios para o ramo automóvel. Ou seja, enquanto hoje em dia o mínimo obrigatório se traduz em 1,2 milhões de euros para danos corporais e 600 mil euros em danos materiais, perfazendo o capital mínimo obrigatório de 1,8 milhões de euros, a partir da supracitada data temos um mínimo de 2,5 milhões de euros para danos corporais e 750 mil euros para danos materiais, o que totaliza, a partir daí e até 31 de Maio de 2012, o mínimo obrigatório para a generalidade das situações de 3,25 milhões de euros. Se eçarmos a escalpelizar, verificamos que o mínimo obrigatório para danos corporais sobe 108,33%, enquanto os danos materiais sobem 25%. Convém então esperar-se que as indemnizações atribuídas pelos tribunais venham a disparar a partir daí, naquilo que no dia-a-dia já vínhamos assistindo. O mesmo vai acontecer aos danos materiais correspondentes. Também a partir dessa data e entre outras, os danos corporais passam a ficar sujeitos a um Luiz Filipe Acta Corretores de Seguros, SA conjunto de prazos de que salientamos: os exames médicos terão de ser efectuados entre 20 e 60 dias, a fim de que se possa dispor do relatório para os sinistrados (dentro dos 10 dias seguintes), assumindo ou declinando a responsabilidade pelos danos, conforme preceituado nos artigos 32º e 37º do Decreto-Lei 291/2007, de 21 de Agosto. Outra das situações que passa a ocorrer diz respeito à definição de perda total, que passa a ser considerada desde que o valor da reparação, adicionado do montante da avaliação dos salvados, ultrapasse 100% no caso de a viatura ter menos de dois anos ou de 120% quando a mesma tiver mais de dois anos. Resumindo, vamos ter obrigatória e naturalmente maior exposição ao risco e indemnizações mais avultadas, fazendo crer muitas seguradoras que o importante nesta fase do campeonato é vender a todo o custo, mas manter o ranking na tabela das seguradoras. Grande parte dos mediadores profissionais de seguro tem feito sentir aos seus clientes, de uma forma pedagógica e séria, que os tempos que se avizinham é de crescendo nos prémios face ao avolumar das responsabilidades e também ao consequente agravamento dos prémios por parte dos resseguradores internacionais, mas há sujeitos que acreditam no coelho da Páscoa e os seus ovos a saltarem da cartola por artes mágicas, pensando que, mais dia, menos dia, até lhe oferecem o seguro. A nossa reendação é aquela do ditado popular: Temos que estar um olho no burro e outro no cigano, senão pode acontecer a muitos gestores o mesmo que aconteceu àquele treinador brasileiro da equipa londrina que via um olho o não querer ser burro, não teve cuidado o outro e foi posto na rua (embora nesse particular uma choruda indemnização). Bons e Boa Páscoa são os nossos votos.

5 sexta-feira, 27 Fevereiro de Pedro Borralho, sócio-gerente da PB Seguros, critica evolução tarifária no Ramo Não Vida Não houve uma política coerente da parte da indústria seguradora Mediadores, corretores e seguradoras têm sido arrastados para uma corrida ao negócio, acusa Pedro Borralho, sócio-gerente da PB Seguros, perante a evolução dos preços praticados no Ramo Não Vida e os resultados agora conhecidos. Pedro Borralho fala em incoerência de políticas e acusa também as seguradoras de terem dado escassa formação aos mediadores sobre o novo regime de contrato de seguro. A mediação terá que se pautar cada vez mais pela qualidade de serviços, afirma Pedro Borralho. Vida Económica Que balanço faz da história da empresa? Pedro Borralho O início da nossa empresa teve por base a carreira profissional ao longo de 10 anos, primeiro o consultor, depois o gerente de delegação na American Life Insurance Company e, posteriormente, na Deutsche Bank Vida (DB Vida). Em 2002, a pra desta panhia por parte da Zurich Vida, S.A., decidimos avançar para a criação da Pedro Borralho - Mediação de Seguros, Lda., PB SEGU- ROS, partindo de uma pequena carteira criada até então, localizada basicamente em Aveiro, onde temos o nosso escritório. VE Qual o volume de prémios geridos, de negócio e número de trabalhadores? PB A PB SEGUROS gere actualmente um valor de prémios de 1,7 milhões de euros, cerca de 3200 clientes individuais e empresas, diversificados em vários ramos e um volume de negócios de 220 mil euros. A nossa equipa é posta por quatro profissionais um já vasto conhecimento na actividade. VE Por que valores procura pautar a actividade da empresa? PB Credibilidade, criação de soluções para os riscos e qualidade de serviços, garantindo a satisfação e o êxito dos nossos clientes. VE Num sector em que pululam os diferentes canais de distribuição de, de que forma poderá a mediação afirmar-se em termos de concorrência? PB O nosso posicionamento no mercado passa pela apresentação de soluções inovadoras e técnicas diferentes aos clientes, deixando os produtos de venda massiva para os outros canais de distribuição. A mediação terá que se pautar cada vez mais pela qualidade de serviços e fazer valer o facto de ter um balcão/escritório aberto profissionais para apoiar os clientes. VE Foram recentemente divulgadas as estatísticas relativas à actividade seguradora em Apesar de se ter assistido a um crescimento global de 11%, no Ramo Não Vida o volume de prémios caiu mais de 2%. Que entário lhe suscita esta situação? PB A indústria seguradora nestes últimos anos passou por vários momentos, um dos quais foi o surgimento de mais operadoras telefónicas, outro foi a diminuição da sinistralidade rodoviária que originou a baixa dos prémios de seguro automóvel, generalizandose a outros ramos em alguns casos de forma desmedida. Esta e outras situações arrastaram mediadores, corretores e seguradoras para uma corrida aos negócios, obrigando a um trabalho redobrado, tanto na redução dos negócios o na procura de novos, ou seja, muita facturação mas menos prémios. Nestes últimos anos, de uma forma geral, não houve uma política coerente da parte da indústria seguradora. Será este ano que vamos assistir a uma inversão? VE O novo regime legal do contrato de seguro entrou recentemente em vigor. Como classificaria a formação conferida pelas seguradoras aos seus agentes a este respeito? PB A formação por parte das seguradoras foi escassa, havendo mesmo ainda algumas dúvidas nos procedimentos nos próprios balcões das seguradoras. VE Que leitura faz da aposta que muitas seguradoras têm vindo a fazer nos mediadores de ligados? O que explica, na sua opinião, esta tendência? PB Aquando da discussão do Decreto-Lei 144/2006, já havia algumas reservas quanto a esta figura, mas foi necessário pôr em prática para se verificar que se trata de uma figura contraditória, indo de encontro à confirmação daquilo que já era esperado pelos mediadores e corretores, que nada dignifica o profissionalismo da actividade. VE Julga poderem estar em risco os interesses dos consumidores? PB Sim. É um facto. Os mediadores ligados, regra geral, operam por conta e risco de uma seguradora, pelo que apenas podem apresentar os produtos dessa empresa, deixando de existir termo de paração para o consumidor. PUB Corretora Lazam MDS pra no Brasil A corretora brasileira Miral foi adquirida pela Lazam MDS, joint-venture criada há sete anos entre a corretora portuguesa MDS, do grupo Sonae, e a brasileira Lazam, do grupo Suzano. De acordo o unicado emitido pela MDS, esta aquisição permite à Lazam MDS aumentar o seu volume de prémios para os 205 milhões de euros, o equivalente a 600 milhões de reais. A aquisição da Miral permite também à Lazam MDS reforçar o seu posicionamento no mercado ressegurador, que agora eça a ganhar expressão no Brasil. A Miral conta já 30 anos de história no mercado brasileiro e do seu portefólio fazem parte a consultoria de seguro, resseguro e gestão de riscos para a indústria, para os segmentos marítimo e aeroespacial, serviços, financeiro, garantias e pessoas. Marsh apoia empresas na Austrália A corretora Marsh, através da sua operação na Austrália, disponibilizou apoio gratuito a todas as empresas que tenham sofrido danos na sequência dos incêndios que afectaram aquele país e que não disponham de um corretor de para dar apoio na participação dos sinistros. Esta é já a segunda operação de aquisição protagonizada pela Lazam MDS em 2009, já que a corretora havia anunciado logo no início do ano a pra da ADDmakler. É também a sétima aquisição desde que foi formada a joint-venture. E a intenção de prosseguir a onda de aquisições continua patente entre os responsáveis da corretora, que admitiram já a hipótese de concretizar outras pras nos próximos meses. Da carteira de clientes da Lazam MDS fazem agora parte 500 grandes empresas, 8500 pequenas e médias empresas e ainda 700 mil particulares. A corretora conta 530 colaboradores, tem sede em São Paulo e escritórios no Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Espírito Santo, Ceará, Baía e Minas Gerais. A confiança de quem se encontra fragilizado conquista-se quando se esbate a barreira da unicação e se garante que alguém qualificado tomará conta do problema, explica Marina Apolinário Kong, claims manager da Marsh em Portugal.

6 6 sexta-feira, 27 Fevereiro de 2009 Miguel Vilarinho explica investimento da Caixa Seguros no Projecto Activaction Este é um projecto grande, que implica formação em pessoas, investimento em instalações e em informática, confirma Miguel Vilarinho. Vida Económica Começam a ser conhecidos os resultados de 2008 e conclui-se que o ano não foi famoso para as panhias líderes de mercado. Comecemos pelo Ramo Não Vida. A Fidelidade Mundial cai 6,3%. A Império Bonança 7,2%. Que ramos foram mais responsáveis por estas quebras? Miguel Vilarinho Na Rede de Agências e Mediação, foi claramente o ramo automóvel. Foi um ano muitas perdas de apólices, sobretudo na Fidelidade Mundial porque a Império Bonança já conseguiu nos últimos nove meses do ano um saldo nulo de apólices e a quebra fez-se sentir sobretudo pela redução do prémio médio. O mercado está mais petitivo, temos todos que descer preços até um determinado nível e foi isso que aconteceu do lado da Império Bonança. Do lado da Fidelidade Mundial houve uma perda de apólices bastante acentuada, sobretudo nos primeiros sete ou oito meses do ano e na fase final já assistimos a uma recuperação, mas binando isso a redução do prémio médio acabamos por ter um resultado francamente negativo. Depois temos também os Acidentes de Trabalho e também uma quebra mais visível do lado da Fidelidade Mundial, onde houve uma redução muito forte das taxas e redução da massa salarial no contexto da crise económica. Esses dois factores juntos têm um efeito muito acentuado. VE O ramo automóvel caiu 6,9%. Chegou-se longe de mais na guerra de preços? MV Não posso falar pelo mercado, só falo pela nossa realidade. Nós temos condições, pela dimensão que temos, pela rede de prestadores que temos e pelo nosso modelo de gestão de sinistros, de baixar o preço e não fomos além daquilo que poderíamos ir. Não estamos a pôr em causa a rentabilidade do ramo automóvel, mas reconheço que estamos hoje mais próximos do limite do que estávamos em 2007 ou em VE O que vai acontecer ao preço médio do seguro automóvel em 2009? MV Eu estou convencido que o prémio médio ainda irá descer mais, não tanto por via dos novos, que aí já não deve haver margem para descer muito mais, mas existirão ainda alguns clientes um prémio superior àquilo que poderiam estar a pagar fazendo um seguro novo. Acredito que o prémio médio ainda vá descer um pouco por via destas negociações, embora grande parte da carteira já esteja renegociada. Mas em breve os preços vão estabilizar porque não há muito mais margem para descer. VE E o que se passa o ramo de Acidentes de Trabalho? A que se devem tão maus resultados em todo o mercado? MV O ramo Acidentes de Trabalho é o espelho do desenvolvimento económico do país. Quando estamos num contexto de expansão e de criação de emprego, normalmente, o ramo cresce. Quando estamos no ciclo inverso, o temos sentido, invariavelmente, vai ter de continuar a decrescer, mais uma vez, até determinado limite ao nível das taxas. Mas se a massa salarial continuar a reduzir aí não poderemos fazer nada. VE No Ramo Vida temos o grupo Caixa Geral de Depósitos a apostar fortemente na reforma, numa altura em que o último produto que lançaram o LeVE está a ser muito bem recebido no mercado. Os portugueses estão cada vez mais despertos para esta temática da poupança individual para a reforma? Nunca optámos por uma política de despedimentos Até meados de 2010, Fidelidade Mundial e Império Bonança estarão presentes em 95 agências bimarca espalhadas pelo país. O projecto Activaction já está em curso e vai separar agências de clientes e centros de mediadores, depois de uma experiência piloto bem sucedida no Montijo. Afastada continua a hipótese de criar uma marca única, mantendo-se todas as agências a operar as duas marcas, embora produtos iguais e backoffices unidos. Miguel Vilarinho, director da rede de agências, explica o conceito inerente ao Projecto Activaction, o investimento que está a ser feito na capilaridade da rede e os objectivos de retenção da carteira líder de mercado depois de um ano negro do Ramo Não Vida e auspicioso no Ramo Vida. MV Eu diria que nesta área o potencial de crescimento é enorme, porque, de facto, um PPR as pessoas não estão a gastar dinheiro, estão a fazer uma poupança. A sensibilização tem evoluído muito porque nós estamos a atingir um target cada vez mais jovem. O PPR era um produto penetração muito mais elevada nos escalões etários mais altos e agora estamos a vender mais nos escalões mais baixos e isto representa uma inflexão no pensamento das pessoas, porque os mais novos não se preocupavam o futuro e agora preocupam-se de facto. VE Qual é, actualmente, a dimensão da vossa rede de mediadores? MV Entre Fidelidade Mundial e Império Bonança temos 12 a mediadores. Isto significa já uma redução para metade face àquilo que era o número de mediadores antes da entrada em vigor da nova Lei da Mediação, quando chegámos a ter perto de mediadores. Mas entre os mediadores que temos actualmente registados eu encontro cerca de 3000 mediadores profissionais. Os restantes 9000 têm uma participação reduzida e acredito que muitos deles, mais tarde ou mais cedo, vão acabar por vender as suas carteiras. VE Vamos assistir a um fenómeno de consolidação de carteiras? MV Nós já temos assistido a algumas consolidações de carteira e até temos alguns casos de sucesso, embora eu veja que em Portugal os mediadores não estão a apostar muito nessa forma de consolidação. Eles pensam que, se um mediador quer vender a carteira, é porque está inactivo, logo a sua carteira acabará por ficar disponível e não Vida Económica Que papel ocupa a formação na vossa estratégia? Miguel Vilarinho A formação de agentes tem um papel fundamental e nós ganhamos sinergias a aquisição da Império Bonança. Entendemos que, se a formação de um mediador for feita de forma muito apanhada, é a garantia de formação de um profissional altamente qualificado. E este profissional fica, depois, uma relação muito forte connosco, uma relação de verdadeira parceria, em que todas as sugestões vão no sentido de acrescentar valor a ambas as partes. Isto é muito diferente da tradicional formação que se dava para passar no exame do instituto e a partir dessa altura deixava-se o mediador sozinho no mercado. A Império já tinha há muitos anos o projecto da Academia, em que ali formava profissionais. Hoje, há grandes mediadores na Império Bonança que provêm dessa academia. A Bonança também teve vários projectos, desde a Rede de Consultores aos Jovens Empresários, e agora integrou o nosso projecto um, a que chamámos Gestores de Clientes. E neste momento estamos a implementar este projecto muita força no lado da Fidelidade Mundial, porque no lado da Império Bonança ele está relativamente enraizado, porque, de facto, nós temos muitos mediadores, mas poucos mediadores profissionais. Há poucas seguradoras no mercado projectos desta natureza, e eu considero que o nosso é, claramente, um projecto ganhador. VE Quantos mediadores foram formados em 2008 no âmbito desse projecto? MV Em 2008 formámos 225 gestores de clientes, valerá a pena estar a pagar por ela. Por outro lado, ao prarem uma carteira, os mediadores têm de assumir o risco de uma parte do negócio vir a ser perdida porque se quebrou a relação existente o mediador anterior. Alguns casos de sucesso a que tenho assistido passam por negociar a venda da certeira, mas garantir a colaboração do vendedor durante um ano ou dois. Assim, o vendedor apanha o processo de renovação e contacta todos eles, explicando a transição. VE Que novas exigências enfrentam hoje os mediadores? Que papel está hoje reservado para o mediador? MV Sendo este um mercado ainda muito hermético, o mediador tem um papel descodificador, que é um papel fundamental. O mediador é alguém em quem o cliente confia. Muitas vezes o mediador desempenha para o cliente um papel mais importante que a própria seguradora. É claro que, se nós conseguirmos aliar a importância do mediador, a imagem que este tem na sua zona de actuação, à imagem de uma seguradora forte e sólida, estão aqui os ingredientes para uma receita de sucesso. A maior parte das pessoas ainda tem medo de ir a uma seguradora e subscrever um seguro porque não dominam tecnicamente o produto, o que está coberto e o que não está coberto. Por isso, preferem confiar no seu mediador, que muitas vezes é uma pessoa que já conhecem. Pedem-lhe um seguro, perguntam o preço e a partir daí ficam descansados porque sabem que o mediador vai escolher para eles a melhor protecção e vai prestar-lhes um serviço quando acontecer um sinistro. O papel do mediador profissional está para durar durante muitos anos e não há canal directo que retire esse papel ao mediador profissional. Fidelidade Mundial e Império Bonança formou 225 gestores de clientes em 2008 Temos poucos mediadores profissionais quando tínhamos o objectivo de chegar aos 160. Mas o número não é muito importante, porque nós queremos que estes gestores de clientes sejam altamente qualificados, logo, é mas importante a qualidade do que a quantidade. VE É assim que se faz uma nova geração de mediadores profissionais? MV Sim, eu acho que esta é a forma de fazer essa nova geração de mediadores profissionais. Mas podemos estar a falar de pessoas 40 ou 50 anos. Há casos de pessoas nessa faixa etária que deixaram as suas profissões e abraçaram a actividade seguradora pela primeira vez. Depois, nós temos de pensar também no reforço da rede e aí estamos a falar de mediadores já instalados no mercado, que são multimarca e que eçam a sentir a necessidade de se ligar, exclusivamente a uma marca. São mediadores que já têm uma relação connosco, mas que tiveram de repensar o seu posicionamento porque um mediador que tenha, por exemplo, uma carteira de 500 mil euros e que trabalhe cinco seguradoras tem mais custos do que um mediador que trabalhe só uma seguradora, porque tem de conversar cinco pessoas, saber cinco políticas de subscrição, ter cinco sistemas informáticos e isso é muito difícil. E felizmente nós temos conseguido reforçar a nossa rede muitos mediadores profissionais que já tinham uma relação connosco e que entenderam que era altura de eleger um parceiro único para o seu negócio. E este segmento de lojas e pontos de venda exclusivos tem tido excelentes resultados, quatro ou cinco pontos percentuais acima do mercado, o que significa que se trata de um projecto vencedor.

7 sexta-feira, 27 Fevereiro de VE Mediadores de ligados, agentes e corretores eçam agora a encontrar uma nova estrutura de interlocutores na Fidelidade Mundial e Império Bonança. O que está a mudar nas agências das duas panhias? MV Está a haver uma reorganização e também uma redinamização, no âmbito do Projecto Activaction, que estamos a lançar. Na reorganização, o que estamos a fazer é a separação de clientes e mediadores. Vamos colocar em espaços diferentes a gestão de clientes e a gestão de mediadores porque até aqui, e o acontece em todas as agências, os clientes eram atendidos ao lado dos mediadores, ouviam problemas que não sabiam se eram de outros clientes ou de mediadores e eles próprios, muitas vezes, a certas horas do dia, já nem sabiam se estavam a lidar mediadores ou funcionários da panhia. Isto passa-se geralmente em todo o mercado. E nós decidimos fazer um investimento. Considerando que temos dimensão crítica para esta decisão, vamos criar espaços específicos para atender clientes, quer sejam clientes directos, clientes da banca ou clientes mediados. É um investimento porque estamos presentes em quase 100 localidades, há algumas em que só temos a presença da Fidelidade Mundial, outras em que só temos a presença da Império Bonança e assim vamos passar a estar presentes em todas elas a Fidelidade Mundial e a Império Bonança. No fundo, há um aumento da representação das marcas em todo o país, já que ficaremos 95 balcões bimarca em todo o país, incluindo ilhas. A primeira agência bimarca eçou a funcionar no Montijo, em Setembro, e entretanto já temos agências bimarca em Angra do Heroísmo, em Ponta Delgada e no Funchal. Depois já temos algumas agências exclusivas só para clientes, mas ainda uma só marca, o acontece no Colombo, no Cascais Shopping, na 5 de Outubro (Lisboa) e nos Clérigos (Porto), que ainda operam só o Império Bonança e em breve terão as duas marcas, ou o acontece na João XXI (Lisboa) e Amoreiras (Lisboa), que só operam o Fidelidade Mundial e também vão passar a ter as duas marcas. À parte estarão os centros de mediadores, que funcionarão só para atender mediadores, em instalações diferentes das agências. Este é um projecto grande, que implica formação em pessoas, investimento em instalações e em informática. Nós contamos ter a reorganização concluída até meados de VE E que balanço se pode fazer já das primeiras experiências? MV Estão a correr muito bem. Os resultados do Montijo apontam para um crescimento da carteira superior ao crescimento médio das duas panhias e superior à média de um grupo de controlo que existia na zona. Essa é a vertente de redinamização. Nós temos um conjunto de mediadores a integrar o projecto, mas também um outro grupo de mediadores que actuam na mesma zona, mas está fora do projecto da redinamização. E parando os resultados deste grupo de mediadores que integrou a experiência piloto o outro grupo de mediadores da zona e a média nacional temos um resultado que se traduz num crescimento superior de carteira. Depois de feita a separação das agências de clientes e centros de mediadores, concretiza-se a redinamização da rede, onde as pessoas das agências estão a receber formação portamental, estão a ser mais orientadas para os resultados e muito mais especializadas a receber clientes. Estamos a falar de equipas pequenas, postas por um gerente e três assistentes de clientes. Nos centros de mediadores, por seu turno, as pessoas recebem formação específica para trabalhar os mediadores. Vamos ter aqui gestores de mediadores e assistentes de mediadores a trabalhar num espaço de porta fechada, que nem sequer vai estar perto das agências. Temos já o exemplo do Vale do Sado, onde temos, em Almada, uma agência para a Fidelidade Mundial e outra para a Império Bonança. Vamos ficar só a agência da Fidelidade Mundial, que é a que tem melhor localização, e aí funcionará a nossa agência de clientes. Já os mediadores que estavam afectos a Almada vão passar a reunir-se no centro de mediadores do Casal do Marco, que tem melhores acessos e muito estacionamento. E apesar do investimento que vamos fazer, até vamos conseguir alguma economia porque, vamos libertar mais metros quadrados Integração no grupo CGD é vantagem em tempo de crise Começa-se a olhar outros olhos para a solidez das seguradoras Vida Económica Retenção continua a ser uma palavra de ordem em Mas o se faz retenção em tempo de crise, quando os portugueses tentam a todo o custo cortar despesas? Miguel Vilarinho O preço continua, claramente, a ser um factor decisivo. Mas se nós conseguirmos antecipadamente contactar o cliente, cliente a cliente, ver se o preço está adequado, se há margem para fazer alguma redução e se o cliente valorizar o valor acrescentado que o mediador tem, a retenção será um sucesso. E se nós conseguirmos fazer uma boa retenção junto dos nossos 4 milhões de clientes e em cima disso conseguirmos fazer acções de cross-selling ou up-selling estaremos no bom caminho. Porque o mediador vai estar a prestar um bom serviço se alertar o cliente para o valor desactualizado da sua apólice de multirriscos habitação, por exemplo. E esse mediador pode também oferecer um desconto no seguro automóvel ao cliente se ele subscrever um seguro de saúde ou um PPR. Há um conjunto de ferramentas para aumentar o valor do cliente para a panhia e para que o cliente se sinta também valorizado. VE A crise pode trazer oportunidades para quem tem a dimensão da Caixa Seguros? Miguel Vilarinho acredita que o prémio médio do seguro automóvel ainda vá descer em 2009 por via das negociações, mas em breve os preços vão estabilizar porque não há muito mais margem para descer. MV A crise pode trazer uma oportunidade para a Caixa Seguros não pela sua dimensão, mas pela sua solidez. Eu já trabalhei em empresas pequenas, médias e grandes e sei que a dimensão, por si só, não é uma vantagem e muitas vezes até é uma desvantagem, em termos de flexibilidade. É muito mais difícil mover um elefante do que uma formiga. Mas as pessoas, sejam clientes ou mediadores, já eçam a olhar outros olhos para questões o a solidez ou o a margem de solvência e nós temos clientes de referência nos seus mercados, que antes não estavam connosco e agora passaram a estar por sermos do grupo CGD, porque estão à procura dessa solidez. Dizem que por serem empresas de referência nos seus sectores querem ter parceiros de referência nos vários sectores e não querem correr o risco de ter um sinistro e não receberem uma resposta à altura. Este fenómeno acontece na banca e nos. E eu acho que está também no momento de os próprios mediadores fazerem as suas opções. VE Em, o se defende uma liderança de mercado? MV Para mim, o ponto-chave continua a ser uma relação forte os mediadores e os clientes. É mais de meio caminho andado para o sucesso. do que aqueles que vamos precisar para novas instalações. VE Existirá um centro de mediadores por cada agência de clientes? MV Não. Vamos ter 95 agências de clientes e 60 centros de mediadores. As nossas contas indicam que cada mediador não terá uma deslocação superior a 25 minutos para chegar ao seu centro de mediadores. Depois de reorganizados estes centros de mediadores, vamos avançar também a sua redinamização, que consiste em sistematizar a acção de todos os elementos, ao contrário do que acontece hoje, em que cada um trabalha da sua forma. Para mim, é a diferença entre puxar pela carroça ou ser puxado por ela. Os centros de mediadores vão passar a puxar muito mais pelos mediadores, mas de forma muito positiva. Queremos menos reactividade e mais proactividade. E temos verificado uma receptividade muito positiva à experiência piloto, tanto de mediadores exclusivos o de mediadores multimarca. Neste projecto é feito o diagnóstico dos pontos fortes e dos pontos francos de cada um dos mediadores, de forma sistematizada, procurandose soluções, em conjunto o mediador, para minimizar os seus pontos fracos, e apanhando os resultados. Isto vem ao encontro daquilo que temos vindo a defender, que é a retenção. Numa seguradora 4 milhões de clientes não é preciso ir à procura de novos clientes, mas sim de trabalhar os clientes em carteira. Há um potencial enorme para os mediadores explorarem nos seus clientes. VE Juntar colaboradores da Fidelidade Mundial e da Império Bonança no mesmo espaço é um processo pacífico? MV É perfeitamente pacífico. Nós iniciámos em 2005 um processo de fusão dos backoffices da Fidelidade Mundial e da Império Bonança. Em Setembro, as duas únicas áreas que ainda tinham autonomia das marcas eram as redes erciais e os marketings. E desde Setembro que estamos a juntar isso. VE Fica afastada a possibilidade de despedimentos nos casos de sobreposição de cargos? MV Nós nunca optámos por uma política de despedimentos. Esta decisão tinha sido tomada alguns meses antes da crise, mas manteve-se, apesar da crise. É uma oportunidade que estamos a aproveitar. Fazendo o investimento correcto, sem sermos gastadores, é possível ter um resultado acima daquele que teríamos se fizéssemos uma fusão simples. Nesse caso iríamos ficar uma presença mais reduzida no país, iria sobrar muita gente e certamente iríamos perder receita. Com este projecto Activaction não estamos a juntar marcas, porque elas continuam a existir autonomamente, mas estamos a juntar redes e espera-se que haja um ganho. VE É um projecto caro? MV Face ao benefício que nós e os mediadores esperamos ter ele, até acho que é barato. VE Qual é o benefício esperado? MV O nosso grande objectivo é manter a quota de mercado. Estamos um pouco abaixo dos 30% e seria irrealista apontar para um crescimento quando se é líder destacadíssimo em Portugal e o quarto maior segurador ibérico. VE Mas qual o valor do investimento neste Projecto Activaction? MV Ainda não está totalmente quantificado, mas estamos a falar de uma rede que factura quase mil milhões de euros por ano, em vendas, por isso, o que vamos investir face à nossa facturação é relativamente marginal. É mais importante a questão psicológica de estamos a investir quando poderíamos estar a fazer cortes de custos. Todos os dias ouvimos falar de empresas em dificuldades e outras a fechar portas. Hoje há que dar valor ao emprego que se tem. VE Com o backoffice unido, o Marketing e a rede ercial agora também unidos, continua fora dos vossos planos a fusão das marcas? MV Neste momento a fusão das marcas não é uma hipótese em cima da mesa.

8 8 sexta-feira, 27 Fevereiro de 2009 consultório jurídico Novo Regime de Pagamento de Prémios de Seguros Decreto-Lei nº 72/2008 Por se revestir de enorme importância para a actividade de mediação de que desenvolvo e por constatar a extrema lacuna em termos de informação no que respeita ao novo quadro legal de pagamento de prémios de, agradecia os esclarecimentos possíveis sobre a nova lei. Para uma melhor explicitação, dividiremos os nossos esclarecimentos em duas partes: uma dedicada à generalidade dos contratos de e outra aos contratos de seguro de vida e operações de capitalização, de colheitas e pecuário, mútuos em que o prémio seja pago o produto de receitas e de cobertura de grandes riscos, uma vez que poderá, o veremos, ser diferente o regime a aplicar a uns e outros, respectivamente. Nesta oportunidade, abordaremos, por razões de espaço disponível, a temática relativa ao regime instituído para a generalidade dos contratos de, deixando para a próxima edição deste suplemento o atinente aos contratos de excepcionados do regime geral. Na sequência da publicação e entrada em vigor, em 1/01/2009, do Decreto-Lei n.º 72/2008, de 16 de Abril, o qual estabeleceu, o é sabido, o regime do contrato de seguro (RCS), têm vindo a constatar-se enormes dúvidas e imensos pedidos de esclarecimento muitos dos quais originados pela redacção e técnica legislativa, em alguns preceitos, de qualidade questionável acerca do enquadramento legal instituído e, em particular, mas não só, do novo regime jurídico do pagamento de prémios de, para cuja clarificação e esclarecimento se pretende, de alguma forma, contribuir o presente artigo. Para que se preenda o RCS, importa reter, o nota prévia, que a esmagadora maioria dos preceitos do DL n.º 72/2008 assume natureza supletiva e, o tal, apenas se aplicarão aos contratos de celebrados entre os seguradores e os tomadores se e na medida em que os contraentes não disponham de modo diverso no âmbito das respectivas condições gerais, especiais e particulares, sendo que são parativamente poucas as disposições legais relativamente imperativas, ou seja, que podem ser afastadas por vontade das partes contanto que se estabeleça um regime mais favorável ao tomador, ao segurado ou ao beneficiário da prestação de seguro, e, por último, consagram-se ainda em menor número os preceitos absolutamente imperativos, isto é, que não admitem convenção ou acordo em contrário, exigindo às partes o seu respeito e cumprimento e impõem-se, por regra, em toda a sua extensão (embora excepções), à vontade dos contraentes. Assim, à semelhança do quadro legal revogado em 1/01/2009 DL n.º 142/2000, de 15/07, também à luz do novo regime jurídico do pagamento de prémios se poderá apontar, grosso modo e apenas para melhor elucidação, um regime geral e um regime especial, embora em termos e soluções diversas quando paradas o anterior. Regime geral do pagamento de prémios de corvaceira gomes Departamento jurídico/ Director Executivo APROSE O segurador deve avisar o tomador do seguro do montante a pagar uma antecedência mínima de 30 dias a) Âmbito: O regime geral do pagamento de prémios aplica-se, em regra, à generalidade dos contratos de, excepção do seguro de vida e operações de capitalização, dos de colheitas e pecuário, dos mútuos em que o prémio seja pago o produto de receitas e de cobertura de grandes riscos. Convém realçar que os contratos de e operações que são excepcionados do regime geral de pagamento de prémios poderão, contudo, ser sujeitos ao regime aplicável à generalidade dos contratos, no pressuposto de que essa aplicação decorra de estipulação das partes e não se oponha à natureza do vínculo. b) Cobertura de riscos: Mantendo o regime-regra do quadro legal anterior, continua a perfilhar-se o princípio nos termos do qual não existe cobertura do seguro enquanto o prémio não for pago, ou seja, a cobertura dos riscos depende do prévio pagamento do prémio do seguro. c) Vencimento do prémio: Salvo convenção em contrário, o prémio inicial, ou a primeira fracção deste, é devido na data da celebração do contrato. Atendendo à natureza supletiva do artigo 53º do RCS, as partes poderão acordar, no entanto, que o respectivo pagamento possa ter lugar num momento posterior à data da celebração do contrato, sendo, nesse caso, o contrato ineficaz não cobre o risco até que o prémio seja pago. As fracções seguintes do prémio inicial, o prémio de anuidades subsequentes e as sucessivas fracções deste são devidos nas datas estabelecidas no contrato, conquanto que a parte do prémio de montante variável relativa a acerto do valor e, quando seja o caso, a parte do prémio correspondente a alterações ao contrato são devidas nas datas indicadas nos respectivos avisos. d) Aviso de pagamento: Não obstante assumir natureza relativamente imperativa e podendo, por conseguinte, estabelecer-se em termos de auto-regulação regime mais favorável ao tomador, ao segurado ou ao beneficiário, passou-se a prescrever que o segurador deve avisar por escrito o tomador do seguro do montante a pagar, assim o da forma e do lugar de pagamento, uma antecedência mínima de 30 dias em relação à data em que se vence o prémio, ou fracções deste, sendo que do aviso devem constar, de modo legível, as consequências da falta de pagamento do prémio ou de sua fracção. Abandonou-se, assim, contrariamente ao que sucedia à luz da legislação anterior no âmbito do regime geral do pagamento de prémios, o prazo mínimo de 60 dias de antecedência para emissão do aviso de cobrança. Nos contratos de seguro em que seja convencionado o pagamento do prémio em fracções de periodicidade igual ou inferior a três meses e em cuja documentação contratual se indiquem as datas de vencimento das sucessivas fracções do prémio e os respectivos valores a pagar, bem o as consequências do seu não pagamento, o segurador pode optar por não enviar o aviso que teria de ser efectuado até 30 dias antes da data em que os prémios ou fracções são devidos, cabendo-lhe, nesse caso, a prova da emissão, da aceitação e do envio ao tomador do seguro da documentação contratual que refere a informação relevante para este efeito. e) Falta de pagamento do prémio: Sem prejuízo das regras gerais, a falta de pagamento do prémio, quer se trate do prémio ou fracção inicial, quer se trate do prémio de anuidades subsequentes ou da primeira fracção deste, determina, em regra, a resolução automática do contrato, no primeiro caso, a partir da data da sua celebração, no segundo, impedindo a renovação ou prorrogação do contrato, embora haja alguma doutrina que entenda, ao invés mas sem grande interesse prático, que neste último caso se está na presença da figura da caducidade e não da resolução. De igual modo, a falta de pagamento de uma fracção do prémio no decurso de uma anuidade, de um prémio de acerto ou parte de um prémio de montante variável ou de um prémio adicional resultante de uma modificação do contrato fundada num agravamento superveniente do risco determina a resolução automática do contrato na data do vencimento do respectivo prémio ou fracção. Todavia, no que toca ao prémio adicional resultante de uma modificação contratual, o seu não pagamento até à data do vencimento poderá determinar apenas a ineficácia da alteração, subsistindo o contrato o âmbito e nas condições que vigoravam antes da pretendida modificação, a menos que a subsistência do contrato se revele impossível, caso em que se considera resolvido na data do vencimento do prémio não pago. Se, por um lado, atenta a natureza absolutamente imperativa que não podem ser afastadas pela vontade das partes (artigo 61º) das disposições que fixam agora as consequências para a falta de pagamento do prémio, se dita o fim do regime especial de cobrança de prémios que vigorou à luz do DL n.º 142/2000, na redacção dada pelo DL n.º 122/2005, de 29 de Julho, e que se aplicava, o é sabido, apenas aos contratos de de prémio variável e contratos titulados por apólices abertas, relativamente aos quais se prescrevia a renovação e prorrogação automática dos contratos mesmo na circunstância de o respectivo prémio ou fracção não haver sido pago, por outro, nada impedirá que os seguradores (ou mediadores, desde que especificamente autorizados por aqueles para o efeito) continuem a aceitar pagamentos de prémios fora dos vencimentos, repondo em vigor contratos que nos termos da lei estariam resolvidos, contanto que, caso o incumprimento de pagamento do prémio se torne definitivo, não haverá lugar a divida nem possibilidade de cobrança coerciva através dos tribunais. O Plano de Acção do Governo para o Descongestionamento dos Tribunais, iniciado em 2005, atinge assim o corolário no que diz respeito aos, uma vez que se alargou agora igualmente aos contratos de de prémio variável e contratos titulados por apólices abertas o princípio da não renovação e não prorrogação automática dos contratos sem que o respectivo prémio ou fracção tenha sido pago pelo tomador. (a continuar na próxima edição deste suplemento) Auzenda Dias Agente de Seguros Ser-se profissional Todos nós sabemos a fama das seguradoras, alvo fácil por parte dos clientes, que dizem são todas iguais, o que querem é dinheiro. Mas, provavelmente, isto só acontece por desconhecimento total da razão de ser de um seguro. E é aqui que nós, mediadores, formação adequada, devemos intervir. É claro que aos nossos clientes não interessa saber se a origem dos foi no ano 4700 A.C., se foi no Egipto ou na China, mas, se nos sentarmos e, olhos nos olhos, conversarmos, se em vez de termos o alvo principal o preço e a concorrência e explicarmos o porquê da importância do seguro, quer ao nível económico, quer social, não uma linguagem técnica, mas de maneira clara e objectiva, certamente o cliente eçará a ver a actividade seguradora outros olhos. Nós, mediadores, em regra geral, conhecemos os nossos clientes e sabemos o chegar a cada um e o devemos fazer passar a nossa mensagem, a qual não deverá ser apenas através de números, mais uns euros ou menos uns euros, mas sim transmitindo tranquilidade, segurança e muita transparência, para que, na hora de assinarem o contrato de seguro, saibam o que estão a fazer e se realmente o querem fazer. A nossa maneira de estar, a nossa disponibilidade e principalmente, em caso de sinistro, o saberem que não estão sós e que sabem quem podem contar é fundamental. O nosso profissionalismo e petência serão o segredo do nosso sucesso, mas para que este seja uma realidade, para além da formação contínua, ser membro da APROSE é uma mais-valia e uma referência, porque só assim estaremos informados, actualizados e preparados para os desafios da nossa actividade.

SEGURO AUTOMÓVEL. Qual a importância do Seguro Automóvel?

SEGURO AUTOMÓVEL. Qual a importância do Seguro Automóvel? SEGURO AUTOMÓVEL Qual a importância do Seguro Automóvel? O proprietário ou o condutor de um veículo são responsáveis pelos prejuízos que este possa causar e, em caso de acidente, podem incorrer em graves

Leia mais

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011 Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011 16 janeiro 2012 No ano de 2011 o volume da produção de seguro direto em Portugal atingiu os 11,6 mil milhões de euros, dos quais cerca de 92,3% diz

Leia mais

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO 1. Em 8 de Agosto de 2005, foi notificada à Autoridade da Concorrência, nos termos dos artigos 9.º e 31.º da

Leia mais

Atividade Seguradora Prémios de Seguro Direto 2013

Atividade Seguradora Prémios de Seguro Direto 2013 Atividade Seguradora Prémios de Seguro Direto 2013 (atualizado em 23 de janeiro de 2014) No ano de 2013 o volume da produção de seguro direto em Portugal foi ligeiramente superior a 13 mil milhões de euros,

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2008 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, tendo atingido um valor

Leia mais

A Exchange é uma marca da empresa Changebiz Rede de Consultores Financeiros, SA.

A Exchange é uma marca da empresa Changebiz Rede de Consultores Financeiros, SA. Exchange A EXCHANGE Quem somos A Exchange é uma marca da empresa Changebiz Rede de Consultores Financeiros, SA. Resulta de uma Parceria de Sucesso entre o Grupo Onebiz, referência no desenvolvimento de

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2007 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, embora em 2007 tenha

Leia mais

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010

7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS. Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações. 15 de Outubro de 2010 7º CONGRESSO NACIONAL DOS CORRETORES E AGENTES DE SEGUROS Feira Internacional de Lisboa Parque das Nações 15 de Outubro de 2010 Sessão Solene de Abertura Gostaria de começar por felicitar a APROSE pela

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Ccent.44/2005 MDS/UNIBROKER/BECIM. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência

Ccent.44/2005 MDS/UNIBROKER/BECIM. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência Ccent.44/2005 MDS/UNIBROKER/BECIM Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência [alínea b) do n.º 1 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de Junho] 12/09/2005 1 DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO PROCESSO

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2006 ECONOMIA PORTUGUESA Após o fraco crescimento da economia observado em 2005 (0.4 por cento) estima-se que o Produto Interno

Leia mais

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras

2. Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 1. Identificação da entidade EXERCÍCIO DE 2011 INTRODUÇÃO PLC - Corretores de Seguros, S.A é uma sociedade anonima. A Empresa foi constituida em 1999, tem sede na Av. Infante Santo nº 48 2º Esq. em Lisboa,

Leia mais

traçam 'plano de ataque'

traçam 'plano de ataque' Seguradoras contra a crise traçam 'plano de ataque' Com os rendimentos das famílias cada vez mais reduzidos, as seguradoras têm-se empenhado em oferecer pacotes mais atractivos aos clientes, que vão desde

Leia mais

Luso-Atlântica, o Parceiro que se preocupa com a Sua Saúde e a da Sua Família. Boletim Informativo Nº 3 Setembro 2015 SEGURO de SAÚDE

Luso-Atlântica, o Parceiro que se preocupa com a Sua Saúde e a da Sua Família. Boletim Informativo Nº 3 Setembro 2015 SEGURO de SAÚDE Luso-Atlântica, o Parceiro que se preocupa com a Sua Saúde e a da Sua Família Boletim Informativo Nº 3 Setembro 2015 SEGURO de SAÚDE O Seguro de Saúde adquiriu ao longo dos tempos uma importância crescente

Leia mais

ACORDO DE PARALISAÇÃO 2000

ACORDO DE PARALISAÇÃO 2000 ACORDO DE PARALISAÇÃO 2000 Entre a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias, Pessoa Colectiva nº 500948470, com sede em Lisboa, na Rua Dr. António Cândido, nº 8, 2º andar,

Leia mais

PROPOSTA ÉPOCA DESPORTIVA 2012 / 2013

PROPOSTA ÉPOCA DESPORTIVA 2012 / 2013 PROPOSTA ÉPOCA DESPORTIVA 2012 / 2013 Proponente: Federação Portuguesa de Rugby Pág. 1 SEGURO DESPORTIVO DE ACIDENTES PESSOAIS ( Decreto-Lei Nº. 10/2009 ) FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE RUGBY ÉPOCA DESPORTIVA

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2014

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2014 Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2014 (atualizado em 15 de janeiro de 2015) No ano de 2014, o volume da produção de seguro direto em Portugal foi de 14,3 mil milhões de euros, refletindo

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9, nº 28 Seguros enquadramento da actividade de call center na prestação de serviços a empresas seguradoras e correctoras de seguros - despacho do SDG dos

Leia mais

intra Perfil do Gestor

intra Perfil do Gestor Perfil do Gestor 35 Entrevista Dinah J. Kamiske, Autoeuropa A internacionalização economia obriga as empresas a tornarem-se mais competitivas. Entrevista de José Branco Dados publicados recentemente prevêem

Leia mais

LIBERTY ENFERMEIROS MANUAL PRÁTICO

LIBERTY ENFERMEIROS MANUAL PRÁTICO LIBERTY ENFERMEIROS MANUAL PRÁTICO NA LIBERTY SER ENFERMEIRO É UMA VANTAGEM! DESENVOLVIMENTO DE NEGÓCIOS Fazemos nossas as suas exigências de Inovação! Planos da Solução Liberty Protecção Total Protecção

Leia mais

A ALD Automotive no mundo

A ALD Automotive no mundo DOSSIER DE IMPRENSA A ALD Automotive no mundo A ALD Automotive é uma empresa de Aluguer Operacional e Gestão de Frotas que integra o Grupo Société Générale, um dos grupos líderes em serviços financeiros

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Data início de comercialização: 2007/05 por tempo indeterminado Empresa de Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Popular, com sede social na - 1099-090

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

Luso-Atlântica, o Parceiro que se preocupa com a Sua Saúde e a da Sua Família. Boletim Informativo Nº 1 Junho 2015 SEGURO de SAÚDE

Luso-Atlântica, o Parceiro que se preocupa com a Sua Saúde e a da Sua Família. Boletim Informativo Nº 1 Junho 2015 SEGURO de SAÚDE Luso-Atlântica, o Parceiro que se preocupa com a Sua Saúde e a da Sua Família O Seguro de Saúde adquiriu ao longo dos tempos uma importância crescente no apoio aos cuidados de Saúde da Comunidade Farmacêutica,

Leia mais

ficha de produto automóvel 2Rodas

ficha de produto automóvel 2Rodas ficha de produto automóvel 2Rodas O que é? O Seguro auto 2Rodas é um seguro que visa garantir o pagamento de indemnizações dos prejuízos sofridos em consequência direta das coberturas e com os limites

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2006 ECONOMIA PORTUGUESA Após o fraco crescimento da economia observado em 2005 (0.4 por cento) estima-se que o Produto Interno

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos.

Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. Ficha técnica 1. TOMADOR DO SEGURO / SEGURADO Poderão contratar este seguro os colaboradores, incluindo os seus familiares directos. São considerados familiares directos: - o cônjuge, desde que viva em

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

BUSINESS BRIEFING MAIO 2012 INTRODUÇÃO

BUSINESS BRIEFING MAIO 2012 INTRODUÇÃO BUSINESS BRIEFING Análise IPD 2011 MAIO 2012 INTRODUÇÃO O Investment Property Databank (IPD) é um índice que analisa o retorno do investimento institucional direto em ativos imobiliários, assumindo-se

Leia mais

Categorias em análise: Hardware, Software, Serviços TI e Serviços Telecomunicações.

Categorias em análise: Hardware, Software, Serviços TI e Serviços Telecomunicações. RELATÓRIO LOCAL Despesa TIC no Sector Financeiro Oportunidades num Sector em Reestruturação INTRODUÇÃO IDC Portugal: Centro Empresarial Torres de Lisboa, Rua Tomas da Fonseca, Torre G, 1600-209 Lisboa

Leia mais

capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões

capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões 147 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões 7.1 Considerações gerais Com vista a fomentar e facilitar

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235

Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235 Regulamento da CMVM 12/2005, de 9 de Dezembro - II Série nº 235 Contabilidade das sociedades e fundos de capital de risco A alteração do Decreto-Lei n.º 319/2002, de 28 de Dezembro, pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

Decreto-Lei n.º 142/2000 de 15 de Julho

Decreto-Lei n.º 142/2000 de 15 de Julho Decreto-Lei n.º 142/2000 de 15 de Julho O regime jurídico do pagamento dos prémios dos contratos de seguro consta do Decreto-Lei n.º 105/94, de 23 de Abril, cujo regime tem propiciado crescentes situações

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

1. Prestação do serviço de reboque ao abrigo da cobertura de assistência em viagem

1. Prestação do serviço de reboque ao abrigo da cobertura de assistência em viagem Estimado(a) Cliente, É com grande satisfação que a Açoreana Seguros, S.A. lhe dá as boas-vindas ao Pontual Auto. Estamos seguros que o nosso serviço vai fazer toda a diferença. Junto encontra a informação

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

REVISÃO DA CARREIRA. PONTO DA SITUAÇÃO

REVISÃO DA CARREIRA. PONTO DA SITUAÇÃO Comunicado 23/09/2015 REVISÃO DA CARREIRA. PONTO DA SITUAÇÃO COLEGAS Pelas 21 horas, do dia 21 de Setembro de 2015, pôs-se um ponto final na primeira parte, da primeira fase do processo negocial da revisão/criação

Leia mais

ficha de produto automóvel

ficha de produto automóvel ficha de produto automóvel O que é? O Seguro de Automóvel é um seguro que visa garantir o pagamento de indemnizações dos prejuízos sofridos em consequência direta das coberturas e com os limites de indemnização

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

28 DOSSIER MODELO DE NEGÓCIO PERSPECTIVAS DE GESTÃO NO

28 DOSSIER MODELO DE NEGÓCIO PERSPECTIVAS DE GESTÃO NO 28 DOSSIER MODELO DE NEGÓCIO PERSPECTIVAS DE GESTÃO NO APÓS-VENDA DOSSIER 29 JORGE ZÓZIMO DA FONSECA Se fosse um concessionário, o meu negócio era o após-venda Ao longo das duas últimas décadas o mercado

Leia mais

Decisão do Conselho da Autoridade da Concorrência PROCESSO AC-I-CCENT/33/2003- BAR-BAR-IDADE GLASS/FÁBRICA DE VIDROS BARBOSA E ALMEIDA

Decisão do Conselho da Autoridade da Concorrência PROCESSO AC-I-CCENT/33/2003- BAR-BAR-IDADE GLASS/FÁBRICA DE VIDROS BARBOSA E ALMEIDA Decisão do Conselho da Autoridade da Concorrência PROCESSO AC-I-CCENT/33/2003- BAR-BAR-IDADE GLASS/FÁBRICA DE VIDROS BARBOSA E ALMEIDA A 29 de Julho de 2003 deu entrada na Autoridade da Concorrência, em

Leia mais

TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE

TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE Prospecto Informativo TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE ICAE NÃO NORMALIZADO Os elementos constantes deste prospecto informativo reportam-se a 31 de Dezembro de 2009 (actualização dos ns.8, 9 e 10 da Parte III)

Leia mais

uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor

uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor uma vasta protecção para quem encontra a melhor solução para as avarias motor motor segurtrade motor Segurtrade - Motor é uma solução de protecção para a sua empresa, direccionada para pequenas e médias

Leia mais

Inovação TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES

Inovação TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES Inovação EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES DOSSIER 13 JORGE LIZARDO NEVES O futuro é sem dúvida eléctrico Vem aí a Era de motores menos poluentes e mais eficientes. Quem o diz é o Jorge Lizardo Neves,

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

Centro de Informação, Mediação, Provedoria e Arbitragem de Seguros

Centro de Informação, Mediação, Provedoria e Arbitragem de Seguros Centro de Informação, Mediação, Provedoria e Arbitragem de Seguros SERVIÇO DE PROVEDORIA RELATÓRIO DE ACTIVIDADES - ANO DE 2012 Nos termos do disposto no artigo 14º do Regulamento do Serviço de Provedoria

Leia mais

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ASSUNTO PÁGINA EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA EM STP 1. ENQUADRAMENTO

Leia mais

Insert client logo (on Master Page) Responsabilidade Ambiental Transferência de Riscos e Garantia Financeira

Insert client logo (on Master Page) Responsabilidade Ambiental Transferência de Riscos e Garantia Financeira Insert client logo (on Master Page) Responsabilidade Ambiental Transferência de Riscos e Garantia Financeira Carlos Figueiredo 06/05/2010 Índice O Regime de Responsabilidade Ambiental Garantia Financeira

Leia mais

Decreto-Lei nº 220/94, de 23 de Agosto

Decreto-Lei nº 220/94, de 23 de Agosto Decreto-Lei nº 220/94, de 23 de Agosto Enquanto o mercado dos produtos e serviços financeiros foi regulado de forma administrativa, a procura que lhes era dirigida defrontava condições do lado da oferta

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

Assim: Nos termos da alínea a), do n. 1, do artigo 198. da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Assim: Nos termos da alínea a), do n. 1, do artigo 198. da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Foram ouvidos o Conselho Superior da Magistratura, o Conselho Superior do Ministério Público, a Ordem dos Advogados, a Câmara dos Solicitadores, o Conselho dos Oficiais de justiça, o Instituto de Seguros

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI

PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI PROSPECTO SIMPLIFICADO MAPFRE GARANTIA 011 FI Contrato de Seguro Ligado a Fundos de Investimento Produto Financeiro Complexo - Instrumento de Captação de Aforro Estruturado Período de Comercialização 26-10-2010

Leia mais

SEGURO SEGURO O ABC DO. Em colaboração com: Agradecimentos: Ministério de Finanças e Planeamento Económico da República do Ghana. GTZ-Ghana.

SEGURO SEGURO O ABC DO. Em colaboração com: Agradecimentos: Ministério de Finanças e Planeamento Económico da República do Ghana. GTZ-Ghana. ASSOCIAÇÃO MOÇAMBICANA DOS OPERADORES DE MICROFINANÇAS O ABC DO SEGURO O ABC DO SEGURO Em colaboração com: Agradecimentos: Ministério de Finanças e Planeamento Económico da República do Ghana. GTZ-Ghana.

Leia mais

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Regime jurídico aplicável à prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento Comentários

Leia mais

Gabinete do Governador e dos Conselhos

Gabinete do Governador e dos Conselhos Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Carlos Burgo, no acto de inauguração da nova agência do Banco Africano de Investimento no Plateau, Cidade da Praia, 5 de Fevereiro de 2010. 1 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

Gabinete de Apoio ao Consumidor. Relatório Anual do Fundo de Garantia Automóvel Ano de 2014. Banco de Cabo Verde

Gabinete de Apoio ao Consumidor. Relatório Anual do Fundo de Garantia Automóvel Ano de 2014. Banco de Cabo Verde Gabinete de Apoio ao Consumidor Relatório Anual do Fundo de Garantia Automóvel Ano de 2014 Banco de Cabo Verde ÍNDICE pág. 1. Âmbito e atribuições do FGA...3 2. Actividades desenvolvidas pelo FGA em 2014...4

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO N. o 035/B/2010-DBS/AMCM Data: 05/10/2010 DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, S.A. RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, S.A. RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, S.A. RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2005 ECONOMIA PORTUGUESA A desaceleração da economia portuguesa em 2005 resultou de uma diminuição acentuada do contributo da

Leia mais

Regularização de Sinistros: novos desafios na reparação automóvel Luís Cardoso

Regularização de Sinistros: novos desafios na reparação automóvel Luís Cardoso Regularização de Sinistros: novos desafios na reparação automóvel Luís Cardoso 29-06-2006 1 Agenda O decreto-lei 83/2006 e as alterações à gestão de danos materiais Impactos na reparação automóvel A Liberty

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens Análise Imagem das Agências de Viagens PREÇO VS. SERVIÇO Os portugueses que já recorreram aos serviços de uma Agência de Viagens fizeram-no por considerar que esta é a forma de reservar viagens mais fácil

Leia mais

É disponibilizada uma cópia electrónica deste aviso no sítio Web: www.jpmorganassetmanagement.com

É disponibilizada uma cópia electrónica deste aviso no sítio Web: www.jpmorganassetmanagement.com JPMorgan Funds Société d Investissement à Capital Variable (a "Sociedade") Registered Office: 6 route de Trèves, L-2633 Senningerberg, Grand Duchy of Luxembourg R.C.S. Luxembourg B 49 663 Telephone: +352

Leia mais

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões Figura 5 Evolução de empréstimos, depósitos e taxas de juro do setor bancário 3% 2% 1% % -1% -2% -3% -4% -5% -6% -7% -8% Emprés mos concedidos pelo setor bancário (variação anual) dez-1 dez-11 dez-12 dez-13

Leia mais

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Ficha de Inscrição Encontre a resposta às suas dúvidas! Identifique a sessão pretendida: Porto AICEP (Rua António Bessa Leite, 1430-2.º andar)

Leia mais

Condições Gerais.03 .03 .03 .03 .03 .03 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .05 .05

Condições Gerais.03 .03 .03 .03 .03 .03 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .04 .05 .05 .05 .05 .05 .05 .05 ÍNDICE Condições Gerais.03 Artigo 1º Definições.03 Artigo 2º Objecto do Contrato.03 Artigo 3º Garantias do Contrato.03 Artigo 4º Âmbito Territorial.03 Artigo 5º Exclusões.03 Artigo 6º Início e Duração

Leia mais

Podem ser contratadas outras coberturas, para além das obrigatórias?

Podem ser contratadas outras coberturas, para além das obrigatórias? SEGURO HABITAÇÃO Qual a importância do Seguro de Habitação? Os bens imóveis, tal como os móveis, estão sujeitos à ocorrência de eventos que lhes podem causar danos. Se não possuir um seguro válido, terá

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento

Índice. Pág *09 Como participar. Pág *10 Calendário. Pág *11 Os resultados. Pág *12 Júri. Pág *13 Regulamento Índice Pág *09 Como participar Pág *10 Calendário Pág *11 Os resultados Pág *12 Júri Pág *13 Regulamento Pág *01 Introdução Pág *02 Um programa alargado de intervenção Pág *05 Viver de Consciência Leve

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

Criamos. valor à sua empresa

Criamos. valor à sua empresa Criamos valor à sua empresa ORGANIZAÇÃO Somos o que fazemos repetidamente. Então, a excelência não é um acto isolado, mas sim um hábito. Aristóteles Compromisso A FISCOSEGUR é uma organização que presta

Leia mais

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo

Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Entrevista ao Engº José Carlos Ramos, Director de Franchising da Explicolândia Centros de Estudo Criada em Setembro de 2005 em Sacavém, a Explicolândia Centros de Estudo tem sido ao longo dos anos, uma

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO

NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO TMT N.º 1/2009 MAR/ABRIL 2009 NOVOS DEVERES DE INFORMAÇÃO NO ÂMBITO DA PUBLICIDADE AO CRÉDITO A informação divulgada pelas Instituições de Crédito relativamente aos produtos que estas oferecem tem sido

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA CA DESTINO

REGULAMENTO DO PROGRAMA CA DESTINO REGULAMENTO DO PROGRAMA CA DESTINO A Caixa Central Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo, C.R.L., contribuinte nº 501464301, com sede na Rua Castilho, nº233, 1099-004 LISBOA, através da Direcção de Marketing

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Bê-á-Bá da poupança. Depósitos a prazo. Fundos de Tesouraria em euros

Bê-á-Bá da poupança. Depósitos a prazo. Fundos de Tesouraria em euros Bê-á-Bá da poupança Há um vasto leque de escolhas para quem quer poupar, mas a análise da PROTESTE INVESTE mostra-lhe que nem todas são boas opções. No Dia Mundial da Poupança, saiba quais as alternativas.

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

Condição Especial. Responsabilidade Civil Profissional. Farmacêuticos

Condição Especial. Responsabilidade Civil Profissional. Farmacêuticos Condição Especial Responsabilidade Civil Profissional Farmacêuticos 1. Objectivo Esta Condição Especial destina-se a acompanhar e a clarificar as coberturas e funcionamento dos Certificados de Seguro emitidos

Leia mais

Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação

Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação 1/7 Decreto-Lei n.º 27/2001, de 3 de Fevereiro, Regula o novo regime das contas poupançahabitação JusNet 259/2001 Link para o texto original no Jornal Oficial (DR N.º 29, Série I-A, 3 Fevereiro 2001; Data

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas the world leading fleet and vehicle management company LeasePlan Portugal Lagoas Park - Edifício 6-2740-244 Porto Salvo Ed. Cristal Douro - R. do Campo Alegre, nº 830 - sala 35-4150-171 Porto Tel.: 707

Leia mais

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões Responsabilidade Civil 1 SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL 2 Quais são os seguros de responsabilidade civil

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS ACÇÕES DE FORMAÇÃO CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO Índice 1. Âmbito de Aplicação 2. Competência Organizativa 3. Política e Estratégia da Entidade 4. Responsabilidades

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20-08-2003 C (2003) 3103 Objecto: Auxílio estatal n.º NN 173/01 - Portugal - Prorrogação do dispositivo de cobertura dos riscos inerentes ao transporte aéreo com a garantia

Leia mais

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Introdução EXERCÍCIO DE 2009 A Empresa «ANTONIO MARQUES, CORRETOR DE SEGUROS EIRL» tem sede na Rua António José Baptista, n.º 16 2.º Dto., em Setúbal, foi

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

Eduardo Branco, presidente da APAN. É preciso. regressar. ao consumo. Pág. 30

Eduardo Branco, presidente da APAN. É preciso. regressar. ao consumo. Pág. 30 Eduardo Branco, presidente da APAN É preciso regressar ao consumo Pág. 30 Fátima de Sousa jornalista fs@briefing.pt "A quadratura do círculo é sermos mais eficientes, ou seja, conseguirmos fazer mais com

Leia mais