ao ritmo de Paço de Arcos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ao ritmo de Paço de Arcos"

Transcrição

1 o ritmo Pço Arco

2 Índice Heráldic Crcterizção Sócio-culturl Ambiente Jrdin e Epço Ver Pri Cultur Ettuári Centro Hitórico e outro monumento Deporto Educção Sú Soliddried Socil Aceibilid Inovção, Ciênci e Tecnologi Comércio Serviço Protecção Civil e Segurnç Viver o Ritmo Pço Arco Fich técnic Título Ao Ritmo Pço Arco Edição Município Oeir/Julho 0 Autori e texto Pul Neto Deign Cot Vlenç Fotogrfi Gbinete Comunicção CMO Impreão Jorge Fernn Tirgem 00 exemplre ISBN Depóito Legl 4 _ 4_ _ 00_0 04_0 0 E t edição vindo freguei Pço Arco preten er mi do que um livro obre et freguei chei encnto, é, obretudo, um convite pr que viite, vej, more e uufru. Apelidd por muito eu hbitnte como vil mi chrmo Portugl, verd é que et é um freguei que encnt pel form hrmonio como creceu e, tmbém, pelo equilíbrio entre o pdo e o morno, que lhe dá crim. O eu nome ve-e o Plácio d Vil que foi contruído no finl do Século XIV, com du torre lndo um corpo centrl com um vrnd uportd por rco, e que foi recontruído no éculo XVIII. O plácio u im o nome à vil. Segundo trdição D. Mnuel I viu t vrnd prtid d nu pr Índi. Tmbém er conhecid pel u pedreir. O notável e emblemático Arco d Pço Arco tem um chrme que eu jmi porei crever, e um rom perfumdo que eu dificilmente coneguiri fzer entir. A vit, lumbrnte, obre o rio, brr té à ponte bril; pndo pel Torre do Bugio e mrgem ul, don e tc, em di mi clro, um bel pnorâmic do cbo Epichel; ão mrc que e fixm n no mente e no fzem penr Vil Pço Arco com memóri, hitóri, romntimo e edução. É impreionnte por tcr que, tudo quilo que (muito) bom o Concelho Oeir tem pr oferecer, tmbém po er vito e uufruído n Freguei Pço Arco. De pri (Nov e Velh) o prque urbno (Jrdim Municipl, Vle d Terrugem e Poet) e o Peio Mrítimo, continundo pel rte e pel cultur (Aocição Pço Arte e Clube Poet Pço Arco), pndo pelo empreendorimo e pelo comércio (Etrd Pço Arco, Torneiro, Quint d Fonte e Oeir Prque), com prgem pelo Deporto e pel Juventu (Clube Deportivo Pço Arco, Coopertiv Nov Mord, Pço Arco Bquetebol e Pndilh Jovem), té chegr à hotelri e à hbitção municipl (Rel Oeir, Solr Plmeir, Alto d Lob e Bugio); Pço Arco Augut foi contruído com pedr Pço Arco, por exemplo. Não pomo flr do pdo Pço Arco em flr d u gente. Et terr etá ligd o Ptrão Joquim Lope, que ficou fmoo pelo eu lvmento o nufrágio que ocorrim n brr do Tejo. De empre que coneguiu obreir pel u belez, pelo eu enqudrmento, e pelo eu enlce com o Tejo. Hoje, Pço Arco repir mornid. Poui, no eu território, o prque empreril Quint d Fonte, o etúdio televião Vlentim Crvlho, o edifício d Edimpre, importnte hotéi, como o Hotel Rel Oeir ou o Hotel Solr Plmeir e tem tmbém um principi centro comercii do concelho Oeir, o Oeir Prque, em equecer etrutur mi ntig como Ecol orgulh-e, ind, ter no eu território, pr lém d mior etrutur Forno d Cl, do pí, conceitud intituiçõe ncioni, como é o co do Intituto Socorro Náufrgo, do Centro Militr Eletrónic, d Ecol Náutic Infnte D. Henrique, do Intituto Tecnologi Náutic, do Centro Controlo Tráfego Mrítimo, etúdio d Vlentim Crvlho, não equecendo peculir, e únic, crcterític, ocid à pec, ter um ocição rmdore edid n Pri Velh. Depoi, há, ind, o plto, tão bem trtdo que ele é, no mgnífico returnte e cfetri t Vil. Pço Arco não tem, ó proporcionlmente mior concentrção returnte d zon d Grn Libo. Mi importnte e boroo do que io (pr lém fm Ccete), é o fcto ter melhore returnte do pí. Orgulho mior, que o futuro hotel erigir no hitórico e clificdo Plácio Arco, ó irá reforçr e confirmr. Só flt, memo, flr do que é mi importnte d peo! Pço Arco tem um populção exigente, prticiptiv, olidári e vivid. D u gente e tcm grn homen e mulhere. Do mr, o Ptrão Joquim Lope; d terr, o João Serr; d polític, o Cot Pinto; d ortóri, o Lino d Aunção; do porto, o Emídio Pinto, o Jeu Náutic Infnte D. Henrique, um intituição enino uperior e o Centro Militr Electrónic. Pço Arco é tmbém, um convite à bo me. Reched bon returnte, poui ofert pr to o goto. O eu Centro Hitórico encontr-e recuperdo e cheio vid. Ete livro, dá cont t Pço Arco. Vej-o e fç le um gui e com ele cubr et freguei. Ete é um convite que epermo, já, que ceite. O Preinte d Câmr Iltino Mori Correi e o Correi Snto; do tetro, o Joé Ctro; d pro, o Lucino Coriro e o Rogério Gonçlve; d impren, o Joquim Coutinho; d poei, Mri Aguir; d pintur, o Teodomiro Brrl; d fotogrfi, o Vítor Mrtinez; d proteção civil, o Joé Oliveir Rpoo, o Crlo Vieir Rmo e o Iidro Gome; d returção, o Severino Pug; d educção, Mri Lucin Seruc; d múic, o Luí Freit Brnco; d nobrez, o Con Arrochel; d filntropi, o Joquim e o Dioniio Mti; d ciênci, o Joquim Brro; d olidried, Leonor Fri Gome, o Joquim e o Tito Moreir Rto; d ú, o Anelmo Oliveir; e outro que, em qulquer primor, não ão qui referi, m ficrão, pr empre, grv n inlével memóri hitóric t grn terr. Pço Arco tem um pdo ilutre, um preente dinâmico e um futuro própero venhm comprová-lo! O Preinte d Junt Freguei Nuno Cmpilho _

3 A freguei Pço Arco repreent cerc,% d áre totl do Concelho Oeir, ocupndo cerc,4 Km. Ao ritmo Pço Arco Populção Áre:,4 km² Populção Totl, 00:. Populção Totl, 0:. Denid Demográfic, 00: 4.4 hb/km² Tx crecimento nul médio, 00/00: 0,% * Índice Dependênci Joven (nº), 00:, * Índice Dependênci Io (nº), 00: 0, *Índice Envelhecimento (nº), 00:, Fmíli (00) Fmíli Cláic, Totl:.4 Fmíli Cláic com ou ndivíduo: 0,% Fmíli Cláic com ou mi indivíduo:,4% *Fmíli unipeoi:,0% * Fmíli unipeoi indivíduo com ou mi no id:,% * Proporção ci com filho em núcleo fmilire:,% * Proporção monoprenti em núcleo fmilire:,% Fmíli (0) Fmíli Cláic, Totl:.004 Alojmento (00) Alojmento, Totl:.0 Alojmento Fmilire Cláico reidênci hbitul: 4,4% * Alojmento com proprietário ocupnte:,% Alojmento (0) Alojmento, Totl:.4 Edifício (00) Edifício, Totl:. *Denid edifício: 40, edif/km² *Pvimento por edifício (nº): 4, *Edifício com lojmento: 0,0% *Edifício contruí, /00:,% *Id médi edifício:,4 no Edifício (0) Edifício, Totl:.4 D Temático Gru Enino d Populção Reinte (00) *Populção em gru enino:,% * Populção com pelo meno Ecolrid Obrigtóri:,0% * Populção com Enino Superior Completo:,% Mobilid (00) * Durção médi movimento pendulre d populção reinte empregd ou etudnte 4,4 minuto * Proporção utilizção do utomóvel n locçõe: 4,% Economi Áre Empreril, 00:,h Quint d Fonte e ZIE Pço Arco Proporção A Principi Empre Portugl ed em Oeir, 00:,% * Populção Empregd por Sector Activid Económic, 00: Sector Secundário:,% Sector Terciário Socil:,% Sector Terciário Económico: 4,0% * Populção empregd por cont outrem, 00:,% Equipmento Sú (00) UCSP, Unid Cuid Sú Peronliz, SNS: Unid Sú Privd: Frmáci: Prfrmáci: Socil (00) (Re Solidári e Lucrtiv) Infânci/Juventu: Io: Epecífico C João Pulo II Aocição Ajud Mãe Centro Acolhimento Projecto Mão Dd pr Vid Centro Comunitário do Alto d Lob Deporto (00) Áre Deporto:.0,m² Áre Deporto por hbitnte:,m² Epço Deporto Aociçõe: Clube Deportivo Pço Arco e Grupo Recretivo e Culturl do Alto do Mocho Cultur (00) Auditório/Anfitetro/Tetro (não municipi): Auditório GLAXO e Auditório LEMO Bibliotec e Ludotec: Ludotec do Bugio Gleri/Epço Expoitivo (não municipi): Slão Nobre do Clube Deportivo Pço Arco; Pço Arte Mueu ou Epço Mueológico: Clube Automóvei Antigo Centro Culturi (municipi): C d Cultur Epço Culturi Aociçõe: Aocição Culturl e Recretiv do Alto do Lgol, Clube Portuguê Automóvei Antigo, Coopertiv Hbitção Económic Nov Mord e Pço Arte Entid Públic e Privd (00) Nível Locl Junt Freguei Pço Arco OEINERGE, Agênci Municipl Energi e Ambiente Oeir Reprtição e Teourri d Fzend Públic Centro Regionl Segurnç Socil Libo e Vle do Tejo Aocição Bombeiro Voluntário Pço Arco Nível Intermunicipl SANEST, Snemento d Cot do Etoril, S.A. LEMO, Lbortório Enio Mterii Obr Nível Regionl, Ncionl ou Interncionl Defe e Segurnç Direcção Frói Intituto Socorro Náufrgo, Etção Slv-Vid Torre VTS Controlo Tráfego Mrítimo do Continente Veel Trffic Sytem Controlo do Tráfego Mrítimo Invetigção e Formção Ecol Náutic Infnte D. Henrique Intituto Tecnologi Náutic Cultur e Entretenimento IMPRESA/SIC * - D que englobm o referente à Freguei Cxi 4_

4 Pço Arco, té o éculo XVIII, foi bicmente um povoção bix nid populcionl, mrcd pel rurlid trblho n quint e hort que lvm loclid. A brr do Tejo foi, empre, complemento imprecindível à utentbilid económic d gente loci. A extrcção pedr, ctivid forno cl e fundição ferro fizerm, epecilmente prtir do éculo XVI, prte d ctivid económic locl. Com o melhormento regit durnte o éculo XVIII, trvé d contrução d murlh d ntig clir ou doc, d contrução do chfriz velho e lgun melhormento n ceibilid, por inicitiv Sebtião Joé Crvlho e Melo, Con Oeir, Pço Arco envolve-e ignifictivmente. Durnte o éculo XIX, Pço Arco proper como um trctivo centro blner e lzer. Ao memo tempo que o longo d fix coteir ão contruíd c verneio e recreio urgem tmbém o primeiro grupo e ociçõe ligd à cultur e o porto, orgnizndo-e, entre outr, fet e regt. Aim, egund met do éculo XIX e primeir met do éculo XX ficm mrcd por um procur crecente por prte d fmíli ritocrt e burgue mi endinheird e ditint do eu tempo. O chlet e c plçd multiplicm-e à medid que o trnporte e vão envolvendo, com epecil ênfe pr o comboio e pr o utomóvel com contrução d Etrd Mrginl. O meio trnporte cbrim tmbém por trnformr fiionomi locl, primeiro cortndo-lhe ligção direct e nturl o Tejo e à quint recreio e, poi, forçndo o crecimento d freguei entre o cminho--ferro e Avenid Mrginl. Pço Arco é hoje um freguei dinâmic e empreendor, on pdo e preente e encontrm. Se, durnte éculo, Pço Arco foi eencilmente um loclid mrcd pel rurlid, preentemente é um freguei vird pr o futuro, pr inovção e tecnologi. Pço Arco _

5 _ Projecto como o SATUO e o Office Prk Quint d Fonte mrcrm por completo o rumo d freguei, crindo novo pólo interee e ctivid, concretizndo um conjunto equipmento e infr-etrutur do mior interee pr Freguei e pr o Concelho.

6 Do pdo ficou o goto pelo ptrimónio, o przer e implicid do comércio trdicionl, ctivid náutic e o pelo o porto. O etbelecimento intituiçõe enino profiionl e uperior n freguei potencirm, em conjunto com o precimento outr intituiçõe no cmpo ocil, culturl e portivo, um renovção d populção, endo elevd tx populção jovem reinte e em exercício n freguei. No cmpo portivo, o Hóquei em Ptin é modlid rinh n freguei, contituindo um verdiro ícone ncionl n formção joven hoquit. Outr modlid que tem projectdo Freguei Pço Arco no miore pvilhõe portivo ncioni é o Anbol, endo que o Deprtmento Anbol do Clube Deportivo Pço Arco, trvé d intur A União Fz Forç!, tem gregdo prticnte, oci e fã. 0_

7 _ M, pot em novo projecto como mplição do Peio Mrítimo dotrm freguei um nov dimenão, umentndo o número viitnte e invetidore, poibilitndo relizção novo evento e um mior proveitmento d brr do Tejo, incrementndo o turimo e melhorndo qulid vid hbitnte Pço Arco

8 4_ Ambiente

9 O Concelho Oeir é pioneiro no envolvimento projecto protecção e vlorizção do mbiente. A Câmr Municipl Oeir tem-e putdo por um contnte preocupção com preervção e protecção do mbiente A requlificção urbn, preervção e crição epço ver, rborizção do Concelho, getão e vlorizção reíduo óli urbno, ditribuição Ecoponto por todo o Concelho, colocção colectore pluvii, preervção d fun e d flor, enibilizção e formção d populçõe exemplificm um polític éri integrção e preervção do ptrimónio mbientl, indiociável do proceo envolvimento utentdo do concelho Oeir. Em Oeir é viível convergênci do epço humnizdo com o epço nturl, fruto um polític mbientl pend e etruturd um modo integrdo. Et dinâmic mbientlit ve-e, tmbém, um poição privilegid junto d populçõe. Aim, dquire importânci o ppel empenhdo pel ocied civil, nomedmente o meio cdémico, científico e emprerii. _

10 A crição do Deprtmento Ambiente e Equipmento (DAE), veio dotr o município um erviço público que grnte o envolvimento divero projecto integr que vim ( re ) qulificção mbientl tendo em cont o Plno Etrtégico pr o Deenvolvimento Sutentável Oeir XXI. Por tod freguei encontrm-e ditribuí, cordo com tipologi hbitção, divero equipmento pr poição lixo domético indiferencido e pr poição emblgen, ficndo recolh te reíduo crgo d Trtolixo. Preocupção ltente d ocied morn, o mbiente é um d principi pot d Junt Freguei Pço Arco e do concelho Oeir. O incremento inicitiv e oluçõe pr minimizr o impcto d produção reíduo urbno e indutrii, ão ctulmente met tingir. Aim, o combte o urbnimo reguldo e o fio um ocied mi informd e conciencilizd pr quetõe mbienti form, no último no, prte um combte que tem gnho cd vez mi pointe e reult extremmente poitivo. Nete cmpo, o Concelho Oeir umiu-e logo como um precurore no envolvimento projecto protecção e vlorizção do mbiente, lnçndo em o primeiro item recolh electiv vidro emblgem, im como d implementção, em 4, d primeir Etção Trigem do Pí. A reetruturção d pri d freguei e expnão do Peio Mrítimo, peronificm procur por prte d utrqui preocupção em proporcionr um mior ofert mbientl, um contcto com nturez mi próximo e nturl e um intificção peol d populçõe com o epço que frequentm e/ou viitm. Frequentd pelo pço rquene e turit concelho vizinho, pri pço rco e contribuem ciivmente pr belez d pigem d freguei, im como ão reveldor d preocupçõe mbienti d mem, um contnte reto d politic do concelho. Exemplo dio é limpez e qulid d águ, fruto d Errdicção crg poluente. A inicitiv d utrqui multiplicm-e por áre tão diver como recolh mono e limpez rei, feit dirimente durnte époc blner. 4

11 0_ Jrdin e Epço Ver

12 Jrdim Municipl Pço Arco O Jrdim Municipl Pço Arco é um epço lzer mi emblemático d Freguei. Com um vit privilegid pr Brr do Tejo, o Jrdim Municipl Pço Arco é um epço nobre o erviço munícipe que nele pom uufruir um conjunto grdável trctivo. O coreto, o prque infntil, o cmpo jogo, áre returção e o epço contcto com nimi, ão lgun trctivo te epço. Plco frequente d fetivid d loclid, o Jrdim Municipl Pço Arco é utilizdo com frequênci pr inúmer ctivid promovid pel Junt Freguei. No último no o concelho Oeir ditinguiu-e pel crição e recuperção epço ver e pel promoção do contcto com nturez. Em Pço Arco, o exemplo ddo trvé do invetimento em projecto como remolção do Jrdim Municipl Pço Arco, reetruturção d pri d freguei e expnão do Peio Mrítimo, peronificm preocupção por prte d utrqui e d Junt Freguei proporcionrem um mior ofert mbientl, um contcto com nturez mi próximo e nturl e um intificção peol d populçõe com o epço ver que frequentm e/ou viitm. _

13 Jrdin do Plácio Arco Aberto o público em 00, o Jrdin do Plácio Arco ão um epço contcto entre nturez e hitóri d Freguei. O ctul Jrdim do Plácio Arco repreent áre d Quint que outror lv o Plácio. A bertur do Jrdim poibilit à populção um contcto mi próximo com um ptrimónio grn vlor hitórico, nturl e pigítico, que durnte muito tempo eteve vetdo o hbitnte Pço Arco. Nete momento encontr-e em projecto um egund fe intervenção no epço do Jrdim do Plácio, com o objectivo dotr o Jrdim epço mi orient pr o convívio e recreio. A Freguei Pço Arco é tmbém conhecid pel u pri Pri Velh e Pri Nov. De rel reduzido, Pri Velh, itud em frente o Jrdim Municipl Pço Arco, é hoje utilizd eencilmente como porto brigo pr pecdore. De tcr preenç um Géier, com iluminção nocturn, que proporcion um belo efeito viul to qunto circulm pel Etrd Mrginl. 4_

14 _ Pri

15 Pri Velh A Freguei Pço Arco é tmbém conhecid pel u pri, Pri Velh e Pri Nov. De rel reduzido, Pri Velh, itud em frente o Jrdim Municipl Pço Arco, é hoje utilizd eencilmente como porto brigo pr pecdore, tcndo-e no locl intlção um Géier com iluminção nocturn que proporcion um belo efeito viul to qunto circulm pel Etrd Mrginl. Géier Pço Arco Conirdo um mi recente ícone d pigem d brr do Tejo, o Géier Pço Arco é o mior exitente no Oceno Atlântico. Em funcionmento 00, o Géier foi hbitundo populção d Grn Libo um mitur luz e cor, que ilumin noite d Avenid Mrginl. Com um cuto cerc z milhõe euro, et verdir obr rte, project, trvé doi motore ubmero, águ um ltur cerc 0 metro, on um jogo luze verdirmente licioo contitui um qudro lumbrnte d brr do Tejo. O Géier encontr-e integrdo num conjunto obr e melhormento que utrqui tem vindo implementr o longo tod mrginl oeirene, com crição nov ceibilid pedoni, epço jrdin e lzer. _

16 0_ Pri Nov A Pri Nov, im nomind em opoição à nterior, itu-e em frente à Ecol Superior Infnte D. Henrique, e é btnte utilizd por bnhit durnte o Verão. Com proximdmente 400m rel, com vigilânci durnte époc blner e com infr-etrutur poio, Pri Nov é um excelente epço pr frutr przere do ol e/ou lgum prátic portiv. Com concretizção do lrgmento do Peio Mrítimo, du pri t freguei prm contr com mi e melhore condiçõe ceo, conforto e egurnç. De relçr iluminção rtificil que permite o munícipe fruir te epço 4 hor por di.

17 _ Cultur

18 Pço Arco preent hoje um ofert culturl muito diverificd. A exitênci vári ociçõe culturi e recretiv n freguei tem permitido umentr o envolvimento d populção e conciencilizção culturl d mem. Deporto, múic e rte plátic ão lgum d áre em tque e que proporcionm momento lzer e recreio to o hbitnte d freguei e do concelho. Pço Arte Aocição Artit Plático Pço Arco. A Pço Arte, Aocição Artit Plático Pço Arco, foi fundd em, tendo como objectivo principl divulgção e promoção d rte plátic em Pço Arco e em todo o Concelho Oeir. O trblho t ocição extrv, ctulmente, o limite do concelho, envolvendo inúmer expoiçõe e motr rte em prceri com entid como Junt Freguei Pço Arco, Câmr Municipl Oeir, do Pombl e d Mrinh Grn. De 00, ocição orgniz, nulmente, no Jrdim do Plácio Arco, no âmbito d fet do Concelho Oeir, um tr pintur e múic, on o viitnte pom entrr em contcto com o mundo d rte plátic, o memo tempo que, num mbiente colhedor, frutm d ctução muicl um d bnd do concelho. Coro d Imculd Conceição O Coro d Imculd Conceição iniciou funçõe em, tendo como mião divulgção muicl junto d cmd mi joven d populção. Do eu reportório fzem prte tem religioo e populre. A u ctuçõe relizm-e um pouco por todo o pí, com mior frequênci n Freguei Pço Arco. No no 00 intituição iniciou um Atelier Viol, dndo mior complementrid à u ctivid. Aper não pouir momento e própri, o grupo corl envolve u ctivid n intlçõe Ecuteiro Pço Arco. Coro Luí Freit Brnco - Ecol Secundári Luí Freit Brnco Tendo como e Ecol Secundári Luí Freit Brnco, o coro, com o memo nome, preten homenger um d figur mi importnte d múic ncionl me do éculo XIX, Luí Freit Brnco. O coro é contituído, eencilmente, por luno, profeore, funcionário dminitrtivo e uxilire cção eductiv, dndo corpo o crácter pedgógico e trnverl do projecto. A u ctuçõe retringem-e, obretudo, inicitiv e fetivid intern orgnizd pel ecol e no Encontro Coro Amdore do Concelho Oeir. 4_

19 Centro Culturl Iltino Mori Loclizdo no Alto d Lob, ete epço culturl tc-e pel expoiçõe pintur, enho e fotogrfi com que preentei viitnte. Prlelmente, é um epço que foment divulgção novo rtit e promove o reconhecimento rtítico lgum d u obr junto munícipe. O Centro Culturl Iltino Afono Mori reliz, com regulrid, workhop rte plátic e poi concuro rtítico, em prceri com lgum ociçõe. Clube Portuguê Automóvei Antigo Com e n cid do Porto, o Clube Portuguê Automóvei Antigo é contituído por doze ócio funddore e por doi mueu. A u fundção teve origem em, no Porto, rivndo do já exitente Clube Portuene Automóvei Antigo, que pri chmr-e, ee memo no, Clube Portuguê Automóvei Antigo. Com um colecção veículo exten e grn vlor ptrimonil, o Clube orgniz, frequentemente, inicitiv promoção e divulgção, ntro e for do pí, do epólio que é tentor. «O Clube tem ind como mião, pretção itênci à quiição, returo, conervção, exibição, e mnutenção veículo ntigo, contruí há mi vinte no, im como promover, incitr e expndir o porto motorizdo referi veículo», conforme refere o ite oficil do Clube. De 0, o Clube Portuguê Automóvei Antigo dipõe, em Oeir, um Expoição permnente Automóvei Antigo que po er viitd por to o curioo que preciem máquin outro tempo. _

20 _ Ettuári

21 Ettuári A Ettuári é hoje um elemento integrnte d pigem Pço Arco, m tmbém do próprio Concelho. Por tod loclid encontrm-e eplhd obr executd por rtit ncioni referênci, pretndo um tributo incero à cultur, à trdição e à mbiçõe d populção, fomentndo, o memo tempo, o goto pel rte. Crito Nvegnte Autori: Sore Brnco Peç religio loclizd n Igrej Proquil em Pço Arco, d utori do ecultor Sore Brnco. No Concelho Oeir pomo precir outr trê obr te utor: Ro Vento, n Ecol Náutic; Cmilo Ctelo Brnco, em Crnxi; e A Flor e o Fruto, em Cxi. Homengem à Mulher Autori: Pedro Rpzote Homengem tod mulhere portugue, et ecultur belo trço, d utori Pedro Rpzote, itu-e no Birro d Coopertiv Hbitção Económic Nov Mord e preten dignificr o ppel cd vez mi ctivo d mulher n ocied morn, conciencilizndo comunid pr iguld oportunid e pr dignificção d mulher. Homengem o Cmpeõe Hóquei em Ptin Autori: António Trind Ete conjunto ecultórico, d utori António Trind, repreent homengem incer e entid Pço Arco e do Concelho Oeir trê grn homen que e tcrm no porto ncionl e interncionl, elevndo bem lto o nome Oeir. Nele temo repreent o hoquit Emídio Pinto, por muito conirdo o melhor gurd-re do mundo no eu tempo, Correi Snto, o vnçdo temível e um do melhore do mundo no eu tempo e ind Jeu Correi que, pr com António Livrmento, foi o melhor jogdor empre do hóquei em ptin portuguê. 40_4

22 Monumento o ctor Joé Ctro Autori: Metre Joquim Correi Ícro Autori: Metre Joquim Correi Situd em frente o Cnil Municipl etátu Ícro d utori do Metre Joquim Correi repreent ee herói mitológico d cultur greg, filho Dédlo que cbri por ficr fmoo por morrer fogdo no mr Egeu vítim d u própri mbição. No centro hitórico Pço Arco, em homengem o ctor Joé Ctro, encontr-e um monumento cuj concepção e ve o Metre Joquim Correi. O utor, pr lém t obr, concebeu outr ecultur que em muito enriquecerm o ptrimónio ettuário do Concelho Oeir: Amiz Luo-Brileir ; Eunice Muñoz ; Mrquê Pombl ; Ícro ; e Monumento Mª Telle Men. 4_4

23 Cvlo o vento Autori: Auguto Cid Inugurdo em 00, ete conjunto ecultórico locliz-e no Prque d Cid, n freguei Pço Arco. Cvlo o Vento repreent linç entre forç, etétic e gilid. O utor, ecultor Auguto Cid, coneguiu epelhr dinâmic, o progreo e cpcid do concelho viionr e glopr rumo o futuro. Buto do Ptrão Lope Em pleno Jrdim Pço Arco, 4, ldo pel Etrd Mrginl e com vit pr o etuário do Tejo, encontr-e o Buto do Ptrão Lope, herói que, durnte o éculo XIX, e tcou como lvdor embrcçõe em perigo ne mem foz e cujo feito ervirm inpirção à concretizção do ctul Intituto Socorro Náufrgo. O monumento é compoto por um buto em bronze e um penh on e po ler: Ao Benemérito Ptrão Joquim Lope e o que com bnegção o compnhrm n hor perigo. 44_4

24 4_4 Centro Hitórico e Outro Monumento

25 4_4 Centro Hitórico Pço Arco Reultdo d evolução ofrid pel freguei prtir do éculo XVIII, o Centro Hitórico Pço Arco crcteriz-e pelo chlet e pel c plçd que í e etbelecerm durnte o éculo XIX. O Centro Hitórico Pço Arco é hoje um centro vivo e dinâmico on hitóri e mornid e encontrm, contituindo um mpl ofert epço emblemático d freguei à dipoição hbitnte e viitnte, on e tcm o Plácio Arco, o Forno d Cl, o Jrdim d Plmeir, o Jrdim Municipl Pço Arco, o Jrdim do Plácio Arco, Pri Pecdore, entre outro. O Centro Hitórico crcteriz-e, tmbém, pel concentrção epço comércio trdicionl e returção que e tornrm, no último no, verdiro ícone Pço Arco. A importânci crecente n preervção do Centro Hitórico Pço Arco tornou neceári crição um gbinete poio no locl, com o objectivo crir dinmimo e etrtégi pr o futuro, ncendo im o Gbinete do Centro Hitórico Pço Arco.

26 A RA Lu z Crlo Fonte Nvegnte o cin R. Crlo Lrgo Leonor Fri Gome CHAFARIZ VELHO HORTA JARDIM Luz P tro RUA COSTA PINTO - ALÇADO CotNORTE Pinto- Alçdo Norte Pri Lu z Crlo 4 Pri Trve d PA 4 4 PA 0 Pri 0 A Pom bl que M r Av. t V i Ru Nº44 Av en id d PA 4 Nº Nº Nº Nº Nº4 NºNº0 Nº0 Nº A Trve Lu z Crlo 0 nte Senhor AVENIDA bl d nte Nv eg Jeu Senhor AVENIDA Nv eg Jeu Fo rno R. do Pom bl que M r Av. AL GIN Ref: S040-Y0R Ref: S00-Y0R AR Ref: S00-Y0R M Ref: S00-Y Ref: S00-Y0R Ref: S00-R0B Ref: S00-Y0R Ref: S040-Y0R Ref: S00-R0B bl Pom Pri d Trve Pri d Forn o 4 Po m Fo rno R. do A PA A PA Mrqu e A Av enid Forn o tn on o R i A 4 / 0 ef PRAIA VELHA Pri d Trve Trve 0 4 P A Nvegnte Lu z Crlo A B PA 4 B A PA 4 o JARDIM MUNICIPAL PA A Jeu Senhor AVENIDA A 0 A Pom bl / e Pom bl J Mrqu e Ecol Militr Electromecânic Vil Eli Nº0 A Nvegnte A Mr que A.M r qu A Av Avenid Senhor S. Pe dro Lu z Crlo PA Jeu l 4 4 l Pomb Trv. S. Pe dro Trv. Pomb 4 AVENIDA A Fo rno R. do A 4 PA 0 0 A Pom bl e.m r qu Av S. Pe dro Forno A Forno Avenid Pom bl que.m r l Pomb PA Mr que A Forno R. Trv. u 4 PA Lu z 0 Crlo 0 A Jeu Senhor Forno Av AVENIDA A u R Senhor AVENIDA Nvegnte Forno R. S. Pe dro Trv. 4 u Ref: S00-B PA n Ru B A jo R CENTRO HISTÓRICO PAÇO DE ARCOS O HISTÓRICO DE PAÇO DE ARCOS PLANO DE COR NO DE COR NORMAS RECOMENDATÓRIAS AS RECOMENDATÓRIAS d Trve PA A e que.m r 4 0 Av 4 l B A / Pomb Forno R. PA 0 A Mr que / A Forno Avenid 4 PA PA PA B A T Intituto Socorro Nufrgo gre gre Mr que A le Ale A AL GIN l b Avenid AR m A M Po 4 A S. Pe dro Trv. AVENIDA t e e qu S. Pe dro Pr. Guilherme Gome Vi r B A 0 4 M Trv. Vid d 4 nt d en V iv ilipe F o R i Slv - Ci Tv. e Súd d e Trv E. N. 0 nto Pi /00 0 Cot Ru 0 Ru Republic 4 PALÁCIO DOS ARCOS ir d o A Prc u or Je Senh l do gnte Cpe Nve Lrgo Con d Alcáçov 0 d Trv. d Ermi no A Con Trv. c ov 0 pe Chfriz Pço Arco (Centro d Vil) Alc Lo et re Ci e Súd l b Mo Outubro Nº00 JARDIM v. t Pedro jo 0 uim m inh r P do Ru d Ru q Po do Pin to Co Nº Nº Nº4 NºNº0 Nº0 Nº 4 R. Lrgo S. João gre e gre Jo e qu o to Pin Tv. Ale 4 r Beco e t T d C CHAFARIZ VELHO JARDIM id en Nº Av t V i Felix Tr AL GIN HORTA PA R pe t ro M e AR 4 A le on d en V iv ilipe F Jo n M Intituto Socorro Nufrgo Pt ef AVENIDA Vi Ru S l Lrgo Leonor Fri Gome d o Lo ir u e Trv Slv Vid re R 0 uim Cot Ru id nid Av en Mo Ref: S00-Y0R Ref: S00-B0G Ref: S00-Y0R 4 Ref: S00-R0B Ref: S040-R0B do Lrgo Forno Ref: S00-Y0R Prç Ref: S00-R S. Ref: S040-R0B Ref: S040-Y0R 0 Ref: S00-R0B J Monumento o Ptrão Joquim Lope Ref: S040-Y0R R. nt Fo Nº Ru Nº CHE A DE CORU R. QUINT Fo 0 0 Nº NºA NºB Nº Tv Monumento.o Forno Ptrão Joquim Lope C Ccete Prç Outubro 4 AL GIN AR FORNOS DA CAL Ref: S00-R0B Ref: S00-Y0R M Jo ESPAÇO R. Nº0 Nº Nº0 AVÓS Nº E NETOS Vil Eli Nº0 Co Prç Outubro Nº Forte Nº Nº4 Nº Nº Ref: S00-Y0R uint 0 ESPAÇO AVÓS E NETOS Ref: S00-B0G Nº Ecol Militr Electromecânic PRAIA VELHA Ref: S00-Y40R Vil Eli Ref: S00-Y0R Ref: S00-B0G Ref: S00-Y0R Nº Ref: S00-R0B Rei Ref: S040-R0B Q 4 E. N. Pr. Guilherme Gome AUDITÓRIO JOSÉ DE CASTRO ueir Arc 0 nto Pi / PALÁCIO DOS ARCOS M io R u Trve o Nº44 tn Ref: S00-Y0R dido 4 Ref: S00-R COSTA Nº0 inh r P do Ru Republic R due 0 C Ccete JARDIM MUNICIPAL Ref: S00-R0B PROPOSTO Cn AL GIN AR Nº Nº4 Nº Nº Nº Pinto R. 4 M Nº Nº00 t l b Nº0 Nº Coruche 00 0 m Lrgo Monumento o Forno Ptrão Joquim Lope Nº NºA NºB Nº Dipenário Mterno Infntil v. Fonte JARDIM MUNICIPAL Po Vil Eli Rei o R i Forn o Nº0 Ecol Militr Electromecânic Co Prc c ov u or Je Senh l do gnte Cpe Nve Lrgo Con d Alcáçov 0 d Trv. d Ermi d ESPAÇO AVÓS E NETOS Prç Outubro Mti ue Pedro Mercdo Prcet Dioníio Mti rq 0 S. EB nº Pço Arco M P A4 Junt Freguei Pço Arco n e to no Alc A Con Trv. Chfriz Pço Arco (Centro d Vil) 4 Forno Lrgo Forno 4 d Joe R. to Pin Lrgo S. João Luz Nº0 Nº Nº R. Quint t R. R eg gre nt e Snto Ale nd Vive lipe Fi Fo Jo ir Olive De t Ru R. Jo Av o Vi tn Fon Tv. Rpo jo 4 e id en T Intituto Socorro Nufrgo o R i gre o R. Crlo Pedro S. 4 A le V it FORNOS DA CAL 0 Igrej Senhor Jeu Nvegnte d Pr. Guilherme Gome Prcet Dioníio Mti AR Trve Vid Arc e Ci Sú ve l b Slv - S l Pin Co Forte 4 4 Rei d Tv. Tr m Po M AL GIN COSTA nto Pi /00 0 Cot Pinto PROPOSTO dido do AVENIDA do 0 0 E. N. Prç Outubro Nº4 Nº Nº Cn 0 Dipenário Mterno Infntil R. Nº 0 ir Teixe 0 uint iio 4 Nº DOS ARCOS Nº0 Nº Nº 00 Dion Trv. d Ermid u Lrgo Con d Alcáçov 0 pe r Je Senho nte do Cpel Nveg Nº0 Prcet Dioníio Mti Ilidio gre Lo cov Alc Nº Q Junt Freguei Pço Arco Mercdo Nº Ale A e nd Co Trv. Joe Nº00 nio Anto 0 id jo EB nº Pço Arco ueir ir Olive De Dr. t en e no Nº0 Reg o Mti T c i Rpo Ci Sú JARDIM Lu Snto d Tv. AR Tr Beco M Bombeiro Voluntário R. Pço Arco Prcet Dioníio Mti A RU pe iro et Lo CHAFARIZ VELHO HORTA JARDIM Republic Ref: S00-R0B C LI NO Nº00 Cot Pinto - Alçdo Sul 0 Vi P do Ru Lrgo S. João Av o rinh AL GIN d v. AVENIDA 4 uim ue to o Pint t Nº Nº Nº4 Nº/ Intituto Socorro Nufrgo q rq Pin 0 FORNOS DA CAL Jo nd Vive lipe Fi M e Co JARDIM MUNICIPAL Prç S l ir 4 ido Nº do R. Cot Forte o 00 Lrgo 0 Forno Tv. Outubro Ref: S040-Y0R uint re 0 Cnd Q Mo Forno R. 4 4 Trve 4 do Mti Outubro Arc Ref: S00-R0B Nº PALÁCIO Nº NºA NºB Prc R u 0 V it Chfriz Pço Arco (Centro d Vil) P A4 tno eir Ru Prç Dipenário Mterno Infntil Pinto Beco Rei Mercdo Prcet Dioníio Mti Tr Tv. Ce R. Re gu o Junt Freguei Pço Arco EB nº Pço Arco Pedro Vid d Felix 0 nto Pi t gre A le e Jo R. Nº S. Slv - C Ccete n E. N. 4 Rpo nt Nº DOS ARCOS Pr. Guilherme Gome ido Snto De FORNOS DA CAL Joe Fo 0 Cnd r Olivei R. Prcet Dioníio Mti nho AUDITÓRIO tn Fon JOSÉ DE CASTRO e Jo Igrej Senhor Jeu Nvegnte 0 Forte 4 4 ri P do Ru ir r Teixei Nº0 re Ilidio io Dioni PROPOSTO t HE DE CORUC R. QUINTA Cot 00 Trve to Co Nº JARDIM Ref: S00-B R. Lrgo S. João u Lrgo Con d Alcáçov / LrgoC o Leonor Fri Gome ve o 4 Mo Pin d Republic Tr Arc e 0 Nº uim S l Trv. d Ermid d do r Je Senho nte do Cpel Nveg 0 Ref: S00-R0B R u tro o Pint A e nd Co Trv. Prc io Anton Mti Pinto PROPOSTO do Dr. Snto Prcet Dioníio Mti Dipenário Mterno Infntil Ecol Militr Electromecânic uint R. Quint Coruche Junt Freguei Pço Arco Mercdo Ref: S040-Y0R v. P Beco TA COS Q Luz 0 no et R. Crlo eir r Olivei TA COS Tr Avenid R. Re gu De C PRAIA VELHA o Chfriz Pço Arco (Centro d Vil) Felix Ref: S040-Y0R Fonte Nº q Ru Ref: S040-G0Y Nº Nº PALÁCIO Nº NºA NºB cov Alc TO Jo io Dioni Bombeiro Voluntário Pço Arco Rpo Nº 4 Mio Ref: S00-R o cin Prcet Dioníio Mti Nº C Ccete Ref: S00-R0B Cor iro EB nº Pço Arco TO M Nº0 Monumento o Ptrão Joquim Lope O LIN A RU Joe 4 RA ir Teixe DE Nº Nº AL GIN AR Cor 4 DE iio tro AUDITÓRIO Nº DE CASTRO Nº4 JOSÉ Igrej Senhor Jeu Nvegnte Nº JARDIM Felix Dion P Vil Eli Ilidio Nº ÃO ASSUNÇ Prç Outubro Ref: S00-Y0R Lu HE DE CORUC R. QUINTA ÃO ASSUNÇ RA REIRA MO R. Quint Coruche Nº Nº JARDIM ESPAÇO AVÓS E NETOS io Anton Nº CHAFARIZ VELHO HORTA Luz Dr. Nº R. Crlo Lrgo Leonor Fri Gome Avenid 0 EXISTENTE Ref: S040-R0B RUA COSTA PINTO - ALÇADO CotNORTE Pinto - Alçdo Norte o cin AUDITÓRIO JOSÉ DE CASTRO Igrej Senhor Jeu Nvegnte Nº Nº Nº4 NºNº0 Nº0 Nº q Lu EXISTENTE ixeir A RU Ecol Militr Electromecânic Nº CHE A DE CORU R. QUINT Te A REIR MO CENTRO HISTÓRICO DE PAÇO DE ARCOS Coruche Jo 4 Fonte Nº44 Nº0 Nº Nº R. Quint 4 Mio JARDIM MUNICIPAL Bombeiro Voluntário Pço Arco Nº0 Nº Nº Ilidio Lrgo Forno Nº0 Nº o Cor ir Prç Outubro Nº00 nio Anto TO O LIN Nº0 Dr. 4 RA DE Ref: S00-R0B / Ref: S00-R0B Ref: S00-B o R i Ref: S00-R0B RUA COSTA PINTO - ALÇADO SUL ro Ref: S040-Y0R CHAFARIZ VELHO HORTA JARDIM Luz Pt Ref: S040-Y0R Lrgo Leonor Fri Gome CENTRO HISTÓRICO DE PAÇO DE ARCOS R. Crlo l b Ref: S040-G0Y no / m Ref: S00-R PRAIA VELHA c i Po Ref: S00-R0B UNÇÃO ASS Tv. Forno A RU Lu Fonte Nº/ M io Nº 4 Nº Bombeiro Voluntário Pço Arco Nº iro Nº Cor id nid Av en Nº4 AL GIN DE LI NO id RUA COSTA PINTO - ALÇADO NORTE P A4 Nº en n e Av A V it d tn Fon e 4 Jo ÃO ASSUNÇ jo e TO A T Intituto Socorro Nufrgo e legr Pr. Guilherme Gome EXISTENTE RA ue Rei 4 AL GIN A REIR MO Ci Sú rq AR AR gre nd Vive lipe Fi M Jo R. nt Nº Pedro M Vid Ale Nº d Slv - Ru Nº S. Tv. ve nho M RUA COSTA PINTO - ALÇADO SUL nto Pi CENTRO HISTÓRICO DE PAÇO DE ARCOS AVENIDA E. N. Tr ri P do Ru t to o Pint t Co Fo Monumento o Ptrão Joquim Lope u R pe R. Lrgo S. João Cot Outubro FORNOS DA CAL Lo o Vi Pin Vil Eli Ref: S00-Y0R 0 ir ido REIRA MO Ref: S040-R0B Arc e 0 Nº Forte Nº/ 4 S l do re 0 Cnd EXISTENTE PROPOSTO 4 Lrgo Con d Alcáçov /00 0 i o 0R d uint Prç Trve Nº PALÁCIO DOS ARCOS Cot 0 Mo Q ESPAÇO AVÓS E NETOS 00 Nº 4 Trv. d Ermid 4 u 0 JARDIM MUNICIPAL R. Nº r Je Senho nte do Cpel Nveg 0 d R u Pinto cov Alc A e nd Co Trv. Prc Republic eir 0 Mti Dipenário Mterno Infntil Nº Nº 0 uim tno v. CENTRO HISTÓRICO DE PAÇO DE ARCOS TA COS Nº Chfriz Pço Arco (Centro d Vil) Felix do Mercdo Prcet Dioníio Mti q 4 Ce R. Re gu Junt Freguei Pço Arco Ecol Militr Electromecânic jo CHAFARIZ VELHO JARDIM Tr Beco Snto EB nº Pço Arco e HORTA Jo 4 Outubro De Joe id Lrgo Forno Nº l b 4 Prç r Olivei o A Nº4 Rpo en JARDIM P A4 AUDITÓRIO JOSÉ DE CASTRO m Prcet Dioníio Mti T Intituto Socorro Nufrgo gre Av Po Rei Forno AL GIN d n HE DE CORUC R. QUINTA io Dioni Ci Tv. Sú d tn Fon Tv. AR gre ue ido ir Teixe FORNOS DA CAL e A le Lrgo Leonor Fri Gome V it 4 rq 0 Cnd nt Nº e Jo M tro M R. Ilidio 4 Trve Pr. Guilherme Gome P nd Vive lipe Fi Jo R. Igrej Senhor Jeu Nvegnte Pedro S. Vid Ale Ru Nº 0 Forte 4 nto Pi Avenid io Anton Nº R. Quint Coruche Slv - ir Luz Fo Nº Fonte AVENIDA R. Crlo Dr. Nº Lrgo S. João nho t re PROPOSTO Nº ri P do Ru Vi Mo Nº Pinto to Cot 00 0 TA COS Pin e ve S l Mio Ru E. N. 4 do o Pint t d Co uint R. do Q Prcet Dioníio Mti Dipenário Mterno Infntil o Beco Bombeiro Voluntário Pço Arco Junt Freguei Pço Arco Mercdo Mti Nº Nº0 Arc 0 PALÁCIO DOS ARCOS / u Lrgo Con d Alcáçov Cot Tr TO o Cor ir De 0 Trv. d Ermid eir r Olivei o cin EB nº Pço Arco d pe RA o Joe Lu Prc r Je Senho nte do Cpel Nveg 0 Republic R u O LIN A RU tno v. A e nd Co Trv. Chfriz Pço Arco (Centro d Vil) Lo REIRA MO Tr Nº/ 0 uim Jeu q ir Teixe Ce R. Re gu Rpo DE Prcet Dioníio Mti cov Alc Jo Felix ÃO ASSUNÇ Nº JARDIM 4 Nº A Ilidio EXISTENTE Nº u Nº R Nº4 AUDITÓRIO JOSÉ DE CASTRO Nº HE DE CORUC R. QUINTA Nº Igrej Senhor Jeu Nvegnte Nº R. Quint Coruche Nº Nº Nº 4 io Anton Nº Dr. Nº Nº0 PLANO DE COR PLANO DE C PLANO COR LANO DE DE COR CENTRO HISTÓRICO DE PAÇO DE ARCOS Snto NORMAS RECOMENDATÓRIAS NORMAS RECOMENDAT NORMAS RECOMENDATÓRIAS ORMAS RECOMENDATÓRIAS Mio Ru Avenid Lu CENTRO HISTÓRICO DE PAÇO DE ARCOS CENTRO DE PAÇO DE CENTRO HISTÓRICO DE PAÇO DE ARCOS HISTÓRICO ENTRO HISTÓRICO DE PAÇO DE ARCOS TO Bombeiro Voluntário Pço Arco A RU io Dioni 0_ o Cor ir A extrordinári recuperção projectd pr frente ribeirinh, em dipenr um cuid recuperção do plno cor, o prolongmento do Peio Mrítimo e nov Mrin, im como requlificção d zon pictóri d Pri Velh, trrão Pço Arco um novo impulo e dimenão reultndo num pólo turítico e culturl. O LIN Recuperção e plno cor DE ESPAÇO Nº44 Nº Nº Nº Nº Nº4 NºNº0 Nº0 Nº00 Ref: S040-Y0R

ESTADO DE GOIÁS MUNICIPIO DE VARJÃO BALANÇO GERAL DO EXERCÍCIO DE 2014 DEMONSTRATIVO DA DESPESA POR GRUPOS DE NATUREZA E FONTE

ESTADO DE GOIÁS MUNICIPIO DE VARJÃO BALANÇO GERAL DO EXERCÍCIO DE 2014 DEMONSTRATIVO DA DESPESA POR GRUPOS DE NATUREZA E FONTE ETDO DE GOIÁ DEMONTRTIVO D DEPE POR GRUPO DE NTUREZ E 1.001 1.002 1.003 1.004 1.005 1.007 1.008 1.010 1.011 120 1.012 1.013 1.014 1.015 EPECIFICÇÃO OBR CONT /MPL /REF PREDIO CMR CONT /MPL /REFORM CENTRO

Leia mais

Relatório dos Resultados do Inquérito aos Diplomados

Relatório dos Resultados do Inquérito aos Diplomados ISEL Reltório do Reultdo do Inquérito o Diplomdo ENTRE 2005 E 2009 Intituto Superior de Engenhri de Libo Gbinete de Avlição e Qulidde Libo, 15 de Setembro de 2011 FICHA TÉCNICA Título: Reltório do Reultdo

Leia mais

Especifique : (a) tipo de deficiência (b) organização das salas (por idades,...) (a) outro tipo de vinculo

Especifique : (a) tipo de deficiência (b) organização das salas (por idades,...) (a) outro tipo de vinculo Agrupmento Escols do Porto Alto Pré Escolr lunos Estb. De Educção Apoio Domicílios 0-1 1-2 2-3 Alunos em list lunos com NEE Alunos esper () 3 4 5 6 * 3 4 5 3 4 5 6 * Educdores sls Q. QDV único pessol não

Leia mais

======================== ˆ_ ˆ«

======================== ˆ_ ˆ« Noss fest com Mri (Miss pr os simpes e pequenos, inspirdo em Jo 2,112) ( Liturgi I Puus) 1) eebremos n egri (bertur) Rgtime & c m m.. _ m m.. _ e e bre mos n_ e gri, nos s fes t com M ri : & _.. _ º....

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Governance, Risk and Compliance Management [GRC] Gerenciamento Efetivo e Sustentável.

Governance, Risk and Compliance Management [GRC] Gerenciamento Efetivo e Sustentável. Governnce, Rik nd Complince Mngement [GRC] Gerencimento Efetivo e Sutentável. O SoftExpert GRC Suite oferece um etrutur de governnç que poibilit um tomd de decião eficz e poio à mudnç comportmenti. O SoftExpert

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DA ACADEMIA DE MÚSICA DE SANTA MARIA DA FEIRA ENSINO ARTÍSTICO ESPECIALIZADO DA MÚSICA. Projeto Música para Todos

ASSOCIAÇÃO DA ACADEMIA DE MÚSICA DE SANTA MARIA DA FEIRA ENSINO ARTÍSTICO ESPECIALIZADO DA MÚSICA. Projeto Música para Todos ENSINO ARTÍSTICO ESPECIALIZADO DA MÚSICA Projeto Músic pr Todos Plno Anul de Atividdes 2013 2014 1º PERÍODO MÊS DIA HORA ATIVIDADE INTERVENIENTES LOCAL 12 Início do no letivo 12 18h00 Receção os lunos

Leia mais

1. CAMPUS BOM JESUS DA LAPA

1. CAMPUS BOM JESUS DA LAPA 1. CAMPUS BOM JESUS DA LAPA REITORI A / CAMPUS UNIDADE DE TRABALHO Bom Jeu d Lp DG e DAP Bom Jeu d Lp DG / DAP / DDE Bom Jeu d Lp DG / DAP Bom Jeu d Lp DG / DAP Bom Jeu d Lp DG / DAP Bom Jeu d Lp DG /

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Cristin Antunes Mnuel Bispo Pul Guindeir FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Escol Turm N.º Dt Grupo I Documento I É um serviço de tendimento telefónico de Trigem, Aconselhmento e Encminhmento, Assistênci

Leia mais

Data Tema Objetivos Atividades Recursos

Data Tema Objetivos Atividades Recursos Plno Anul de Atividdes do Pré-Escolr Dt Tem Objetivos Atividdes Recursos Setembro Integrção /dptção ds crinçs -Promover integrção/ (re) dptção ds crinçs á creche; -Proporcionr um mbiente que permit às

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

Educação Ambiental na Comunidade Escolar no Entorno do Parque Natural Municipal do Paragem*

Educação Ambiental na Comunidade Escolar no Entorno do Parque Natural Municipal do Paragem* Educção Ambientl n Comunid Escolr no Entorno do Prque Nturl Municipl do Prgem* 1 ALMEIDA, Grciel Gonçlves ; ARENDT, Krine Sles; LIRA, Elinlv Silv ; MACEDO, Gbriel Zcris; VIEIRA, An Pul. Plvrs-chve: Meio

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA PROPOSTA DO GOVERNO / Prtidos d Bse PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO do Governo (Mensgem Retifictiv) E / OU ATEMPA / SIMPA Vo t ç ão TEXTO DO CONGRESSO Diverss estrtégis pr tingir s mets Emend 1- exclui

Leia mais

SER CRIANÇA NA AMAZÔNIA

SER CRIANÇA NA AMAZÔNIA NA AZÔNIA UMA ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE DESENVOLVIMEN INFANTIL NA REGIÃO NORTE DO BRASIL Fevereiro de / Belém-Prá COORDENAÇÃO: Pery Teixeir Doutor em Demogrfi - Fund. Joquim Nbuco/ Univ. Federl do Amzon

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA : 15 Mnutenção e Revitlizção do Ensino Infntil FUNDEB 40% 1. Problem: O município possui pens dus escol que oferece ensino infntil e não tende tod demnd.

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas.

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas. Ecola Báic a 2º º e 3º º Ciclo Tema 1 Viver com o outro Tema Conteúdo Competência Actividade Tema 1 Viver com o outro Valore Direito e Devere Noção de valor O valore como referenciai para a acção: - o

Leia mais

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL (DIRECÇÃO DE OBRA):

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL (DIRECÇÃO DE OBRA): CURRICULUM VITAE Nome Ncionlidde Helder Jorge Gomes Ribeiro Portugues Dt de Nscimento 27 de Setembro de 1979 Estdo Civil Mord Solteiro Ru d Figueir d Foz nº77, 2DTO 3000-184 Coimbr Tlm: +351 916 515 477

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

Modelo multicritério de apoio à substituição de equipamentos médicos hospitalares

Modelo multicritério de apoio à substituição de equipamentos médicos hospitalares Modelo multicritério de poio à ubtituição de equipmento médico hopitlre Lígi Mrgrid Jorge de Figueiredo Diertção pr tribuição do Gru de Metre em Engenhri Biomédic Júri Preidente: Doutor Pulo Jorge Peixeiro

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL MISSÃO DO CURSO O Curso Superior de Tecnologi em Automção Industril do Centro Universitário Estácio Rdil de São Pulo tem

Leia mais

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente.

U04.6. Câmara Municipal da Amadora. Pág. 1 a. 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009) 01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Câmr Municipl d Amdor Deprtmento de Administrção U04.6 Urbnísitic EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL OU COMUNICAÇÃO PRÉVIA PARA OBRAS INACABADAS LISTA DE DOCUMENTOS 00. Requerimento (Modelo 04.6/CMA/DAU/2009)

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ESOLA SEUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE ARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015-2016 [Escrev texto] Págin 0 B I B L I O T E A E S O L A R PLANO ANUAL DE TRABALHO/ATIVIDADES A urrículo, litercis

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Balancete Mensal Data : Dezembro/2013

Balancete Mensal Data : Dezembro/2013 Pagina 1 de 6 VOTORNTIM ET MNGEMENT DTVM LTD. aldo 30/11/2013 I Débito mês Crédito mês aldo 31/12/2013 I 1 1.1 1.1.2 1.1.2.10 1.1.2.10.00 1.1.2.10.00.001 CIRCULNTE E RELIZÁVEL LONGO PRZO DIPONIBILIDDE

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

A Activar centrará a sua ação em CINCO eixos de intervenção fundamentais:

A Activar centrará a sua ação em CINCO eixos de intervenção fundamentais: ACTIVAR EM 2015 PLANO DE INTERVENÇÃO ANUAL INTRODUÇÃO: A Animção de um território depende do conjunto de tores existentes e de cordo com missão de cd um deles. É fundmentl que exist um efetiv cooperção

Leia mais

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução (9) - www.elitecmpins.com.br O ELITE RESOLVE MATEMÁTICA QUESTÃO Se Améli der R$, Lúci, então mbs ficrão com mesm qunti. Se Mri der um terço do que tem Lúci, então est ficrá com R$, mis do que Améli. Se

Leia mais

Plano de Gestão 2012-2015

Plano de Gestão 2012-2015 Plno de Gestão 202-205 - Cmpus UFV - Florestl - Grdução Missão: Promover polítics de incentivo à pesquis, pós-grdução, inicição científic e cpcitção de recursos humnos, objetivndo excelênci do Cmpus Florestl

Leia mais

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do

Relatório de atividades. Abril / 2011 a Janeiro / 2014. A Coordenação de Convênios e Contratos da UFG/CAC está vinculada à direção do Reltório de tividdes Abril / 2011 Jneiro / 2014 A d UFG/CAC está vinculd à direção do Câmpus e, posteriormente, o Setor de Convênios e Contrtos do Gbinete d Reitori. Tem como função intermedir s relções

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Projeto Crescer I e II

Projeto Crescer I e II Projeto Crecer I e II Motra Local de: Araponga Categoria do projeto: I Projeto em Andamento (projeto em execução atualmente) Nome da Intituição/Emprea: Paulo Hermínio Pennacchi, preidente da Caa do Bom

Leia mais

Proteja o que tem de mais valioso, o resultado das suas ideias! Procure o Gabinete de Apoio Técnico do +Valor PME

Proteja o que tem de mais valioso, o resultado das suas ideias! Procure o Gabinete de Apoio Técnico do +Valor PME Protej o que tem de mis vlioso, o resultdo ds sus ideis! www.misvlorpme.pt VlorPME APOIAR, DIFUNDIR E ORGANIZAR A PROPRIEDADE INDUSTRIAL + futuro + inovção + proteção + competitividde + vlor www.misvlorpme.pt

Leia mais

INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT

INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ETUDANTE ERAMU OUT Dede já, agradecemo a ua participação neta nova etapa do Projecto de Tutoria a Etudante ERAMU verão OUT. Com ete inquérito, pretendemo dar a conhecer

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de ANEXO II EDITAL Nº 04/2014 2 º PRORROGAÇÃO PARA VAGAS REMANESCENTES QUADRO DE VAGAS REMANESCENTES PARA O PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE PROFESSORES PESQUISADORES FORMADORES ÁREA DA PESQUISA EMENTA EIXO

Leia mais

Aplicação da teoria do controle ótimo e simulações computacionais no controle biológico de pragas

Aplicação da teoria do controle ótimo e simulações computacionais no controle biológico de pragas XXIV Encontro Nc. de Eng. de Produção - Florinópoli, SC, Bril, 3 5 de nov de 4 Aplicção d teori do controle ótimo e imulçõe computcioni no controle biológico de prg Ângelo Mrcelo uet (UNC-Cnoính) ngelo@pu.unc.br

Leia mais

Lider. ança. para criar e gerir conhecimento. }A liderança é um fator essencial para se alcançar o sucesso também na gestão do conhecimento.

Lider. ança. para criar e gerir conhecimento. }A liderança é um fator essencial para se alcançar o sucesso também na gestão do conhecimento. Liderança para criar e gerir conhecimento Lider ança para criar e gerir conhecimento }A liderança é um fator eencial para e alcançar o uceo também na getão do conhecimento.~ 48 R e v i t a d a ES P M janeiro

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País

Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Embarque no Turismo O Papel do Turismo no Desenvolvimento do País Belo Horizonte/MG, 21 de junho de 2010 Segmentação A s eg mentação es tá pres ente em todos os mercados, incluindo o mercado do turis mo;

Leia mais

Faculdade Atenas Maranhense (FAMA) FAMA A Avenida São Luis Rei de França, n.º 32 Turu, São Luís/MA

Faculdade Atenas Maranhense (FAMA) FAMA A Avenida São Luis Rei de França, n.º 32 Turu, São Luís/MA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LUÍS SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO LUÍS HOSPITAL MUNICIPAL DJALMA MARQUES CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

Escola SENAI Theobaldo De Nigris

Escola SENAI Theobaldo De Nigris Escol SENAI Theobldo De Nigris Conteúdos borddos nos cursos de Preservção 2011 1) CURSO ASSISTENTE DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA (362h) I Étic e históri n conservção (72h): 1. Étic e históri d Conservção/Resturo

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente Petróleo e Gás Revestimentos com lto desempenho pr indústri de petróleo e gás Desempenho excepcionl, excelente serviço o cliente Representndo Revestimentos de polietileno Revestimentos de polipropileno

Leia mais

Vinte e nove anos em defesa da saúde do trabalhador(a) e da segurança no ambiente de trabalho e na sociedade

Vinte e nove anos em defesa da saúde do trabalhador(a) e da segurança no ambiente de trabalho e na sociedade Viite noo ite: www.quimicobc.org.br Jornl do Sindicto do Químico do ABC junho de 2013- nº 1307 ESPECIAL SAÚDE Vinte e nove no em defe d úde do trblhdor() e d egurnç no mbiente de trblho e n ociedde Como

Leia mais

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 7 Grandezas Cinemáticas I

Aprimorando os Conhecimentos de Mecânica Lista 7 Grandezas Cinemáticas I Aprimorndo os Conhecimentos de Mecânic List 7 Grndezs Cinemátics I 1. (PUCCAMP-98) Num birro, onde todos os qurteirões são qudrdos e s rus prlels distm 100m um d outr, um trnseunte fz o percurso de P Q

Leia mais

PROGRAMA: ESTUDOS AVANÇADOS EM LIDERANÇA CRISTÃ (IGREJA BATISTA DO MORUMBI)

PROGRAMA: ESTUDOS AVANÇADOS EM LIDERANÇA CRISTÃ (IGREJA BATISTA DO MORUMBI) PROGRAMA: ESTUDOS AVANÇADOS EM LIDERANÇA CRISTÃ (IGREJA BATISTA DO MORUMBI) 1) Servo de Cristo e legislção vigente O Servo de Cristo respeitndo legislção vigente, ns orientções do MEC em seu Precer nº

Leia mais

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010.

DECRETO Nº 27631. de 22 de abril de 2010. DECRETO Nº 27631 de 22 de bril de 2010. Regulment Períci Médic e Ocupcionl dos servidores municipis d Prefeitur de Gurulhos. SEBASTIÃO DE ALMEIDA, PREFEITO DA CIDADE DE GUARULHOS, no uso de sus tribuições

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

Inclusão Social dos Jovens nos Assentamentos Rurais de Areia com ênfase no trabalho da Tutoria e recursos das novas TIC s

Inclusão Social dos Jovens nos Assentamentos Rurais de Areia com ênfase no trabalho da Tutoria e recursos das novas TIC s Incluão Social do Joven no Aentamento Rurai de Areia com ênfae no trabalho da Tutoria e recuro da nova TIC MIRANDA 1, Márcia C.V.; SILVA 2, Fátima do S.; FÉLIX 3, Jânio 1 Profeora orientadora e coordenadora

Leia mais

PALACETE BOLONHA Uma promessa de amor PASSAGEM BOLONHA ACESSO SOCIAL. 18,50 m SOBE SOBE SOBE ESCADA A - EM FERRO/METAL E MÁRMORE

PALACETE BOLONHA Uma promessa de amor PASSAGEM BOLONHA ACESSO SOCIAL. 18,50 m SOBE SOBE SOBE ESCADA A - EM FERRO/METAL E MÁRMORE Uma promessa de amor MOBILIÁRIO E EQUIPMENTOS PRINCIPIS: "VIL BOLONH" º CS/Nº CS,0 m MONT CRG CESSO DE PSSGEM BOLONH,0 m 0 CESSO 0 B DE CESSO,0 m POSTE REDE ELÉTRIC VENID GOVERNDOR JOSÉ MLCHER (NTIG SÃO

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

EXPO ENERGIA LUSOFONIA PROGRAMA PRELIMINAR

EXPO ENERGIA LUSOFONIA PROGRAMA PRELIMINAR A PROGRAMA PRELIMINAR ALTO PATROCÍNIO ECONOMIA DIPLOMACIA AMBIENTE CIDE ANFITRIÃ PATROCÍNIOS ORGANIZAÇÃO ENQUADRAMENTO Portugl pltform intercontinentl e polo de inovção Portugl tem de conseguir cpitlizr

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

O Presidente da Federação Mineira de Basketball, no uso de suas atribuições estatutárias, RESOLVE:

O Presidente da Federação Mineira de Basketball, no uso de suas atribuições estatutárias, RESOLVE: NOTA OFICIAL Nº 079.2014 O Presidente d Federção Mineir de Bsketbll, no uso de sus tribuições esttutáris, RESOLVE: DA COORDENAÇÃO TÉCNICA 1. Convocr Seleção Mineir Sub 17, Nipe Msculino, pr disput d X

Leia mais

O seu Gestor de Recursos Humanos e Gestor da Formação!

O seu Gestor de Recursos Humanos e Gestor da Formação! O seu Gestor de Recursos Humnos e Gestor d Formção! Dr() Pesso O seu Gestor de Recursos Humnos e Gestor d Formção! ORIGEM DO CONCEITO Apesr dos tempos contenção, há de muits empress estão disposts vlorizr

Leia mais

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica

Carta Convite para Seleção de Preceptores. Desenvolvimento de Competência Pedagógica para a prática da Preceptoria na Residência Médica ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MÉDICA (ABEM) Av. Brsil, 4036 sls 1006/1008 21040-361 Rio de Jneiro-RJ Tel.: (21) 2260.6161 ou 2573.0431 Fx: (21) 2260.6662 e-mil: rozne@bem-educmed.org.br Home-pge: www.bem-educmed.org.br

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

Desenvolvendo novas ferramentas pedagógicas para a formação de gestores de parques nacionais: jogos de papéis e simulação informática.

Desenvolvendo novas ferramentas pedagógicas para a formação de gestores de parques nacionais: jogos de papéis e simulação informática. Desenvolvendo vs ferrments pedgógics pr formção gestores prques ncionis: jogos ppéis e simulção informátic 1 Equipe Jen-Pierre Briot (LIP6 & LES/DI/PUC-Rio) (coorndor) Mrt Irving (EICOS/IP/UFRJ) (vice-coorndor)

Leia mais

Construmat Barcelona

Construmat Barcelona Construmat Barcelona 20 a 24/04/2009 Realização Salvador Benevides Diretor de Rel açõ es Int ernaci onais e Co orden ad or do Pr oj et o de In ov açã o Tecn ológic a da CB IC Coordenação Alexandre Luis

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Oferta n.º 1274; 1275 e 1276

Oferta n.º 1274; 1275 e 1276 Procedimento de seleção pr recrutmento de Técnicos no âmbito do Progrm de Atividdes de Enriquecimento Curriculr do 1.º Ciclo de Ensino Básico Inglês Ofert n.º 1274; 1275 e 1276 A Câmr Municipl Mi procede

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS 1 SUMÁRIO I. Administrção Públic... II. Atos Administrtivos... III. Poder de Políci... IV. Serviço Público... V. Responsbilidde Civil do Estdo... VI. Controle d Administrção Públic... 02 09 21 23 25 27

Leia mais

P R O J E T O. Arte. Pneus

P R O J E T O. Arte. Pneus P R O J E T O Arte em C NSCIÊNCIA Promovendo a concientização ecológica utilizando como ferramenta a arte e o ecodeign, criando produto e artefato a partir de reíduo ólido de póconumo (pneu uado) como

Leia mais

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7

======================== Œ œ»» Œ C7 ˆ_ ««G 7 1) É tã bnit n tr (ntrd) cminh cm Jesus (Miss d Temp mum cm crinçs) & 2 4 m œ É tã b ni t n_ tr me s s gr d, & œ t h brn c, ve ce s. & _ Mis s vi c me çr n ns s_i gre j; _u & j im c ris ti cm e gri, v

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

Identidade Territorial de um Bairro Social: O Caso da Quinta Marquês de Abrantes. Ana Maria da Mata Pequeno Baptista Soares

Identidade Territorial de um Bairro Social: O Caso da Quinta Marquês de Abrantes. Ana Maria da Mata Pequeno Baptista Soares Intid Territril um Birr Scil: O C d Quint Mrquê Abrnte An Mri d Mt Pequen Bptit Sre Diertçã d Metrd em Getã d Territóri Territóri e Deenvlviment Orientdr: Prfer Dutr Nzré Rc 07 Outubr 2011 Agrciment

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ARTE DESPERTAR MARCA ARTE DESPERTAR VERSÃO PREFERENCIAL A mrc é compost pelo símbolo e pelo logotipo Arte Despertr. Ambos devem ser utilizdos n disposição

Leia mais

CRECHE COMUNITARIA PINGO DE GENTE AV.Senador Levindo Coelho 130 Tirol CEP.30662-290 CNPJ: 21508312.0001/80

CRECHE COMUNITARIA PINGO DE GENTE AV.Senador Levindo Coelho 130 Tirol CEP.30662-290 CNPJ: 21508312.0001/80 ORGANIZAÇÃO PROPONENTE: CRECHE COMUNITARIA PINGO DE GENTE PROJETO : CUIDANDO EDUCANDO E CONSTRUINDO CIDADÃOS DO FUTURO. LINHA PROGRAMÁTICA DO PROJETO Creche, Educação Infantil, Socialização,Garantia de

Leia mais

dados de rotina com filtro, 2011

dados de rotina com filtro, 2011 ddos de rotin com filtro, 2011 ddos de rotin com filtro, 2011, vist d instlção / foto ricrdo bsbum performnce d curdori curdori dniel mttos (rj) pço ds rtes (SP) detlhe: crimbos imgem do folder / fotos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG 1º EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SENAC/AL 1. DO PROGRAMA 1.1. O PSG destin-se pessos de bix rend cuj rend fmilir mensl per cpit não ultrpsse 2 slários mínimos federis,

Leia mais

COORDENADORA: ROBERTA XAVIER DA COSTA 24/7/2015

COORDENADORA: ROBERTA XAVIER DA COSTA 24/7/2015 MINITÉRIO DA EDUCAÇÃO - INTITUTO FERAL EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA - CAMPU JOÃO PEOA DIRETORIA ENVOLVIMENTO ENINO - DIRETORIA ENINO UPERIOR UNIDA ACADÊMICA INFRAETRUTURA E IGN COORNAÇÃO DO

Leia mais

Além Tejo em Bicicleta

Além Tejo em Bicicleta C mpodef ér s I t ner nt e + Al émt ej oem B c c l et Além Tejo em Bcclet Cmpo de Férs Além Tejo em Bcclet Locl: Pegões, Coruche, Mor, Avs, Estremoz e Elvs Enqudrmento Gerl: No no de 2013 Prnm nov com

Leia mais

Administração de Materiais e Licitações com opção de realização Licitações de provas na cidade do Rio de Janeiro/RJ

Administração de Materiais e Licitações com opção de realização Licitações de provas na cidade do Rio de Janeiro/RJ MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS (FINEP) CONCURSO PÚBLICO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA NOS CARGOS DE ANALISTA E DE TÉCNICO EDITAL Nº 7 FINEP, DE 29 DE JULHO

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

Avaliação de Ações. Mercado de Capitais. Luiz Brandão. Ações. Mercado de Ações

Avaliação de Ações. Mercado de Capitais. Luiz Brandão. Ações. Mercado de Ações Mercado de Capitai Avaliação de Açõe Luiz Brandão O título negociado no mercado podem de renda fixa ou de renda variável. Título de Renda Fixa: Conhece-e de antemão qual a remuneração a er recebida. odem

Leia mais

Resposta de Modelos Dinâmicos Variáveis de estado

Resposta de Modelos Dinâmicos Variáveis de estado epot de Modelo Dinâmio Vriávei de etdo Outro Proeo de Seprção Prof Ninok Bojorge Deprtmento de Engenri uími e de Petróleo UFF ontrole Feedbk... ontinução ontroldor G tudor G V POESSO G P G Senor Introdução

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

Modelação de motores de corrente contínua

Modelação de motores de corrente contínua Controlo de Moviento Modelção de otores de corrente contínu Modelção de áquins CC Introdução Historicente, o otor CC foi utilizdo de odo universl no controlo de velocidde, té o desenvolviento, sustentdo,

Leia mais