PALAVRAS-CHAVE: políticas lingüísticas; língua portuguesa; embaixadas brasileiras

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PALAVRAS-CHAVE: políticas lingüísticas; língua portuguesa; embaixadas brasileiras"

Transcrição

1 RESUMO POLÍTICAS DE DIVULGAÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA EM EMBAIXADAS BRASILEIRAS Regina Cláudia PINHEIRO 1 Maria Erotildes Moreira e SILVA 2 LÍNGUA-MAR A língua em que navego, marinheiro, na proa das vogais e consoantes, é a que me chega em ondas incessantes à praia deste poema aventureiro. É a língua portuguesa, a que primeiro transpôs o abismo e as dores velejantes, no mistério das águas mais distantes, e que agora me banha por inteiro. (...) Ó língua-mar, viajando em todos nós. No teu sal, singra errante a minha voz (ESPÍNOLA, 2001) Este trabalho pretende descrever e analisar ações provenientes de algumas embaixadas brasileiras no tocante à divulgação da língua portuguesa em países não-lusófonos. Para tanto, selecionamos embaixadas de países de língua inglesa, tais como Estados Unidos da América, Inglaterra, Austrália, Nova Zelândia e Canadá, e buscamos, nos sites oficias destas instituições, inicialmente, observar em que línguas estes sites estão escritos. Posteriormente, analisamos as ações voltadas a informações sobre a língua falada no Brasil, bem como informações sobre cursos de português, a fim de analisar aspectos relacionados a metodologias, preços, duração dos cursos etc. A divulgação da cultura brasileira também foi observada como estratégia de difusão da língua. Os resultados mostram que apesar de haver ações voltadas para divulgação do português, elas ainda são muito incipientes e isoladas. Necessitamos, portanto, de políticas linguísticas mais consistentes e de um planejamento conjunto dos órgãos governamentais. PALAVRAS-CHAVE: políticas lingüísticas; língua portuguesa; embaixadas brasileiras INTRODUÇÃO A epígrafe que inicia este artigo reafirma um desejo de difusão da língua portuguesa no passado, manifesta pelos portugueses, através de suas conquistas marítimas, no presente, através de muitas ações, como o acordo ortográfico, e no futuro, 1 Doutoranda pela Universidade Federal do Ceará (UFC) no Programa de Pós-Graduação em Linguística (PPGL) e professora da Universidade Estadual do Ceará (UECE). 2 Mestre em Linguística pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e professora de Língua Portuguesa no Instituto de Educação do Ceará pela Secretaria de Educação do Estado do Ceará SEDUC.

2 que se manifestará por meio de ações em prol de uma língua que se pretende internacionalizar. Nesse sentido, o conteúdo a ser apresentado neste artigo nasceu de um programa voltado a um estudo sobre políticas linguísticas para o ensino de Português como língua estrangeira (PLE), realizado pela Universidade Federal do Ceará. Estabelecer o estado da arte dos estudos em política linguística no Brasil e sugerir ações institucionais que propiciem a promoção da língua portuguesa em países não lusófonos são duas metas do Programa de Internacionalização da Língua Portuguesa (PLIP), entre outras também voltadas ao ensino do português como língua não materna. O PLIP desenvolve suas atividades por meio de três projetos voltados à implementação de políticas linguísticas que venham a contribuir para a internacionalização da língua portuguesa, em comparação às políticas desenvolvidas em outros países. A busca por essas ações acendeu a necessidade de conhecer o modo como as embaixadas brasileiras em países não-lusófonos contribuem para a difusão da língua portuguesa em países anglófonos. Assim, descrever e analisar ações provenientes de embaixadas brasileiras em relação à difusão da língua portuguesa em países que adotaram o inglês como língua oficial é o objetivo deste trabalho. Devido à limitação de espaço e de tempo, apresentase, neste artigo, somente os resultados encontrados em cinco embaixadas brasileiras, com sede em Londres (Inglaterra), Washington (Estados Unidos da América), Ottawa (Canadá), Camberra (Austrália) e Wellington (Nova Zelândia). Antes de apresentar essas ações, optou-se por ressaltar a riqueza linguística resultante do nascimento de diferentes variantes do português lusitano, nos países em que Portugal teve o papel de língua protovariante, no dizer de Elia (2000), ao discorrer

3 sobre a inserção da língua portuguesa no mundo e, posteriormente, fazer um breve histórico da inserção do Português como segunda língua, em diferentes países. 1. A LÍNGUA PORTUGUESA EM PAÍSES LUSÓFONOS Elia (2000) situa a língua portuguesa, desde o século XVI como a língua das grandes navegações e, consequentemente, como meio de difusão da cultura européia nas terras descobertas por este país d além mar. Neste contexto, aparece o Brasil, a que o autor denomina de Lusitânia Nova, ao explicar a língua em seus aspectos sociolingüísticos. Inicialmente, o português do Brasil é o resultado de uma língua transplantada (Elia, 2000, p. 21) que, por imposição política e comercial, predomina sobre a língua indígena, fazendo nascer a Língua Geral. Essa mesma imposição levou as línguas gerais 3 características do norte e do sul do Brasil, ainda no século VIII a serem substituídas pelo português, uma vez que este povo era portador de cultura mais adiantada (p. 24). Assim, as línguas africanas também foram absorvidas pela língua portuguesa e o predomínio da língua portuguesa, pontuada de variantes, tornou-se mais acentuado a partir do século XVIII. Embora tenha recebido influência de outros povos, com a migração de europeus, o português do Brasil adquiriu outros traços sociolingüísticos e, além de língua transplantada, tornou-se o padrão linguístico do país, adquirindo, assim, o status de língua nacional, materna, oficial, comercial e cultural do país. Seguindo os mesmos padrões sociolingüísticos, Elia (2000) caracteriza países como Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe 3 Elia (2000) denomina de Língua gerais os falares característicos do norte e do sul do Brasil, resultado da mistura entre a língua indígena, os dialetos africanos e o português de Portugal.

4 como a Lusitânia Novíssima, pois, embora as ligações históricas e raciais entre Portugal e estes países tenham se estabelecido principalmente pela força, a língua portuguesa se difundiu nesses países como língua veicular, por ser adotada como um meio de intercomunicação, e como língua de cultura. Confirmando essa difusão, Angola, em 1975, passa a utilizar o português como língua oficial, para garantir sua soberania política e alargar as relações comerciais com outros países. A partir de então, a língua portuguesa alça a posição de língua materna, veicular e de escolaridade em Angola e passar a ter o estatuto de instrumento de unificação entre os falantes de várias línguas nacionais. Em Moçambique, o português também é o denominador comum entre a multiplicidade de idiomas falados no país, além de ser mais apto para transmissão do conhecimento científico (Elia, 2000, p. 35), passando de uma língua transplantada para a língua oficial e de cultura do país. A Guiné-Bissau também utiliza o português para o registro escrito e na escolarização. Desse modo, esta língua passa a ter o status de língua transplantada, oficial e de cultura, ainda na perspectiva de Elia (2000), desenhando-se uma situação de diglossia, em que o português foi definido como a variedade alta e o crioulo será visto como variedade baixa. Cabo Verde também utiliza o português como língua oficial, língua de instrução e de cultura, ao lado do crioulo e serviu como meio de interação entre o país e outros países. Em São Tomé e Príncipe, segundo o autor, a língua portuguesa adquire os mesmos traços sociolingüísticos partilhados por Cabo Verde. Em Timor-Leste, a língua portuguesa é vista como um instrumento de libertação do poderio indonésio. Essa liberdade linguística vem se tornando real, pois Brito (2008, s/p.) afirma que

5 Com a independência e a constituição da República Democrática de Timor-Leste, em maio de 2002, a língua portuguesa assume o estatuto de oficial, ao lado da língua tétum. Acrescente-se a esse painel, as outras dezenas de línguas locais ali faladas. Esta breve descrição permite delinear a situação multilingüística que é comum presenciarmos em Timor-Leste. Em Macau, pode-se dizer que, diferentemente do que se esperava em função dos pontos anteriores, no contexto contemporâneo, o status do português vem mudando. Na última década, cada vez mais pessoas, especialmente da China Continental, têm mostrado interesse em aprender nossa língua. Segundo Espadinha e Silva (2008), a razão fundamental é o interesse econômico: avolumam-se os negócios entre a China Continental e os países de língua portuguesa. E Macau é vista como uma plataforma para estas negociações. Mira Mateus (2008, s/p.) reforça esta posição quando situa a língua portuguesa (doravante LP) como um veículo de difusão, em diferentes países lusófonos e defende o ensino do português como língua estrangeira: Assim, e se quisermos acentuar a importância de valorizar a língua portuguesa, entendendo-a como uma riqueza das sociedades que a falam, o português encontra-se bem posicionado para se tornar uma escolha possível de quem queira alargar a sua competência linguística: é uma língua materna de largos milhões de pessoas, uma língua com ligações históricas a algumas das mais expandidas línguas de comunicação, uma língua que utiliza o alfabeto latino comum a grande número de línguas europeias e, por fim, uma língua que é falada por milhares de emigrantes. Além disso, como também já se fez notar, o português pode constituir uma mais-valia no campo das interacções econômicas. Enfim, Elia (2000) já sinalizava a importância política dos países lusófonos que já denotavam suficientes recursos para respaldar o prestígio da língua portuguesa (p. 65). Corroborando suas idéias, a criação da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, Timor- Leste e São Tomé e Príncipe) é um dos indícios que comprova essa importância, embora seja necessário considerar outros fatores, tais como vontade política, interesses

6 econômicos e localização geográfica, na operacionalização de projetos voltados à difusão na língua portuguesa, como segunda língua ou língua não-materna. 2 PORTUGUÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA Almeida Filho (2009) também chama a atenção para o fato de que a língua portuguesa está entre as dez línguas mais faladas no mundo, (p. 01) mas ressalta que ainda há desafios no ensino do idioma para estrangeiros, tanto em relação à formação de profissionais como em relação à ausência de políticas lingüísticas que viabilizem esta ação, apesar de muitas ações institucionais favorecerem a valorização do português como língua de aproximação política e econômica. Para o autor, um degrau ainda mais elevado de civilização começa a ser galgado quando uma sociedade, através de suas instituições, começa a se preparar para pesquisar e ensinar como língua estrangeira (LE) e/ou segunda língua (L2) a sua própria língua primeira, materna, escolar e, muitas vezes, nacional ou pátria (p. 02). No entanto, ao analisar o ensino de Língua Portuguesa como língua estrangeira (PLE), Almeida Filho (2009) o considera mediano, embora ressalte ações implementadas por universidades e ou pela iniciativa privada e, em menor escala, por órgãos oficiais, como o Ministério das Relações Exteriores, via Itamaraty (p. 14), com a implantação do Exame Nacional de Proficiência CELPE-Bras, que, segundo o autor, produziu alguns sinais de incremento para o ensino do Português como língua estrangeira. Nesse sentido, compreendemos que as ações implementadas por órgãos governamentais, dentro ou fora do país, possam impulsionar o ensino e a divulgação da língua portuguesa, visando a sua internacionalização. No sub-item seguinte, procedemos uma descrição e análise dessas ações realizadas por embaixadas brasileiras

7 que podem representar um avanço nesse cenário que se impõe para a internacionalização da língua portuguesa POLÍTICAS DE DIVULGAÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA EM EMBAIXADAS BRASILEIRAS Este trabalho pretende descrever e analisar ações provenientes de algumas embaixadas brasileiras no tocante à divulgação da língua portuguesa em países nãolusófonos. Para tanto, procedemos da seguinte forma: inicialmente, decidimos verificar ações de embaixadas brasileiras situadas em países de língua inglesa, selecionando aleatoriamente aquelas localizadas em Washington (Estados Unidos da América), Londres (Reino Unido), Camberra (Austrália), Wellington (Nova Zelândia) e Ottawa (Canadá). A seguir, resolvemos pesquisar, nos referidos sites das instituições, informações relacionadas à divulgação da língua portuguesa no que diz respeito aos seguintes aspectos: idioma em que os sites foram escritos, informações sobre a língua portuguesa, divulgação de cursos de português e atividades culturais para a divulgação da língua falada no Brasil. Os dados aqui analisados foram coletados, inicialmente, no mês de maio e atualizados entre os dias 23 e 25 de setembro de Iniciamos nossa pesquisa verificando em que línguas estavam escritas os sites pesquisados por considerarmos que a difusão da língua é fortemente influenciada pelas ações das autoridades governamentais, neste caso, representadas pelas embaixadas brasileiras. Nesse sentido, constatamos que, das instituições pesquisadas, somente as embaixadas em Ottawa (Canadá), Wellington (Nova Zelândia) e Camberra (Austrália) são escritas em português e inglês; no entanto os dois últimos sites trazem mais informações em inglês do que em português. As demais embaixadas, localizadas em

8 Washington (EUA) e Londres (Reino Unido), têm o site publicado na língua inglesa, com poucas informações traduzidas para o português, o que demonstra uma preocupação ínfima com a divulgação da língua oficial do Brasil. Este quadro pode revelar que a difusão da língua não é uma ação prioritária para estas embaixadas, pois, para Mira-Mateus (2008, s/p.): Deve dizer-se, antes de tudo, que o esforço para difundir uma língua ou uma cultura exige, por um lado, que se desenhe uma política clara em termos das acções prioritárias e secundárias e dos actores que as devem levar a efeito e, por outro lado, que se aplique essa política de modo firme e constante. Assim, consideramos necessário que as autoridades responsáveis pelas embaixadas tenham consciência da necessidade de difusão da língua portuguesa como estratégia de divulgação do Brasil no cenário internacional. Para que uma língua seja internacionalizada, os usuários, nativos ou estrangeiros, geralmente buscam informações sobre o idioma. Com o intuito de verificamos se havia, nas referidas embaixadas, informações relativas à língua portuguesa, buscamos também dados relacionados a esse assunto. Descobrimos que todas as instituições fornecem as mesmas informações quando se referem à língua oficial falada no Brasil, bem como aos outros países onde o português é língua oficial. É importante ressaltar que as embaixadas mencionam que a língua faz parte da União Européia com a entrada de Portugal nessa comunidade. Nessa esteira, a posição geográfica de Portugal e sua importância histórica beneficiam a internacionalização da língua portuguesa, pois como já defendia Elia (2000), Portugal possui um peso histórico nada negligenciável. Incorporou ao Mundo Novos Mundos, descobrindo-os e colonizando-os. A sua presença na América e em África é indelével (p. 64). Outra informação detectada foi a criação da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa), cuja recente criação possibilitará aos países lusófonos organizar-se no sentido de implementar políticas linguísticas que ampliem a difusão da LP no mundo.

9 Porém, uma informação sobre a língua, encontrada no site da embaixada em Ottawa (Canadá), chamou-nos a atenção, ao afirmar que não existem dialetos regionais no Brasil. Essa afirmação é criticada por Oliveira (2007) ao chamar a atenção para o fato de que muitos quadros universitários, comprometidos com a ideologia da língua única defendem que todos os brasileiros se entendem de norte a sul do país porque falam português (p. 7-8). Para o autor, até a sociolinguística praticada no país é uma sociolingüística do monolingüismo por se pautar nas variáveis e variantes do português. Em contrapartida, considerando os estudos sociolinguísticos mais recentes, como os de Labov (2003), Tarrallo (2001) e Camacho (2001), a variação linguística é um fato inegável nas sociedades e precisa ser considerada no planejamento de uma política linguística. Também para Elia (2000), o binômio unidade/variedade é próprio da língua como instituição, porém, esses termos são relativos. Para exemplificar, o autor afirma que o dialeto é variedade em relação a língua que o especifica (...), mas é unidade em função das variedades que o comporta (p. 6). Explica ainda que A conclusão é que estruturalmente não há nenhuma inferioridade do dialeto em relação à língua e sim equivalência. O que distingue um de outro é a função históricossocial de que estão investidos (p. 13). Ainda para investigar as ações das embaixadas com relação à divulgação da língua portuguesa, procuramos informações sobre cursos de português, promovidos ou divulgados por estas instituições. Nesse sentido, verificamos que somente aquelas situadas em Londres e Wellington praticam essa ação. A primeira divulga dois institutos que oferecem cursos de português para adultos e crianças e uma relação de universidades da Inglaterra, Escócia e País de Gales nas quais se estuda português, além de mencionar organizações que promovem estudos, projetos e pesquisas sobre língua portuguesa. As iniciativas citadas acima não são da embaixada, porém há uma

10 preocupação em divulgar informações a respeito do ensino de português para estrangeiro. A embaixada em Wellington, sendo mais específica, orienta os interessados em aprender português, informa endereços eletrônicos de cursos de português no Brasil e apresenta uma instituição, "Brazilian Cultural Education" que oferece aulas gratuitas destinadas a filhos de brasileiros (de dois a nove anos) e a adultos (brasileiros e estrangeiros), que pretendem aprender português. A ação deste centro educacional contempla um públicoalvo elencado por Almeida Filho (2009, p. 10) ao se referir ao ensino de uma língua estrangeira ou de uma segunda língua. Dentre outros grupos, o autor destaca jovens falantes de uma língua nativa majoritária ou nacional em seu próprio país, para quem seus pais escolhem o aprendizado de outra língua. O autor apresenta outros públicos, mas o fato de a embaixada na Nova Zelândia divulgar este centro já pode configurar uma ação para difundir a Língua Portuguesa em um país anglófono. Percebemos que as embaixadas em Londres e Wellington têm, portanto, um compromisso maior com a divulgação da LP no que diz respeito ao seu ensino, proporcionando a divulgação de cursos para aqueles que se interessam em aprender a língua. Sabemos que a internacionalização de uma língua passa por estratégias que envolvem vários fatores, sejam eles culturais, econômicos, sociais, políticos etc e que os fatores educacionais perpassam todos os outros. Nesse sentido, concordamos com Mira- Mateus (2008, s/p.) quando afirma que é necessário incrementar o intercâmbio de instituições nacionais e estrangeiras que tenham responsabilidade sobre o ensino do Português língua estrangeira e estabelecer acordos com Universidades de modo a valorizar institucionalmente o ensino do português. Finalmente, ao percebermos que uma estratégia bastante eficiente de divulgação da língua é a promoção da cultura, buscamos ações das embaixadas no que

11 diz respeito a este aspecto. Verificamos que, no momento da pesquisa, somente as embaixadas em Wellington, Londres e Ottawa promoviam, ou pelo menos divulgavam no site, atividades culturais brasileiras. Dentre essas ações, podemos destacar festival de cinema, divulgação de livros de autores brasileiros e apresentação de manifestações folclóricas. Porém, cabe aqui ressaltarmos que as atividades culturais promovidas pelas embaixadas em Londres e Ottawa são divulgadas somente na língua inglesa, tendo-se como exemplo a promoção de livros traduzidos para o inglês pela instituição sediada em Londres. Acreditamos que seria relevante para o processo de internacionalização da língua a divulgação de livros em português, permitindo a estrangeiros ou brasileiros residentes em outros países o contato com a língua portuguesa, através de literatura especializada. Por outro lado, a embaixada em Wellington, configurando a preocupação de divulgar a cultura brasileira, possui um setor encarregado em promover eventos. O site possui ainda links que remetem a diversos jornais e revistas brasileiras e a um boletim cultural (bilíngüe) que divulga os eventos. Todos os meses, esta instituição exibe filmes brasileiros com legenda em inglês. A cada dois meses, um especialista é convidado para falar de assuntos diversos relacionados ao Brasil, no contexto do programa "Temas Brasileiros na Embaixada. Além disso, as embaixadas em Londres e Camberra possuem uma estratégia bastante interessante de divulgação do Brasil. Em uma página animada pela Turma da Mônica, personagens do cartunista Maurício de Sousa, o site convida os visitantes a conhecerem algumas peculiaridades brasileiras. Esta página apresenta as cinco regiões do país, mostrando manifestações culturais existentes em cada uma delas. Essa estratégia, bem criativa e elaborada, dá ao visitante da página uma noção geográfica e cultural que o aproxima de alguns traços típicos do país, conforme ilustração na figura 1, com acesso pelo endereço eletrônico

12 Figura 1 Página da turma da Mônica divulgada pelas embaixadas brasileiras em Londres e Camberra. No entanto, mais uma vez, verificamos que as informações desta página também estão escritas, apenas, na língua inglesa. Este fato, também, pode ser considerado como mais um indício da despreocupação da divulgação da Língua Portuguesa por parte das embaixadas, pois, conforme afirma Mira-Mateus (2008, s/p.), (...) A política linguística (tal como a política cultural ou qualquer política, geral ou sectorial, de uma sociedade) tem que ser construída pelas entidades governativas e tem que associar todos os elementos com responsabilidades no sector em causa. Conforme percebemos, através dos dados apresentados anteriormente, para a internacionalização da LP, faz-se necessário uma política linguística mais pontual a ser implementada pelas autoridades governamentais, associando diferentes elementos inseridos neste contexto, com responsabilidades iguais, envolvendo diversas esferas no campo educacional, cultural, social, econômico, entre outros.

13 CONSIDERAÇÕES FINAIS Os resultados encontrados neste trabalho nos remetem à necessidade de uma política linguística voltada à difusão da língua portuguesa, como já ocorre em países francófonos, anglófonos, hispanofonos etc. Dentre os aspectos analisados nas embaixadas, vale pontuar as ações voltadas à divulgação da cultura brasileira, pois consideramos o momento propício para essa ação já que os países da CPLP estão em pleno desenvolvimento social, econômico, cultural etc. Diante deste quadro, cumpre-nos questionar, parafraseando Elia (2000), qual a situação da língua portuguesa, nessa guerra ecumênica dos ares? A resistência ou a difusão da língua se faz por ações isoladas em cada embaixada? Pode-se dizer que já se afigura um ensaio para uma política linguística que se preocupa com o resgate do idioma e respeita sua posição de língua falada em sete países, no mínimo, de acordo com dados apresentados em documentos apresentados na página da CPLP? Todas estas questões nos encaminham a uma medida mais consistente, pois, embora as ações pontuais que se preocupam em divulgar a língua portuguesa em suas diferentes vertentes, notadamente a cultural, sejam relevantes, vale ressaltar que tais ações são pontuais e não refletem uma política linguística propriamente dita que, na definição de Calvet (2007, p. 11) exige determinação de grandes decisões referentes às relações entre língua e sociedade e um planejamento de ações que não pareçam com uma tentativa de defensão da língua (Elia, 200, p. 64), mas resultem na elaboração de estratégias de difusão da língua portuguesa em cadeia, com ações a curto, médio e longo prazo, além de uma ampla divulgação desse planejamento aos usuários da língua, para que possam conhecer tais ações e valorizar a língua em diferentes instâncias comunicativas, dentro e fora de seu país de origem.

14 Tais ações devem partir, concomitantemente, das autoridades competentes e as embaixadas do Brasil, no mundo, podem ser a ponte para a execução deste planejamento, pois, pelas informações consultadas para este artigo, ainda não há uma política lingüística institucionalizada pelos órgãos governamentais ou por instituições educacionais, com raras exceções, que denotem uma política voltada à difusão da língua portuguesa, mesmo com a entrada de Portugal na União Européia. Há muito tempo, Elia (2000) defende a difusão da língua portuguesa em países em que ela é oficial, com a valorização do idioma em seus diferentes dialetos e variações. Mira Mateus (2008) também sugere a necessidade da implantação dessas estratégias em países em que esta língua é o idioma oficial, além da implementação de políticas governativas e da ampliação do ensino do português como língua estrangeira e a constituição da língua portuguesa como elemento de mais-valia no campo das interações econômicas. Almeida Filho (2008) também aponta desafios no ensino do idioma para estrangeiros com a formação de profissionais para atuarem, especificamente, nesta área, atribuindo a pouca valorização do ensino do português como língua estrangeira à ausência de políticas lingüísticas. Todos estes autores, entre outros, alertam, enfim, para a necessidade dessas ações serem institucionais, ou seja, serem implementadas por órgãos oficiais (Ministério das Relações Exteriores e MEC), pelas universidades públicas e pela iniciativa privada como uma política linguística que deve ser desenvolvida em associação com os diferentes elementos inseridos neste contexto, com responsabilidades iguais, envolvendo diferentes esferas, semelhante a qualquer ação política, considerando-se não só os aspectos políticos e econômicos, mas, prioritariamente, a constituição de uma identidade nacional, através da voz de cada falante da língua portuguesa.

15 Referências ALMEIDA FILHO, José Carlos P. O ensino de português como língua não-materna: concepções e contextos de ensino. São Paulo: Museu da língua portuguesa, 14/05/2009. Disponível em: id_coluna=4. Acessado em 20 de setembro de BRITO, R. H. Pires de. O Português de Timor-Leste. I SIMPÓSIO MUNDIAL DE ESTUDOS DE LÍNGUA PORTUGUESA, 2008, São Paulo. Anais a 05 de set./ São Paulo: USP-FFLCH, CD-ROM. CALVET, Louis-Jean. As políticas lingüísticas. São Paulo: Parábola Editorial: IPOL CAMACHO, Roberto G. Sociolingüística. In: MUSSALIM, Fernanda & BENTES, Ana Cristina. Introdução à lingüística: domínios e fronteiras. v. 1, 2. ed. São Paulo: Cortez, ELIA, Sílvio. A língua portuguesa no mundo. São Paulo: Ática, ESPADINHA, Maria Antónia; SILVA, Roberval. O português de Macau. I SIMPÓSIO MUNDIAL DE ESTUDOS DE LÍNGUA PORTUGUESA, 2008, São Paulo. Anais. 01 a 05 de set./ São Paulo: USP-FFLCH, CD-ROM. ESPÍNOLA, A. Beira-sol. Rio de Janeiro: Topbooks, LABOV, W. Some Sociolinguistic Principles. In: PAULSTON, C.B. e TUCKER, G. R. (orgs.) Sociolinguistics. The essential Readings. Blackwell Publishing, MONTEIRO-PLANTIN, Rosemeire Selma. Políticas Linguísticas para a Internacionalização da Língua Portuguesa. Projeto de pesquisa. Fortaleza: UFC, MIRA-MATEUS, Maria Helena. Difusão da Língua Portuguesa no Mundo. I SIMPÓSIO MUNDIAL DE ESTUDOS DE LÍNGUA PORTUGUESA, 2008, São Paulo. Anais a 05 de set./ São Paulo: USP-FFLCH, CD-ROM. OLIVEIRA, Gilvan Muller. In: CALVET, Louis-Jean. As políticas lingüísticas. São Paulo: Parábola Editorial: IPOL. 2007, pp TARALLO, Fernando. A pesquisa sociolingüística. 7. ed. São Paulo: Ática, 2001.

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão Alexandre Panosso Netto Escola de Artes, Ciências e Humanidades Universidade de São Paulo Fábia Trentin Departamento

Leia mais

As Políticas de Divulgação e Internacionalização da Língua Portuguesa O Exemplo do Mercosul. Edgard Fernando Viana da Cruz

As Políticas de Divulgação e Internacionalização da Língua Portuguesa O Exemplo do Mercosul. Edgard Fernando Viana da Cruz As Políticas de Divulgação e Internacionalização da Língua Portuguesa O Exemplo do Mercosul Edgard Fernando Viana da Cruz Dissertação de Mestrado em Ensino do Português como Língua Segunda e Estrangeira

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS

DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS VIII Jornada Científica REALITER Terminologia e Políticas linguísticas DIVULGAÇÃO DE TERMINOLOGIAS EM PORTUGÊS E POLÍTICAS LINGUÍSTICAS Maria da Graça Krieger (kriegermg@gmail.com) Universidade do Vale

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE O I Seminário Internacional de Educação Superior na Comunidade de Países de Língua

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007)

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Excelentíssimos membros do Conselho Directivo, excelentíssimos professores, caríssimos alunos, É com enorme satisfação que

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP ENTRE: A ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA (AIP-CCI), com sede na Praça das Indústrias em Lisboa, 1300-307 Lisboa,

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO?

OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO? OFICINA DE CULTURA E VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL: INGLÊS BRITÂNICO OU INGLÊS AMERICANO? Ewerton Felix da Silva Antônio Fernandes Dias Júnior Cristiane Vieira Falcão Maria Glayce Kelly Oliveira

Leia mais

Colóquio Internacional: A Internacionalização da Língua Portuguesa: Concepções e Ações

Colóquio Internacional: A Internacionalização da Língua Portuguesa: Concepções e Ações Colóquio Internacional: A Internacionalização da Língua Portuguesa: Concepções e Ações Florianópolis, 06 a 08 de março de 2013 Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Centro de Comunicação e Expressão

Leia mais

MONITORIA À DISTÂNCIA EM LINGUÍSTICA I: A RELEVÂNCIA DOS BANCOS DE DADOS

MONITORIA À DISTÂNCIA EM LINGUÍSTICA I: A RELEVÂNCIA DOS BANCOS DE DADOS Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Difusão da língua portuguesa, n o 39, p. 167-173, 2009 167 MONITORIA À DISTÂNCIA EM LINGUÍSTICA I: A RELEVÂNCIA DOS BANCOS DE DADOS Jussara Abraçado Tainá Soares Teixeira

Leia mais

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho SOMOS TOD@S UFRB Síntese da Proposta de Trabalho Chapa SOMOS TOD@S UFRB Reitor: Silvio Soglia Vice-Reitora: Georgina Gonçalves "Aquele que quer aprender a voar um dia precisa primeiro aprender a ficar

Leia mais

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1 1 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA Élcio Aloisio FRAGOSO 1 Resumo O novo acordo ortográfico já rendeu uma série de discussões sob pontos de vistas bem distintos. O acordo

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ATRAVÉS DAS ESCOLAS BILÍNGUES NO BRASIL: UMA NOVA REALIDADE 1

O ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ATRAVÉS DAS ESCOLAS BILÍNGUES NO BRASIL: UMA NOVA REALIDADE 1 O ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ATRAVÉS DAS ESCOLAS BILÍNGUES NO BRASIL: UMA NOVA REALIDADE 1 Iasmin Araújo Bandeira Mendes Universidade Federal de Campina Grande, email: iasminabmendes@gmail.com INTRODUÇÃO

Leia mais

Dinâmicas de rede e valor económico da língua portuguesa

Dinâmicas de rede e valor económico da língua portuguesa 1 Jornada de Diplomacia Económica ISEG 5.12.2012 Dinâmicas de rede e valor económico da língua portuguesa jose.esperanca@iscte.pt 2 As línguas no mundo Ecologia da Língua (Calvet) 3 Hipercentral Inglês

Leia mais

REGULAMENTO 2ª BBR CONFERENCE 2014

REGULAMENTO 2ª BBR CONFERENCE 2014 1. Dados gerais: Sobre a BBR Conference: REGULAMENTO 2ª BBR CONFERENCE 2014 Nos dias 10, 11 e 12 de dezembro de 2014, a FUCAPE Business School sediará a 2ª Brazilian Business Review Conference (BBR Conference),

Leia mais

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

A internacionalização da língua portuguesa. Difusão da Língua Portuguesa em Ensino a Distância. Metodologias de e-learning.

A internacionalização da língua portuguesa. Difusão da Língua Portuguesa em Ensino a Distância. Metodologias de e-learning. A internacionalização da língua portuguesa Difusão da Língua Portuguesa em Ensino a Distância. Metodologias de e-learning. Mário Filipe O ensino de línguas de grande difusão global é hoje servido por várias

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA Catya Marques Agostinho de Araujo Amanda Pérez Montanéz (Orientadora) RESUMO Esta investigação tem por objetivos pesquisar, estudar e

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica TERMO DE REFERÊNCIA 1 OBJETO Contratação de empresa especializada na execução da formação dos professores e equipe gestora, planejamento, acompanhamento e avaliação das aulas e diagnóstico sociolingüístico

Leia mais

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras Este breve texto é uma proposta de reflexão acerca de algumas das questões que, em meu entender, merecem destaque na situação actual do desenvolvimento

Leia mais

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA

3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA 3. VARIAÇÃO E NORMALIZAÇÃO LINGUÍSTICA Uma língua viva, apesar da unidade que a torna comum a uma nação, apresenta variedades quanto à pronúncia, à gramática e ao vocabulário. Chama-se variação linguística

Leia mais

Bilinguismo, aprendizagem do Português L2 e sucesso educativo na Escola Portuguesa

Bilinguismo, aprendizagem do Português L2 e sucesso educativo na Escola Portuguesa Bilinguismo, aprendizagem do Português L2 e sucesso educativo na Escola Portuguesa Projecto-piloto em desenvolvimento no ILTEC (Instituto de Linguística Teórica e Computacional) com financiamento e apoio

Leia mais

Educação além dos limites da sala de aula

Educação além dos limites da sala de aula Educação além dos limites da sala de aula Como a Brightspace passou a fazer parte da vida de 20.000 alunos da Universidade Tiradentes Visão Geral Com mais de 50 anos de tradição e reconhecido pioneirismo

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

A parceria entre TozziniFreire e PLMJ foi

A parceria entre TozziniFreire e PLMJ foi P ARCERIA B RASI A Parceria A parceria entre TozziniFreire e PLMJ foi firmada em 2004 com o intuito comum de expandir a atuação de ambas empresas nos países de língua portuguesa. As organizações identificam-se

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS

FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS FERNANDO TARALLO EM TRÊS MOMENTOS Antonio Carlos Santana de Souza (UEMS / PPGLETRAS UFGRS) acssuems@gmail.com Reúno aqui a resenha de três textos que foram muito importantes para a minha formação sociolinguística.

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP

Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP Programa de Educação Dinâmica Progressiva PEDP 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL 1.1. Histórico da Prática Eficaz descrever como surgiu o programa/prática e indicar a data de início das ações. O

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL - PIBELPE 2015-2016

RELATÓRIO GERENCIAL - PIBELPE 2015-2016 RELATÓRIO GERENCIAL - PIBELPE 2015-2016 Nº Coordenadores Título do Projeto Bolsista Resumo do Projeto 1 Ana Cristina Cunha da Silva Laboratório de Pronúncia de Língua Inglesa 01 Anexo 1 2 Andrea Cristina

Leia mais

REGULAMENTO 2ª BBR CONFERENCE 2014

REGULAMENTO 2ª BBR CONFERENCE 2014 REGULAMENTO 2ª BBR CONFERENCE 2014 1. Dados gerais do evento: Sobre a BBR Conference: Nos dias 10, 11 e 12 de dezembro de 2014, a FUCAPE Business School sediará a 2ª Brazilian Business Review Conference

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro

Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Pretende se com este questionário conhecer a sua opinião sobre o (Ensino do) Português no Estrangeiro. Não existem respostas certas ou erradas.

Leia mais

CPLP VII REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Luanda, 30 de Março de 2012 DECLARAÇÃO FINAL

CPLP VII REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Luanda, 30 de Março de 2012 DECLARAÇÃO FINAL CPLP VII REUNIÃO DE MINISTROS DA EDUCAÇÃO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Luanda, 30 de Março de 2012 DECLARAÇÃO FINAL Os Ministros da Educação, ou os seus representantes, de Angola, Brasil,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

PROJETO de Documento síntese

PROJETO de Documento síntese O Provedor de Justiça INSERIR LOGOS DE OUTRAS ORGANIZAÇÔES Alto Comissariado Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH) Provedor de Justiça de Portugal Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal

Leia mais

Apresentação: Competências da DCE; Atividades recentes: atuação digital e Ciência sem Fronteiras; PEC-G e PEC-PG.

Apresentação: Competências da DCE; Atividades recentes: atuação digital e Ciência sem Fronteiras; PEC-G e PEC-PG. Apresentação: Competências da DCE; Atividades recentes: atuação digital e Ciência sem Fronteiras; PEC-G e PEC-PG. Competências da Divisão: Tratamento político dos temas educacionais nos fóruns multilaterais

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

Repositórios no contexto da EaD: O Banco Internacional de Objetos Educacionais

Repositórios no contexto da EaD: O Banco Internacional de Objetos Educacionais Repositórios no contexto da EaD: O Banco Internacional de Objetos Educacionais Seminário Repositórios Institucionais e de Objetos Virtuais de Aprendizagem Florianópolis, Novembro - 2009 Anna Christina

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

FAC PERGUNTAS FREQUENTES

FAC PERGUNTAS FREQUENTES FAC PERGUNTAS FREQUENTES Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Divisão de Temas Educacionais (DCE) Departamento Cultural

Leia mais

1. ATELIÊ PRODUIRE AU SUD / IMAGEM DOS POVOS DE COPRODUÇÃO CINEMATOGRAFICA internacional

1. ATELIÊ PRODUIRE AU SUD / IMAGEM DOS POVOS DE COPRODUÇÃO CINEMATOGRAFICA internacional 1. ATELIÊ PRODUIRE AU SUD / IMAGEM DOS POVOS DE COPRODUÇÃO CINEMATOGRAFICA internacional Os Workshops do PRODUIRE AU SUD foram criados em 2000 em Nantes, França, dentro do Festival dos 3 Continents a fim

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

DIPLOMACIA Introdução

DIPLOMACIA Introdução DIPLOMACIA Introdução Ao longo dos tempos, o pensamento político e o pensamento jurídico sempre foram o reflexo das relações entre os homens, os povos, os Estados e as Nações. Foram se operando constantemente

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação

Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação Professora Áurea Santos, com o grupo de estudantes do Instituto Federal do Piauí pioneiro no intercâmbio com Espanha e a Portugal: A experiência

Leia mais

COOPERAÇÃO SUL SUL INSPEÇÃO DO TRABALHO. Brasília, 7 de dezembro de 2010

COOPERAÇÃO SUL SUL INSPEÇÃO DO TRABALHO. Brasília, 7 de dezembro de 2010 COOPERAÇÃO SUL SUL SEMINARIO BOAS PRÁTICAS NA INSPEÇÃO DO TRABALHO Brasília, 7 de dezembro de 2010 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO 1. O que se entende por Cooperação Sul-Sul 2. Princípios da Cooperação Sul-Sul

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

Enunciação e política de línguas no Brasil

Enunciação e política de línguas no Brasil Enunciação e política de línguas no Brasil Eduardo GUIMARÃES Universidade Estadual de Campinas Considerando o fato de que o Brasil é um país multilingüe, tomo como objetivo específico aqui a reflexão sobre

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

Vida Universitária Maio 2007 Ano XVII Nº 172

Vida Universitária Maio 2007 Ano XVII Nº 172 Mercado exige velocidade na atualização profissional Trabalhadores precisam estar capacitados para solucionar problemas, ser criativos e flexíveis e gostar da sua atividade A competição pela colocação

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA.

AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. AS NOVAS TECNOLOGIAS COMO PARCEIRAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA. MORAES, Camilla Santos 1 Palavras-chave: ensino-aprendizagem de inglês, novas tecnologias, ensino mediado pelo computador.

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE UM CONSULTOR PARA PRESTAR APOIO ÀS ACTIVIDADES ELEITORAIS EM MOÇAMBIQUE Local de trabalho: Maputo, Moçambique Duração do contrato: Três (3) meses: Novembro 2011

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO Projeto do Curso de Extensão ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO

Leia mais

16 Pronúncia do Inglês

16 Pronúncia do Inglês Este livro tem por objetivo central apresentar os sons do inglês aos falantes do português brasileiro. Pretende-se, ainda, indicar algumas diferenças de pronúncia entre variedades do inglês falado em diferentes

Leia mais

AIMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO CONTINUADA COLABORATIVA ENTRE PROFESSORES QUE ATUAM COM PESSOAS COM AUTISMO.

AIMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO CONTINUADA COLABORATIVA ENTRE PROFESSORES QUE ATUAM COM PESSOAS COM AUTISMO. AIMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO CONTINUADA COLABORATIVA ENTRE PROFESSORES QUE ATUAM COM PESSOAS COM AUTISMO. CARVALHO, Tereza Cristina de Secretaria Municipal de Educação Município de Araçatuba/SP. Resumo:Partindo

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

Financiador. Parceiro. Governo da Região de Gabú

Financiador. Parceiro. Governo da Região de Gabú PROGRAMA de Cooperação da FEC na GUINÉ-BISSAU FUNÇÃO: Gestor(a) de Sistemas de Informação e Dados LOCALIZAÇÃO: República da Guiné-Bissau (Gabú) DURAÇÃO: 12 meses (renovável): julho 2015 - junho 2016 CONTEXTO

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003 Intervenção de Sua Excelência a Ministra da Ciência e do Ensino Superior, na II Reunião Ministerial da Ciência e Tecnologia da CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Rio de Janeiro, 5 de Dezembro

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento

A construção da. Base Nacional Comum. para garantir. Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento A construção da Base Nacional Comum para garantir Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Política pública de Educação ESTADO dever de educar legislação planejamento instituições CIDADÃO

Leia mais

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE Ana Cristina Oliveira Lima, bolsista PIBIC/ CNPq, anacristinaoliveiralima@yahoo.com.br, UECE. Brena de

Leia mais

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes 1. Perguntas e Respostas para Todos os Públicos: 1.1. O que é posicionamento de marca e por que está sendo

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Segundo substitutivo do PNE, apresentado pelo Deputado Angelo Vanhoni, Abril de 2012 Profa. Dra. Rosilene Lagares PPGE/PET PedPalmas Palmas,

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Edital de apoio à participação no Seminário Ibero-Americano da Diversidade Linguística.

Edital de apoio à participação no Seminário Ibero-Americano da Diversidade Linguística. Edital de apoio à participação no Seminário Ibero-Americano da Diversidade Linguística. 1. Introdução O Seminário Ibero-americano da Diversidade Linguística pretende ser um marco na discussão de políticas

Leia mais

Educação Ambiental Utilizando Ferramentas do Portal do Projeto SISGA

Educação Ambiental Utilizando Ferramentas do Portal do Projeto SISGA Educação Ambiental Utilizando Ferramentas do Portal do Projeto SISGA Prof. Dr. Oscar Dalfovo Universidade Regional e Blumenau, Blumenau, Brasil dalfovo@inf.furb.br Prof. Ricardo A. de Azambuja, MAd FURB,

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NA ESCOLA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: POSSIBILIDADES E LIMITES Antônio Cabral Neto Universidade Federal do Rio Grande do Norte Brasil cabranl@ufrnet.br Maria Doninha de Almeida Universidade

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6.

SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. SOUSA GALITO, Maria (2010). Entrevista ao Embaixador Miguel Costa Mkaima. CI-CPRI, E T-CPLP, º8, pp. 1-6. E T-CPLP: Entrevistas sobre a CPLP CI-CPRI Entrevistado: Embaixador Miguel Costa Mkaima Entrevistador:

Leia mais

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL)

BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) BANDEIRAS EUROPÉIAS: CORES E SÍMBOLOS (PORTUGAL) Resumo A série apresenta a formação dos Estados europeus por meio da simbologia das cores de suas bandeiras. Uniões e cisões políticas ocorridas ao longo

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA

EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA EDUCAÇÃO COMPARADA NO BRASIL: COMPLEMENTANDO A ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA Msc. Nádia Estima de Castro nadia.castro@acad.pucrs.br +55 51 92388146 Doutoranda em Educação da Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO Msc. Maria Iolanda Fontana - PUCPR / UTP miolandafontana@hotmail.com RESUMO O presente trabalho sintetiza parcialmente o conteúdo da dissertação de

Leia mais

PROJETO LÍNGUA DE FORA

PROJETO LÍNGUA DE FORA DESCRIÇÃO PROJETO LÍNGUA DE FORA O, de responsabilidade dos professores da disciplina de estágio supervisionado das línguas espanhola, francesa e inglesa, corresponde a 50 horas de estágio, das 200 horas

Leia mais

RESULTADOS ALCANÇADOS

RESULTADOS ALCANÇADOS Política para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão 2.1. Coerência das políticas de ensino, pesquisa e extensão com os documentos oficiais. Objetivos Ações Realizadas RESULTADOS ALCANÇADOS

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES CAMBRIDGE ENGLISH E UNOi

PERGUNTAS FREQUENTES CAMBRIDGE ENGLISH E UNOi PERGUNTAS FREQUENTES CAMBRIDGE ENGLISH E UNOi ANTES DO EXAME O que é a parceria entre UNOi e Cambridge English? Por que eu devo prestar os exames Cambridge English? Quais são os exames? O que é o Placement

Leia mais

[Ano] Língua Portuguesa. Campus Virtual Cruzeiro do Sul www.cruzeirodovirtual.com.br

[Ano] Língua Portuguesa. Campus Virtual Cruzeiro do Sul www.cruzeirodovirtual.com.br [Ano] Língua Portuguesa Unidade: Níveis de Linguagem MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Núcleo de professores e tutores do Campus Virtual 2 Conteúdos gramaticais: Ortografia e Acentuação Ao tratar

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES - 2012 a 2021 Instituição: ENSINO DE GRADUAÇÃO Programas/Projetos/Ações Ano Natureza Valores Fonte de Recursos Beneficiado Manutenção

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

EDITAL 2013. O Programa PEC-PG 2013 é só para estudos de doutorado, ou se eu posso me apresentar para mestrado?

EDITAL 2013. O Programa PEC-PG 2013 é só para estudos de doutorado, ou se eu posso me apresentar para mestrado? PROGRAMA DE ESTUDANTES -CONVÊNIO DE PÓS-GRADUAÇÃO PEC-PG EDITAL 2013 O que é um FAQ? FAQ é um acrónimo da expressão inglesa Frequently Asked Questions, que significa Perguntas Frequentes. Uma FAQ, quando

Leia mais