AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS NA RECENTE EXPERIÊNCIA DE FURNAS EM P&D

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS NA RECENTE EXPERIÊNCIA DE FURNAS EM P&D"

Transcrição

1 SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPD a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XV GRUPO DE INOVAÇÃO TECONOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO - GPD AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS NA RECENTE EXPERIÊNCIA DE FURNAS EM P&D Cristiane Nunes Maia Wandelli* Luiz Paulo Pinheiro Giffoni Tereza Cristina Mello Mendes FURNAS Centrais Elétricas S.A RESUMO Este trabalho tem por objetivo avaliar os resultados alcançados nos 28 projetos concluídos relativos aos ciclos de Pesquisa e Desenvolvimento - P&D em execução por FURNAS Centrais Elétricas S.A e supervisionados pela ANEEL, verificando sua convergência quanto aos resultados previstos e verificados, pesquisando entre os participantes suas expectativas iniciais, a geração de novos produtos e patentes, o grau de inovação embutida, a incorporação de novas tecnologias, a capacitação tecnológica da Empresa e dos recursos humanos envolvidos, quais os principais tipos de problemas enfrentados e, sobretudo, quais as suas indicações para melhorias, tanto no processo interno quanto externo à Empresa. PALAVRAS-CHAVE Pesquisa e Desenvolvimento, Inovação, Gestão, Conhecimento, Capacitação Tecnológica. 1 INTRODUÇÃO A Lei 9.991, de 24/07/2000, que dispõe sobre a aplicação de 1 % da receita operacional líquida das empresas concessionárias de energia elétrica em P&D, induziu a um processo bastante dinâmico de promoção de pesquisa e desenvolvimento nas empresas do setor elétrico, especialmente no que se refere à parcela relativa aos projetos propostos à aprovação da ANEEL, cujos resultados começam a se consolidar. FURNAS Centrais Elétricas S.A iniciou em 2001 sua participação neste processo, quando apresentou sua proposta para o ciclo 2000/2001, e já conta atualmente com 3 ciclos em execução (2000/2001, 2001/2002 e 2002/2003), estando o ciclo 2003/2004 em análise por parte da ANEEL. Os programas de P&D de FURNAS relativos a estes ciclos envolvem expressivos montantes e quantidade de projetos, o que, certamente, configura esta empresa como uma das que mais investem nesta área no País. De fato, os valores relativos aos 3 primeiros ciclos situam-se no patamar dos R$ 125 milhões, sendo 50% direcionados exclusivamente ao projetos supervisionados pela ANEEL e 50% aplicados no FNDCT Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico Tecnológico, gerido pelo MCT Ministério da Ciência e Tecnologia. No que se refere ao volume de projetos envolvidos, FURNAS conta, nos ciclos aprovados, com 101 projetos. Destes, 28 estão concluídos e seus respectivos relatórios finais foram encaminhados à ANEEL, conforme estabelece seu Manual de P&D. Tal resultado por si só já representa um expressivo material para que se possa avaliar e mapear os resultados obtidos, identificar os pontos fortes e fracos, registrar a formação de conhecimento inerente, *Rua Real Grandeza, 219, bloco C, sala CEP Rio de Janeiro - RJ - BRASIL Tel.: (021) Fax: (021)

2 2 mensurar o grau de internalização, além permitir, também, avaliar a gestão da Empresa nesta área de modo a permitir uma constante melhoria do processo. Esta avaliação é de extrema importância, pois apesar de FURNAS ter uma tradição histórica de atuação na pesquisa e no desenvolvimento, comprovada, entre outros fatos, pela criação e manutenção, em seus 47 anos de existência, dos laboratórios de Hidráulica Experimental, de Solos e Concreto e de Medidas Elétricas, centros de excelência reconhecidos através dos inúmeros prêmios recebidos e dos serviços prestados, tanto em nível nacional quanto internacional. No entanto, a formalização e disseminação desta prática, apesar de completamente alinhada com a filosofia da Empresa, foi um processo de intenso aprendizado, sobretudo para permitir o cumprimento das regras e procedimentos estabelecidos no Manual de P&D da ANEEL observando-se a devida adequação aos procedimentos internos da Empresa. Assim, neste trabalho apresentamos no Capítulo 2 um breve histórico sobre a efetiva implementação do processo de P&D em FURNAS após a promulgação da Lei 9.991/2000. No Capítulo 3 é descrita a formatação da pesquisa utilizada para a avaliação dos resultados dos 28 projetos concluídos, ressaltando os principais itens abordados. No Capítulo 4 os resultados propriamente ditos são apresentados e o Capítulo 5 é reservado para as conclusões e comentários. 2 HISTÓRICO Para FURNAS, que sempre incentivou a pesquisa e o desenvolvimento tecnológico, destacando-se, inclusive, como precursora na utilização de tecnologia de ponta, a Lei 9.991/2000 foi oportuna no sentido de formalizar e regularizar os procedimentos há muito utilizados vindo, inclusive, fomentar ainda mais a pesquisa e a inovação na Empresa. Para elaborar o processo de consolidação periódica do Programa de P&D de FURNAS, visando sua submissão à aprovação da Diretoria Executiva da Empresa e o posterior encaminhamento à ANEEL, a formatação que mais se adequou foi a criação de um Grupo de Trabalho de Coordenação de P&D, com uma estrutura flexível e representatividade em todas as Diretorias. Considerando a ampla diversidade dos aspectos envolvidos, também foram organizados grupos de apoio para atividades operacionais, de contratação dos parceiros tecnológicos e de apropriação dos gastos, especialmente considerando que FURNAS é uma empresa pública e sujeita a todos os controles externos. Pelo lado da ANEEL, o advento da Lei 9.991/2000 agregou um novo conjunto de empresas às empresas distribuidoras que já participavam deste processo, incrementando significativamente seu trabalho de análise e posterior aprovação. Quanto às entidades de pesquisa (universidades, centros de pesquisa, laboratórios, etc), estas também se encontravam despreparadas para suportar volume de projetos a desenvolver significativamente superior ao tradicional, impondo a necessidade de interações e adequações constantes, com reflexos no cronograma de desenvolvimento das pesquisas. Como resultado, os projetos relativos ao primeiro ciclo implementado pelas empresas geradoras e transmissoras, o ciclo 2000/2001, sofreram impactos significativos nos respectivos cronogramas. Nos ciclos posteriores, o 2001/2002 e 2002/2003, com a experiência adquirida no primeiro, vários dos problemas existentes foram solucionados, inclusive com a criação de comitês e fóruns de discussões para o equacionamento das questões, comuns a todas as empresas. De fato, em 2003 foi criado o Comitê de Integração Corporativa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico CICOP, no âmbito das empresas do Grupo ELETROBRAS, com o objetivo de coordenar as ações de P&D dessas empresas, buscando integração, complementaridade e sinergia entre elas, com vistas a uma melhor utilização dos recursos. Por fim e reforçando o amadurecimento de todos os agentes envolvidos com esta matéria, a ANEEL também procurou aprimorar sua função de gerenciadora dos projetos e programas, implantando um novo sistema de gerenciamento, o que veio facilitar em muito todo o trabalho de coordenação e supervisão. Assim e apesar de todas as lacunas identificadas ao longo da implementação do processo de P&D, seja no âmbito interno ou externo, os avanços foram visíveis, com uma conscientização cada vez mais intensa de que o futuro das empresas passa, necessariamente, pelo grau de inovação e desenvolvimento fomentado, com a criação de valor e o conhecimento agregado. No caso de FURNAS, esta consciência está cada vez mais presente e sua evolução é significativa. No primeiro ciclo, o 2000/2001, o volume de recursos a aplicar em projetos de P&D supervisionados pela ANEEL foi de R$ 10,6 milhões (o equivalente a 0,5% da receita operacional líquida, conforme a Lei 9.991/2000) e foram aprovados

3 3 36 projetos. No ciclo seguinte, o 2001/2002, este volume se eleva para R$ 26,6 milhões, envolvendo 66 projetos. Para o ciclo 2002/2003 este total é de R$ 25,4 milhões e 55 projetos. 3 PESQUISA PARA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS ALCANÇADOS Conforme já mencionado, dos 101 projetos relativos aos 3 ciclos em execução, 28 projetos já foram concluídos, ou seja, cerca de 28%, o que é bastante representativo, pois a maioria dos projetos propostos e aprovados é plurianual, com prazos médios de execução em torno de 2 anos. Inicialmente e considerando a experiência dos autores, todos pertencentes à equipe do Grupo de Trabalho de Coordenação de P&D, foram discutidos os fatores a serem pesquisados, tendo sido identificados os seguintes como os mais relevantes: A Integração da equipe de FURNAS com o Parceiro Tecnológico Capacitação Técnica Desenvolvimento do projeto Produto Final do projeto Aspectos Financeiros Eficiência dos Processos Para cada um destes pontos foram explorados os diversos aspectos inerentes de modo a permitir uma avaliação mais consistente, tanto dos resultados propriamente ditos, quanto do processo de desenvolvimento do projeto. Foi elaborado um formulário conciso onde, de maneira rápida e objetiva, o gerente do projeto de P&D de FURNAS poderia registrar, sob seu ponto de vista e de sua equipe, o resultado do projeto, conforme descrito sucintamente a seguir. 3.1 A integração FURNAS Parceiro Tecnológico Neste item foram abordadas as questões de relacionamento profissional, com o parceiro tecnológico, o cumprimento dos prazos, impactos quanto à localização geográfica da equipe do parceiro, perceptivas de novas parceiras. 3.2 Capacitação Técnica O foco neste ponto foi para verificar se houve efetiva capacitação técnica da equipe de FURNAS, seja através de titulação (mestrados, doutorados, etc), seja através de transferência tecnológica e o processo utilizado para esta transferência. 3.3 Desenvolvimento do Projeto Neste item, o objetivo foi identificar quais os fatores positivos, no caso de desenvolvimento satisfatório do projeto e, caso contrário, quais os fatores que mais comprometeram a performance do projeto, sejam estes de ordem operacional, contratual, financeira, etc. 3.4 Produto Final Com relação ao Produto Final, o objetivo foi identificar se houve de fato inovação, se o produto é patenteável, se há interesse da empresa na sua comercialização, se minimiza custos ou otimiza processos, se o resultado final foi divulgado internamente, etc. 3.5 Financeiro Neste item, o objetivo foi identificar se a previsão orçamentária foi adequada, se a realização financeira foi compatível com o cronograma do projeto e com o previsto, se houve problemas relacionados à aquisição de equipamentos, etc. 3.6 Eficiência dos Processos O foco neste ponto foi verificar a adequação do processo de implementação dos projetos de P&D existente hoje na Empresa, os pontos a ressaltar como favoráveis e os fatores negativos que devem ser mais explorados no seu equacionamento.

4 4 4 RESULTADOS ALCANÇADOS A pesquisa foi encaminhada aos gerentes dos 28 projetos concluídos sendo que somente 25 gerentes responderam, indicando um índice de adesão de 89%. Após o recebimento das respostas foi realizado um mapeamento dos resultados verificados, que está apresentado por item pesquisado a seguir. 4.1 A interação FURNAS-Parceiro Tecnológico No que se refere à interação FURNAS-Parceiro Tecnológico, somente 20 projetos foram executados com parceiros tecnológicos, e desses projetos, 75% dos gerentes classificaram como excelente e nenhum como ruim a interação FURNAS-Parceiro, conforme a Figura 1, abaixo. 15% 10% 0% 75% Excelente Bom Regular Ruim FIGURA 1 Interação com o Parceiro Tecnológico Além disso, foi identificado que a localização geográfica do parceiro não interferiu em 55% dos projetos, pois quando próxima permitiu a realização de um número maior de reuniões e, quando distante foram empregados meios alternativos de comunicação, principalmente correspondência eletrônica, telefone e fax. O relacionamento com o Parceiro Tecnológico, tanto nos aspectos técnicos como no pessoal, contribuiu para agregar valor ao desenvolvimento do projeto e, através desta experiência positiva, 90% dos gerentes teriam interesse em realizar novo projeto com este parceiro. Um ponto positivo também destacado foi a existência de experiência anterior bem como a comprovada capacidade técnica apresentada pelo Parceiro Tecnológico. 4.2 Capacitação Técnica Neste item, dos 25 projetos concluídos que responderam a pesquisa, 64% geraram titulação para seus participantes, sendo 34 títulos de mestrado e 5 de doutorado, conforme Figura 2, abaixo. Além disso, foi identificado elevado grau de transferência tecnológica, verificado em 92 % dos projetos analisados (Figura 3), sendo que a forma, na sua grande maioria, foi através de palestras e seminários. 13% 8% Mestrado Doutorado 87% 92% FIGURA 2 Capacitação Técnica FIGURA 3 Transferência Tecnológica 4.3 Desenvolvimento do Projeto A necessidade de algum tipo de intervenção no desenvolvimento do projeto configura-se como fundamental para que possamos visualizar o contexto dinâmico dos projetos de P&D. Nesse sentido, foi incluído na pesquisa este item e como resultado, temos que em 48% dos projetos foi necessário algum tipo de intervenção, especialmente devida à falta de previsão de algumas necessidades inerentes à execução dos projetos, tais como: manutenção corretiva dos equipamentos imprescindíveis à pesquisa; contratação de consultoria específica e aquisição de equipamentos adicionais não previstos.

5 5 Quanto ao cronograma previsto inicialmente para os projetos temos algumas considerações que são relevantes para a compreensão da dinâmica inerente à pesquisa, de maneira geral. Tais pontos foram tão contundentes que a ANEEL concedeu prorrogação de seis meses na execução de todos os projetos do primeiro ciclo (2000/2001) e do segundo ciclo (2001/2002), em função das necessidades de adequação aos procedimentos internos da Empresa (contratação do parceiro tecnológico, atraso na aquisição de equipamentos tanto do ponto de vista do processo quanto da disponibilidade de caixa), bem como à própria dinâmica dos projetos, tais como a necessidade de repetição de alguns ensaios laboratoriais e de campo como por exemplo. Assim, 92% dos projetos cumpriram o cronograma estabelecido pela ANEEL (e considerando a prorrogação de seis meses concedida), conforme Figura 4, abaixo. Somente dois projetos tiveram necessidade de solicitar prazo adicional à ANEEL, concedido diante das devidas justificativas, tendo sido concluídos dentro do novo prazo. 8% 92% FIGURA 4 De acordo com o Cronograma 4.4 Produto Final Dos 25 projetos considerados na pesquisa, 88% alcançaram o objetivo previsto inicialmente no projeto, conforme Figura 5. Os principais pontos identificados como responsáveis por este resultado são: a grande interação entre FURNAS e Parceiro tecnológico, a capacitação da equipe, a coordenação eficiente e o planejamento. Quanto à Inovação, 96% dos projetos apresentaram algum tipo de inovação, conforme Figura 6. Deste total, somente 24% indicaram a potencialidade de registro de patente. Um ponto interessante a destacar é que, mesmo com cerca de ¼ dos projetos com esta possibilidade, o interesse da Empresa em comercializar estes produtos ainda não é expressivo, indicando que existe um amplo campo a ser explorado nesta área. Cerca de 92% dos projetos foram identificados como agregadores de valores tecnológicos, como por exemplo, com melhoria da qualidade de testes em equipamentos, do conhecimento e experiência de equipamentos com novas tecnologias, etc. Quanto à redução de tempo e de custos, o Figura 7 demonstra que 80% dos projetos responderam positivamente a este aspecto, destacando-se os projetos que minimizam custos relativos a obras civis, como por exemplo, o custo da barragem em futuras usinas e na recuperação das existentes, a otimização de custos de novas linhas de transmissão permitindo a Empresa se posicionar de forma mais competitiva nos leilões futuros.. Adicionalmente, no Figura 8 temos que 76% dos projetos foram considerados como adequados à demanda atual da Empresa seja através da criação de protótipos para a solução de problemas existentes, seja no desenvolvimento de novas metodologias. Merecem destaque os resultados alcançados, discriminados no Figura 9, que em 84% dos projetos há a possibilidade de prestação de serviços na área da pesquisa. Em especial, a grande maioria dos projetos desenvolvidos nos Laboratórios de FURNAS (Solos e Concreto e Hidráulica/Modelos Reduzidos), que reforçam a excelente qualidade dos serviços prestados por FURNAS nestas áreas.

6 6 12% 4% 96% 88% FIGURA 5 Objetivo alcançado FIGURA 6 Inovação 20% 24% 80% 76% FIGURA 7 Minimiza custos e racionaliza tempo FIGURA 8 Atendeu a demanda existente 16% 84% FIGURA 9 Possibilitará a prestação de serviço 4.5 Financeiro Quanto à adequação financeira, o valor previsto para 84% dos projetos foi declarado suficiente, conforme Figura 10. No caso dos 16% onde foi constatada a inadequação, os principais motivos foram a variação cambial, especialmente dos projetos do ciclo 2000/2001, compra de equipamentos e contratação de mão de obra especializada não previstos originalmente. 16% 84% FIGURA 10 Valor previsto foi suficiente 4.6 Eficiência dos Processos Neste item, 52% dos projetos consideraram adequados os processos internos relativos a P&D, conforme Figura 11. Tal resultado demonstra que ainda há uma necessidade de aperfeiçoamento destes processos, especialmente no que se refere à contratação do parceiro, a aquisição de equipamentos e do excessivo tempo gasto em tarefas de caráter administrativo sob a responsabilidade do gerente de projeto.

7 7 48% 52% FIGURA 11 Processos internos são adequados Além disso, um dos pontos que segundo os gerentes de projeto mais impacto provocam no início do projeto propriamente dito, é o processo de contratação do parceiro tecnológico, que segue normas estritas internas e que demandam tempo significativo. E, por fim, foi considerada positiva a atuação do Grupo de Trabalho, especialmente diante dos desafios enfrentados e da ausência de uma estrutura operacional adequada para o volume de projetos e recursos. 5 CONCLUSÕES E COMENTÁRIOS FINAIS Vários pontos positivos relativos ao processo de Pesquisa e Desenvolvimento em FURNAS puderam ser identificados ao longo da pesquisa e do mapeamento dos resultados alcançados. Dentre eles podemos destacar: a formação de recursos humanos (tanto de FURNAS como do parceiro tecnológico); a geração de novos conhecimentos (modelos, procedimentos, entre outros); a melhoria das condições de infra-estrutura (aquisição de materiais, equipamentos); o desenvolvimento de novas tecnologias (equipamentos de proteção, sistemas inteligentes, novos materiais, etc), que proporcionaram ou irão proporcionar, a curto ou a longo prazo, alguns benefícios para a Empresa, entre eles a otimização ou aprimoramento de processos, os ganhos de produtividade, a redução de custos de operação e manutenção do sistema de FURNAS, a ampliação e melhoria na qualidade dos serviços e a geração de novos negócios e receitas. Foi igualmente constatado que as áreas de maior conteúdo tecnológico são as mais ativas (volume de projetos e recursos aplicados) assim como as que obtiveram os melhores resultados. Por outro lado, alguns procedimentos internos à FURNAS ainda devem ser ajustados para atender à demanda relativa aos projetos de P&D, principalmente a relacionada à contratação das entidades de pesquisa e à alocação de custos realizados. O processo criado em FURNAS para a gestão de P&D está, atualmente, mais difundido na Empresa, mas ainda necessita da implementação de inúmeras outras ações. É baseado em uma estrutura flexível e que permite um sistema de informações em rede, compatível com o adotado nas empresas inovativas. Como comentário final, temos que o futuro da Empresa, no que se refere a P&D, passa necessariamente pela Gestão da Inovação e da Tecnologia, com a visão de que esta seja uma área de negócio, com foco empresarial, valorando os resultados obtidos e buscando uma integração institucional com as demais empresas congêneres, com as instituições de P&D, o Estado e a sociedade. Assim, poder-se-á perpetuar a condição de FURNAS como uma organização inovativa, moderna, referencial entre os agentes econômicos e sociais do ambiente onde atua e que agrega valor através da produção de produtos e serviços, a preços e qualidade adequados a seus clientes, inovando e buscando novas tecnologias para seu negócio. 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS (1) CHANDLER, A. Strategy and Structure MIT Press, Cambridge 1962; (2) SENGE, P The Fifth Discipline Currency Doubleday 1994; (3) PETERS, T.J. The Circle of Innovation Knopf (4) Manual de Pesquisa e Desenvolvimento da Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL, Versão Novembro. (5) Diversas Resoluções da ANEEL (6) Diversos Despachos da Superintendência de Regulação da Geração SRG, da ANEEL.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

Cronograma -------------------------------------------------------------------------------------------- 2

Cronograma -------------------------------------------------------------------------------------------- 2 Índice Cronograma -------------------------------------------------------------------------------------------- 2 Prefácio --------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÊMIO 2014

REGULAMENTO DO PRÊMIO 2014 REGULAMENTO DO PRÊMIO 2014 1 ÍNDICE CRONOGRAMA ------------------------------------------------------------------------------- 3 CATEGORIAS -------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DA GESTÃO DA TECNOLOGIA, DA INOVAÇÃO E DA EDUCAÇÃO

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DA GESTÃO DA TECNOLOGIA, DA INOVAÇÃO E DA EDUCAÇÃO SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTE 28 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DA GESTÃO DA TECNOLOGIA, DA INOVAÇÃO E DA EDUCAÇÃO MODELO

Leia mais

P&D no Setor Elétrico Programa de P&D regulado

P&D no Setor Elétrico Programa de P&D regulado P&D no Setor Elétrico Programa de P&D regulado pela ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética - SPE Contexto Legal Origem - Lei #

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Revisão 0

Leia mais

Welington Lima Cristiano

Welington Lima Cristiano SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GEC 21 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII A Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial EMBRAPII torna público o processo de seleção para habilitar Polos EMBRAPII IF (PEIF). Os

Leia mais

Política de Eficiência Energética

Política de Eficiência Energética Política de Eficiência Energética março 2010 Política de Eficiência Energética Política de Eficiência Energética 5 I. O público-alvo O Público-alvo ao qual se destina esta Política de Eficiência Energética

Leia mais

Plano de Negócios 2011-2015

Plano de Negócios 2011-2015 PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS Companhia Aberta FATO RELEVANTE Plano de Negócios 2011-2015 Rio de Janeiro, 22 de julho de 2011 Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras comunica que seu Conselho de Administração

Leia mais

Os sete ações de empresas muito eficazes em Segurança da Informação

Os sete ações de empresas muito eficazes em Segurança da Informação 40 Maio de 2002 Os sete ações de empresas muito eficazes em Segurança da Informação Muitos livros, dos quais grande parte bestsellers, adotam títulos similares a esse para realçar o comportamento, as técnicas

Leia mais

Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras

Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras dezembro 2012 Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras Política de Eficiência Energética das empresas Eletrobras 5 I. O público-alvo

Leia mais

IERGS PÓS-GRADUAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL 2010

IERGS PÓS-GRADUAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL 2010 IERGS PÓS-GRADUAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL 2010 APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O presente Manual de Estágio apresenta as orientações básicas para o desenvolvimento das atividades

Leia mais

PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA

PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA FICHA DE INSCRIÇÃO 8 ª EDIÇÃO Prefeitura Municipal de Nome do(a) Prefeito(a) Endereço CEP UF Telefone Fax E-mail Responsável pelas informações (nome e

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras 2010 Declaração Nós, das Empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável das áreas onde atuamos e

Leia mais

Causas, consequências e busca de soluções para os atrasos em projetos de novos empreendimentos de geração

Causas, consequências e busca de soluções para os atrasos em projetos de novos empreendimentos de geração Texto de Discussão do Setor Elétrico: TDSE 33 Causas, consequências e busca de soluções para os atrasos em projetos de novos empreendimentos de geração Nivalde J. de Castro Roberto Brandão Rio de Janeiro

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO ESCOLAR INTEGRADORA LATO SENSU MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO ESCOLAR INTEGRADORA LATO SENSU MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO GESTÃO ESCOLAR INTEGRADORA LATO SENSU MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO por PROFª Ms. Maria Rosa Silva Lourinha Rio de Janeiro, MARÇO / 2013. 1 ÍNDICE Apresentação 1.

Leia mais

Planejamento e Gestão Estratégica

Planejamento e Gestão Estratégica Planejamento e Gestão Estratégica O Governo de Minas estabeleceu como um dos eixos norteadores da suas políticas públicas a eficiência na utilização dos recursos e a oferta de serviços com qualidade cada

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais A dissertação traz, como foco central, as relações que destacam os diferentes efeitos de estratégias de marca no valor dos ativos intangíveis de empresa, examinando criticamente

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1) Prezado(a) Professor(a), Visando orientar e otimizar as informações que deverão constar no projeto, elencamos, abaixo, os itens imprescindíveis para compreensão e apresentação da sua proposta ao Prêmio

Leia mais

02/2000 - Programa de Apoio à Pesquisa de Inovação Tecnológica Associada às Cadeias Produtivas

02/2000 - Programa de Apoio à Pesquisa de Inovação Tecnológica Associada às Cadeias Produtivas 02/2000 - Programa de Apoio à Pesquisa de Inovação Tecnológica Associada às Cadeias Produtivas Estratégicas de Pernambuco - INOVA Imprimir Categoria: Encerrados Publicado: 22 Fevereiro 2000 Acessos: 446

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Projeto BRA 04/033 Coordenação do Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM TERMO DE REFERÊNCIA

Projeto BRA 04/033 Coordenação do Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM TERMO DE REFERÊNCIA Projeto BRA 04/033 Coordenação do Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM TERMO DE REFERÊNCIA Contrato por Produto Nacional 1. Função no Projeto:

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS N 04/2009 ANEXO I - ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS 2 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...3 2 DETALHAMENTO DOS SERVIÇOS...3

Leia mais

ESCO COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ESCO COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ESCO COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Ralf Majevski Santos 1 Flávio Tongo da Silva 2 ( 1 Ralf_majevski@yahoo.com.br, 2 ftongo@bitavel.com) Fundamentos em Energia Professor Wanderley

Leia mais

Manual de. Estágio Curricular Supervisionado. Bacharelado

Manual de. Estágio Curricular Supervisionado. Bacharelado 1 Manual de Estágio Curricular Supervisionado Bacharelado 2 APRESENTAÇÃO O Manual de Estágio Curricular Supervisionado está organizado de forma objetiva e prática, buscando definir informações e conceitos

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS SUSTENTABILIDADE E M P R E S A R I A L Política de Sustentabilidade Empresarial das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras,

Leia mais

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento;

Legitimação dos conceitos face as práticas organizacionais; Oportunizar reflexão sobre as competências em desenvolvimento; 1 MANUAL DE ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS INTEGRADORES CURSO SUPERIORES DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA (LOGÍSTICA) SÃO PAULO 2009 2 Introdução A prática pedagógica dos Cursos Superiores de Graduação

Leia mais

GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO - GPD

GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO - GPD SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPD - 02 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XV GRUPO DE ESTUDO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO -

Leia mais

GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR

GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR Andressa Silva Silvino 1 Jadson do Prado Rafalski 2 RESUMO O objetivo deste artigo é analisar

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO I. DADOS BÁSICOS Nome da organização: Conservation Strategy Fund Título do projeto: Economics of the Conservation of Corridors in the Atlantic Forest Parceiros que contribuíram

Leia mais

C O B I T Control Objectives for Information and related Technology

C O B I T Control Objectives for Information and related Technology C O B I T Control Objectives for Information and related Technology Goiânia, 05 de Janeiro de 2009. Agenda Evolução da TI Desafios da TI para o negócio O que é governança Escopo da governança Modelos de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SERVIÇO DE CONTROLE INTERNO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SERVIÇO DE CONTROLE INTERNO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SERVIÇO DE CONTROLE INTERNO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO PARA O PERÍODO DE 2014 A 2017 NOVEMBRO - 2013 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

CASO DE SUCESSO EM GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO NA CONSTRUÇÃO DE UMA USINA HIDRELÉTRICA

CASO DE SUCESSO EM GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO NA CONSTRUÇÃO DE UMA USINA HIDRELÉTRICA INTRODUÇÃO Grandes obras civis e de montagem eletromecânica costumam representar um desafio nos aspectos de cumprimento de cronogramas e atendimento aos requisitos de segurança do trabalho e saúde ocupacional,

Leia mais

CHAMADA N O 016/2013 PROJETO ESTRATÉGICO: SISTEMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA

CHAMADA N O 016/2013 PROJETO ESTRATÉGICO: SISTEMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE CHAMADA N O 016/2013 PROJETO ESTRATÉGICO: SISTEMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ISO 9001 - UMA ESTRATÉGIA PARA ALAVANCAR A GESTÃO OPERACIONAL NA ELETRONORTE

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ISO 9001 - UMA ESTRATÉGIA PARA ALAVANCAR A GESTÃO OPERACIONAL NA ELETRONORTE SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GOP - 23 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO IX GRUPO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP ISO 9001 - UMA ESTRATÉGIA

Leia mais

2.2. O credenciamento será processado de acordo com a observância dos seguintes procedimentos:

2.2. O credenciamento será processado de acordo com a observância dos seguintes procedimentos: UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS FUNDAÇÃO DE APOIO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DO TOCANTINS Rede UFTec Tecendo Inovações EDITAL Nº 001/2015 CREDENCIAMENTO DE PESQUISADORES I. O Programa UFTec é uma iniciativa

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 - Introdução 1.1 Contextualização do Problema No ambiente de negócios atual, o potencial da Tecnologia da Informação (TI) está sendo utilizado para alavancar a vantagem competitiva de inúmeras industrias.

Leia mais

MELO / ISAEL PASSOS / MARCOS VINICIO / PEDRO BEANES / CARL OS AUGUSTO COSTA COELBA PALAV RAS-CHAVE

MELO / ISAEL PASSOS / MARCOS VINICIO / PEDRO BEANES / CARL OS AUGUSTO COSTA COELBA PALAV RAS-CHAVE RESUMO COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 3 ANEXO 5 REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1.1 Disposições Preliminares Artigo 1 o - As atividades de Estágio Supervisionado que integram a Matriz Curricular do Curso de Administração, da Faculdade

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Introdução Independentemente do nível de experiência da proponente na elaboração de projetos, o Instituto Cooperforte empresta apoio, orientação e subsídios às Instituições

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial, considera a gestão de riscos como um instrumento essencial para maximização da eficiência no uso do capital e para escolha

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

Categorias Temas Significados Propostos

Categorias Temas Significados Propostos 91 5. Conclusão O objetivo do presente trabalho foi descrever a essência do significado da experiência consultiva para profissionais de TI que prestam de serviços de consultoria na área de TI. Para atingir

Leia mais

EDITAL Verde-Amarelo/ Parques Tecnológicos: FINEP 04/2002

EDITAL Verde-Amarelo/ Parques Tecnológicos: FINEP 04/2002 EDITAL Verde-Amarelo/ Parques Tecnológicos: FINEP 04/2002 O Ministério da Ciência e Tecnologia, em cumprimento às recomendações do Comitê Gestor do Programa de Estímulo à Interação Universidade-Empresa

Leia mais

Texto para discussão. Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG

Texto para discussão. Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG 1 Introdução Texto para discussão Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG Como resultado da coleta de subsídios para aperfeiçoamento da gestão da carreira de Especialista em Políticas

Leia mais

Experiência: IMPLANTAÇÃO DO PRÉ-ATENDIMENTO NA AGÊNCIA DOS CORREIOS ADOLFINA DE PINHEIROS EM SÃO PAULO

Experiência: IMPLANTAÇÃO DO PRÉ-ATENDIMENTO NA AGÊNCIA DOS CORREIOS ADOLFINA DE PINHEIROS EM SÃO PAULO Experiência: IMPLANTAÇÃO DO PRÉ-ATENDIMENTO NA AGÊNCIA DOS CORREIOS ADOLFINA DE PINHEIROS EM SÃO PAULO Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos ECT Ministério das Comunicações Responsável: Lenice Venâncio

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Janeiro 2011

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Janeiro 2011 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Janeiro 2011 A CONTRATAÇÃO DE EQUIPE DE VENDAS IN HOUSE Eco, MBA Real Estate, Mestre em Eng. Civil, Alfredo Eduardo Abibi Filho No mercado

Leia mais

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846 Altera a denominação do Curso de Especialização em Redes de Computadores, criado pela Resolução CEPEC nº 422, e aprova o novo

Leia mais

Gestão de impactos sociais nos empreendimentos Riscos e oportunidades. Por Sérgio Avelar, Fábio Risério, Viviane Freitas e Cristiano Machado

Gestão de impactos sociais nos empreendimentos Riscos e oportunidades. Por Sérgio Avelar, Fábio Risério, Viviane Freitas e Cristiano Machado Gestão de impactos sociais nos empreendimentos Riscos e oportunidades Por Sérgio Avelar, Fábio Risério, Viviane Freitas e Cristiano Machado A oferta da Promon Intelligens considera o desenvolvimento de

Leia mais

Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização

Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização Unidade de Projetos de Termo de Referência para elaboração e desenvolvimento de Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização Agosto de 2009 Elaborado em: 4/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

A Finep mais abrangente

A Finep mais abrangente _O MOVIMENTO Saiba mais sobre as novas propostas de atuação da Finep, na ENTREVISTA com Glauco Arbix entre outros objetivos, ele quer que a agência seja reconhecida como instituição financeira pelo Banco

Leia mais

PrimeGlobal PGBR. Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos. Diferença PrimeGlobal

PrimeGlobal PGBR. Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos. Diferença PrimeGlobal PrimeGlobal PGBR Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos Somos uma empresa de auditoria, consultoria e impostos, criada á partir da junção de importantes empresas nacionais,

Leia mais

Avaliação dos Investimentos nos Programas de P&D e de Eficiência Energética das Grandes Empresas de Eletricidade no Brasil: Ciclos 2002-03 e 2003-04

Avaliação dos Investimentos nos Programas de P&D e de Eficiência Energética das Grandes Empresas de Eletricidade no Brasil: Ciclos 2002-03 e 2003-04 21 a 25 de Agosto de 6 Belo Horizonte - MG Avaliação dos Investimentos nos Programas de P&D e de Eficiência Energética das Grandes Empresas de Eletricidade no Brasil: Ciclos 2-3 e 3-4 Herivelto Tiago Marcondes

Leia mais

PRÊMIO APEx APTEL de Excelência REGULAMENTO GERAL 2010

PRÊMIO APEx APTEL de Excelência REGULAMENTO GERAL 2010 1 - O PRÊMIO APEX PRÊMIO APEx APTEL de Excelência REGULAMENTO GERAL 2010 O Prêmio APEX é dedicado a reconhecer e conectar as realizações específicas com os objetivos das empresas que resultam em implementação

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização

Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Gerenciamento de Projetos Modulo II Clico de Vida e Organização Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECRETARIA DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA - SEPIN

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECRETARIA DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA - SEPIN MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO SECRETARIA DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA - SEPIN SigPlani - Sistema de Gestão da Lei de Informática Módulo RDA - Relatório Demonstrativo Anual versão 1 ANO BASE

Leia mais

Atendimento Virtual Ampla

Atendimento Virtual Ampla 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Atendimento Virtual Ampla Carlos Felipe de Moura Moysés Ampla Energia e Serviços S.A cmoyses@ampla.com André Theobald Ampla Energia e Serviços S.A theobald@ampla.com

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 03 RELATÓRIO TÉCNICO CONCLUSIVO

Leia mais

EDITAL FAPEMIG 16/2011

EDITAL FAPEMIG 16/2011 EDITAL FAPEMIG 16/2011 PROGRAMA ESTRUTURADOR REDE DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA MESTRES E DOUTORES A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais FAPEMIG, atendendo à orientação

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO. Nota Técnica nº 112/2007-SRD/ANEEL. Brasília, 12 de Dezembro de 2007

SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO. Nota Técnica nº 112/2007-SRD/ANEEL. Brasília, 12 de Dezembro de 2007 SUPERINTENDÊNCIA DE REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS DE DISTRIBUIÇÃO Nota Técnica nº 112/2007-SRD/ANEEL Brasília, 12 de Dezembro de 2007 METODOLOGIA DE TRATAMENTO REGULATÓRIO DE PERDAS TÉCNICAS............................................

Leia mais

O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO CURSO ON-LINE CONTABILIDADE PARA PROFISSIONAIS NÃO CONTADORES

O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO CURSO ON-LINE CONTABILIDADE PARA PROFISSIONAIS NÃO CONTADORES 1 O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO CURSO ON-LINE CONTABILIDADE PARA PROFISSIONAIS NÃO CONTADORES 100-TC-B5 05/2005 Daniela Karine Ramos Ilog Tecnologia, dadaniela@gmail.com B - Conteúdos

Leia mais

1) Nome do Projeto Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos do Município de Vitória

1) Nome do Projeto Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos do Município de Vitória 1) Nome do Projeto Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos do Município de Vitória 2) Caracterização da Situação Anterior O Plano de Cargos e Carreira é um estímulo para o servidor. O último plano de Cargos,

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PAULISTA ESTADO DE SÃO PAULO EDITAL DE CURSOS DE CAPACITAÇÃO N 01/2015

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA PAULISTA ESTADO DE SÃO PAULO EDITAL DE CURSOS DE CAPACITAÇÃO N 01/2015 CURSOS DE CAPACITAÇÃO PARA SERVIDORES PÚBLICOS A Prefeitura do Município de Bragança Paulista, torna público o presente Edital e informa que estão abertas as inscrições para o Programa de Capacitação 2015.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Campus São Gonçalo CoEX - Coordenação de Extensão EDITAL INTERNO

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 Rogério Carlos Tavares 1, José Luis Gomes da Silva² 1 Universidade de

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE USUÁRIOS DOS PORTOS DA BAHIA

ASSOCIAÇÃO DE USUÁRIOS DOS PORTOS DA BAHIA Objetivo: melhorar a competitividade dos serviços portuários no Brasil A implantação da norma para exploração de áreas e instalações portuárias pela agência reguladora é uma das poucas oportunidades atuais

Leia mais

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009

PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 PMBoK Comentários das Provas TRE-PR 2009 Comentário geral: As provas apresentaram grau de dificuldade médio. Não houve uma preocupação da banca em aprofundar os conceitos ou dificultar a interpretação

Leia mais

Manual de Elaboração e Avaliação do Programa Anual de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico e de Conservação e Racionalização do Uso do Gás Natural

Manual de Elaboração e Avaliação do Programa Anual de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico e de Conservação e Racionalização do Uso do Gás Natural Manual de Elaboração e Avaliação do Programa Anual de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico e de Conservação e Racionalização do Uso do Gás Natural no Estado de São Paulo Sumário 1. Objetivo... 2 2. Apresentação...

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

FORTALECIMENTO DO CONTROLE INTERNO

FORTALECIMENTO DO CONTROLE INTERNO FORTALECIMENTO DO CONTROLE INTERNO O Brasil vive momento determinante do seu futuro, em que a sociedade exige novos paradigmas nas relações comerciais entre o poder público e atores privados. Esse cenário

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP A PROGRAMAÇÃO

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

Transcrição da Teleconferência Resultados do 3T09 - Inpar 18 de novembro de 2009

Transcrição da Teleconferência Resultados do 3T09 - Inpar 18 de novembro de 2009 Transcrição da Teleconferência Resultados do 3T09 - Inpar 18 de novembro de 2009 Bom dia, e obrigada por aguardarem. Sejam bem-vindos à teleconferência da Inpar para discussão dos resultados referentes

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria Agentes Financiadores Notícias e atualidades sobre Agentes Financiadores nacionais e internacionais página inicial A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores

Leia mais

Gestão Operacional do Negócio Distribuição Alinhada ao Modelo Regulatório. José Maria de Macedo

Gestão Operacional do Negócio Distribuição Alinhada ao Modelo Regulatório. José Maria de Macedo Gestão Operacional do Negócio Distribuição Alinhada ao Modelo Regulatório José Maria de Macedo Diretor de Distribuição e Comercialização Maio de 2008 1/XX Cemig Distribuição em números Descrições Posição:

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Curso: BACHAREL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Curso: BACHAREL EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FLUXO DO TCC 6o SEM 7o SEM 8o SEM PESQUISA EM INFORMÁTICA Além da ementa da disciplina, o aluno desenvolverá uma proposta de pesquisa, que poderá ou não continuar a ser trabalhada nas disciplinas de TCC1,

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP SISTEMA INTEGRADO

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MANUAL DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MANUAL DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MANUAL DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) PALMAS TO, NOVEMBRO 2015 A disciplina Trabalho de Conclusão de Curso, na Faculdade Católica do Tocantins, está organizada

Leia mais

Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES

Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Brasília 2012 Edital SENAI SESI de Inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES Brasília 2012 Edital SENai SESi de inovação 2012 PERGUNTAS FREQUENTES 3 1)

Leia mais

EDITAL Abertura de Processo Seletivo

EDITAL Abertura de Processo Seletivo EDITAL Abertura de Processo Seletivo Projeto de Iniciação Científica das Faculdades Integradas Campo-grandenses (FIC) Dispõe sobre as normas para o processo de chamada de propostas de projetos de iniciação

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Douglas Farias Cordeiro

Gerenciamento de Projetos. Douglas Farias Cordeiro Gerenciamento de Projetos Douglas Farias Cordeiro Conceito de Organização Uma organização pode ser descrita como um arranjo sistemático, onde esforços individuais são agregados em prol de um resultado

Leia mais

Análise Setorial. Sabesp // Minerva // Suzano //CPFL // CESP SABESP (SBSP3)

Análise Setorial. Sabesp // Minerva // Suzano //CPFL // CESP SABESP (SBSP3) Análise Setorial Sabesp // Minerva // Suzano //CPFL // CESP SABESP (SBSP3) A Sabesp divulgou ontem (09/05/2013, após o encerramento do mercado, seus números referentes ao primeiro trimestre de 2013. O

Leia mais

Comércio Exterior. Cursos Completos

Comércio Exterior. Cursos Completos Comércio Exterior Relação de Cursos Cursos Completos Curso Completo de Comércio Exterior: Este curso inclui o conteúdo de quase todos os cursos que oferecemos na área de comércio exterior. Este curso é

Leia mais

RELATO DA SITUAÇÃO ANTERIOR À INTRODUÇÃO DA INOVAÇÃO

RELATO DA SITUAÇÃO ANTERIOR À INTRODUÇÃO DA INOVAÇÃO Experiência: GESTÃO POR PROJETOS ESTRUTURANTES Banco do Nordeste do Brasil S.A. Responsável: Valdemar Barros Filho Equipe: Antonio Carlos Rodrigues, Francisco Carlos Cavalcanti, Ana Altina Teixeira Marciano

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 01/2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 01/2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO ACADÊMICO DE PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 01/2014 Estabelece as normas para o reconhecimento e funcionamento de

Leia mais

A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE MOBILIDADE URBANA

A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE MOBILIDADE URBANA Seminário Internacional sobre Cidades Inteligentes, Cidades do Futuro Comissão de Desenvolvimento Urbano CDU Câmara dos Deputados A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE MOBILIDADE URBANA RENATO BOARETO Brasília 06

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009

Gerenciamento de Projetos. Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 Semana de Tecnologia Gerenciamento de Projetos Faculdade Unisaber 2º Sem 2009 ferreiradasilva.celio@gmail.com O que é um Projeto? Projeto é um "esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço

Leia mais

PRODUTOS DO COMPONENTE 3. 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado

PRODUTOS DO COMPONENTE 3. 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado PRODUTOS DO COMPONENTE 3 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado A estruturação do atual modelo de gestão, caracterizou-se pela necessidade de alinhar permanentemente os órgãos

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA NÚCLEO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NAI É preciso avaliar para aprimorar CONSIDERAÇÕES INICIAIS A UNISANTA desenvolveu,

Leia mais

Connections with Leading Thinkers

Connections with Leading Thinkers Instituto de Alta Performance Connections with Leading Thinkers O especialista em inovação Bruno Moreira analisa as dificuldades que impedem um maior nível de colaboração por parte das empresas brasileiras

Leia mais