O argumento de Kripke contra o materialismo identitativo particular-particular

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O argumento de Kripke contra o materialismo identitativo particular-particular"

Transcrição

1 Universidade Clássica de Lisboa Faculdade de Letras Departamento Filosofia Mestrado SEMINÁRIO DE ORIENTAÇÃO I Ano lectivo O argumento de Kripke contra o materialismo identitativo particular-particular Vitor Manuel Dinis Pereira

2 O materialismo identitativo particular-particular é o monismo não-reducionista de eventos: identifica numericamente cada evento mental, cada portador de propriedades mentais como a propriedade de ser uma dor, com cada evento físico, cada portador de propriedades físicas como a propriedade de ser uma estimulação das fibras-c. Se Kawasaki (respectivamente, Dutto) pode ter simultaneamente muitas propriedades distintas, como a propriedade de ser um cão, a propriedade de ser uma animal doméstico, então o facto (estado de coisas) de Kawasaki (respectivamente, Dutto) ser um cão é distinto do facto (estado de coisas) de Kawasaki (respectivamente, Dutto) ser um animal doméstico, mas o evento de Kawasaki (respectivamente, Dutto) estar num certo estado correspondente a esses factos pode ser o mesmo. O caso de x e y terem diferentes propriedades e não se seguir que x e y são distintos não deve ser confundido com o caso de x e y terem as mesmas propriedades e seguir-se que x e y são distintos. A indiscernibilidade de idênticos é: se x = y, então x e y têm as mesmas propriedades (ou: x e y têm as mesmas propriedades se x = y). A fim de apresentar o argumento de Kripke contra o materialismo identitativo particularparticular é útil distinguir entre eventos-tipo e eventos-particulares de forma a reter os segundos como aqueles acerca dos quais é a tese distintiva do materialismo identitativo particular-particular. Eventos-tipo são uma certa propriedade de eventos específicos ou uma certa classe de eventos específicos. Eventos-particulares são entidades irrepetíveis ou não exemplificáveis e concretas, isto é, datáveis e situáveis no espaço. A pretensão do materialismo identitativo particular-particular não é explicar, por exemplo, como é que uma pessoa tem as sensações corpóreas e experiências visuais específicas que tem ou como é que uma pessoa está no estado neurofisiológico em que está, mas defender a identidade numérica entre cada evento mental e cada evento físico seja qual for a explicação proporcionada pela ciência relevante para as sensações corpóreas e experiências visuais específicas que uma pessoa tem ou seja qual for a explicação proporcionada pela ciência relevante para o estado neurofisiológico em que uma pessoa está. Alega-se, em defesa do materialismo identitativo particular-particular, que o materialismo identitativo particular-particular dá conta das relações causais entre mente e corpo de forma mais plausível do que qualquer outra das teses diponíveis. Suponha-se, por um lado, que mente e corpo são ontologicamente separados e causalmente estanques. Ora, a nossa intuição de que há relações causais entre mente e corpo é dificilmente acomodada. A intuição de que eventos mentais, como a ocorrência de uma dor neste momento, são causalmente responsáveis pela ocorrência de eventos físicos, como um grito súbito de dor neste momento, é dificilmente acomodada.

3 Se o materalista identitativo particular-particular tiver razão, e o evento do qual são predicáveis propriedades mentais como a propriedade de sentir uma dor é numericamente idêntico ao evento do qual são predicáveis propriedades físicas como a propriedade de ser uma estimulação das fibras-c, o evento mental e o evento físico são um e o mesmo evento e a ocorrência do evento causalmente responsável pelo grito súbito de dor neste momento é o evento físico de uma dor ocorrer neste momento. Não há particulares mentais, há propriedades mentais e propriedades físicas irredutíveis. Mesmo um dualista como Descartes não está disposto a negar que há uma interacção causal entre a substância mental e a substância material. Pelo menos, não estamos dispostos a negar que há relações causais entre mente e corpo da mesma forma que estamos dispostos a negar que mente e corpo são ontologicamente separados. Logo, o materalismo identitativo particular-particular é a tese que alegadamente melhor acomoda as nossas intuições. O materalismo identitativo particular-particular é alegadamente a melhor explicação para termos a intuição que temos de que há relações causais entre mente e corpo. O progresso das ciências físicas, por outro lado, torna natural a assumpção de que qualquer evento físico, se puder ser explicado, pode ser explicado em termos puramente físicos. Parece, então, que, uma vez assumido que qualquer evento físico, se puder ser explicado, pode ser explicado em termos puramente físicos, somos obrigados a identificar eventos mentais como eventos físicos de forma a dar conta da eficácia causal que alegadamente eventos mentais têm. São estes os pontos que a argumentação contra o materalismo identitativo particularparticular não pode deixar de ter em conta. Mas, alegue-se o que se alegar em defesa do materialismo identitativo particular- -particular, os argumentos do materialista identitativo particular-particular só serão efectivos se o materalismo identitativo particular-particular for coerente. As alegadas identidades psicofísicas particular-particular são identidades de facto? O argumento de Kripke contra o materialismo identitativo particular-particular é apresentado nas pp de Naming and necessity. A estratégia de argumentação contra o materialismo identitativo particular-particular de Saul Kripke consiste em dizer que, se o materialista identitativo particular-particular tem razão, então terá de dar conta das intuições modais seguintes: parece (pelo menos logicamente, diz Kripke) possível que o evento físico, o portador de propriedades físicas como a propriedade de ser uma estimulação das fibras-c, correspondente ao evento mental, pode ocorrer sem o evento mental, o portador de propriedades mentais como a propriedade de ser uma dor; parece possível que o evento mental, o portador de propriedades mentais como a propriedade de ser uma dor, correspondente ao evento físico, pode ocorrer sem o evento

4 físico, o portador de propriedades físicas como a propriedade de ser uma estimulação das fibras-c. Ora, o materialista identitativo particular-particular não dá conta das intuições modais, não dá conta das propriedades modais de eventos particulares mentais e de eventos particulares físicos. Logo, a alegada identidade psicofísica de particulares não é de facto identidade entre eventos particulares mentais e eventos particulares físicos. A réplica do materialista identitativo particular-particular consiste em dizer que só precisa de dar conta de pelo menos uma das intuições modais, porque, para que eventos particulares mentais e eventos particulares físicos sejam de facto distintos, o materialista identitativo particular-particular não pode dar conta de nenhuma das duas intuições modais. O argumento que depende da intuição segundo a qual parece (pelo menos logicamente, diz Kripke) possível que o evento físico, o portador de propriedades físicas como a propriedade de ser uma estimulação das fibras-c, correspondente ao evento mental, pode ocorrer sem o evento mental, o portador de propriedades mentais como a propriedade de ser uma dor, consiste no seguinte género de considerações. Considere-se o evento mental, o portador de propriedades mentais como a propriedade de ser uma dor, por exemplo uma dor que João sente no instante de tempo t, e considere-se o correspondente evento físico, o portador de propriedades físicas como a propriedade de ser uma estimulação das fibras-c, por exemplo uma estimulação das fibras- -C de João no instante de tempo t. Parece logicamente possível que o evento físico, correspondente ao evento mental, pode ocorrer sem o evento mental. Por exemplo, o cérebro de João pode estar exactamente no mesmo estado no instante de tempo t e João não sentir qualquer dor. possibilidade lógica do evento físico, correspondente ao evento mental, poder ocorrer sem o evento mental. possibilidade lógica de F poder ocorrer sem D. Se D = F, então nem D pode ocorrer sem F, nem F pode ocorrer sem D, pois são uma e a mesma coisa, pelo princípio da necessidade da identidade. Se o evento mental e o evento físico são idênticos, a identidade é necessária. O materialista identitativo particular-particular não pode admitir a aparente possibilidade lógica do evento físico, correspondente ao evento mental, poder ocorrer sem o evento mental e continuar a partir daqui. O materialista identitativo particular-particular pode argumentar que o evento mental e o evento físico são idênticos, mas a propriedade de ser uma dor é uma propriedade contingente do evento mental.

5 Segundo Kripke, dificilmente o materialista identitativo particular-particular pode argumentar que a propriedade de ser uma dor é uma propriedade contingente do evento mental, pois a propriedade de ser uma dor é uma propriedade necessária de cada dor. O materialista identitativo particular-particular pode argumentar que o evento mental e o evento físico são idênticos, mas a propriedade de ser uma sensação é uma propriedade contingente do evento mental, pois parece logicamente possível que o correspondente evento físico pode ocorrer sem qualquer sensação com a qual seja plausivelmente identificado. No entanto, alega Kripke, considere-se o evento mental ocorrente no instante de tempo t, ou outra sensação. O evento mental, ocorrente no instante de tempo t, ou outra sensação, não pode ocorrer sem ser uma sensação, da mesma maneira que um certo inventor (por exemplo, Franklin) pode existir sem ser um inventor. Logo, segundo Kripke, a estratégia adoptada pelo materialista identitativo particular- -particular, que consiste em dizer que a propriedade de ser uma dor e a propriedade de ser uma sensação são propriedades contingentes do evento mental, ocorrente no instante de tempo t, não é bem sucedida. Kripke menciona esta estratégia por lhe parecer ser a estratégia que melhor caracteriza a argumentação materialista identitativa particular-particular. A suposta identidade numérica entre o evento mental e o correspondente evento físico é, segundo o materialista identitativo particular-particular, para ser analisada segundo o paradigma da identidade contingente entre Benjamin Franklin e o inventor das bifocais. O materialista identitativo particular-particular argumenta que, tal como é a actividade contingente que faz Benjamin Franklin ser o inventor das bifocais, é alguma propriedade contingente do evento físico que faz o evento físico ser o evento mental. A propriedade contingente do evento físico, que faz o evento físico ser o evento mental, não é uma propriedade não-física irredutível postulada pelo materialismo identitativo particular-particular, é, geralmente, para o materialista identitativo particular-particular, uma propriedade estável em termos físicos ou, ao menos, tópico-neutral. Analisar a propriedade de ser uma dor, propriedade do evento físico, em termos de papel causal do evento físico, em termos dos estímulos característicos (por exemplo, uma picada de alfinete) que o causam e dos comportamentos característicos que causa é típico do materialismo identitativo particular-particular (por exemplo, Armstrong e Lewis). O materialista identitativo particular-particular não deixa, no entanto, de defender, através da análise da propriedade de ser uma dor, propriedade do evento físico, em termos de papel causal do evento físico, que o papel causal do evento físico é uma propriedade contingente do evento físico e, logo, não deixa de supor que o papel causal do evento físico é uma propriedade contingente do evento físico que é o evento mental. Ora, é absurdo supor que a dor que eu sinto agora pode ocorrer sem ser um evento mental. É absurdo supor que o evento físico não é um evento físico, pois é um evento mental e é absurdo supor que o evento mental não é um evento mental, pois é um evento físico.

6 A análise da propriedade de ser uma dor, propriedade do evento físico, em termos de papel causal do evento físico reduz-se a um absurdo, independentemente do que de erronéo possa encontrar-se em termos específicos na análise da propriedade de ser uma dor em termos de papel causal do evento físico. O argumento que depende da intuição segundo a qual parece possível que o evento mental, o portador de propriedades mentais como a propriedade de ser uma dor, pode ocorrer sem que o evento físico, o portador de propriedades físicas como a propriedade de ser uma estimulação das fibras-c, que corresponde ao evento mental, o portador de propriedades mentais como a propriedade de ser uma dor, ocorra consiste no seguinte género de considerações. Considere-se o evento mental, o portador de propriedades mentais como a propriedade de ser uma dor, por exemplo uma dor que alguém sente no instante de tempo t, e considere-se o correspondente evento físico, o portador de propriedades físicas como a propriedade de ser uma estimulação das fibras-c, por exemplo uma estimulação das fibras- -C de alguém no instante de tempo t. Parece possível que o evento mental, correspondente ao evento físico, pode ocorrer sem o evento físico. possibilidade do evento mental, correspondente ao evento físico, poder ocorrer sem o evento físico. possibilidade de alguém sentir alguma dor sem o correspondente evento físico. possibilidade de D poder ocorrer sem F. Se D = F, então nem D pode ocorrer sem F, nem F pode ocorrer sem D, pois são uma e a mesma coisa, pelo princípio da necessidade da identidade. Se o evento mental e o evento físico são idênticos, a identidade é necessária. O materialista identitativo particular-particular não pode admitir a aparente possibilidade do evento mental, correspondente ao evento físico, poder ocorrer sem o evento físico e continuar a partir daqui. O materialista identitativo particular-particular pode argumentar que o evento mental e o evento físico são idênticos, mas a propriedade de ser um evento físico é uma propriedade contingente do evento físico. O materialista identitativo particular-particular não pode, segundo Kripke, argumentar que a propriedade de ser um evento físico é uma propriedade contingente do evento físico, pois a propriedade de ser um evento físico é uma propriedade necessária do evento físico, é (evidentemente, diz Kripke) uma propriedade essencial de F.

7 Não só a propriedade de ser um evento físico é uma propriedade essencial do evento físico, como a propriedade de ser um evento físico de um tipo específico é uma propriedade essencial do evento físico. A configuração das células cerebrais cuja presença num dado instante de tempo t constitui a presença do evento físico, de F, é essencial ao evento físico, uma vez que na ausência da configuração das células cerebrais cuja presença num dado instante de tempo t constitui a presença do evento físico, de F, o evento físico não ocorre. O materialista identitativo particular-particular precisa de argumentar que o evento mental, D, não pode ocorrer sem um tipo específico de configuração de moléculas. Se a relação entre o evento mental e o evento físico é a relação de identidade numérica, então o materialista identitativo particular-particular precisa de argumentar que a relação de identidade é necessária, que qualquer propriedade essencial do evento mental tem que ser uma propriedade essencial do evento físico. O materialista identitativo particular-particular não pode aceitar simplesmente a intuição cartesiana de que o evento mental pode ocorrer sem o correspondente evento físico, de que o evento mental pode ocorrer sem que o evento físico, que corresponde ao evento mental, ocorra. O materialista identitativo particular-particular não pode aceitar simplesmente que a presença correlativa de alguma coisa com propriedades mentais com o evento físico é meramente contingente e não pode aceitar simplesmente que a presença correlativa de alguma coisa com propriedades físicas específicas com o evento mental é meramente contingente. A estratégia a adoptar pelo materialista indentitativo particular-particular para a defesa da identidade numérica entre o evento mental e o evento físico ser bem sucedida consiste, segundo Kripke, em explicar as intuições modais, as intuições cartesianas, mostrando que são ilusórias. Bibliografia FOSTER, John, The Token-identity Thesis, WARNER, Richard and SZUBKA, Tadeusz (ed.), The Mind-Body Problem-A Guide to the Current Debate, Blackwell Publishers Inc., 1996, pp KRIPKE, Saul A., Naming and necessity, Cambridge, Massachusetts, Harvard University Press, Em particular, pp

Uma Hipótese Empírica para o Problema Mente-Corpo

Uma Hipótese Empírica para o Problema Mente-Corpo Uma Hipótese Empírica para o Problema Mente-Corpo Este texto é uma síntese da posição de Thomas Nagel da hipótese empírica da necessidade da identidade entre estados mentais e estado cerebrais. Se a aparência

Leia mais

Possibilidade relativa

Possibilidade relativa Page 1 of 7 criticanarede.com ISSN 1749-8457 30 de Setembro de 2003 Metafísica e lógica filosófica Possibilidade relativa Três concepções Desidério Murcho Segundo a concepção de Bob Hale (1997) e Ian McFetridge

Leia mais

filosofia contemporânea

filosofia contemporânea filosofia contemporânea filosofia contemporânea carlos joão correia 2015-2016 o 1ºSemestre Pensa que tem livre-arbítrio? Não sei, realmente não sei. E a razão pela qual não sei é que eu não sei o que significa

Leia mais

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA PLANO CURRICULAR A análise referente ao Programa de Ensino e, em particular ao conteúdo do actual Plano de Estudos (ponto 3.3. do Relatório), merece-nos os seguintes comentários:

Leia mais

DUALISMO, SUBSTÂNCIA E ATRIBUTO ESSENCIAL NO SISTEMA CARTESIANO

DUALISMO, SUBSTÂNCIA E ATRIBUTO ESSENCIAL NO SISTEMA CARTESIANO DUALISMO, SUBSTÂNCIA E ATRIBUTO ESSENCIAL NO SISTEMA CARTESIANO Ethel Menezes Rocha UFRJ/CNPq 1 Na Sexta Meditação, Descartes conclui seu argumento iniciado na Segunda Meditação em favor da distinção real

Leia mais

Avaliação em filosofia: conteúdos e competências

Avaliação em filosofia: conteúdos e competências Avaliação em filosofia: conteúdos e competências Desidério Murcho Universidade Federal de Ouro Preto desiderio@ifac.ufop.br 1 Immanuel Kant O jovem que completou a sua instrução escolar habituou- se a

Leia mais

Citação e Indiscernibilidade de Idênticos. Citação e indiscernibilidade de idênticos

Citação e Indiscernibilidade de Idênticos. Citação e indiscernibilidade de idênticos Citação e Indiscernibilidade de Idênticos Citação e indiscernibilidade de O nosso problema é agora o seguinte Haverá Contra-exemplos à Indiscernibilidade de Idênticos? Dividimos este problema em dois (a)

Leia mais

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia Carlos Gustavo Monteiro Cherri Mestrando em Filosofia pela UFSCar gucherri@yahoo.com.br

Leia mais

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica.

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. António Mora PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. Uma metafísica é um modo de sentir as coisas esse modo de

Leia mais

Trabalho realizado por: Diva Rafael 12ºA nº15

Trabalho realizado por: Diva Rafael 12ºA nº15 Trabalho realizado por: Diva Rafael 12ºA nº15 Ano Lectivo: 2007/2008 Índice Introdução O que é a psicologia O que é a psicologia clínica Entrevista Conclusão Bibliografia Pág.3 Pág.4 Pág.5 Pág.7 Pág.9

Leia mais

Contextualismo e anti-contextualismo

Contextualismo e anti-contextualismo Contextualismo e anti-contextualismo Referências: Cappelen, Herman, and Lepore, Ernie, Insensitive Semantics, Oxford, Blackwell, 2005. Kaplan, David, Demonstratives, in Almog, J., Perry, J., and Wettstein,

Leia mais

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO.

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. Ac. Denise Carla de Deus (PIBIC/CNPq/UFSJ 2000-2002) Orientadora: Prof. Dra. Marilúze Ferreira Andrade e Silva

Leia mais

As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa

As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa MARIA LÚCIA AMARAL * Introdução 1. Agradeço muito o convite que me foi feito para participar neste colóquio luso-italiano de direito

Leia mais

2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano

2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano 2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano Spinoza nos Pensamentos Metafísicos estabelece a distinção entre duração e tempo, isto é, do ente em ente cuja essência envolve

Leia mais

Filosofia da Ação. Disciplina filosófica na qual se reflete sobre a ação humana. Tem como objetivo a análise e compreensão do agir humano.

Filosofia da Ação. Disciplina filosófica na qual se reflete sobre a ação humana. Tem como objetivo a análise e compreensão do agir humano. Filosofia da Ação Disciplina filosófica na qual se reflete sobre a ação humana. Tem como objetivo a análise e compreensão do agir humano. Exemplos de problemas tratados: O que são ações? É o livre-arbítrio

Leia mais

Na classificação dos sistemas filosóficos...

Na classificação dos sistemas filosóficos... Fernando Pessoa Na classificação dos sistemas filosóficos... Na classificação dos sistemas filosóficos temos a considerar duas coisas: a constituição do espírito e a natureza da ideação metafísica. O espírito

Leia mais

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Fundamentos metodológicos da teoria piagetiana: uma psicologia em função de uma epistemologia Rafael dos Reis Ferreira Universidade Estadual Paulista (UNESP)/Programa de Pós-Graduação em Filosofia FAPESP

Leia mais

Problemas da filosofia da ciência. David Papineau. King's College London

Problemas da filosofia da ciência. David Papineau. King's College London Problemas da filosofia da ciência David Papineau King's College London A filosofia da ciência pode ser dividida em duas grandes áreas: a epistemologia da ciência e a metafísica da ciência. A epistemologia

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA. A educação artística como arte de educar os sentidos

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA. A educação artística como arte de educar os sentidos CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA Porto, Casa da Música, 29-31 de Outubro de 2007 A educação artística como arte de educar os sentidos Yolanda Espiña (Escola das Artes Universidade Católica Portuguesa)

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

VII PRODUÇÃO ACADÊMICA

VII PRODUÇÃO ACADÊMICA VII PRODUÇÃO ACADÊMICA 1 - FICHAMENTO (O texto abaixo foi adaptado de: LEAL, Junchem Machado e FEUERSCHÜTTE, Simone Ghisi. Elaboração de Trabalhos Acadêmicos-Científicos. Itajaí: Universidade do Vale do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Departamento de Ciência Política Programa de Pós-Graduação em Ciência Política Área de Concentração: Teoria Política e Interpretações do Brasil Título da Disciplina: Ceticismo

Leia mais

KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS

KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS Gustavo Leal - Toledo 1 RESUMO Pretende-se mostrar, neste trabalho, que a Exposição Metafísica não depende da Exposição Transcendental nem da geometria euclidiana.

Leia mais

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin

Pesquisa Científica e Método. Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin Pesquisa Científica e Método Profa. Dra. Lívia Perasol Bedin A Pesquisa e o Metodo Cientifico Definir modelos de pesquisa Método, entre outras coisas, significa caminho para chegar a um fim ou pelo qual

Leia mais

Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia de sociedade de risco.

Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia de sociedade de risco. VI Encontro Nacional da Anppas 18 a 21 de setembro de 2012 Belém - PA Brasil Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia

Leia mais

UML (Unified Modelling Language) Diagrama de Classes

UML (Unified Modelling Language) Diagrama de Classes UML (Unified Modelling Language) Diagrama de Classes I Classes... 2 II Relações... 3 II. Associações... 3 II.2 Generalização... 9 III Exemplos de Modelos... III. Tabelas de IRS... III.2 Exames...3 III.3

Leia mais

Donald Davidson e a objetividade dos valores

Donald Davidson e a objetividade dos valores Donald Davidson e a objetividade dos valores Paulo Ghiraldelli Jr. 1 Os positivistas erigiram sobre a distinção entre fato e valor o seu castelo. Os pragmatistas atacaram esse castelo advogando uma fronteira

Leia mais

Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto.

Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto. Resolução da Assembleia da República n.º 64/98 Convenção n.º 162 da Organização Internacional do Trabalho, sobre a segurança na utilização do amianto. Aprova, para ratificação, a Convenção n.º 162 da Organização

Leia mais

RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1

RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1 TRADUÇÃO DOI: 10.5216/PHI.V17I2.18751 RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1 Autor: Peter F. Strawson Tradutor: Itamar Luís Gelain(Centro Universitário Católica de Santa Catarina) 2,3 itamarluis@gmail.com Em seu

Leia mais

1. Penso, logo existo

1. Penso, logo existo 5 1. Penso, logo existo Estamos em 1637. Há escassos quatro anos, Galileu Galilei (1564-1642), professor de Matemática na Universidade de Pisa, foi condenado a prisão domiciliária pelo Santo Ofício da

Leia mais

Processos apensos T-6/92 e T-52/92. Andreas Hans Reinarz contra Comissão das Comunidades Europeias

Processos apensos T-6/92 e T-52/92. Andreas Hans Reinarz contra Comissão das Comunidades Europeias Processos apensos T-6/92 e T-52/92 Andreas Hans Reinarz contra Comissão das Comunidades Europeias «Funcionários Acto que causa prejuízo Reembolso das despesas com auxiliares médicos e enfermagem Redução

Leia mais

Universidade Aberta. Mestrado em Supervisão Pedagógica 2007/2009. Projecto de Dissertação de Mestrado

Universidade Aberta. Mestrado em Supervisão Pedagógica 2007/2009. Projecto de Dissertação de Mestrado Universidade Aberta Mestrado em Supervisão Pedagógica 2007/2009 Projecto de Dissertação de Mestrado Aprender a «viver juntos»: Que significado curricular no 1º. Ano? 30 de Setembro de 2008 Projecto de

Leia mais

3. A DUPLA TAREFA. 33. "Ainda bem 'que é z.a feira e vou para o escritório" versus "Ai, se eu estivesse em.casa".

3. A DUPLA TAREFA. 33. Ainda bem 'que é z.a feira e vou para o escritório versus Ai, se eu estivesse em.casa. 3. A DUPLA TAREFA Se se pode afirmar que, ao longo do século xx, o imperativo legal que inibia o trabalho das mulheres casadas na esfera pública foi abandonado e se criou uma cultura de tolerância acerca

Leia mais

SUBSTÂNCIA, MATÉRIA E ESSÊNCIA NA METAFÍSICA DE ARISTÓTELES

SUBSTÂNCIA, MATÉRIA E ESSÊNCIA NA METAFÍSICA DE ARISTÓTELES SUBSTÂNCIA, MATÉRIA E ESSÊNCIA NA METAFÍSICA DE ARISTÓTELES Rodrigo Jungmann Doutor em Filosofia Professor adjunto do DFL/UFS Resumo: Neste artigo, empreendemos um estudo da categoria aristotélica de substância,

Leia mais

Responsabilidade Civil

Responsabilidade Civil Responsabilidade Civil Responsabilidade civil, dano e Regimes de Responsabilidade: A responsabilidade civil pode ser classificada em responsabilidade por culpa, pelo risco ou pelo sacrifício, dependendo

Leia mais

NOTAS SOBRE UMA CONCEPÇÃO DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS SOCIAIS*

NOTAS SOBRE UMA CONCEPÇÃO DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS SOCIAIS* NOTAS SOBRE UMA CONCEPÇÃO DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS SOCIAIS* José Melo Alexandrino Saúdo antes de mais o caríssimo Professor Doutor Ingo Sarlet, desde logo pelo extraordinário sucesso deste Curso e naturalmente

Leia mais

PSICOLOGIA B 12º ANO

PSICOLOGIA B 12º ANO PSICOLOGIA B 12º ANO TEXTO DE APOIO ASSUNTO: Piaget Piaget apresenta uma teoria que privilegia o aspecto cognitivo do desenvolvimento, encarado como processo descontínuo, uma evolução por 4 estádios que

Leia mais

C N INTERPRETAÇÃO TÉCNICA Nº 2. Assunto: RESERVA FISCAL PARA INVESTIMENTO Cumprimento das obrigações contabilísticas I. QUESTÃO

C N INTERPRETAÇÃO TÉCNICA Nº 2. Assunto: RESERVA FISCAL PARA INVESTIMENTO Cumprimento das obrigações contabilísticas I. QUESTÃO C N C C o m i s s ã o d e N o r m a l i z a ç ã o C o n t a b i l í s t i c a INTERPRETAÇÃO TÉCNICA Nº 2 Assunto: RESERVA FISCAL PARA INVESTIMENTO Cumprimento das obrigações contabilísticas I. QUESTÃO

Leia mais

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal

Leia mais

NARCIZO, Makchwell Coimbra; BERBERT JUNIOR, Carlos Oiti.

NARCIZO, Makchwell Coimbra; BERBERT JUNIOR, Carlos Oiti. A negação do holocausto vista à luz da Teoria da História: Uma análise dos trabalhos negacionistas enquanto História e suas conseqüências para a epistemologia. (De Rassinier ao Historical Review). NARCIZO,

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Descartes e Hobbes: A questão da subjetividade como ponto de encruzilhada

Descartes e Hobbes: A questão da subjetividade como ponto de encruzilhada 177 Descartes e Hobbes: A questão da subjetividade como ponto de encruzilhada Edgard Vinícius Cacho Zanette * RESUMO Em Descartes, a ligação entre res cogitans e ser sujeito é complexa. A referência a

Leia mais

REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU

REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU Adminisiração. n. 1. vol. I. 1988-1., 13-19 REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU Alexandre Rosa * 1. INTRODUÇÃO A realidade da educação em Macau no final dos anos oitenta é o resultado de um processo

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM.

AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM. AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM. Maria Rafaela de Oliveira Graduanda FECLESC/UECE Géssica Cryslânia da Silva Graduanda FECLESC/UECE Janete Rodrigues de Lima

Leia mais

Aplicações clínicas: Perspectiva desenvolvimental sobre as perturbações do choro da primeira infância (concepção e intervenção)

Aplicações clínicas: Perspectiva desenvolvimental sobre as perturbações do choro da primeira infância (concepção e intervenção) Psicopatologia Cogntivo-Desenvolvimental 2004/05 Aplicações clínicas: Perspectiva desenvolvimental sobre as perturbações do choro da primeira infância (concepção e intervenção) Trabalho elaborado por:

Leia mais

O novo regime jurídico de habilitação para a docência: Uma crítica

O novo regime jurídico de habilitação para a docência: Uma crítica O novo regime jurídico de habilitação para a docência: Uma crítica Ramiro Marques O novo regime jurídico da habilitação para a docência (Decreto Lei nº 43/2007 de 2/2), ao espartilhar o plano de estudos

Leia mais

PARECER N.º 22/CITE/2013. Assunto: Pedido de Flexibilidade de Horário apresentado pela Trabalhadora Entidade Empregadora, S.A Processo n.

PARECER N.º 22/CITE/2013. Assunto: Pedido de Flexibilidade de Horário apresentado pela Trabalhadora Entidade Empregadora, S.A Processo n. PARECER N.º 22/CITE/2013 Assunto: Pedido de Flexibilidade de Horário apresentado pela Trabalhadora Entidade Empregadora, S.A Processo n.º 815 QX/2012 I OBJETO 1.1. Em 5 de setembro de 2012 a CITE recebeu

Leia mais

Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze

Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze Catarina Pombo Nabais No seu último livro, intitulado O que é a Filosofia?, Deleuze e Guattari desenham uma

Leia mais

Como saber se a comunicação verbal é bem sucedida?

Como saber se a comunicação verbal é bem sucedida? Como saber se a comunicação verbal é bem sucedida? Referências: Davidson, Donald, A nice derangement of epitaphs, in Martinich, A. P. (ed.), The Philosophy of Language, Oxford, Oxford University Press,

Leia mais

1 Introdução. definido como aquele que conhece um conjunto de factos linguísticos.

1 Introdução. definido como aquele que conhece um conjunto de factos linguísticos. Capítulo I 19 20 21 1 Introdução 1.1. Motivos que conduziram ao estudo Ser um matemático já não se define como aquele que conhece um conjunto de factos matemáticos, da mesma forma que ser poeta não é definido

Leia mais

! " # $ % %& " ' % % $! & %() % ' % " $*" & #+ " +, % # # + " -.%/ # 0 / # 0 " " 1 / # 0 2 % # " + % # ) # # % 2 % "3 ' 4 # * 5 )#+ %

!  # $ % %&  ' % % $! & %() % ' %  $* & #+  +, % # # +  -.%/ # 0 / # 0   1 / # 0 2 % #  + % # ) # # % 2 % 3 ' 4 # * 5 )#+ % ! # $ & ' $! & () ' $* & #+ +, # # + -./ # 0 / # 0 1 / # 0 2 # + # ) # # 2 3 ' 4 # * 5 )#+ 6 77 7 7( 8 9 #! # $&# ' (( ( ) $ *&*+)9, -+ 9 93 $ & ) )! &! #'(!-# $. $'( /#-##! '-!/.# ( 01! + : # 3 + $#-!

Leia mais

Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905)

Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905) Textos / Seminário de Orientação - 12 de Março de 2005 - Fernando Janeiro Algumas vantagens da Teoria das Descrições Definidas (Russel 1905) Assume-se que o objecto de uma teoria semântica é constituído

Leia mais

A troca consiste no acto de obtermos qualquer coisa que desejamos, oferecendo algo desejado pela outra parte, em compensação. A necessidade de trocar

A troca consiste no acto de obtermos qualquer coisa que desejamos, oferecendo algo desejado pela outra parte, em compensação. A necessidade de trocar O Departamento Comercial desempenha um papel importante no apoio a promotores e vendedores, emitindo regularmente relatórios informativos e estimativas de vendas, de modo a que estes acompanhem o curso

Leia mais

A única forma de tirar vantagem de um debate é evitá-lo. Dale Carnegie.

A única forma de tirar vantagem de um debate é evitá-lo. Dale Carnegie. A única forma de tirar vantagem de um debate é evitá-lo. Dale Carnegie. Ouve-se que é preciso debater à exaustão determinado tema conflitante, para chegar-se a um consenso. Há nesta corriqueira afirmação

Leia mais

FAZEMOS MONOGRAFIA PARA TODO BRASIL, QUALQUER TEMA! ENTRE EM CONTATO CONOSCO!

FAZEMOS MONOGRAFIA PARA TODO BRASIL, QUALQUER TEMA! ENTRE EM CONTATO CONOSCO! FAZEMOS MONOGRAFIA PARA TODO BRASIL, QUALQUER TEMA! ENTRE EM CONTATO CONOSCO! DEFINIÇÃO A pesquisa experimental é composta por um conjunto de atividades e técnicas metódicas realizados para recolher as

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

O problema do mundo externo*

O problema do mundo externo* O problema do mundo externo* George Pappas Tradução: Jaimir Conte Um mundo externo, como os filósofos têm usado o termo, não é algum planeta distante externo à Terra. O mundo externo tampouco é, estritamente

Leia mais

Prática Processual Civil II 7 Julho de 2006. Considere a hipótese seguinte e responda às questões colocadas:

Prática Processual Civil II 7 Julho de 2006. Considere a hipótese seguinte e responda às questões colocadas: Prática Processual Civil II 7 Julho de 2006 Considere a hipótese seguinte e responda às questões colocadas: Numa acção executiva baseada em sentença proferida em 20/01/2006 (que julgou a acção totalmente

Leia mais

Cap. 3 - O PRAZER E A DOR EM ARISTÓTELES Ramiro Marques

Cap. 3 - O PRAZER E A DOR EM ARISTÓTELES Ramiro Marques Cap. 3 - O PRAZER E A DOR EM ARISTÓTELES Ramiro Marques Aristóteles define prazer como "um certo movimento da alma e um regresso total e sensível ao estado natural" (1). A dor é o seu contrário. O que

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Parece-me importante ter em conta a concomitância destes três factores, mas:

Parece-me importante ter em conta a concomitância destes três factores, mas: CRISE E TRANSFORMAÇÃO INTRODUÇÃO Como indivíduo, sociedade, civilização e ecossistema, estamos em tempos de crise e, portanto, de mudança. Procurando identificar os principais agentes desta mudança actualizo

Leia mais

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados Norma contabilística e de relato financeiro 14 Concentrações de actividades empresariais Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Relato Financeiro IFRS 3

Leia mais

POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS

POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS 13.1 - Aspectos preliminares As demonstrações financeiras consolidadas constituem um complemento e não um substituto das demonstrações financeiras individuais

Leia mais

3. Argumentação e Filosofia

3. Argumentação e Filosofia 3. Argumentação e Filosofia 3.2. Persuasão e manipulação ou os dois usos da retórica Aristóteles A retórica assume um estatuto diferente daquele que lhe atribuíram Sócrates e Platão. A retórica torna-se

Leia mais

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94)

DIAS 94. de Claudio Simões (1990 / 94) DIAS 94 de Claudio Simões (1990 / 94) 2 PERSONAGENS São cinco personagens identificadas apenas por números. Não têm gênero definido, podendo ser feitas por atores ou atrizes. As frases em que falam de

Leia mais

Ética no exercício da Profissão

Ética no exercício da Profissão Titulo: Ética no exercício da Profissão Caros Colegas, minhas Senhoras e meus Senhores, Dr. António Marques Dias ROC nº 562 A nossa Ordem tem como lema: Integridade. Independência. Competência. Embora

Leia mais

QUATRO OBJEÇÕES DE JOHN SEARLE AO COGNITIVISMO

QUATRO OBJEÇÕES DE JOHN SEARLE AO COGNITIVISMO QUATRO OBJEÇÕES DE JOHN SEARLE AO COGNITIVISMO RODRIGO CANAL 1 RESUMO: Cognitivismo é uma tendência recente da Ciência Cognitiva que defende que o computador fornece uma imagem correta da natureza do mental,

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IFRS 3 Concentrações

Leia mais

Proposta de revisão do modelo de avaliação de desempenho de docentes

Proposta de revisão do modelo de avaliação de desempenho de docentes Proposta de revisão do modelo de avaliação de desempenho de docentes 1 II Avaliação de desempenho 1. Introdução A adopção de um modelo de avaliação de desempenho de docentes pressupõe, para a FNE, a consideração

Leia mais

CLÁUSULAS NULAS NOS CONTRATOS DE TRANSPORTE PERDA DE CONCURSO DEVIDO A ATRASO OBRIGA A INDEMNIZAR DANOS

CLÁUSULAS NULAS NOS CONTRATOS DE TRANSPORTE PERDA DE CONCURSO DEVIDO A ATRASO OBRIGA A INDEMNIZAR DANOS CLÁUSULAS NULAS NOS CONTRATOS DE TRANSPORTE PERDA DE CONCURSO DEVIDO A ATRASO OBRIGA A INDEMNIZAR DANOS Void clauses in transport contracts NOTICE OF LOSS DUE TO DELAY DAMAGES obliged to indemnify 1 Nuno

Leia mais

Filosofia Prof. Frederico Pieper Pires

Filosofia Prof. Frederico Pieper Pires Filosofia Prof. Frederico Pieper Pires Teoria do conhecimento - David Hume e os limites do conhecimento Objetivos Compreender as principais escolas da teoria do conhecimento da modernidade. Discutir a

Leia mais

ESTATÍSTICAS, O ABECEDÁRIO DO FUTURO

ESTATÍSTICAS, O ABECEDÁRIO DO FUTURO ESTATÍSTICAS, O ABECEDÁRIO DO FUTURO Maria João Valente Rosa Membro do Conselho Superior de Estatística; Professora Universitária da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas/ Universidade Nova de Lisboa;

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DISTRITAL DE LISBOA Coadjuvação Outubro 2012. Estudo sobre a atuação do Ministério Público face à Lei 5/2008, de 12/02

PROCURADORIA-GERAL DISTRITAL DE LISBOA Coadjuvação Outubro 2012. Estudo sobre a atuação do Ministério Público face à Lei 5/2008, de 12/02 PROCURADORIA-GERAL DISTRITAL DE LISBOA Coadjuvação Outubro 2012 Estudo sobre a atuação do Ministério Público face à Lei 5/2008, de 12/02 A Lei n.º 5/2008, de 12 de Fevereiro, aprovou a criação de uma base

Leia mais

Tempo Histórico e Tempo Lógico na Interpretação dos Sistemas Filosóficos

Tempo Histórico e Tempo Lógico na Interpretação dos Sistemas Filosóficos Tempo Histórico e Tempo Lógico na Interpretação dos Sistemas Filosóficos Victor Goldschmidt Parece que haveria duas maneiras distintas de interpretar um sistema; ele pode ser interrogado, seja sobre sua

Leia mais

CAUSALIDADE E MECÂNICA QUÂNTICA EM WESLEY SALMON

CAUSALIDADE E MECÂNICA QUÂNTICA EM WESLEY SALMON CAUSALIDADE E MECÂNICA QUÂNTICA EM WESLEY SALMON Eduardo Antonio Pitt Mestrando em Filosofia pela UFMG Resumo: O objetivo do artigo é apresentar a teoria da causalidade de Wesley Salmon e a proposta desse

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

T O U R O : R E V E L A Ç Ã O D A N O VA L U Z E M E R G E N T E

T O U R O : R E V E L A Ç Ã O D A N O VA L U Z E M E R G E N T E PLENILÚNIO DE TOURO (Lua Cheia 14/5/2014 às 16h16 hora local de Argentina e Brasil) T O U R O : R E V E L A Ç Ã O D A N O VA L U Z E M E R G E N T E Desenvolvimento e revelação ou (se preferirem) uma revelação

Leia mais

HAQUE, Usman. Arquitetura, Interação e Sistemas. Revista AU, disponível em: http://www.revistaau.com.br/edicoes/149/artigo26764 2.

HAQUE, Usman. Arquitetura, Interação e Sistemas. Revista AU, disponível em: http://www.revistaau.com.br/edicoes/149/artigo26764 2. HAQUE, Usman. Arquitetura, Interação e Sistemas. Revista AU, disponível em: http://www.revistaau.com.br/edicoes/149/artigo26764 2.asp Interseção ARQUITETURA, INTERAÇÃO E SISTEMAS 'A arquitetura não pode

Leia mais

A organização dos meios humanos na empresa

A organização dos meios humanos na empresa António Malta A organização dos meios humanos na empresa 1. Para poder desempenhar a sua função económica geral produção de bens ou prestação de serviços a empresa tem necessariamente que contar com uma

Leia mais

OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO 1 OS CANAIS DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO PÓS LDB 9394/96: COLEGIADO ESCOLAR E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Leordina Ferreira Tristão Pedagogia UFU littledinap@yahoo.com.br Co

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1)

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) 1/9 O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) Susana Alcina Ribeiro Pinto Docente da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras

Leia mais

UMA DEFESA DO NECESSÁRIO A POSTERIORI

UMA DEFESA DO NECESSÁRIO A POSTERIORI Maria Bouça UMA DEFESA DO NECESSÁRIO A POSTERIORI Dissertação de Mestrado em Filosofia da Linguagem e da Consciência apresentada à Faculdade de Letras de Lisboa 1999 INTRODUÇÃO O tema desta dissertação

Leia mais

O REAL DO DISCURSO NA REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA NA ESCRITA DA CIÊNCIA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS.

O REAL DO DISCURSO NA REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA NA ESCRITA DA CIÊNCIA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS. O REAL DO DISCURSO NA REPRESENTAÇÃO DA SOCIEDADE BRASILEIRA NA ESCRITA DA CIÊNCIA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS. Carolina de Paula Machado 1 A análise semântica de uma palavra, que não se paute por uma visão formal,

Leia mais

CLM Consultoria Atuarial Ltda.

CLM Consultoria Atuarial Ltda. 1 GOVERNO E FUNDOS DE PENSÃO O DESESTÍMULO À POUPANÇA PREVIDENCIÁRIA Eis que o Governo Lula convoca os fundos de pensão das estatais para se tornarem parceiros no desenvolvimento. A idéia de utilização

Leia mais

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS O JOGO SEGUNDO A TEORIA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO DE WALLON Cleudo Alves Freire Daiane Soares da Costa Ronnáli da Costa Rodrigues Rozeli Maria de Almeida Raimunda Ercilia Fernandes S. de Melo Graduandos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A multa e a penhora on line como formas de efetivar a antecipação de soma em dinheiro Luiz Guilherme Marinoni* 1. O uso da multa Como é óbvio, a tutela antecipatória de soma supõe

Leia mais

Comentário ao Acórdão do Tribunal da Relação do Porto, de 10 de Julho de 2013

Comentário ao Acórdão do Tribunal da Relação do Porto, de 10 de Julho de 2013 Uma no cravo, outra na ferradura Por Catarina Lima Soares* PALAVRAS-CHAVE: álcool, despedimento, justa causa, reserva da vida privada Comentário ao Acórdão do Tribunal da Relação do Porto, de 10 de Julho

Leia mais

SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO DA PUBLICIDADE na área dos seguros e fundos de pensões

SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO DA PUBLICIDADE na área dos seguros e fundos de pensões SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO DA PUBLICIDADE na área dos seguros e fundos de pensões PAULA ALVES 1 1 Departamento de Relações com os Consumidores O Instituto de Seguros de Portugal (ISP) iniciou, em Agosto

Leia mais

filosofia contemporânea

filosofia contemporânea filosofia contemporânea carlos joão correia 2014-2015 1ºSemestre John Perry Um amnésico, de nome Rudolf Lingens, perde-se na biblioteca da [Universidade] de Stanford. Lê várias coisas na biblioteca, incluindo

Leia mais

Acórdão do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Rugby

Acórdão do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Rugby Acórdão do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Rugby Processo CJ n.º: 38/2015 Jogo: Recorrente Relator: GD Direito / CDUL (Campeonato da Divisão de Honra) Lino António Salema Noronha Tudela

Leia mais

Regulamento dos cursos de segundo ciclo integrado na FCTUC

Regulamento dos cursos de segundo ciclo integrado na FCTUC Regulamento dos cursos de segundo ciclo integrado na FCTUC Autorizado na reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico de 2006-10-09, na reunião do Conselho Directivo de 2006-10-13 e na reunião

Leia mais

REGULAMENTO DA AGMVM N.º 3/2012 NORMALIZAÇÃO DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA

REGULAMENTO DA AGMVM N.º 3/2012 NORMALIZAÇÃO DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA REGULAMENTO DA AGMVM N.º 3/2012 NORMALIZAÇÃO DE INFORMAÇÃO FINANCEIRA A informação de natureza económico-financeira exige o controlo e a revisão por parte de entidades idóneas, independentes e isentas.

Leia mais

IMS Health. Carlos Mocho. General Manager. www.imshealth.com

IMS Health. Carlos Mocho. General Manager. www.imshealth.com IMS Health Carlos Mocho General Manager www.imshealth.com Q. A IMS tem actividade em Portugal e Fale-nos um pouco da actividade da empresa? R. A IMS Portugal iniciou em Portugal no inicio deste ano (2008),

Leia mais

Construção, desconstrução e reconstrução do ídolo: discurso, imaginário e mídia

Construção, desconstrução e reconstrução do ídolo: discurso, imaginário e mídia Construção, desconstrução e reconstrução do ídolo: discurso, imaginário e mídia Hulda Gomides OLIVEIRA. Elza Kioko Nakayama Nenoki do COUTO. Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Letras. huldinha_net@hotmail.com

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação ASSUNTO: Consulta sobre os artigos 23 e 24 da Lei 9394/96 RELATOR: Arthur Fonseca

Leia mais