Contextualismo e anti-contextualismo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contextualismo e anti-contextualismo"

Transcrição

1 Contextualismo e anti-contextualismo Referências: Cappelen, Herman, and Lepore, Ernie, Insensitive Semantics, Oxford, Blackwell, Kaplan, David, Demonstratives, in Almog, J., Perry, J., and Wettstein, H. (eds.), Themes from Kaplan, Oxford, Oxford University Press, 1989, pp Récanati, François, Literal Meaning, Cambridge, Cambridge University Press, Searle, John, The background of meaning, in Searle, J., Kiefer, F., and Bierwisch, M. (eds.), Speech Act Theory and Pragmatics, Dordrecht, Reidel, 1980, pp Travis, Charles, Pragmatics, in Hale, Bob, and Wright, Crispin (eds.), A Companion to the Philosophy of Language, Oxford, Blackwell, 1997, pp Récanati: Questão básica diz respeito ao estatuto do conteúdo verocondicional (i.e., identificado de acordo com as condições de verdade). Ele é uma propriedade das frases (em abstracto) ou dos actos de fala (elocuções em contexto)? 1

2 Anti-contextualistas tendem a favorecer a primeira resposta; contextualistas tendem a favorecer a segunda. Contrariamente ao que se passa nas linguagens formais, a significação nas línguas naturais é fortemente dependente do contexto. Para os contextualistas, isto implica que as frases das línguas naturais não têm condições de verdade determinadas (independentemente da sua elocução num contexto determinado). Já os anti-contextualistas, embora reconheçam essa diferença entre as linguagens formais e as línguas naturais, consideram que é possível proceder a idealizações legítimas para explicar a significação. Idealização anti-contextualista: Para cada enunciado que pode ser proferido num contexto particular com o uso de uma frase com expressões sensíveis ao contexto, há uma frase eterna que pode ser utilizada para proferir o mesmo enunciado em qualquer contexto. 2

3 Exemplo simples: João disse que está a chover. corresponderia (grosso modo) à frase eterna João Fernandes Moreira, nascido no Porto no dia 19 de Junho de 1984 às 16h15min, disse em Lisboa no dia 17 de Maio de 2005 às 15h00 que está a chover em Lisboa no dia 17 de Maio de 2005 às 15h00. que seria verocondicional em qualquer contexto. Uma primeira resposta contextualista radical (inspirada em Searle e Travis): Mesmo se considerarmos fixos os valores semânticos das expressões mais obviamente sensíveis ao contexto (como o nome próprio João e o tempo do verbo estar no Presente do Indicativo), ainda assim a alegada frase eterna estaria sub-especificada. Por exemplo, o que conta como chover? Apenas algumas gotas? Por quanto tempo? etc. E em Lisboa? Abrange toda a cidade de Lisboa? Apenas alguns bairros? A região da Grande Lisboa? etc. 3

4 O argumento contextualista é o de que, para cada especificação que aparentemente completa o enunciado e o transforma numa frase eterna, pode-se gerar outras questões que levarão a outras especificações, etc. Um argumento apresentado por Récanati a favor do contextualismo (inspirado em Lewis): certas expressões com o mesmo significado terão valores de verdade diferentes em diferentes contextos, dependendo do padrão de precisão vigente. Por exemplo: A França é hexagonal. Basicamente, a querela entre contextualistas e anticontextualistas diz respeito à seguinte questão: O significado determina as condições de verdade? Para o contextualista, a resposta é não : os factores necessários para se considerar um enunciado como verdadeiro ou falso ultrapassam a mera significação linguística da frase proferida. 4

5 Para o anti-contextualista, a resposta é sim : os factores necessários para se considerar um enunciado como verdadeiro ou falso esgotam-se na significação da frase proferida. Exemplo de argumento contextualista: Searle Considere-se as seguintes frases: 1. O João cortou a relva. 2. O barbeiro cortou o cabelo do António. 3. A Maria cortou o bolo. 4. O Pedro cortou as unhas. 5. O alfaiate cortou o tecido Em todos esses casos, compreendemos o verbo cortar com o mesmo significado literal e sem ambiguidade. No entanto, a palavra vai determinar diferentes condições de verdade (ou mais geralmente, condições de satisfação) nas diferentes frases em que aparece. 5

6 Uma forma de compreender isto é imaginar o que é que constitui obedecer a ordem para cortar alguma coisa. Se alguém me diz para cortar a relva e eu corro e a golpeio com uma faca, ou se me mandam cortar o bolo e eu utilizo um cortador de relva, em cada um desses casos eu não obedeci a ordem. Pois não foi isto que o falante quis dizer pela sua enunciação literal e séria da frase. (Searle, The background of meaning, 1980) Como explicar isto? Através do conceito de Background. A razão pela qual o mesmo conteúdo semântico, cortar, determina diferentes conjuntos de condições de verdade nestas diferentes frases deriva, não de algum tipo de ambiguidade semântica, mas antes do facto de que, como membros da nossa cultura, nós compreendemos o enunciado literal e a frase com base num background de informação sobre como a natureza e a nossa cultura funcionam. Um background de práticas, instituições, factos, regularidades e maneiras de fazer as coisas é assumido por falantes e ouvintes quando uma destas frases é proferida ou compreendida. (Searle) 6

7 Conclusão: devemos abandonar a ideia de que o significado de uma frase determina um conjunto de condições de verdade. Segundo Searle, o significado literal de uma frase somente determina um conjunto de condições de verdade tendo em conta conjunto de práticas e suposições num background. Assim, conforme os diferentes backgrounds em que é proferida uma frase, diferentes condições de verdade poderão ser determinadas. A determinação das condições de verdade é, basicamente, não-semântica (e mesmo não-linguística ). No limite, todas as expressões são sensíveis ao contexto. 7

8 Anti-contextualismo: a posição minimalista (Cappelen & Lepore) Reconhece-se a existência de expressões sensíveis ao contexto, mas em número reduzido. Basicamente, Pronomes como eu, tu, você, ele, meu, sua Demonstrativos como este, isto, aquilo Advérbios como aqui, agora, amanhã, ontem Adjectivos como presente Esta lista constitui o conjunto básico de expressões sensíveis ao contexto tal como proposto por David Kaplan em Demonstratives (1989). É importante notar que embora essas expressões sejam sensíveis ao contexto, o seu significado não muda. O que varia com o contexto é o referente que será identificado pela expressão. Por exemplo, o significado de Eu (ou o que Kaplan chama carácter ) é uma regra que indica que, quando utilizado, o pronome refere o falante/comunicador. Assim, o que Kaplan chama o conteúdo desta frase pode variar em diferentes contextos consoante o falante que a profere: 8

9 Eu estou muito contente Mas o significado é o mesmo. Aliás, é com base nesta regra que somos capazes de utilizar apropriadamente pronomes e outras expressões sensíveis ao contexto. Para Cappelen & Lepore, as únicas expressões sensíveis ao contexto são as que compõem o conjunto básico proposto por Kaplan. O significado determina as condições de verdade, através da descitação (disquotation): A frase A neve é branca é verdadeira se, e só se, a neve é branca. A frase Está a chover em Lisboa é verdadeira se, e só se, está a chover em Lisboa. A frase O João pesa 80 kg é verdadeira se, e só se, o João pesa 80 kg. A frase A Marta é alta é verdadeira se, e só se, a Marta é alta. 9

10 Cappelen & Lepore propõem alguns testes para averiguar se uma expressão é ou não sensível ao contexto: Teste 1 Relatos indirectos por descitação intercontextual Contexto 1: (Cavaco Silva:) Eu não tenho dúvidas e nunca me engano. Contexto 2: (relato indirecto:) Cavaco Silva disse que eu não tenho dúvidas e nunca me engano. O relato no contexto 2 é falso. A expressão Eu, como é sensível ao contexto, bloqueia a sua inclusão num relato indirecto. Para que o relato indirecto seja verdadeiro, é necessário ajustar a expressão sensível ao contexto. Assim, um relato indirecto verdadeiro seria: Cavaco Silva disse que (ele) não tem dúvidas e nunca se engana. Assim, as expressões sensíveis ao contexto bloqueiam os relatos indirectos por descitação intercontextual. 10

11 Se uma expressão não bloqueia esses relatos, ela é insensível ao contexto. Exemplo: O João está pronto. A expressão pronto é considerada sensível ao contexto pelos contextualistas, já que é necessário especificar para que o João está pronto. No entanto, ela não causa bloqueios. Contexto 1: Maria diz O João está pronto no contexto de uma conversa em que se procura saber quais os alunos que estão prontos para o exame. Contexto 2: Maria diz O João está pronto no contexto de uma situação em que três pessoas estão a prepararse para sair à noite (O João é uma delas). Contexto 3: (relato indirecto:) Em C1 e C2, a Maria disse que o João está pronto. 11

12 Segundo Cappelen & Lepore, o relato indirecto em C3 é verdadeiro. Isto é, uma pessoa pode relatar indirectamente o que a Maria disse nos outros dois contextos, sem necessidade de ajustar uma qualquer expressão sensível ao contexto (o que seria supostamente o caso de pronto ). Teste 2 Bloqueio de descrições colectivas Expressões sensíveis ao contexto bloqueiam a sua inclusão (sem ajustes) numa descrição colectiva. Contexto 1: (dia 15 de Maio:) Ontem o Roberto foi embora. Contexto 2: (dia 16 de Maio:) Ontem o Dr. Golgi foi embora. Contexto 3: (descrição colectiva no dia 17 de Maio:) Ontem o Roberto e o Dr. Golgi foram embora. É incorrecto relatar a data da partida de Roberto e do Dr. Golgi como ontem, dado que Roberto partiu dois dias antes. 12

13 Exemplo de expressão insensível ao contexto: o João pesa 80 kg. Contexto 1: O João é o primeiro astronauta português a pisar a Lua. Ele é obcecado com o peso e leva consigo uma balança extremamente precisa. Vestido com o fato de astronauta, ele pesa-se e a balança regista 80 kg. O António (o segundo astronauta português a pisar a Lua, e que está ao seu lado) diz ao Jorge (o terceiro astronauta português, etc.): O João pesa 80 kg. Contexto 2: O Alberto está em casa, em Lisboa. Acabou de acordar, ainda não tomou o pequeno-almoço e foi nu até à casa de banho para se pesar. A balança, que é extremamente precisa, regista 80 kg. A sua mulher, Maria, observa a situação e diz à sua amiga Marta: O Alberto pesa 80 kg. Contexto 3: (descrição colectiva:) O João e o Alberto pesam 80 kg. Para Cappelen & Lepore, a descrição colectiva em C3 é verdadeira, independentemente das circunstâncias em que se deram as pesagens. 13

Austin: dizer é fazer

Austin: dizer é fazer Austin: dizer é fazer Referências: Austin, John L., How to do Things with Words, Oxford, Oxford University Press, 1975. Rodrigues, Adriano, A Partitura Invisível, Lisboa, Colibri, 2001. Searle, John, Speech

Leia mais

Searle: Intencionalidade

Searle: Intencionalidade Searle: Intencionalidade Referências: Searle, John, The background of meaning, in Searle, J., Kiefer, F., and Bierwisch, M. (eds.), Speech Act Theory and Pragmatics, Dordrecht, Reidel, 1980, pp 221-232.

Leia mais

Possibilidade relativa

Possibilidade relativa Page 1 of 7 criticanarede.com ISSN 1749-8457 30 de Setembro de 2003 Metafísica e lógica filosófica Possibilidade relativa Três concepções Desidério Murcho Segundo a concepção de Bob Hale (1997) e Ian McFetridge

Leia mais

filosofia contemporânea

filosofia contemporânea filosofia contemporânea filosofia contemporânea carlos joão correia 2015-2016 o 1ºSemestre Pensa que tem livre-arbítrio? Não sei, realmente não sei. E a razão pela qual não sei é que eu não sei o que significa

Leia mais

Grice, o que é dito e o que é comunicado

Grice, o que é dito e o que é comunicado Grice, o que é dito e o que é comunicado Referências: Grice, Paul, Logic and conversation, in Studies in the Way of Words, Cambridge (Mas.), Harvard University Press, 1989, pp 22-40. Grice, Paul, Meaning,

Leia mais

Donald Davidson e a objetividade dos valores

Donald Davidson e a objetividade dos valores Donald Davidson e a objetividade dos valores Paulo Ghiraldelli Jr. 1 Os positivistas erigiram sobre a distinção entre fato e valor o seu castelo. Os pragmatistas atacaram esse castelo advogando uma fronteira

Leia mais

Conteúdos: Pronomes possessivos e demonstrativos

Conteúdos: Pronomes possessivos e demonstrativos Conteúdos: Pronomes possessivos e demonstrativos Habilidades: Reconhecer os pronomes demonstrativos como marca em relação à posição, ao espaço e ao tempo no texto; Habilidades: Compreender os pronomes

Leia mais

O argumento de Kripke contra o materialismo identitativo particular-particular

O argumento de Kripke contra o materialismo identitativo particular-particular Universidade Clássica de Lisboa Faculdade de Letras Departamento Filosofia Mestrado SEMINÁRIO DE ORIENTAÇÃO I Ano lectivo 2004-2005 O argumento de Kripke contra o materialismo identitativo particular-particular

Leia mais

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO.

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. Ac. Denise Carla de Deus (PIBIC/CNPq/UFSJ 2000-2002) Orientadora: Prof. Dra. Marilúze Ferreira Andrade e Silva

Leia mais

Introdução à Lingüística Cognitiva. Teorias Lingüísticas II Prof. Márcio Leitão

Introdução à Lingüística Cognitiva. Teorias Lingüísticas II Prof. Márcio Leitão Introdução à Lingüística Cognitiva Teorias Lingüísticas II Prof. Márcio Leitão Confronto com a teoria gerativa (Martelotta & Palomares, 2008) Nega a autonomia da sintaxe e o caráter formal da linguagem

Leia mais

PROVA ERASMUS DA LINGUA PORTUGUESA 25 DE ABRIL DE 2014 25 DE ABRIL DE 2014

PROVA ERASMUS DA LINGUA PORTUGUESA 25 DE ABRIL DE 2014 25 DE ABRIL DE 2014 PROVA ERASMUS DA LINGUA PORTUGUESA 25 DE ABRIL DE 2014 Nome completo: 25 DE ABRIL DE 2014 PARTE 1: Compreensão da leitura e expressão escrita 1. Leia o seguinte texto e responda com verdadeiro ou falso

Leia mais

RAFAEL RIBEIRO SILVA PROJETO DE PESQUISA Linha de Pesquisa: Metafísica e Epistemologia

RAFAEL RIBEIRO SILVA PROJETO DE PESQUISA Linha de Pesquisa: Metafísica e Epistemologia RAFAEL RIBEIRO SILVA PROJETO DE PESQUISA Linha de Pesquisa: Metafísica e Epistemologia Salvador 2010 RAFAEL RIBEIRO SILVA ASCE SÃO SEMÂ TICA E O PRI CÍPIO DO CO TEXTO A OBRA DE MICHAEL DUMMETT Salvador

Leia mais

Surdez: Desafios para o Próximo Milênio Mônica Pereira dos Santos 1

Surdez: Desafios para o Próximo Milênio Mônica Pereira dos Santos 1 Surdez: Desafios para o Próximo Milênio Mônica Pereira dos Santos 1 Introdução O presente trabalho objetiva se constituir em um ensaio a respeito das contradições com que o discurso pela igualdade se reflete

Leia mais

1.000 Receitas e Dicas Para Facilitar a Sua Vida

1.000 Receitas e Dicas Para Facilitar a Sua Vida 1.000 Receitas e Dicas Para Facilitar a Sua Vida O Que Determina o Sucesso de Uma Dieta? Você vê o bolo acima e pensa: Nunca poderei comer um doce se estiver de dieta. Esse é o principal fator que levam

Leia mais

Português Língua Estrangeira Teste (50 horas)

Português Língua Estrangeira Teste (50 horas) Português Língua Estrangeira Teste (50 horas) Nome: Data: A Importa-se de responder a umas perguntas? Está bem. Obrigado. 1 Como é que se chama? 2 O que é que faz? 3 Vive aqui agora? 4 Há quanto tempo

Leia mais

Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter-

Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter- Algumas definições Sistema de signos socializado. Remete à função de comunicação da linguagem. Sistema de signos: conjunto de elementos que se determinam em suas inter- relações. O sentido de um termo

Leia mais

Uma das atribuições da ciência da informação é construir teorias e elaborar

Uma das atribuições da ciência da informação é construir teorias e elaborar A linguagem como meio de representação ou de comunicação da informação* Maria Salet Ferreira Novellino** Tradicionalmente, a representação e a recuperação da informação têm sido instrumentalizadas por

Leia mais

Casamentos gay. Jornal Público (excerto)

Casamentos gay. Jornal Público (excerto) Casamentos gay Jornal Público (excerto) As uniões de casais homossexuais já podem ser registadas legalmente no Reino Unido, concedendo-se aos parceiros exactamente os mesmos direitos e responsabilidades

Leia mais

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS No Processo Penal Português está plasmado o princípio da suficiência daquele, o qual, nos termos do disposto no artigo 7.º, n.º 1, CPP, prevê

Leia mais

A SENSITIVA E A MULHER MACACO

A SENSITIVA E A MULHER MACACO A SENSITIVA E A MULHER MACACO Esquetes cômicos de Luís Alberto de Abreu CENA ÚNICA A AÇÃO SE PASSA NO INTERIOR DE UM ÔNIBUS. ENTRA UM APRESEN- TADOR. Silêncio. Um momento de silêncio por favor. Essa é

Leia mais

Sessão 2: Gestão da Asma Sintomática. Melhorar o controlo da asma na comunidade.]

Sessão 2: Gestão da Asma Sintomática. Melhorar o controlo da asma na comunidade.] Sessão 2: Gestão da Asma Sintomática Melhorar o controlo da asma na comunidade.] PROFESSOR VAN DER MOLEN: Que importância tem para os seus doentes que a sua asma esteja controlada? DR RUSSELL: É muito

Leia mais

Miguel Poiares Maduro. Ministro-Adjunto e do Desenvolvimento Regional. Discurso na Tomada de Posse do Presidente da Comissão de

Miguel Poiares Maduro. Ministro-Adjunto e do Desenvolvimento Regional. Discurso na Tomada de Posse do Presidente da Comissão de Miguel Poiares Maduro Ministro-Adjunto e do Desenvolvimento Regional Discurso na Tomada de Posse do Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento da Região Norte CCDR Norte Lisboa, 09 de agosto

Leia mais

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa O PASTOR AMOROSO Alberto Caeiro Fernando Pessoa Este texto foi digitado por Eduardo Lopes de Oliveira e Silva, no Rio de Janeiro, em maio de 2006. Manteve-se a ortografia vigente em Portugal. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Gramática e ensino do português

Gramática e ensino do português Ação de formação Gramática e ensino do português Filomena Viegas Funções sintáticas na frase Sujeito [[Os meus primos] vivem em Santarém. [Esse rapaz alto que tu conheces] estudou no Porto. Chegaram [os

Leia mais

Todos os dias Leitura: atividades

Todos os dias Leitura: atividades Todos os dias Leitura: atividades 1. Escreva Certo (C) ou Errado (E) para as afirmações a seguir. A) O marido acorda a esposa todos os dias de manhã. ( ) B) Às seis da tarde ele volta para casa depois

Leia mais

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes

Imagens de professores e alunos. Andréa Becker Narvaes Imagens de professores e alunos Andréa Becker Narvaes Inicio este texto sem certeza de poder concluí-lo de imediato e no intuito de, ao apresentá-lo no evento, poder ouvir coisas que contribuam para continuidade

Leia mais

ANEXO IV Programas de Língua Portuguesa do Ensino Secundário em Cabo Verde

ANEXO IV Programas de Língua Portuguesa do Ensino Secundário em Cabo Verde ANEXO I - O conjuntivo: paradigmas e exercícios ANEXO II - Produções escritas dos aprendentes ANEXO III Formulário ANEXO IV Programas de Língua Portuguesa do Ensino Secundário em Cabo Verde 1 ANEXO I -

Leia mais

filosofia contemporânea

filosofia contemporânea filosofia contemporânea carlos joão correia 2014-2015 1ºSemestre John Perry Um amnésico, de nome Rudolf Lingens, perde-se na biblioteca da [Universidade] de Stanford. Lê várias coisas na biblioteca, incluindo

Leia mais

Afonso levantou-se de um salto, correu para a casa de banho, abriu a tampa da sanita e vomitou mais uma vez. Posso ajudar? perguntou a Maria,

Afonso levantou-se de um salto, correu para a casa de banho, abriu a tampa da sanita e vomitou mais uma vez. Posso ajudar? perguntou a Maria, O Afonso levantou-se de um salto, correu para a casa de banho, abriu a tampa da sanita e vomitou mais uma vez. Posso ajudar? perguntou a Maria, preocupada, pois nunca tinha visto o primo assim tão mal

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE ESCRIVÃO POLÍCIA CIVIL RACIOCÍNIO LÓGICO Prof. André Lessa. Prova aplicada em 16/03/2014 pela Vunesp. Versão 3.

COMENTÁRIO DA PROVA DE ESCRIVÃO POLÍCIA CIVIL RACIOCÍNIO LÓGICO Prof. André Lessa. Prova aplicada em 16/03/2014 pela Vunesp. Versão 3. COMENTÁRIO DA PROVA DE ESCRIVÃO POLÍCIA CIVIL RACIOCÍNIO LÓGICO Prof. André Lessa. Prova aplicada em 16/03/2014 pela Vunesp. Versão 3. Questão 71 Alternativa D Proposições são frases declarativas que só

Leia mais

Oficina de Gramática Regência Verbal: Preposição A Conceição Siopa (2015) Guião de Correcção

Oficina de Gramática Regência Verbal: Preposição A Conceição Siopa (2015) Guião de Correcção Oficina de Gramática Regência Verbal: Preposição A Conceição Siopa (2015) Guião de Correcção 1. Texto: elucidaram os cidadãos Estrutura: Verbo - elucidaram; complemento verbal os cidadãos Texto: Alertaram

Leia mais

Uma globalização consciente

Uma globalização consciente Uma globalização consciente O apelo a uma globalização mais ética tornou se uma necessidade. Actores da globalização como as escolas, devem inspirar por estes valores às responsabilidades que lhes são

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

TALKING ABOUT THE PRESENT TIME

TALKING ABOUT THE PRESENT TIME Aula8 TALKING ABOUT THE PRESENT TIME META Apresentar o presente contínuo, chamado de present continuous ou present progressive em inglês, nas suas três formas, afi rmativa, negativa e interrogativa, numa

Leia mais

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil Sugestão: estes exercícios devem ser feitos depois de estudar a Unidade 6 por completo do livrotexto Muito Prazer Unidade 6 I Ir Preposição para + artigo Preposição a + artigo Eu vou Para + o = para o

Leia mais

Rita FigueiRas * O seu mais recente livro, publicado em 2004, intitula-se Taking Journa- lism Seriously

Rita FigueiRas * O seu mais recente livro, publicado em 2004, intitula-se Taking Journa- lism Seriously Comunicação & Cultura, n.º 4, 2007, pp. 177-183 Entrevista a Barbie Zelizer Rita Figueiras * Barbie Zelizer é uma das mais notáveis investigadoras da actualidade na área do jornalismo e cultura. É professora

Leia mais

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Brasília-DF, 30 de outubro de 2006 Jornalista Ana Paula Padrão: Então vamos às perguntas, agora ao vivo, com

Leia mais

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO FAÇA ACONTECER AGORA MISSÃO ESPECIAL SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO RENATA WERNER COACHING PARA MULHERES Página 1 Q ue Maravilha Começar algo novo

Leia mais

Pretérito Imperfeito do Indicativo

Pretérito Imperfeito do Indicativo Pretérito Imperfeito do Indicativo eu tu você ele ela nós vós vocês eles elas Pretérito Imperfeito do Indicativo formas -ar falava falavas falava falávamos faláveis falavam Verbos regulares -er / -ir comia

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Actos de Fala Quadro Geral Significado e contexto

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens

Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Nem tudo o que parece, é! Estereótipos de género, os meios de comunicação social, as e os jovens Senhora Presidente da CIG, Caras parceiras e parceiro de mesa, Caras senhoras e caros senhores, É com grande

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 61 Discurso na cerimónia de criação

Leia mais

IUCN Red List Categories - Version 3.1

IUCN Red List Categories - Version 3.1 IUCN Red List Categories - Version 3.1 IUCN 2001. IUCN Red List Categories: version 3.1. Prepared by the IUCN Species Survival Commission.IUCN, Gland, Switzerland and Cambridge, UK. I. DEFINIÇÕES 1. População

Leia mais

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães 2 Era domingo e o céu estava mais azul que o azul mais azul que se pode imaginar. O sol de maio deixava o dia ainda mais bonito

Leia mais

R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 )

R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 ) R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 ) Tendo iniciado no presente ano lectivo 2005/2006 o funcionamento da plataforma Moodle na Universidade Aberta, considerou-se

Leia mais

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos.

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos. Entrevista A2 1. Onde iniciaste o teu percurso na vida associativa? R.: Em Viana, convidaram-me para fazer parte do grupo de teatro, faltava uma pessoa para integrar o elenco. Mas em que associação? Na

Leia mais

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO Adriano Duarte Rodrigues Nesta última sessão do nosso curso, vou tentar esboçar algumas das mais importantes implicações

Leia mais

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO Lucia Serrano Pereira 1 Afirmo em nada mais ser entendido, senão nas questões do amor. Isso é o que está dito por Sócrates na obra de Platão O Banquete. O Banquete nos é indicado

Leia mais

OUTROS CASOS. rsn 2007/08

OUTROS CASOS. rsn 2007/08 A Pronominalização A O João deu um livro à mãe. / O João deu-o à mãe. B O João deu um livro à mãe. / O João deu-lhe o livro. C O João deu um livro à mãe. / O João deu-lho. D A Catarina disse à mãe que

Leia mais

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Conhece os teus Direitos A caminho da tua Casa de Acolhimento Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E

Leia mais

O PAPEL DOS ENUNCIADORES EM SITUAÇÕES DIALÓGICAS

O PAPEL DOS ENUNCIADORES EM SITUAÇÕES DIALÓGICAS Introdução O PAPEL DOS ENUNCIADORES EM SITUAÇÕES DIALÓGICAS Daisy Batista Pail 1 Segundo a Teoria da Argumentação na Língua, de Oswald Ducrot, um enunciado é polifônico por possuir pelo menos três vozes:

Leia mais

As fases da Lua. Depois do Sol, o astro que sempre despertou. Desenhe as fases da Lua que você conhece.

As fases da Lua. Depois do Sol, o astro que sempre despertou. Desenhe as fases da Lua que você conhece. A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ As fases da Lua Atenção Depois do Sol, o astro que sempre despertou mais o interesse das pessoas foi a Lua. Percorrendo a escuridão celeste, a Lua vem iluminando

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

Conferência. Os Estados Unidos e a Ordem Internacional. 30 Setembro a 01 Outubro 2004. Auditório da FLAD, Lisboa

Conferência. Os Estados Unidos e a Ordem Internacional. 30 Setembro a 01 Outubro 2004. Auditório da FLAD, Lisboa Conferência Os Estados Unidos e a Ordem Internacional 30 Setembro a 01 Outubro 2004 Auditório da FLAD, Lisboa Os Limites da Esperança: Kerry e a Política Externa dos Estados Unidos João Marques de Almeida

Leia mais

Matemática Discreta - 02

Matemática Discreta - 02 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

Capítulo III Metodologia e Contextualização da Pesquisa

Capítulo III Metodologia e Contextualização da Pesquisa 37 Capítulo III Metodologia e Contextualização da Pesquisa É preciso ter paciência disse a raposa. Tu te sentarás primeiro um pouco longe de mim, assim, na relva. Eu te olharei com o canto do olho e tu

Leia mais

A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser cego.

A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser cego. Mensagem: O HOMEM QUE ABRIU OS OLHOS PARA DEUS Pastor: José Júnior Dia: 22/09/2012 sábado AMAZON JOVENS Texto-base: Lucas 18:35-43 A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser

Leia mais

Você foi criado para tornar-se semelhante a Cristo

Você foi criado para tornar-se semelhante a Cristo 4ª Semana Você foi criado para tornar-se semelhante a Cristo I- CONECTAR: Inicie o encontro com dinâmicas que possam ajudar as pessoas a se conhecer e se descontrair para o tempo que terão juntas. Quando

Leia mais

Como saber se a comunicação verbal é bem sucedida?

Como saber se a comunicação verbal é bem sucedida? Como saber se a comunicação verbal é bem sucedida? Referências: Davidson, Donald, A nice derangement of epitaphs, in Martinich, A. P. (ed.), The Philosophy of Language, Oxford, Oxford University Press,

Leia mais

Um elefante incomoda muita gente, dois elefantes... Sandra Luiza Nunes Caseiro 1

Um elefante incomoda muita gente, dois elefantes... Sandra Luiza Nunes Caseiro 1 Um elefante incomoda muita gente, dois elefantes... Sandra Luiza Nunes Caseiro 1 Estive pensando sobre os conflitos e as frustrações na Vida em Família, e a primeira consideração que me ocorreu foi: precisamos

Leia mais

O O léxico de crianças em idade pré-escolar

O O léxico de crianças em idade pré-escolar pré-escolar escolar: um estudo de frequências. Orientação: Professora Doutora Maria João Freitas Co-orientação: Professora Doutora Sónia Frota Sónia Cristina de Sousa Pós de Mina Alcoitão 18 de Junho de

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

PENSAMENTO MATEMÁTICO AVANÇADO: UM ESTUDO COM QUESTÕES DE VESTIBULAR

PENSAMENTO MATEMÁTICO AVANÇADO: UM ESTUDO COM QUESTÕES DE VESTIBULAR PENSAMENTO MATEMÁTICO AVANÇADO: UM ESTUDO COM QUESTÕES DE VESTIBULAR Laís Cristina Viel Gereti Universidade Estadual de Londrina laisvielg@hotmail.com Angela Marta Pereira das Dores Savioli Universidade

Leia mais

A educadora avalia a formação de nossos professores para o ensino da Matemática e os caminhos para trabalhar a disciplina na Educação Infantil.

A educadora avalia a formação de nossos professores para o ensino da Matemática e os caminhos para trabalhar a disciplina na Educação Infantil. Matemática na Educação Infantil: é possível A educadora avalia a formação de nossos professores para o ensino da Matemática e os caminhos para trabalhar a disciplina na Educação Infantil. Nas avaliações

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

Vou encomendar uma haste de madeira para pendurar uma cortina. O que preciso fazer para comprar a haste do tamanho certo?

Vou encomendar uma haste de madeira para pendurar uma cortina. O que preciso fazer para comprar a haste do tamanho certo? Todos os dias medimos coisas, nas mais variadas ocupações e atividades. Afinal, o que é medir? Aqui está uma lista de casos para que você e seu grupo analisem e indiquem o que medimos em cada situação:

Leia mais

Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada

Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada Escolha sua melhor opção e estude para concursos sem gastar nada 06. Observe o quadrinho. Para responder às questões de números 08 a 12, leia o texto. (Folha de S.Paulo, 14.06.2013. Adaptado) Assinale

Leia mais

Grice: querer dizer. Projecto de Grice: explicar a significação em termos de intenções.

Grice: querer dizer. Projecto de Grice: explicar a significação em termos de intenções. Grice: querer dizer Referências: Grice, Paul, Meaning, in Studies in the Way of Words, Cambridge (Mas.), Harvard University Press, 1989, pp 213-223. Schiffer, Stephen, Meaning, Oxford, Oxford University

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca PROGRAMA DO MUTIRÃO HABITACIONAL

Leia mais

Teste Stroop Neuropsicológico em Português

Teste Stroop Neuropsicológico em Português Teste Stroop Neuropsicológico em Português São Luís Castro, Luís S. Cunha e Luísa Martins Série Avaliação Psicológica LFA3 Fevereiro 2000, revisto Março 2009 8 pp. Sinopse, Folha de Registo e Cotação do

Leia mais

Profª.: Elysângela Neves

Profª.: Elysângela Neves Profª.: Elysângela Neves Regência É a relação sintática que se estabelece entre um termo regente ou subordinante (que exige outro) e o termo regido ou subordinado (termo regido pelo primeiro) A regência

Leia mais

CD UM NOVO DIA. Um Novo Dia Autor: Paulo Cezar

CD UM NOVO DIA. Um Novo Dia Autor: Paulo Cezar CD UM NOVO DIA Um Novo Dia Autor: Paulo Cezar Quantos momentos da vida. Me fazem ver. O que aqui dentro existe. Ouvi dizer. Luto pra conseguir, corro só pra fugir, faço o que posso, mas já não sou vencedor,

Leia mais

A contextualização e a Modelagem na educação matemática do ensino médio

A contextualização e a Modelagem na educação matemática do ensino médio A contextualização e a Modelagem na educação matemática do ensino médio Jonei Cerqueira Barbosa http://sites.uol.com.br/joneicb Resumo: No presente texto, tomo a noção de contextualização apresentada nos

Leia mais

Artigo 1.º Âmbito de aplicação

Artigo 1.º Âmbito de aplicação Resolução da Assembleia da República n.º 54/2004 Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Região Administrativa Especial de Hong Kong, da República Popular da China, Relativo ao Auxílio

Leia mais

De Arte a Ciência: Regras para o Desenho de Software

De Arte a Ciência: Regras para o Desenho de Software De Arte a Ciência: Regras para o Desenho de Software Neste artigo é apresentado um conjunto de regras de desenho um padrão de desenho universal associado ao princípio fundamental e aos requisitos axiomáticos.

Leia mais

Preparação da época de exames

Preparação da época de exames Preparação da época de exames Sugestões para os estudantes Imagem de http://jpn.icicom.up.pt/imagens/educacao/estudar.jpg A preparação para os Exames começa no início do Semestre O ritmo de exposição da

Leia mais

Intenção e Comunicação Mafalda Eiró-Gomes 1

Intenção e Comunicação Mafalda Eiró-Gomes 1 95 Intenção e Comunicação Mafalda Eiró-Gomes 1 «Só no fluxo do pensamento e da vida as palavras têm significado.» (Ludwig Wittgenstein, Fichas, 173) 1. Introdução Se o conceito de significado é um conceito

Leia mais

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade.

Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. HETERONÍMIA 7. REALIDADE Mestre e discípulos conversam sobre o conceito de realidade. Horóscopo de Alberto Caeiro, feito por Fernando Pessoa. «Uma sombra é real, mas é menos real que uma pedra» Uma das

Leia mais

Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo.

Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo. Capítulo um Meu espelho mágico deve estar quebrado Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo. Jonah está com as mãos paradas em frente ao espelho. Está pronta? Ah, sim! Com certeza estou pronta. Faz

Leia mais

Produtividade e qualidade de vida - Cresça 10x mais rápido

Produtividade e qualidade de vida - Cresça 10x mais rápido Produtividade e qualidade de vida - Cresça 10x mais rápido Você já pensou alguma vez que é possível crescer 10 vezes em várias áreas de sua vida e ainda por cima melhorar consideravelmente sua qualidade

Leia mais

05/12/2006. Discurso do Presidente da República

05/12/2006. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, no encerramento da 20ª Reunião Ordinária do Pleno Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social Palácio do Planalto, 05 de dezembro de 2006 Eu acho que não cabe discurso aqui,

Leia mais

SOBRE A AUTORA. Alcançou sua independência financeira através da Internet, conseguindo já no primeiro mês de blog R$ 1.215,67.

SOBRE A AUTORA. Alcançou sua independência financeira através da Internet, conseguindo já no primeiro mês de blog R$ 1.215,67. SOBRE A AUTORA Leticia Pietras tem 17 anos, é Empreendedora digital, fundadora do blog www.empreendedora-digital.com. Alcançou sua independência financeira através da Internet, conseguindo já no primeiro

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina Universidade Estadual de Londrina Josiane de Freitas Santos Relatório de Estágio em Educação Infantil Londrina 2010 1 Josiane de Freitas Santos Relatório de Estágio em Educação Infantil Relatório final

Leia mais

A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA

A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA A MEMÓRIA DISCURSIVA DE IMIGRANTE NO ESPAÇO ESCOLAR DE FRONTEIRA Lourdes Serafim da Silva 1 Joelma Aparecida Bressanin 2 Pautados nos estudos da História das Ideias Linguísticas articulada com Análise

Leia mais

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil Sugestão: estes exercícios devem ser feitos depois de estudar a Unidade 5 por completo do livrotexto Muito Prazer Unidade 5 I Querer + verbo Achar + que Eu quero Eu acho Você/ ele/ ela quer Você/ ele/

Leia mais

Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r

Marcelo Ferrari. 1 f i c i n a. 1ª edição - 1 de agosto de 2015. w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r EUSPELHO Marcelo Ferrari 1 f i c i n a 1ª edição - 1 de agosto de 2015 w w w. 1 f i c i n a. c o m. b r EUSPELHO Este livro explica como você pode usar sua realidade para obter autoconhecimento. Boa leitura!

Leia mais

este ano está igualzinho ao ano passado! viu? eu não falei pra você? o quê? foi você que jogou esta bola de neve em mim?

este ano está igualzinho ao ano passado! viu? eu não falei pra você? o quê? foi você que jogou esta bola de neve em mim? viu? eu não falei pra você? o quê? este ano está igualzinho ao ano passado! foi você que jogou esta bola de neve em mim? puxa, acho que não... essa não está parecendo uma das minhas... eu costumo comprimir

Leia mais

EMENTA CONTÉUDO. 1. Justificação Epistêmica 1.1 O debate externismo/internismo acerca da justificação epistêmica 1.2 Confiabilismo e justificação

EMENTA CONTÉUDO. 1. Justificação Epistêmica 1.1 O debate externismo/internismo acerca da justificação epistêmica 1.2 Confiabilismo e justificação UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DE FILOSOFIA DISCIPLINA: TÓPICOS DE EPISTEMOLOGIA: REFLEXÃO E ENTENDIMENTO HORÁRIO: SEGUNDA-FEIRA, DAS 14 ÀS 18h - CARGA-HORÁRIA: 68 h EMENTA Em

Leia mais

tradução de edmundo barreiros

tradução de edmundo barreiros tradução de edmundo barreiros Copyright 2013 by Karen Harrington Esta edição foi publicada mediante acordo com Little, Brown and Company, Nova York, NY, EUA. Todos os direitos reservados. título original

Leia mais

Linguagens e Programação Ano Lectivo 2006/2007. Relatório Trabalho Teórico. Linguagem Natural

Linguagens e Programação Ano Lectivo 2006/2007. Relatório Trabalho Teórico. Linguagem Natural Linguagens e Programação Ano Lectivo 2006/2007 Relatório Linguagem Natural Trabalho realizado por: Paulo Jorge Morais Costa - 1000334 Índice 1 Introdução 4 2 Compreender a Linguagem Natural 5 3 Linguagem

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09 INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino Cerimónia de Abertura do WTPF-09 Centro de Congressos de Lisboa, 22 de Abril de 2009 (vale a versão

Leia mais

INFORMATIVO. Novas Regras de limites. A Datusprev sempre pensando em você... Classificados Datusprev: Anuncie aqui!

INFORMATIVO. Novas Regras de limites. A Datusprev sempre pensando em você... Classificados Datusprev: Anuncie aqui! INFORMATIVO Novas Regras de limites A Datusprev sempre pensando em você... Classificados Datusprev: Anuncie aqui! A Datusprev abre espaço para divulgação. Aqui você pode anunciar compra, venda, troca,

Leia mais

Linguagem: produtividade e sistematicidade

Linguagem: produtividade e sistematicidade Linguagem: produtividade e sistematicidade Referências: Chomsky, Noam, Syntactic Structures, The Hague, Mouton, 1957. Chomsky, Noam, Aspects of the Theory of Syntax, Cambridge (Mas.), The MIT Press, 1965.

Leia mais

Ao se adaptar para o "quantificador"' QUALQUER, do português, a

Ao se adaptar para o quantificador' QUALQUER, do português, a SOBRE O COMPORTAMENTO SEMÂNTICO DE "QUALQUER" Márcio Renato Guimarães Ao se adaptar para o "quantificador"' QUALQUER, do português, a análise feita por Vendler (1967) para o ANY do inglês, uma ressalva

Leia mais

A História do. Luca Rischbieter. Discussão 4. No Capítulo 4 da História do Pequeno Reino. Ideias e Sugestões

A História do. Luca Rischbieter. Discussão 4. No Capítulo 4 da História do Pequeno Reino. Ideias e Sugestões Desenhar, modelar, pintar: brincadeiras especiais No Capítulo 4 da História do Pequeno Reino Aparecem no castelo materiais para desenhar, pintar e modelar que, juntamente com os brinquedos, passam a fazer

Leia mais

NetEtiqueta. É uma abreviação de Etiqueta na Internet. Aplica-se ao envio de e-mails, conversas de chat e envio de mensagens para Fóruns de discussão.

NetEtiqueta. É uma abreviação de Etiqueta na Internet. Aplica-se ao envio de e-mails, conversas de chat e envio de mensagens para Fóruns de discussão. NetEtiqueta É uma abreviação de Etiqueta na Internet. Aplica-se ao envio de e-mails, conversas de chat e envio de mensagens para Fóruns de discussão. No caso das comunicações virtuais é fácil esquecer

Leia mais