INTERFACE PESQUISA E EXTENSÃO RURAL PARA DIFUSÃO DE PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS DE MANEJO DO SOLO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTERFACE PESQUISA E EXTENSÃO RURAL PARA DIFUSÃO DE PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS DE MANEJO DO SOLO"

Transcrição

1 INTERFACE PESQUISA E EXTENSÃO RURAL PARA DIFUSÃO DE PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS DE MANEJO DO SOLO Engo Agro Edemar Valdir Streck Assistente Técnico Estadual de Manejo de Recursos Naturais EMATER/RS Introdução Desde que iniciou-se a derrubada das matas e as viradas dos campos nativos para os cultivos, preocupações começaram a ocorrer quanto às perdas de solo por erosão. Nos últimos 60 anos a Emater/RS ASCAR, desde a sua fundação sempre desenvolveu projetos e ações e participou dos programas de uso e manejo e conservação dos solos, de forma integrada com as entidades de pesquisa, ensino, empresas públicas e privadas, tendo como objetivo em transferir e difundir a tecnologia aos agricultores para manter nossos solos produtivos. No primeiro planejamento do Programa Cooperativo da Extensão Rural (ASCAR, 1956) consta que não seria concebível a existência de um plano de soerguimento da agricultura nacional, orientado na elevação do índice da produtividade agrícola, em que não constasse uma ação especial que colocasse em destaque a recuperação da fertilidade do solo, bastante empobrecida, já naquela época, por uma exploração predatória, completamente divorciada do interesse e do bem estar coletivo, permitindo que a erosão completasse a obra destruidora do homem e transformasse áreas férteis em desertos irrecuperáveis. Naquele período o potencial produtivo dos campos (Latossolos), recobertos pela barba de bode, era totalmente desconhecido. Por isso, ocorria a exploração das áreas férteis cobertas por matas e havia a preocupação quanto à exploração irracional das riquezas naturais, permitindo que o machado campeasse livremente, destruindo o pouco que ainda restava das matas e não satisfazia às exigências mínimas da civilização, quando deveriam ao contrário, serem conservadas. Já naquela época existia uma preocupação sobre a má condução das práticas de uso, manejo e conservação do solo, como exemplo as arações, as aberturas de sulcos, os plantios e as capinas eram realizadas acompanhando o declive. E a monocultura era executada com a queima dos restos culturais que favoreciam a erosão do terreno. Diante desta realidade no ano de 1956, pergunta-se, porque o produtor realizava o cultivo no sentido do declive? Para facilitar as operações e seu trabalho? Facilitar o escoamento das águas? Mas enfim, o que mudou atualmente de lá para cá? Pelo que vemos, mudou o sistema de semeadura, que saiu do plantio convencional para o plantio direto, graças ao desenvolvimento de máquinas que permitem realizar a semeadura na palha. Mas no restante continuamos semeando, plantando e abrindo sulcos, porém de menor tamanho, da mesma forma como em Pergunta-se ainda, será que obtivemos um retrocesso na adoção das práticas conservacionistas, principalmente em relação à semeadura no sentido transversal ao declive? De modo geral, todos os programas de conservação de solos desenvolvidos até o presente momento trouxeram resultados positivos, principalmente, em relação ao aumento da produtividade e a redução das perdas de solo por erosão. A elevação da produtividade, também, deve-se a outros fatores como no aumento dos níveis de adubação e do melhoramento genético das culturas. É sem dúvida que a semeadura direta, permite manter o solo coberto pelos resíduos culturais e é o principal fator na dissipação da energia da chuva para reduzir as perdas por erosão. Mas atualmente, desenvolve-se uma agricultura contraditória aos princípios conservacionistas, em que predomina a monocultura, ausência de rotação de culturas e práticas mecânicas de

2 controle de erosão e semeadura no sentido do declive, resultando em baixa cobertura, estrutura de solo de baixa qualidade e perdas de muita água e nutrientes por erosão. Pode-se dizer que nos últimos anos obteve-se uma evolução na conservação do solo, graças às pesquisas e aos programas e as ações desenvolvidas pelas entidades publicas e privadas e pelos agricultores. Cada programa tinha seus objetivos e metas a serem alcançadas. Por isso, é importante trazer ao conhecimento, de forma resumida, os programas de uso, manejo e conservação realizados do Rio Grande do Sul, bem como dos seus objetivos e benefícios e fazer uma análise crítica da situação atual que se encontram nossos solos, sob ponto de vista de uso, manejo e conservação. A contribuição dos programas de uso, manejo e conservação do solo Na década de 50 até o início dos anos 70, grande parte dos solos da região do Planalto era improdutiva, solos ácidos e de baixa fertilidade. Para dar um crescimento vertical na agricultura e na pecuária do Rio Grande do Sul foi desenvolvido, neste período, um Plano Estadual de Melhoramento do Solo. O projeto teve a integração do Ministério da Agricultura, Secretaria da agricultura, Faculdade de Agronomia e Veterinária da UFRGS, ASCAR, Banco do Brasil e prefeituras municipais que tinha como objetivo principal realizar investimentos na correção e melhoramento da fertilidade (Mielniczuck et al., 2003). Neste período houve expansão da monocultura trigo/soja, com preparo no sistema convencional, com grande mobilização do solo, queima dos resíduos, resultando na degradação da estrutura, compactação abaixo da camada arável e grandes perdas de solo por erosão. Segundo Olinger (2006), as primeiras atividades em conservação do solo baseavam-se nos métodos clássicos disseminados pelas escolas de ciências agrárias em que a ênfase recaía sobre a construção de terraços, cordões em contorno, canais escoadouros e métodos vegetativos. Talvez, foi por isso que a semeadura e os tratos culturais se tornavam obrigatórios a realizar no sentido transversal ao declive. Neste período, também não existiam semeadoras que permitissem realizar a semeadura com palha, resultando na queima dos resíduos culturais, num solo descoberto no momento do plantio e com um processo de erosão intenso quando ocorriam chuvas intensas, resultando na formação de sulcos e ravinas durante o preparo e/ou após semeadura, necessitando muitas vezes do replantio e vindo causar prejuízos aos agricultores. Devido a gravidade da ocorrência de erosão na região do Planalto, no final da década de 70 e início da década de 80, houve uma mobilização das instituições à nível estadual e nacional, no sentido de desenvolver ações para reduzir as perdas de solo por erosão, criando-se o Programa Integrado de Conservação do Solo (PIUCS) evolvendo as instituições publicas, universidades, assistência técnica e extensão rural, cooperativas e os agentes financeiros no sentido de que as ações de manejo e conservação do solo não ficassem somente restritas ao terraceamento (Mielniczuck et al., 2003). Subsoladores foram fabricados para descompactação e redução do preparo do solo. Semeadoras foram melhoradas para permitir plantio com resíduos culturais semi ou totalmente incorporados ao solo. Adaptações em semeadoras, também, foram realizadas para permitir a realização do plantio direto. Grupos de produtores (clubes amigos da terra) importaram algumas semeadoras para realização do plantio direto, sendo que não prosperaram por serem muito caras, não foram fabricadas para as nossas condições de solo e clima e exigiam tratores de grande potência para a tração. Também, a implantação do sistema de plantio direto (SPD) não evoluiu naquele período porque era de custo muito elevado e as empresas fabricantes de semeadoras não tinham a tecnologia capaz de produzir

3 equipamento eficiente e de pequeno porte para a realização do plantio direto. Mesmo assim, o programa trouxe benefícios como a eliminação da queima da palha, redução no preparo e redução parcial da erosão. Por outro lado, os solos estavam desestruturados por cultivos anteriores e o processo de erosão continuava, porém com menor intensidade do que em anos anteriores. Além disso, havia o problema da conservação das estradas, que eram utilizadas como canais para escoamento da água das lavouras, gerando problema na sua conservação para as prefeituras municipais. Em razão disso, a extensão rural no Rio Grande do Sul e em outros estados, juntamente com o setor público estadual, desenvolveu o Programa Integrado de Manejo e Conservação do Solo e da Água, em defesa ao meio ambiente, com ênfase na conservação do solo e da água, utilizando a microbacia hidrográfica como unidade de planejamento (EMATER/RS, 1994). O Programa Integrado de Manejo e Conservação do Solo e da Água, tinha claras definições de objetivos, estratégias de ação, metodologias, tecnologias e metas. O objetivo principal era desenvolver um conjunto de práticas conservacionistas, abrangendo a correção do solo, terraceamento em nível, uso de plantas recuperadoras, plantio direto, contenção das enxurradas das lavouras e estradas, reflorestamento e manejo dos dejetos, visando à redução da erosão hídrica e a melhoria da qualidade da água dos mananciais hídricos. Devido à importância do trabalho, na década de 80, criou-se o Programa Nacional de Bacias Hidrográficas. O Programa previa a instalação de uma microbacia-piloto em cada estado da federação (Wildner & Freitas, 1999). O programa proporcionava pequenos incentivos financeiros para implantação de algumas práticas de conservação do solo e compra de equipamentos comunitários, mas que fracassou por falta de recursos. Devido às dificuldades na obtenção de recursos, foram criados Programas Estaduais de Bacias Hidrográficas em vários estados, especificamente no Rio Grande do Sul pode ser citado o Pró-Guaíba ( ), que obteve recursos do banco mundial (EMATER/RS, 1994). As principais linhas de ação eram para aumentar a cobertura do solo, controlar o escoamento superficial, usar o solo de acordo com sua aptidão agrícola, recuperar fontes de água, incentivar agricultura ecológica, proteger o meio ambiente e aumentar a produtividade agrícola. O programa teve incentivos com financiamentos para fechamento de voçorocas, construção de cordões de pedra e cordões vegetados, melhorias das estradas, construção de terraços e murunduns em nível para captação de água das estradas, aquisição de máquinas e equipamentos. As ações para o controle das enxurradas resultavam numa intensa mobilização do solo e de custo elevado. E o espaçamento entre os terraços foram dimensionados para o sistema de preparo convencional, pois na época, era o sistema predominante. Neste mesmo período teve início de uma mobilização dos Clubes Amigos da Terra, formado por agricultores e empresas comerciais, que tinham como objetivo expandir o plantio direto, como sendo uma alternativa para o controle da erosão. Os Cubes Amigo da Terra foram fundados a partir de 1982, tendo crescimento a partir de 1992, espalhando-se por todo estado com apoio da Fundacep e ICI, patrocinando todas as ações iniciais, com objetivo de realizar trocas de experiência entre produtores e conscientizar sobre a importância ambiental (Clubes Amigos da Terra, 1994). A participação das empresas privadas, já naquela época, resumia-se em vendas de insumos agrícolas e, até o presente momento, não desenvolveram métodos alternativos para substituição dos herbicidas para o controle de invasoras. Além das questões do controle das invasoras, as semeadoras eram ineficientes para realização da semeadura direta. Adaptações eram realizadas e a técnica de semeadura era muito desconhecida. Para tanto, encontros foram realizados no Estado do Rio Grande do Sul, iniciando-se pelo Estado do Paraná e posteriormente espalhando-se pelo território nacional, envolvendo técnicos da pesquisa, cooperativas e extensão. Segundo os idealizadores dos clubes

4 amigos da terra entendiam que os resultados das adaptações e de pesquisa poderiam ser demonstrados diretamente nas propriedades e difundidos nos encontros regionais, estaduais e nacionais (Trecenti, 2003). E foi num desses encontros que Martin (1985), por observações empíricas, disseminou a percepção de que o SPD constituía prática conservacionista suficiente para controlar integralmente as enxurradas e a erosão hídrica. Além disso, as manobras das máquinas entre os terraços causariam compactação do solo pelo tráfego das máquinas e maior gasto com insumos de agrícolas. Em decorrência disto, o terraceamento passou a ser considerado desnecessário e indiscriminadamente desfeito pelos agricultores e inclusive obtendo-se auxílio das máquinas das prefeituras municipais para desmanche dos terraços e nivelamento do terreno (Figura 1). Estes fatos levaram ao abandono total da semeadura em contorno e à adoção da semeadura paralela ao maior comprimento da gleba, independente do sentido do declive (Denardin, et. al., 2008). Estes princípios, conflitaram com os objetivos propostos pelo Programa de Microbacias da década de 90, principalmente com relação ao controle das enxurradas. Em 1992 foi criado o projeto METAS, pela EMBRAPA-CNPT, envolvendo técnicos da extensão, cooperativas e de empresas privadas, que teve como objetivo difundir o SPD no planalto do Rio Grande do Sul e remover todos os entraves relacionados à mecanização e ao controle de ervas daninhas (Denardin, 1997). A partir daí teve-se uma evolução do SPD no Rio Grande do Sul, porém disseminando-se um sistema de monocultura e sem contenção de enxurradas, desfazendo-se os princípios conservacionistas propostos pelos Programas de Bacias Hidrográficas, com um crescimento acelerado na retirada parcial ou integral dos terraços das lavouras, supondo empiricamente que o problema da erosão estaria solucionado pelo plantio direto (Caviglione et.al., 2010). Além disso, veio a resultar num crescimento desregrado no uso de dessecantes, aplicados superficialmente ao solo e sem contenção das enxurradas, permitindo que eles sejam facilmente transportados pela água da chuva até os mananciais hídricos e poluindo o meio ambiente. Figura 1. Operação desmanche dos terraços e semeadura no sentido do declive A situação atual da conservação do solo no Rio Grande do Sul Todos os programas de uso, manejo e conservação do solo desenvolvidos no Estado do Rio Grande do Sul, assim como em outros estados, trouxeram benefícios para a conservação dos recursos naturais. Olinger ( 2006) tem comentado que os resultados que se tem colhido não são aqueles esperados pelos programas de desenvolvimento e por toda a sociedade. A forte razão é que os agricultores tendem a adotar práticas que lhes diminua o esforço físico e trabalho e torne a vida menos dura, embora às vezes, tais

5 práticas concorram para a produção de grandes danos à natureza, naturalmente indesejáveis pelos cientistas, pelos técnicos e por toda a sociedade. Exemplo disso é o abandono da manutenção e construção de terraços, construção de cordões de pedra e vegetados, cultivo em contorno, uso de máquinas inapropriadas, uso desregrado de agrotóxicos e fertilizantes químicos, devastação florestal das nascentes e outras atividades ecologicamente erradas. Atualmente estima-se que apenas 3% da área cultivada no Rio Grande do Sul possui terraços. A sua retirada, talvez tenha sido muito mais pela facilidade ao trabalho do que por outros motivos. Empiricamente, os agricultores observavam que a erosão no plantio direto era muito menor do que no sistema convencional, mesmo sem rotação de culturas e baixa cobertura do solo. Tal observação tem induzido, erroneamente, os produtores a eliminarem os terraços das áreas de cultivo e outras práticas conservacionistas de suporte, como a semeadura em contorno (Cogo et al., 2007; Denardin et al., 2008). Além dos terraços, taipas de pedra foram desmanchadas e as pedras expostas sobre a superfície do solo foram e continuam sendo enterradas para tornar as áreas mecanizáveis, principalmente para expandir a cultura da soja no Rio Grande do Sul, desrespeitando-se sua aptidão agrícola (Figura 2). Estes solos, normalmente, são rasos, com baixa capacidade de armazenamento de água, chegando a déficits hídricos em períodos curtos de estiagem, causando morte das plantas e resultando em produtividades muito inferiores em relação aos solos mais profundos e sem pedras. Figura 2. Neossolos Litólicos e Regilíticos, inaptos a culturas anuais, utilizados com soja e milho. Atualmente pode-se afimar que os problemas de conservação de solo estão localizados em três regiões distintas no Estado, (Figura 3). A região 1, onde predominam os Latossolos com relevo suave ondulado a ondulado, possui um sistema razoável de conservação do solo e com boa cobertura de solo. Mesmo assim, pode-se encontrar áreas com manejo inadequado e com baixa cobertura vegetal e com erosão. Nesta região, os agricultores entendem que praticam um sistema de plantio direto e que não tem problemas de erosão. Porém, o que predomina é um sistema sem práticas conservacionistas complementares e com cultivos no sentido do declive, em que a linha de semeadura serve de canal para escoamento superficial da água da chuva, podendo carrear o solo mobilizado, as sementes e os fertilizantes aos mananciais hídricos. O sistema de plantio direto, para ser um verdadeiro sistema, deve integrar todas as práticas

6 Figura 3. Regiões do Rio Grande do Sul mais problemáticas de conservação do solo. preconizadas pela agricultura conservacionista. E este sistema de plantio direto, preconizado pelos agricultores, está sendo extrapolado para as demais regiões do Estado, independente do tipo de solo e condições de relevo, como na região 2 e 4, onde ocorrem os Latossolos e Argissolos associados aos Cambissolos e Neossolos Regolíticos, em que predomina relevo ondulado a forte ondulado e solos rasos, sujeitos a erosão mais severa do que nos solos mais profundos com relevo suave ondulado a ondulado, (Figura 4). É nestes locais que os probleas de conservação de solo são mais preocupantes e há necessidade de intervenção. Figura 4 Ilustação de Neossolos Regolíticos relevo ondulado a forte ondulado utilizados com culturas anuais (a) e integração lavourapecuária sobre solos arenosos (b). Da mesma forma, os problemas de conservação de solo ocorrem na região 3, no sistema integração lavoura/pecuária e com pastejos intensivos, resultando no final baixa cobertura do solos por resíduos culturais (Figura 5). Nesta região, também está ocorrendo expansão da cultura da soja sobre os solos arenosos, (Argissolos), que possuem menos

7 de 15% de argila desde a superfície até 1,50 m ou mais em profundidade e tem baixa capacidade de retenção de água. Por esta razão, estes tipos solos estão fora do zoneamento agrícola para cultivo da soja (MAPA, 2014). Mesmo assim, os agricultores vem cultivando estes solos e desrespeitando o zoneamento agrícola. Talvez estes solos possam ser cultivados sob um sistema conservacionista mais intensivo e diferenciado das demais regiões, dando ênfase maior a cobertura do solo sem pastejo no inverno, objetivando a produção de massa residual para implantação das culturas de verão e evitar perdas de água por evaporação, matéria orgânica, degradação do solo e riscos de Figra 5. Os efeitos da semeadura perdas da produção por déficits hídricos. O SPD, no sentido do declive. quando bem conduzido com rotação de culturas e boa produção de palha reduz as perdas de solo e água em 84 % e 58,7%, respectivamente (Bertol et al., 2007). E ainda é mais eficiente, na redução de perdas de água e solo, quando a semeadura for realizada em contorno. Pois, resultados de pesquisa mais recentes mostram que a semeadura em contorno no SPD reduz em 74% e 26% nas perdas de solo e água em relação à semeadura no sentido do declive (Cogo et al., 2007). Assim, Caviglione, et al. (2010) explicam de que há uma certa percepção equivocada dos produtores e da assistência técnica de que a remoção de terraços no SPD não compromete a erosão. Os pesquisadores demonstraram nos seus estudos de simulação de perdas de solo, numa bacia hidrográfica do estado do Paraná, que a retirada de um para cada dois terraços ou na sua íntegra no SPD comprometeu o sistema, obtendo perdas de solo acima de 26 ton/ha.ano, em eventos de chuvas de alta intensidade. A partir deste estudo, recomendam que os terraços devem ser mantidos no SPD. É neste sentido que Denardin, et al. (2008) alertam que o transporte das partículas de solo, dos corretivos, dos fertilizantes, dos agrotóxicos, do material orgânico e da água ocorre para fora da lavoura quando não tiver uma barreira física capaz de conter as enxurradas, podendo ocasionar poluição dos mananciais de superfície, redução do volume de água no solo, redução do tempo de concentração de bacias hidrográficas e redução de recargas de aqüíferos subterrâneos. Além disso, a baixa produção de resíduos culturais, aliada a semeadura no sentido do declive, facilita o transporte do solo mobilizado pelas hastes sulcadoras das semeadoras, dos fertilizantes aplicados na linha de semeadura e dos resíduos culturais depositados entre as linhas, acentuando ainda mais estas perdas. Além de termos no Rio Grande do Sul, um sistema de plantio direto mal conduzido, grande parte dos solos cultivados está adensada, principalmente, devido a baixa produção de resíduos culturais, causando degradação da estrutura, redução na infiltração de água no solo. A degradação da estrutura dos nossos solos sob plantio direto é devido a predominância da monocultura, com sucessões de cultivos de soja/trigo, soja/aveia, soja/pousio (aveia ou azevém nativo) resultando numa baixa produção de resíduos culturais. A semeadura das culturas é realizada no sentido do declive e com grande mobilização de solo, deixando-o exposto aos processos de erosão (Figura 5). Aliado a baixa cobertura superficial por resíduos culturais, a aplicação dos corretivos e fertilizantes é realizada em superfície. Sob ponto de vista ambiental, a aplicação dos insumos na superfície não é sustentável, pois os corretivos sempre ficam expostos aos agentes de erosão e estão prontamente disponíveis para o transporte pela água da chuva até os mananciais hídricos de superfície, causando a contaminação e o

8 desenvolvimento do processo de eutrofização das águas. De uma maneira geral, o plantio direto contribuiu muito para redução das perdas de solo por erosão, mas por outro lado a capacidade de infiltração de água foi reduzida, perdendo-se muita água por escorrimento superficial por problemas de compactação e não ser adotado um sistema conservacionista de solo pela maioria dos agricultores. O sistema conservacionista contempla o uso de práticas conservacionistas complementares e aptidão agrícola das terras. A aptidão agrícola e as práticas conservacionistas complementares estão cada vez mais sendo rejeitadas pelos agricultores. Pois, há a ganância em expandir o cultivo da soja, devido seu alto valor comercial no momento e a modernização das máquinas está sendo no seu tamanho, ficando incapazes e ineficientes de operar em terrenos ondulados e em áreas terraceadas. Esta talvez seja uma maior razões dos agricultores não adotarem as práticas complementares. Além disso, há interferências na transferência de tecnologia entre diversos setores ligados do agronegócio, como vamos mencionar no item a seguir. Os desafios futuros Na década de 70, a transferência de tecnologia era entendida como uma sucessão articulada dos subprocessos de geração (pesquisa), difusão (extensão) e adoção da informação tecnológica (produtores), conforme representado na figura abixo, principalmente através de uma maior relação de aproximação do pesquisador com o agente de assistência técnica e o agente de assistência técnica com o produtor. Após 1990, desestruturou e/ou extinguiu empresas públicas de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER), diminuindo essa relação. Coincidentemente, neste período também teve o início a difusão do plantio direto, surgindo no mercado empresas privadas de ATER e ONGs e ação de empresas de venda de insumos, máquinas, implementos agrícolas com interesse comercial, resultando num aumento dos grupos sociais envolvidos nos sistemas de produção agrícola, que estão presentes no momento em todos os setores. As empresas de insumos, sementes e máquinas aumentaram seus investimentos em pesquisa, desenvolveram máquinas de acordo com as recomendações da pesquisa e do interesse dos agricultores e iniciaram seu processo de desenvolvimento comercial e deassisttência técnica direta aos agricultores. A partir deste momento começam haver divergências nas recomendações e difusão de tecnologias, principalmente relacionadas às práticas conservacionistas complementares, como exemplo o terraceamento e a semeadura transversal ao declive, referidas no item anterior. E inicia-se uma divisão de opiniões do trinômio produtor-extensionista-pesquisador, tendo-se a dificuldade em fazer com que os agricultores rurais ponham em prática os resultados das pesquisas agropecuárias, principalmente em relação ao uso, manejo e conservação do solo. Cada empresa tende difundir seus insumos de produção, tendo indiretamente os interesses comerciais. E muitas vezes estimulam os agricultores a não adotarem um sistema

9 conservacionista que garanta a utilização do solo para as futuras gerações e de sustentabilidade ambiental. Os modelos de agricultura devem imprimir caráter de sustentabilidade econômica e ambiental. E para isso, é necessária a adoção na sua íntegra as práticas preconizadas pela agricultura conservacionista, como a utilização do solo de acordo com a aptidão agrícola das terras, terraceamento, cultivo no sentido transversal ao declive e rotação de culturas. Conforme ilustrado na figura acima, pode ser verificado que há muitos setores envolvidos na transferência de tecnologia aos agricultores e com divergências nas recomendações, deixando os agricultores muitas vezes em dúvida sobre a importância das práticas conservacionistas complementares. Neste sentido, é necessário que sejam nivelados conceitos e princípios da conservação do solo e construída uma organização com as entidades, técnicos do setor público e privado dos municípios, regiões e Estado, para melhorar a conservação do solo para o Rio Grande do Sul. A criação do código Estadual de Uso do Solo e ter-se políticas públicas de incentivo à adoção de práticas conservacionistas e desenvolver projetos e programas de conservação do solo são sugestões que emergem em encontros e congressos. Porém, quando toca em assumir o compromisso de auxiliar e mobilizar os diversos segmentos do agronegócio, fica restrito a um número muito pequeno de técnicos, sendo incapazes de mobilizar todos os setores e tendo dificuldade na organização das entidades e, na maioria das vezes, sem força de ação, gerando desgaste físico dos técnicos preocupados sobre a questão. Além disso, há um despreparo na formação dos técnicos e tendem a ter dificuldades de levar aos debates coletivos, os problemas atuais da conservação do solo nas comunidades, envolvendo os variados segmentos do universo social. Pois, se foi o tempo que vigorou a idéia de que os serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) deveriam ser os promotores do desenvolvimento social e pensar que seus profissionais estariam habilitados para levar as soluções aos produtores rurais. Há necessidade se valorizar mais a questão da conservação do solo no ensino, promovendo debates e novas linhas de pesquisa. Todas as ações referidas são importantes, mas a questão é como e quem irá construir as propostas. E aqui vão algumas sugestões e entendo que todas as propostas devem andar ao mesmo tempo, tanto da lei quanto às políticas públicas de incentivo, etc. Entendo, que Inicialmente temos que ter um Grupo de Trabalho estadual, envolvendo representantes de todos os segmentos do agronegócio, com a participação do setor público, através das Secretarias de Estado, as entidades de pesquisa, ensino, extensão,

10 bancos, cooperativas, representantes dos agricultores (Sindicatos) e indústria de máquinas para estabelecer-se uma estratégia de ação, visando à melhoria da conservação do solo. A capacitação também é uma das ações que deve ser desenvolvida, tanto para agricultores e técnicos das entidades privadas e públicas e, principalmente os técnicos autônomos credenciados aos bancos que elaboram projetos e prestam assistência técnica aos agricultores. O projeto de lei de uso do solo é de suma importância, mas para isso terá que ter uma entidade que lidere o processo de condução. Também deverá ser conduzido um processo constante e continuado de mobilização das lideranças municipais e agricultores nos municípios e regiões, visando sugerir ações e políticas públicas que possam contribuir na conservação dos recursos naturais e de sustentabilidade do meio ambiente. LITERATURA CITADA ASSOCIAÇÃO SULINA DE CRÉDITO E ASSISTÊNCIA RURAL. Programa de Atividades de Extensão Rural e Credito Rural Supervisionado. Porto Alegre, f. ASSOCIAÇÃO RIOGRANDENSE DE EMPREENDIMENTOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RUAL. Plano estadual de assistência técnica e extensão rural: 1980/ /85. Porto Alegre, f. BERTOL, Oromar J. et al. Perdas de solo e água e qualidade do escoamento superficial associadas à erosão entre sulcos em área cultivada sob semeadura direta we submetida às adubações mineral e orgânica. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.31, p , CAVIGLIONE, João Henrique et al. Espaçamentos entre terraços em plantio direto. Londrina: IAPAR, p. Disponível em:< Acesso em: 14 mar CLUBE AMIGOS DA TERRA. Assessoria de Comunicação. Como organizar um clube amigos da terra. Cruz Alta, RS: Gráfica Triluz, p. COGO, Neroli Pedro et al. Erosão e escoamento superficial em semeadura direta efetuada com máquina provida de hastes sulcadoras, influenciados pela direção de semeadura e pela cobertura superficial do solo. In: Congresso Brasileiro de Ciência do Solo, 31, 2007, Gramado. Resumos... Gramado: SBCS, CD-Rom. DENARDIN, José Eloir. Parceria entre empresas públicas e privadas na pesquisa e difusão do sistema de plantio direto. Passo Fundo, Projeto METAS, p. (Projeto METAS, Boletim Técnico, 1) DENARDIN, José Eloir et al. Vertical mulching como prática conservacionista para manejo de enxurrada em sistema de plantio direto. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.24, p , 2008.

11 EMATER. Rio Grande do sul. Manual técnico: Manejo e conservação de solo. Porto Alegre, V.1 (projeto Pró-Guaíba). EMATER. Rio Grande do sul. Manual técnico: operativo do Pró-Guaíba. Porto Alegre, V.5 (projeto Pró-Guaíba). MARTIN, Edgar O plantio direto no Estado do Rio Grande do Sul. In; ENCONTRO NACIONAL DE PLANTIO DIRETO, 3., Posta Grossa, Anais. Ponta Grossa. Batavo. Fundação ABC, P MIELNICZUK, João et al. Manejo de solo e culturas e sua relação com os estoques de carbono e nitrogênio do solo. Tópicos em Ciência do Solo, Viçosa, v. 3, p , OLINGER, G. 50 anos de extensão rural: breve histórico do serviço de extensão rural no Estado de Santa Catarina 1956 a Florianópolis: Epagri, p. TRECENTI, Ronaldo. Clubes amigos da terra difundem tecnologia. A Granja, Porto Alegre, Ano 59, n. 653, p , maio WILDNER, Leandro do Prado; FREITAS, Valdemar Hercílio de. Adubação verde em Santa Catarina, Brasil: estudo de caso. Chapecó: EPAGRI, p

Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação. Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico

Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação. Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico Áreas Agrícolas Diferentes situações Aspectos que devem ser vistos em

Leia mais

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer 16 Potencial para Adoção da Estratégia de Integração Lavoura- -Pecuária e de Integração Lavoura-Pecuária- -Floresta para Recuperação de Pastagens Degradadas Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Leia mais

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO Nielson Gonçalves Chagas, João Tavares Nascimento, Ivandro de França da Silva & Napoleão

Leia mais

Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido

Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido Fortaleza, 16 de Abril de 2013 1. CONCEITUAÇÃO As Ações de Convivência com o Semiárido são compostas por um conjunto de práticas alternativas definidas,

Leia mais

SISTEMA PLANTIO DIRETO, EM CONSTANTE EVOLUÇÃO

SISTEMA PLANTIO DIRETO, EM CONSTANTE EVOLUÇÃO 13º Encontro Nacional de Plantio Direto na Palha SISTEMA PLANTIO DIRETO, EM CONSTANTE EVOLUÇÃO José Eloir Denardin Embrapa Trigo AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO DENARDIN, 2012 CONFERÊNCIA DE ABERTURA OBJETIVOS

Leia mais

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Autores: Emílio Rodrigues Versiani Junior 1 Geraldo Aristides Rabelo Nuzzi Andréa Rodrigues Fróes Resumo O Projeto

Leia mais

AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2. Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br

AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2. Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br AULA 1 EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA PARTE 2 Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@unochapeco.edu.br EROSÃO HÍDRICA E EÓLICA EROSÃO HÍDRICA FATOR TOPOGRAFIA O relevo do solo exerce

Leia mais

TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS

TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS Julho 2004 TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS José Eloir Denardin Rainoldo Alberto Kochhann Neroli Pedro Cogo Ildegardis Bertol QUESTÃO São necessárias práticas complementares à Cobertura de Solo

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS ESTUDO LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS ESTUDO DEZEMBRO/2014 Rodrigo Hermeto Corrêa Dolabella Consultor Legislativo da Área

Leia mais

Com base em observações empíricas, foi considerado que Sistema Plantio Direto não necessita de técnicas para manejo de enxurrada.

Com base em observações empíricas, foi considerado que Sistema Plantio Direto não necessita de técnicas para manejo de enxurrada. Enxurrada e erosão em SPD MANEJO DE ENXURRADA EM SISTEMA PLANTIO DIRETO José Eloir Denardin 2007 QUESTÃO Há necessidade de PRÁTICAS CONSERVACIONISTAS COMPLEMENTARES À COBERTURA DE SOLO para controle de

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA

CLASSIFICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOLA 3 CASSIICAÇÃO DA APTIDÃO AGRÍCOA O enquadramento das terras em classes de aptidão resulta da interação de suas condições agrícolas, do nível de manejo considerado e das exigências dos diversos tipos de

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS A água é um recurso natural insubstituível para a manutenção da vida saudável e bem estar do homem, além de garantir auto-suficiência econômica da propriedade rural.

Leia mais

Aplicação de dejetos líquidos de suínos no sulco: maior rendimento de grãos e menor impacto ambiental. Comunicado Técnico

Aplicação de dejetos líquidos de suínos no sulco: maior rendimento de grãos e menor impacto ambiental. Comunicado Técnico Comunicado Técnico PÓLO DE MODERNIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ALIMENTOS COREDE-PRODUÇÃO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO PASSO FUNDO, RS JUNHO, 27 Nº 1 Aplicação de dejetos

Leia mais

Terraceamento. Alessandro Slomuzinsk Emilio S. de Souza Filipe T. Netto Henrique V. Scopel João Vitor N. Aquino Rafael Barossi.

Terraceamento. Alessandro Slomuzinsk Emilio S. de Souza Filipe T. Netto Henrique V. Scopel João Vitor N. Aquino Rafael Barossi. Terraceamento Alessandro Slomuzinsk Emilio S. de Souza Filipe T. Netto Henrique V. Scopel João Vitor N. Aquino Rafael Barossi 1 Ricardo Barossi Conceito É uma prática conservacionista de caráter mecânico.

Leia mais

Integração Lavoura Pecuária

Integração Lavoura Pecuária Integração Lavoura Pecuária A B E A S CONVÊNIO Nº 420013200500139/SDC/MAPA A B E A S Apresentação Esta cartilha, produto do esforço do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA, em parceria

Leia mais

O Programa Produtor de Água

O Programa Produtor de Água O Programa Produtor de Água Arcabouço Legal e Institucional Lei nº 9.433 de 8.01.97 Titulo I - Da Política Nacional de Recursos Hídricos Capitulo II Dos Objetivos Artigo 2º - São objetivos da Política

Leia mais

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL Eduardo S. Quartim. João C. S. Nagamura. Roberto Bretzel Martins. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

Leia mais

Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental. 5 - Poluição e Degradação do Solo. Professor: Sandro Donnini Mancini.

Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental. 5 - Poluição e Degradação do Solo. Professor: Sandro Donnini Mancini. Campus Experimental de Sorocaba Disciplina: Introdução à Engenharia Ambiental Graduação em Engenharia Ambiental 5 - Poluição e Degradação do Solo Professor: Sandro Donnini Mancini Setembro, 2015 Solo camada

Leia mais

PROJETO DE LEI N O, DE 2015

PROJETO DE LEI N O, DE 2015 PROJETO DE LEI N O, DE 2015 (Do Sr. Ronaldo Carletto) Cria o Fundo Nacional de Recuperação de Nascentes de Rios (FUNAREN), define os recursos para seu financiamento e estabelece os critérios para sua utilização.

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE.

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. Cláudia De Mori 1 ; Gilberto Omar Tomm 1 ; Paulo Ernani Peres Ferreira 1 ; Vladirene MacedoVieira

Leia mais

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 09.10.07. Dispõe sobre Política Estadual para a Promoção do Uso de Sistemas Orgânicos de Produção Agropecuária e Agroindustrial. Lei: A ASSEMBLÉIA

Leia mais

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Conceito de Tecnologia Social aplicada a Municípios Sustentáveis: "Compreende técnicas, metodologias e experiências

Leia mais

ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO

ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO ANEXO II GUIA DE FORMULAÇÃO DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO A Agência Pernambucana de Águas e Clima (APAC) foi criada pela Lei estadual 14.028 de março de 2010 e tem como uma de suas finalidades executar a Política

Leia mais

olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita

olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita Indução de reflorestamento no Rio de Janeiro: Das compensações ambientais ao desafio olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita Seminário Reflorestamento da Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

CONFERÊNCIA GOVERNANÇA DO SOLO

CONFERÊNCIA GOVERNANÇA DO SOLO CONFERÊNCIA GOVERNANÇA DO SOLO DOCUMENTO DE REFERÊNCIA Período de realização: 25 a 27 de março de 2015 Local: Brasília, DF (Hotel Royal Tulip Brasília Alvorada) Realização: 1. Contexto: Os solos constituem

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Financiamentos para o Agronegócio

Financiamentos para o Agronegócio Financiamentos para o Agronegócio Banco do Brasil Maior Parceiro do Agronegócio Carteira em Dez/2012 R$ 100 bilhões Banco do Brasil Sustentabilidade e Meio Ambiente Programa ABC Em Dezembro de 2012 R$

Leia mais

A Formação do Profissional de. Nível Superior e os Sistemas. Conservacionistas de Produção

A Formação do Profissional de. Nível Superior e os Sistemas. Conservacionistas de Produção A Formação do Profissional de Nível Superior e os Sistemas Conservacionistas de Produção III RPCS Londrina (PR) - 2013 ROTEIRO INTRODUÇÃO: Manejo x Erosão TRABALHO SEMINA (2009): o CONCLUSÃO Formação dos

Leia mais

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Prezado(a)s, Gostaríamos de agradecer por sua participação e pelas contribuições recebidas no âmbito da consulta

Leia mais

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola.

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola. Implicações da Expansão do cultivo da cana-deaçúcar sobre o município de Goiatuba Washington Pereira Campos8 Márcio Caliari9 Marina Aparecida da Silveira10 Resumo: A partir de 2004, ocorreu um aumento

Leia mais

Parecer sobre a Salinidade do Rio Araranguá e suas Implicações para a Cultura do Arroz Irrigado

Parecer sobre a Salinidade do Rio Araranguá e suas Implicações para a Cultura do Arroz Irrigado Parecer sobre a Salinidade do Rio Araranguá e suas Implicações para a Cultura do Arroz Irrigado Introdução A bacia hidrográfica do rio Araranguá está inserida na Região Hidrográfica Catarinense do Extremo

Leia mais

Os impactos ambientais de maior incidência no país

Os impactos ambientais de maior incidência no país Os impactos ambientais de maior incidência no país Segundo a Pesquisa de Informações Básicas Municipais Perfil dos Municípios Brasileiros/MUNIC 2008, realizada regularmente pelo Instituto Brasileiro de

Leia mais

Programa ABC. Banco do Brasil Safra 2013/2014

Programa ABC. Banco do Brasil Safra 2013/2014 Programa ABC Banco do Brasil Safra 2013/2014 Balanço da Safra 2012/2013 Plano Safra 2012/2013 Crédito Rural - Desembolsos R$ 61,5 bilhões CRESCIMENTO de 28% em relação à safra anterior R$ 6,5 bilhões acima

Leia mais

APPA Associação de Proteção e Preservação Ambiental de Araras A natureza, quando agredida, não se defende; porém,ela se vinga.

APPA Associação de Proteção e Preservação Ambiental de Araras A natureza, quando agredida, não se defende; porém,ela se vinga. O desmatamento, ao longo dos anos, no município de Araras, contribuiu para a redução no suprimento de água potável, devido à formação geológica local, que resulta nos aqüíferos do grupo Passa Dois e Basalto

Leia mais

PROGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES PARA O PERÍODO OUTUBRO, NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2011

PROGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES PARA O PERÍODO OUTUBRO, NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2011 Estado do Rio Grande do Sul CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES PARA O PERÍODO OUTUBRO, NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2011 Boletim de Informações

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA UFRGS 2010

PROVA DE GEOGRAFIA UFRGS 2010 PROVA DE GEOGRAFIA UFRGS 2010 51. Ainda é 31 de dezembro no Brasil quando a televisão noticia a chegada do Ano Novo em diferentes países. Entre os países que comemoram a chegada do Ano Novo antes do Brasil,

Leia mais

RELATÓRIO TÈCNICO. Técnico: João Adolfo Kasper. Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005

RELATÓRIO TÈCNICO. Técnico: João Adolfo Kasper. Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005 RELATÓRIO TÈCNICO Técnico: João Adolfo Kasper Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005 Objetivo: Realizar o 5º Levantamento da Safra 2004/2005 sendo a 3ª avaliação para as culturas, Arroz Sequeiro, Milho

Leia mais

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DOS SOLOS: MANEJOS DIFERENTES EM BIOMA DE MATA ATLÂNTICA NA REGIÃO SERRANA/RJ*

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DOS SOLOS: MANEJOS DIFERENTES EM BIOMA DE MATA ATLÂNTICA NA REGIÃO SERRANA/RJ* DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DOS SOLOS: MANEJOS DIFERENTES EM BIOMA DE MATA ATLÂNTICA NA REGIÃO SERRANA/RJ* LIMA, L. G. 1, BARROS, A L. R. de 2. VIDAL, D. P. 3, BERTOLINO, A V. F. A 4, BERTOLINO, L. C. 4 1 Graduando/

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL

PROPOSTAS DO III SEMINARIO SUL BRASILEIRO DE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL GRUPO DE TRABALHO PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PARA O TURISMO RURAL O Seminário Sul Brasileiro vem sendo organizado desde 2005, como um evento paralelo a Suinofest, festa gastronômica de derivados da carne suína, por um grupo formado pela UERGS, ACI-E, EMATER e Secretaria

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2016. (Do Sr. SARNEY FILHO) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2016. (Do Sr. SARNEY FILHO) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2016 (Do Sr. SARNEY FILHO) Altera dispositivos da Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, passa a vigorar

Leia mais

Manejo Sustentável da Floresta

Manejo Sustentável da Floresta Manejo Sustentável da Floresta 1) Objetivo Geral Mudança de paradigmas quanto ao uso da madeira da floresta, assim como a percepção dos prejuízos advindos das queimadas e do extrativismo vegetal. 2) Objetivo

Leia mais

GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos. VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto

GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos. VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO Eduardo Henrique de Accioly Campos VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO João Soares Lyra Neto SECRETÁRIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE Luciana Barbosa de

Leia mais

Levantamento de Indicadores de Sustentabilidade no Assentamento Antonio Conselheiro, Município de Barra do Bugres 1

Levantamento de Indicadores de Sustentabilidade no Assentamento Antonio Conselheiro, Município de Barra do Bugres 1 Levantamento de Indicadores de Sustentabilidade no Assentamento Antonio Conselheiro, Município de Barra do Bugres 1 B. R. WINCK (1) ; M. Rosa (2) ; G. LAFORGA (3), R. N. C. FRANÇA (4), V. S. Ribeiro (5)

Leia mais

FOTO1-Preparo do solo inadequado na recuperação de pastagem, ocasionando erosão em sulcos.

FOTO1-Preparo do solo inadequado na recuperação de pastagem, ocasionando erosão em sulcos. IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA, PECUÁRIA E FLORESTA EM PROPRIEDADES DA AGRICULTURA FAMILIAR DA ZONA DA MATA DE MINAS. 1 Ricardo Tadeu Galvão Pereira- Eng o Agrônomo, Dsc, Coordenador Regional

Leia mais

Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres

Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres Judith Kaspersma - RUAF Foto: Kranjac-Berisavljevic - dreno principal na cidade de Tamale, Gana Entre 24

Leia mais

O Crédito e a. no BB

O Crédito e a. no BB O Crédito e a Sustentabilidade no BB O Crédito e a Sustentabilidade no BB Para efeito de concessão de crédito, os produtores são divididos da seguinte forma: Agricultura Familiar: Agricultores e Pecuaristas

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO QUE CELEBRAM ENTRE SI, O GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO, POR INTERMÉDIO DA SECRETARIA ESTADUAL

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO QUE CELEBRAM ENTRE SI, O GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO, POR INTERMÉDIO DA SECRETARIA ESTADUAL PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO QUE CELEBRAM ENTRE SI, O GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO, POR INTERMÉDIO DA SECRETARIA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E DA SECRETARIA ESTADUAL DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO, O MUNICÍPIO

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE.

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. Alvori Cristo dos Santos, Deser, Fevereiro 2007. Há alguns anos atrás, um movimento social

Leia mais

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC)

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Bioenergia: energia renovável recicla o CO 2 E + CO 2 + H 2 O CO 2 + H 2 O Fotossíntese

Leia mais

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO Conciliando Biodiversidade e Agricultura DESAFIO Compatibilizar a Conservação e a Agricultura O crescimento da população global e a melhoria dos padrões de vida aumentaram

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA III Ciclo de Palestras Produção Animal, Meio Ambiente e Desenvolvimento - UFPR Julio Carlos B.V.Silva Instituto Emater juliosilva@emater.pr.gov.br A produção

Leia mais

Grandes mudanças ocorreram na forma de fazer agricultura depois da utilização de tratores e o uso intensivo de adubos químicos e agrotóxicos. Muitos agricultores mudaram seus sistemas e técnicas e passaram

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Demandas legais: manter ou recuperar a vegetação nativa em determinadas porções da propriedade rural (Lei Florestal) áreas pré-determinadas espacialmente (onde recuperar?). Demandas

Leia mais

PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP

PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP PROGRAMA DE REFLORESTAMENTO DAS MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO AOS MANANCIAIS DA REPRESA BILLINGS NO MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ SP Fernanda Longhini Ferreira 1 O município de Santo André,

Leia mais

RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO

RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO Projeto Agrisus Nº: 1626/15 RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO Nome do Evento: 6º Dia de Campo do Portal Ciência do Solo Qual o caminho para altas produtividades de soja? Interessado (Coordenador do Projeto):

Leia mais

9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário

9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário 171 9.3 Descrição das ações nos Sistemas de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário Com a finalidade de alcançar os objetivos e metas estabelecidas no PMSB de Rio Pardo sugerem-se algumas ações,

Leia mais

Equipe de Geografia GEOGRAFIA

Equipe de Geografia GEOGRAFIA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 7B Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA 1. Agricultura no Brasil: Breve histórico - Brasil Colônia: monocultura da cana se destacava como produto principal,

Leia mais

ANEXO II HISTÓRICO DAS FEIRAS DE TROCA DE SEMENTES TRADICIONAIS E CRIOULAS DO ESTADO DE SÃO PAULO

ANEXO II HISTÓRICO DAS FEIRAS DE TROCA DE SEMENTES TRADICIONAIS E CRIOULAS DO ESTADO DE SÃO PAULO ANEXO II HISTÓRICO DAS FEIRAS DE TROCA DE SEMENTES TRADICIONAIS E CRIOULAS DO ESTADO DE SÃO PAULO JUSTIFICATIVA Após a organização do 1 Seminário de Acesso a Sementes Crioulas e Orgânicas em abril de 2010

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO

COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO COMPARTIMENTAÇÃO MORFOPEDOLÓGICA E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DA BACIA DO CÓRREGO AMIANTO, MINAÇU GO Uhênia Caetano PEREIRA Universidade Federal de Goiás (uhenea@hotmail.com) Cláudia Valéria LIMA

Leia mais

USO DE REDE SOCIAL NA ASSISTÊNCIA TÉCNICA RURAL

USO DE REDE SOCIAL NA ASSISTÊNCIA TÉCNICA RURAL USO DE REDE SOCIAL NA ASSISTÊNCIA TÉCNICA RURAL Londrina, Outubro de 2.015. Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural - Paraná Agente de ATER - PAULO ROBERTO MRTVI INSCRIÇÃO DADOS DA

Leia mais

O Código Florestal e a contribuição dos trabalhadores de pesquisa e desenvolvimento

O Código Florestal e a contribuição dos trabalhadores de pesquisa e desenvolvimento O Código Florestal e a contribuição dos trabalhadores de pesquisa e desenvolvimento agropecuário Vicente Almeida Presidente do SINPAF O que é o SINPAF? É o Sindicato Nacional que representa os trabalhadores

Leia mais

Nº 06. sistema agroflorestal

Nº 06. sistema agroflorestal EMEIO AMBIENT Nº 06 sistema agroflorestal Em uma sala de aula na zona rural... Bom dia! Bom dia, professor! Hoje vamos falar sobre o futuro do planeta! O senhor disse que iríamos estudar agricultura e

Leia mais

Adaptação à mudança do clima*

Adaptação à mudança do clima* Agropecuária: Vulnerabilidade d e Adaptação à mudança do clima* Magda Lima - Embrapa Meio Ambiente Bruno Alves - Embrapa Agrobiologia OCB Curitiba Março de 2010 * Apresentação baseada em artigo publicado

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS

CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS IPEF: FILOSOFIA DE TRABALHO DE UMA ELITE DE EMPRESAS FLORESTAIS BRASILEIRAS ISSN 0100-3453 CIRCULAR TÉCNICA N o 159 JUNHO 1988 INTRODUÇÃO PREPARO DE SOLOS EM ÁREAS ACIDENTADAS Deuseles João Firme * João

Leia mais

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO [27] TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO 1. Nos últimos anos a maioria dos países enfrentou grave crise econômica, que gerou um grande

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Programa Águas de Araucária Mostra de Projetos 2011 Programa Águas de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Secretaria Municipal

Leia mais

LEVANTAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NA MICROBACIA DO CÓRREGO HERMES NO MUNICÍPIO DE COLORADO DO OESTE-RO

LEVANTAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NA MICROBACIA DO CÓRREGO HERMES NO MUNICÍPIO DE COLORADO DO OESTE-RO Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 LEVANTAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NA MICROBACIA DO CÓRREGO HERMES NO MUNICÍPIO DE COLORADO DO OESTE-RO Dany Roberta Marques Caldeira¹ Engenheira Florestal, professora do ensino

Leia mais

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE

ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE ANALISE DE PERDA DE SOLO EM DIFERENTES RELEVOS NO SEMIÁRIDO CEARENSE Sebastião Cavalcante de Sousa (1); Rafaela Alves de Melo (1); Francisco Ramon da Cunha Alcantara (2) (Universidade Federal do Cariri,

Leia mais

TITULO DO TRABALHO DEFINITIVO: PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS NA REPRESA DO FAXINAL

TITULO DO TRABALHO DEFINITIVO: PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS NA REPRESA DO FAXINAL TITULO DO TRABALHO DEFINITIVO: PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS NA REPRESA DO FAXINAL Edio Elói Frizzo; Roberto Carlos da Silva Alves; Maria do Carmo S. Ekman. Currículo dos autores: Edio Elói

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO Natália Aragão de Figueredo 1, Paulo Henrique Dias Barbosa 2, Thiago Dannemann Vargas 3, João Luiz Lani 4

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº Institui

PROJETO DE LEI Nº Institui PROJETO DE LEI Nº Institui o Programa Agricultura Familiar Urbana na Escola Cidadã, priorizando, para a merenda escolar, a aquisição de hortifrutigranjeiros da agricultura familiar de Canoas. Art. 1. Fica

Leia mais

MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA

MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA 1 Finalidade O setor Agropecuário é, e sempre foi, fundamental para a economia Brasileira, porém está sujeito aos riscos de produção por intempéries da Natureza

Leia mais

Desafios Ambientais do Biodiesel no Brasil

Desafios Ambientais do Biodiesel no Brasil Desafios Ambientais do Biodiesel no Brasil Mudança do Clima A mudança do clima representa um desafio para a sustentabilidade global. Os gases de efeito estufa (GEEs) são apontados como os principais responsáveis

Leia mais

Poluição do Solo e a Erosão

Poluição do Solo e a Erosão Gerenciamento e Controle da Profª. Lígia Rodrigues Morales e a Objetivos Conhecer a definição e a caracterização da poluição do solo, assim como os principais fatores que a desencadeiam; Compreender a

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS ESTADO DO AMAZONAS Gabinete do Vereador ELIAS EMANUEL

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS ESTADO DO AMAZONAS Gabinete do Vereador ELIAS EMANUEL PROJETO LEI Nº. 044/2015. Institui a criação da Política Municipal de Captação, Armazenamento e Aproveitamento da Água da Chuva no Município de Manaus, e dá outras providências. Art. 1º Fica instituída

Leia mais

SÍNTESE JUINA. Meio Ambiente

SÍNTESE JUINA. Meio Ambiente SÍNTESE JUINA Aperfeiçoar mecanismos controle ambiental Meio Ambiente Instalação de viveiros de distribuição de mudas para o reflorestamento e matas ciliares Ampliar aceso aos programas de crédito de Capacitar

Leia mais

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA

Tema: Reserva Legal. Familiar/MMA Tema: Reserva Legal Norma atual Proposta 1 Proposta Agricultura Proposta Movimento MAPA/ruralistas Familiar/MMA Socioambientalista Recuperação de RL: exige a Reconhecimento de Não aceitar anistia para

Leia mais

VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO

VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO Honorino Roque Rodigheri * Este estudo tem o objetivo de comparar os indicadores ecológicos (uso de

Leia mais

Agenda Estratégica da Palma de Óleo

Agenda Estratégica da Palma de Óleo 1. ESTATÍSTICAS Versão 20-09-2011 Levantamento de área plantada e safras 1. Definir metodologias, sistema de governança, gestão do trabalho, valores de orçamento, cronograma de trabalho, implantação e

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO PARA HORTICULTURA ORNAMENTAL SUSTENTÁVEL

CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO PARA HORTICULTURA ORNAMENTAL SUSTENTÁVEL CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO PARA HORTICULTURA ORNAMENTAL SUSTENTÁVEL SUMÁRIO 1. COMPONENTES... 1 2. PRINCÍPIOS... 1 3. ESBOÇOS DE CÓDIGOS DE CONDUTA VOLUNTÁRIOS... 2 3.1 Para Órgãos e Setores do Governo...

Leia mais

A OBRIGAÇÃO DE SE MANTER A RESERVA FLORESTAL LEGAL EM IMÓVEL URBANO

A OBRIGAÇÃO DE SE MANTER A RESERVA FLORESTAL LEGAL EM IMÓVEL URBANO A OBRIGAÇÃO DE SE MANTER A RESERVA FLORESTAL LEGAL EM IMÓVEL URBANO (*) Gabriel Montilha Nos processos de licenciamento ambiental para a implantação de loteamentos, submetidos à aprovação dos órgãos ambientais,

Leia mais

DISPOSIÇÕES PERMANENTES

DISPOSIÇÕES PERMANENTES Revista RG Móvel - Edição 31 DISPOSIÇÕES PERMANENTES CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR): O novo Código Florestal determina a criação do CAR (Cadastro Ambiental Rural) e torna obrigatório o registro para todos

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS TIPOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO ASSENTAMENTO JACU NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB

IDENTIFICAÇÃO DOS TIPOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO ASSENTAMENTO JACU NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB IDENTIFICAÇÃO DOS TIPOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO ASSENTAMENTO JACU NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB Paulo Ricardo Dantas (1); Ana Paula Fonseca e Silva (1); Andreza Maiara Silva Bezerra (2); Elisângela

Leia mais

GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF

GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF GRANDES PARCERIAS GERANDO GRANDES RESULTADOS NA GESTÃO SUSTENTAVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS PRODUTOR DE ÁGUA NO PIPIRIPAU-DF José Bento da Rocha Farmacêutico graduado pela Universidade Estadual de Goiás UEG,

Leia mais

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 20.11.07. Dispõe sobre a Política Estadual para o Desenvolvimento e Expansão da Apicultura e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

Leia mais

IRRIGAÇÃO. JOSÉ ANTÔNIO FRIZZONE frizzone@esalq.usp.br

IRRIGAÇÃO. JOSÉ ANTÔNIO FRIZZONE frizzone@esalq.usp.br IRRIGAÇÃO JOSÉ ANTÔNIO FRIZZONE frizzone@esalq.usp.br IRRIGAÇÃO CONCEITO CLÁSSICO Aplicação artificial de água ao solo, em intervalos definidos e em quantidade suficiente para fornecer às espécies vegetais

Leia mais

Tubarão (Santa Catarina), Brazil

Tubarão (Santa Catarina), Brazil Tubarão (Santa Catarina), Brazil Relatório do progresso local sobre a implementação do Quadro de Ação de Hyogo (2013-2014) Prefeito: João Olavio Falchetti Nome do ponto focal: João Olavio Falchetti Organização:

Leia mais

Sustentabilidade do Setor Florestal

Sustentabilidade do Setor Florestal Sustentabilidade do Setor Florestal Quem somos o Somos o resultado da União de duas empresas brasileiras com forte presença no mercado global de produtos florestais renováveis. o Uma nova empresa com

Leia mais

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA.

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA. 1 - INTRODUÇÃO No período de 01 a 14 de abril de 2007, os técnicos da CONAB e das instituições com as quais mantém parceria visitaram municípios produtores de café em Minas Gerais, Espírito Santo, São

Leia mais

REF.: RELATÓRIO FINAL DAS PROPOSTAS APRESENTADAS E DEBATIDAS NAS REUNIÕES E MESA DE DEBATES SOBRE PLANO DIRETOR RURAL.

REF.: RELATÓRIO FINAL DAS PROPOSTAS APRESENTADAS E DEBATIDAS NAS REUNIÕES E MESA DE DEBATES SOBRE PLANO DIRETOR RURAL. 1 REF.: RELATÓRIO FINAL DAS PROPOSTAS APRESENTADAS E DEBATIDAS NAS REUNIÕES E MESA DE DEBATES SOBRE PLANO DIRETOR RURAL. MEMBROS DA COMISSÃO : Eng.ª Agr.ª Clarissa Chufalo Pereira Lima Eng.º Agr. Denizart

Leia mais

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC

Programa para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura. Programa ABC para Redução da Emissão de Gases de Efeito Estufa na Agricultura Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na

Leia mais

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 2

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 2 Prova 3 QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. UEM Comissão Central do Vestibular Unificado 2 GEOGRAFIA 01 No Paraná, a Mata de Araucária,

Leia mais

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 1

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 1 Prova 3 QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. UEM Comissão Central do Vestibular Unificado GEOGRAFIA 01 O episódio sobre a exploração

Leia mais

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO

DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA RESUMO DESSECAÇÃO DE BRAQUIÁRIA COM GLYPHOSATE SOB DIFERENTES VOLUMES DE CALDA Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Edgar Rodrigues Marques 1 ; Paulo César

Leia mais