Levantamento de Indicadores de Sustentabilidade no Assentamento Antonio Conselheiro, Município de Barra do Bugres 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Levantamento de Indicadores de Sustentabilidade no Assentamento Antonio Conselheiro, Município de Barra do Bugres 1"

Transcrição

1 Levantamento de Indicadores de Sustentabilidade no Assentamento Antonio Conselheiro, Município de Barra do Bugres 1 B. R. WINCK (1) ; M. Rosa (2) ; G. LAFORGA (3), R. N. C. FRANÇA (4), V. S. Ribeiro (5) 1 Acadêmica do curso de Agronomia, UNEMAT, Campus Universitário de Tangará da Serra, 2 Professora da UNEMAT, departamento de letras, 3 Professor Orientador da UNEMAT, Departamento de Agronomia, 4 Professor da UNEMAT, departamento de letras, 5 Acadêmica do curso de Agronomia, UNEMAT, Campus Universitário de Tangará da Serra, RESUMO: O conceito de sustentabilidade não é um consenso quanto o seu significado, surgindo diferentes conceitos de desenvolvimento, muitas vezes extremamente distintos. Para nortear os rumos deste, são necessários indicadores que permitam caracterizar, avaliar e acompanhar um dado sistema. Essa agricultura atual causa sérios impactos, sendo eles a contaminação dos recursos naturais e do homem, destruição da biodiversidade, mudança das tradições culturais, queda da renda agrícola e do preço da terra e por conseqüência, intenso abandono do campo, nas cidades ocorre a saturação populacional, aumento dos índices de violência, aumento da fome, das favelas e diminuição da qualidade de vida da população urbana. Esse tipo de agricultura deve ser mensurado, avaliando assim a sua sustentabilidade. A partir daí, surgiu os a proposta de utilização de indicadores capazes de avaliar a sustentabilidade nas dimensões ambiental, social e econômica. O trabalho segue a metodologia proposta pelo MESMIS. Para avaliar a dimensão social da sustentabilidade foram selecionados indicadores com base em três propriedades que fizeram parte de um projeto, o Saber Camponês: estudo sobre a construção do conhecimento camponês no assentamento Antonio Conselheiro, microrregião de Tangará da Serra, MT. Esses indicadores serão agrupados com outros de natureza ambiental e econômica, possibilitando uma avaliação da sustentabilidade em todas as suas dimensões. Palavras-chave: Sustentabilidade, indicadores, agroecossistema. 1 Projeto: Saber Camponês: estudo sobre a construção do conhecimento camponês no assentamento Antonio Conselheiro, microrregião de Tangará da Serra, MT, financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Esta sendo desenvolvido no assentamento Antonio Conselheiro, microrregião de Barra do Bugres, MT.

2 1. INTRODUÇÃO Uma das questões presente no debate atual sobre a agricultura é a sua sustentabilidade. Nos desafios colocados pela sociedade aos sistemas de produção agropecuária estão incluídas as novas exigências da sociedade de que essa produção não contamine o ambiente, não exerça pressão inadequada sobre os recursos naturais e que leve em consideração os aspectos relacionados à eqüidade social. Assim, exige-se que seja estabelecido um padrão de tecnologia sustentável ao longo do tempo (AZEVEDO, 2002). Sendo assim, a sustentabilidade pode ser conceituada como o equilíbrio entre três fatores: social (organização dos produtores de forma coletiva), econômico (garantir a sustentação familiar e disposição de recursos financeiros) e ambiental (manejo adequado de recursos naturais) (KHATOUNIAN, 2001). O manejo de agroecossistemas, numa perspectiva sustentável, passa pelo uso racional dos recursos naturais e por uma maior compreensão do ambiente. Para isso, a utilização de indicadores que visam levantar o estado de um sistema produtivo e monitorar os impactos socioeconômicos e ambientais provenientes das atividades agrícolas, constituindo-se em um importante instrumento para subsidiar políticas, planos, programas e projetos de desenvolvimento do setor agrícola (EPAMIG, 2009). Segundo Deponti (2002), indicadores são instrumentos que permitem mensurar as modificações nas características de um sistema. O desenvolvimento dos indicadores de sustentabilidade surgiu na Rio-92, Conferência Mundial sobre o Meio Ambiente, exposto na Agenda 21. A idéia era definir padrões sustentáveis de desenvolvimento que considerassem aspectos ambientais, econômicos, sociais, éticos e culturais. Ai esta a necessidade de indicadores que a mensurassem, monitorassem e avaliassem. Neste sentido, o presente trabalho esta sendo realizado com produtores da agrovila 28 do Assentamento Antonio Conselheiro Micro-região Paulo Freire no município de Barra do Bugres MT e tem como objetivo inferir o nível de sustentabilidade das unidades de produção, utilizando-se uma metodologia de análise do paradigma de sustentabilidade com a seleção de indicadores de qualidade ecológica, econômica e social que possam constituir uma matriz de valores observáveis a campo, de modo expedito e versátil.

3 2. OBJETIVOS Objetivo Geral Levantamento de indicadores que permitam mensurar os níveis de sustentabilidade de propriedades familiares do Assentamento Antonio Conselheiro Micro-região Paulo Freire no município de Barra do Bugres, MT. Objetivos Específicos 1. Tipificar propriedades familiares da agrovila 28 do assentamento Antonio Conselheiro; 2. Identificação dos pontos críticos das unidades de produção; 3. Identificar indicadores que permitam inferir o nível de sustentabilidade das unidades de produção; 3. MATERIAIS E MÉTODOS Este trabalho consiste numa pesquisa no Assentamento Antonio Conselheiro, este localizado a 34 km de Tangará da Serra MT. No presente trabalho, limitamos os estudos a agrovila 28, onde localiza-se a Escola Paulo Freire, localizada no município de Barra do Bugres. Os produtores foram entrevistados através de um questionário semi-estruturado para realização da tipificação dos produtores quanto ao seu sistema de cultivo (agroecológico, transição agroecológica ou convencional). Através dos questionário faz-se um levantamento de grande parte dos indicadores. Logo após, foi adotado o MESMIS Marco para a Avaliação de Sistemas de Manejo de Recursos Naturais Incorporando Indicadores de Sustentabilidade, como método de seleção dos indicadores (MASERA et al, 1999). Os indicadores estão sendo selecionados com base nos pontos críticos das unidades de produção selecionada, os quais estão sendo identificados de forma participativa, através de visitas às propriedades e reuniões com os agricultores e parceiros envolvidos no projeto. A coleta de dados ocorreu através de registros em diários de campo, fotos das atividades realizadas, e posteriormente, tabulação dos dados da entrevista.

4 4. RESULTADOS Tipificação das Famílias O primeiro momento da pesquisa foi a visita a todas as unidades de produção familiar da agrovila 28, a qual foi aplicada um questionário socioeconômico que fazia uma caracterização geral da comunidade quanto a organização social, economia e ambiental. Nesta etapa faz-se a tipificação das propriedades quanto ao sistema produtivo: Agroecológica, em transição agroecológica e convencional. Foram escolhida 02 propriedades familiares para execução das atividades de levantamento de indicadores a campo, sendo todas propriedades caracterizadas em transição agroecológica. Outro ponto avaliado foi o interesse do produtor quanto se manter num sistema agroecológico, favorecendo assim a seleção destes produtores. Com base nos critérios selecionados, 03 produtores fizeram parte da pesquisa para o levantamento dos indicadores, sendo: 1. Propriedade 01: Sr. Adilson de Jesus e sua esposa Cida; 2. Propriedade 02: Sr. Fernando; Os três produtores selecionados representam os agricultores inseridos no contexto de transição agroecológica da região e apresentam a motivação para trabalhar com sistemas de produção de base ecológica. Levantamento de indicadores de sustentabilidade Este levantamento dos indicadores se deu inicialmente através do levantamento dos pontos críticos do sistema, ou podemos ainda chamar de restrições (pontos fracos) e os pontos fortes. Posteriormente, estas restrições foram acompanhadas e discutidas juntamente com os agricultores da região. Sendo assim, os indicadores serão estudados da seguinte forma: indicadores sociais, indicadores econômicos e indicadores ambientais e técnicos. Pontos Críticos do sistema Os seguintes pontos críticos foram levantados, de acordo com cada propriedade/família:

5 Propriedade 01: dificuldade no controle de plantas daninhas em pastagem, a distância dos centros urbanos, falta de transporte, dificuldade de crédito, falta de assistência técnica especializada, seca, comercialização, falta de organização coletiva, etc. Propriedade 02: dificuldade no controle de plantas daninhas em pastagem, a distância dos centros urbanos, falta de transporte, solos pobres (arenosos), queimada, falta de assistência técnica especializada, a estação seca do ano, comercialização, falta de organização coletiva, etc. Esta pesquisa semi-estruturada foi realizada com 20 produtores, onde percebe-se que a maior parte dos problemas são similares. Podemos agrupar estes pontos críticos da seguinte forma: Problemas sociais: os produtores tem dificuldade de se organizar coletivamente, principalmente no que tange a produção. Também engloba neste ponto: Qualidade e acesso a saúde, educação escolar, infra-estrutura da comunidade, assistência técnica, ocupação da área, origem da propriedade, etc. Problemas Econômicos: no geral, os agricultores dependem de financiamento e créditos para a continuidade das atividades agrícolas nas unidades de produção, a falta deste limita a continuidade da produção. Também insere neste contexto a uso da terra, forma que trabalha na propriedade, escolha e destinação da produção, insumos externos, sanidade da lavoura, Problemas Ambientais: Vários problemas ambientais foram citados, principalmente a disponibilidade de água, a estação seca, pragas, doenças e plantas daninhas, a falta de fertilidade do solo, sua desestruturação física e escassez de diversidade macro e microbiológica, contaminação dos solos com agrotóxicos, a falta de sementes, etc. Critérios de Diagnóstico (descritores) De acordo com a metodologia adotada, a MESMIS, após o levantamento dos prontos críticos do sistema, faz-se a escolha dos critérios de diagnóstico para posteriormente fazer o levantamento dos indicadores estratégicos para melhor mensurar a sustentabilidade. Na dimensão social da sustentabilidade, tem-se com descritores e seus respectivos indicadores: 1. Organização: Envolvimento das pessoas em organizações coletivas, como associações e cooperativas é um indicador muito importante para mensurar a sustentabilidade.

6 2. Uso da terra: Número de pessoas por hectare e o total de pessoas na unidade de produção, onde se faz a avaliação da disponibilidade de terra para as pessoas que ali vivem. 3. Saúde: acesso e condições de saúde, qualidade do atendimento médico, odontológico, primeiros socorros e ambulatório no assentamento, avaliando a qualidade de vidas das pessoas. 4. Educação: Os indicadores aqui abordados serão o nível de escolaridade de cada membro da família e o aspecto metodológico da escola da região. 5. Trabalho: Satisfação e acesso a assistência técnica e extensão rural pública, quantidade de técnicos para atender a demanda local. 6. Origem da propriedade: Indicador de posse de terra completa ou ocupada por terceiros e venda de lote. Na dimensão Econômica, têm-se abaixo os descritores e os respectivos indicadores: 1. Recursos financeiros: O indicador se dá pelo levantamento de acessos a crédito, partindo da premissa de que o ideal é a possibilidade de obtenção de empréstimos financiados através de programas de crédito rural em bancos oficiais. 2. Tecnologia: O indicador pode ser medido através do número de culturas utilizadas e de tecnologias adotadas, praticas como adubação verde, consórcio, rotação de culturas, cobertura morta, percentual de perda devido o ataque de pragas e doenças, infestação por plantas daninhas, o rendimento do produto em ton.ha -1, infra-estrutura. 3. Forma de trabalho: Participação de mão-de-obra contratada na propriedade nos custos de produção e em que épocas do ano há a contratação. Porém, é importante ter como indicador social e econômico a faixa etária dos produtores, uma vez que a evasão do jovem no campo é muito grande a busca de oportunidades nos centros urbanos, causando assim o envelhecimento do campo. 4. Manejo de Produção: Opção pela atividade agrícola da propriedade (vocação da família, aptidão agrícola ou simplesmente interesses de mercado) e destino da produção. 5. Insumos: Custos de insumos externos e o custo total dos insumos, acrescentando os oriundos da propriedade e, avaliar economicamente a renda mensal dos produtores de

7 acordo com a opção de produção que eles tem, observando assim a sustentabilidade econômica da família. Finalmente, na dimensão ecológica e abaixo os descritores com seus indicadores: 1. Solo: O critério adotado para avaliar o indicador será através da erosão visível que é suficiente para apontar a necessidade ou não de intervenções de maior urgência para evitar a perda de solo, análise física, química e biológica do solo. 2. Disponibilidade de água: O indicador selecionado para este critério foi as fontes de água disponíveis para a produção e o volume de água. A qualidade da água será avaliada através do testes de coliformes fecais e outros agentes patógenos. 3. Diversidade: A diversificação de cultivos ajuda o agricultor a minimizar os riscos decorrentes de fenômenos naturais, pois no caso de estragos causados em uma cultura, outras ainda podem garantir algum retorno econômico (CÁCERES, 2006, p.403; ALTIERI, 2002, p.186). Os indicadores podem ser o número de espécies cultivadas na propriedade e os tipos de técnicas alternativas para a manutenção das culturas e criação. 4. Sanidade da lavoura: Monitoramento de pragas, doenças e plantas daninhas na propriedade, destinação de embalagens de insumos químicos, etc. 5. Consciência ambiental: a diversificação de produtos alternativos utilizado na propriedade e a utilização de práticas conservacionistas (terraço, curva de nível, plantio direto, cobertura vegetal é um indicador mencionado por López-Ridaura, Masera e Astier (2002, p.142). Outro indicador importante é a área coberta por vegetação nativa e mata ciliar, de acordo com o Código Florestal Brasileiro, Lei Federal de 15 de setembro de 1965 e alterações. 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS Os indicadores apresentados foram identificados de forma participativa, englobando avaliação que partiu tanto da comunidade como também da equipe de pesquisa. Esta pesquisa ainda se encontra em andamento, ou seja, é possível que seja agrupado junto as estes outros indicadores de natureza social, ambiental e econômica, de forma que a sustentabilidade dos agroecossistemas possa ser avaliada em todas as suas dimensões. Espera-se que com o

8 levantamento dos indicadores de sustentabilidade das unidades de produção, possibilite monitorar e mensurar a sustentabilidade do agroecossistema de modo perceptível e compreensível pelos próprios agricultores envolvidos. A partir disto, fornecer subsídios para programas de extensão rural e assistência técnica, onde possa favorecer o desenvolvimento rural daquela comunidade. 7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALTIERI, M. Agroecologia: bases científicas para uma agricultura sustentável. Guaíba, Agropecuária, p. AZEVEDO, R. A. B. A sustentabilidade da agricultura e os conceitos de sustentabilidade estrutural e conjuntural. Rev. Agr. Trop. Cuiabá. N. 1, p CÁCERES, D. M. Agrobiodiversity and technology in resource-poor farms. Interciencia, vol.31, n.6, p , jun DEPONTI, C. M. Indicadores para avaliação da sustentabilidade em contextos de desenvolvimento rural local. Monografia (Especialização) UFRGS. Programa de Pós- Graduação em Economia Rural, Porto Alegre p. EPAMIG. Workshop sobre Indicadores de Sustentabilidade em agroecossistemas. Belo Horizonte, MG p. KHATOUNIAN, C.A. A reconstrução ecológica da agricultura. Botucatu: Agroecológica, LÓPEZ-RIDAURA, S; MASERA, O.; ASTIER, M. Evaluating the sustainability of complex socio-environmental systems. The MESMIS framework. Ecological Indicators, n.2, p MASERA, O.; LÓPEZ-RIDAURA, S. (ed.). Sustentabilidad y Sistemas Campesinos Cinco experiencias de evaluación en el México rural. México: Mundi-Prensa, p.

Programa de rádio Agronomia no Campo: Agroecologia e Cultura Cabocla em Questão empoderando a agricultura familiar na região de Tangará da Serra MT

Programa de rádio Agronomia no Campo: Agroecologia e Cultura Cabocla em Questão empoderando a agricultura familiar na região de Tangará da Serra MT Programa de rádio Agronomia no Campo: Agroecologia e Cultura Cabocla em Questão empoderando a agricultura familiar na região de Tangará da Serra MT V. S. RIBEIRO 1 ; J. L.S. MATTOS 2 ;G. LAFORGA 3 ;C.

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA III Ciclo de Palestras Produção Animal, Meio Ambiente e Desenvolvimento - UFPR Julio Carlos B.V.Silva Instituto Emater juliosilva@emater.pr.gov.br A produção

Leia mais

AGROECOLOGIA: TEMA TRANSVERSAL PARA A EDUCAÇÃO DO CAMPO RESUMO

AGROECOLOGIA: TEMA TRANSVERSAL PARA A EDUCAÇÃO DO CAMPO RESUMO AGROECOLOGIA: TEMA TRANSVERSAL PARA A EDUCAÇÃO DO CAMPO RESUMO Aldemira Ferreira da Silva¹ Este trabalho aborda a Agroecologia como Tema Transversal para a Educação do Campo, onde o tema agroecologia perpassa

Leia mais

A4-359 Avaliação de indicadores de manejo ambiental em sistemas de produção agrícola de altinópolis-sp.

A4-359 Avaliação de indicadores de manejo ambiental em sistemas de produção agrícola de altinópolis-sp. A4-359 Avaliação de indicadores de manejo ambiental em sistemas de produção agrícola de altinópolis-sp. Fernandes, Augusto Cesar Prado Pomari 1 ; Soares, Eduardo Alessandro 2 ; Badari, Carolina Giudice

Leia mais

A diversificação da produção nos agroecossistemas com base na Agroecologia e na agricultura familiar no sudoeste paranaense: um estudo de caso.

A diversificação da produção nos agroecossistemas com base na Agroecologia e na agricultura familiar no sudoeste paranaense: um estudo de caso. A diversificação da produção nos agroecossistemas com base na Agroecologia e na agricultura familiar no sudoeste paranaense: um estudo de caso. The diversification of production in agroecosystems based

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE UMA ESCOLA TÉCNICA AGRÍCOLA POR MEIO DE INDICADORES

AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE UMA ESCOLA TÉCNICA AGRÍCOLA POR MEIO DE INDICADORES AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE UMA ESCOLA TÉCNICA AGRÍCOLA POR MEIO DE INDICADORES Rafael José Navas da Silva. CEETEPS ETEC. Prof. Edson Galvão Itapetininga/SP. Resumo O conceito de desenvolvimento sustentável

Leia mais

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL Eduardo S. Quartim. João C. S. Nagamura. Roberto Bretzel Martins. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

Leia mais

A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas

A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas Moacyr Bernardino Dias-Filho Engenheiro Agrônomo, pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental, Belém, PA www.diasfilho.com.br Conceito

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO em AGRICULTURA FAMILIAR & MEIO AMBIENTE. UNIDADE da UERGS em VACARIA JUSTIFICATIVA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO em AGRICULTURA FAMILIAR & MEIO AMBIENTE. UNIDADE da UERGS em VACARIA JUSTIFICATIVA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO em AGRICULTURA FAMILIAR & MEIO AMBIENTE UNIDADE da UERGS em VACARIA JUSTIFICATIVA A trajetória de ocupação e de exploração da Terra chegou a um ponto em que sua capacidade de suporte

Leia mais

Aapicultura é considerada o tripé da sustentabilidade, pois engloba

Aapicultura é considerada o tripé da sustentabilidade, pois engloba Revista da Fapese, v.3, n.1, p. 79-86, jan./jun. 2007 79 A Criação de Indicadores para Avaliação de Sustentabilidade em Agroecossistemas Apícolas de Sergipe Maria Emilene Correia de Oliveira* Francisco

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Conceito de Tecnologia Social aplicada a Municípios Sustentáveis: "Compreende técnicas, metodologias e experiências

Leia mais

Professora Dra.Jussara dos Santos Rosendo Orientadora e Professora -Universidade Federal de Uberlândia UFU E-mail: jussara@facip.ufu.

Professora Dra.Jussara dos Santos Rosendo Orientadora e Professora -Universidade Federal de Uberlândia UFU E-mail: jussara@facip.ufu. O Programa Agricultura de Baixo Carbono (ABC) no Município de Ituiutaba MG Laíza Castro Brumano Viçoso Bolsista de IC/ FAPEMIG - Universidade Federal de Uberlândia UFU E-mail: laizabrumano@hotmail.com

Leia mais

Guidelines for submitting papers to the IX Brazilian Congress of Agroecology Belém, Pará BRAZIL, 2015

Guidelines for submitting papers to the IX Brazilian Congress of Agroecology Belém, Pará BRAZIL, 2015 Guidelines for submitting papers to the IX Brazilian Congress of Agroecology Belém, Pará BRAZIL, 2015 Avaliação do estado de sustentabilidade das lógicas familiares de produção em São Félix do Xingu, Território

Leia mais

GEOGRAFIA E HORTAS AGROECOLOGICAS: PRÁTICA EDUCATIVA NAS ESCOLAS SOBRE UM NOVO PRISMA DE ENSINO - APRENDIZAGEM

GEOGRAFIA E HORTAS AGROECOLOGICAS: PRÁTICA EDUCATIVA NAS ESCOLAS SOBRE UM NOVO PRISMA DE ENSINO - APRENDIZAGEM GEOGRAFIA E HORTAS AGROECOLOGICAS: PRÁTICA EDUCATIVA NAS ESCOLAS SOBRE UM NOVO PRISMA DE ENSINO - APRENDIZAGEM Edilson Ramos de oliveira (UFCG); Larissa Barreto Barbosa (UEPB); Nayara Cardoso Ribeiro (UFCG);

Leia mais

Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido

Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido Ações do Projeto de Convivência com o Semiárido Fortaleza, 16 de Abril de 2013 1. CONCEITUAÇÃO As Ações de Convivência com o Semiárido são compostas por um conjunto de práticas alternativas definidas,

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

A Formação do Profissional de. Nível Superior e os Sistemas. Conservacionistas de Produção

A Formação do Profissional de. Nível Superior e os Sistemas. Conservacionistas de Produção A Formação do Profissional de Nível Superior e os Sistemas Conservacionistas de Produção III RPCS Londrina (PR) - 2013 ROTEIRO INTRODUÇÃO: Manejo x Erosão TRABALHO SEMINA (2009): o CONCLUSÃO Formação dos

Leia mais

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DOS SOLOS: MANEJOS DIFERENTES EM BIOMA DE MATA ATLÂNTICA NA REGIÃO SERRANA/RJ*

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DOS SOLOS: MANEJOS DIFERENTES EM BIOMA DE MATA ATLÂNTICA NA REGIÃO SERRANA/RJ* DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DOS SOLOS: MANEJOS DIFERENTES EM BIOMA DE MATA ATLÂNTICA NA REGIÃO SERRANA/RJ* LIMA, L. G. 1, BARROS, A L. R. de 2. VIDAL, D. P. 3, BERTOLINO, A V. F. A 4, BERTOLINO, L. C. 4 1 Graduando/

Leia mais

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 09.10.07. Dispõe sobre Política Estadual para a Promoção do Uso de Sistemas Orgânicos de Produção Agropecuária e Agroindustrial. Lei: A ASSEMBLÉIA

Leia mais

Índices de perdas do plantio à pré-colheita dos principais grãos cultivados no País 1996-2002 Introdução

Índices de perdas do plantio à pré-colheita dos principais grãos cultivados no País 1996-2002 Introdução Índices de perdas do plantio à pré-colheita dos principais grãos cultivados no País 1996-2002 Introdução O presente estudo trata da construção de um modelo de quantificação das perdas de grãos do plantio

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS ESTUDO LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E PROGRAMAS DO GOVERNO FEDERAL PARA O USO SUSTENTÁVEL E A CONSERVAÇÃO DE SOLOS AGRÍCOLAS ESTUDO DEZEMBRO/2014 Rodrigo Hermeto Corrêa Dolabella Consultor Legislativo da Área

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARULHOS SECRETARIA DE SAÚDE REGIÃO DE SAÚDE CANTAREIRA GERAÇÃO DE RENDA CAPACITAÇÃO JARDINAGEM & PAISAGISMO

PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARULHOS SECRETARIA DE SAÚDE REGIÃO DE SAÚDE CANTAREIRA GERAÇÃO DE RENDA CAPACITAÇÃO JARDINAGEM & PAISAGISMO PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARULHOS SECRETARIA DE SAÚDE REGIÃO DE SAÚDE CANTAREIRA GERAÇÃO DE RENDA CAPACITAÇÃO JARDINAGEM & PAISAGISMO VIVEIRO DE MUDAS NATIVAS GUARULHOS/SP 2009 I APRESENTAÇÃO Em setembro

Leia mais

ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA E FORMA DE APRESENTAÇÃO DOS ESTUDOS AMBIENTAIS (PROJETOS BÁSICOS) TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA

ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA E FORMA DE APRESENTAÇÃO DOS ESTUDOS AMBIENTAIS (PROJETOS BÁSICOS) TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA TÉCNICA E FORMA DE APRESENTAÇÃO DOS ESTUDOS AMBIENTAIS (PROJETOS BÁSICOS) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS ESPECIALIZADAS PARA ELABORAÇÃO de ESTUDOS AMBIENTAIS,

Leia mais

O Programa Produtor de Água

O Programa Produtor de Água O Programa Produtor de Água Arcabouço Legal e Institucional Lei nº 9.433 de 8.01.97 Titulo I - Da Política Nacional de Recursos Hídricos Capitulo II Dos Objetivos Artigo 2º - São objetivos da Política

Leia mais

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Henrique Antunes de Souza Fernando Lisboa Guedes Equipe: Roberto Cláudio Fernandes Franco Pompeu Leandro Oliveira Silva Rafael Gonçalves Tonucci

Leia mais

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO Nielson Gonçalves Chagas, João Tavares Nascimento, Ivandro de França da Silva & Napoleão

Leia mais

RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO

RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO Projeto Agrisus Nº: 1626/15 RELATÓRIO PARA AUXÍLIO DE EVENTO Nome do Evento: 6º Dia de Campo do Portal Ciência do Solo Qual o caminho para altas produtividades de soja? Interessado (Coordenador do Projeto):

Leia mais

EDITAL n 01/2015 UNEMAT/NATER

EDITAL n 01/2015 UNEMAT/NATER EDITAL n 01/2015 UNEMAT/NATER PROCESSO DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES E DE SELEÇÃO AO III CURSO DE FORMAÇÃO DE AGENTES DE ATER: Extensão Agroecológica em Mato Grosso. A coordenação do NEA - (NATER), da Universidade

Leia mais

DIAGNÓSTICO SÓCIO-TÉCNICO DOS PRODUTORES E COMERCIANTES DE BASE FAMILIAR AGRÍCOLA DE JOÃO MONLEVADE (MG) E SUGESTÕES DE MANEJO E COMERCIALIZAÇÃO

DIAGNÓSTICO SÓCIO-TÉCNICO DOS PRODUTORES E COMERCIANTES DE BASE FAMILIAR AGRÍCOLA DE JOÃO MONLEVADE (MG) E SUGESTÕES DE MANEJO E COMERCIALIZAÇÃO DIAGNÓSTICO SÓCIO-TÉCNICO DOS PRODUTORES E COMERCIANTES DE BASE FAMILIAR AGRÍCOLA DE JOÃO MONLEVADE (MG) E SUGESTÕES DE MANEJO E COMERCIALIZAÇÃO Felipe Carvalho Santana (*), Gleicia Miranda Paulino, Robson

Leia mais

ANÁLISE DA REDE SOCIAL DAS FAMÍLIAS PARTICIPANTES DO PROJETO DE CARBONO NO CORREDOR DE BIODIVERSIDADE EMAS TAQUARI.

ANÁLISE DA REDE SOCIAL DAS FAMÍLIAS PARTICIPANTES DO PROJETO DE CARBONO NO CORREDOR DE BIODIVERSIDADE EMAS TAQUARI. ANÁLISE DA REDE SOCIAL DAS FAMÍLIAS PARTICIPANTES DO PROJETO DE CARBONO NO CORREDOR DE BIODIVERSIDADE EMAS TAQUARI Desenvolvido por: E Data: 26/07/2011 Resumo O presente relatório visa apresentar os resultados

Leia mais

Circular. Técnica. Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração. I. Apresentação. Janeiro 2010 Número 1

Circular. Técnica. Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração. I. Apresentação. Janeiro 2010 Número 1 Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração 1 Circular Técnica Janeiro 2010 Número 1 Autor Antonio Carlos Galvão de Melo Coautores Claudia Macedo Reis Roberto Ulisses Resende I. Apresentação

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações e normas

Leia mais

O Crédito e a. no BB

O Crédito e a. no BB O Crédito e a Sustentabilidade no BB O Crédito e a Sustentabilidade no BB Para efeito de concessão de crédito, os produtores são divididos da seguinte forma: Agricultura Familiar: Agricultores e Pecuaristas

Leia mais

Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC)

Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC) Currículo de Sustentabilidade do Café (CSC) ÍNDICE 1. Gestão da Propriedade...03 2. Gestão Ambiental...04 3. Material Propagativo (Sementes, mudas e estacas)...05 4. Localização e Implantação de Cafezais...06

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ASSISTÊNCIA TÉCNICA RURAL: UM ESTUDO SOBRE OS AGRICULTORES DE MANDIOCA EM VITÓRIA DE SANTO ANTÃO/PE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ASSISTÊNCIA TÉCNICA RURAL: UM ESTUDO SOBRE OS AGRICULTORES DE MANDIOCA EM VITÓRIA DE SANTO ANTÃO/PE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ASSISTÊNCIA TÉCNICA RURAL: UM ESTUDO SOBRE OS AGRICULTORES DE MANDIOCA EM VITÓRIA DE SANTO ANTÃO/PE Leonardo Rodrigues Ferreira¹, Luiz Claudio Ribeiro Machado, Danúzio Weliton Gomes

Leia mais

ANEXO I COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TROPICAL QUADRO DE OFERTA DE DISCIPLINAS 2012/02 ALUNO ESPECIAL

ANEXO I COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TROPICAL QUADRO DE OFERTA DE DISCIPLINAS 2012/02 ALUNO ESPECIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TROPICAL ANEXO I COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

USO DE REDE SOCIAL NA ASSISTÊNCIA TÉCNICA RURAL

USO DE REDE SOCIAL NA ASSISTÊNCIA TÉCNICA RURAL USO DE REDE SOCIAL NA ASSISTÊNCIA TÉCNICA RURAL Londrina, Outubro de 2.015. Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural - Paraná Agente de ATER - PAULO ROBERTO MRTVI INSCRIÇÃO DADOS DA

Leia mais

Ações em Agroecologia

Ações em Agroecologia Ações em Agroecologia Embrapa Meio Ambiente 1 Ações na linha de pesquisa em Agroecologia na Embrapa Meio Ambiente Abrangência Os trabalhos em Agroecologia na Embrapa Meio Ambiente são desenvolvidos principalmente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA AGRICULTURA ORGÂNICA PARA OS PRODUTORES DO MUNICIPIO DE ARACRUZ - ES

A IMPORTÂNCIA DA AGRICULTURA ORGÂNICA PARA OS PRODUTORES DO MUNICIPIO DE ARACRUZ - ES A IMPORTÂNCIA DA AGRICULTURA ORGÂNICA PARA OS PRODUTORES DO MUNICIPIO DE ARACRUZ - ES Charlene Testa Martins 1 Jakson Clemente da Silva 2,Selma Siqueira da Vitória 3, Suely Favaro 4,,Oziel Ferreira Rocha

Leia mais

INTRODUÇÃO. Márcio Adonis Miranda Rocha 1, David dos Santos Martins 1, Rita de Cássia Antunes Lima 2

INTRODUÇÃO. Márcio Adonis Miranda Rocha 1, David dos Santos Martins 1, Rita de Cássia Antunes Lima 2 LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DAS PLANTAS DANINHAS, NA CULTURA DO MAMÃO, SOB DIFERENTES SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO, NOS MUNICÍPIOS DE LINHARES E SOORETAMA - ES Márcio Adonis Miranda Rocha 1, David dos Santos

Leia mais

B6-73 A experiência da Rede de Agroecologia do Leste Paulista (SP) Brasil.

B6-73 A experiência da Rede de Agroecologia do Leste Paulista (SP) Brasil. B6-73 A experiência da Rede de Agroecologia do Leste Paulista (SP) Brasil. Mário Artemio Urchei 1, mario.urchei@embrapa.br Francisco Miguel Corrales 1, francisco.m.corrales@embrapa.br João Carlos Canuto

Leia mais

Programa de Gestão Ambiental, Social e Econômica da Soja Brasileira

Programa de Gestão Ambiental, Social e Econômica da Soja Brasileira Programa de Gestão Ambiental, Social e Econômica da Soja Brasileira Câmara Setorial de Oleaginosas e Biodiesel do Ministério da Agricultura Daniel Furlan Amaral Economista Brasília DF 02 de setembro de

Leia mais

WORKSHOP PARA ORIENTAÇÃO DO POSICIONAMENTO DO SETOR

WORKSHOP PARA ORIENTAÇÃO DO POSICIONAMENTO DO SETOR SISTEMA WORKSHOP PARA ORIENTAÇÃO DO POSICIONAMENTO DO SETOR Associação Brasileira de Criadores de Zebu Uberaba/MG, 02 de maio de 2012 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS DO ENCONTRO:... 4 PROGRAMAÇÃO DO

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS NA AGRICULTURA FAMILIAR DE COLORADO DO OESTE, RONDÔNIA.

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS NA AGRICULTURA FAMILIAR DE COLORADO DO OESTE, RONDÔNIA. AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS NA AGRICULTURA FAMILIAR DE COLORADO DO OESTE, RONDÔNIA. Mariane de Souza Rocha¹, Edvaldo Schneider Pereira², Vagner Meira Teixeira³ Instituto Federal de Educação Ciências

Leia mais

RESÍDUOS AGROSILVOPASTORIS

RESÍDUOS AGROSILVOPASTORIS RESÍDUOS AGROSILVOPASTORIS Diretriz 01: Desenvolvimento e inovação de tecnologias para o aproveitamento de resíduos orgânicos e inorgânicos das atividades agrosilvopastoris. 1.Estabelecimento de linhas

Leia mais

Censo Agropecuário e Agricultura Orgânica. Paulo Soares e Antonio Florido Gerência Técnica do Censo Agropecuário

Censo Agropecuário e Agricultura Orgânica. Paulo Soares e Antonio Florido Gerência Técnica do Censo Agropecuário Censo Agropecuário e Agricultura Orgânica Paulo Soares e Antonio Florido Gerência Técnica do Censo Agropecuário Manaus- 26 a 29/10/2011 Missão Retratar o Brasil com informações necessárias ao conhecimento

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL IPADES DESTAQUES IPADES MACAÚBA: POTENCIAL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL

INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL IPADES DESTAQUES IPADES MACAÚBA: POTENCIAL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL INSTITUTO DE PESQUISA APLICADA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL IPADES DESTAQUES IPADES Março 2014 MACAÚBA: POTENCIAL PARA A PRODUÇÃO DE BIODIESEL O Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel

Leia mais

PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor

PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor CURITIBA, SETEMBRO DE 2004 2 PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL Proposta de Treinamento Prático/

Leia mais

PRÁTICA DA AGRICULTURA ORGÂNICA: Sustentabilidade, Cooperativismo, Qualidade de Vida e Erradicação da Pobreza. 1

PRÁTICA DA AGRICULTURA ORGÂNICA: Sustentabilidade, Cooperativismo, Qualidade de Vida e Erradicação da Pobreza. 1 PRÁTICA DA AGRICULTURA ORGÂNICA: Sustentabilidade, Cooperativismo, Qualidade de Vida e Erradicação da Pobreza. 1 Andreza Ferreira da Silva 2 Evilaine Cruz Ramos 2 Juliana da Conceição Justino 2 Ludmilla

Leia mais

INTRODUÇÃO O atual modelo econômico e social tem gerado enormes desequilíbrios ambientais. O

INTRODUÇÃO O atual modelo econômico e social tem gerado enormes desequilíbrios ambientais. O RELATO DE CASO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E FORMAÇÃO DE DOCENTES Ribeiro, Lucas Soares Vilas Boas 1, Leite, Eugenio Batista 2 INTRODUÇÃO O atual modelo econômico e social tem gerado enormes desequilíbrios ambientais.

Leia mais

Kimura, Adriana S. B; Tarsitano, Maria A. A.; Pelozo, Luis A.

Kimura, Adriana S. B; Tarsitano, Maria A. A.; Pelozo, Luis A. A UTILIZAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO NA ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO A SER DESENVOLVIDO PELO PROGRAMA ESTADUAL DE MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS EM JUNQUEIRÓPOLIS (SP) Kimura, Adriana S. B; Tarsitano,

Leia mais

Zillo Lorenzetti projeto de cogeração com bagaço

Zillo Lorenzetti projeto de cogeração com bagaço Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC a) Contribuição para a sustentabilidade ambiental local O consiste na queima do bagaço de canade-açúcar para geração de energia para uso próprio e para exportação

Leia mais

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO É ESSENCIAL PARA A VIDA NA TERRA serve de fundação a todos os ecossistemas SERVE DE FUNDAMENTAL

Leia mais

Implantação de Sistemas Agroflorestais, Priorizando a Produção de Frutíferas no Assentamento 16 de Maio

Implantação de Sistemas Agroflorestais, Priorizando a Produção de Frutíferas no Assentamento 16 de Maio Implantação de Sistemas Agroflorestais, Priorizando a Produção de Frutíferas no Assentamento 16 de Maio Deployment of Agroforestry Systems Prioritizes the Fruit Production in the Settlement of May 16.

Leia mais

1a. prova 1 Agroecossistemas Denis Monteiro. Observando paisagens, percebendo os agroecossistemas

1a. prova 1 Agroecossistemas Denis Monteiro. Observando paisagens, percebendo os agroecossistemas 1a. prova 1 Agroecossistemas Denis Monteiro Observando paisagens, percebendo os agroecossistemas Percorrer o território brasileiro, observando a natureza e os povos, impressiona pela exuberância e diversidade.

Leia mais

Ecovias dos Imigrantes Concessionária Ecovias dos Imigrantes Ecovias

Ecovias dos Imigrantes Concessionária Ecovias dos Imigrantes Ecovias Em operação desde 1998, a Ecovias dos Imigrantes é a Concessionária que opera o Sistema Anchieta-Imigrantes, ligação entre a região metropolitana de São Paulo e o Porto de Santos, o Pólo Petroquímico de

Leia mais

Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres

Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres Conferência eletrônica O uso de águas servidas não tratadas na agricultura dos países mais pobres Judith Kaspersma - RUAF Foto: Kranjac-Berisavljevic - dreno principal na cidade de Tamale, Gana Entre 24

Leia mais

Agricultura orgânica no Brasil: características e desafios

Agricultura orgânica no Brasil: características e desafios Revista Economia & Tecnologia (RET) Seção: Tecnologia & Inovação Volume 8, Número 4, p. 67-74, Out/Dez 2012 Agricultura orgânica no Brasil: características e desafios Wescley de Freitas Barbosa * Eliane

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: e-mail: INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA INTRODUÇÃO

TÍTULO: AUTORES: e-mail: INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA INTRODUÇÃO TÍTULO: AGRICULTURA ORGÂNICA: ALTERNATIVA DE RENDA NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO TRIÂNGULO MINEIRO E ALTO PARANAÍBA AUTORES: Gabriel José Barbosa, Murilo M. O. de Souza e David G. Francis e-mail: jbarbosa@bol.com.br,

Leia mais

de alimentos ecológicos: caminho para o acesso à alimentação saudável Agriculturas v. 11 - n. 4 dezembro de 2014 14

de alimentos ecológicos: caminho para o acesso à alimentação saudável Agriculturas v. 11 - n. 4 dezembro de 2014 14 Compras coletivas de alimentos ecológicos Foto: Tiago da Costa O relacionamento direto entre produtores e consumidores estabelece vínculos de confiança e amizade Compras coletivas de alimentos ecológicos:

Leia mais

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer 16 Potencial para Adoção da Estratégia de Integração Lavoura- -Pecuária e de Integração Lavoura-Pecuária- -Floresta para Recuperação de Pastagens Degradadas Manuel Cláudio Motta Macedo Ademir Hugo Zimmer

Leia mais

A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR)

A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR) A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR) LUÍS CARLOS BRAGA UNESP Presdiente Prudente l.karlos2009@hotmail.com

Leia mais

Projeto Quintais Amazônicos

Projeto Quintais Amazônicos Projeto Quintais Amazônicos BOLETIM INFORMATIVO DO PROJETO QUINTAIS AMAZÔNICOS - MAIO - Nº.01 CONHEÇA 0 PROJETO QUE IRÁ GERAR NOVAS OPORTUNIDADES ECONÔMICAS, INCLUSÃO SOCIAL E CONSERVAÇÃO AMBIENTAL PARA

Leia mais

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE.

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. Alvori Cristo dos Santos, Deser, Fevereiro 2007. Há alguns anos atrás, um movimento social

Leia mais

Sementes e Mudas Orgânicas

Sementes e Mudas Orgânicas Sementes e Mudas Orgânicas Cenário atual e desafios para o futuro Eng Agr Marcelo S. Laurino Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Comissão da Produção Orgânica de São Paulo BioFach América

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza Eng. Agr. M.Sc. Manejo Ambiental / Coordenador Técnico / Meio Ambiente Gestão do Produto

Leia mais

NEIVA SALETE DE OLIVEIRA ROMAN

NEIVA SALETE DE OLIVEIRA ROMAN NEIVA SALETE DE OLIVEIRA ROMAN A AGRICULTURA FAMILIAR, AS CONTRIBUIÇÕES DO PROJOVEM CAMPO E O CONTEXTO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA NO MUNICÍPIO DE LINDOESTE - PR Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à banca

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS CARACTERÍSTICAS DE POTABILIDADE DA ÁGUA DE NASCENTES: EXEMPLO DE CASO NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG.

A INFLUÊNCIA DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS CARACTERÍSTICAS DE POTABILIDADE DA ÁGUA DE NASCENTES: EXEMPLO DE CASO NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG. A INFLUÊNCIA DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO S CARACTERÍSTICAS DE POTABILIDADE DA ÁGUA DE SCENTES: EXEMPLO DE CASO NO MUNICÍPIO DE ALFES MG. Afrânio Teodoro Martins 1 e Fernando Shinji Kawakubo 2 afraniolg@hotmail.com.br,

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO QUE CELEBRAM ENTRE SI, O GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO, POR INTERMÉDIO DA SECRETARIA ESTADUAL

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO QUE CELEBRAM ENTRE SI, O GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO, POR INTERMÉDIO DA SECRETARIA ESTADUAL PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO QUE CELEBRAM ENTRE SI, O GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO, POR INTERMÉDIO DA SECRETARIA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E DA SECRETARIA ESTADUAL DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO, O MUNICÍPIO

Leia mais

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado

FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO. Produção Integrada de Arroz Irrigado FOLDER PRODUÇÃO INTEGRADA DE ARROZ IRRIGADO Produção Integrada de Arroz Irrigado O que é a Produção Integrada de Arroz Irrigado? A Produção Integrada é definida como um sistema de produção agrícola de

Leia mais

Município de Colíder MT

Município de Colíder MT Diagnóstico da Cobertura e Uso do Solo e das Áreas de Preservação Permanente Município de Colíder MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Julho de 2008 Introdução O município de Colíder está localizado

Leia mais

PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VISANDO A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA CAATINGA NA REGIÃO DO VALE DO AÇU RN.

PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VISANDO A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA CAATINGA NA REGIÃO DO VALE DO AÇU RN. PROJETO VALE SUSTENTÁVEL: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS VISANDO A CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE DA CAATINGA NA REGIÃO DO VALE DO AÇU RN. Elisângelo Fernandes da Silva (E-mail: elisangelo.silva@bol.com.br);

Leia mais

INSTITUIÇÃO EXECUTORA:

INSTITUIÇÃO EXECUTORA: FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NA AGRICULTURA NO ESTADO DE MATO GROSSO 30 ANOS RELATÓRIO DO PROJETO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DA CULTURA DO ALGODÃO PARA AGRICULTORES FAMILIARES DE MATO GROSSO Relatório

Leia mais

Mostra de Projetos 2011

Mostra de Projetos 2011 Mostra de Projetos 2011 Instalação de Estações de Tratamento de Esgotos por Zona de Raízes em Estabelecimentos Agrícolas Familiares na Bacia Hidrográfica Rio Mourão Mostra Local de: Campo Mourão Categoria

Leia mais

REGULAMENTO XIII PRÊMIO MÉRITO FITOSSANITÁRIO COOPERATIVAS 2009

REGULAMENTO XIII PRÊMIO MÉRITO FITOSSANITÁRIO COOPERATIVAS 2009 REGULAMENTO XIII PRÊMIO MÉRITO FITOSSANITÁRIO COOPERATIVAS 2009 1. Apresentação O Prêmio Mérito Fitossanitário é o reconhecimento ações de responsabilidade social e ambiental das indústrias de defensivos

Leia mais

Estratégias Inovadoras em ATER Voltados à Transição Agroecológica e ao Desenvolvimento de SAFs: o Caso do Assentamento Ipanema, Iperó/SP.

Estratégias Inovadoras em ATER Voltados à Transição Agroecológica e ao Desenvolvimento de SAFs: o Caso do Assentamento Ipanema, Iperó/SP. Estratégias Inovadoras em ATER Voltados à Transição Agroecológica e ao Desenvolvimento de SAFs: o Caso do Assentamento Ipanema, Iperó/SP. COSTA JR., Edgar Alves da 1. edgacj@yahoo.com.br; GONÇALVES, Pedro

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC. Agricultura do Século XXI Agropecuária, Meio Ambiente, Sustentabilidade e Inovação.

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC. Agricultura do Século XXI Agropecuária, Meio Ambiente, Sustentabilidade e Inovação. SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC Agricultura do Século XXI Agropecuária, Meio Ambiente, Sustentabilidade e Inovação. Avanços da Agricultura Brasileira. Passou de importador

Leia mais

Projeto: SEMENADO O BIOMA CERRADO RELATÓRIO DE VIAGEM A CRITALINA/GO

Projeto: SEMENADO O BIOMA CERRADO RELATÓRIO DE VIAGEM A CRITALINA/GO Projeto: SEMENADO O BIOMA CERRADO RELATÓRIO DE VIAGEM A CRITALINA/GO Assunto: Reuniões de Programação de Eventos. 2011. Pessoas que participaram das reuniões: Luiz Carlos Simon Coordenador Geral do Instituto

Leia mais

AGROECOLOGIA E EXTENSÃO DENTRO DO CAMPUS LUIZ DE QUEIROZ DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

AGROECOLOGIA E EXTENSÃO DENTRO DO CAMPUS LUIZ DE QUEIROZ DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Eixo Temático: Ciências Sociais AGROECOLOGIA E EXTENSÃO DENTRO DO CAMPUS LUIZ DE QUEIROZ DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Tomás Mauricio Almeida Carvalho 1 Orientador: Carlos Armênio Kauthonian 2 Resumo: Na

Leia mais

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso 7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso Saiba como colocar o PINS em prática no agronegócio e explore suas melhores opções de atuação em rede. Quando uma empresa

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO

AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO AVALIAÇÃO DO USO DA TERRA NO PROJETO DE ASSENTAMENTO CHE GUEVARA, MIMOSO DO SUL, ESPÍRITO SANTO Natália Aragão de Figueredo 1, Paulo Henrique Dias Barbosa 2, Thiago Dannemann Vargas 3, João Luiz Lani 4

Leia mais

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 20.11.07. Dispõe sobre a Política Estadual para o Desenvolvimento e Expansão da Apicultura e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

Leia mais

A REALIDADE DAS AGROINDÚSTRIAS DOS MUNICÍPIOS DE BARRACÃO E BOM JESUS DO SUL, PR. Ivanira Correia de Oliveira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

A REALIDADE DAS AGROINDÚSTRIAS DOS MUNICÍPIOS DE BARRACÃO E BOM JESUS DO SUL, PR. Ivanira Correia de Oliveira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) A REALIDADE DAS AGROINDÚSTRIAS DOS MUNICÍPIOS DE BARRACÃO E BOM JESUS DO SUL, PR. Área Temática 07: Tecnologia e Produção Ivanira Correia de Oliveira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Kérley Braga Pereira

Leia mais

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás O Estado de Goiás está situado na Região Centro-Oeste do Brasil e, segundo dados oficiais, ocupa área territorial de 340.111,783

Leia mais

Adubação verde. tecnologia simples e sustentável. Sanidade vegetal Manejo adequado da Lagarta-do-Cartucho nas plantações de milho

Adubação verde. tecnologia simples e sustentável. Sanidade vegetal Manejo adequado da Lagarta-do-Cartucho nas plantações de milho CONFIRA OS ATRATIVOS DA VERSÃO SPORT DA FORD RANGER PAG. 16 Sanidade vegetal Manejo adequado da Lagarta-do-Cartucho nas plantações de milho 00102 810001 771806 9 Revista Produz - Ano XI Nº 102 2015 R$

Leia mais

Superintendência Estadual de Mato Grosso

Superintendência Estadual de Mato Grosso Superintendência Estadual de Mato Grosso Programa ABC Conceito Crédito Fixo orientado com o objetivo de: - reduzir das emissões de Gases de Efeito Estufa; - reduzir o desmatamento; - aumentar a produção

Leia mais

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS.

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. Graciela Rodrigues Trindade (1) Bacharel em Gestão Ambiental formada

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE SISTEMAS AGRO- FLORESTAIS 1. IDENTIFICAÇÃO DOS

Leia mais

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS Decreto Estadual Nº 15180 DE 02/06/2014 Regulamenta a gestão

Leia mais

Os impactos sócio-ambientais da agricultura contemporânea

Os impactos sócio-ambientais da agricultura contemporânea Os impactos sócio-ambientais da agricultura contemporânea A questão central da sociedade contemporânea diz respeito à consecução de modos de produção agrícola sustentáveis, em suas dimensões agronômico-produtiva,

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE

EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO E STADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL- SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA EMENTÁRIO:

Leia mais

Ações da UNEMAT no município de Alta Floresta. Prof. Dr. Luiz Fernando Caldeira Ribeiro Departamento de Agronomia

Ações da UNEMAT no município de Alta Floresta. Prof. Dr. Luiz Fernando Caldeira Ribeiro Departamento de Agronomia Ações da UNEMAT no município de Alta Floresta Prof. Dr. Luiz Fernando Caldeira Ribeiro Departamento de Agronomia INTRODUÇÃO Laboratório de Fitopatologia e a Clínica de Doenças de Plantas atuam em 4 áreas:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PCT BRA/IICA/05/004 PAN DESERTIFICAÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA PCT BRA/IICA/05/004 PAN DESERTIFICAÇÃO INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA PCT BRA/IICA/05/004 PAN DESERTIFICAÇÃO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Projeto de Cooperação Técnica PCT BRA/IICA/05/004 PAN Desertificação

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) Viveirista de Plantas e Flores Florestal 2014 Reitora da Universidade Federal de Viçosa Nilda de Fátima Ferreira Soares Pró-Reitor de

Leia mais