CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA DECISÃO E PROGRAMAÇÃO LINEAR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA DECISÃO E PROGRAMAÇÃO LINEAR"

Transcrição

1 1 CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA DECISÃO E PROGRAMAÇÃO LINEAR Nálbia Araújo Santos Mestranda em Controladoria e Contabilidade da FEA/USP Professora da Universidade Estadual de Montes Claros (MG) UNIMONTES Resumo As organizações necessitam administrar os seus recursos para que o resultado final do processo dessas empresas venha ter o mínimo de recursos que assegurem à reposição dos recursos consumidos em suas atividades, e ao utilizar a tecnologia e a informação, a administração poderá encontrar meios para facilitar essa tarefa. A Contabilidade deve fornecer informações aos seus usuários de forma a auxiliá-los no processo de decisão. A Contabilidade de Custos, ao utilizar de conceitos como custeio variável, margem de contribuição unitária, entre outros; juntamente com a programação linear e os recursos tecnológicos podem propiciar aos administrados informações estratégicas para auxiliálos a decidir, por exemplo: a lançar um novo produto, a incentivar a venda dos produtos existentes, a aceitar ou não uma encomenda especial, dentre outras. Para demonstrar como utilizar esses conceitos e a ferramenta na solução de problemas de programação linear foi resolvido o caso Power Recreation extraído do livro de Contabilidade de Custos do Horngren, Foster, Datar (1997, 286), na qual chegou-se a conclusão que esses recursos associados a Contabilidade vêm colaborar para que ela cumpra a sua função que é a de fornecer informações relevantes para o processo decisório.

2 2 1 INTRODUÇÃO A empresa, segundo a Teoria dos Sistemas, é um sistema organizacional que realiza alguma atividade econômica cujo propósito é gerar algum bem ou serviço a ser consumido ou utilizado pelo homem. Diante deste aspecto a empresa adquire, consome, produz e distribui recursos, que podem ser materiais, humanos, financeiros, tecnológicos, etc. A empresa pode ser visualizada como um processo de transformação destes recursos em produtos e serviços, composto de diversos processos menores, interdependentes, que são suas atividades. (Pereira.1999, 39) 1 Independente da atividade econômica (industrial, comercial, financeira, recreativa, religiosa, etc.) que uma empresa possa exercer, esta utilizará recursos que serão transformados em bens e serviços. Usar esses recursos com eficácia é poder garantir que o resultado final do processo possa gerar o mínimo suficiente para assegurar a reposição de todos os recursos consumidos no processo de realização de tais atividades, (Guerreiro, 1999, 315) 2. Como o sistema empresa interage com o ambiente externo, e com isso, ela sofre os impactos e também influencia esse ambiente, administrá-la não é uma tarefa fácil, porém possível. Ao utilizar os recursos tecnológicos e da informação a administração encontra meios para facilitar essa tarefa. Diante disto, pretende-se, evidenciar como a contabilidade, especificamente a de custos, juntamente com o método quantitativo conhecido como programação linear pode colaborar com a administração dos recursos disponíveis a serem consumidos pela empresa. Para tanto, pretende-se evidenciar a Contabilidade como a ciência da informação, depois serão levantados alguns aspectos importantes da contabilidade de custos, enfocando aqueles que contribuem com a administração no processo decisório. Em seguida, serão abordados através de um caso proposto, como a programação linear, associada ao aplicativo Excel e dados colhidos da contabilidade de custos, podem gerar informações importantes para a administração dos recursos de uma empresa. 2 A CONTABILIDADE COMO CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO A Contabilidade, como ciência, preocupa-se com o estudo de fatos que atingem o patrimônio das entidades. Controlar e avaliar esse patrimônio são um dos objetos de 1 Autor (Carlos Alberto Pereira) do 1º capitulo do livro de Controladoria Uma Abordagem da Gestão Econômica GECON. 1 ed. São Paulo: Atlas, Autor (Reinaldo Guerreiro) do 11 capitulo do livro de Controladoria Uma Abordagem da Gestão Econômica GECON. 1 ed. São Paulo: Atlas, 1999.

3 3 estudo da Contabilidade, com isso ela procura cumprir sua função fundamental que é prover de informações seus usuários, auxiliando-os a tomar decisões. Visando atender a cada ramo de atividade empresarial, a Contabilidade foi assumindo configurações diferenciadas como Contabilidade Rural, aplicada às empresas rurais, Contabilidade Pública, aplicada às empresas governamentais, Contabilidade Comercial, aplicada às empresas comerciais, Contabilidade Industrial e de Custos, aplicada às empresas industriais, dentre outras. Note que independente do ramo que a Contabilidade possa atuar, e mesmo com o passar dos tempos, a sua função fundamental não se altera, ou seja, quanto a prover de informação útil para a tomada de decisões econômicas. Atender às necessidades de informações de cada usuário, embora seja o ideal, nem sempre é possível em virtude das próprias restrições do usuário, dos problemas de mensuração e também por causa da relação custo benefício. Por isso, os demonstrativos contábeis externos procuram produzir, em intervalos regulares de tempo, informações básicas e padronizadas, que tentam ser úteis para uma boa parte de usuários, embora não esgote as necessidades destes, mas resolve as mais prementes, (Iudícibus, 2000, 23). Mas a Contabilidade também é capaz de fornecer relatórios internos, com informações relevantes, para seu usuário tomar decisões. Talvez, hoje, seja um dos maiores desafios para a ciência Contábil, essa busca para fornecer informações relevantes que atendam aos seus usuários. A Contabilidade é também uma ciência da informação, pois tem como seu objetivo básico o fornecimento de informações econômicas para os vários usuários, de forma que propiciem decisões racionais, (Iudícibus, 2000, 23). Mesmo com as críticas que sofre, a Contabilidade tem procurado atender a esse objetivo, embora não o esteja atingindo na sua totalidade, e nessa busca, a Contabilidade vem utilizando outras áreas de conhecimento como matemática aliada à informática, por exemplo, para responder algumas de suas necessidades prementes. Essas áreas de conhecimento aliadas aos aspectos conceituais da Contabilidade, têm trazido resposta, de maneira satisfatória, a alguns casos em que haja a necessidade de se buscar elementos fora do tradicional ambiente contábil; além de responder a esses casos estas áreas melhoram a comunicação entre usuário e a Contabilidade. Como bem define Hornegren/Foster/Datar (1997, 02), um sistema contábil, é como eles chamam a contabilidade, é o principal e o mais confiável sistema de informação quantitativo que uma organização pode ter, este é o meio mais formal de se reunir dados que ajudam e coordenam as decisões racionais coletivas. Essas decisões são tomadas observando as metas ou objetivos gerais de uma organização. Um sistema contábil eficaz deve fornecer informações que atendam aos cinco objetivos seguintes, conforme Hornegren/Foster/Datar (1997, 02) estipulam: 1. Formulação das estratégias gerais e dos planos de longo prazo. 2. Decisões de alocação de recursos com ênfase no produto e no cliente, tanto quanto no preço. 3. Planejamento e controle de custo das operações e atividades. 4. Mensuração da performance e avaliação das pessoas. 5. Adequação com a regulamentação externa e as exigências legais de publicação dos demonstrativos.

4 4 Para atender aos objetivos que Hornegren, Foster, Datar definem, é preciso apresentar demonstrativos contábeis diferentes, além da necessidade de se ter um banco de dados ideal para elaborar esses demonstrativos. Este banco de dados tem que ser bem detalhado para poder atender às necessidades específicas dos usuários internos e externos da organização. A Contabilidade em sua configuração de Custos, também vem evoluindo, com o passar dos tempos, nesta busca pela informação econômica que propicie decisões racionais aos usuários. A Contabilidade de Custos surgiu, de certa forma, para atender o usuário na necessidade de avaliar os estoques de produtos e apuração do resultado da atividade operacional das empresas industriais advindas da Revolução Industrial. Com a Revolução Industrial ocorreu o surgimento de empresas com estruturas mais complexas, e por conseqüência passou-se a exigir que a Contabilidade se adequasse à nova realidade empresarial. Assim, começou-se a adaptar a contabilidade ao ciclo operacional das empresas industriais. O custo das mercadorias vendidas que era apurado pelas empresas comerciais passou a ser o custo de produção para as empresas industriais. Assim, incorporou-se no custo de produção, todos os insumos utilizados para atender o ciclo operacional das empresas industriais, tais como matéria-prima, mão de obra e custos indiretos de fabricação. Hoje, a Contabilidade de Custos assume dois posicionamentos básicos no que se refere ao sistema contábil, segundo Pereira, Amaral (1998, 04) a saber: Fornecedora de dados para a Contabilidade Financeira elaborar as Demonstrações Contábeis visando atender ao usuário externo, bem como instrumento de fornecimento de dados e informações para o usuário interno no processo de decisão empresarial, constituindo-se, assim, na Contabilidade Gerencial. Pretende-se enfocar nesse artigo, a Contabilidade de Custos fornecedora de informações para o usuário interno no processo decisório empresarial. 3 CONTABILIDADE DE CUSTOS UTILIZADA PARA TOMAR DECISÕES Procurar-se-á, de uma maneira geral, identificar na Contabilidade de Custos aqueles conceitos que auxiliam na tarefa da decisão. A Contabilidade de Custos é um instrumento poderoso que fornece aos gerentes, informações importantes para orientar os administradores em suas decisões. A Contabilidade de Custos fornece aos administradores, informações que o auxiliam a tomar as seguintes decisões: lançar um produto novo ou incentivar a venda dos produtos existentes, aceitar ou não uma encomenda especial, comprar ou produzir uma peça que compõe o seu produto, terceirizar ou não, qual o produto devo produzir para maximizar o lucro diante das restrições de capacidade produtiva, dentre outras. A Teoria das Restrições crítica a Contabilidade de Custos por estar preocupada em obter quais os custos de produção e de se esquecer que A meta da empresa é ganhar dinheiro, e para tanto, todo o processo de gestão empresarial deve estar consoante com este objetivo. (Garcia/Guerreiro/Corrar,1997, 1205). A crítica maior é em relação ao

5 5 método de custeio por absorção, que utiliza de critérios de rateios para alocação dos custos indiretos aos produtos e serviços. O custeio por absorção atende às exigências fiscais e legais. Este método tem por finalidade atribuir valor ao custo total de cada produto ou serviço. O uso deste método não é recomendado para tomada de decisão, por conter na sua composição custos indiretos de fabricação cuja base é algum critério de rateio. Estes critérios, porém, são sempre subjetivos. Já, o método de custeio variável atribui aos produtos e serviços os custos variáveis de produção. Dentro desta perspectiva, para compor o custo variável, um custo tem que ser facilmente identificado com o produto ou serviço. Não se admite qualquer critério de rateio para alocar custos aos produtos ou serviços. O custeio variável permite ao contador de custo aplicar o conceito de margem de contribuição unitária ou total para cada produto ou serviço. A margem de contribuição unitária pode ser entendida como a parcela com que cada unidade contribui para a cobertura da estrutura fixa (custos e despesas) e a formação do lucro. (Pereira,Amaral,1998, 08). A margem de contribuição total é o resultado da multiplicação da margem de contribuição unitária pelo volume produzido do objeto de custos analisado. A finalidade do custeio variável é atender a administração no processo de decisões gerenciais. Este utiliza o conceito de margem de contribuição unitária e total para colaborar com este processo decisório. O conceito de margem de contribuição unitário tem ao seu favor o fato de não estar poluído dos procedimentos de rateio, comuns ao custeio por absorção, que o inviabiliza para a tomada de decisão em relação aos objetos de custos. O conceito de custeio variável e de margem de contribuição unitária e total, dentre outros, são os mais utilizados pela Contabilidade de Custos para tomar decisões, alem de serem os mais importantes. Estes conceitos também serão usados na determinação do modelo de decisão a serem utilizados na resolução de problemas de programação linear. Por fim, é preciso destacar, que a Contabilidade de Custos possui meios, como foi discutido, para colaborar com o processo de decisões gerenciais das organizações. Os Conceitos de custeio variável e margem de contribuição total e unitária sendo bem utilizados pelos contadores, juntamente com a programação linear e a informática, como será comprovado mais adiante, geram informações relevantes para que se cumpra o objetivo fundamental da contabilidade, e também melhore a comunicação entre usuário e contador. 4 - A PROGRAMAÇÃO LINEAR A programação linear foi desenvolvida durante a Segunda Guerra Mundial, e era usada como um instrumento de administração das estratégias militares. Posteriormente foi utilizada como ferramenta das mais eficazes nos problemas de decisão das organizações.

6 6 É um método matemático utilizado para a solução de problemas empresariais que dizem respeito à otimização na utilização de recursos pelas diversas tarefas ou atividades que devem ser realizadas. Em geral, nestes problemas, os recursos disponíveis são escassos, ou seja, não são suficientes para que cheguem a um nível o mais elevado que se deseje na execução de todas as atividades. A programação linear é um método matemático poderoso para resolver os problemas em que exista um objetivo, a ser atingido mas sujeito a restrições. As restrições à aplicação dos recursos, podem ser tanto em relação à forma de emprego como em relação às quantidades existentes. Quer dizer, a programação linear tem um conjunto de procedimentos e métodos matemáticos para tratar, de forma lógica, problemas que envolvam o uso de recursos escassos. Os problemas que a programação linear permite resolver são inúmeros. Em geral, esta é a técnica ideal para dizer qual é a melhor combinação de materiais, mão de obra e recursos físicos que proporcione maximizar, minimizar ou igualar um certo item. Decisões como qual a melhor combinação de recursos para maximizar o lucro de uma empresa é o objeto de discussão desse trabalho. No caso proposto será discutida, passo a passo, a solução de um problema de maximização do lucro. Observe, mais a frente, no caso proposto, que a programação linear aplica-se a um modelo de decisão em condições de certeza, que possui restrições que afetam a alocação de recursos entre usos alternativos. Os contadores de custos devem, no mínimo, ser capazes de reconhecer, nas empresas, os problemas que podem ser analisados e solucionados pela programação linear. A Contabilidade de Custos fornece dados aos contadores que lhes permitam especificar os objetivos, as restrições e as variáveis do modelo a ser resolvido pela programação linear, e com os recursos computacionais atuais, a solução do modelo fica mais ágil. È necessário que os contadores sejam capazes de elaborar o modelo e também analisar a solução deste, para colaborar com o objetivo fundamental da contabilidade que é o de prover o usuário de informações para a tomada de decisões. O método da programação linear deve observar os seguintes procedimentos, para solucionar um problema: Definir o problema - para isso, é preciso identificar o objetivo pretendido, as variáveis de decisão, ou seja, as variáveis que estão ligadas a este objetivo, e ainda, quais as limitações e relações à que estas variáveis estão sujeitas. O objetivo, em geral, é maximizar ou minimizar um item, observando se os recursos disponíveis são escassos, ou seja, possuem condições restritivas. O modelo é codificado em uma linguagem simbólica, no caso, através de equações e inequações matemáticas lineares. Desta forma, o mundo real será representado através de um modelo matemático, permitindo, assim, que sobre ele apliquem-se técnicas e métodos matemáticos que facilite a solução de um problema. Definido o problema, é preciso obter a solução deste através do modelo construído. Para a solução do problema podem ser utilizados os métodos: do gráfico, da tentativa e erro, simplex, dentre outros. Hoje, existem muitos programas de computador disponíveis no mercado para solucionar problemas de programação linear e fáceis de serem operados. Não será discutido, nesse artigo, como é que se resolve a programação linear utilizando estes métodos citados, pois, o nosso enfoque será voltado para discutir a solução da programação linear utilizando o aplicativo Excel. E os passos aqui definidos para a solução de problemas que envolvam a programação linear serão discutidos, em detalhes, novamente, quando for exposto o caso proposto, para que a solução deste fique bem clara.

7 7 5 - CASO PROPOSTO 3 O caso proposto trata de uma empresa que, em seu processo produtivo, produz dois modelos de veículos cujos motores são importados, e esses motores antes de serem instalados precisam ser testados em uma máquina muito cara. O tempo de teste da máquina é limitado. Os dados da produção foram colhidos no departamento de Contabilidade de Custos e de Engenharia da Produção, e são os seguintes: Dois departamentos são envolvidos no processamento dos motores, e abaixo estão os dados necessários para resolução do caso: Utilização da Capacidade (Horas/Unidade do Produto) Produção Diária Máxima (Unidades) Modelo A Modelo B Modelo A Modelo B 2,0 5,0 300* 120 Capacidade Deptº. Diária Disponível (Horas) Montagem 600 horasmáquinas Teste 120 horas-teste 1,0 0, * Por exemplo, 600 horas-máquinas : 2,0 horas-máquinas por motor do modelo A = 300, o máximo de motores do modelo A que o Departamento de Montagem pode fazer se trabalhar exclusivamente nesses motores. Observa-se, ainda, que o motor do modelo A e B têm margens de contribuição, respectivamente, de $ 240 e $ 375, e por problemas de fornecimento o modelo B limitase a produção de 110 unidades por dia. A empresa quer saber: quantos motores de cada tipo devem ser comprados diariamente, para maximizar o lucro operacional? Outros dados importantes: Capacidade do Departamento (por Dia) em Unidades Produto Montagem Teste Preço de Venda Custo Variável por Unidade Margem de Contribuição por Unidade Modelo A $ 800 $ 560 $ 240 Modelo B $ $ 625 $ Os dados do caso propostos têm como fonte o caso Power Recreation, do livro Contabilidade de Custos, 9º edição, dos autores Horngren,Foster,Datar.1997, pág. 286.

8 Resolução Do Problema Através Da Programação Linear Utilizando O Aplicativo Excel Para resolver o caso proposto, que objetiva encontrar a solução ótima para maximizar a margem de contribuição total, sujeito às múltiplas restrições, utilizar-se-á as técnicas da Programação Linear. E para a realização dos cálculos será utilizada como ferramenta a Planilha de Cálculo Excel, versão 8.0, cujos procedimentos serão explicados e mencionados em cada etapa, até chegar ao resultado final do problema. Etapa 1. Definir as Variáveis de Decisão. As variáveis de decisão são aquelas que influenciam na função objetivo, pois, o objeto do problema é encontrar a combinação dessas variáveis que maximize a margem de contribuição. Neste caso, as variáveis de decisão são a quantidade de motores dos modelos A e B. Portanto, na planilha do Excel estas devem ser descritas, conforme apresentado no Quadro 1. Ao longo da solução do problema, A e B referem-se, respectivamente, ao número de motores do modelo A e B. Etapa 2. Determinar o Objetivo. Neste momento, define-se qual é o objetivo a ser alcançado na programação linear. No caso proposto, o objetivo é a maximização da margem de contribuição total (MCT): MCT = $ 240.A + $ 375.B Observe que as variáveis de decisão fazem parte da função linear. Através da solução do problema procura-se definir, qual é a melhor combinação dessas variáveis (n.º. de modelos A e B) que irá maximizar a margem de contribuição total. Por isso, no Quadro 1, na linha 3, nas colunas B e C, elas estão representadas inicialmente por valores nulos. Após a obtenção da solução do problema estas serão alteradas automaticamente, como será visto adiante. A função objetivo também deve ser informada na planilha de cálculo do Excel, e no Quadro 1 a função objetivo está descrita na linha 5, e na coluna D. Será nesta célula que aparecerá o valor da margem de contribuição total após à solução do problema, como, também, será visto mais a frente. Etapa 3. Definir as Restrições. Próximo passo é definir quais são as restrições. Uma restrição é uma inequação ou igualdade que deve ser satisfeita pelas variáveis de um modelo matemático (Hornegren,Foster,Datar,1997, 286). As restrições são inequações lineares que ilustram o modelo matemático, cada modelo possui as suas inequações, no nosso caso são as seguintes: 600 Restrição do Departamento de Montagem 2.A + 5.B <= Restrição do Departamento de Teste 1.A + 0,5 <= 120 Restrição do problema de fornecimento para os motores modelo B B <= 110 Restrição de não negatividade A>= 0 e B >= 0 Essas inequações estão descritas no Quadro 1, nas linhas 10 e 11, das colunas B e C. Quando da resolução do caso, pelo Excel, estas serão informadas conforme será visto a seguir.

9 9 A partir do Quadro 1 será desenvolvida a próxima etapa, que é a utilização do comando Solver, do Excel 8.0, para resolver o problema. Quadro 1 Dados para Resolução do Caso Proposto no Excel. A B C D 1 MODELO A MODELO B 2 3 QUANT MARG. UNIT MARG. TOTAL =B3*B4 =C3*C4 =B5+C5 6 7 H. MONTAGEM H.TESTE 1 0, TOTAL =B3*B7 =C3*C7 =B10+C10 MONTAGEM 11 TOTAL TESTE =B3*B8 =C3*C8 =B11+C11 Etapa 4. Cálculo da Solução Ótima Utilizando o Excel 8.0. O primeiro passo é acessar no menu de utilitários o item Ferramentas, e nele optar pelo comando SOLVER. Aparecerá uma tela, que será chamada de tela 1, e nesta deve-se especificar as células de destino (na qual aparecerá o valor da função objetivo). Esta consta do quadro 1, linha 5, coluna D. Em seguida, informe o tipo de problema em questão (maximizar, minimizar ou igualar), no nosso caso é maximizar. Especifique agora quais células que estarão variando para se atingir a função objetivo. Estas são as que constam do quadro1, linha 3 das colunas B e C. Nestas células aparecerão os valores relativos a quantos motores do modelo A e B é preciso fabricar para chegar a solução do problema (Quadro 2). Ainda na tela1, o próximo passo é adicionar as restrições. Ao clicar no comando adicionar irá aparecer uma tela, na qual será informada cada restrição, descrita na Etapa 3, do problema. À medida em que se vai introduzindo cada restrição aciona-se o comando adicionar, e ao final o comando OK. Desta forma irá retornar a tela1, na qual aparecerá todas as restrições que foram informadas. Na tela de adicionar restrições terão que ser especificadas as células do Quadro 1, nas quais aparecerão a solução ótima para o problema referente aos recursos escassos (restrições). No nosso caso as restrições são: 1. Coluna D na linha 10, a restrição é que o resultado seja menor ou igual a 600 (capacidade de horas disponíveis na Montagem). 2. Coluna D na linha 11, a restrição é que o resultado seja menor ou igual a 120 (capacidade de horas disponíveis no Teste). 3. Coluna C na linha 3, neste caso a fórmula refere-se à quantidade. A restrição é que o resultado seja menor ou igual a 110 (capacidade de produção do modelo B).

10 10 Não será necessário digitar as restrições de não negatividade pois será comentado a seguir. Após ter descrito todas as restrições e retornado à tela 1, o próximo passo é clicar, na tela 1, o comando Opções. Irá aparecer em seguida uma tela, cuja finalidade é definir soluções que permitam administrar a forma como o Solver irá resolver o problema de programação linear, como, por exemplo, a precisão do resultado obtido, o tempo que será utilizado na solução do problema. No nosso problema basta deixar preenchido os campos já pré-informados, e clicar em presumir modelo linear e presumir não negativos, esse último não permitirá uma solução negativa para o problema (restrição de não negatividade). Ao final dos procedimentos clique no comando OK, e retornará novamente para a tela 1. É neste momento que será solicitada ao Solver, através do comando Resolver, a solução do problema. Ao solicitar a resolução do problema, aparecerá uma tela chamada Resultado do Solver. Esta mostra uma caixa de diálogo informando que o Excel encontrou o resultado desejado, e também as opções de relatório que poderão ser obtidas. Basta selecioná-los, clicando ao final o comando OK. A solução do caso proposto termina neste momento quando surge na Planilha de Cálculo do Excel os resultados conforme especificados no o Quadro 2( abaixo visualizado). Porém, o Solver possibilita os relatórios de resposta, de sensibilidade e de limites, que serão comentados adiante. Quadro 2 Solução do Caso Proposto A B C D 1 MODELO A MODELO B 2 3 QUANT MARG. UNIT. R$ 240,00 R$ 375,00 5 MARG. TOTAL R$ ,00 R$ ,00 R$ , H. MONTAGEM H.TESTE 1 0, TOTAL MONTAGEM 11 TOTAL TESTE Relatórios do Excel Obtidos pelo Solver O primeiro relatório, abaixo visualizado, é o de resposta(quadro 3). Este fornece a solução ótima (75 modelo A e 90 modelo B) encontrada pelo Solver e a margem de contribuição total ($ ,00). No Quadro 3 na parte relativa as Restrições aparecem as quantidades que serão utilizadas e as folgas existentes de cada recurso (Montagem, 600 horas; Teste,120 horas e Modelo B, 90 motores). A coluna de Status identifica se os recursos estão ociosos ou não, respectivamente, sem agrupar e agrupar (a tradução não é a ideal). Neste caso o modelo B tem recursos ociosos de 20 motores, porque era possível produzir 110 motores, mas a melhor solução foi a produção 90. Já os departamentos de Montagem e Teste, pela solução encontrada, não tem recursos ociosos.

11 11 Quadro3 - Microsoft Excel 8.0 Relatório de resposta Célula de destino (Máx) Célula Nome Valor Valor final original $D$5 MARG. TOTAL Células ajustáveis Célula Nome Valor original $B$3 QUANT. MODELO A $C$3 QUANT. MODELO B Valor final Restrições Célula Nome Valor da Fórmula Status Transigência célula $D$10 TOTAL 600 $D$10<=600 Agrupar 0 MONTAGEM $D$11 TOTAL TESTE 120 $D$11<=120 Agrupar 0 $C$3 QUANT. MODELO B 90 $C$3<=110 Sem agrupar 20 O relatório de sensibilidade (Quadro 4) fornecido abaixo, apresenta na sua primeira parte os intervalos de variação para a margem de contribuição de cada produto. Se mantidos dentro destes intervalos, as margens de contribuição unitárias, não proporcionarão alterações nas quantidades obtidas, na solução do problema, para os modelos A e B, embora ocorrerá uma redução ou aumento na margem de contribuição total. Ainda no relatório de sensibilidade, na parte de restrições, na coluna sombra preço (shadow price), os valores nela informados correspondem o quanto se deixa de ganhar por não se dispor de mais uma unidade do recurso restritivo. No nosso caso, a cada unidade de recurso do departamento de teste incrementado, a margem de contribuição total seria acrescida de $ 112,50. Esta informação possibilita o estudo de alternativas para melhorar a utilização do recurso do departamento de teste. As colunas de permissível acréscimo e decréscimo permitem saber os intervalos de variação para a quantidade de cada recurso sem que se mude os valores da coluna sombra preço (shadow price).

12 12 Quadro 4 - Microsoft Excel 8.0 Relatório de sensibilidade Células ajustáveis Valor Reduzido Objetivo Permissível Permissível Célula Nome Final Custo Coeficiente Acréscimo Decréscimo $B$3 QUANT MODELO A $C$3 QUANT. MODELO B Restrições Valor Sombra Restrição Permissível Permissível Célula Nome Final Preço Lateral Acréscimo Decréscimo R.H. $D$10 TOTAL , MONTAGEM $D$11 TOTAL TESTE , O último relatório é o de limites, abaixo visualizado (Quadro 5). Este confirma os resultados obtidos, e informa também qual é a margem de contribuição total que cada modelo proporcionou ($ ,00, modelo A e $18.000,00, modelo B), conforme a solução encontrada. Quadro 5 - Microsoft Excel 8.0 Relatório de limites Nome Célula Destino Valor $D$5 MARG. TOTAL Nome Limite Resultado Limite Resultado Célula Ajustável Valor Inferior Destino Superior Destino $B$3 QUANT MODELO A $C$3 QUANT. MODELO B CONSIDERAÇÕES FINAIS Esse trabalho não tem a pretensão de ter esgotado o tema proposto, porém, esperase ter conseguido demonstrar no seu desenvolvimento o quanto a Contabilidade, como ciência da informação, no ramo da Contabilidade de Custos contribui com a administração no processo de tomada de decisões gerenciais relevantes ao sistema empresa. Para isto, é preciso associar o manancial teórico da Ciência da Contabilidade, no nosso caso específico no seu ramo de Custos, com os recursos do método quantitativo,

13 13 neste estudo o da Programação Linear, e a tecnologia. Esta possibilita agilizar os processos de geração de informações, que melhoram a comunicação entre a Contabilidade e o usuário da informação, e ainda, que colaboram nas decisões racionais. Atualmente, as empresas têm a necessidade de uma gama de informações para definir suas estratégias de atuação mais eficientes e eficazes junto ao mercado. Estas precisam continuar ativas economicamente, e para isso, necessitam melhorar a sua capacidade de gerenciar os recursos nelas empregados na sua operacionalização. Dentro desta perspetiva, identificar os problemas de capacidade de produção, saber explorar esta capacidade, diante das restrições encontradas, seja de mercado ou não, utilizar bem essas restrições e, por fim, não deixar de estar sempre revendo o problema, inclusive reestruturando-o. A técnica da Programação Linear está à disposição, dos contadores, para que possam ser aplicados na solução de problemas relacionados à Contabilidade de Custos. Os conceitos revistos de Contabilidade de Custos, quando utilizados conjuntamente com os procedimentos de programação linear possibilitam ao contador levar ao seu usuário grandes benefícios em termos de informações úteis. Hoje, com a informatização, que agiliza os processos, isto se tornou mais acessível e fácil. Assim, esses recursos associados à Contabilidade, vêm colaborar cada vez mais para que ela possa cumprir a sua função fundamental que é a de prover de informações aos seus usuários, auxiliando-os a tomar decisões. 7 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS IUDÍCIBUS, Sérgio. Teoria da Contabilidade. 6. ed. São Paulo: Atlas, HORNGREN, Charles T., FOSTER, George, DATAR, Srikant M. Contabilidade de Custos; tradução José Luiz Paravato. 9.ed. Rio de Janeiro: LTC, HORNGREN, Charles T. Texto Modelos de Programação Linear. Introdução à Contabilidade Gerencial. pág. 357 a 360. CATELLI, Armando (Coord.) Controladoria Uma Abordagem da Gestão Econômica GECON. 1 ed. São Paulo: Atlas, MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos inclui o ABC.6 ed. São Paulo: Atlas, BRANDT, Valnir Alberto. Álgebra Matricial Aplicada à Contabilidade de Custos. Revista Ciências Empres. UNIPAR, Toledo, v. 1, n.1, p , jan./jun PEREIRA, Antônio Dias, AMARAL, Hudson Fernandes. A Contabilidade de Custos como Instrumento de Informação Gerencial Um enfoque no Sistema de Custeio ABC. Contabilidade vista & revista, Belo Horizonte, v.9, n. 2, p. 3-14, jun GARCIA, Solange, GUERREIRO, Reinaldo, CORRAR, Luiz João. Teoria das Restrições e Programação Linear. Congresso Internacional de Costos, Acapulco, México, 1997.

MAXIMIZAÇÃO DO RESULTADO ATRAVÉS DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO E DA PROGRAMAÇÃO LINEAR

MAXIMIZAÇÃO DO RESULTADO ATRAVÉS DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO E DA PROGRAMAÇÃO LINEAR MAXIMIZAÇÃO DO RESULTADO ATRAVÉS DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO E DA PROGRAMAÇÃO LINEAR Corrar, Luiz João Cunha, Darliane* Feitosa, Agricioneide* Professor e Mestrandas em Contabilidade e Controladoria Faculdade

Leia mais

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO

CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO TURMA ANO INTRODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DISCIPLINA: ESTRUTURA E ANÁLISE DE CUSTO CÓDIGO CRÉDITOS PERÍODO PRÉ-REQUISITO

Leia mais

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS

APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS APLICAÇÃO DOS MÉTODOS DE CUSTEIO: VARIÁVEL E POR ABSORÇÃO, PARA O PROCESSO DECISÓRIO GERENCIAL DOS CUSTOS ANACLETO G. 1 1. INTRODUÇÃO Este estudo tem a finalidade de apuração dos resultados aplicados pelos

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS Resumo A proposta deste trabalho é realizar um estudo de programação linear para definir a viabilidade da produção, assim

Leia mais

PROGRAMAÇÃO LINEAR: UMA APLICAÇÃO À CONTABILIDADE DE CUSTOS NO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO

PROGRAMAÇÃO LINEAR: UMA APLICAÇÃO À CONTABILIDADE DE CUSTOS NO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO PROGRAMAÇÃO LINEAR: UMA APLICAÇÃO À CONTABILIDADE DE CUSTOS NO PROCESSO DE TOMADA DE DECISÃO Corrar, Luis João* Garcia, Editinete André da Rocha** *Professor da Universidade de São Paulo e Doutor em Contabilidade

Leia mais

CUSTEIO POR ABSORÇÃO X CUSTEIO ABC

CUSTEIO POR ABSORÇÃO X CUSTEIO ABC Resumo CUSTEIO POR ABSORÇÃO X CUSTEIO ABC Ana Paula Ferreira Azevedo Faculdade de Ciências Econômicas, Administrativas e da Computação Dom Bosco Associação Educacional Dom Bosco E-mail: apfazevedo@ig.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA MODELO CONCEITUAL DE DECISÃO RELATIVO AO EVENTO MANTER/ELIMINAR/REORGANIZAR ATIVIDADES: UMA CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL EM FINANÇAS (PARTE II): ATINGIR META E SOLVER

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL EM FINANÇAS (PARTE II): ATINGIR META E SOLVER UTILIZAÇÃO DE RECURSOS AVANÇADOS DO EXCEL EM FINANÇAS (PARTE II): ATINGIR META E SOLVER! Planilha entregue para a resolução de exercícios! Quando usar o Atingir Meta e quando usar o Solver Autor: Francisco

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE. Os custos das instituições

GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE. Os custos das instituições GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS EM SAÚDE Os custos das instituições Dra Janice Donelles de Castro - Professora do Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de

Leia mais

Terminologias Introdutórias de Custo: Uma Pesquisa Exploratória Na Universidade Federal de Pernambuco Nos Cursos de Ciências Contábeis e Administração

Terminologias Introdutórias de Custo: Uma Pesquisa Exploratória Na Universidade Federal de Pernambuco Nos Cursos de Ciências Contábeis e Administração Terminologias Introdutórias de Custo: Uma Pesquisa Exploratória Na Universidade Federal de Pernambuco Nos Cursos de Ciências Contábeis e Administração Christianne Calado Vieira de Melo Lopes Julie Nathalie

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR

Sistema de Gerenciamento de Projetos V 1.01 MANUAL DO COORDENADOR Roteiro para utilização do GEP Versão de referência: GEP V1.00 Índice analítico I Apresentação... 2 I.1 Controles básicos do sistema;... 2 I.2 Primeiro acesso... 2 I.3 Para trocar a senha:... 3 I.4 Áreas

Leia mais

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS.

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Thaisa Rodrigues Marcondes 1, Maria Auxiliadora Antunes 2 ¹ Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências

Leia mais

Gerenciamento de custos em situações de risco: uma abordagem do custeio variável aplicando o Método de Monte Carlo

Gerenciamento de custos em situações de risco: uma abordagem do custeio variável aplicando o Método de Monte Carlo Gerenciamento de custos em situações de risco: uma abordagem do custeio variável aplicando o Método de Monte Carlo Pablo Rogers (UFU) msc_pablo@yahoo.com.br Eduardo José dos Santos (UFU) eduardo.js@brturbo.com

Leia mais

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4

Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 CUSTEIO VARIÁVEL COMO SUPORTE À TOMADA DE DECISÃO EMPRESARIAL Marília Gottardi 1 Rodrigo Altério Pagliari 2 Rosemary Gelatti 3 FEMA 4 RESUMO: Inicialmente a contabilidade tinha o objetivo de controlar

Leia mais

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão

ASPECTOS CONCEITUAIS OBJETIVOS planejamento tomada de decisão FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR: JOSÉ DE JESUS PINHEIRO NETO ASSUNTO: REVISÃO CONCEITUAL EM CONTABILIDADE DE CUSTOS ASPECTOS CONCEITUAIS A Contabilidade de

Leia mais

Determinação das variáveis utilizadas na formação dos custos de um treinamento e na fixação do preço de venda de um curso

Determinação das variáveis utilizadas na formação dos custos de um treinamento e na fixação do preço de venda de um curso X Congresso Internacional de Custos Florianópolis. SC. Brasil, 28 a 30 de novembro de 2005 Determinação das variáveis utilizadas na formação dos custos de um treinamento e na fixação do preço de venda

Leia mais

Previsão da Necessidade de Capital de Giro utilizando os preceitos do Modelo de Entrada- Saída de Leontief

Previsão da Necessidade de Capital de Giro utilizando os preceitos do Modelo de Entrada- Saída de Leontief Previsão da Necessidade de Capital de Giro utilizando os preceitos do Modelo de Entrada- Saída de Leontief Adriano Antonio Nuintin Andréa Salvi Carlos Alberto Grespan Bonacim Evandro Marcos Saidel Ribeiro

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria Aline Fernanda de Oliveira Castro Michelle de Lourdes Santos A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Investigação Operacional

Investigação Operacional Licenciatura em Engenharia de Comunicações Licenciatura em Engenharia Electrónica Industrial e Computadores Investigação Operacional Exercícios de Métodos para Programação Linear Grupo de Optimização e

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO VOLUME 3

ADMINISTRAÇÃO VOLUME 3 UNIVERSIDADE DE UBERABA ADMINISTRAÇÃO ETAPA V VOLUME Organização Raul Sérgio Reis Rezende ROTEIRO DE ESTUDO 1 Aplicações da programação linear no ambiente de gestão Objetivos: Ao final dos estudos deste

Leia mais

Estou aqui para estudar com vocês o conteúdo de LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Estou aqui para estudar com vocês o conteúdo de LEGISLAÇÃO - GESTÃO Aula 0 Olá, pessoal! Estou aqui para estudar com vocês o conteúdo de LEGISLAÇÃO - GESTÃO DE PROJETOS E GESTÃO SOCIAL para o concurso de ANALISTA DE POLÍTICAS SOCIAIS do MPOG. Esta é uma carreira nova,

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

Introdução à Administração Financeira

Introdução à Administração Financeira Introdução à Administração Financeira Conceitos Introdutórios e Revisão de alguns elementos e conceitos essenciais à Administração Financeira Introdução à Administração Financeira Administração: é a ciência

Leia mais

Chamada Pública Procedimentos para utilização da Chamada Pública no sistema SMARam Versão 1.0

Chamada Pública Procedimentos para utilização da Chamada Pública no sistema SMARam Versão 1.0 Chamada Pública Procedimentos para utilização da Chamada Pública no sistema SMARam Marcio Tomazelli Coordenador de Sistemas Gustavo Cezarino Programador Pleno Versão 1.0 Índice Índice...2 Índice de Figuras...2

Leia mais

Programação Linear. SOLVER EXCEL Prof. José Luiz. Solução via Excel

Programação Linear. SOLVER EXCEL Prof. José Luiz. Solução via Excel Programação Linear SOLVER EXCEL Prof. José Luiz Solução via Excel 1. Organizar os dados na planilha 1. Reservar células na planilha para representar o coeficiente de cada variável de decisão no modelo

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO LINEAR. Cintia da Silva Araújo, Tiago de Souza Marçal, Magda Aparecida Nogueira

UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO LINEAR. Cintia da Silva Araújo, Tiago de Souza Marçal, Magda Aparecida Nogueira UTILIZAÇÃO DE SOFTWARES NA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PROGRAMAÇÃO LINEAR Cintia da Silva Araújo, Tiago de Souza Marçal, Magda Aparecida Nogueira 1 Centro de Ciências Agrárias-Universidade Federal do Espírito

Leia mais

CONSIDERAÇÕES CONCEITUAIS SOBRE O PLANEJAMENTO DE PREÇOS EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES: UM ENFOQUE DA GESTÃO ECONÔMICA-GECON

CONSIDERAÇÕES CONCEITUAIS SOBRE O PLANEJAMENTO DE PREÇOS EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES: UM ENFOQUE DA GESTÃO ECONÔMICA-GECON CONSIDERAÇÕES CONCEITUAIS SOBRE O PLANEJAMENTO DE PREÇOS EM EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES: UM ENFOQUE DA GESTÃO ECONÔMICA-GECON Prof. Dr. Reinaldo Guerreiro Prof. Dr. Armando Catelli FACULDADE DE ECONOMIA,

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

A utilização da contabilidade gerencial: um estudo em micro e pequenas empresas

A utilização da contabilidade gerencial: um estudo em micro e pequenas empresas A utilização da contabilidade gerencial: um estudo em micro e pequenas empresas Anderson Catapan Ana Carolina Teixeira Cortes ** Patrícia Baptista de Souza *** Rosângela Moreira dos Santos **** Vanessa

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenação/Colegiado ao(s) qual(is) será vinculado: Curso (s) : Ciências Contábeis Nome do projeto: LEVANTAMENTO E APLICAÇÃO DO OS MÉTODOS

Leia mais

Sistema OMMINI. http://www.ommini.com.br/home/

Sistema OMMINI. http://www.ommini.com.br/home/ Sistema OMMINI http://www.ommini.com.br/home/ Sistema integrado a qualquer aplicativo ERP com análises precisas de Inteligência Empresarial ou Business Intelligence. O conceito surgiu na década de 90 e

Leia mais

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO

CUSTO DIRETO 1 - INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL CTAE CUSTO

Leia mais

FACULDADE DE MINAS FAMINAS BH. Ciências Contábeis

FACULDADE DE MINAS FAMINAS BH. Ciências Contábeis FACULDADE DE MINAS FAMINAS BH Ciências Contábeis Adrielle Rochido dos Santos ¹ Amanda Luz Mourão ² Ana Paula Romano da Silva³ Shayane Camila dos Santos 4 Vanessa Batista Loffi Marques 5 Weslley Batista

Leia mais

Abaixo segue a demonstração dos resultados da empresa.

Abaixo segue a demonstração dos resultados da empresa. Exercício de Acompanhamento II A NAS Car produz acessórios esportivos personalizados para automóveis. Ela se especializou em manoplas de câmbio, tendo desenvolvida uma linha padronizada em alumínio polido

Leia mais

Roteiro elaborado com o objetivo de auxiliar os convenentes no registro das prestações de contas no SIGPC Contas Online.

Roteiro elaborado com o objetivo de auxiliar os convenentes no registro das prestações de contas no SIGPC Contas Online. FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO FNDE Roteiro de orientações ao convenente para prestação de contas do Programa Caminho da Escola no SiGPC Contas Online Roteiro elaborado com o objetivo de

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 16 AS QUATRO FASES DO PCP Índice 1. As quatro fases do PCP...3 1.1. Projeto de produção... 3 1.2. Coleta de informações... 5 1.3. Relação despesas/vendas...

Leia mais

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS

O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS O SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS (S.I.G.) APLICADO EM SUPRIMENTOS E PROCESSOS DECISÓRIOS Hugo Bianchi BOSSOLANI 1 RESUMO: Sistema de Informações Gerenciais (S.I.G.) é o processo de transformação de

Leia mais

Procedimentos para Realização de Avaliação de Desempenho Etapa 1: Organizar Estrutura

Procedimentos para Realização de Avaliação de Desempenho Etapa 1: Organizar Estrutura Procedimentos para Realização de Avaliação de Desempenho Etapa 1: Organizar Estrutura Versão: V0_0_3 Data: 11 de abril de 2014 Diretoria Geral de Recursos Humanos - DGRH Site: http://www.dgrh.unicamp.br

Leia mais

ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI CE

ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI CE ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ANÁLISE DAS MELHORIAS OCORRIDAS COM A IMPLANTAÇÃO DO SETOR DE GESTÃO DE PESSOAS NA NOVA ONDA EM ARACATI

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA APOSTILA DE ESTUDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Marcelo Cauduro de Castro - Mestre mccastro@terra.com.br MINI CURRÍCULO: Marcelo Cauduro de Castro é Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Federal

Leia mais

Teoria das restrições, pesquisa operacional e programação linear, estudo de caso com utilização do solver

Teoria das restrições, pesquisa operacional e programação linear, estudo de caso com utilização do solver Teoria das restrições, pesquisa operacional e programação linear, estudo de caso com utilização do solver Ronaldo Enderli Bodanese (URI Campus de Erechim, Brasil) bodanese@awo.com.br José Adrelino de Oliveira

Leia mais

APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS

APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS Prof Fabio Uchôas de Lima São Paulo 2013 Não é permitida a cópia ou reprodução, no todo ou em parte, sem o expresso consentimento deste autor com base na Lei 9.610/92. Contato:

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2012. Manual do Sistema de Coleta de Dados para o BEN 2012

Balanço Energético Nacional 2012. Manual do Sistema de Coleta de Dados para o BEN 2012 Balanço Energético Nacional 2012 Manual do Sistema de Coleta de Dados para o BEN 2012 Fevereiro de 2012 Apresentação O Balanço Energético Nacional BEN é o documento tradicional do setor energético brasileiro,

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial

Sistemas de Informação Gerencial Sistemas de Informação Gerencial Ao longo da historia da administração ocorreram muitas fases. Sendo que, seus princípios sempre foram semelhantes, mudando apenas o enfoque conforme a visão do pesquisador.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO SÓCIO ECONÔMICO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANA RUTH MESQUITA DOS SANTOS - 05010004901 SIDNEY SOARES DE LIMA 05010004401 TURMA: 01030 TURNO: NOITE PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL

CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. EDENISE AP. DOS ANJOS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 5º PERÍODO CONTABILIDADE GERENCIAL As empresas devem ser dirigidas como organismos vivos, como entidades em continuidade, cujo objetivo é a criação de

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA: UM INSTRUMENTO AO PROCESSO DECISÓRIO

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA: UM INSTRUMENTO AO PROCESSO DECISÓRIO DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA: UM INSTRUMENTO AO PROCESSO DECISÓRIO Priscila Rubbo 1 Paulo Roberto Pegoraro 2 Resumo: O demonstrativo do fluxo de caixa tem como finalidade a projeção das entradas e saídas

Leia mais

RELATÓRIOS GERENCIAIS

RELATÓRIOS GERENCIAIS RELATÓRIOS GERENCIAIS Neste treinamento vamos abordar o funcionamento dos seguintes relatórios gerenciais do SisMoura: Curva ABC Fluxo de Caixa Semanal Análise de Lucratividade Análise Financeira o Ponto

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA

TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA TEORIA DAS RESTRIÇÕES: PRINCIPAIS CONCEITOS E APLICAÇÃO PRÁTICA Peter Wanke, D.Sc. Introdução A Teoria das Restrições, também denominada de TOC (Theory of Constraints) é um desenvolvimento relativamente

Leia mais

Guia do Professor. Festa de Aniversário: Primeiros Passos na Matemática

Guia do Professor. Festa de Aniversário: Primeiros Passos na Matemática Guia do Professor Festa de Aniversário: Primeiros Passos na Matemática Introdução As pessoas com Deficiência Mental apresentam limitações no funcionamento intelectual e no comportamento adaptativo manifestos

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES

FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES 1 1. Conceito e caracterização CONTABILIDADE GERENCIAL A Contabilidade

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

Versão 6.04.00 Setembro/2013. Manual de Processos. Módulo Protocolo

Versão 6.04.00 Setembro/2013. Manual de Processos. Módulo Protocolo Versão 6.04.00 Setembro/2013 Manual de Processos Módulo Protocolo 1 1 2 2 Sumário Sumário... 3 Introdução ao Manual de Processos... 4 Conceituado os Processos de Negócio... 5 Estrutura do Manual de Processos...

Leia mais

PROGRAMAÇÃO LINEAR COMO FERRAMENTA AUXILIADORA NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS EM UMA EMPRESA DE SERVIÇOS

PROGRAMAÇÃO LINEAR COMO FERRAMENTA AUXILIADORA NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS EM UMA EMPRESA DE SERVIÇOS PROGRAMAÇÃO LINEAR COMO FERRAMENTA AUXILIADORA NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS EM UMA EMPRESA DE SERVIÇOS Elvis Magno da Silva, autor Douglas Ribeiro Lucas, co-autor Vladas Urbanavicius Júnior, co-autor

Leia mais

GRÁFICO DE GANTT alocação de carga. existem diversos centros aos quais as operações podem ser alocadas, os problemas se avolumam.

GRÁFICO DE GANTT alocação de carga.  existem diversos centros aos quais as operações podem ser alocadas, os problemas se avolumam. I GRÁFICO DE GANTT Em atividades industriais, programar a produção envolve primeiramente o processo de distribuir as operações necessárias pelos diversos centros de trabalho. Essa fase recebe o nome de

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

Neste tópico, você aprenderá a criar facilmente um banco de dados para uma nova empresa e a definir configurações comuns de uma empresa no SAP

Neste tópico, você aprenderá a criar facilmente um banco de dados para uma nova empresa e a definir configurações comuns de uma empresa no SAP Neste tópico, você aprenderá a criar facilmente um banco de dados para uma nova empresa e a definir configurações comuns de uma empresa no SAP Business One, em apenas uma etapa usando um assistente guiado.

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL Júlio César de Almeida (FASA) julioc.almeida@hotmail.com Gisele Figueiredo Braz

Leia mais

A VISÃO DO GERENCIAMENTO DE CUSTOS EM EMPRESAS DE SAÚDE

A VISÃO DO GERENCIAMENTO DE CUSTOS EM EMPRESAS DE SAÚDE ROSADAS, L.A. da S.; MACEDO, M.A. da S. 1 A VISÃO DO GERENCIAMENTO DE CUSTOS EM EMPRESAS DE SAÚDE LEANDRO AZEVEDO DA SILVA ROSADAS¹ MARCELO ALVARO DA SILVA MACEDO² 1. Aluno do 7ª período do curso de Ciências

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Riscos Parte 2 Leandro Loss, Dr. Eng. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Introdução Conceitos básicos Riscos Tipos de

Leia mais

Circular. Técnica. GestFrut_Pêssego: Sistema para Avaliações Econômico-financeiras da Produção de Pêssego. Apresentação Geral do Sistema.

Circular. Técnica. GestFrut_Pêssego: Sistema para Avaliações Econômico-financeiras da Produção de Pêssego. Apresentação Geral do Sistema. ISSN 1808-6810 104 Circular Técnica Bento Gonçalves, RS Novembro, 2014 Autores Joelsio José Lazzarotto Med. Vet., Dr., Pesquisador, Embrapa Uva e Vinho, Bento Gonçalves, RS, joelsio.lazzarotto@embrapa.br

Leia mais

VALOR CONTÁBIL DEPRECIADO. automóvel gol 10.000,00 15.000,00 S. Caminhão Ford 45.000,00 65.000,00 S Automóvel Vectra 25.000,00 30.

VALOR CONTÁBIL DEPRECIADO. automóvel gol 10.000,00 15.000,00 S. Caminhão Ford 45.000,00 65.000,00 S Automóvel Vectra 25.000,00 30. Contribuição da Companhia de Eletricidade do Acre ELETROACRE, para a Audiência Pública sobre a nova metodologia e Procedimentos aplicáveis ao segundo ciclo de Revisão Tarifaria Periódica Comentários sobre

Leia mais

Introdução. Módulo 1: Necessidade de Informação, introdução

Introdução. Módulo 1: Necessidade de Informação, introdução 1 Introdução Objetivo Este módulo ajudará os gerentes a identificarem as necessidades de informação, a definirem prioridades, e a determinarem que módulos do PAG APS serão mais úteis para eles. A planilha

Leia mais

Themis Serviços On Line - Publicações

Themis Serviços On Line - Publicações Nome do documento Guia do Usuário Themis Serviços On Line - Publicações Sumário Introdução:... 3 1 - Cadastro dos Usuários do Themis Serviços On Line:... 3 2 - Acesso ao Sistema Themis Serviços On Line:...

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS página 1 07. Onde é classificado o Subgrupo Estoques no plano de contas? 01. São acontecimentos que ocorrem na empresa e que não provocam alterações no Patrimônio: A) Atos Administrativos

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS (Currículo iniciado em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS (Currículo iniciado em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS (Currículo iniciado em 2015) ADMINISTRAÇÃO 102 h/a 1975 Breve histórico e fundamentos da administração. Perspectivas da administração: clássica,

Leia mais

FASF - FACULDADE SAGRADA FAMILIA - CURSO DE ADM 5º PERIODO CONTROLE INTERNO. Aula 3 e 4

FASF - FACULDADE SAGRADA FAMILIA - CURSO DE ADM 5º PERIODO CONTROLE INTERNO. Aula 3 e 4 CONTROLE INTERNO Aula 3 e 4 Objetivos Conceito Sistema Categorias de Controle Interno Controles Organizacionais e Segregação de Funções É o controle obtido por meio da maneira de designar responsabilidade

Leia mais

GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I GRUPO: TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I DATA:

Leia mais

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso.

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Francisco Carlos Fernandes (FURB) fernandes.francisco@uol.com.br

Leia mais

2. Desenvolver Pesquisa de Campo sobre uma pequena empresa conforme modelo de pesquisa anexo.

2. Desenvolver Pesquisa de Campo sobre uma pequena empresa conforme modelo de pesquisa anexo. 1 1. ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2. OBJETIVO Resolução nº 01 de 02/02/2004 do Conselho Nacional de Educação CNEC/CN/MEC. Proporcionar ao estudante oportunidade de desenvolver suas habilidades, analisar situações

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

A prova no geral foi bem tranquila, e tenho certeza de que meus alunos não tiveram problemas para tratorar as questões de ARM.

A prova no geral foi bem tranquila, e tenho certeza de que meus alunos não tiveram problemas para tratorar as questões de ARM. Questões Comentadas E aqui estamos nós de novo. Recebi vários emails sobre questões específicas que poderiam trazer dúvidas a respeito de seu entendimento. A gente vai ver tudo agora! A prova no geral

Leia mais

O Impacto da Automação na Geração de Espelhos de Notas Fiscais no Processo de Logística Reversa da BrasilTelecom Celular

O Impacto da Automação na Geração de Espelhos de Notas Fiscais no Processo de Logística Reversa da BrasilTelecom Celular 53 O Impacto da Automação na Geração de Espelhos de Notas Fiscais no Processo de Logística Reversa da BrasilTelecom Celular José Sérgio Celestino Camargo, Paulo Tadeu Peres Ingracio e Romério de Oliveira

Leia mais

Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2

Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2 Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2 Última Atualização: 08/01/2015 Índice I Como acessar um Leilão II Informações básicas III Anexos IV Painel de Lances V Envio de Lances VI Prorrogação

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Relatórios

Sistema de Gerenciamento de Relatórios Sistema de Gerenciamento de Relatórios Eng. Mec. Paulo Fernando Resende Lima (Preditiva Sul) - paulo@preditivasul.com.br Prof. Dr. Jorge Nei Brito (UFSJ) - brito@ufsj.edu.br Resumo. A missão da manutenção

Leia mais

A influência da Tecnologia da Informação e Telecomunicação na Contabilidade - A Era do Contador Digital

A influência da Tecnologia da Informação e Telecomunicação na Contabilidade - A Era do Contador Digital A influência da Tecnologia da Informação e Telecomunicação na Contabilidade - A Era do Contador Digital Núcleo Interdisciplinar de Estudos Independentes Brayan Christian B. de Oliveira Abril 2012 Introdução

Leia mais

Departamentalização. Disciplina: Organização de Sistemas e Métodos Instituto Educacional de Monte Alto IEMA Faculdade de Monte Alto - FAN

Departamentalização. Disciplina: Organização de Sistemas e Métodos Instituto Educacional de Monte Alto IEMA Faculdade de Monte Alto - FAN Departamentalização Disciplina: Organização de Sistemas e Métodos Instituto Educacional de Monte Alto IEMA Faculdade de Monte Alto - FAN Prof. Marcio R. G. de Vazzi Departamentalização Conceitos Processo

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO José Roberto Santana Alexandre Ripamonti Resumo: Com a globalização da economia, as empresas, enfrentam

Leia mais

RMS Software S.A. - Uma empresa TOTVS. 11 2699-0008 www.rms.com.br

RMS Software S.A. - Uma empresa TOTVS. 11 2699-0008 www.rms.com.br CURVA ABC RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o mercado de comércio e varejo. Este documento

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA Alessandra Luize Fontes SALES Eng.ª Civil, Universidade Federal do Ceará, Rua Quintino Cunha, nº 994, CEP 60425.780, Benfica, Fortaleza (Ce)

Leia mais

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Unidade II RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidade II 2 TENDÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS 2.1 Gestão de compras 1 A gestão de compras assume papel estratégico na Era da competição global, devido ao volume de recursos envolvidos no processo,

Leia mais

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica a micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso.

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica a micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica a micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Francisco Carlos Fernandes (Universidade Regional de Blumenau

Leia mais

Caso de uma Central de distribuição. Fluxos e roteiros de processamento. Injeção de plásticos

Caso de uma Central de distribuição. Fluxos e roteiros de processamento. Injeção de plásticos Max-Prod SIMULADORES DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DE ALTA PERFORMANCE OTIMIZAÇÃO NO SEQUENCIAMENTO DE OP S E CARGA DE MÁQUINAS OTIMIZAÇÃO NA ESCOLHA DE MATERIAS DE PRODUTOS E COMPONENTES OTIMIZAÇÃO NA

Leia mais

Informática e Sistemas de Custos: Um Estudo de Caso Sobre Mudança do Sistema de Custos

Informática e Sistemas de Custos: Um Estudo de Caso Sobre Mudança do Sistema de Custos Informática e Sistemas de Custos: Um Estudo de Caso Sobre Mudança do Sistema de Custos Flávia Felix da Silva Resumo: Neste estudo faz-se um levantamento sobre aspectos da informática e sistema de informação

Leia mais

GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS

GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS Sumário 1. Introdução... 2 2. Início Portal Coordenador... 2 2.1. Novos Pedidos... 2 2.2. Pendências... 3 2.3. Menu... 4 2.4. Sair... 4 3. Saldo de Projetos... 5 4. Extrato

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE QUAL CRITÉRIO DE CUSTO UTILIZAR NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA? Por: Maikon Bruno Cordeiro da Silva Rodrigues Orientador Prof.

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS

CONTABILIDADE DE CUSTOS Universidade de São Paulo Mestrado em Controladoria e Contabilidade CONTABILIDADE DE CUSTOS TEMA: PRODUÇÃO CONJUNTA Prof. Dr. Reinaldo Guerreiro Orientador Belém - Pará 1 Universidade de São Paulo Mestrado

Leia mais

DEPRECIAÇÃO E OBSOLÊNCIA

DEPRECIAÇÃO E OBSOLÊNCIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ESCONÔMICO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO APLICATIVO DE SOLICITAÇÃO DE FORMULÁRIOS (SASF) USUÁRIOS MUNICIPAIS VERSÃO 1.1 BRASÍLIA DF Agosto/2015 2011 Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Plano de Negócios. Por que escrever um Plano de Negócios?

Plano de Negócios. Por que escrever um Plano de Negócios? Plano de Negócios Por que escrever um Plano de Negócios? A tarefa de escrever um plano de negócios não é uma tarefa fácil. Isso se você nunca escreveu um e não tem a menor idéia de como começar. O objetivo

Leia mais

O processo envolve quatro questões básicas:

O processo envolve quatro questões básicas: Planejamento de RH O planejamento de recursos humanos coleta e utiliza informações para apoiar as decisões sobre os investimentos que devem ser feitos com atividades de RH O processo envolve quatro questões

Leia mais