Intestino anterior: faringe, esôfago, estômago, duodeno proximal. Estimula as fibras aferentes do eixo celíaco produzindo dor epigástrica.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Intestino anterior: faringe, esôfago, estômago, duodeno proximal. Estimula as fibras aferentes do eixo celíaco produzindo dor epigástrica."

Transcrição

1 ABDOME AGUDO 2015 João Lage ANATOMIA E FISIOLOGIA (Anatomia orientada para clínica - Keith Moore) Após a terceira semana de desenvolvimento fetal o intestino primitivo se divide em anterior, médio e posterior. Intestino anterior: faringe, esôfago, estômago, duodeno proximal. Estimula as fibras aferentes do eixo celíaco produzindo dor epigástrica. Intestino médio: quarta porção do duodeno até a metade do cólon transverso. Estímulos do ceco e apêndice ativam os nervos aferentes que acompanham a artéria mesentérica superior provocando dor periumbilical. Intestino posterior: cólon distal até o reto. Induzem fibras aferentes da mesentérica inferior provocando dor suprapúbica. O peritônio subjacente ao diafragma sofre inervação frênica pelas raízes de C3, C4 e C5, sendo que sua irritação poderá causar dor referida no ombro. As vísceras são inervadas por nervos aferentes viscerais, enquanto que, o peritônio é inervado por nervos somáticos. Dessa forma produz-se três tipos de padrões dolorosos: 1. Dor visceral: provocada pela distensão ou contração de víscera. É a dor tipo cólica, difusa, de difícil localização. Como exemplos clássicos cabe citar: dor da cólica renal, biliar, colecistite aguda, oclusão intestinal. 2. Dor parietal ou somática: dor constante, fixa e que se acentua com os movimentos. É aguda, localizada, e se deve à irritação do peritônio parietal. A região afetada corresponde diretamente ao local do processo patológico. 3. Dor referida ou irradiada: é a dor sentida em região distante da região afetada. Nível medular Órgãos compreendidos Local onde a dor é sentida C3-C5 - Capsula hepática - Ligamentos hepáticos - Diafragma - Capsula esplênica Ombro. Plexo cardíaco/pulmonar (Ramo simpático) - Pericárdio T6-T10 - Vesícula biliar - Estômago - Pâncreas Epigástrio e Periumbilical

2 T11-L2 S2-S4 - Intestino delgado - Fígado/baço - Apêndice e ceco - Cólon transverso - Cólon descendente - Sigmoide - Rim - Reto - Bexiga - Cérvice uterina Plexo celíaco Hipogástrio e fossas ilíacas Plexo mesentérico inferior Região testicular ou dos lábios vaginais Plexo sacral Conceito de abdômen agudo: conjunto de afecções abdominais que exige um tratamento clínico ou cirúrgico de urgência e que obriga a uma decisão terapêutica imediata. DIAGNÓSTICO CLÍNICO Referência: tratado de cirurgia Sabiston História e Doença Atual 1. Dor: - Dor maior ou igual a 6 horas aumenta a chance de necessidade de intervenção cirúrgica. - Dor visceral é mais arrastada e difusa e dependendo do órgão acometido pode ser melhor identificada no epigástrio, mesogástrio ou hipogástrio.

3 - Sangue ou pus sob diafragma esquerdo pode gerar dor referida no ombro. - Doenças biliares podem gerar dor referida no ombro e dorso. - Dor no abdômen superior: úlcera péptica, colecistite aguda, pancreatite. - Dor no abdômen inferior: cisto de ovário, diverticulite, abscessos tubovarianos. - Dor na região mesogástrica geralmente se relaciona à obstrução de delgado. - Dor subta e incapacitante se relaciona à perfuração livre de víscera ou isquemia intestinal aguda. - Dor progressiva por 2 horas se relaciona a: colecistite aguda, pancreatite aguda, obstrução de delgado proximal. - Dor intensa difusa que depois se localiza: apendicite aguda, hérnia encarcerada, obstrução distal do intestino delgado, obstrução colônica, diverticulite, perfuração visceral contida ou tampada. - Dor migratórias: epigástrio periumbilical fossa ilíaca direita: apendicite aguda ou epigástrio quadrante inferior difusa: úlcera perfurada. - Em dores da peritonite o paciente prefere ficar quieto em repouso enquanto que na obstrução ureteral o mesmo está inquieto. 2.Vômitos - Geralmente o vômito antecede cirurgias. - Apendicite apresenta dor antes do vômito enquanto que gastroenterite o vômito precede a dor. - Muitas vezes pode ocorrer vômito em: colecistite aguda, gastrite aguda, pancreatite aguda e obstrução intestinal. - Obstrução prolongada pode gerar vômitos fecalóides. - Obstrução distal à ampola de Vater causa vômitos biliares enquanto que obstruções proximais causam vômitos claros. 3.Funcionamento intestinal - Diarréia aquosa associada a dor abdominal indica gastroenterite. - História anterior de diarréia levanta suspeita de doença de Crohn e colite ulcerativa. - Dificuldade de eliminar gases ou ausência de movimentos peristálticos sugere obstrução intestinal mecânica. 4.Histórico menstrual: - Dor da ovulação - Gravidez ectópica - Complicações de uma gravidez atual não diagnosticada. Exame físico - Febre baixa geralmente acompanha diverticulite, colecistite e apendicite aguda. Febre alta acompanha colangite séptica, ITU, DIP. - Taquicardia e taquipneia podem indicar uma doença complicada com peritonite. - A distensão abdominal pode indicar obstrução intestinal, íleo ou presença de líquido como ascite, sangue ou bile.

4 - Desconforto sobre ponto de McBurney (entre cicatriz umbilical e espinha ilíaca direita) à palpação é sugestivo de apendicite aguda. - Desconforto no quadrante superior direito à palpação sugere uma vesícula inflamada. - Dor à palpação no quadrante inferior esquerdo sugere diverticulite. - Dor difusa em todo abdômen sugere peritonite difusa. - Defesa involuntária pode significar peritonite subjacente. - Defesa generalizada produz um abdômen em tábua característico da úlcera perfurada. - A ausculta silenciosa indica íleo paralítico. Ruídos intestinais exacerbados podem ocorrer em gastroenterites. Períodos silenciosos seguidos de períodos hiperativos indicam luta e podem significar obstrução. - O hipertimpanismo à percussão indica distensão gasosa do intestino ou estômago. A ressonância sobre o fígado indica gás intra-abdominal livre (sinal de Jobert) Sinal Como é observado Significado Sinal de Murphy Dor à palpação da região subcostal D à inspiração Colecistite aguda Sinal de Blumberg Descompressão dolorosa. Peritonite Sinal de Jobert Timpanismo à percussão na região hepática. Pneumoperitônio. Sinal de Giordano Dor à punho percussão lombar Pielonefrite Sinal de Rovsing (ver foto abaixo) Dor na fossa ilíaca direita após compressão da fossa ilíaca esquerda flanco esquerdo região epigástrica flanco direito. Apendicite aguda Sinal de Cullen Equimoses na região periumbilical Sangramento retroperitoneal -Gravidez ectópica rotura -Pancreatite aguda Sinal de Grey-turner Equimose nos flancos. Pode vir acompanhado do sinal de Cullen Sinal de Fox Equimose na base do pênis Pancreatite aguda Sangramento retroperitoneal -Pancreatite aguda Exames laboratoriais Hemograma completo Sódio, potássio, ureia, creatinina, glicose, cloro e gasometria. Amilase e lípase sérica Bilirrubina, FA e transaminases EAS (EQU) +GRAM B-hCG -Leucocitose (inflamação intrabdominal) Solicitar para aqueles pacientes que desidratação, vômito e diarréia. Ajudam a identificar um quadro de pancreatite aguda. Caso dor no quadrante superior D para deflagrar hepatite aguda ou icterícia obstrutiva. ITU. Afastar gravidez Exames de imagem Radiografia de tórax Radiografia simples de abdômen Pode identificar pneumoperitônio. Perfuração de víscera oca. Pode deflagrar calcificações em cálculos biliares e renais e apendicites

5 Ultrassonografia abdominal Tomografia computadorizada Calcificações vasculares podem ser visualizadas em aneurismas Múltiplos níveis hidroaéreos em alças dilatadas com escassez de gás no cólon indica obstrução intestino delgado. Íleo paralítico leva à abdômen distendido com gases em todo trato Na apendicite pode mostrar apendicolitos, distensão ou espessamento da parede do apêndice ou detectar alterações inflamatórias. Pode auxiliar em deflagrar anexites Detecta a presença de sangue e outros líquidos na cavidade abdominal Demonstra diverticulites Pode mostrar sinais de peritonite Referência Up to date - Differential diagnosis of abdominal pain in adults Diagnóstico diferencial Quadro apresentado Dor em abdômen superior Colecistite aguda - Dor em quadrante superior direito que pode irradiar para ombro e dorso. - Pode vir acompanhada de náuseas e vômitos. - Pode ser precedida pela ingestão de alimentos gordurosos. Colangite aguda - Ocorre pela infecção pós coledocolitíase impactada - Tríade: febre, dor abdominal em quadrante superior D e icterícia. Pancreatite aguda - Dor que atinge intensidade máxima em 10 a 20 minutos podendo durar dias. - Dor em faixa: começa na região epigástrica e vai em direção ao dorso. - Acompanhada em 90% dos casos de náuseas e vômitos. - Agitação, inquietação e alívio com inclinação para frente. - Correlação de referências: sinal de Cullen, sinal de Grey-Turner e Sinal de Fox podem estar presentes. Úlcera gástrica - Ardência na região epigástrica que piora com alimentação. Pode acompanhar-se de náuseas vômitos. Úlcera duodenal - Dor de fome que melhora com a alimentação. Infarto esplênico - Dor no quadrante superior esquerdo de grande intensidade - Deve ser considerada em pacientes com fibrilação atrial ou embolias periféricas. Abscesso esplênico - Febre + sensibilidade no quadrante superior esquerdo Dor em abdômen inferior Apendicite aguda - Dor periumbilical ou epigástrica que migra para região da fossa ilíaca direita onde fica localizada apresentando padrão de dor parietal. Diverticulite - Dor em quadrante inferior esquerdo. - Dor que começa dias antes. - 50% dos pacientes já tiveram um episódio semelhante anteriormente Cálculo renal - Dor intensa de padrão paroxístico (20 a 60 minutos) - Quando no ureter superior é referida na região lombar e no ureter inferior é referida no testículo, pênis ou lábios. - Padrão ouro diagnóstico: TC DIP - Dor à mobilização do colo geralmente bilateral - Febre associada - Pode ter sangramento vaginal Gravidez ectópica - Dor abdominal + sangramento menstrual atrasado + sangramento vaginal

6 Dor abdominal difusa Infarto mesentérico Aneurisma roto Peritonite Obstrução intestinal (hérnia encarcerada, vólvulos, aderências) - Solicitar B-hCG para afastar - Dor abdominal difusa de início subto e de grande intensidade. - É mais comum em pacientes com fatores de risco cardiovasculares - Padrão ouro diagnóstico: angio-rm - Dor abdominal ou nas costas, hipotensão e massa abdominal pulsátil. - Paciente adquire posição de conforto deitando-se com as pernas fletidas - É uma dor difusa com abdômen apresentando defesa involuntária. - Taquicardia e taquipnéia. - Febre - Dor + vômito + constipação. - Distensão abdominal - Sensibilidade à palpação - Correlação de referências: peristaltismo de luta no início da obstrução. Referência: clínica cirúrgica Andy Petroianu TIPO CONCEITO CLÍNICA LABORATÓRIO/ IMAGEM Inflamatório Inflamação aguda - Dor abdominal - HMG: leucocitose (1º causa) ou crônica do contínua, com neutrofilia peritônio causada progressiva que é acentuada. por agentes inicialmente difusa e Leucopenia é sinal de diversos posteriormente mal prognóstico. localizada no local Hematócrito pode se do foco acometido. elevar. - Reação muscular da - PCR: elevado. parede abdominal: - Amilase: aumenta ocorre quando há em caso de comprometimento pancreatite aguda. do peritônio parietal - Urina rotina e gram (menos intensos em de gota: revela pessoas idosas, possível ITU, bem caquéticos, como piúria que pode diabéticos, obesos). ser comum na - Íleo: pode estar apendicite. presente. Ausência - Rx. abdômen: pode de RHA. Parada da revelar gases e emissão de gases e distensão das alças fezes. por conta de eventual - Febre (baixa) íleo. - Vômitos - Ultrassonografia: pode ser útil para identificar apendicite e colecistite. - TC e laparoscopia: Perfurativo Perfuração de vísceras ocas do - Dor aguda, intensa e em punhalada. dúvida diagnóstica - Amilase: pode ocorrer elevação, ETIOLOGIA - Apendicite aguda (dor periumbilical que migra para fossa ilíaca D) - Colecistite aguda (dor em HD que irradia para o dorso) - DIP - Diverticulite - Pancreatite (dor em faixa) - Úlcera péptica perfurada

7 (3º causa) TGI, útero, trompas, ureter e bexiga. Obstrutivo (2º causa) Parada do trânsito entérico em consequência da oclusão mecânica, parcial ou total, da luz intestinal. Inicia próximo ao local de acometimento e depois generaliza - Abdome em tábua - Sinal de Joubert* - Em peritonite o paciente está imóvel para aliviar a dor. - Descompressão dolorosa presente - Dor em cólica que pode ter início insidioso ou súbito. Geralmente vão em crescente de intensidade. - A sede da dor auxilia no diagnóstico: dor epigástrica (jejuno), periumbilical (íleo) e hipogástrica (cólon). - Vômitos podem auxiliar em relação à causas de obstrução alta ou baixa: alta (vômitos precoces, abundantes e frequentes, alimentos parcialmente digeridos sem caráter bilioso) baixa (caráter bilioso, espesso, fecalóide). - Distensão abdominal. Quanto mais distal a obstrução mais rapidamente ocorrerá acúmulo gasoso. - RHA exacerbados intercalados com acalmia. - Toque retal com sangue indica porem bem menor do que a que ocorre na pancreatite aguda. - RxT: pode revelar pneumoperitônio - Rx abdome em decúbito dorsal e ortostatismo: intestino em aspecto de espinha de peixe, níveis hidroaéreos, dilatação de alças. - Perfuração uterina - Perfuração de bexiga e ureter - Perfuração intestinal -Hérnia encarcerada -Volvos (principalmente sigmoide). -Intussuscepção -Neoplasias -Aderências

8 invaginação ou neoplasia. Isquêmico - Dor aguda geralmente periumbilical de difícil controle. Dor do tipo cólica com diarréia de muco e sangue. - Toque retal mostra frequentemente sangue na luva do examinador. Hemorrágico Presença de sangue na cavidade peritoneal - Dor subta, contínua. - Hipotensão Angio-TC ou Angio-RM - Laparoscopia diagnósticas -Isquemia mesentérica -Aneurisma dissecante -Gravidez ectópica com rompimento tubário. -Aneurisma de aorta. * O Sinal de Jobert não é patognomônico de Pneumoperitônio, sendo que, pode ser observado em caso de interposição do cólon repleto de ar entre o fígado e a parede anterior do abdômen (Sinal de Chilaidt).

9 ALGORÍTIMO RESUMO DIAGNÓSTICO

10 INDICAÇÕES DE CIRÚRGIA (SABISTON) - Sinais de peritonite - Dor abdominal grave ou progressiva - Isquemia intestinal aguda - Presença de pneumoperitônio observado em exame radiológico - Abscessos APÊNDICITE AGUDA Referência: tratado de cirurgia Sabiston e Petroianu Anatomia do apêndice O apêndice vermiforme está localizado usualmente alem da junção ileocecal, na confluência das tênias do ceco, com sua ponta voltada em direção ao baço (apêndice retrocecal). O apêndice pode ainda ser ilíaco, pélvico ou retroperitoneal. Fisiopatologia O evento desencadeante da apendicite é a obstrução do lúmen apendicular. Isso pode ser consequência de uma hiperplasia linfoide, fezes endurecidas (fecalito) ou algum outro corpo estranho. A obstrução do lúmen leva ao crescimento bacteriano bem como a secreção contínua de muco. Ocorre distensão do lúmen e aumento da pressão intraluminar. Isto pode causar obstrução venosa e linfática. O apêndice torna-se edematoso e isquêmico. Ocorre translocação de bactérias para a parede isquêmica causando necrose na chamada apendicite gangrenosa. Sem intervenção a apendicite irá perfurar, com derramamento do conteúdo na cavidade peritoneal. Estadiamento Estádio Correlação anatamo-patológica Manifestação clínica Estádio 1 Fase obstrutiva. Obstrução do Dor em cólica, contínua, progressiva na região epigástrica apêndice. e periumbilical podendo ser acompanhada de vômitos. Estádio 2 Fase catarral. Invasão bacteriana Mal-estar geral. Anorexia. Febre baixa e leucocitose. Estádio 3 Fase exsudativa. Inflamação A dor anteriormente difusa, passa a ser localizada dissemina e compromete toda a (parietal) e varia de acordo com as posições do apêndice. parede do órgão e peritônio vizinho. Ocorre congestão, edema, pus e necrose. Estádio 4 Fase de perfuração. Ocorre necrose e perfuração podendo gerar uma peritonite localizada (plastões abscessos) ou generalizada. *todos estes episódios podem ocorrer em um período de 48 a 72horas. Diagnóstico Peritonite localizada ou generalizada, neste último caso pode ocorrer abdômen em tábua e pode evoluir com sepse, choque e óbito.

11 Clínico: a sequência dos eventos correlacionados á apendicite aguda são: 1. Dor usualmente epigástrica ou umbilical; 2. Náuseas e vômitos 3. Defesa localizada na FID 4. Febre 5. Leucocitose Variante anatômica Apêndice ilíaco Apêndice retrocecal Apêndice pélvico Local da dor inicial Dor clássica periumbilical e/ou epigástrica. Dor ilíaca e lombar direita podendo chegar no psoas. Dor no hipogástrio. Na dor da apendicite o paciente tende a permanecer imóvel, pois a movimentação aumenta a pressão intrabdominal agravando a dor. Quando o vômito antecede a dor deve-se suspeitar de outra causa que não apendicite. Pode ocorrer íleo localizado devido aos abscessos formados ou generalizado levando à constipação intestinal. Na apendicite retrocecal pode ocorrer irritação ureteral simulando cólica ureteral. Na apendicite pélvica pode ocorrer irritação da bexiga causando hematúria, disúria, polaciúria podengo chegar ao extremo de gerar retensão urinária. Radiológico: - Radiografia simples abdominal: podem demonstrar fecalito, íleo localizado ou perda do limite da gordura peritoneal. - Ultrassonografia: demonstração de apêndice não compressivo de 7mm ou mais de diâmetro ântero-posterior, presença apendicolito, interrupção da continuidade ecogênica da submucosa e presença de líquido ou massa periapendicular. Um fecalito associado á dor em quadrante inferior direito é altamente sugestiva de apendicite. - TC: de forma geral os achados tomográficos de apendicite aumentam com a gravidade da doença. Os apendicolitos aparecem como calcificações anelares homogêneas e são observados em 25% da população. O diagnóstico tomográfico incluí um apêndice alterado com inflamação periapendicular. O apêndice é considerado anormal quando está distendido ou espessado > 5 a 7mm. A parede inflamada aparece na forma de halo. Os achados de inflamação periapendicular incluem: coleções líquidas, edema e fleimão. Laboratorial - HMG: leucocitose 12 a 18 mil com importante desvio à E. - EAS: piúria moderada.

12 Laparoscopia diagnóstica: pode ser realizada em caso de dúvida persistente após realizado os outros exames. Diagnóstico diferencial Pré-escolares Escolar Adolescentes e homens jovens Adolescentes e mulheres jovens Idosos - Intussuscepção: dor em cólica mais comum < 3 anos de idade, peritonite franca não é comum. - Divertículo de Meckel: menos comum que apendicite. Dor localizada exclusivamente na região periumbilical. - Gastroenterite: apresenta dor semelhante, porem sem sinais de peritonite. - Gastroenterite. - Dor funcional: leucocitose com desvio para esquerda ausente. - Constipação: sem febre e sem irritação peritoneal. - Doença de Crohn - Colite ulcerativa - Epididimite : exame da bolsa escrotal revela quadro preciso. - DIP: tem história de início no abdômen inferior. Dor bilateral com piora durante exame pélvico. - Ruptura de cisto ou torção ovariana: dor aguda que já se inicia no quadrante inferior direito. Sem caráter migratório. - ITU: pode ser diferenciada por exame de urina. - Neoplasias do TGI e do sistema reprodutor. - Diverticulites - Úlceras perfuradas: dor aguda não migratória. - Colecistite Tratamento Apendicite aguda 1.Clínico: o uso de antibióticos isoladamente só é feito em casos especiais em que a apendicectomia de urgência não poderá ser realizada. Utiliza-se uma dose única de antibiótico (cefoxitina ou cefotetan) no pré-operatório como profilaxia. 2.Cirúrgico: há duas abordagens para remover o apêndice perfurado: 1) abordagem aberta (Davis- Rockey) que é uma incisão transversa na pele no quadrante inferior direito ou 2) uma incisão oblíqua (McArthur-McBurney) com separação dos músculos na direção de suas fibras. Uma vez o peritônio incisado o apêndice é trazido ao campo operatório. Esta manobra pode ser feita com a manipulação digital cuidadosa do apêndice e ceco. Apendicite perfurada A maioria destes pacientes está desidratado e precisa de horas de hidratação antes da operação. Devem receber antibioticoterapia profilática IV de amplo espectro que deve ser realizada assim que feito o diagnóstico.

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem 01. Tomografia computadorizada da pelve após injeção endovenosa de meio de contraste iodado, tendo havido ingestão prévia do mesmo produto. Paciente,

Leia mais

Abdome Agudo Inflamatório. Peritonites

Abdome Agudo Inflamatório. Peritonites Abdome Agudo Inflamatório Peritonites Conceito: Classificação: Funcionais ou Fisiopatológicas Peritonite Primária ou Espontânea Peritonite Secundária Peritonite Terciária Quanto à Extensão Generalizada

Leia mais

HIPÓTESES: PERITONITE BACTERIANA ESPONTÂNEA EM CIRRÓTICO DESCOMPENSADO ENTEROINFECÇÃO (GASTROENTEROCOLITE)

HIPÓTESES: PERITONITE BACTERIANA ESPONTÂNEA EM CIRRÓTICO DESCOMPENSADO ENTEROINFECÇÃO (GASTROENTEROCOLITE) Caso Clínico 1 (2,0 pontos) Um homem de 50 anos, funcionário público, casado, etanolista diário, deu entrada na emergência, referindo dor abdominal, febre 38 C e evacuações diarreicas aquosas há 24 horas.

Leia mais

DIVERTÍCULO DIVERTÍCULO VERDADEIRO FALSO Composto por todas as camadas da parede intestinal Não possui uma das porções da parede intestinal DIVERTICULOSE OU DOENÇA DIVERTICULAR Termos empregados para

Leia mais

32º Imagem da Semana: Radiografia de abdome

32º Imagem da Semana: Radiografia de abdome 32º Imagem da Semana: Radiografia de abdome Enunciado Paciente masculino, de 52 anos, previamente hígido, procurou atendimento médico devido a dor abdominal em cólica iniciada há cerca de 18 horas, com

Leia mais

PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO. gesep. Dor Abdominal Pontos Chave. Tipos de Dor Abdominal 4/13/09 ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO...

PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO. gesep. Dor Abdominal Pontos Chave. Tipos de Dor Abdominal 4/13/09 ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO... PROPEDÊUTICA DO APARELHO DIGESTIVO gesep ANTES DE INICIAR O EXAME FÍSICO... 2009 Converse com o paciente... A Anamnese e o Ex. Físico 70% dos diagnósncos são baseados apenas na história 90% dos diagnósncos

Leia mais

ABDÔMEN AGUDO ACUTE ABDOMEN

ABDÔMEN AGUDO ACUTE ABDOMEN Medicina (Ribeirão Preto) Simpósio: FUNDAMENTOS EM CLÍNICA CIRÚRGICA - 2ª Parte 2008; 41 (4): 410-16. Capítulo I ABDÔMEN AGUDO ACUTE ABDOMEN Omar Feres 1, Rogério Serafim Parra 2 1 Docente, 2 Médico Residente.

Leia mais

Presença de ar no fundo gástrico gerando a imagem da bolha gástrica em quadrante superior esquerdo em posição ortostática.

Presença de ar no fundo gástrico gerando a imagem da bolha gástrica em quadrante superior esquerdo em posição ortostática. Análise e avaliação do exame convencional e contrastado do abdômen Radiografia do Abdômen É realizada nas seguintes incidências: Decúbito dorsal (ou simples) Posição ortostática Decúbito lateral direito

Leia mais

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1 Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal Aula Prá:ca Abdome 1 Obje:vos Entender como decidir se exames de imagem são necessários e qual o método mais apropriado para avaliação de pacientes com

Leia mais

Oclusão do tubo digestivo

Oclusão do tubo digestivo ABDOME AGUDO O diagnóstico sindrômico de abdome agudo (AA) é caracterizado pela presença de dor abdominal intensa e aguda (horas até 4 dias). O número de causas é enorme e ainda assim, a maioria dos casos

Leia mais

Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto FAMERP OBSTRUÇÃO INTESTINAL. Prof. Dr. João Gomes Netinho. Disciplina de Coloproctologia

Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto FAMERP OBSTRUÇÃO INTESTINAL. Prof. Dr. João Gomes Netinho. Disciplina de Coloproctologia Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto FAMERP OBSTRUÇÃO INTESTINAL Prof. Dr. João Gomes Netinho Disciplina de Coloproctologia OBSTRUÇÃO INTESTINAL DEFINIÇÃO Parada de progressão do conteúdo intestinal

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Figura 1: Radiografia de abdome em incidência anteroposterior, em ortostatismo (à esquerda) e decúbito dorsal (à direita) Figura 2: Tomografia

Leia mais

Causas Cirúrgicas de Dor Abdominal em Pediatria

Causas Cirúrgicas de Dor Abdominal em Pediatria Causas Cirúrgicas de Dor Abdominal em Pediatria Maria Francelina Lopes, MD, PhD Cirurgia Pediátrica CHUC Professora de Cirurgia FMUC Aula de Cirurgia Pediátrica Unidade Curricular de Pediatria MIM-FMUC

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada Imagem 1. Tomografia computadorizada do abdômen, nível andar superior, após a injeção intravenosa de meio de contraste iodado hidrossolúvel, tendo havido ingestão

Leia mais

SPDM para o Desenvolvimento da Medicina AssociaÅÇo Paulista PROCTOLOGIA

SPDM para o Desenvolvimento da Medicina AssociaÅÇo Paulista PROCTOLOGIA HEMORRÓIDAS: PROCTOLOGIA DilataÅÉes varicosas dos plexos artñrio-venosos hemorroidörios situados na regiço anorretal, causadas por aumento na pressço hidrostötica no plexo venoso hemorroidörio. Podem ser

Leia mais

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Intestino Delgado Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Irrigação do Intestino Delgado Duodeno Artérias duodenais Origem Irrigação Duodeno proximal Duodeno distal Anastomose Jejuno e íleo

Leia mais

DORES RECORRENTES MOMENTO II Abril 2010 DORES RECORRENTES - DENOMINADOR COMUM ETIOLOGIA: Maioria - dores primárias; Dicotomia: Orgânico x Emocional. Associação de vários tipos de dores; Presença de dores

Leia mais

Síntese de Gastroenterologia GESEP - FEPAR. quinta-feira, 23 de fevereiro de 12

Síntese de Gastroenterologia GESEP - FEPAR. quinta-feira, 23 de fevereiro de 12 Síntese de Gastroenterologia GESEP - FEPAR Icterícia Icterícia Icterícia Préhepática? Icterícia Préhepática? Hemólise Hematoma Icterícia Préhepática? Hemólise Hematoma Anemia Esplenomegalia Icterícia

Leia mais

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4 Avaliação por Imagem do Pâncreas Aula Prá8ca Abdome 4 Obje8vos 1. Entender papel dos métodos de imagem (RX, US, TC e RM) na avaliação de lesões focais e difusas do pâncreas. 2. Revisar principais aspectos

Leia mais

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13

DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL. Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 DOENÇA INFLAMATÓRIA INTESTINAL Profª. Thais de A. Almeida Aula 21/05/13 Doença Inflamatória Intestinal Acometimento inflamatório crônico do TGI. Mulheres > homens. Pacientes jovens (± 20 anos). Doença

Leia mais

203 A. 16:30-17:20 Trauma cervical Clinica Cirúrgica Raphael 17:20-18:10 Queimaduras Clínica Cirúrgica Raphael

203 A. 16:30-17:20 Trauma cervical Clinica Cirúrgica Raphael 17:20-18:10 Queimaduras Clínica Cirúrgica Raphael CRONOGRAMA INTERNATO DE CIRURGIA 1º 2013 9º PERÍODO DATA/LOCAL HORÁRIO AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 24/5/2013 11:00-11:50 Lesões corporais Medicina Legal Andressa 11:50-12:40 Lesões corporais Medicina

Leia mais

SISTEMAS RENAL E URINÁRIO. Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011

SISTEMAS RENAL E URINÁRIO. Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011 SISTEMAS RENAL E URINÁRIO Enf. Juliana de S. Alencar HC/UFTM Dezembro de 2011 CONSIDERAÇÕES GERAIS É de extrema importância para a vida a função adequada dos sistemas renal e urinário. A principal função

Leia mais

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição Relatos de casos de Strongyloides stercoralis Isabelle Assunção Nutrição RECIFE/2011 INTRODUÇÃO A estrongiloidíase é uma helmintíase predominantemente intestinal causada pelo Strongyloides stercoralis,

Leia mais

03/05/2012. Radiografia simples do abdome

03/05/2012. Radiografia simples do abdome Radiografia simples do abdome 3 1 Contrastados: Urografia Excretora Injeção EV Contraste iodado Opacificação: 1. Parênquima renal 2. Sistema coletor 3. Bexiga e uretra 4 Litíase urinária Caso cr Rx simples:

Leia mais

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda

Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Aparelho Gastrointestinal Dor Abdominal Aguda Dor abdominal Difusa Localizada Abdome agudo Sem abdome agudo Exames específicos Tratamento específico Estabilizar paciente (vide algoritmo específico) Suspeita

Leia mais

DATA hora SALA AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR

DATA hora SALA AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR DATA hora SALA AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME PROTOCOLO DE ABDOME TOTAL POSIÇÃO DORSAL: Paciente em decúbito dorsal, entrando primeiro com a cabeça, apoiada sobre o suporte reto, braços elevados acima da cabeça.

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. A respeito do diagnóstico de sífilis na gestação, escolha a alternativa correta:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. A respeito do diagnóstico de sífilis na gestação, escolha a alternativa correta: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS SEM ESPECIALIDADE 21. A respeito do diagnóstico de sífilis na gestação, escolha a alternativa correta: a) O achado de VDRL positivo é suficiente para confirmar a infecção.

Leia mais

DOR ABDOMINAL. Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora

DOR ABDOMINAL. Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora DOR ABDOMINAL Intensidade Localização Freqüência Irradiação Duração e tipo Sinais e sintomas associados Fatores de exacerbação ou de Melhora DOR ABDOMINAL Diagnóstico: História Clinica Exame Físico Avaliação

Leia mais

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016 Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda DENGUE O Brasil têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos 10 anos com aumento

Leia mais

OCLUSÃO OU SUB - OCLUSÃO POR ÁSCARIS ACREDITE É MAIS COMUM QUE VOCÊ PENSA!

OCLUSÃO OU SUB - OCLUSÃO POR ÁSCARIS ACREDITE É MAIS COMUM QUE VOCÊ PENSA! OCLUSÃO OU SUB - OCLUSÃO POR ÁSCARIS ACREDITE É MAIS COMUM QUE VOCÊ PENSA! Tema: Semi-oclusão por àscaris Objetivos Definir e identificar sinais e sintomas da Semi-oclusão por áscaris. Formular plano assistencial

Leia mais

João Marcos + Raphael + Aisha + Clarissa + Tiago + Marcelo

João Marcos + Raphael + Aisha + Clarissa + Tiago + Marcelo DATA HORA AULA PROGRAMADA SALA MÓDULO PROFESSOR 05/02/2016 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica 14:10 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica Cirúrgica 15:25

Leia mais

Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br O SISTEMA DIGESTÓRIO

Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br O SISTEMA DIGESTÓRIO Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br O SISTEMA DIGESTÓRIO O SISTEMA DIGESTÓRIO A DIGESTÃO A digestão é o conjunto das transformações, mecânicos e químicos, que os alimentos orgânicos sofrem ao

Leia mais

Hipófise, Testículos e Ovários. Marcela Ludwig e Nathália Crusoé

Hipófise, Testículos e Ovários. Marcela Ludwig e Nathália Crusoé Hipófise, Testículos e Ovários Marcela Ludwig e Nathália Crusoé hipófise considerações glândula endócrina: possui 6 mm no sentido ântero-posterior e 10 mm de largura, com um peso de 500 mg localização:

Leia mais

Patologia por imagem Abdome. ProfºClaudio Souza

Patologia por imagem Abdome. ProfºClaudio Souza Patologia por imagem Abdome ProfºClaudio Souza Esplenomegalia Esplenomegalia ou megalosplenia é o aumento do volume do baço. O baço possui duas polpas que são constituídas por tecido mole, polpa branca

Leia mais

Obstrução Intestinal no Adulto

Obstrução Intestinal no Adulto Obstrução Intestinal no Adulto Dra. Ana Cecília Neiva Gondim Cirurgia Geral / Coloproctologia Serviço de Coloproctologia do HUWC/UFC Introdução Obstrução intestinal é causa frequente de abdome agudo 20%

Leia mais

Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência dos Ambulatórios de Gastrenterologia.

Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência dos Ambulatórios de Gastrenterologia. Rua Santa Marcelina, 177 CEP 08270-070 SÅo Paulo SP Fone(11) 6170-6237- Fax 6524-9260 www.santamarcelina.org E-mail: dir.med@santamarcelina.org Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência

Leia mais

ABORDAGEM DO RN COM FATOR DE RISCO PARA SEPSE PRECOCE

ABORDAGEM DO RN COM FATOR DE RISCO PARA SEPSE PRECOCE ABORDAGEM DO RN COM FATOR DE RISCO PARA SEPSE PRECOCE Dra Lilian dos Santos Rodrigues Sadeck Área Técnica da Saúde da Criança e Adolescente CODEPPS SMS DE São Paulo SEPSE NEONATAL PRECOCE DE ORIGEM BACTERIANA

Leia mais

TICOS NO TRAUMA ABDOMINAL: Quando e como?

TICOS NO TRAUMA ABDOMINAL: Quando e como? ANTIBIÓTICOS TICOS NO TRAUMA ABDOMINAL: Quando e como? Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente - UFMA Trauma Principal causa de morte e incapacidade durante o período mais produtivo da vida.

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC Campus BOM DESPACHO Endometriose Integrantes: Amanda Gabriela Silva Alves Amanda Xavier Zica Graciete Meire Andrade Docente : Eduardo Nogueira Cortez Isa Raquel

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

Diagnóstico das doenças da próstata

Diagnóstico das doenças da próstata Diagnóstico das doenças da próstata A. A QUEM SE DEVE DIRIGIR SE TEM DIFICULDADES URINÁRIAS? O médico especialista em patologia prostática é o urologista. Este especialista realizará exames adequados para

Leia mais

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações

Abordagem. Fisiologia Histologia. Aspectos Clínicos. ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Intestino Delgado Abordagem ANATOMIA -Partes constituintes -Vascularização e Inervação -Relações Fisiologia Histologia Aspectos Clínicos Anatomia Do estômago ao intestino grosso Maior porção do trato digestivo

Leia mais

XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br/

XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br/ XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen www.digimaxdiagnostico.com.br/ CASO CLÍNICO IDENTIFICAÇÃO: S.A.B. Sexo feminino. 28 anos. CASO CLÍNICO ENTRADA

Leia mais

INFECÇÃO URINÁRIA NO ADULTO

INFECÇÃO URINÁRIA NO ADULTO INFECÇÃO URINÁRIA NO ADULTO INTRODUÇÃO ITU invasão por microorganismos que desencadeiam resposta inflamatória. Bactérias que atingem via ascendente, hematogência ou linfática Cistite : mucosa vesical -

Leia mais

ELEMENTOS PARA O DIAGNÓSTICO DO ABDÔMEN AGUDO

ELEMENTOS PARA O DIAGNÓSTICO DO ABDÔMEN AGUDO Medicina, Ribeirão Preto, Simpósio: URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS DIGESTIVAS 36: 283-293, abr./dez. 2003 Capítulo IV ELEMENTOS PARA O DIAGNÓSTICO DO ABDÔMEN AGUDO ELEMENTS FOR DIAGNOSIS OF THE ACUTE ABDOMEN

Leia mais

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO

INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO MATERNIDADEESCOLAASSISCHATEAUBRIAND Diretrizesassistenciais INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Gilberto Gomes Ribeiro Francisco Edson de Lucena Feitosa IMPORTÂNCIA A infecção do trato

Leia mais

1ª REUNIÃO DE CASOS. www.digimaxdiagnostico.com.br/

1ª REUNIÃO DE CASOS. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 1ª REUNIÃO DE CASOS www.digimaxdiagnostico.com.br/ CASO 1 Feminino, 12 anos, queda há 3 dias e evoluindo com dor no joelho, caminha com dificuldade. T1 T2 T2 DIAGNÓSTICO? DIAGNÓSTICO Fratura Salter- Harris

Leia mais

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011.

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011. Portaria 024/2011 Estabelece protocolos operacionais para a atividade de Regulação e Auditoria no âmbito do IPSEMG. A Presidente do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais, no

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS UROLOGIA 21. Dentre os cristais urinários relacionados a seguir, aquele que tem significado patológico, quando visto na microscopia de pequeno aumento, durante um exame

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

Abdome agudo. Diagnóstico

Abdome agudo. Diagnóstico Abdome agudo Síndrome dolorosa aguda de intensidade variável, que leva o doente a procurar médico ou serviço de emergência, e requer tratamento imediato clínico ou operatório. Não tratado, evolui para

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA QUESTÃO 21 Um paciente de 75 anos, ex-garçom, tem há três anos o diagnóstico já confirmado de síndrome isquêmica crônica dos membros inferiores.

Leia mais

Autópsia-Carcinoma de Reto

Autópsia-Carcinoma de Reto Autópsia-Carcinoma de Reto RESULTADO DE EXAME ANATOMOPATOLÓGICO N.º PG 163 NOME: PCQ RESID.: CIDADE: São Paulo - SP FONE: ( ) SEXO M IDADE 31 COR P PROFISSÃO: PEDIDO pelo Dr Clínica Cirúrgica TEL. ( )

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL Nº 05/2007 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL Nº 05/2007 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS FAURGS HCPA Edital 05/2007 1 HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL Nº 05/2007 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS PROCESSO SELETIVO 22 MÉDICO (Urologia) 01. A 11. B 02. C 12. A 03. B 13.

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDO Abdome

ROTEIRO DE ESTUDO Abdome ROTEIRO DE ESTUDO Abdome ARTÉRIAS O suprimento arterial do abdome é todo proveniente da aorta, que torna-se aorta abdominal após passar pelo hiato aórtico do diafragma ao nível de T12, e termina dividindose

Leia mais

Pancreatite Aguda. Se internar solicitar

Pancreatite Aguda. Se internar solicitar Pancreatite Aguda Quadro clínico: dor abdominal súbita epigástrica irradiando para dorso, acompanhada de náusea e vômitos. Amilase 3 nl e US abdome e Rx abd agudo Avaliar gravidade Internar se: o Dor severa

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br 01. Sabe-se que a esteatose hepática é resultante de depósito intracelular de triglicerídeo no hepatócitos e seu aspecto ultra-sonográfico já é bastante conhecido. Qual das questões abaixo é a mais correta

Leia mais

Diagnóstico por Imagem no Abdome Agudo Obstrutivo

Diagnóstico por Imagem no Abdome Agudo Obstrutivo Curso de Diagnóstico por Imagem do Abdome Agudo EPM/UNIFESP - Março de 2011 Diagnóstico por Imagem no Abdome Agudo Obstrutivo Rogério Caldana Obstrução intestinal 20 % dos casos cirúrgicos de abdome agudo

Leia mais

ANTONIO JAVIER SALÁN MARCOS GASTROENTEROLOGISTA - CIRURGIÃO MÉDICO DO TRABALHO PERITO ASSISTENTE

ANTONIO JAVIER SALÁN MARCOS GASTROENTEROLOGISTA - CIRURGIÃO MÉDICO DO TRABALHO PERITO ASSISTENTE XVII CONGRESSO BRASILEIRO DE PERÍCIA MÉDICA COLÓQUIO - PERGUNTE AO ESPECIALISTA GASTROENTEROLOGISTA ANTONIO JAVIER SALÁN MARCOS GASTROENTEROLOGISTA - CIRURGIÃO MÉDICO DO TRABALHO PERITO ASSISTENTE GASTROENTEROLOGIA

Leia mais

ALTERAÇÕES A INCLUIR NAS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DOS MEDICAMENTOS QUE CONTENHAM NIMESULIDA (FORMULAÇÕES SISTÉMICAS)

ALTERAÇÕES A INCLUIR NAS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DOS MEDICAMENTOS QUE CONTENHAM NIMESULIDA (FORMULAÇÕES SISTÉMICAS) ANEXO III 58 ALTERAÇÕES A INCLUIR NAS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DOS MEDICAMENTOS QUE CONTENHAM NIMESULIDA (FORMULAÇÕES SISTÉMICAS) Adições aparecem em itálico e sublinhado; rasuras

Leia mais

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve.

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve. 24 de Outubro de 2006. Professor Amphilophio. Tomografia computadorizada do abdome e da pelve TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Osteomielite Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 15/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização: 1.

Leia mais

Prof.: José Rubens de Andrade

Prof.: José Rubens de Andrade Prof.: José Rubens de Andrade 2º Semestre/2012 Divertículo verdadeiro (congênito) X Pseudodivertículos Pseudodivertículos: Formações saculares provenientes da herniação da mucosa e submucosa através da

Leia mais

RASCUNHO Nº DE INSCRIÇÃO

RASCUNHO Nº DE INSCRIÇÃO NÚCLEO DE CONCURSOS E PROMOÇÃO DE EVENTOS NUCEPE PROCESSO SELETIVO - RESIDÊNCIA MÉDICA COLOPROCTOLOGIA FOLHA DE ANOTAÇÃO DO GABARITO - ATENÇÃO: Esta parte somente deverá ser destacada pelo fiscal da sala,

Leia mais

Cartilha. pela Saúde da Mulher

Cartilha. pela Saúde da Mulher Cartilha pela Saúde da Mulher Cólica Menstrual Excesso de Gorduras no Sangue A cólica menstrual ou dismenorreia é uma dor abdominal provocada pelas contrações uterinas que ocorrem durante a menstruação.

Leia mais

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos (Manual Merck)

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos (Manual Merck) Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos

Leia mais

DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL

DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira DOENÇAS DA COLUNA CERVICAL A coluna cervical é o elo flexível entre a plataforma sensorial do crânio

Leia mais

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Elaboração: Dr Luis Fernando Pracchia Área Técnica da Saúde da Pessoa com Doenças Crônicas Não Transmissíveis

Leia mais

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão

Lesões Traumáticas do Membro Superior. Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão André Montillo UVA Lesões Traumáticas do Membro Superior Lesões do Ombro e Braço Lesões do Cotovelo e Antebraço Lesões do Punho e Mão e Braço Fratura da Escápula Fratura da Clavícula Luxação Acrômio-clavicular

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

ABDOME AGUDO INFLAMATÓRIO. Dario A. Tiferes

ABDOME AGUDO INFLAMATÓRIO. Dario A. Tiferes ABDOME AGUDO INFLAMATÓRIO Dario A. Tiferes dario.tiferes@fleury.com.br ABDOME AGUDO Apendicite Colecistite Diverticulite Colites pancreatite Ileítes (DII) Apendagite Doença péptica Isquemia intestinal

Leia mais

Raniê Ralph Pneumo. 18 de Setembro de 2008. Professora Ana Casati. Trombo-embolismo pulmonar (TEP)

Raniê Ralph Pneumo. 18 de Setembro de 2008. Professora Ana Casati. Trombo-embolismo pulmonar (TEP) 18 de Setembro de 2008. Professora Ana Casati. Trombo-embolismo pulmonar (TEP) Hoje o DX é feito em menos de 30%. Antigamente só fazia DX quando havia triângulo de Infarto Pulmonar: bilirrubina aumentada,

Leia mais

Para compreender como os cistos se formam nos ovários é preciso conhecer um pouco sobre o ciclo menstrual da mulher.

Para compreender como os cistos se formam nos ovários é preciso conhecer um pouco sobre o ciclo menstrual da mulher. Cistos de Ovário Os ovários são dois pequenos órgãos, um em cada lado do útero. É normal o desenvolvimento de pequenos cistos (bolsas contendo líquidos) nos ovários. Estes cistos são inofensivos e na maioria

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS Emergência CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva

Leia mais

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO)

02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) 02 DE AGOSTO DE 2015 (DOMINGO) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. Procedimentos Robóticos em Cirurgia abdominal 8:45-9:00 Cirurgia Robótica das afecções do

Leia mais

MORBIDADE FEBRIL PUERPERAL. Professora Marília da Glória Martins

MORBIDADE FEBRIL PUERPERAL. Professora Marília da Glória Martins MORBIDADE FEBRIL PUERPERAL Professora Marília da Glória Martins Definição Denomina-se infecção puerperal qualquer processo infecioso bacteriano do trato genital, que ocorra nos primeiros dez dias de puerpério,

Leia mais

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva

Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva Orientação para pacientes com Hérnia Inguinal. O que é uma hérnia abdominal? Hérnia é a protrusão (saliência ou abaulamento) de uma víscera ou órgão através de

Leia mais

As Complicações das Varizes

As Complicações das Varizes Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira As Complicações das Varizes Chamamos de Tipo 4 ou IVFS - Insuficiência Venosa Funcional Sintomática,

Leia mais

UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 16-10-2010.

UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 16-10-2010. UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO PROCESSO SELETIVO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NOS SERVIÇOS E RECURSOS PRÓPRIOS 16-10-2010 USG Geral SÓ ABRA ESTE CADERNO QUANDO AUTORIZADO LEIA ATENTAMENTE

Leia mais

Fichas informativas. Neurobiologia da Dor Visceral Neurobiology of Visceral Pain

Fichas informativas. Neurobiologia da Dor Visceral Neurobiology of Visceral Pain Fichas informativas Neurobiologia da Dor Visceral Neurobiology of Visceral Pain Definição Dor nos órgãos internos do corpo: Coração, grandes vasos e estruturas perivasculares (por ex., nódulos linfáticos)

Leia mais

PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA GRUPO 35 SUBGRUPO

PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA GRUPO 35 SUBGRUPO PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA GRUPO 35 SUBGRUPO NOBEMBRO 2007 1 A TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC) CARACTERIZA-SE POR SER EXAME DE ALTA COMPLEXIDADE E CUSTO ELEVADO, PORTANTO

Leia mais

Protocolo abdome. Profº Cláudio Souza

Protocolo abdome. Profº Cláudio Souza Protocolo abdome Profº Cláudio Souza Abdome Quando falamos em abdome dentro da tomografia computadorizada por uma questão de radioproteção e também financeira o exame é dividido em, abdome superior e inferior

Leia mais

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges RADIOGRAFIA ABDOMINAL Profª Drª Naida Cristina Borges Produção de Radiografias Diagnósticas Preparo adequado jejum/enema Pausa da inspiração evita o agrupamento das vísceras Indicações para a Radiologia

Leia mais

diclofenaco sódico Merck S/A Cápsulas 100 mg

diclofenaco sódico Merck S/A Cápsulas 100 mg diclofenaco sódico Merck S/A Cápsulas 100 mg diclofenaco sódico Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Embalagens contendo 10 cápsulas. USO ORAL - USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada cápsula contém:

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

03/05/2012. Abdome Agudo. Abdome Agudo obstrutivo. Dor de início súbito (de horas até 7 dias), não traumática.

03/05/2012. Abdome Agudo. Abdome Agudo obstrutivo. Dor de início súbito (de horas até 7 dias), não traumática. Abdome Agudo Dor de início súbito (de horas até 7 dias), não traumática. Demanda intervenção médica imadiata, cirúrgica ou não 2 Abdome Agudo obstrutivo Gastro-intestinal Vólvulo Hérnias Aderências Genito-urinário

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal 10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal Enunciado Paciente de 28 anos, nuligesta, procura atendimento devido à infertilidade conjugal presente há 1 ano. Relata também dismenorreia, disúria

Leia mais

cloridrato de loperamida Laboratório Globo Ltda. comprimidos 2 mg

cloridrato de loperamida Laboratório Globo Ltda. comprimidos 2 mg cloridrato de loperamida Laboratório Globo Ltda. comprimidos 2 mg cloridrato de loperamida Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Comprimidos de 2 mg em embalagem com 12 e 200 comprimidos.

Leia mais

DIGESTÃO HUMANA. Sistema Digestório. Professor: Fernando Stuchi. Enzimas Caminho da digestão Etapas da digestão

DIGESTÃO HUMANA. Sistema Digestório. Professor: Fernando Stuchi. Enzimas Caminho da digestão Etapas da digestão DIGESTÃO HUMANA 1. 2. 3. Enzimas Caminho da digestão Etapas da digestão Sistema Digestório Professor: Fernando Stuchi Dúvidas sobre Digestão Afinal o que é digestão? Conjunto de transformações físico-químicas

Leia mais

Termo de conscientização

Termo de conscientização Termo de conscientização A cirurgia de obesidade é uma cirurgia de grande porte e é realizada apenas por razões estritas em pacientes obesos mórbidos, com pouquíssimas exceções. Seu cirurgião reserva-se

Leia mais

Avaliação Semanal Correcção

Avaliação Semanal Correcção Avaliação Semanal Correcção 1. Mulher de 32 anos, caucasiana. Antecedentes pessoais e familiares irrelevante. 11 Gesta, 11 Para, usa DIU. Recorreu ao S.U. por dor abdominal de início súbito, localizada

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA - 2012 Especialidades com Pré-Requisito em CIRURGIA GERAL Prova de Respostas Curtas CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES

RESIDÊNCIA MÉDICA - 2012 Especialidades com Pré-Requisito em CIRURGIA GERAL Prova de Respostas Curtas CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES Nome do Candidato: ASSINE SOMENTE NESSE QUADRO assinatura RESIDÊNCIA MÉDICA - 2012 Especialidades com Pré-Requisito em CIRURGIA GERAL Prova de Respostas Curtas CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES Verifique

Leia mais

Seminário Metástases Pulmonares

Seminário Metástases Pulmonares Seminário Metástases Pulmonares Tatiane Cardoso Motta 09/02/2011 CASO CLÍNICO Paciente do sexo feminino, 52 anos, refere que realizou RX de tórax de rotina que evidenciou nódulos pulmonares bilaterais.

Leia mais

Por que a Varicocele causa Infertilidade Masculina?

Por que a Varicocele causa Infertilidade Masculina? O Nosso protocolo assistencial tem como base as diretrizes e normas elaboradas pela Society of Interventional Radiology (SIR) O Que é a Varicocele? Entende-se por varicocele à dilatação anormal (varizes)

Leia mais