Brasil-China no Século XXI

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Brasil-China no Século XXI"

Transcrição

1 Brasil-China no Século XXI Pespectivas para uma Parceria de Sucesso Gabriel Stoliar Diretor Executivo de Planejamento e Gestão Abril

2 A progressão da economia chinesa é um dos fenômenos deste início de século, evidenciando-se como grande mecanismo propulsor da economia mundial A Relevância da Economia Chinesa Crescimento Acelerado e Sustentado A China é a economia que mais se destaca hoje no cenário internacional. Entre 1979 e 2003, a economia chinesa manteve uma taxa de crescimento médio anual do PIB de 9,4%, alcançando uma produção total de US$ 1,45 trilhões de dólares em A importância da China no cenário mundial também pode ser medida por sua Relevância no Cenário Internacional relevância no comércio internacional. Em 2002, o país ficou em quinto lugar no ranking dos maiores exportadores e em sexto no ranking de importadores. Em 2004, a China deverá se tornar o terceiro maior importador do mundo, atrás dos Estados Unidos e Alemanha. Expansão via Política Comercial De 1992 a 2002, as exportações chinesas aumentaram 283% (14,4% ao ano), pulando de US$ 85 bi para US$ 326 bi. As importações cresceram 266% (13,9% ao ano) no período, passando de US$ 81 bi para US$ 295 bi. 2

3 A China está se transformando na Fábrica do Mundo, impulsionando as exportações de grandes regiões do mundo e alavancando sua produção industrial Participação da China no Consumo Mundial de Produtos Minerais (em%) Produção Industrial (Índice 1990=100) Japão União Européia EUA China Aço Minério de Ferro Alumínio Cobre Níquel Zinco Fonte: CVRD, IISI, CRU e LME Fonte: Ecowin Para viabilizar seu crescimento econômico a China se transformou numa grande consumidora de produtos minerais, de forma semelhante ao Japão nos anos 60, mas em escala muito maior. 3

4 A China é hoje o segundo maior exportador mundial de carvão e o segundo maior importador mundial de minério de ferro e produtos siderúrgicos Comércio Chinês nos Setores Extração Mineral e Produtos Siderúrgicos Política Comercial Vs Crescimento Sustentado A forte demanda chinesa de aço pode ser explicada pelos significativos investimentos em infra-estrutura e construção civil, e ao forte crescimento da produção de bens de capital e bens de consumo duráveis, estes impulsionados pelo dinamismo das exportações. Importância da China no Comércio Mundial nos Setores de Extração Mineral e Siderurgia: 2002 Produtos Comércio Mundial (US$MM) China Valor (US$MM) Partic. no Comércio Ranking Exportação de Carvão Importação de Minério de Ferro Importação de Aço Fonte: UNComtrade 4

5 As relações comerciais entre Brasil e China se estreitaram significativamente nos últimos 3 anos e as perspectivas são cada vez mais positivas O Comércio Bilateral Brasil-China Relações Comerciais Brasil-China De 1999 a 2003, as exportações brasileiras para China aumentaram a uma taxa média de 61% ao ano (570% no período), de US$ 676 MM para US$ 4,5 Bi. Em Abril de 2004, a China tornou-se o segundo principal parceiro comercial do Brasil e, nos últimos três anos, o Brasil acumulou um superávit de US$ 3,6 bilhões. Em 2001, foram US$ 600mm; em 2002 US$ 1bi; e em 2003 caminhou para US$ 2 bi. No ano de 2003 o volume de comércio bilateral Brasil-China atingiu US$ 8 bilhões. As perspectivas são de que os países tornem-se mutuamente mais importantes 5

6 As exportações brasileiras para China estão concentradas nos setores intensivos em recursos naturais O Comércio Bilateral Brasil-China Pauta de Exportação Brasil-China Em termos setoriais, as exportações do Brasil para a China são fortemente concentradas em poucos setores intensivos em recursos naturais: soja e seus principais derivados (complexo soja), minério de ferro e produtos siderúrgicos. Tais segmentos responderam por 68% das vendas brasileiras para o país e foram os grandes responsáveis pelo saldo positivo da balança comercial em Importância da China nas Exportações Brasileiras, por Produto Produtos Exportação p/ China US$MM % Total das Exp. Brasileiras US$MM % Exportação p/ China % % Complexo Soja Minério de Ferro Produtos Siderúrgicos Fonte: Secex 6

7 A China é também grande importadora de outros produtos minerais que o Brasil têm condições de se tornar fornecedor importante Comércio Chinês nos Setores Extração Mineral e Produtos Siderúrgicos Importações Chinesas (milhões de toneladas) Produto Crescimento(%) Alumina 4,6 5,6 21,7 Concentrado de Cobre 2,2 2,6 18,2 Níquel (mil toneladas) ,9 Fonte: CVRD 1000 toneladas Exportações CVRD A CVRD já vem explorando oportunidades para a venda de outros produtos para a China Importações chinesas Minério de Manganês Alumina Fonte: CVRD 7

8 As importações também são bastante concentradas, com os itens de material eletro-eletrônico e carvão mineral representando 44% do total de importações O Comércio Bilateral Brasil-China Pauta de Importação Brasil-China Material Eletro-Eletrônico Eletrônico a principal razão da concentração da importação brasileira originária da China nos materiais eletro-eletrônicos decorre da estratégia de integração vertical internacional de empresas no setors etor. Carvão Mineral a concentração da importação brasileira se deve a qualidade e os preços competitivos do produto chinês; a recente expansão da sua infra-estrutura de transportes (estradas de ferro e portos) e aos incentivos que o governo chinês oferece às empresas exportadoras. Principais Itens da Pauta de Importação Brasileira Originária da China, 2002 Produtos US$MM Particip. No Comércio (%) Máquinas, aparelhos e materiais elétricos Combustíveis Minerais

9 A avaliação das pautas de export./import. demonstra uma complementaridade entre as economias chinesa e brasileira na área de extração mineral O Comércio no Setor de Extração Mineral Complementariedade Econômica Enquanto a China exporta carvão e importa o minério de ferro, o Brasil é carente de carvão, mas altamente competitivo em minério. Em 2002, as importações brasileiras de carvão atingiram US$ 912 milhões, provenientes principalmente da China (US$ 235 milhões). Em 2002, as exportações brasileiras de minério para China atingiram US$ 3,0 bilhões, contra US$ 2,8 bilhões de vendas da Austrália e US$ 864 milhões da Índia. Nos outros minerais a complementariedade ainda é pequena, mas há possibilidade de crescimento em função dos interesses dos dois países. 9

10 Brasil e China devem ampliar as cooperações econômicas e comerciais na base de benefício e desenvolvimento comuns Limitações no Comércio Atual A análise da pauta de exportações brasileira para China revela uma forte concentração em determinados produtos, com destaque para o complexo soja, minério de ferro e produtos siderúrgicos. * Estratégias para o Crescimento do Comércio Bilateral Diversificação da pauta de exportações com foco no desenvolvimento mutuo de bases exportadoras nos respectivos países; Constituição de joint-ventures evitando barreiras protecionistas e visando a agregação de valor a produtos primários ou industrializados; Transferência de Tecnologia/Knowhow, alavancando vantagens competitivas de ambos países. Brasil e China devem explorar as suas potencialidades e promover o crescimento gradual do comércio, elevando o valor agregado dos produtos p exportados, dando maior importância à ampliação do investimento mútuo e ao desenvolvimento de parcerias que envolvam transferência de tecnologia 10

11 Neste contexto, a CVRD possui um plano de crescimento agressivo e potencialmente convergente com os interesses chineses Posicionamento CVRD - Pipeline de Projetos Greenfield Sossego Aimorés Candonga Metálicos Fábrica Nova I Para o período estão programados investimentos em projetos no valor estimado de aproximadamente US$ 7,5 bilhões 118 Brucutu I Capim Branco II Capim Branco I Paragominas I Vermelho Semi-acabados 2008 Foz de Chapecó Estreito Referência US$ 100 M Planta CESL Alemão Salobo Locomotivas e Vagões PDM Pier III Fase I Gongo Soco Carajás 70 Mtpa Taquari Vassouras Porto de Tubarão Alunorte Módulos 4 e 5 PDM Pier III Fase II Carajás 85 Mtpa Itabira Fábrica II Brucutu II Usinas Tubarão Fábrica Nova II Usinas Hidrelétricas Alunorte Módulos 6 e 7 Paragominas II Minério de Ferro e Pelotas Brownfield Fazendão Cobre/Níquel Logística Bauxita e Alumina Minerais Industriais 11

12 A CVRD vem buscando estabelecer parcerias com empresas chinesas capazes de gerar valor para o acionista e sustentar o desenvolvimento econômico brasileiro Posicionamento da CVRD Parcerias Estratégicas Setor Siderúrgico O setor siderúrgico brasileiro deve focar em novos investimentos visando expandir sua produção de aço no Brasil para aumentar as exportações (base de produção competitiva em escala mundial com forte geração de emprego e renda). Novos projetos exportadores requerem de seus controladores: Saúde financeira/capacidade de investimento / crescimento; Superação de barreiras comerciais = associação com grandes empresas mundiais; Visão de longo prazo como ator da indústria siderúrgica mundial BAOVALE Parceria entre a CVRD e a Baosteel, maior siderúrgica chinesa e maior importadora individual de minério de ferro da CVRD. Entre os investimentos da Baovale, inclui-se um projeto siderúrgico no Maranhão, envolvendo a implantação de uma mega-indústria de aço semi-acabado. 12

13 A CVRD ainda vislumbra eventuais setores/segmentos para projetos em parceria Posicionamento da CVRD Parcerias Estratégicas Logística Aumento de competitividade no transporte de minério brasileiro para a China, exportando minério de ferro em embarcação de grande capacidade e retornando com o carvão (otimização do custo de frete). Projetos voltados para a recuperação e expansão da malha ferroviária brasileira, com o objetivo de garantir o fornecimento dos produtos exportados a preços competitivos. Em 2004, a CVRD investirá US$ 313 milhões em equipamentos, no contexto de um pipeline de investimentos de logística de US$ 914 milhões até Alumínio e Cobre Desenvolver parcerias na produção de alumina e cobre com exportação dos mesmos para a China para posterior beneficiamento. Utilizar navios em coordenação com outras cargas de forma a otimizar o custo do frete visando a carga de retorno com importação de carvão (ex: exporta alumina e cobre e importa carvão) Carvão Associações/Joint Ventures para produção de carvão metalúrgico na China. 13

14 Brasil-China no Século XXI Pespectivas para uma Parceria de Sucesso Gabriel Stoliar Diretor Executivo de Planejamento e Gestão FIM 14

15 BACK-UP 15

16 A demanda chinesa por produtos siderúrgicos tem crescido nos segmentos de alto valor agregado O Comércio no Setor de Produtos Siderúrgicos Exportações Brasileiras de Aço por Segmento, para o Resto do Mundo e para a China: (US$MM) Retornar 16

Enfrentando novos desafios. ExpoMoney - RJ Novembro, 2008

Enfrentando novos desafios. ExpoMoney - RJ Novembro, 2008 Enfrentando novos desafios ExpoMoney - RJ Novembro, 2008 1 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que apresentem expectativas da Administração da Vale sobre eventos ou resultados futuros.

Leia mais

Crescendo e Criando Valor

Crescendo e Criando Valor Companhia Vale do Rio Doce Crescendo e Criando Valor ANIMEC São Paulo 22 de Junho de 2004 1 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que apresentem expectativas da Administração da Companhia

Leia mais

Novas perspectivas para o Comércio entre Brasil e China. Resenha Economia e Segurança

Novas perspectivas para o Comércio entre Brasil e China. Resenha Economia e Segurança Novas perspectivas para o Comércio entre Brasil e China Resenha Economia e Segurança Daniel Mendes 21 de outubro de 2004 Novas perspectivas para o Comércio entre Brasil e China Resenha Economia e Comércio

Leia mais

Companhia Vale do Rio Doce Em busca do crescimento de longo prazo

Companhia Vale do Rio Doce Em busca do crescimento de longo prazo Companhia Vale do Rio Doce Em busca do crescimento de longo prazo 1 São Paulo 31 de Maio de 2007 Disclaimer 2 Esta apresentação pode incluir declarações que apresentem expectativas da Administração da

Leia mais

Brasil-China: Uma Agenda de

Brasil-China: Uma Agenda de Brasil-China: Uma Agenda de Colaboração Jorge Arbache BNDES Palácio do Itamaraty, Rio de Janeiro, 17 de junho de 2011 1 China Principal parceiro comercial do Brasil Um dos principais investidores estrangeiros

Leia mais

Visão. O comércio entre os BRICS e suas oportunidades de crescimento. do Desenvolvimento. nº 93 15 abr 2011. no comércio internacional

Visão. O comércio entre os BRICS e suas oportunidades de crescimento. do Desenvolvimento. nº 93 15 abr 2011. no comércio internacional Visão do Desenvolvimento nº 93 15 abr 2011 O comércio entre os BRICS e suas oportunidades de crescimento Por Fernando Puga e Filipe Lage de Sousa Economistas da APE Países têm grande potencial de aprofundar

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Brasil - China: 40 anos de parceria estratégica

Brasil - China: 40 anos de parceria estratégica Brasil - China: 40 anos de parceria estratégica ENAEX 2014 7 e 8 de agosto Rio de Janeiro José Carlos Martins Diretor-Executivo de Ferrosos e Estratégia Disclaimer Esse comunicado pode incluir declarações

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE BLUMENAU, 03/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE BLUMENAU, 03/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE BLUMENAU, 03/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de valor: incentivar a diversificação de mercados e a agregação de valor à pauta exportadora

Leia mais

A Indústria de Papel no Brasil. BNDES - Rio de Janeiro Miguel Sampol Pou Klabin Julho 2003

A Indústria de Papel no Brasil. BNDES - Rio de Janeiro Miguel Sampol Pou Klabin Julho 2003 A Indústria de Papel no Brasil BNDES - Rio de Janeiro Miguel Sampol Pou Klabin Julho 2003 1 Produção mundial de papel por região - 2001- Em % A produção mundial está distribuída uniformemente em 3 áreas

Leia mais

A EMERGÊNCIA DA CHINA. Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa

A EMERGÊNCIA DA CHINA. Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa A EMERGÊNCIA DA CHINA Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa Crescimento médio anual do PIB per capita - 1990-2002 10 8,8 5 0 Fonte: PNUD 1,3 Brasil China dinamismo econômico

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE CHAPECÓ, 08/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE CHAPECÓ, 08/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE CHAPECÓ, 08/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de valor:

Leia mais

China: novos rumos, mais oportunidades

China: novos rumos, mais oportunidades China: novos rumos, mais oportunidades Brasil pode investir em diversas áreas, como tecnologia, exploração espacial e infraestrutura 10 KPMG Business Magazine A China continua a ter na Europa o principal

Leia mais

ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC

ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC 1 Sumário Executivo 1 - A China em África 1.1 - Comércio China África 2 - A China em Angola 2.1 - Financiamentos 2.2 - Relações Comerciais 3 - Características

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

AUSTRÁLIA Comércio Exterior

AUSTRÁLIA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC AUSTRÁLIA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Seminário Transporte para o Comércio e Integração Regional. CNI-BID Brasília-DF, 01/10/08. Logística Integrada André Ravara

Seminário Transporte para o Comércio e Integração Regional. CNI-BID Brasília-DF, 01/10/08. Logística Integrada André Ravara Seminário Transporte para o Comércio e Integração Regional CNI-BID Brasília-DF, 01/10/08 Logística Integrada André Ravara A Vale Milhares de empregados da Vale participam intensamente do dia-a-dia de mais

Leia mais

PARÁ Fomento à exploração mineral

PARÁ Fomento à exploração mineral PARÁ Fomento à exploração mineral Ouro Preto, Maio de 2016 2 O ESTADO DO PARÁ Brasil Região Amazônica Estado do Pará Regiões de Integração Informações PARÁ Part (%) no Brasil Área (1.000 km 2 ) 1.248 15%

Leia mais

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Este boxe apresenta a estrutura da economia paulista e sua evolução nos últimos dez anos, comparando-as com a do país. Gráfico 1 PIB Variação real

Leia mais

O COMÉRCIO BRASIL-JAPÃO: O AGRONEGÓCIO

O COMÉRCIO BRASIL-JAPÃO: O AGRONEGÓCIO Nota: A reprodução do artigo abaixo ou de trechos do mesmo é autorizada, sendo obrigatória a citação do nome dos autores. O texto abaixo faz parte do artigo publicado na íntegra no site www.cepea.esalq.usp.br/macro/

Leia mais

Nov./Dez. 2006. Bruno Seno Fusaro Superintendente de Relações com Investidores

Nov./Dez. 2006. Bruno Seno Fusaro Superintendente de Relações com Investidores Nov./Dez. 2006 Bruno Seno Fusaro Superintendente de Relações com Investidores 1 Agenda Introdução à Usiminas Tendências da siderurgia mundial Tendências da siderurgia Brasileira Usiminas do futuro 2 Agenda

Leia mais

CHILE Comércio Exterior

CHILE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC CHILE Comércio Exterior Abril de 2014 Índice. Dados Básicos. Principais

Leia mais

O Relacionamento Comercial Brasil-China, Hoje e Amanhã

O Relacionamento Comercial Brasil-China, Hoje e Amanhã São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires O Relacionamento Comercial Brasil-China, Hoje e Amanhã Durval de Noronha Goyos Jr. São Paulo, 12

Leia mais

Panorama do Comércio Exterior de Minas Gerais 2015

Panorama do Comércio Exterior de Minas Gerais 2015 Panorama do Comércio Exterior de Minas Gerais 2015 APRESENTAÇÃO Minas Gerais se consolida como um dos mais importantes estados exportadores do Brasil, pela grande produção de commodities e pelos esforços

Leia mais

A Mineração e a. Política Nacional de Mudança do Clima

A Mineração e a. Política Nacional de Mudança do Clima Secretaria de Geologia, A e a Política Nacional de Mudança do Clima Departamento de Desenvolvimento Sustentável na Secretaria de Geologia, Ministério das Minas e Energia Secretaria de Geologia, SUMÁRIO

Leia mais

Carlos Pio. O Brasil está preparado para atender a um novo cenário de demanda?

Carlos Pio. O Brasil está preparado para atender a um novo cenário de demanda? As Novas Perspectivas do Mercado Internacional O Brasil está preparado para atender a um novo cenário de demanda? Carlos Pio Professor, UnB (Economia Política Int l) Sócio, Augurium (Risco Político) 1

Leia mais

Comércio e Investimento na Coréia do Sul. Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul

Comércio e Investimento na Coréia do Sul. Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul Comércio e Investimento na Coréia do Sul Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul 40 anos de economia coreana 1 2 3 4 5 6 10º PIB mundial US$ 680 milhões 12º país comercial

Leia mais

THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com. ORIENTADOR: CRISTIANO MORINI Estágio Supervisionado em ADM-GNI - UNIMEP cmorini@unimep.br

THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com. ORIENTADOR: CRISTIANO MORINI Estágio Supervisionado em ADM-GNI - UNIMEP cmorini@unimep.br Panorama Recente do Comércio Exterior Brasileiro: Um Estudo Comparativo (2003 2006) Entre as Cinco Principais Cidades Exportadoras do Estado de São Paulo. THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com ORIENTADOR:

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES DO ESTADO DO PARÁ

SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES DO ESTADO DO PARÁ . SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES DO ESTADO DO PARÁ PLANO ESTADUAL DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES DO ESTADO DO PARÁ ANÁLISE ESPACIAL DA MINERAÇÃO NO PARÁ SÃO PAULO MARÇO/2009 EQUIPE TÉCNICA Carlos Roberto

Leia mais

WHITEPAPER EXPORTE MAIS COM A AJUDA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

WHITEPAPER EXPORTE MAIS COM A AJUDA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO WHITEPAPER EXPORTE MAIS COM A AJUDA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ONDE HÁ CRISE HÁ OPORTUNIDADES ATUALMENTE EMPRESAS PASSAM POR DIFICULDADES EM GARANTIR O CRESCIMENTO QUANDO VOLTADO SOMENTE AO MERCADO INTERNO.

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Portugal. 1 Panorama do País

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Portugal. 1 Panorama do País Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

Exportação de Serviços de Engenharia 29/05/2014

Exportação de Serviços de Engenharia 29/05/2014 Exportação de Serviços de Engenharia 29/05/2014 Exportação de serviços de engenharia Benefícios para o Brasil Mercado Internacional Mecanismos de Apoio Oficial Propostas Índice O QUE SÃO OS SERVIÇOS DE

Leia mais

SIDERURGIA MUNDIAL. » O Grupo Arcelor Mittal é o maior produtor mundial, com um volume que representa mais do dobro da produção do segundo colocado;

SIDERURGIA MUNDIAL. » O Grupo Arcelor Mittal é o maior produtor mundial, com um volume que representa mais do dobro da produção do segundo colocado; Siderurgia 9 SIDERURGIA MUNDIAL» A produção siderúrgica mundial cresceu 32% entre 24 e 21;» O Grupo Arcelor Mittal é o maior produtor mundial, com um volume que representa mais do dobro da produção do

Leia mais

Connections with Leading Thinkers

Connections with Leading Thinkers Instituto de Alta Performance Connections with Leading Thinkers A economista Fernanda de Negri discute os méritos e deficiências das políticas de inovação brasileiras. Fernanda De Negri é diretora de Estudos

Leia mais

Otimizada para Crescimento:

Otimizada para Crescimento: Quinta Pesquisa Anual de Mudança na Cadeia de Suprimentos RESUMO REGIONAL: AMÉRICA LATINA Otimizada para Crescimento: Executivos de alta tecnologia se adaptam para se adequar às demandas mundiais INTRODUÇÃO

Leia mais

Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento Setorial, Panorama da Indústria e Análise da Política Industrial

Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento Setorial, Panorama da Indústria e Análise da Política Industrial Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial Universidade Estadual de Campinas Instituto de Economia Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras P. Fernando Fleury Um dos principais efeitos do processo de globalização que vem afetando a grande maioria das nações, é o aumento

Leia mais

O Plano Quinquenal Chinês e o Brasil. Relatório produzido em parceria entre Econsult e DXI.

O Plano Quinquenal Chinês e o Brasil. Relatório produzido em parceria entre Econsult e DXI. O Plano Quinquenal Chinês e o Brasil Relatório produzido em parceria entre Econsult e DXI. Introdução A segunda maior economia do mundo, a China, apresentou, em 2011, um novo e ambicioso Plano Quinquenal.

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011 PwC 1 PwC 2 2.7 2.5 Setor automotivo Fumo Multiplicador 2.3 Couros Borracha e Plástico 1.9 Metalurgia e Siderurgia

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

Workshop Oportunidades de Desenvolvimento e Inovação em Mineração e Metais

Workshop Oportunidades de Desenvolvimento e Inovação em Mineração e Metais Workshop Oportunidades de Desenvolvimento e Inovação em Mineração e Metais 27 de Outubro de 2015 Local: Finep - Av. República do Chile, 330, 10º andar - Centro, Rio de Janeiro RJ IBRAM-Instituto Brasileiro

Leia mais

A A Mineração e o Novo Cenário Socioeconômico Painel 3: A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais José de Freitas Mascarenhas Vice-Presidente e Presidente do Coinfra (CNI) Belo

Leia mais

Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010

Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010 Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010 A produção de commodities e a transformação econômica do Brasil João

Leia mais

Na trilha da criação de valor. 9ª Conferência Anual Santander Agosto, 2008 1

Na trilha da criação de valor. 9ª Conferência Anual Santander Agosto, 2008 1 Na trilha da criação de valor 9ª Conferência Anual Santander Agosto, 2008 1 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que apresentem expectativas da Administração da Vale sobre eventos ou resultados

Leia mais

A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências

A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências A Logística Brasileira Hoje e Suas Tendências Prof. Manoel A. S. Reis, PhD I SEMINÁRIO DE INFRAESTRUTURA DA BRITCHAM Segmento de Transportes no Brasil São Paulo 18 de Novembro de 2010 1. Características

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

Planejamento do CBN 2008. Política Nacional de Normalização. Processo de produção de normas. Antecedentes. Objetivo. Propor a

Planejamento do CBN 2008. Política Nacional de Normalização. Processo de produção de normas. Antecedentes. Objetivo. Propor a Objetivo Planejamento do CBN 2008 Propor a Política Nacional de Normalização. Processo de produção de normas Antecedentes Normas nacionais devem ser: necessárias e demandadas utilizadas acordadas o mais

Leia mais

Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA

Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA 3 º Encontro Empresarial Brasil-UE Buscando cooperação no mundo pós-crise: DECLARAÇÃO CONJUNTA Estocolmo, 6 de outubro de 2009 A Confederação de Empresas Suecas (SN), O BUSINESSEUROPE e a Confederação

Leia mais

A INDÚSTRIA QUÍMICA É RELEVANTE PARA O BRASIL 6 ª 10 % MAIOR. do PIB. Indústria Química DO MUNDO INDUSTRIAL. Fonte: ABIQUIM, IBGE PIA/2012

A INDÚSTRIA QUÍMICA É RELEVANTE PARA O BRASIL 6 ª 10 % MAIOR. do PIB. Indústria Química DO MUNDO INDUSTRIAL. Fonte: ABIQUIM, IBGE PIA/2012 Carlos Fadigas A INDÚSTRIA QUÍMICA É RELEVANTE PARA O BRASIL Fonte: ABIQUIM, IBGE PIA/2012 10 % do PIB INDUSTRIAL 6 ª MAIOR Indústria Química DO MUNDO A INDÚSTRIA QUÍMICA DEVE FATURAR US$ 157 BILHÕES

Leia mais

XCIX Reunião Ordinária Andifes

XCIX Reunião Ordinária Andifes XCIX Reunião Ordinária Andifes Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Ciência e Tecnologia Brasília, 24 de março de 2011 O Desenvolvimento Brasileiro: Perspectiva Histórica Taxas Médias do Crescimento

Leia mais

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA

MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Rodrigo Vilaça Diretor-Executivo da ANTF São Paulo, dia 11 de maio de 2010 MODAL FERROVIÁRIO DE CARGA Fórum de Transporte Multimodal de Cargas Os entraves na Multimodalidade e a Competitividade Associação

Leia mais

SISTEMA MINAS-RIO. Unidade de Negócio Minério de Ferro Brasil

SISTEMA MINAS-RIO. Unidade de Negócio Minério de Ferro Brasil SISTEMA MINAS-RIO Unidade de Negócio Minério de Ferro Brasil A ANGLO AMERICAN A história da Anglo American teve início em 1917 na África do Sul, onde as primeiras operações aconteceram. Desde então, a

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES

PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES PLANO NACIONAL DE EXPORTAÇÕES NOVO STATUS DO COMÉRCIO EXTERIOR NOSSAS EXPORTAÇÕES NÃO REFLETEM O TAMANHO DA ECONOMIA BRASILEIRA PIB EXPORTAÇÃO DE BENS PAÍSES US$ bilhões Part. % PIB mundial US$ bilhões

Leia mais

Empresas mineradoras no Brasil

Empresas mineradoras no Brasil Em 211, a Produção Mineral Brasileira (PMB) deverá atingir um novo recorde ao totalizar US$ 5 bilhões (valor estimado), o que configurará um aumento de 28% se comparado ao valor registrado em 21: US$ 39

Leia mais

O papel anticíclico dos investimentos públicos e as perspectivas econômicas

O papel anticíclico dos investimentos públicos e as perspectivas econômicas O papel anticíclico dos investimentos públicos e as perspectivas econômicas Luciano Coutinho Rio de Janeiro, 14 de julho de 2009 Limitação da política monetária após crises financeiras Processos de desalavancagem

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS SENADO FEDERAL AUDIÊNCIA MEDIDA PROVISÓRIA 595 MARÇO 2013 Enfrentamento dos gargálos logísticos Programa rodoviário Programa

Leia mais

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 3 Minério de Ferro 1. Reservas e Mercado Mundial

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 3 Minério de Ferro 1. Reservas e Mercado Mundial ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 3 Minério de Ferro 1. Reservas e Mercado Mundial O minério de ferro é abundante no mundo, porém as jazidas concentram-se em poucos países, sendo que apenas

Leia mais

Situação e Perspectivas Mercado de Minério de ferro

Situação e Perspectivas Mercado de Minério de ferro São Paulo, Brasil 12-14 de julho, 2015 Situação e Perspectivas Mercado de Minério de ferro Congresso Brasileiro do Aço, 26ª edição Peter Poppinga Diretor Executivo de Ferrosos isclaimer Esse comunicado

Leia mais

18 de maio, 19h30. Minhas primeiras palavras são de saudação ao colega Ministro Gao Hucheng, que

18 de maio, 19h30. Minhas primeiras palavras são de saudação ao colega Ministro Gao Hucheng, que PALAVRAS DO MINISTRO ARMANDO MONTEIRO POR OCASIÃO DO JANTAR OFERECIDO PELO CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL - CHINA, COM A PRESENÇA DO MINISTRO DO COMÉRCIO DA CHINA, GAO HUCHENG 18 de maio, 19h30. Minhas primeiras

Leia mais

INTRODUÇÃO A SOJA CONTÉM

INTRODUÇÃO A SOJA CONTÉM MERCADO FUTURO Soja Diego Marafon Edemir Miotto Júnior Felipe Patel Prof. Dr. Miguel Ângelo Perondi INTRODUÇÃO Na atualidade, a soja apresenta-se como um produto em evidência Grão muito proveitoso, devido

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

Questões Específicas. Geografia Professor: Cláudio Hansen 03/12/2014. #VaiTerEspecífica

Questões Específicas. Geografia Professor: Cláudio Hansen 03/12/2014. #VaiTerEspecífica Questões Específicas 1. Considerando os Blocos Econômicos, a União Europeia (27 países em 2011) permanece como relevante importador de mercadorias brasileiras. Considerando os países individualmente, a

Leia mais

Oportunidades no Mercado de Biocombustíveis

Oportunidades no Mercado de Biocombustíveis 4 e 5 de junho de 2007 World Trade Center São Paulo, Brasil SÃO PAULO ETHANOL SUMMIT Novas Fronteiras do Etanol: Desafios da Energia no Século 21 Oportunidades no Mercado de Biocombustíveis Arnaldo Walter

Leia mais

Entrevista / Ricardo Amorim por Roberto Ferreira / Foto Victor Andrade

Entrevista / Ricardo Amorim por Roberto Ferreira / Foto Victor Andrade Entrevista / Ricardo Amorim por Roberto Ferreira / Foto Victor Andrade 28 r e v i s t a revenda construção entrevista_ed.indd 28 14/05/10 22:05 País rico e já estável era rricardo Amorim, economista formado

Leia mais

1.6 Têxtil e Confecções. Diagnóstico

1.6 Têxtil e Confecções. Diagnóstico 1.6 Têxtil e Confecções Diagnóstico A indústria de artigos têxteis e confecções é marcada atualmente pela migração da produção em busca de mão-de-obra mais barata ao redor do mundo, facilitada pela baixa

Leia mais

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional 9 dez 2008 Nº 58 Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional Por Fernando Pimentel Puga e Marcelo Machado Nascimento Economistas da APE Levantamento do BNDES indica

Leia mais

O Brasil no século XXI. Desafios Estratégicos para o Brasil em 2022

O Brasil no século XXI. Desafios Estratégicos para o Brasil em 2022 O Brasil no século XXI Desafios Estratégicos para o Brasil em 2022 Construir o Brasil do século XXI Reduzir as Vulnerabilidades Externas; Enfrentar as desigualdades; Realizar as potencialidades; Construir

Leia mais

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES 31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX PALESTRA EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Rio de Janeiro, 27 de Setembro de 2012 2 DEFINIÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

Siderurgiaemfoco. Encontro Nacional da Siderurgia. discute rumos da produção de aço. Nº8 Junho 2008 www.ibs.org.br ibs@ibs.org.br

Siderurgiaemfoco. Encontro Nacional da Siderurgia. discute rumos da produção de aço. Nº8 Junho 2008 www.ibs.org.br ibs@ibs.org.br Nº8 Junho 2008 www.ibs.org.br ibs@ibs.org.br Siderurgiaemfoco Encontro Nacional da Siderurgia discute rumos da produção de aço Cerca de 600 pessoas participaram do I Encontro Nacional da Siderurgia, promovido

Leia mais

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento Volume 11, Number 4 Fourth Quarter 2009 Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento As economias pelo mundo estão emergindo da recessão, embora em diferentes velocidades. As economias em desenvolvimento

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI Como pode cair no enem A desconcentração industrial verificada no Brasil, na última década, decorre, entre outros fatores,

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007 M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 1 de maio de 27 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro trimestre de 27 No primeiro trimestre de 27, a economia chinesa

Leia mais

Energia Eletrica : Fator de Competitividade da Industria

Energia Eletrica : Fator de Competitividade da Industria Seminário CNI-ABRACE Energia Eletrica : Fator de Competitividade da Industria Depoimento da Industria do Aluminio Eduardo C. Spalding Comissão de Energia ABAL Brasília, 31 de março de 2011 Cadeia Produtiva

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO DESAFIOS LOGÍSTICOS FLORIANÓPOLIS AGOSTO 2013

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO DESAFIOS LOGÍSTICOS FLORIANÓPOLIS AGOSTO 2013 AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO DESAFIOS LOGÍSTICOS ENESUL -2013 FLORIANÓPOLIS AGOSTO 2013 Metodologia de Trabalho Identificação de Mercados Aptidão e Competitividade da Produção Competitividade

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Março/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Março/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Março/2015 I Resultados do mês (comparativo Mar/2015 Mar/2014)

Leia mais

Nordeste atrai novos investimentos em celulose

Nordeste atrai novos investimentos em celulose Reportagem de Capa Agência Vale Nordeste atrai novos investimentos em celulose O PAPEL - Março 2010 O sul da Bahia já tem exemplos de sucesso, como as fábricas da Veracel e da Suzano. Agora, os Estados

Leia mais

2. QUATRO CENÁRIOS PARA O RIO GRANDE DO NORTE

2. QUATRO CENÁRIOS PARA O RIO GRANDE DO NORTE 2. QUATRO CENÁRIOS PARA O RIO GRANDE DO NORTE 35 1 Este capítulo apresenta uma síntese de quatro cenários prospectivos elaborados pelo Mais RN. O documento completo, contendo o detalhamento dessa construção,

Leia mais

AChina foi o terceiro principal mercado das exportações brasileiras e o. AChina tem uma população que é 7,25 vezes maior que a do Brasil e um

AChina foi o terceiro principal mercado das exportações brasileiras e o. AChina tem uma população que é 7,25 vezes maior que a do Brasil e um KA Cad1_06 11.04 17.04.06 13:16 Page 129 Relações comerciais Brasil-China: um parceiro especial? 129 L IA VALLS P EREIRA INTRODUÇÃO AChina foi o terceiro principal mercado das exportações brasileiras e

Leia mais

Exportação de Serviços

Exportação de Serviços Exportação de Serviços 1. Ementa O objetivo deste trabalho é dar uma maior visibilidade do setor a partir da apresentação de algumas informações sobre o comércio exterior de serviços brasileiro. 2. Introdução

Leia mais

Agropecuária Brasileira: Oportunidades e Desafios

Agropecuária Brasileira: Oportunidades e Desafios Agropecuária Brasileira: Oportunidades e Desafios José Ricardo Severo Superintendência Técnica CNA Março 2010 1 Objetivos: 1. Importância do Agronegócio; 2. Alavanca exportadora como fator de crescimento;

Leia mais

Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor. Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail.

Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor. Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail. Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail.com Algumas Questões Estamos no caminho correto do desenvolvimento

Leia mais

Glauco Arbix Observatório da Inovação Instituto de Estudos Avançados - USP. Senado Federal Comissão de infra-estrutura Brasília, 10.08.

Glauco Arbix Observatório da Inovação Instituto de Estudos Avançados - USP. Senado Federal Comissão de infra-estrutura Brasília, 10.08. No mundo mundo de hoje, é preciso preciso correr muito pra ficar no mesmo mesmo lugar. (Rainha (Rainha Vermelha Vermelha para a Alice) Glauco Arbix Observatório da Inovação Instituto de Estudos Avançados

Leia mais

Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade. Versão para público externo

Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade. Versão para público externo Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade Versão para público externo Mensagem da alta administração Em 93 anos de história da Votorantim, temos mantido a consistência na geração de valor, pautando

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS VALOR

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS VALOR AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS VALOR AVALIAÇÕES TÉCNICAS JUNHO 2013 EVOLUÇÃO DO BRASIL HÁ 50 ANOS = IMPORTADOR HÁ 20 ANOS = VENDEDOR HOJE = FORNECEDOR DISPUTADO

Leia mais

CSHG Strategy II FIC FIA Comentário do Gestor

CSHG Strategy II FIC FIA Comentário do Gestor A presente Instituição aderiu ao Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para os Fundos de Investimento. CSHG Strategy II FIC FIA Comentário do Gestor Agosto 2010 Em Agosto, o fundo CSHG Strategy

Leia mais

Desafio mundial. Paralelamente a questões

Desafio mundial. Paralelamente a questões KPMG Business Magazine 31 Getty Images/Alexander Bryljaev Muitas tendências apontadas pelo estudo já são evidentes, e a lentidão na busca de soluções para mitigá-las trará sérias consequências para a população

Leia mais

Inteligência Tecnológica

Inteligência Tecnológica Cenários Tecnológicos Vale Inteligência Tecnológica Gestão de Tecnologia e Propriedade Intelectual Diretoria de Tecnologia e Inovação 2014 Agenda Quem somos? Gestão de Tecnologia e Propriedade Intelectual

Leia mais

Decisões Certas Inteligência, métodos quantitativos e experiência para construir a melhor decisão dos seus investimentos

Decisões Certas Inteligência, métodos quantitativos e experiência para construir a melhor decisão dos seus investimentos Decisões Certas Inteligência, métodos quantitativos e experiência para construir a melhor decisão dos seus investimentos Tito Livio M. Cardoso tito.livio@decisoescertas.com.br www.decisoescertas.com.br

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Setembro 2015

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Setembro 2015 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Setembro 2015 As exportações paranaenses, em setembro, apresentaram queda de -8,61% em relação a agosto. O valor exportado atingiu a US$ 1,293 bilhão, ficando,

Leia mais

A indústria do aço no Brasil e no mundo Albano Chagas Vieira

A indústria do aço no Brasil e no mundo Albano Chagas Vieira A indústria do aço no Brasil e no mundo Albano Chagas Vieira Presidente do Conselho Diretor 1 2 3 Deterioração do Valor de Mercado Usiminas Market Cap (R$ bi) Gerdau Market Cap (R$ bi) 30 25 20 15 10 5

Leia mais

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Os países em desenvolvimento estão se recuperando da crise recente mais rapidamente do que se esperava, mas o

Leia mais

Destaques da IV Reunião da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (COSBAN)

Destaques da IV Reunião da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (COSBAN) INFORMATIVO Nº.32. JUNHO DE 2015 Destaques da IV Reunião da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (COSBAN) A Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação

Leia mais

A especialização do Brasil no mapa das exportações mundiais

A especialização do Brasil no mapa das exportações mundiais 10 set 2007 Nº 36 A especialização do Brasil no mapa das exportações mundiais Por Fernando Puga Economista da SAE País tem maior difersificação em vendas externas em nações onde predominam recursos naturais

Leia mais

Entraves às exportações brasileiras limitam o crescimento das vendas ao exterior

Entraves às exportações brasileiras limitam o crescimento das vendas ao exterior propostas de política comercial Entraves às exportações brasileiras limitam o crescimento das vendas ao exterior Marcelo Souza Azevedo O Brasil não pode cair na armadilha de acreditar que o mercado consumidor

Leia mais

participação de mercado em território estrangeiro. No caso da Suzano, o produto exportado foi a celulose. Por ser commodity, não requer certo padrão

participação de mercado em território estrangeiro. No caso da Suzano, o produto exportado foi a celulose. Por ser commodity, não requer certo padrão 5 Conclusão A partir deste estudo, foi possível observar como as teorias de internacionalização puderam explicar diferentes aspectos da expansão para a China das empresas estudadas. A teoria Poder de Mercado

Leia mais

A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras

A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras Guido Mantega Presidente - BNDES 25 o ENAEX- Novembro/2005 www.bndes.gov.br 1 Inserção do Brasil na Globalização

Leia mais

É o nosso principal atributo para fazer com que os desafios tornem-se conquistas.

É o nosso principal atributo para fazer com que os desafios tornem-se conquistas. TRANSPARÊNCIA É o nosso principal atributo para fazer com que os desafios tornem-se conquistas. TRANSPARÊNCIA 13 03 Visão Setorial Na cadeia produtiva da construção civil, cimento e concreto estão entre

Leia mais