A Indústria de Papel no Brasil. BNDES - Rio de Janeiro Miguel Sampol Pou Klabin Julho 2003

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Indústria de Papel no Brasil. BNDES - Rio de Janeiro Miguel Sampol Pou Klabin Julho 2003"

Transcrição

1 A Indústria de Papel no Brasil BNDES - Rio de Janeiro Miguel Sampol Pou Klabin Julho

2 Produção mundial de papel por região Em % A produção mundial está distribuída uniformemente em 3 áreas - América do Norte, Europa e Ásia, cabendo a América Latina, onde o Brasil é o principal produtor, 5% deste total. América do Norte 32% América Latina 5% Europa 32% Ásia 31% Fonte: RISI Produção total mundial: 314 milhões de toneladas 2

3 Produção mundial de papel por tipo 2001 Em % Os papéis para imprimir/escrever são responsáveis por mais de 100 milhões de toneladas de produção anual. Os papéis e cartões para embalagem, representam mais de 50% do total produzido. Embalagem 34% Papel Imprensa 12% Imprimir/ Escrever 30% Cartões 17% Sanitários 7% Fonte: RISI Produção total mundial: 314 milhões de toneladas 3

4 Maiores produtores mundiais de papel Em mil t 1. EUA China Japão Canadá Alemanha Finlândia Suécia O Brasil é o 11o. produtor mundial de papel, com potencial para estar entre os 8 maiores 8. Coréia França Itália Brasil Brasil Fonte: PPI 4

5 Mundo - Maiores Empresas Produtoras de Papel ton Fonte: PPI International Paper Georgia-Pacific Stora Enso Weyerhaeuser Smurfit-Stone UPM - Kymmene Nippon Mead-Westvaco Abitibi-Consolidated Oji Paper

6 Fluxo de comércio mundial de papel por região Em tons A indústria de papel é fortemente globalizada América do Norte 18 MM Europa 46 MM 57 MM 23 MM Ásia 14 MM 9 MM América Latina 4.3 MM 2.3 MM Outras regiões 3.3 MM 1.7 MM Exportações Importações Fonte: PPI 6

7 Consumo per capita de papel Kg / habitante / ano O consumo per capita de papel tem relação estreita com o desenvolvimento econômico das nações. O Brasil ainda apresenta taxas inferiores a países da América Latina. Europa 122 MÉDIA MUNDIAL 52 América do Norte 303 EUA 324 Canadá 250 Alemanha 225 Reino Unido 206 Itália 185 França 183 América Latina 35 Chile 57 México 53 Argentina 47 Venezuela 25 Portugal 108 Rússia 38 Africa 6 África do Sul 42 Ásia 28 Japão 242 Coréia 159 China 29 Brasil 40 Fonte: PPI 7

8 Evolução da produção de papel de embalagem e imprimir/escrever 1975 = Base Crescimento médio anual Brasil Papel 5,8% Imprimir/Escrever 6,3% Embalagem 6,0% ,2% ,4% ,7% Crescimento médio anual Mundo 3.3% Fonte: Bracelpa Mundo Imprimir e escrever Embalagem Brasil 8

9 Panorama do setor brasileiro de papel e celulose Número de empresas: 220. Localização: 16 estados.. Florestas plantadas: 1,4 milhão de hectares. : Eucalipto: 1 milhão : Pinus: 400 mil. Área de florestas nativas preservadas: 1,5 milhão de hectares. Número de empregos diretos: 100 mil. Produção: : Celulose: 8,0 milhões de toneladas : Papel: 7,8 milhões de toneladas Fonte: Bracelpa 9

10 Panorama do setor brasileiro de papel e celulose Faturamento: US$ 5,8 bilhões. Consumo Per Capita: 39,5 Kg/hab./ano. Exportação: US$ 2,1 bilhões. Saldo comercial: US$ 1,5 bilhão. Participação no PIB: 1,2%. Ranking Mundial: : 7º Celulose de todos os tipos : 1º Celulose Fibra Curta de Mercado : 11º Papel 10

11 Brasil - Maiores Produtores de Papel Klabin ton Suzano 769 International Paper Votorantim Ripasa Rigesa Orsa Trombini Norske Skog empresas 4,9 milhões toneladas 64% da produção brasileira Fonte: Bracelpa Dados Preliminares 11

12 Produção brasileira de papel por tipo 2002 Em % Como no mundo, o segmento de embalagens (embalagem + cartões) é o maior, com 55% da produção brasileira, que utiliza principalmente celulose fibra longa. Imprimir/escrever é o outro grande segmento produtor no Brasil, impulsionado pela celulose fibra curta de eucalipto. Embalagem 48% Imprimir / Escrever 29% Sanitários 8% Cartão 7% Imprensa 3% Especiais 5% Fonte: Bracelpa Produção Brasileira total: 7,8 milhões de toneladas 12

13 Exportações brasileiras de papel por tipo 2002 Em % O segmento de embalagens (incluindo papelcartão) e imprimir/escrever representam cada um 43% das exportações brasileiras. O Brasil exporta volumes menores de outros tipos de papel (sanitários, especiais e imprensa) Imprimir e Escrever 43% Embalagem 36% Outros 11% Papelcartão 7% Sanitários 3% Exportação brasileira total - 1,5 milhão de toneladas Fonte: Bracelpa / Secex 13

14 Evolução da balança comercial de Papel e Celulose - Brasil Em milhões de US$ O Brasil apresenta balança comercial positiva, tanto em papel quanto em celulose, sendo que as exportações representam 3,5% das exportações brasileiras e o saldo 11,4% do saldo comercial brasileiro Fonte: Secex '00 '01 '02 '03* * Previsão Exportação Saldo 14

15 Perspectivas - Investimentos Nos últimos 13 anos o Brasil investiu US$ 14 bilhões, uma média de US$ 1,1 bilhão por ano no aumento de produção de papel, celulose e reflorestamento. 1989/1994 US$ 6,7 bilhões 1995/2002 US$ 7,3 bilhões Total US$ 14,0 bilhões Investimento médio/ano igual a US$ 1,1 bilhão Nos próximos 10 anos o Brasil deverá investir mais US$ 14,4 bilhões no aumento de produção de celulose, papel e reflorestamento, uma média de US$ 1,4 bilhão ao ano. Celulose Papel US$ 7,3 bilhões US$ 5,2 bilhões Madeira US$ 1,9 bilhão Fonte: Bracelpa Investimento médio/ano igual a US$ 1,4 bilhão 15

16 Perspectivas Competitividade. Florestas Plantadas. Custos de Produção. Qualidade de Produtos. Tecnologia do Setor : Florestal : Industrial : Logística Ameaças Não realizar o potencial de crescimento por:. Falta de expansão de base florestal. Fontes de financiamento insuficientes e custos de capital elevados. Infra-estrutura de transporte insuficientes (estradas, portos). Carga tributária superior a países concorrentes 16

17 Perspectivas Conclusão. Posição de destaque na indústria global de papel e celulose. Sustentabilidade. Geração de empregos. Geração de divisas 17

Dados do Setor. Março - 2014

Dados do Setor. Março - 2014 Dados do Setor Março - 2014 Índice Dados do Setor 3 Maiores Produtores Mundiais de Celulose e Papel 2012 4 Distribuição Geográfica das Florestas Plantadas Brasileiras 5 Área de Florestas Plantadas no Mundo

Leia mais

Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel

Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel 35º. Fórum ANAVE Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel Simone Nagai 9 de novembro, 2010 Temas: O Setor Base Florestal Contribuição Social e Ambiental Investimentos e Perspectivas 2 Desempenho

Leia mais

BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1. Papelcartão

BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1. Papelcartão BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1 Papelcartão Papelcartão, ou simplesmente cartão, é o papel fabricado em múltiplas camadas, com gramaturas superiores a 150 g/m

Leia mais

O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM. René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença*

O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM. René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença* O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença* *Respectivamente, engenheiro e gerente da Gerência Setorial de Produtos Florestais do BNDES. Os autores

Leia mais

1.2 Papel e Celulose. Diagnóstico

1.2 Papel e Celulose. Diagnóstico 1.2 Papel e Celulose Diagnóstico A indústria de papel e celulose é caracterizada pelo alto grau de investimento e pela longa maturação. A escala de produção das fábricas de pastas celulósicas é, em geral,

Leia mais

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE PAPEL E CELULOSE. Data: 12/08/96 CARTÕES

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE PAPEL E CELULOSE. Data: 12/08/96 CARTÕES ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE PAPEL E CELULOSE Data: 12/08/96 No.8 CARTÕES Cartões são papéis fabricados em múltiplas camadas e com gramaturas acima de 150 g/m 2. A combinação

Leia mais

Brasil: desafios para a indústria de papel no mundo globalizado

Brasil: desafios para a indústria de papel no mundo globalizado Brasil: desafios para a indústria de papel no mundo globalizado Maximo Pacheco Presidente International Paper do Brasil 34º ANAVE São Paulo, 29 de Setembro de 2009 A indústria de papel de I&E do Brasil

Leia mais

ANÁLISE DA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE NO BRASIL

ANÁLISE DA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE NO BRASIL ANÁLISE DA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE NO BRASIL Carlos Renato Antunes Lopes (Cia Suzano de Papel e Celulose e ex-aluno do COPPEAD) Cláudio Roberto Contador (professor do COPPEAD e orientador da tese

Leia mais

Veracel joint-venture (Bahia, Brasil) Plantações de eucalipto no Rio Grande do Sul e no Uruguai Fábrica de papel em Arapoti, Paraná

Veracel joint-venture (Bahia, Brasil) Plantações de eucalipto no Rio Grande do Sul e no Uruguai Fábrica de papel em Arapoti, Paraná Potencial de Celulose para a América Latina Otavio Pontes, Stora Enso Outubro 2007 Stora Enso na América Latina Divisão Latino Americana Sede em São Paulo, Brasil Escritórios de venda Argentina, Brasil,

Leia mais

Projeto de Expansão de Cartões Revestidos

Projeto de Expansão de Cartões Revestidos 23 Março de 2005 1 Agenda 1 Klabin Perfil da Companhia Highlights Perspectivas 2005 Estratégia Empresarial Financeira Projeto de Expansão de Cartões Revestidos Tipos de Cartão Estrutura do Cartão Mercado

Leia mais

3$3(/(&(/8/26( A REESTRUTURAÇÃO DO SETOR DE PAPEL E CELULOSE. René Luiz Grion Mattos Antonio Carlos de Vasconcelos Valença*

3$3(/(&(/8/26( A REESTRUTURAÇÃO DO SETOR DE PAPEL E CELULOSE. René Luiz Grion Mattos Antonio Carlos de Vasconcelos Valença* A REESTRUTURAÇÃO DO SETOR DE PAPEL E CELULOSE René Luiz Grion Mattos Antonio Carlos de Vasconcelos Valença* Respectivamente, engenheiro e gerente da Gerência Setorial de Produtos Florestais do BNDES. Os

Leia mais

Mercado de Painéis de Madeira Reconstituída. Graça B. Gnoatto 31/10/2014

Mercado de Painéis de Madeira Reconstituída. Graça B. Gnoatto 31/10/2014 Mercado de Painéis de Madeira Reconstituída Graça B. Gnoatto 31/10/2014 Ibá Inédita união de quatro associações de empresas de produtos de base florestal plantada, com valores intrínsecos de desenvolvimento

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS 60% exportação 85% Eucalipto 85% Fibra Curta Eucalipto 40% mercado interno CELULOSE CELULOSE 12% Fibra Longa

Leia mais

Fevereiro 2014. Apresentação Corporativa

Fevereiro 2014. Apresentação Corporativa Fevereiro 2014 Apresentação Corporativa 1 2 Avisos Legais As informações contidas nesta apresentação podem incluir afirmações que constituem estimativas, conforme o significado disposto na Seção 27A do

Leia mais

Dados do Setor. Dezembro

Dados do Setor. Dezembro Dados do Setor Dezembro - 2011 Índice Dados do Setor 3 Taxas de Recuperação de Papéis Recicláveis 16 Maiores Produtores Mundiais de Celulose e Papel 4 Papéis Recicláveis 17 Distribuição Geográfica das

Leia mais

A Ibá e o Setor de Florestas Plantadas

A Ibá e o Setor de Florestas Plantadas A Ibá e o Setor de Florestas Plantadas Beatriz P. Milliet Câmara Temática de Infraestrutura e Logística do Agronegócio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 30 de setembro- 2015 1 1 A Ibá

Leia mais

Presidência da República Secretaria de Assuntos Estratégicos

Presidência da República Secretaria de Assuntos Estratégicos Presidência da República Secretaria de Assuntos Estratégicos Apoio ao estudo que mapeie as oportunidades de negócio florestal nos segmentos: papel e celulose, painéis de madeira, madeira serrada PROJETO

Leia mais

PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS)

PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS) PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS) * Rubens C. Garlipp São Paulo - SP 07 de junho de 2001 Mudanças Climáticas: Uma Abordagem Estrutural 3ª Semana FIESP / CIESP de Meio Ambiente

Leia mais

A ATIVIDADE DE RECICLAGEM DE PAPEL NO BRASIL

A ATIVIDADE DE RECICLAGEM DE PAPEL NO BRASIL Associação Nacional dos Fabricantes de Papel e Celulose BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social A Questão Florestal e o Desenvolvimento A ATIVIDADE DE RECICLAGEM DE PAPEL NO BRASIL

Leia mais

INVESTIMENTOS PRIVADOS E O SETOR FLORESTAL BRASILEIRO. Madeira 2014

INVESTIMENTOS PRIVADOS E O SETOR FLORESTAL BRASILEIRO. Madeira 2014 INVESTIMENTOS PRIVADOS E O SETOR FLORESTAL BRASILEIRO Madeira 2014 1 Agenda Por que se Investe em Reflorestamento? O Exemplo Norte-Americano Perspectivas para o Brasil 2 Agenda Por que se Investe em Reflorestamento?

Leia mais

Relatório. 2015 infográfico. NOVAS FRONTEIRAS Um crescimento menos atrelado ao conceito de commodity implica gerar mais valor aos nossos clientes

Relatório. 2015 infográfico. NOVAS FRONTEIRAS Um crescimento menos atrelado ao conceito de commodity implica gerar mais valor aos nossos clientes Relatório Fibria 2015 infográfico edição clientes NOVAS FRONTEIRAS Um crescimento menos atrelado ao conceito de commodity implica gerar mais valor aos nossos clientes FLORESTA E INOVAÇÃO PARA NOSSOS CLIENTES

Leia mais

O consumo mundial de papel e papelcartão (P&PC) deve atingir em 2007 cerca de 380 milhões de toneladas. Consumo Global de P&PC CONSUMO GLOBAL DE P&PC

O consumo mundial de papel e papelcartão (P&PC) deve atingir em 2007 cerca de 380 milhões de toneladas. Consumo Global de P&PC CONSUMO GLOBAL DE P&PC 32 o Fórum Anave Tendências do Mercado de Papel Suzano - Apresentação Institucional Antonio Maciel Neto Outubro de 2007 Reunião com Magistral mar/07 0 O mercado de papel hoje O consumo mundial de papel

Leia mais

O crescimento do consumo de papel

O crescimento do consumo de papel O crescimento do consumo de papel Maximo Pacheco Presidente Executivo International Paper Brasil 33º Fórum Anave, 18/11/08 São Paulo O papel como tecnologia Inovação em comunicação mais duradoura e de

Leia mais

SETOR DE CELULOSE E PAPEL

SETOR DE CELULOSE E PAPEL SETOR DE CELULOSE E PAPEL 7º Encontro da Cadeia Produtiva de Madeira e Móveis BENTO GONÇALVES 12/11/2008 Pedro Vilas Boas Dados Gerais Cadeia Produtiva do Setor Florestal Lenha Carvão Vegetal PRODUÇÃO

Leia mais

O Setor de P&C e suas Características. www.celso-foelkel.com.br

O Setor de P&C e suas Características. www.celso-foelkel.com.br O Setor de P&C e suas Características www.celso-foelkel.com.br O negócio de papel, celulose e produtos florestais a nível mundial Business enorme a nível mundial, com cerca de 330 milhões de toneladas

Leia mais

Papel e Celulose. Conjuntura externa favorece exportações de celulose. Análise de Investimentos Relatório Setorial. 02 de junho de 2015

Papel e Celulose. Conjuntura externa favorece exportações de celulose. Análise de Investimentos Relatório Setorial. 02 de junho de 2015 Conjuntura externa favorece exportações de celulose No 1T15 a produção brasileira de celulose atingiu 5.426 mil toneladas, 4,3% superior ao apresentado no mesmo período do ano anterior. Já as exportações

Leia mais

Análise do Mercado de Alumínio

Análise do Mercado de Alumínio Análise do Mercado de Alumínio 5º. Seminario de Trefilação - ABM 24.11.2014 Preparado por: Eng. Ayrton Filleti Diretor Técnico/ Presidente Emérito Associação Brasileira do Alumínio - ABAL Roteiro Introducão

Leia mais

Vendas e MercadosProdutos. serviços adequados às necessidades de cada cliente

Vendas e MercadosProdutos. serviços adequados às necessidades de cada cliente Vendas e MercadosProdutos e serviços adequados às necessidades de cada cliente A estrutura do Grupo Gerdau, segmentada em cinco operações siderúrgicas, agrega importantes vantagens competitivas na área

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel

Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel www.celso-foelkel.com.br www.eucalyptus.com.br Porquê precisamos plantar florestas? O ser humano sempre amou as coisas de madeira e as florestas Afinal, a floresta

Leia mais

APIMEC SP. 19 Agosto de 2008

APIMEC SP. 19 Agosto de 2008 APIMEC SP 19 Agosto de 2008 Disclaimer Algumas afirmações nesta apresentação podem ser projeções ou afirmações sobre expectativas futuras. Tais afirmações estão sujeitas a riscos conhecidos e desconhecidos

Leia mais

Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas

Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Dezembro, 2015 1 Roteiro sofre de diversos desequilíbrios e problemas de competitividade.

Leia mais

CONSUMO MUNDIAL DE PAPEL E CARTÃO A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE CELULOSE E PAPEL EM EXPANSÃO (E SEUS LIMITES)

CONSUMO MUNDIAL DE PAPEL E CARTÃO A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE CELULOSE E PAPEL EM EXPANSÃO (E SEUS LIMITES) A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE CELULOSE E PAPEL EM EXPANSÃO (E SEUS LIMITES) Gosto de forçar os limites / I like pushing boundaries Lady Gaga, cantora considerada uma das mais arrojadas dos últimos tempos.

Leia mais

n abi Kl Logística Re vers r a Aparas de paras de apel

n abi Kl Logística Re vers r a Aparas de paras de apel Klabin Logística Reversa Aparas de Papel A Klabin Logística Klabin Mercado de Aparas de Papel Logística Reversa - Aparas A Klabin A Klabin é a maior produtora e exportadora de papéis do Brasil*. Líder

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Florestas Curso de Engenharia Florestal

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Florestas Curso de Engenharia Florestal Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Florestas Curso de Engenharia Florestal ANÁLISE DA PRODUÇÃO DE CELULOSE DO BRASIL E DO COMÉRCIO INTERNACIONAL NO PERÍODO DE 1970 A 2005 IVAN LEAL

Leia mais

Brasil-China no Século XXI

Brasil-China no Século XXI Brasil-China no Século XXI Pespectivas para uma Parceria de Sucesso Gabriel Stoliar Diretor Executivo de Planejamento e Gestão Abril 2004 1 A progressão da economia chinesa é um dos fenômenos deste início

Leia mais

Apresentação Institucional 2T09

Apresentação Institucional 2T09 Apresentação Institucional 2T09 Agosto 2009 Declaração em relação às considerações seguintes As declarações contidas nessa apresentação relativas às perspectivas de negócio, projeções operacionais e financeiras

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO DESAFIOS LOGÍSTICOS FLORIANÓPOLIS AGOSTO 2013

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO DESAFIOS LOGÍSTICOS FLORIANÓPOLIS AGOSTO 2013 AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO DESAFIOS LOGÍSTICOS ENESUL -2013 FLORIANÓPOLIS AGOSTO 2013 Metodologia de Trabalho Identificação de Mercados Aptidão e Competitividade da Produção Competitividade

Leia mais

Reciclagem de Resíduos Sólidos no Brasil

Reciclagem de Resíduos Sólidos no Brasil Reciclagem de Resíduos Sólidos no Brasil Gestão de Resíduos Sólidos Ordem de Prioridade 1. Não geração 2. Redução 3. Reutilização 4. Reciclagem 5. Tratamento dos resíduos sólidos 6. Disposição final ambientalmente

Leia mais

ESTRUTURA. Matriz ESCRITÓRIO SEDE CURITIBA, PR. www.stcp.com.br

ESTRUTURA. Matriz ESCRITÓRIO SEDE CURITIBA, PR. www.stcp.com.br ESTRUTURA ESCRITÓRIO SEDE CURITIBA, PR. Matriz ATUAÇÃO GLOBAL REINO UNIDO CANADÁ ESTADOS UNIDOS HONDURAS PANAMÁ COLÔMBIA EQUADOR PERÚ BOLÍVIA CHILE EL SALVADOR CONGO ARGENTINA URUGUAI PARAGUAI BRASIL GUIANA

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS VALOR

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS VALOR AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS VALOR AVALIAÇÕES TÉCNICAS JUNHO 2013 EVOLUÇÃO DO BRASIL HÁ 50 ANOS = IMPORTADOR HÁ 20 ANOS = VENDEDOR HOJE = FORNECEDOR DISPUTADO

Leia mais

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem Papel com Reflorestamento e Reciclagem 49 O setor brasileiro de celulose e papel prima pela utilização de madeiras florestais plantadas exclusivamente para fins industriais. O emprego de técnicas de manejo

Leia mais

Visão Geral do Potencial do Mercado Florestal para a Região do MATOPIBA Tocantins Florestal Nov/2013

Visão Geral do Potencial do Mercado Florestal para a Região do MATOPIBA Tocantins Florestal Nov/2013 Visão Geral do Potencial do Mercado Florestal para a Região do MATOPIBA Tocantins Florestal Nov/2013 www.consufor.com A EMPRESA A Consufor é uma empresa de consultoria em NEGÓCIOS e ESTRATÉGIAS, especializada

Leia mais

Aracruz Celulose principais dados

Aracruz Celulose principais dados ARACRUZ CELULOSE Aracruz Celulose principais dados Fundada em 1972, e iniciou a produção em 1978 400.000 t/ano Hoje produz 3.000.000 t/ano. Responde por 33% do mercado mundial de celulose de eucalipto.

Leia mais

2/3 DA PRODUÇÃO DE PAPÉIS RECICLADOS É DESTINADO A PAPÉIS PARA EMBALAGEM. PARA ONDE CAMINHA O SEGMENTO?

2/3 DA PRODUÇÃO DE PAPÉIS RECICLADOS É DESTINADO A PAPÉIS PARA EMBALAGEM. PARA ONDE CAMINHA O SEGMENTO? 2/3 DA PRODUÇÃO DE PAPÉIS RECICLADOS É DESTINADO A PAPÉIS PARA EMBALAGEM. PARA ONDE CAMINHA O SEGMENTO? ANAVE Ecoforum Setorial 2008 Patrick Nogueira Diretor Comercial 17 de junho de 2008 QUEM SOMOS Capital:

Leia mais

Florestas plantadas como mecanismo de proteção das florestas nativas

Florestas plantadas como mecanismo de proteção das florestas nativas IV Semana de Engenharia Florestal e I Mostra de Pós-Graduação em Ciências Florestas plantadas como mecanismo de proteção das florestas nativas Wellington Blunck Rezende 03.03.2016 Graduação em Ciências

Leia mais

Klabin S.A. Uma Empresa Brasileira

Klabin S.A. Uma Empresa Brasileira Klabin S.A. Uma Empresa Brasileira Klabin 15 unidades fabris em oito estados do Brasil 15 unidades fabris em oito estados do Brasil e uma na Argentina Maior produtora, exportadora e recicladora de papéis

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

Bo Mathiasen Representante regional para o Brasil e Cone Sul

Bo Mathiasen Representante regional para o Brasil e Cone Sul Bo Mathiasen Representante regional para o Brasil e Cone Sul Mercados do Cone Sul mais atraentes - Avanços econômicos e sociais - Globalização - Maior acesso a bens e serviços X facilitação do crime organizado

Leia mais

PAPÉIS PARA FINS SANITÁRIOS. Angela Regina Pires Macedo Elizabete Tojal Leite*

PAPÉIS PARA FINS SANITÁRIOS. Angela Regina Pires Macedo Elizabete Tojal Leite* PAPÉIS PARA FINS SANITÁRIOS Angela Regina Pires Macedo Elizabete Tojal Leite* *Respectivamente, gerente e contadora da Gerência Setorial de Produtos Florestais do BNDES. As autoras agradecem a colaboração

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA. Alessandro Albino Fontes

IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA. Alessandro Albino Fontes Universidade Federal de Viçosa Departamento de Engenharia Florestal IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA Alessandro Albino Fontes 1. INTRODUÇÃO Definição O carvão vegetal é um subproduto

Leia mais

Questão 25. Questão 27. Questão 26. alternativa B. alternativa C

Questão 25. Questão 27. Questão 26. alternativa B. alternativa C Questão 25 No Brasil, no período 1990-91 a 2003-04, a produção de grãos apresentou crescimento de 125%, enquanto a área plantada aumentou apenas 24%, conforme mostra o gráfico. BRASIL _ ÁREA PLANTADA E

Leia mais

Associação de Florestas de Produção e Florestas Nativas

Associação de Florestas de Produção e Florestas Nativas Associação de Florestas de Produção e Florestas Nativas Proteção e Conservação Ivone Satsuki Namikawa Fier Coordenadora P&D, Qualidade e Ambiência Florestal Novembro/2008 Klabin Klabin: uma empresa líder

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE PRODUÇÃO Todo o sucesso da fumicultura brasileira está alicerçado no Sistema Integrado de Produção. Implantado em 1918 no Rio

SISTEMA INTEGRADO DE PRODUÇÃO Todo o sucesso da fumicultura brasileira está alicerçado no Sistema Integrado de Produção. Implantado em 1918 no Rio SISTEMA INTEGRADO DE PRODUÇÃO Todo o sucesso da fumicultura brasileira está alicerçado no Sistema Integrado de Produção. Implantado em 1918 no Rio Grande do Sul, de forma pioneira na fumicultura brasileira

Leia mais

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIO GLOBAL Crescimento global de 3,4 % em 2013 O mundo retoma a média histórica de crescimento (3,4% a.a) Zona do Euro sai da recessão Os EEUU

Leia mais

Design, qualidade e inovação são apenas alguns dos argumentos que as empresas Portuguesas esgrimem já ao nível dos líderes mundiais.

Design, qualidade e inovação são apenas alguns dos argumentos que as empresas Portuguesas esgrimem já ao nível dos líderes mundiais. Maio 2013 Interfurniture Portugal a Name to Remember tem como missão estimular a internacionalização da indústria nacional de mobiliário e afins, promover, além-fronteiras, a imagem de Portugal enquanto

Leia mais

O Relacionamento Comercial Brasil-China, Hoje e Amanhã

O Relacionamento Comercial Brasil-China, Hoje e Amanhã São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires O Relacionamento Comercial Brasil-China, Hoje e Amanhã Durval de Noronha Goyos Jr. São Paulo, 12

Leia mais

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE BASE FLORESTAL PARA O ESTADO DE SANTA CATARINA 2014 LAGES/SC 27 DE FEVEREIRO DE 2014

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE BASE FLORESTAL PARA O ESTADO DE SANTA CATARINA 2014 LAGES/SC 27 DE FEVEREIRO DE 2014 ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE BASE FLORESTAL PARA O ESTADO DE SANTA CATARINA 214 LAGES/SC 27 DE FEVEREIRO DE 214 CONTEÚDO 1. APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ACR 2. BASE FLORESTAL PLANTADA 3. MERCADO DE PRODUTOS FLORESTAIS

Leia mais

Nordeste atrai novos investimentos em celulose

Nordeste atrai novos investimentos em celulose Reportagem de Capa Agência Vale Nordeste atrai novos investimentos em celulose O PAPEL - Março 2010 O sul da Bahia já tem exemplos de sucesso, como as fábricas da Veracel e da Suzano. Agora, os Estados

Leia mais

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA. Henrique Meirelles

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA. Henrique Meirelles PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA Henrique Meirelles 28 de agosto, 2015 AGENDA CURTO PRAZO (2015/2016): AJUSTES MACROECONÔMICOS PROJEÇÕES LONGO PRAZO: OBSTÁCULOS AO CRESCIMENTO PROPOSTAS DE POLÍTICA

Leia mais

CAPACIDADE. Mercado Interno. Mercados Interno e Externo. Mercado Interno. 2,5 milhões t Madeira. 243 mil ha. 700 mil t Cartões. 145 mil t.

CAPACIDADE. Mercado Interno. Mercados Interno e Externo. Mercado Interno. 2,5 milhões t Madeira. 243 mil ha. 700 mil t Cartões. 145 mil t. DISCLAIMER As declarações contidas nesta apresentação relativas às perspectivas de negócio, projeções operacionais e financeiras e perspectivas de crescimento da Klabin SA são apenas projeções e, como

Leia mais

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Os países em desenvolvimento estão se recuperando da crise recente mais rapidamente do que se esperava, mas o

Leia mais

Para um Mundo mais bem nutrido. Exposibram 2013 Belo Horizonte, Setembro 23 26

Para um Mundo mais bem nutrido. Exposibram 2013 Belo Horizonte, Setembro 23 26 Fertilizantes no Brasil Para um Mundo mais bem nutrido Exposibram 2013 Belo Horizonte, Setembro 23 26 Alimentando os 10Bi O crescimento da população irá aumentar a demanda mundial por alimentos. Até 2050

Leia mais

ANTONIO SERGIO ALFANO

ANTONIO SERGIO ALFANO DEZEMBRO DE 2013 ANTONIO SERGIO ALFANO DE 2008 A 2013 REDUÇÃO DE CUSTOS E MUDANÇA DAS PRÁTICAS COMERCIAIS INVESTIMENTOS DE ALTO RETORNO AMPLIAÇÃO DA CONVERSÃO MONTE ALEGRE, PR OTACÍLIO COSTA, SC CORREIA

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE ALGODÃO MARCIO PORTOCARRERO. Diretor Executivo da Abrapa

PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE ALGODÃO MARCIO PORTOCARRERO. Diretor Executivo da Abrapa PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE ALGODÃO MARCIO PORTOCARRERO Diretor Executivo da Abrapa PERSPECTIVAS 16/06/2015 PARA O MERCADO DE ALGODÃO Confidencial Uso Interno X Público 1 AGENDA ALGODÃO NO BRASIL PROJEÇÕES

Leia mais

PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA PLÁSTICA BRASILEIRA. ABIPLAST Associação Brasileira da Indústria do Plástico PERFIL 2004

PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA PLÁSTICA BRASILEIRA. ABIPLAST Associação Brasileira da Indústria do Plástico PERFIL 2004 PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA PLÁSTICA BRASILEIRA ABIPLAST Associação Brasileira da Indústria do Plástico Agosto 2005 PERFIL 2004 Estabelecimentos e Empregados do Setor de Transformação do Plástico Total de

Leia mais

Caulim para Revestimento de Papéis e Cartões

Caulim para Revestimento de Papéis e Cartões Caulim para Revestimento de Papéis e Cartões MAURO THOMAZ DE OLIVEIRA GOMES PAULO CESAR SIRUFFO FERNANDES ANTONIO CARLOS DE VASCONCELLOS VALENÇA* RESUMO A indústria de papel é responsável por 45% do consumo

Leia mais

PAPÉIS DE IMPRIMIR E ESCREVER REVESTIDOS

PAPÉIS DE IMPRIMIR E ESCREVER REVESTIDOS PAPÉIS DE IMPRIMIR E ESCREVER REVESTIDOS 1 - Produção e Consumo Mundiais de Papel, de Papéis de Imprimir e Escrever e de Papéis de Imprimir e Escrever Revestidos 1.1 - Produção e Consumo Mundiais de Papel

Leia mais

CONTROLE AMBIENTAL NO SETOR DE CELULOSE E PAPEL NEI R. LIMA COORDENADOR DA COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE

CONTROLE AMBIENTAL NO SETOR DE CELULOSE E PAPEL NEI R. LIMA COORDENADOR DA COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE CONTROLE AMBIENTAL NO SETOR DE CELULOSE E PAPEL NEI R. LIMA COORDENADOR DA COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE ABTCP Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel é uma instituição criada para dar apoio às empresas

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

A atuação do BNDES nos setores de florestas plantadas, painéis de madeira, celulose e papéis: o período 2001-2010

A atuação do BNDES nos setores de florestas plantadas, painéis de madeira, celulose e papéis: o período 2001-2010 Papel e Celulose BNDES Setorial 34, p. 133-172 A atuação do BNDES nos setores de florestas plantadas, painéis de madeira, celulose e papéis: o período 2001-2010 André Carvalho Foster Vidal André da Hora

Leia mais

SONDAGEM ECONÔMICA DA AMÉRICA LATINA. Sondagem da América Latina

SONDAGEM ECONÔMICA DA AMÉRICA LATINA. Sondagem da América Latina SONDAGEM ECONÔMICA DA AMÉRICA LATINA Novembro, 2013 O QUE É A SONDAGEM IFO/FGV? Decisões econômicas são pautadas por avaliações a respeito da situação atual e na expectativa de comportamento futuro das

Leia mais

plantadas e investidores financeiros.

plantadas e investidores financeiros. A Indústria Brasileira de Árvores (Ibá) é a associação responsável pela representação institucional da cadeia produtiva de árvores plantadas, do campo à indústria, junto a seus principais públicos de interesses.

Leia mais

Conjuntura. Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons. Celulose / Pulp.

Conjuntura. Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons. Celulose / Pulp. Monthly publication of the Brazilian Pulp and Paper Association (Bracelpa) February 2014 Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results toneladas / 1,000 tons Celulose / Pulp Jan-Dez

Leia mais

Celulose de Mercado BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1

Celulose de Mercado BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1 1 BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1 Celulose de Mercado Ao longo de 1999 e parte do ano 2000 os preços da celulose foram crescentes, num cenário de demanda aquecida

Leia mais

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL

Programas para consolidar e expandir a liderança. PDP setembro/09 PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL Programas para consolidar e expandir a liderança PROGRAMAS PARA CONSOLIDAR E EXPANDIR A LIDERANÇA CELULOSE E PAPEL 1 Estratégias: liderança mundial e conquista de mercados Objetivos: consolidar a liderança

Leia mais

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS A indústria química é relevante para o Brasil... Faturamento da Indústria Química Brasileira (US$ bilhões) +6% a.a. 166 160 162 124 129 101 2008 2009 2010 2011

Leia mais

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL Uma análise do período 2000 2011 Abril de 2012 A competitividade da ind. de transformação e de BK A evolução do período 2000 2011, do:

Leia mais

Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina

Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina Brasília, julho de 2007 Matheus A. Zanella 1 Superintendência Técnica da CNA Este artigo apresenta um panorama dos principais indicadores do mercado mundial de

Leia mais

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil FACT-SHEET Cana-de-Açúcar, Milho e Soja Programa Agricultura e Meio Ambiente WWF - Brasília Março 28 WWF- Secretaria Geral Denise Hamú Superintendência de Conservação de Programas Temáticos Carlos Alberto

Leia mais

Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos. Luiz G Murat Jr.

Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos. Luiz G Murat Jr. Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos Luiz G Murat Jr. Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos Amazônia legal 350 Milhões ha 41% Área útil 350 Milhões hectares

Leia mais

COMPETITIVIDADE NO SETOR FLORESTAL

COMPETITIVIDADE NO SETOR FLORESTAL COMPETITIVIDADE NO SETOR FLORESTAL 15/03/2012 Joésio D. P. Siqueira Vice-Presidente STCP 1/29 A STCP Conquistas recentes Clientes de 38 países das Américas, África, Europa, Ásia e Oceania 17 escritórios

Leia mais

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas?

13-05-2015 EUCALIPTO. plantio. Projeção de Receitas e Resultados. Fomento. Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? 13-05-2015 Como suprir tamanha demanda preservando as florestas nativas? Através de florestas plantadas de Eucalipto e Pinus. Cada 1ha destas preservam 10ha de nativas. EUCALIPTO O plantio de Eucalipto

Leia mais

- Corr. de comércio: US$ 38,9 bi, 2º maior valor para meses de abril, (1º abr-13: US$ 42,3 bi);

- Corr. de comércio: US$ 38,9 bi, 2º maior valor para meses de abril, (1º abr-13: US$ 42,3 bi); Abril / 2014 Resultados de Abril de 2014 - Exportação: US$ 19,7 bi em valor e média de US$ 986,2 milhões, 5,2% acima da média de abr-13 (US$ 937,8 milhões); 2ª maior média de exportação para abril (1º

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

Reunião MDIC. 07 de maio de 2013

Reunião MDIC. 07 de maio de 2013 Reunião MDIC 07 de maio de 2013 1 Características Indústria brasileira de papel nasceu recicladora. A reciclagem permite a existência de 60 empresas de porte médio e pequeno espalhadas pelo país, próximas

Leia mais

Uso Eficiente de Recursos na Indústria de Celulose e Papel. Cesar Leporini Filho

Uso Eficiente de Recursos na Indústria de Celulose e Papel. Cesar Leporini Filho Uso Eficiente de Recursos na Indústria de Celulose e Papel Cesar Leporini Filho 1. Sobre a Evonik Uso Eficiente de 2. Visão Geral do Setor de Celulose e Papel Recursos na Indústria 3. Avanços na base florestal

Leia mais

Energia Eólica Setembro de 2015

Energia Eólica Setembro de 2015 Energia Eólica Setembro de 2015 Quem somos? Fundada em 2002, a ABEEólica é uma instituição sem fins lucrativos que congrega e representa o setor de energia eólica no País. A ABEEólica contribui, desde

Leia mais

Exportação de Serviços de Engenharia 29/05/2014

Exportação de Serviços de Engenharia 29/05/2014 Exportação de Serviços de Engenharia 29/05/2014 Exportação de serviços de engenharia Benefícios para o Brasil Mercado Internacional Mecanismos de Apoio Oficial Propostas Índice O QUE SÃO OS SERVIÇOS DE

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS: estudo sobre as dificuldades de obter financiamentos no Brasil

MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS: estudo sobre as dificuldades de obter financiamentos no Brasil MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS: estudo sobre as dificuldades de obter financiamentos no Brasil Sheila Pereira da Silva, Paulo César Ribeiro Quintairos, Edson Aparecida

Leia mais

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO - Diante do cenário de crise financeira internacional, o estudo mostra as expectativas de mercado

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA BIOCOMBUSTÍVEIS: ATRAÇÃO DE INVESIMENTOS PARA O ESTADO DO PARÁ CONTEXTO: A Agência de Desenvolvimento da Amazônia, deseja

Leia mais

EVOLUÇÃO E ESTRUTURA DA INDÚSTRIA DE PAPÉIS NO BRASIL: PERÍODO DE 1965 A 2002 1. Palavras-chaves: indústria de papel, evolução, concentração, Brasil.

EVOLUÇÃO E ESTRUTURA DA INDÚSTRIA DE PAPÉIS NO BRASIL: PERÍODO DE 1965 A 2002 1. Palavras-chaves: indústria de papel, evolução, concentração, Brasil. EVOLUÇÃO E ESTRUTURA DA INDÚSTRIA DE PAPÉIS NO BRASIL: PERÍODO DE 1965 A 2002 1 Luís Carlos Carrazza Carlos José Caetano Bacha Resumo O objetivo deste trabalho é analisar a evolução e a estrutura da indústria

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO AUDIÊNCIA PÚBLICA 23/11/2011 PwC 1 PwC 2 2.7 2.5 Setor automotivo Fumo Multiplicador 2.3 Couros Borracha e Plástico 1.9 Metalurgia e Siderurgia

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

* respectivamente administrador e gerente do departamento de indústria de Papel e celulose da área de insumos básicos do bndes.

* respectivamente administrador e gerente do departamento de indústria de Papel e celulose da área de insumos básicos do bndes. andré Carvalho Foster Vidal andré Barros da Hora* * respectivamente administrador e gerente do departamento de indústria de Papel e celulose da área de insumos básicos do bndes. Papel e Celulose 335 RESUMO

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1 CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL Sebastião Renato Valverde 1 A economia do setor florestal brasileiro até o ano de 1965 era pouco expressiva, tanto que as atividades de

Leia mais