Manual de Boas Práticas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Boas Práticas"

Transcrição

1 Manual de Boas Práticas Turismo Rural Sustentável

2 EDIÇÃO OBSERVATÓRIO DA IMPRENSA Duarte Baltazar Francisco Sena Santos Hugo Morgadinho João Maçarico COORDENAÇÃO GERAL: Sandra Moutinho DESENVOLVIMENTO TÉCNICO: CIGEST ISG BUSINESS&ECONOMICS SCHOOL Nuno Gaspar de Oliveira (coordenação) Diogo Stilwell NATURE&PORTUGAL Sara Duarte Sofia Brogueira Manual de Boas Práticas Turismo Rural Sustentável

3 ÍNDICE UM MANUAL PARA PÔR O SEU NEGÓCIO EM PRÁTICA 1 DESAFIOS EM TEMPO DE CRISE E OPORTUNIDADE 2 I. INVESTIR NA COMPETITIVIDADE E NA INOVAÇÃO 4 1. COMO ENQUADRAR O TURISMO RURAL O QUE É O TURISMO RURAL O QUE DIZ A LEGISLAÇÃO SOBRE O TURISMO RURAL TURISMO RURAL HOJE 8 2. PARTIR DO NADA OU RECONSTRUIR INOVAR À ESCALA DE UMA PME DE DIMENSÃO FAMILIAR OS QUATRO FACTORES DE COMPETITIVIDADE PARA O TURISMO RURAL RESPONSABILIDADE SOCIAL E ESTRATÉGICA EMPRESARIAL 14 II. INTEGRAR A SUSTENTABILIDADE A SUSTENTABILIDADE COMO PRINCÍPIO DE GESTÃO TURISMO RURAL SUSTENTÁVEL PRINCÍPIOS DO TURISMO SUSTENTÁVEL TURISMO RESPONSÁVEL ECOTURISMO SUSTENTABILIDADE APLICADA AO TURISMO RURAL: 21 FORÇAS, FRAQUEZAS, OPORTUNIDADES E AMEAÇAS 6. A PEGADA ECOLÓGICA O ESPAÇO NATURAL ENVOLVENTE LOCALIZAÇÃO E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL AGRICULTURA BIOLÓGICA USO SUSTENTÁVEL DA ÁGUA USO DE DETERGENTES E DE PRODUTOS DE LIMPEZA USO SUSTENTÁVEL DA ENERGIA RECOLHA E TRATAMENTO DE RESÍDUOS 36

4 6.9. QUARTOS EQUIPAMENTOS E MATERIAIS GASTRONOMIA TRANSPORTE DE APOIO AOS TURISTAS REFERENCIAIS DE ECOCERTIFICAÇÃO O EFEITO GREENWASHING COMO ESCOLHER O ESQUEMA DE CERTIFICAÇÃO TRÊS CATEGORIAS PARA TRÊS FASES 42 III. CRIAR UM NEGÓCIO SUSTENTÁVEL DESENHAR O MEU MODELO DE NEGÓCIO 50 SEGUNDO ALEXANDER OSTERWALDER 2. PLANEAR PARA ANTECIPAR O PLANO DE NEGÓCIOS O PLANO DE NEGÓCIOS ACOMPANHA A VIDA DA EMPRESA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIOS RECOMENDAÇÕES PARA A CONSTRUÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ESCOLHA DO PLANO DE NEGÓCIOS IDEAL PARA SI IDENTIFIQUE MUITO CEDO O ECOSSISTEMA DO NEGÓCIO A CRIAÇÃO DE UMA PME DE TURISMO RURAL LOCALIZAÇÃO E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO O CASO ESPECÍFICO DAS ÁREAS DE ALTO VALOR NATURAL TENHO UM TERRENO ONDE GOSTAVA DE IMPLEMENTAR 74 UM TURISMO RURAL E PRECISO DE SABER EXATAMENTE QUAIS AS REGRAS E CONDICIONANTES PARA A IMPLEMENTAÇÃO NESTE LOCAL 4.4. GOSTAVA DE DESENVOLVER UM TURISMO RURAL NUMA DADA REGIÃO E PRECISAVA DE ANALISAR QUAL A MELHOR LOCALIZAÇÃO PARA O FAZER PRÉ-EXISTÊNCIAS FINANCIAMENTO A CRIAÇÃO DE UMA SOCIEDADE COMERCIAL O LICENCIAMENTO DO PROJETO MELHORIA CONTÍNUA CRONOGRAMA DE REFERÊNCIA E PRINCIPAIS BARREIRAS EXPECTÁVEIS 92

5 UM MANUAL PARA PÔR O SEU NEGÓCIO EM PRÁTICA O Manual de Boas Práticas do Turismo Rural Sustentável é um guia para empreendedores, proprietários, investidores, gestores de projeto, operadores turísticos e utilizadores finais, ou consumidores. Procura, com base no enquadramento do que tem vindo a ser a realidadee do Turismo Rural e da inovação e sustentabilidade em Portugal, facilitar a integração dos conceitos associadoss à gestão nas diversas fases de implementação de um projeto de Turismo Rural em Portugal de forma a gerarr maior competitividade e eficiência. 1 As peças do puzzle encaixam-se quando, do meio de alguma desorientação e do excesso de informação insuficientemente coligida, conseguimos perceber uma pequena porção que depois nos indica o caminho para completarmos todo o desafio. A Sustentabilidade apresenta-se muitas vezes como um desses puzzles difíceis: agrega palavras e conceitos distintos, como peças recortadas e aparentemente isoladas, que confundem até os mais atentos, mas que depois de encaixadas revelam a melhor forma de construir um negócio saudável, não só para si próprio, mas também para as pessoas e para o ambientee em que se enquadra. Decidir que se quer gerir um negócio de acordo com os princípios da sustentabilidade é um sinal de visão para a geração de riqueza. O chamado negócio verdee começa a entrar na ordem do dia e na agenda das grandes multinacionais e isso é um indicador de que o paradigma está a mudar. Através deste manual, são introduzidos os princípios da sustentabilidade do negócio de alojamentoo rural, de forma simplificada, organizada e com o único fim de criar uma base efetivar o seu negócio.

6 Um estudo realizado em 2012 pelo websitee TripAdvisor mostra que 71% dos inquiridos optaram por ofertas ambientalmente responsáveis nas viagens que realizarem ao longo do ano. A percentagem altamente relevante de turistas com preocupações ambientais e o número crescentee viagens a nível mundial consolidam a importância da gestão sustentável dos negócios turísticos. 2 Os mais recentes desenvolvimentos em marketing sustentável apontam para novas regras que devemos ter em conta quando o negócio procura assumir um posicionamento sustentável. Ser verde generalizou-see e corre o risco de se banalizar na sociedade, não sendo apenas um mercado de nicho mas também uma atitude trendy.. No entanto, os consumidores aumentam a sua perceção em relação aos produtos e serviços verdes que funcionem tão bem ou melhor que os produtos e serviços tradicionais, sendo o foco essencial a aquisição de bem-estar e co- responsabilização pela gestão do bem comum.. DESAFIOS EM TEMPO DE CRISE E OPORTUNIDADE A crise económica representa um desafio particularmente exigente paraa os investidores e empreendedores. Em Portugal, com o clima económicoo de recessão e baixo investimento, é necessário apresentar propostas cada vez mais inovadoras e competitivas. A mudança de paradigmaa e de mentalidade está na percepção dos problemas como oportunidades e compreender que as dificuldades passam muito pelo arrastar de um modelo de crescimento económico desatualizado e potencialmente fatal. Reinventa- que voltar a potenciar as nossas valências intrínsecas, estando menos dependentes das flutuações de preço e disponibilidade de bens e serviçoss externos ao se a economia no dia em que redescobrirmos a vida em verdadeira sociedade. O facto de haver menos capital de investimento disponível faz com que tenhamos ecossistema de negócio. Há um aumento da co-dependência dentro da comunidade o que promove o aumento de redes cooperativas e o abandono progressivoo de hierarquias pouco ágeis e funcionais. A restrição no acesso a crédito e recursos pode

7 promover booms de criatividade, consequência da constante procura de soluções menos dependentes de fatores externos e mais eficientes para os problemas de gestão e planeamento. A sustentabilidade surge como uma resposta ao cenário de escassez de recursos e reforça a importância de políticas socialmente responsáveis, da gestão racional dos recursos naturais, e da necessidade prospeção adequada de risco financeiro. O turismo, enquanto uma das indústrias mundiais com maior expressão e crescimento, deve assumir-se como líder na adoção dos princípios da sustentabilidade, porque, simplesmente é a via paraa melhorar e desenvolver o negócio. 3 O TER integra os valores ambientais com a vivência em comunidade, procurando desta forma aumentar a quota de mercado através da demonstração de práticas que geram maior valor e bem-estacondições preferenciais para o TER, uma vez que parte considerável do para os consumidores. Portugal tem seu tecido social e aindaa compostoo por comunidades rurais, a base estruturante deste sector. Em suma, O tempo que vivemos precisa de agentes económicos com visão e de comunidades que abracem a inovação e não temam a mudança de paradigma talvez tenhamos chegado ao fim da linha do crescimento, mas entramos na era do desenvolvimento. Começar pelo princípio costuma ser uma boa-prática de gestão, daí que o presente manual incida sobre os aspetos de planeamento e gestão de projeto e proponha uma forma de acompanhamento participativo de forma a reduzir riscos e promoverr oportunidades. A mensagem central é um bom negócio só é bom quando gera riqueza e na riqueza poderá encontrar bem-estar, felicidade, sustentabilidade e, claramente, lucro financeiro.

8 I. INVESTIR NA COMPETITIVIDADE E INOVAÇÃOO 1. COMO ENQUADRAR O TURISMO RURAL Turismo é, acima de tudo, cultura. É uma forma de nos manifestarmos, de consumir e absorver o que os territórios têm de melhor. O Turismo Rural tem a vantagem extraordináriaa de ser marcado, desde sempre, pela autenticidade. Esta é a sua âncora principal, a sua fonte de legitimidade e devee ser aproveitada de forma exigente e ambiciosa. 4 Os agentes do Turismo Rural deverão saber tirar partido de outra poderosa característica a que o sector está associado, a arte do serviço personalizado e de bem receber. Para isso, o promotorr tem de perceber como é que hoje as pessoas querem consumir cultura e saber adaptar a sua oferta. E tem de sentir a palpitação da cultura viva para a saber servir com arte a cada um dos seus clientes. 1.1 O QUE É O TURISMO RURAL? Não existe uma definição única para Turismo Rural, já que este pode englobar diferentes atividades e modalidades consoante o país de que estamos a falar. No entanto, existee um consenso em relação aos conceitos: o Turismo Rural corresponde a diferentes atividades e serviços turísticos desenvolvidos em meios não urbanos (que podem ser naturais, agrícolas ou florestais) e que contribuem para dar a conhecer e promover o meio onde se inserem, bem como a cultura das suas populações Historicamente, o Turismo Rural tem o seu início nas décadas de 60/ 70 com o início da crise ambiental e consequente sensibilização para as questões ecológicas, sendo a partir deste período que se começam a procurar mais as paisagenss naturais como locais de férias. Esta procura surge como alternativa ao turismo cultural e ao Sol e

9 Mar e depois como fuga à vida citadina ou regresso à ligação com a Natureza. Em Portugal, a primeira abordagem formal ao Turismo Rural dá-se em 1978 com a definição de quatro zonas piloto paraa Turismo de Habitação: Ponte de Lima, Vouzela, Castelo de Vide e Vila Viçosa, tendo depois sido ampliado a todo o território. Apesar do Turismo de Habitação ter constituído a primeira forma de Turismo Rural em Portugal, esta tipologia de alojamento ganhou identidadee própria, não se cingindo hoje apenas às zonas rurais. 5 Turismo Rural, Turismo no Espaço Rural e Turismo de Habitação, conceitos semelhantes mas independentes. Turismo Rural compreende todas as atividades e serviços turísticos realizados em meios rurais, é um conceito informal, que não está regulamentado. Turismo no Espaço Rural (TER) é uma tipologia de empreendimento turístico, definido pelo D.L. n.º39/2008, localizado exclusivamente em meio rural. Turismo de Habitação (TH) era uma categoria integrante do TER, mas que com a publicação do D.L. n.º 39/2008 passou a ser uma tipologia independente. Possui muitos requisitos semelhantes aos do TER mas pode também localizar-se em áreas urbanas. Corresponde tipicamente aos solares e palácios O QUE DIZ A LEGISLAÇÃO SOBRE TURISMO RURAL Os tipos de turismo definidos no turísticos são: novo regime jurídico dos empreendimentos - Estabelecimentos hoteleiros; - Aldeamentos turísticos;

10 - Apartamentos turísticos; - Conjuntos turísticos (resorts); - Empreendimentos de turismo de habitação; - Empreendimentos de turismo no espaço rural; - Parques de campismo e de caravanismo; - Empreendimentos de turismo da natureza 6 De entre as muitas alterações que este decreto veio introduzir, uma das mais importantes e que vai de encontroo ao que mais importa dar a conhecer neste manual enquadrador, é o facto do Turismo de Habitação (TH), que anteriormente estava integrado no Turismo no Espaço Rural (TER), ter passado a ser considerado como uma tipologia independente. Assim, com o novo diploma, o TER passa a ter apenas três categorias de alojamentoo - Casa de Campo, Agroturismo e Hotel Rural - e inclui todos os estabelecimentos que se destinam a prestar, em espaços rurais, serviços de alojamento a turistas, e que têm como principal objetivoo a valorização, preservação e proteção do património arquitetónico, histórico e paisagístico das regiões onde se localizam. Para além disso, e muito importante para a perspetiva sobre a sustentabilidade, o decreto define que estes estabelecimentos devem ter equipamentos, instalações e serviçoss complementares que permitam a oferta de um produto turístico completo e diversificado. Casas de Campo: imóveis situados em aldeias e espaços rurais que se integrem, pela sua traça, materiais de construção e demais características, na arquitetura típica local. Quando as casas de campo se situem em aldeias e sejam exploradas de uma forma integrada, por uma única entidade, são consideradas como turismo de aldeia. O número máximo de unidades de alojamento destinadas a hóspedes é de 15. Agroturismo: imóveis situados em explorações agrícolas que permitam aos hóspedes o acompanhamento e conhecimento da atividade agrícola, ou a participação nos trabalhos aí desenvolvidos, de acordo com as regras estabelecidas

11 pelo seu responsável. O hóspedes é de 15. número máximo de unidades de alojamento destinadas a Hotel Rural: estabelecimentos hoteleiros situados em espaços rurais que, pela sua traça arquitetónica e materiais de construção, respeitem as características dominantes da região onde estão implantados, podendo instalar-se em edifícios novos. 7 O Turismo de Habitação inclui os estabelecimentos familiares instalados em imóveis antigos particulares que, pelo seu valor arquitetónico, histórico ou artístico, sejam representativos de uma determinadaa época, nomeadamente palácios e solares, mas que, na verdade, podem estar localizados tanto em áreas rurais como urbanas. No entanto, pelas suas características particulares e por grande parte destes alojamentos se encontrar efetivamente em ambiente rural, neste documento guia, o Turismo de Habitação será igualmente trabalhado e entendido enquanto tipologia de empreendimento turístico fundamental no âmbito do Turismo Rural. Assim sendo, tanto o Turismo no Espaço Rural como o Turismo de Habitação têm os seus requisitos mínimos, bem como as suas noções, definidas na Portaria n.º 937/2008 de 20 de Agosto, sendo igualmente esta portaria que define as regras para a realização de atividades de animação turística por parte dos próprios empreendimentos. Os empreendimentos de TER e TH podem desenvolver atividades de animação turística sem necessidade de licenciamento, quando estas se destinam exclusivamente à ocupação dos tempos livres dos seuss utentes e quando estas contribuam para a divulgação e promoção das características e produtos da região onde estão inseridos. Devemos aindaa tomar em consideração uma outra figura legal associada, o Turismo de Natureza. Esta figura legal não pode menosprezada, já que pode ser uma poderosa ferramenta de marketing para uma sustentável diversificação da oferta relacionada com a Natureza.

12 É importante realçar que, embora no Decreto que regulamenta os empreendimentos turísticos o Turismo da Natureza surja como uma tipologia de empreendimento turístico, na realidade trata-se de um reconhecimento concedido pelo Instituto de Conservação da Natureza e das Florestass (ICNF, I.P..) que pode ser atribuído a qualquer uma das tipologias de empreendimentos. Assim, para que um alojamento se possa candidatar a este reconhecimento tem de, em primeiro lugar, estar localizado numa Área Classificada ou numa área com valores naturais relevantes, sendo que deverá ainda disponibilizar estruturass ou serviços complementares relacionados com a animação ambiental, visita de áreas naturais ou desportos de natureza. 8 As Áreas Classificadas estão definidas no Regime Jurídico da Conservação da Natureza e Biodiversidade e incluem: - Rede Nacional de Áreas Protegidas: Parques Nacionais, Parques Naturais, Reservas Naturais e Monumentos Naturais - Rede Natura : Zonas de Proteção Especial (proteção das aves) e Sítios de Interesse Comunitário (proteção dos habitats) 1.3. O TURISMO RURAL HOJE A avaliação das tendências do Turismo Rural ao nível europeu regista dados robustos: a procura que tem sido sobretudo interna (mercado doméstico acima dos 85%) mostra grande potencial de internacionalização; o turista volta-se cada vez mais para os produtos oferecidos e o bom preço é um fator muito valorizado. A análise ao quadriénio 2009/12 anota comoo dados positivos do Turismo Rural: produto de férias, destino reconhecido, imagemm nítida da marca, promoção proativa,

13 boa relação qualidade-preço, segmentação, especialização e canais comerciais operacionais. Entre os aspetos negativos: o Turismo Rural apenas é usado para fins de semana ou pequenas férias, a imagem rural é muito genérica e pouco diversificada, o que representa um oximoro pouco benéfico para o desenvolvimento do sector, a promoção é geralmente atomizada, os serviços aparecem isolados e desligados da inserção no território, faltam padrões reconhecidos de avaliação, persiste a venda individual. Uma constatação essencial: a confiança transitou para a internet. A escolha deixou de passar apenas pelo boca-a-boca e ganha peso nas redes sociais. A internet dá novo poder ao cliente. É no website que começa a vivência da experiência desejada. O desafio da clareza, atratividade e qualidade da comunicação eleva-se para níveis superiores. Transmitir cenários inspiradores e enriquecê-l os de forma a certificar a sua autenticidade e sustentabilidade da proposta de valor são, agora ainda mais, determinantes. 9 De acordo com Klaus Ehrlich, secretário-geral da Federação Europeia de Turismo Rural, EUROGITES, O posicionamentoo estratégico para 2020 no espaço europeu está ancorado numa ideia principal: ser ambicioso. E a ambição passa por colocar na cabeça dos potenciais visitantes que Turismo Rural é verde, é saudável, é estar bem. A visão da Federação Europeia de Turismo Rural (EUROGITES) aponta para a conquista de mais 20% das pernoitas em férias na Europa e mais de 30% de visitantes estrangeiros para o Turismo Rural europeu. Alcançar este objetivo passa por desenvolver com clareza uma marca transnacional, com hiper-segmentação: criar produtos de qualidade que satisfaçam a procura do visitante e propor experiências à medida de cada cliente. Tudo com eficaz comunicaçãoo e organização através da internet e preservando e valorizando a autenticidade da vida na comunidade rural. Fazer Turismo Rural deve ser ter uma história paraa contar. A estratégia da EUROGITES recomenda como fundamental uma aproximação holística: o alojamento é um complemento, não é o produto. Há que ser sustentável e saber comunicá-lo. As novas tecnologias são ferramentas imprescindíveis para a

14 necessária inovação. É preciso promover a qualificação e investir na formação. Há que conhecer e acompanhar as preferências do turista. O cliente compra sonhos, não apenas um quarto e uma dormida, é outra ideia âncora retomada na visão da EUROGITES: a experiência ou atividade é o principal, o lugar onde se fica vem a seguir. É decisivo desenvolver muitos produtos de nicho e saber tirar partido da especialização em algumas excelências. A autenticidade é sempre fundamental. A visibilidade é essencial e favorecida, para os produtos de nicho, nos motores de busca da internet PARTIR DO NADA OU RECONSTRUIR? A oportunidade de lançar um negócio de Turismo Rural tem uma premissa associada à definição de qual a tipologia que mais se ajusta à realidade Turismo de Habitação ou Turismo em Espaço Rural, numa das suas três formas possíveis (Casa de Campo, Agroturismo e Hotel Rural). Associado a este tipo de projetos existe uma pré-existência que dará o mote e a motivação para o cumprir de uma ideia que, sendo bem implementado e desenvolvido, irá afetar positivamente a sua envolvente económica, social e ambiental. A abordagem à sustentabilidade tem que ser necessariamente adaptada à fase em que se encontra o nosso negócio de Turismo Rural e essas fases podem ser bastante distintas: a) PARTIR DO NADA O Turismo em Espaço Rural que, neste caso se estende ao Turismo de Habitação, encontra-se frequentemente associado à ideia de recuperar algo antigo paraa ser vivido nos dias de hoje. No entanto, a legislação permite, ou é omissa em relação ao assunto, que algumas das tipologias que define não fiquem dependentes desta obrigatoriedade.

15 No caso do Agroturismo, a lei não é totalmente clara, referindo apenas que os imóveis têm que se encontrar situados em explorações agrícolas, não fazendo menção à antiguidade desses mesmos imóveis, mas sim à necessidade de o alojamento se associar à permissão aos hóspedes para acompanhamento e conhecimento da atividade agrícola, ou mesmo à participação nos trabalhos aí desenvolvidos. Já no caso dos Hotéis Rurais, a legislação é mais clara, referindo especificamente que estes podem ser instalados em edifícios novos. 11 Em qualquer dos casos, não havendo pré-existências que sirvam como referência arquitetónica, a responsabilidade de ir de encontro ao espírito do Turismo Rural fica totalmente do lado do promotor. Isto porque, estando ambas as tipologias incluídas no Turismo em Espaço Rural, deverão sempree respeitar o princípio de integração nos locais onde se situam de modo a preservar, recuperar e valorizar o património arquitetónico, histórico, natural e paisagístico das respetivas regiões, através da recuperação de construções existentes, desde que seja assegurado que esta respeita a traça arquitetónica da construção já existente. b) RECONSTRUIR Este é um dos grandes objetivos do Turismo Rural. Evitar que o património localizado em ambiente rural se degrade e, pelo contrário, venha a valorizar a região onde se inseree é sem dúvida uma grande mais-valia e também a situação mais frequente. De facto, recuperar um palacete ou um solar, no caso do Turismo de Habitação, casas rústicas, uma aldeia inteira ou um lagar rodeado de oliveiras, é a base de um verdadeiro Turismo Rural sustentável. Ao reabilitar estamos sustentável usar a sustentabilidade como motor de desenvolvimento regional. Recuperar também é reconectar com a comunidade e sua envolvente. Tal significa que atrairemos novo investimento para zonas despovoadas, injetar recursos na sua economia fragilizada, potenciar conhecimento dos aspetos patrimoniais, e promover o apelo do regresso às origens.

16 3. INOVAR À ESCALA DE DIMENSÃO FAMILIAR UMA PME DE A inovação como fator de competitividade é um conceito hoje comum nos manuais de gestão, contudo nem sempre bem compreendido pelos investidores em projetos de PME e negócios de dimensão familiar. Importa desde logo diferenciar alguns termos operacionais: 12 - inovação de produto; - inovação de processo; - inovação organizacional; - inovação no marketing. No Turismo Rural, a base de conhecimento para a inovação dos serviços tem geralmente como origem a experiência prática e a prática organizacional, não estando devidamente sistematizada. Além disso, os serviços são frequentemente moldados aos requisitos dos clientes e pode ser difícil distinguir entre a adaptação de serviços a clientes, por um lado, e a inovaçãoo como um promotor para a evolução de um serviço. Qualquer indústria de serviços tem um carácter imaterial e interativo e, por vezes, a inovação de um serviço é pouco visível. A inovação nos serviços tipicamente ocorre comoo uma mudança contínua, através de pequenas alterações aos produtos do serviço oferecido ou através de ajustamentos nos procedimentos. A indústria do Turismo Rural tem uma taxa muito baixa de inovação em comparação com outras indústrias de serviços. Vários fatores ajudam a explicar esta tendência: A dimensão reduzida do negócio, uma vez que a indústria do turismo inclui muitas micro e pequenas empresas com pouca a nula capacidade e motivação para a inovação; ; A sua natureza familiar, com implicações na falta de sistemas adequados de gestão de suporte ao desenvolvimento de atividades inovadoras; A falta de competências profissionais específicas e em permanente atualização;

17 - privilegiadas - fornecedores e prestadores de serviços básicos, (complementares e especializados) e a possibilidade de ativar relações privilegiadas e, muitas vezes, já existentes, com os vários players com quem partilhaa o território no dia-a-dia. Falta de envolvimento em estruturas associativas, de cooperação colaboração dentro da sua área de atuação e que possam fortalecer a capacidade de inovação. ou sua Há pouca confiança mútua entre os agentes económicos que fazem parte dos ecossistemas de negócio. As pequenas empresas temem em envolver-se ativamente na criação de parcerias, um padrão que, por sua vez, restringe a transferênciaa de conhecimento e experiência e limita a sua capacidade inovadora. 13 Tomando como fator crítico a dimensão da operação padrão de Turismo Rural em Portugal, as PME de Turismo Rural têm limitadas as possibilidades de acrescentar muitos dos formatos de inovação à sua oferta de serviços. Neste sentido, poderá ser explorado todo um campo de oportunidades para aumentar a capacidade de inovação e crescimento no sector quando se desenvolvem estratégias de criação e fortalecimento de redes associativas de matriz interorganizacional e de cooperação, pela escalaa que podem criar paraa o negócio. 4. OS QUATRO FATORES DE COMPETITIVIDADE PARA O TURISMO RURAL A verdadeira vantagem competitiva do Turismo Rural relativamente a todas as suas formas de concorrência resulta da articulação entre si de quatro fatores: A arte de bem receber; A proximidade aos recursos turísticos rurais e/ou naturais; A possibilidade de oferecer autenticidade; A integração numa rede de potenciais parceiros locais com relações

18 O promotor de Turismo Rural deve fortalecer a sua proposta de valor atendendo, cumulativamente, à relevância destes fatores críticos de sucesso. A ausência de qualidade em qualquer um destes fatores pode originar r a perda de vantagens competitivas para outras tipologias de alojamento como (hotéis, alojamentos de baixo custo, alojamento não qualificado, pousadas de Portugal e resorts turísticos, que possuem outras vantagens, nomeadamente as que decorrem de uma maior escala da operação. 14 O Turismo Rural tem a extraordinária capacidade de se afirmar como o melhor player no mercado para assegurar acesso privilegiado ao campo. Importa, então, que cada player enquadre a estratégia para desenvolver esta enorme vantagem competitiva. Para dar consistência e permitir um desenvolvimento robusto da oferta baseada neste conceito, a sustentabilidade deve constituir um quadro de referência desejável, de forma a reforçar a ambição de apresentar produtos turísticos que correspondam e excedam a proposta de valor essencial do Turismo Rural. 5. RESPONSABILIDADE SOCIAL E ESTRATÉGIA EMPRESARIAL A Responsabilidade Social das empresas é uma das componentes sustentabilidade que melhor refletee a ligação entre aspetos sociais e a gestão empresas. da das A Organização Mundial de Turismo (OMT) das Nações Unidas define Responsabilidade Social Corporativa (RSC) como: Uma forma de auto-regulação através da qual as organizações assumem responsabilidade pelos seus impactes no ambiente e nas comunidades envolventes. A RSC assume um comportamento ético, na procura pelo desenvolvimento económico,

19 sempre acompanhado pela garantiaa de melhoria das condições de trabalho para os funcionários e das condições sociais e ambientais da envolvente ao negócio. A OMT tem vindo a desenvolver um trabalho contínuo de aproximação às metas definidas pelos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio - na Declaração do Milénio, adotada em 2000, por todos os 189 Estados Membros da Assembleia Geral das Nações Unidas - e com eles traçou o seu próprio caminho na procura de um turismo responsável, sustentável e acessível a todos. 15 Paraa além da sua componente corporativa, a Responsabili idade Social das empresas está também associada à necessidade de conservar a natureza enquanto aspeto de equilíbrio social e económico. Objetivos de Desenvolvimento do Milénio: Erradicarr a pobreza extrema e a tome Alcançar a educação primária universal Promover a igualdade do género e capacitar as mulheres Reduzir a mortalidade infantil Melhorarr a saúde materna Combater o HIV/SIDA, a malaria e outras doenças Assegurar a sustentabilidade ambiental Desenvolver uma parceria global para o desenvolvimento O quadro seguinte apresenta algumas medidas que poderão ser implementadas nos negócios turísticos ao nível local e que procuram operar de acordo com os princípios da sustentabilidade. Desta forma, pretende-see organizarr as ações de gestão que mais potenciam a responsabilização do negócio.

20 Áreas de intervenção de Responsabilidade Social Gestão Interna Práticas de Apoio à Comunidade Local Relacionamento com os Fornecedores Serviço ao Cliente Envolvimento de Partes Interessadas Descrição Atividades essenciais ao desenvolvimento das operações principais do negócio Preservar, fortalecer e dar assistência às comunidades locais Atividades relacionadas com operações comerciais e de estímulo ao consumo responsável Potenciar a experiência do cliente Atividades que promovam a participação em rede Medidas Certificações e rótulos Gestão conscientee dos recursos Utilização de energias renováveis Desenvolvimento profissional Segurança Saúde Recrutamento local Conservação da Natureza e da paisagem envolvente (offsetting, monitorização, limpezas) Redução da poluição Reciclagem e gestão de resíduos Atividades de compensação de carbono Campanhas de sensibilização para assuntos sociais Campanha de recolha de mantimentos Banco de horas do staff de oferta à comunidade Promoção dos produtores e cadeias de distribuição locais Comércio justo Compras verdes (green procurement) Promoção do bem-estar do cliente Disponibilização de informações sobre a envolvente Políticas relacionadas com comportamentos éticos, saúde e segurança Formação do stafff Otimização das infraestruturas turísticas existentes Potenciação do trabalho conjuntoo em prol do bem comum Criação de sinergias entre clientes, staff, comunidades locais e fornecedores Colaboração entree sector público e privado Participação em associações independentes ou ONG Envolvimento dos clientes nas várias ações 16 Quadro Ações de responsabilização na gestão

CONSTRUÇÃO. Boas práticas para uma construção ambientalmente correta devem ser consideradas ao longo do seu Ciclo de Vida:

CONSTRUÇÃO. Boas práticas para uma construção ambientalmente correta devem ser consideradas ao longo do seu Ciclo de Vida: Boas práticas para uma construção ambientalmente correta devem ser consideradas ao longo do seu Ciclo de Vida: 1. Fase de Projeto, além de todas as considerações com o contexto do lugar (clima, topologia,

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico, Turismo de Portugal, I.P. Rua Ivone Silva, Lote 6, 1050-124 Lisboa Tel. 211 140 200 Fax. 211 140 830 apoioaoempresario@turismodeportugal.pt

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020

Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 Parcerias para a investigação e inovação no âmbito da Programação para o Desenvolvimento Rural 2014-2020 PDR 2014-2020 do Continente Cláudia Costa Diretora Adjunta do Gabinete de Planeamento e Políticas

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Empreendimentos Turísticos - CAE 55111 a 55119, 55121 a 55124 e 55201 a 55300. Instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos;

Empreendimentos Turísticos - CAE 55111 a 55119, 55121 a 55124 e 55201 a 55300. Instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos; O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL Empreendimentos Turísticos CAE 55111 a 55119, 55121

Leia mais

Ecorkhotel Évora, Suites & SPA

Ecorkhotel Évora, Suites & SPA 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa O Ecorkhotel Évora, Suítes & SPA (Ecorkhotel) surge como uma unidade hoteleira com um conceito inovador e uma arquitetura e construção únicas a

Leia mais

CPAI COMISSÃO PERMANENTE DE APOIO AO INVESTIDOR

CPAI COMISSÃO PERMANENTE DE APOIO AO INVESTIDOR ANEXO V - NOTAS EXPLICATIVAS Este formulário é de preenchimento obrigatório e serve de sustentação à auto-avaliação realizada no Anexo III Os itens I Preenchimento dos requisitos de elegibilidade e II

Leia mais

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS

CARTA EUROPEIA DO ENOTURISMO PRINCIPIOS GERAIS PRINCIPIOS GERAIS I. OS FUNDAMENTOS DO ENOTOURISMO 1. Por enotourismo queremos dizer que são todas as actividades e recursos turísticos, de lazer e de tempos livres, relacionados com as culturas, materiais

Leia mais

PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO)

PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO) DEPARTAMENTO DE URBANISMO Divisão de Ordenamento do Território PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE CANTANHEDE (ALTERAÇÃO) AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA RELATÓRIO JUSTIFICATIVO PARA A NÃO REALIZAÇÃO JULHO 2012

Leia mais

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015

micro-empresas e activid i a d de d ec e onómica c TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 micro-empresas e actividade económica TAGUS, 24 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégia com o objectivo único de contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Convenção Low Carbon Oeste Sustentável DESAFIOS DO SECTOR ENERGÉTICO E O VALOR DA ECOEFICIÊNCIA

Convenção Low Carbon Oeste Sustentável DESAFIOS DO SECTOR ENERGÉTICO E O VALOR DA ECOEFICIÊNCIA Convenção Low Carbon Oeste Sustentável DESAFIOS DO SECTOR ENERGÉTICO E O VALOR DA ECOEFICIÊNCIA Joaquim Borges Gouveia bgouveia@ua.pt DEGEI UAVEIRO 10 de julho de 2014 Uma Visão: Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

O CONTRIBUTO DA PEQUENA AGRICULTURA FAMILIAR PARA A COESÃO DOS TERRITÓRIOS

O CONTRIBUTO DA PEQUENA AGRICULTURA FAMILIAR PARA A COESÃO DOS TERRITÓRIOS O CONTRIBUTO DA PEQUENA AGRICULTURA FAMILIAR PARA A COESÃO DOS TERRITÓRIOS ANTÓNIO REALINHO, ADRACES LISBOA 27-10-2014 2 PESO DA AGRICULTURA FAMILIAR EM PORTUGAL 80% da mão-de-obra agrícola é assegurada

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

reconversão de empreendimentos turísticos

reconversão de empreendimentos turísticos reconversão de empreendimentos turísticos 01. Reconversão de Empreendimentos Turísticos Com o objectivo de requalificar a oferta turística nacional, foi aprovado um novo regime jurídico dos empreendimentos

Leia mais

Chama-se a atenção que a contagem do prazo a que se refere o n.º 1 do artigo 23.º do Decreto-Lei n.º 73/2009 de 31 de Março, só se inicia a partir da

Chama-se a atenção que a contagem do prazo a que se refere o n.º 1 do artigo 23.º do Decreto-Lei n.º 73/2009 de 31 de Março, só se inicia a partir da a) OBRAS COM FINALIDADE AGRÍCOLA, QUANDO INTEGRADAS NA GESTÃO DAS EXPLORAÇÕES LIGADAS À ATIVIDADE AGRÍCOLA, NOMEADAMENTE, OBRAS DE EDIFICAÇÃO, OBRAS HIDRÁULICAS, VIAS DE ACESSO, ATERROS E ESCAVAÇÕES, E

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial 5 Augusto Ferreira Departamento Técnico - CONFAGRI MINHA TERRA - Federação Portuguesa de Associações de Desenvolvimento Local 20.Set.2013 Hotel da Estrela

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros

ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009. Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana. Programas integrados de criação de Eco-Bairros ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º3 /2009 Política de Cidades - Parcerias para a Regeneração Urbana Programas integrados de criação de Eco-Bairros 1. ENQUADRAMENTO GERAL A Autoridade de Gestão do Programa Operacional

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados,

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Encontro-me hoje aqui para, em nome do Governo Regional da Madeira, apresentar a Vossas

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 2 CONHECIMENTO Ação 2.1 CAPACITAÇÃO E DIVULGAÇÃO Enquadramento Regulamentar Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis A Produção de Empreendimentos Sustentáveis Arq. Daniela Corcuera arq@casaconsciente.com.br www.casaconsciente.com.br A construção sustentável começa a ser praticada no Brasil, ainda com alguns experimentos

Leia mais

Vote pelo seu ambiente

Vote pelo seu ambiente Vote pelo seu ambiente Um apelo ambiental para a ação do Parlamento Europeu de 2014-2019 Fotos: Susana Alves, Rúben Coelho e Pedro Geraldes Um papel claro para Europa O grande volume de desafios que a

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO Alentejo 2020 Desafios Borba 17 de Dezembro de 2014 ALENTEJO Estrutura do Programa Operacional Regional do Alentejo 2014/2020 1 - Competitividade e Internacionalização

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial COMPETIR + O Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial tem por objetivo promover o desenvolvimento sustentável da economia regional,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 13/XIII/1ª PREFERÊNCIA PELA PRODUÇÃO ALIMENTAR LOCAL NAS CANTINAS PÚBLICAS

PROJETO DE LEI N.º 13/XIII/1ª PREFERÊNCIA PELA PRODUÇÃO ALIMENTAR LOCAL NAS CANTINAS PÚBLICAS PROJETO DE LEI N.º 13/XIII/1ª PREFERÊNCIA PELA PRODUÇÃO ALIMENTAR LOCAL NAS CANTINAS PÚBLICAS Nota justificativa A dependência alimentar do exterior é bastante acentuada no nosso país, ultrapassando os

Leia mais

Seminário. Apresentação das Conclusões. Promotor

Seminário. Apresentação das Conclusões. Promotor Seminário Apresentação das Conclusões Promotor Reuniões Técnicas Planos Estratégicos Ciclo de Debates Mobilidade e Transportes Saúde, Apoio Social, Segurança Social e Proteção Civil (Março, 2012) Educação,

Leia mais

A Nossa Perspectiva Comum. Os Nossos Desafios. As Nossas Responsabilidades. A Nossa Resposta: Os Compromissos de Aalborg

A Nossa Perspectiva Comum. Os Nossos Desafios. As Nossas Responsabilidades. A Nossa Resposta: Os Compromissos de Aalborg AALBORG+10 Inspirando o Futuro Versão Portuguesa: Prof. Doutor João Farinha e Dr.ª Lurdes Poeira, participantes na Conferência, com colaboração da Eng.ª Graciete Silva. A Nossa Perspectiva Comum Nós, Autoridades

Leia mais

Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana

Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana Proposta de Alteração de Delimitação das Áreas de Reabilitação Urbana Núcleo Histórico da Vila da Lousã Fundo de Vila Área Urbana Central Nascente da Vila da Lousã Área Urbana Central Poente da Vila da

Leia mais

Capítulo 15. Impactos Cumulativos

Capítulo 15. Impactos Cumulativos Capítulo 15 Impactos Cumulativos ÍNDICE 15 IMPACTOS CUMULATIVOS 15-1 15.1 INTRODUÇÃO 15-1 15.1.1 Limitações e Mitigação 15-1 15.1.2 Recursos e Receptores Potenciais 15-3 15.2 IMPACTO CUMULATIVO DA ZONA

Leia mais

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge Segunda alteração do Decreto Regulamentar Regional n.º 22/2007/A, de 25 de Outubro, que aprova o Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento Local Promotores -Empresários em nome individual, estabelecimentos

Leia mais

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real

Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real Conceito de intervenção a hierarquização e estruturação do corredor cultural entre Chaves e Vila Real A referenciação dos percursos como componentes da estrutura edificada (in Magalhães, Manuela; Arquitectura

Leia mais

INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA NA PAC PÓS 2013

INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA NA PAC PÓS 2013 NA PAC PÓS 2013 Pedro M.S.Raposo Ribeiro SEMINÁRIO Lisboa, Auditório da CAP 26 Junho 2013 COM O APOIO DE: GÉNESE E OBJETIVOS DO ESTUDO 2 ENQUADRAMENTO O recurso à utilização de Instrumentos Financeiros

Leia mais

Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA.

Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA. CIP FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA UM NOVO PASSO Seminário 16 de abril de 2012 Intervenção do Presidente da CIP Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA.

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À

SISTEMA DE INCENTIVOS À SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISOS PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE

Leia mais

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Isabel Damasceno, Vogal Executiva CCDRC, 28 de janeiro de 2015

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Isabel Damasceno, Vogal Executiva CCDRC, 28 de janeiro de 2015 Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 Isabel Damasceno, Vogal Executiva CCDRC, 28 de janeiro de 2015 Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 Dotação financeira reforçada: 2.155 M

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

TAGUS, 19 de Janeiro de 2015

TAGUS, 19 de Janeiro de 2015 TAGUS, 19 de Janeiro de 2015 20 anos Uma estratégiacom o objectivoúnicode contribuirpara fixar população no interior do seu território. Combater o exodo rural e abandono da activiade agro- Combater o exodo

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020. Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 4 - VALORIZAÇÃO dos RECURSOS FLORESTAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013 do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL:

Classificação DOS EMPREENDIMENTOS DE TURISMO NO ESPAÇO RURAL: O conteúdo informativo disponibilizado pela presente ficha não substitui a consulta dos diplomas legais referenciados e da entidade licenciadora. FUNCHAL CAE Rev_3: 55202 TURISMO NO ESPAÇO RURAL NOÇÃO:

Leia mais

As principais conclusões foram as seguintes:

As principais conclusões foram as seguintes: A REABILITAÇÃO EXIGE PROJETO IN SITU Vasco Peixoto de Freitas Professor Catedrático da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Diretor do Laboratório de Física das Construções * Nesta sessão foi

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt Portugal 2020 Inovação da Agricultura, Agroindústria e Floresta Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt FEDER 2020 - Prioridades Concentração de investimentos do FEDER Eficiência energética e energias renováveis

Leia mais

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal

Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal Políticas e programas de apoio à investigação e inovação no setor agrícola e agroalimentar em Portugal O apoio Inovação na Programação do Desenvolvimento Rural Eduardo Diniz Diretor do GPP Seminário Investigação,

Leia mais

ANEXO I. FICHAS DE CARACTERIZAÇÃO DAS MEDIDAS 3.1. e 3.2. - EIXO 3 DO PRORURAL versão 7

ANEXO I. FICHAS DE CARACTERIZAÇÃO DAS MEDIDAS 3.1. e 3.2. - EIXO 3 DO PRORURAL versão 7 3.1.1. Diversificação de Actividades Não-Agrícolas na Exploração Descrição Apoio a iniciativas empresariais promotoras do saber fazer tradicional Apoio a actividades lúdicas de carácter inovador nas explorações

Leia mais

1. ENQUADRAMENTO DO SECTOR DO TURISMO

1. ENQUADRAMENTO DO SECTOR DO TURISMO 1 1. ENQUADRAMENTO DO SECTOR DO TURISMO As perspetivas de futuro do turismo a nível mundial, incluindo a sua contribuição para o desenvolvimento económico e social, são cada vez mais importantes. Existe

Leia mais

Workshop formativo: Ampelografia das Castas do Vinho Verde I

Workshop formativo: Ampelografia das Castas do Vinho Verde I Workshop formativo: Ampelografia das Castas do Vinho Verde I numerosos sinónimos. Objectivos: A ampelografia é a disciplina da botânica e da agronomia que estuda, identifica e classifica as variedades,

Leia mais

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020

Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020. Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020 Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 Ana Abrunhosa Presidente da Comissão Diretiva do CENTRO 2020 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO 2014-2020 Dotação financeira: 2.155 M FEDER: 1.751

Leia mais

IISEMANA 13 DE ABRIL / 15H00 SESSÃO DE ABERTURA DA SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA

IISEMANA 13 DE ABRIL / 15H00 SESSÃO DE ABERTURA DA SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA INSTITUTO DA CONSTRUÇÃO E DO IMOBILIÁRIO IISEMANA DARE- ABILITAÇÃO ASSIMFOI URBANA 13 DE ABRIL / 15H00 SESSÃO DE ABERTURA DA SEMANA DA REABILITAÇÃO URBANA DE LISBOA C o n f e r ê n c i a s E x p o s i

Leia mais

Animação Sócio Cultural, Serviço Social e Empreendedorismo e Inovação Social

Animação Sócio Cultural, Serviço Social e Empreendedorismo e Inovação Social Curso Vocacional para 2º Ciclo do Ensino Básico (1 ano) Comércio, Fotografia e Marketing e Publicidade Curso Vocacional para 3º Ciclo do Ensino Básico (2 anos) Informática, Multimédia e Eletrónica e Automação

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 1 INOVAÇÃO Ação 1.1 GRUPOS OPERACIONAIS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE) n.º 1305/2013, do Conselho e do Parlamento

Leia mais

Política de Responsabilidade Social

Política de Responsabilidade Social Política de Responsabilidade Social e Programa 2015 I. ENQUADRAMENTO A criação da Fábrica do Chocolate materializa por si só o sentido de responsabilidade social da empresa e das pessoas envolvidas na

Leia mais

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge

Câmara do Comércio de Angra do Heroísmo Associação Empresarial das ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge Terceira alteração ao Decreto Regulamentar Regional n.º 21/2007/A, de 24 de outubro, alterado pelos Decretos Regulamentares Regionais 11/2009/A, de 13 de agosto, e 9/2010/A, de 14 de junho. Promotores

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS #2 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que o sector da fabricação de equipamento

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL A última reforma da política agrícola comum (PAC) manteve a estrutura em dois pilares desta política, continuando o desenvolvimento rural a representar

Leia mais

Gestão de Instalações Desportivas

Gestão de Instalações Desportivas Gestão de Instalações Desportivas Ambiente, Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Módulo 10 sessão 3 Gestão de Instalações Desportivas 1.3. Sistemas integrados de qualidade, ambiente e segurança Ambiente,

Leia mais

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL Identificação do ponto de partida: O Município de Montijo: - Integra a Rede Portuguesa das Cidades Saudáveis, com quatro

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Assembleia Legislativa Decreto Legislativo Regional n.º 12/2009/M Adapta à Região Autónoma da Madeira o Decreto -Lei

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Compromisso para o Crescimento Verde e o Turismo

Compromisso para o Crescimento Verde e o Turismo www.pwc.pt Compromisso para o Crescimento Verde e o Turismo 16 Cláudia Coelho Diretora Sustainable Business Solutions da Turismo é um setor estratégico para a economia e sociedade nacional o que se reflete

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural

Programa de Desenvolvimento Rural Programa de Desenvolvimento Rural PDR 2020 do Continente Terra no Horizonte 2014-2020 Tavira, 13 Março 2014 1 2 Panorama Principais constatações Atuação Constrangimentos e Necessidades 3 Arquitetura 4

Leia mais

PLANO DE SUSTENTABILIDADE

PLANO DE SUSTENTABILIDADE PLANO DE SUSTENTABILIDADE Rock in Rio 2013 O QUE NOS MOVE Temos que assumir não só as nossas próprias responsabilidades mas um compromisso coletivo, enquanto cidadãos e profissionais, em cada atividade

Leia mais

Marketing Ambiental. Abril, 2011

Marketing Ambiental. Abril, 2011 Baseado em: Marketing Ambiental, de Joaquim Caetano, Marta Soares, Rosa Dias, Rui Joaquim e Tiago Robalo Gouveia, Plátano Editores, 2008 Abril, 2011 O ambiente de hoje Ao longo das últimas décadas têm

Leia mais

NOVO REGIME JURÍDICO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS (NRJET) Turismo do Alentejo, ERT

NOVO REGIME JURÍDICO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS (NRJET) Turismo do Alentejo, ERT NOVO REGIME JURÍDICO DOS EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS (NRJET) Objectivos principais: Simplificação Responsabilização Qualificação da oferta Simplificação Simplificação legislativa concentração num único

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

O novo Regime da Política de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo. Abril, 2014

O novo Regime da Política de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo. Abril, 2014 O novo Regime da Política de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo Abril, 2014 Porquê uma nova Lei? 1. A atual Lei de Solos data de 1976, encontra-se obsoleta face à atual conjuntura socioeconómica

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº 01/SI/2015

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº 01/SI/2015 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS AVISO Nº 01/SI/2015 SISTEMA DE INCENTIVOS INOVAÇÃO PRODUTIVA REFERENCIAL DE MÉRITO DO PROJETO REGIME CONTRATUAL DE INVESTIMENTO (RCI) 17 DE MARÇO DE 2015 Página

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL

CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL Pág. 1 de9 CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL Gestão do Turismo nos Sítios com Significado Patrimonial 1999 Adoptada pelo ICOMOS na 12.ª Assembleia Geral no México, em Outubro de 1999 Tradução por

Leia mais

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES

Plano Estratégico Nacional do Turismo. Desafios do Turismo Sustentável do PATES Ferramentas para a Sustentabilidade do Turismo Seminário Turismo Sustentável no Espaço Rural Castro Verde, 7 Março 2012 Teresa Bártolo 2012 Sustentare Todos os direitos reservados www.sustentare.pt 2 Turismo

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas Câmara dos Deputados Grupo de Pesquisa e Extensão - Programa de Pós-Graduação - CEFOR Fabiano Sobreira SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Valéria Maia SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Elcio Gomes NUARQ-CPROJ-DETEC Jacimara

Leia mais

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS Revisão 1 : 02/09/2015 PO PO Preparação e Reforço das Capacidades, Formação e Ligação em rede dos Gal (DLBC) Desenvolvimento Local de Base Comunitária 2ª fase Seleção das Estratégias de Desenvolvimento

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL O Turismo no Espaço Rural consiste no conjunto de actividades e serviços de alojamento e animação a turistas em empreendimentos de natureza familiar realizados

Leia mais

Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial

Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial O Turismo é a atividade mais promissora para a promoção do desenvolvimento sustentável Entretanto...o modelo adotado de Turismo no litoral brasileiro tem

Leia mais

Cumprimento particular à nova Direção da AHRESP

Cumprimento particular à nova Direção da AHRESP Cumprimento particular à nova Direção da AHRESP Comendador Mário Pereira Gonçalves Minhas Senhoras e meus senhores, O Turismo é um setor estratégico para a economia nacional. Representa cerca de 9,5% do

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO (RETIFICADA)

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO (RETIFICADA) SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO CRITÉRIOS DE INSERÇÃO DE PROJETOS NO PÓLO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA TURISMO 2015 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO ELEGÍVEIS (RETIFICADA) 1.

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Resultados do projeto: prática de financiamento. Joana Castro e Almeida

Resultados do projeto: prática de financiamento. Joana Castro e Almeida Resultados do projeto: prática de financiamento Joana Castro e Almeida Financiamento externo pelas CM? 1/3 SIM; 2/3 NÃO Objetivos T. 4 Sistema de financiamento 1. Conhecer a prática de financiamento bancário

Leia mais

Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa

Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa Projeto de Alteração ao Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento Nota Justificativa O Regulamento do Programa de Apoio ao Investimento entrou em vigor a 15/01/2015, após aprovação pela Câmara Municipal

Leia mais

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020

A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL E OS NOVOS INSTRUMENTOS 2014-2020 ENCONTRO TEMÁTICO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL 28 de Fevereiro de 2014, Espaço Jovem, Porto de Mós. Grupo de Trabalho Desenvolvimento Urbano Sustentável A NOVA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL

Leia mais