MATA NATIVA: SISTEMA PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS DE MANEJO FLORESTAL E REALIZAÇÃO DE ANÁLISES FITOSSOCIOLÓGICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MATA NATIVA: SISTEMA PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS DE MANEJO FLORESTAL E REALIZAÇÃO DE ANÁLISES FITOSSOCIOLÓGICAS"

Transcrição

1 MATA NATIVA: SISTEMA PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS DE MANEJO FLORESTAL E REALIZAÇÃO DE ANÁLISES FITOSSOCIOLÓGICAS Gilson Fernandes da Silva Departamento de Engenharia Florestal - Universidade de Brasília Brasília DF. Paulo Márcio de Freitas Cientec - Consultoria e Desenvolvimento de Sistemas Ltda. Av. P.H. Rolfs, 375 Sala Viçosa MG Anderson Francisco da Silva Cientec - Consultoria e Desenvolvimento de Sistemas Ltda. Av. P.H. Rolfs, 375 Sala Viçosa MG Alessandro de Freitas Teixeira Cientec - Consultoria e Desenvolvimento de Sistemas Ltda. Av. P.H. Rolfs, 375 Sala Viçosa MG RESUMO O planejamento da produção florestal tem como principais objetivos responder às questões: quando, quanto, como e onde cortar a floresta, cumprir a legislação florestal e minimizar os impactos ambientais. Entretanto, tem-se observado na prática, principalmente nas empresas florestais de pequeno e médio porte, a elaboração de planos de manejo empíricos, baseados, na maioria das vezes, na experiência pessoal do tomador de decisão. Percebeu-se, então, a necessidade de uma ferramenta de suporte que auxiliasse neste processo. Em função desta demanda, desenvolveu-se o software Mata Nativa, que é uma ferramenta prática e eficiente para a realização de análises fitossociológicas e elaboração de planos de manejo de florestas nativas. Apresenta-se como uma ferramenta indispensável para engenheiros florestais que trabalham com manejo florestal e também para outros profissionais que necessitem realizar análises fitossociológicas de maneira rápida, fácil e com grande flexibilidade na apresentação dos resultados. Esta é uma ferramenta capaz de registrar informações importantes sobre a floresta ao longo de sua existência, de modo a facilitar a tomada de decisão e também torná-la mais confiável. Palavras-chave: software; análise fitossociológica; manejo florestal; tomada de decisão. ABSTRACT Some of the principal objectives of forest production planning are to answer the questions of when, how, where, and how much to harvest the forest, as well as obey legislation and minimize environmental impact. However, in practice, principally in small and medium-sized businesses,

2 management plans are usually based on the personal experience of the decision maker. There has been a recognition of the need of a support tool to assist this process. Because of this demand, the software Mata Nativa was developed as a practical and efficient tool for performing phyto-sociological analyses and developing management plans for native forests. This is an indispensable tool for foresters working with forest management and others who need to perform rapid phyto-sociological analyses with flexible data presentation. This tool is capable of registering important information about a forest throughout its existence to permit easier and more reliable decision making. Key Words: software, phyto-sociological analyses, forest management, decision making. 1. INTRODUÇÃO Embora a exploração de recursos florestais no Brasil, em níveis mais organizados e em grande escala, seja relativamente recente, não é difícil verificar a grande importância do setor no cenário nacional. O setor siderúrgico a carvão vegetal, por exemplo, apresentou no ano de 1997 um faturamento de US$ 3,7 bilhões, dos quais cerca de US$ 1,3 bilhão foram provenientes de exportações, sendo este setor responsável por 85% do consumo de carvão vegetal no Brasil (ABRACAVE, 1998). O setor moveleiro faturou em 1997 US$ 5,6 bilhões, sendo praticamente inexistente a importação de móveis no Brasil. Nesse mesmo ano este setor foi responsável por 42 mil empregos diretos (GORINI, 1998). O setor de papel e celulose também teve faturamento expressivo, com R$ 7,6 bilhões, que correspondeu a 1% do PIB. Contribuiu também com R$ 748,90 milhões em impostos e taxas e pagou R$ 3 bilhões em salários e encargos para cerca de 67 mil pessoas (BRACELPA, 1998). As exportações de papel e celulose no mesmo ano somaram US$ 2 bilhões. Entretanto, o setor importou em 1997 US$ 900 milhões, visto que o consumo de papel tem crescido muito e o setor não tem acompanhado esse crescimento (BRACELPA, 1998). Por outro lado, organizar os processos de produção florestal de modo que os mesmos sejam viáveis do ponto de vista econômico, ambiental e social é uma tarefa árdua, e que, portanto, exige muito esforço daqueles que trabalham neste setor. As dificuldades se tornam ainda maiores quando se trata de florestas naturais, dada a grande complexidade desses ecossistemas. De acordo com Guimarães e Sette (1995) citados por NOBRE (1999), o planejamento da produção é função administrativa que tem por objetivo fazer planos que orientam a produção, procurando-se determinar, quanto, como e onde produzir. Entretanto, tem-se observado na prática, principalmente nas empresas florestais de pequeno e médio porte, a elaboração de planos de manejo empíricos, baseados, na maioria das vezes, na experiência pessoal do tomador de decisão. Algumas das razões para que isso ocorra está no fato do desconhecimento do manejador florestal de metodologias compatíveis ao grande número de variáveis envolvidas no manejo de florestas naturais, tais como determinação do estoque e da taxa de crescimento da floresta, alternativas econômicas de produção, aspectos técnicos como tratamentos silviculturais, processos de exploração, entre outros. Aliado a isso está os longos períodos dos ciclos de produção, fazendo com o manejo se torne ainda mais difícil.

3 Dentro desse contexto, foi elaborado o software Mata Nativa, que procura em sua primeira versão, minimizar as dificuldades anteriormente citadas, no sentido de valorizar o registro e o uso de informações pertinentes ao manejo florestal. Muitas das vezes, manejadores florestais não tem o hábito de guardar informações sobre as florestas que manejam, o que impede que se tenha um conhecimento acumulado dessas florestas, dificultando em muito a tomada de decisão a respeito dos processos a serem adotados no manejo da floresta. Tendo em vista o exposto, o software Mata Nativa teve como principal objetivo, disponibilizar aos profissionais que atuam nas áreas de Manejo Florestal e que realizam Análises Fitossociológicas, uma ferramenta capaz de registrar informações importantes sobre a floresta ao longo de sua existência, de modo a facilitar a tomada de decisão e também torna-la mais confiável. Outro objetivo foi disponibilizar nesse software as mais recentes técnicas de análises no que diz respeito ao manejo florestal e à análise da vegetação, com a preocupação fundamental de que as análises fossem de fácil execução e interpretação, havendo a máxima interação possível entre o usuário e o programa. 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA MATA NATIVA O software Mata Nativa, ilustrado pela FIGURA 1, teve sua parte técnica desenvolvida por uma equipe de Doutores em Manejo Florestal da Universidade Federal de Viçosa - UFV, Universidade de Brasília UnB, Universidade Federal do Mato Grosso UFMT e Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE, e a elaboração do programa feita por especialistas em ciência da computação com grande experiência na área. Com o intuito de proporcionar a máxima interatividade com o usuário e, ao mesmo tempo, atender os objetivos já citados, o sistema foi dividido em três módulos principais: o módulo Dados, o módulo Cálculos e o módulo Inventário. A seguir, será apresentado uma breve descrição de cada um dos módulos citados.

4 FIGURA 1:Tela principal do Mata Nativa O Módulo Dados O módulo Dados, ilustrado pela FIGURA 2, se destina ao cadastramento de todos os dados e informações referentes ao projeto e que serão utilizados no módulo Cálculos e no módulo Inventário. Neste módulo são cadastradas informações específicas de cada projeto como sua localização, dados da propriedade, do elaborador e do executor do projeto. Também são registradas informações sobre as espécies encontradas na área. Este módulo tem papel fundamental, pois é nele que são informados a maioria dos parâmetros e dados que deverão servir de base para todos os cálculos realizados no módulo Cálculos e o nome das espécies para o módulo Inventário.

5 FIGURA 2: Tela representativa do módulo Dados. Desta forma, este módulo pode ser encarado como um banco de dados contendo informações da floresta em um dado momento do tempo. Conforme mencionado anteriormente, o registro, a manutenção e o acesso rápido a essas informações a qualquer tempo, são essenciais para que se possa acumular informações da floresta de modo a se entender melhor o seu comportamento e sua dinâmica, o que ajudará muito no seu manejo O Módulo Cálculos O módulo Cálculos utiliza os dados cadastrados no módulo Dados para a realização de uma série de cálculos, incluindo: Análise Florística, Diversidade de Espécies, Agregação de Espécies, Estruturas Horizontal, Vertical e Regeneração Natural, Estruturas Diamétrica e Volumétrica, Análises Qualitativas de características do povoamento, Avaliação de Rendimentos Econômicos baseada no aproveitamento do fuste e do preço da madeira e os cálculos estatísticos da Amostragem. Neste módulo todos os resultados são apresentados em forma de tabelas, como ilustrado na FIGURA 3, podendo as mesmas serem reorganizadas de acordo com os interesses do usuário. Os resultados também podem ser exportados para outros programas, como o Excel, por exemplo, bem como podem ser gerados

6 relatórios feitos no próprio programa que também permite ao usuário definir a apresentação que mais atenda aos seus interesses. FIGURA 3: Tela representativa do módulo Cálculos. As análises citadas consideram as mais recentes e utilizadas técnicas de avaliação de importância ecológica das espécies. Além disso, o usuário interessado na elaboração de planos de manejo pode dispor de ferramentas importantes como as diversas possibilidades de apresentação das estruturas diamétrica e volumétrica, permitindo que se tenha a chance de se avaliar individualmente e com grande rapidez, como as espécies de interesse para o manejo florestal se apresentam distribuídas dentro da floresta e dentro de diferentes classes de tamanho. Sinteticamente, no que diz respeito ao módulo Cálculos, procurou-se aliar a eficiência proporcionada pelos computadores na realização de cálculos com grandes massas de dados com processos de análises que permitam considerar grande números de variáveis, de modo a gerar os mais diversos cenários, subsidiando assim, o processo de planejamento da produção florestal O Módulo Inventário O módulo Inventário trata de uma prática recente no manejo de florestas naturais que é a realização de censo de todas as árvores de valor comercial existentes em uma área de exploração anual.

7 Este módulo procurou seguir a proposta elaborada por AMARAL et al. (1998) que acumulam grande e proveitosa experiência em censos (inventários 100%) na região amazônica. Além da análise do inventário 100%, este módulo possibilita a elaboração de mapas de exploração, ilustrado pela FIGURA 4, conforme prevê a legislação florestal em algumas regiões brasileiras. É possível também, por meio de recursos de bancos de dados aplicados de forma a mais interativa possível, avaliar as diversas possibilidades de exploração da floresta, filtrando as espécies de interesse comercial das demais espécies e totalizando em termos de número de árvores, volume e área basal a quantidade de madeira a ser explorada. Ainda, é possível avaliar a densidade em termos de número de árvores, volume e área basal para espécies protegidas por lei, como espécies raras, árvores matrizes e frutíferas, por exemplo. FIGURA 4:Tela representativa do módulo Inventário. 3. CONCLUSÃO Considerando o anteriormente apresentado, pode-se se chegar a seguinte conclusão: O software Mata Nativa tem como proposta apoiar a elaboração de planos de manejo e realização de análises fitossociológicas, procurando conciliar a eficiência computacional com as possibilidades de análises de interesse que possam auxiliar o manejador florestal na tomada de decisão, gerar um conhecimento acumulado das florestas e auxiliar nos projetos de exploração florestal.

8 4. BIBLIOGRAFIA ABRACAVE. Anuário estatístico. Belo Horizonte: ABRACAVE, ano 8, n. 24, BRACELPA - CELULOSE & PAPEL. Mercado - Setor espera substituição de importações em São Paulo: BRACELPA, ano15, n.64, GORINI, A.P.F. Panorama do setor moveleiro no Brasil, com ênfase na competitividade externa a partir do desenvolvimento da cadeia industrial de produtos sólidos de madeira. BNDES Setorial, Rio de Janeiro, n.8, p.3-57, NOBRE, S.R. A heurística da Razão-R aplicada a problemas de gestão florestal. Lavras: UFLA, p. Dissertação (Mestrado em Administração Rural) - Universidade Federal de Lavras - MG AMARAL, P.H.C.; VERÍSSIMO, J.A.O.; BARRETO, P.G.; VIDAL, E.J.S. Floresta para sempre: um manual para produção de madeira na Amazônia. Bélem: IMAZON, p.

Utilização de um banco de dados relacional no Sistema de Informações Geográfica (SIG) para o cadastro florestal

Utilização de um banco de dados relacional no Sistema de Informações Geográfica (SIG) para o cadastro florestal Utilização de um banco de dados relacional no Sistema de Informações Geográfica (SIG) para o cadastro florestal Use of relational database in a Geographical Information System (GIS) for forest register

Leia mais

MANEJO DE FLORESTAS PARA SERRARIA NAS EMPRESAS NACIONAIS: ALGUMAS EXPERIÊNCIAS DE MANEJO DE EUCALIPTO PARA SERRARIA

MANEJO DE FLORESTAS PARA SERRARIA NAS EMPRESAS NACIONAIS: ALGUMAS EXPERIÊNCIAS DE MANEJO DE EUCALIPTO PARA SERRARIA SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE UTILIZAÇÃO DA MADEIRA DE EUCALIPTO PARA SERRARIA MANEJO DE FLORESTAS PARA SERRARIA NAS EMPRESAS NACIONAIS: ALGUMAS EXPERIÊNCIAS DE MANEJO DE EUCALIPTO PARA SERRARIA Cláudio Renck

Leia mais

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS

AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA. Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS AMC AUTORIZAÇÃO DE MANEJO DA CABRUCA Hermann Rehem Rosa da Silva Eng. Agrônomo - Especialista em Meio Ambiente e Recursos Hídricos INEMA/IOS Decreto Estadual Nº 15180 DE 02/06/2014 Regulamenta a gestão

Leia mais

A importância de um banco de dados para os estudos de Economia Mineral

A importância de um banco de dados para os estudos de Economia Mineral A importância de um banco de dados para os estudos de Economia Mineral Leandro Antonio Calixto Junior Bolsista de Iniciação Científica, Geografia, UFRJ Maria Helena Rocha Lima Orientadora, Economia Mineral,

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO. Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management)

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO. Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management) PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO Proposta para obtenção de recursos do GEF (doação sem encargos de US$7,05 milhões) Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management)

Leia mais

Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade

Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade Fórum sobre Área de Preservação Permanente e Reserva Legal na Paisagem e Propriedade Rural Piracicaba,

Leia mais

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ABSTRACT

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ABSTRACT ANÁLISE DA APLICAÇÃO DA FILOSOFIA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DO SETOR DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ANALYSIS OF APPLICATION OF PHILOSOPHY IN LEAN CONSTRUCTION COMPANIES

Leia mais

Nome da Empresa: Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE)

Nome da Empresa: Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) Nome da Empresa: Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) PROJETO: PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA BRA/IICA/03/005 PARTICIPAÇÃO SOCIAL NÚMERO DO CONTRATO: 206009 TEMA:

Leia mais

Gestão Ambiental aplicado ao Setor Madeireiro: um estudo de caso na empresa Rondobel

Gestão Ambiental aplicado ao Setor Madeireiro: um estudo de caso na empresa Rondobel Gestão Ambiental aplicado ao Setor Madeireiro: um estudo de caso na empresa Rondobel José Reinado Ferreira Carvalho Escola Superior da Amazônia jcarvalho_fc@hotmail.com Renata Quemel Pires Escola Superior

Leia mais

A Importância da Informática na Contabilidade

A Importância da Informática na Contabilidade A Importância da Informática na Contabilidade Douglas Pedro Simas Herbert Esdras Alves Wesslyne K. Ribeiro Geraldes Cabral Unirondon Centro Universitário Cuiabá MT Brasil douglas_simas@hotmail.com h.cic@hotmail.com

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

DIAGNOSTICOS DE MATA CILIAR E RESERVA LEGAL EM PROPRIEDADES RURAIS NA SUB-BACIA DO TAIAÇUPEBA NO MUNICÍPIO DE SUZANO-SP.

DIAGNOSTICOS DE MATA CILIAR E RESERVA LEGAL EM PROPRIEDADES RURAIS NA SUB-BACIA DO TAIAÇUPEBA NO MUNICÍPIO DE SUZANO-SP. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE ENGENHARIA FLORESTAL PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 5 JANEIRO DE 2005 - ISSN 1678-3867 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA. Alessandro Albino Fontes

IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA. Alessandro Albino Fontes Universidade Federal de Viçosa Departamento de Engenharia Florestal IMPORTÂNCIA DO CARVÃO VEGETAL PARA A ECONOMIA BRASILEIRA Alessandro Albino Fontes 1. INTRODUÇÃO Definição O carvão vegetal é um subproduto

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICABILIDADE DE UMA BASE DE DADOS RELACIONAL PARA O INVENTÁRIO FLORESTAL CONTÍNUO DO RIO GRANDE DO SUL

DESENVOLVIMENTO E APLICABILIDADE DE UMA BASE DE DADOS RELACIONAL PARA O INVENTÁRIO FLORESTAL CONTÍNUO DO RIO GRANDE DO SUL DESENVOLVIMENTO E APLICABILIDADE DE UMA BASE DE DADOS RELACIONAL PARA O INVENTÁRIO FLORESTAL CONTÍNUO DO RIO GRANDE DO SUL RESUMO Enio Giotto Elódio Sebem Doádi Antônio Brena Universidade Federal de Santa

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS NO ÂMBITO DE

SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS NO ÂMBITO DE SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS NO ÂMBITO DE UMA FAZENDA FAMILIAR Rui Fonseca Veloso rui@cpac.embrapa.br Embrapa Cerrados BR-020, km 18 Cx. Postal 08223 CEP 73301-970 Planaltina - DF (61) 388-9935 Fernando

Leia mais

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará 1 Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará G. Pinheiro, CELPA e G. Rendeiro, UFPA Resumo - Este trabalho apresenta dados referentes ao potencial de geração de energia

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1

CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL. Sebastião Renato Valverde 1 CARACTERÍSTICAS DO MERCADO DA MADEIRA DE REFLORESTAMENTO NO BRASIL Sebastião Renato Valverde 1 A economia do setor florestal brasileiro até o ano de 1965 era pouco expressiva, tanto que as atividades de

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE CHAPECÓ, 08/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE CHAPECÓ, 08/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE CHAPECÓ, 08/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de valor:

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES

FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES 1 1. Conceito e caracterização CONTABILIDADE GERENCIAL A Contabilidade

Leia mais

BASE DE DADOS GEORREFERENCIADOS DAS CAVIDADES NATURAIS SUBTERRÂNEAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

BASE DE DADOS GEORREFERENCIADOS DAS CAVIDADES NATURAIS SUBTERRÂNEAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE BASE DE DADOS GEORREFERENCIADOS DAS CAVIDADES NATURAIS SUBTERRÂNEAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Jocy CRUZ *; Solon R. de ALMEIDA NETTO **; Carlos Rostand F. MEDEIROS ***; Uílson CAMPOS * * - cecav.rn@ibama.gov.br

Leia mais

Plano Anual de Aplicação Regionalizada

Plano Anual de Aplicação Regionalizada Plano Anual de Aplicação Regionalizada PAAR - 2015 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO FLORESTAL Introdução PLANO ANUAL DE APLICAÇÃO REGIONALIZADA

Leia mais

A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil

A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil 1. INTRODUÇÃO Ivan Tomaselli e Sofia Hirakuri (1) A crise financeira e econômica mundial de 28 e 29 foi principalmente um resultado da

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA A REALIZAÇÃO DE ESTUDOS SOBRE FINANCIAMENTOS PARA PROJETOS DE PLANTIO DE FLORESTA NATIVA EM RESERVAS LEGAIS 1. IDENTIFICAÇÃO DO TERMO DE REFERÊNCIA 1.1.

Leia mais

Sistemas de produção e sua representatividade na produção de leite do Brasil. Brazilian milk production systems and its representativeness

Sistemas de produção e sua representatividade na produção de leite do Brasil. Brazilian milk production systems and its representativeness Sistemas de produção e sua representatividade na produção de leite do Brasil Brazilian milk production systems and its representativeness Stock, L.A.; Carneiro, A.V. 1 ; Carvalho, G.R. 1 ; Zoccal, R. 1

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA O CONTROLE DO MANEJO DA IRRIGAÇÃO 1 M. G. Silva 2 ; F. D. D. Arraes 3 ; E. R. F. Ledo 4 ; D. H. Nogueira 5 RESUMO: O presente trabalho teve por objetivo

Leia mais

APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO FENÔMENO DA CAVITAÇÃO EM BOMBAS HIDRÁULICAS I.S. BISPO 1 ; A.P.B.A. MACÊDO 2

APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO FENÔMENO DA CAVITAÇÃO EM BOMBAS HIDRÁULICAS I.S. BISPO 1 ; A.P.B.A. MACÊDO 2 APLICATIVO COMPUTACIONAL PARA ANÁLISE DO FENÔMENO DA CAVITAÇÃO EM BOMBAS HIDRÁULICAS I.S. BISPO 1 ; A.P.B.A. MACÊDO 2 RESUMO: A ocorrência da cavitação em bombas hidráulicas traz consequências negativas

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Estudo de Viabilidade Ambiental (EVA) Atividades Florestais

Termo de Referência para Elaboração do Estudo de Viabilidade Ambiental (EVA) Atividades Florestais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Termo de Referência para Elaboração do Estudo de Viabilidade Ambiental (EVA) Atividades Florestais

Leia mais

Portaria n.º 172, de 24 de abril de 2014.

Portaria n.º 172, de 24 de abril de 2014. Portaria n.º 172, de 24 de abril de 2014. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições constitucionais previstas no Art. 71, inciso IV, da Constituição do Estado de Mato Grosso,

Leia mais

Técnicas para. elaboração de um plano de ação WEBINAR. Sthefan Berwanger Consultor da Wa Consulting

Técnicas para. elaboração de um plano de ação WEBINAR. Sthefan Berwanger Consultor da Wa Consulting WEBINAR Técnicas para Sthefan Berwanger Consultor da Wa Consulting elaboração de um plano de ação O que veremos hoje para chegarmos em um plano de ação? Objetivos de um projeto digital Técnicas de operação

Leia mais

Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético

Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético Desenvolvimento de Software para Avaliação Técnica-Econômica das Alternativas de Investimento propostas em Projetos de Diagnóstico Energético C. Penna, A. P. C. Paraguassu, C. M. Matos ENERSUL; I. S. Escobar

Leia mais

Mateus Marques Bueno E-mail: mateusjuruaia@hotmail.com Cel.: (35) 9931 0412 e (21) 9 7180 3267 CNH: AB. Experiência Profissional

Mateus Marques Bueno E-mail: mateusjuruaia@hotmail.com Cel.: (35) 9931 0412 e (21) 9 7180 3267 CNH: AB. Experiência Profissional Mateus Marques Bueno E-mail: mateusjuruaia@hotmail.com Cel.: (35) 9931 0412 e (21) 9 7180 3267 CNH: AB Experiência Profissional 1. Consultor autônomo em sustentabilidade e meio ambiente atividades recentes:

Leia mais

EMPREENDEDORISMO VOLTADO AO MERCADO IMOBILIARIO ANÁLISE E PRÁTICAS DA INTEGRAÇÃO DA ARQUITETURA E REAL ESTATE ABSTRACT

EMPREENDEDORISMO VOLTADO AO MERCADO IMOBILIARIO ANÁLISE E PRÁTICAS DA INTEGRAÇÃO DA ARQUITETURA E REAL ESTATE ABSTRACT EMPREENDEDORISMO VOLTADO AO MERCADO IMOBILIARIO ANÁLISE E PRÁTICAS DA INTEGRAÇÃO DA ARQUITETURA E REAL ESTATE ENTREPRENEURSHIP FACING THE REAL ESTATE MARKET ANALYSIS AND PRACTICE OF INTEGRATION OF ARCHITECTURE

Leia mais

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável.

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. INOVAR PARA CRESCER O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. Além disso, damos todo suporte

Leia mais

ECONÔMICAS E PROFISSIONAIS

ECONÔMICAS E PROFISSIONAIS MAPA DE PERSPECTIVAS ECONÔMICAS E PROFISSIONAIS 2016 Worldwide leaders in specialist recruitment ÍNDICE EDITORIAL METODOLOGIA DA INVESTIGAÇÃO PERFIL DOS ENTREVISTADOS O CENÁRIO MACROECONÔMICO INVESTIMENTO

Leia mais

Um método para o planejamento operacional da distribuição: aplicação para casos com abastecimento de granéis líquidos

Um método para o planejamento operacional da distribuição: aplicação para casos com abastecimento de granéis líquidos Leonardo Gondinho Botelho Um método para o planejamento operacional da distribuição: aplicação para casos com abastecimento de granéis líquidos Dissertação de Mestrado Departamento de Engenharia Industrial

Leia mais

ZONEAMENTO AGROCLIMÁTICO PARA A ARAUCÁRIA (Araucaria angustifolia) NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

ZONEAMENTO AGROCLIMÁTICO PARA A ARAUCÁRIA (Araucaria angustifolia) NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO ZONEAMENTO AGROCLIMÁTICO PARA A ARAUCÁRIA (Araucaria angustifolia) NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Klippel, V.H., Toledo, J.V., Costa, J., Pimenta, L.R., Pezzopane, J.E.M. Universidade Federal do Espírito

Leia mais

Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel

Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel www.celso-foelkel.com.br www.eucalyptus.com.br Porquê precisamos plantar florestas? O ser humano sempre amou as coisas de madeira e as florestas Afinal, a floresta

Leia mais

ANÁLISE ESPACIAL DE PROPRIEDADES RURAIS CADASTRADAS NO PERÍMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE MARABÁ E IMPLICAÇÕES NA GESTÃO AMBIENTAL PÚBLICA

ANÁLISE ESPACIAL DE PROPRIEDADES RURAIS CADASTRADAS NO PERÍMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE MARABÁ E IMPLICAÇÕES NA GESTÃO AMBIENTAL PÚBLICA ANÁLISE ESPACIAL DE PROPRIEDADES RURAIS CADASTRADAS NO PERÍMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE MARABÁ E IMPLICAÇÕES NA GESTÃO AMBIENTAL PÚBLICA Raphael de Souza Vale 1, Cintia Pedrina Palheta Balieiro 2 1 Graduando

Leia mais

VI-080 SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL DE PROJETOS DE SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA: AVALIAÇÃO DE MÉTODO DE ANÁLISE PROPOSTO

VI-080 SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL DE PROJETOS DE SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA: AVALIAÇÃO DE MÉTODO DE ANÁLISE PROPOSTO VI080 SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL DE PROJETOS DE SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA: AVALIAÇÃO DE MÉTODO DE ANÁLISE PROPOSTO Glauco Antônio Bologna Garcia de Figueiredo (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal

Leia mais

A5-580 Produção de base ecológica e agroecologia na percepção de estudantes de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

A5-580 Produção de base ecológica e agroecologia na percepção de estudantes de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) A5-580 Produção de base ecológica e agroecologia na percepção de estudantes de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) Battisti, Luciano de Oliveira 1 ; Rauber, Marcelo 2 ; Dörr,

Leia mais

ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO FLORESTAL NA AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS. Paulo Rogério Soares de OLIVEIRA Universidade Federal de Viçosa

ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO FLORESTAL NA AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS. Paulo Rogério Soares de OLIVEIRA Universidade Federal de Viçosa REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE ENGENHARIA FLORESTAL - ISSN 1678-3867 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE A GRONOMIA E E NGENHARIA F LORESTAL DE G ARÇA/FAEF A NO IV, NÚMERO, 07, FEVEREIRO DE 2006.

Leia mais

ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADORA Angélica de Cássia Oliveira Carneiro cassiacarneiro@ufv.br

ENGENHARIA FLORESTAL. COORDENADORA Angélica de Cássia Oliveira Carneiro cassiacarneiro@ufv.br ENGENHARIA FLORESTAL COORDENADORA Angélica de Cássia Oliveira Carneiro cassiacarneiro@ufv.br 78 Currículos dos Cursos do CCA UFV Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O Engenheiro estará

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE BLUMENAU, 03/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE BLUMENAU, 03/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE BLUMENAU, 03/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de valor: incentivar a diversificação de mercados e a agregação de valor à pauta exportadora

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Manejo Florestal Sustentável

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Manejo Florestal Sustentável Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Termo de Referência para Elaboração do Plano Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa Nova Natal RN

Leia mais

O selo verde garante que o produto respeita rios e nascentes

O selo verde garante que o produto respeita rios e nascentes O selo verde garante que o produto respeita rios e nascentes Secretária executiva do FSC, ONG que gerencia a principal certificação de florestas, diz que o desafio agora é ampliar atuação na Mata Atlântica

Leia mais

XVI CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 22 a 26 de outubro de 2007 USO DA ANÁLISE ESPACIAL NO PLANEJAMENTO DE ESTRADAS FLORESTAIS

XVI CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 22 a 26 de outubro de 2007 USO DA ANÁLISE ESPACIAL NO PLANEJAMENTO DE ESTRADAS FLORESTAIS USO DA ANÁLISE ESPACIAL NO PLANEJAMENTO DE ESTRADAS FLORESTAIS MARIANA PERES DE LIMA 1 ; ADRIANO RIBEIRO DE MENDONÇA 1 ; LUIS MARCELO TAVARES DE CARVALHO 2. RESUMO: O planejamento de estradas em empresas

Leia mais

Manejo Florestal Sustentável: Dificuldade Computacional e Otimização de Processos

Manejo Florestal Sustentável: Dificuldade Computacional e Otimização de Processos Manejo Florestal Sustentável: Dificuldade Computacional e Otimização de Processos Daniella Rodrigues Bezerra 1, Rosiane de Freitas Rodrigues 12, Ulisses Silva da Cunha 3, Raimundo da Silva Barreto 12 Universidade

Leia mais

Uma Perspectiva sobre o Sistema de Controle de Eventos utilizado pela Faculdade Metodista Granbery

Uma Perspectiva sobre o Sistema de Controle de Eventos utilizado pela Faculdade Metodista Granbery Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Sistemas de Informação - N. 4, JAN/JUN 2008 Uma Perspectiva sobre o Sistema de Controle de Eventos

Leia mais

Cyro José Matavelli 1. Rua Jerônimo Coelho, 185, Sala 901, Centro - 88010-030 - Florianópolis - SC, Brasil cyro.matavelli@fns.incra.gov.

Cyro José Matavelli 1. Rua Jerônimo Coelho, 185, Sala 901, Centro - 88010-030 - Florianópolis - SC, Brasil cyro.matavelli@fns.incra.gov. Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.1660 Planejamento e execução do inventário florestal em reflorestamentos homogêneos

Leia mais

APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL NA INDÚSTRIA MOVELEIRA NAS REGIÕES FRONTEIRA NOROESTE E CELEIRO RS, NO ÂMBITO DO PROJETO EXTENSÃO PRODUTIVA E INOVAÇÃO.

APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL NA INDÚSTRIA MOVELEIRA NAS REGIÕES FRONTEIRA NOROESTE E CELEIRO RS, NO ÂMBITO DO PROJETO EXTENSÃO PRODUTIVA E INOVAÇÃO. APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL NA INDÚSTRIA MOVELEIRA NAS REGIÕES FRONTEIRA NOROESTE E CELEIRO RS, NO ÂMBITO DO PROJETO EXTENSÃO PRODUTIVA E INOVAÇÃO. 1 Maria Aparecida Da Silva Buss 2, Pedro Luís Büttenbender

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Reserva Legal: área localizada no interior de uma propriedade ou posse rural, delimitada nos termos do art. 12, com a função de assegurar o uso econômico de modo sustentável dos

Leia mais

Estudo da Ferramenta Cacti, para análise de desempenho de rede

Estudo da Ferramenta Cacti, para análise de desempenho de rede Estudo da Ferramenta Cacti, para análise de desempenho de rede Eduardo Perez Pereira 1, Rodrigo Costa de Moura 1 1 Centro Politécnico Universidade Católica de Pelotas (UCPel) Félix da Cunha, 412 - Pelotas

Leia mais

SEMINÁRIO SÔBRE SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM (1)

SEMINÁRIO SÔBRE SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM (1) SEMINÁRIO SÔBRE SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM (1) Odete Barros de ANDRADE (2) Nilce PIVA (2) ANDRADE, O. B. de & PIVA, N. Seminário sôbre supervisão em enfermagem. Rev. Saúde públ., S. Paulo, 3(2): 233-241,

Leia mais

*EMPRESA ENERGÉTICA DO MATO GROSSO DO SUL S/A CAMPO GRANDE, MS AV.GURY MARQUES N* 8000 CEP70072-900

*EMPRESA ENERGÉTICA DO MATO GROSSO DO SUL S/A CAMPO GRANDE, MS AV.GURY MARQUES N* 8000 CEP70072-900 SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GMI - 29 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XII GRUPO DE ESTUDOS DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 REVISTA TELECOMUNICAÇÕES, VOL. 15, Nº01, JUNHO DE 2013 1 Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 Valdeci Otacilio dos Santos

Leia mais

Utilização da Técnica de Análise de Tendências Impactadas para Projeção do Cultivo de Eucalipto no Brasil. Samir Lotfi Silvia Pela

Utilização da Técnica de Análise de Tendências Impactadas para Projeção do Cultivo de Eucalipto no Brasil. Samir Lotfi Silvia Pela Utilização da Técnica de Análise de Tendências Impactadas para Projeção do Cultivo de Eucalipto no Brasil Samir Lotfi Silvia Pela Objetivos Como eventos presentes e/ou futuros irão influenciar a taxa de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.854 DE 29 DE ABRIL DE 2009

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.854 DE 29 DE ABRIL DE 2009 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.854 DE 29 DE ABRIL DE 2009 Aprova o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia

Leia mais

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO VILAS BOAS, M. A. A. 1 ; GOMES, E. Y. 2 1- Graduando em Sistemas de Informação na FAP - Faculdade de Apucarana 2- Docente do Curso

Leia mais

SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL

SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL SIMHIBRIDO - PROGRAMA COMPUTACIONAL DE SIMULAÇÃO DE SISTEMAS HÍBRIDOS PARA ENERGIZAÇÃO RURAL ODIVALDO J. SERAPHIM 1 JAIR A. C. SIQUEIRA 2 FERNANDO DE L. CANEPPELE 3 ARISTÓTELES T. GIACOMINI 4 RESUMO O

Leia mais

Mapeamento e Inventário da Flora e dos Reflorestamentos de Minas Gerais. Capítulo III

Mapeamento e Inventário da Flora e dos Reflorestamentos de Minas Gerais. Capítulo III Mapeamento e Inventário da Flora e dos Reflorestamentos de Minas Gerais. Capítulo III Projeto monitoramento 2005 Resumo do livro Mapeamento e Inventário da Flora e dos Reflorestamentos de Minas Gerais.

Leia mais

O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES

O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES Rodolfo Miranda Pereira 1 Tania Fatima Calvi Tait 2 Donizete Carlos

Leia mais

DEMANDA POR SERVIÇOS TECNOLÓGICOS E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL NA REGIÃO SUL-FLUMINENSE

DEMANDA POR SERVIÇOS TECNOLÓGICOS E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL NA REGIÃO SUL-FLUMINENSE DEMANDA POR SERVIÇOS TECNOLÓGICOS E CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL NA REGIÃO SUL-FLUMINENSE José Glenio Medeiros de Barros U.E.R.J. - Campus Regional de Resende / Departamento de Ciências Básicas e Aplicadas

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

TÉCNICAS DE MANEJO SUSTENTÁVEL PRATICADAS POR EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA E REGIÃO

TÉCNICAS DE MANEJO SUSTENTÁVEL PRATICADAS POR EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA E REGIÃO TÉCNICAS DE MANEJO SUSTENTÁVEL PRATICADAS POR EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA E REGIÃO RESUMO: O presente trabalho procura abordar como se dá a utilização de políticas instituídas e disponibilidade

Leia mais

MODELAGEM NO ENSINO DE MATEMÁTICA: UM ESTUDO SOBRE O PLANTIO DE EUCALIPTOS NO BRASIL

MODELAGEM NO ENSINO DE MATEMÁTICA: UM ESTUDO SOBRE O PLANTIO DE EUCALIPTOS NO BRASIL MODELAGEM NO ENSINO DE MATEMÁTICA: UM ESTUDO SOBRE O PLANTIO DE EUCALIPTOS NO BRASIL Kátia Luciane Souza da Rocha UNIFRA 1 Eleni Bisognin - UNIFRA 2 Resumo: Neste trabalho é relatado o resultado de uma

Leia mais

Brasília, 28 de novembro de 2011. O que é o PPCerrado:

Brasília, 28 de novembro de 2011. O que é o PPCerrado: PPCerrado Brasília, 28 de novembro de 2011. 1 O que é o PPCerrado: É um Plano de Ação (tático-operacional) que reúne ações para a redução do desmatamento no Cerrado e a viabilização de alternativas de

Leia mais

Anexo 2 8 Padrão de Sistema de Envio do Banco de Dados Brutos via SGP e Consulta ao Geoexplo - R00

Anexo 2 8 Padrão de Sistema de Envio do Banco de Dados Brutos via SGP e Consulta ao Geoexplo - R00 6 RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES CAPÍTULO 2 ANDAMENTO DO PROJETO BÁSICO AMBIENTAL Anexo 2 8 Padrão de Sistema de Envio do Banco de Dados Brutos via SGP e Consulta

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

Recrutamento e seleção de pessoal: análise comparativa entre a iniciativa privada e a pública

Recrutamento e seleção de pessoal: análise comparativa entre a iniciativa privada e a pública Recrutamento e seleção de pessoal: análise comparativa entre a iniciativa privada e a pública ADRIANO SÉRGIO DA CUNHA * & FERNANDO ROSSONI CAVALCANTI ** Resumo Este artigo objetiva comparar características

Leia mais

Estimativa Dos Acidentes De Trabalho No Setor De Base Florestal No Estado Do Mato Grosso

Estimativa Dos Acidentes De Trabalho No Setor De Base Florestal No Estado Do Mato Grosso Estimativa Dos Acidentes De Trabalho No Setor De Base Florestal No Estado Do Mato Grosso Josiane de Fátima Alfonso Godoy¹; Mariana Peres de Lima²; Karla Rodrigues de Melo³ (1) Engenheira Florestal, josianealfonso@gmail.com

Leia mais

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA DOS USOS DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS ORBITAIS COM DIFERENTES RESOLUÇÕES ESPACIAIS. JUSSARA D'AMBROSIO

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA FLORESTAL EMENTAS DE DISCIPLINAS

CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA FLORESTAL EMENTAS DE DISCIPLINAS A MADEIRA NA CONSTRUÇÃO Ementa: Introdução ao material madeira. Potencialidades da madeira e o seu emprego na construção civil. Valor ecológico-ambiental das madeiras no ciclo do carbono. Aplicação como

Leia mais

Uma parceria para o seu Sucesso

Uma parceria para o seu Sucesso Uma parceria para o seu Sucesso Solução Cadia Análise de Vendas A Cadia Consulting, com mais de 14 anos de experiência na implementação e desenvolvimento de soluções verticais, sobre a plataforma Microsoft

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO DE UMA INDÚSTRIA MADEIREIRA: ESTUDO DE CASO DE UMA SERRARIA NO SUL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO.

AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO DE UMA INDÚSTRIA MADEIREIRA: ESTUDO DE CASO DE UMA SERRARIA NO SUL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. AVALIAÇÃO DA SEGURANÇA NO TRABALHO DE UMA INDÚSTRIA MADEIREIRA: ESTUDO DE CASO DE UMA SERRARIA NO SUL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. Ana Carolina Boa, Elizabeth Neire da Silva, Pedro Lício Loiola, Nilton

Leia mais

MARCELO DE LIMA BRAZ REDUÇÃO DA QUANTIDADE DE REPROCESSO NO SETOR DE PRODUÇÃO DE CALDOS ALIMENTÍCIOS NA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO (ERA).

MARCELO DE LIMA BRAZ REDUÇÃO DA QUANTIDADE DE REPROCESSO NO SETOR DE PRODUÇÃO DE CALDOS ALIMENTÍCIOS NA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO (ERA). MARCELO DE LIMA BRAZ REDUÇÃO DA QUANTIDADE DE REPROCESSO NO SETOR DE PRODUÇÃO DE CALDOS ALIMENTÍCIOS NA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO (ERA). Poços de Caldas / MG 2014 MARCELO DE LIMA BRAZ REDUÇÃO DA QUANTIDADE

Leia mais

A VISÃO DO GERENCIAMENTO DE CUSTOS EM EMPRESAS DE SAÚDE

A VISÃO DO GERENCIAMENTO DE CUSTOS EM EMPRESAS DE SAÚDE ROSADAS, L.A. da S.; MACEDO, M.A. da S. 1 A VISÃO DO GERENCIAMENTO DE CUSTOS EM EMPRESAS DE SAÚDE LEANDRO AZEVEDO DA SILVA ROSADAS¹ MARCELO ALVARO DA SILVA MACEDO² 1. Aluno do 7ª período do curso de Ciências

Leia mais

A PRÁTICA DA INTERDICIPLINARIEDADE NO ENSINO DE PROJETOS DE MOLDES E MATRIZES NO CURSO DE TECNOLOGIA EM MECÂNICA DO IST

A PRÁTICA DA INTERDICIPLINARIEDADE NO ENSINO DE PROJETOS DE MOLDES E MATRIZES NO CURSO DE TECNOLOGIA EM MECÂNICA DO IST A PRÁTICA DA INTERDICIPLINARIEDADE NO ENSINO DE PROJETOS DE MOLDES E MATRIZES NO CURSO DE TECNOLOGIA EM MECÂNICA DO IST Carlos Maurício Sacchelli sacchelli@sociesc.com.br Leonidas Mamani Gilapa leonidas@sociesc.com.br

Leia mais

RAÇÃO ESSENCIAL HUMANA: MODELANDO SITUAÇÕES COTIDIANAS

RAÇÃO ESSENCIAL HUMANA: MODELANDO SITUAÇÕES COTIDIANAS RAÇÃO ESSENCIAL HUMANA: MODELANDO SITUAÇÕES COTIDIANAS Vlademir Marim Universidade Federal de Uberlândia marim@pontal.ufu.br Leonardo Silva Costa Universidade Federal de Uberlândia leonardo@mat.pontal.ufu.br

Leia mais

MODELO BRASILEIRO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL

MODELO BRASILEIRO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL MODELO BRASILEIRO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Ministério da Previdência Social - MPS Secretaria Executiva - SE Assessoria de Gerenciamento de Riscos - AGR MODELO BRASILEIRO

Leia mais

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL Eduardo S. Quartim. João C. S. Nagamura. Roberto Bretzel Martins. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

Leia mais

Revista Inteligência Competitiva Daniela Ramos Teixeira

Revista Inteligência Competitiva Daniela Ramos Teixeira 15 INTELIGÊNCIA DE MERCADO: TRANSFORMANDO AS OLIMPÍADAS EM NEGÓCIOS 1 RESUMO Um dos grandes desafios das organizações hoje é a aplicabilidade assertiva das técnicas de análise e métodos utilizados em Inteligência

Leia mais

Ferramenta Computacional para Dimensionamento de Malhas de Aterramento

Ferramenta Computacional para Dimensionamento de Malhas de Aterramento Ferramenta Computacional para Dimensionamento de Malhas de Aterramento Leandro do Nascimento Silva leandro.nasciment o@vmetais.com.b r Patrick Pena Gomes patrick.gomes@csn.c om.br Hélio de Paiva Amorim

Leia mais

PAINEL DA ENGENHARIA ELÉTRICA FERRAMENTA PARA A DIVULGAÇÃO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

PAINEL DA ENGENHARIA ELÉTRICA FERRAMENTA PARA A DIVULGAÇÃO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) PAINEL DA ENGENHARIA ELÉTRICA FERRAMENTA PARA A DIVULGAÇÃO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Fernando Felice 1 ; Solivan Arantes Valente 2 1 Universidade Positivo, Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

3 Simpósio Internacional de Agricultura de Precisão

3 Simpósio Internacional de Agricultura de Precisão MAS DE LUCRATIVIDADE DA SOJA EM SISTEMA DE CULTIVO AGRICULTURA DE PRECISÃO E CULTIVO CONVENCIONAL Juliano Brusco 1, Eduardo Godoy de Souza 2, Francelino Augusto Rodrigues Junior 3, Jerry Adriani Johann

Leia mais

Atlas dos Municípios da Mata Atlântica

Atlas dos Municípios da Mata Atlântica Atlas dos Municípios da Mata Atlântica 2015 Realização: Patrocínio: Execução Técnica: MATA ATLÂNTICA De acordo com o Mapa da Área de Aplicação da Lei nº 11.428, de 2006, segundo Decreto nº 6.660, de 21

Leia mais

O Setor de P&C e suas Características. www.celso-foelkel.com.br

O Setor de P&C e suas Características. www.celso-foelkel.com.br O Setor de P&C e suas Características www.celso-foelkel.com.br O negócio de papel, celulose e produtos florestais a nível mundial Business enorme a nível mundial, com cerca de 330 milhões de toneladas

Leia mais

Marketing Digital e Redes Sociais: Um Estudo de Caso na Formação Continuada de Empreendedores Econômicos Solidários no Estado Piauí (Brazil)

Marketing Digital e Redes Sociais: Um Estudo de Caso na Formação Continuada de Empreendedores Econômicos Solidários no Estado Piauí (Brazil) Marketing Digital e Redes Sociais: Um Estudo de Caso na Formação Continuada de Empreendedores Econômicos Solidários no Estado Piauí (Brazil) Markenio Brandão 1, José de L. Albuquerque 2, Márcio Aurélio

Leia mais

Engenheiro Agrônomo: Atribuições profissionais e matriz curricular. J.O. Menten T.C. Banzato UFPB Areia/PB 27 a 30 de Outubro de 2014

Engenheiro Agrônomo: Atribuições profissionais e matriz curricular. J.O. Menten T.C. Banzato UFPB Areia/PB 27 a 30 de Outubro de 2014 Engenheiro Agrônomo: Atribuições profissionais e matriz curricular J.O. Menten T.C. Banzato UFPB Areia/PB 27 a 30 de Outubro de 2014 1. INTRODUÇÃO AGENDA 2. ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS 3. MATRIZ CURRICULAR

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE SERVIÇOS E COMÉRCIO-COSEC

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE SERVIÇOS E COMÉRCIO-COSEC INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE SERVIÇOS E COMÉRCIO-COSEC STATISTICS OF INTERNATIONAL TRADE IN SERVICE: CHALLENGES AND GOOD PRACTICES REGIONAL

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL - ULBRA CAMPUS GUAÍBA FERNANDO FELETTI DO AMARAL O BRASIL E O AGRONEGOCIOS. Orientador: Tiago Costa GUAÍBA

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL - ULBRA CAMPUS GUAÍBA FERNANDO FELETTI DO AMARAL O BRASIL E O AGRONEGOCIOS. Orientador: Tiago Costa GUAÍBA UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL - ULBRA CAMPUS GUAÍBA FERNANDO FELETTI DO AMARAL O BRASIL E O AGRONEGOCIOS Orientador: Tiago Costa GUAÍBA 2006 RESUMO Apresenta-se artigo apurando o panorama do agronegócios

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DA SUB-BACIA DOS RIO JURUENA-ARINOS, MT COM APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA (IQA NSF ) PARA OS ANOS DE 2012 E 2013

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE ANÁLISE ESTRATÉGICA COM ENFOQUE EM MARKETING PARA EMPRESAS DE SERVIÇOS

PROPOSTA DE UM MODELO DE ANÁLISE ESTRATÉGICA COM ENFOQUE EM MARKETING PARA EMPRESAS DE SERVIÇOS PROPOSTA DE UM MODELO DE ANÁLISE ESTRATÉGICA COM ENFOQUE EM MARKETING PARA EMPRESAS DE SERVIÇOS Rogério Chimionato Escola de Engenharia de São Carlos - USP - Área de Engenharia de Produção - Av. Dr. Carlos

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO RURAL ATRAVÉS DA INTERNET: UM NOVO PARADIGMA DE RECICLAGEM PROFISSIONAL

CAPACITAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO RURAL ATRAVÉS DA INTERNET: UM NOVO PARADIGMA DE RECICLAGEM PROFISSIONAL CAPACITAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO RURAL ATRAVÉS DA INTERNET: UM NOVO PARADIGMA DE RECICLAGEM PROFISSIONAL Autores Ricardo Sazima Email: ricardos@poboxes.com Vínculo: Consultor Endereço: Embrapa Informática

Leia mais

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO Termo de Referência CONSULTORIA PARA AVALIAÇÃO DOS FINANCIAMENTOS DO BANCO DA AMAZÔNIA BASA, PARA FORTALECIMENTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AMAZÔNIA BRASILEIRA, COM DESTAQUE PARA

Leia mais

As Novas Tecnologias como componente da. Formação, de 1º ciclo, em Serviço Social

As Novas Tecnologias como componente da. Formação, de 1º ciclo, em Serviço Social Instituto Superior Miguel Torga Escola Superior de Altos Estudos Cláudia Sofia da Costa Duarte As Novas Tecnologias como componente da Formação, de 1º ciclo, em Serviço Social Dissertação de Mestrado em

Leia mais

VI-117 SITUAÇÃO AMBIENTAL DO SETOR DE GALVANOPLASTIA NO ESTADO DE PERNAMBUCO

VI-117 SITUAÇÃO AMBIENTAL DO SETOR DE GALVANOPLASTIA NO ESTADO DE PERNAMBUCO VI-117 SITUAÇÃO AMBIENTAL DO SETOR DE GALVANOPLASTIA NO ESTADO DE PERNAMBUCO Gilson Lima da Silva (1) Engenheiro Químico pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mestre em Ciência do Solo pela Universidade

Leia mais

10 Análise dos recursos internos

10 Análise dos recursos internos 177 10 Análise dos recursos internos Essa seção do trabalho tem como objetivo fazer a análise dos recursos internos das duas empresas pesquisadas, Globo e Vivo. Como referencial teórico será utilizado

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE DADOS DE OFERTA E DEMANDA DE HABITAÇÃO NO MERCADO IMOBILIÁRIO DE FLORIANÓPOLIS-SC

COMPARATIVO ENTRE DADOS DE OFERTA E DEMANDA DE HABITAÇÃO NO MERCADO IMOBILIÁRIO DE FLORIANÓPOLIS-SC COMPARATIVO ENTRE DADOS DE OFERTA E DEMANDA DE HABITAÇÃO NO MERCADO IMOBILIÁRIO DE FLORIANÓPOLIS-SC Luiz Fernando Mählmann Heineck, PhD Universidade Federal de Santa Catarina - Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Aplicação da Cadeia de Markov na prognose do crescimento diamétrico de um remanescente de Mata Atlântica em MG.

Aplicação da Cadeia de Markov na prognose do crescimento diamétrico de um remanescente de Mata Atlântica em MG. Aplicação da Cadeia de Markov na prognose do crescimento diamétrico de um remanescente de Mata Atlântica em MG. Marcela de Castro Nunes Santos 1 André Luiz Raimundo Faria 2 Daniela Cunha da Sé 3 José Marcio

Leia mais