O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES"

Transcrição

1 O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES Rodolfo Miranda Pereira 1 Tania Fatima Calvi Tait 2 Donizete Carlos Bruzarosco 3 Resumo. As Micro e Pequenas empresas representam uma porção de aproximadamente 99% das empresas brasileiras. O capital dessas empresas é bem limitado e, por tanto, não podem gastar muito no desenvolvimento de softwares. Tendo isso em vista, elas enfrentam muitos problemas para automatizarem seu sistema, pois atualmente um software requer uma quantia considerável de capital para ser desenvolvido. O presente artigo mostra as características das MPEs bem como os problemas enfrentados no desenvolvimento de software. Palavras-chaves: Desenvolvimento de Software. Micro e pequenas empresas. Tecnologia da informação. 1 Maringá Av. Colombo, 5790, , Maringá, Paraná. E- mail: 1 2 Maringá Av. Colombo, 5790, , Maringá, Paraná, E- mail: 3 Maringá Av. Colombo, 5790, , Maringá, Paraná, E- mail: * Este artigo faz parte do Projeto de Iniciação Científica Uma análise de métricas orientadas a objeto para o desenvolvimento de software para micro e pequenas empresas desenvolvido de 2009 a 2010 na Universidade Estadual de Maringá Abstract. The Micro and Small companies represent a portion of approximately 99% of the brazilian companies. The capital of these companies is quite limited and, therefore, they can t spend much on softwares development. With this in mind, they face many problems to automate your system, because actually software requires a considerable amount of capital to be developed. This article shows the MPEs characteristics as the software development problems. Keywords: Software development. Micro and small enterprises. Information technology.

2 O uso e desenvolvimento de softwares em micro e pequenas empresas 1 O QUE SÃO MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Existem algumas exigências para que uma empresa seja considerada uma Micro ou Pequena empresa (MPE) no Brasil. Atualmente, há pelo menos três definições utilizadas para o que vem a ser uma micro ou pequena empresa. A definição mais utilizada, a de INDRIUNAS (2009), é a que está na Lei Geral para Micro e Pequenas Empresas. De acordo com essa lei, as micro empresas são as que possuem um faturamento anual de, no máximo, R$ As pequenas empresas devem faturar entre R$ ,01 e R$ 2,4 milhões anualmente. Segundo NETO (2005) micro empresa são as que empregam até nove pessoas no caso do comércio e serviços, ou até dezenove, no caso dos setores industriais ou de construção. As pequenas são definidas como as que empregam de dez a quarenta e nove pessoas, no caso de comércio e serviços, e vinte a noventa e nove pessoas, no caso de indústria e empresas de construção. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, BNDES (2009), têm outro parâmetro para a concessão de créditos. Para o BNDES, uma microempresa deve ter receita bruta anual de até R$ 2,4 milhões, e uma pequena empresa entre R$ 2,4 milhões e R$ 16 milhões. Além das definições de MPEs, é importante ressaltar que um micro ou pequeno empresário é cada vez mais importante na estrutura produtiva atual, configurado como empreendedor do negócio. O presente artigo busca apresentar a situação das MPEs tanto no uso como no desenvolvimento de software. Para tanto, o artigo está dividido nas seguintes seções: Na seção 2, é apresentado o contexto das MPEs no Brasil; a seção 3 traz as características das MPEs, enquanto a seção 4 aborda a TI nas MPEs. A seção 5 apresenta a realidade de uma MPE de software. Por fim, na seção 6, são apresentadas as considerações finais. 2 O CONTEXTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO BRASIL As micro e pequenas empresas são um dos principais pilares de sustentação da economia brasileira, seja pela sua enorme capacidade geradora de empregos, seja pelo grande número de estabelecimentos desconcentrados geograficamente pelo país. Em termos numéricos, segundo KOTESKI (2005), esse grupo de empresas representa 25% do Produto Interno Bruto (PIB), gera aproximadamente 14 milhões de empregos, ou seja, 60% do emprego formal no país e representa 99% dos 6 milhões de estabelecimentos formais existentes, respondendo ainda por 99,8% das empresas que são criadas a cada ano. 3 CARACTERÍSTICAS DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS BRASILEIRAS O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE (2003), desenvolveu um amplo estudo sobre as principais características de gestão das MPE brasileiras, dentre as quais estão: Baixo volume de capital empregado; Altas taxas de natalidade e mortalidade; Presença significativa de proprietários, sócios e funcionários com laços familiares; Grande centralização do poder decisório; Não distinção da pessoa física do proprietário com a pessoa jurídica, inclusive em balanços contábeis; Registros contábeis pouco adequados; Contratação direta de mão-de-obra; Baixo nível de terceirização; Baixo emprego de tecnologias sofisticadas; Baixo investimento em inovação tecnológica; Dificuldade de acesso a financiamento de capital de giro; Dificuldade de definição dos custos fixos; Alto índice de sonegação fiscal e utilização intensa de mão-de-obra não qualificada ou sem qualificação. 4 A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Segundo TAIT (1995) o termo tecnologia implica em uma aplicação prática do conhecimento científico ou de engenharia. Ela relata também que na definição de tecnologia estão sendo relacionados os produtos e serviços, a força técnica contra os competidores e a avaliação dos mesmos. Segunda ela, por tecnologia da informação (TI) entende-se também o uso de equipamentos, entre eles, computadores, como ferramentas auxiliares na busca dos objetivos da organização. Segundo OLIVEIRA (2008), aproximadamente 39% das MPEs brasileiras investem em tecnologia da informação. Ele cita também que existem ainda alguns mitos sobre o uso de TI em MPEs. Muitos empresários pensam que são pequenos demais para investir em TI, mas não há tamanho mínimo para que uma empresa possa se beneficiar da tecnologia. Outro erro é pensar que tecnologia é cara e inacessível para as pequenas

3 Pereira, Tait, Bruzarosco organizações. Hoje os custos dela vem sendo reduzidos significativamente. As principais condições para a obtenção de sucesso no uso de Tecnologia da Informação nas MPEs são a utilização de sistemas de informação e hardwares adequados as suas necessidades. Mas para que o impacto do uso da Tecnologia da Informação nas MPEs seja positivo, torna-se preciso que a aquisição desses recursos seja planejada. Os proprietários das empresas e os usuários desses recursos devem conhecer as mudanças de processos necessárias para o seu emprego, assim como as suas potencialidades e limitações, bem como das pessoas envolvidas, usando de maneira estratégica as informações geradas e disponibilizadas pelas ferramentas de TI. Segundo BERALDI (2000), a TI nas MPEs pode enxugar a empresa através da: Modernização do processo de arquivamento de papeis, fichas, pastas, folhetos, dentre outros documentos; Eliminação das atividades burocráticas, as quais podem ser realizadas facilmente no computador; Aumento da agilidade, segurança, integridade e a precisão das informações; Redução dos custos em todos os setores envolvidos; Aperfeiçoamento da administração geral da empresa, do marketing, do planejamento e controle da produção, das demonstrações financeiras, das previsões orçamentárias, das análises de investimentos e de custos. Segundo DA SILVA (2004), as MPEs no país são extremamente heterogêneas quando comparadas em alguns fatores tais como a produtividade, faturamento, lucratividade, ramo de atividade, tipo de gerenciamento, qualificação da mão-de-obra, e uso de novas tecnologias, onde é possível encontrar empresas com alto grau de desenvolvimento tecnológico. Contudo, a grande maioria das MPEs atua em setores tradicionais, absorvendo grande quantidade de mão-de-obra e utilizando pouca, ou nenhuma inovação tecnológica. Apesar das diferenças entre as MPEs, muitos dos problemas enfrentados pelas mesmas são bastante parecidos em todo o país como, por exemplo, falta de capital de giro. Na Figura 1 é apresentada a pesquisa feita pela FIESP/FIPE (2002) que indica o impacto do uso da tecnologia da informação em Micro e Pequenas Empresas. Figura 1. 1 Gráfico dos impactos da TI nas MPEs. Como pode ser visto na Figura 1, o uso de Tecnologia da Informação em MPEs melhora a empresa em quase todos os aspectos. Pode-se observar que o setor mais beneficiado, com 3,8 pontos, é o de atendimento ao cliente, o que é realmente relevante, pois uma empresa deve ter pelo menos um bom atendimento ao cliente para se diferenciar no mercado. Logo em seguida com 3,7 pontos tem-se a melhoria na qualidade da tomada de decisões. A tomada da decisão eficaz é extremamente importante para que uma empresa possa evoluir e seguir em frente no mercado. No outro extremo, com

4 O uso e desenvolvimento de softwares em micro e pequenas empresas apenas 2,6 pontos, temos a redução de estoques. Mesmo que esse item não seja beneficiado, significativamente não há indícios de que o uso de TI nas MPEs pode prejudicar algum aspecto da empresa. 5 MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SOFTWARE Uma MPE de software enfrenta as mesmas dificuldades das demais, no entanto, ao estar situada em um ramo de atividade no qual as inovações tecnológicas são rápidas e caras, as MPEs de software enfrentam desafios cada vez maiores para se manterem competitivas. As MPEs tomam algumas iniciativas em conjunto, entre elas, cita-se a organização dos APLs (Arranjos Produtivos Locais) de Software os quais contribuem para a melhoria da qualidade dos softwares produzidos, ao compartilhar técnicas e recursos. Para se ter uma pequena noção da situação das MPEs com relação ao uso de software, CHAGAS (2005) analisou uma pequena empresa de desenvolvimento de software da região de Maringá- PR, na qual detectou as seguintes situações: A empresa estudada não adota nenhum modelo de ciclo de vida; A análise de requisitos ocorre esporadicamente e é considerada precária; Não são feitos projeto arquitetural nem projeto detalhado do software; Poucas partes dos projetos possuem algum tipo de documentação; Não é utilizado nenhum software para o gerenciamento de projetos; É feito acompanhamento das atividades com base em cronogramas, mas existe uma grande dificuldade para que os cronogramas sejam cumpridos. Por outro lado, também foram detectados alguns pontos positivos, tais como: As ferramentas de desenvolvimento e de banco de dados são padronizadas. Devido às características negativas citadas, podem passar a existir problemas que de alguma forma diminuem a produtividade do processo de desenvolvimento, aumentam o custo do projeto e comprometem a qualidade do produto, como por exemplo: Erros de projeto que só são descobertos na fase de implementação; Na ausência de um programador, o projeto tem um significativo atraso devido à falha de documentação; Os cronogramas muitas vezes não são cumpridos gerando insatisfação de todas as partes envolvidas (clientes, gerentes e programadores); Perde-se muito tempo com a manutenção corretiva ou para adaptações exigidas; Insatisfação do cliente. Um dos entrevistados na pesquisa de CHAGAS (2005) avaliou cada etapa dentro do ciclo de vida do software e descreveu como: Análise de Requisitos: É realizada de maneira inadequada. Por ser informal ou em mecanismos não padronizados, algumas vezes podem faltar informações importantes para o processo de desenvolvimento. Projeto: Existe uma definição da equipe que trabalhará no projeto. É feito um cronograma que servirá como base para todo o processo. Mas nenhum projeto detalhado é feito e poucas coisas são formalizadas. Desenvolvimento: As ferramentas de desenvolvimento são padronizadas. Nem sempre a ferramenta é a versão mais atualizada, mas todos utilizam as ferramentas que a empresa adota como padrão para o desenvolvimento. Testes: O teste é feito pela equipe de suporte da empresa no final do projeto. O registro dos testes é falho, pois os dados dos testes são armazenados em planilhas que podem ser perdidas facilmente. Manutenção: A manutenção é feita pela equipe de desenvolvimento em conjunto com a equipe de suporte. A equipe de suporte recebe as solicitações dos clientes e registra em um sistema de controle de atendimentos. Posteriormente estas solicitações serão analisadas pelo programador responsável pelo sistema, que responde as solicitações como aprovadas ou não, e implementa as solicitações aprovadas para a próxima versão do sistema. Segundo CHAGAS (2005) falta também uma ferramenta que gerencie as atividades do grupo de desenvolvimento e que forneça relatórios possibilitando acompanhamento mais eficiente. Os objetivos e prazos não estão sendo atingidos de forma eficiente, mas por enquanto não houve muitos problemas com relação a isto. A partir do trabalho de CHAGAS (2005) podemos perceber a precariedade de processo de engenharia de software em uma MPE e a necessidade da customização de métodos para a sua realidade. 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS O tema apresentado tratou de dois elementos: o uso de software em MPEs e o desenvolvimento de software em MPEs. O uso de TI nas MPEs, e o de software, em especial, tem esbarrado ao longo dos anos nas dificuldades inerentes às MPEs tais como: Baixa

5 Pereira, Tait, Bruzarosco lucratividade, custo de TI considerado alto, entre outros. Entretanto, apoio de entidades como o SEBRAE possibilitam que as MPEs superem essas dificuldades e consigam fazer uso adequado dos softwares. Por outro lado, apesar das dificuldades das MPEs no desenvolvimento de software, as mesmas têm a possibilidade de produzir software de qualidade, a partir de uma série de inovações tais como uso de software livre (evitando, desta forma, gastos com softwares pagos), metodologia de desenvolvimento voltado para pequenas empresas, entre outros. A própria organização das MPEs em APLs (Arranjo Produtivos Locais) de Software pode contribuir para que as mesmas possam compartilhar recursos para se fortalecerem diante de um mercado altamente competitivo. REFERÊNCIAS BERALDI, L. C. Impacto da tecnologia da informação na gestão de pequenas empresas. Ci. Inf., Brasília, v. 29, n. 1, p , jan./abr BNDES,http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bnd es_pt/navegacao_suplementar/perfil/porte.html. Acesso em Abril/2009. CHAGAS, N. Melhoria do Processo de Desenvolvimento de Software em uma Pequena Empresa Utilizando a Norma NBR ISO/IEC Maringá: Conclusão do curso de Bacharelado em Informática, p. Cap. 4: Levantamento e Análise dos Dados Obtidos. DA SILVA, J. E. A. A TI nas micro e pequenas empresas: uma abordagem territorial. Tese de Mestrado, Natal: UFRN, FIESP/FIPE, Pesquisa Perfil da Empresa Digital Acesso em Abril/2009. IBGE, As Micro e pequenas empresas comerciais e de serviços no Brasil: Rio de Janeiro, Coordenação de Serviços e Comércio. INDRIUNAS, L., Acesso em Abril/2009. KOTESKI, M. A., Revista Fae Business, Nº 8, maio de As Micro e Pequenas Empresas no Contexto Econômico Brasileiro. NETO, J. M. O que diferencia as micro e pequenas empresas MPE das médias e grandes empresa. SEBRAE, Brasília, p. OLIVEIRA A., Acesso em Abril/2009. TAIT, T. F. C. A questão da tecnologia na pequena empresa. Revista Tecnológica, Maringá, n.12, p , 9 abr

DESAFIO DAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS DO RN: COMO A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CRIA VALOR DE NEGÓCIO. L. S. Medeiros lierbetnietzsche@gmail.

DESAFIO DAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS DO RN: COMO A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CRIA VALOR DE NEGÓCIO. L. S. Medeiros lierbetnietzsche@gmail. DESAFIO DAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS DO RN: COMO A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CRIA VALOR DE NEGÓCIO L. S. Medeiros lierbetnietzsche@gmail.com Raimundo Nonato C. Parente Professor do Departamento Acadêmico

Leia mais

Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos

Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos Planejamento e Orçamento 3º trimestre/2015 Julho de 2015 Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados 0800 570 0800 / www.sebrae-rs.com.br

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

PROIMPE. Programa de Estímulo ao Uso de Tecnologia da Informação em Micro e Pequenas Empresas (MPE)

PROIMPE. Programa de Estímulo ao Uso de Tecnologia da Informação em Micro e Pequenas Empresas (MPE) PROIMPE Programa de Estímulo ao Uso de Tecnologia da Informação em Micro e Pequenas Empresas (MPE) OBJETIVOS PRINCIPAIS Estimular a inclusão digital das MPE (Inclusão Empresarial); Promover o aumento da

Leia mais

Gestão dos Pequenos Negócios

Gestão dos Pequenos Negócios Gestão dos Pequenos Negócios x Rangel Miranda Gerente Regional do Sebrae Porto Velho, RO, 20 de outubro de 2015 A Conjuntura Atual Queda na produção industrial Desemprego Alta dos juros Restrição ao crédito

Leia mais

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS.

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Thaisa Rodrigues Marcondes 1, Maria Auxiliadora Antunes 2 ¹ Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências

Leia mais

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá

Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Análise do Perfil da Gestão Financeira Realizada Pelas Micro e Pequenas Empresas da Cidade de Itajubá Adriano_fernandes_vianna@ymail.com cca@facesm.br Facesm João Paulo Guerreiro Gonçalves cca@facesm.br

Leia mais

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo A Tecnologia da Informação (TI) faz parte do cotidiano da sociedade moderna, mesmo as pessoas que não têm acesso

Leia mais

Plano de Negocio Sistemas Security

Plano de Negocio Sistemas Security Plano de Negocio Sistemas Security GOIÂNIA,05/12/2015 A Empresa A Sistema Security nasceu da idéia de Alunos do Senac quando cursavam o último período do curso de segurança da Informaçao. Área de Atuação

Leia mais

Uso da informatização e realização dos controles de gestão: estudo em PE s do setor madeireiro de um Distrito Industrial

Uso da informatização e realização dos controles de gestão: estudo em PE s do setor madeireiro de um Distrito Industrial Uso da informatização e realização dos controles de gestão: estudo em PE s do setor madeireiro de um Distrito Industrial Leozenir Mendes Betim (FATI/FAJAR/CEFET-PR - PPGEP) leobetim@cainet.com.br Luis

Leia mais

[ GUIA ] GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES

[ GUIA ] GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES [ GUIA ] GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPREENDEDORES D e s c u b r a c o m o m a n t e r o c a p i t a l d a e m p r e s a s o b c o n t r o l e p a r a f a z e r o n e g ó c i o c r e s c e r. Uma boa gestão

Leia mais

A utilização da contabilidade gerencial: um estudo em micro e pequenas empresas

A utilização da contabilidade gerencial: um estudo em micro e pequenas empresas A utilização da contabilidade gerencial: um estudo em micro e pequenas empresas Anderson Catapan Ana Carolina Teixeira Cortes ** Patrícia Baptista de Souza *** Rosângela Moreira dos Santos **** Vanessa

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO AUXÍLIO NA GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO INTERIOR DO PARANÁ

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO AUXÍLIO NA GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO INTERIOR DO PARANÁ SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMO AUXÍLIO NA GESTÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO INTERIOR DO PARANÁ MELLO, A.D. de.; RANDO, D.R. Resumo No atual contexto empresarial

Leia mais

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo INTRODUÇÃO:

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo INTRODUÇÃO: Título da Pesquisa: Análise da gestão financeira e previsão de liquidez em micro e pequenas empresas da Região Metropolitana de Belo Horizonte Palavras-chave: Risco de liquidez, gestão financeira de curto

Leia mais

Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos

Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos Planejamento e Orçamento 3º trimestre/2014 Julho de 2014 Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados 0800 570 0800 / www.sebrae-rs.com.br

Leia mais

IBM FlashSystem Atendendo ao pedido de desempenho no setor de telecomunicações

IBM FlashSystem Atendendo ao pedido de desempenho no setor de telecomunicações IBM Systems and Technology Group Abril de 2013 White Paper de Liderança em Ideias Inovadoras IBM FlashSystem Atendendo ao pedido de desempenho no setor de telecomunicações 2 IBM FlashSystem Atendendo ao

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA: UM INSTRUMENTO AO PROCESSO DECISÓRIO

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA: UM INSTRUMENTO AO PROCESSO DECISÓRIO DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA: UM INSTRUMENTO AO PROCESSO DECISÓRIO Priscila Rubbo 1 Paulo Roberto Pegoraro 2 Resumo: O demonstrativo do fluxo de caixa tem como finalidade a projeção das entradas e saídas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÓS-INCUBAÇÃO DE EMPRESAS Conceituação e Estudos de Caso BRENO BASTOS MIGUEZ 15653 FERNANDA HELENA COSTA

Leia mais

USO DE SOFTWARE NAS EMPRESAS DO RAMO DE INFORMÁTICA ATENDIDAS PELO PROGRAMA ALI

USO DE SOFTWARE NAS EMPRESAS DO RAMO DE INFORMÁTICA ATENDIDAS PELO PROGRAMA ALI USO DE SOFTWARE NAS EMPRESAS DO RAMO DE INFORMÁTICA ATENDIDAS PELO PROGRAMA ALI Bruno Henrique Pereira Gonçalves Mestre em Engenharia Elétrica e de Computação (UFG); graduado em Engenharia de Computação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL METALMECANICO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2010 SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO FINANCEIRA EM CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇO DE VENDA. Contatos Luiz Augusto Gonçalves de

Leia mais

Os obstáculos da aplicação de TI nas pequenas empresas

Os obstáculos da aplicação de TI nas pequenas empresas Os obstáculos da aplicação de TI nas pequenas empresas Ricardo Roberto de Lima UNIBRATEC-PB João Pessoa - PB ricardoricrob@hotmail.com RESUMO O referido artigo visa ilustrar, de forma prática e rápida,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS RESUMO A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS Rafael Cacemiro de Moraes 1 Wdson de Oliveira 2 RESUMO Em virtude dos movimentos econômicos das décadas de 1990 e 2000 as empresas brasileiras necessitam

Leia mais

UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE

UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE GEPETIS - Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço, Trabalho, Inovação e Sustentabilidade

Leia mais

MENSAGEM DO FÓRUM REGIONAL PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DO ESTADO DA BAHIA

MENSAGEM DO FÓRUM REGIONAL PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DO ESTADO DA BAHIA enário econômico brasileiro vem sendo cada vez mais reconhecida e destacada. Além de gerador do maior número de empregos formais no país, o setor exibe, especialmente nos últimos anos, números Boletim

Leia mais

A gestão da tecnologia da informação nas as empresas de Itacoatiara

A gestão da tecnologia da informação nas as empresas de Itacoatiara Anais da Semana de Informática CESIT/UEA. Volume 1, Número 1. Manaus/AM: UEA Edições, 2013. ISSN 2319-0418 A gestão da tecnologia da informação nas as empresas de Itacoatiara Ray Frank L. Fernandes 1,

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA

PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA Selma Capanema de Barros (1) Engenheira Eletricista PUC-MG e especialista em Análise de

Leia mais

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon MIS, 7th Edition. Pg. 1.1 13 OBJETIVOS OBJETIVOS COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA Como nossa empresa pode medir os benefícios de nossos sistemas

Leia mais

EM PONTOS: vale a pena planejar

EM PONTOS: vale a pena planejar NO NEGÓCIO TEXTO DE MARCELO CASAGRANDE 5 EM PONTOS: vale a pena planejar A Gestão&Negócios reuniu cinco importantes motivos pelos quais o planejamento financeiro é fundamental para uma empresa. Saber o

Leia mais

PROJETOS, PARCERIAS E ARRANJOS INOVATIVOS: o caso do Núcleo de Documentação da Universidade Federal Fluminense

PROJETOS, PARCERIAS E ARRANJOS INOVATIVOS: o caso do Núcleo de Documentação da Universidade Federal Fluminense TRABALHO ORAL IMPACTO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NA GESTÃO DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA Dimensionamento dos impactos dos serviços digitais na Biblioteca PROJETOS, PARCERIAS E ARRANJOS INOVATIVOS: o caso

Leia mais

APLICAÇÃO DAS NORMAS ISO NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: O CASO DE UMA EMPRESA DE COMPONENTES ELETRÔNICOS

APLICAÇÃO DAS NORMAS ISO NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: O CASO DE UMA EMPRESA DE COMPONENTES ELETRÔNICOS APLICAÇÃO DAS NORMAS ISO NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: O CASO DE UMA EMPRESA DE COMPONENTES ELETRÔNICOS Tania Fatima Calvi Tait Universidade Estadual de Maringá -Departamento de Informática-Maringá-

Leia mais

IBM System Storage. Projeta suas informações de negócios importantes com soluções de segurança de informações da IBM

IBM System Storage. Projeta suas informações de negócios importantes com soluções de segurança de informações da IBM IBM System Storage Projeta suas informações de negócios importantes com soluções de segurança de informações da IBM As organizações sempre se esforçaram para gerenciar o crescimento exponencial de informações

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA

ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA ADMINISTRAÇÃO DA INFORMÁTICA A informação sempre esteve presente em todas as organizações; porém, com a evolução dos negócios, seu volume e valor aumentaram muito, exigindo uma solução para seu tratamento,

Leia mais

Relatório sobre a Pesquisa Intenção de Compra para o Dia dos Pais 2013

Relatório sobre a Pesquisa Intenção de Compra para o Dia dos Pais 2013 Relatório sobre a Pesquisa Intenção de Compra para o Dia dos Pais 2013 IFEPD/AL Maceió, 06/08/2012 Sumário 1 INTRODUÇÃO ---------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Processo de Engenharia de Software II

Processo de Engenharia de Software II UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná CCET Centro de ciências Exatas e Tecnológicas Colegiado de Ciência da Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Processo de Engenharia

Leia mais

GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR

GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR Andressa Silva Silvino 1 Jadson do Prado Rafalski 2 RESUMO O objetivo deste artigo é analisar

Leia mais

PLANEJAMENTO FINANCEIRO E SEUS BENEFÍCIOS

PLANEJAMENTO FINANCEIRO E SEUS BENEFÍCIOS Maiêutica - Curso de Ciências Contábeis PLANEJAMENTO FINANCEIRO E SEUS BENEFÍCIOS RESUMO Anair Vanderlinde 1 Nádia Nara de Godoy 2 Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Ciências Contábeis (CTB0116)

Leia mais

A percepção do gestor no uso da tecnologia da informação nas micro e pequenas empresas da região de Jundiaí

A percepção do gestor no uso da tecnologia da informação nas micro e pequenas empresas da região de Jundiaí A percepção do gestor no uso da tecnologia da informação nas micro e pequenas empresas da região de Jundiaí Adaní Cusin Sacilotti Fatec Jundiaí SP Brasil adanics@uol.com.br Orlando Roque da Silva Faccamp

Leia mais

Estudo de Caso 2 O CASO HIME. Introdução

Estudo de Caso 2 O CASO HIME. Introdução Estudo de Caso 2 O CASO HIME Introdução Empresa de Tecnologia Localizada no Rio de Janeiro, A Hime Informática se destaca pelo enorme sucesso obtido pelo o Hime System, o primeiro software do mercado a

Leia mais

Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I

Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I Roteiro de Diagnóstico Descritivo para o ESA I Seqüência das partes Capa (obrigatório) Lombada (opcional) Folha de rosto (obrigatório) ERRATA (opcional) TERMO DE AROVAÇÃO (obrigatório) Dedicatória(s) (opcional)

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo PRADO-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo PRADO-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo PRADO-MMGP Versão 1.6.4 Setembro 2009 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 2ª Edição (a publicar) Autor: Darci

Leia mais

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Itajubá/MG Fevereiro de 2012 Plano Anual de 2 de 11 Revisão 01 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1 OBJETIVO GERAL... 4 2

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo

Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo Subsecretaria de Empreendedorismo e da micro e pequena empresa Ciência, Tecnologia e Inovação Desenvolvimento

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 Jéssica Schreiber Boniati 2, Eusélia Pavéglio Vieira 3. 1 Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso

Leia mais

Processos Administrativos de Compras

Processos Administrativos de Compras Processos Administrativos de Compras INTRODUÇÃO A função compras é um segmento essencial do Departamento de Materiais e Suprimentos, que tem pôr finalidade suprir as necessidades de materiais ou serviços

Leia mais

O Cisco IBSG prevê o surgimento de mercados globais conectados

O Cisco IBSG prevê o surgimento de mercados globais conectados O Cisco IBSG prevê o surgimento de mercados globais conectados Como as empresas podem usar a nuvem para se adaptar e prosperar em um mercado financeiro em rápida mudança Por Sherwin Uretsky, Aron Dutta

Leia mais

PERUINCUBA 2008 Semana del Emprendimiento y la Incubacion "De la Idea a la Realidad

PERUINCUBA 2008 Semana del Emprendimiento y la Incubacion De la Idea a la Realidad P rograma SEBRAE SP de Incubadoras de Empresas PERUINCUBA 2008 Semana del Emprendimiento y la Incubacion "De la Idea a la Realidad O que as MPE s representam para a economia brasileira? Número de Empresas...98

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.2.0 Julho 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins.

FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins. FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins. Maria das Graças Bastos de Sousa 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo Querido

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE

ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE Introdução O administrador de redes geovanegriesang@ifsul.edu.br www.geovanegriesang.com Gerenciamento de redes Gerenciamento de rede é o ato de iniciar, monitorar e modificar

Leia mais

UNIVERSIDADE FUMEC Faculdade de Ciências Empresariais Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento

UNIVERSIDADE FUMEC Faculdade de Ciências Empresariais Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento UNIVERSIDADE FUMEC Faculdade de Ciências Empresariais Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento Arquitetura de Dados: modelo conceitual e abordagem para criação e manutenção.

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Universidade Federal do Pará. Centro Sócio Econômico. Curso Ciências Contábeis. Disciplina: Administração Financeira. Professor: Héber Lavor Moreira.

Universidade Federal do Pará. Centro Sócio Econômico. Curso Ciências Contábeis. Disciplina: Administração Financeira. Professor: Héber Lavor Moreira. Universidade Federal do Pará. Centro Sócio Econômico. Curso Ciências Contábeis. Disciplina: Administração Financeira. Professor: Héber Lavor Moreira. Silvanda de Jesus Aleixo Ferreira 0201002501 Belém-PA

Leia mais

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW

Aula 2 Revisão 1. Ciclo de Vida. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW. Processo de Desenvolvimento de SW Ciclo de Vida Aula 2 Revisão 1 Processo de Desenvolvimento de Software 1 O Processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades, parcialmente ordenadas, com a finalidade de obter um produto

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

Gestão de Documento. 1. Introdução

Gestão de Documento. 1. Introdução Gestão de Documento 1. Introdução Os documentos possuem um incrível poder em ambientes de negócios do governo e estão passando pela maior evolução que agitará os negócios governamentais e que os reformará

Leia mais

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades

UNIDADE 3 Identificação de oportunidades UNIDADE 3 Identificação de oportunidades Provavelmente seja um dos maiores mitos sobre as novas idéias para negócios: a idéia deve ser única. Na realidade pouco importa se a idéia é única ou não, o que

Leia mais

Informatização das administrações tributária e aduaneira Objetivos dos projetos de informatização da receita fiscal

Informatização das administrações tributária e aduaneira Objetivos dos projetos de informatização da receita fiscal Informatização das administrações tributária e aduaneira A informatização é uma parte importante dos projetos do Banco Mundial relacionados a impostos e alfândega. Baseando-se em projetos concluídos e

Leia mais

Administração Ambiental: Uma Abordagem Teórica Sobre Avaliação de Impactos Ambientais e Licenciamento

Administração Ambiental: Uma Abordagem Teórica Sobre Avaliação de Impactos Ambientais e Licenciamento Administração Ambiental: Uma Abordagem Teórica Sobre Avaliação de Impactos Ambientais e Licenciamento Environmental Management: A Theoretical Approach About Environmental Impact Assessment and Licensing

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COMO INSTRUMENTO DE APOIO AO GERENCIAMENTO DAS MICRO EMPRESAS DE JAIBARAS

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COMO INSTRUMENTO DE APOIO AO GERENCIAMENTO DAS MICRO EMPRESAS DE JAIBARAS 1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO COMO INSTRUMENTO DE APOIO AO GERENCIAMENTO DAS MICRO EMPRESAS DE JAIBARAS Benedito Ivon Linhares Queiroz¹ Carlos Jarder Neve Lopes¹ Resumo: Tecnologia da informação é área do

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PROPRIEDADE INTELECTUAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 06/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PROPRIEDADE INTELECTUAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 06/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PROPRIEDADE INTELECTUAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 06/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone:

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14

PLANO DE NEGÓCIO. EMPRESA (inserir logo) SET/14 PLANO DE NEGÓCIO EMPRESA (inserir logo) SET/14 Índice 1 INTRODUÇÃO-Sumário Executivo 04 1.1 Identificação da Empresa 04 1.1.1 Histórico da empresa 04 1.1.2 Definição do modelo de negócio 05 1.1.3 Constituição

Leia mais

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo:

De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito abaixo: PROVA BACHAREL PRIMEIRO EXAME DE SUFICIÊNCIA 2014. TESE PARA RECURSOS Questão 1 De acordo com a NBC TG16(R1), estoques, seu item número 9 define como os estoques devem ser mensurados, assim transcrito

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PBQP-H EM EMPRESAS CONSTRUTORAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS NA GRANDE JOÃO PESSOA: UM ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO DO PBQP-H EM EMPRESAS CONSTRUTORAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS NA GRANDE JOÃO PESSOA: UM ESTUDO DE CASO IMPLANTAÇÃO DO PBQP-H EM EMPRESAS CONSTRUTORAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS NA GRANDE JOÃO PESSOA: UM ESTUDO DE CASO Nelma Mirian Chagas de Araújo, M. Sc. Universidade Federal da Paraíba PPGEP / Centro Federal

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE E O PROCESSO DE CRIAÇÃO DE CONHECIMENTO: O ESTUDO DE CASO EM UMA ASSOCIAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DE PEIXE EM MUNDO NOVO MS

INTERDISCIPLINARIDADE E O PROCESSO DE CRIAÇÃO DE CONHECIMENTO: O ESTUDO DE CASO EM UMA ASSOCIAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DE PEIXE EM MUNDO NOVO MS CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X INTERDISCIPLINARIDADE E O PROCESSO DE CRIAÇÃO DE CONHECIMENTO:

Leia mais

Plano de Segurança da Informação

Plano de Segurança da Informação Faculdade de Tecnologia Plano de Segurança da Informação Alunos: Anderson Mota, André Luiz Misael Bezerra Rodrigo Damasceno. GTI 5 Noturno Governança de tecnologia da informação Prof. Marcelo Faustino

Leia mais

PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS. 2. Tipo Estudo de Caso X Situação Problema Pesquisa Projeto

PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS. 2. Tipo Estudo de Caso X Situação Problema Pesquisa Projeto PLANO DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM CURSOS TÉCNICOS 1. Identificação Curso Técnico em Informática Unidade São José Coordenador da S.A Walter André de Almeida Pires Unidade(s) Curricular(es) Envolvida(s)

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE. Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos

ESTUDO DE VIABILIDADE. Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos ESTUDO DE VIABILIDADE Santander, Victor - Unioeste Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício

Leia mais

4 Contextualização da pesquisa

4 Contextualização da pesquisa 4 Contextualização da pesquisa 4.1. Cenário de pequenas empresas e medias empresas no Brasil A abreviação para pequena e média empresa PME (em inglês SME) tornou-se um padrão internacional quando se refere

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ

PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ 1 PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ Marta Paiz 1 Márcia Bonifácio Stooc 2 Adriana Picagevicz Mellk 3 Jaime Antonio Stoffel 4 Nelson Alpini

Leia mais

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé?

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé? 1 INTRODUÇÃO As empresas, inevitavelmente, podem passar por períodos repletos de riscos e oportunidades. Com a complexidade da economia, expansão e competitividade dos negócios, tem-se uma maior necessidade

Leia mais

Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Loja de Roupas Femininas na cidade de Marialva

Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Loja de Roupas Femininas na cidade de Marialva Plano de Negócio (Projeto de Viabilidade Econômica) Loja de Roupas Femininas na cidade de Marialva Caracterização do Empreendimento Trata o presente de análise de viabilidade de mercado e de viabilidade

Leia mais

FASF - FACULDADE SAGRADA FAMILIA - CURSO DE ADM 5º PERIODO CONTROLE INTERNO. Aula 3 e 4

FASF - FACULDADE SAGRADA FAMILIA - CURSO DE ADM 5º PERIODO CONTROLE INTERNO. Aula 3 e 4 CONTROLE INTERNO Aula 3 e 4 Objetivos Conceito Sistema Categorias de Controle Interno Controles Organizacionais e Segregação de Funções É o controle obtido por meio da maneira de designar responsabilidade

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS SIMONSEN - FIS COORDENAÇÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

FACULDADES INTEGRADAS SIMONSEN - FIS COORDENAÇÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADES INTEGRADAS SIMONSEN - FIS COORDENAÇÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA RELATÓRIO PARCIAL TEMA DO PROJETO: O USO DA CONTABILIDADE NA FORMAÇÃO DE PREÇO E NO PLANEJAMENTO DAS VENDAS. AUTOR (A): GISELLE

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES

FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - Contabilidade Gerencial PROFESSOR - PAULO NUNES 1 1. Conceito e caracterização CONTABILIDADE GERENCIAL A Contabilidade

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR

Leia mais

Clóvis Luiz Galdino 1 clovis.galdino@metodista.br

Clóvis Luiz Galdino 1 clovis.galdino@metodista.br Como a Estratégia e Gestão de Competências Pode Impactar o Desenho a Construção e a Implementação de Sistemas de Informações em Pequenas e Médias Empresas no Brasil Clóvis Luiz Galdino 1 clovis.galdino@metodista.br

Leia mais

Desenvolvimento de ferramenta computacional para o controle de equipamentos de acordo com a ISO/IEC 17025.

Desenvolvimento de ferramenta computacional para o controle de equipamentos de acordo com a ISO/IEC 17025. Desenvolvimento de ferramenta computacional para o controle de equipamentos de acordo com a ISO/IEC 17025. Computational development tool for equipament control according to ISO/IEC 17025. Heloisa de Campos

Leia mais

ANÁLISE DA SITUAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DO ESTADO DO CEARÁ QUANTO À IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DA QUALIDADE.

ANÁLISE DA SITUAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DO ESTADO DO CEARÁ QUANTO À IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DA QUALIDADE. ANÁLISE DA SITUAÇÃO DAS EMPRESAS DE PROJETO DO ESTADO DO CEARÁ QUANTO À IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DA QUALIDADE. João Adriano Ponciano NOBRE Graduando de Eng.º Civil, Universidade Federal do Ceará, Rua Waldery

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS TRABALHO

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS TRABALHO TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS TRABALHO Orientador Empresarial Microempreendedor Individual-Formalização-Setor de Serviços-Crescimento SETOR DE SERVIÇOS É CAMPEÃO EM

Leia mais

TÍTULO: O MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL E AS DIFICULDADES ENCONTRADAS NA CONSTITUIÇÃO E CONDUÇÃO DE SEUS NEGÓCIOS. UM ESTUDO NA CIDADE DE JALES-SP

TÍTULO: O MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL E AS DIFICULDADES ENCONTRADAS NA CONSTITUIÇÃO E CONDUÇÃO DE SEUS NEGÓCIOS. UM ESTUDO NA CIDADE DE JALES-SP Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: O MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL E AS DIFICULDADES ENCONTRADAS NA CONSTITUIÇÃO E CONDUÇÃO DE SEUS

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

INOVA@SC Plataforma de Governo Eletrônico

INOVA@SC Plataforma de Governo Eletrônico INOVA@SC Plataforma de Governo Eletrônico José Eduardo Fiates Marcelo Luz Scheibel Maristela Denise Coelho INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO SEGMENTO Tomadores de Decisão de Governo Necessidade de estabelecer planos

Leia mais

Titulo: Fluxo de Caixa. 2016 Fernando Nunes. Todos os direitos reservados Ilustração: Jackson Santos. Edição: Glaciele Kaufmann 1 Edição

Titulo: Fluxo de Caixa. 2016 Fernando Nunes. Todos os direitos reservados Ilustração: Jackson Santos. Edição: Glaciele Kaufmann 1 Edição Titulo: Fluxo de Caixa 2016. Todos os direitos reservados Ilustração: Jackson Santos Edição: Glaciele Kaufmann 1 Edição Introdução Pedro era um pequeno empresário que trabalhava muito em seu negócio.

Leia mais

Informações e orientações para organização do processo decisório

Informações e orientações para organização do processo decisório Informações e orientações para organização do processo decisório Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, Dr. Eng. Prod (Dep. Economia) WILHELM@FURB.BR Prof. Maurício C. Lopes, Msc. Eng. Prod. (Dep. Computação) MCLOPES@FURB.BR

Leia mais

Point of View. Simplificando a interação com o Governo Gestão Fiscal & esocial

Point of View. Simplificando a interação com o Governo Gestão Fiscal & esocial Point of View Simplificando a interação com o Governo Gestão Fiscal & esocial C o n t e ú d o Sumário Executivo 4 Cenário Atual 5 Nosso entendimento 6 A Solução SAP 8 Benefícios para o negócio 16 Por

Leia mais

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Use of UML modeling in a management system for a food franchising Richard B. N. Vital, Tatiane M. Vital.

Leia mais

A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E OS INSTRUMENTOS TRADICIONAIS DE FINANCIAMENTO

A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E OS INSTRUMENTOS TRADICIONAIS DE FINANCIAMENTO O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE-ETENE INFORME ETENE MACROECONOMIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E OS INSTRUMENTOS TRADICIONAIS DE

Leia mais

Cinco restrições de desenvolvimento/teste que afetam a velocidade, o custo e a qualidade dos seus aplicativos

Cinco restrições de desenvolvimento/teste que afetam a velocidade, o custo e a qualidade dos seus aplicativos Série de ebooks sobre desenvolvimento em paralelo ágil: Capítulo 2 Cinco restrições de desenvolvimento/teste que afetam a velocidade, o custo e a qualidade dos seus aplicativos Novas pressões, mais restrições

Leia mais

Contabilidade Informatizada

Contabilidade Informatizada Importância da Informática para as Empresas e para a Contabilidade Contabilidade Informatizada A informática proporciona à contabilidade inúmeras facilidade, que vão desde o lançamento até a geração de

Leia mais

FACÇÃO TECIDO PLANO. 1 - Introdução. 2- Mercado

FACÇÃO TECIDO PLANO. 1 - Introdução. 2- Mercado FACÇÃO TECIDO PLANO 1 - Introdução Nesta apresentação o empreendedor encontra indicações dos conhecimentos que aumentam e melhoram suas chances de sucesso, desde a identificação da oportunidade, riscos

Leia mais

ERP PROTHEUS Introdução a Controladoria. DRG / SP - Educação Corporativa

ERP PROTHEUS Introdução a Controladoria. DRG / SP - Educação Corporativa ERP PROTHEUS Introdução a Controladoria DRG / SP - Educação Corporativa 1 Método do Treinamento: - Expositivo baseado na apresentação; - Organizado pelo conteúdo programático; - Desenvolvido no padrão

Leia mais

Seja um vencedor. QUESTIONÁRIO DE AUTOAVALIAÇÃO CICLO 2010. Participe do Prêmio MPE Brasil.

Seja um vencedor. QUESTIONÁRIO DE AUTOAVALIAÇÃO CICLO 2010. Participe do Prêmio MPE Brasil. 20 10 ED IÇ ÃO Participe do Prêmio MPE Brasil. Seja um vencedor. O MPE Brasil Prêmio de Competitividade para Micro e Pequenas Empresas é um reconhecimento, em nível estadual e nacional, às micro e pequenas

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas

As MPE s como eixo central de cadeias produtivas As MPE s como eixo central de cadeias produtivas Guilherme Lacerda Diretor de Infraestrutura Social, Meio Ambiente, Agropecuária e Inclusão Social Madrid Outubro 2012 MPEs Importância, Desafios e Contribuições

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE Brasília, 18 de maio de 2010. MPE? Conceituação Brasil REPRESENTATIVIDADE

Leia mais