A GESTÃO DO RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO EM CIDADES E REGIÕES DIGITAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A GESTÃO DO RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO EM CIDADES E REGIÕES DIGITAIS"

Transcrição

1 A GESTÃO DO RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO EM CIDADES E REGIÕES DIGITAIS Jorge Xavier Energaia Rua Cândido de Reis, 137, Gaia Luis Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Pr. 9 de Abril, 349, Porto Joaquim Borges Gouveia Universidade de Aveiro Campus de Santiago, Aveiro RESUMO Esta reflexão sublinha o papel da academia na discussão das cidades digitais face ao cidadão e à lógica de serviço associada. O tema da Gestão da relação com o cliente tem vindo a ser conduzido pelo meio empresarial, movido por lógicas comerciais que de nada servem os propósitos da investigação científica. Por outro lado, este tema não deve ser envolver, apenas, investigadores das áreas tecnológicas, mas também investigadores pertencentes aos ramos sociais e comportamentais da ciência, porque é de relações que se fala. Os autores defendem que, crescentemente, tem sido utilizados os conceitos de CRM (Customer Relationship Management) ou CzRM (Citizen Relationship Management), sem que seja claro qual o seu significado e contributo, para as Cidades e Regiões Digitais. O CRM tem vindo a ser embebido nas boas práticas das Cidades e Regiões Digitais, pelo que se tornou uma espécie de panaceia indispensável a estas. Quanto ao CzRM, é simples! Trata-se do CRM adaptado pela administração pública, central e local, no seu relacionamento com o cidadão. Efectivamente, nada disto é assim, como se procurará demonstrar. PALAVRAS -CHAVE Cidades e Regiões Digitais, Sociedade da Informação, governo electrónico, CRM, CzRM. 1. INTRODUÇÃO O conceito de Cidade e Região Digital tem vindo a desenvolver-se, por todo o mundo, em torno de espaços públicos digitais integradores de informação urbana. De facto, desde 1992, com o projecto Amesterdão Digital, mais de 100 organizações, só na Europa, têm vindo a discutir o fenómeno das Cidades Digitais [Ishida 2000]. Nos EUA, a American on Line (AOL) foi precursora com um serviço de informação regional designado Digital City, destinado às maiores cidades norte americanas. No Japão, o mega projecto Kyoto Digital é a grande referência. A maior organização mundial, dedicada a este tema é a rede Telecities, criada na Europa em Esta organização abraça os governos locais e parceiros científicos e empresariais, oriundos de 20 país es europeus, que partilham experiências e desenvolvem soluções, em busca de uma sociedade da informação e do conhecimento inclusiva. A nível político, muitos têm sido os programas europeus, nacionais e regionais destinados à promoção de Cidades e Regiões Digitais, com incentivos financeiros importantes. Uma definição possível de Cidade Digital [Kryssanov, Okabe, Kakusho e Minoh, 2002] é entender esta, como uma colecção de produtos digitais e recursos informacionais, assente numa enorme base de dados 125

2 Conferência IADIS Ibero-Americana WWW/Internet 2003 distribuída de documentos heterogéneos de vários tipos (hiper)texto, fotografias, mapas ou imagens animadas, empregues no fornecimento de serviços destinados a facilitar a navegação social e/ou espacial num ambiente virtual (informação e comunicação) ou físico (geográfico). Esta é uma definição de âmbito estrito, que tem alguma dificuldade em abranger todas as dimensões de uma Cidade ou Região Digital. Segundo um outro entendimento [Gumpert e Drucker, 2002] a Cidade Digital é a concepção de um espaço urbano que enfatiza a transmissão electrónica de informação pública e a interacção, representando a intercepção das tecnologias de informação, com a vida urbana e a reformulação da identidade cultural, social e informacional, pela via da digitalização. O maior contributo destes autores é a introdução do factor identidade, já que os aspectos culturais e sociais, são um factor crítico nas Cidades Digitais, ideia que adiante será reforçada. Para Schuler [Schuler, 2001] o conceito de Cidade Digital abrange, pelo menos, estes dois significados: (1) uma cidade que esteja a ser transformada ou reordenada com recurso à tecnologia digital; (2) uma representação ou um reflexo virtual de alguns aspectos de uma cidade, seja esta real, seja esta virtual. Ainda segundo este autor, o conceito de Cidade Digital não pode existir sem o conceito de Cidadão Digital. Ora, a cidadania digital pressupõe interacção, participação e relações várias entre os cidadãos, e entre estes e as instituições, tal como acontece no mundo físico. Na ausência destes factores, não estaremos na verdadeira presença de uma Cidade ou Região Digital, mas somente, de uma qualquer representação em plataforma Web. Entende-se, no contexto deste trabalho, que a definição de Schuler é a mais abrangente. 2. A GESTÃO DO RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO Esta reflexão sublinha o papel da academia na discussão das cidades digitais face ao cidadão e à lógica de serviço associada. Este tema tem vindo a ser conduzido pelo meio empresarial, movido por lógicas comerciais que de nada servem os propósitos da investigação científica e uma clarificação de conceitos. Por outro lado, este tema não deve envolver, apenas, investigadores das áreas tecnológicas, mas também investigadores pertencentes aos ramos sociais e comportamentais da ciência, porque é essencialmente de relações (humanas) que se fala. Assim, temos vindo a ser, crescentemente, assaltados pelos conceitos de CRM (Customer Relationship Management) ou CzRM (Citizen Relationship Management), sem que seja claro qual o seu significado e contributo, para as Cidades e Regiões Digitais. Acresce que, há quem se refira ao CRM como uma tecnologia, e quem se refira ao CRM como uma aplicação informática. Existe também, quem confunda o CRM com estruturas como os centros de contacto e há quem se refira ao CRM como uma filosofia de gestão, porque valoriza o cliente. Deste modo, o CRM tem vindo a ser embebido nas boas práticas das Cidades e Regiões Digitais, pelo que se tornou uma espécie de panaceia indispensável a estas. Quanto ao CzRM, a sua apresentação tem-se revelado bem mais simples! Trata-se do CRM adaptado pela administração pública, central e local, no seu relacionamento com o cidadão. Efectivamente, nada disto é assim, como se procurará demonstrar 2.1 O conceito de CRM Existem centenas de definições de CRM. A proposta simples de Paul Greenberg [Greenberg, 2001] serve, perfeitamente, os propósitos desta reflexão. Assim, segundo este autor, o CRM é uma estratégia de gestão, rigorosa, destinada a criar e manter relações profícuas e duradouras. Para tal, procura obter e integrar informação dispersa sobre os clientes, permitindo conhecer e compreender as suas necessidades e actuar sobre as mesmas. Consequentemente, a existência de um amplo repositório de informação, que recolha, integre e cruze dados dos clientes é indispensável. Todavia, não é possível criar relações com quem não se conhece. Do mesmo modo, não é possível manter essas relações sem que existam interacções. Ou seja, um contacto não faz uma relação. Quer isto dizer que, sem contactos com o cliente, não pode haver CRM. Quem primeiro percebeu este facto foram empresas ligadas às telecomunicações e à banca, sectores que ainda hoje representam 80% das empresas utilizadoras de sistemas de CRM. [McKenzie, 2001]. 126

3 A GESTÃO DO RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO EM CIDADES E REGIÕES DIGITAIS Assim, foi curioso assistir ao processo de aprendizagem, pelo qual passaram estes sectores. Nas telecomunicações, muitos de nós recordam-se do que se passou com os chamados pré-pagos, que eram vendidos livremente em qualquer ponto de venda, permanecendo o cliente perfeitamente incógnito. Não demorou muito tempo para as empresas de telecomunicações alterarem a operativa de venda, passarem a registar os dados dos clientes e a lançarem campanhas com o objectivo de recolher os dados pessoais dos clientes que não conheciam. Também na banca existiram mudanças significativas. Até há dois anos atrás, era frequente ter várias contas bancárias, sem que existisse um número único de cliente. Assim, cada cliente poderia corresponder a várias entidades diferentes, no sistema de informação. Acresce que, dependendo do cuidado do funcionário que abriu a conta, cada uma dessas entidades poderia constar com dados diferentes. Por exemplo, num dos casos, com o nome completo, noutro caso, com o primeiro e último nome. Ás vezes com o registo do número do bilhete de identidade, outras vezes com o registo do número de contribuinte. Como resultado, não era possível afirmar que o titular de cada uma das contas era o mesmo cliente. Mas a banca forneceu-nos outros casos interessantes. Já se disse que o CRM é uma estratégia de gestão. Como tal, existem outras estratégias bem distintas. Uma destas estratégias, diametralmente, opostas à de CRM (banca de relação) foi a banca de produto, que assentava numa selecção de produtos estratégicos. Esta estratégia implicava reorganizações profundas, criando-se autenticas fábricas de produtos, suportadas por sistemas de informação vocacionados para este tipo de estratégia e complementados por campanhas de comunicação em massa, indiferenciadas para clientes e não clientes. Nesta estratégia, o conhecimento do cliente era dado, somente, por complexas grelhas de scoring, em prejuízo da gestão do relacionamento com o cliente e das estratégias de venda cruzadas tão frequentes na banca. Não cabe aqui efectuar qualquer juízo critico sobre as duas estratégias. Importa é sublinhar que sem uma estratégia de relação, é impossível praticar CRM. De nada vale possuir aplicações informáticas para o efeito, ter centros de contacto, ou afirmar a importância do cliente. Em suma, o CRM não é um produto, uma tecnologia, uma aplicação ou um projecto a implementar. E quanto ao CzRM? Esta é a reflexão que se segue e as lições dos dois sectores abordados serão úteis para perceber o que está a acontecer. 2.2 O CzRM Tem sido frequente dizer-se que o CzRM é o CRM aplicado ao cidadão. Mas está questão não é tão simples. Na verdade, existe uma semelhança semântica, um enfoque na gestão do relacionamento e o recurso às mesmas tecnologias. Mas existem diferenças profundas sobre as quais convém reflectir. Sem prejuízo dessas diferenças, como se irá procurar demonstrar, as Cidades e Regiões Digitais são o palco de eleição para ensaiar a gestão conjunta do relacionamento com o cliente e com o cidadão, através de parcerias entre o sector publico e sector privado. Julga-se que este será o futuro, pois o cliente e o cidadão são o mesmo indivíduo. Se nos debruçarmos sobre as diferenças profundas que existem entre o CRM e o CzRM, a primeira conclusão que se infere é que a gestão do relacionamento com o cidadão é bastante mais complexa. No âmbito das Cidades e Regiões Digitais, o governo local é aquele que assume maior relevância, pelo que será este o objecto desta análise. Assim, antes de pensar em qualquer aspecto tecnológico ou operacional, convém reflectir na própria relação entre o governo local e o cidadão e lançar as seguintes questões: Ao longo de uma vida inteira, quantas vezes um munícipe tem que se dirigir à sua câmara municipal? E à sua junta de freguesia? Quantas interacções gera? Se existem poucas interacções analógicas, porque irão estas aumentar com o recurso ao digital ou a estruturas como os centros de contacto? Que informação sobre o cidadão é detida pelas estruturas do governo local? De onde provém essa informação? Como é alimentada? Ao responder a estas questões, facilmente se conclui que é perfeitamente possível não existir uma única interacção entre um munícipe e a sua câmara municipal, ao longo de uma vida. Muito poucas interacções com a junta de freguesia. De facto, é perfeitamente possível mudar de cidade e de câmara municipal sem gerar uma única interacção. Ora, se as câmaras municipais não conhecem os seus munícipes, não detêm informação sobre eles, nem geram interacções que produzam informação, como podem gerir uma relação com o cidadão? De que vale apressarem-se na disponibilização de portais para o cidadão ou centros de contacto? Este quadro é ainda agravado se reflectirmos no seguinte: um cliente de uma empresa de telecomunicações, mesmo que nunca tenha interagido com a organização, está permanentemente a gerar 127

4 Conferência IADIS Ibero-Americana WWW/Internet 2003 informação pois, todos os meses faz (ou não) chamadas; todos os meses paga (ou não) a conta; ao longo de meses vai construindo o seu perfil; em síntese, vai gerando informação útil para uma estratégia de CRM. O mesmo se passa com a banca: mesmo que o cliente não se dirija à organização, faz determinados movimentos na conta; serve-se de determinados meios de pagamento; tem determinados saldos médios; ou seja, gera informação útil sobre a qual é possível actuar. Em suma, alimenta a estratégia de CRM. Pode-se dizer que, neste casos, a informação é gerada, de forma automática, por um conjunto de rotinas e aspectos operacionais. E o cidadão? Que informação gera para o governo local? Será que processos como pedido de licenças ou pagamento de contribuições são capazes de gerar informação em abundância? A resposta é claramente negativa. Na melhor das hipóteses este tipo de processos tem uma periodicidade anual. Deste modo, são necessários três anos para haver três interacções, o que é muito pouco para uma relação. Paradoxalmente, o cidadão está constantemente a disponibilizar informação, porque constantemente interage com estruturas e equipamentos municipais, constantemente tem sugestões ou reclamações que gostaria de fazer, constantemente necessita de informação do contexto do governo local ou, simplesmente, porque constantemente actua e se movimenta no correspondente território. No entanto, o sistema nem sequer é sensível a esta proactividade. Daqui resulta claro que, se o governo local pretender adoptar uma estratégia de gestão do relacionamento com o cidadão, terá de se reinventar. Isto é, terá de se voltar para o que rodeia o cidadão no seu quotidiano. Terá que guardar informação que este gera no seu dia a dia. Em compensação, se o conseguir fazer, o CzRM é potencialmente muito mais profundo que o CRM, pois o indivíduo na sua vida quotidiana assume papeis diversos. Isto é, um cidadão pode gerar interacções no papel de residente, de passageiro, de trabalhador, de consumidor, de condutor, de utente, de eleitor, de contribuinte, entre muitos outros possíveis papeis. Como tal, tem necessidades distintas. Isto é, por vezes necessita de informações de trânsito, outras vezes de assistência médica, outras ainda de serviços de emergência, ofertas culturais ou serviços de aconselhamento. Contudo, não obstante a diversidade das necessidades, o cidadão é o mesmo. É uma única entidade, com a qual existe uma única relação, pelo que, todas as interacções resultantes dos vários papeis, podem contribuir para o enriquecimento dessa relação. Ora, nenhuma empresa isoladamente consegue atravessar tantas vertentes da vida de uma cidadão, tantos papeis que ele assume e construir uma relação tão rica. Todavia, este cenário muda se pensarmos que uma Cidade ou Região Digital pode envolver centenas de empresas, como veremos mais à frente. Por agora, importa sublinhar que, do mesmo modo que a banca de produtos é uma estratégia oposta à banca de relação, o governo local ao centrar-se nos seus processos está a adoptar a estratégia oposta à gestão do relacionamento com o cidadão. Mais concretamente, a disponibilização de portais e centros de contacto, com os processos tradicionais à disposição do cidadão podem ser tremendamente eficazes, do ponto de vista do governo electrónico local e da sua eficiência. Contudo, independentemente da tecnologia que utilizem, não consubstanciam uma estratégia de CzRM e nunca irão permitir conhecer os cidadãos, nem consolidar relações. 2.3 O Cartão do Cidadão Para que uma estratégia de CzRM seja exequível é absolutamente necessário que exista um número único de identificação do cidadão. Isto é, independentemente dos diferentes papeis que o cidadão assuma no seu quotidiano, ou do número de organizações com que se relacione, ele é uma única entidade. Como tal, tornase indispensável a existência de um sistema de informação que recolha a informação dispersa do cidadão. Depois, é necessário que um número elevado de organizações, com as quais o cidadão se relaciona, trabalhem sobre este sistema. Este movimento constitui um enorme desafio e as Cidades e Regiões Digitais constituem o ambiente perfeito para o promover. De facto, só no seio das Cidades e Regiões Digitais é possível concebermos uma parceria entre os sectores público e privado, capaz de avançar com um sistema deste tipo. Note-se que ambos fazem parte do mesmo território e o cidadão interage com ambos. Acresce que, na vida real, a satisfação da maior parte das necessidades do cidadão requer a intervenção de ambos. Deste modo, contra natura, é actuarem 128

5 A GESTÃO DO RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO EM CIDADES E REGIÕES DIGITAIS separadamente na gestão do relacionamento com o cidadão. As sinergias obtidas, mensuradas pelo volume de informação que são capazes de gerar conjuntamente, prometem ser dramáticas. Mas este sistema carece de algumas condições para poder ser eficaz. Algumas dessas condições são contrárias a muitas das boas práticas, que vão sendo entendidas como adequadas em Cidades e Regiões Digitais. Vejamos então cada uma delas: Alterações organizacionais nos parceiros. É comum pensar-se que uma estratégia de CRM deve ser acompanhada de grandes transformações organizacionais, com redesenho de processos e grandes esforços de integração dos sistemas de informação. Na verdade, uma abordagem deste tipo seria impensável numa Cidade ou Região Digital, pela quantidade e diversidade dos parceiros envolvidos. Estão em causa áreas de actuação distintas, diferentes níveis de maturidade, modelos de negócio diversos, dimensões díspares, operativas e sistemas de informação muito variados. No entanto, existe um denominador comum que é o cidadão. Bem como, existe o mesmo interesse em gerir a sua informação. Deste modo, o sistema de CRM deve induzir a mínima alteração possível no funcionamento de cada um dos parceiros da Cidade ou Região Digital, deve provocar o mínimo de ingerência. Simplesmente deve estar disponível, ser de fácil utilização, acrescentar valor para o parceiro, exigir alguma informação e, em contrapartida, oferecer muito mais informação. Operativa multicanal. Pensar que, numa Cidade ou Região Digital, os fluxos de informação devem ser canalizados via Internet é extremamente redutor. Quer em termos de funcionalidade, quer em termos de população atingida. O cidadão continua a oferecer o maior número de interacções pelo canal presencial e por telefone, seja por voz, seja por dados. Por conseguinte, o sistema de CzRM deve ser alimentado por todos os canais e não ficar circunscrito a portais na Internet. Informação de suporte ao quotidiano. Já se disse que a orientação aos processos, não é uma via adequada para consolidar relações e adoptar uma estratégia de CzRM. Recentemente surgiu uma nova abordagem, para a gestão da Informação das Cidade e Regiões Digitais, que tem vindo a ser conhecida como orientação pelos eventos da vida ( live events ). Esta abordagem procura acompanhar os principais acontecimentos da vida do cidadão. Ou seja, ir de encontro às diversas fases da vida, que normalmente correspondem a diferentes acontecimentos, que por sua vez, geram determinadas necessidades. Por exemplo, a escolha da escola para os filhos, o primeiro emprego, o casamento, a compra de casa ou a ocupação dos tempos livres na reforma. Esta segunda abordagem denota uma grande evolução, face à tradicional orientação para os processos e, sobretudo, denota preocupação em ir de encontro ao cidadão. Todavia, não resolve o problema base do CzRM, que é o da insuficiência de interacções para gerar informação em abundância. Isto só será conseguido, se o sistema for orientado para acompanhar o quotidiano do cidadão, gerando informação para o suporte ao seu dia a dia e recolhendo a informação que o cidadão está constantemente a disponibilizar. Naturalmente, tal só será possível, com a multiplicidade de organizações com que o cidadão interage no seu dia a dia, a convergirem no mesmo sistema de CzRM e contribuindo para a sua riqueza e beneficiando da mesma. O registo único do cidadão. Como já foi referido, independentemente do número de parceiros envolvidos na Cidade ou Região Digital, o cidadão é único e corresponde a uma única entidade no sistema de CzRM. Mas será que é necessário que exista uma abordagem unificada, por parte de todos os parceiros da Cidade ou Região Digital? Não necessariamente. Esta abordagem é, inclusivamente, condicionadora da acção dos parceiros e não compra o seu envolvimento e empenho. Assim, sobre o mesmo registo informático pode existir uma enorme diversidade de aspectos particulares a cada parceiro. Desde logo, diferentes estratégias de comunicação, que podem apelar à memorização da identificação do cidadão, ou pelo contrário, fazer com que passe despercebida. Os suportes tecnológicos são também muito diversos, podendo existir, ou não, fisicamente, assumir diferentes materiais e implicar, ou não, contacto. Em termos de segurança na identificação, existem também muitas opções, numéricas, alfanuméricas, com níveis de acesso básico e níveis de acesso seguro. Deste modo, nada obsta a que cada parceiro utilize as opções que mais se adequam à sua actividade, à sua relação com o cidadão, ao seu nível de sofisticação, às suas qualificações e estruturas físicas e exigências de ordem jurídica a que estejam obrigados. Por conseguinte, não é necessário que exista um único cartão do cidadão 129

6 Conferência IADIS Ibero-Americana WWW/Internet 2003 que seja utilizado por todos os parceiros da Cidade ou Região Digital. É verosímil pensar numa multiplicidade de cartões de identificação. Sem prejuízo, o registo informático que identifica cada cidadão, terá sempre de ser único a transversal a todos os parceiros. Simplicidade dos dados. O grande repositório de dados que, alimenta o sistema de CzRM, não carece de recolhas de dados exaustivas e complexas. Na verdade, solicitar ao cidadão muita informação é o meio mais rápido para não conseguir informação alguma. Nenhum cidadão gosta de fornecer muita informação pessoal. Por outro lado, as interacções tornar-se-iam demoradas e pouco atractivas que acompanhadas pela solicitação de muita informação. Assim, os dados básicos da identificação, morada e contacto, recolhidos na primeira interacção, na maioria dos casos, serão suficientes. A riqueza do repositório de dados será conseguida, não por via da inquirição exaustiva mas, por via da quantidade de interacções que o cidadão vier a fazer com o sistema. Para além deste aspecto, o princípio básico da protecção dos dados pessoais, está consagrado no artigo 35º da Constituição da República Portuguesa, reforçada pela Lei nº 67/98 de 26 de Outubro, conhecida como a Lei de Protecção de Dados Pessoais. Este diploma estabelece as regras que devem ser cumpridas no processo de legalização de bases de dados que incluam dados pessoais, bem como os direitos que assistem aos cidadãos no tratamento da informação relativa à sua pessoa. Dados referentes a convicções políticas ou filosóficas, filiação partidária ou sindical, fé religiosa, vida privada ou origem racial ou étnica, bem como os dados relativos à saúde e à vida sexual são, em princípio, de tratamento proibido. Os registos de informação relativa a pessoas suspeitas de actividades ilícitas, infracções penais, contraordenações e decisões judiciais, de crédito ou solvabilidade, só podem ser mantidos por serviços públicos com competência específica, pelo que não são adequados para circular no sistema de uma Cidade ou Região Digital. Em contrapartida, a imagem da Cidade ou Região Digital, e da sua finalidade conhecida pelo cidadão, facilitam o cruzamento dos dados pessoais simples, essenciais para a estratégia de CzRM. 3. CZRM OPERACIONAL, ANALÍTICO E COLABORATIVO. Na estratégia de CzRM podem ser identificadas três grandes componentes distintas. As componentes operacional, analítica e colaborativa. A importância relativa destas três componentes marca mais uma grande diferença entre o CRM e o CzRM nas Cidades e Regiões Digitais. De seguida, efectua-se uma análise sucinta a cada uma das componentes. A componente operacional surgiu fruto da evolução dos sistemas de gestão da força de vendas, por isso, preocupa-se com a informação no ponto de contacto. Assenta na utilização intensiva de tecnologias de informação e comunicação, para efectuar a gestão dos centros de contacto, dos próprios contactos, dos níveis de serviço no atendimento, da recolha e disponibilização dos dados, actuando a um nível táctico. Quando ligamos para um centro de contacto e imediatamente somos tratados pelo nosso nome, quando não temos que repetir tudo o que ocorreu em contactos anteriores e quando somos tratados por alguém que aparentemente já nos conhece, embora nunca tenha falado connosco, isto só é possível porque existe o CRM operacional. A componente colaborativa destina-se a automatizar e integrar a informação de todos os pontos de contacto do cidadão, disseminando a informação para a componente operacional. Desta forma, a informação gerada é partilhada por cada ponto de contacto, evitando que existam disparidades de informação entre os diversos canais. Isto é, permite que a informação que encontramos no portal, no centro de contacto, ou presencialmente seja a mesma, evitando a fragmentação da relação nos diferentes pontos de contacto, por insuficiência ou desactualização da informação. A componente analítica é responsável pela concepção do repositório de dados, pelo trabalho sobre estes dados, pela sua transformação em informação e pela publicação desta. Permite efectuar segmentações da população, identificar perfis, comportamentos, características ou tendências. Como tal, a componente analítica é bastante menos automatizada, relativamente às anteriores. Embora existam sofisticadas ferramentas de análise e previsão, com modelos comportamentais embebidos, esta componente não dispensa a existência de recursos humanos muito qualificados, com competências para gerir a informação e que conheçam bem a sua área de actuação, de modo a auxiliarem os decisores a utilizar a informação gerada no suporte à tomada de decisões. 130

7 A GESTÃO DO RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO EM CIDADES E REGIÕES DIGITAIS Por tudo quanto já foi dito, relativamente às Cidade e Regiões Digitais, é fácil perceber que as componentes operacional e colaborativa, não podem desempenhar no CzRM, as funções que normalmente desempenham no CRM. Será impossível integrar operacionalmente, como se de uma empresa se tratasse, um sistema de CzRM de uma Cidade ou Região Digital, tamanha diversidade de parceiros, públicos e privados. Note-se que falamos de diferentes actividades, diferentes relações com o cidadão, diferentes níveis de sofisticação, diferentes exigências de ordem jurídica e diferentes estruturas tecnológicas. Como tal, não é uma tarefa comparável a concepção de um sistema operacional de CRM para um banco, por exemplo, que se limita a integrar as agências, o portal e o centro de contacto, trabalhando todos sobre o mesmo sistema de informação. Não obstante, defende-se que este é o caminho. Não excluir qualquer parceiro que se relacione com o cidadão e gere interacções, mesmo que isso inviabilize um sistema de CzRM robusto e integrado. A recompensa virá por via do aumento de valor que a componente analítica será capaz de gerar, pela quantidade e diversidade. Ou seja, entende-se que o grau de sofisticação e integração dos pontos de contacto, não pode constituir um factor de exclusão, funcionando com um gargalo de garrafa, para o repositório de dados. A componente analítica emerge assim, como uma importância relativa para o CzRM muito superior à verificada para o CRM. Com as restantes componentes acontece precisamente o contrário. Mas as diferenças entre o CRM e o CzRM não terminam aqui. Há pelo menos mais uma que reside na própria diferença entre o cliente e o cidadão. Na verdade, o cidadão tem inerentes enormes responsabilidades sociais, por parte das instituições que o rodeiam, particularmente, por parte das instituições públicas, que têm o dever de se preocupar com o conhecimento que detêm sobre os seus cidadãos. Pois bem, para conhecer e ir de encontro ao quotidiano dos cidadãos, é necessário perceber que este quotidiano acontece no espaço físico, no território, pelo que, o território representa a dimensão fundamental na produção e aplicação do conhecimento [Lagendijk, 2001]. Reforça-se que, por muito global que seja a abrangência das tecnologias de informação e comunicação, e da Internet em particular, os cidadãos realizam a maior parte das suas interacções, num círculo espacial muito restrito, como demonstram vários estudos ao evidenciar que as pessoas vão continuar a gastar o seu rendimento onde vivem. Assim, o quotidiano dos cidadãos permanece local. E para o provar, continua a decrescer, acentuadamente, o rácio de páginas em inglês, na Internet [Ishida, Ishiguro e Nakanishi, 2002]. Por conseguinte, o espaço físico continua a ser o mais importante. O território, a sua identidade e as suas centralidades ganham um novo impulso com as Cidades e Regiões Digitais. O CzRM, sobretudo na sua componente analítica, é uma ferramenta fundamental que, integrada com os sistemas de informação geográfica (SIG) [Xavier, Gouveia e Gouveia, 2002], irá produzir conhecimento sobre o território e os seus cidadãos como nunca existiu, e criando oportunidades de novos usos e aplicações. 4. CONCLUSÃO No âmbito das Cidades e Regiões Digitais, a relação com o cidadão e a gestão da informação resultante parece constituir um potencial útil para cidadão e para a entidade gestora. Para o cidadão, possibilita o conhecimento e obtenção de dados próprios sobre hábitos e padrões que ele próprio desconhece e que permitem, de forma integrada, o potenciar da integração da informação quer transaccional, quer georeferenciada. Tal, torna necessário repensar o papel do cliente no acesso à informação gerado por um sistema CRM. Para a entidade gestora, quer seja o governo local, quer o governo central, abre um manancial de possibilidades quer como ferramenta de gestão e planeamento, quer como observador e registo de actividade econômica, social e cultural da nossa sociedade. É precisamente, por este último ponto, que importa considerar os limites que tem de ser estabelecidos para assegurar direitos, liberdades e garantias do cidadão e estabelecer igualmente restrições ao controlo e uso de informação. Importa igualmente, considerar o potencial que existe, resultado da existência de informação actualizada sobre hábitos e práticas do cidadão, trazendo a possibilidade de efectuar um planeamento e gestão de capacidades de sistemas e equipamento, bem mais próxima e real com o exigível por uma Cidade ou Região no momento. De todo o modo, o CRM parece estar a tornar-se como um elemento válido para o suporte do dia a dia do cidadão e da sua relação com o mu ndo, servindo o CRM operacional para a sua própria gestão da informação e, no caso das entidades gestoras, de que o governo local, através das cidades e regiões digitais se candidata, 131

8 Conferência IADIS Ibero-Americana WWW/Internet 2003 utiliza o CRM analítico como forma de planear e supervisionar a actividade da sociedade civil e, desta forma, responder a desafios de desenvolvimento e melhoria de qualidade de vida do cidadão. REFERÊNCIAS Em Fischer, M.M. e Frohlich, J.: Knowledge, Complexity and Innovation Systems (Advances in Sp atial Science), Springer - Setembro, Greenberg, Paul: CRM at the speed of light, Ed. McGrawHill, Gumpert, G. & Drucker, S. "Privacy, Predictability or Serendipity and Digital Cities," with Gary Gumpert, In Digital Cities, Springer-Verlag Ishida, T., Ishiguro, H. e Nakanishi, H.: Connecting Digital and Physical Cities 2002, em Digital Cities II - Computational and Sociological Approaches, Springer, Kryssanov, Victor; Okabe, Masayuki; Kakusho Koh e Minoh. Michihiko Comunication of Social Agents and the Digital City A Semiotic Perspective. Center for Information and Multimedia Studies, Kyoto University, Japan McKenzie, Roy: The relationship-based enterprise, ed. McGraw-Hill Schuler, Doug: Digital Cities and Digital Citizens, Evergreen State College, Palo Alto, Toru Ishida - Department of Social Informatics, Kyoto University, em T. Ishida and K. Isbister Eds. Digital Cities: Experiences, Technologies and Future Perspectives, Lecture Notes in Computer Science, Vol. 1765, Springer-Verlag, Xavier, Jorge e Gouveia, Luis e Borges Gouveia, Joaquim. (2002). Reflexão sobre o uso de sistemas CRM e SIG para suporte ao conceito de cidade digital. 3ª Conferência da Associação Portuguesa de Sistemas de Informação Novembro, Universidade de Coimbra. Coimbra, Portugal. 132

CRM. Serviços. Bilhetica. Aplicações. Cartão do Cidadão

CRM. Serviços. Bilhetica. Aplicações. Cartão do Cidadão Serviços CRM Cartão do Cidadão Bilhetica plicações 1 O cartão do cidadão - Para uma Cidade Digital que pretende ter o cidadão no seu umbigo, é importante que exista um número único de identificação do

Leia mais

O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território

O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território Conferência Ibero-Americana WWW/Internet 2004 7/8 Outubro, Madrid, Espanha O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território Jorge Xavier Aluno de Mestrado DEGEI UA Campus Universitário de Santiago.

Leia mais

Conceito de cidade digital

Conceito de cidade digital Reflexão sobre o uso de sistemas CRM e SIG para suporte ao conceito de cidade digital Jorge Xavier, Luis Borges Gouveia, Joaquim Borges Gouveia Energaia, Universidade Fernando Pessoa, Universidade de Aveiro

Leia mais

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização

Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização Empresas Responsáveis Questionário de Sensibilização 1. Introdução O presente questionário ajudá-lo-á a reflectir sobre os esforços desenvolvidos pela sua empresa no domínio da responsabilidade empresarial,

Leia mais

Gaia Global conceitos e diferenciação

Gaia Global conceitos e diferenciação Gaia Global conceitos e diferenciação Luís Borges Gouveia 14 de Maio de 2003 Conceito de cidade digital uma cidade que esteja a ser transformada ou reordenada com recurso à tecnologia e ao digital uma

Leia mais

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência.

KIT CICLO PEDAGÓGICO ESTUDO DO MEIO. Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência. KIT_PEDA_EST_MEIO_5:FERIAS_5_6 09/12/28 15:07 Page 1 1. o CICLO KIT PEDAGÓGICO Pedro Reis ESTUDO DO MEIO 5 Propostas para planeamento, exploração e avaliação de visitas a museus e centros de ciência ISBN

Leia mais

Como construir uma DLA?

Como construir uma DLA? Como construir uma DLA? Conteúdo Como construir uma DLA?... 2 Introdução... 2 Metodologia DLA... 3 1.Preparação da DLA... 3 2.Planeamento da DLA... 6 2.1. Avaliação do estado actual... 6 2.3. Desenvolvimento

Leia mais

Planeamento Geral do Governo Electrónico da Região Administrativa Especial de Macau 2015 2019

Planeamento Geral do Governo Electrónico da Região Administrativa Especial de Macau 2015 2019 Planeamento Geral do Governo Electrónico da Região Administrativa Especial de Macau 2015 2019 Direcção dos Serviços de Administração e Função Pública Outubro de 2015 1 Índice 1. Introdução... 4 2. Objectivos,

Leia mais

ZADEK, Simon (2001), The Civil Corporation: the New Economy of Corporate Citizenship

ZADEK, Simon (2001), The Civil Corporation: the New Economy of Corporate Citizenship ZADEK, Simon (2001), The Civil Corporation: the New Economy of Corporate Citizenship Mariana Leite Braga Investigadora Estudante de mestrado no ISCTE Grau Académico: Licenciatura em Sociologia Conceitos-chave:

Leia mais

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE

Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio. João Pequito. Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio João Pequito Director Geral da PSE Soluções de análise preditiva para optimizar os processos de negócio Qualquer instituição tem hoje

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007 Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 2/2007 O Aviso do Banco de Portugal nº 11/2005, de 13 de Julho, procedeu à alteração e sistematização dos requisitos necessários à abertura de contas de depósito bancário,

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Indicadores de qualidade I Introdução Baseado em investigação anterior e na recolha de informação

Leia mais

Introdução ao projecto Gaia Global

Introdução ao projecto Gaia Global Introdução ao projecto Gaia Global Autarquia de Vila Nova de Gaia Luís BorgesGouveia A sociedade da informação A Sociedade da Informação é uma sociedade que predominantemente utiliza o recurso às tecnologias

Leia mais

Consulta Pública. Ex.mos Senhores,

Consulta Pública. Ex.mos Senhores, Consulta Pública Deliberação sobre os procedimentos exigíveis para a cessação de contratos, por iniciativa dos assinantes, relativos à oferta de redes públicas ou serviços de comunicações electrónicas

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Manual de Políticas da CERCI Elaborado por/data Departamento de Gestão da Qualidade/Março 2013 Aprovado por/data Direção/18.03.2013 Revisto por/data Índice 1. Política e Objetivos

Leia mais

E- Marketing - Estratégia e Plano

E- Marketing - Estratégia e Plano E- Marketing - Estratégia e Plano dossier 2 http://negocios.maiadigital.pt Indíce 1 E-MARKETING ESTRATÉGIA E PLANO 2 VANTAGENS DE UM PLANO DE MARKETING 3 FASES DO PLANO DE E-MARKETING 4 ESTRATÉGIAS DE

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica

Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica Florin Zamfir 1, Fernando Delgado 2 e Óscar Mealha 1 1 Universidade de Aveiro Departamento de Comunicação e

Leia mais

PROJECTO DE PORTARIA QUE REGULAMENTA O DECRETO-LEI N.º 134/2009, DE 2 DE JUNHO. Portaria n.º /09,

PROJECTO DE PORTARIA QUE REGULAMENTA O DECRETO-LEI N.º 134/2009, DE 2 DE JUNHO. Portaria n.º /09, PROJECTO DE PORTARIA QUE REGULAMENTA O DECRETO-LEI N.º 134/2009, DE 2 DE JUNHO Portaria n.º /09, de O Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho, estabeleceu o regime jurídico aplicável à prestação de serviços

Leia mais

RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO

RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO Nota de Abertura Em 2007/2008 teve lugar a 2.ª edição do Concurso Nacional

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

X CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. 1.ª Sessão Supervisão do sistema financeiro

X CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. 1.ª Sessão Supervisão do sistema financeiro X CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS 1.ª Sessão Supervisão do sistema financeiro Permitam-me uma primeira palavra para agradecer à Ordem dos Revisores Oficiais de Contas pelo amável convite que

Leia mais

CONFERÊNCIA PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL

CONFERÊNCIA PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL Parceiros Estratégicos: Hospital Particular do Algarve CONFERÊNCIA TURISMO 2020 PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL Turismo e Fundos Comunitários. Que futuro? O caso do Algarve

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

Eficiência e qualidade: mitos e contradições

Eficiência e qualidade: mitos e contradições 1 Eficiência e qualidade: mitos e contradições Colóquio-debate Eficiência e Justiça em Cuidados de Saúde Academia das Ciências, Lisboa, 25 de Maio de 1999 Pedro Pita Barros * 1. Introdução O tema de discussão

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

Presidente do Instituto Politécnico da Guarda

Presidente do Instituto Politécnico da Guarda Pós-Graduações A formação ao longo da vida é hoje uma necessidade indiscutível que constitui uma oportunidade a não perder por parte da instituição. A aposta nas pós-graduações deve ser incrementada, e

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO PRODERAM 2020

PLANO DE COMUNICAÇÃO PRODERAM 2020 PLANO DE COMUNICAÇÃO DO PRODERAM 2020 Aprovado na 1.ª Reunião do Comité de Acompanhamento do PRODERAM 2020, de 3 de dezembro de 2015 ÍNDICE I. II. III. IV. V. VI. VII. INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS... 5 GRUPOS-ALVO...

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29.º

GRUPO DE TRABALHO DE PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29.º GRUPO DE TRABALHO DE PROTECÇÃO DE DADOS DO ARTIGO 29.º 00327/11/PT WP 180 Parecer 9/2011 sobre a proposta revista da indústria relativa a um quadro para as avaliações do impacto das aplicações RFID na

Leia mais

Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologias Departamento de Engenharia Informática. Delta Cafés. Análise do Negócio

Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologias Departamento de Engenharia Informática. Delta Cafés. Análise do Negócio Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologias Departamento de Engenharia Informática Delta Cafés Análise do Negócio Análise de Negócio realizada para a Disciplina de Planeamento Estratégico

Leia mais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais PESTANA, Nuno Nóbrega (2003), Cadernos de Emprego e Relações de Trabalho n.º 1, MSST/DGERT, Lisboa, pp. 321. Susana Graça 1 A obra

Leia mais

PROTECÇÃO DE DADOS UM DIREITO FUNDAMENTAL Evolução na Europa Linhas Directrizes da OCDE(1973);

PROTECÇÃO DE DADOS UM DIREITO FUNDAMENTAL Evolução na Europa Linhas Directrizes da OCDE(1973); SAÚDE E PROTECÇÃO DE DADOS 19/1/2010 Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge PROTECÇÃO DE DADOS UM DIREITO FUNDAMENTAL Evolução na Europa Linhas Directrizes da OCDE(1973); Convenção 108 do Conselho

Leia mais

Projecto de Lei n.º 54/X

Projecto de Lei n.º 54/X Projecto de Lei n.º 54/X Regula a organização de atribuição de graus académicos no Ensino Superior, em conformidade com o Processo de Bolonha, incluindo o Sistema Europeu de Créditos. Exposição de motivos

Leia mais

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Estudo da Sustentabilidade das Empresas Recém Criadas Produção apoiada pelo Programa Operacional de Emprego, Formação e Desenvolvimento Social (POEFDS), co-financiado pelo Estado

Leia mais

BONA PRATICA Nº 9: CURSO DE EMPREENDEDORISMO DE BASE TECNOLÓGICA UNIVERSIDAD DE COIMBRA

BONA PRATICA Nº 9: CURSO DE EMPREENDEDORISMO DE BASE TECNOLÓGICA UNIVERSIDAD DE COIMBRA BONA PRATICA Nº 9: CURSO DE EMPREENDEDORISMO DE BASE TECNOLÓGICA UNIVERSIDAD DE COIMBRA ANTECEDENTES Enquadramento A promoção de um Curso de Empreendedorismo de Base Tecnológica com o envolvimento de todas

Leia mais

Implantação de CRM (Customer Relationship Management) em esfera governamental: um estudo de caso na Prefeitura Municipal de Curitiba

Implantação de CRM (Customer Relationship Management) em esfera governamental: um estudo de caso na Prefeitura Municipal de Curitiba Implantação de CRM (Customer Relationship Management) em esfera governamental: um estudo de caso na Prefeitura Municipal de Curitiba Anna Carolina Lima de Oliveira (OPET) Joseli Inês Piekarski (OPET) Mateus

Leia mais

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações In partnership: 1 OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS! Adquirir as 11 competências do coach de acordo com o referencial da ICF! Beneficiar

Leia mais

08/09. Relatório Síntese & Contas. Centro de Actividades Ocupacionais de São Vicente

08/09. Relatório Síntese & Contas. Centro de Actividades Ocupacionais de São Vicente 08/09 Relatório Síntese & Contas Centro de Actividades Ocupacionais de São Vicente Apresentação Medidas e estratégias adoptadas para a angariação de fundos Medidas gerais adoptadas para contenção de despesas

Leia mais

Envie-nos os seus trabalhos jornalísticos sobre o sector rodoviário, publicados em 2011. Participe entre 1 de Novembro de 2011 e 31 de Janeiro de

Envie-nos os seus trabalhos jornalísticos sobre o sector rodoviário, publicados em 2011. Participe entre 1 de Novembro de 2011 e 31 de Janeiro de Envie-nos os seus trabalhos jornalísticos sobre o sector rodoviário, publicados em 2011. Participe entre 1 de Novembro de 2011 e 31 de Janeiro de 2012. ENQUADRAMENTO 2ºs PRÉMIOS DE JORNALISMO CEPSA ESTRADAS

Leia mais

Notas explicativas Regras de facturação do IVA

Notas explicativas Regras de facturação do IVA Notas explicativas Regras de facturação do IVA (Directiva 2010/45/UE do Conselho) Porquê notas explicativas? O objectivo das notas explicativas é permitir uma melhor compreensão da legislação adoptada

Leia mais

Criar um mercado sustentável de colectores solares com garantia de qualidade para o aquecimento de água em Portugal

Criar um mercado sustentável de colectores solares com garantia de qualidade para o aquecimento de água em Portugal 1 Criar um mercado sustentável de colectores solares com garantia de qualidade para o aquecimento de água em Portugal A par dos objectivos quantitativos de expansão do mercado, a Iniciativa Pública "Água

Leia mais

Conferência Regional sobre a Apatrídia na África Ocidental. Nota Conceitual

Conferência Regional sobre a Apatrídia na África Ocidental. Nota Conceitual Conferência Regional sobre a Apatrídia na África Ocidental Nota Conceitual 1. Introdução A apátrida não e um fenómeno recente. Ele é tão antigo quanto o conceito de nacionalidade. A apatrídia constitui

Leia mais

Seminário Energia e Cidadania 23 de Abril de 2009 Auditório CIUL

Seminário Energia e Cidadania 23 de Abril de 2009 Auditório CIUL Seminário Energia e Cidadania 23 de Abril de 2009 Auditório CIUL Começo por agradecer a todos terem vindo a este seminário. Em especial à Senhora Secretária de Estado que muito nos honra com a sua presença

Leia mais

SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES

SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES SEMINÁRIO OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES PARA AS EMPRESAS INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS OPORTUNIDADES E SOLUÇÕES Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 20 de Abril de 2006 A inovação

Leia mais

Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação

Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação 2011-2015 Maputo, Janeiro de 2011 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO......... 3 1.1 Contextualização............ 3 1.2 Justificativa (Porquê

Leia mais

Manual de Procedimentos POSI-E3

Manual de Procedimentos POSI-E3 Manual de Procedimentos POSI-E3 13 de Abril de 2012 1 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. COORDENAÇÃO GERAL 5 3. DOCENTES E DISCIPLINAS 7 3.1 INFORMAÇÃO AOS ALUNOS 7 3.2 RELAÇÕES ALUNOS / DOCENTES 8 4.1 ÁREA PEDAGÓGICA

Leia mais

Jornadas da AP Local, Algébrica Braga, 7 de Outubro

Jornadas da AP Local, Algébrica Braga, 7 de Outubro Jornadas da AP Local, Algébrica Braga, 7 de Outubro Serviços Municipais Online: Uma Perspectiva de Integração Luís Manuel Borges Gouveia, Responsável pela Inovação e Aplicações no projecto Gaia Global

Leia mais

Sistemas de Informação para a Sociedade da Informação e do Conhecimento. Luís Manuel Borges Gouveia lmbg@ufp.pt

Sistemas de Informação para a Sociedade da Informação e do Conhecimento. Luís Manuel Borges Gouveia lmbg@ufp.pt Sistemas de Informação para a Sociedade da Informação e do Conhecimento Luís Manuel Borges Gouveia lmbg@ufp.pt Versão 4.6-2º semestre 2003/04 1996-2004 LMBG, Universidade Fernando Pessoa baseado nos acetatos

Leia mais

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA PLANO CURRICULAR A análise referente ao Programa de Ensino e, em particular ao conteúdo do actual Plano de Estudos (ponto 3.3. do Relatório), merece-nos os seguintes comentários:

Leia mais

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A.

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A. 1 Reunir várias entidades do sector óptico nacional e discutir o futuro do sector bem como os temas cruciais para os empresários e intervenientes da área foram os objectivos do evento Visão de Futuro 2010,

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Índice Apresentação... 3 Principais Objectivos do Código... 3 Finalidade do Código de Ética... 4 Âmbito de Aplicação... 4 Serviço Público... 4 Missão... 5 Visão... 5 Responsabilidade

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 468/XI/2ª CRIA A REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS

PROJECTO DE LEI N.º 468/XI/2ª CRIA A REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 468/XI/2ª CRIA A REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS Exposição de motivos A importância das Bibliotecas Públicas As Bibliotecas Públicas são um serviço público essencial

Leia mais

Discurso do IGT na conferência da EDP

Discurso do IGT na conferência da EDP Discurso do IGT na conferência da EDP 1. A Segurança e Saúde no Trabalho é, hoje, uma matéria fundamental no desenvolvimento duma política de prevenção de riscos profissionais, favorecendo o aumento da

Leia mais

Plano Nacional de Saúde e as. Estratégias Locais de Saúde

Plano Nacional de Saúde e as. Estratégias Locais de Saúde Plano Nacional de Saúde e as Estratégias Locais de Saúde (versão resumida) Autores Constantino Sakellarides Celeste Gonçalves Ana Isabel Santos Escola Nacional de Saúde Pública/ UNL Lisboa, Agosto de 2010

Leia mais

A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011

A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011 A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011 O presente documento tem por objectivo dar um contributo

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Uma nova política para a sociedade da informação

UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Uma nova política para a sociedade da informação UNESCO Brasilia Office Representação da UNESCO no Brasil Uma nova política para a sociedade da informação Diogo Vasconcelos Gestor da Unidade de Missão Inovação e Conhecimento Brasília 2003 Artigo publicado

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Como realizar inovação na sua empresa?

Como realizar inovação na sua empresa? Como realizar inovação na sua empresa? Após ter conhecido no Notícias Airo anterior, alguns princípios base, definições, os tipos de inovação e a metodologia para a inovação vou procurar dar os conselhos

Leia mais

Há cada vez mais empresas cidadãs

Há cada vez mais empresas cidadãs + Faça do VER a sua homepage ENTREVISTA Há cada vez mais empresas cidadãs As empresas que lideram no seu mercado são as que apresentam melhores práticas de governação. Foi com base neste pressuposto que

Leia mais

A Literacia Mediática Aplicada às Artes

A Literacia Mediática Aplicada às Artes A Literacia Mediática Aplicada às Artes Ivan Gouveia Mestrado em Ensino Universidade Évora Resumo: A questão da promoção da literacia, mais recentemente da literacia mediática, tem-se constituído como

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 MARÇO DE 2011 Este documento apresenta os objectivos estratégicos e as acções programáticas consideradas prioritárias para o desenvolvimento da ESE no ano 2011. O Plano de Actividades

Leia mais

DIRECTIVA 2002/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2002/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO L 85/40 DIRECTIVA 2002/30/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Março de 2002 relativa ao estabelecimento de regras e procedimentos para a introdução de restrições de operação relacionadascom

Leia mais

financeiras que actuam em diferentes áreas de negócio, bem como por empresas instrumentais para o funcionamento e apoio à actividade do Grupo.

financeiras que actuam em diferentes áreas de negócio, bem como por empresas instrumentais para o funcionamento e apoio à actividade do Grupo. Código de Conduta Preâmbulo O Crédito Agrícola Mútuo é uma das instituições mais antigas da sociedade portuguesa, com génese nos Celeiros Comuns e nas Misericórdias. Ao longo da sua história, o Crédito

Leia mais

Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact

Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact Descentralização da rede de call centres Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact Francisco Cesário PT Contact A PT CONTACT A PT Contact, Empresa do grupo Portugal Telecom,

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

Programa Avançado de Gestão

Programa Avançado de Gestão PÓS GRADUAÇÃO Programa Avançado de Gestão Com o apoio de: Em parceria com: Nova School of Business and Economics Com o apoio de: PÓS GRADUAÇÃO Programa Avançado de Gestão A economia Angolana enfrenta hoje

Leia mais

Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento de discussão)

Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento de discussão) COMISSÃO EUROPEIA DG Mercado Interno INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Seguros MARKT/2517/02 PT Orig. EN Sistemas de garantia para os seguros: ponto de situação e orientação para os trabalhos no futuro (Documento

Leia mais

URBAN II Em apoio do comércio e do turismo

URBAN II Em apoio do comércio e do turismo [Página 1 capa] Utilizar da melhor forma os fundos estruturais URBAN II Em apoio do comércio e do turismo O que é e sugestões para candidaturas a projectos bem sucedidas Com esta publicação, a DG Empresa

Leia mais

VISÃO 20/20 DECLARAÇÃO DE MISSÃO. Um mundo onde todos os cidadãos beneficiam dos seus recursos naturais, hoje e amanhã.

VISÃO 20/20 DECLARAÇÃO DE MISSÃO. Um mundo onde todos os cidadãos beneficiam dos seus recursos naturais, hoje e amanhã. EXTRAIR A VERDADE VISÃO 20/20 Um mundo onde todos os cidadãos beneficiam dos seus recursos naturais, hoje e amanhã. DECLARAÇÃO DE MISSÃO Publique O Que Paga (POQP) é uma rede global de organizações da

Leia mais

I Fórum Crédito e Educação Financeira

I Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012 Pedro Duarte Neves A Importância Estratégica da Formação Financeira 2 A LITERACIA FINANCEIRA É UM PILAR ESTRATÉGICO DA ACTUAÇÃO DO BANCO DE PORTUGAL O Banco de Portugal tem dedicado

Leia mais

5. NOTAS FINAIS. 5.1. Conclusões finais

5. NOTAS FINAIS. 5.1. Conclusões finais 5. NOTAS FINAIS 5.1. Conclusões finais Aqui chegados exige-se um balanço do trabalho efectuado. Esta análise centra-se, inevitavelmente, na hipótese formulada. Assim, verificou-se que a utilização de um

Leia mais

Conferência e-educação

Conferência e-educação Conferência e-educação Ideias chave No processo de aproximação das TIC ao sistema educativo, o mais difícil não é equipar a escola com PCs, mas sim a intrusão das TIC na prática educativa As TIC têm um

Leia mais

Revista Portuguesa de. irurgia. II Série N. 25 Junho 2013. Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia ISSN 1646-6918

Revista Portuguesa de. irurgia. II Série N. 25 Junho 2013. Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia ISSN 1646-6918 Revista Portuguesa de irurgia II Série N. 25 Junho 2013 ISSN 1646-6918 Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia Página da SPC Júlio Soares Leite Presidente da Sociedade Portuguesa de Cirurgia

Leia mais

PARECER N.º 40/CITE/2006

PARECER N.º 40/CITE/2006 PARECER N.º 40/CITE/2006 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 do artigo 51.º do Código do Trabalho e da alínea c) do n.º 1 do artigo 98.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Processo n.º 44 DG-E/2006

Leia mais

Escola Nacional de. Saúde Pública

Escola Nacional de. Saúde Pública Escola Nacional de Saúde Pública 6º CURSO DE MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA (2002/2004) MÓDULO DE INTRODUÇÃO À PROMOÇÃO E PROTECÇÃO DA SAÚDE CUIDADOS CONTINUADOS DE SAÚDE E APOIO SOCIAL - UMA REFLEXÃO - Elaborado

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS DIRECTRIZES DA APORMED AOS SEUS ASSOCIADOS SOBRE AS INTERACÇÕES COM OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE E O MERCADO DE PRODUTOS DE SAÚDE Documento aprovado na Assembleia-Geral

Leia mais

Projeto de Resolução n.º 1036/XII. Aprova a Declaração para a abertura e transparência parlamentar

Projeto de Resolução n.º 1036/XII. Aprova a Declaração para a abertura e transparência parlamentar Projeto de Resolução n.º 1036/XII Aprova a Declaração para a abertura e transparência parlamentar Em 29 de agosto de 2012, 76 organizações de cidadãos de 53 países envolvidas na observação, apoio e incentivo

Leia mais

as quais permitem desenvolver novos saberes e potenciar a sua utilização e difusão.

as quais permitem desenvolver novos saberes e potenciar a sua utilização e difusão. 2011- O contributo do QREN para a competitividade e a coesão da região centro Intervenção do senhor Reitor, Prof. Doutor Manuel Assunção Centro Cultural da Gafanha da Nazaré Rua Prior Guerra 14 de Dezembro

Leia mais

Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI

Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI Projecto GAPI 2.0 Universidade de Aveiro, 19 de Fevereiro de 2010 João M. Alves da Cunha Introdução Modelo de Interacções em cadeia Innovation

Leia mais

O Programa Enfermeiros de Família. (Página intencionalmente deixada em branco)

O Programa Enfermeiros de Família. (Página intencionalmente deixada em branco) (Página intencionalmente deixada em branco) 2 Conteúdo A Saúde Quem Somos... O programa Enfermeiros de Família... O Enfermeiro de Família Saúde... O desafio de carreira... Principais competências e responsabilidades...

Leia mais

Auditorias. Termos e definições. Termos e definições. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2006. Critérios da auditoria. Evidências da auditoria

Auditorias. Termos e definições. Termos e definições. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2006. Critérios da auditoria. Evidências da auditoria Auditorias Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2006 Termos e definições Auditoria Processo sistemático, independente e documentado para obter evidências de auditoria e respectiva avaliação objectiva

Leia mais

Rev.2015 REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO. Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS

Rev.2015 REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO. Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS Rev.2015 Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO Associação de Solidariedade Social de Crestuma Capítulo

Leia mais

Projectar o Algarve no Futuro

Projectar o Algarve no Futuro Projectar o Algarve no Futuro Os Novos Desafios do Algarve Região Digital paulo.bernardo@globalgarve.pt 25 Maio 2007 Auditório Portimão Arena Um mundo em profunda mudança O Mundo enfrenta hoje um processo

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

Auditorias 25-01-2013. ISO 19011 âmbito. Termos e definições. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2012/2013

Auditorias 25-01-2013. ISO 19011 âmbito. Termos e definições. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2012/2013 Auditorias Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2012/2013 ISO 19011 âmbito Linhas de orientação para auditoria a sistemas de gestão Princípios de auditoria Gestão de programas de auditoria Condução de

Leia mais

GIGrecibos. Sistema de Emissão de Recibos de Donativos. Para Igrejas. Produzido e distribuído por: VIBISinfor Rua Nova, 10 7490-250 MORA

GIGrecibos. Sistema de Emissão de Recibos de Donativos. Para Igrejas. Produzido e distribuído por: VIBISinfor Rua Nova, 10 7490-250 MORA wgig GIGrecibos Sistema de Emissão de Recibos de Donativos Para Igrejas Produzido e distribuído por: VIBISinfor Rua Nova, 10 7490-250 MORA tel: 266403273 www.vibis.com 1 Conteúdo wgig... 1 Avisos legais...

Leia mais

COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK. Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos

COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK. Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos CAF COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK ESTRUTURA COMUM DE AVALIAÇÃO Modelo de auto-avaliação para a melhoria da qualidade dos serviços públicos Agenda OModeloCAF o que é; para que serve; vantagens; como surgiu;

Leia mais

O CASO FINLANDÊS. Políticas de arquitectura na União Europeia. João Ferreira Bento

O CASO FINLANDÊS. Políticas de arquitectura na União Europeia. João Ferreira Bento Boletim da Ordem dos Arquitectos, Nº 147, Abril de 2005: p. 8. Políticas de arquitectura na União Europeia O CASO FINLANDÊS João Ferreira Bento O ambiente urbano que diariamente nos rodeia é propriedade

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL PROMOÇÃO DA SAÚDE E AMBIENTES FAVORÁVEIS À SAÚDE 3ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde Sundsvall, Suécia, 9 15 de Junho de 1991 Esta conferência sobre Promoção da

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 O presente relatório traduz a avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/Santa Cruz do

Leia mais

O aumento da força de vendas da empresa

O aumento da força de vendas da empresa PHC dcrm O aumento da força de vendas da empresa O enfoque total na actividade do cliente, através do acesso remoto à informação comercial, aumentando assim a capacidade de resposta aos potenciais negócios

Leia mais

A RELEVÂNCIA DAS COMPETÊNCIAS DE PRODUÇÃO, EDIÇÃO E DIVULGAÇÃO/VENDAS NUM SERVIÇO DE INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO: ESTUDO DE CASO

A RELEVÂNCIA DAS COMPETÊNCIAS DE PRODUÇÃO, EDIÇÃO E DIVULGAÇÃO/VENDAS NUM SERVIÇO DE INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO: ESTUDO DE CASO A RELEVÂNCIA DAS COMPETÊNCIAS DE PRODUÇÃO, EDIÇÃO E DIVULGAÇÃO/VENDAS NUM SERVIÇO DE INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO: ESTUDO DE CASO Júlia Maria Maia Costa, Açucena Olivença Cotrim, Cristina Cabaço da Mata,

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 13.12.2010 COM(2010) 731 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO E AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU Relatório de Actividades EURES 2006-2008,

Leia mais

AS REDES COMO UM MODELO DE DADOS GEOGRÁFICO EM EVOLUÇÃO: CASO PRÁTICO NUM SIG.

AS REDES COMO UM MODELO DE DADOS GEOGRÁFICO EM EVOLUÇÃO: CASO PRÁTICO NUM SIG. AS REDES COMO UM MODELO DE DADOS GEOGRÁFICO EM EVOLUÇÃO: CASO PRÁTICO NUM SIG. Carla Vaz Paulo 1 1. INTRODUÇÃO O rápido desenvolvimento urbano nas duas últimas décadas, desencadeou um elevado crescimento

Leia mais