CENTRO DE CONVENÇÕES DO HOSPITAL SÃO JULIÃO 22 E 23 DE OUTUBRO DE 2010 CAMPO GRANDE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO DE CONVENÇÕES DO HOSPITAL SÃO JULIÃO 22 E 23 DE OUTUBRO DE 2010 CAMPO GRANDE"

Transcrição

1 CENTRO DE CONVENÇÕES DO HOSPITAL SÃO JULIÃO 22 E 23 DE OUTUBRO DE 2010 CAMPO GRANDE

2 RISCO CIRÚRGICO AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Maria Augusta Santos Rahe Pereira -

3 DEFINIÇÃO DO PROBLEMA Objetivo de uma diretriz Metodologia e evidências Recomendações diretrizes baseadas em evidências quando aplicável, deverá ser utilizada a divisão em classes, e em graus de recomendações, segundo os níveis de evidências

4 AVALIAÇÃO GERAL Explorar a essência da anamnese Investigação da doença de base que indicou o procedimento Investigação minuciosa de antecedentes cirúrgicos Medicamentos em uso Saber do cirurgião da urgência e do risco do procedimento Grau de ansiedade e dúvidas do paciente e seus familiares em relação ao procedimento e seus riscos

5 EXAME FÍSICO Não se limitar ao sistema CARDIOVASCULAR Identificar fatores de risco e cardiopatia pré-existente ou potencial Doenças neurológicas Anormalidades hepáticas Desnutrição Disfunção renal Disfunção pulmonar Avaliação clínica odontológico Doença vascular periférica, edema, varizes Sopros cardíacos, orgânicos ou funcionais

6 CO-MORBIDADES TIREÓIDE Hipotireoidismo 5/1000 Manifestações clínicas no perioperatório Recomendações para cirurgia de urgência em pacientes com hipotireoidismo grave Hipertireoidismo 0.2 a 1% Manifestações clínicas no perioperatório Recomendações para procedimentos cirúrgicos de urgência Medicamentos e intubação difícil

7

8 CO-MORBIDADES INSUFICIÊNCIA RENAL Creatinina pré op > 2mg/dl Mortalidade 2x mais elevada do que em pacientes com função renal nl Pacientes em programa de terapia substitutiva renal Pacientes TX- ajuste da imunossupressão IRA no pós op 1 a 30% dos casos (evitar diuréticos e aminas vasoativas) Pacientes com perda de massa muscular creatinina é um marcador pouco sensível

9 CO-MORBIDADES DOENÇAS HEMATOLÓGICAS Anemia riscos e benefícios de transfusão Analisar as condições associadas. 1u de CH aumenta a taxa de HB em 1g/dl e o HT em 3% DPOC ICO Isquemia cerebral Anemia aguda Plaquetopenia = ou > mm3 boa tolerância

10 CO-MORBIDADES DOENÇAS HEMATOLÓGICAS Anemia falciforme Síndrome antifosfolípide primária (manter ac no pós op) Trombofilia hereditária (profilaxia ac no periop) Hemofilias A - deficiência de fator VIII B - deficiência de fator IX. Doença de von Willebrand

11 CO-MORBIDADES INSUFICIÊNCIA ADRENAL Estresse metabólico do ato cirúrgico distúrbios clínicos e subclínicos que acometem o eixo hipotálamo-hipófise adrenal A recuperação anestésica e a extubação são os maiores determinantes da ativação do eixo Quadro clínico de insuficiência adrenal Hipotensão e choque hemodinâmico, taquic, hipotireoidismo,hipoglicemia, hiponatremia, hipercalemia, acidose, hipercalcemia

12 CO-MORBIDADES INSUFICIÊNCIA ADRENAL IC, náuseas, vômitos, fraqueza, hipotensão ortostática, desidratação, febre com culturas negativas, fadiga, perda de peso, vitiligo, alteração de pigmentação da pele, depressão sem distúrbio psiquiátrico específico. Pacientes de risco (tu hipofisário, radiot em região hipofisária, adrenalectomia, usuários crônicos de corticóide, doenças auto-imunes

13 CO-MORBIDADES OBESIDADE Gravidade da obesidade Scores de risco não contemplam a obesidade como fator de risco independente. Co-morbidades frequentes no obeso Intubação, acesso venoso, medida da PA, atelectasias no pós op, sensibilidade à opióides e sedativos, rabdomiólise, tvp... Recomendações para redução do risco: CPAP, fisioterapia respiratória, cessar o tabagismo 6 semanas antes, profilaxia para tvp

14 EXAMES SUBSIDIÁRIOS Tema polêmico em medicina evolução tecnológica Anamnese e exame físico continuam sendo instrumentos fundamentais Exs para confirmar diagnóstico, avaliar gravidade do problema e no auxílio do planejamento terapêutico.

15 EXAMES SUBSIDIÁRIOS Eletrocardiograma - pré e pós. Permite: identificar arritmias, defeitos de condução, isquemia, necrose miocárdica, sobrecargas cavitárias, distúrbios eletrolíticos,

16 ALGORITMOS DE AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Todos possuem pontos positivos e negativos Algoritmo recomendado pela Diretriz da SBC o do American College of Physicians (ACP). Vantagens e desvantagens A grande maioria de variáveis usadas, são bem associadas aos eventos cardíacos periop. Este algoritmo foi validado em estudo realizado no HC da FMUSP

17 ALGORITMO DA AVALIAÇÃO PRÉ OPERATÓRIA DO AMERICAN COLLEGE OF PHYSICIANS 1º. Passo : quantificar po pontos de acordo com as variáveis. 2º. Passo : definir se o paciente encontra-se no primeiro ou segundo cenário

18 1 PASSO: QUANTIFICAR OS PONTOS DE ACORDO COM AS VARIÁVEIS ABAIXO IAM<6m (10 pontos) ou AM>6m (5 pontos) Angina Classe III (10 pontos) ou Angina C/asse IV (20 pontos) EAP na última semana (10 pontos) ou EAP alguma vez na vida (5 pontos) Suspeita de Estenose aórtica crítica (20 pontos) Ritmo não sinusal ou RS c/ ESSV no ECG (5 pontos) ou >5 ESV no ECG (5 pontos) PO2<60, pc02>50, K<3, U>50, C>3,0 ou restrito ao leito (5 pontos) Idade> 70 anos (5 pontos) Cirurgia de emergência (10 pontos) Total de pontos: Classe I = 0 15 pontos Classe II = pontos Classe III = > 30 pontos

19 2º PASSO - 1 CENÁRIO (CLASSE I) Checar variáveis de risco Idade>70 anos História de angina Diabetes Ondas Q patológica no ECG História de infarto do miocárdio Alteração isquêmica do ST HAS com HVE severa História de Insuficiência Analisar as variáveis de risco 1ª Situação 0 a 1 Variável BAIXO RISCO (3% EC) OPERAR 2ª Situação 2 ou + variáveis RISCO INTERMEDlÁRIO (3 a 15% EC) OPERAR Cirurgia não vascular Cirurgia vascular OPERAR Negativo Realizar Teste não invasivo

20 2 PASSO - 2 CENÁRIO (CLASSE II E III) 2 Cenário (Classe II e III) (Alto risco> 15% de EC) DETERMINAR A NATUREZA DO RISCO Alto risco (15% de EC) Isquêmico Determinar elegibilidade para RM, baseada nas indicações da AHA ICC, arritmia, doença valvar Otimizar o tratamento e Refazer a avaliação do risco Fatores não modificáveis Considerar cancelamento, ou modificação da cirurgia não cardíaca

21 Eur. Heart J.

22

23

24

25 AVALIAÇÃO ESPECÍFICA PARA DOENÇA ATEROSCLERÓTICA CORONARIANA UMA CAUTELOSA ANAMNESE, ASSOCIADA À PROPEDÊUTICA DIRECIONADA AO APARELHO CIRCULATÓRIO E A EXS SUBSIDIÁRIOS BÁSICOS, COMO O ECG DE REPOUSO E RX DE TÓRAX, É MUITAS VEZES SUFICIENTE.

26 AVALIAÇÃO ESPECÍFICA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA HA ESTÁGIO 3- CONTROLAR A PA ANTES DA CIRURGIA HA LEVE OU MODERADA, SEM ALTERAÇÕES CA OU METABÓLICAS, NÃO HÁ BENEFÍCIO NO RETARDO DA CIRURGIA, EMBORA MUITOS AINDA A SUSPENDAM (VERIFICAR USO DE DROGAS, CONTROLE DA HIPOVOLEMIA (ANALISAR DISFUNÇÃO AUTONÔMICA)

27 HIPERTENSÃO ARTERIAL DROGAS NO PRÉ E INTRA INTRA OP BETABLOQUEADORES (ico) CLONIDINA (REDUZ A NECESSIDADE DE ANESTÉSICO ISOFLURANO) * SEMPRE MONITORIZAR VOLUME * SABE-SE QUE A HVE É UM FATOR DE RISCO INDEPENDENTE

28 INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA CONTROLE DA OFERTA DE VOLUME AG. ANESTÉSICOS COM MENOR EFEITO DEPRESSOR DO MIOCÁRDIO CAUTELA NO PÓS OP (IC GRAU III E IV) CTI INDICADO CATÉTER DE AP (INTRA E POS OP)

29 VALVOPATIAS PROFILAXIA DA ENDOCARDITE INFECCIOSA COMPLICAÇÕES NO INTRA E PÓS OP EAO GRAVE EM PACIENTES SINTOMÁTICOS (CIRURGIA VALVAR DEVE ANTECEDER CIRURGIA NÃO CARDÍACA) EM GRAVE (VALVOPLASTIA POR BALÃO) PROTESE VALVARES PROFILAXIA EI PRÓTESES MECÂNICAS REVER DIRETRIZES DA ANTICOAGULAÇÃO

30 ARRITMIAS CARDÍACAS E DISTÚRBIOS DE CONDUÇÃO ANAMNESE VOLTADA À SINTOMATOLOGIA RELACIOANADA AOS DISTÚRBIOS DO RITMO E A PRESENÇA DE DOENÇA CARDÍACA ESTRUTURAL ASSOCIADA WPW USO DE BETABLOQUEADORES BLOQUEIOS

31 MARCAPASSOS MP IMPLANTADO HÁ MENOS DE 60 DIAS MP PRÓXIMOS AO FIM DE VIDA USO DE BISTURI ELÉTRICO - SUBSTITUIR PELO ULTRASSÔNICO OU, SE NÃO FOR POSSÍVEL PELO BIPOLAR, OU AINDA O UNIPOLAR, COLOCANDO A PLACA LONGE DO MP. ATERRAR BEM O APARELHO IMÃ SOBRE O MP, SOMENTE NOS MOMENTOS DA APLICAÇÃO.

32 TRANSPLANTES NÃO HÁ UM PROTOCOLO ÚNICO DE AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA PESQUISAR CARDIOPATIA ISQUÊMICA NO RECEPTOR DE RIM E FÍGADO SE ICO, REVASCULARIZAÇÃO ANTECEDER O TX RECEPTORES DE TX DE FÍGADO, INVESTIGAR HP PREVIAMENTE AO PROCEDIMENTO REDISCUTIR O TX PERANTE GRAVE CO- MORBIDADE

33 CARDIOPATIA E GRAVIDEZ DIFICULDADE NA DIFERENCIAÇÃO DOS SINTOMAS EXAME MAIS SOLICITADOS: ECG, ECO E HOLTER CINTILOGRAFIA E CINECORONARIOGRAFIA CONTRA- INDICADAS RNM NÃO É CONTRA-INDICADA TRIMESTRES (1º., 2º. E 3º.) HEPARINA É O AC ELETIVO DURANTE A GESTAÇÃO, POIS NÃO ATRAVESSA A BARREIRA PLACENTÁRIA

34 PROCEDIMENTOS ODONTOLÓGICOS INFECÇÕES PERIODONTAIS E ENDODÔNTICAS CUIDAR O USO DE EPINEFRINA EM PACIENTES COM ARRITMIAS VENTRICULARES, EM PORTADORES DE MP E COM DESFIBRILADORES IMPLANTADOS, ALÉM DOS HIPERTENSOS E EM PACIENTES COM ANGINA INSTÁVEL E EAO GRAVE. USO DE ANTICOAGULANTES PORTADORES DE MP NÃO SOFREM ALTERA-ÇÕES COM O USO DE AP. ODONTOLÓGICOS PREVENÇÃO DA ENDOCARDITE INFECCIOSA PACIENTES COM FÍSTULA AV (RENAIS CRÔNICOS) PORTADORES DE STENT VASCULAR NOS PRIMEIROS 45 DIAS

35 CONTROLE GLICÊMICO HIPERGLICEMIA LEVA A DISFUNÇÃO ENDOTELIAL, AUMENTO DA TROBOGÊNESE, DIMINUI A SÍNTESE DE COLÁGENO... SUSPENDER DROGAS HIPOGLICEMIANTES, A DEPENDER DA MEIA-VIDA DA DROGA CONTROLE GLICÊMICO RIGOROSO DA GLICEMIA CAPILAR E USO DE INSULINA REGULAR SC OU EM BIC

36 CONSIDERAÇÕES ANESTÉSICAS E O INTRA OPERATÓRIO ESCOLHA DA TÉCNICA ANESTÉSICA RODGER E COL. META-ANÁLISE 9559 PAC- 141 ESTUDOS QUE A ANESTESIA REGIONAL REDUZIU A MORTALIDADE EM 30 DIAS EM 30%, a tvp em 44%, ep em 55%, a necessidade de transfusão em 50%, a pneumonia em 50%, a depressão respiratória em 59%, o iam em 33% e a falência renal em 43%.

37 ESCOLHA DA TÉCNICA ANESTÉSICA Meta-análise 17 estudos 11 randomizados, com 1173 pacientes, Beattie e col. Demonstraram que a utilização da analgesia peridural por mais de 24hs, está associada a redução significativa -p<0,05, de isquemia miocárdica pos operatório e tendência à redução de mortalidade p<0.09.

38 ESCOLHA DA TÉCNICA ANESTÉSICA ANESTESIA REGIONAL (ESTABILIDADE HEMODINÃMICA E ANALGESIA INTRA E PÓS OP) MUITO ÚTIL EM PACIENTES COM ALTO RISCO DE COMPLICAÇÕES RESPIRATÓRIAS QUANDO POSSÍVEL O BLOQUEIO DO NEURO EIXO DEVE SER PREFERÍVEL Á ANESTESIA GERAL

39 CATETERES CATETER DE ARTÉRIA PULMONAR PRESSÃO ARTERIAL INVASIVA USO DO VIGILEO BALÃO INTRA-AÓRTICO

40 RECOMENDAÇÕES PÓS OP UTI CONTROLES RIGOROSOS (TROPONINA, ECG, GLICEMIAS, PA ETC...) MONITORIZAÇÃO INVASIVA (SWAN-GANZ, VIGILEO, BIA) INSULINA EM BIC ECG ECO RX DE TÓRAX SEDAÇÃO E ANALGESIA VM...

41 DIRETRIZES SITE DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA (SBC) PROGRAMA DE CONSULTÓRIO DA SBC diretrizes

42 MUITO OBRIGADA!!!!

AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca. Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Sugestões: Sugestões:

AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca. Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Sugestões: Sugestões: AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Risco intrínseco da cirurgia: ( ) Baixo ( ) Intermediário ( ) Alto Risco cardiológico:

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC)

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) Categorias: - ICC aguda sem diagnóstico prévio - ICC crônica agudizada - ICC crônica refratária Apresentações clínicas: - Edema agudo de pulmão: rápido aumento da

Leia mais

ASSOCIAÇÃO MÉDICA DA PARAÍBA RISCO CIRÚRGICO. 9/7/2003 Dr. José Mário Espínola - AMPB 1

ASSOCIAÇÃO MÉDICA DA PARAÍBA RISCO CIRÚRGICO. 9/7/2003 Dr. José Mário Espínola - AMPB 1 ASSOCIAÇÃO MÉDICA DA PARAÍBA 1 I- CONCEITO: avaliação realizada por cardiologista, com fortes bases epidemiológicas, objetivando determinar classificação funcional do paciente, e risco de complicações

Leia mais

Comissão Examinadora do Título Superior em Anestesiologia

Comissão Examinadora do Título Superior em Anestesiologia Rua Professor Alfredo Gomes, 36 - Botafogo - Rio de Janeiro/RJ - CEP 22251-080 Tel: (21) 2537-8100 Fax: (21) 2537-8188 Portal: http://www.sba.com.br E-Mail: sba2000@openlink.com.br Departamento de Anestesiologia

Leia mais

XXII CONGRESSO NACIONAL DO DEPARTAMENTO DE ERGOMETRIA, EXERCÍCIO, REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR, CARDIOLOGIA NUCLEAR E CARDIOLOGIA DO ESPORTE.

XXII CONGRESSO NACIONAL DO DEPARTAMENTO DE ERGOMETRIA, EXERCÍCIO, REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR, CARDIOLOGIA NUCLEAR E CARDIOLOGIA DO ESPORTE. PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA QUINTA-FEIRA 29 DE OUTUBRO DE 2015 CREDENCIAMENTO 07:30H MENSAGEM DA COMISSÃO ORGANIZADORA CURSO INTERATIVO E CONJUGADO DE ERGOMETRIA E TESTE CARDIOPULMONAR DE EXERCÍCIO. CURSO INTERATIVO

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II

PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II III SIMPÓSIO DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA 30 de Outubro a 02 de Novembro de 2004 DAIANA CRISTINE BÜNDCHEN INSTITUTO DE CARDIOLOGIA DE CRUZ ALTA-CT SERVIÇO

Leia mais

Objetivo da participação:

Objetivo da participação: Objetivo da participação: Contribuir para facilitar o entendimento da prescrição da intensidade do exercício em pacientes pós IAM em programas de reabilitação. BENEFÍCIOS: Isquemia miocárdica 1- Melhora

Leia mais

Raniê Ralph Pneumo. 18 de Setembro de 2008. Professora Ana Casati. Trombo-embolismo pulmonar (TEP)

Raniê Ralph Pneumo. 18 de Setembro de 2008. Professora Ana Casati. Trombo-embolismo pulmonar (TEP) 18 de Setembro de 2008. Professora Ana Casati. Trombo-embolismo pulmonar (TEP) Hoje o DX é feito em menos de 30%. Antigamente só fazia DX quando havia triângulo de Infarto Pulmonar: bilirrubina aumentada,

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO Michael Jaickson de Jesus Chaves* NOVAFAPI Gilderlene Alves Fernandes** NOVAFAPI INTRODUÇÃO O coração é um

Leia mais

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda Parte II P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S C A R D I O V A S C U L A R E S [111] 47. SÍNDROME CORONARIANA AGUDA a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO A isquemia do miocárdio resulta do desequilíbrio

Leia mais

EXAME CLÍNICO PARA INVESTIGAÇÃO DE UMA DOENÇA CARDIOVASCULAR

EXAME CLÍNICO PARA INVESTIGAÇÃO DE UMA DOENÇA CARDIOVASCULAR EXAME CLÍNICO PARA INVESTIGAÇÃO DE UMA DOENÇA CARDIOVASCULAR RESUMO Anamnese ID HPMA IDA Antecedentes Pessoais Antecedentes Familiais Exame Físico Geral Exame Físico Especial Cabeça / Face / Pescoço Aparelho

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA 1- INTRODUÇÃO No Brasil a doença cardiovascular ocupa o primeiro lugar entre as causas de óbito, isto implica um enorme custo financeiro e social. Assim, a prevenção e o tratamento

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 28 de Fevereiro

Leia mais

PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA

PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Marcelo Silveira Canabarro 1, Imarilde Inês Giusti 2, Rolnei Correa Pinto 3 1 Médico Intensivista da Unidade de Cuidados Intermediários do Hospital Fêmina 2 Médica

Leia mais

Diretrizes. Brasileiras de Fibrilação Atrial (2009) Editor Leandro Ioschpe Zimerman

Diretrizes. Brasileiras de Fibrilação Atrial (2009) Editor Leandro Ioschpe Zimerman Diretrizes Brasileiras de Fibrilação Atrial (2009) Editor Leandro Ioschpe Zimerman Co-Editores Guilherme Fenelon, Martino Martinelli Filho Coordenadores Cesar Grupi, Jacob Atié Participantes Adalberto

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH 1. APRESENTAÇÃO A SEPSE TEM ALTA INCIDÊNCIA, ALTA LETALIDADE E CUSTO ELEVADO, SENDO A

Leia mais

PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA

PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA Nome: Dia: 20 de dezembro de 2012. 01 - A conduta inicial em embolia

Leia mais

Sala 1 - CONFERÊNCIA "Os Desafios da SBC para implantação do Programa Nacional de Prevenção Cardiovascular"

Sala 1 - CONFERÊNCIA Os Desafios da SBC para implantação do Programa Nacional de Prevenção Cardiovascular PROGRAMA CIENTÍFICO CONGRESSO SOCERJ 2013 Quinta-feira 04.04.2013 Hora: 08:00h - 08:30h Sala 1 - ABERTURA OFICIAL Hora: 08:30h - 09:45h Sala 1 - CONFERÊNCIA "Os Desafios da SBC para implantação do Programa

Leia mais

AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA

AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Eurival Soares Borges AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA ACP - American College Physicians ACC - Ameriacn College of Cardiology AVALIAÇÃO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS: 1 - Tromboembolismo venoso (TEV) 2 - Obesidade 3

Leia mais

SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR. Uma viagem a quatro mãos

SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR. Uma viagem a quatro mãos SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR Uma viagem a quatro mãos Doença coronária Uma das principais causas de morte no mundo ocidental Responsável por 1 em cada 6 mortes nos E.U.A. 1 evento

Leia mais

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana

COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana RESUMO Posicionamento Oficial do Colégio Americano de Medicina Esportiva: Exercise

Leia mais

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo Emergência HNSC SINAIS DE ALERTA PARA O AVC Perda súbita de força ou sensibilidade de um lado do corpo face, braços ou pernas Dificuldade súbita de falar

Leia mais

Protocolo de Choque no Pósoperatório. Cardíaca

Protocolo de Choque no Pósoperatório. Cardíaca Protocolo de Choque no Pósoperatório de Cirurgia Cardíaca Acadêmico Lucas K. Krum Prof. Dr. Mário Augusto Cray da Costa Choque no pós operatório da CC Função miocárdica declina nas 6 a 8 horas iniciais

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de tórax

Imagem da Semana: Radiografia de tórax Imagem da Semana: Radiografia de tórax Figura: Radiografia de tórax em PA. Enunciado Paciente masculino, 30 anos, natural e procedente de Belo Horizonte, foi internado no Pronto Atendimento do HC-UFMG

Leia mais

Avaliação da dor torácica no serviço de urgência. Carina Arantes Interna de formação específica de cardiologia

Avaliação da dor torácica no serviço de urgência. Carina Arantes Interna de formação específica de cardiologia Avaliação da dor torácica no serviço de urgência Carina Arantes Interna de formação específica de cardiologia Introdução Dor torácica constitui a 2ª causa mais comum de admissão no serviço de urgência

Leia mais

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 2 de Fevereiro

Leia mais

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE DOR TORÁCICA CARDÍACA LOCAL: Precordio c/ ou s/ irradiação Pescoço (face anterior) MSE (interno) FORMA: Opressão Queimação Mal Estar FATORES DESENCADEANTES:

Leia mais

Dissecção Aguda da Aorta

Dissecção Aguda da Aorta Dissecção Aguda da Aorta SD de Dissecção Aguda da Aorta PAM não invasiva, monitorização cardíaca, débito urinário, acesso IV com Gelco 14(02). Se choque / ICC ou hipotensão instalar Swan-Ganz para PCP,

Leia mais

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO. Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO. Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico 1. Importância do protocolo Elevada prevalência Elevada taxa de morbidade Elevada taxa de mortalidade

Leia mais

Segunda-Feira, 21 de Setembro de 2015

Segunda-Feira, 21 de Setembro de 2015 Segunda-Feira, 21 de Setembro de 2015 (19200) Simpósio Insuficiência Cardíaca, Cardiomiopatia e Doenças do Pericárdio Auditório 1 (Capacidade 500) 08:30 10:00 O Desafio da Avaliação de Dispneia em Pacientes

Leia mais

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Prevenção Cardio vascular Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Principal causa de morte em todo o mundo Considerada uma EPIDEMIA pela OMS em 2009 Alta mortalidade Alta morbidade = Muitas

Leia mais

TEP - Evolução. Após episódio de TEP agudo, em 85 a 90% dos casos ocorre. trombólise espontânea ou farmacológica e recanalização do vaso

TEP - Evolução. Após episódio de TEP agudo, em 85 a 90% dos casos ocorre. trombólise espontânea ou farmacológica e recanalização do vaso Fabio B. Jatene Prof. Titular do Departamento de Cardiopneumologia -HC HC-FMUSP TEP Agudo 1cm TEP - Evolução Após episódio de TEP agudo, em 85 a 90% dos casos ocorre trombólise espontânea ou farmacológica

Leia mais

CURSO NACIONAL DE RECICLAGEM EM CARDIOLOGIA DA REGIÃO SUL

CURSO NACIONAL DE RECICLAGEM EM CARDIOLOGIA DA REGIÃO SUL CURSO NACIONAL DE RECICLAGEM EM CARDIOLOGIA DA REGIÃO SUL INSUFICIENCIA CARDÍACA. ACA. CONCEITO, ETIOPATOGENIA, SIGNIFICADO DA CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL E MÉTODOS M DE AVALIAÇÃO CLÍNICO LABORATORIAL Dr HARRY

Leia mais

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013)

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) grupo de estudos NHG-fibrilação atrial traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

Sugestões para o rol. Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde. Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos

Sugestões para o rol. Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde. Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos Sugestões para o rol Núcleo Amil de Avaliação de Tecnologias em Saúde Suzana Alves da Silva Maria Elisa Cabanelas Pazos S Procedimentos selecionados Cardiologia AngioTC de coronárias Escore de cálcio Cintilografia

Leia mais

INTERVALO E VISITA À EXPOSIÇÃO PARALELA - TEMA LIVRE PÔSTER GRUPO I

INTERVALO E VISITA À EXPOSIÇÃO PARALELA - TEMA LIVRE PÔSTER GRUPO I XXII CONGRESSO NACIONAL DO DEPARTAMENTO DE ERGOMETRIA, EXERCÍCIO, REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR, CARDIOLOGIA NUCLEAR E CARDIOLOGIA DO ESPORTE. PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA QUINTA-FEIRA 29 DE OUTUBRO DE 2015 07:30H

Leia mais

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012)

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para uso e divulgação sem

Leia mais

TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA CARDIOVASCULAR. Renato Sanchez Antonio Santa Casa RP

TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA CARDIOVASCULAR. Renato Sanchez Antonio Santa Casa RP TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA CARDIOVASCULAR Renato Sanchez Antonio Santa Casa RP Tomografia Técnica baseada em radiografia com uso colimadores para restringir feixes Realizada na mesma fase do ciclo cardíaco

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

Manutenção do Potencial Doador. Dra. Viviane Cordeiro Veiga

Manutenção do Potencial Doador. Dra. Viviane Cordeiro Veiga Manutenção do Potencial Doador Dra. Viviane Cordeiro Veiga 2009 Fila de Transplantes São Paulo 13.244 pacientes 9.911 - rim 2.556 fígado 391 pâncreas/rim 114 coração 80 pulmão 56 - pâncreas TRANSPLANTES:

Leia mais

PLANO DE SEDAÇÃO POR ANESTESISTAS NORMA Nº 641

PLANO DE SEDAÇÃO POR ANESTESISTAS NORMA Nº 641 Página: 1/10 1- OBJETIVO 1.1- Estabelecer as regras para a prática de sedação na instituição visando redução do risco e aumento da segurança aos pacientes do Sistema de Saúde Mãe de Deus. 1.2- Fornecer

Leia mais

Justificativa Depende dos exames escolhidos. Residência Médica Seleção 2014 Prova Clínica Médica Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 (2 pontos)

Justificativa Depende dos exames escolhidos. Residência Médica Seleção 2014 Prova Clínica Médica Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 (2 pontos) Caso Clínico 1 (2 pontos) Uma mulher de 68 anos, hipertensa, é internada com afasia e hemiparesia direita de início há meia hora. A tomografia de crânio realizada na urgência não evidencia sangramento,

Leia mais

COORDENADORES. Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini

COORDENADORES. Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini COORDENADORES Fabíola Peixoto Ferreira La Torre Juliana Gamo Storni Luciana Andréa Digieri Chicuto Regina Grigolli Cesar Rogério Pecchini Sumário Prefácio...XXXVII Apresentação... XXXIX Parte 1 Estabilização

Leia mais

EXAME 2014 RESIDÊNCIA COM PRÉ-REQUISITO: CARDIOLOGIA

EXAME 2014 RESIDÊNCIA COM PRÉ-REQUISITO: CARDIOLOGIA EXAME 2014 Instruções Leia atentamente e cumpra rigorosamente as instruções que seguem, pois elas são parte integrante das provas e das normas que regem o Exame AMRIGS e ACM. 1. Atente-se a todos os avisos

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA

PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA da REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ENFERMAGEM PROFESSORA: TÂNIA MARIA ASCARI PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA O eletrocardiograma é o registro

Leia mais

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO Dr. Wilton César Eckert Medicina na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Residência Médica em Clínica Médica, Cardiologia e Ecocardiografia na Santa Casa de Misericórdia

Leia mais

ELETROCARDIOGRAMA 13/06/2015 ANATOMIA E FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR

ELETROCARDIOGRAMA 13/06/2015 ANATOMIA E FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR ELETROCARDIOGRAMA Professor : Elton Chaves Do ponto de vista funcional, o coração pode ser descrito como duas bombas funcionando separadamente cada uma trabalhando de forma particular e gerando pressões

Leia mais

TEMAS LIVRES PÔSTERS APROVADOS DO XII CONGRESSO SERGIPANO DE CARDIOLOGIA. Observação:

TEMAS LIVRES PÔSTERS APROVADOS DO XII CONGRESSO SERGIPANO DE CARDIOLOGIA. Observação: TEMAS LIVRES PÔSTERS APROVADOS DO XII CONGRESSO SERGIPANO DE CARDIOLOGIA Observação: Exposição dos temas livres TL 01 a TL 21 sexta de 08h as 12h, com apresentação 09:45h Exposição dos temas livres TL

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA

CAPACITAÇÃO EM ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA CAPACITAÇÃO EM ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA Profª Msc. Andreia Coutinho Profº Dr. Christian Negeliskii CAPACITAÇÃO EM ATENDIMENTO A PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA Objetivos: - Reconhecer uma PCR;

Leia mais

O idoso na terapia intensiva. Dra Silvana de Araújo Geriatria 2009

O idoso na terapia intensiva. Dra Silvana de Araújo Geriatria 2009 O idoso na terapia intensiva Dra Silvana de Araújo Geriatria 2009 Importância Avanços nas técnicas de monitorização, de ventilação mecânica e ressuscitação Demanda por leitos na terapia intensiva vem crescendo

Leia mais

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho

Tudo Exige Preparo. Para a guerra. Para o sexo. Para o banho Dr. Gustavo Santos Tudo Exige Preparo Para a guerra Para o sexo Para o banho Falhar em se preparar é preparar-se para falhar Benjamin Franklin Preparo Pré-Operatório: Por Quê? Identificar problemas não-conhecidos

Leia mais

Rebaten LA. cloridrato de propranolol EMS SIGMA PHARMA LTDA. Cápsula. 80mg e 160mg

Rebaten LA. cloridrato de propranolol EMS SIGMA PHARMA LTDA. Cápsula. 80mg e 160mg Rebaten LA cloridrato de propranolol EMS SIGMA PHARMA LTDA. Cápsula 80mg e 160mg 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Rebaten LA cloridrato de propranolol Rebaten LA cloridrato de propranolol APRESENTAÇÕES Caixa

Leia mais

Abordagem da Dor Torácica Aguda. Jeová Cordeiro de Morais Júnior

Abordagem da Dor Torácica Aguda. Jeová Cordeiro de Morais Júnior Abordagem da Dor Torácica Aguda Jeová Cordeiro de Morais Júnior Introdução Traumática x não-traumática Cerca de 8 milhões de atendimento nas emergências nos EUA Cerca de 10-12% são liberados com SCA Avaliar

Leia mais

Os Rins. Algumas funções dos Rins?

Os Rins. Algumas funções dos Rins? Os Rins Os Rins Algumas funções dos Rins? Elimina água e produtos resultantes do metabolismo como a ureia e a creatinina que, em excesso são tóxicas para o organismo; Permite o equilíbrio corporal de líquidos

Leia mais

Cada comprimido contém: 10 20 maleato de enalapril 10 mg 20 mg hidroclorotiazida 25 mg 12,5 mg

Cada comprimido contém: 10 20 maleato de enalapril 10 mg 20 mg hidroclorotiazida 25 mg 12,5 mg GLIOTENZIDE 10 e 20 maleato de enalapril + hidroclorotiazida Forma farmacêutica e apresentações Embalagens contendo 30 comprimidos de GLIOTENZIDE 10 (10 mg de maleato de enalapril + 25 mg de hidroclorotiazida).

Leia mais

Reabilitação Cardíaca A reabil

Reabilitação Cardíaca A reabil Reabilitação Cardíaca Reabilitação Cardíaca A reabilitação cardiovascular (RCV) pode ser conceituada como um ramo de atuação da cardiologia que, implementada por equipe de trabalho multiprofissional, permite

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR AVALIAÇÃO PRÉ-ANESTÉSICA SISTEMA CARDIOVASCULAR Paulo do Nascimento Junior Departamento de Anestesiologia Faculdade de Medicina de Botucatu AVALIAÇÃO PRÉ-ANESTÉSICA: OBJETIVOS GERAIS ESCLARECIMENTO DO

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL. Profa. Dra.Monica Akemi Sato

INSUFICIÊNCIA RENAL. Profa. Dra.Monica Akemi Sato INSUFICIÊNCIA RENAL Profa. Dra.Monica Akemi Sato REVISÃO DE FISIOLOGIA RENAL FILTRAÇÃO GLOMERULAR TÚBULO PROXIMAL ALÇA DE HENLE CAPILAR GLOMERULAR ARTERÍOLA EFERENTE TUBULO PROXIMAL TUBULO DISTAL ESPAÇO

Leia mais

Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB

Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB É uma doença psiquiátrica que leva as pessoas a acreditarem que

Leia mais

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM O RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM O RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO INFORMAÇÕES ESSENCIAIS COMPATÍVEIS COM O RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO i) DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO Sevoflurano Baxter 100%, líquido para inalação por vaporização. ii) COMPOSIÇÃO QUALITATIVA

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

Uso do Dímero D na Exclusão Diagnóstica de Trombose Venosa Profunda e de Tromboembolismo Pulmonar

Uso do Dímero D na Exclusão Diagnóstica de Trombose Venosa Profunda e de Tromboembolismo Pulmonar Uso do Dímero D na Exclusão Diagnóstica de Trombose Venosa Profunda e de Tromboembolismo Pulmonar 1- Resumo O desequilíbrio das funções normais da hemostasia sangüínea resulta clinicamente em trombose

Leia mais

Diário Oficial Estado de São Paulo

Diário Oficial Estado de São Paulo Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 206 DOE de 31/10/07 p.25 SAÚDE GABINETE DO SECRETÁRIO

Leia mais

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003 PNEUMONIA Este termo refere-se à inflamação do parênquima pulmonar associada com enchimento alveolar por exudato. São infecções das vias respiratórias inferiores gerando um processo inflamatório que compromete

Leia mais

DIÁLISE TIPOS E INDICAÇÕES. Dr.Luiz Carlos Pavanetti Instituto do Rim de Marília

DIÁLISE TIPOS E INDICAÇÕES. Dr.Luiz Carlos Pavanetti Instituto do Rim de Marília DIÁLISE TIPOS E INDICAÇÕES Dr.Luiz Carlos Pavanetti Instituto do Rim de Marília SÍNDROME URÊMICA SINTOMAS SINAIS CLEARANCE DE CREATININA INSUFICIÊNCIA RENAL CRÔNICA Cuidados pré-diálise Controle de pressão

Leia mais

Drogas Utilizadas em Terapia Intensiva. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc

Drogas Utilizadas em Terapia Intensiva. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Drogas Utilizadas em Terapia Intensiva Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Tipos de Drogas Utilizadas em UTI Drogas Vasoativas; Sedação e Analgesia: Antibióticos; Medicamentos especiais: Imunoglobulinas,

Leia mais

PROGRAMA PARA FORMAÇÃO DE CLÍNICOS

PROGRAMA PARA FORMAÇÃO DE CLÍNICOS A PROGRAMA BÁSICO TEÓRICO PROGRAMA PARA FORMAÇÃO DE CLÍNICOS Abdome agudo Abordagem neurológca da fraqueza AIDS (SIDA) Anemias Antibióticos Arritmias cardíacas Asma Auto-imunidade e doenças imunológicas

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA QUESTÃO 21 Um paciente de 75 anos, ex-garçom, tem há três anos o diagnóstico já confirmado de síndrome isquêmica crônica dos membros inferiores.

Leia mais

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes O Dia Mundial da Saúde é celebrado todo 7 de abril, e neste ano, o tema escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conscientização

Leia mais

DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL

DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL I AVALIAÇÃO PRÉVIA DO DOENTE Uma boa metodologia para avaliação de um doente candidato a cirurgia oral é tentar enquadrá-lo na classificação da American Society of Anesthesiologists

Leia mais

ÁREA/ESPECIALIDADE: ENFERMAGEM / PÓS-OPERATÓRIO DE CIRURGIA CARDÍACA

ÁREA/ESPECIALIDADE: ENFERMAGEM / PÓS-OPERATÓRIO DE CIRURGIA CARDÍACA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO ÁREA/ESPECIALIDADE: ENFERMAGEM / PÓS-OPERATÓRIO DE CIRURGIA CARDÍACA

Leia mais

Diretrizes para Habilitação de Centros de Treinamento

Diretrizes para Habilitação de Centros de Treinamento Diretrizes para Habilitação de Centros de Treinamento Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista Gestão 2006-2009 Centros de Treinamento Comissão Coordenador Dr. José Armando Mangione

Leia mais

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP)

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP) E TROMBOEMBOLISMO PULMONAR (TEP) - Fatores de risco: Idade superior a 40 anos Acidente vascular cerebral (isquêmico ou hemorrágico) Paralisia de membros inferiores Infarto

Leia mais

Circular 0495/99 São Paulo, 08 de Dezembro de 1999.

Circular 0495/99 São Paulo, 08 de Dezembro de 1999. Circular 0495/99 São Paulo, 08 de Dezembro de 1999. Administrador(a) Faturamento Assunto: Implante de Prótese de Sustentação Intraluminal Arterial Prezado (a) Senhor (a), O Diário Oficial da União de 08

Leia mais

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc..

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc.. AULA 13: EAP (EDEMA AGUDO DE PULMÃO) 1- INTRODUÇÃO O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urgente. 2- CONCEITO

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA NA DPOC

VENTILAÇÃO MECÂNICA NA DPOC VENTILAÇÃO MECÂNICA NA DPOC Unidade de Terapia Intensiva Adulto Versão eletrônica atualizada em Março 2009 CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS: Tabagismo importante Tosse crônica, dispnéia e ou broncoespasmo Gasometria

Leia mais

DOR TORÁCICA: ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO Marques, C.P.¹, Rubio, L.F.², Oliveira, M.S.³, Leit e, F.M.N. 4, Machado, R.C.

DOR TORÁCICA: ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO Marques, C.P.¹, Rubio, L.F.², Oliveira, M.S.³, Leit e, F.M.N. 4, Machado, R.C. DOR TORÁCICA: ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO Marques, C.P.¹, Rubio, L.F.², Oliveira, M.S.³, Leit e, F.M.N. 4, Machado, R.C. 5 1,2,3,4,5 Universidade do Vale Paraíba/Faculdade de

Leia mais

Procedimentos Operacionais padrão das unidades integradas de Saúde Unimed Rio

Procedimentos Operacionais padrão das unidades integradas de Saúde Unimed Rio Jornada Unimed Rio A Prática Cardiológica no Cenário da Alta Complexidade Insuficiência Cardíaca e a Utilização de Marcapassos, Ressincronizadores e Desfibriladores Implantáveis Procedimentos Operacionais

Leia mais

Úlcera venosa da perna Resumo de diretriz NHG M16 (agosto 2010)

Úlcera venosa da perna Resumo de diretriz NHG M16 (agosto 2010) Úlcera venosa da perna Resumo de diretriz NHG M16 (agosto 2010) Van Hof N, Balak FSR, Apeldoorn L, De Nooijer HJ, Vleesch Dubois V, Van Rijn-van Kortenhof NMM traduzido do original em holandês por Luiz

Leia mais

Programa de Certificação com Distinção Accreditation Canada. Protocolos de Tratamento de AVE

Programa de Certificação com Distinção Accreditation Canada. Protocolos de Tratamento de AVE Programa de Certificação com Distinção Accreditation Canada Protocolos de Tratamento de AVE Programa de Distinção do AVE Mortalidade no Brasil Acidente Vascular Encefálico Mortalidade no Brasil Acidente

Leia mais

CLODRIDRATO DE METFORMINA 500/850 mg

CLODRIDRATO DE METFORMINA 500/850 mg CLODRIDRATO DE METFORMINA 500/850 mg LER CUIDADOSAMENTE ANTES DE USAR FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES CLORIDRATO DE METFORMINA 500 mg: cartucho com 3 blisters de 10 comprimidos revestidos CLORIDRATO

Leia mais

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS

I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS Emergência CT de Medicina I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM PACIENTES INTERNADOS CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CREMEC/Conselho Regional de Medicina do Ceará Câmara Técnica de Medicina Intensiva

Leia mais

POLÍTICAS DE SAÚDE EM QUEIMADOS

POLÍTICAS DE SAÚDE EM QUEIMADOS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA POLÍTICAS DE SAÚDE EM QUEIMADOS JUNHO - 2009 Diretrizes Tomando por base a necessidade de organizar à assistência

Leia mais

COORDENADOR: PROF. LUIZ F. SALAZAR DISCIPLINA: SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR

COORDENADOR: PROF. LUIZ F. SALAZAR DISCIPLINA: SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR PROCAPE / - CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM CARDIOLOGIA ANO: 0 HORÁRIO: 07:30 HS. ( em ponto) COORNADOR: PROF. LUIZ F. SALAZAR DISCIPLINA: SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR 07.0 ª A ANAMNESE EM CARDIOLOGIA SINTOMAS Dr.Luiz

Leia mais

PROFISSIONAL(IS) SOLICITANTE(S) Clínico Geral; Clínica Médica; Pediatra; Ginecologista; Geriatra.

PROFISSIONAL(IS) SOLICITANTE(S) Clínico Geral; Clínica Médica; Pediatra; Ginecologista; Geriatra. CONSULTA EM ANGIOLOGIA - GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para encaminhamento: 1. Varizes em membros inferiores 2. Úlceras de pernas 3. Insuficiência circulatória arterial/venosa com dor e

Leia mais

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini Caso Clínico 1 Módulo: DAC Métodos Diagnósticos Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico Costantini Caso 01 IFV, 59 anos, feminino Assintomática Fatores de Risco: história familiar Pressão arterial

Leia mais