PLANO DE SEDAÇÃO POR ANESTESISTAS NORMA Nº 641

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE SEDAÇÃO POR ANESTESISTAS NORMA Nº 641"

Transcrição

1 Página: 1/10 1- OBJETIVO 1.1- Estabelecer as regras para a prática de sedação na instituição visando redução do risco e aumento da segurança aos pacientes do Sistema de Saúde Mãe de Deus Fornecer as informações referentes às normas e diretrizes para a realização de sedação no âmbito hospitalar, definindo as etapas do processo de atendimento ao paciente e os requisitos essenciais visando segurança, ética e qualidade assistencial. 2- DEFINIÇÕES 2.1- Anestesia Geral É um estado de depressão do nível de consciência durante o qual o paciente não é despertado, mesmo por estímulos dolorosos. A habilidade de manter a ventilação é freqüentemente comprometida, necessitando de assistência respiratória para manutenção da permeabilidade da via aérea, e uso de ventilação com pressão positiva devido à depressão da ventilação espontânea por drogas e/ ou relaxantes musculares Sedação É um ato médico realizado mediante a utilização de medicamentos com o objetivo de proporcionar conforto ao paciente para a realização de procedimentos médicos ou odontológicos. É um estado de depressão do nível de consciência induzido por drogas, em diferentes níveis de intensidade. De acordo com doses administradas e respostas individuais do paciente, pode variar desde a manutenção da consciência com redução do nível de ansiedade até a inconsciência. É classificado em três níveis, abaixo definidas(tabela 1 abaixo): Sedação mínima (ansiólise) Sedação Moderada Sedação consciente Sedação/analgesia profunda Anestesia geral Responsividade Resposta normal ao estímulo verbal Resposta forçada ao estímulo verbal ou tátil Resposta forçada após estímulo repetido ou doloroso Sem resposta, mesmo com estímulo doloroso Via aérea Não afetada Ausência de necessidade de intervenção Ventilação espontânea Função cardiovascular Pode ser necessária intervenção Intervenção frequentemente necessária Não afetada Adequada Pode ser inadequada Frequentemente inadequada Não afetada Normalmente mantida Normalmente mantida Pode ser comprometida Tabela 1 Comparação entre diferentes níveis de sedação e anestesia geral.(sociedade Americana de Anestesiologia 2004) 2.3- Sedação Leve É um estado obtido com o uso de medicamentos em que o paciente responde ao comando verbal. A função cognitiva e a coordenação podem estar comprometidas. As funções cardiovascular e respiratória não apresentam comprometimento.

2 Página: 2/ Sedação Moderada/ Analgesia ( Sedação Consciente ) É um estado de depressão da consciência, obtido com o uso de medicamentos, no qual o paciente responde ao estímulo verbal isolado ou acompanhado de estímulo tátil. Não são necessárias intervenções para manter a via aérea permeável, a ventilação espontânea é suficiente e a função cardiovascular, geralmente, é mantida adequada Sedação Profunda É uma depressão da consciência induzida por medicamentos, e nela o paciente dificilmente é despertado por comandos verbais, mas responde a estímulos dolorosos. A ventilação espontânea pode estar comprometida e ser insuficiente. Pode ocorrer a necessidade de assistência para a manutenção da via aérea permeável. A função cardiovascular geralmente é mantida As respostas ao uso de medicamentos hipnóticos e analgésicos são individuais, dependem das características de cada paciente e os níveis de inconsciência obtidos seguem um contínuo, ocorrendo, com freqüência, a transição entre eles. Observação: O paciente submetido à sedação consciente pode evoluir para quadro clínico de sedação profunda, ficando o profissional comprometido legalmente com o tratamento e reversão da depressão respiratória ou cardiovascular, evitando seqüelas no sistema nervoso central Acompanhamento Anestésico (Anestesia Local Assistida) É caracterizado pelo realização de procedimento cirúrgico, diagnóstico ou terapêutico com utilização de anestesia local, sob cuidados do anestesista, sem administração de agentes psicotrópicos, podendo ocorrer ou não intervenção terapêutica para a manutenção da condição clínica (hemodinâmica e ou respiratória) estável e segura. 3- NORMA 3.1- Este plano aplica-se a todos os procedimentos médicos realizados com a utilização de sedação no Sistema de Saúde Mãe de Deus Considerações Gerais No Sistema de Saúde Mãe de Deus, os procedimentos de sedação moderada e profunda são realizados por médicos anestesistas autônomos ou contratados que exercem a prática assistencial na Instituição A prática de sedação por médicos não anestesistas, assim como os limites e regras estarão definidos no Plano de Sedação Por Não Anestesistas A prática de sedação no Sistema de Saúde Mãe de Deus (SSMD), deve ser realizada nas seguintes unidades: Centro Cirúrgico; Centro Obstétrico; Centro Cirúrgico Ambulatorial; Unidade de Hemodinâmica; Unidade de Radiologia; Unidade de Radioterapia;

3 Página: 3/10 CTI Adulto; CTI Pediátrica; CTI Neonatal; 3.3- RESPONSABILIDADES O médico anestesista deve oferecer ao paciente os melhores padrões de cuidado na sua especialidade em respeito à dignidade do paciente; O médico anestesista deve cumprir a legislação vigente referente a prática da sua especialidade no país; O médico anestesista deve respeitar os direitos dos pacientes, seus familiares, demais médicos e outros profissionais de saúde; Todo paciente deve se tratado com respeito, devendo ser identificadas suas necessidades e dúvidas, as quais devem ser esclarecidas antes do procedimento anestésico; O médico anestesista tem responsabilidade ética com a comunidade e a sociedade; O médico anestesista deve atualizar seus conhecimentos de forma contínua, objetivando proporcionar uma prática anestésica de qualidade aos seus pacientes; O médico anestesista é responsável em realizar uma avaliação clínica prévia à cirurgia ou procedimento, estabelecendo um plano de sedação para seu paciente; É dever do médico anestesista solicitar consentimento informado, antes de qualquer procedimento de anestesia ou sedação; O médico anestesista deve promover a vigilância do paciente durante todo procedimento cirúrgico, diagnóstico ou terapêutico, não estando autorizado a sair da sala, até o final do procedimento. Se a saída de sala for necessária, ela deve ocorrer, mediante a substituição por outro anestesista do corpo clínico do hospital, o qual deve receber todas as informações referentes ao procedimento anestésico, devidamente, registradas na Ficha de Anestesia; O médico anestesista deve manusear os agentes psicotrópicos, respeitando todas as etapas ( registro, manuseio e descarte) de acordo com as normas da instituição O Processo de Sedação e Acompanhamento Anestésico As etapas do processo de sedação e acompanhamento anestésico que devem ser, rigorosamente, realizadas e documentadas são: Avaliação pré-sedação; Planejamento da sedação; Ciência e Consentimento Informado do paciente ou responsável para o procedimento de sedação; Ato de Sedação, incluido:

4 Página: 4/10 Checagem de equipamentos e acessórios; Preparo de drogas; Avaliação clínica, imediatamente, anterior ao procedimento; Monitorização; Execução de sedação ou acompanhamento anestésico; Recuperação anestésica Regras para as Etapas do Processo de Sedação e Acompanhamento Anestésico Avaliação Pré-Sedação Deve ser obrigatória, em todos os pacientes submetidos a procedimentos cirúrgicos, diagnósticos, terapêuticos que necessitem de sedação ou acompanhamento anestésico em caráter eletivo; Nas situações de urgência, quando a condição clínica permitir, o paciente ou seu familiar deve ser submetido a uma anamnese breve acompanhada de exame físico para o efetivo planejamento anestésico. Nas situações de emergência, com risco iminente de morte, as medidas clínicas de suporte de vida devem ser, imediatamente, iniciadas e, posteriormente, documentadas no prontuário do paciente; A revisão do prontuário do paciente, seguida de anamnese, exame físico, checagem de exames laboratoriais deve ser documentada no impresso Ficha de Avaliação Pré Anestésica nos campos designados para entrada de dados referentes à avaliação pré-anestésica, sendo base para a determinação do estado físico a classificação da Sociedade Americana de Anestesiologia. (Quadro 1); A prescrição do tempo de jejum deve ser realizada em todos os procedimentos, usando como referência a Tabela 2 abaixo Quadro 1 Categorização do risco operatório proposto pela Sociedade Americana de Anestesiologia (classificação de ASA). I II III IV V VI paciente hígido. doença sistêmica leve a moderada sem limitação funcional; exemplo HAS, obesidade, tabagismo. doença sistêmica grave, com limitação funcional, mas não incapacitante; exemplo DPOC grave. doença sistêmica grave, incapacitante com risco de vida; exemplos IAM, insuficiência respiratória. moribundo, sem esperança de vida em 24h com ou sem cirurgia; exemplo aneurisma roto de aorta. morte cerebral, doador de órgãos. Adiciona-se a terminação E em caso de cirurgia de Emergência.

5 Página: 5/10 PACIENTE TIPO DE ALIMENTO TEMPO DE JEJUM PEDIÁTRICO Líquidos claros 2 Hs Leite Materno 4 Hs Leite Não Materno 6 Hs Alimentos Sólidos 6 Hs ADULTO Alimentos Sólidos 8 Hs TABELA 2- SOCIEDADE AMERICANA DE ANESTESIOLOGIA Planejamento da Sedação (Plano) Em todos os casos, após contato com a equipe que vai realizar o procedimento e, também, após a avaliação e consentimento do paciente, o médico anestesista deve definir o plano de sedação a ser utilizado; O plano de sedação escolhido deve levar em conta as condições clínicas do paciente, seus anseios, reduzindo estresse, dor e ansiedade e, também, as necessidades do procedimento; O registro desta avaliação deve constar, na ficha de Anestesia no campo Planejamento da Sedação Consentimento Informado Específico para a Sedação Os procedimentos eletivos com sedação só devem ser realizados após a orientação do paciente ou seu responsável legal por um anestesista quanto aos riscos, benefícios e alternativas do procedimento anestésico e o preenchimento do Termo de Consentimento Informado para Sedação (CFM de 2006) Em procedimentos de emergência deve ser dispensada a assinatura do Termo de Consentimento Informado para Sedação, sendo que o anestesiologista deve notificar, no referido termo, "EMERGÊNCIA" a data, horário e validar a assinatura com carimbo contendo o CRM e anexar ao prontuário. Na primeira oportunidade em que o médico responsável e os familiares estiverem presentes, os devidos esclarecimentos devem ser prestados Checagem de Equipamentos A checagem de equipamentos e acessórios necessários para o manuseio de vias aéreas deve ser realizada, antes do início do procedimento, e registrada na "Ficha de Anestesia", no campo Revisão equipam./drogas ; Preparo de Drogas Antes do início do procedimento, o anestesista deve preparar as medicações que serão utilizadas para a sedação e outras drogas de preparo obrigatório, necessárias para intervenção terapêutica, visando a manutenção da condição clínica (hemodinâmica e ou respiratória) estável e segura do paciente (CFM Nº

6 Página: 6/ de 2006) Avaliação Imediatamente Antes do Procedimento A checagem da avaliação pré-anestésica e seus pontos fundamentais, assim como, o plano proposto deve ser realizada, imediatamente, antes do início do procedimento; A verificação dos dados vitais é realizada, juntamente, com a monitorização Monitorização A presença do médico anestesiologista, garantindo a vigilância, permanente, do paciente deve ser obrigatória, ele não deve se ausentar da sala de procedimentos; Nas situações onde os pacientes recebam tratamento com substâncias radioativas, a monitorização do paciente deve ser garantida remotamente; Em situações de emergência, que impliquem na saída temporária do anestesiologista, o mesmo deve avaliar a condição clínica do seu paciente e designar outro profissional médico para garantir a vigilância do paciente; A prática de anestesias simultâneas não deve ser permitida, ainda que seja no mesmo ambiente cirúrgico, conforme Resolução do CFM N 1.802/2006, caracterizando grave infração ética; Todos os procedimentos de sedação ou acompanhamento anestésico devem utilizar os recursos mínimos obrigatórios de monitorização estabelecidos pela Resolução do CFM N 1.802/2006, vide Quadro 2 abaixo: Quadro 2 Resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM n de 2006) regulamenta a monitorização básica em anestesia. 1. Vigilância clinica permanente pelo o médico anestesiologista. 2. Monitoração da circulação: 3. Determinação da pressão arterial (PA) 4. Batimentos cardíacos (FC) 5. Ritmo cardíaco contínuo - cardioscopia; 6. Monitoração contínua da oxigenação do sangue arterial: oximetria de pulso; 7. Monitoração contínua da ventilação em pacientes com via aérea artificial (como intubação traqueal, brônquica ou máscara laríngea) incluir monitorização dos teores de gás carbônico exalados (capnógrafo). Vigilância clinica permanente pelo o médico anestesiologista. 8. Monitoração da circulação: 9. Determinação da pressão arterial (PA) 10. Batimentos cardíacos (FC)

7 Página: 7/ Ritmo cardíaco contínuo - cardioscopia; 12. Monitoração contínua da oxigenação do sangue arterial: oximetria de pulso; 13. Monitoração contínua da ventilação em pacientes com via aérea artificial (como intubação traqueal, brônquica ou máscara laríngea) incluir monitorização dos teores de gás carbônico exalados (capnógrafo) A utilização de recursos de monitorização adicionais é de julgamento do anestesiologista, baseado nas condições clínicas do paciente e complexidade do procedimento; Quadro 2 Resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM n de 2006) regulamenta a monitorização adicional em anestesia. 10. Monitoração da circulação: 11. Determinação da pressão arterial (PA); 12 Batimentos cardíacos (FC); 13. Ritmo cardíaco contínuo - cardioscopia; 14. Monitoração contínua da oxigenação do sangue arterial: oximetria de pulso; 15. Monitoração contínua da ventilação em pacientes com via aérea artificial (como intubação traqueal, brônquica ou máscara laríngea) incluir monitorização dos teores de gás carbônico exalados (capnógrafo) Os recursos de monitorização devem ser registrados na Ficha de Anestesia em campo específico para tal finalidade Execução de Sedação ou Acompanhamento Anestésico Devem ser permitidas para uso em sedação somente medicações padronizadas e dispensadas pelas farmácias do SSMD; As medicações para uso em sedação devem ser dispensadas na farmácia, mediante solicitação do anestesista, através de prescrição médica Nos setores onde os procedimentos sob sedação são realizados, os kits de hipnóticos, sedativos, opióides, entre outros, devem ser dispensados pela Farmácia e ter registrado o seu consumo na Ficha de Anestesia. A devolução do material não consumido deve ser controlada pela Farmácia Os setores onde os procedimentos com sedação são realizados devem seguir a normatização do hospital referente aos procedimentos de descarte de medicamentos Recuperação Pós-Anestésica Após o término do procedimento de sedação, todos os pacientes devem ser encaminhados à Sala de Recuperação Pós Anestésica; A Sala de Recuperação Anestésica, ou ambiente equivalente, deve possibilitar a observação clínica e monitorização dos sinais vitais do

8 Página: 8/10 paciente, compreendendo assistência médica e de enfermagem; O médico anestesista deve planejar a transferência do paciente, prevendo eventuais complicações que possam ocorrer durante a mobilização deste; O médico anestesista deve acompanhar o paciente à unidade de recuperação anestésica, ou local equivalente, devendo informar à equipe de enfermagem sobre o ato anestésico, intercorrências ocorridas e cuidados necessários Na sala de Recuperação Anestésica, desde a admissão até o momento da alta, os pacientes devem permanecer monitorados quanto: à circulação, incluindo aferição da pressão arterial e dos batimentos cardíacos e determinação contínua do ritmo cardíaco, por meio da cardioscopia, se necessário. à respiração, incluindo determinação contínua da saturação do sangue arterial por oximetria de pulso; ao estado de consciência; à intensidade da dor Os dados constantes da vigilância clínica e evolução do paciente nessa unidade devem constar em registros da equipe de enfermagem no prontuário do paciente; A prescrição de alta do paciente no período de recuperação anestésica é de responsabilidade intransferível do médico anestesista; Em caso de procedimento ambulatorial, após a alta hospitalar, o paciente não poderá dirigir ou fazer qualquer tarefa que exija atenção e o submeta a qualquer risco a si mesmo ou a outrém Estrutura Necessária Estão autorizados para a prática anestésica no Sistema de Saúde Mãe de Deus SSMD somente os equipamentos verificados e validados pela Engenharia Clínica; Os equipamentos de anestesia e monitores devem ser checados pela Engenharia Clínica e registrados em formulários específicos. Informações sobre as manutenções preventivas periódicas e calibrações são registradas no sistema informatizado com disponibilidade de consulta para os gestores de cada área; Os acessórios necessários para a prática anestésica são checados pela enfermagem diariamente; As unidades onde são realizados procedimentos com sedação devem apresentar equipamento de reanimação cardiorrespiratória disponível, com desfibrilador, fonte de oxigênio e aspirador; As condições de monitorização mínima obrigatória estabelecidos nessa Política devem ser, rigorosamente, cumpridas.

9 Página: 9/ Qualificação dos Profissionais No Sistema de Saúde Mãe de Deus SSMD, a assistência em anestesia e sedação profunda deve ser exercida por médicos anestesistas autônomos ou contratados, devidamente titulados, e regulamentados no Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul, cadastrados pela Direção Técnica da instituição e sob gerenciamento do Serviço de Medicina Perioperatória (SMP) Todos os médicos anestesistas devem estar alinhados às metas estabelecidas pelo Serviço de Medicina Perioperatória SMP - participando das reuniões científicas e treinamentos propostos. 4- EFEITOS DO NÃO CUMPRIMENTO DA NORMA O não cumprimento desta norma pode ocasionar risco ao paciente 5- CONTROLES 5.1- Ficha Anestésica Auditoria de Prontuário. 6- AÇÕES DE CONTRAMEDIDA 6.1- Na ocorrência de falhas nos equipamentos, a equipe de engenharia clínica deve ser acionada para o efetivo suporte No caso de intercorrências clínicas deverá ser acionada a equipe de médicos hospitalistas. 7- REFERÊNCIAS 7.1- Resolução do Conselho Federal de Medicina No. 1670/ Normas para a prática de sedação; 7.2- Resolução do Conselho federal de Medicina No. 1720/ Normas para o atendimento de desbridamento e curativos cirúrgicos em queimados; 7.3- Resolução do Conselho Federal de Medicina No. 1802/ Avaliação Pré, durante e pós, anestesia; vigilância constante do anestesista (em sala), necessidades de monitoração e equipamentos; 7.4- Resolução do Conselho Federal de Medicina No.1886/2008 Normas para funcionamento de consultórios médicos e dos complexos cirúrgicos para procedimentos com internação de curta permanência; 7.5- Norma sobre Edificações em Salas de Operação -RDC/ANVISA No. 50/2002; 7.6- American Society of Anesthesiologists -www.asahq.org; 7.7- Sociedade Brasileira de Anestesiologia -www.sba.com.br; 7.8- Resolução do Conselho Federal de Medicina No.1.670/03 -Sedação Profunda; 7.9- Resolução SS-169 de 19/06/96 -procedimentos ambulatoriais; Practice Guidelines for Sedation and Analgesia by Non Anethesiologists; Practice Guidelines for Preoperative Fasting and the Use of Pharmacologic Agents to

10 Página: 10/10 Reduce the Risk of Pulmonary Aspiration: Application to Healthy Patients Undergoing Elective Procedures -A Report by the American Society of Anesthesiologists developed by the Task Force on Preoperative Fasting and the Use of Pharmacologic Agents to Reduce the Risk on Pulmonary Aspiration Manual for Anesthesia Department Organization and Management- 2005/2006 American Society of Anesthesiologists 8- ATUALIZAÇÃO DA VERSÃO Não se aplica. Escritório de Projetos Eduardo Schenini Gerência de Pacientes Cirúrgicos Dr. Marcus Reusch Aprovação Superintendência Médico Assistencial Dr. Fábio Leite Gastal Diretoria Técnica Dr. Luiz Felipe Santos Gonçalves Editado por: Dr. Luiz Fernando Menezes Revisado por: Data revisão:

Política. Anestesia e Sedação no HIAE. Versão eletrônica atualizada em Março 2009

Política. Anestesia e Sedação no HIAE. Versão eletrônica atualizada em Março 2009 Política Anestesia e Sedação no HIAE Versão eletrônica atualizada em Março 2009 Anestesia e Sedação no HIAE Definição Diretriz que estabelece as normas e condições para a realização de anestesia e sedação

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL NOVA SANTA BÁRBARA

PREFEITURA MUNICIPAL NOVA SANTA BÁRBARA PREFEITURA MUNICIPAL NOVA SANTA BÁRBARA EDITAL N.º 002/ 2010. ANEXO III DESCRIÇÃO DOS CARGOS CARGO: 012- Ajudante Geral Requisitos: Conhecimentos gerais na área Atribuições do cargo: Proceder a limpeza

Leia mais

PARECER CREMEC nº 29/2010 27/09/2010

PARECER CREMEC nº 29/2010 27/09/2010 PARECER CREMEC nº 29/2010 27/09/2010 PROCESSO-CONSULTA Protocolo CREMEC nº 2084/10 ASSUNTO Condições mínimas de segurança para a prática de anestesia PARECERISTA Câmara Técnica de Anestesiologia DA CONSULTA

Leia mais

POLÍTICA DE SEDAÇÃO PARA MÉDICOS NÃO ANESTESIOLOGISTAS. Versão eletrônica atualizada em Março 2009

POLÍTICA DE SEDAÇÃO PARA MÉDICOS NÃO ANESTESIOLOGISTAS. Versão eletrônica atualizada em Março 2009 POLÍTICA DE SEDAÇÃO PARA MÉDICOS NÃO ANESTESIOLOGISTAS Versão eletrônica atualizada em Março 2009 POLÍTICA DE SEDAÇÃO PARA MÉDICOS NÃO ANESTESIOLOGISTAS Definição Diretriz que expressa os limites entre

Leia mais

Razão Social da Instituição R E G I M E N TO DO SE R V I Ç O DE EN F E R M A G E M. Mês, ano

Razão Social da Instituição R E G I M E N TO DO SE R V I Ç O DE EN F E R M A G E M. Mês, ano Razão Social da Instituição R E G I M E N TO DO SE R V I Ç O DE EN F E R M A G E M Mês, ano DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 1. Razão Social; 2. Nome Fantasia; 3. Entidade Mantenedora; 4. CNPJ; 5.

Leia mais

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia

Requisição incompleta, inadequada ou ilegível não será aceita pelo Serviço de Hemoterapia 1 1 - REQUISIÇÃO DE HEMOCOMPONENTES A enfermagem deve checar se a requisição de transfusão (MA5-036) foi preenchida corretamente, em duas ou mais vias, com os seguintes itens: - Nome completo do paciente

Leia mais

REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS

REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS Aprovado através da Resolução nº 06/CMS/2010, de 09 de março de 2010, Ananindeua PA Capítulo I DO CADASTRAMENTO

Leia mais

MANUAL DE FISCALIZAÇÃO

MANUAL DE FISCALIZAÇÃO MANUAL DE FISCALIZAÇÃO ROTEIROS DE VISTORIAS O médico fiscal, quando no exercício das vistorias, deverá sempre apresentar sua carteira de identidade funcional (emitida pelo Conselho Regional) e ofício

Leia mais

Anexo da Política de Anestesia e Sedação

Anexo da Política de Anestesia e Sedação Anexo da Política de Anestesia e Sedação 1 - Classificação de tipos de sedação segundo a American Society of Anestesiologists (ASA) e Resolução do CFM 1670/ 2003 (Anexo I) Modalidade Reações Respiração

Leia mais

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 Define e regulamenta as atividades da sala de recuperação pós-anestésica (SRPA) O Conselho Regional de Medicina do Estado do Ceará, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES MARIÁ BARBALHO NARDI Orientadora: Prof.ª Drª Isabel Cristina Echer

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO SOLICITAÇÃO DE TRANSFUSÃO: ROTINA E EMERGÊNCIA Versão: 06 Código: STROEM 02 Paginação: 1 de 36 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Aprovado e liberado por:

Leia mais

ANEXO A DO CONTRATO GESTÃO DAS UNIDADES DE SAÚDE PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL COORDENAÇÃO OPERACIONAL DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIAS EMERGÊNCIA PRESENTE

ANEXO A DO CONTRATO GESTÃO DAS UNIDADES DE SAÚDE PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL COORDENAÇÃO OPERACIONAL DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIAS EMERGÊNCIA PRESENTE ANEXO A DO CONTRATO GESTÃO DAS UNIDADES DE SAÚDE PELA ORGANIZAÇÃO SOCIAL COORDENAÇÃO OPERACIONAL DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIAS EMERGÊNCIA PRESENTE A. UNIDADES DA COORDENAÇÃO OPERACIONAL DE ATENDIMENTO

Leia mais

A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP. Laura Schiesari Diretora Técnica

A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP. Laura Schiesari Diretora Técnica A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP Laura Schiesari Diretora Técnica AGENDA I. A ANAHP II. Melhores Práticas Assistenciais III. Monitoramento

Leia mais

REGULAÇÃO EM SAÚDE NO SUS. Marília Louvison 2011 mariliacpl@gmail.com

REGULAÇÃO EM SAÚDE NO SUS. Marília Louvison 2011 mariliacpl@gmail.com REGULAÇÃO EM SAÚDE NO SUS Marília Louvison 2011 mariliacpl@gmail.com Regulação em saúde Macro função da gestão Pacto de gestão: Regionalização Colegiado de Gestão Regional Blocos de Financiamento Planejamento

Leia mais

Associação Unisaúde Marau MANUAL DO USUÁRIO. Manual do Usuário

Associação Unisaúde Marau MANUAL DO USUÁRIO. Manual do Usuário Associação Unisaúde Marau MANUAL DO USUÁRIO Manual do Usuário MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO. QUALIFICAÇÃO DA OPERADORA DE PLANO DE SAÚDE... 3 2. CARACTERÍSTICAS DO PLANO... 3 2.. Objetivo... 3 2.2. Nome comercial

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

ANEXO I REGIME DE TRABALHO REMUNERAÇÃO

ANEXO I REGIME DE TRABALHO REMUNERAÇÃO PORTARIA CONJUNTA SAD/HEMOPE Nº 63, 2/7/29 ANEXO I a) QUADRO, e Lotação: Diretoria de Hemoterapia ESPECIALIDA NECESSIDAS ESPECIAIS Tec. Laboratório Diarista 4, 3 4 Tec. Laboratório Plantonista 52, 3 4

Leia mais

Comissão Examinadora do Título Superior em Anestesiologia

Comissão Examinadora do Título Superior em Anestesiologia Rua Professor Alfredo Gomes, 36 - Botafogo - Rio de Janeiro/RJ - CEP 22251-080 Tel: (21) 2537-8100 Fax: (21) 2537-8188 Portal: http://www.sba.com.br E-Mail: sba2000@openlink.com.br Departamento de Anestesiologia

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Principais Aletas. 11.8x. março de 2015. Versão: 3.0

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Principais Aletas. 11.8x. março de 2015. Versão: 3.0 TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Principais Aletas 11.8x março de 2015 Versão: 3.0 1 Sumário 1 Objetivos... 4 2 Introdução... 4 3 Aleta Identificação... 5 3.1 Utilizando a Aleta Identificação...

Leia mais

Prontuário Eletrônico do Paciente Principais Aletas Versão de Sistema: 11.8.0.0

Prontuário Eletrônico do Paciente Principais Aletas Versão de Sistema: 11.8.0.0 Prontuário Eletrônico do Paciente Principais Aletas Versão de Sistema: 11.8.0.0 Novembro 2014 Versão do documento: 4.0 Índice Título do documento 1. Objetivos... 4 2. Introdução... 4 3. Aleta Identificação...

Leia mais

Consulta Pública nº 01/2016

Consulta Pública nº 01/2016 MAPA CONCEITUAL MATRIZ POR COMPETÊNCIAS Figura 1. Mapa conceitual da estrutura de matriz por competências As ações-chave podem ser desdobradas ainda (de acordo com o nível de especificidade de uma matriz

Leia mais

NOTIFICAÇÕES DE EVENTOS ADVERSOS VIA SISTEMA

NOTIFICAÇÕES DE EVENTOS ADVERSOS VIA SISTEMA GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO GERÊNCIA DE UNIDADES DE INTERNAÇÃO Comissão de Gerenciamento de Risco NOTIFICAÇÕES DE EVENTOS ADVERSOS VIA SISTEMA 2012 Luciane Lindenmeyer,

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES Conceitos CONSULTAS Atendimentos sem urgência por ordem de chegada. Não existe dentro do Pronto-Socorro e em nenhum local do hospital prévia marcação de

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado o Regulamento para Atividades Práticas do Curso de Enfermagem, bacharelado, da Faculdade do Maranhão FACAM.

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado o Regulamento para Atividades Práticas do Curso de Enfermagem, bacharelado, da Faculdade do Maranhão FACAM. RESOLUÇÃO CSA N 10/2010 APROVA O REGULAMENTO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS DO CURSO DE ENFERMAGEM, BACHARELADO, DA FACULDADE DO MARANHÃO FACAM. O Presidente do Conselho Superior de Administração CSA, no uso

Leia mais

Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1

Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1 Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo 1 Protocolo Transfusional do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) Módulo: Sistema de Hemovigilância no Hospital São Vicente de Paulo. 1 Edição,

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA

TRANSFERÊNCIA DE PACIENTE INTERNA E EXTERNA 1 de 8 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 25/11/2012 1.00 Proposta inicial LCR, DSR,MGO 1 Objetivo Agilizar o processo de transferência seguro do paciente/cliente, para

Leia mais

AUDITORIAS EM SISTEMAS HIPERBÁRICOS REALIZAÇÃO DA PRIMEIRA AUDITORIA EM SISTEMAS HIPERBÁRICOS NO BRASIL

AUDITORIAS EM SISTEMAS HIPERBÁRICOS REALIZAÇÃO DA PRIMEIRA AUDITORIA EM SISTEMAS HIPERBÁRICOS NO BRASIL CURSO INTRODUTÓRIO SOBRE QUALIDADE E SEGURANÇA DOS SERVIÇOS DE MEDICINA HIPERBÁRICA AUDITORIAS EM SISTEMAS HIPERBÁRICOS REALIZAÇÃO DA PRIMEIRA AUDITORIA EM SISTEMAS HIPERBÁRICOS NO BRASIL Dr Roberto Bamman

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO HOSPITALARES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO

REGIMENTO DA COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO HOSPITALARES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES REGIMENTO DA COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÁGIO PARA ALUNOS DA UFCSPA

PROGRAMA DE ESTÁGIO PARA ALUNOS DA UFCSPA PROGRAMA DE ESTÁGIO PARA ALUNOS DA UFCSPA 1) Justificativa Os estágios, curriculares ou não, têm a finalidade de proporcionar a complementação da formação universitária e constam de atividades de prática

Leia mais

Atitude. (Enciclopédia Barsa 1997)

Atitude. (Enciclopédia Barsa 1997) Atitude Conceito genérico, com diferentes interpretações em psicologia, que busca explicar grande parte da conduta social frente às situações e experiências. (Enciclopédia Barsa 1997) (Autor Desconhecido)

Leia mais

JOSÉ SERRA ANEXO NORMAS PARA CADASTRAMENTO CENTROS DE REFERÊNCIA EM CIRURGIA VASCULAR INTRALUMINAL EXTRACARDÍACA

JOSÉ SERRA ANEXO NORMAS PARA CADASTRAMENTO CENTROS DE REFERÊNCIA EM CIRURGIA VASCULAR INTRALUMINAL EXTRACARDÍACA Portaria GM/MS nº de abril de 2002 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a alta incidência de doenças cardiovasculares na população brasileira, o que se constitui

Leia mais

Pressão Intracraniana - PIC. Aula 10

Pressão Intracraniana - PIC. Aula 10 Pressão Intracraniana - PIC Aula 10 Definição É a pressão encontrada no interior da caixa craniana. Pressão exercida pelo líquor nas paredes dos ventrículos cerebrais. Quando essa pressão é alterada significa

Leia mais

Direitos e responsabilidades dos pacientes, familiares e acompanhantes

Direitos e responsabilidades dos pacientes, familiares e acompanhantes Direitos e responsabilidades dos pacientes, familiares e acompanhantes Um relacionamento sólido e seguro está assegurado por uma comunicação transparente e eficaz. Com isso, destacamos abaixo os seus direitos

Leia mais

Anestesia para eutanásia em equinos Aspectos éticos e técnicos

Anestesia para eutanásia em equinos Aspectos éticos e técnicos Anestesia para eutanásia em equinos Aspectos éticos e técnicos Prof. Dr. Fabrício O. Frazílio Anestesiologia e Emergência Veterinária FAMEZ-UFMS Resumo Estudos antigos e atuais em relação a eutanásia Aspectos

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Sistema Único de Saúde, para fortalecimento dos processos de descentralização da gestão da saúde, em conformidade com a legislação vigente.

Sistema Único de Saúde, para fortalecimento dos processos de descentralização da gestão da saúde, em conformidade com a legislação vigente. GOVERNO DO ESTADO DO ESPIRÍTO SANTO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DO ESPÍRITO SANTO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR EDITAL Nº 1 SESA/ES,

Leia mais

A N E X O I - E D I T A L 01/2015 A T R I B U I Ç Õ E S E R E Q U I S I T O S D O S C A R G O S C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 002/2015

A N E X O I - E D I T A L 01/2015 A T R I B U I Ç Õ E S E R E Q U I S I T O S D O S C A R G O S C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 002/2015 A N E X O I - E D I T A L 01/2015 A T R I B U I Ç Õ E S E R E Q U I S I T O S D O S C A R G O S C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 002/2015 NÍVEL SUPERIOR CIRURGIÃO DENTISTA BUCO MAXILO FACIAL - CEOCAM Realizar

Leia mais

Dra Tatiana Caloi Cirurgiã Plástica CREMESP - 91347 TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO

Dra Tatiana Caloi Cirurgiã Plástica CREMESP - 91347 TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO . TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO 1- EU,, portador (a) do CPF nº, por determinação explícita de minha vontade, reconheço DRA TATIANA MARTINS CALOI, médica inscrita no CREMESP sob o nº 91347 e CREMEPE

Leia mais

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ?

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ? Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO 1- Como aderir à proposta AMQ? A adesão é realizada através do preenchimento e envio do Formulário de Cadastramento Municipal no site do projeto. O gestor municipal da saúde

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar

Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar Experiência Do Município De Cascavel PR Na Atenção Domiciliar Histórico 2005: Início dos trabalhos com financiamento da prefeitura municipal de Cascavel. 2008: ampliação dos serviços para 2 equipes de

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIOS MÉDICOS

TABELA DE HONORÁRIOS MÉDICOS Instruções Gerais: TABELA DE HONORÁRIOS MÉDICOS 01. A presente Tabela de Honorários Médicos foi elaborada com base em critérios uniformes para todas as especialidades e tem como finalidade estabelecer

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC: Rodrigues de Abreu Código: 135 Município: Bauru Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Enfermagem

Leia mais

ANEXO A PORTARIA Nº 143/2006, de 17 de maio de 2006.

ANEXO A PORTARIA Nº 143/2006, de 17 de maio de 2006. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA - UCB PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PRG UADA - COORDENAÇÃO EAPs PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO PRA DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS ANEXO A PORTARIA Nº 143/2006, de 17 de maio de

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO PARA EXAMES E PROCEDIMENTOS ENDOSCÓPICOS: endoscopia digestiva alta

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO PARA EXAMES E PROCEDIMENTOS ENDOSCÓPICOS: endoscopia digestiva alta Página 1 de 5 TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO PARA EXAMES E PROCEDIMENTOS ENDOSCÓPICOS: endoscopia digestiva alta NOME DO PACIENTE: DATA DO EXAME/PROCEDIMENTO: PROCEDIMENTOS ADICIONAIS PREVISTOS:

Leia mais

Hospital de grande porte e alta complexidade, exclusivamente SUS São 419 leitos ativos (55 de UTI adulto e 10 de UTI Ped) 44 especialidades médicas,

Hospital de grande porte e alta complexidade, exclusivamente SUS São 419 leitos ativos (55 de UTI adulto e 10 de UTI Ped) 44 especialidades médicas, Hospital de grande porte e alta complexidade, exclusivamente SUS São 419 leitos ativos (55 de UTI adulto e 10 de UTI Ped) 44 especialidades médicas, 38 enfermarias, 22 unidades de procedimentos especializados,

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº - 262, DE 1º - DE AGOSTO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº - 262, DE 1º - DE AGOSTO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº - 262, DE 1º - DE AGOSTO DE 2011 Atualiza o Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde previstos na RN nº 211, de 11 de janeiro de 2010. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional N.º 246 DOU de 23/12/05 Seção 1 - p. 124

Diário Oficial Imprensa Nacional N.º 246 DOU de 23/12/05 Seção 1 - p. 124 Diário Oficial Imprensa Nacional N.º 246 DOU de 23/12/05 Seção 1 - p. 124 MINISTERIO DA SAUDE SECRETÁRIO DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 743, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2005 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA

Leia mais

Cartilha do. de TI. - com ênfase na segurança das informações. Assessoria de Segurança da Informação e Governança de TI

Cartilha do. de TI. - com ênfase na segurança das informações. Assessoria de Segurança da Informação e Governança de TI Cartilha do gestor de solução de TI - com ênfase na segurança das informações Assessoria de Segurança da Informação e Governança de TI Apresentação O sucesso da atuação do Tribunal de Contas da União depende

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA RESPOSTA TÉCNICA COREN/SC Nº 47/CT/2015 Assunto: Administração de Radiofármaco Palavras chaves: Oncologia; Radiofármaco; Punção Venosa. I Solicitação recebida pelo Coren/SC: A punção venosa para aplicação

Leia mais

RESPONSÁVEIS EDITORIAL. Selma Furtado Magalhães. Cleide Maria Carneiro da Ibiapaba. Camila Alves Machado. Joseana Taumaturgo Magalhães Falcão

RESPONSÁVEIS EDITORIAL. Selma Furtado Magalhães. Cleide Maria Carneiro da Ibiapaba. Camila Alves Machado. Joseana Taumaturgo Magalhães Falcão 1 RESPONSÁVEIS Selma Furtado Magalhães Cleide Maria Carneiro da Ibiapaba Camila Alves Machado Joseana Taumaturgo Magalhães Falcão EDITORIAL Hospital Geral Dr. Waldemar Alcântara Revisão: Setembro de 2012

Leia mais

AUTORIZAÇÃO DE PESQUISA MÉDICA (PREENCHIMENTO OBRIGATÓRIO PARA SEGURO DE VIDA EM GRUPO (VG) E ACIDENTES PESSOAIS (AP))

AUTORIZAÇÃO DE PESQUISA MÉDICA (PREENCHIMENTO OBRIGATÓRIO PARA SEGURO DE VIDA EM GRUPO (VG) E ACIDENTES PESSOAIS (AP)) AUTORIZAÇÃO DE PESQUISA MÉDICA (PREENCHIMENTO OBRIGATÓRIO PARA SEGURO DE VIDA EM GRUPO (VG) E ACIDENTES PESSOAIS (AP)) Eu, (Nome Completo e Legível do(a) Segurado(a)), autorizo, na qualidade de Segurado(a),

Leia mais

CÓDIGO AZUL (PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA) Início. Enfermagem das Unidades de Internação e CDI. Iniciam Suporte Avançado de Vida

CÓDIGO AZUL (PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA) Início. Enfermagem das Unidades de Internação e CDI. Iniciam Suporte Avançado de Vida Código: PC.PA.005 Data: 23/11/2010 Versão: 1 Página: 1 de 5 DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO: CÓDIGO AZUL (PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA) Início Enfermagem das Unidades de Internação e CDI Iniciam Suporte Avançado

Leia mais

Data Versão Descrição Autor

Data Versão Descrição Autor Sistema de Controle de Pedidos SISCOP Versão 1.0 Termo de Abertura Versão 2.0 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 16/08/2010 2.0 Desenvolvimento do Termo de Abertura Adriano Marra Brasília,

Leia mais

GESTÃO DOS SERVIÇOS DE PRONTO SOCORRO

GESTÃO DOS SERVIÇOS DE PRONTO SOCORRO Encontro Nacional UNIMED de Recursos e Serviços Próprios e Jornadas Nacionais UNIMED de Enfermagem e Farmácia Hospitalar GESTÃO DOS SERVIÇOS DE PRONTO SOCORRO Instituto Central do Hospital das Clínicas

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior RESOLUÇÃO Nº CNE/CES 3, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior RESOLUÇÃO Nº CNE/CES 3, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior RESOLUÇÃO Nº CNE/CES 3, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002 Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Odontologia. O Presidente

Leia mais

AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA

AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA 1- INTRODUÇÃO Quando uma pessoa sofre agravo agudo à saúde, deve ser acolhido em serviço do SUS mais próximo de sua ocorrência, seja numa Unidade de Saúde

Leia mais

Resposta: Obrigatório, uma vez que a norma exige sistema gerador de energia de emergência.

Resposta: Obrigatório, uma vez que a norma exige sistema gerador de energia de emergência. 1 a Questão: (20 pontos) Um hospital, localizado no município de São Luiz do Maranhão, está sendo cogitado pela Coordenação Nacional de Prevenção e Vigilância (CONPREV) do INCA para receber um Centro de

Leia mais

ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS

ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS I. OBJETIVO Regulamentar a competência da equipe de enfermagem, visando o efetivo cuidado e segurança do

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP Macro estratégias Discussão, pactuação tripartite, e publicação de portaria da Politica Nacional de Atenção Hospitalar/PNHOSP no SUS, estabelecendo as diretrizes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM SAMANTHA CORREA VASQUES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM SAMANTHA CORREA VASQUES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM SAMANTHA CORREA VASQUES RELATÓRIO ESTÁGIO CURRICULAR III- SERVIÇOS DA REDE HOSPITALAR: UNIDADE DE RECUPERAÇÃO PÓS ANESTÉSICA PORTO ALEGRE

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 1598/2000 (Publicado no D.O.U, 18 de agosto de 2000, Seção I, p.63) (Modificada pela Resolução CFM nº 1952/2010)

RESOLUÇÃO CFM nº 1598/2000 (Publicado no D.O.U, 18 de agosto de 2000, Seção I, p.63) (Modificada pela Resolução CFM nº 1952/2010) RESOLUÇÃO CFM nº 1598/2000 (Publicado no D.O.U, 18 de agosto de 2000, Seção I, p.63) (Modificada pela Resolução CFM nº 1952/2010) REVOGADA pela Resolução CFM n. 2.057/2013 Normatiza o atendimento médico

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Capítulo II Habilidades: básicas e pediátricas específicas

Capítulo II Habilidades: básicas e pediátricas específicas Capítulo II Habilidades: básicas e pediátricas específicas Introdução Este capítulo encerra visão ampla das competências essenciais que nortearão residente durante o treinamento. Parte delas deve ser desenvolvida

Leia mais

São as atividades e procedimentos necessários à admissão e acolhimento da paciente na instituição.

São as atividades e procedimentos necessários à admissão e acolhimento da paciente na instituição. PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Título: Recepção de Pacientes na Emergência Obstétrica Responsável pela prescrição do POP Responsável pela execução do POP POP N 07 Área de Aplicação: Obstetrícia Setor:

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C D

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C D HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Residência Multiprofissional em Saúde do Idoso Área: Enfermagem Discursiva Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL

Leia mais

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: SAÚDE

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: SAÚDE CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: SAÚDE ENTIDADES ABRANGIDAS: Entidades que atuam na área da saúde (Art. 4º ao Art. 11º da Lei nº 12.101/2009) ÓRGÃO RESPONSÁVEL

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE BIOMEDICINA - BACHARELADO. Ji-Paraná Rondônia Junho, 2014.

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE BIOMEDICINA - BACHARELADO. Ji-Paraná Rondônia Junho, 2014. REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE BIOMEDICINA - BACHARELADO Ji-Paraná Rondônia Junho, 2014. REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO EM BIOMEDICINA - BACHARELADO TÍTULO I APRESENTAÇÃO A programação

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 032/04 PR, de 31de maio de 2004. Publicada no DOE em 1 /07/04, vigência a partir de 31/05/04.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 032/04 PR, de 31de maio de 2004. Publicada no DOE em 1 /07/04, vigência a partir de 31/05/04. Alterações: Alterado o inciso IV do art. 5 pela IN 042/05 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 032/04 PR, de 31de maio de 2004. Publicada no DOE em 1 /07/04, vigência a partir de 31/05/04. Institui critérios para os

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais LEI COMPLEMENTAR Nº.132, DE 02 DE MARÇO DE 2015. Dispõe sobre a criação e extinção de cargos em comissão de livre provimento e exoneração sem aumento da despesa e dá outras providências. O povo do Município

Leia mais

Curso de Aperfeiçoamento em Medicina Oral e Odontologia Hospitalar

Curso de Aperfeiçoamento em Medicina Oral e Odontologia Hospitalar MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DOS SERVIDORES DO ESTADO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA Curso de Aperfeiçoamento em Medicina Oral e Odontologia Hospitalar JUSTIFICATIVA A Promoção de saúde só será completa

Leia mais

Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção

Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção FICHAS TÉCNICA DOS INDICADORES DE MEDICINA FÍSICA E REABILITAÇÃO VERSÃO PRELIMINAR Aprovada pelo Comitê de Medicina Física e Reabilitação em 08 de Julho

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS O MUNICÍPIO DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE MG, torna público a retificação do Anexo I e Anexo II do Edital do Processo Seletivo Simplificado para formação de quadro de reserva para contratação futura de pessoal

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 4, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 4, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 4, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Fisioterapia. O Presidente

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013)

PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) PARECER CREMEB Nº 28/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/07/2013) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 011.881/13 ASSUNTO: Relação de proporcionalidade: Número de profissionais médicos e número de atendimentos. RELATORA:

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 424, DE 19 DE MARÇO DE 2013(*)

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 424, DE 19 DE MARÇO DE 2013(*) ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 424, DE 19 DE MARÇO DE 2013(*) Redefine as diretrizes para a organização

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

30/03/2010 a 30/03/2011

30/03/2010 a 30/03/2011 POP ACCR 01 Abertura da Ficha do Usuário ASSUNTO: Padronizar o procedimento para abertura da ficha do usuário. Nº 01 Resultados esperados: Cadastros atualizados dos Usuários Este POP aplica-se na recepção

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DATA: 25/01/2016 VERSÃO 2.0 VERSÃO 2 25/01/2016 ÁLVARO BARBOSA SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO... 3 II. PAPÉIS E RESPONSABILIDADES... 4 II.1 - COMITÊ EXECUTIVO... 4 II.2 - CONTROLES

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano

Projeto Hospitais de Excelência /Ministério da Saúde / Programa de Desenvolvimento e Apoio àgestão Hospital Samaritano Análise do processo de implementação de políticas na área hospitalar do Ministério da Saúde: contratualização de hospitais de ensino e filantrópicos no Brasil Projeto Hospitais de Excelência /Ministério

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 003/2012

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 003/2012 EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 003/2012 O HOSPITAL TRAMANDAÍ, integrante da FUNDAÇÃO HOSPITAL MUNICIPAL GETÚLIO VARGAS, divulga a retificação do Edital de Abertura do Processo

Leia mais

Conforme entendimentos mantidos anteriormente, vimos formalizar uma Proposta Comercial para a prestação de serviços de cobertura médica de evento.

Conforme entendimentos mantidos anteriormente, vimos formalizar uma Proposta Comercial para a prestação de serviços de cobertura médica de evento. Fortaleza, 18 de Novembro de 2010. Formatura Faculdade de Medicina UFC Fortaleza/CE Att: Sr. Pedro Guilme Prezado Senhor, Conforme entendimentos mantidos anteriormente, vimos formalizar uma Proposta Comercial

Leia mais

PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503.

PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503. PARECER COREN-SP 001 /2014 - CT PRCI n 102.739/2012 Tickets nº 306.528, 308.503. Ementa: Possibilidade de recusa na administração de um medicamento (preparado/diluído) por outro profissional. Administração

Leia mais

O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos.

O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos. POLÍTICA DE COMPLIANCE INTRODUÇÃO O termo compliance é originário do verbo, em inglês, to comply, e significa estar em conformidade com regras, normas e procedimentos. Visto isso, a REAG INVESTIMENTOS

Leia mais

Manual de Instruções Gerais (MIG) Risco Operacional

Manual de Instruções Gerais (MIG) Risco Operacional 1/74 Título 1 Apresentação... 3 Título 2 Gerenciamento do Risco Operacional... 4 1 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional 4 1 Considerações Gerais... 4 2 Estrutura Organizacional... 5 3 Responsabilidades...

Leia mais

Estágio Opcional em Anestesia Fora do Bloco Operatório

Estágio Opcional em Anestesia Fora do Bloco Operatório Estágio Opcional em Anestesia Fora do Bloco Operatório Serviço de Anestesiologia Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra José Pedro Alves Ribeiro Coordenação Assistente Graduado do Centro Hospitalar

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

O Art. 5º, Inciso II da Constituição Federal da República Federativa do Brasil:

O Art. 5º, Inciso II da Constituição Federal da República Federativa do Brasil: PARECER SETOR FISCAL Nº 38/2015 Assunto: Solicitação de parecer sobre as atribuições do Enfermeiro em ambulatório de farmácia particular. 1. Do fato: Gostaria de obter informações quanto às atribuições

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

REGULAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO

REGULAMENTO PARA A REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO D E P A R T A M E N T O D E C I Ê N C I A D A C O M P U T A Ç Ã O C O L E G I A D O D O C U R S O D E B A C H A R E L A D O E M C I Ê N C I A D A C O M P U T A Ç Ã O COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM

Leia mais