Modelo de Implementação da Web Semântica nas Empresas. A Model for Semantic Web Implementation in Enterprises

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelo de Implementação da Web Semântica nas Empresas. A Model for Semantic Web Implementation in Enterprises"

Transcrição

1 Mdel de Implementaçã da Web Semântica nas Empresas A Mdel fr Semantic Web Implementatin in Enterprises Reinald Ferreira Planeta Virtual Prt, Prtugal Isabel Seruca Departament de Invaçã, Ciência e Tecnlgia, Universidade Prtucalense; Centr Algritmi, Universidade d Minh Prt, Prtugal; Guimarães, Prtugal Resum A Web Semântica cnstitui um imprtante desafi para a utilizaçã da Web na atualidade. A transfrmaçã prgressiva da Web baseada ns dcuments para a Web baseada ns dads dará rigem a uma base de dads distribuída à escala da Web. Send a utilizaçã da Web Semântica nas Empresas um tema ainda puc explrad, este artig prpõe um Mdel de Implementaçã que permita facilitar a intrduçã desta tecnlgia nas rganizações e avaliar impact dessa intrduçã nas aplicações utilizadas e nas tarefas desempenhadas pels utilizadres. Abstract The Semantic Web cnstitutes an imprtant challenge fr tday s Web usage. The prgressive transfrmatin f the Web based n dcuments int the Web based n data will bring up a Web scale database. Given that the Enterprise Semantic Web is still a less explred subject, this paper prpses an Implementatin Mdel that helps in the intrductin f the technlgy in rganizatins and the evaluatin f its impact in the applicatins used and tasks perfrmed by the users. Palavras-chave Web Semântica, Linked Data, mdel de implementaçã, Empresa Keywrds Semantic Web, Linked Data, implementatin mdel, Enterprise I. INTRODUÇÃO Em praticamente duas décadas, a Web saiu de um labratóri nde era apenas uma ideia e transfrmu-se num ambiente ubíqu e universal, a que se pde aceder praticamente em qualquer lugar, nde se encntra infrmaçã sbre praticamente qualquer assunt. Mas a Web ds dcuments é ainda uma versã puc estruturada da Web. Cm a intrduçã d acess as dads, à sua estrutura e a seu significad, pde-se ambicinar um ambiente Web ainda mais integrad, rbust e prátic. As próximas duas décadas pderã prprcinar temp necessári à disseminaçã da Web ds dads, send essa a expectativa da cmunidade científica atual. A intrduçã da Web Semântica implica a transfrmaçã prgressiva da Web baseada ns dcuments, nde as hiperligações entre dcuments cnstituíram a essência da primeira geraçã da Web, na Web baseada ns dads, nde a criaçã de hiperligações entre dads u infrmaçã dará rigem a uma base de dads distribuída à escala da Web [1]. Esta base de dads ptencialmente de grandes dimensões está ainda puc disseminada [2], embra seja pssível encntrar exempls em quantidade suficiente para avaliar esse ptencial, uma vez que alguns esfrçs de investigaçã em cnjunt cm algumas plíticas gvernamentais para a publicaçã de dads prduziram já resultads muit satisfatóris [3]. Apesar destas iniciativas, a utilizaçã da Web Semântica nas Empresas é ainda um tema puc explrad [4], [5]. Entre as várias razões para um reduzid grau de adçã pdem referir-se as dificuldades em hmgeneizar e validar as fntes de dads, definir regras e frnteiras a cnheciment que permitam relacinar s dads unifrmemente, analisar exempls demasiad cmplexs, dispnibilizar capacidade tecnlógica a baix cust para viabilizar a sua implementaçã, encntrar ferramentas de desenvlviment, recrutar prfissinais cm experiência, encntrar referências de sucess e adtar a mudança de paradigma na mdelizaçã, prjet e prgramaçã [4 7]. Tend em cnta estas dificuldades, este artig prpõe um Mdel de Implementaçã da Web Semântica nas Empresas cm dis prpósits fundamentais. O primeir prpósit é de facilitar a intrduçã da tecnlgia em rganizações cm mtivações e características diversas. O segund prpósit é de avaliar impact da intrduçã da tecnlgia nas aplicações utilizadas nessas rganizações e nas tarefas desempenhadas pels utilizadres. Este artig está estruturad da seguinte frma: a Secçã II inclui uma revisã da literatura sbre tema da Web Semântica nas Empresas; a Secçã III apresenta Mdel de Implementaçã da Web Semântica nas Empresas prpst neste trabalh e, pr últim, na Secçã IV sã efetuadas algumas cnsiderações finais e prpstas de trabalh futur. II. A WEB SEMÂNTICA NAS EMPRESAS A dimensã ecnómica da Web é, cm em tdas as áreas, determinante. Fi assim n apareciment da geraçã Web 1.0, cm as empresas cauda lnga a abrdar mercad glbal de clientes e prduts, até a mais pequen nich. Fi igualmente assim n cresciment da Web 2.0, cm as redes sciais a serem explradas na perspetiva da ligaçã das pessas às empresas, às marcas e as prduts. E será eventualmente assim cm a Web 3.0, cm as empresas a envlverem-se ativamente na sua cnstruçã. A tecnlgia da Web Semântica pderá transfrmar sftware empresarial, dar rigem a nvs mdels de negóci e até reduzir custs em áreas cm a integraçã de dads,

2 gestã de dads centrais e gestã da infrmaçã empresarial [7]. Redes empresariais internas baseadas em Linked Data pderã reduzir significativamente s custs de integraçã de infrmaçã, entre utrs benefícis, cm, pr exempl, na integraçã da infrmaçã de prduts, frnecedres, materiais, legislaçã, mercad, finanças u utras infrmações entre fntes internas e externas [8]. N entant, a adçã crescente das tecnlgias da Web Semântica e s princípis de Linked Data fmentam a pergunta sbre que aplicações pdem ser desenvlvidas para utilizar este ptencial. A respsta pderá ser btida cm a identificaçã das áreas nde estas tecnlgias e princípis pdem cntribuir de frma distinta das tecnlgias tradicinais [9]. Entretant, cmprmiss entre esfrç cmputacinal e a flexibilidade tem vind a pender a favr d segund aspet, tend em cnta a verificaçã da prjeçã ditada pela Lei de Mre, pis mais capacidade de cmputaçã dispnível leva a mens precupaçã cm a simplificaçã u timizaçã. Pr utr lad, a ecnmia tem beneficiad da invaçã e deu rigem a um ambiente de elevada cmpetitividade nde flexibilidade e velcidade assumiram um papel pr vezes mais imprtante d que rbustez e cnfiança. Pde assim questinar-se a validade ecnómica atual ds mdels de nrmalizaçã de dads em cmparaçã cm a flexibilidade e prmessa de universalidade da Web Semântica [10]. O desenvlviment da Web Semântica tem sid rientad cm base na frma cm diferentes cmunidades perspetivam a sua evluçã, cnsiderand as suas áreas específicas de investigaçã. Uma abrdagem é a da antaçã, tmand a grande quantidade de cnteúds dispníveis na Web cm base e utilizand diversas técnicas para dar rigem a dads estruturads. Outra abrdagem é a ds repsitóris de dads, partind de estruturas pré-definidas que depis se atualizam e interligam cm diferentes estruturas. Pr últim, a abrdagem que a psicina cm uma platafrma para agentes, aplicações que cmbinam diferentes fntes de infrmaçã e, n limite, executam ações em substituiçã ds indivídus [11]. Adicinalmente e tend em cnta a natureza distinta das rganizações, faz sentid que a abrdagem empresarial seja distinta da académica. As empresas prcurarã resultads mais prátics, de curt-praz e cm elevad grau de sucess, enquant a investigaçã académica prcura tipicamente resultads teórics, mais ambiciss e de médi-praz. N entant, demasiada divergência pderá causar uma fratura, em que a empresa se fca em pucas questões e a academia em aspets que nunca serã utilizads [12], send acnselhável cnsiderar um equilíbri entre as duas abrdagens. O debate sbre pssível sucess cmercial da Web Semântica está esgtad e fi substituíd pela discussã sbre que alterações as aplicações cmerciais pderã sfrer cm a intrduçã da tecnlgia [11]. Fabi Ciravegna, da Universidade de Sheffield, cnsidera que as tecnlgias semânticas serã implementadas cm mais visibilidade em grandes rganizações distribuídas, cm destaque para as grandes empresas. David De Rure, da Universidade de Suthamptn, cnsidera que a tecnlgia semântica permitirá desenvlviment rápid de aplicações suprtadas sbre sistemas de infrmaçã existentes, pr exempl, pssibilitand a integraçã dinâmica de redes de sensres cm utras fntes de dads u sistemas de suprte à decisã baseads em dads de redes distintas. Esse trabalh será desenvlvid cm ferramentas baseadas na qualidade prdutiva e autmaçã eficaz, dirigidas a utilizadres sem especializaçã tecnlógica. III. MODELO DE IMPLEMENTAÇÃO Tend em cnta a diversidade de aspets a cnsiderar na adçã da Web Semântica nas Empresas, um Mdel de Implementaçã dessa tecnlgia deverá cnsiderar várias dimensões. Cada dimensã cbre a necessidade de satisfazer requisits para a implementaçã da tecnlgia, numa perspetiva discreta, mas representa simultaneamente percurs que pssibilita a sua implementaçã, em diferentes estádis, numa perspetiva cntínua. A Fig. 1 apresenta mdel prpst neste artig, que inclui quatr dimensões: Adçã, Prveniência, Acessibilidade e Atividades. Nas sub-secções seguintes justifica-se a pertinência de cada uma das dimensões. Atividades Acessibilidade Prveniência Adçã Mdel de Implementaçã da Web Semântica nas Empresas Figura 1 Mdel de Implementaçã da Web Semântica nas Empresas A. Adçã tecnlógica De acrd cm [13], s principais mdels de adçã tecnlógica cm aplicaçã empresarial sã mdel da Difusã da Invaçã e mdel Tecnlgia-Organizaçã- Ambiente. Segund mdel da Difusã da Invaçã [14], a invaçã rganizacinal está essencialmente dependente das seguintes características: Liderança, tend em cnta a atitude em relaçã à mudança que é adtada pels indivídus que lideram a rganizaçã; Estrutura, cnsiderand a rganizaçã das pessas, a sua dispnibilidade, interligaçã, mbilidade e cnheciment;

3 Abertura, analisand a abertura da rganizaçã a ambiente exterir. Ainda de acrd cm [14], a invaçã é adtada a velcidades diferentes, segund uma distribuiçã nrmal d grau de adçã nde sã identificads cinc grups: Innvatrs, grup cm mais rápida adçã, 2.5% d ttal; Early adpters, grup cm mair aceleraçã na adçã, 13.5% d ttal; Early Majrity, mair grup em adçã crescente, 34% d ttal; Late Majrity, primeir grup cm adçã a um ritm decrescente, 34% d ttal; Laggards, grup cm adçã mais tardia e residual, 16% d ttal. Pr sua vez, mdel Tecnlgia-Organizaçã-Ambiente [15] prpõe três aspets d cntext empresarial que influenciam a invaçã tecnlógica: Tecnlgia, que se refere às tecnlgias relevantes para a empresa; Organizaçã, que se refere à estrutura rganizacinal e à sua atuaçã; Ambiente, que se refere a espaç extern nde a empresa se insere, setr nde atua, s seus cncrrentes e a sua relaçã cm estad. Estes mdels sbrepõem-se em grande parte mas cmplementam-se em detalhes que nã parecem de desprezar Assim, prpõe-se uma abrdagem que permita suprtar cnclusões referentes a ambs s mdels e fereça uma análise abrangente, aqui designada apenas pr Adçã tecnlógica e que inclui as seguintes características: Tecnlgia, que inclui as prtunidades de utilizaçã da tecnlgia pela rganizaçã, neste cas a Web Semântica e as suas aplicações; Organizaçã, que se refere à frmalizaçã das relações internas, cnsiderand ainda: Liderança, que se refere à atitude em relaçã à mudança da gestã de tp; Estrutura, que se refere às relações entre pessas que cmpõem a rganizaçã; Exterir, que abrda a vertente externa da rganizaçã, n que diz respeit a: Interface, que abrda a abertura da empresa a exterir; Ambiente, que abrda s intervenientes n espaç nde a empresa se situa. B. Prveniência Esta dimensã d Mdel de Implementaçã cnsidera a prveniência ds dads cm um fatr determinante. A grande questã que se clca é a de identificar as fntes desses dads. Pr um lad, as diferentes Aplicações Web intrduzem aspets de utilizaçã muit cncrets que influenciarã a sua cntribuiçã para a adçã da Web Semântica pelas Empresas, nmeadamente aplicações cm tiplgia de Web Site, Extranet, Intranet, Web App u Web Service. Pr utr lad, imprta situar as fntes de dads n interir u n exterir da empresa. A invaçã e a vantagem cmpetitiva de uma empresa dependem inteiramente da capacidade desta de lidar cm um flux permanente e crescente de infrmaçã. Cnsequentemente, s esfrçs de integraçã de infrmaçã têm de acmpanhar esse cresciment. A utilizaçã da Web Semântica nesse esfrç de integraçã pde aumentar substancialmente seu retrn, reduzind s custs de integraçã e aumentand s benefícis decrrentes [8]. A abertura ds dads públics as cidadãs representa um avanç na transparência demcrática, pssibilitad pela dispnibilidade tecnlógica. A esse respeit, destacam-se s esfrçs ds gverns american e britânic que levaram já à dispnibilizaçã alargada de fntes de dads cm utilidade generalizada. A necessidade de explrar estas fntes de dads revela-se antes de mais cm uma pssibilidade de explrar fntes de riqueza [16]. A dimensã prveniência deve fcar-se assim na identificaçã das fntes de dads, internas e externas, e n seu flux de utilizaçã, à imagem da tiplgia distribuída da Web Semântica. C. Acessibilidade ds dads A perceçã d utilizadr cmum quant à acessibilidade ds dads na Web é largamente influenciada pela sua inteligência, ist é, pela sua capacidade de entender esses dads sb diferentes frmas. O caminh para a dispnibilizaçã ds dads de frma universal passa pr várias fases, apresentadas e claramente identificadas pr Tim Berners-Lee [17] na frma de uma classificaçã cm cinc estrelas u cinc fases de evluçã. A primeira fase passa pr trnar s dads dispníveis na Internet, para utilizaçã livre. Tend em cnta a habitual cnfusã entre as diferentes autrizações de utilizaçã, pr livre, entenda-se mesm, sem qualquer restriçã. Alguns desafis se clcam nesta matéria, cm sejam s da utilizaçã indesejável ds dads, cm na espinagem u n terrrism, u da utilizaçã excessiva, que implique sbrecarga ds sistemas. A segunda fase cnsiste em dispnibilizar esses dads de frma a que as máquinas s entendam. Um exempl clássic será de substituir a imagem de uma tabela, pr exempl n frmat JPEG, pr uma tabela n frmat d Excel. Os desafis passarã entã a ser estruturais, quer quant a entendiment da cdificaçã da estrutura, quer quant à própria qualidade da mesma.

4 A terceira fase será a de dispnibilizar s mesms dads numa estrutura nã prprietária. Seguind mesm exempl, pde substituir-se a tabela n frmat d Excel pr uma estrutura de dads simples, mas generalizada, cm a CSV (Cmma Separated Values). A quarta fase passa pr adicinar a capacidade semântica, utilizand standards d W3C cm RDF (Resurce Descriptin Framewrk) e SPARQL (Sparql Prtcl And Rdf Query Language). Os dads publicads pdem assim passar a ser referids pr terceirs, usand endereçs que indicam nã apenas a sua lcalizaçã mas também a sua identidade. Finalmente, a quinta fase cnsiste na ligaçã desses mesms dads as dads de terceirs, prprcinand cntext e validaçã. Cria-se, assim, neste últim patamar, um cenári de dads interligads reciprcamente que crprizaria as ambições da Web Semântica. D. Atividades na Web O desígni de suprtar uma base de dads à escala glbal pderia parecer suficiente para prmver a adçã da Web Semântica. Mas na realidade, esta tecnlgia parece ser uma alternativa de mair risc às tecnlgias mais cnvencinais, cm ferramentas de desenvlviment escassas, cmpetências difíceis de recrutar, referências de sucess ainda em númer nã substancial e uma verdadeira mudança de paradigma na mdelaçã, prjet e prgramaçã [7].Pr utr lad, s Sistemas de Infrmaçã têm sid classificads de acrd cm várias abrdagens, umas mais generalistas, utras cm finalidades mais específicas [18]. Apesar d elevad númer de esfrçs realizads, a questã da classificaçã ds Sistemas de Infrmaçã está lnge de estar esgtada. Assim, será imprtante encntrar uma classificaçã que tenha pr base a utilizaçã da Web cm ambiente de trabalh, em alternativa u cmplementaridade às classificações mais tradicinais. Existem váris estuds cnhecids relativs à utilizaçã da Web. Algumas cnclusões apntam para fact de utilizadr pesquisar a Web em busca de infrmaçã, navegaçã u transaçã [19]. A prcura, a clheita, a bservaçã, a transaçã, a cmunicaçã u a manutençã sã também identificads cm atividades [20]. É, n entant, trabalh de sistematizaçã de Tm Heath [9] que frnece esclareciments adicinais sbre esta análise, cmpletand-a cm a cncentraçã nas atividades que têm uma finalidade u prpósit, em detriment das que se referem a meis u métds, criand assim uma Tasknmy u taxnmia de tarefas. De acrd cm a sistematizaçã realizada, as principais atividades d utilizadr desempenhadas cm suprte da Web, pdem rganizar-se ns seguintes grups: 1) Lcalizaçã A prcura de um bjet que se presume que exista, cm um artig de jrnal, uma ftgrafia, um númer de telefne u infrmaçã sbre um livr. Esta tarefa é muit frequente, uma vez que a Web se transfrmu na fnte principal de infrmaçã generalizada para tds s fins. Assim, quand se pretende simplesmente bter um númer de telefne de uma empresa, é mais prvável que se pesquise nme da empresa na Web em geral, tentand encntrar Web site da empresa e, de seguida, encntrar respetiv númer de telefne, eventualmente utilizand um serviç que liste s númers de telefne das empresas. Ou que se prcure um artig n Web Site de um jrnal, em alternativa a prcura-l na ediçã impressa, página a página. Palavras-chave: lcate, lk, find 2) Explraçã Reclher infrmaçã sbre um determinad assunt u entidade, cm prpósit de entender u cnhecer, cm na explraçã de uma teria para entender s seus fundaments u na reclha de infrmaçã de uma empresa, antes de uma entrevista de empreg. A dimensã da Web trnu-a na mais imprtante fnte de cnheciment da atualidade, em praticamente tds s dmínis. Trnu-se assim cmum utilizar a Web para explrar várias fntes de infrmaçã, reclher váris dcuments, imagens u cnceits. Palavras-chave: explre, gather, research 3) Navegaçã Percrrer fntes sem um bjetiv em particular, cm prpósit de encntrar elements interessantes, cm a seguir ligações num blg que pareçam interessantes u a seguir ligações para as ntícias mais lidas d dia. Para além de fnte de infrmaçã, a Web está a trnar-se n mais imprtante mei de entreteniment. É pssível assim encntrar diversas fntes que permitem utilizar a Web cm se tratasse de um recurs infinit. Palavras-chave: graze, brwse, fllw 4) Mnitrizaçã Verificar regular u repetidamente fntes cm a intençã de detetar a crrência e a natureza de alterações, cm na verificaçã da existência de mensagens nvas numa cnta de crrei eletrónic u análise de um fórum de discussã à espera de nvas ideias. A Web é nã apenas uma fnte imensa de infrmaçã, cm é também muit rápida a disseminá-la. A cmbinaçã da intervençã generalizada de tds s utilizadres cm a extensã e ubiquidade da Web fazem cm que, quant mair fr a nvidade, mair será a velcidade cm que a Web a distribui. Palavras-chave: mnitr, check, detect 5) Partilha Trnar um bjet u pedaç de infrmaçã dispnível a terceirs, cm na partilha de fts das férias cm um clega u n carregament de um artig de jrnal para um site pessal. A partilha u clabraçã é um ds aspets mais disruptivs d efeit da Web na sciedade. A Web prprcina um mei únic de clabraçã maciça que, cm

5 Cnceptualizaçã Tarefas simples Tarefas cmplexas as ferramentas aprpriadas e alguma invaçã, transfrma sectres inteirs da ecnmia. Palavras-chave: share, distribute, cllabrate 6) Ntificaçã Infrmar terceirs de um event u uma alteraçã n estad de uma entidade, cm enviar uma mensagem a amigs para s infrmar de um acnteciment u blquear a sua dispnibilidade na aplicaçã de mensagens instantâneas. A nçã de estad, muit usada na infrmática, ganhu nv fôleg pela utilizaçã de uma rede de cmunicaçã dispnível em permanência, pssibilitand, pr exempl, cmunicar autmaticamente que ns afastams d cmputadr através d estad de uma aplicaçã de mensagens instantâneas. Palavras-chave: ntify, state, infrm, cmmunicate 7) Afirmaçã Prduzir afirmações u piniões sem nenhuma utilizaçã cncreta, cm na escrita da crítica de um filme u na indicaçã num Web site que se pssui um determinad livr. A dispnibilidade de acess individual a uma rede de cmunicaçã de massas abriu espaç para que a piniã de qualquer um pssa chegar a mais pessas, da mesma frma que a piniã de cada vez mais pessas chega a cada indivídu. Palavras-chave: assert, pinin, suggestin 8) Discussã Trcar cnheciment e piniões sbre um determinad assunt cm terceirs, cm discrdar de uma entrada anterir num fórum de discussã u alterar cnteúd de uma página de um Wiki. A dispnibilidade de acess individual, em cnjunt cm um espaç adequad, é também respnsável pel aument da discussã, d cnfrnt de ideias, da pssibilidade de exteririzar a discrdância e, eventualmente, encntrar acrds, cnsenss u cnheciment. Palavras-chave: discuss, cmment, respnd 9) Avaliaçã Determinar se uma infrmaçã é verdadeira u analisar várias pções para determinar a melhr, cm na esclha d cinema em que se pretende ver um determinad filme u na cmparaçã de fntes de infrmaçã para decisã sbre a mais crreta. Desde a cmparaçã de preçs para um dad prdut à determinaçã da bmba de gaslina mais próxima, a dispnibilidade de infrmaçã de livre acess diminuiu as barreiras de entrada mas aumentu a cncrrência ds mercads. Palavras-chave: evaluate, assess, analyze 10) Cmbinaçã Cmbinar cm terceirs de frma a que alg pssa ser pssível, cm na marcaçã de uma estadia num htel dispnível para uma dada data u na clcaçã de uma encmenda de um prdut que existe em stck. Cm a infrmaçã dispnível, indivídu está mais capacitad para tmar decisões mais cmplexas, aumentand leque de pssibilidades e reduzind risc de err. Palavras-chave: arrange, cmbine, negtiate 11) Transacçã Transferir dinheir u crédit entre partes, cm n pagament de um serviç através d banc u na marcaçã e utilizaçã de um dia de férias dispnível. Tratand-se de um mei de cmunicaçã digital, apenas que pde ser digitalizad pde ser transprtad. O dinheir eletrónic ganha um estatut especial de destaque neste cntext, pis ainda se pensa nele cm tangível, apesar de cada vez mais ser mvimentad virtualmente, em particular utilizand a Web. Palavras-chave: transfer, pay, transact A Fig. 2 apresenta espaç de implementaçã da tecnlgia semântica tend em cnta a diversificaçã e cnceptualizaçã das tarefas desempenhadas. Cmbinaçã Transaçã Mnitrizaçã Tarefas cnstantes Discussã Explraçã Afirmaçã Partilha Ntificaçã Avaliaçã Lcalizaçã Navegaçã Diversificaçã Tarefas variáveis Figura 2 - Caracterizaçã de Tarefas e Atividades segund a sua Cnceptualizaçã e Diversificaçã, adaptad de [11] O grau de cnceptualizaçã e grau de diversificaçã das tarefas desempenhadas influenciam a viabilidade de implementaçã da tecnlgia. As tarefas simples e repetitivas sã aquelas que mais naturalmente já sã satisfeitas pelas aplicações de sftware tradicinais e as que mens pderã beneficiar da tecnlgia Web Semântica. À medida que a cnceptualizaçã das tarefas aumenta, surgem prtunidades para esta tecnlgia, mas n auge da cnceptualizaçã, quand as tarefas sã dificilmente tipificadas e exigem a intervençã criativa de uma pessa, esfrç para a sua implementaçã passa a ser superir a simplesmente executar as tarefas. As tarefas puc diversificadas sã mais uma vez as que mais

6 facilmente sã suprtadas pel sftware tradicinal, mas n limite da diversificaçã dificilmente será rentável sistematizar as tarefas a pnt de serem suprtadas pela tecnlgia semântica. Assim, limiar ideal para a implementaçã da tecnlgia semântica será aquele em que alguma cnceptualizaçã u diversificaçã trnam as tarefas demasiad cmplexas u demasiad diversificadas para sftware tradicinal [11]. Psicinand as atividades identificadas pr Tm Heath na sua Tasknmy neste espaç, visualiza-se a dimensã da prtunidade que esta tecnlgia pde explrar. IV. CONCLUSÃO E TRABALHO FUTURO A Web Semântica apresenta-se cm uma prtunidade de invaçã ainda puc desenvlvida nas Empresas. A investigaçã realizada identificu várias barreiras à sua intrduçã e uma questã principal relativa a que aplicações pdem beneficiar da intrduçã desta tecnlgia. Neste artig prpõe-se a criaçã de um Mdel de Implementaçã da Web Semântica nas Empresas basead em quatr dimensões identificadas: Adçã tecnlógica, dimensã de estud da estrutura rganizacinal e da invaçã tecnlógica, que estã na base da implementaçã; Prveniência, dimensã de análise das fntes e fluxs de dads, que cnstituem s recurss de infrmaçã dispníveis; Acessibilidade, dimensã de análise da estrutura ds dads, que determina ptencial de utilizaçã ds recurss de infrmaçã; Atividades, dimensã de análise das tarefas desempenhadas, que identifica em que atividades sã utilizads s recurss de infrmaçã. Este Mdel de Implementaçã permitirá, numa primeira fase, analisar grau de adçã da Web Semântica nas Empresas e, numa fase cmplementar, servir cm guia, sistematizand caminh a seguir para uma adçã mais rápida e intensiva. Num futur próxim pretende-se validar n terren mdel prpst neste artig, através de uma intervençã junt das empresas, baseada numa metdlgia de Investigaçã-Açã, cnstituída pr dis cicls de diagnóstic, planeament, implementaçã, avaliaçã e reflexã. Os resultads dessa intervençã permitirã determinar a viabilidade d mdel e ds utputs pssíveis, bem cm quantificar retrn d investiment na implementaçã da tecnlgia, em frmats que permitam reclher evidências individuais e generalizar as cnclusões. [3] C. Bizer, T. Heath, K. Idehen, and T. Berners-Lee, Linked data n the web (LDOW2008), WWW2008 Wrkshp n Linked Data n the Web, vl. 2008, n. September, pp , [4] Z. Ahmed and D. Gerhard, Rle f Ontlgy in Semantic Web Develpment, Knwledge Management, [5] W. Kuhn, Mdeling vs encding fr the Semantic Web, Semantic Web Jurnal, vl. 1, pp , [6] S. S. Kang, J. Y. Yang, S. K. Lee, K. H. Gng, J. S. Myung, S. C. Park, and S. G. Lee, An Enterprise Strategy fr Semantic Technlgy Adptin, in The 5th Internatinal Cnference n Infrmatin Technlgy and Applicatins, [7] J. Pllck, A Semantic Web Business Case, W3C, [Online]. Available: e.pdf. [Accessed: 14-Jul-2012]. [8] K. Janwicz and P. Hitzler, Creating knwledge ut f interlinked data, Semantic Web, vl. 1, pp , [9] T. Heath, A tasknmy fr the Semantic Web, Semantic Web Jurnal, vl. 1, pp , [10] T. Segaran, C. Evans, and J. Taylr, Prgramming the Semantic Web. O Reilly, 2009, p [11] J. Dmingue, D. Fensel, and J. A. Hendler, Eds., Handbk f Semantic Web Technlgies. Berlin, Heidelberg: Springer Berlin Heidelberg, [12] J. Cards, J. Miller, J. Su, and J. Pllck, Academic and Industrial Research: D their Appraches Differ in Adding Semantics t Web Services?, Lecture Ntes in Cmputer Science, vl. 3387/2005, pp , [13] T. Oliveira and M. Martins, Literature Review f Infrmatin Technlgy Adptin Mdels at Firm Level, The Electrnic Jurnal Infrmatin Systems Evaluatin, vl. 14, n. 1, pp , [14] E. M. Rgers, Diffusin f innvatins, vl. 65, n. 5. Free Press, 1995, p [15] L. G. Trnatzky and M. Fleischer, The Prcesses f Technlgical Innvatin, vl. 273, n. 3. Lexingtn Bks, 1990, p [16] C. L. Kumenides, M. Salvadres, H. Alani, and N. R. Shadblt, Glbal Integratin f Public Sectr Infrmatin, in Prceedings f the WebSci10: Extending the Frntiers f Sciety On-Line, April 26-27th, 2010, Raleigh, NC: US, [17] T. Berners-Lee, Linked Data Desing Principles, [Online]. Available: [Accessed: 14-Jul-2012]. [18] F. C. Lpes, M. P. Mrais, and A. J. Carvalh, Desenvlviment de Sistemas de Infrmaçã, FCA. 2005, p [19] A. Brder, A taxnmy f web search, SIGIR Frum, vl. 36, n. 2, pp. 3 10, [20] A. J. Sellen, R. Murphy, and K. L. Shaw, Hw Knwledge Wrkers Use the Web, Cmputer, n. 4, pp , BIBLIOGRAFIA [1] T. Heath and C. Bizer, Linked Data: Evlving the Web int a Glbal Data Space, vl. 1, n. 1. Mrgan & Claypl, 2011, pp [2] I. Herman, Semantic Web Adptin and Applicatins, Netwrks, vl. 17, n. 7, pp , 2011.

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO Encntr de Alt Dirigentes - Viseu 2/3 Dez 2013 Cm Invar para Ser Mais Cmpetitiv ENCONTRO de ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), 2-3 DEZEMBRO 2013 Apresentaçã Crprativa Cnfidencial Cnclusões finais Página

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt Versã 1.1.1.3 Descriçã d prdut, 2009 www.graycell.pt 1 ENQUADRAMENTO A platafrma ask-it! é uma aplicaçã web-based que permite criar inquérits dinâmics e efectuar a sua dispnibilizaçã n-line. A facilidade

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

WWW.CLICK-MENTAL.COM

WWW.CLICK-MENTAL.COM Fidelity Uma estratégia de fidelizaçã de clientes WWW.CLICK-MENTAL.COM Criad pr: Click Mental - Sistemas de Infrmaçã, Lda. Fidelity Uma estratégia de fidelizaçã de clientes O que é? O Fidelity é um sftware

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 8º an Subdmíni Cmunicaçã e clabraçã CC8 Cnheciment e utilizaçã adequada e segura de diferentes tips de ferramentas de cmunicaçã,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

Passo 1: Descrição do plano de negócios

Passo 1: Descrição do plano de negócios Manual Cm fazer um plan de negócis Índice Intrduçã Pass 1: Descriçã d plan de negócis Pass 2: Abrdagem d mercad Pass 3: Investiments e financiament Pass 4: Cnta de explraçã prvisinal Pass 5: Orçament prvisinal

Leia mais

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3 Cm identificar, vender e cmercializar cm s prspects de pequenas empresas Parte 2/3 A pequena empresa é um mercad massiv em imprtante cresciment, que alcançu uma maturidade em terms de prtunidade para s

Leia mais

Pós-graduação. em Negócios e Marketing de Moda

Pós-graduação. em Negócios e Marketing de Moda Pós-graduaçã em Negócis e Marketing de Mda Pós-graduaçã em Negócis e Marketing de Mda Intrduçã A Faculdade Santa Marcelina é recnhecida nacinalmente pel seu pineirism pr lançar a primeira graduaçã de mda

Leia mais

Curso de Extensão: Finanças Corporativas

Curso de Extensão: Finanças Corporativas 1. Apresentaçã Curs de Extensã: Finanças Crprativas Uma crpraçã é, genericamente, caracterizada pela tmada de duas decisões fundamentais, a de financiament e a de investiment. O prcess de seleçã, análise

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

Ontologias: da Teoria à Prática

Ontologias: da Teoria à Prática Ontlgias: da Teria à Prática I Escla de Ontlgias UFAL-USP Endhe Elias e Olav Hlanda Núcle de Excelência em Tecnlgias Sciais - NEES Universidade Federal de Alagas UFAL Rteir Mtivaçã Ontlgias Engenharia

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos Estági II Semestral 6 Invaçã e Desenvlviment de Prduts Turístics Desenvlviment e Operacinalizaçã de Prjects Turístics Inglês Técnic IV Legislaçã e Ética d Turism Opçã Semestral 4 6/6 Sistemas de Infrmaçã

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt

www.highskills.pt geral@highskills.pt www.highskills.pt geral@highskills.pt Índice Designaçã d Curs... 2 Duraçã Ttal d Curs de Frmaçã... 2 Destinatáris... 2 Objetiv Geral... 2 Objetivs Específics... 2 Estrutura mdular e respectiva carga hrária...

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação

Âmbito do Documento. Modelo de Comunicação. Modelo de Comunicação. Prescrição Eletrónica Médica - Aplicação Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica Médica - Aplicaçã Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da aplicaçã de Prescriçã Eletrónica Médica

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463 Mdel de Negócis Trabalh n âmbit da disciplina de Mdelaçã de dads. Criaçã de uma platafrma utilizand as tecnlgias SQL PHP e Javascript.. TRABALHO REALIZADO POR: Antni Gme- 2007009 // Jrge Teixeira - 2008463

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento Interbrs Tecnlgia e Sluções de Internet Ltda. Rua Dr. Guilherme Bannitz, 126 2º andar Cnj. 21 /179 Itaim Bibi - Sã Paul- SP - 04532-060 Fne: 55 11 9209-3717 / 55 11 8162-0161 Pr favr, cnsidere a prteçã

Leia mais

SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS

SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS SEGURANÇA DE DADOS CLÍNICOS 6/16/2005 HSM/SSIT-07062005/CA Carls Ferreira Hspital de Santa Maria Serviç de Sistemas de Infrmaçã e Telecmunicações Av. Prf. Egas Mniz 1649-035 Lisba Tel.: (+351) 217805327

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema.

Em qualquer situação, deve ser incluída toda a informação que seja relevante para a análise e resolução da questão/problema. Mdel de Cmunicaçã Prescriçã Eletrónica de Medicaments Revisã 2 Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes da Prescriçã Eletrónica de Medicaments

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi Benefícis ds serviçs de transprte de táxis cmpartilhads Shared-transprt / Shared-taxi Reuniã de Especialistas sbre Transprte Urban Sustentável: Mdernizand e Trnand Eclógicas as Frtas de Táxis nas Cidades

Leia mais

Diferenciais do QlikView Versus Tecnologias Tradicionais

Diferenciais do QlikView Versus Tecnologias Tradicionais Diferenciais d QlikView Versus Tecnlgias Tradicinais Índice Tecnlgia MOLAP... 3 Demanda criaçã de Datawarehuse... 3 Númer limitad de dimensões... 3 Inflexível... 3 Cnsultas smente nline... 3 Tecnlgia ROLAP...

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS.

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Ntas de Aula Ecnmia Industrial Nta_aula_4_Preç-Oligpli TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Bibligrafia: KON, Anita. Ecnmia Industrial. Sã Paul: Nbel, 2001. (CAPÍTULO 2) PINDYCK, RS e RUBINFELD,

Leia mais

Pesquisa Oficial de Demanda Imobiliária SINDUSCON Grande Florianópolis. NÃO ASSOCIADOS Apresentação

Pesquisa Oficial de Demanda Imobiliária SINDUSCON Grande Florianópolis. NÃO ASSOCIADOS Apresentação Pesquisa Oficial de Demanda Imbiliária SINDUSCON Grande Flrianóplis. NÃO ASSOCIADOS Apresentaçã O presente trabalh tem cm principais bjetivs identificar perfil d frequentadr d Salã d Imóvel, suas demandas

Leia mais

Software Para Controle de Acesso e Ponto

Software Para Controle de Acesso e Ponto Sftware Para Cntrle de Acess e Pnt Características e Funcinalidades Versã 2.0 Inipass é marca registrada da Prjedata Infrmática Ltda. Tds s direits reservads à Prjedata Infrmática Ltda. Características

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO C e n t r d e I n f r m á t i c a NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA A FMUP dispõe de salas e labratóris de infrmática gerids pel Centr

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

- COMO PROCURAR EMPREGO -

- COMO PROCURAR EMPREGO - GUIA PRÁTICO - COMO PROCURAR EMPREGO - e 1 de 7 Técnicas de Prcura de Empreg...3 1. Aut Avaliaçã...3 2. Meis de Divulgaçã de Ofertas de Empreg...3 3. Carta de Apresentaçã...4 4. Curriculum Vitae...4 4.1.1.

Leia mais

Aula prática 6 Modelos Conceptuais e cenários de actividade

Aula prática 6 Modelos Conceptuais e cenários de actividade Aula prática 6 Mdels Cnceptuais e cenáris de actividade 1. Objetiv 1. Pretende-se que s aluns prduzam mdel cnceptual d prject e desenhem cenáris de actividade cm base nesse mdel. 2. Pretende-se ainda que

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE

REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE ARTIGO I DEFINIÇÃO E NATUREZA O Prêmi Cidadania, categria Estudante, premia trabalhs de caráter técnic u científic, referente a implementaçã

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

Definições Relacionadas à Política de Segurança da Informação

Definições Relacionadas à Política de Segurança da Informação Definições Relacinadas à Plítica de Segurança da Infrmaçã Área respnsável Versã Data de emissã Data de revisã Data de vigência Infrmática Crprativa - Segurança 1.2 20/08/2009 30/10/2013 01/02/2014 Objetiv

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira CAPÍTULO IV Valres, Crenças, Missã, Visã.e Plítica da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira Há alguns ans, quand tínhams ótims atletas, perdíams a Cpa d Mund de futebl, as Olimpíadas, errand em cisas básicas.

Leia mais

Banda Larga Móvel LTE e Além

Banda Larga Móvel LTE e Além MARÇO 2015 As tecnlgias 3GPP - HSPA, HSPA+, LTE e agra a LTE-Advanced - frmam a platafrma glbal da banda larga móvel, ferecend cnexões rápidas e integradas n mund inteir. Nessa ediçã 1 Implementações 3GPP

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Pnt Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

Newsletter Codificação #3-5/06/2006

Newsletter Codificação #3-5/06/2006 Newsletter Cdificaçã #3-5/06/2006 Car clega: Este é n.º 3 da nssa newsletter. A sua intençã é ser um mei de partilha de infrmaçã entre s médics cdificadres prtugueses preparand caminh para a criaçã duma

Leia mais

Gerenciamento do Escopo

Gerenciamento do Escopo Pós-graduaçã Gestã Empresarial Módul GPE Gestã de Prjets Empresariais Prf. MSc Jsé Alexandre Mren prf.mren@ul.cm.br agst_setembr/2009 1 Gerenciament d Escp 3 Declaraçã d escp Estrutura Analítica d Prjet

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais

Reconhecer as ferramentas de sistemas de informação e seu uso na gestão empresarial;

Reconhecer as ferramentas de sistemas de informação e seu uso na gestão empresarial; CURSO: ADMINISTRAÇÃO SEMESTRE: 5 DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO DE CARGA HORARIA: 80 HORAS / AULAS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Ementári: Nções de sistemas de infrmaçã e seus cmpnentes, seus tips e principais aplicações

Leia mais

A Importância de Sistemas de Informação para a Competitividade Logística

A Importância de Sistemas de Informação para a Competitividade Logística A Imprtância de Sistemas de Infrmaçã para a Cmpetitividade Lgística Paul Nazári 1. Intrduçã O avanç da tecnlgia de infrmaçã (TI) ns últims ans vem permitind às empresas executarem perações que antes eram

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

OntoPRIME: Ontologia de Riscos para Ambientes de Desenvolvimento de Software Multiprojetos

OntoPRIME: Ontologia de Riscos para Ambientes de Desenvolvimento de Software Multiprojetos Universidade Federal de Pernambuc Centr de Infrmática Pós-Graduaçã em Ciência da Cmputaçã OntPRIME: Ontlgia de Riscs para Ambientes de Desenvlviment de Sftware Multiprjets Pr Antni Campell Cristine Gusmã

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

Mensagem do atendimento ao cliente

Mensagem do atendimento ao cliente ASSUNTO: Cisc WebEx: Patch padrã a ser aplicad em [[DATA]] para [[WEBEXURL]] Cisc WebEx: Patch padrã em [[DATA]] A Cisc WebEx está enviand esta mensagem para s principais cntats de negóci em https://[[webexurl]]

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

Laboratório Ibero Americano de Inovação Cidadã Convocatória de Projetos

Laboratório Ibero Americano de Inovação Cidadã Convocatória de Projetos Labratóri Iber American de Invaçã Cidadã Cnvcatória de Prjets Cnvcatória aberta para prjets de invaçã cidadã A iniciativa da Secretaria Geral Iber Americana (SEGIB) Cidadania 2.0, a Agencia Espanhla de

Leia mais

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager!

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager! WEB MANAGER Cnhecend Web Manager! O Web Manager é uma pdersa ferramenta para gestã de Sites, prtais, intranets, extranets e htsites. Cm ela é pssível gerenciar ttalmente seus ambientes web. Integrad ttalmente

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Aproveitamento da informação permite ganho de competitividade: conhecimento é poder (e poder = $$!)

Aproveitamento da informação permite ganho de competitividade: conhecimento é poder (e poder = $$!) Data Mining Prfessr Jrge Mreira jmreirajr@htmail.cm Mtivaçã A infrmatizaçã ds meis prdutivs permitiu a geraçã de grandes vlumes de dads: Transações eletrônicas; Nvs equipaments científics e industriais

Leia mais