A Importância de Sistemas de Informação para a Competitividade Logística

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Importância de Sistemas de Informação para a Competitividade Logística"

Transcrição

1 A Imprtância de Sistemas de Infrmaçã para a Cmpetitividade Lgística Paul Nazári 1. Intrduçã O avanç da tecnlgia de infrmaçã (TI) ns últims ans vem permitind às empresas executarem perações que antes eram inimagináveis. Atualmente, existem váris exempls de empresas que utilizam a TI para bter reduções de cust e/u gerar vantagem cmpetitiva. A Dell Cmputer investiu na venda direta e custmizada de cmputadres pela Internet. O resultad fi um faturament de US$ 12,3 bilhões em 1998, crescend 60% em apenas um an. Além diss, ela bteve um lucr de quase US$ 1 bilhã, send cnsiderada cm a de melhr desempenh n setr de tecnlgia de infrmaçã pela revista Business Week em O Wal-Mart, mair varejista d mund, pssui frnecedres em td mund e ljas lcalizadas ns Estads Unids, cntrla e gerencia suas atividades baseand-se frtemente em TI. A Suza Cruz cnta cm uma frta de 900 veículs para atender cerca de 200 mil clientes em td Brasil. Uma das ferramentas que utiliza para superar este desafi lgístic é um Rteirizadr, sftware que tem cm finalidade auxiliar na btençã da melhr rta para cada entrega. Cm iss, seus veículs atingem uma eficiência de 99% e fazem em média 43 entregas pr dia. Tds estes exempls dentam cm a TI, tant pr mei de sistemas, quant pel avanç ds hardwares, sã fundamentais para desenvlviment da lgística. Cm este assunt é bastante abrangente, neste artig serã ressaltadas exclusivamente questões relativas à utilizaçã de sistemas de infrmaçã, nã entrand em questões relacinadas a hardware, que serã tratadas numa próxima prtunidade. Atualmente existe uma verdadeira agitaçã n que diz respeit à implementaçã de sistemas de gestã empresarial, cnhecids cm ERP, d inglês Enterprise Resurce Planning. Nã sã apenas as grandes empresas que têm prtunidade para implementaçã desta sluçã; há pactes de tds s tamanhs e para váris rçaments. Estes sistemas visam basicamente permitir a empresa "falar a mesma língua", pssibilitand uma gestã integrada. Cm iss, relatóris gerenciais cm infrmações diferentes estã cm seus dias cntads. Mas e a lgística? Cm ela está send abrdada? 2. O papel da infrmaçã na lgística O flux de infrmações é um element de grande imprtância nas perações lgísticas. Pedids de clientes e de ressupriment, necessidades de estque, mvimentações ns armazéns, dcumentaçã de transprte e faturas sã algumas das frmas mais cmuns de infrmações lgísticas. Antigamente, flux de infrmações baseava-se principalmente em papel, resultand em uma transferência de infrmações lenta, puc cnfiável e prpensa a errs. O cust decrescente da tecnlgia, assciad a sua mair facilidade de us, permitem

2 as executivs pder cntar cm meis para cletar, armazenar, transferir e prcessar dads cm mair eficiência, eficácia e rapidez. A transferência e gerenciament eletrônic de infrmações prprcinam uma prtunidade de reduzir s custs lgístics através da sua melhr crdenaçã. Além diss, permite aperfeiçament d serviç baseand-se principalmente na melhria da ferta de infrmações as clientes. Tradicinalmente, a lgística cncentru-se n flux eficiente de bens a lng d canal de distribuiçã. O flux de infrmações muitas vezes fi deixad de lad, pis nã era vist cm alg imprtante para s clientes. Além diss, a velcidade de trca/transferência de infrmações limitava-se à velcidade d papel. Atualmente, três razões justificam a imprtância de infrmações precisas e a temp para sistemas lgístics eficazes. Os clientes percebem que infrmações sbre status d pedid, dispnibilidade de prduts, prgramaçã de entrega e faturas sã elements necessáris d serviç ttal a cliente; Cm a meta de reduçã d estque ttal na cadeia de supriment, s executivs percebem que a infrmaçã pde reduzir de frma eficaz as necessidades de estque e recurss humans. Em especial, planejament de necessidades que utiliza as infrmações mais recentes, pde reduzir estque, minimizand as incertezas em trn da demanda; A infrmaçã aumenta a flexibilidade permitind identificar (qual, quant, cm, quand e nde) s recurss que pdem ser utilizads para que se btenha vantagem estratégica. Um exempl de psicinament estratégic basead em tecnlgia de infrmaçã é cas de empresas de entrega expressa. A Fedex fi a primeira a ferecer serviç de entrega para dia seguinte em 1973 ns Estads Unids. N final ds ans 80, cm elevads investiments em TI, ela passu a ter cntrle de td cicl d pedid d cliente. Cm iss pdia manter ttal rastreabilidade d pedid. Atualmente seu sistema prcessa 63 milhões de transações pr dia, que equivale a 3 milhões de pactes entregues. A UPS, mair empresa americana deste segment, investiu US$ 1.5 bilhã entre s ans de 1986 e 1991 para atingir mesm patamar de sua cncrrente cm relaçã as serviçs prestads. Outr exempl de cm a infrmaçã tem grande imprtância na lgística é a interaçã entre fabricantes e varejistas n gerenciament da cadeia de supriments, prmvida n Brasil pel Mviment ECR Brasil. Cm tal prática, algumas redes varejistas cmeçam a dispnibilizar infrmações d pnt de venda para seus frnecedres de md que estes sejam respnsáveis pel ressupriment autmátic ds prduts. Ist reduz cnsideravelmente cust cm estque ds varejistas e pssibilita as fabricantes ter melhr previsibilidade da demanda, prpiciand uma utilizaçã de recurss mais racinalizada.

3 3. Sistemas de Infrmações Lgísticas Os sistemas de infrmações lgísticas funcinam cm els que ligam as atividades lgísticas em um prcess integrad, cmbinand hardware e sftware para medir, cntrlar e gerenciar as perações lgísticas. Estas perações tant crrem dentr de uma empresa específica, bem cm a lng de tda cadeia de supriments. Pdems cnsiderar cm hardware desde cmputadres e dispsitivs para armazenagem de dads até instruments de entrada e saída d mesm, tais cm: impressras de códig de barras, leitres ótics, GPS, etc. Sftware inclui sistemas e aplicativs / prgramas usads na lgística. Os sistemas de infrmações lgísticas pssuem quatr diferentes níveis funcinais: sistema transacinal, cntrle gerencial, api à decisã e planejament estratégic. O frmat piramidal apresentad na figura 1 sugere que a implementaçã de um sistema transacinal rbust é a base que sustenta aprimrament ds utrs três níveis. A seguir será analisad cada um ds níveis, ressaltand a imprtância para a cmpetitividade lgística da empresa. Figura 1 - Funcinalidades de um Sistema de Infrmações Lgísticas 3.1. Sistema Transacinal É a base para as perações lgísticas e fnte para atividades de planejament e crdenaçã. Através de um sistema transacinal, infrmações lgísticas sã cmpartilhadas cm utras áreas da empresa, tais cm: marketing, finanças, entre utras. Um sistema transacinal é caracterizad pr regras frmalizadas, cmunicações interfuncinais, grande vlume de transações e um fc peracinal nas atividades ctidianas. A cmbinaçã de prcesss estruturads e grande vlume de transações aumenta a ênfase na eficiência d sistema de infrmações.

4 A partir dele, crre principal prcess transacinal lgístic: cicl d pedid. Cm iss, tdas as atividades e events pertencentes a este cicl devem ser prcessads: entrada de pedids, checagem de crédit, alcaçã de estque, emissã de ntas, expediçã, transprte e chegada d prdut a cliente. Infrmações sbre tais atividades/events, devem estar prntamente dispníveis, vist que status d pedid é uma questã cada vez mais necessária para um bm serviç a cliente. A falta de integraçã entre perações lgísticas é um prblema cmumente encntrad em sistemas transacinais que nã estã sb um sistema de gestã integrada. Ist pde crrer basicamente em três instâncias: Entre atividades lgísticas executadas dentr da empresa; Entre instalações da empresa; Entre a empresa e utras pertencentes à cadeia de supriments u prestadres de serviçs lgístics Cntrle Gerencial Este nível permite cm que se utilize as infrmações dispníveis n sistema transacinal para gerenciament das atividades lgísticas. A mensuraçã de desempenh inclui indicadres: financeirs, de prdutividade, de qualidade e de serviç a cliente. De maneira geral, existe grande carência de indicadres / relatóris de desempenh nas empresas brasileiras. Entre s principais fatres estã a ausência de um sistema transacinal que pssua tdas as infrmações relevantes e de visã sbre as vantagens de cntrlar as perações lgísticas. Um exempl diss, é a mensuraçã da dispnibilidade de prduts, u seja, indicadres que apntem percentual de pedids que fram entregues cmplets; Outr indicadr bastante imprtante para avaliar nível de serviç prestad a cliente é lead time. Nem sempre as empresas pssuem infrmações sbre a data de chegada a cliente. N entant, existem cass ns quais as empresas cnseguem bter tal infrmaçã, mas nã a utilizam de frma sistemática para avaliar seu desempenh e de seu transprtadr (transit time). A presença de relatóris que tratam exceções sã fundamentais para um bm gerenciament, vist que as perações lgísticas se caracterizam pel intens flux de infrmações. Pr exempl, um sistema de cntrle prativ deve ter capacidade de prever futuras faltas n estque cm base nas previsões de demanda e recebiments prevists. Um cnceit cada vez mais utilizad nas empresas é de Data Warehuse (DW). Cm nme sugere, armazena dads histórics e atuais de várias áreas da empresa em um únic banc de dads cm bjetiv de facilitar a elabraçã de relatóris. O

5 prcess de desenvlviment de um DW frnece uma prtunidade para a empresa rever e frmalizar bjetivs, plans e estratégia Api à Decisã Esta funcinalidade caracteriza-se pel us de sftwares para apiar atividades peracinais, táticas e estratégicas que pssuem elevad nível de cmplexidade. Sem us de tais ferramentas, muitas decisões sã tmadas baseadas apenas n feeling, que em muits cass apnta para um resultad distante d ótim. Entretant, se elas frem usadas, existe significativa melhria na eficiência das perações lgísticas, pssibilitand, além d increment d nível de serviç, reduções de custs que justificam s investiments realizads. Existem diferenças entre as aplicações de ferramentas de api à decisã. Algumas sã peracinais, pis estã vltadas para perações mais rtineiras, tais cm: prgramaçã e rteament de veículs, gestã de estque, etc. Pr utr lad, existem ferramentas que atuam mais tática e estrategicamente, tais cm: lcalizaçã de instalações, análise da rentabilidade de clientes e etc. A aplicaçã destas ferramentas vai depender principalmente da cmplexidade existente nas atividades lgísticas e de seu cust/benefíci. Ferramentas que tendem a ser mais peracinais, devem estar inteiramente cnectadas cm sistema transacinal, de md que s inputs sejam infrmações atualizadas e n frmat adequad. Em geral, as empresas que nã pssuem um sistema integrad enfrentam prblemas na implementaçã destas ferramentas n que diz respeit à cnectividade cm sistema utilizad. Em ambs s tips de ferramentas de api à decisã, exige-se que nível de expertise ds usuáris seja elevad para lidar cm as dificuldades na implementaçã e utilizaçã. Cas cntrári, existe necessidade de treinament específic, que crre na mairia ds cass Planejament Estratégic N planejament estratégic as infrmações lgísticas sã sustentáculs para desenvlviment e aperfeiçament da estratégia lgística. Cm frequência, as decisões tmadas sã extensões d nível de api à decisã, embra sejam mais abstratas, mens estruturadas e cm fc n lng praz. Cm exempl, pdems citar as decisões baseadas em resultads de mdels de lcalizaçã de instalações e na análise da receptividade ds clientes à melhria de um serviç.

6 4. Sistemas de Gestã Empresarial Cada vez mais empresas brasileiras de médi e grande prte e de váris setres da ecnmia vêm implementand sistemas de gestã empresarial - ERP. Este tip de sistema visa reslver prblemas de integraçã das infrmações nas empresas, vist que antes elas peravam cm muits sistemas, caracterizand em alguns cass "uma verdadeira clcha de retalhs", que inviabilizava uma gestã integrada. Além diss, a implementaçã de um sistema ERP permite que as empresas façam uma revisã em seus prcesss, eliminand atividades que nã agregam valr. Os custs cm aquisiçã e implementaçã destes pactes variam, em geral, entre R$ 400 mil e R$ 20 milhões. Estes valres dependem principalmente d tamanh da empresa (númer de usuáris e instalações) e de sua peraçã (móduls esclhids d sistema). Em geral, estima-se que para cada R$1 gast cm a aquisiçã da licensa sã gasts R$2 cm cnsultria e entre R$0.5 e R$1.5 cm equipaments. Algumas das principais empresas frnecedras deste tip de sftware n mund já estã n Brasil. A SAP além de cupar a liderança mundial neste mercad cm pdems bservar na figura 2, também cupa esta psiçã n Brasil cm 38% das vendas de licença de sftware, pr utr lad a Datasul, pssui mair númer de clientes cm 23% d mercad. Figura 2 - Faturament ds principais frnecedres de ERP Embra para alguns cresciment de sistemas ERP fi estimulad pel bug d milêni, uma recente pesquisa da AMR 1 (empresa americana de pesquisa na área de aplicativs de gestã empresarial) estimu que este mercad vai passar de um faturament glbal de US$14.8 bilhões btid em 1998 para US$ 42 bilhões em Este mercad n Brasil fi em 1998 de US$ 281 milhões e a previsã para 2002 é atingir US$ 838 milhões. Mas estes númers nã indicam que tda implentaçã de ERP nas empresas seja um

7 grande sucess. Existem cass, que prjet fica cmprmetid devid principalmente à prblemas n gerenciament de mudanças. Assciand sistemas ERP à funcinalidade de sistemas de infrmações lgísticas (figura 1), pdems verificar claramente que principal bjetiv de um sistema ERP, sb pnt de vista lgístic, é atuar cm um sistema transacinal, slucinand prblemas cm a ausência de integraçã entre atividades lgísticas. Prém, nem tdas as implementações de ERP cnsideram as atividades lgísticas de maneira integrada, ist resulta da falta de fc na lgística, que após prcess de implementaçã pde trazer uma série de prblemas para a gestã da lgística. Cm exempl pdems ter a seguinte situaçã: respnsável pel transprte nã pssui infrmaçã sbre status d pedid, que cntém dads sbre a alcaçã de estque (dispnibilidade) e sbre a data limite de expediçã. Cm iss, trna-se impraticável prcess de cnslidaçã de cargas. Os principais sistemas ERP dispnibilizam uma vasta gama de relatóris e indicadres de desempenh pré-cnfigurads para mensuraçã, análise e cntrle. Entretant, nem sempre as necessidades das empresas sã atendidas. Cm iss, surge a necessidade de especificar estruturas de relatóris adequadas a peraçã da empresa. A presença de um Data Warehuse favreçe bastante este prcess. Embra um sistema ERP pssua atributs que cntribua para melhrar a gestã na empresa, ele nã pssui ferramentas de api à decisã. Váris frnecedres deste tip de sistema investiram em parcerias e aquisições para dispnibilizar ferramentas de api à decisã que auxiliem na melhria da eficiência das perações lgísticas na empresa e na cadeia de supriments, cm frma de preencher esta lacuna Sftwares de api à decisã Pdems verificar na figura 3, que a presença d sistema ERP está frtemente relacinada cm aspects transacinais e de execuçã de atividades peracinais, servind cm base para uma série de aplicações de api à decisã. Figura 3 - Áreas de aplicaçã ds sftwares de api à decisã

8 Obs: Clique na imagem para vê-la ampliada Nem tdas as áreas abrdadas na figura 3 sã especificamente lgísticas. As ferramentas lgísticas mais cmuns encntradas n mercad sã para as seguintes áreas: prgramaçã e rteament de veículs, previsã da demanda, gerenciament d armazém e planejament de estques. Vale destacar que s sistemas ERP pssuem móduls de gerenciament de armazéns, cuj principal bjetiv é gerenciar flux de infrmações, através d cntrle de psições e lte, regra FIFO, entre utras funcinalidades. Entretant, funções relacinadas cm a existência de inteligência nã sã dispnibilizadas. Duas ferramentas que nã fram cmentadas anterirmente merecem destaque, principalmente pela puca difusã nas empresas brasileiras ds cnceits que as nrteiam. O primeir é módul infrmações sbre a demanda. Nele sã armazenads dads mercadlógics sbre a cncrrência, dads btids a partir ds PDV (pnt de venda) de seus principais clientes varejistas e ações prmcinais tmadas pela empresa. O bjetiv é frnecer mais infrmações para prcess de previsã da demanda. O segund trata-se d módul infrmações de transprte que armazena dads referentes a transprte, cm frete e temp de trânsit, visand auxiliar na timizaçã da rede lgística, bem cm n planejament de transprte, que determina melhr mdal para certas rtas. Uma excelente fnte para avaliar s sftwares que pderã ser úteis na melhria da peraçã de sua empresa é guia Lgistics Sftware, desenvlvid pela Andersen Cnsulting para Cuncil f Lgistics Management (CLM). As edições sã anuais e sã cmercializadas também em CD-ROM. Este guia apresenta infrmações sbre frnecedres, sftwares, funções /aplicações, cust, temp de implementaçã e utrs dads necessáris para iníci de uma pesquisa para esclha de um sftware. Outra frma de bter infrmações sbre fnecedres de sftware é através da hme page d Centr de Estuds em Lgística (CEL). 2 - Para bter maires infrmações sbre guia Lgistics Sftware entre em cntat cm CLM pel Sftwares vltads para a integraçã da cadeia de supriments Este tip de sftware agrega um cnjunt de ferramentas apresentadas na figura 3, tais cm: previsã da demanda, timizaçã da rede lgística, planejament de transprte, planejament e sequenciament da prduçã, entre utras. Na verdade, é uma evluçã de sistemas de api à decisã.

9 Sã cmumente chamads de Supply Chain Management (SCM) applicatins, u seja, ferramentas para gerenciament integrad da cadeia de supriments. Sua principal funçã é pssibilitar a usuári cntrle de diversas funções lgísticas simultaneamente, permitind cm iss, analisar s trade-ffs existentes. Além diss, pssui uma abrangência que ultrapassa s limites da empresa, u seja, integra-se também as utrs membrs da cadeia de supriments, tais cm: indústrias, atacadistas/distribuidres e varejistas, além de prestadres de serviçs lgístics. Ist trna-se pssível graças a cnectividade ferecida pelas tecnlgias EDI (eletrnic data interchange) e a Internet. Se pr um lad existem frnecedres que se especializaram neste tip de sftware, (s principais sã: Manugistics, Caps e i2 Technlgies), pr utr, frnecedres de ERP também estã migrand para esta abrdagem, que cmplementa seus pderss sistemas transacinais. Um exempl diss, é a ferramenta desenvlvida pela SAP chamada APO (Advanced Planner and Optimizer). Seus principais móduls sã: Supply Chain Cckpit Planejament da rede lgística Planejament e previsã da demanda Planejament da distribuiçã Planejament e sequenciament da prduçã Um aspect interessante evidenciad ns Estads Unids é acelerad prcess de fusã e aquisiçã entre frnecedres de sftwares que pssuem prduts cmplementares. Eles buscam sinergia entre seus prduts, para ferecer a mercad um prdut cm capacidade de tratar prblemas lgístics interfuncinais u até mesm atuar n segment SCM Applicatins. 7. Tendências Existe uma grande perspectiva de cresciment para mercad de ERP n Brasil, cm pudems bservar anterirmente. Ist se justifica pel vast mercad existente. A mairia das empresas brasileiras nã pssuem sistemas ttalmente integrads. Além diss, as rganizações que implementaram um sistema ERP cmeçam a desfrutar e quantificar s benefícis de uma gestã integrada, prpagand ainda mais a idéia que este tip de sluçã é altamente benéfica. Cm uma mair difusã de sistemas ERP, existirá um favreciment para alavancar as perações lgísticas, basead principalmente na aquisiçã de sftwares de api à decisã, bem cm de SCM Applicatins. Ist exigirá das rganizações, prfissinais da área de lgística cada vez mais cm mair qualificaçã. Surgem frtes evidências que empresas da mesma cadeia de supriments cada vez mais irã se integrar através de sistemas de infrmaçã, reduzind incertezas, duplicações de esfrçs e, cnsequentemente, cust cm a peraçã. O grande desafi das rganizações na implementaçã de sistemas de infrmaçã é avaliar "valr" que estes pactes, sejam eles transacinais u de api à decisã, trará para s negócis da empresa. As empresas nã pdem se deixar levar pr "mdisms" e sim ter a cnvicçã da esclha mais adequada as suas necessidades.

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA A COMPETITIVIDADE LOGÍSTICA 1

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA A COMPETITIVIDADE LOGÍSTICA 1 A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA A COMPETITIVIDADE LOGÍSTICA 1 INTRODUÇÃO O avanço da tecnologia de informação (TI) nos últimos anos vem permitindo às empresas executarem operações que antes

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic Simuland Cadeias de Supriments v2.0 Lcal: em sala de aula Material Necessári:

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento Interbrs Tecnlgia e Sluções de Internet Ltda. Rua Dr. Guilherme Bannitz, 126 2º andar Cnj. 21 /179 Itaim Bibi - Sã Paul- SP - 04532-060 Fne: 55 11 9209-3717 / 55 11 8162-0161 Pr favr, cnsidere a prteçã

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic 1 Simuland uma Cadeia e planejand seus estques Lcal: em sala de aula Material

Leia mais

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 OBJETIVO Infraestrutura e tecnlgia d Prtheus sã a base de uma sluçã de gestã empresarial rbusta, que atende a tdas as necessidades de desenvlviment, persnalizaçã, parametrizaçã

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade Institucinal 1 Institucinal 1.1 Sbre a Vensis A Vensis é uma empresa especializada n desenvlviment de sluções integradas para gestã de empresas. Atuand n mercad de tecnlgia da infrmaçã desde 1998, a empresa

Leia mais

Artigo 13 Como montar um Lava Jato para Caminhões

Artigo 13 Como montar um Lava Jato para Caminhões Artig 13 Cm mntar um Lava Jat para Caminhões O lava jat para caminhões tem cm diferencial atender veículs grandes e mercad específic, pis já está estabelecid nich de mercad. O sucess para este empreendiment

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi Benefícis ds serviçs de transprte de táxis cmpartilhads Shared-transprt / Shared-taxi Reuniã de Especialistas sbre Transprte Urban Sustentável: Mdernizand e Trnand Eclógicas as Frtas de Táxis nas Cidades

Leia mais

Os Oito Principais de Sistemas de

Os Oito Principais de Sistemas de Infrme Especial Os Oit Principais in Yur DSD Mits Mbile de Sistemas de Security Strategy Gerenciament de Armazém para empresas de pequen e médi prte. Intrduçã A era das perações manuais em Armazéns está

Leia mais

SEMINÁRIO FINANÇAS EFINANCIAMENTO VIABILIZANDO INVESTIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 17 DE NOVEMBRO, 2014

SEMINÁRIO FINANÇAS EFINANCIAMENTO VIABILIZANDO INVESTIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 17 DE NOVEMBRO, 2014 SEMINÁRIO FINANÇAS EFINANCIAMENTO VIABILIZANDO INVESTIMENTO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 17 DE NOVEMBRO, 2014 ESTRATÉGIA DESEGMENTAÇÃO ESTRATÉGIA DE SEGMENTAÇÃO Estrutura segmentada vltada a estratégia

Leia mais

Serviços. Consultoria Treinamento Logís5ca Reversa

Serviços. Consultoria Treinamento Logís5ca Reversa Serviçs Cnsultria Treinament Lgís5ca Reversa Cnsul'ng Prjets de Supply Chain Implementaçã de Sistemas Lgís5cs Diagnós5c Operacinal Oprtunidades de Reduçã de Cust Reestruturaçã de Operações Lgís5ca Internacinal

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento

Aliança Estratégica com a Delta Dezembro, 2011. Uma Consistente História de Investimento Aliança Estratégica cm a Delta Dezembr, 2011 Uma Cnsistente História de Investiment 1 Agenda Resum da Operaçã 1 Benefícis da Operaçã 2 2 Disclaimer O material a seguir é uma apresentaçã cnfidencial cntend

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundaments de Infrmática 1ºSemestre Aula 4 Prf. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Descrevend Sistemas de um Cmputadr

Leia mais

AULA 3 GERENCIAMENTO DE CUSTOS E GESTÃO DE OPERAÇÕES PARA A QUALIDADE TOTAL. Prof. Glauce Almeida Figueira

AULA 3 GERENCIAMENTO DE CUSTOS E GESTÃO DE OPERAÇÕES PARA A QUALIDADE TOTAL. Prof. Glauce Almeida Figueira AULA 3 GERENCIAMENTO DE CUSTOS E GESTÃO DE OPERAÇÕES PARA A QUALIDADE TOTAL Prf. Glauce Almeida Figueira EMENTA AULA TÓPICOS 31/08 Intrduçã a Cntabilidade de Custs ; Terminlgia Cntábil; Tips de Custei;

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução Bletim Cmercial Tema: BC003 Plan de Dispnibilidade Ilimitada de Recurss UV Intrduçã Sistemas de cura UV sã cada vez mais presentes em indústrias que imprimem grandes vlumes de materiais, independente d

Leia mais

Então o que vem a ser Fluxo de Caixa?

Então o que vem a ser Fluxo de Caixa? FLUXO DE CAIXA É muit freqüente, n ambiente d SEBRAE, empresári chegar cm muitas dúvidas sbre as finanças da empresa. E finanças, cm sabems, é fundamental para a sustentaçã um negóci, tant para a sua sbrevivência

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Pnt Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

1 Índice. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

1 Índice. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis ERP 1 Índice 1 Índice... 2 2 Vensis ERP... 3 2.1 Móduls Principais... 4 2.2 Móduls Cmplementares... 4 2.3 Infrmações Gerenciais... 5 3 Apresentaçã Detalhada Móduls Principais... 6 3.1 Características

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

Vensis Associação Vensis ERP Entidades, Sindicatos e Federações.

Vensis Associação Vensis ERP Entidades, Sindicatos e Federações. Vensis Assciaçã Vensis ERP Entidades, Sindicats e Federações. Vensis Assciaçã O Vensis Assciaçã é um sistema desenvlvid para entidades cm sindicats, assciações, federações, fundações e utras de natureza

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO

MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO SIGIO Sistema Integrad de Gestã de Imprensa Oficial MANUAL DO USUÁRIO FINANCEIRO S I G I O M A N U A L D O U S U Á R I O P á g i n a 2 Cnteúd 1 Intrduçã... 3 2 Acess restrit a sistema... 4 2.1 Tips de

Leia mais

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira CAPÍTULO IV Valres, Crenças, Missã, Visã.e Plítica da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira Há alguns ans, quand tínhams ótims atletas, perdíams a Cpa d Mund de futebl, as Olimpíadas, errand em cisas básicas.

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

Diferenciais do QlikView Versus Tecnologias Tradicionais

Diferenciais do QlikView Versus Tecnologias Tradicionais Diferenciais d QlikView Versus Tecnlgias Tradicinais Índice Tecnlgia MOLAP... 3 Demanda criaçã de Datawarehuse... 3 Númer limitad de dimensões... 3 Inflexível... 3 Cnsultas smente nline... 3 Tecnlgia ROLAP...

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminári Nacinal de Distribuiçã de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de utubr 7.2 Olinda - Pernambuc - Brasil Autmaçã na Distribuiçã: O Prcess de autmaçã ds equipaments de linha na rede CELPE.

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3 Cm identificar, vender e cmercializar cm s prspects de pequenas empresas Parte 2/3 A pequena empresa é um mercad massiv em imprtante cresciment, que alcançu uma maturidade em terms de prtunidade para s

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estud de Cas Camila Gmes da Silva 1, Vilma da Silva Sant 2, Paul César Ribeir Quintairs 3, Edsn Aparecida de Araúj Querid Oliveira 4 1 Pós-graduada em

Leia mais

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA

SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA SMART CONTROLE DO ESTOQUE DE GONDOLA O prcess de cntrle de estque de gôndla fi desenvlvid cm uma prcess de auxili a cliente que deseja cntrlar a quantidade de cada item deve estar dispnível para venda

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

Semana 3: Distribuição em Serviços

Semana 3: Distribuição em Serviços 1 Semana 3: Distribuiçã em Serviçs 1. Distribuiçã O prcess de distribuiçã da ferta da empresa insere-se n cntext d cmpst de marketing cm a funçã respnsável pr trnar prdut acessível a cnsumidr. Em serviçs

Leia mais

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT GRUPO HISPASAT Mai de 2014 PRIVADO PRIVADO E CONFIDENCIAL E Dcument Dcument prpriedade prpriedade HISPASAT,S.A. da 1 Prcess de atendiment a cliente

Leia mais

Operação Metalose orientações básicas à população

Operação Metalose orientações básicas à população Operaçã Metalse rientações básicas à ppulaçã 1. Quem é respnsável pel reclhiment de prduts adulterads? As empresas fabricantes e distribuidras. O Sistema Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa e Vigilâncias

Leia mais

Geoprocessamento integrado à gestão de propriedades rurais piloto COCAMAR em Jussara-PR Autor:

Geoprocessamento integrado à gestão de propriedades rurais piloto COCAMAR em Jussara-PR Autor: Geprcessament integrad à gestã de prpriedades rurais pilt COCAMAR em Jussara-PR Autr: Flavi Duran Altimari Geprcessament aplicad a gestã de prpriedades rurais Autres: Flavi D. Altimari 54 Unidades (Entrepsts)

Leia mais

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações Mdelagem, qualificaçã e distribuiçã em um padrã para geinfrmações Julia Peixt 14h, 14 de junh de 2010. Mtivaçã Acerv de dads desde 1994 em diferentes áreas de pesquisa; Muitas pessas fazend muits trabalhs

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA Nme: Nº 8ºAn Data: / / 2015 Prfessres: Fabiana, Mayra e Olga. Nta: (valr: 1,0 para cada bimestre) 4º bimestre / 2º semestre A - Intrduçã Neste semestre, sua

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras

FKcorreiosg2_cp1 - Complemento Transportadoras FKcrreisg2_cp1 - Cmplement Transprtadras Instalaçã d módul Faça dwnlad d arquiv FKcrreisg2_cp1.zip, salvand- em uma pasta em seu cmputadr. Entre na área administrativa de sua lja: Entre n menu Móduls/Móduls.

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

Banda Larga Móvel LTE e Além

Banda Larga Móvel LTE e Além MARÇO 2015 As tecnlgias 3GPP - HSPA, HSPA+, LTE e agra a LTE-Advanced - frmam a platafrma glbal da banda larga móvel, ferecend cnexões rápidas e integradas n mund inteir. Nessa ediçã 1 Implementações 3GPP

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager!

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager! WEB MANAGER Cnhecend Web Manager! O Web Manager é uma pdersa ferramenta para gestã de Sites, prtais, intranets, extranets e htsites. Cm ela é pssível gerenciar ttalmente seus ambientes web. Integrad ttalmente

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ)

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) Este case apresenta a aplicaçã da sluçã Elipse E3 para aprimrar mnitrament da temperatura encntrada

Leia mais

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO

ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), - 2/3 2013 2-3 DEZEMBRO Encntr de Alt Dirigentes - Viseu 2/3 Dez 2013 Cm Invar para Ser Mais Cmpetitiv ENCONTRO de ALTOS DIRIGENTES VISEU (PORTUGAL), 2-3 DEZEMBRO 2013 Apresentaçã Crprativa Cnfidencial Cnclusões finais Página

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

Reconhecer as ferramentas de sistemas de informação e seu uso na gestão empresarial;

Reconhecer as ferramentas de sistemas de informação e seu uso na gestão empresarial; CURSO: ADMINISTRAÇÃO SEMESTRE: 5 DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO DE CARGA HORARIA: 80 HORAS / AULAS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Ementári: Nções de sistemas de infrmaçã e seus cmpnentes, seus tips e principais aplicações

Leia mais

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Históric Sbre Design Patterns A rigem ds Design Patterns (Padrões de Desenh u ainda Padrões de Prjet) vem d trabalh de um arquitet chamad

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES

WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES WORKSHOP SOBRE PARCERIAS PÚBLICO- PRIVADAS E CONCESSÕES Tribunal de Cntas da Uniã Marcel Pachec ds Guaranys Brasília, 22.11.2011 ROTEIRO Dads d setr Infraestrutura aeprtuária: desafis Definiçã da mdalidade

Leia mais

Processo de envio de e-mail de marketing

Processo de envio de e-mail de marketing Prcess de envi de e-mail de marketing Intrduçã Visand um melhr gerenciament ns prcesss de marketing das empresas, fi desenvlvid uma nva funcinalidade para sistema TCar, que tem pr finalidade realizar envis

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro.

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro. Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br EVOLUÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE 10 Sistemas Legads O investiment

Leia mais

Curso de Extensão: Finanças Corporativas

Curso de Extensão: Finanças Corporativas 1. Apresentaçã Curs de Extensã: Finanças Crprativas Uma crpraçã é, genericamente, caracterizada pela tmada de duas decisões fundamentais, a de financiament e a de investiment. O prcess de seleçã, análise

Leia mais