Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal"

Transcrição

1 INFORMATIVO n.º 35 AGOSTO de 2015 Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal Depreciação do yuan traz incertezas adicionais à economia chinesa neste ano Fabiana D Atri* Em meio à confirmação de que a desaceleração da economia chinesa não foi interrompida 1 e à continuidade da queda dos mercados acionários do país, o governo anunciou nesta semana uma mudança em sua política cambial. Mesmo após diversos estímulos terem sido adotados desde o final do ano passado, a economia da China não tem dado sinais de retomada. Nesse contexto, a forte depreciação do yuan, induzida pelo banco central, aumentou as preocupações em relação ao país, trazendo implicações importantes para as economias e os diversos ativos globais. Ainda há muitas dúvidas acerca dos desdobramentos dessa alteração no regime cambial, mesmo que a autoridade monetária do país tenha se comprometido com a estabilidade da moeda, garantindo que movimentos exacerbados serão controlados, sinalizando suas intenções na mudança do regime ao afirmar que esse movimento não foi pensado para estimar as exportações. Entendemos que essas incertezas seguirão sustentando perspectivas mais pessimistas sobre a China, cuja economia no melhor dos cenários conseguirá se estabilizar. Isso, por sua vez, demandará novos estímulos, mais eficazes do que os adotados até agora. Reforçamos, inclusive, nossa visão de que uma 1 Os dados de julho frustraram as expectativas do mercado. As exportações registraram queda de 8%, os investimentos acumulam crescimento de 11,2% no ano e a produção industrial avançou apenas 6%. Esses indicadores são compatíveis com um crescimento do PIB mais próximo de 6%. 1

2 aceleração dos investimentos em infraestrutura seria o canal mais apropriado neste momento. Ou seja, mantemos o viés negativo para nossa estimativa de expansão do PIB de 6,5% neste ano abaixo da meta de crescimento de 7% do governo. Selecionamos diversas questões que julgamos relevantes sobre o tema, fazendo a ressalva de que o monitoramento do movimento da moeda e da reação dos mercados nas próximas semanas será fundamental para compreendermos melhor esse ajuste na política cambial da China. Ainda fica a pergunta se, de fato, o regime será flutuante. 1. Como se deu a mudança no regime? No último dia 11 de agosto, o governo surpreendeu os mercados ao anunciar uma depreciação do yuan de 1,9%. Desde a última terça-feira, a moeda chinesa acumulou perdas de 3%, considerando a taxa spot. Vale lembrar que desde março do ano passado, o regime cambial chinês funcionava com base em uma fixação diária da cotação da moeda, em relação ao dólar, por parte do banco central, com uma banda de oscilação de 2% (para cima ou para baixo). Era esperada uma ampliação dessa banda, mas o novo regime trouxe outro formato. Assim, a partir de agora, a fixação diária será determinada pelo preço do dia anterior, condicionada também às forças do mercado (principais agentes locais do mercado cambial serão consultados no dia anterior, que passarão suas sugestões para a cotação do dia seguinte) e ao movimento de uma cesta de moedas (não levando em conta apenas o desempenho do dólar). Somado a isso, o primeiro comunicado emitido pela autoridade monetária revelou que o movimento seria realizado apenas uma vez como forma de corrigir a diferença entre a cotação de mercado (dada pelo preço spot) e a cotação fixada diariamente pelo governo. No entanto, levando em conta a taxa de referência diária, seguindo a depreciação de 1,9% do primeiro dia, a moeda chinesa caiu 1,6% na quarta e 1,1% na quinta. Já na sexta, houve uma apreciação de 0,1%. Em esclarecimento posterior, o banco central reforçou que parte importante do movimento de correção do yuan já aconteceu sendo que buscam uma depreciação de cerca de 10% e que o novo regime permitirá maior flutuação, de modo a unificar as taxas negociadas onshore e offshore. Vale lembrar que a moeda chinesa ficou praticamente estável desde meados do ano passado, não respondendo à valorização do dólar e se distanciando das demais moedas 2. Em termos reais, contudo, acabou ganhando aproximadamente 10% de valor. 2 Acredita-se que governo vinha resistindo a implementar uma depreciação da moeda chinesa, levando em conta que diversas empresas do país têm dívidas denominadas em dólar. Ainda assim, desde 2005 a moeda acumulou apreciação nominal de 22,7%, conseguindo corrigir grande subvalorização dos anos anteriores, aproximando-se do seu nível de equilíbrio, como reconhecido inclusive pelo FMI. 2

3 2. Qual a intenção do governo ao introduzir essa nova política cambial? A motivação para essa alteração inesperada do regime cambial, cujo mecanismo de funcionamento daqui para frente ainda não está muito claro, é a que traz as maiores incertezas neste momento. A grande maioria do mercado acabou interpretando essa medida como uma forma adicional de estímulo à economia. Com isso, as exportações chinesas ganhariam competitividade 3 e a redução das importações também poderia estimular a produção doméstica. A resposta negativa, revelada pelo comportamento dos principais ativos globais, portanto, decorreu da interpretação de que esse seria um movimento de desespero do governo chinês, que vem tentando há quase um ano interromper a desaceleração da economia do país. Assim, cenários de menor crescimento do PIB começam a ganhar força, mesmo que a autoridade monetária do país tenha negado que essa foi a motivação. Ao mesmo tempo, deve-se levar em conta que a mudança do regime cambial acontece em um contexto de reformas para liberalizar a taxa de câmbio do país. Espera-se, inclusive, que a ampliação da banda fosse anunciada em breve (e esse seria o caminho mais natural para liberalização e, posteriormente, internacionalização do yuan 4 ). Deve-se lembrar que também crescia a probabilidade de a moeda chinesa ser incluída no SDR (special drawing rights) e que, recentemente, o FMI acabou revelando alguma resistência a isso. De fato, na semana passada, foi publicado relatório criticando a ausência de mecanismo de mercado na determinação do yuan, destacando a diferença entre a cotação de mercado e a fixada pelo banco central do país. Nesse sentido,entendemos que esse movimento foi, de fato, motivado por questões estruturais ainda que a estabilização do crescimento seja a principal prioridade do governo chinês. Em comunicado adicional, a autoridade monetária do país afirmou também que um regime cambial mais flexível dará maior liberdade para a política monetária. Afinal, a dúvida ainda persiste: o governo está liberando o câmbio ou propositalmente depreciando a moeda? Acreditamos que essas duas intenções, concomitantemente, são possíveis. O governo acredita que 3 De fato, no último dia 24 de julho, o Conselho de Estado emitiu comunicado defendo a necessidade de suporte às exportações. 4 O Banco central não negou que uma ampliação da banda possa ser anunciada em breve. 3

4 precisa depreciar, levando o yuan para outro nível (mais alinhado com a apreciação do dólar e a depreciação das demais moedas de países concorrentes) e depois deixará liberado, aos poucos. O objetivo central, pelo que observamos nos últimos dias e na manifestação de membros do banco central, é que as intervenções tenderão a evitar que o mercado (preço spot) feche muito longe da cotação fixada diariamente. 3. Por que o banco central optou por fazer essa alteração neste momento? A escolha desse momento para depreciar a moeda e mudar o regime cambial é que tornou o cenário mais confuso. Isso porque ela acontece no contexto em que as preocupações com a falta de resposta da economia aos estímulos são crescentes. De fato, nos últimos dias conhecemos os resultados de diversos indicadores econômicos referentes a julho, que seguiram muito fracos e frustraram as expectativas do mercado. Ao mesmo tempo, não podemos nos esquecer da divulgação do relatório do FMI no último dia 5 de agosto, da aproximação da visita do presidente Xi Jinping aos EUA, e da definição da nova composição do SDR (provavelmente em novembro). Além disso, devemos nos lembrar da reunião do Fed, de setembro, para quando se atribuía elevada probabilidade de início da subida da taxa de juros nos EUA, que poderia acentuar a valorização do dólar, aumentando a pressão para uma correção da moeda chinesa. 4. Até onde vai a depreciação do yuan? Por ora, é bastante difícil estimar a magnitude da depreciação da moeda chinesa. Para tanto, devemos considerar alguns elementos. O primeiro deles é a correção em relação ao diferencial que se abriu do yuan frente às outras moedas, como resposta à valorização do dólar. Nesse sentido, tudo mais constante 5, haveria um espaço para uma perda adicional de aproximadamente 10% no curto prazo. O banco central, ratificou essa expectativa ao sinalizar que essa perda de 10% será o teto. 5 Considerando que a valorização do dólar será limitada e que as outras moedas não apresentarão depreciação muito acentuada, a partir de agora. 4

5 Outro fator a ser considerado é como reagiria o yuan quando liberado. Acreditava-se que quando a China liberasse o câmbio, ele depreciaria em um primeiro momento (respondendo à saída de fluxos reprimidos, dada a restrição do fluxo cambial, que buscariam alternativas de investimentos em mercados estrangeiros) e depois apreciaria (pelas oportunidades domésticas, especialmente quando a economia crescia). Por isso, parece-nos compreensível, em certa medida, a depreciação no contexto atual dada pela economia fraca, pelo dólar forte e pelos juros subindo nos EUA. Ao mesmo tempo, por que um país com um superávit em conta corrente, crescimento ainda próximo a 7-6% e com entrada de investimento estrangeiro direto, quando libera o câmbio sofre depreciação de 10%? Acreditamos que a resposta a esse aparente descolamento dos fundamentos internos resida no fato de que a moeda deveria ter respondido ao movimento global do fortalecimento do dólar. Dessa forma, esse ajuste se deve em larga medida aos fundamentos externos. Além disso, o crescimento não está tão acelerado na China (estamos discutindo o oposto) e a taxa de juros vem caindo, o que reduz a atratividade de recursos do país. De fato, há alguns trimestres, registra-se saída significativa de capital do país. Daqui para frente, portanto, parece-nos provável que a tendência de depreciação seguirá presente ditada pelo mercado, mas a magnitude deve se reduzir (a exemplo do ocorrido nesses últimos dias). Após certo ajuste de patamar, conduzido pelo banco central, espera-se uma maior volatilidade nas duas direções. Ou seja, não se pode descartar também apreciação da moeda daqui para frente. Com isso, a moeda chinesa estaria se aproximando de um padrão mais internacional, ampliando sua elegibilidade à inclusão ao SDR. 5. Quais são os riscos e as implicações dessa mudança na condução da política econômica? Esse novo mecanismo de determinação do yuan traz riscos. O primeiro deles é que, até agora, não estão claros o papel do mercado e o limite de intervenção do banco central. Ou seja, existe um risco relacionado à possível perda de controle da intensidade da depreciação. Afinal, se o câmbio agora é livre, o mercado pode demandar uma depreciação muito mais forte do que estamos considerando. Vale lembrar que, de certa forma, o governo já aprendeu no caso da tentativa de interromper a queda dos mercados acionários que intervenções têm limite. Da mesma forma, a baixa resposta da economia ao afrouxamento monetário também sugere uma capacidade limitada de estímulo à economia, diante de tantas restrições estruturais. Por outro lado, se o governo atribuir baixa influência ao mercado na determinação da moeda, ao tentar conter a depreciação (ou eventualmente a apreciação) daqui para frente, correrá o risco considerável de perda de credibilidade. De fato, ao permitir que a moeda perdesse valor nos dias seguintes à terça-feira, contrariando seu comunicado de que o movimento aconteceria apenas uma vez, e a entrevista dada por alguns membros na quinta-feira revelam as preocupações da autoridade monetária com a credibilidade da nova política. Assim, essa resposta recente está mais alinhada ao gradualismo e à estabilidade, que sempre pautaram as decisões políticas da China. Somado a esse dilema, temos dois riscos bastantes elevados relacionados à intensificação da saída de capitais (comprometendo a liquidez do sistema financeiro e exigindo medidas, como a redução do depósito compulsório) e ao endividamento das empresas em dólar. Estima-se que cerca de US$ 3 trilhões de dívidas de empresas chinesas estejam expostos ao risco cambial neste momento. Ainda não custa lembrar que os mercados chineses seguem estressados, tanto acionários como o de dívidas dos governos locais. Essas incertezas em relação ao futuro da moeda acabam acentuando essas dificuldades e os riscos financeiros ligados. 5

6 6. Quais são os impactos de uma desvalorização do yuan para a China? A princípio, a depreciação do yuan favorece a competividade das exportações chinesas, o que pode ser impulso adicional à indústria local. Vale, contudo, a ressalva que a participação das exportações na economia chinesa vem se reduzindo drasticamente nos últimos anos, saindo da casa de 35% para 20% atualmente. Além disso, a demanda externa segue bastante fraca, limitando a capacidade de exportação. Ainda assim, a China continua sendo a maior exportadora global, com elevada competitividade em todas as cadeias, desde os produtos de menor aos de maior valor agregado. Esse impacto, por sua vez, dependerá também da intensidade da depreciação da moeda chinesa 6 e do movimento relativo das moedas de seus parceiros comerciais 7. Ao mesmo tempo, a moeda mais fraca reduz o poder de compra do chinês, levando a uma redução das importações o que acaba favorecendo a indústria doméstica. Esse movimento, entretanto, contradiz os objetivos de longo prazo de fortalecer o consumo doméstico. Aqui cabe uma ressalva em relação à elasticidade do tipo de importação em relação ao câmbio. Entendemos que a demanda por commodities deve ser menos elástica ao câmbio, até porque as questões que explicam a queda da demanda de commodities metálicas e agrícolas vão além do preço. De fato, a desaceleração dos investimentos no setor 6 10% de desvalorização da moeda pode não ser forte o suficiente para reverter a tendência das exportações. 7 EUA, Europa e Japão são os principais destinos das exportações chinesas, respondendo respectivamente por 17,5%, 15,3% e 5,9% das vendas chinesas em

7 imobiliário 8 e de infraestrutura 9 é decorrente de questões estruturais e não seriam revertidas apenas pela moeda, menos ou mais competitiva. A demanda por produtos alimentícios dependerá da oferta doméstica do produto, considerando que dificilmente o governo deixará de atender o consumo da população chinesa por alimentos. No caso da soja, em especial, sabe-se que as importações respondem por cerca de 40% da demanda chinesa, o que eleva a necessidade da compra do produto externo, independentemente da cotação do yuan (lembrando que os preços dos grãos vem caindo, o que compensa a depreciação da moeda chinesa). Naturalmente, essas implicações dependem da motivação da depreciação do yuan. Se, de fato, a motivação é mais estrutural, implicações para a abertura da conta capital e outras reformas do sistema financeiro poderão avançar nos próximos meses o que seria uma notícia positiva frente à frustração com o desempenho da economia. Por outro lado, se a motivação para a depreciação da moeda é explicada principalmente pela necessidade de estabilização da economia, as incertezas podem crescer e o impacto sobre as exportações e importações dependerá da magnitude e da velocidade da depreciação. 7. Quais são os impactos de uma desvalorização do yuan para a economia mundial e para o Brasil? Se a depreciação do yuan se consolidar em um cenário de demanda chinesa fraca, entendemos que a demanda do país por produtos globais tende a cair. A queda tende a ser maior entre os produtos de luxo e bens de capital, que afeta principalmente os países desenvolvidos. Ainda assim, estima-se que 1% de depreciação do yuan implique uma queda de 0,5% dos preços das commodities. Com isso, outra consequência para a economia global vem da exportação da deflação vinda da China e do reforço da tendência de fortalecimento do dólar, que poderá influenciar a decisão do Fed que poderá postergar o início da normalização de sua política monetária, ainda mais quando se considera o enfraquecimento da segunda maior economia mundial. Ao mesmo tempo, haverá uma pressão sobre as moedas asiáticas, a exemplo do já ocorrido no Vietnã, deverão intensificar a depreciação, na tentativa de se manterem competitivas. Aliás, esse cenário de enfraquecimento da moeda chinesa aumentará as tensões no comércio mundial, especialmente frente aos países cujas divisas perderam menos valor. Para o Brasil, devemos considerar que o real já depreciou de forma considerável aproximadamente 55% nos últimos dozes meses. Dessa forma, os produtos chineses não ganharão significativa competividade, ainda mais se levarmos em conta que a demanda brasileira está bastante enfraquecida. Ao mesmo tempo, 8 Ajuste em curso do setor imobiliário, com redução significativa dos investimentos, deve-se principalmente ao desequilíbrio entre oferta e demanda, que levou a um aumento considerável dos estoques nos últimos anos. Acreditamos que o dinamismo desse setor seguirá fraco. 9 As inversões em infraestrutura são explicadas pelos excessos criados na saída da crise (que implicaram investimentos ineficientes e, ao mesmo tempo, ampliaram a oferta de infraestrutura reduzindo a necessidade de novos aportes em modais como aeroportos e rodovias). Além disso, as finanças dos governos locais estão muito comprometidas (com queda da receita da venda de terras e com maior controle ao acesso ao funding). Ou seja, sem uma participação mais pesada do governo central ou sem um alívio das finanças dos governos locais, os investimentos em infraestrutura não voltarão a acelerar. Aliás, na nossa visão, esse parece ser o único caminho para se promover uma retomada da economia neste momento. 7

8 entendemos que as importações de commodities não são muito sensíveis ao efeito do câmbio, como já defendido, especialmente para o minério de ferro (que depende de infraestrutura e setor imobiliário) e a soja. * Fabiana D Atri é atualmente economista coordenadora do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos do Bradesco e Diretora de Economia do CEBC. 8

China em 2016: buscando a estabilidade, diante dos consideráveis problemas estruturais

China em 2016: buscando a estabilidade, diante dos consideráveis problemas estruturais INFORMATIVO n.º 43 DEZEMBRO de 2015 China em 2016: buscando a estabilidade, diante dos consideráveis problemas estruturais Fabiana D Atri* Ao longo dos últimos anos, ao mesmo tempo em que a economia chinesa

Leia mais

Inclusão da moeda chinesa no SDR não deverá alterar sua trajetória no curto prazo

Inclusão da moeda chinesa no SDR não deverá alterar sua trajetória no curto prazo INFORMATIVO n.º 44 DEZEMBRO de 2015 Inclusão da moeda chinesa no SDR não deverá alterar sua trajetória no curto prazo Fabiana D Atri* Dentro do esperado, o Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil. Taxa de câmbio volta a superar 2,30 reais por dólar

Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil. Taxa de câmbio volta a superar 2,30 reais por dólar Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil Publicamos nesta semana nossa revisão mensal de cenários (acesse aqui). No Brasil, entendemos que o espaço para expansão adicional da política

Leia mais

O CÂMBIO E AS INCERTEZAS PARA 2016

O CÂMBIO E AS INCERTEZAS PARA 2016 O CÂMBIO E AS INCERTEZAS PARA 2016 Francisco José Gouveia de Castro* No início do primeiro semestre de 2015, o foco de atenção dos agentes tomadores de decisão, principalmente da iniciativa privada, é

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram bom desempenho em abril. A produção industrial

Leia mais

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional Brasília, 18 de setembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional Exmas. Sras. Senadoras e Deputadas

Leia mais

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento Volume 11, Number 4 Fourth Quarter 2009 Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento As economias pelo mundo estão emergindo da recessão, embora em diferentes velocidades. As economias em desenvolvimento

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO 7 ECONOMIA MUNDIAL SUMÁRIO A situação econômica mundial evoluiu de maneira favorável no final de 2013, consolidando sinais de recuperação do crescimento nos países desenvolvidos. Mesmo que o desempenho

Leia mais

Carta do gestor Setembro 2013

Carta do gestor Setembro 2013 Carta do gestor Setembro 2013 Em setembro, observamos significativa desvalorização do dólar e alta dos preços dos ativos de risco em geral. Por trás destes movimentos temos, principalmente, a percepção

Leia mais

Relatório Mensal - Julho

Relatório Mensal - Julho Relatório Mensal - Julho (Este relatório foi redigido pela Kapitalo Investimentos ) Cenário Global A economia global apresentou uma relevante desaceleração nos primeiros meses do ano. Nosso indicador de

Leia mais

Conjuntura Dezembro. Boletim de

Conjuntura Dezembro. Boletim de Dezembro de 2014 PIB de serviços avança em 2014, mas crise industrial derruba taxa de crescimento econômico Mais um ano de crescimento fraco O crescimento do PIB brasileiro nos primeiros nove meses do

Leia mais

Prazo das concessões e a crise econômica

Prazo das concessões e a crise econômica Prazo das concessões e a crise econômica ABCE 25 de Setembro de 2012 1 1. Economia Internacional 2. Economia Brasileira 3. O crescimento a médio prazo e a infraestrutura 2 Cenário internacional continua

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICO-FISCAIS

INDICADORES ECONÔMICO-FISCAIS GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA - SEF DIRETORIA DE PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO DIOR NOTA EXPLICATIVA: A DIOR não é a fonte primária das informações disponibilizadas neste

Leia mais

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO - Diante do cenário de crise financeira internacional, o estudo mostra as expectativas de mercado

Leia mais

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1 Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Introdução No início de 2007 surgiram os primeiros sinais de uma aguda crise

Leia mais

As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real?

As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real? As exportações brasileiras ficaram mais competitivas com a desvalorização do real? Paulo Springer de Freitas 1 No final de 2007, o saldo da balança comercial começou a apresentar uma trajetória declinante,

Leia mais

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas A valorização do real e as negociações coletivas As negociações coletivas em empresas ou setores fortemente vinculados ao mercado

Leia mais

BRASIL Julio Setiembre 2015

BRASIL Julio Setiembre 2015 Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julio Setiembre 2015 Prof. Dr. Rubens Sawaya Assistente: Eline Emanoeli PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE

Leia mais

Relatório Econômico Mensal ABRIL/14

Relatório Econômico Mensal ABRIL/14 Relatório Econômico Mensal ABRIL/14 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS mês

Leia mais

Relatório Econômico Mensal DEZEMBRO/14

Relatório Econômico Mensal DEZEMBRO/14 Relatório Econômico Mensal DEZEMBRO/14 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 6 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 8 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Junho de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Junho de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Junho de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Reunião do FOMC...Pág.3 Europa: Grécia...Pág.4 China: Condições

Leia mais

Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente

Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente Política monetária e senhoriagem: depósitos compulsórios na economia brasileira recente Roberto Meurer * RESUMO - Neste artigo se analisa a utilização dos depósitos compulsórios sobre depósitos à vista

Leia mais

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JULHO DE 2014 1

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JULHO DE 2014 1 No segundo trimestre de 2014, o fundo Pacifico Hedge FIQ FIM apresentou rentabilidade de 1,41%, líquida de taxas. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 2,51% e o mercado de bolsa valorizou-se

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Janeiro de 2016. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Janeiro de 2016. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Janeiro de 2016 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Fraqueza da indústria... Pág.3 Japão: Juros negativos...

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

ABRIL/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO

ABRIL/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO ABRIL/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO ÍNDICE Indicadores Financeiros Pág. 3 Projeções Pág. 4-5 Cenário Externo Pág. 6 Cenário Doméstico Pág. 7 Renda Fixa e Renda Variável Pág. 8 INDICADORES FINANCEIROS BOLSA

Leia mais

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a economia nacional registra um de seus piores momentos

Leia mais

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S.

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Nos últimos anos, tem crescido a expectativa em torno de uma possível

Leia mais

Brasília, 24 de março de 2015.

Brasília, 24 de março de 2015. Brasília, 24 de março de 2015. Pronunciamento do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Página 1 de 16 Exmo. Sr. Presidente da Comissão

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junio 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Relatório Econômico Mensal. Abril - 2012

Relatório Econômico Mensal. Abril - 2012 Relatório Econômico Mensal Abril - 2012 Índice Indicadores Financeiros...3 Projeções...4 Cenário Externo...5 Cenário Doméstico...7 Renda Fixa...8 Renda Variável...9 Indicadores - Março 2012 Eduardo Castro

Leia mais

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica Escola Nacional de Administração Pública - ENAP Curso: Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Professor: José Luiz Pagnussat Período: 11 a 13 de novembro de 2013 Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Uma estratégia para sustentabilidade da dívida pública J OSÉ L UÍS O REIRO E L UIZ F ERNANDO DE P AULA

Uma estratégia para sustentabilidade da dívida pública J OSÉ L UÍS O REIRO E L UIZ F ERNANDO DE P AULA Uma estratégia para sustentabilidade da dívida pública J OSÉ L UÍS O REIRO E L UIZ F ERNANDO DE P AULA As escolhas em termos de política econômica se dão em termos de trade-offs, sendo o mais famoso o

Leia mais

China: novos rumos, mais oportunidades

China: novos rumos, mais oportunidades China: novos rumos, mais oportunidades Brasil pode investir em diversas áreas, como tecnologia, exploração espacial e infraestrutura 10 KPMG Business Magazine A China continua a ter na Europa o principal

Leia mais

PRECIFICAÇÃO NUM CENÁRIO DE INFLAÇÃO

PRECIFICAÇÃO NUM CENÁRIO DE INFLAÇÃO PRECIFICAÇÃO NUM CENÁRIO DE INFLAÇÃO 4º. ENCONTRO NACIONAL DE ATUÁRIOS (ENA) PROF. LUIZ ROBERTO CUNHA - PUC-RIO SETEMBRO 2015 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO I. BRASIL: DE ONDE VIEMOS... II. BRASIL: PARA ONDE

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Câmara dos Deputados Consultoria Legislativa Análise de Conjuntura Boletim periódico da Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados Os textos são da exclusiva responsabilidade de seus autores. O boletim

Leia mais

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise A crise econômica afeta o setor sucroenergético principalmente, dificultando e encarecendo o crédito

Leia mais

Setor Externo: O Que as Contas Externas Contam Sobre a Atual Crise Econômica

Setor Externo: O Que as Contas Externas Contam Sobre a Atual Crise Econômica 7 Setor Externo: O Que as Contas Externas Contam Sobre a Atual Crise Econômica V M S (*) As dimensões da atual crise econômica são evidentemente grandes. No entanto, como em todos os demais aspectos da

Leia mais

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Julho de 2005 Risco Macroeconômico 2 Introdução: Risco Financeiro e Macroeconômico Um dos conceitos fundamentais na área financeira é o de risco, que normalmente

Leia mais

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 3º Trimestre 2011 Análise Conjuntural

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 3º Trimestre 2011 Análise Conjuntural Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 3º Trimestre 2011 Análise Conjuntural O ano de 2011 está sendo marcado pela alternância entre

Leia mais

ACOMPANHAMENTO SEMANAL DO MERCADO DE COMMODITIES Departamento de Assuntos Financeiros e Serviços MRE BOLETIM N 63

ACOMPANHAMENTO SEMANAL DO MERCADO DE COMMODITIES Departamento de Assuntos Financeiros e Serviços MRE BOLETIM N 63 ACOMPANHAMENTO SEMANAL DO MERCADO DE COMMODITIES Departamento de Assuntos Financeiros e Serviços MRE BOLETIM N 63 (SEMANA DE 31 DE JULHO A 7 DE AGOSTO DE 2009) O Índice de Commodities Bloomberg/CMCI atingiu

Leia mais

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES

ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES ANÁLISE FUNDAMENTALISTA COM FOCO PARA A RECOMENDAÇÃO DE COMPRA / VENDA DE AÇÕES! A análise do desempenho histórico! Análise setorial! Análise de múltiplos! Elaboração de projeções de resultados! Determinação

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Os países em desenvolvimento estão se recuperando da crise recente mais rapidamente do que se esperava, mas o

Leia mais

NOTA CEMEC 07/2015 FATORES DA DECISÃO DE INVESTIR DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS UM MODELO SIMPLES

NOTA CEMEC 07/2015 FATORES DA DECISÃO DE INVESTIR DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS UM MODELO SIMPLES NOTA CEMEC 07/2015 FATORES DA DECISÃO DE INVESTIR DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS UM MODELO SIMPLES Setembro de 2015 O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações para tomada de decisões de compra

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Em geral as estatísticas sobre a economia brasileira nesse início de ano não têm sido animadoras

Leia mais

OPINIÃO Política Monetária, Arbitragem de Juro e Câmbio

OPINIÃO Política Monetária, Arbitragem de Juro e Câmbio OPINIÃO Política Monetária, Arbitragem de Juro e Câmbio João Basilio Pereima Neto A combinação de política monetária com elevada taxa de juros em nível e política cambial está conduzindo o país à uma deterioração

Leia mais

Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações do Brasil

Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações do Brasil Brasil África do Sul Chile México Coréia do Sul Rússia Austrália Índia Suíça Turquia Malásia Europa China Argentina São Paulo, 26 de setembro de 2011. Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações

Leia mais

Previsão da taxa de juros Selic e do câmbio nominal a partir de um modelo Var com restrição

Previsão da taxa de juros Selic e do câmbio nominal a partir de um modelo Var com restrição Previsão da taxa de juros Selic e do câmbio nominal a partir de um modelo Var com restrição Luciano D Agostin * José Luís da Costa Oreiro ** Os indicadores macroeconômicos de emprego, produto e inflação

Leia mais

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional 9 dez 2008 Nº 58 Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional Por Fernando Pimentel Puga e Marcelo Machado Nascimento Economistas da APE Levantamento do BNDES indica

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros Projeções Economia Global

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 01 de Setembro de 2015 Prezado(a) FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 03/08/2015 a 31/08/2015 Panorama Mensal Agosto 2015 O mês de agosto novamente foi marcado por grande volatilidade nos mercados

Leia mais

Política Monetária no G3 Estados Unidos, Japão e Área do Euro

Política Monetária no G3 Estados Unidos, Japão e Área do Euro Política Monetária no G3 Estados Unidos, Japão e Área do Euro Nos primeiros anos desta década, os bancos centrais, em diversas economias, introduziram políticas monetárias acomodatícias como forma de evitar

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO RENDA FIXA TESOURO DIRETO CARTEIRA RECOMENDADA A nossa carteira para este mês continua estruturada com base no cenário de queda da taxa de juros no curto prazo. Acreditamos, no entanto, que esse cenário

Leia mais

Parte III Política Cambial

Parte III Política Cambial Parte III Política Cambial CAPÍTULO 5. A GESTÃO DO REGIME DE CÂMBIO FLUTUANTE NO BRASIL CAPÍTULO 6. A RELAÇÃO ENTRE A TAXA DE CÂMBIO E O DESENVOLVIMENTO Regimes e Política Cambial Apesar da adoção quase

Leia mais

Relatório Econômico Mensal NOVEMBRO/14

Relatório Econômico Mensal NOVEMBRO/14 Relatório Econômico Mensal NOVEMBRO/14 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 6 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 8 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS

Leia mais

BRASIL, FRÁGIL E VULNERÁVEL: O FED ERROU?

BRASIL, FRÁGIL E VULNERÁVEL: O FED ERROU? pesquisar... Blog BRASIL, FRÁGIL E VULNERÁVEL: O FED ERROU? ESC RITO POR ARMANDO C ASTEL AR. Se depender da senadora Gleisi Hoffmann, o Fed, o banco central dos EUA, receberá um voto de censura do Senado

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

A verdadeira bolha não é a China, mas sim o ocidente.

A verdadeira bolha não é a China, mas sim o ocidente. SUMÁRIO EXECUTIVO. Bolha chinesa ainda pode cair mais 10%; Uma guerra monetária; FED não irá subir os juros; BCB terá que subir ainda a SELIC. A verdadeira bolha não é a China, mas sim o ocidente. O mundo

Leia mais

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio Nº 45- Maio/2015 1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio O volume de vendas do comércio varejista restrito do estado do Rio de Janeiro registrou, em fevereiro de 2015, alta de 0,8% em relação ao mesmo

Leia mais

IMPACTO DA DESVALORIZAÇÃO DO REAL NOS ÚLTIMOS 48 MESES NA ECONOMIA POPULAR

IMPACTO DA DESVALORIZAÇÃO DO REAL NOS ÚLTIMOS 48 MESES NA ECONOMIA POPULAR IMPACTO DA DESVALORIZAÇÃO DO REAL NOS ÚLTIMOS 48 MESES NA ECONOMIA POPULAR JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Economia ESTUDO JANEIRO/2000 Câmara dos Deputados Praça dos

Leia mais

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India EMITENTE DATA República da India 12 de Dezembro de 2014 RATINGS EMITENTE - MOEDA ESTRANGEIRA Médio e Longo Prazo BBB+ (BBB+,

Leia mais

Dívida Líquida do Setor Público Evolução e Perspectivas

Dívida Líquida do Setor Público Evolução e Perspectivas Dívida Líquida do Setor Público Evolução e Perspectivas Amir Khair 1 Este trabalho avalia o impacto do crescimento do PIB sobre a dívida líquida do setor público (DLSP). Verifica como poderia estar hoje

Leia mais

Opportunity. Resultado. Agosto de 2012

Opportunity. Resultado. Agosto de 2012 Opportunity Equity Hedge FIC FIM Agosto de 2012 Resultado Ao longo do segundo trimestre de 2012, o Opportunity Equity Hedge alcançou uma rentabilidade de 5% depois de taxas, o que representa 239,6% do

Leia mais

Sexta-feira 06 de Fevereiro de 2015. DESTAQUES

Sexta-feira 06 de Fevereiro de 2015. DESTAQUES DESTAQUES Bovespa tem pregão volátil Poupança tem em janeiro maior saque em duas décadas IPCA tem maior alta para o mês em 12 anos, aponta IBGE Planalto quer nome do mercado na Petrobras Cade marca data

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Julho 2007

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Julho 2007 Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Julho 2007 A BOLHA DO MERCADO IMOBILIÁRIO NORTE-AMERICANO FLUXOS E REFLUXOS DO CRÉDITO IMOBILIÁRIO Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva

Leia mais

Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial

Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial Associado à Fundação Armando Alvares Penteado Rua Ceará 2 São Paulo, Brasil 01243-010 Fones 3824-9633/826-0103/214-4454 Fax 825-2637/ngall@uol.com.br O Acordo

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Introdução Guilherme R. S. Souza e Silva * Lucas Lautert Dezordi ** Este artigo pretende

Leia mais

Rio, 28/09/2010. Caros amigos,

Rio, 28/09/2010. Caros amigos, Rio, 28/09/2010 Caros amigos, Nessa próxima quinta-feira (dia 30/09), o Banco Central divulgará o Relatório de Inflação do terceiro trimestre. Dessa vez, a ansiedade do mercado é mais elevada que a média,

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos,

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Economia Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Comércio Internacional Objetivos Apresentar o papel da taxa de câmbio na alteração da economia. Iniciar nas noções

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 Projeções para a Economia Portuguesa: 2014-2016 1 Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte.

Leia mais

Risco Cambial, Besouros e Borboletas. Francisco Lafaiete Lopes, junho 2011 1 ( publicado no Valor Econômico, 15/6/2011)

Risco Cambial, Besouros e Borboletas. Francisco Lafaiete Lopes, junho 2011 1 ( publicado no Valor Econômico, 15/6/2011) Risco Cambial, Besouros e Borboletas. Francisco Lafaiete Lopes, junho 2011 1 ( publicado no Valor Econômico, 15/6/2011) É fácil ser otimista sobre a evolução da macroeconomia brasileira no curto prazo.

Leia mais

A balança comercial do agronegócio brasileiro

A balança comercial do agronegócio brasileiro A balança comercial do agronegócio brasileiro Antonio Carlos Lima Nogueira 1 Qual é a contribuição atual dos produtos do agronegócio para o comércio exterior, tendo em vista o processo atual de deterioração

Leia mais

'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge

'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge 'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge José Gabriel Palma Veja, 16.1.2016, entrevista a Luís Lima Gabriel Palma, professor da universidade britânica, afirma que latino-

Leia mais

Vulnerabilidade externa e crise econômica no Brasil Reinaldo Gonçalves 1

Vulnerabilidade externa e crise econômica no Brasil Reinaldo Gonçalves 1 Vulnerabilidade externa e crise econômica no Brasil Reinaldo Gonçalves 1 Introdução Na fase ascendente do ciclo econômico internacional (2003 até meados de 2008) a economia brasileira teve um desempenho

Leia mais

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09

GERDAU S.A. Informações consolidadas 1T09 07/05/09 Visão Ser uma empresa siderúrgica global, entre as mais rentáveis do setor. Missão A Gerdau é uma empresa com foco em siderurgia, que busca satisfazer as necessidades dos clientes e criar valor para os

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE

FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE D E T E R M I N A N T E S, I M PA C TOS E I M P L I C A Ç Õ E S D E P O L Í T I C A E D UARDO N E VES J OÃO Quais são os determinantes das taxas de câmbio? Os

Leia mais

CONJUNTURA DA ECONOMIA BRASILEIRA EM 2015: CONTEXTUALIZAÇÃO VIA RESTRIÇÕES INTERNAS E EXTERNAS

CONJUNTURA DA ECONOMIA BRASILEIRA EM 2015: CONTEXTUALIZAÇÃO VIA RESTRIÇÕES INTERNAS E EXTERNAS CONJUNTURA DA ECONOMIA BRASILEIRA EM 2015: CONTEXTUALIZAÇÃO VIA RESTRIÇÕES INTERNAS E EXTERNAS OBJETIVO: ILUSTRAR CONCEITOS TRABALHADOS EM MACROECONOMIA Patricia Bonini - patriciabonini@gmail.com Roteiro

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo apresenta e discute o comportamento das taxas de câmbio

Leia mais

Entrevista / Ricardo Amorim por Roberto Ferreira / Foto Victor Andrade

Entrevista / Ricardo Amorim por Roberto Ferreira / Foto Victor Andrade Entrevista / Ricardo Amorim por Roberto Ferreira / Foto Victor Andrade 28 r e v i s t a revenda construção entrevista_ed.indd 28 14/05/10 22:05 País rico e já estável era rricardo Amorim, economista formado

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Julho de RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) PGA PB TOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM OUTUBRO São Paulo, 04 de novembro de 2010. O mês de outubro foi marcado pela continuidade do processo de lenta recuperação das economias maduras, porém com bons resultados no setor

Leia mais

Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito;

Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito; 06-set-2013 Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito; Ata do Copom referendou nosso novo cenário para

Leia mais

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015 Publicado em Novembro de 2015 Fatos Relevantes Agosto/2015 Vendas Industriais As vendas industriais registraram expansão de 28,40% em agosto. Trata-se do maior aumento dos últimos três meses e aponta para

Leia mais

Sucesso em meio a incertezas

Sucesso em meio a incertezas Sucesso em meio a incertezas Práticas e tendências em redução estratégica de custos na América Latina Pesquisa 06 Sumário executivo Os fatores macroeconômicos têm exercido forte impacto sobre as prioridades

Leia mais