Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise"

Transcrição

1 Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise A crise econômica afeta o setor sucroenergético principalmente, dificultando e encarecendo o crédito para as empresas, mas a tendência é de que, após as complicações enfrentadas nos últimos anos, o mercado de açúcar e álcool tenha tempos bastante promissores daqui para a frente. Para o vice-presidente da Raízen, Pedro Isamu Mizutani, o setor deve sentir uma recuperação mais acelerada a partir do ano que vem, graças à melhora do preço do açúcar internacionalmente devido à queda dos estoques e ao aumento da competitividade brasileira, beneficiada pela valorização do dólar frente ao real, o que trará melhor remuneração. Mizutani integra a série de entrevistas especiais do Jornal de Piracicaba com profissionais e autoridades a respeito da crise e seus reflexos na cidade. Como o setor sucroenergético tem sido impactado pela crise econômica nacional? Basicamente, no nosso setor, que é o sucroenergético, dependemos muito de recursos de BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social) para plantio e trato de cana e essa parte de crédito foi onde a crise mais afetou. Ela fez com que o crédito fosse reduzido em montante, fazendo, com isso, que fossemos tomar crédito no mercado privado. Muitas empresas não tem acesso ao mercado, não é nosso caso, mas os juros ficam caros e há falta de recursos também. A Raízen não sofre com isso, mas o setor sucroenergético sofre muito. A taxa de juros hoje gira em torno de 14% a Selic, essa é a base, mas no mercado elas custam a Selic mais 2% ou 3%, o que daria 17% ao ano. As taxas, quando são subsidiadas, custam em torno de 8% ou 8,5%. Elas continuam nesse nível, porém, o volume de recursos é mais baixo e como a disponibilidade é menor, tem que buscar o restante no mercado. Esse é um dos maiores problemas provocados pela crise. Outro problema que afetou, ao longo do tempo, todo nosso setor, foi o preço da gasolina congelado por causa da preocupação do governo com relação à inflação, o que fez com que os preços do etanol ficassem parados, mas nossos custos foram crescendo. Isso não é de agora, já vem ao longo dos quatro últimos

2 anos. Estamos sofrendo com isso, ora porque se tira a Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) que é um imposto diferencial da gasolina com relação ao etanol, ora porque se congela o preço da gasolina. O retorno parcial da Cide em janeiro trouxe benefícios para o setor... Trouxe sim. Você teve uma parte da Cide, uma parte do PIS/Cofins e um reajuste do preço da gasolina, isso nos deu um pouco mais de competitividade. Agora, depois de todas voltas desses tributos, o que mais tem nos afetado recentemente é o tempo, que não nos deixa moer a cana. Por um lado (devido às chuvas) você tem a produtividade agrícola maior, mas esse tempo mais chuvoso faz com que a gente tenha menos tempo para processar essa cana, o que atrasa o término da safra e ao mesmo tempo faz com que você deixe mais cana no campo. E quanto à alta recente do dólar, ela ajudou ou prejudicou o setor sucroenergético? A desvalorização do real prejudica o setor em termos de custo, mas em termos de receita, nos dá competitividade, porque o Brasil é um grande produtor de açúcar, exporta dois terços da produção (do produto), então o real desvalorizado dá competitividade em relação aos outros países. Ela é muito mais positiva que negativa para a gente. Como o setor tem reagido à atual crise? Empresas menos preparadas estão fechando, elas não conseguem sobreviver a isso. Empresas mais preparadas têm enfrentado a crise, como é o caso da Raízen. Nós fizemos a lição de casa, cortamos custos, melhoramos nossa eficiência, estamos preparados para a crise. E as empresas menos preparadas fecharam, demitiram funcionários, enfrentam muitas dificuldades. Por outro lado, você vê que esses progressivos aumentos de preços com relação ao etanol e ao açúcar, por causa da competitividade do real-dólar, têm feito com que muitas empresas não fossem para expansão, mas pelo menos eles dão uma sobrevivência. A crise econômica afeta o setor sucroenergético principalmente, dificultando e encarecendo o crédito para as empresas, mas a tendência é de que, após as

3 complicações enfrentadas nos últimos anos, o mercado de açúcar e álcool tenha tempos bastante promissores daqui para a frente. Para o vice-presidente da Raízen, Pedro Isamu Mizutani, o setor deve sentir uma recuperação mais acelerada a partir do ano que vem, graças à melhora do preço do açúcar internacionalmente devido à queda dos estoques e ao aumento da competitividade brasileira, beneficiada pela valorização do dólar frente ao real, o que trará melhor remuneração. Mizutani integra a série de entrevistas especiais do Jornal de Piracicaba com profissionais e autoridades a respeito da crise e seus reflexos na cidade. Como o setor sucroenergético tem sido impactado pela crise econômica nacional? Basicamente, no nosso setor, que é o sucroenergético, dependemos muito de recursos de BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social) para plantio e trato de cana e essa parte de crédito foi onde a crise mais afetou. Ela fez com que o crédito fosse reduzido em montante, fazendo, com isso, que fossemos tomar crédito no mercado privado. Muitas empresas não tem acesso ao mercado, não é nosso caso, mas os juros ficam caros e há falta de recursos também. A Raízen não sofre com isso, mas o setor sucroenergético sofre muito. A taxa de juros hoje gira em torno de 14% a Selic, essa é a base, mas no mercado elas custam a Selic mais 2% ou 3%, o que daria 17% ao ano. As taxas, quando são subsidiadas, custam em torno de 8% ou 8,5%. Elas continuam nesse nível, porém, o volume de recursos é mais baixo e como a disponibilidade é menor, tem que buscar o restante no mercado. Esse é um dos maiores problemas provocados pela crise. Outro problema que afetou, ao longo do tempo, todo nosso setor, foi o preço da gasolina congelado por causa da preocupação do governo com relação à inflação, o que fez com que os preços do etanol ficassem parados, mas nossos custos foram crescendo. Isso não é de agora, já vem ao longo dos quatro últimos anos. Estamos sofrendo com isso, ora porque se tira a Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) que é um imposto diferencial da gasolina com relação ao etanol, ora porque se congela o preço da gasolina. O retorno parcial da Cide em janeiro trouxe benefícios para o setor...

4 Trouxe sim. Você teve uma parte da Cide, uma parte do PIS/Cofins e um reajuste do preço da gasolina, isso nos deu um pouco mais de competitividade. Agora, depois de todas voltas desses tributos, o que mais tem nos afetado recentemente é o tempo, que não nos deixa moer a cana. Por um lado (devido às chuvas) você tem a produtividade agrícola maior, mas esse tempo mais chuvoso faz com que a gente tenha menos tempo para processar essa cana, o que atrasa o término da safra e ao mesmo tempo faz com que você deixe mais cana no campo. E quanto à alta recente do dólar, ela ajudou ou prejudicou o setor sucroenergético? A desvalorização do real prejudica o setor em termos de custo, mas em termos de receita, nos dá competitividade, porque o Brasil é um grande produtor de açúcar, exporta dois terços da produção (do produto), então o real desvalorizado dá competitividade em relação aos outros países. Ela é muito mais positiva que negativa para a gente. Como o setor tem reagido à atual crise? Empresas menos preparadas estão fechando, elas não conseguem sobreviver a isso. Empresas mais preparadas têm enfrentado a crise, como é o caso da Raízen. Nós fizemos a lição de casa, cortamos custos, melhoramos nossa eficiência, estamos preparados para a crise. E as empresas menos preparadas fecharam, demitiram funcionários, enfrentam muitas dificuldades. Por outro lado, você vê que esses progressivos aumentos de preços com relação ao etanol e ao açúcar, por causa da competitividade do real-dólar, têm feito com que muitas empresas não fossem para expansão, mas pelo menos eles dão uma sobrevivência. E a maioria das empresas está sobrevivendo ou fechando as portas? Já fecharam em torno de 60 usinas no Centro-Sul, tem mais de 200, então se você pensar, a maioria está sobrevivendo à crise. As empresas que estão sobrevivendo estão mais fortes. Reduziu-se o número de usinas, mas a quantidade de cana disponível é a mesma, então as usinas complementaram sua capacidade ociosa fazendo com que elas tenham mais competitividade. Então, quando a situação começar a melhorar, a partir do ano que vem, essas usinas vão estar beneficiadas.

5 E essa melhora esperada parte de quê exatamente? Parte dos preços. Essa desvalorização cambial faz com que a gente tenha maior competitividade no mercado internacional, então melhora o preço do açúcar, não em dólar, mas em reais, dando maior competitividade para as exportações. Em relação ao clima, o El Niño provoca secas em alguns lugares produtores de cana, então se eles produzem menos açúcar, é menos competição. Nós viemos de um ciclo muito longo só de superávit (de produção), em que criou-se um estoque. E neste ano, por exemplo, vamos ter déficit, isso faz com que os preços do açúcar subam. Por outro lado, temos também um déficit de combustíveis como um todo, então isso faz com que haja mais procura do etanol, faz com que tenhamos melhores preços. Então essa melhora está mais ligado à dinâmica do setor do que a mudanças políticas... Nós vivemos no livre mercado, nosso único problema é que nosso preço (do etanol) é dependente ao preço da gasolina, que é controlado. E como a crise política atual prejudica? A gente vê que a crise de fundo político faz com que não tenhamos uma política de investimentos de longo prazo. Você vê capital estrangeiro não vindo mais para cá. No passado você via muito capital vindo por causa da confiança no país. O Brasil é uma terra, a médio e longo prazos, muito promissora, mas precisa realmente ter uma estabilidade política. Essa instabilidade cria uma aversão a recursos virem para o país. Os ativos do Brasil, com a desvalorização cambial, ficaram baratos, então só falta essa estabilidade política para atrair o capital estrangeiro. Quanto às políticas voltadas ao etanol, na semana passada, o BNDES apresentou em Piracicaba um estudo para venda de etanol hidratado em contratos de longo prazo. Isso ajudaria o setor? Depende muito de como for desenhado. Toda vez que a gente tenta fazer uma fórmula para um livre mercado, é complicado. Já existe um contrato de álcool anidro, existe uma legislação que obriga você a fazer uma parte em contrato tanto

6 para a distribuidora quanto para o produtor. No caso do hidratado, não existe contrato. Eu não acho que o contrato vá fazer com que exista uma melhora no mercado. O que faz realmente uma melhora no mercado é uma transparência nos preços da gasolina, porque o hidratado, o competidor dele é a gasolina ou você coloca o etanol hidratado ou coloca a gasolina. O anidro não, é uma mistura, um blend, não depende tanto do preço da gasolina, mas o hidratado depende 100%. E quanto mais você tiver uma política clara de como vão ser os preços, melhor. E esse aumento recente no consumo de etanol hidratado vai motivar as empresas a investirem mesmo com a crise? O aumento do etanol faz com que se tenha mais competitividade. Hoje o etanol está quase 70% do preço da gasolina, faz com que o consumidor consuma etanol, está em um patamar realmente bom em termos de comparação com a gasolina, mas ainda não remunera suficientemente o setor para voltar a investir. Esse patamar de preço nos dá sobrevivência para remunerar o capital já investido e não para fazer novos capitais. Qual seria uma remuneração justa hoje? Hoje o etanol teria de ter aumento basicamente de quase 30% ou ter um diferencial ambiental de 30% em relação à gasolina. Fala-se muito em uma Cide de R$ 0,60 e, se você considerar o etanol em termos de R$ 2 por litro, os R$ 0,60 centavos significam 30%. Esse nível daria uma competitividade melhor para o etanol e os empresários começariam a pensar como investir. Porque o fato do etanol ser um combustível limpo, renovável, ele tem que ter uma figura de prêmio em relação à gasolina. Ou a gasolina ser mais cara em função dela ser mais poluente que o etanol. É isso que a gente espera que o governo faça, não só o governo, mas as entidades que estão ligadas a meio ambiente, aquecimento global, façam com que exista esse entendimento com relação a este aspecto do etanol. Mas está um pouco difícil ter um indicador por parte do governo a respeito disso... Vamos ter a Cop 21 (Conferência do Clima) na França, onde o governo brasileiro terá uma meta de redução de CO2 (Dióxido de Carbono), o mundo vai ter uma

7 meta de redução de C02, e tudo passa pelo combustível, passa pelo desmatamento zero na Amazônia, passa por fazer consumo de mais etanol em relação à gasolina. Para se ter uma ideia, São Paulo há 20 anos ou 30 anos, era tudo escuro, hoje você já vê o sol, o céu limpo, hoje é totalmente diferente, porque tem o carro a etanol. Então tudo isso contribui para o meio ambiente, mas se você não tiver um reconhecimento dessa externalidade positiva, dificilmente o etanol sobrevive, principalmente hoje que o petróleo não está US$ 100 por barril, está metade disso. Mas não há indicação por parte do Governo de que alíquota da Cide volte integralmente agora... O próprio governo brasileiro anunciou que, em 2030, teremos 50 bilhões de litros de etanol. Para se ter essa quantidade ele precisa incentivar a indústria do etanol a fazer novos investimentos, novas fronteiras, aí que eu acredito que haverá um incentivo, ou através de uma Cide, de uma Cide ambiental, ou de um reconhecimento da externalidade positiva do etanol. As duas visitas da presidente Dilma Rousseff (PT) a Piracicaba trouxeram esperança para o setor? Sim, porque a gente quis mostrar para a presidente o quanto o setor está evoluído, o quanto a gente está investindo em tecnologia. Quando a trouxemos para a Raízen para ver a tecnologia de segunda geração, muito mais ver a tecnologia industrial, o quanto ela está evoluindo, ela ficou muito contente porque, no etanol de segunda geração você tem menores emissões de C02 que o próprio etanol de primeira geração (cerca de 17 vezes menos), a gente consegue vender isso melhor do que o de primeira geração. E no CTC (Centro de Tecnologia Canavieira), a gente quis mostrar a evolução da tecnologia agrícola. Tivemos muito retorno positivo dela, porque se vê como estamos evoluindo no plantio de cana, nas novas variedades, até transgências, isso dá uma esperança para o Brasil. Somos uma terra muito rica em agricultura, o Brasil tem competitividade na agricultura, e isso que deu esperança para ela. E como foi a reação da presidente nas visitas?

8 Ela ficou muito emocionada. Ela faz muita pergunta técnica com relação a todas essas evoluções que o setor tem feito e ficou muito entusiasmada com isso, principalmente em um período que antecede a COP 21 na França. E como está atualmente a produção do etanol de segunda geração? Nós instalamos a primeira planta comercial de etanol de segunda geração na (usina) Costa Pinto, está na primeira fase ainda, que é a produção de etanol no C6, que são seis carbonos. Agora é a produção através do C5, isso deve ser finalizado em Estamos na fase de aprendizado e quando essa planta estiver totalmente pronta ela produzirá 40 milhões de litros (por safra). Esse ano temos expectativa de produção de 3 a 4 milhões de litros. De forma geral, como Piracicaba tem sentido essa crise econômica? Basicamente, Piracicaba, com a vinda da Hyundai e de outras empresas no auge do setor da cana, a cidade cresceu muito. Claro que nesta crise houve uma estabilizada e ela sofre também. Todas as empresas ligadas ao setor sofrem, você tem menos empresas e geração de renda com a crise. Por outro lado, há empresas que tem uma competitividade maior de exportação e vão ser beneficiadas com a desvalorização cambial. As perspectivas para o futuro da cidade são boas... Acredito que Piracicaba sofra, hoje, menos que as demais cidades, mas ela vai acompanhar a evolução do país também. A reação não depende só de Piracicaba e das empresas daqui. Vendemos nosso produto para o Brasil como um todo e vendemos para fora do país, então essa reação vai depender muito do país melhorar e da situação de mundo melhorar também. As perspectivas para a cidade são boas. As expectativas para o Brasil são boas a médio e longo prazos, o importante é você se adaptar neste curto prazo e fazer a lição de casa. Quando o país sairá da crise em sua opinião? Levará uns dois anos. Acredito que 2016 será um ano muito difícil também e, em 2017, a gente comece a se recuperar. Os setores de exportação vão alavancar (essa recuperação), porque houve uma correção do câmbio como um todo. Agora

9 as empresas que têm dívidas em dólar estão com uma situação muito difícil, muito delicada financeiramente. E quanto ao setor sucroenergético especificamente? Nosso setor vive de momentos. É um setor que tem açúcar como commodity e o etanol que depende do preço da gasolina. O setor de commodities é de altos e baixos. Vivemos um período muito ruim durante os ultimos cinco anos e a acredito que viveremos um período bom daqui para a frente, começa-se um ciclo bom de três a cinco anos onde teremos uma falta de produto no mundo e nós somos capazes de produzir. E a Raízen é uma empresa bem preparada, bem estruturada, que fez a lição de casa e deve se destacar em um sistema como um todo. Os investimentos necessários sempre foram mantidos pela empresa, mesmo com a crise. Fizemos a lição de casa, terminamos todos os projetos de geração de energia e estamos terminando dois projetos de expansão de usinas, uma em Paraguaçu Paulista (SP) e outra em Caarapó, no Mato Grosso do Sul. Já fecharam em torno de 60 usinas no Centro-Sul, tem mais de 200, então se você pensar, a maioria está sobrevivendo à crise. As empresas que estão sobrevivendo estão mais fortes. Reduziu-se o número de usinas, mas a quantidade de cana disponível é a mesma, então as usinas complementaram sua capacidade ociosa fazendo com que elas tenham mais competitividade. Então, quando a situação começar a melhorar, a partir do ano que vem, essas usinas vão estar beneficiadas. E essa melhora esperada parte de quê exatamente? Parte dos preços. Essa desvalorização cambial faz com que a gente tenha maior competitividade no mercado internacional, então melhora o preço do açúcar, não em dólar, mas em reais, dando maior competitividade para as exportações. Em relação ao clima, o El Niño provoca secas em alguns lugares produtores de cana, então se eles produzem menos açúcar, é menos competição. Nós viemos de um ciclo muito longo só de superávit (de produção), em que criou-se um estoque. E neste ano, por exemplo, vamos ter déficit, isso faz com que os preços do açúcar subam. Por outro lado, temos também um déficit de combustíveis como um todo,

10 então isso faz com que haja mais procura do etanol, faz com que tenhamos melhores preços. Então essa melhora está mais ligado à dinâmica do setor do que a mudanças políticas... Nós vivemos no livre mercado, nosso único problema é que nosso preço (do etanol) é dependente ao preço da gasolina, que é controlado. E como a crise política atual prejudica? A gente vê que a crise de fundo político faz com que não tenhamos uma política de investimentos de longo prazo. Você vê capital estrangeiro não vindo mais para cá. No passado você via muito capital vindo por causa da confiança no país. O Brasil é uma terra, a médio e longo prazos, muito promissora, mas precisa realmente ter uma estabilidade política. Essa instabilidade cria uma aversão a recursos virem para o país. Os ativos do Brasil, com a desvalorização cambial, ficaram baratos, então só falta essa estabilidade política para atrair o capital estrangeiro. Quanto às políticas voltadas ao etanol, na semana passada, o BNDES apresentou em Piracicaba um estudo para venda de etanol hidratado em contratos de longo prazo. Isso ajudaria o setor? Depende muito de como for desenhado. Toda vez que a gente tenta fazer uma fórmula para um livre mercado, é complicado. Já existe um contrato de álcool anidro, existe uma legislação que obriga você a fazer uma parte em contrato tanto para a distribuidora quanto para o produtor. No caso do hidratado, não existe contrato. Eu não acho que o contrato vá fazer com que exista uma melhora no mercado. O que faz realmente uma melhora no mercado é uma transparência nos preços da gasolina, porque o hidratado, o competidor dele é a gasolina ou você coloca o etanol hidratado ou coloca a gasolina. O anidro não, é uma mistura, um blend, não depende tanto do preço da gasolina, mas o hidratado depende 100%. E quanto mais você tiver uma política clara de como vão ser os preços, melhor. E esse aumento recente no consumo de etanol hidratado vai motivar as empresas a investirem mesmo com a crise?

11 O aumento do etanol faz com que se tenha mais competitividade. Hoje o etanol está quase 70% do preço da gasolina, faz com que o consumidor consuma etanol, está em um patamar realmente bom em termos de comparação com a gasolina, mas ainda não remunera suficientemente o setor para voltar a investir. Esse patamar de preço nos dá sobrevivência para remunerar o capital já investido e não para fazer novos capitais. Qual seria uma remuneração justa hoje? Hoje o etanol teria de ter aumento basicamente de quase 30% ou ter um diferencial ambiental de 30% em relação à gasolina. Fala-se muito em uma Cide de R$ 0,60 e, se você considerar o etanol em termos de R$ 2 por litro, os R$ 0,60 centavos significam 30%. Esse nível daria uma competitividade melhor para o etanol e os empresários começariam a pensar como investir. Porque o fato do etanol ser um combustível limpo, renovável, ele tem que ter uma figura de prêmio em relação à gasolina. Ou a gasolina ser mais cara em função dela ser mais poluente que o etanol. É isso que a gente espera que o governo faça, não só o governo, mas as entidades que estão ligadas a meio ambiente, aquecimento global, façam com que exista esse entendimento com relação a este aspecto do etanol. Mas está um pouco difícil ter um indicador por parte do governo a respeito disso... Vamos ter a Cop 21 (Conferência do Clima) na França, onde o governo brasileiro terá uma meta de redução de CO2 (Dióxido de Carbono), o mundo vai ter uma meta de redução de C02, e tudo passa pelo combustível, passa pelo desmatamento zero na Amazônia, passa por fazer consumo de mais etanol em relação à gasolina. Para se ter uma ideia, São Paulo há 20 anos ou 30 anos, era tudo escuro, hoje você já vê o sol, o céu limpo, hoje é totalmente diferente, porque tem o carro a etanol. Então tudo isso contribui para o meio ambiente, mas se você não tiver um reconhecimento dessa externalidade positiva, dificilmente o etanol sobrevive, principalmente hoje que o petróleo não está US$ 100 por barril, está metade disso.

12 Mas não há indicação por parte do Governo de que alíquota da Cide volte integralmente agora... O próprio governo brasileiro anunciou que, em 2030, teremos 50 bilhões de litros de etanol. Para se ter essa quantidade ele precisa incentivar a indústria do etanol a fazer novos investimentos, novas fronteiras, aí que eu acredito que haverá um incentivo, ou através de uma Cide, de uma Cide ambiental, ou de um reconhecimento da externalidade positiva do etanol. As duas visitas da presidente Dilma Rousseff (PT) a Piracicaba trouxeram esperança para o setor? Sim, porque a gente quis mostrar para a presidente o quanto o setor está evoluído, o quanto a gente está investindo em tecnologia. Quando a trouxemos para a Raízen para ver a tecnologia de segunda geração, muito mais ver a tecnologia industrial, o quanto ela está evoluindo, ela ficou muito contente porque, no etanol de segunda geração você tem menores emissões de C02 que o próprio etanol de primeira geração (cerca de 17 vezes menos), a gente consegue vender isso melhor do que o de primeira geração. E no CTC (Centro de Tecnologia Canavieira), a gente quis mostrar a evolução da tecnologia agrícola. Tivemos muito retorno positivo dela, porque se vê como estamos evoluindo no plantio de cana, nas novas variedades, até transgências, isso dá uma esperança para o Brasil. Somos uma terra muito rica em agricultura, o Brasil tem competitividade na agricultura, e isso que deu esperança para ela. E como foi a reação da presidente nas visitas? Ela ficou muito emocionada. Ela faz muita pergunta técnica com relação a todas essas evoluções que o setor tem feito e ficou muito entusiasmada com isso, principalmente em um período que antecede a COP 21 na França. E como está atualmente a produção do etanol de segunda geração? Nós instalamos a primeira planta comercial de etanol de segunda geração na (usina) Costa Pinto, está na primeira fase ainda, que é a produção de etanol no C6, que são seis carbonos. Agora é a produção através do C5, isso deve ser

13 finalizado em Estamos na fase de aprendizado e quando essa planta estiver totalmente pronta ela produzirá 40 milhões de litros (por safra). Esse ano temos expectativa de produção de 3 a 4 milhões de litros. De forma geral, como Piracicaba tem sentido essa crise econômica? Basicamente, Piracicaba, com a vinda da Hyundai e de outras empresas no auge do setor da cana, a cidade cresceu muito. Claro que nesta crise houve uma estabilizada e ela sofre também. Todas as empresas ligadas ao setor sofrem, você tem menos empresas e geração de renda com a crise. Por outro lado, há empresas que tem uma competitividade maior de exportação e vão ser beneficiadas com a desvalorização cambial. As perspectivas para o futuro da cidade são boas... Acredito que Piracicaba sofra, hoje, menos que as demais cidades, mas ela vai acompanhar a evolução do país também. A reação não depende só de Piracicaba e das empresas daqui. Vendemos nosso produto para o Brasil como um todo e vendemos para fora do país, então essa reação vai depender muito do país melhorar e da situação de mundo melhorar também. As perspectivas para a cidade são boas. As expectativas para o Brasil são boas a médio e longo prazos, o importante é você se adaptar neste curto prazo e fazer a lição de casa. Quando o país sairá da crise em sua opinião? Levará uns dois anos. Acredito que 2016 será um ano muito difícil também e, em 2017, a gente comece a se recuperar. Os setores de exportação vão alavancar (essa recuperação), porque houve uma correção do câmbio como um todo. Agora as empresas que têm dívidas em dólar estão com uma situação muito difícil, muito delicada financeiramente. E quanto ao setor sucroenergético especificamente? Nosso setor vive de momentos. É um setor que tem açúcar como commodity e o etanol que depende do preço da gasolina. O setor de commodities é de altos e baixos. Vivemos um período muito ruim durante os ultimos cinco anos e a acredito que viveremos um período bom daqui para a frente, começa-se um ciclo bom de

14 três a cinco anos onde teremos uma falta de produto no mundo e nós somos capazes de produzir. E a Raízen é uma empresa bem preparada, bem estruturada, que fez a lição de casa e deve se destacar em um sistema como um todo. Os investimentos necessários sempre foram mantidos pela empresa, mesmo com a crise. Fizemos a lição de casa, terminamos todos os projetos de geração de energia e estamos terminando dois projetos de expansão de usinas, uma em Paraguaçu Paulista (SP) e outra em Caarapó, no Mato Grosso do Sul. Fonte: Jornal de Piracicaba - 05/11/2015

Mercado. Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014

Mercado. Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014 Mercado Cana-de-açúcar: Prospecção para a safra 2013/2014 Por: WELLINGTON SILVA TEIXEIRA As mudanças climáticas provocadas pelo aquecimento global suscitam as discussões em torno da necessidade da adoção

Leia mais

Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1

Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1 Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1 Rosana Paczyk 1 Introdução Este artigo objetiva analisar o setor sucroalcooleiro do Paraná desde o programa nacional do álcool em meados de

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

Edição 40 (Março/2014)

Edição 40 (Março/2014) Edição 40 (Março/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação oficial acelera por alimentos e transportes (Fonte: Terra) O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) avançou 0,73% em março

Leia mais

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a economia nacional registra um de seus piores momentos

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL Cintia de Souza Oliveira 8662479 Karina Siqueira 8658676 Verônica Carvalho

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Repensando a matriz brasileira de combustíveis

Repensando a matriz brasileira de combustíveis 1 Repensando a matriz brasileira de combustíveis Marcos Sawaya Jank Conselheiro do CDES A matriz energética brasileira se destaca pela grande incidência de fontes renováveis... Ao longo desta década, a

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Situação atual do setor sucroenergético - apresentação à Câmara dos Deputados

Situação atual do setor sucroenergético - apresentação à Câmara dos Deputados 07 de outubro de 2015 Situação atual do setor sucroenergético - apresentação à Câmara dos Deputados Elizabeth Farina Diretora presidente Crise Exportação do setor de sucroenergético açúcar pela é região

Leia mais

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024 As projeções de produção de cana, açúcar e etanol para a safra 2023/24 da Fiesp/MB Agro No Brasil, a cana-de-açúcar experimentou um forte ciclo de crescimento da produção na década passada. A aceleração

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Resultados e Análises Rodada de. Referente ao 2º Trimestre de 2015

Resultados e Análises Rodada de. Referente ao 2º Trimestre de 2015 Resultados e Análises Rodada de Maio de 2015 Referente ao 2º Trimestre de 2015 Ano 5, n 20, Maio de 2015 Ribeirão Preto Índice de Confiança dos Fornecedores do Setor Sucroenergético (ICFSS) Reed Exhibitions

Leia mais

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015 Publicado em Novembro de 2015 Fatos Relevantes Agosto/2015 Vendas Industriais As vendas industriais registraram expansão de 28,40% em agosto. Trata-se do maior aumento dos últimos três meses e aponta para

Leia mais

1ª GESTÃO DILMA. Menor rigor fiscal. Metas de inflação em prazo mais longo (menor velocidade de ajuste), maior expansão de crédito

1ª GESTÃO DILMA. Menor rigor fiscal. Metas de inflação em prazo mais longo (menor velocidade de ajuste), maior expansão de crédito 1ª GESTÃO DILMA Menor rigor fiscal Metas de inflação em prazo mais longo (menor velocidade de ajuste), maior expansão de crédito Controles diretos de preços (gasolina e energia, por exemplo) e desonerações

Leia mais

Transcrição da Teleconferência Q&A Resultados do 4T08 Fertilizantes Heringer (FHER3 BZ) 12 de março de 2009

Transcrição da Teleconferência Q&A Resultados do 4T08 Fertilizantes Heringer (FHER3 BZ) 12 de março de 2009 Alexandre Falcão, Morgan Stanley: Bom dia. Na verdade, tenho duas perguntas. A primeira é sobre os estoques que vocês ainda estão carregando. Qual é o nível de preços desses estoques? E queria entender

Leia mais

Cenário positivo. Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37. Texto: Lucas Rizzi

Cenário positivo. Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37. Texto: Lucas Rizzi Cenário positivo Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37 Texto: Lucas Rizzi Crescimento econômico, redução da pobreza, renda em expansão e dois grandes eventos esportivos vindo

Leia mais

Operadora: Gustavo Poppe:

Operadora: Gustavo Poppe: Operadora: Boa tarde senhoras e senhores e obrigada por aguardarem. Sejam bem-vindos à teleconferência da SUZANO PAPEL E CELULOSE para a discussão dos resultados referentes ao segundo trimestre de 2005.

Leia mais

Combustíveis BOLETIM CEPER. Ribeirão Preto/SP. Prof. Dr. Luciano Nakabashi André Ribeiro Cardoso e Simone Prado Araujo

Combustíveis BOLETIM CEPER. Ribeirão Preto/SP. Prof. Dr. Luciano Nakabashi André Ribeiro Cardoso e Simone Prado Araujo Neste boletim são apresentadas informações e uma breve análise sobre o comportamento dos preços dos principais combustíveis automotivos, etanol e gasolina comum, com base nos dados de preço coletados pela

Leia mais

CONSUMO DE ETANOL CRESCE APENAS 2% EM 2014 NOS ESTADOS UNIDOS

CONSUMO DE ETANOL CRESCE APENAS 2% EM 2014 NOS ESTADOS UNIDOS Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano X 30/abril/2015 n. 443 CONSUMO DE ETANOL CRESCE APENAS 2% EM 2014 NOS ESTADOS UNIDOS A disponibilidade de dados feita pela Secretaria de Energia Ambiental

Leia mais

Rodobens é destaque no website Infomoney

Rodobens é destaque no website Infomoney Rodobens é destaque no website Infomoney Por: Conrado Mazzoni Cruz 19/04/07-09h55 InfoMoney SÃO PAULO - Atualmente, falar sobre o mercado imobiliário brasileiro é entrar na discussão sobre um possível

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Cana de açúcar e Sucroalcooleiro - Prognóstico (março de 2013)

DERAL - Departamento de Economia Rural. Cana de açúcar e Sucroalcooleiro - Prognóstico (março de 2013) Cana de açúcar e Sucroalcooleiro - Prognóstico (março de 2013) 1.SINOPSE E ESTIMATIVA Oferta/Demanda: Apenas 7 países produtores de açúcar concentram 70% da oferta mundial, o Brasil, Índia, a soma da União

Leia mais

Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas econômicas do governo

Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas econômicas do governo Cliente: Trade Energy Veículo: Portal R7 Assunto: Saiba o que vai mudar no seu bolso com as novas medidas Data: 21/01/2015 http://noticias.r7.com/economia/saiba-o-que-vai-mudar-no-seu-bolso-com-as-novas-medidaseconomicas-do-governo-21012015

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de início da operação com etanol da Usina Termelétrica Juiz de Fora

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de início da operação com etanol da Usina Termelétrica Juiz de Fora , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de início da operação com etanol da Usina Termelétrica Juiz de Fora Juiz de Fora - MG, 19 de janeiro de 2010 Bem, primeiro, meus companheiros, eu vou passar por

Leia mais

'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge

'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge 'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge José Gabriel Palma Veja, 16.1.2016, entrevista a Luís Lima Gabriel Palma, professor da universidade britânica, afirma que latino-

Leia mais

MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7%

MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7% MAHLE REPORTA EBITDA DE R$ 104,6 MILHÕES NO 2T14; MARGEM DE 17,7% Mogi Guaçu (SP), 11 de agosto de 2014 - A MAHLE Metal Leve S.A. (BM&FBOVESPA: LEVE3), Companhia líder na fabricação e comercialização de

Leia mais

Coletiva de imprensa BALANÇO DA SAFRA 2014/2015

Coletiva de imprensa BALANÇO DA SAFRA 2014/2015 Coletiva de imprensa BALANÇO DA SAFRA 2014/2015 ROTEIRO Safra 2014/2015 Bioeletricidade Políticas Públicas e Setoriais 1 - SAFRA 2014/2015 SAFRA 2014/2015 REGIÃO CENTRO-SUL Condições agrícolas e operacionais

Leia mais

Desafios para o planejamento e a regulação do mercado de biocombustíveis

Desafios para o planejamento e a regulação do mercado de biocombustíveis VIII CBPE Congresso Brasileiro de Planejamento Energético Curitiba, agosto de 2012 Mesa Redonda: Fronteiras agro-energéticas Desafios para o planejamento e a regulação do mercado de biocombustíveis L.

Leia mais

A comida entrou na roda financeira

A comida entrou na roda financeira A comida entrou na roda financeira Brasil de Fato - seg, 2011-05-02 15:06 admin Para Walter Belik, especulação e irresponsabilidade dos governos neoliberais levou a crise que ainda deve durar vários anos

Leia mais

BRASIL Julio Setiembre 2015

BRASIL Julio Setiembre 2015 Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julio Setiembre 2015 Prof. Dr. Rubens Sawaya Assistente: Eline Emanoeli PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE

Leia mais

$ $ À espera da competitividade

$ $ À espera da competitividade etanol À espera da competitividade foi mais um ano de sufoco para o setor sucroalcooleiro, que ainda sente os reflexos da crise de 2008, que deixou as usinas sem crédito, justamente quando haviam assumido

Leia mais

DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO

DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 17/agosto/2015 n. 588 DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO A quinta-feira foi iniciada com a atualização de um importante

Leia mais

APRESENTAÇÃO SUMÁRIO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

APRESENTAÇÃO SUMÁRIO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis EDIÇÃO N o 91 Agosto/2015 BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SETOR AGROINDUSTRIAL SUCROALCOOLEIRO NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

A IMPORTÂNCIA DO SETOR AGROINDUSTRIAL SUCROALCOOLEIRO NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL A IMPORTÂNCIA DO SETOR AGROINDUSTRIAL SUCROALCOOLEIRO NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL Alexandre de Souza Correa¹; Jaylton Bonacina de Araujo² UFGD/FACE Caixa Postal 364, 79.804-970

Leia mais

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético 23 de julho de 2015 Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético Antonio de Padua Rodrigues Diretor técnico ROTEIRO I. Perspectivas para a safra 2015/2016 II. Mercados de açúcar e de etanol

Leia mais

Açúcar Relatório de Mercado Março de 2014 MERCADO INDUSTRIAL

Açúcar Relatório de Mercado Março de 2014 MERCADO INDUSTRIAL Açúcar MERCADO INDUSTRIAL PRODUÇÃO CANA, AÇÚCAR E ETANOL As unidades produtoras do Centro-Sul processaram 149.271 toneladas de cana-de-açúcar na primeira quinzena de fevereiro, volume 3,8% menor ante as

Leia mais

RENTABILIDADE DO ETANOL HIDRATADO SOBRE O AÇÚCAR CAI NA PRIMEIRA SEMANA DE MAIO

RENTABILIDADE DO ETANOL HIDRATADO SOBRE O AÇÚCAR CAI NA PRIMEIRA SEMANA DE MAIO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano X 07/maio/2015 n. 444 RENTABILIDADE DO ETANOL HIDRATADO SOBRE O AÇÚCAR CAI NA PRIMEIRA SEMANA DE MAIO A finalização da primeira semana de maio mostrou uma

Leia mais

Edição 39 (Março/2014)

Edição 39 (Março/2014) Edição 39 (Março/2014) Cenário Econômico: Governo atrasa pagamentos para melhorar situação fiscal Para tornar os dados de fevereiro melhores, governo atrasou os pagamentos às construtoras dos imóveis do

Leia mais

A VISÃO O ATUALIZADA DA QUESTÃO O ETANOL. Maurílio Biagi Filho

A VISÃO O ATUALIZADA DA QUESTÃO O ETANOL. Maurílio Biagi Filho A VISÃO O ATUALIZADA DA QUESTÃO O ETANOL Maurílio Biagi Filho Roteiro Evolução e perspectivas da indústria sucroalcooleira no Brasil. Brasil: potencial para aumento da produção e produtividade. Expansão

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

Mercado global. vive momento de mudanças

Mercado global. vive momento de mudanças DATAGRO Mercado global vive momento de mudanças A indústria mundial de açúcar e etanol, setor no qual o Brasil figura como um dos principais líderes, vive um cenário de transformações. Enquanto no país

Leia mais

HIDRATADO ACUMULA QUEDA DE 18,79% EM 30 DIAS. EXPECTATIVA DE QUEDA AINDA CONTINUA

HIDRATADO ACUMULA QUEDA DE 18,79% EM 30 DIAS. EXPECTATIVA DE QUEDA AINDA CONTINUA Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Nº 395 Ano IX 08/maio/2014 HIDRATADO ACUMULA QUEDA DE 18,79% EM 30 DIAS. EXPECTATIVA DE QUEDA AINDA CONTINUA No mercado físico de etanol a segunda semana de

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junio 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

AÇÕES INSTITUCIONAIS NO SETOR SUCROENERGÉTICO

AÇÕES INSTITUCIONAIS NO SETOR SUCROENERGÉTICO AÇÕES INSTITUCIONAIS NO SETOR SUCROENERGÉTICO Elizabeth Farina Diretora Presidente da União da Indústria da Cana-de-Açúcar Araçatuba, 13 de dezembro de 2013 130 associados; 60% da cana-de-açúcar, etanol

Leia mais

HIDRATADO CONTINUA PERDENDO COMPETITIVIDADE FRENTE A GASOLINA EM SP

HIDRATADO CONTINUA PERDENDO COMPETITIVIDADE FRENTE A GASOLINA EM SP Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano X 15/janeiro/2015 n. 428 HIDRATADO CONTINUA PERDENDO COMPETITIVIDADE FRENTE A GASOLINA EM SP Os dados mais recentes referentes aos preços dos combustíveis

Leia mais

UNIDADE 4 INTRODUÇÃO À TEORIA MONETÁRIA OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM

UNIDADE 4 INTRODUÇÃO À TEORIA MONETÁRIA OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM UNIDADE 4 INTRODUÇÃO À TEORIA MONETÁRIA OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade você deverá ser capaz de: Conhecer o funcionamento do sistema monetário; Compreender a importância

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL - MI AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA - ADA BIOCOMBUSTÍVEIS: ATRAÇÃO DE INVESIMENTOS PARA O ESTADO DO PARÁ CONTEXTO: A Agência de Desenvolvimento da Amazônia, deseja

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR CAEM 42% EM FEVEREIRO

EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR CAEM 42% EM FEVEREIRO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 16/março/2015 n. 566 EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR CAEM 42% EM FEVEREIRO Os dados mais recentes de exportação de açúcar disponibilizados pela Secretaria de

Leia mais

Conjuntura Dezembro. Boletim de

Conjuntura Dezembro. Boletim de Dezembro de 2014 PIB de serviços avança em 2014, mas crise industrial derruba taxa de crescimento econômico Mais um ano de crescimento fraco O crescimento do PIB brasileiro nos primeiros nove meses do

Leia mais

Por quê o (plantio) Óleo de Palma não avança no Brasil? Marcello Brito, Diretor Comercial & Sustentabilidade AGROPALMA

Por quê o (plantio) Óleo de Palma não avança no Brasil? Marcello Brito, Diretor Comercial & Sustentabilidade AGROPALMA Por quê o (plantio) Óleo de Palma não avança no Brasil? Marcello Brito, Diretor Comercial & Sustentabilidade AGROPALMA Fatores Preponderantes ao cultivo da palma de óleo Edafoclimáticos Alta incidência

Leia mais

REGIONAL CENTRO-OESTE

REGIONAL CENTRO-OESTE REGIONAL CENTRO-OESTE SOJA DESPONTA NO CENTRO-OESTE, REDUZINDO ÁREAS DE MILHO VERÃO E ALGODÃO A produção de soja despontou no Centro-Oeste brasileiro nesta safra verão 2012/13, ocupando áreas antes destinadas

Leia mais

Preços médios da tonelada de cana para pagamento - Safra 2010/2011 - A

Preços médios da tonelada de cana para pagamento - Safra 2010/2011 - A Edição nº 20 maio de 2011 EDIÇÃO ESPECIAL DE FECHAMENTO SAFRA O Informe Especial da Canaoeste tem como objetivo, transmitir aos associados todas as informações relevantes da safra 2010/2011, encerrada

Leia mais

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 A decisão sobre o plantio do algodão segunda safra a esta altura já foi tomada. Seu Custo Operacional (CO) é estimado pelo Cepea em R$ 5.614,63/ha

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Quadro II - PREÇO DO AÇÚCAR CRISTAL COLOCADO NO PORTO DE SANTOS - SP NA CONDIÇÃO SOBRE RODAS - (Em R$/Saca de 50kg*)

Quadro II - PREÇO DO AÇÚCAR CRISTAL COLOCADO NO PORTO DE SANTOS - SP NA CONDIÇÃO SOBRE RODAS - (Em R$/Saca de 50kg*) CANA-DE-AÇÚCAR Período: Janeiro/2016 Quadro I - PREÇO NA USINA EM SÃO PAULO (Em R$/unidade*) Produtos Unidade 24 12 1 Mês Mês Atual Açúcar Cristal Cor ICUMSA 130 a 180 Saco/50 kg 50,20 51,05 80,57 83,75

Leia mais

Disciplina: Economia & Negócios Líder da Disciplina: Ivy Jundensnaider Professora: Rosely Gaeta

Disciplina: Economia & Negócios Líder da Disciplina: Ivy Jundensnaider Professora: Rosely Gaeta Disciplina: Economia & Negócios Líder da Disciplina: Ivy Jundensnaider Professora: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 01 O PROBLEMA ECONÔMICO Recursos Limitados versus Necessidades Ilimitadas A Economia é a área

Leia mais

CENSO VARIETAL E DE PRODUTIVIDADE EM 2012

CENSO VARIETAL E DE PRODUTIVIDADE EM 2012 CENSO VARIETAL E DE PRODUTIVIDADE EM 2012 REGIÃO CENTRO-SUL RESUMO O censo varietal e de produtividade de cana-de-açúcar é realizado pelo CTC - Centro de Tecnologia Canavieira, na Região Centro-Sul do

Leia mais

COMO REDUZIR A TAXA DE JUROS

COMO REDUZIR A TAXA DE JUROS COMO REDUZIR A TAXA DE JUROS Eduardo Fernandez Silva Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia Internacional Câmara dos Deputados Praça 3

Leia mais

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA Safra 2013/2014 Segundo Levantamento Agosto/2013 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento de CanadeAçúcar e Agroenergia DCAA Companhia

Leia mais

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens.

Página Rural. Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens. 1 de 5 31/5/2011 15:17 Página Rural Página Inicial Notícias Artigos Entrevistas Feiras e Eventos Indicadores Leilões Multimídia Publicações Reportagens Ads by Google Leilão Gado Soja Festa Safra Boa tarde!

Leia mais

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo Versão Online Boletim No: 08 Junho, 2015 Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo I. PANORAMA A expectativa para a safra 2015/2016 é de aumento em relação à safra passada com moagem

Leia mais

Agronegócio Brasileiro: Cana-de-Açúcar. Visão de curto prazo - Safras 2015/16 a 2017/18. Canaplan Consultoria Técnica Ltda WWW.CANAPLAN.COM.

Agronegócio Brasileiro: Cana-de-Açúcar. Visão de curto prazo - Safras 2015/16 a 2017/18. Canaplan Consultoria Técnica Ltda WWW.CANAPLAN.COM. Agronegócio Brasileiro: Cana-de-Açúcar Visão de curto prazo - Safras 2015/16 a 2017/18 Canaplan Consultoria Técnica Ltda WWW.CANAPLAN.COM.BR Agronegócio Brasileiro: Cana-de-açúcar O que será do Brasil

Leia mais

Energia em busca de alternativas renováveis 1

Energia em busca de alternativas renováveis 1 Energia em busca de alternativas renováveis 1 Nivalde José de Castro Roberto Brandão Guilherme de A. Dantas Pergunta: É possível haver equilíbrio em um quadro de alta do petróleo, custos pouco atrativos

Leia mais

GOVERNO INDICA QUE EVENTUAL ELEVAÇÃO DA MISTURA PODE SAIR SOMENTE APÓS 2015

GOVERNO INDICA QUE EVENTUAL ELEVAÇÃO DA MISTURA PODE SAIR SOMENTE APÓS 2015 Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Nº 406 Ano IX 24/julho/2014 GOVERNO INDICA QUE EVENTUAL ELEVAÇÃO DA MISTURA PODE SAIR SOMENTE APÓS 2015 Nos últimos dias começaram a ocorrer no mercado boatos

Leia mais

Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial

Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial Associado à Fundação Armando Alvares Penteado Rua Ceará 2 São Paulo, Brasil 01243-010 Fones 3824-9633/826-0103/214-4454 Fax 825-2637/ngall@uol.com.br O Acordo

Leia mais

ÁLCOOL, AÇÚCAR E ENERGIA PERSPECTIVAS PARA O BRASIL E O MUNDO LUIZ CARLOS CORRÊA CARVALHO ABAG FÓRUM NACIONAL DE AGRONEGÓCIOS CBN, MARINGÁ,PR,

ÁLCOOL, AÇÚCAR E ENERGIA PERSPECTIVAS PARA O BRASIL E O MUNDO LUIZ CARLOS CORRÊA CARVALHO ABAG FÓRUM NACIONAL DE AGRONEGÓCIOS CBN, MARINGÁ,PR, ÁLCOOL, AÇÚCAR E ENERGIA PERSPECTIVAS PARA O BRASIL E O MUNDO LUIZ CARLOS CORRÊA CARVALHO ABAG FÓRUM NACIONAL DE AGRONEGÓCIOS CBN, MARINGÁ,PR, 30/09/13 UM NOVO E COMPLEXO MUNDO PROCESSO GLOBAL COM INTENSA

Leia mais

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica Escola Nacional de Administração Pública - ENAP Curso: Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Professor: José Luiz Pagnussat Período: 11 a 13 de novembro de 2013 Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento

Leia mais

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos,

Economia. Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Economia Comércio Internacional Taxa de Câmbio, Mercado de Divisas e Balança de Pagamentos, Comércio Internacional Objetivos Apresentar o papel da taxa de câmbio na alteração da economia. Iniciar nas noções

Leia mais

Relatório de Pesquisa. Março 2013

Relatório de Pesquisa. Março 2013 Relatório de Pesquisa SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Março 2013 SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Pesquisa realizada pela CNDL e SPC Brasil. Foram ouvidos em todo o país 615 varejistas.

Leia mais

02/12/2004. Discurso do Presidente da República

02/12/2004. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de entrega do Prêmio Finep e sanção da Lei de Inovação de Incentivo à Pesquisa Tecnológica Palácio do Planalto, 02 de dezembro de 2004 Meus companheiros ministros,

Leia mais

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso 7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso Saiba como colocar o PINS em prática no agronegócio e explore suas melhores opções de atuação em rede. Quando uma empresa

Leia mais

USDA REAFIRMA DÉFICIT INTERNACIONAL EM 2015/16 - MERCADO REAGE TIMIDAMENTE

USDA REAFIRMA DÉFICIT INTERNACIONAL EM 2015/16 - MERCADO REAGE TIMIDAMENTE Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 30/novembro/2015 n. 603 USDA REAFIRMA DÉFICIT INTERNACIONAL EM 2015/16 - MERCADO REAGE TIMIDAMENTE Com o título já enfático sobre o futuro dos preços

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Abril de 2012 Expectativa de expansão da safra 2012/13 do complexo sucroalcooleiro no Brasil poderá ser afetada pelo clima seco Regina Helena Couto Silva Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S.

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Nos últimos anos, tem crescido a expectativa em torno de uma possível

Leia mais

Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria. 1. Câmbio atual é inadequado para a estrutura industrial brasileira

Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria. 1. Câmbio atual é inadequado para a estrutura industrial brasileira Comissão de Finanças e Tributação Seminário: Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria Armando Monteiro Neto Presidente CNI Maio 2010 1. Câmbio atual é inadequado para a

Leia mais

Indústria indica recuperação gradual impelida pelo investimento, mas com trajetória irregular

Indústria indica recuperação gradual impelida pelo investimento, mas com trajetória irregular Indústria indica recuperação gradual impelida pelo investimento, mas com trajetória irregular O importante a conferir é a tendência da retomada e a resposta das medidas acionadas para alçar a produção

Leia mais

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo Versão Online Boletim No: 13 Novembro, 2015 Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo I. PANORAMA O atual cenário econômico brasileiro está preocupando diversos setores, inclusive

Leia mais

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone

Fonte: MAPA e RFA/USA. Elaboração: INTL FCStone Commodity Insight Agosto de 2013 Analistas Thadeu Silva Diretor de Inteligência de Mercado Thadeu.silva@intlfcstone.com Pedro Verges Analista de Mercado Pedro.verges@intlfcstone.com Natália Orlovicin Analista

Leia mais

Panorama do Mercado Brasileiro. Richard Nicolas De Jardin

Panorama do Mercado Brasileiro. Richard Nicolas De Jardin Panorama do Mercado Brasileiro Richard Nicolas De Jardin Linha do Tempo Falta de Infraestrutura Poucos Postos Segmento de Taxi Privatizações Crescimento da Infraestrutura Novos mercados Aumento das Vendas

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo

Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo Josué Gomes da Silva IEDI Seminário Internacional: A Hora e a Vez da Política de Desenvolvimento Produtivo BNDES / CNI CEPAL / OCDE 22/09/2009

Leia mais

Agora gostaríamos de passar a palavra ao Sr. Marcial Portela. Por favor, Sr. Portela, pode prosseguir.

Agora gostaríamos de passar a palavra ao Sr. Marcial Portela. Por favor, Sr. Portela, pode prosseguir. Operadora: Boa tarde, e obrigada por aguardarem. Sejam bem-vindos à teleconferência de resultados relativos ao 2T12 do Banco Santander S.A.. Presentes aqui estão o Sr. Marcial Portela, Presidente Executivo

Leia mais

Brasil Ecodiesel. Movendo o Brasil com Biodiesel. Biodiesel Congress 2009 01/09/09

Brasil Ecodiesel. Movendo o Brasil com Biodiesel. Biodiesel Congress 2009 01/09/09 Brasil Ecodiesel Movendo o Brasil com Biodiesel Biodiesel Congress 2009 01/09/09 Macro Tendências do Setor de Biodiesel Pressão mundial por combustíveis renováveis Mundo Em 2008, os biocombustíveis representaram

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

Relatório especial Perspectivas para commodities 4º trimestre de 2015. Perspectivas para Commodities 4º trimestre de 2015

Relatório especial Perspectivas para commodities 4º trimestre de 2015. Perspectivas para Commodities 4º trimestre de 2015 1 Perspectivas para Commodities 4º trimestre de 2015 2 Carta ao leitor Campinas, 2 de outubro de 2015 O El Niño tem dado as caras, mas seu efeito sobre parte das commodities tem sido limitado. Nos EUA,

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE ETANOL PARA OS ESTADOS UNIDOS CAEM 82% EM ABRIL

EXPORTAÇÕES DE ETANOL PARA OS ESTADOS UNIDOS CAEM 82% EM ABRIL Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano X 14/maio/2015 n. 445 EXPORTAÇÕES DE ETANOL PARA OS ESTADOS UNIDOS CAEM 82% EM ABRIL Dando continuidade á análise dos dados de exportação de abril, disponibilizados

Leia mais

8 Cálculo da Opção de Conversão

8 Cálculo da Opção de Conversão 83 8 Cálculo da Opção de Conversão Uma usina de açúcar relativamente eficiente pode produzir 107 kg de açúcar a partir de cada tonelada de cana processada, da qual também é produzida obrigatoriamente uma

Leia mais

Mudanças Climáticas e Economia. Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE

Mudanças Climáticas e Economia. Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE Mudanças Climáticas e Economia Secretaria de Acompanhamento Econômico SEAE Junho de 2009 Aquecimento global como falha de mercado O clima tem forte relação com a atividade econômica: Interação mais conhecida

Leia mais

CLIPPING 06/02/2014 Acesse: www.cncafe.com.br

CLIPPING 06/02/2014 Acesse: www.cncafe.com.br CLIPPING Acesse: www.cncafe.com.br Após altas, produtor não deve exercer opção de venda de café Valor Econômico Tarso Veloso e Carine Ferreira Após a sequência de altas do café arábica na bolsa de Nova

Leia mais

OPINIÃO Política Monetária, Arbitragem de Juro e Câmbio

OPINIÃO Política Monetária, Arbitragem de Juro e Câmbio OPINIÃO Política Monetária, Arbitragem de Juro e Câmbio João Basilio Pereima Neto A combinação de política monetária com elevada taxa de juros em nível e política cambial está conduzindo o país à uma deterioração

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 59 Discurso na solenidade de apresentação

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais

O investimento vem a reboque

O investimento vem a reboque O investimento vem a reboque IstoÉ Dinheiro - São Paulo/SP - ECONOMIA - 07/06/2012-20:00:00 Luís Artur NOGUEIRA e Guilherme QUEIROZ O aumento do consumo é essencial para que os empresários voltem a investir,

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil

A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil A Influência da Crise Econômica Global no Setor Florestal do Brasil 1. INTRODUÇÃO Ivan Tomaselli e Sofia Hirakuri (1) A crise financeira e econômica mundial de 28 e 29 foi principalmente um resultado da

Leia mais

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 COMMODITIES AGRÍCOLAS RESUMO DOS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO DE COMMODITIES AGRÍCOLAS SUMÁRIO OFERTA 4 8 VARIAÇÕES HISTÓRICAS E FORECAST 6 DEMANDA 9 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

RELATÓRIO ECONÔMICO MENSAL JANEIRO DE 2013

RELATÓRIO ECONÔMICO MENSAL JANEIRO DE 2013 RELATÓRIO ECONÔMICO MENSAL JANEIRO DE 2013 1 TÓPICOS Economia Americana: GDP...Pág.3 Economia Global: Europa...Pág.4 Economia Brasileira: A Inflação, o Setor Elétrico e a Gasolina...Pág.5 Mercados:Bolsas,RendaFixaeMoedas...Págs.6,7,8

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2016. Fábio Silva fabio.silva@bcb.gov.br

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2016. Fábio Silva fabio.silva@bcb.gov.br PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2016 Fábio Silva fabio.silva@bcb.gov.br 27 de janeiro de 2016 Estrutura da apresentação PIB Inflação Mercado de Trabalho 1901 1907 1913 1919 1925 1931 1937 1943

Leia mais