China em 2016: buscando a estabilidade, diante dos consideráveis problemas estruturais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "China em 2016: buscando a estabilidade, diante dos consideráveis problemas estruturais"

Transcrição

1 INFORMATIVO n.º 43 DEZEMBRO de 2015 China em 2016: buscando a estabilidade, diante dos consideráveis problemas estruturais Fabiana D Atri* Ao longo dos últimos anos, ao mesmo tempo em que a economia chinesa ganhava espaço no contexto mundial, as preocupações com uma possível desaceleração mais brusca foram crescendo. De fato, os desequilíbrios acumulados, especialmente desde a saída da crise, e a busca pelo rebalanceamento do crescimento têm pautado a condução da política econômica do país o que traz muitas incertezas. Mesmo que o setor de serviços tenha ganhado relevância e esteja mostrando certa resiliência, esses ciclos têm se tornado cada vez mais curtos e a tendência é indubitavelmente de um ritmo menor de crescimento ao longo dos próximos anos. Assim, as incertezas são crescentes, especialmente após os ruídos na condução da política econômica ocorridos neste ano (correção da bolsa e intervenção no mercado cambial) e a persistência da tendência de desaceleração, a despeito de diversos estímulos. Isso fez com que aumentassem as dúvidas em relação (i) aos dados (de PIB, reservas, comércio internacional, etc) divulgados pelo governo, (ii) ao avanço na agenda de reformas e (iii) à habilidade estatal em conduzi-las e (iv) ao dinamismo da economia. Ainda assim, a agenda dos próximos anos foi reforçada no mês passado, no Plano Quinquenal, válido para o período de 2016 a Não há dúvidas da direção a favor de uma economia mais estável e equilibrada, desde os aspectos sociais aos políticos, passando pelos econômicos. Sob essa perspectiva, o sucesso da China parece dependente da forte liderança de Xi Jinping, com intenções claras de internacionalização do país. Dito isso, atualizamos nossa visão para a economia chinesa para ano que vem 1. De forma resumida, entendemos que: A história segue a mesma dos últimos anos: a economia em 2015 está mais fraca que 2014 e 2016 certamente será pior que Sem colapso, mas com ruídos e volatilidade dos 1 Pautada em recente visita ao país. 1

2 dados e dos mercados crescente. Ou seja, a probabilidade de uma freada brusca ainda é baixa, porque é difícil enxergar um gatilho, forte o suficiente, para uma crise financeira; Há, de fato, dois ritmos de crescimento da economia. A indústria e o setor de construção, especialmente aquele ligado ao setor imobiliário, mostram desaceleração expressiva, com expansão próxima a 3% ou 4%. Por outro lado, o setor de serviço e, de certo modo, o segmento de infraestrutura, ainda crescem em ritmo ao redor de 6% e 7%. No entanto, temos mais convicção de que a economia velha seguirá em dificuldade do que a economia nova mostrará aceleração; De todo modo, o custo de desalavancar a economia com a relação crédito/pib acima de 200% atualmente é muito alto e o espaço de manobra vem diminuindo. Muitas vezes, o problema de solvência é tratado como um problema de liquidez, lembrando que se incorporarmos a dívida dos governos locais e das estatais à do governo central, a dívida/ PIB saltaria, aproximadamente, de 20% para algo próximo a 70%; O governo tem tentado garantir a estabilidade do crescimento, ganhando tempo para a solução dos problemas financeiros. Os estímulos fiscais e, principalmente, os monetários têm como foco principal a suavização da transição da economia, quando novas fontes de crescimento ajudarão a reduzir a alavancagem acumulada desde a saída da crise. Essa saída virá especialmente das reformas, que levam tempo; O crescimento do PIB no ano que vem, a ser divulgado pelo escritório de estatísticas da China, deverá ficar entre 6,0% e 6,5%, mas a sensação pode ser de algo inferior a isso. Assim, mantemos nossa projeção de expansão de 5,5%; Os riscos continuam assimétricos na direção de uma desaceleração mais acentuada. Esses se concentram nos possíveis ruídos na condução da política, em estímulos excessivos e no descontrole dos defaults de empresas e dos governos locais; Os próximos três anos serão críticos porque se as reformas não avançarem de forma mais emblemática, será muito difícil postergar as dívidas acumuladas nos anos anteriores. Somado a isso, cabem considerações adicionais sobre as expectativas para o curto prazo, os principais vetores de estabilização ou desestabilização da economia, o papel da liderança do presidente Xi Jinping, as perspectivas para o renmimbi e as reformas. O somatório de problemas estruturais é significativo: excesso de estoques de imóveis, elevada capacidade ociosa na indústria, campanha anticorrupção (afetando consumo e investimentos), saída de capital, elevado endividamento dos governos locais e das empresas, avanço das reformas lento do que o esperado, aumento da desigualdade e da mobilidade social, erros/ ruídos na condução da política econômica, baixo retorno dos investimentos, deflação no atacado, queda do lucro das empresas estatais. A despeito disso, as perspectivas de curto prazo parecem ainda compatíveis com uma desaceleração suave e controlada, ainda mais quando comparadas com poucos meses atrás. Há a expectativa de uma estabilização neste trimestre, que deve ser 2

3 temporária (e que pode até frustrar tendo em vista os dados já conhecidos para o período), mantendo a tendência de desaceleração ao longo de Vale lembrar que entre junho e setembro, tivemos uma sequência de ruídos na condução da política e pressão de baixa para a economia: correção da bolsa, intervenção na moeda, explosão de diversas fábricas em Tianjin (afetou parte relevante da produção industrial e o porto que responde por 5% das exportações chinesas) e parada militar do início de setembro (muitas fábricas ficaram fechadas para ajudar a qualidade do ar). Sem esses ruídos e com o alívio monetário (que deve seguir presente neste e no ano que vem, com mais cortes da taxa de juros e do depósito compulsório e injeção de liquidez), a economia deveria melhorar discretamente o que, por ora, ainda não se mostrou como verdadeiro. Além disso, os bancos de desenvolvimento estão injetando muitos recursos nas províncias e os governos locais estão sendo pressionados a acelerar os projetos. Trazendo estabilidade em outras frentes, como no mercado acionário, o governo conseguiu desencorajar a saída de capital (seja porque voltou a apreciar a moeda, interrompendo a depreciação anunciada no começo de agosto, seja porque aumentou de forma considerável o controle da saída de recursos). A meta de crescimento do PIB para 2016, por sua vez, deve ser anunciada só em março. Como o governo já falou de expansão, ao menos, de 6,5% de 2016 a 2020, acreditamos que o cenário mais provável seja de manutenção da meta de 7,0% 2. Por fim, a campanha de controle à corrupção ainda não se esgotou, estendendo-se recentemente ao mercado financeiro. Mesmo com essa visão menos negativa para o curto prazo, devemos reconhecer os fatores estruturais da economia, que podem favorecer ou atrapalhar o objetivo atual de estabilização da economia e dos mercados. Destacamos o papel do mercado imobiliário, das finanças dos governos locais e do mercado de trabalho. De forma resumida, sobre o setor imobiliário, entendemos que a pior parte do ajuste já aconteceu sobre a atividade econômica (a contribuição do setor sobre o PIB deve ter sido negativa entre 1 a 1,5 p.p. neste ano). Talvez esse tenha sido o maior ajuste estrutural que foi feito na economia, mas o setor deverá continuar fraco pelo menos até De todo modo, ao menos por ora, pode deixar de contribuir negativamente para o PIB. O fato é que houve melhora nos últimos meses das vendas, mas lançamentos e investimentos seguem em queda. Há também um aumento da polarização das regiões: cidades grandes estão rodando bem, com potencial ainda de demanda genuína (questão demográfica é fundamental, já que concentração de vendas está entre os 25 e 35 anos); por outro lado, as cidades menores vão levar muito tempo para fazer ajustes. Isso fez com que os estoques, na média nacional, tenham recuado de 19 para 15 meses recentemente. Vale ainda ressaltar que a correção do segmento imobiliário ajuda a explicar boa parte do atual ciclo da economia. Enquanto não ajustar estoques, a economia chinesa seguirá desacelerando. Em 2017, poderemos observar alguma recuperação quando estoques deverão estar ajustados. Mas, mesmo assim, acreditamos que a demanda por imóveis parece ter atingido o pico. Por isso, 2016 deverá ser tão desafiador quanto este ano. 2 A chance de anunciarem um intervalo entre 6,5% e 7,0% é muito baixa, porque é mais confortável dizer ao redor de 7,0% ou de 6,5%. 3

4 Em relação ao endividamento dos governos locais, entendemos que os problemas ainda são significativos, decorrentes (i) do baixo lucro e da baixa qualidade dos ativos (projetos ruins), (ii) do excesso de dependência da receita da concessão de terras (que caiu muito diante da desaceleração do setor imobiliário), (iii) do fato de que essas dívidas já foram reestruturadas em 2013, (iv) da baixa credibilidade dos governos locais e (v) da confusão entre projetos públicos e de empresas. A principal preocupação está nos veículos de financiamento dos governos locais, que hoje chegam a mais de e mais da metade desses (cerca de RMB 15,4 trilhões) precisa ser transformada em títulos 3, dentro do programa do governo federal de reestruturação das dívidas dos governos locais. Neste ano, o programa de swap já conseguiu transformar RMB 3,2 trilhões de dívida em títulos (e deve reestruturar mais de RMB 11,5 trilhão nos próximos dois anos), sabendo que os bancos comerciais e as seguradoras são os principais compradores. O maior obstáculo para o sucesso desse programa que tem como objetivo central alongar a dívida, a um custo mais baixo é a falta de transparência dos governos locais, uma vez que existem províncias boas e outras muito ruins. A visão consensual é que isso vai funcionar ao longo dos próximos 3 a 5 anos, ainda que tenhamos que reconhecer que algumas províncias, na maioria do nordeste e sudoeste da China, vão dar defaults. 3 O restante tem capacidade de se financiar. 4

5 O mercado de trabalho, por sua vez, tem trazido baixas preocupações, especialmente para o governo. Isso porque a oferta de trabalhadores principalmente de menor qualificação (em função das questões demográficas) ainda é baixa e consegue realocação no setor de serviços. Além disso, muitos desempregados eram migrantes e estão voltando para suas casas, onde têm suas terras rurais. Também não devemos deixar de mencionar que, mesmo sabendo que isso não é sustentável por muito tempo, muitas empresas estatais continuam produzindo e empregando, mesmo sem vender. Mas as questões estruturais e a necessidade de reformas serão ditadas pelo cenário político, diante da consolidação e centralização de poder do presidente Xi Jinping. Diversos são os sinais da consolidação do poder e das ambições estratégicas da atual liderança chinesa. No âmbito políticomilitar, podemos citar a Parada militar ocorrida no início de setembro para relembrar o final da 2ª Guerra Mundial, os avanços no Mar do Sul da China, o aperto dos controles relacionados a questões cibernéticas. No âmbito internacional, a agenda do presidente de viagens internacionais vem crescendo de forma significativa (EUA, Reino Unido, Vietnã, aproximação com Taiwan, visitas dos líderes da Alemanha e da França, Angela Merkel e François Hollande em Beijing, além dos acordos comerciais feitos entre China, Coreia e Japão). Ao mesmo tempo, a campanha de controle à corrupção segue avançando, mas isso tem trazido resistências dos grupos de interesses nos ministérios, nos governos locais e nas estatais o que ajuda a entender o avanço mais lento das reformas. Esse contexto, em que as ambições políticas vão à frente dos objetivos econômicos, tem implicações importantes. Para a economia, entendemos que a estabilidade é prioridade e o governo vai evitar uma desaceleração mais brusca que não comprometa a agenda principal. Acordos de comércio também devem se intensificar (inclusive como resposta ao TPP), sendo que o crescimento de longo prazo estará condicionado a esse ambiente de segurança nacional. A moeda torna-se um tema importante, tanto de curto como longo prazo, diante da necessidade de estabilização e internacionalização do país. No curto prazo, após a tentativa de o governo alterar o mecanismo de flutuação da moeda e da depreciação, aumentaram as incertezas em relação ao rumo do renmimbi. Diante da expectativa de continuidade da depreciação, a saída de recursos do país se intensificou e o governo optou pela estabilização da moeda, a fim de reduzir ao máximo as incertezas e a volatilidade. Entendemos que a saída de capital teria continuado forte, puxada pelas empresas (diante da expectativa de aumento dos juros nos EUA, do endividamento denominado em dólar e da própria expectativa de depreciação da moeda chinesa). Contudo, o governo tem sido bastante cauteloso, controlando essa saída (haja vista a estabilização das reservas em outubro), mas tem um dilema em não fechar completamente, porque não quer abandonar o plano de abertura da conta capital. A inclusão do renmimbi no SDR (Special Drawing Rights) do FMI é bastante emblemática, refletindo o novo papel econômico e geopolítico exercido pela China atualmente. Segundo o FMI, para a inclusão não foram necessários um regime de câmbio flutuante e a abertura conta capital, nem estão focados na diferença entre CNH e CNY (os mercados offshore e onshore, respectivamente). Na nossa visão, no curto prazo, a pressão ainda é de depreciação e será bastante moderada, entre 2% e 4% e acontecerá gradualmente ao longo de 2016, como sinalizado inclusive pelo banco central do país. 5

6 Finalmente, mesmo defendendo que a desaceleração não será interrompida, cabe nos questionarmos o que poderia trazer volatilidade em 2016? Além das questões estruturais já mencionadas e o ciclo dado pelo setor imobiliário e pelo alívio das condições monetárias e, principalmente fiscais, há sinais que nos preocupam. Destacamos: (i) o mercado de bonds (que começou a crescer muito rapidamente depois da correção da bolsa e que expõe mais uma vez a alavancagem), (ii) os possíveis defaults de empresas (que não vão conseguir honrar suas dívidas diante da forte desaceleração do setor imobiliário e industrial) e (iii) as intenções do banco central em intervir na taxa de juros de mercado (ao desejar estabelecer uma taxa interbancária de referência e reduzir essa taxa, alinhada com a queda das taxas de referência, iniciada em novembro do ano passado). As reformas também merecem ser monitoradas, frente à necessidade de transformar a economia nos próximos anos, como forma de liquidar o endividamento acumulado desde a saída da crise. Por ora, o avanço tem frustrado as expectativas, em diversas frentes, como fiscal, da terra rural, das estatais 4. Com isso, devemos nos perguntar se algum desses eventos de volatilidade poderia ser um gatilho para uma crise sistêmica. Até agora, a resposta é negativa, uma vez que, na nossa visão, apenas uma saída significativa de capital (afetando a liquidez do sistema) e/ou uma perda generalizada de confiança dos chineses poderia comprometer a sustentabilidade da China, tendo em vista o fato de ser uma economia fechada. Assim, uma abertura precipitada, 4 Sobre a reforma das estatais, nossa visão é que a reforma implicará a adoção de diversos formatos. No entanto, para os setores estratégicos e com objetivo de internacionalização, deve prevalecer a fusão de diversas estatais, como vem acontecendo no setor de alimentação, de ferrovia, aéreo. 6

7 em qualquer frente, também poderia suscitar correções drásticas no país o que não parece estar no radar no governo chinês. 7

8 * Fabiana D Atri é atualmente economista coordenadora do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos do Bradesco e Diretora de Economia do CEBC. 8

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal

Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal INFORMATIVO n.º 35 AGOSTO de 2015 Bradesco: Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Conjuntura Macroeconômica Semanal Depreciação do yuan traz incertezas adicionais à economia chinesa neste ano

Leia mais

Inclusão da moeda chinesa no SDR não deverá alterar sua trajetória no curto prazo

Inclusão da moeda chinesa no SDR não deverá alterar sua trajetória no curto prazo INFORMATIVO n.º 44 DEZEMBRO de 2015 Inclusão da moeda chinesa no SDR não deverá alterar sua trajetória no curto prazo Fabiana D Atri* Dentro do esperado, o Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO - Diante do cenário de crise financeira internacional, o estudo mostra as expectativas de mercado

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S.

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Nos últimos anos, tem crescido a expectativa em torno de uma possível

Leia mais

O CÂMBIO E AS INCERTEZAS PARA 2016

O CÂMBIO E AS INCERTEZAS PARA 2016 O CÂMBIO E AS INCERTEZAS PARA 2016 Francisco José Gouveia de Castro* No início do primeiro semestre de 2015, o foco de atenção dos agentes tomadores de decisão, principalmente da iniciativa privada, é

Leia mais

Relatório Econômico Mensal. Abril - 2012

Relatório Econômico Mensal. Abril - 2012 Relatório Econômico Mensal Abril - 2012 Índice Indicadores Financeiros...3 Projeções...4 Cenário Externo...5 Cenário Doméstico...7 Renda Fixa...8 Renda Variável...9 Indicadores - Março 2012 Eduardo Castro

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junio 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 3º Trimestre 2011 Análise Conjuntural

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 3º Trimestre 2011 Análise Conjuntural Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 3º Trimestre 2011 Análise Conjuntural O ano de 2011 está sendo marcado pela alternância entre

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Indicadores de Desempenho Junho de 2014

Indicadores de Desempenho Junho de 2014 Junho de 2014 PANORAMA CONJUNTURAL FIEA Lenta recuperação da economia global Os dados do último relatório World Economic Outlook do FMI, como podem ser observado nos gráficos nº 1 e 2, deixam claro que

Leia mais

Economia e mercados. Abril 2012

Economia e mercados. Abril 2012 Economia e mercados Abril 2012 Economia e mercados 1. Como o economista é visto; 2. O papel do economista; 3. O que projetar e como projetar: onde investir hoje? [CONFIDENCIAL] 2 A imagem do economista

Leia mais

Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil. Taxa de câmbio volta a superar 2,30 reais por dólar

Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil. Taxa de câmbio volta a superar 2,30 reais por dólar Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil Publicamos nesta semana nossa revisão mensal de cenários (acesse aqui). No Brasil, entendemos que o espaço para expansão adicional da política

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO 7 ECONOMIA MUNDIAL SUMÁRIO A situação econômica mundial evoluiu de maneira favorável no final de 2013, consolidando sinais de recuperação do crescimento nos países desenvolvidos. Mesmo que o desempenho

Leia mais

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Os países em desenvolvimento estão se recuperando da crise recente mais rapidamente do que se esperava, mas o

Leia mais

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional 9 dez 2008 Nº 58 Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional Por Fernando Pimentel Puga e Marcelo Machado Nascimento Economistas da APE Levantamento do BNDES indica

Leia mais

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1 Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Introdução No início de 2007 surgiram os primeiros sinais de uma aguda crise

Leia mais

Relatório Mensal - Julho

Relatório Mensal - Julho Relatório Mensal - Julho (Este relatório foi redigido pela Kapitalo Investimentos ) Cenário Global A economia global apresentou uma relevante desaceleração nos primeiros meses do ano. Nosso indicador de

Leia mais

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Situação da economia e perspectivas Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Recessão se aprofunda e situação fiscal é cada vez mais grave Quadro geral PIB brasileiro deve cair 2,9% em 2015 e aumentam

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Janeiro de 2016. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Janeiro de 2016. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Janeiro de 2016 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Fraqueza da indústria... Pág.3 Japão: Juros negativos...

Leia mais

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional Brasília, 18 de setembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional Exmas. Sras. Senadoras e Deputadas

Leia mais

Prazo das concessões e a crise econômica

Prazo das concessões e a crise econômica Prazo das concessões e a crise econômica ABCE 25 de Setembro de 2012 1 1. Economia Internacional 2. Economia Brasileira 3. O crescimento a médio prazo e a infraestrutura 2 Cenário internacional continua

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2016. Fábio Silva fabio.silva@bcb.gov.br

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2016. Fábio Silva fabio.silva@bcb.gov.br PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2016 Fábio Silva fabio.silva@bcb.gov.br 27 de janeiro de 2016 Estrutura da apresentação PIB Inflação Mercado de Trabalho 1901 1907 1913 1919 1925 1931 1937 1943

Leia mais

Análise Setorial. Sabesp // Minerva // Suzano //CPFL // CESP SABESP (SBSP3)

Análise Setorial. Sabesp // Minerva // Suzano //CPFL // CESP SABESP (SBSP3) Análise Setorial Sabesp // Minerva // Suzano //CPFL // CESP SABESP (SBSP3) A Sabesp divulgou ontem (09/05/2013, após o encerramento do mercado, seus números referentes ao primeiro trimestre de 2013. O

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

A balança comercial do agronegócio brasileiro

A balança comercial do agronegócio brasileiro A balança comercial do agronegócio brasileiro Antonio Carlos Lima Nogueira 1 Qual é a contribuição atual dos produtos do agronegócio para o comércio exterior, tendo em vista o processo atual de deterioração

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a economia nacional registra um de seus piores momentos

Leia mais

Economia em Perspectiva 2012-2013

Economia em Perspectiva 2012-2013 Economia em Perspectiva 2012-2013 Porto Alegre, 28 Nov 2012 Igor Morais igor@vokin.com.br Porto Alegre, 13 de março de 2012 Economia Internacional EUA Recuperação Lenta Evolução da Produção Industrial

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM OUTUBRO São Paulo, 04 de novembro de 2010. O mês de outubro foi marcado pela continuidade do processo de lenta recuperação das economias maduras, porém com bons resultados no setor

Leia mais

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Março de 2013

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Março de 2013 Relatório de Estabilidade Financeira Banco Central do Brasil Março de 2013 Pontos abordados para o Sistema Bancário* Base: 2º semestre/12 Risco de liquidez Captações Risco de crédito Portabilidade Crédito

Leia mais

ABRIL/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO

ABRIL/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO ABRIL/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO ÍNDICE Indicadores Financeiros Pág. 3 Projeções Pág. 4-5 Cenário Externo Pág. 6 Cenário Doméstico Pág. 7 Renda Fixa e Renda Variável Pág. 8 INDICADORES FINANCEIROS BOLSA

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Em geral as estatísticas sobre a economia brasileira nesse início de ano não têm sido animadoras

Leia mais

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA. Henrique Meirelles

PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA. Henrique Meirelles PERSPECTIVAS DA ECONOMIA BRASILEIRA Henrique Meirelles 28 de agosto, 2015 AGENDA CURTO PRAZO (2015/2016): AJUSTES MACROECONÔMICOS PROJEÇÕES LONGO PRAZO: OBSTÁCULOS AO CRESCIMENTO PROPOSTAS DE POLÍTICA

Leia mais

Agora gostaríamos de passar a palavra ao Sr. Marcial Portela. Por favor, Sr. Portela, pode prosseguir.

Agora gostaríamos de passar a palavra ao Sr. Marcial Portela. Por favor, Sr. Portela, pode prosseguir. Operadora: Boa tarde, e obrigada por aguardarem. Sejam bem-vindos à teleconferência de resultados relativos ao 2T12 do Banco Santander S.A.. Presentes aqui estão o Sr. Marcial Portela, Presidente Executivo

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Cenário macroeconômico e perspectivas para 2014/2018 maio de 2014 Perspectivas para a economia mundial Perspectivas para a economia brasileira Perspectivas para os Pequenos

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JULHO DE 2014 1

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JULHO DE 2014 1 No segundo trimestre de 2014, o fundo Pacifico Hedge FIQ FIM apresentou rentabilidade de 1,41%, líquida de taxas. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 2,51% e o mercado de bolsa valorizou-se

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram bom desempenho em abril. A produção industrial

Leia mais

Relatório Econômico Mensal NOVEMBRO/14

Relatório Econômico Mensal NOVEMBRO/14 Relatório Econômico Mensal NOVEMBRO/14 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 6 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 8 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Junho de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Junho de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Junho de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Reunião do FOMC...Pág.3 Europa: Grécia...Pág.4 China: Condições

Leia mais

A Evolução da Inflação no Biênio 2008/2009 no Brasil e na Economia Mundial

A Evolução da Inflação no Biênio 2008/2009 no Brasil e na Economia Mundial A Evolução da Inflação no Biênio / no Brasil e na Economia Mundial A variação dos índices de preços ao consumidor (IPCs) registrou, ao longo do biênio encerrado em, desaceleração expressiva nas economias

Leia mais

Perspectivas econômicas para 2014. mschneider@cgdsecurities.com.br

Perspectivas econômicas para 2014. mschneider@cgdsecurities.com.br Perspectivas econômicas para 2014 mschneider@cgdsecurities.com.br Agosto/2013 EUA: processo de normalização da economia avança e mostra consistência 1 EUA: normalização consistente da economia inclui recuperação

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

DEMOGRAFIA, ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS

DEMOGRAFIA, ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS 9 de setembro de 2011 Página 1 de 21 De Olho Na Bolsa "A relação entre economia e demografia não é, efetivamente, muito percebida pela maior parte dos economistas, haja vista que poucos são os cursos que

Leia mais

Carta do gestor Setembro 2013

Carta do gestor Setembro 2013 Carta do gestor Setembro 2013 Em setembro, observamos significativa desvalorização do dólar e alta dos preços dos ativos de risco em geral. Por trás destes movimentos temos, principalmente, a percepção

Leia mais

Relatório Econômico Mensal DEZEMBRO/14

Relatório Econômico Mensal DEZEMBRO/14 Relatório Econômico Mensal DEZEMBRO/14 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 6 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 8 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS

Leia mais

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento Volume 11, Number 4 Fourth Quarter 2009 Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento As economias pelo mundo estão emergindo da recessão, embora em diferentes velocidades. As economias em desenvolvimento

Leia mais

PRECIFICAÇÃO NUM CENÁRIO DE INFLAÇÃO

PRECIFICAÇÃO NUM CENÁRIO DE INFLAÇÃO PRECIFICAÇÃO NUM CENÁRIO DE INFLAÇÃO 4º. ENCONTRO NACIONAL DE ATUÁRIOS (ENA) PROF. LUIZ ROBERTO CUNHA - PUC-RIO SETEMBRO 2015 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO I. BRASIL: DE ONDE VIEMOS... II. BRASIL: PARA ONDE

Leia mais

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 CENÁRIO INTERNACIONAL ESTADOS UNIDOS Ø Abrandamento da política monetária para promover o crescimento sustentável. Ø Sinais

Leia mais

Indicadores de Desempenho Maio/2014. Fatos Relevantes RESUMO EXECUTIVO. Vendas Industriais

Indicadores de Desempenho Maio/2014. Fatos Relevantes RESUMO EXECUTIVO. Vendas Industriais Fatos Relevantes Maio/2014 Maio/2008 Vendas Industriais A Variável Indústria apresenta Química recuo com de (- aumento 8,42%), de incluso 9,16% em o maio setor fornece sucroenergético a maior contribuição

Leia mais

MOEDA E CRÉDITO. Estêvão Kopschitz Xavier Bastos 1

MOEDA E CRÉDITO. Estêvão Kopschitz Xavier Bastos 1 MOEDA E CRÉDITO Estêvão Kopschitz Xavier Bastos 1 SUMÁRIO Em sua reunião de 20 de janeiro último, o Copom manteve a meta para a Selic estável em 14,25%. A decisão parece ter surpreendido o mercado, como

Leia mais

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Senhor acionista e demais interessados: Apresentamos o Relatório da Administração e as informações

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 Projeções para a Economia Portuguesa: 2014-2016 1 Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte.

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

Carta ao Cotista Junho 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional

Carta ao Cotista Junho 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional Carta ao Cotista Junho 2015 Ambiente Macroeconômico Internacional Dados recentes do mercado de trabalho americano (desaceleração dos salários), variável chave para as perspectivas inflacionarias e decisão

Leia mais

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India EMITENTE DATA República da India 12 de Dezembro de 2014 RATINGS EMITENTE - MOEDA ESTRANGEIRA Médio e Longo Prazo BBB+ (BBB+,

Leia mais

Indicadores de Desempenho Novembro de 2014

Indicadores de Desempenho Novembro de 2014 Novembro de 2014 PANORAMA CONJUNTURAL FIEA A Economia Brasileira no terceiro trimestre de 2014 O desempenho da economia brasileira no terceiro trimestre de 2014, tanto na margem como em relação ao mesmo

Leia mais

Cenários. Cenário Internacional. Cenário Nacional

Cenários. Cenário Internacional. Cenário Nacional Ano 7 Edição: maio/2015 nº 57 Informações referentes a abril/2015 Cenários Cenário Internacional No mês de abril, o crescimento dos EUA se mostrou enfraquecido, com criação de empregos abaixo do esperado

Leia mais

BRASIL Julio Setiembre 2015

BRASIL Julio Setiembre 2015 Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julio Setiembre 2015 Prof. Dr. Rubens Sawaya Assistente: Eline Emanoeli PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE

Leia mais

Sexta-feira 06 de Fevereiro de 2015. DESTAQUES

Sexta-feira 06 de Fevereiro de 2015. DESTAQUES DESTAQUES Bovespa tem pregão volátil Poupança tem em janeiro maior saque em duas décadas IPCA tem maior alta para o mês em 12 anos, aponta IBGE Planalto quer nome do mercado na Petrobras Cade marca data

Leia mais

Política Monetária no G3 Estados Unidos, Japão e Área do Euro

Política Monetária no G3 Estados Unidos, Japão e Área do Euro Política Monetária no G3 Estados Unidos, Japão e Área do Euro Nos primeiros anos desta década, os bancos centrais, em diversas economias, introduziram políticas monetárias acomodatícias como forma de evitar

Leia mais

Conjuntura Dezembro. Boletim de

Conjuntura Dezembro. Boletim de Dezembro de 2014 PIB de serviços avança em 2014, mas crise industrial derruba taxa de crescimento econômico Mais um ano de crescimento fraco O crescimento do PIB brasileiro nos primeiros nove meses do

Leia mais

LIMITAÇÃO DA TAXA DE JUROS DO CARTÃO DE CRÉDITO

LIMITAÇÃO DA TAXA DE JUROS DO CARTÃO DE CRÉDITO LIMITAÇÃO DA TAXA DE JUROS DO CARTÃO DE CRÉDITO 1. EMENTA O objetivo do trabalho é analisar o PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 140, de 2015, que limita a taxa de juros a ser cobrada nos financiamentos concedidos

Leia mais

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica

Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Aula 2 Política Macroeconômica Escola Nacional de Administração Pública - ENAP Curso: Políticas Públicas e Desenvolvimento Econômico Professor: José Luiz Pagnussat Período: 11 a 13 de novembro de 2013 Curso de Políticas Públicas e Desenvolvimento

Leia mais

Dívida Líquida do Setor Público Evolução e Perspectivas

Dívida Líquida do Setor Público Evolução e Perspectivas Dívida Líquida do Setor Público Evolução e Perspectivas Amir Khair 1 Este trabalho avalia o impacto do crescimento do PIB sobre a dívida líquida do setor público (DLSP). Verifica como poderia estar hoje

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

12º FÓRUM PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS 2016. The asset manager for a changing world

12º FÓRUM PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS 2016. The asset manager for a changing world 12º FÓRUM PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS 2016 The asset manager for a changing world CENÁRIO ECONÔMICO EDUARDO YUKI ECONOMISTA CHEFE The asset manager for a changing world RITMO DE CRESCIMENTO MUNDIAL ESTÁ

Leia mais

PIB Produto Interno Bruto

PIB Produto Interno Bruto CARTA ECONÔMICA Nº 11/2015 Senhores Conselheiros, Gestores e Membros do Comitê de Investimentos, No atual momento econômico vem surgindo a dúvida se o Brasil está em recessão ou em depressão. Se por recessão

Leia mais

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas A valorização do real e as negociações coletivas As negociações coletivas em empresas ou setores fortemente vinculados ao mercado

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016 A Sondagem industrial, realizada junto a 154 indústrias catarinenses no mês de dezembro, mostrou

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária 1 Comentário Semanal A semana começa ainda sob impacto do debate acerca da evolução do quadro fiscal e seus possíveis efeitos sobre o crescimento da economia e, conseqüentemente, sobre os juros em 2010.

Leia mais

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio Nº 45- Maio/2015 1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio O volume de vendas do comércio varejista restrito do estado do Rio de Janeiro registrou, em fevereiro de 2015, alta de 0,8% em relação ao mesmo

Leia mais

PANORAMA NOVEMBRO / 2014

PANORAMA NOVEMBRO / 2014 PANORAMA NOVEMBRO / 2014 O mês de novembro foi pautado pelas expectativas em torno da formação da equipe econômica do governo central brasileiro. Muito se especulou em torno dos nomes que ocuparão as principais

Leia mais

Felipe Oliveira, JPMorgan:

Felipe Oliveira, JPMorgan: Felipe Oliveira, JPMorgan: Bom dia a todos. Minha pergunta é em relação ao nível de despesa operacional, se você acredita conseguir, ao longo dos próximos trimestres, capturar no seu resultado operacional

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO RENDA FIXA TESOURO DIRETO CARTEIRA RECOMENDADA A nossa carteira para este mês continua estruturada com base no cenário de queda da taxa de juros no curto prazo. Acreditamos, no entanto, que esse cenário

Leia mais

Brasília, 24 de março de 2015.

Brasília, 24 de março de 2015. Brasília, 24 de março de 2015. Pronunciamento do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Página 1 de 16 Exmo. Sr. Presidente da Comissão

Leia mais

EIXO 2 ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO

EIXO 2 ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO EIXO 2 ECONOMIA E DESENVOLVIMENTO Disciplina: D2.1 Economia Brasileira (24h) (Aula 1 Fase desenvolvimentista 1930/80 e os planos de estabilização nos anos 1980 a 1990) Professora: Maria Abadia Alves 23

Leia mais

1ª GESTÃO DILMA. Menor rigor fiscal. Metas de inflação em prazo mais longo (menor velocidade de ajuste), maior expansão de crédito

1ª GESTÃO DILMA. Menor rigor fiscal. Metas de inflação em prazo mais longo (menor velocidade de ajuste), maior expansão de crédito 1ª GESTÃO DILMA Menor rigor fiscal Metas de inflação em prazo mais longo (menor velocidade de ajuste), maior expansão de crédito Controles diretos de preços (gasolina e energia, por exemplo) e desonerações

Leia mais

Sobre o Jogo da Economia Brasileira

Sobre o Jogo da Economia Brasileira Sobre o Jogo da Economia Brasileira O Jogo da Economia Brasileira - pretende exercitar conceitos e mecanismos básicos que facilitem o entendimento do que vem acontecendo com a economia brasileira, a partir

Leia mais

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural O ano de 2011 foi marcado pela alternância entre crescimento,

Leia mais

CONJUNTURA DA ECONOMIA BRASILEIRA EM 2015: CONTEXTUALIZAÇÃO VIA RESTRIÇÕES INTERNAS E EXTERNAS

CONJUNTURA DA ECONOMIA BRASILEIRA EM 2015: CONTEXTUALIZAÇÃO VIA RESTRIÇÕES INTERNAS E EXTERNAS CONJUNTURA DA ECONOMIA BRASILEIRA EM 2015: CONTEXTUALIZAÇÃO VIA RESTRIÇÕES INTERNAS E EXTERNAS OBJETIVO: ILUSTRAR CONCEITOS TRABALHADOS EM MACROECONOMIA Patricia Bonini - patriciabonini@gmail.com Roteiro

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 30 maio de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 30 maio de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 30 maio de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico A crise financeira do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT)? 1 Déficit no FAT deve subir para R$

Leia mais

Regime de Metas para a Inflação no Brasil. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.

Regime de Metas para a Inflação no Brasil. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress. Regime de Metas para a Inflação no Brasil Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h2p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ O que é regime de metas para a inflação? O regime de metas para

Leia mais

China: novos rumos, mais oportunidades

China: novos rumos, mais oportunidades China: novos rumos, mais oportunidades Brasil pode investir em diversas áreas, como tecnologia, exploração espacial e infraestrutura 10 KPMG Business Magazine A China continua a ter na Europa o principal

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 07 de março de 2012. CENÁRIO ECONÔMICO EM FEVEREIRO O mês de fevereiro foi marcado pela continuidade do movimento de alta dos mercados de ações em todo o mundo, ainda que em um ritmo bem menor

Leia mais

Senhores Conselheiros, Gestores e Membros do Comitê de Investimentos, 1º Trimestre de 2016 CARTA ECONÔMICA Nº 03/2016

Senhores Conselheiros, Gestores e Membros do Comitê de Investimentos, 1º Trimestre de 2016 CARTA ECONÔMICA Nº 03/2016 CARTA ECONÔMICA Nº 03/2016 Senhores Conselheiros, Gestores e Membros do Comitê de Investimentos, 1º Trimestre de 2016 1) PANORAMA POLÍTICO NO TRIMESTRE No início deste primeiro trimestre com a retomada

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

renda fixa? seu dinheiro É hora de apostar na #92 Tudo indica que os juros deverão voltar a subir para controlar a inflação

renda fixa? seu dinheiro É hora de apostar na #92 Tudo indica que os juros deverão voltar a subir para controlar a inflação #92 É hora de apostar na renda fixa? Tudo indica que os juros deverão voltar a subir para controlar a inflação seu dinheiro a sua revista de finanças pessoais Para quê moeda? Brasileiros utilizam cada

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA. Duplo desafio para crescer mais

ECONOMIA BRASILEIRA. Duplo desafio para crescer mais Informativo CNI ECONOMIA BRASILEIRA Edição Especial do Informe Conjuntural Duplo desafio para crescer mais O BRASIL TEM UM DUPLO DESAFIO EM 2015: restaurar os fundamentos macroeconômicos e elevar a competitividade.

Leia mais

Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial

Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial Associado à Fundação Armando Alvares Penteado Rua Ceará 2 São Paulo, Brasil 01243-010 Fones 3824-9633/826-0103/214-4454 Fax 825-2637/ngall@uol.com.br O Acordo

Leia mais

Os altos juros pagos pelo Estado brasileiro

Os altos juros pagos pelo Estado brasileiro Boletim Econômico Edição nº 91 dezembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os altos juros pagos pelo Estado brasileiro Neste ano de 2014, que ainda não terminou o Governo

Leia mais

Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações do Brasil

Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações do Brasil Brasil África do Sul Chile México Coréia do Sul Rússia Austrália Índia Suíça Turquia Malásia Europa China Argentina São Paulo, 26 de setembro de 2011. Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações

Leia mais

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário

Agenda. 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Agenda 1. Conjuntura econômica internacional 2. Conjuntura nacional 3. Construção Civil Geral Imobiliário Cenário Internacional Cenário Internacional Mundo cresce, mas pouco. Preocupação com China 4 EUA

Leia mais

Carteira Top Pick. Comentário. Carteira Sugerida para Julho. Carteira Sugerida de Junho

Carteira Top Pick. Comentário. Carteira Sugerida para Julho. Carteira Sugerida de Junho A carteira direcional recomendada pela equipe de analistas da Socopa Corretora é mensalmente avaliada buscando relacionar as cinco melhores opções de investimento para o mês subseqüente dentro dos ativos

Leia mais

Carteira Top Pick. Comentário. Carteira Sugerida para Agosto. Carteira Sugerida de Julho

Carteira Top Pick. Comentário. Carteira Sugerida para Agosto. Carteira Sugerida de Julho A carteira direcional recomendada pela equipe de analistas da Socopa Corretora é mensalmente avaliada buscando relacionar as cinco melhores opções de investimento para o mês subseqüente dentro dos ativos

Leia mais