Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013"

Transcrição

1 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram bom desempenho em abril. A produção industrial registrou uma expansão significativa, acima do esperado pelo mercado. Houve uma forte aceleração no crescimento do segmento de bens de capital, a qual impulsionou o indicador geral, enquanto os bens de consumo duráveis mostraram bom desempenho, principalmente a produção de veículos automotores. O volume de vendas no comércio varejista teve leve elevação, sendo o melhor resultado nos últimos meses, mostrando certa aceleração marginal das vendas. Foi observada expansão nos segmentos de móveis, eletrodomésticos e veículos, mesmo que as vendas nos supermercados voltaram a se retrair. Em termos nominais o indicador voltou a registrar crescimento, demonstrando o impacto da inflação sobre o comércio varejista. Também foi divulgado o IBC-Br, proxy mensal do PIB calculada pelo Banco Central, que voltou a se expandir, com leve desaceleração em relação ao mês anterior, mas em linha com o esperado pelo mercado. Setor Externo: O saldo da balança comercial registrou superávit de, aproximadamente, US$ 760 milhões, em abril, mantendo o desempenho acumulado no ano nas mínimas dos últimos anos. O resultado foi influenciado, novamente, pelas receitas com exportações de petróleo, que continuaram em deterioração, principalmente para a China, Estados Unidos e Singapura. Não obstante, as exportações de soja para a China voltaram a mostrar uma elevação expressiva. As importações, por sua vez, registraram nova elevação, em relação ao mesmo mês do ano anterior, tanto em dólares, quanto em volume. Os investimentos estrangeiros diretos (IED) no país totalizaram US$ 3,9 bilhões, permanecendo praticamente estáveis em relação a maio de A balança de transações correntes, por sua vez, voltou a elevar seu déficit, que já acumula US$ 73 bilhões nos últimos doze meses, ampliando o hiato com o investimento estrangeiro direto. A deterioração da balança comercial representa o principal impacto na conta corrente, ainda que a saída de capital pelas contas de rendas e serviços também venha se elevando. Ao longo de junho, a taxa de câmbio entre o real e o dólar norte-americano voltou a se depreciar, saindo de patamares próximos a R$ 2,14/US$ para R$ 2,21/US$ no final do mês, apresentando elevada volatilidade no período. Mercado de Trabalho: Os indicadores do mercado de trabalho mais uma vez demonstraram uma deterioração marginal. A taxa de desemprego de maio registrou nova elevação, de 5,4% para 5,5%, considerando o indicador ajustado pela sazonalidade. Os rendimentos médios reais, por sua vez, apresentaram contração em relação a abril, enquanto o mesmo rendimento em termos nominais teve leve alta, refletindo o impacto da inflação sobre o poder de compra dos consumidores. A criação líquida de empregos formais teve uma queda significativa, com o número de desligamentos superando as contratações pela primeira vez desde meados de 2009, considerando o indicador ajustado pela sazonalidade. A retração foi impulsionada pelo baixo desempenho na construção civil e agropecuária, mas com os demais setores também mostrando desaceleração no mês. Essa conjuntura é condizente com o mercado de trabalho apertado que se tem observado e com o esgotamento do processo de formalização da economia. Inflação: A inflação ao consumidor IPCA de maio foi de 0,37%, desacelerando em relação à observada no mês anterior. O indicador acumulado em doze meses permaneceu praticamente estável, em 6,50%, no teto da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional. O índice de difusão, que mede o 1

2 percentual de itens cujos preços se elevaram no período, voltou a se reduzir, ainda que continue em patamares elevados. O IPCA-15 de junho, por sua vez, se elevou em relação a maio, considerando o indicador acumulado nos últimos doze meses. O índice foi pressionado para cima pelo reajuste no preço das passagens dos ônibus urbanos, enquanto a queda nos preços dos combustíveis e das carnes impulsionou o indicador para baixo. Nossa expectativa é que a inflação continuará elevada em 2013, fechando o ano ao redor de 5,9%. Crédito: A média diária das concessões de crédito, ajustada pela inflação, voltou a ter um crescimento mais expressivo em maio, em relação ao mesmo mês de 2012, após ter observado uma desaceleração em abril. O melhor desempenho foi impulsionado pela expansão no fluxo de créditos para pessoas físicas, principalmente nas linhas de cartão de crédito, crédito pessoal e financiamento imobiliário. O fluxo de crédito destinado a pessoas jurídicas, por sua vez, também registrou elevação, impulsionado pelas concessões de capital de giro. O estoque nominal de crédito na economia, que cresceu 16% frente ao mesmo período do ano anterior, se encontra em 54,7% do PIB. A taxa de inadimplência, por sua vez, permaneceu praticamente estável em relação a abril, tanto no segmento de pessoas jurídicas, quanto no de pessoas físicas. Política Monetária: O Banco Central divulgou a ata da reunião de maio do Comitê de Política Monetária (Copom), na qual foi decidido, por unanimidade, elevar a meta para a taxa Selic para 8,00% a.a., sem viés. No documento, foi destacado que o comitê observa evidências de maior volatilidade e de tendência de apreciação do dólar norte-americano, e que contempla um ritmo de atividade doméstica mais intenso neste e no próximo ano, a despeito de limitações no campo da oferta, com a absorção interna se expandindo a taxas maiores que as do crescimento do PIB. O comitê avaliou que a estreita margem de ociosidade no mercado de trabalho e a dinâmica salarial continuam originando pressões inflacionárias de custos, e que a dispersão do aumento dos preços contribui para que a inflação mostre resistência. Ainda tratando da inflação, também foi ressaltado que mecanismos formais e informais de indexação da economia e a piora na percepção dos agentes sobre a dinâmica dos preços também contribuem para essas pressões inflacionárias. Nesse contexto, o comitê mostrou um maior comprometimento com o combate à inflação, afirmando que considera apropriada uma intensificação do ritmo de ajuste das condições monetárias, avaliando que, no curto prazo, a inflação em doze meses ainda apresenta tendência de elevação e que o balanço de riscos para o cenário prospectivo se apresenta desfavorável. Também foi divulgado o Relatório de Inflação do segundo trimestre de No documento, foi informado que a autoridade monetária elevou sua projeção para a inflação em 2013, considerando o cenário que assume estabilidade da taxa de câmbio e da taxa Selic, enquanto a projeção que utiliza as expectativas de mercado, para essas variáveis, permaneceu estável. A expectativa para o PIB em 2013, por sua vez, foi reduzida para um crescimento de 2,7%. Na avaliação da autarquia, o mercado interno manteve-se como principal suporte da economia no primeiro trimestre, com uma expansão expressiva dos investimentos. Não obstante, foi afirmado que a dinâmica conjunta do mercado de fatores posiciona-se em campo inflacionário no curto prazo, enfatizando que a dinâmica salarial permanece originando pressões inflacionárias de custos. Também foi destacado como fator de risco a maior volatilidade e tendência de apreciação do dólar dos Estados Unidos, porém ponderando que evidências apontam uma diminuição, na última década, do coeficiente de repasse de depreciação cambial para a inflação. Nesse contexto, foi demostrada preocupação com os riscos decorrentes da estratégia de remoção dos incentivos monetários introduzidos pelo Banco Central norte-americano no pós-crise de Por fim, foi informado que, em seu cenário central, o Banco Central contempla ritmo de atividade global mais intenso no horizonte relevante para a política monetária, ponderando que a atual fragilidade de algumas regiões introduz incerteza sobre o ritmo desse crescimento. Economia Internacional: Nos Estados Unidos, a produção industrial permaneceu estável em maio, em relação a abril, enquanto as vendas no comércio varejista registraram crescimento. O mercado de 2

3 trabalho apresentou dados mistos, com elevação na taxa de desemprego para 7,6%, enquanto o payroll que mede a criação líquida de empregos formais acelerou em relação ao mês anterior, acima das expectativas de mercado. A inflação, por sua vez, permaneceu em patamares reduzidos, em linha com o esperado pelo mercado. Nesse contexto, foi divulgada a estimativa final do PIB do país, no primeiro trimestre de 2013, que revisou o indicador para baixo, para uma expansão anualizada de 1,8%, em relação ao trimestre anterior. O resultado mostrou um pior desempenho da economia norteamericana do que o apontado pelas prévias anteriores, enquanto o mercado esperava que a estimativa inicial permanecesse inalterada. A mudança foi impulsionada pela revisão, para baixo, do consumo das famílias, dos investimentos privados e das exportações no período. Na Europa, a produção industrial de abril apresentou uma leve expansão, acima da expectativa de mercado, enquanto as vendas no varejo se retraíram, em relação ao mês anterior. A taxa de desemprego, por sua vez, voltou a se elevar, e se encontra em 12,2% da população economicamente ativa. Na China, em maio, a produção industrial teve leve desaceleração, em relação ao mesmo mês de 2012, abaixo da expectativa de mercado, enquanto as vendas do varejo mostraram melhor desempenho, com leve aceleração, em linha com o esperado. Os investimentos estrangeiros diretos, por sua vez, permaneceram estáveis, enquanto a balança comercial apresentou saldo positivo, com crescimento das exportações, e estabilidade das importações. A inflação, por fim, desacelerou em relação à observada em maio de Mercado Externo O mês de junho de 2013 será marcado como o período onde o anúncio da diminuição do quantitative easing norte-americano aconteceu. No documento divulgado sobre a última reunião do FOMC e no comunicado de Ben Bernanke ficou claro que o Fed optou por iniciar a redução das compras de ativos no final de A redução do desemprego, a retomada da atividade econômica, a desalavancagem do consumidor, a melhoria do mercado imobiliário e a expectativa de inflação controlada foram os motivadores econômicos para esta decisão. Além disso, o debate interno no FOMC sobre os custos e benefícios do programa de compras, que é ainda incerto, também motivou a autoridade monetária dos EUA a optar pela comunicação ou invés de arriscar elevar ainda mais o seu balanço com um número maior de compras. Os impactos desta mudança de política monetária nos Estados Unidos foram sentidos mundialmente. A elevação da taxa dos títulos públicos norteamericanos, em especial o treasury de 10 anos e os TIPS de vencimento mais longo, foi percebida em todos os mercados mundiais, fazendo com que as taxas de juros elevassem-se, principalmente em mercados emergentes, as moedas perdessem valores frente ao dólar e a percepção do risco emergente aumentasse significativamente. Além disso, o comportamento das bolsas de valores também foi negativo, com perdas significativas em praticamente todos os países. Nossa taxa cambial após ter desvalorizado 7% em maio, perdeu mais 4,2% em junho. A Bovespa apresentou rentabilidade negativa de mais de 10% neste último mês. Mercado Interno Em conjunto com as preocupações econômicas que já vinham se materializando nos últimos meses - desaceleração do crescimento, aceleração da inflação, e deterioração nas contas externas e fiscais -, os possíveis problemas políticos explicitados pelas manifestações que trouxeram milhares de pessoas as ruas no Brasil formaram um onda de pessimismo para o mercado de ações brasileiro, que encerrou junho com desvalorização de 11,3% Ibovespa 3

4 No mês de junho, o real apresentou novamente significativa desvalorização frente ao dólar. O principal fator explicativo para esse movimento seguiu sendo a elevação expressiva nas taxas dos títulos públicos norte-americanos. Visando conter esse movimento acentuado no câmbio, o governo retirou algumas barreiras que existiam no mercado, como a cobrança de IOF sobre as posições vendidas. Além disso, foi observada com frequência no mês a atuação do Banco Central no mercado. Após ter iniciado o mês em 2,14 R$/US$, o câmbio encerrou o mesmo cotado a 2,21 R$/US$. 2,3 2,2 2,1 2 1,9 1,8 O mês de junho foi marcado pela elevação e volatilidade no mercado de juros brasileiro. Diante da sinalização do Fed de diminuir gradativamente o quantitative easing norte-americano, as curvas de juros se elevaram ao redor do mundo. Além disso, impactou para a elevação da curva de juros a piora na percepção de risco para os mercados emergentes e a desvalorização cambial. A curva pré de 1 ano iniciou o mês em 8,67% a.a. e terminou o mesmo em 9,41% a.a.. 17% 16% 15% 14% 13% Dólar/Real Curva Pré - 1 Ano 12% Estratégias do Gestor No mês, o gestor utilizou as seguintes estratégias na gestão dos recursos dos fundos de renda fixa e multimercados: Juros Na carteira trading realizaram-se operações de curtíssimo prazo, tanto na compra como na venda de contratos futuros de taxa de juros com vencimento em jan/15 e jan/17. O resultado nesta estratégia foi negativo no mês de junho. A carteira de Yield Curve Arbitrage obteve desempenho bastante positivo. Essa carteira possui posições vendidas no trecho intermediário da curva de juros, entre os anos de 2014 e 2015, e na curva de longo prazo através das butterflies entre 2018 e No mês, o gestor também montou uma posição vendida nas precificações das reuniões do Copom do 2º semestre de 2014, o período eleitoral. Câmbio No mês, o câmbio voltou a demonstrar elevada volatilidade e apresentou significativa desvalorização frente ao dólar. No período, não mantivemos exposições no mercado cambial. Quantitativo O modelo LS Quant apresentou desempenho negativo. Ações A alocação comprada em uma carteira de ações, selecionadas através de modelo de valuation proprietário, apresentou resultado negativo no mês. A estratégia de pairs trading apresentou um resultado positivo durante o mês de maio. Nas operações de trading de renda variável o resultado foi negativo. 4

5 Títulos Públicos No mês de junho, a demanda entre os agentes por títulos públicos pós-fixados manteve-se em patamar estável. Mesmo assim, o ágio pelos papéis aumentou marginalmente. Pela primeira vez nos últimos anos, o Tesouro ofertou dois leilões de LFT no mesmo mês. O segundo foi realizado em troca de um leilão de LTN, programado para a última semana do mês, com o objetivo de diminuir a exposição em momentos de alta volatilidade. Os papéis indexados a índices de preços apresentaram rentabilidade negativa no mês. A elevação da curva nominal de juros, devida à expectativa de diminuição do ritmo de estímulos monetários na economia norte-americana, elevou também a curva de juros reais, ocasionando essa perda. Seguimos neutros em posições de inflação implícita. A posição em juros reais, através da compra de título de NTN-B com vencimento em 2016 e de títulos privados indexados ao IPCA, foi mantida com exposição reduzida e apresentou rentabilidade negativa em junho. Títulos Privados e Operações Estruturadas de Renda Fixa No mês de junho, dando sequência a um processo iniciado no início desse ano, a carteira de títulos privados foi reduzida, dada a opção do gestor em manter um volume maior de recursos em liquidez. Para isso, durante o período foram realizadas vendas de Letras Financeiras de grandes bancos. Além disso, a carteira de operações estruturadas de Renda Fixa foi reduzida marginalmente durante o mês de junho. Comentário Final Em junho, diante da volatilidade ocorrida nos mercados, os fundos de Renda Fixa e Multimercados apresentaram resultado levemente abaixo do benchmark. Entretanto, no ano, tanto os fundos de Renda Fixa como os Multimercados vem apresentando rentabilidade superior ao benchmark. As informações do presente material são exclusivamente informativas. Ao investidor é recomendada a leitura cuidadosa do prospecto e do regulamento dos fundos de investimento ao aplicar seus recursos. Fundos de investimentos não contam com a garantia do administrador ou gestor, ou ainda, do fundo garantidor de crédito FGC As informações contidas neste documento foram produzidas pela Quantitas Gestão de Recursos S.A. dentro das condições atuais de mercado e conjuntura. Todas as recomendações e estimativas aqui apresentadas derivam de nosso julgamento e podem ser alteradas a qualquer momento sem aviso prévio. Quantitas Gestão de Recursos S.A. não se responsabiliza por decisões de investimento tomadas com base nos dados aqui divulgados. 5

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Julho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram baixo desempenho em maio. A produção industrial

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM OUTUBRO São Paulo, 04 de novembro de 2010. O mês de outubro foi marcado pela continuidade do processo de lenta recuperação das economias maduras, porém com bons resultados no setor

Leia mais

ABRIL/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO

ABRIL/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO ABRIL/2015 RELATÓRIO ECONÔMICO ÍNDICE Indicadores Financeiros Pág. 3 Projeções Pág. 4-5 Cenário Externo Pág. 6 Cenário Doméstico Pág. 7 Renda Fixa e Renda Variável Pág. 8 INDICADORES FINANCEIROS BOLSA

Leia mais

Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito;

Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito; 06-set-2013 Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito; Ata do Copom referendou nosso novo cenário para

Leia mais

Cenário Econômico. Alocação de Recursos

Cenário Econômico. Alocação de Recursos BB Gestão de Recursos DTVM S.A. Cenário Econômico UGP- Unidade de Gestão Previdenciária BB Gestão de Recursos DTVM S. A. Alocação de Recursos setembro/2015 Outubro/2015 Cenário Econômico Economia Internacional

Leia mais

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JULHO DE 2014 1

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JULHO DE 2014 1 No segundo trimestre de 2014, o fundo Pacifico Hedge FIQ FIM apresentou rentabilidade de 1,41%, líquida de taxas. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 2,51% e o mercado de bolsa valorizou-se

Leia mais

Conjuntura semanal. Itaú Personnalité. Semana de 12 a 16 de Agosto. Fatores externos e internos elevaram o dólar para perto de R$ 2,40;

Conjuntura semanal. Itaú Personnalité. Semana de 12 a 16 de Agosto. Fatores externos e internos elevaram o dólar para perto de R$ 2,40; Semana de 12 a 16 de Agosto Fatores externos e internos elevaram o dólar para perto de R$ 2,40; Curva de juros voltou a precificar mais aumentos de 0,5 p.p. para a taxa Selic; Com a presente semana muito

Leia mais

Relatório Econômico Mensal ABRIL/14

Relatório Econômico Mensal ABRIL/14 Relatório Econômico Mensal ABRIL/14 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS mês

Leia mais

Relatório Econômico Mensal. Abril - 2012

Relatório Econômico Mensal. Abril - 2012 Relatório Econômico Mensal Abril - 2012 Índice Indicadores Financeiros...3 Projeções...4 Cenário Externo...5 Cenário Doméstico...7 Renda Fixa...8 Renda Variável...9 Indicadores - Março 2012 Eduardo Castro

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 07 de março de 2012. CENÁRIO ECONÔMICO EM FEVEREIRO O mês de fevereiro foi marcado pela continuidade do movimento de alta dos mercados de ações em todo o mundo, ainda que em um ritmo bem menor

Leia mais

Propel Axis FIM Crédito Privado

Propel Axis FIM Crédito Privado Melhora expressiva na economia dos EUA; Brasil: inflação no teto da meta, atividade econômica e situação fiscal mais frágil; A principal posição do portfólio continua sendo a exposição ao dólar. 1. Cenário

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Julho de RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) PGA PB TOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Performance da Renda Fixa em 2013

Performance da Renda Fixa em 2013 Performance da Renda Fixa em 2013 Material produzido em junho de 2013 Performance da Renda Fixa em 2013 O que tem acontecido com os investimentos em renda fixa? Nos últimos meses temos visto o mercado

Leia mais

Relatório Econômico Mensal DEZEMBRO/14

Relatório Econômico Mensal DEZEMBRO/14 Relatório Econômico Mensal DEZEMBRO/14 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 6 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 8 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 15/2015

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 15/2015 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 15/2015 Data: 10/08/2015 Participantes Efetivos: Wagner de Jesus Soares Presidente, Mariana Machado de Azevedo Economista, Rosangela Pereira

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Carta Mensal Iporanga Julho de 2015

Carta Mensal Iporanga Julho de 2015 O fundo Iporanga Macro FIC FIM apresentou rendimento mensal de 3.7% (318% do CDI) em Julho. O mês também marca os primeiros doze meses de atividades do fundo, que durante o período obteve um rendimento

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Setembro de 2015

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Setembro de 2015 RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Setembro de 2015 1 RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS 1.1. Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) DATA CC FI DI/RF PGA FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL CC FI DI/RF FI

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic III Mercado Financeiro e de Capitais Taxas de juros reais e expectativas de mercado O ciclo de flexibilização monetária iniciado em janeiro, quando a meta para a taxa básica de juros foi reduzida em p.b.,

Leia mais

Carteira Recomendada RENDA FIXA segunda-feira, 4 de maio de 2015

Carteira Recomendada RENDA FIXA segunda-feira, 4 de maio de 2015 1. Alocação recomendada para Maio de 2015 Classe de Ativo Carteira Conservadora* Carteira Moderada* Carteira Agressiva* Curto Prazo Longo Prazo Curto Prazo Longo Prazo Curto Prazo Longo Prazo Pós-Fixado

Leia mais

Carta do gestor Setembro 2013

Carta do gestor Setembro 2013 Carta do gestor Setembro 2013 Em setembro, observamos significativa desvalorização do dólar e alta dos preços dos ativos de risco em geral. Por trás destes movimentos temos, principalmente, a percepção

Leia mais

Política Monetária no G3 Estados Unidos, Japão e Área do Euro

Política Monetária no G3 Estados Unidos, Japão e Área do Euro Política Monetária no G3 Estados Unidos, Japão e Área do Euro Nos primeiros anos desta década, os bancos centrais, em diversas economias, introduziram políticas monetárias acomodatícias como forma de evitar

Leia mais

Conjuntura Dezembro. Boletim de

Conjuntura Dezembro. Boletim de Dezembro de 2014 PIB de serviços avança em 2014, mas crise industrial derruba taxa de crescimento econômico Mais um ano de crescimento fraco O crescimento do PIB brasileiro nos primeiros nove meses do

Leia mais

O CÂMBIO E AS INCERTEZAS PARA 2016

O CÂMBIO E AS INCERTEZAS PARA 2016 O CÂMBIO E AS INCERTEZAS PARA 2016 Francisco José Gouveia de Castro* No início do primeiro semestre de 2015, o foco de atenção dos agentes tomadores de decisão, principalmente da iniciativa privada, é

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS São Paulo, 05 de outubro de 2015. Prezados Cotistas, Segue o nosso Relatório Mensal de Investimentos de Setembro de 2015. Abaixo apresentamos o cenário econômico, o desempenho dos nossos fundos no período

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DAS APLICAÇÕES DOS RECURSOS DO FUNDO DE SAÚDE TRIMESTRE: janeiro a março 2015

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DAS APLICAÇÕES DOS RECURSOS DO FUNDO DE SAÚDE TRIMESTRE: janeiro a março 2015 1 IPASSP-SM ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE SANTA MARIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SANTA MARIA Rua Venâncio Aires, 2035, sala 106, Centro,

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Relatório Mensal - Junho de 2013

Relatório Mensal - Junho de 2013 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor Junho foi mais um mês bastante negativo para o Ibovespa. O índice fechou em queda pelo sexto mês consecutivo impactado pela forte saída de capital estrangeiro

Leia mais

Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Classificação da Informação: Uso Irrestrito Cenário Econômico Qual caminho escolheremos? Cenário Econômico 2015 Estamos no caminho correto? Estamos no caminho correto? Qual é nossa visão sobre a economia? Estrutura da economia sinaliza baixa capacidade

Leia mais

Relatório Mensal - Novembro de 2013

Relatório Mensal - Novembro de 2013 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor Depois de quatro meses consecutivos de alta, o Ibovespa terminou o mês de novembro com queda de 3,27%, aos 52.842 pontos. No cenário externo, os dados

Leia mais

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC)

Situação da economia e perspectivas. Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Situação da economia e perspectivas Gerência-Executiva de Política Econômica (PEC) Recessão se aprofunda e situação fiscal é cada vez mais grave Quadro geral PIB brasileiro deve cair 2,9% em 2015 e aumentam

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Junho de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Junho de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Junho de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Reunião do FOMC...Pág.3 Europa: Grécia...Pág.4 China: Condições

Leia mais

Baixa do dólar e recuo das Treasuries corroboram para fechamento dos juros futuros; Fatores domésticos levam a depreciação do dólar frente ao real;

Baixa do dólar e recuo das Treasuries corroboram para fechamento dos juros futuros; Fatores domésticos levam a depreciação do dólar frente ao real; 20-jan-2014 Baixa do dólar e recuo das Treasuries corroboram para fechamento dos juros futuros; Fatores domésticos levam a depreciação do dólar frente ao real; Ibovespa recuou 1,04% na semana, seguindo

Leia mais

Relatório Econômico Mensal NOVEMBRO/14

Relatório Econômico Mensal NOVEMBRO/14 Relatório Econômico Mensal NOVEMBRO/14 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 6 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 8 Indicadores Financeiros BOLSA DE VALORES AMÉRICAS

Leia mais

VITER Vice-Presidência de Gestão de Ativos de Terceiros. GEICO Gerência Nacional de Investidores Corporativos

VITER Vice-Presidência de Gestão de Ativos de Terceiros. GEICO Gerência Nacional de Investidores Corporativos VITER Vice-Presidência de Gestão de Ativos de Terceiros GEICO Gerência Nacional de Investidores Corporativos 1 CENÁRIO ECONÔMICO Economia Internacional RECUPERAÇÃO Produção Industrial (total) 115.00 Revisões

Leia mais

BRASIL Julio Setiembre 2015

BRASIL Julio Setiembre 2015 Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julio Setiembre 2015 Prof. Dr. Rubens Sawaya Assistente: Eline Emanoeli PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE

Leia mais

CAIXA RIO BRAVO FUNDO DE FII (CXRI11) Informativo Mensal Janeiro/2015

CAIXA RIO BRAVO FUNDO DE FII (CXRI11) Informativo Mensal Janeiro/2015 Objetivo e Política do Fundo O fundo CAIXA RIO BRAVO FUNDO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII tem como objetivo proporcionar retorno aos seus cotistas por meio de uma carteira diversificada de

Leia mais

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13

set/12 mai/12 jun/12 jul/11 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 1-30 jan/13 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO RENDA FIXA TESOURO DIRETO CARTEIRA RECOMENDADA A nossa carteira para este mês continua estruturada com base no cenário de queda da taxa de juros no curto prazo. Acreditamos, no entanto, que esse cenário

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic III Mercado Financeiro e de Capitais Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado A taxa Selic efetiva totalizou 8,2% em 213 e a taxa Selic real acumulada no ano, deflacionada pelo IPCA, atingiu 2,2%.

Leia mais

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional Brasília, 18 de setembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional Exmas. Sras. Senadoras e Deputadas

Leia mais

RELATÓRIO 2º TRIMESTRE

RELATÓRIO 2º TRIMESTRE RELATÓRIO 2º TRIMESTRE FPMSMS FUNDO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE SÃO MATEUS DO SUL 2º TRIMESTRE 2014 ÍNDICE CENÁRIO MACROECONÔMICO ------------------------------------------------------------------ 4

Leia mais

Carta Mensal Mauá Sekular

Carta Mensal Mauá Sekular Mauá Participações I e II www.mauasekular.com.br contato@mauasekular.com.br Carta Mensal Mauá Sekular Fundos Macro Maio 2015 Sumário (I) (II) (III) Cenário Internacional Cenário Doméstico Principais Estratégias

Leia mais

Soluções estratégicas em economia

Soluções estratégicas em economia Soluções estratégicas em economia Cenário macroeconômico e perspectivas para 2014/2018 maio de 2014 Perspectivas para a economia mundial Perspectivas para a economia brasileira Perspectivas para os Pequenos

Leia mais

Carta ao Cotista Outubro 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional

Carta ao Cotista Outubro 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional Carta ao Cotista Outubro 2015 Ambiente Macroeconômico Internacional O Banco Central europeu sinalizou a adoção de novos estímulos monetários a partir de dezembro. Isto se deve a surpresas baixistas de

Leia mais

Relatório Mensal Dezembro de 2015

Relatório Mensal Dezembro de 2015 Relatório Mensal Relatório Mensal Carta do Gestor O Ibovespa teve um desfecho melancólico no ultimo mês de 2015, fechando com queda de 3,92% e acumulando uma retração de 13,31% no ano. O cenário econômico

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM Janeiro/2015 1. Extrato Sintético das Aplicações FUNDOS RENDA FIXA SALDO 31.12.14 APLICAÇÃO

Leia mais

Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil. Taxa de câmbio volta a superar 2,30 reais por dólar

Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil. Taxa de câmbio volta a superar 2,30 reais por dólar Espaço para expansão fiscal e PIB um pouco melhor no Brasil Publicamos nesta semana nossa revisão mensal de cenários (acesse aqui). No Brasil, entendemos que o espaço para expansão adicional da política

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Introdução Guilherme R. S. Souza e Silva * Lucas Lautert Dezordi ** Este artigo pretende

Leia mais

Relatório Analítico dos Investimentos no 1º Trimestre de 2014

Relatório Analítico dos Investimentos no 1º Trimestre de 2014 Relatório Analítico dos Investimentos no 1º Trimestre de 2014 : : GLOSSÁRIO Informamos algumas definições técnicas que foram apresentadas a seguir, sobre os instrumentos matemáticos e estatísticos que

Leia mais

Carta ao Cotista Junho 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional

Carta ao Cotista Junho 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional Carta ao Cotista Junho 2015 Ambiente Macroeconômico Internacional Dados recentes do mercado de trabalho americano (desaceleração dos salários), variável chave para as perspectivas inflacionarias e decisão

Leia mais

Cenários. Cenário Internacional. Cenário Nacional

Cenários. Cenário Internacional. Cenário Nacional Ano 7 Edição: maio/2015 nº 57 Informações referentes a abril/2015 Cenários Cenário Internacional No mês de abril, o crescimento dos EUA se mostrou enfraquecido, com criação de empregos abaixo do esperado

Leia mais

PANORAMA NOVEMBRO / 2014

PANORAMA NOVEMBRO / 2014 PANORAMA NOVEMBRO / 2014 O mês de novembro foi pautado pelas expectativas em torno da formação da equipe econômica do governo central brasileiro. Muito se especulou em torno dos nomes que ocuparão as principais

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

A semana em revista. Relatório Semanal 8/12/2014

A semana em revista. Relatório Semanal 8/12/2014 Relatório Semanal 8/12/2014 A semana em revista No cenário doméstico, os destaques da semana foram a Pesquisa Industrial Mensal (PIM) e a taxa de inflação (IPCA). A produção industrial do mês de outubro

Leia mais

Taxas de juros domésticas cedem seguindo mercado de juros norte-americano; Apesar dos dados fortes de emprego nos EUA, dólar encerra semana em queda;

Taxas de juros domésticas cedem seguindo mercado de juros norte-americano; Apesar dos dados fortes de emprego nos EUA, dólar encerra semana em queda; 05-mai-2014 Taxas de juros domésticas cedem seguindo mercado de juros norte-americano; Apesar dos dados fortes de emprego nos EUA, dólar encerra semana em queda; Ibovespa avançou 3,1% na semana, influenciado

Leia mais

DAIEA Demonstrativo Analítico dos Investimentos e Enquadramento das Aplicações

DAIEA Demonstrativo Analítico dos Investimentos e Enquadramento das Aplicações DAIEA Demonstrativo Analítico dos Investimentos e Enquadramento das Aplicações FUNDO DE PENSÃO PRECIN 1 Semestre / 2006 DAIEA Demonstrativo Analítico de Investimentos e de Enquadramentos das Aplicações

Leia mais

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JULHO DE 2015 1

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JULHO DE 2015 1 No segundo trimestre de 2015, o fundo Pacifico Hedge FIQ FIM apresentou rentabilidade de 3,61%, líquida de taxas. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 3,03% e o mercado de bolsa valorizou-se

Leia mais

Performance da Renda Fixa em 2013

Performance da Renda Fixa em 2013 Performance da Renda Fixa em 2013 Atualizado em outubro de 2013 Performance da Renda Fixa em 2013 O que tem acontecido com os investimentos em renda fixa? Desde o começo do ano temos visto o mercado de

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015

INFORME ECONÔMICO 22 de maio de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Setor de construção surpreende positivamente nos EUA. Cenário de atividade fraca no Brasil impacta o mercado de trabalho. Nos EUA, os indicadores do setor de construção registraram

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Maio de 2013. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Maio de 2013. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Maio de 2013 Turim Family Office & Investment Management TÓPICOS Economia Global: Estados Unidos...Pág.3 Europa...Pág.4 Economia Brasileira: Produto Interno Bruto...Pág.5 Política

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

FEVEREIRO DE 2013 1 1. SUMÁRIO EXECUTIVO

FEVEREIRO DE 2013 1 1. SUMÁRIO EXECUTIVO FEVEREIRO DE 2013 1 1. SUMÁRIO EXECUTIVO A economia norte-americana ficou praticamente estagnada no último trimestre de 2012. Parte significativa desse fraco desempenho da atividade econômica pode ser

Leia mais

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015

INFORME ECONÔMICO 24 de abril de 2015 RESENHA SEMANAL E PERSPECTIVAS Economia global não dá sinais de retomada da atividade. No Brasil, o relatório de crédito apresentou leve melhora em março. Nos EUA, os dados de atividade seguem compatíveis

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária 1 Comentário Semanal A semana começa ainda sob impacto do debate acerca da evolução do quadro fiscal e seus possíveis efeitos sobre o crescimento da economia e, conseqüentemente, sobre os juros em 2010.

Leia mais

Prefeitura Municipal de Castro

Prefeitura Municipal de Castro ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2015 (Art. 4º, 1º, inciso II do 2º da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000) DEMONSTRATIVO I ANEXO DE METAS ANUAIS Em cumprimento ao disposto

Leia mais

IPASSP-SM. Política de Investimentos

IPASSP-SM. Política de Investimentos INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SANTA MARIA CNPJ: 04.870.834/0001-09 IPASSP-SM Rua Venâncio Aires, 2.035, sala 106, Centro, CEP 97010-005, Santa Maria

Leia mais

Boletim Econômico da Scot Consultoria

Boletim Econômico da Scot Consultoria Boletim Econômico da Scot Consultoria ano 1 edição 2 22 a 28 de abril de 2013 Destaque da semana Alta na taxa Selic O Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu elevar a taxa Selic para 7,50% ao ano,

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 2 o, inciso I, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o. 101, de 4 de maio

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009

A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 A crise financeira global e as expectativas de mercado para 2009 Luciano Luiz Manarin D Agostini * RESUMO - Diante do cenário de crise financeira internacional, o estudo mostra as expectativas de mercado

Leia mais

Mercado de Renda Fixa: Regras de Negócios, Liquidez e Transparência

Mercado de Renda Fixa: Regras de Negócios, Liquidez e Transparência Mercado de Renda Fixa: Regras de Negócios, Liquidez e Transparência 1º Seminário Internacional sobre Renda Fixa em Mercado de Balcão 29/9/2006 Agenda Cenário Macroeconômico Transparência e Liquidez Principais

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - ARROJADA MIX 40

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - ARROJADA MIX 40 BENCHMARK RF:60.00% ( 100.00%CDI ) + RV:40.00% ( 100.00%IBRX 100 ) Relatório Gerencial Consolidado - Período de 03/11/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/11/2015 pg. 1 Posição Sintética

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea SUMÁRIO 7 ECONOMIA MUNDIAL SUMÁRIO A situação econômica mundial evoluiu de maneira favorável no final de 2013, consolidando sinais de recuperação do crescimento nos países desenvolvidos. Mesmo que o desempenho

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM Maio/2014 1. Extrato Sintético das Aplicações FUNDOS RENDA FIXA SALDO 30.04.14 APLICAÇÃO

Leia mais

Indicadores de Desempenho Novembro de 2014

Indicadores de Desempenho Novembro de 2014 Novembro de 2014 PANORAMA CONJUNTURAL FIEA A Economia Brasileira no terceiro trimestre de 2014 O desempenho da economia brasileira no terceiro trimestre de 2014, tanto na margem como em relação ao mesmo

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Variável Maio de 2013

Relatório de Gestão Renda Variável Maio de 2013 Relatório de Gestão Renda Variável Maio de 2013 Política e Economia Atividade Econômica A produção industrial registrou leve elevação em março, abaixo do esperado pelo mercado. Houve desaceleração no crescimento

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Fundo de Investimento é uma comunhão de recursos, constituída sob a forma de condomínio que reúne recursos de vários investidores para aplicar em uma carteira diversificada de ativos financeiros. Ao aplicarem

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Março de 2016

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Março de 2016 RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Março de 2016 1 RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS 1.1. Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) PGA CC DI/RF IRFM1 IMAB5 SUBTOTAL 31/dez/2013 26.103,99 26.103,99

Leia mais

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil

Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Indicadores de Risco Macroeconômico no Brasil Julho de 2005 Risco Macroeconômico 2 Introdução: Risco Financeiro e Macroeconômico Um dos conceitos fundamentais na área financeira é o de risco, que normalmente

Leia mais

Informe Econômico SEFAZ/RJ

Informe Econômico SEFAZ/RJ Economia Mundial. Em julho, o cenário geopolítico internacional apresentou-se bastante conturbado. Entre os acontecimentos que têm gerado grande apreensão internacional, são destaques: (i) o aumento das

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 01 de Setembro de 2015 Prezado(a) FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 03/08/2015 a 31/08/2015 Panorama Mensal Agosto 2015 O mês de agosto novamente foi marcado por grande volatilidade nos mercados

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 12/2013

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 12/2013 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 12/2013 Data: 25/07/2013. Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Mensagem da Administradora

Mensagem da Administradora Mensagem da Administradora Prezados Cotistas: Submetemos à apreciação de V.S.as. a demonstração da composição e diversificação das aplicações da CSN Invest Fundo de Investimento em Ações, em 31 de dezembro

Leia mais

Tesouro Direto. Brasília, Setembro de 2011

Tesouro Direto. Brasília, Setembro de 2011 Tesouro Direto Brasília, Setembro de 2011 Princípios da Gestão da Dívida Visão Geral do Programa Vantagens do Tesouro Direto Entendendo o que altera o preço Simulador do Tesouro Direto Perfil do Investidor

Leia mais

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE OUTUBRO DE 2014 1

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE OUTUBRO DE 2014 1 No terceiro trimestre de 2014, o fundo Pacifico Hedge FIQ FIM apresentou rentabilidade de -0,07%, líquida de taxas. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 2,72% e o mercado de bolsa valorizou-se

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20 BENCHMARK RF:80.00% ( 100.00%CDI ) + RV:20.00% ( 100.00%IBRX 100 ) Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética

Leia mais

Banco Pan Relatório da Administração 3T13. 1º de Novembro de 2013

Banco Pan Relatório da Administração 3T13. 1º de Novembro de 2013 Banco Pan Relatório da Administração 3T13 1º de Novembro de 2013 SENHORES ACIONISTAS A Administração do Banco Panamericano S.A. ( Pan, Banco ou Companhia ) e suas subsidiárias submetem à apreciação dos

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 06 de julho de 2010. CENÁRIO ECONÔMICO EM JUNHO A persistência dos temores em relação à continuidade do processo de recuperação das economias centrais após a divulgação dos recentes dados de

Leia mais

Boletim de Risco Ano III. Nº 22. Agosto/2015

Boletim de Risco Ano III. Nº 22. Agosto/2015 Boletim de Risco Ano III. Nº. Agosto/ Cenário O mês de julho foi marcado por uma nova rodada de turbulências políticas e macroeconômicas que resultaram numa expressiva alta do CDS soberano brasileiro (gráfico.),

Leia mais

Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo. Setembro 2013

Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo. Setembro 2013 Quem Paga a Conta? Rodrigo R. Azevedo Setembro 2013 2 Melhoras institucionais do Brasil desde 1994: aceleração do crescimento e queda da inflação 9% Brasil: Crescimento do PIB 24% IPCA Inflação Anual 7%

Leia mais

Relatório Analítico dos Investimentos no 1º Semestre de 2013

Relatório Analítico dos Investimentos no 1º Semestre de 2013 Relatório Analítico dos Investimentos no 1º Semestre de 2013 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO, DESEMPENHO, RENTABILIDADE E RISCOS 1º Semestre / 2013 : : GLOSSÁRIO Informamos algumas definições técnicas que foram

Leia mais

HSBC Global Asset Management Apresentação para HP Prev

HSBC Global Asset Management Apresentação para HP Prev HSBC Global Asset Management Apresentação para HP Prev Cenário Macroeconômio Destaques Perspectiva positiva para o cenário internacional Retomada do crescimento global, com maior equilíbrio entre desenvolvidos

Leia mais

XP UNIQUE QUANT FIC FEEDER FIM

XP UNIQUE QUANT FIC FEEDER FIM XP UNIQUE QUANT FIC FEEDER FIM O XP UNIQUE QUANT FIC FEEDER FIM é um Fundo Quantitativo que busca superar o CDI com operações sistemáticas nos mercados de Bolsa, juros e câmbio, através de modelos matemáticos

Leia mais