GUIA DE BOAS IDEIAS PARA SENSIBILIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS PARA REALIZAÇÃO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA DE BOAS IDEIAS PARA SENSIBILIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS PARA REALIZAÇÃO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS"

Transcrição

1 GUIA DE BOAS IDEIAS PARA SENSIBILIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS PARA REALIZAÇÃO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS VERSÃO PRELIMINAR SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO INFANTIL E FUNDAMENTAL

2 SUMÁRIO 1. AVALIAÇÕES EXTERNAS: SIMAVE E SAEB/PROVA BRASIL 2.1 AS AVALIAÇÕES E OS PERÍODOS DE RELIZAÇÃO DAS PROVAS 3. A COMUNIDADE ESCOLAR PARTICIPANDO 3.1 PAIS/RESPONSÁVEIS 3.2 ESCOLA E PROFESSORES 3.3 SEE, SRE E SME: EQUIPES COM O PAPEL DE ORIENTAÇÃO E APOIO 4. SUGESTÃO DE ATIVIDADES DE PREPARAÇÃO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS 4.1 REALIZANDO AS REUNIÕES PREPARATÓRIAS ÀS AVALIAÇÕES EXTERNAS COM OS DIRETORES ESCOLARES, PROFESSORES E PAIS/RESPONSÁVEIS 4.2 COMPARTILHANDO ALGUMAS EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO DE MOTIVAÇÃO/INCENTIVO AOS ALUNOS 5. CONCLUINDO

3 CARTA DE APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais estabeleceu, como meta prioritária da educação desde 2006, todas as crianças lendo e escrevendo até oito anos de idade, assegurando aos nossos alunos ensino da leitura e da qualidade escrita. Para garantir a melhoria do desempenho dos alunos de toda a Educação Básica, a SEE/MG desenvolveu programas e projetos, dentre outros: Educação de Tempo Integral; o Programa de Intervenção Pedagógica no Ensino Fundamental; Programa de Educação Profissional; Projeto Reinventando o Ensino Médio; o Sistema Mineiro de Avaliação (SIMAVE) - PROALFA, PROEB e PAAE; implantou a Magistra Escola de Formação e Desenvolvimento Profissional de Educadores de Minas Gerais, e outras ações fundamentais para assegurar um sistema educacional de excelência para todos os alunos. Todo este esforço resultou em avanços consideráveis nos resultados educacionais da rede estadual: em 2006, 48,65% dos nossos alunos estavam no nível recomendável de alfabetização. Em 2012, alcançamos o índice de 87,30%. Ocorreram avanços significativos também na alfabetização dos alunos do 3º ano do Ensino Fundamental das redes municipais de ensino. O IDEB 6.0 de Minas nos anos iniciais, 1º lugar no Brasil, comprova esses avanços. Temos, pois, muito a comemorar diante dos resultados já alcançados. Essa conquista é fruto da dedicação e do esforço coletivo de todos aqueles que integram a rede pública de educação mineira: alunos, pais e responsáveis, professores, diretores, especialistas, enfim, todos que formam a comunidade escolar. Embora as conquistas sejam muito significativas, nossos desafios crescem a cada dia e temos ainda muito por fazer para promover o ensino público de qualidade e inclusivo para todos. Nessa tarefa, temos mais uma jornada pela frente: as avaliações do Sistema Mineiro de Avaliação Pública PROALFA e PROEB, no período de 28 de outubro a 01 de novembro de 2013; do Sistema de Avaliação da Educação Básica (SAEB) Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA) e Prova Brasil, no período de 11 a 21 de novembro de É o momento, portanto, de empenharmo-nos com mais afinco ainda para melhorar a aprendizagem dos alunos e, consequentemente, os resultados educacionais das escolas, porque o resultado de cada escola é também o resultado de todos nós. Na perspectiva da realização dessas avaliações, assim como no impacto de seus resultados como diagnóstico da qualidade do ensino da rede pública mineira, elaboramos este Guia de Boas ideias, cujo objetivo é sensibilizar e motivar os alunos para a realização das respectivas avaliações externas. O Guia traz sugestões de atividades para serem desenvolvidas com os alunos e pais/responsáveis nesse período que antecede as datas das avaliações. Contamos com o compromisso de todos vocês educadores mineiros, para, juntos, garantirmos aos nossos alunos o estímulo necessário à realização das avaliações externas e para nelas demonstrarem seu sucesso na aprendizagem. Bom trabalho a todos! Secretaria de Estado de Educação

4 1. AVALIAÇÕES EXTERNAS: SIMAVE E SAEB/PROVA BRASIL Neste ano de 2013, nossos alunos farão as já tradicionais provas anuais do PROALFA e do PROEB, que integram o Sistema Mineiro de Avaliação da Educação Pública (SIMAVE) e, também, as provas do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (SAEB): a Prova Brasil e, pela primeira vez, a Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA). Diretores Escolares, Professores e Pais/responsáveis: este ano, a Prova Brasil e ANA coloca-nos mais um motivo para unirmos forças no incentivo a nossos alunos na realização das avaliações externas. Vamos, mais uma vez, fazer a diferença no aprendizado dos alunos, nos resultados de nossas Escolas e na Educação de Minas Gerais! Precisamos manter Minas no 1º lugar do IDEB dos anos iniciais do Ensino Fundamental. Qual a importância das avaliações externas? Focalizam o ensino de um sistema escolar e não o aluno. Isso significa que esse tipo de avaliação, embora busque identificar habilidades demonstradas pelos alunos, objetiva verificar se o ensino foi realizado como deveria. É diferente da avaliação do aluno, interna à escola, em que o professor, com base no que trabalhou em sala de aula, visa constatar o que os alunos aprenderam.

5 2.1 AS AVALIAÇÕES EXTERNAS E OS PERÍODOS DE RELIZAÇÃO DAS PROVAS Minas Gerais SIMAVE Sistema Mineiro de Avaliação da Educação Pública PROALFA O Programa de Avaliação da Alfabetização, é uma avaliação aplicada para o Ensino Fundamental da rede pública, sendo censitária para o 3º ano e amostral para alunos do 2º e 4º. Verifica os níveis de alfabetização alcançados pelos, indicando as intervenções necessárias para a correção dos problemas encontrados. A prova será aplicada de 28/10 a 01/11/2013. Brasil SAEB Sistema de Avaliação da Educação Básica PROVA BRASIL A Prova Brasil é realizada a cada dois anos, para os alunos de 5º ano e 9º ano do Ensino Fundamental e do 3º ano do Ensino Médio, das redes municipais, estadual e federal, de escolas que tenham mais de 20 alunos matriculados. Avalia o desempenho dos alunos em Língua Portuguesa e Matemática. Seus resultados são utilizados no cálculo do IDEB. A prova será aplicada de 11/11 a 21/11/2013. PROEB O Programa de Avaliação da Rede Pública de Educação Básica é uma avaliação centisitária da educação básica, com o objetivo de avaliar as escolas da rede pública, nas habilidades e competências desenvolvidas em Língua Portuguesa e Matemática. O Proeb avalia alunos que estão no 5º ano e 9º ano do Ensino Fundamental e 3º ano do Ensino Médio. A prova será aplicada de 28/10 a 01/11/2013. ANA A ANA é uma avaliação censitária, de larga escala, destinada a avaliar as crianças ao final do 3º ano do Ensino Fundamental das escolas públicas de todo o país. Será aplicada anualmente e servirá para produzir índices sobre o nível de alfabetização e letramento dos alunos do ciclo de alfabetização do Ensino Fundamental. A prova será aplicada de 11/11 a 21/11/2013. A prova será aplicada de 11/11 a 21/11/2013. A prova será aplicada de 11/11 a 21/11/2013.

6 3. A COMUNIDADE ESCOLAR PARTICIPANDO Todos, SEE, SRE, SME, Escolas Estaduais e Municipais, Pais/Responsáveis, devemos nos empenhar em incorporar, continuamente, novas formas de pensar e agir, com o objetivo de melhorar o desempenho dos alunos e garantir um ensino de qualidade, cumprindo e até superando as metas pactuadas. Para isso, é preciso um trabalho de EQUIPE, tendo o ALUNO como foco do processo educativo, garantindo a melhoria do seu desempenho escolar. 3.1 PAIS/RESPONSÁVEIS São os colaboradores das ações planejadas pela Escola. A participação dos alunos na realização das avaliações externas (PROALFA, PROEB, ANA e Prova Brasil/SAEB), também depende do envolvimento dos pais/responsáveis pela Escola nesse processo. Os pais/responsáveis precisam, assim: Incentivar seus filhos a estudar e a participar das avaliações externas. Orientar os horários de estudo e dever de casa dos filhos e para comparecerem às aulas nos dias de avaliação do PROALFA, PROEB, ANA e Prova Brasil/SAEB. Participar de reuniões da Escola e eventos da comunidade e acompanhar seus filhos nos estudos.

7 3.2 ESCOLA E PROFESSORES São as escolas, juntamente com os professores, que fazem a diferença na melhoria dos resultados e no alcance das metas. Neste momento que antecede às datas das avaliações externas, além das ações de intervenção pedagógica cotidianas é importante que Escola e professores desenvolvam também: Reunião pedagógica para planejamento conjunto, discussão das boas práticas que devem ser reforçadas neste momento, bem como a análise de materiais pedagógicos, colocando em prática as orientações recebidas nos encontros de formação continuada realizadas pela SEE/SRE; Efetivação na sala de aula de atividades diversas, incluindo intervenções pedagógicas para garantir a aprendizagem do aluno; Apropriação, pelo professor, dos resultados das avaliações externas e internas dos alunos de sua escola, de sua turma. A Equipe Gestora deve garantir a presença dos pais/responsáveis na escola, conscientizandoos e motivando-os a contribuir com as ações propostas por ela para promover a participação dos alunos nas avaliações externas. Além disso, deve assegurar que as estratégias de ação definidas pela Equipe da Escola sejam concretizadas nos tempos e espaços escolares.

8 3.3 SEE, SRE E SME: EQUIPES COM O PAPEL DE ORIENTAÇÃO E APOIO SRE E SME Divulgam os cronogramas das Avaliações Externas PROALFA, PROEB, Prova Brasil/SAEB e incentivam a participação dos alunos nessas avaliações, juntamente com as Escolas. SEE Orienta e acompanha o trabalho da SRE e Escolas Estaduais, apoia a SME e Escolas Municipais, com foco no desempenho escolar dos alunos. Sugere atividades e estratégias de ação para atender às demandas de realização das Avaliações Externas. O Guia de Boas Ideias é uma contribuição da SEE para motivas os alunos a participarem das avaliações externas.

9 4. SUGESTÃO DE CRONOGRAMA DE ATIVIDADES DE PREPARAÇÃO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS DATA PERÍODO AÇÃO SRE/ESCOLAS ATIVIDADES PREVISTAS 24/09/13 Realização, pela Equipe da SRE, de reunião com Diretores das Escolas Estaduais e Equipes Municipais do PIP/M para apresentação, análise e discussão das orientações do Guia de Boas Ideias para as avaliações externas. Preparar apresentação do Guia com os pontos relevantes, enfatizando a importância das avaliações externas; Entregar o Guia e fazer a leitura coletiva e/ou compartilhada do mesmo; Planejar a reunião com os professores para o dia 26/09/13. 26/09/13 Reunião com Professores das Escolas Estaduais e Municipais coordenadas pelos Diretores Escolares e Equipes Municipais do PIP, para as orientações do Guia de Boas Ideias. Abertura da reunião. Apresentar uma mensagem de ou dinâmica motivadora. Discutir os resultados das avaliações internas e externas (PROALFA, PROEB e SAEB ANA e Prova Brasil) com foco na melhoria dos resultados e atingimento das metas da Escola. Socializar e discutir a proposta do Guia por meio de slides, leitura coletiva ou compartilhada. Planejar as ações a serem desenvolvidas durante as três semanas anteriores à aplicação das avaliações externas, com pais/responsáveis, alunos e professores. Organizar os participantes em grupos, distribuir as tarefas, realizar a plenária e consolidar o plano de ação.

10 30/09/13 01/10 a 18/10/13 Reunião com os pais e responsáveis para conscientização da importância de os filhos realizarem as avaliações externas e do envolvimento deles nesse processo. Desenvolvimento de ações para conscientização e motivação dos alunos para participar das avaliações externas. Recepcionar os pais; dar boas vindas, apresentando uma mensagem motivacional. Retomada dos compromissos firmados no Dia D Toda a Comunidade Participando. Refletir sobre os resultados dos alunos nas avaliações e as metas pactuadas pela Escola, promovendo a discussão com os pais/responsáveis. Refletir sobre o impacto da participação dos alunos nas avaliações nos últimos três anos. Apresentação aos pais/responsáveis da proposta de atividades da Escola para os dias que antecedem as avaliações externas. Utilizar power point demonstrativo das ações já estruturadas. Discutir e registrar as possíveis sugestões dadas pelos pais/responsáveis, para complementar às ações sugeridas pela Escola. Organizar os participantes em grupos, distribuir as tarefas, realizar a plenária e consolidar o plano de ação. Encerramento da reunião. Fazer as considerações finais e apresentar mensagem de encerramento, reforçando a importância do envolvimento dos pais e responsáveis para a participação dos filhos nas avaliações externas, bem como a melhoria do desempenho dos alunos. Desenvolver atividades com os alunos com foco na realização das avaliações externas (PROALFA, PROEB, SAEB/ANA e Prova Brasil). Sugerimos atividades de jogos; brincadeiras; debates; teatro; música; confecção de cartazes; visita às salas de aula para explicar sobre o significado dessas avaliações; elaboração de textos; palestras; exibição de vídeos/filmes; produção de gráficos em power point, em cartazes, para serem distribuídos no mural da escola, entre outras atividades que promovam nos alunos a compreensão da importância e do significado das avaliações externas e que deixe-os seguros em realizá-las. 28/10 a 01/11/13 Realização das avaliações do SIMAVE - PROALFA/PROEB. 11/11 a 21/11/13 Realização das avaliações do SAEB - ANA e Prova Brasil.

11 4.1 REALIZANDO AS REUNIÕES PREPARATÓRIAS ÀS AVALIAÇÕES EXTERNAS COM OS DIRETORES ESCOLARES, PROFESSORES E PAIS/RESPONSÁVEIS Nas reuniões com os Diretores das Escolas, com os Professores e com os Pais/Responsáveis, não podem ser esquecidos os pontos relevantes discutidos e definidos sobre o plano de ação de conscientização e motivação dos alunos para a participação nas avaliações externas PROALFA, PROEB, SAEB/ANA e Prova Brasil. Para tanto, sugerimos que nessas reuniões seja utilizado com os participantes o quadro abaixo, de modo que as ações possam ser pensadas e registradas organizadamente. O quê? Definir coletivamente quais ações caberão aos pais, à escola, aos professores e demais profissionais, para que todos os alunos compareçam e se sintam bem recebidos, realizando uma ação importante para eles e para a escola. Como? (estratégias) Descrever as estratégias de ação possíveis de serem desenvolvidas pela Escola, para a melhoria da participação dos alunos nas avaliações externas. Para quê? (meta) Registrar o que queremos alcançar para o ano de Quando? (período) Registrar o(s) dia(s) da semana em que alunos serão atendidos pelas atividades definidas, para motivação dos mesmos na participação das avaliações externas. Quem? (responsável) Registrar o(s) nome(s) do(s) responsáveis pela realização das atividades. 4.2 COMPARTILHANDO ALGUMAS EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO DE MOTIVAÇÃO/INCENTIVO AOS ALUNOS Pensando na motivação dos alunos e conscientização dos pais/responsáveis para a participação nas avaliações externas PROALFA e PROEB, SAEB/ANA e Prova Brasil, algumas Escolas mineiras já desenvolvem ações estratégicas no período que antecede a sua realização. São experiências positivas, que vêm dando certo nas Escolas onde são desenvolvidas e, por isso, compartilhá-las serve de incentivo e orientação a todas as Escolas da rede pública de Educação Básica de Minas Gerais. Desse modo, apresentamos algumas sugestões dessas experiências exitosas. COMPARTILHANDO BOAS IDEIAS 1 Distribuição de lanche especial para os alunos antes da realização das avaliações.

12 Entrega de Kit Escolar para cada aluno que participa das avaliações. O kit é formado por um estojo com o nome da escola, lápis, caneta, borracha e régua. Passeio de trenzinho após a realização das avaliações, quando houver essa possibilidade por parte da Escola e disponibilidade na comunidade. Brinquedos: pula-pula, piscina de bolinhas, outros, quando houver essa possibilidade por parte da Escola e da comunidade. Carrinho de pipoca e algodão doce. Produção de músicas sobre o PROALFA, cantadas no período que antecede as avaliações. Sessão de Cinema na Escola, com distribuição de pipoca. Sorteio de brindes para os alunos: - Anos Iniciais: chocolates, bola, bonecas, carrinhos, jogos, outros; - Anos finais e Ensino Médio: DVDs, pen-drive, outros. Conversa realizada pelos Analistas de Língua Portuguesa e Matemática com todas as turmas do 5º e 9º Ano do Ensino Fundamental e 3º Ano do Ensino Médio, enfatizando a importância das avaliações externas para a escola e para o currículo do aluno. Aplicação de simulados no período que antecede a realização das avaliações, com itens elaborados pela Escola pensando na realização da avaliação do PROEB e Prova Brasil. Conscientização dos alunos por meio de apresentação dos resultados das avaliações externas da Escola, da SRE e do Estado. Confecção de mural pelos alunos, para expressarem o que entenderam sobre as avaliações externas e expectativas em relação aos resultados. Mural de informações das avaliações externas PROALFA, PROEB e SAEB/ANA e Prova Brasil: exposição de cartazes e faixas pela Escola sobre as avaliações em lugares visíveis aos alunos e comunidade escolar. Realização de roda de conversa com os alunos sobre a importância das avaliações externas.

13 Elaboração e envio de bilhete, pelos alunos, aos pais/responsáveis, informando sobre as datas das avaliações e importância da participação de seus filhos. Preparação de toda escola para o dia da avaliação: Escola Silenciosa. Organização dos horários de recreio/educação Física/Período Integral, outros. Dia anterior à realização da avaliação: distribuição de pirulitos com cartões lembrando aos alunos do dia da avaliação. Brincadeiras na quadra: atividade Esticadinha (ir para a quadra e fazer alongamentos com música). Hora da história: sugestão do livro Cuidado com o menino, tradução Ana Maria Machado PNLD, Caixa 3º ano. Cartão de agradecimento para os alunos ao término da avaliação; realização de passeio. Mural com fotos das turmas que farão as avaliações externas, com mensagens e palavras de incentivo. Colocar faixas pela escola anunciando as datas das avaliações.

14 COMPARTILHANDO BOAS IDEIAS 2 Produção de jogo com perguntas sobre o PROEB, PROALFA e SAEB/ANA e Prova Brasil. O jogo, confeccionado pela escola, utiliza os seguintes materiais: Cartolina e papel cartão colorido para a confecção da trilha, dos cartões de perguntas e respostas e dado de lançamento; plástico adesivo transparente para encobrir e proteger os instrumentos confeccionados do jogo. Figuras diversas para decoração dos instrumentos do jogo. COMPARTILHANDO BOAS IDEIAS 3 Os bonecos do Proalfinha e Proebinho funcionam como um fantoche, feito de tecido e enchimento e já são muito conhecidos da maioria das Escolas. O Proalfinha pode ser encontrado no site da Educação do Governo de Minas Gerais no link: 6-educadora-encontra-forma-ludica-de-aproximar-os-alunosdo-programa-de-avaliacao-da-alfabetizacao. Foram criados por uma Professora de Escola da SRE de Manhuaçu, com o objetivo de quebrar a formalidade e o peso que a expressão avaliação acarreta para as crianças e adolescentes. Além dos bonecos, algumas escolas confeccionaram miniaturas do boneco Proalfinha e Proebinho para colocar nos lápis distribuídos aos alunos nos dias das avaliações.

15 5. CONCLUINDO Diretores Escolares e Professores preparem a escola para as avaliações externas do PROALFA, PROEB, SAEB/ANA e Prova Brasil). É nosso compromisso divulgar e conscientizar os pais/responsáveis e alunos sobre a importância da realização dessas avaliações, planejando as estratégias de ação para incentivar a participação dos alunos, envolvendo mobilizando toda a comunidade escolar. Equipe Escolar faça parte deste momento: organize as atividades, oriente os alunos, participe! Prepare a escola para este evento tão importante em que todos se reúnem com um único objetivo: a realização das avaliações externas. Não se esqueça de divulgar, previamente, à comunidade escolar a realização das avaliações externas, por meio de convite, faixas, cartazes e outros meios de comunicação. Então, vamos todos ao trabalho! Sucesso para nossos alunos!

GUIA DE BOAS IDEIAS PARA SENSIBILIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS PARA PARTICIPAÇÃO NAS AVALIAÇÕES EXTERNAS

GUIA DE BOAS IDEIAS PARA SENSIBILIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS PARA PARTICIPAÇÃO NAS AVALIAÇÕES EXTERNAS GUIA DE BOAS IDEIAS PARA SENSIBILIZAÇÃO E MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS PARA PARTICIPAÇÃO NAS AVALIAÇÕES EXTERNAS 2013 GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Governador do Estado de Minas Gerais Antonio Augusto Junho

Leia mais

GUIA DE REVISÃO E REORGANIZAÇÃO DO PLANO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE REVISÃO E REORGANIZAÇÃO DO PLANO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE REVISÃO E REORGANIZAÇÃO DO PLANO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA 2013 1 GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Governador do Estado de Minas Gerais Antonio Augusto Junho Anastasia Vice-governador do Estado

Leia mais

Sugerindo e discutindo ferramentas de monitoramento do PIP/ATC - Municipal

Sugerindo e discutindo ferramentas de monitoramento do PIP/ATC - Municipal Sugerindo e discutindo ferramentas de monitoramento do PIP/ATC - Municipal Encontro de Lideranças do PIP Municipal Belo Horizonte, 05 e 06 de setembro de 2013 Secretaria de Estado de Educação de Minas

Leia mais

O Plano Nacional de Educação 2011 2020 e a política educacional Mineira. 22 Fórum Estadual da UNDIME MG

O Plano Nacional de Educação 2011 2020 e a política educacional Mineira. 22 Fórum Estadual da UNDIME MG O Plano Nacional de Educação 2011 2020 e a política educacional Mineira 22 Fórum Estadual da UNDIME MG 26 à 28/04 2011 Secretaria de Estado de Educação Subsecretaria de Desenvolvimento da Educação Básica

Leia mais

O Programa de Intervenção Pedagógica:

O Programa de Intervenção Pedagógica: O Programa de Intervenção Pedagógica: Melhorando a qualidade da educação em Minas Gerais Fórum de Transformação da Qualidade Colômbia / Bogotá 06 de Julho de 2012 Subsecretaria de Desenvolvimento da Educação

Leia mais

SISTEMA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO 1ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS ANO DE REFERÊNCIA: 2011

SISTEMA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO 1ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS ANO DE REFERÊNCIA: 2011 SISTEMA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO 1ª ETAPA DO ACORDO DE RESULTADOS ANO DE REFERÊNCIA: 2011 Belo Horizonte, Abril de 2011 SUMÁRIO ITEM PÁGINA 1 - INTRODUÇÃO 3 2 - DESEMPENHO DO SISTEMA

Leia mais

Instrumento para revisão do Projeto Político Pedagógico

Instrumento para revisão do Projeto Político Pedagógico SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E FUNDAMENTAL

Leia mais

MINAS, IDEB E PROVA BRASIL

MINAS, IDEB E PROVA BRASIL MINAS, IDEB E PROVA BRASIL Vanessa Guimarães 1 João Filocre 2 I I. SOBRE O 5º ANO DO EF 1. O IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) foi criado há um ano pelo MEC e adotado como indicador da

Leia mais

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA GUIA DE SUGESTÕES DE AÇÕES PARA IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ALFABETIZAÇÃO NO TEMPO CERTO NAs REDES MUNICIPAIS DE ENSINO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS

Leia mais

PROJETO LABORATÓRIO DE GESTÃO ESCOLAR Elaboração: Jânua Caeli Gervásio Galvão 1 APRESENTAÇÃO

PROJETO LABORATÓRIO DE GESTÃO ESCOLAR Elaboração: Jânua Caeli Gervásio Galvão 1 APRESENTAÇÃO PROJETO LABORATÓRIO DE GESTÃO ESCOLAR Elaboração: Jânua Caeli Gervásio Galvão 1 APRESENTAÇÃO Este Projeto fundamenta-se na premissa que o gestor é o agente central responsável por gerir a instituição escolar,

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

Orientações para Secretarias de Educação

Orientações para Secretarias de Educação Orientações para Secretarias de Educação SEGUNDO SEMESTRE 2009 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Presidência do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas

Leia mais

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Não se aprende por exercícios, mas por práticas significativas. Essa afirmação fica quase óbvia se pensarmos em como uma

Leia mais

Relatório Abril 2016

Relatório Abril 2016 Relatório Abril 2016 Dados Gerais Data 30 e 31 de Março de 2016. Local Hotel Boulevard Plaza - Av. Getúlio Vargas, 1640 - Funcionários - Belo Horizonte - MG. Público Alvo Analistas das Superintendências

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID ESPANHOL A língua espanhola na Educação Básica A implantação da língua espanhola por meio da lei federal 11.161, que diz respeito à sua oferta

Leia mais

AÇÕES PREVISTAS EDIÇÃO 2016

AÇÕES PREVISTAS EDIÇÃO 2016 AÇÕES PREVISTAS AÇÕES PREVISTAS EDIÇÃO 2016 APRESENTAÇÃO O Dia Estadual da Família na Escola passou a integrar, a partir de 2016, o calendário oficial do Estado de Santa Catarina, ocorrendo no terceiro

Leia mais

Creche Municipal Pequeno Príncipe

Creche Municipal Pequeno Príncipe DESCRIPCIÓN DE LA INSTITUCIÓN UBICACIÓN GEOGRÁFICA Região: Centro Oeste Município: Porto dos Gaúchos MT Título da experiência: Construindo sua identidade no universo da brincadeira Autoras: Claudiane Eidt

Leia mais

IX Seminário de Prática Educativa 2ª Etapa - 2015. A docência e seus múltiplos desafios

IX Seminário de Prática Educativa 2ª Etapa - 2015. A docência e seus múltiplos desafios SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO Av. João Naves de Ávila, 2121 = Campus Santa Mônica = Sala 1G156 = CEP:38.408-100 = Uberlândia/MG-

Leia mais

IMPLANTANDO O ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE ESTADUAL DE ENSINO

IMPLANTANDO O ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE ESTADUAL DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA A GARANTIA DO PERCURSO ESCOLAR DO ALUNO NA CONVIVÊNCIA DOS DOIS REGIMES DE ENSINO: ENSINO FUNDAMENTAL COM DURAÇÃO DE OITO ANOS E ENSINO FUNDAMENTAL COM DURAÇÃO DE NOVE ANOS. IMPLANTANDO

Leia mais

Orientações Gerais para o Mobilizador 1

Orientações Gerais para o Mobilizador 1 Orientações Gerais para o Mobilizador 1 Índice CADERNO 1: ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O MOBILIZADOR 1.1. Mensagem ao mobilizador... 03 1.2. Materiais de implantação do Ciclo 4... 05 1.3. As reuniões: quantas

Leia mais

ANEXO I FORMULÁRIOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL FORMULÁRIO 1: COMISSÃO DE ANÁLISE E SISTEMATIZAÇÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

ANEXO I FORMULÁRIOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL FORMULÁRIO 1: COMISSÃO DE ANÁLISE E SISTEMATIZAÇÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO INFANTIL 1 ANEXO I FORMULÁRIOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL FORMULÁRIO 1: COMISSÃO DE ANÁLISE E SISTEMATIZAÇÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL Nome Completo Cargo/Função Turno 1º 2º Integral

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07, de 1º de setembro de 2010.

RESOLUÇÃO Nº 07, de 1º de setembro de 2010. RESOLUÇÃO Nº 07, de 1º de setembro de 2010. Revoga a Resolução de nº 05, de 16 de junho de 2010, que define as atribuições do cargo de Pedagogo da rede municipal de ensino de Governador Valadares e as

Leia mais

PROVA BRASIL: DESCRITORES DE AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA

PROVA BRASIL: DESCRITORES DE AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA PROVA BRASIL: DESCRITORES DE AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA Isabel Cristina Ribeiro 1 Mary Ângela Teixeira Branda lise 2 Resumo Este trabalho tem por objetivo realizar um estudo sobre as habilidades e competências

Leia mais

METODOLOGIA PARA CONSTRUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA EAD: DO PLANO DE ENSINO AO ROTEIRO DE TUTORIA.

METODOLOGIA PARA CONSTRUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA EAD: DO PLANO DE ENSINO AO ROTEIRO DE TUTORIA. 1 METODOLOGIA PARA CONSTRUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS NA EAD: DO PLANO DE ENSINO AO ROTEIRO DE TUTORIA. Maio/2008 Mara Yáskara Nogueira Paiva Cardoso Uniararas, marayaskara@uniararas.br Ana Carolina Castelli

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família Faculdade Sagrada Família DISCIPLINA: Gestão Escolar 4º período de Pedagogia Prof Ms. Marislei Zaremba Martins Texto: Equipe da Área de Educação Formal - Instituto Ayrton Senna A gestão da educação precisa

Leia mais

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL Prezado(a) aluno(a); Este material que você está começando a ler trata-se do manual do aluno, referente às disciplinas que serão ministradas através

Leia mais

Mestre em Economia/UFMT e Gestor Governamental (SEPLAN/MT). Email: edmarvieira@seplan.mt.gov.br.

Mestre em Economia/UFMT e Gestor Governamental (SEPLAN/MT). Email: edmarvieira@seplan.mt.gov.br. Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação ET CAV/SP/SEPLAN nº 10/2013 Educação: o desafio da

Leia mais

Palavras-chaves: inclusão escolar, oportunidades, reflexão e ação.

Palavras-chaves: inclusão escolar, oportunidades, reflexão e ação. SOMOS IGUAIS OU DIFERENTES? PROJETO INCLUSÃO ENSINO FUNDAMENTAL Edilene Pelissoli Picciano¹ EE. Pq. Res. Almerinda Chaves - DE Jundiaí RESUMO Frente ao desafio de nossa atualidade, em garantir o acesso

Leia mais

A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo LIMA, Márcia Regina Canhoto de - FCT/UNESP marcialima@fct.unesp.br LIMA, José Milton de - FCT/UNESP miltonlima@fct.unesp.br ORLANDI, Leonardo

Leia mais

PARTE 1 Identificação da Experiência

PARTE 1 Identificação da Experiência PARTE 1 Identificação da Experiência NOME DA INSTITUIÇÃO/ESCOLA/REDE: Escola Municipal Professora Maria Irene Vicentini Theodoro Educação Infantil, Ensino Fundamental e Educação de Jovens e Adultos. ENDEREÇO:

Leia mais

Sejam bem vindos ao ano letivo de 2016! EDUCAÇÃO INFANTIL

Sejam bem vindos ao ano letivo de 2016! EDUCAÇÃO INFANTIL Colégio Amorim / Santa Teresa Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Rua Lagoa Panema, 466 Vila Guilherme Fone: 2909-1422 Diretoria de Ensino Região Centro Sejam bem vindos ao ano letivo

Leia mais

Luzinete André dos Santos LER, INTERPRETAR E PRATICAR A MATEMÁTICA

Luzinete André dos Santos LER, INTERPRETAR E PRATICAR A MATEMÁTICA Luzinete André dos Santos LER, INTERPRETAR E PRATICAR A MATEMÁTICA Iraquara Bahia 2006 Luzinete André dos Santos LER, INTERPRETAR E PRATICAR A MATEMÁTICA Projeto de Intervenção Pedagógica a Faculdade de

Leia mais

PDE Plano de Desenvolvimento da Educação

PDE Plano de Desenvolvimento da Educação Foto: João Bittar PDE Plano de Desenvolvimento da Educação Maria do Pilar Lacerda Almeida e Silva Secretária de Educação Básica Ministério da Educação Garantir o direito de aprender, para todos e para

Leia mais

O que é o Projeto TRILHAS?

O que é o Projeto TRILHAS? O que é o Projeto TRILHAS? É um conjunto de material elaborado para instrumentalizar e apoiar o trabalho docente no campo da leitura, escrita e oralidade, com o objetivo de inserir as crianças do 1 º ano

Leia mais

Projeto Pedagógico. por Anésia Gilio

Projeto Pedagógico. por Anésia Gilio Projeto Pedagógico por Anésia Gilio INTRODUÇÃO Esta proposta pedagógica está vinculada ao Projeto Douradinho e não tem pretenção de ditar normas ou roteiros engessados. Como acreditamos que a educação

Leia mais

NOVA BRASILÂNDIA D` OESTE

NOVA BRASILÂNDIA D` OESTE Projeto NOVA BRASILÂNDIA D` OESTE 2012 ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ALEXANDRE DE GUSMÃO AUTORA: PROFESSORA AMANDA OLIVEIRA DE SOUZA ARAÚJO DISCIPLINA DE MATEMÁTICA PÚBLICO ALVO: TURMAS DO 5º ANO

Leia mais

VAI E VOLTA : VALORES PARA BOA CONVIVÊNCIA 1. Carla da Silva Ribeiro²; Maria Luiza Lampert Batista 2 ; Eliane Galvão dos Santos 3

VAI E VOLTA : VALORES PARA BOA CONVIVÊNCIA 1. Carla da Silva Ribeiro²; Maria Luiza Lampert Batista 2 ; Eliane Galvão dos Santos 3 VAI E VOLTA : VALORES PARA BOA CONVIVÊNCIA 1 Carla da Silva Ribeiro²; Maria Luiza Lampert Batista 2 ; Eliane Galvão dos Santos 3 Resumo: O artigo visa relatar e refletir sobre a prática pedagógica experienciada

Leia mais

A participação e os compromissos do ensino privado

A participação e os compromissos do ensino privado artigo Cecília Farias Diretora do Sinpro/RS e presidente do Conselho Estadual de Educação do Rio Grande do Sul (CEEd/RS). A participação e os compromissos do ensino privado com o Plano Nacional de Educação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB EDITAL Nº 018/2010/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

Leia mais

CALENDÁRIO - PEDAGOGIA Grupo 87 - Agosto/2011

CALENDÁRIO - PEDAGOGIA Grupo 87 - Agosto/2011 Estrutura do Calendário Antes de utilizar o Calendário do Curso, leia atentamente o Manual do Aluno de EAD para que possa entender o processo de avaliação, disciplinas, estrutura curricular e duração.

Leia mais

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA O Fórum das universidades públicas participantes do PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA vem, por meio desta, defender

Leia mais

Festa Junina e da Família

Festa Junina e da Família Festa Junina e da Família Local do Evento: Casa de Nassau Av. Raimundo Pereira de Magalhães, 4123. Datas: Dia 25 de Junho de 2016 (Sábado)- Para Estrelinha Alegre, Ensino Fund. I e II. Dia 26 de Junho

Leia mais

Conversando sobre a REALIDADE. Propostas Educação. Ano 1 - nº 3 - Nov/15

Conversando sobre a REALIDADE. Propostas Educação. Ano 1 - nº 3 - Nov/15 Conversando sobre a REALIDADE social do BRASIL Propostas Educação Ano 1 - nº 3 - Nov/15 Partido da Social Democracia Brasileira Presidente: Senador Aécio Neves Instituto Teotônio Vilela Presidente: José

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz

RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO. Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz 1 RELATÓRIO DA OFICINA: COMO AGIR NA COMUNIDADE E NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO Facilitadoras: Liliane Lott Pires e Maria Inês Castanha de Queiroz Contrato: AS.DS.PV.024/2010 Empresa: SENSOTECH ASSESSORAMENTO

Leia mais

PROJETO PELA CULTURA DA PAZ

PROJETO PELA CULTURA DA PAZ PROMOTORIA DE JUSTICA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE DA COMARCA DE ITABIRA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSIO NOVA ERA SECRETARIA MUNICIPAL DE ITABIRA PODERES EM AÇÃO PELA EDUCAÇAO II ENCONTRO INTERSETORIAL

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 NATAÇÃO E DESEMPENHO ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DE UMA EXTENSÃO DA UFG COM UMA ESCOLA PÚBLICA Poliana Siqueira Pedroza 1 Luís César de Souza 2 RESUMO Comunidade Aquática é um projeto de extensão do curso de

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA FACULDADE DE MANTENA 2010-2014

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA FACULDADE DE MANTENA 2010-2014 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA FACULDADE DE MANTENA 2010-2014 Mantena-MG INTRODUÇÃO A Faculdade de Mantena FAMA - é um estabelecimento particular de ensino superior, que visa a atender

Leia mais

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR

O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Título do artigo: O COORDENADOR PEDAGÓGICO COMO FORMADOR: TRÊS ASPECTOS PARA CONSIDERAR Área: Gestão Coordenador Pedagógico Selecionadora: Maria Paula Zurawski 16ª Edição do Prêmio Victor Civita Educador

Leia mais

Instruções para visita da Secretaria Municipal de Educação às escolas

Instruções para visita da Secretaria Municipal de Educação às escolas Instruções para visita da Secretaria Municipal de Educação às escolas Prezado participante, Como já explicado, iniciamos agora a etapa de diagnóstico do processo de desenvolvimento do Plano Municipal de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MACUCO GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 493/09 ALTERA A LEI MUNICIPAL Nº 302/05 - PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Os impactos do Programa de Avaliação da Alfabetização do Sistema Mineiro de Avaliação em uma escola pública de Uberlândia/MG.

Os impactos do Programa de Avaliação da Alfabetização do Sistema Mineiro de Avaliação em uma escola pública de Uberlândia/MG. Os impactos do Programa de Avaliação da Alfabetização do Sistema Mineiro de Avaliação em uma escola pública de Uberlândia/MG. Adriana Castro de Resende Alvarenga 1 A legislação e a pesquisa No Brasil,

Leia mais

PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO

PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO PROJETO: CASA DE BRINQUEDO 1 RELATO DO PROCESSO Áreas: Matemática, Artes Plásticas Transversal: Meio Ambiente Faixa etária: 4 a 5 anos Turma com 30 crianças Duração: agosto a outubro/2004 Produto final:

Leia mais

COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho

COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho COLEÇÃO LER E SER - Parecer Técnico Penildon Silva Filho Dois assuntos atualmente recebem muita atenção dos educadores e gestores em Educação: o acompanhamento da evolução do Índice de Desenvolvimento

Leia mais

Passagem do EF1 para o EF2 Questões e desafios. Como minimizar impactos e construir espaços para uma transição positiva

Passagem do EF1 para o EF2 Questões e desafios. Como minimizar impactos e construir espaços para uma transição positiva Passagem do EF1 para o EF2 Questões e desafios Como minimizar impactos e construir espaços para uma transição positiva quem são os alunos do 5º ano? GRUPO 5º ANO 1 Professor Parceiro Aumento da Responsabilidade

Leia mais

2014: ANO ESTADUAL DA ÁGUA NO AMAPÁ

2014: ANO ESTADUAL DA ÁGUA NO AMAPÁ GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO COORDENADORA DE DESENVOLVIMENTO E NORMATIZAÇÃO DAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO TÉCNICO PEDAGÓGICO UNIDADE DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

Cidadania também se ensina. Página 07

Cidadania também se ensina. Página 07 09 de Novembro de 2011 Parte integrante da Edição 1606 Cidadania também se ensina Página 07 2 Quarta-feira, 09 de Novembro de 2011 Educação Estudantes brasileiros passam por avaliação governamental Intenção

Leia mais

Eixo-temático: Avaliação e Gestão Educacional

Eixo-temático: Avaliação e Gestão Educacional Eixo-temático: Avaliação e Gestão Educacional AVALIAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO LUGARES DE APRENDER: A ESCOLA SAI DA ESCOLA DO PROGRAMA CULTURA É CURRÍCULO DA SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO ESTADO

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Formação de Professores, Políticas Públicas, PIBID, Ensino de Física. Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN

PALAVRAS CHAVE: Formação de Professores, Políticas Públicas, PIBID, Ensino de Física. Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A EDUCAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PIBID 1 NA FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

PROMOVENDO ATIVIDADES RELACIONADAS À HIGIENE PESSOAL NO ENSINO FUNDAMENTAL

PROMOVENDO ATIVIDADES RELACIONADAS À HIGIENE PESSOAL NO ENSINO FUNDAMENTAL PROMOVENDO ATIVIDADES RELACIONADAS À HIGIENE PESSOAL NO ENSINO FUNDAMENTAL Renata Fonseca Bezerra¹, Eliete Alves de Sousa¹, Paloma Rodrigues Cunha¹, Larissa Costa Pereira¹, Francisco Cleiton da Rocha²

Leia mais

Ministério da Educação - MEC. Secretaria Municipal de Educação - Orizânia/MG

Ministério da Educação - MEC. Secretaria Municipal de Educação - Orizânia/MG Para tanto, o PNE prevê que os Estados e Municípios deverão adequar seus respectivos Planos Decenais de Educação no prazo máximo de um ano, após sua publicação (ocorrida em 26/06/2014). Passos para elaboração

Leia mais

GUIA DO ALUNO. Bom trabalho e conte conosco para trilhar este caminho com sucesso!

GUIA DO ALUNO. Bom trabalho e conte conosco para trilhar este caminho com sucesso! GUIA DO ALUNO Olá! Seja bem-vindo novamente! Este guia apresenta algumas informações e orientações para auxiliá-lo na sua participação e aprendizagem. Também lhe ajudará a organizar seu estudo no decorrer

Leia mais

Educação Integral Desafios para a implementação

Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral: uma demanda da sociedade Enfrentamento da desigualdade social: Garantia de direitos Ampliação das redes de proteção para crianças e adolescentes

Leia mais

SABER E ATUAR PARA MELHORAR O MUNDO: ÉTICA, CIDADANIA E MEIO AMBIENTE. DE OLHO NO ÓLEO (Resíduos líquidos) Dulce Florinda de Souza Lins.

SABER E ATUAR PARA MELHORAR O MUNDO: ÉTICA, CIDADANIA E MEIO AMBIENTE. DE OLHO NO ÓLEO (Resíduos líquidos) Dulce Florinda de Souza Lins. SABER E ATUAR PARA MELHORAR O MUNDO: ÉTICA, CIDADANIA E MEIO AMBIENTE. DE OLHO NO ÓLEO (Resíduos líquidos) Dulce Florinda de Souza Lins. RIO VERDE GO 2010 Identificação: EMEF José do Prado Guimarães. Série:

Leia mais

Mas, como utilizar essa ferramenta tão útil e que está à sua disposição?

Mas, como utilizar essa ferramenta tão útil e que está à sua disposição? Caríssimo aluno da Rede CEJA, Seja muito bem vindo à sua escola! Estamos muito felizes que você tenha optado por dar continuidade aos seus estudos conosco, confiando e acreditando em tudo o que poderemos

Leia mais

ESCOLAR II ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE

ESCOLAR II ANÁLISE PRELIMINAR DOS DADOS EDUCACIONAIS DE SERGIPE QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA COM ESCOLAR MELHORIA DO FLUXO I - META 7 DO PNE: Fomentar a qualidade da educação básica em todas etapas e modalidades, com melhoria do fluxo escolar e da aprendizagem de modo

Leia mais

PNAIC/2015 TERCEIRO CICLO DE FORMAÇÃO MÓDULO CURRÍCULO

PNAIC/2015 TERCEIRO CICLO DE FORMAÇÃO MÓDULO CURRÍCULO PNAIC/2015 TERCEIRO CICLO DE FORMAÇÃO MÓDULO CURRÍCULO 1º Momento Boas Vindas - Apresentações Prezada Orientadora de Estudo Desejo que a nossa Formação seja repleta de momentos felizes, cooperação e aprendizagem.

Leia mais

12 DE JUNHO, DIA DE COMBATE A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PIBID DE GEOGRAFIA

12 DE JUNHO, DIA DE COMBATE A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PIBID DE GEOGRAFIA 12 DE JUNHO, DIA DE COMBATE A EXPLORAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL: RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PIBID DE GEOGRAFIA Resumo O presente trabalho tem como objetivo relatar uma experiência desenvolvida no Programa

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS

ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS ORIENTAÇÕES GERAIS SOBRE AS PRÓXIMAS ETAPAS DA VIRADA EDUCAÇÃO MINAS GERAIS >>> Rodas de Conversa A SEE, em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (unicef) e com a colaboração de ONGs,

Leia mais

DO EMAIL AO SITE: TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO CURSO DE PEDAGOGIA

DO EMAIL AO SITE: TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO CURSO DE PEDAGOGIA DO EMAIL AO SITE: TECNOLOGIA EDUCACIONAL NO CURSO DE PEDAGOGIA SILVA, José Roberto Alves da 1 - UEPA Resumo Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e Práticas Agência Financiadora: não contou

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE ALUNOS EM FORMAÇÃO INICIAL EM MATEMÁTICA: MONITORIAS E JOGOS CONTRIBUINDO PARA ALIAR TEORIA E PRÁTICA

EXPERIÊNCIAS DE ALUNOS EM FORMAÇÃO INICIAL EM MATEMÁTICA: MONITORIAS E JOGOS CONTRIBUINDO PARA ALIAR TEORIA E PRÁTICA EXPERIÊNCIAS DE ALUNOS EM FORMAÇÃO INICIAL EM MATEMÁTICA: MONITORIAS E JOGOS CONTRIBUINDO PARA ALIAR TEORIA E PRÁTICA Adriana Andrade Bastos Aluna da Especialização em Docência na Educação Técnica, Profissional

Leia mais

PAIS E FILHOS UMA ETERNA BRINCADEIRA

PAIS E FILHOS UMA ETERNA BRINCADEIRA PAIS E FILHOS UMA ETERNA BRINCADEIRA Sala 3 Interdisciplinar EF I E.M.E.F.I. PROF. MANOEL IGNÁCIO DE MORAES Professora Apresentadora: ROSELI DOS SANTOS BASSANELLI PEREIRA Realização: Justificativa Este

Leia mais

CONCURSO DE REDAÇÃO: Funcesi 20 anos: Desenvolvendo a comunidade com novas ideias para novos tempos

CONCURSO DE REDAÇÃO: Funcesi 20 anos: Desenvolvendo a comunidade com novas ideias para novos tempos CONCURSO DE REDAÇÃO: Funcesi 20 anos: Desenvolvendo a comunidade com novas ideias para novos tempos 1-APRESENTAÇÃO A história do ensino superior em Itabira não é recente, pois se iniciou há 45 anos com

Leia mais

PROGRAMA LER E ESCREVER / BOLSA ALFABETIZAÇÃO - SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO: UM DIÁLOGO ENTRE A FORMAÇÃO INICIAL E A CONTINUADA.

PROGRAMA LER E ESCREVER / BOLSA ALFABETIZAÇÃO - SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO: UM DIÁLOGO ENTRE A FORMAÇÃO INICIAL E A CONTINUADA. PROGRAMA LER E ESCREVER / BOLSA ALFABETIZAÇÃO - SECRETARIA DA EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO: UM DIÁLOGO ENTRE A FORMAÇÃO INICIAL E A CONTINUADA. GARCIA_MARISA 1 garciam@uol.com.br O presente trabalho

Leia mais

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL?

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? 1 de 7 ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? Jéssica Alves de Oliveira Maria José dos Santos Chagas Tatiane de Fátima Silva Seixas RESUMO: De uma maneira geral, existe, por parte

Leia mais

5. Considerações Finais

5. Considerações Finais 5. Considerações Finais No fim, realizada a viagem do mais complexo (ainda abstrato) ao mais simples e feito o retorno do mais simples ao mais complexo (já concreto) a expressão (...)passa a ter um conteúdo

Leia mais

BRINQUEDOTECA DA FACULDADE DE FILOSOFIA CIÊNCIAS E LETRAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUVERAVA (FFCL/FE)

BRINQUEDOTECA DA FACULDADE DE FILOSOFIA CIÊNCIAS E LETRAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUVERAVA (FFCL/FE) BRINQUEDOTECA DA FACULDADE DE FILOSOFIA CIÊNCIAS E LETRAS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUVERAVA (FFCL/FE) REGULAMENTO DA BRINQUEDOTECA A Brinquedoteca é um espaço criado para ampliar as práticas de ensinar

Leia mais

PLANO DE AÇÃO SOE - 2014

PLANO DE AÇÃO SOE - 2014 Colégio Batista de Palmas PLANO DE AÇÃO SOE - 2014 PLANO DE AÇÃO Introdução Na instituição escolar, o orientador educacional é um dos profissionais da equipe de gestão. Ele trabalha diretamente com os

Leia mais

Guia para líderes em educação

Guia para líderes em educação Guia para líderes em educação Índice O que é o Duolingo?...3 Como funciona o Duolingo?...4 Mantendo a motivação dos alunos...5 Aprender e ensinar...6 Ideias fáceis para a sala de aula...7 Aproveitando

Leia mais

difusão de idéias QUALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Um processo aberto, um conceito em construção

difusão de idéias QUALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Um processo aberto, um conceito em construção Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias janeiro/2007 página 1 QUALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Um processo aberto, um conceito em construção Maria Lucia Machado e Maria Malta Campos: Na maioria dos países

Leia mais

Tutorial de Acesso. Curso Treinamento Introdutório do Governo de Minas Gerais 2ª Parte

Tutorial de Acesso. Curso Treinamento Introdutório do Governo de Minas Gerais 2ª Parte Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais MAGISTRA A Escola da Escola Escola de Formação e Desenvolvimento Profissional de Educadores de Minas Gerais Tutorial de Acesso Curso Treinamento Introdutório

Leia mais

1 Na liga contra o AEDES

1 Na liga contra o AEDES Departamento de Planejamento Pedagógico e de Formação Supervisão de Projetos de Artes, Cultura e Cidadania Supervisão de Planejamento e Articulação de Programa de Educação Integral PROJETO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Dia da família na escola. 13 de março de 2010

Dia da família na escola. 13 de março de 2010 1 Dia da família na escola 13 de março de 2010 Sugestões de atividades Desde 2009, o Amigos da Escola tem incentivado às escolas participantes do projeto a tornar os dias temáticos em dias da família e

Leia mais

GT Base Nacional Comum Curricular da Educação Infantil

GT Base Nacional Comum Curricular da Educação Infantil GT Base Nacional Comum Curricular da Educação Infantil Pontos a destacar Educação Infantil na BNC 1988 CONSTITUTIÇÃO FEDERAL Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental... 1996

Leia mais

Oficina Educação e Novas Tecnologias. Prof. Dr. Luís Cláudio Dallier Professor das Faculdades COC

Oficina Educação e Novas Tecnologias. Prof. Dr. Luís Cláudio Dallier Professor das Faculdades COC Oficina Educação e Novas Tecnologias Prof. Dr. Luís Cláudio Dallier Professor das Faculdades COC Para início de conversa... Novas Tecnologias na Educação. Desafios, perspectivas e possibilidades. http://area41propaganda.bl

Leia mais

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO A DISTÂNCIA: A EXPERIÊNCIA DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS UCPEL VIRTUAL Gabriela Jurak de Castro UCPel gabriela.jurak@ucpel.tche.br Letícia Marques Vargas UCPel lvargas@ucpel.tche.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II EDITAL Nº 001/2011/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

CALENDÁRIO DO CURSO DE PEDAGOGIA - SISTEMA EAD PLENO

CALENDÁRIO DO CURSO DE PEDAGOGIA - SISTEMA EAD PLENO 1.º Módulo: Descreve o número de semanas por unidade. 2.º 3.º 4.º 5.º Estrutura do Calendário Atualizado em 21.07.2009 Antes de utilizar o Calendário do Curso, leia atentamente o Manual do Aluno de EAD

Leia mais

SESSÃO 3: Criando Metas Atingíveis

SESSÃO 3: Criando Metas Atingíveis CURRÍCULO DE PROGRAMA SESSÃO 3: Criando Metas Atingíveis Esta sessão trata da importante habilidade pessoal e profissional do estabelecimento de metas. As participantes podem ter sentimentos diferentes

Leia mais

O LÚDICO: SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL

O LÚDICO: SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL O LÚDICO: SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL GT 01 Educação Matemática no Ensino Fundamental : Anos iniciais e anos finais Maria Christina Schettert Moraes UNICRUZ

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR?

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? Maria Rafaela de Oliveira FECLESC-UECE Renata Leite Moura FECLESC-UECE RESUMO Este trabalho apresenta algumas reflexões acerca da Educação Escolar e dos desafios

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E LEGISLAÇÃO: UM CONVITE AO DIÁLOGO

EDUCAÇÃO INFANTIL E LEGISLAÇÃO: UM CONVITE AO DIÁLOGO Secretaria Municipal de Educação maele_cardoso@hotmail.com Introdução A Educação Infantil, primeira etapa da Educação Básica, constitui se no atendimento de crianças de 0 a 5 anos de idade, em instituições

Leia mais

Ensino Fundamental I Regra de Jogo. Gêneros Textuais. Links para os conteúdos sugeridos neste plano estão disponíveis na aba Saiba Mais.

Ensino Fundamental I Regra de Jogo. Gêneros Textuais. Links para os conteúdos sugeridos neste plano estão disponíveis na aba Saiba Mais. Ensino Fundamental I Regra de Jogo. Gêneros Textuais. Competência(s) / Objetivo(s) de Aprendizagem: Reconhecer as características do gênero textual regra de jogo. Analisar e compreender um texto prescritivo..

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE AVALIAÇÃO AUTÔNOMA INDICADOR DE QUALIDADE NA EDUCAÇÃO?

EXPERIÊNCIA DE AVALIAÇÃO AUTÔNOMA INDICADOR DE QUALIDADE NA EDUCAÇÃO? EXPERIÊNCIA DE AVALIAÇÃO AUTÔNOMA INDICADOR DE QUALIDADE NA EDUCAÇÃO? Viviane de Quevedo Chaves - UPF 1 Taís Maiara Loss Loehder- UPF 2 Projeto Observatório da Educação nº. 44/2010 - Capes/Inep/CNPq Resumo:

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural SENAR-AR/CE

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural SENAR-AR/CE Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROGRAMA AGRINHO: TEMA SAÚDE Qual a importância da discussão da saúde para nossa comunidade? A população da nossa comunidade tem problemas de saúde? Quais? Essa população

Leia mais

PROJETO DO LIVRO BRINQUEDO: SOMOS O MEIO AMBIENTE

PROJETO DO LIVRO BRINQUEDO: SOMOS O MEIO AMBIENTE PROJETO DO LIVRO BRINQUEDO: SOMOS O MEIO AMBIENTE ¹Orientada: Vanessa da Silva Lopes ²Orientadora: Prof. MSc. Almerinda Maria dos Reis Vieira Rodrigues ³Co-Orientadora: Prof. MSc. Graci Marlene Pavan ¹Estudante

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/CD/FNDE Nº 047 DE 20 DE SETEMBRO DE 2007

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/CD/FNDE Nº 047 DE 20 DE SETEMBRO DE 2007 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/CD/FNDE Nº 047 DE 20 DE SETEMBRO DE 2007 Alterar a Resolução CD/FNDE nº 29, de 20 de julho de 2007,

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DAS PRÁTICAS DO YOGA À EDUCAÇÃO

A INTEGRAÇÃO DAS PRÁTICAS DO YOGA À EDUCAÇÃO A INTEGRAÇÃO DAS PRÁTICAS DO YOGA À EDUCAÇÃO Estamos vivendo um momento em nosso planeta em que profissionais de diversas áreas como medicina, tecnologia, administração, enfim todos aqueles que estão preocupados

Leia mais

O cotidiano da gestão educacional e a gestão do cotidiano escolar

O cotidiano da gestão educacional e a gestão do cotidiano escolar 5 CAPÍTULO 5 ESTÁGIO SUPERVISIONADO I: GESTÃO EDUCACIONAL O cotidiano da gestão educacional e a gestão do cotidiano escolar Introdução A compreensão deste capítulo está diretamente relacionada ao entendimento

Leia mais

A INCLUSÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NUMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA: DA TEORIA À PRÁTICA

A INCLUSÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NUMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA: DA TEORIA À PRÁTICA A INCLUSÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NUMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA: DA TEORIA À PRÁTICA Paloma Cristina Gadens de Almeida UNICENTRO, CAPES palomagadens@gmail.com

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP) DIRETORIA DE GESTÃO E PLANEJAMENTO

Leia mais