D17: Guia AlphaEU para Mediadores Adultos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "D17: Guia AlphaEU para Mediadores Adultos"

Transcrição

1 D17: Guia AlphaEU para Mediadores Adultos Preparado por UPIT/ Adaptação IPCB 31/03/2014 Título do Projeto: Acrónimo do Projeto: Número do Projeto: Alfabetos da Europa /Alphabets of Europe AlphaEU LLP CY-KA2-KA2MP This project has been funded with support from the European Commission. This publication reflects the views only of the author and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

2 Índice 1. Introdução Benefícios da aprendizagem precoce de uma língua estrangeira e de sensibilização linguística Princípios de sensibilização linguística e de desenvolvimento precoce da sensibilidade linguística A importância da consciência fonológica associada à literacia lúdica O desenvolvimento de competências interculturais O multilinguismo no projeto AlphaEU Porque é que o multilinguismo é um dos componentes do projeto AlphaEU? Porque é que existem 6 línguas no projeto AlphaEU? Porque deve a criança explorar línguas estrangeiras como o inglês ou o alemão? Porque deve uma criança explorar uma língua estrangeira como o italiano, o grego ou o romeno? Deve uma criança explorar várias línguas do projeto AlphaEU ao mesmo tempo? Quais as vantagens da exposição da criança às línguas estrangeiras do projeto AlphaEU? O uso de recursos digitais em idade pré-escolar Uma introdução ao uso recursos digitais na educação pré-escolar Benefícios do uso de recursos digitais Tipos de recursos digitais que devem ser usados Disponibilidade de recursos digitais Utilização dos alfabetos digitais AlphaEU Qual a particularidade dos alfabetos digitais AlphaEU? This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

3 5.2. Quantos alfabetos digitais estão disponíveis? Quais são os temas dos alfabetos digitais AlphaEU? Qual o conteúdo dos alfabetos digitais AlphaEU? Como funcionam realmente os alfabetos digitais AlphaEU? Como integrar os alfabetos digitais AlphaEU nas atividades diárias das crianças? Quais as melhores formas de explorar os alfabetos dos países? A utilização das atividades digitais AlphaEU ANEXO 1_Lista de palavras incluídas nos Alfabetos dos Países ANEXO 1_A - Lista de palavras incluídas nos Alfabetos dos Países e respetivas descrições ANEXO 2 Lista de palavras incluídas nos Alfabetos Temáticos Alfabetos da Cidade Alfabetos da Quinta Alfabetos da Casa Alfabetos da Escola This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

4 1. Introdução São diversos os estudos que demonstram que na educação pré-escolar os pais são a chave do sucesso da aprendizagem precoce de línguas, pelo que o projeto AlphaEu encoraja o envolvimento da família, de mediadores ou de outros elementos que apoiem a aprendizagem precoce de línguas estrangeiras, criando uma relação efetiva entre a escola e a comunidade. O objetivo deste guia é fornecer indicações e alguns conselhos práticos a educadores de infância, pais, auxiliares educativos e outros cuidadores para que estes possam desempenhar a função de mediadores da sensibilização às línguas estrangeiras através de alfabetos digitais e respetivas atividades. Começaremos por uma introdução aos usos genéricos dos alfabetos digitais, jogos de palavras e outras atividades, para em seguida explicitar a filosofia do projeto AlphaEU. A versão impressa do guia encontra-se traduzida para as línguas dos países parceiros do projeto, a fim de que possa ser utilizada nestes países durante o processo de formação de mediadores adultos e implementação piloto do projeto. Cada tradução tem em conta os contextos culturais e educacionais específicos de cada país. 2. Benefícios da aprendizagem precoce de uma língua estrangeira e de sensibilização linguística 2.1. Princípios de sensibilização linguística e de desenvolvimento precoce da sensibilidade linguística Os objetivos de uma exposição precoce a línguas estrangeiras são o desenvolvimento da sensibilidade linguística e a promoção de abertura a diferentes culturas ou competência interculcultural. Normalmente esta exposição foca-se em aspetos linguísticos e culturais. Os aspetos linguísticos incluem os seguintes: 4 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

5 Consciência fonética (i. e. tomar consciência de sons de letras e palavras específicas); Olhar para assuntos que lhe são familiares - o tempo, a família, os frutos, os números, os legumes - de uma perspetiva ligeiramente diferente; Aprender as letras do alfabeto e palavras relacionadas com temas que são familiares à criança; Aprender de forma ativa (por exemplo, uma aprendizagem centrada na criança combinada com jogos, músicas, rimas, com situações reais). Outra caraterística a destacar no processo de sensibilização às línguas estrangeiras é o respeito pelo ritmo de quem aprende, a noção de que a compreensão acontece sempre antes da produção e que a competência oral precede a competência escrita. O importante é estimular o interesse da criança, criando condições de produção de comunicação. A gramática não é ensinada de forma explícita e as palavras escritas apresentadas não constituem objetos de aprendizagem; são meios de estimular a curiosidade e promover a aprendizagem, pretendendo-se apenas, nesta fase, que as crianças as reconheçam. A sensibilização à língua estrangeira na educação pré-escolar tem de ser simples, ativa e lúdica. A escolha de palavras deve ser adaptada à idade da criança/grupo e as palavras devem ser repetidas o mais frequentemente possível em contextos diferentes, levando a criança a interligar e expandir o seu conhecimento de significados. Música e movimento devem também ser integrados no processo de sensibilização a fim de manter o interesse da criança. Um exemplo de um currículo de aprendizagem precoce de língua estrangeira pode incluir temas como: nomes próprios e saber dizer o seu nome; cores; animais da quinta; animais selvagens; números; sentimentos; partes do corpo; família e contos populares. Alguns exemplos de vocabulário: Animais - urso, pássaro, pato, cavalo, sapo, gato, cão, ovelha, peixe, elefante, leão, girafa, macaco, cobra, camelo, aranha; Elementos naturais - água, chuva, sol; 5 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

6 Objetos do quotidiano que podem ser facilmente encontrados em redor da criança - cadeira, mesa, cama, lâmpada. Também se sugere o uso de álbuns ilustrados para sensibilização à língua estrangeira, sobretudo quando se servem de estruturas repetidas e as imagens convidam à exploração. Um livro que é um bom exemplo, no caso do inglês, é I Spy de Susan Beasly. Os alfabetos digitais criados pela equipa AlphaEU seguem as mesmas caraterísticas: oferecem cores cativantes e o enredo é fácil de seguir; oferecem a possibilidade de repetir palavras e de as explorar em cada uma das páginas: por exemplo, encontrar os objetos que começam pela letra que se encontra na página é uma atividade de descoberta, tendo como estímulo adicional o facto de poder ouvir a palavra e vê-la escrita na língua que se está a explorar. Pais e professores devem ponderar a melhor forma de mediar o conteúdo dos alfabetos digitais e respetivas atividades junto da criança. Podem-se seguir diversas abordagens metodológicas. Sandie Mourão 1 recomenda a metodologia EEE (Encounter/Engage/Explore), ou seja: Encontrar/Relacionar/Explorar a língua estrangeira. Em primeiro lugar, as crianças ENCONTRAM a língua estrangeira, ouvem e demonstram compreensão ao reagirem fisicamente às palavras. Na fase seguinte, as crianças estão preparadas para se RELACIONAR com a língua estrangeira, usando-a com o apoio do professor. As crianças continuam a reagir fisicamente, mas também começam a responder verbalmente: repetindo, cantando e, ocasionalmente, participando com respostas verbais espontâneas. Na terceira fase, as crianças começam a EXPLORAR a língua estrangeira, usando-a de forma autónoma. Exploram o que sabem a fim de comunicar de forma eficaz. A língua estrangeira também é usada para brincar, ouvir e interagir com histórias e participar em atividades. Contudo, este processo leva tempo e nem os educadores nem os pais se devem sentir desencorajados se a criança se mantiver na primeira fase por muito tempo. Afinal, aprender uma língua estrangeira é uma aprendizagem individual e com ritmos diferentes de pessoa para pessoa. 1 Sandie Mourão and Gamboa Best Buddies Teacher s Edition 1. Mexico: Ed. Macmillan Mexico. Coelho D., Mourão, S Little Hoola Teacher s Guide. Porto: Porto Editora. 6 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

7 Balboni (2002) 2 descreve estádios em qualquer tipo de aprendizagem, que podem ser usados por pais e educadores com os materiais AlphaEU: Motivação: criar motivação relativamente à língua e à atividade proposta; Aproximação: nesta fase as crianças são levadas a estabelecer um primeiro contacto geral com a atividade (devem ser utilizadas técnicas relacionadas com o uso dos sentidos e maioritariamente práticas); Enfoque: o educador pode promover atividades de memorização de algumas estruturas linguísticas previamente selecionadas; Reutilização: esta fase é também uma fase de memorização, na qual as crianças reutilizam a língua em atividades de dramatização, lúdicas, musicais, etc. 2.2 A importância da consciência fonológica associada à literacia lúdica O projeto AlphaEU baseia-se em fundamentos teóricos de como as crianças se tornam conscientes da existência de outras línguas e as começam a aprender. A investigação demonstra que crianças mais jovens aprendem línguas de forma mais intuitiva, por exemplo, através da exploração criativa estimulada pela curiosidade. Quanto mais cedo forem expostas a diferentes línguas, maior a capacidade das crianças para desenvolver uma perceção do ritmo, da fonologia e da entoação nessas mesmas línguas. Os materiais AlphaEU foram pensados para sensibilizar as crianças às línguas estrangeiras. O objetivo principal é desenvolver a perceção e reconhecimento de diferentes sons e conceitos de uma ou mais línguas e a capacidade de os perceber e reproduzir de forma interativa (EC, 2011) 3. Alguns princípios deste método de sensibilização são os seguintes: Não deve ser utilizado num contexto formal, uma vez que o seu objetivo principal é ajudar as crianças a perceber que há outras línguas para além das que elas conhecem (geralmente a língua materna), despertando o 2 Balboni, P. (2000). Le microlingue scientific-professionali. UTET, Torino. 3 European Commission (2011). Commission Staff Working Paper Language Learning at Pre-primary School Level: Making it Efficient and Sustainable. A Policy Handbook.Brussels, Belgium: European Commission. Nossa tradução. 7 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

8 interesse e a curiosidade das crianças para descobrir semelhanças e diferenças entre elas; Deve ser integrado em contextos onde a sensibilização às línguas estrangeiras seja significativa e útil como, por exemplo, em atividades lúdicas diárias, uma vez que o jogo e a brincadeira são o meio natural de aprendizagem na educação pré-escolar; O papel dos educadores e pais é proporcionar um ambiente rico e cativante, capaz de albergar e ampliar as oportunidades de aprendizagem através de um processo gradual (ajudar as crianças a aprender a brincar e a resolver os desafios que se lhes deparam com uma sugestão, uma pergunta ou uma pista). As atividades devem ser centradas na criança, nos seus interesses e no seu vocabulário visual, para lhe permitir associar letras a objetos e a situações particulares. Devem ser lúdicas e igualmente mobilizar diversas funções da língua escrita para resolver situações do quotidiano. Devem permitir à criança distinguir o código escrito de outros códigos (por exemplo, icónico) e utilizá-los em contexto. Devem brincar com a escrita. Devem levar a criança a observar na escrita que a rodeia e atribuir-lhe sentidos. Deve permitir à criança reconhecer as letras do seu nome próprio bem como dos objetos que lhe são mais familiares. Deve convidar a criança a ouvir atentamente e com prazer histórias e outros textos, tentando perceber as ideias principais, comentá-los e fazer perguntas O desenvolvimento de competências interculturais As competências interculturais e o multilinguismo são uma prioridade central da União Europeia e o projeto ALphaEU contribui para um desenvolvimento desta área essencial na educação. O Conselho Europeu de Barcelona aprovou, em Março de 2002, a ação de melhorar o domínio de competências básicas, em particular através do ensino de pelo menos duas línguas estrangeiras desde muito cedo, fazendo deste o objetivo central da política do ensino de línguas da União Europeia. O papel chave das línguas na União Europeia é atestado por inúmeras declarações políticas: 8 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

9 Os países europeus dão uma grande importância a competências-chave para uma aprendizagem ao longo da vida e sublinham a ligação entre comunicação em diferentes línguas e competências interculturais; A Resolução do Conselho de 2008 sobre estratégia europeia para o multilinguismo sublinha a importância do ensino de línguas, tendo como perspetiva a aprendizagem ao longo da vida; O documento Education and Training 2020 (ET 2020) refere que o fortalecimento das competências linguísticas é um dos requisitos para alcançar um sistema de educação com mais qualidade, eficiência e equidade; A comunicação de An Agenda for New Skills and Jobs identifica as competências linguísticas como competências-chave para toda a vida. Os aspetos interculturais a explorar pelo projeto AlphaEU pressupõem uma abordagem baseada nos seguintes princípios: Despertar a curiosidade pelo outro, pela sua língua e cultura; Encontrar semelhanças e diferenças entre línguas (tradução e interpretação são partes deste tópico); Treinar as capacidades metalinguísticas para refletir como cada um pensa numa determinada língua. Como projeto que promove uma sensibilização precoce às línguas estrangeiras, o AlphaEU espera aportar inúmeros benefícios, já que, de acordo com o Policy Handbook on Language Learning at Pre-Primary School Level (EC, 2011) 4, abrir os horizontes das crianças para o multilinguismo e para diferentes culturas: Promove o desenvolvimento individual e social; Promove a capacidade de empatia e interação com o outro; Desenvolve competências como compreensão, expressão, comunicação e resolução de problemas; Pode aumentar o poder de concentração e a auto-estima. 4 Ibid 9 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

10 AlphaEU? 3. O multilinguismo no projeto AlphaEU 3.1. Porque é que o multilinguismo é um dos componentes do projeto O multilinguismo promove o desenvolvimento pessoal da criança para que esta viva e aja num mundo cultural e linguisticamente diverso. Aprender uma língua estrangeira é essencial para despertar a consciência da existência de diferentes línguas e culturas. A exploração criativa de uma língua estrangeira estimula a curiosidade para o mundo global e os seus aspetos plurilinguísticos e pluriculturais. Este processo deve preparar a criança para lidar bem com situações de comunicação intercultural, ou seja, para desenvolver uma atitude positiva perante uma língua estrangeira e as pessoas que a falam Porque é que existem 6 línguas no projeto AlphaEU? O AlphaEU é um projeto europeu e, portanto, está em consonância com as políticas multilingues da União Europeia, que sustentam que é importante garantir que as crianças tenham acesso à aprendizagem de várias línguas estrangeiras, tornandoas mais despertas para a existência de outros povos e culturas. É desejável que durante a sua educação, a criança tenha a possibilidade de aprender duas línguas estrangeiras e demonstre curiosidade por muitas outras como parte da sua mente aberta e da sua tolerância para com a diversidade. Isto só é possível se houver diversidade de línguas estrangeiras e de currículos específicos. O projeto AlphaEU promove a diversidade desejável através de uma abordagem plurilinguística e pluricultural Porque deve a criança explorar línguas estrangeiras como o inglês ou o alemão? Todas as línguas são igualmente importantes na vida humana. O inglês e o alemão são as línguas estrangeiras dominantes na Europa, uma vez que muitas crianças são encorajadas a aprendê-las como línguas estrangeiras na escola. O inglês é, para além disso, a língua global de comunicação. Isto quer dizer que as crianças são encorajadas a aprender estas línguas de uma forma contínua a fim de 10 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

11 adquirirem capacidades de trabalho profissional nas mesmas. Explorar estas línguas através dos materiais do projeto AlphaEU constitui o primeiro passo para um estudo consistente destas línguas estrangeiras em anos posteriores. Contudo, é também importante ter em linha de conta que esta aprendizagem é essencial para promover a possibilidade de estudar outras línguas estrangeiras. É, portanto, importante que quando despertarmos a consciência para estas línguas, também nos foquemos nas culturas a elas associadas, em vez de apenas as interligar com conteúdos escolares Porque deve uma criança explorar uma língua estrangeira como o italiano, o grego ou o romeno? O italiano, o grego, o português ou o romeno não são frequentemente ensinados como línguas estrangeiras nas escolas da Europa porque não são vistas como tão úteis como, por exemplo, o inglês. A questão da utilidade é muitas vezes relacionada com a valorização positiva de umas línguas em detrimento de outras. Este tipo de juízo deve ser evitado, dado que todas as línguas são identicamente importantes e são formas de organização da vida humana. Note-se que em algumas regiões da Europa algumas destas línguas são faladas por minorias, pelo que estudar a sua língua constitui uma grande oportunidade de mostrar curiosidade por elas. Fora da Europa algumas destas línguas poderão ser amplamente faladas (como é o caso do português, que é a quinta língua mais falada no mundo). O que é realmente importante ter em consideração é que o objetivo de uma abordagem plurilinguística, como a do projeto AlphaEU, é despertar o interesse por línguas estrangeiras, promover o lúdico na aprendizagem e desenvolver capacidades interculturais tais como: a capacidade de se relacionar com outras culturas menos conhecidas e de acolher a diversidade Deve uma criança explorar várias línguas do projeto AlphaEU ao mesmo tempo? Não é aconselhavel. Uma criança pequena está ainda profundamente envolvida na aprendizagem da sua língua materna. Contudo, no mundo global em que vivemos, a criança está frequentemente em contacto com outras línguas através da televisão, 11 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

12 da internet ou quando viaja. A nossa sugestão é que a criança deverá ser exposta num mesmo momento a um máximo de duas línguas estrangeiras, desde que elas façam sentido no seu ambiente. Por exemplo, se existirem crianças estrangeiras na turma, faz todo o sentido despertar o interesse de todos para a sua língua. Se a turma estiver a explorar um país estrangeiro, se os pais da criança viajarem para países estrangeiros em férias ou em trabalho, existe um contexto significativo para introduzir essa língua estrangeira no grupo de crianças Quais as vantagens da exposição da criança às línguas estrangeiras do projeto AlphaEU? Há diversos estudos que demonstram que há benefícios para a criança em termos de aprendizagem do ritmo, da fonética e da entoação quando uma língua é aprendida desde cedo. A criança irá assimilar os sons da nova língua facilmente e adquirir uma competência quase nativa. Contudo, mais importante que estes factos são as capacidades interculturais que a criança irá desenvolver através do contacto com as diversas línguas e culturas a elas associadas. Sensibilizar-se para um mundo cultural e linguisticamente diverso ajudará a criança a familiarizar-se com a necessidade de respeitar e tolerar o outro e ser capaz de comunicar com ele de forma eficaz. 4. O uso de recursos digitais em idade pré-escolar 4.1 Uma introdução ao uso recursos digitais na educação pré-escolar O uso de computadores e outras tecnologias digitais está a tornar-se mais comum no pré-escolar. As crianças de hoje crescem rodeadas de tecnologia e é por essa razão que os recursos e outras tecnologias digitais estão a ser incorporados nos currículos do pré-escolar para melhorar a qualidade e acessibilidade dos programas, bem como para encorajar o envolvimento de pais e educadores. Existem inúmeros benefícios na incorporação de elementos multimédia e tecnológicos na educação pré-escolar. Vários estudos demonstram que os anos pré-escolares são a fase mais importante no desenvolvimento da aprendizagem e que as experiências positivas ocorridas neste período terão influência para toda a vida. Para que a educação pré- 12 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

13 escolar seja uma etapa lúdica, estimulante e interativa, recorre-se cada vez mais frequentemente às novas tecnologias e elementos multimédia. Os recursos digitais, o vídeo, a música e os jogos interativos online podem motivar para a aprendizagem, melhorar a faculdade de pensar de forma crítica e estimular a curiosidade das crianças, particularmente entre os três e os seis anos. Hoje em dia, num mundo em que as tecnologias digitais, os computadores pessoais, os tablets e os smartphones se tornaram objetos correntes nas nossas vidas pessoais e profissionais, a questão já não é se devemos utilizar tecnologias digitais na educação pré-escolar, mas antes como devem estas ser integradas no currículo. A educação pré-escolar tem sido um setor onde tradicionalmente são usados poucos recursos tecnológicos e em que os profissionais preferem relações pessoais e interpessoais e exercícios de desenvolvimento das capacidades motoras das crianças. Contudo, cada vez mais educadores de infância se estão a voltar para a tecnologia para melhorar a capacidade de pensamento crítico da criança. Os recursos digitais podem ajudar a melhorar a capacidade de resolução de problemas, a criatividade, a comunicação, a colaboração e a desenvolver a consciência cívica e cultural, bem como o sentido de responsabilidade social. 4.2 Benefícios do uso de recursos digitais A natureza e o uso de muitos jogos e atividades interativos, a que pais e educadores podem aceder online e usar com as crianças, desenvolvem o seu pensamento crítico e estratégico. Este tipo de desenvolvimento pode ajudar a criança a pensar de forma inovadora e a usar diversos recursos para aprender. Para que as crianças colham todos os benefícios dos recursos digitais e tecnológicos, é preciso que pais, auxiliares e educadores promovam um equílibrio entre o desenvolvimento da criança através da exposição à tecnologia e a saturação do acesso à tecnologia, que pode impedir a criança de desenvolver capacidades de motricidade fina. Existem muitos receios e especulação em torno da ideia de que a criança não desenvolverá aquela capacidade se apenas brincar através do tablet, do smartphone ou do computador pessoal, mas existem estratégias e mecanismos que os pais e os educadores podem usar para monitorizar o uso de tecnologias digitais em crianças jovens, ajudando-as a maximizar os benefícios do uso da 13 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

14 tecnologia, ao mesmo tempo que brincam com jogos interativos e educacionais e realizam atividades online. São diversos os estudos recentes no campo da educação pré-escolar que concluem que o uso de recursos digitais pode ajudar a apoiar o desenvolvimento social, cognitivo e linguístico das crianças. Para além de apoiar o desenvolvimento linguístico da criança, quando os jogos e os recursos são indicados para a idade das crianças, a tecnologia pode potenciar a capacidade de compreensão escrita, de leitura e narrativa da criança. Hoje em dia, aprender a usar os recursos digitais é como aprender a segurar num lápis há muitos anos atrás: a capacidade de usar tecnologias é uma competência vital numa sociedade cada vez mais tecnológica. Contudo, é importante relembrar que nem todas as ferramentas e recursos são benéficos para crianças tão pequenas. As ferramentas digitais devem ser educativas e interativas a fim de potenciar os benefícios das mesmas. Quanto mais feedback a criança receber de uma ferramenta, melhor será a sua aprendizagem. É contudo inútil pensar que a tecnologia veio substituir a figura do educador ou do pai/mãe. Os recursos digitais devem ser usados pela criança com a ajuda dos pais ou educadores, sendo sempre o adulto a orientar a sua aprendizagem. 4.3 Tipos de recursos digitais que devem ser usados É importante lembrar que existem outros objetivos para além do uso da tecnologia digital na educação pré-escolar. As crianças irão desenvolver literacia e competências tecnológicas numa idade mais avançada através da exposição a tecnologia, software e redes sociais. Em vez disso, o uso precoce de recursos digitais serve para expandir, enriquecer, personalizar e diferenciar o atual currículo pré-escolar. Atualmente, muitos desses recursos são desenvolvidos tendo em conta o desenvolvimento e a capacidade de aprendizagem das crianças mais jovens. Deste modo, educadores e pais encontram com facilidade um conjunto de recursos digitais online apropriados à idade das crianças, que incluem jogos com o alfabeto, com os números, poesia infantil, tal como uma variedade de atividades com música e jogos para usar na sua rotina diária. Os recursos digitais incluem uma diversidade de atividades utilizáveis para melhorar competências de leitura, desenvolver a 14 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

15 consciência fonética, introduzir o estudo de uma língua estrangeira e assegurar o desenvolvimento de competências-chave ao nível de áreas como a matemática e as ciências naturais, desde cedo. Os recursos digitais, como ebooks, também se tornaram recursos de valor inestimável para crianças com dificuldades de aprendizagem, já que elas têm frequentemente dificuldade em distinguir letras e palavras. Através do uso de meios tecnológicos e do som, as crianças com estas dificuldades começam a evidenciar um desenvolvimento mais notório ao nível da aprendizagem, uma vez que se usa uma abordagem diferente. A flexibilidade que a tecnologia oferece significa que as necessidades individuais de cada criança podem ser atendidas e o processo de aprendizagem não só se torna interativo como também pessoal e valioso para o seu desenvolvimento. 4.4 Disponibilidade de recursos digitais O uso de recursos digitais desde cedo pode encorajar a criança a tornar-se mais aberta a um mundo de informação, de povos e culturas diferentes. A tecnologia pode ser vista como a ferramenta chave para acabar com o ciclo de exclusão social de pais e crianças de zonas menos desenvolvidas. Enquanto o acesso a computadores é algumas vezes limitado, muitas bibliotecas públicas e escolas oferecem o livre acesso a estes recursos, que podem ser usados por pais e educadores com as suas crianças. Os recursos digitais também encorajam as crianças a aprender mais sobre o mundo em que vivem e a tornar-se cidadãos digitais ativos. A tecnologia é a chave para tornar a sociedade global mais unida, encorajando as crianças a aprender acerca de outras culturas e a acolhê-las. A tecnologia mudou, para sempre, o nosso mundo e as crianças estão a aprender a usar uma panóplia de aparelhos inteligentes e computadores pessoais desde que as suas mãos começam a conseguir premir botões. A emergência destas novas tecnologias na educação pré-escolar significa que atualmente as crianças têm acesso a informação e a oportunidades de aprendizagem em qualquer lugar e a qualquer hora. Atualmente, mais de 80 mil aplicações, jogos e recursos foram desenvolvidos nas plataformas IOS e Android, revelando-se oportunidades de aprendizagem acessíveis a todas as crianças com acesso a aparelhos inteligentes, 15 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

16 sendo que estas aplicações são variadas e relevantes para crianças de todas as idades. As abordagens educativas são, hoje, mais centradas no aluno do que, exclusivamente, na aprendizagem. Para ajudar educadores e professores a lidar com esta mudança, existe um conjunto de recursos digitais disponíveis online. Podcasts, aplicações, vídeos, websites e redes sociais foram desenvolvidos para auxiliar os educadores a motivar os alunos mais novos e promover a ludicidade interativa através do uso de tecnologias de informação. Esta tecnologia motiva as crianças para aprender não só na escola como também em casa. Já não se ensinam as crianças a ser aprendentes passivos, mas a ser ativos no processo de ensino aprendizagem através do uso de ferramentas interativas que os desafiam e lhes dão feedback da sua prestação. Apesar dos benefícios que podem aportar à educação pré-escolar, os recursos digitais e tecnologias de informação necessitam de ser usados corretamente por educadores e pais. Quando usados intencionalmente e de forma apropriada, estes recursos podem ser ferramentas eficazes no apoio à aprendizagem e ao desenvolvimento das crianças. Ainda que a tecnologia deva ser sempre usada de forma moderada, particularmente por bebés e crianças mais pequenas, restam poucas dúvidas quanto aos impactos positivos no desenvolvimento e aprendizagem da criança aportados pela integração da tecnologia no currículo do pré-escolar e na rotina diária. 5. Utilização dos alfabetos digitais AlphaEU 5.1. Qual a particularidade dos alfabetos digitais AlphaEU? Os alfabetos digitais AlphaEU foram desenhados para sensibilizar crianças do préescolar para a existência de outras línguas e para desenvolver as suas competências interculturais. Os alfabetos digitais aumentam a interatividade, estimulam a curiosidade e encorajam as crianças a explorar as diferenças e semelhanças entre línguas, começando a desenvolver sensibilidade às diferentes formas de uso das línguas, da sua língua materna e de outras. O objetivo dos alfabetos não é ensinar uma língua estrangeira, mas criar um contexto linguístico e 16 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

17 visual, no qual a criança contacta com os ambientes impresso e linguístico. Todos os alfabetos digitais convidam a criança a desenvolver vocabulário associado aos seus próprios interesses enquanto se familiariza com a forma/desenho das letras/palavras e com os seus sons. Os livros são acompanhados por um conjunto de 30 atividades digitais que ajudam a criança a conhecer alfabetos dos diferentes países através de jogos Quantos alfabetos digitais estão disponíveis? O consórcio AlphaEU desenhou e desenvolveu 30 alfabetos digitais em 6 línguas diferentes, baseando-se em 5 temas. Todos os livros têm a mesma história, contando com a participação de dois protagonistas, uma menina chamada Alpha e o seu cão, o Zara, que exploram diferentes cenários e tiram fotografias para os seus próprios alfabetos Quais são os temas dos alfabetos digitais AlphaEU? Os alfabetos lúdicos centram-se em 5 temas diferentes, bastante populares na educação pré-escolar em toda a Europa: a Casa, a Escola, a Cidade, a Quinta e um alfabeto intercultural sobre cada um dos países parceiros: Irlanda, Austria, Chipre, Itália, Portugal e Roménia. Cada livro oferece a possibilidade de aceder à voz de falantes nativos que pronunciam letras, palavras e introduzem as diferentes páginas. Pais e educadores podem escolher qualquer uma das línguas dos alfabetos. Em inglês: Alpha and Zara s City Alphabet Book Alpha and Zara s Farm Alphabet Book Alpha and Zara s School Alphabet Book Alpha and Zara s Home Alphabet Book Alpha and Zara s UK Alphabet Book Em alemão: Alpha und Zara s Bauernhof-Alphabetbuch Alpha und Zara s Zuhause-Alphabetbuch Alpha und Zara s Stadt-Alphabetbuch Alpha und Zara s Schul-Alphabetbuch 17 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

18 Alpha und Zara s Austria-Alphabetbuch Em grego: Alpha and Zara s Cyprus Alphabet Book Em italiano: Alpha, Zara e l'alfbetiere della Città Alpha, Zara e l'alfabetiere della Fattoria Alpha, Zara e l'alfabetiere della Scuola Alpha, Zara e l'alfabetiere della Casa Alpha, Zara e l'alfabetiere dell'italia Em português: Alfabeto da Cidade da Alpha e do Zara Alfabeto da Quinta da Alpha e do Zara Alfabeto da Escola da Alpha e do Zara Alfabeto da Casa da Alpha e do Zara Alfabeto de Portugal da Alpha e do Zara Romanian: Abecedarul orașului cu Alpha şi Zeta Abecedarul fermei cu Alpha şi Zeta Abecedarul școlii cu Alpha și Zeta Abecedarul casei cu Alpha şi Zeta Abecedarul României cu Alpha şi Zeta 5.4. Qual o conteúdo dos alfabetos digitais AlphaEU? Geralmente cada alfabeto apresenta cada letra do alfabeto numa página distinta, utilizando um design atrativo. As páginas, organizadas por letra, contêm duas ou três palavras por letra. A criança tem de procurar imagens, que se encontram na página, para encontrar objetos começados pela letra da respetiva página. Quando se clica num objeto, ouve-se a palavra pronunciada por um falante nativo da 18 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

19 respetiva língua e vê-se a sua forma escrita. No Anexo 2 - Lista de palavras incluídas nos Alfabetos Temáticos, no final deste manual, encontra todas as palavras e a respetiva transcrição nas línguas do projeto, bem como tradução para português. O Alfabeto da Casa foi desenvolvido como uma aplicação que pode ser acedida por aparelhos Android Como funcionam realmente os alfabetos digitais AlphaEU? Aceda a Clique no ícone Alfabetos Digitais/ Alphabet Books: Escolha a língua que quer explorar com a criança e clique nela. Depois escolha o tema. Vamos explorar o Alfabeto da Cidade em romeno (Abecedarul orașului cu Alpha și Zara), como exemplo. Clique no link e a janela com o alfabeto irá abrir. 19 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

20 Pode escolher qualquer letra a explorar com a criança, clicando na letra correspondente no topo da página. Pode também clicar nas setas laterais para mudar a página do livro. No canto inferior direito pode clicar para colocar a página em modo ecrã cheio. A primeria página faz uma introdução à história do livro. Alpha, a menina, é também a narradora. O texto introdutório é lido por um falante nativo da língua em questão. Clicando no texto poderá ouvir a sua leitura. 20 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

21 Na página do A, por exemplo, clique no nome da letra e no som fonético se quiser que as crianças ouçam como a letra é pronunciada na língua que elas estão a explorar. Note que poderão existir vários sons fonéticos para as mesmas letras nos alfabetos de algumas línguas. Depois, passe o rato pela imagem para detetar objetos que começam pela letra A, em romeno. Existem 3 palavras: avion, ambulanță, autobuz. Uma vez encontrado o objeto, ele aparece dentro de um círculo e tudo o que tem de fazer em seguida é clicar nele para ouvir a palavra a ser pronunciada, na língua nativa, e vê-la também escrita junto ao círculo que circunda o objeto. Continue até encontrar todos os objetos para a letra A. Podem existir 1, 2 ou 3 palavras por página (ver Anexo 2). As crianças irão gostar de tentar encontrar as palavras nas páginas. Podem também existir duas páginas por letra (nos Alfabetos da Casa). 21 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

22 Passe para a página/letra seguinte e repita os passos descritos acima Como integrar os alfabetos digitais AlphaEU nas atividades diárias das crianças? Para educadores Os educadores podem integrar os alfabetos digitais AlphaEU nas suas rotinas diárias na sala de atividades a fim de desenvolver a linguagem e comunicação das crianças, melhorando a sua interação social, motivação e atitude perante a aprendizagem. Podem também delinear um programa a fim de integrar estas atividades no currículo. Os educadores podem aproveitar a organização temática dos alfabetos digitais e as atividades disponíveis. Os alfabetos podem ser explorados a par do projeto curricular, em contexto do trabalho mais restrito (de sala) ou de acordo com temas ou projetos do jardim-de -nfância. Por exemplo: se o tema da semana é o Outono, os educadores poderão ajudar as crianças a analisar as palavras, iniciadas por cada uma das letras do alfabeto contidas nos livros digitais, que de alguma forma se relacionem com esse tema: folhas a cair, pássaros migratórios, frutos, etc. Podem começar por palavras na língua materna e depois introduzir as mesmas palavras em outras línguas (num máximo de duas de cada vez), utilizando as atividades como forma de consolidação. Ou, ao invés disto, as crianças podem ser convidadas a tentar reconhecer certos objetos que podem encontrar nos livros digitais e pronunciar as respetivas palavras em várias línguas; os mais velhos poderão ser convidados a participar nessas atividades e até a sugerir outras palavras relacionadas com o tema, ou fazer o plural de cada umas das plavras na sua língua nativa. Para pais Assim que as crianças em idade pré-escolar começam a aprender as letras do alfabeto, os pais podem começar a praticar algumas atividades de consolidação em casa, enquanto examinam uma ou duas páginas dos livros de alfabetos ao mesmo tempo. Também poderão ajudar as crianças a explorar as letras que elas já 22 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

23 aprenderam no Jardim-de-infância ou as iniciais dos respetivos nomes, em cada um dos alfabetos. Poderão explorar os diferentes sons ao mesmo tempo ou um tema específico. Uma vez que uma das vantagens do contacto precoce com língua estrangeira é a pronúncia quase nativa, as crianças devem ser encorajadas a repetir as palavras o maior número de vezes possível. Assim, torna-se importante terem jogos de palavras no computador, que possam usar repetidamente; pais e crianças podem explorar uma língua que seja desconhecida para ambos isto mostrará efetivamente à criança como aprender uma língua estrangeira é valioso e interessante. Como exemplo de atividades sugere-se que depois de uma primeira exploração de um alfabeto, se convide a criança a desenhar certos objetos, cujos nomes os pais pronunciam na língua estrangeira; também se pode sugerir à criança que procure objetos num alfabeto a partir de palavras que os pais pronunciam; ou sugerir que ao encontrar um objeto, a criança repita o que ouve Quais as melhores formas de explorar os alfabetos dos países? O consórcio AlphaEU também criou um alfabeto para cada um dos países parceiros a fim de despertar a curiosidade das crianças para as diferentes nações e culturas associadas às línguas trabalhadas. Cada livro contém palavras para objetos/realidades específicos de cada país, que podem interessar às crianças de todos os países parceiros. As duas personagens, Alpha e Zara, visitam os diferentes países e tiram fotografias dos objetos/realidades incluídos nos livros. As crianças poderão ter visitado países estrangeiros ou podem fazer uma visita virtual a um novo país através dos alfabetos. Estes alfabetos digitais são ricos em conteúdo e devem ser explorados calmamente uma página de cada vez ou comparando culturas diferentes, através da exploração dos animais em todos os livros, ou barcos, capitais, cidades, ou outro objeto/realidade comum que se encontre representado de forma diferente em diversas culturas. Existe uma Lista de palavras incluídas nos Alfabetos dos Países no final deste guia (ver Anexo 1). 23 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

24 Existe uma tradução para português de todas as palavras e descrições no Anexo 1- A. 6. A utilização das atividades digitais AlphaEU As atividades interativas propostas têm como objetivo ajudar as crianças a rever o vocabulário contido nos cinco temas de cada um dos seis alfabetos. Para cada língua são fornecidos 3 diferentes tipos de atividades interativas, duas são monolingues e uma é bilingue (inglês comparado com cada uma das outras línguas do projeto). Depois de explorar um alfabeto na totalidade, numa língua, é natural que a criança tenha aprendido algum vocabulário-chave do tema. Pode então enriquecer e consolidar o seu conhecimento dessas palavras e compreender a que se referem, brincando com as atividades sugeridas. Todas as atividades têm uma página de título, uma página de ajuda e um menu inicial, disponível nas diferentes línguas dos países parceiros envolvidos no projeto. O botão de ajuda está disponível ao longo das atividades, para que as crianças ou pais e educadores possam recorrer a ela se necessitarem de ajuda ou esclarecimento sobre o modo de funcionamento das atividades. Atividade 1 Adivinha a língua! 24 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

25 Este tipo de atividade existe para os cinco temas contidos nos alfabetos. Para cada língua existe uma comparação entre a língua nacional (L1) e o inglês (L2). O objetivo desta atividade é comparar a língua nacional de cada um dos países parceiros envolvidos (grego, italiano, português, alemão e romeno) com o inglês. As línguas são selecionadas no menu inicial antes de entrar no jogo. Estando a criança já dentro do jogo, esta pode selecionar o nível de dificuldade (Iniciado, Intermédio ou Avançado). Ao fundo do ecrã existem duas bandeiras. Os pais ou educadores devem clarificar qual a bandeira que corresponde a cada país, e, depois, tudo o que as crianças têm de fazer é arrastar os cartões que contêm as palavras até à bandeira do país com a língua correspondente. Cada vez que a criança clicar no cartão poderá ouvir o som da palvra escrita neste. É possível clicar no botão de som no canto superior direito para usar o modo silêncio para que a atividade seja focada na leitura e no reconhecimento das palavras. Se a criança arrastar o cartão para a bandeira que não lhe corresponde, ela retorna imediatamente à posição incial; deste modo, a criança sabe que errou e tenta novamente. Cada vez que a criança arrasta a palavra para a bandeira correta, acende-se uma estrela amarela no meio da janela. Assim que a criança completa a atividade, ouvem-se aplausos e saltam estrelas no centro do ecrã. O número de estrelas que surge no ecrã revela o resultado final. Por exemplo, se a criança acertou em quatro dos seis itens de vocabulário, acendem-se quatro estrelas e duas ficam apagadas. 25 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

26 Ao clicar no botão X no canto superior esquerdo, a criança volta à página Nível de dificuldade e pode começar outra ronda do jogo. É possível repetir a atividade as vezes que se quiser e, de cada vez, aparece um novo conjunto de cartões com novo vocabulário. O número de cartões depende do nível de dificuldade escolhido; para o nível Iniciado há 6 cartões, para o nível Intermédio há 8 cartões e para o nível Avançado há 10 cartões. Esta atividade ajuda as crianças a aperceberem-se que existem outras línguas para além da sua e ajuda a despertar interesse pelas semelhanças e diferenças entre a língua materna da criança e o inglês. Atividade 2 Soletra a palavra O objetivo desta atividade é ajudar as crianças a rever o alfabeto e a soletrar as palavras relacionadas com o Alfabeto da Escola nas diversas línguas. Esta atividade existe para cada uma das línguas dos parceiros associados (grego, italiano, inglês, português, alemão e romeno). A fim de completar esta atividade com sucesso, é aconselhável que as crianças tenham explorado os sons das letras do alfabeto na sua língua materna, uma vez que a atividade requer que eles cliquem nas letras que a personagem pronuncia. Esta atividade dá às crianças a oportunidade de rever o vocabulário do Alfabeto da Escola e encoraja-os particularmente a brincar com as letras e com a escrita. Esta 26 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

27 atividade também permite alguma interatividade, uma vez que é pedido à criança que escolha com base no reconhecimento da letra e pela associação da letra ao som. Soletrar é uma forma funcional de comunicação e desperta o interesse das crianças pequenas, ajudando-as a ganhar familiaridade e confiança num contexto mais informal. A Alpha soletra as palavras do Alfabeto da Escola e é pedido às crianças para clicar na letra correta do alfabeto. Se clicarem na letra correta, a letra aparece no quadro. Cada vez que a letra correta for selecionada e aparecer no quadro, a palavra vai-se gradualmente formando. Se a criança não clicar na letra correta, esta não aparecerá no quadro. Ao clicar na Alpha, ela repete a letra as vezes que forem necessárias. Uma vez completada com sucesso a palavra soletrada, aparece uma imagem da palavra e ouve-se a palavra. Ao clicar na imagem, o cartão específico desaparece e a palavra é apagada do quadro. A criança pode recomeçar com uma nova palavra. O botão Dificuldade dá acesso à página com os níveis de dificuldade, que podem ser alterardos sempre que se desejar. O nível de dificuldade está relacionado com o tamanho das palavras; quanto mais alto for o nível selecionado, mais longas serão as palavras. Atividade 3 Testa a tua memória! Esta atividade existe nas seis línguas dos parceiros do projeto (grego, italiano, inglês, português, alemão e romeno). O objetivo é associar a imagem à palavra escrita. 27 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

28 Ao selecionar esta atividade, surgem no ecrã os cinco temas disponíveis (Quinta, Escola, Cidade, Casa e País). Uma vez selecionado o tema, é pedido que se selecione o nível de dificuldade. A criança vê um conjunto de cartões para virar e emparelhar. Ao virar o cartão, vêse uma imagem ou uma palavra escrita. O jogo consiste em emparelhar imagens com palavras escritas, a partir da memorização de onde está cada cartão. Ao clicar no cartão com a palavra escrita, a palavra é também pronunciada, para que a criança possa reconhecer o que está escrito no cartão. Quando a criança emparelha com sucesso dois cartões correspondentes, estes iluminam-se. Para alterar o nível de dificuldade, basta clicar no botão Dificuldade, que redireciona para a página correspondente. O nível de dificuldade é determindo pelo número de cartões; há 6 cartões no nível Iniciado, 8 cartões no nível Intermédio e 12 no nível Avançado. Para mudar o tema, basta clicar no botão X no canto superior esquerdo, que redireciona para a página inicial da atividade, onde estão listados os cinco temas. As crianças ouviram e exploraram o vocabulário nos alfabetos e, por isso, serão capazes de reconhecer o que é dito e fazer corresponder o que está escrito com a imagem. Contudo, a criança tem tendência para fazer correspondências a partir da identificação da letra inicial e por um gosto instintivo pelo desafio. 28 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

29 Os jogos de memória são uma boa forma para visualizar palavras escritas associadas a imagens. São atividades que contribuem para o reconhecimento da letra inicial das palavras e até mesmo para aprender a soletrar palavras ludicamente, podendo fazê-lo com diferentes palavras. A criança pode ainda ouvir como a palavra se pronuncia. Além disso, o uso do computador (clicar com o rato uma e outra vez nas diferentes opções) faz com que a criança se sinta valorizada e o facto de poder repetir os jogos com diferentes palavras aumenta o desafio, criando um ambiente mais enriquecedor e envolvente apara aprender e praticar palavras numa língua estrangeira. 7. Sugestões para pais e educadores Sugestões para explorar ludicamente os alfabetos digitais e atividades AlphaEU: Todos temos um nome. Conte uma história e explore os nomes dos personagens. Diga à criança Todos temos nomes. Qual é o teu nome e que letras usas para o escrever?. As crianças recebem etiquetas com o seu nome. As crianças devem montar os seus nomes, num cartaz na parede, a partir do que vêem nas etiquetas. Depois, deverão colocar os seus nomes na parede (trabalho coletivo). Podem, em seguida, explorar essas letras nos livros de alfabeto da sua língua materna ou, quando apropriado, nos de outra língua. Sopa de letras. À mesa as crianças brincam com massa de letras para formar o seu próprio nome e para escrever palavras que encontrem nos alfabetos, como por exemplo doce. Aprendem a fazer doce. Copiam a receita para fazer doce de morango ou outro tipo de doce que seja do seu agrado. Comem o doce à hora do lanche. Poderão depois procurar uma palavra relacionada - como mel/honig, no Alfabeto da Áustria, em alemão ou procurar a palavra em inglês (jam) no Alfabeto da Irlanda. 29 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

30 Dia da Mãe e livro das datas importantes. Esta é uma atividade que requer a cooperação da família da criança. As crianças trazem de casa um papel com o nome da mãe escrito pela própria (no verso, o professor escreve o nome da criança). Na parede, coletivamente, as crianças juntam a seguinte informação: O nome da mãe começa pela letra Ao fim de algum tempo, o professor escreve com a criança o nome da mãe no computador. Comparam, a seguir, as duas formas escritas, que serão colocadas lado a lado na parede. Em seguida, as crianças podem encontrar as palavras começadas por m (ou outra letra) nos livros de alfabetos temáticos. Fazer a chamada. O educador tem etiquetas com o nome das crianças. Estas etiquetas são usadas para fazer a chamada e para dar instruções de coisas a fazer. Por exemplo, pode-se usar a canção do peixinho: Se eu fosse esta menina (mostrar etiqueta com o nome) e soubesse nadir, pedia-lhe que encontrasse uma palavra começada por nos alfabetos. Puzzle. Recorte as letras de várias palavras sobre um determinado tema (por exemplo, a quinta) em forma de peças de puzzle e peça às crianças que juntem as letras de forma a formar palavras. Em seguida, peça-lhes que reconheçam essas palavras nos alfabetos da quinta. Loto. As crianças dizem o nome de um objeto e, em seguida, procuram a palavra correta numa página específica dos alfabetos. Colorir letras. As crianças pintam dentro do contorno de letras e, em seguida, abrem a página dessa letra nos alfabetos. Exercícios de correspondência. A criança desenha uma letra à vista e, em seguida, procura-a nos alfabetos. Escrever na areia. As crianças usam os dedos para desenhar linhas e letras na areia/sal/farinha; em seguida, fazem corresponder essas letras com a página correspondente dos alfabetos; Fabricar letras. As crianças desenham e recortam letras usando tesouras, régua e lápis, copiando o que vêem nos alfabetos. Sentir as letras. As crianças usam os dedos para seguir/sentir as letras desenhadas em relevo, antes de as reconhecer no ecrã do computador. 30 This project has been funded with support from the European Commission.This publication (communication) reflects the views only of the author, and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

31 ANEXO 1_Lista de palavras incluídas nos Alfabetos dos Países As palavras que se seguem estão disponíveis nos Alfabetos de cada país parceiro Alfabetos dos Países Chipre Itália Irlanda Portugal Áustria Roménia Αγρινό Arlecchino Apple tart Azulejo Apfelstrudel Apuseni Αμυγδαλιά Alpi Amhrán na bhfiann Atlântico Adler Abecedar Αφροδίτη Adriatico Áras an Uachtaráin Azeite Alpen Ateneul Român Βρύση Befana Bodhrán Barco Bergwerk Babele Βοσκός Babbo Natale Bacon Bacalhau Bauernhof Bucureşti Βράκα Babà Bog Burro Blumen Bran Γαϊδούρι Calcio Book of Kells Camões Chor Cozonac Γεωργός Colosseo Celtic cross Caravela Camping Căluşari Γλυκό Carnevale Camogie Cortiça Christkind Costum naţional Δάσος Dante Céilí Descobrimentos Donau Delta Dunării Δύτης Duomo Connacht Douro Deutsch Decebal Δρεπάνι Daino Dairy Farming Dunas Edelweiß Dracula Ελιά Espresso Druid Espigueiro Eislaufen Eminescu Ελαιόλαδο Etna Dublin Esplanada Fischen Egretă Εκκλησία Ercolano Eggs Estuário Freibad Fuior Ζιβανία Ferrari Ewe Fado Fasching Fânar Ζάρια Focaccia Ennis Feira Gasthaus Floare de colţ This project has been funded with support from the European Commission. This publication reflects the views only of the author and the Commission cannot be held responsible for any use which may be made of the information contained therein.

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?)

Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?) Ação nº41/2012 Formadora: Madalena Moniz Faria Lobo San-Bento Formanda: Rosemary Amaral Cabral de Frias Introdução Para se contar histórias a crianças,

Leia mais

A leitura, um bem essencial

A leitura, um bem essencial A leitura, um bem essencial A leitura, um bem essencial A leitura é uma competência básica que todas as pessoas devem adquirir para conseguirem lidar de forma natural com a palavra escrita. Mas aprender

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Lista de verificação antes da partida. Apoio à Mobilidade Europeia para o Emprego

Lista de verificação antes da partida. Apoio à Mobilidade Europeia para o Emprego Apoio à Mobilidade Europeia para o Emprego Lista de verificação antes da partida This project has been funded with support from the European Commission. This document reflects the views only of the author,

Leia mais

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Evelise Raquel de Pontes Mariane Soares Sana Orientadora: Renata Junqueira de Souza. Instituição: Universidade Estadual

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

WP8 Quality and Management/Governance National study Portuguese version 2012

WP8 Quality and Management/Governance National study Portuguese version 2012 With the support of the Lifelong Learning Programme of the European Union Identifying Barriers in Promoting the European Standards and Guidelines for Quality Assurance at Institutional Level IBAR Agreement

Leia mais

PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem

PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem PROGRAMA APRENDER A LER PARA APRENDER A FALAR A leitura como estratégia de ensino da linguagem Como é que o PALAF se compara com outros programas? O PALAF foi traçado por duas psicólogas educacionais,

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

O jardim de infância. Informações destinadas aos pais. na região de língua alemã do cantão de Berna. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna

O jardim de infância. Informações destinadas aos pais. na região de língua alemã do cantão de Berna. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna O jardim de infância na região de língua alemã do cantão de Berna Informações destinadas aos pais Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna Ficha técnica: Edição e Copyright: Direcção da Instrução

Leia mais

Alumni Survey Results

Alumni Survey Results Alumni Survey Results Comparing graduates labour market experience Summary Report Engineers Qualified in Higher Non-University VET Institutions Providing Arguments and Evidence for NQF/EQF Classification

Leia mais

Trabalho 3 Scratch na Escola

Trabalho 3 Scratch na Escola Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade de Coimbra Departamento de Matemática Trabalho 3 Scratch na Escola Meios Computacionais de Ensino Professor: Jaime Carvalho e Silva (jaimecs@mat.uc.pt)

Leia mais

Projeto: TE Conhecer, aprender, saber...

Projeto: TE Conhecer, aprender, saber... Colégio Pe. João Bagozzi Formação de Educadores Tecnologias da Informação e da Comunicação - TICs http://blog.portalpositivo.com.br/ticbagozzi Projeto: TE Conhecer, aprender, 1 Objetivos e Atividades:

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

GRUPOS NIVEL SUBNÍVEL INSTRUÇÃO RESPOSTA

GRUPOS NIVEL SUBNÍVEL INSTRUÇÃO RESPOSTA JOGO 1 NIVEL 1 Exemplos de instruções e respostas que podem ser utilizadas nos oito contextos. CONTEXTUALIZAÇÃO DESENVOLVER A COMPREENSÃO SEMÂNTICA AUMENTO DO VOCABULÁRIO VISUAL IDENTIFICAÇÃO DE ELEMENTOS

Leia mais

DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E NOVAS TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISICAS E NATURAIS

DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E NOVAS TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISICAS E NATURAIS Governo dos Açores Escola Básica e Secundária de Velas DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E NOVAS TECNOLOGIAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISICAS E NATURAIS Ano Letivo: 2014/2015

Leia mais

Erasmus+ Apoio linguístico online. Tire o máximo partido da sua experiência Erasmus+!

Erasmus+ Apoio linguístico online. Tire o máximo partido da sua experiência Erasmus+! Erasmus+ Apoio linguístico online Tire o máximo partido da sua experiência Erasmus+! Erasmus+: mudar vidas, abrir mentes O Erasmus+ visa promover as competências e a empregabilidade, bem como modernizar

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

São DVD-ROMs com mais de 1 500 conteúdos digitais, entre aulas, jogos interativos e exercícios, sendo mais de 200 voltados para a Educação Infantil.

São DVD-ROMs com mais de 1 500 conteúdos digitais, entre aulas, jogos interativos e exercícios, sendo mais de 200 voltados para a Educação Infantil. Nível I O J. Piaget é o primeiro e único Sistema de Ensino do mercado que relaciona totalmente o material multimídia ao material gráfico em todos os segmentos. São DVD-ROMs com mais de 1 500 conteúdos

Leia mais

O SEU OBJETIVO É GARANTIR A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO E AMPLIAR O RECONHECIMENTO SOBRE A SUA INSTITUIÇÃO DE ENSINO?

O SEU OBJETIVO É GARANTIR A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO E AMPLIAR O RECONHECIMENTO SOBRE A SUA INSTITUIÇÃO DE ENSINO? O SEU OBJETIVO É GARANTIR A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO E AMPLIAR O RECONHECIMENTO SOBRE A SUA INSTITUIÇÃO DE ENSINO? ENTÃO, DÊ AGORA UM ZOOM NA SUA ESCOLA! Conheça o ZOOM Educação Tecnológica e ofereça uma

Leia mais

20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor

20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor 20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor Manual do Utilizador Professor... 1 1. Conhecer o 20 Escola Digital... 4 2. Autenticação... 6 2.1. Criar um registo na LeYa Educação... 6 2.2. Aceder ao

Leia mais

O Storytelling. T- Story NEWSLETTER. Junho 2013 1ª Edição. Porquê utilizar o Storytelling

O Storytelling. T- Story NEWSLETTER. Junho 2013 1ª Edição. Porquê utilizar o Storytelling Apresentamos a newsletter oficial do projeto T-Story - Storytelling Aplicado à Educação e Formação, um projeto financiado pela ação transversal Atividade-chave 3 Tecnologias de Informação e Comunicação,

Leia mais

São DVD-ROMs com mais de 1 500 conteúdos digitais, entre aulas, jogos interativos e exercícios, sendo mais de 200 voltados para a Educação Infantil.

São DVD-ROMs com mais de 1 500 conteúdos digitais, entre aulas, jogos interativos e exercícios, sendo mais de 200 voltados para a Educação Infantil. Maternal I O J. Piaget é o primeiro e único Sistema de Ensino do mercado que relaciona totalmente o material multimídia ao material gráfico em todos os segmentos. São DVD-ROMs com mais de 1 500 conteúdos

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais

AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS. Proposta de Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS. Proposta de Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2013/2014 AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS Proposta de Planificação 1.º Ciclo do Ensino Básico PLE Proposta de Plano Anual 2013/2014 1. Introdução A atividade

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO

Caro(a) aluno(a), Estaremos juntos nesta caminhada. Coordenação NEO Caro(a) aluno(a), seja bem-vindo às Disciplinas Online da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Bom Despacho e Faculdade de Educação de Bom Despacho. Em pleno século 21, na era digital, não poderíamos

Leia mais

São DVD-ROMs com mais de 1 500 conteúdos digitais, entre aulas, jogos interativos e exercícios, sendo mais de 200 voltados para a Educação Infantil.

São DVD-ROMs com mais de 1 500 conteúdos digitais, entre aulas, jogos interativos e exercícios, sendo mais de 200 voltados para a Educação Infantil. Maternal II O J. Piaget é o primeiro e único Sistema de Ensino do mercado que relaciona totalmente o material multimídia ao material gráfico em todos os segmentos. São DVD-ROMs com mais de 1 500 conteúdos

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

Reggio Emília Cooperação e Colaboração

Reggio Emília Cooperação e Colaboração Reggio Emília Cooperação e Colaboração Trabalho realizado por: Alexandra Marques nº4423 Ana Sofia Ferreira nº4268 Ana Rita Laginha nª4270 Dina Malveiro nº3834 Prof. Docente: José Espírito Santo Princípios

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação

Tecnologias da Informação e Comunicação SUBDOMÍNIO CC8.1. CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO ADEQU ADA E SEGURA DE DIFERENTES TIPOS DE FERRAMENTAS DE COMUNICAÇÃO, DE ACORDO COM AS SITUAÇÕES DE COMUNICAÇÃO E AS REGRAS DE CONDUTA E DE FUNCIONAMENTO DE

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

Declaração de Odense. O ABC para a Equidade Educação e Saúde. 4.ª Conferência Europeia das Escolas Promotoras de Saúde:

Declaração de Odense. O ABC para a Equidade Educação e Saúde. 4.ª Conferência Europeia das Escolas Promotoras de Saúde: Declaração de Odense O ABC para a Equidade Educação e Saúde 4.ª Conferência Europeia das Escolas Promotoras de Saúde: Equidade, Educação e Saúde 7-9 outubro 2013 A 4ª Conferência Europeia sobre escolas

Leia mais

PROJECTO PEDAGÓGICO SABICHÕES - 2011/2012 INDICE

PROJECTO PEDAGÓGICO SABICHÕES - 2011/2012 INDICE PROJECTO PEDAGÓGICO SABICHÕES - 2011/2012 INDICE 1. Caracterização do grupo 2. Organização do Espaço e do Tempo 3. Tema e fundamentação teórica do projecto o Mundo dos animais em vias de extinção da sala

Leia mais

EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR O QUE SABEMOS

EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR O QUE SABEMOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR O QUE SABEMOS O QUE SABEMOS UMA METODOLOGIA DE PROJETO PARA A EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR O QUE É O TRABALHO DE PROJETO? Os projetos da coleção «O Que Sabemos» enquadram-se numa metodologia

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

Pais, avós, parentes, adultos, professores, enfim, educadores de forma geral.

Pais, avós, parentes, adultos, professores, enfim, educadores de forma geral. Entre os dias 30 de agosto e 6 de setembro de 2014, a PUC Minas no São Gabriel realiza a VI Semana de Ciência, Arte e Política, com a temática Cidades Aqui tem gente? Dentro da programação, a SCAP Lá e

Leia mais

Escola EB 2,3 de António Feijó

Escola EB 2,3 de António Feijó AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANTÓNIO FEÍJO Escola EB 2,3 de António Feijó 8.º ANO PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO Domínio Conteúdos Objetivos

Leia mais

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha MODERNA.COMPARTILHA: INTEGRAR TECNOLOGIA E CONTEÚDOS A FAVOR DO APRENDIZADO. Os alunos deste século estão conectados com novas ideias, novas

Leia mais

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1. O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.3, Outubro, 2015 Nota prévia Esta apresentação tem por objetivo, proporcionar

Leia mais

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA Fernanda Mara Cruz (SEED/PR-PG-UFF) Introdução Os processos de ensinar e aprender estão a cada dia mais inovadores e com a presença de uma grande variedade

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO EANES LOBATO Critérios de Avaliação Educação Pré Escolar Departamento Educação Pré Escolar Ano letivo 2013/2014 A avaliação do processo permite reconhecer a pertinência e sentido

Leia mais

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo)

PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) PROGRAMA: A FAMÍLIA (1º ano do 1º ciclo) Duração: 5 Sessões (45 minutos) Público-Alvo: 6 a 7 anos (1º Ano) Descrição: O programa A Família é constituído por uma série de cinco actividades. Identifica o

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

AEC ALE TIC. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE TIC. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2014/2015 AEC ALE TIC Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular, ALE (atividades lúdico-expressivas)

Leia mais

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos

Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Carta do Conselho da Europa sobre a Educação para a Cidadania Democrática e a Educação para os Direitos Humanos Introdução A educação desempenha um papel essencial na promoção dos valores fundamentais

Leia mais

Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3

Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3 Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3 A LEGO Education tem o prazer de trazer até você a edição para tablet do Software LEGO MINDSTORMS Education EV3 - um jeito divertido

Leia mais

BRIP. Índice. I Que recursos digitais tenho à minha disposição e de que forma os posso utilizar? 05

BRIP. Índice. I Que recursos digitais tenho à minha disposição e de que forma os posso utilizar? 05 BRIP Índice I Que recursos digitais tenho à minha disposição e de que forma os posso utilizar? 05 1 Aulas interativas 05 2 E-manuais 09 Temas 09 Pesquisa global de Recursos Educativos Digitais 11.1 Pesquisa

Leia mais

LeYa Educação Digital

LeYa Educação Digital Índice 1. Conhecer o 20 Aula Digital... 4 2. Registo no 20 Aula Digital... 5 3. Autenticação... 6 4. Página de entrada... 7 4.1. Pesquisar um projeto... 7 4.2. Favoritos... 7 4.3. Aceder a um projeto...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3. PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.º CICLOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2017 O Projeto Plurianual de Atividades do Agrupamento de Escolas Sophia de Mello

Leia mais

Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável

Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável Janeiro/2009 1. Introdução A introdução de alimentos na dieta da criança após os seis meses de idade tem a função de complementar as

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2 / 3 DE MARTIM DE FREITAS TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 2014 / 2015

ESCOLA BÁSICA 2 / 3 DE MARTIM DE FREITAS TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 2014 / 2015 TIC Tecnologias de informação e comunicação - Ano lectivo de 204 / 205 SUBDOMÍNIO CC8.. CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO ADEQU ADA E SEGURA DE DIFERENTES TIPOS DE FERRAMENTAS DE COMUNICAÇÃO, DE ACORDO COM AS

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Contextualização: Esta planificação vem ao encontro das necessidades das crianças e das Educadoras.

Contextualização: Esta planificação vem ao encontro das necessidades das crianças e das Educadoras. Centro de Competências de Ciências Sociais 1º Ciclo de Educação Básica Unidade Curricular de Iniciação à Prática Profissional VI Escola Básica do 1º Ciclo com Pré-Escolar da Fonte da Rocha Contextualização:

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a Doctor Who M

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

Como funciona o site treinamento técnico ON-LINE?

Como funciona o site treinamento técnico ON-LINE? Manual do Usuário INSTRUÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DO TREINAMENTO ON LINE A ATIC Tecnologia do Brasil Ltda. com o objetivo de atender aos seus diversos clientes, oferece treinamentos EAD - Educação a Distância

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

GUIÃO DO PROFESSOR BRINCAR CIÊNCIA. As profissões. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor

GUIÃO DO PROFESSOR BRINCAR CIÊNCIA. As profissões. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor GUIÃO DO PROFESSOR BRINCAR CIÊNCIA Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor As profissões Introdução Preparação da visita A Casa Inacabada é um dos espaços que faz parte da exposição

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Clube Web 2.0. Biblioteca Escolar. PROPONENTES: - Maria José Domingues - Marta Medeiros MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

Clube Web 2.0. Biblioteca Escolar. PROPONENTES: - Maria José Domingues - Marta Medeiros MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. ANTÓNIO GRANJO Biblioteca Escolar Clube Web 2.0 PROPONENTES: - Maria José Domingues - Marta Medeiros Ano letivo 2012-2013 Introdução Hoje é tido

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

Aplicativos gratuitos de ensino de inglês para Android: breve relato de testes

Aplicativos gratuitos de ensino de inglês para Android: breve relato de testes Aplicativos gratuitos de ensino de inglês para Android: breve relato de testes 1 CASTRO, Carlos Henrique Silva de. 1 Considerações Iniciais Há algum tempo os telefones móveis são usados para diversas outras

Leia mais

Linguagens oral/escrita/ digital

Linguagens oral/escrita/ digital Linguagens oral/escrita/ digital Linguagem oral -Aquisição universal sem ensino formal A partir do contacto com falantes, os seres humanos dispõem de potencialidades genéticas para formar mecanismos cerebrais

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

DOMÍNIO/SUBDOMÍNIOS/ METAS Subdomínio: Conhecimento e utilização

DOMÍNIO/SUBDOMÍNIOS/ METAS Subdomínio: Conhecimento e utilização Comunicação e Colaboração Planificação da Disciplina de Planificação Semestral DOMÍNIO/SUBDOMÍNIOS/ METAS Subdomínio: Conhecimento e utilização OBJETIVOS Explorar sumariamente diferentes ferramentas e

Leia mais

AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2014/2015 AEC ALE LIGAÇÃO DA ESCOLA COM O MEIO Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM

CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM CONTRIBUIÇÕES DA LEITURA NA FORMAÇÃO DO CIDADÃO: EXEMPLOS QUE INCENTIVAM CARRENHO, Silvanira migliorini 1 KIMURA, Marcia Regina de Souza 1 VEGAS, Dirce Aparecida Izidoro 1 ANTONIO, Fernanda Peres 2 RESUMO

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

REUNIÃO DE PAIS INGLÊS 1º, 2º, 3º anos Teachers: Bianca e Ligia

REUNIÃO DE PAIS INGLÊS 1º, 2º, 3º anos Teachers: Bianca e Ligia REUNIÃO DE PAIS INGLÊS 1º, 2º, 3º anos Teachers: Bianca e Ligia ASSESSORIA TARGET IDIOMAS Especialização em línguas estrangeiras Referências: construtivismo e aprendizado de idiomas em contextos multilíngues

Leia mais

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Boas práticas na utilização de plataformas de aprendizagem colaborativa como modo de incentivar a criatividade e identificar boas práticas no setor da metalúrgica Relatório

Leia mais

MANUAL DO CURSO Normas Internacionais de Auditoria

MANUAL DO CURSO Normas Internacionais de Auditoria MANUAL DO CURSO ÍNDICE ENQUADRAMENTO DESCRIÇÃO DESTINATÁRIOS OBJETIVOS ESTRUTURA E DURAÇÃO AUTORES FUNCIONAMENTO E METODOLOGIA DO CURSO AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO PORTAL E CONTEÚDOS MULTIMÉDIA PORTAL ORDEM

Leia mais

Faça a gestão da sua base de clientes com o Gestix.

Faça a gestão da sua base de clientes com o Gestix. Gerir Clientes no Gestix A Ficha de Cliente Faça a gestão da sua base de clientes com o Gestix. O Gestix oferece-lhe diversas formas de conhecer e acompanhar os seus clientes. Explore-o como uma poderosa

Leia mais

Leitura e Literatura

Leitura e Literatura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAB Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para Educação BásicaB Leitura e Literatura Dia e Semana Nacional da Leitura

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita I n t e r v e n ç ã o E d u c a t i v a O acompanhamento musical do canto e da dança permite enriquecer e diversificar a expressão musical. Este acompanhamento pode ser realizado pelas crianças, pelo educador

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

2-6 anos Oo CATCGAM_20141558_CP.indd 1 5/9/14 10:48 AM

2-6 anos Oo CATCGAM_20141558_CP.indd 1 5/9/14 10:48 AM 2-6 Oo É através da ação e das interações com os outros que a criança explora o mundo que a rodeia e vai construindo as suas aprendizagens. Torna-se, por isso, importante criar e estimular diferentes experiências

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

Aprender a Educar Programa para Pais

Aprender a Educar Programa para Pais Aprender a Educar Programa para Pais 9ª Edição 2013 Ser Pai e Mãe é um desafio constante! O Programa APRENDER A EDUCAR é uma iniciativa da Faculdade de Educação e Psicologia da Universidade Católica Portuguesa

Leia mais

1. Identificação 2. Contextualização/Caracterização do grupo/justificação da planificação 1

1. Identificação 2. Contextualização/Caracterização do grupo/justificação da planificação 1 1. Identificação Agrupamento de Escolas Zona Urbana de Viseu Nº de crianças e idades abrangidas: 20 (3 aos 6 anos) Ano letivo: 2012/2013 2. Contextualização/Caracterização do grupo/justificação da planificação

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

Expressão Musical II. Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013. Docente: António Neves

Expressão Musical II. Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013. Docente: António Neves Universidade De Trás-Os-Montes e Alto Douro Educação Básica 1ºano,2ºsemestre,2012/1013 Expressão Musical II Docente: António Neves Discente: Ana Matos nº 53184 A música e o som, enquanto energia, estimulam

Leia mais

Metas de Aprendizagem Pré-escolar Expressões. Introdução

Metas de Aprendizagem Pré-escolar Expressões. Introdução Metas de Aprendizagem Pré-escolar Expressões Introdução A apresentação das metas para as Expressões baseia-se nas Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar integrando, as Expressões Motora.

Leia mais