TERMO DE REFERÊNCIA PRELIMINAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERMO DE REFERÊNCIA PRELIMINAR"

Transcrição

1 TERMO DE REFERÊNCIA PRELIMINAR SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM APL OBSERVATÓRIO BRASILEIRO DE APLS: O MAPA DA PRODUÇÃO NO PAÍS Agosto de 2010 CONTEXTO Os Arranjos Produtivos Locais têm atraído crescente atenção de acadêmicos, governos e organizações internacionais, evidenciando as possibilidades inerentes à utilização de políticas de desenvolvimento regional e fazendo evoluir o conceito de aglomerado produtivo. Que, de um conceito mais restrito de distrito industrial evoluiu para uma denominação mais geral - agrupamentos ou aglomerados industriais, arranjos ou sistemas produtivos locais, cooperação entre empresas, complexos mais ou menos intercambiáveis e cluster. Denominação essa que envolve todo tipo de aglomeração de atividades geograficamente concentradas e setorialmente especializadas, independente do tamanho das unidades produtivas e da atividade econômica desenvolvida. Assim, a geração de ambientes especializados setorialmente e o desenvolvimento e fortalecimento de instituições que propiciem integração e coesão espacial, dentro da região e entre as demais regiões do País, paralelamente ao incentivo à agilidade, flexibilidade e eficiência das firmas que lá operam, visando torná-las competitivas globalmente, a partir do local, retoma a valorização da localização, porém com impactos diversos. A ênfase na base local da empresa deriva da importância dada ao conjunto de habilidades, especializações, fornecedores e instituições locais que tornam certas localizações centros de inovação em setores específicos. Nos últimos anos o Governo Federal vêm apoiando os Arranjos Produtivos Locais em sua estruturação e crescimento, destacando-se as seguintes medidas: Incorporação do tema no âmbito do PPA , e, posteriormente, ; Instituição do Grupo de Trabalho Permanente para Arranjos Produtivos Locais GTP APL, pela Portaria Interministerial nº 200 de 03/08/04, reeditada em 24/10/2005, no âmbito da Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior PITCE; e Inclusão na Política de Desenvolvimento Produtivo PDP, do destaque estratégico Regionalização, visando à descentralização espacial da produção e do emprego qualificado em regiões menos desenvolvidas do País, com foco em ações articuladas à Política Nacional de Arranjos Produtivos Locais. Como resultado desse esforço, foram identificados, em todo o País, 957 Arranjos Produtivos Locais, dos quais 267 foram priorizados, pelo Governo Federal e Núcleos Estaduais de Apoio, para atuação integrada do Grupo de Trabalho. 120 aglomerados apresentaram seus Planos de Desenvolvimento, totalizando a proposição de mais de ações a realizar. JUSTIFICATIVA É inegável o avanço que a concepção de Arranjos Produtivos Locais (APLs) teve para a construção de arcabouços institucionais, programas de desenvolvimento e até de novas predisposições cognitivas de atores sobre a relação entre o espaço e o desenvolvimento. Esse movimento decorre, em grande parte, da falência da concepção de implementação de estratégias de desenvolvimento top-down. Todavia, se, por um lado, modelos estruturais tradicionais não têm mais fôlego para projetar um processo de longo prazo

2 de desenvolvimento, por outro, ainda se carece de uma maior interação de atores públicos e privados na formulação de instrumentos e implementação de ações nesta nova abordagem. Do ponto de vista da articulação pública, a ampla institucionalidade dos municípios, dos estados e da União funciona de maneira desarticulada. Esse policentrismo decisório, resultado de iniciativas paralelas, superpostas e organizadas em arcabouços teóricos de intervenção distintos, demonstrou a necessidade de inovações institucionais de capacidade coordenativa. O mesmo pode-se dizer das agências de desembolso, nacionais e internacionais, que apóiam os programas governamentais: a multiplicidade de critérios de financiamento e as iniciativas de execução delas levam ainda mais complexidade às iniciativas de apoio ao desenvolvimento local no Brasil. A falta de parâmetros pelos quais haja uma convergência das expectativas e ações dos atores traz obstáculos à efetividade das iniciativas voltadas ao fomento da competitividade dos APLs. O elevado grau de fragmentação dos atores exige mecanismos de coordenação lateral, ferramentas essenciais para se evitar superposições e desperdício de recursos. Destaque-se que, essa fragmentação também se dá na falta de léxico e de arcabouço teórico convergente, ocasionando demorados processos de pactuação para a redução de conflitos. Assim, do ponto de vista tático, um primeiro passo para a consolidação de uma Política Nacional de APLs é a sistematização das iniciativas existentes para APLs no Brasil, com o mapeamento dos atores e a construção de uma rede de apoio sociedade, parlamento, órgãos de fomento e fazendários, associações empresariais. O segundo passo é a discussão do marco geral da política, com um rascunho básico que possa ser trabalhado dentro dos eixos GTP/APL e núcleos estaduais. A construção de um sistema integrado de gestão de conhecimento em APLs, como forma de difundir pesquisas e boas práticas, acompanhar e avaliar projetos, aumentar a eficiência e evitar a superposição e falta de coordenação entre as iniciativas governamentais e privadas, coloca-se como estratégico na estruturação sistêmica de uma Política Nacional de Apoio aos APLs. Ainda, a Portaria Interministerial nº 200/04, assinada pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Ministério da Ciência e Tecnologia e Ministério da Integração Nacional, em seu artigo Art. 1º, define como atribuição do grupo de Trabalho Permanente para Arranjos Produtivos Locais: d) construir sistema de informações para o gerenciamento das ações a que se refere a alínea anterior. A criação de um sistema capaz desse Sistema objetiva instrumentalizar a Política e o modelo de gestão multissetorial para as ações do Governo Federal no apoio ao fortalecimento de arranjos produtivos locais proposto pelo Grupo; de um instrumento de acompanhamento da atuação do Governo Federal, e demais instituições parceiras, no apoio ao fortalecimento de arranjos produtivos locais, bem como de disseminação de todo o conhecimento produzido ao longo de sua trajetória. Para a realização desse projeto, é essencial a construção de uma parceria estratégica com instituições que agreguem, ao mesmo tempo, capacidade operacional de desembolso, para viabilização de projetos estruturados nessa lógica de ação pública, e experiência em construção de sistemas de gestão e monitoramente de ações, resultado de parceria entre as instituições do Grupo de Trabalho Permanente para Arranjos Produtivos Locais (GTP APL), com a sinergia de recursos e expertise. Busca-se, assim, maior articulação, principalmente, na aplicação orçamentária e integração nas intervenções nos espaços produtivos, em um modelo público-privado de apoio a APLs, apto a coordenar e sistematizar os atuais esforços dispersos em uma estratégia bottom-up. OBJETIVOS O Sistema Integrado de Gestão de Conhecimento em APLs Observatório Brasileiro de APLs - permitirá o monitoramento e a gestão das informações e dos conhecimentos produzidos/disponíveis pelos APLs, 2

3 além de promover a interação, facilitada, entre os atores produtivos e institucionais envolvidos nos aglomerados gerando, assim, negócios entre elas; viabilizar a troca, sistematizada, de informações entre os APLs; e disseminar os resultados de programas ou atividades desenvolvidos regionalmente, bem como as melhores práticas e as lições aprendidas. ATIVIDADES O Sistema deverá contemplar, no mínimo, os seguintes módulos: Módulo 1: Sistema de Monitoramento de Ações e de Indicadores: Espaço para apresentação das ações, atividades e projetos desenvolvidos pelas instituições de apoio municipais, regionais, estaduais e nacionais em cada um dos 957 APLs diagnosticados no País. Possibilitará a construção do histórico das tarefas realizadas em cada APL por todas as entidades apoiadoras. A unidade de análise é o APL e o nível de detalhamento, município e comunidades. As informações serão úteis para evitar o retrabalho e para a elaboração de políticas públicas. o Fonte: informações serão alimentadas pelos inúmeros parceiros. o Sistemas a serem integrados futuramente: Sistema de Informação da Gestão Estratégica Orientada para Resultados - SIGEOR; Sistema Nacional de Informação para o Desenvolvimento Regional SNIDR/MI; SICONV; Sistema APL do Banco do Brasil; entre outros. Mecanismo de construção do Plano de Desenvolvimento do APL on line. Espaço para acompanhamento e avaliação da atuação em APLs por meio de indicadores. Esses estão sendo construídos com o apoio de estudo em andamento realizado pela Rede de Pesquisas em Sistemas e Arranjos Produtivos e Inovativos Locais RedeSist conveniente com o MDIC. A criação de taxonomia e indicadores precisos possibilitará o diagnóstico e análise dos diversos estágios de desenvolvimento dos APLs, ajudando o processo de formulação de políticas públicas diferenciadas. Depois de finalizada a criação, indicadores e taxonomia serão integrados ao Sistema. o Indicadores e taxonomia elaborados pelo GTP APL a partir de estudos específicos. o Fonte: Banco de dados nacional (Módulo 2). Módulo 2: Banco de dados nacional de APLs (fontes primárias e secundárias sobre APLs e empreendimentos organizados em APLs): o Integração com bases de dados secundários de outras instituições governamentais: IBGE, IPEA, RAIS-CAGED, Cadastro Nacional de Empresas, e outras. Nesse sentido, deverá ser implantado mecanismo de busca com coleta de metadados, possibilitando a geração de informações dinâmicas. o Dados fornecidos pelos Núcleos Estaduais e governanças locais. o Sistemas a serem integrados ou utilizados: GeoBNDES; IpeaGEO (software livre que fornece informações georeferenciadas e pode ser customizado para o interessado); Sistema APL do Banco do Brasil; entre outros. Módulo 3: Mapeamento de APLs (construção metodológica e disponibilização de informações relevantes) Realização do mapeamento dos APLs com georeferenciamento (dados georeferenciados), tendo como exemplo a bem sucedida experiência do Observatório Europeu de Clusters. o Mapeamento, identificando os APLs por setores, por estado, por instituição, com identificação das lideranças e instituições locais. o Sistemas a serem integrados ou utilizados: GeoBNDES, com a utilização da tipologia de APLs e sua escala evolutiva, em processo de construção pela RedeSist; IpeaGEO; Sistema APL do Banco do Brasil; entre outros. Módulo 4: Redes sociais e boas práticas: Identificação e difusão de boas práticas e de modelos de desenvolvimento referenciais de APLs; para benchmarking. Objetiva-se, assim, a difusão de boas práticas, com mecanismos de replicação de experiências bem sucedidas, demonstrando os condicionantes internos e externos aos APLs que conseguiram sucesso em suas estratégias de desenvolvimento produtivo. o Mecanismo de replicação de experiências bem sucedidas, com formulário/base de dados de boas práticas, demonstrando os condicionantes internos e externos aos APLs que conseguiram sucesso 3

4 com suas estratégias de desenvolvimento produtivo. É necessária a presença, nas redes, de animadores, com escritórios virtuais customizáveis e seleção de redes de APLs pilotos. o Fonte: dados fornecidos pela governança local, Núcleos Estaduais e instituições de apoio. Módulo 5: Aprendendo sobre APLs Rede de gestão de conhecimento em clusters: Redes sociais para construção e disseminação de conhecimento em APLs, cadeias produtivas, cooperação, governança,..., por meio de palestras e cursos utilizando diversos meios de comunicação, tais como áudio, vídeos, textos, videoconferências, dentre outros. Deve envolver também, vídeos e cursos para capacitação via EAD elaborados por parceiros do GTP: RedeSist, SEBRAE, IEL, Banco do Brasil, dentre outros. Divulgação de cursos de capacitação oferecidos por outros parceiros: o Fonte: informações cedidas pelos inúmeros parceiros do GTP APL: SEBRAE, SENAI, IEL, Banco do Brasil, dentre outros. o Sistemas a serem integrados futuramente: diferentes portais que divulguem capacitações. Boletins Informativos on-line e impressos, e integração com outras ferramentas de comunicação digital, como Facebook, Orkut e Twitter necessidade de profissional para comunicação e revisão. Módulo 6: Balança comercial dos Estados: Atualização periódica e maior desagregação das informações sobre a balança comercial de cada Unidade da Federação e de sua relação com os APLs, valendo-se do estudo recentemente divulgado pelo BNDES. Módulo 7: Plataforma de divulgação de APLs (com templates): Esse subprojeto contemplaria a criação de uma vitrine eletrônica dos APLs priorizados, com espaços customizados para cada APL e empresa, com possibilidade de avançar-se para um sistema de negociação on-line seguida de rodadas de negócios. o Fonte: dados fornecidos pela governança local e empresas. Módulo 8: Biblioteca virtual: Disponibilização de papers, estudos e pesquisas sobre APLs e desenvolvimento local. Módulo 9: Mapeamento de projetos internacionais: Divulgação de projetos/instrumentos internacionais de apoio ao desenvolvimento de APLs. Divulgação das interações, cooperações, colaborações existentes entres Órgãos Internacionais de Apoio a APL e o GTP APL. o Fonte: dados fornecidos pelo GTP APL e Núcleos Estaduais e informes de organismos internacionais. Módulo 10: Mapa das oportunidades de apoio: Disponibilização de catálogo virtual dos instrumentos de apoio das instituições do GTP APL e dos Núcleos Estaduais de Apoio aos APLs, bem como apresentação da institucionalidade que cerca o tema: o Fonte: dados fornecidos pelas entidades de apoio aos APLs. o A divulgação das demandas dos arranjos e ofertas de instrumentos de apoio com a interação on line entre os atores interessados, com possibilidade de avanço para um sistema de encontro de oportunidades. o Integração com os demais portais das instituições do GTP APL, como exemplo: Rede APL Mineral (MME-MCT); Portal Inovação (ABDI-MCT); InfoRegio (MI); SEBRAE; Sistema de Conhecimento de MPEs (SEBRAE-BID); Sistema APL do Banco do Brasil; entre outros. o Suporte: Dspace. É necessário que ao final seja realizada capacitação de gestores, multiplicadores e usuários, com destaque para as facilidades disponibilizadas para os diferentes atores, além de Manual do Usuário do Sistema, e tutorial interativo, ampliando o debate com os demais órgãos de governo e entidades do setor privado envolvidos com o tema, de forma a aperfeiçoar as intervenções públicas voltadas à promoção do desenvolvimento produtivo. Importante também que o sistema possibilite a geração de newsletters contemplando as atividades e iniciativas voltadas aos APLs do País. 4

5 O conjunto dessas informações e ferramentas será disponibilizado às Governanças Locais, Núcleos Estaduais e demais instituições governamentais e não-governamentais, e deverá orientar a atuação institucional de todos os envolvidos, possibilitando, efetivamente, a atuação integrada e a reestruturação dos espaços produtivos atendidos. Por fim, como o presente projeto objetiva prover suporte operativo, tecnológico, mercadológico e metodológico, à implementação das ações no âmbito da Política Nacional de APLs, deverá contar com equipe de apoio contínuo (escritório de negócios) durante e após sua implementação. Essa equipe ficará responsável pelas atualizações e acréscimos de conteúdos, bem como acompanhamento das funcionalidades do Sistema. DAS ETAPAS DO PROJETO ETAPA 1: 1) Atividades: Módulo 1: Sistema de Monitoramento de Ações e de Indicadores: Apresentação das ações, atividades e projetos desenvolvidos pelas instituições de apoio municipais, regionais, estaduais e nacionais, contemplando 27 APLs diagnosticados no País. o Fonte: informações serão alimentadas pelos inúmeros parceiros. Mecanismo de construção do Plano de Desenvolvimento do APL on line. Monitoramento e avaliação da atuação em 27 APLs por meio de indicadores. Esses indicadores estão sendo construídos com o apoio de estudo em andamento realizado pela Rede de Pesquisas em Sistemas e Arranjos Produtivos e Inovativos Locais RedeSist convenente com o MDIC. Depois de finalizada a criação, indicadores e taxonomia serão integrados ao Sistema. o Indicadores e taxonomia elaborados pelo GTP APL a partir de estudos específicos. o Fonte: Banco de dados nacional (Módulo 2). Módulo 2: Banco de dados nacional de APLs (fontes primárias e secundárias sobre APLs e empreendimentos organizados em APLs): o Integração com bases de dados secundários de outras instituições governamentais: IBGE, IPEA, RAIS-CAGED, Cadastro Nacional de Empresas, Sistema APL do Banco do Brasil e outras. o Dados fornecidos pelos Núcleos Estaduais e governanças locais. Módulo 3: Mapeamento de APLs (construção metodológica e disponibilização de informações relevantes) Realização do mapeamento dos APLs com georeferenciamento, tendo como exemplo a bem sucedida experiência do Observatório Europeu de Clusters. o Mapeamento, identificando os APLs por setores, por estado, por instituição, com identificação das lideranças e instituições locais. o Sistemas a serem integrados ou utilizados: GeoBNDES, com a utilização da tipologia de APLs e sua escala evolutiva, em processo de construção pela RedeSist; IpeaGEO; Sistema APL do Banco do Brasil; entre outros. Módulo 4: Redes sociais e boas práticas: Identificação e difusão de boas práticas e de modelos de desenvolvimento referenciais de APLs; para benchmarking. o Mecanismo de replicação de experiências bem sucedidas, demonstrando os condicionantes internos e externos aos APLs que conseguiram sucesso com suas estratégias de desenvolvimento produtivo. Módulo 5: Aprendendo sobre APLs Rede de gestão de conhecimento em clusters: Boletins Informativos on-line e impressos necessidade de profissional para comunicação e revisão. Módulo 6: Balança comercial dos Estados: Migração das informações relativas sobre a balança comercial de cada Unidade da Federação e de sua relação com os APLs, valendo-se do estudo recentemente divulgado pelo BNDES. 5

6 Módulo 7: Plataforma de divulgação de APLs (com templates): Esse subprojeto contempla a criação de uma vitrine eletrônica dos APLs priorizados, com espaços customizados para cada APL e empresa, para 27 APLs. o Fonte: dados fornecidos pela governança local e empresas. Módulo 8: Biblioteca virtual: Disponibilização de papers, estudos e pesquisas sobre APLs e desenvolvimento local. Módulo 9: Mapeamento de projetos internacionais: Divulgação de projetos/instrumentos internacionais de apoio ao desenvolvimento de APLs. Divulgação das interações, cooperações, colaborações existentes entres Órgãos Internacionais de Apoio a APL e o GTP APL. o Fonte: dados fornecidos pelo GTP APL e Núcleos Estaduais e informes de organismos internacionais. Módulo 10: Mapa das oportunidades de apoio: Disponibilização de catálogo virtual dos instrumentos de apoio das instituições do GTP APL, e apresentação da institucionalidade que cerca o tema: o Fonte: dados fornecidos pelas entidades de apoio aos APLs. o A divulgação das demandas dos arranjos e ofertas de instrumentos de apoio com a interação on line entre os atores interessados, com um sistema de encontro de oportunidades. o Suporte: Dspace. Para tal, o Sistema contará com equipe de apoio contínuo (escritório de negócios) durante sua implementação. Essa equipe deve ser responsável pelas atualizações e acréscimos de conteúdos, bem como acompanhamento das funcionalidades do Sistema. 2) Cronograma Esta etapa terá a duração de 6 meses, com previsão de apresentação dos resultados iniciais em 30 de novembro de ) Viabilização Financeira O financiamento dessa etapa será viabilizado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e Ministério de Ciência e Tecnologia, por meio de Destaque Orçamentário ao IBICT. ETAPA 2: Módulo 1: Sistema de Monitoramento de Ações e de Indicadores: Apresentação das ações, atividades e projetos desenvolvidos pelas instituições de apoio municipais, regionais, estaduais e nacionais em 400 APLs no País. Possibilitando a construção do histórico das tarefas realizadas em cada APL por todas as entidades apoiadoras. o Fonte: informações serão alimentadas pelos inúmeros parceiros. o Sistemas a serem integrados: Sistema de Informação da Gestão Estratégica Orientada para Resultados - SIGEOR; Sistema Nacional de Informação para o Desenvolvimento Regional SNIDR/MI; SICONV; Sistema APL do Banco do Brasil; entre outros. Inserção do Plano de Desenvolvimento do APL on line dos APLs diagnosticados. Monitoramento e avaliação da atuação em APLs por meio de indicadores em 400 APLs, possibilitando o diagnóstico e análise dos diversos estágios de desenvolvimento dos APLs. o Indicadores e taxonomia elaborados pelo GTP APL a partir de estudos específicos. o Fonte: Banco de dados nacional (Módulo 2). Módulo 2: Banco de dados nacional de APLs: o Integração com bases de dados secundários de outras instituições governamentais: IBGE, IPEA, RAIS-CAGED, Cadastro Nacional de Empresas, Sistema APL do Banco do Brasil e outras. o Dados fornecidos pelos Núcleos Estaduais e governanças locais. 6

7 Módulo 3: Mapeamento de APLs: Mapeamento dos APLs com georeferenciamento. o Mapeamento, identificando 400 APLs por setores, por estado, por instituição, com identificação das lideranças e instituições locais. o Sistemas a serem integrados ou utilizados: GeoBNDES, com a utilização da tipologia de APLs e sua escala evolutiva, em processo de construção pela RedeSist; IpeaGEO; Sistema APL do Banco do Brasil; entre outros. Módulo 5: Aprendendo sobre APLs Rede de gestão de conhecimento em clusters: Boletins Informativos on-line e impressos (newsletters) necessidade de profissional para comunicação e revisão. Módulo 6: Balança comercial dos Estados: Atualização e maior desagregação das informações sobre a balança comercial de cada Unidade da Federação e de sua relação com os APLs, valendo-se do estudo recentemente divulgado pelo BNDES. Módulo 7: Plataforma de divulgação de APLs (com templates): Criação de uma vitrine eletrônica de 400 APLs, com espaços customizados para cada APL e empresa. o Fonte: dados fornecidos pela governança local e empresas. Módulo 8: Biblioteca virtual: Disponibilização continua de papers, estudos e pesquisas sobre APLs e desenvolvimento local. Módulo 9: Mapeamento de projetos internacionais: Divulgação continua de projetos/instrumentos internacionais de apoio ao desenvolvimento de APLs. Divulgação continua das interações, cooperações, colaborações existentes entres Órgãos Internacionais de Apoio a APL e o GTP APL. o Fonte: dados fornecidos pelo GTP APL e Núcleos Estaduais e informes de organismos internacionais. Módulo 10: Mapa das oportunidades de apoio: Disponibilização e atualização de catálogo virtual dos instrumentos de apoio das instituições do GTP APL e dos Núcleos Estaduais de Apoio aos APLs, e apresentação da institucionalidade que cerca o tema: o Fonte: dados fornecidos pelas entidades de apoio aos APLs. o Integração com os demais portais das instituições do GTP APL, como exemplo: Rede APL Mineral (MME-MCT); Portal Inovação (ABDI-MCT); InfoRegio (MI); SEBRAE; Sistema de Conhecimento de MPEs (SEBRAE-BID); Sistema APL do Banco do Brasil; entre outros. o Suporte: Dspace. No escopo do projeto será realizada capacitação de gestores, multiplicadores e usuários, ligados ao IBICT e as instituições do GTP APL, com destaque para as facilidades disponibilizadas para os diferentes atores, além de Manual do Usuário do Sistema, e Tutorial Interativo disponibilizado no Portal, ampliando o debate com os demais órgãos de governo e entidades do setor privado envolvidos com o tema, de forma a aperfeiçoar as intervenções públicas voltadas à promoção do desenvolvimento produtivo. Durante os 18 meses das etapas 1 e 2, com o objetivo de prover suporte operativo, tecnológico, mercadológico e metodológico, à implementação das ações no âmbito da Política Nacional de APLs, o projeto contara com equipe de apoio contínuo (escritório de negócios). Essa equipe ficará responsável pelas atualizações e acréscimos de conteúdos, e acompanhamento das funcionalidades do Sistema. 2) Cronograma Esta etapa terá a duração de 12 meses, na continuidade da Etapa 1. 3) Viabilização Financeira O financiamento dessa etapa será viabilizado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e Ministério de Ciência e Tecnologia, por meio de Destaque Orçamentário ao IBICT. 7

8 ETAPA 3: Módulo 4: Redes sociais e boas práticas: Identificação e difusão de boas práticas e de modelos de desenvolvimento referenciais de APLs; para benchmarking. Objetiva-se, assim, a difusão de boas práticas, com mecanismos de replicação de experiências bem sucedidas, demonstrando os condicionantes internos e externos aos APLs que conseguiram sucesso em suas estratégias de desenvolvimento produtivo. o Disponibilização de animadores com escritório virtual e seleção de redes de APLs pilotos. o Fonte: dados fornecidos pela governança local, Núcleos Estaduais e instituições de apoio. Módulo 5: Aprendendo sobre APLs Rede de gestão de conhecimento em clusters: Redes sociais para construção e disseminação de conhecimento em APLs, cadeias produtivas, cooperação, governança,..., por meio de palestras e cursos utilizando diversos meios de comunicação, tais como áudio, vídeos, textos, videoconferências, dentre outros. Deve envolver também, vídeos e cursos para capacitação via EAD elaborados por parceiros do GTP: RedeSist, SEBRAE, IEL, Sistema APL do Banco do Brasil, entre outros. Divulgação de cursos de capacitação oferecidos por outros parceiros: o Fonte: informações cedidas pelos inúmeros parceiros do GTP APL: SEBRAE, SENAI, IEL, Banco do Brasil, dentre outros. o Sistemas a serem integrados futuramente: diferentes portais que divulguem capacitações. Módulo 7: Plataforma de divulgação de APLs (com templates): Sistema de negociação on-line seguida de rodadas de negócios virtuais em conexão com a vitrine eletrônica dos APLs, com espaços customizados para cada APL e empresa. o Fonte: dados fornecidos pela governança local e empresas. Comunicação e Capacitação dos Usuários: Capacitação de gestores, multiplicadores e usuários nos estados, com destaque para as facilidades disponibilizadas para os diferentes atores, além de Manual do Usuário do Sistema, e tutorial interativo, ampliando o debate com órgãos de governo e entidades do setor privado envolvidos com o tema nos estados, de forma a aperfeiçoar as intervenções públicas voltadas à promoção do desenvolvimento produtivo. Publicação, para divulgação e orientação aos usuários, do Manual do Usuário do Sistema para distribuição aos participantes das capacitações e demais stakeholders, com tiragem de exemplares, em cd e impresso. Impressão de material informativo folders e cartilhas sobre o Sistema Integrado de Gestão do Conhecimento para promover os acessos ao Portal. Realização de seminários regionais/estaduais visando a inserção de informações no Sistema Integrado de Gestão do Conhecimento em APLs. As informações geradas nessa etapa serão migradas para o Sistema. Contudo, durante sua implementação funcionara como uma Unidade de Negócios independente. 2) Cronograma Esta etapa deve ter a duração de 18 meses, ocorrendo paralelamente as etapas 1 e 2. Seus resultados consistem no fornecimento de conteúdo do Sistema cujos mecanismos e plataformas estão sendo desenvolvidos nas etapas 1 e 2. 3) Viabilização Financeira O financiamento dessa etapa deve ser viabilizado pelas instituições parceiras do GTP APL que tenham se manifestado favorável, podendo desenvolver-se com Escritório de Negócios independente, ou como projetos isolados de cada uma das instituições. Pode assim contemplar recursos econômicos e/ou financeiros. ETAPA 4: 8

9 Módulo 1: Sistema de Monitoramento de Ações e de Indicadores: Apresentação das ações, atividades e projetos desenvolvidos pelas instituições de apoio municipais, regionais, estaduais e nacionais em 600 APLs no País. Possibilitando a construção do histórico das tarefas realizadas em cada APL por todas as entidades apoiadoras. o Fonte: informações serão alimentadas pelos inúmeros parceiros. Construção do Plano de Desenvolvimento do APL on line. Monitoramento e avaliação da atuação em APLs por meio de indicadores. o Indicadores e taxonomia elaborados pelo GTP APL a partir de estudos específicos. o Fonte: Banco de dados nacional (Módulo 2). Módulo 2: Banco de dados nacional de APLs: o Integração com bases de dados secundários de outras instituições governamentais: IBGE, IPEA, RAIS-CAGED, Cadastro Nacional de Empresas, Sistema APL do Banco do Brasil, e outras. o Atualização continua dos dados fornecidos pelos Núcleos Estaduais e governanças locais. Módulo 3: Mapeamento de APLs (construção metodológica e disponibilização de informações relevantes) Realização do mapeamento de 600 APLs com georeferenciamento. o Mapeamento, identificando os APLs por setores, por estado, por instituição, com identificação das lideranças e instituições locais. Módulo 4: Redes sociais e boas práticas: Identificação e difusão de boas práticas e de modelos de desenvolvimento referenciais de APLs; para benchmarking. o Disponibilização de animadores com escritório virtual e seleção de redes de APLs pilotos. o Fonte: dados fornecidos pela governança local, Núcleos Estaduais e instituições de apoio. Módulo 5: Aprendendo sobre APLs Rede de gestão de conhecimento em clusters: Disponibilização continua de palestras e cursos utilizando diversos meios de comunicação, tais como áudio, vídeos, textos, videoconferências, dentre outros, bem como vídeos e cursos para capacitação via EAD. Divulgação continua de cursos de capacitação oferecidos por outros parceiros: o Fonte: informações cedidas pelos inúmeros parceiros do GTP APL: SEBRAE, SENAI, IEL, Banco do Brasil, dentre outros. o Sistemas a serem integrados futuramente: diferentes portais que divulguem capacitações. Boletins Informativos on-line e impressos (newsletter), com profissional para comunicação e revisão. Módulo 6: Balança comercial dos Estados: Atualização periódica e desagregação das informações sobre a balança comercial de cada Unidade da Federação e de sua relação com os APLs, valendo-se do estudo recentemente divulgado pelo BNDES. Módulo 7: Plataforma de divulgação de APLs (com templates): Criação de vitrine eletrônica de 500 APLs, com espaços customizados para cada APL e empresa, com possibilidade de avançar-se para um sistema de negociação on-line seguida de rodadas de negócios. o Fonte: dados fornecidos pela governança local e empresas. Módulo 8: Biblioteca virtual: Disponibilização continua de papers, estudos e pesquisas sobre APLs e desenvolvimento local. Módulo 9: Mapeamento de projetos internacionais: Divulgação continua de projetos/instrumentos internacionais de apoio ao desenvolvimento de APLs. Divulgação continua das interações, cooperações, colaborações existentes entres Órgãos Internacionais de Apoio a APL e o GTP APL. o Fonte: dados fornecidos pelo GTP APL e Núcleos Estaduais e informes de organismos internacionais. Módulo 10: Mapa das oportunidades de apoio: 9

10 Atualização continua do catálogo virtual dos instrumentos de apoio das instituições do GTP APL e dos Núcleos Estaduais de Apoio aos APLs, bem como apresentação da institucionalidade que cerca o tema: o Fonte: dados fornecidos pelas entidades de apoio aos APLs. o A divulgação das demandas dos arranjos e ofertas de instrumentos de apoio com a interação on line entre os atores interessados, com possibilidade de avanço para um sistema de encontro de oportunidades. o Integração continua com os demais portais das instituições do GTP APL. Comunicação e Capacitação: Capacitação continua de gestores, multiplicadores e usuários nos estados, com destaque para as facilidades disponibilizadas para os diferentes atores, além de Manual do Usuário do Sistema, e tutorial interativo, ampliando o debate com órgãos de governo e entidades do setor privado envolvidos com o tema nos estados, de forma a aperfeiçoar as intervenções públicas voltadas à promoção do desenvolvimento produtivo. Atualização e edição do Manual do Usuário do Sistema para distribuição aos participantes das capacitações e demais stakeholders. Impressão, quando necessário, de material informativo folders e cartilhas sobre o Sistema Integrado de Gestão do Conhecimento para promover os acessos ao Portal. Realização de seminários regionais/estaduais visando a inserção de informações no Sistema Integrado de Gestão do Conhecimento em APLs. Como o presente projeto objetiva prover suporte operativo, tecnológico, mercadológico e metodológico, à implementação das ações no âmbito da Política Nacional de APLs, deverá contar com equipe de apoio contínuo (escritório de negócios) durante e após sua implementação. Essa equipe ficará responsável pelas atualizações e acréscimos de conteúdos, bem como acompanhamento das funcionalidades do Sistema. 2) Cronograma Esta etapa deve ter a duração de 18 meses, ocorrendo na seqüência das etapas 1 e 2, com vistas a contemplar os APLs identificados no Pais e cujas informações ainda não foram disponibilizadas no Sistema. Seus resultados consistem na ampliação do escopo e na atualização das informações do Sistema, cujos mecanismos e plataformas, bem como os dados de parte importante dos APLs já foram disponibilizados nas etapas anteriores. Deve-se também destacar a importância da continuidade na produção de conteúdo para o Sistema. 3) Viabilização Financeira O financiamento dessa etapa deve ser viabilizado pelas instituições parceiras do GTP APL que tenham se manifestado favorável, podendo desenvolver-se com Escritórios de Negócios independentes, ou como projetos isolados de cada uma das instituições, contemplando recursos econômicos e/ou financeiros. FASES DO PROJETO Cada uma das etapas contemplara as seguintes fases: Concepção e Elaboração; Construção e Teste; Transição e Encerramento; e Capacitação dos Usuários do Portal, descritas a seguir: Fase I - Concepção e Elaboração da Proposta do Portal: Aprofundamento do conhecimento do negócio através da identificação de todos os casos de uso e elaboração de planos de gerenciamento do projeto. Fase II - Construção e Teste do Portal: Construção do sistema, inserção das informações sobre os APLs e testes do sistema. Pode-se destacar como objetivos principais desta fase: Revisar Modelo Conceitual e Plano do Projeto; Elaborar documentação de suporte ao usuário; e Construir, testar e obter a homologação do sistema. Fase III - Transição e Encerramento: Disponibilização do sistema em produção e finalização do projeto. Pode-se destacar como objetivos principais desta fase: Executar o Plano de Implantação; 10

11 Elaborar o Manual para os usuários do Portal; e Finalizar a concepção do portal. Serão criados os seguintes artefatos de projeto: Cronograma para acompanhamento; Wire-Frame para validação das telas/funcionalidades do portal; Especificação dos requisitos (caso de uso); Plano de Teste; e Manual de instalação do produto. Fase IV - Capacitação dos Usuários do Portal: Nesta fase, serão feitas as capacitações teórica e prática dos gestores, multiplicadores e usuários do sistema. Serão desenvolvidos nessa fase: Elaboração e validação do tutorial; Planos de capacitação e respectivo material; e Capacitação e avaliação do sistema. Fase V Elaboração e Apresentação dos Relatórios Técnicos Finais. PROPRIEDADE INTELECTUAL O Portal será de propriedade das instituições do Grupo de Trabalho Permanente para Arranjos Produtivos Locais, e as informações neles contidas serão disponibilizadas ao público, sendo livre seu acesso e utilização, de acordo com o perfil do usuário nos Sistemas que o compõem. RESULTADOS ESPERADOS Os resultados esperados ao final deste contrato são: Sistema Integrado de Gestão do Conhecimento em APLs: O Mapa da Produção no Brasil, concebido e validado; Informações sobre os Arranjos Produtivos Locais existentes no País disponibilizadas ao público; Ferramenta de monitoramento de ações e acompanhamento de indicadores em execução; Capacitação de ao menos 02 representantes de cada UF na utilização do Portal, bem como de representantes das Instituições do GTP APL; Disponibilização de tutorial interativo para utilização do Portal; e Elaboração e impressão de cópias do Manual do Usuário do Portal, em cd, com menu básico para sua utilização. MECANISMOS DE AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS Plano de gerenciamento do projeto, contendo a proposta para o Portal; Versão preliminar do Sistema e respectiva documentação do usuário; Versão final do Portal e Manual do usuário; Capacitações teórica e prática dos gestores e usuários do sistema, envolvendo Plano de capacitação e Material para capacitação. 11

PROJETO BÁSICO PRELIMINAR 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS 5ª CB APL 08 A 10 DE NOVEMBRO DE 2011

PROJETO BÁSICO PRELIMINAR 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS 5ª CB APL 08 A 10 DE NOVEMBRO DE 2011 PROJETO BÁSICO PRELIMINAR 5ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS 5ª CB APL 08 A 10 DE NOVEMBRO DE 2011 Nos últimos anos, é inegável o avanço que a concepção de Arranjos Produtivos Locais

Leia mais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais

Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais 1 POLÍTICA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Termo de Referência para Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais Versão para Discussão do GT Interministerial

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional Programa 0757 Gestão da Política de Integração Objetivo Apoiar o planejamento, avaliação e controle dos programas da área de integração nacional. Público Alvo Governo Ações Orçamentárias Indicador(es)

Leia mais

GOVERNANÇA E COOPERAÇÃO

GOVERNANÇA E COOPERAÇÃO Reunião Plenária do GTP-APL GOVERNANÇA E COOPERAÇÃO Brasília, 19 de agosto de 2010 SEBRAE Governança Envolve uma rede de diferentes agentes - governos, instituições financeiras, instituições de ensino

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico SIBRATEC Instituído por meio do Decreto 6.259, de 20 de novembro de 2007 e complementado pela Resolução do Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008, para atender as demandas específicas de

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ASSOCIAÇÃO DAS EMPRESAS BRASILEIRAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, SOFTWARE E INTERNET ASSESPRO REGIONAL PARANÁ LUÍS MÁRIO LUCHETTA DIRETOR PRESIDENTE GESTÃO 2005/2008 HISTÓRICO

Leia mais

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO

OBJETIVO CARACTERIZAÇÃO OBJETIVO Incrementar a economia digital do Estado de Alagoas e seus benefícios para a economia local, através de ações para qualificação, aumento de competitividade e integração das empresas e organizações

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

Apresentação Institucional IEL/SC

Apresentação Institucional IEL/SC Apresentação Institucional IEL/SC Natalino Uggioni Joaçaba, 12 de Maio de 2014 IEL NO BRASIL O Sistema Indústria Presente nos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal, o Sistema Indústria é composto

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO PROGRAMA NACIONAL DE ESTRUTURAÇÃO DE DESTINOS TURÍSTICOS (Documento base Câmara Temática de Regionalização) Brasília, 08.02.2013 SUMÁRIO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 2 2. DIRETRIZES...

Leia mais

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência

Programa 2063 - Promoção dos Direitos de Pessoas com Deficiência Programa Momento do Programa: Momento LOA+Créditos Tipo de Programa: Temático Macrodesafio Fortalecer a cidadania Eixo Direitos da Cidadania e Movimentos Sociais R$ 50.000.000 Notas de usuário para Programa

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Objetivo: Apresentar o Modelo da BVS: conceitos, evolução, governabilidade, estágios e indicadores. Conteúdo desta aula

Leia mais

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria

Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Reunião do Fórum das Entidades Empresariais de Santa Maria Santa Maria, 15 de Outubro de 2012 Pauta: 1) Contexto da Economia Criativa no Brasil de acordo com o Plano da Secretaria da Economia Criativa

Leia mais

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012.

PROPOSTA. Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. PROPOSTA Plano de Trabalho do Comitê Temático de APLs de Base Mineral 2011/ 2012. 1 Apresentação No campo da Política Nacional de Apoio aos Arranjos Produtivos Locais (APLs), o Grupo de Trabalho Permanente

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTEIROR 3 ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTEIROR 3 ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO EXTEIROR DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DO COMÉRCIO EXTERIOR 3 ª CONFERÊNCIA BRASILEIRA DE ARRANJOS PRODUTIVOS

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável 2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014 29 de Novembro de 2014 Aveiro - Centro Cultural e de Congressos Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial FOCOS DE ATUAÇÃO Tema 8. Expansão da base industrial Para crescer, a indústria capixaba tem um foco de atuação que pode lhe garantir um futuro promissor: fortalecer as micro, pequenas e médias indústrias,

Leia mais

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública Ministério do Planejamento, Orçamento e Programa 0792 GESTÃO PÚBLICA EMPREENDEDORA Objetivo Promover a transformação da gestão pública para ampliar os resultados para o cidadão e reduzir custos. Indicador(es)

Leia mais

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE CULTURA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS"

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE CULTURA - A SANTA MARIA QUE QUEREMOS Elaborar o projeto do Plano Municipal de Projeto do Plano Projeto realizado Cultura com ampla participação dos setores da sociedade Conferência Municipal de Cultura Conferência realizada PLANILHA DE OBJETIVOS

Leia mais

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar Ambiente virtual para inovar Secti lança Portal Paraense de Inovação para conectar atores estratégicos e aumentar investimento em inovação no Pará Por Igor de Souza Ana possui uma promissora empresa de

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

Este briefing contém atividades que deverão ser desenvolvidas durante o convênio supracitado.

Este briefing contém atividades que deverão ser desenvolvidas durante o convênio supracitado. Briefing Prestação de Serviços de Comunicação e Marketing para o Instituto Nacional do Plástico Programa de Incentivo à Exportação Think Plastic Brazil Introdução Este briefing propõe e organiza as ações

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO Brasília, 28 de outubro de 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009

Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 Profª.. MSc. Silvana Pimentel de Oliveira Manaus/2009 SECT- AM: Missão e Diretrizes A SECT foi criada para formular e gerir políticas estaduais de C&T buscando articular os esforços os de fazer com que

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente)

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) COM APOIO DO: Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (UN-HABITAT) e o Programa

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Plano de Trabalho BVS Brasil https://goo.gl/d3eccm

Plano de Trabalho BVS Brasil https://goo.gl/d3eccm Plano de Trabalho BVS Brasil https://goo.gl/d3eccm Linha estratégica 1: Fortalecimento da Rede BVS Brasil Prioridade 1.1 Ampliação das alianças e das redes que atuam na informação científica e técnica

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DA CIDADANIA E DA DIVERSIDADE CULTURAL PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL Brasília, Novembro de 2014. APRESENTAÇÃO A primeira Semana

Leia mais

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil ONG BRASI 2012 O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Dezembro de 2013 3 EXPEDIENTE Presidenta

Leia mais

Programa Regionalização

Programa Regionalização Programa Regionalização Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Setembro/2010 Gestor: Henrique Villa da Costa Ferreira Secretário de Políticas de Desenvolvimento

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

PAINEL2: IMPORTÂNCIA DOSPARQUES TECNOLÓGICOS EINCUBADORAS PARA

PAINEL2: IMPORTÂNCIA DOSPARQUES TECNOLÓGICOS EINCUBADORAS PARA PAINEL2: IMPORTÂNCIA DOSPARQUES TECNOLÓGICOS EINCUBADORAS PARA ODESENVOLVIMENTOREGIONAL FÓRUMNACIONALCONSECTI PALMAS 31.03.2011 O modelo para promoção do empreendedorismo (inovador) em apoio ao desenvolvimento

Leia mais

Política de Software e Serviços

Política de Software e Serviços Política de Software e Serviços Encontro de Qualidade e Produtividade em Software - Brasília Dezembro / 2003 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Tecnologia Antenor

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Projeto de Inovação Tecnológica - (PIT) da Câmara Brasileira da Indústria da Construção. Projeto 6 Capacitação para a Inovação

Projeto de Inovação Tecnológica - (PIT) da Câmara Brasileira da Indústria da Construção. Projeto 6 Capacitação para a Inovação Projeto de Inovação Tecnológica - (PIT) da Câmara Brasileira da Indústria da Construção Projeto 6 Capacitação para a Inovação Vicente Mattos Sinduscon-BA Coordenador Geral: Equipe Técnica Vicente Mattos

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

Projeto de Apoio a Inserção Internacional de. São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009

Projeto de Apoio a Inserção Internacional de. São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009 Projeto de Apoio a Inserção Internacional de MPE s Brasileiras Calçadistas do APL de São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009 Identificar OBJETIVOS DA AÇÃO e solucionar gargalos na gestão das empresas, principalmente

Leia mais

Projeto 6 Capacitação para a Inovação

Projeto 6 Capacitação para a Inovação Projeto de Inovação Tecnológica - (PIT) da Câmara Brasileira da Indústria da Construção Projeto 6 Capacitação para a Inovação Vicente Mattos SINDUSCON-BA Equipe Técnica Coordenador Geral: Vicente Mário

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento. CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás

APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento. CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás APLs como Estratégia de Desenvolvimento: Inovação e conhecimento CNI e o Projeto de APLs Petróleo e Gás Dezembro 2013 Tópicos Cenário P&G Rede de Núcleos de P&G - CNI e Federações Desenvolvimento de APLs

Leia mais

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO PLANEJAMENTO, SEGMENTAÇÃO E AÇÕES DE PROMOÇÃO CASO ABIHPEC EIXOS ESTRATÉGICOS DO PROJETO DE (Resultado do Workshop out 2008) Objetivos Relacionados: 11 - AUMENTAR A DECLARAÇÃO

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade 1. Justificativa Geral A Declaração do Milênio deixa clara a importância da participação social ao considerar

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa O Poder Judiciário tem-se conscientizado, cada vez mais, de que se faz necessária uma resposta para a sociedade que exige uma prestação jurisdicional mais célere e

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI

SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI SELEÇÃO PROGRAMA PROCOMPI SEBRAE/CNI/FIEAC PROGRAMA DE APOIO À COMPETITIVIDADE DAS MICRO E PEQUENAS INDÚSTRIAS - PROCOMPI EDITAL DE SELEÇÃO Nº 001/2011 PERFIL: Consultoria Técnica para o Programa de Apoio

Leia mais

APL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR - PDP. Junho/2008

APL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR - PDP. Junho/2008 APL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR - PDP Junho/2008 Foco Estratégico 1.Aumento da participação de mercado com os produtos atuais. 2.Conquista e manutenção

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta o Decreto nº 7.385, de 8 de dezembro de 2010, que instituiu o Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS). Os MINISTROS

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

Desenvolvimento Territorial a partir de sistemas produtivos locais como modalidade de Política Industrial no Brasil

Desenvolvimento Territorial a partir de sistemas produtivos locais como modalidade de Política Industrial no Brasil Desenvolvimento Territorial a partir de sistemas produtivos locais como modalidade de Política Industrial no Brasil Renato Caporali Confederação Nacional da Indústria Arranjos Produtivos Locais como modalidade

Leia mais

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local -

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local - Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher - Assistente Técnico Local - No âmbito do Programa Pará - Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial de Políticas para

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

Projeto Empreendedores Cívicos

Projeto Empreendedores Cívicos Projeto Empreendedores Cívicos I. Conceito Empreendedores Cívicos são agentes de inovação social que fomentam e promovem transformações positivas em benefício da coletividade rumo a um Brasil Sustentável.

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2047 - Micro e Pequenas Empresas Número de Ações 10 Tipo: Operações Especiais 0473 - Honra de Aval decorrente de Garantia do Risco das Operações de Financiamento a Micro, Pequenas e Médias Empresas

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária;

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária; DECRETO Nº. Institui o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt Art. 1º Fica instituído o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt constante deste Decreto, com o objetivo de promover a política

Leia mais

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI)

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI) Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Visão: "Que em 2020 Santa Maria e região sejam referência pela capacidade de empreender,

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH Objetivo Geral PROPOR PROGRAMAS, AÇÕES E ESTRATÉGIAS, INTERSETORIAIS E INTERINSTITUCIONAIS, VISANDO ASSEGURAR O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO E SUSTENTÁVEL DOS USOS

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS PROJETO BRA/10/007

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS PROJETO BRA/10/007 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS PROJETO BRA/10/007 BOAS PRÁTICAS EM REDES NA IMPLANTAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA: SIPIA CONSELHO

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Marketing Apresentação Em uma economia globalizada e extremamente competitiva, torna-se cada vez mais imprescindível a visão estratégica

Leia mais

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Disseminar a cultura empreendedora e inovadora em Santa Maria Ações de disseminação da Cultura Empreendedora Ações de trabalho conjunto entre Universidades e Comunidade Divulgação do trabalho pelo CEI

Leia mais

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação Política de Informação Pública Salvador, 28 a 30 de junho de 2004 Política de Informação Pública Inclusão Digital de Micro e Pequeno Empresa Telecentros

Leia mais

Oficina Regional de Orientação a Instalação de Núcleos Estaduais de Apoio a Arranjos Produtivos Locais Articulados ao GTP APL Região Centro-Oeste

Oficina Regional de Orientação a Instalação de Núcleos Estaduais de Apoio a Arranjos Produtivos Locais Articulados ao GTP APL Região Centro-Oeste Oficina Regional de Orientação a Instalação de Núcleos Estaduais de Apoio a Arranjos Produtivos Locais Articulados ao GTP APL Região Centro-Oeste Secretaria de Estado para o Desenvolvimento da Ciência

Leia mais

Planejamento Estratégico INPE. São José dos Campos, 15 de março de 2007

Planejamento Estratégico INPE. São José dos Campos, 15 de março de 2007 Planejamento Estratégico INPE São José dos Campos, 15 de março de 2007 Fases e documentos FASE 1: Preparação e Lançamento do processo de Planejamento Estratégico Documento 1: Proposta de planejamento estratégico

Leia mais

REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA

REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA VALIDAÇÃO DO MODELO CONCEITUAL DE GC DOS CORREIOS POR MEIO DO PROCESSO PILOTO CEP Alceu Roque Rech CORREIOS 17.06.13

Leia mais

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS

Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS Projeto Cidades da Copa PLANO DE AÇÃO PORTO ALEGRE - RS PORTO ALEGRE EM AÇÃO É ESPORTE E EDUCAÇÃO O esporte não é educativo a priori, é o educador que precisa fazer dele ao mesmo tempo um objeto e meio

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dra. Eng. Março, 2009 Áreas de atuação Estágio Responsável Gestão e Inovação Gestão e Inovação Benchmarking Industrial

Leia mais

PROJETO DE FORMAÇÃO E MELHORIA DA QUALIDADE DA REDE DE SAUDE QUALISUS-REDE

PROJETO DE FORMAÇÃO E MELHORIA DA QUALIDADE DA REDE DE SAUDE QUALISUS-REDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2015 Consultor Conteudista para elaboração do Curso EAD voltado à Implantação de Serviço de Clínica Farmacêutica Intervenção Sistêmica Gestão da Assistência Farmacêutica : Implantação

Leia mais

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015

ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 ABCE REVITALIZADA PLANEJAMENTO 2011-2015 1 Destaques do levantamento de referências de associações internacionais Além dos membros associados, cujos interesses são defendidos pelas associações, há outras

Leia mais

Planejamento Estratégico 2007 2008. Quatro Projetos da Equipe 1

Planejamento Estratégico 2007 2008. Quatro Projetos da Equipe 1 Planejamento Estratégico 2007 2008 Objetivo Estratégico: Estimular criação / desenvolvimento e fortalecimento de programas estaduais e setoriais. Quatro Projetos da Equipe 1 revisão em 26/09/2007 Missão:

Leia mais

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. Monitoramento das Ações Estratégicas do Ministério da Educação

1ª Jornada Internacional da Gestão Pública. Monitoramento das Ações Estratégicas do Ministério da Educação 1ª Jornada Internacional da Gestão Pública Monitoramento das Ações Estratégicas do Ministério da Educação Brasília, 12 de março de 2013 da Educação Contexto do Ministério Ministério da Educação 7 Secretarias

Leia mais

VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE

VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE PETROBRAS - REGAP Contagem 19 de outubro de 2011 Iniciativas de Qualificação - PROMINP PROMINP O PROMINP (Programa de Mobilização da Indústria Nacional do Petróleo e

Leia mais

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária

Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE TRIBUTAÇÃO IMOBILIÁRIA Iniciativas para o Fortalecimento da Ação Fiscal dos Municípios em Tributação Imobiliária Salvador, 21 e 22 de novembro de 2007 SESSÃO III Inovação,

Leia mais

GTP APL: DEZ ANOS DE AVANÇOS E PERSPECTIVAS DE FUTURO

GTP APL: DEZ ANOS DE AVANÇOS E PERSPECTIVAS DE FUTURO GTP APL: DEZ ANOS DE AVANÇOS E PERSPECTIVAS DE FUTURO Ana Caroline Suzuki Bellucci 1 Fabiany Maria Made e Vellasco 2 Iedo Brito da Silva 3 Maria Cristina de A. C. Milani 4 1 INTRODUÇÃO O Grupo de Trabalho

Leia mais

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Visão: "Que em 2020 Santa Maria e região sejam referência pela capacidade de empreender,

Leia mais